Cinema e Educação em John Grierson. por Rosana Elisa Catelli CINEMA E EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cinema e Educação em John Grierson. por Rosana Elisa Catelli CINEMA E EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 Cinema e Educação em John Grierson por Rosana Elisa Catelli CINEMA E EDUCAÇÃO No Brasil, nas primeiras décadas do século XX, a relação entre cinema e educação deu origem a um intenso debate, em publicações da imprensa diária e em revistas especializadas de diversos setores sociais, tais como: educadores, cineastas, políticos, membros da igreja católica e de movimentos anarquistas. Desde a década de 1910, os anarquistas desenvolveram uma intensa reflexão sobre os usos do cinema, como um instrumento a serviço da educação do homem do povo e da transformação social (1), devendo este se converter em arte revolucionária. O pensamento católico também se dedicou à questão do cinema educativo, preocupado com a questão moral dos filmes exibidos. A Igreja criou os Cineacs, salas de cinema nas paróquias e associações católicas, que tinham por objetivo apreciar os filmes segundo as normas traçadas pela Igreja (2). Os educadores, por sua vez, combatiam o que eles chamavam de "cinema mercantil" e propunham a criação do cinema educativo que, segundo eles, poderia trazer benefícios pedagógicos aos alunos ao mostrar de forma mais real diversos aspectos da natureza e da geografia do Brasil. Para estes, o cinema educativo representava a luta contra o cinema "deseducador" e "portador de elementos nocivos e desagregadores da nacionalidade"(3). Todo este debate deu origem em 1936 ao Instituto Nacional de Cinema Educativo, dirigido por Roquette-Pinto e tendo o cineasta Humberto Mauro como técnico do Instituto. No INCE, entre 1936 e 1964, Mauro realizou 357 filmes pedagógicos e científicos. Nas décadas de 1930 e 1940, principalmente, os filmes produzidos correspondiam ao objetivo de reinventar o Brasil, mostrando a natureza exuberante e o homem primitivo como marcas de nossa nacionalidade. Como coloca Sheila Schvarzman, "até 1940, o que se desenha é a imagem de um país naturalmente harmônico e equilibrado no cosmos (...) a imagem de um país portentoso, dotado de uma natureza pródiga, uma ciência capaz de decifrá-la e grandes homens aptos a conduzir a nação ao grande destino inscrito nas promessas da natureza. Forjou-se na tela um país excepcional" (4). Doutora em Multimeios

2 A possibilidade de uso do cinema como instrumento pedagógico, doutrinário ou de propaganda estava colocada, no início do século XX, em vários países do mundo e independentemente da ideologia que professavam. Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, França, União Soviética, Canadá, estão entre os países que difundiram este uso para as imagens cinematográficas. Marc Ferro afirma, ao analisar a relação entre cinema e o poder soviético, que expressões como "apoderar-se do cinema", "controlá-lo", "dominá-lo" encontrava-se facilmente entre os altos escalões do governo soviético. Na URSS, "o cinema educativo, o cinema científico e de animação ocupam um lugar privilegiado no programa cultural (...) o documentário, o cinema 'para os camponeses', o documento-cinema são considerados igualmente como essenciais" (5). A Alemanha Nazista e a Itália Fascista também atribuíram um estatuto privilegiado ao cinema como educação das massas e propaganda ideológica, tendo sido criados departamentos cinematográficos vinculados diretamente ao Estado. A estes dois modelos de uso do cinema como instrumento político e pedagógico é que, mais comumente, se referiam os formuladores do cinema educativo no Brasil, aparecendo também citações de experiências realizadas nos Estados Unidos e à produção de filmes científicos franceses. Pelo que se pode observar na literatura sobre o cinema educativo, entre os anos de 1920 e 1930 no Brasil, é que havia um debate mundial sobre este uso do cinema e a produção de diversos filmes com este objetivo. As possíveis relações entre o comportamento humano em sociedade e as imagens cinematográficas, foram tema de artigos em jornais e revistas especializadas das mais diferentes áreas: medicina, psicologia, educação, religião, direito, etc, ou seja, as idéias sobre o cinema educativo estavam circulando nos quatro cantos do mundo. Entretanto, na literatura dos formuladores do cinema educativo no Brasil, pouco se nota referências à produção inglesa de documentários das décadas de 1930 e 1940, especificamente do produtor John Grierson que foi um defensor do uso pedagógico do cinema (6). Grierson fundou o movimento documentário inglês. Foi ele quem aplicou pela primeira vez o termo documentário, ao se referir ao filme de Robert Flaherty, intitulado Moana, de 1926 (7). Realizou seu primeiro filme em 1929, Drifters, e após 1930 foi produtor de diversos filmes documentários que tinham como proposta um cinema de intervenção social. Para ele, o documentário tinha a capacidade de observar e selecionar cenas da própria vida e de

3 interpretar os acontecimentos mais complexos do mundo real. A visão do documentarista precisava ser jornalística, mas, sobretudo, poética e dramática. Defendia que os filmes documentários poderiam também ser obras de arte e que "a escolha do documentário representava a escolha da poesia em lugar da ficção" (8). Apesar da ausência de referências aos filmes documentários de Grierson na literatura brasileira correspondente aos formuladores do cinema educativo, a análise de seus escritos e de sua produção fílmica é importante para entendermos as propostas de cinema educativo do período, mesmo aquelas que foram formuladas no Brasil. As idéias de Grierson e seus filmes circularam por vários lugares e contribuíram para a constituição de uma estética e de uma ética do filme documentário, que por um período esteve fortemente vinculado ao que se denominou cinema educativo. Sendo assim pretendemos a seguir, analisar algumas das idéias de Grierson sobre o uso pedagógico do cinema, bem como suas concepções sobre a questão da educação e da propaganda, pelos seus escritos, deixando para um próximo trabalho a análise de sua filmografia. Para isso, foram selecionados os seguintes textos do autor: First Principles of Documentary; The Nature of Propaganda; Education: a new concept e Propaganda and Education. POR QUE EDUCAÇÃO? "Quando os instrumentos estão quebrados e são inutilizáveis, quando os planos voam pelos ares e o esforço não tem sentido, o mundo aparece com um frescor infantil e terrível, suspenso sem rumo num vazio". Jean Paul Sartre (9) Os escritos de Grierson sobre a questão da educação estão contextualizados na Europa da Segunda Guerra Mundial, é a este cenário que ele se refere e é para a reconstrução do que a guerra havia destruído grande parte de sua preocupação. A análise que faz da sociedade inglesa do seu tempo possui o mesmo tom da frase de Sartre: "sem rumo num vazio". Segundo ele, várias mudanças de ordem econômica, política e tecnológica estavam acontecendo e a sociedade inglesa parecia não estar preparada para enfrentálas. Nem tão pouco o antigo sistema educacional, baseado numa tradição estritamente acadêmica, estava apto a atender às novas exigências colocadas pelo mundo moderno. Entretanto, para Grierson, em tempos de crise, como os que a Inglaterra enfrentava, para a qual ele constatava uma desorganização social, os homens almejam um imperativo moral e a educação seria um meio para alcançar este objetivo. Por isso, sua proposta é a de rever o processo educacional, reformular seus métodos e sua filosofia, pois é pela educação que se poderia resolver parte dos problemas sociais.

4 A educação, segundo Grierson, é o processo pelo qual os homens são providos para servir sua geração e no qual as mentes são entalhadas para a tarefa de constituir bons cidadãos, os quais devem estar unidos em nome de um propósito comum (10). Para ele, a Inglaterra precisava de educadores e não de soldados, já que era necessária uma mudança de valores para que estes se adequassem à nova realidade e se constituíssem como cidadãos capazes de participar e intervir na sua comunidade. Valores do passado, tais como, àqueles referentes ao individualismo moderno, já não faziam mais sentido na sociedade contemporânea. A educação, segundo ele, baseada somente nos direitos individuais teve por conseqüência a irresponsabilidade social, formou cidadãos voltados unicamente para seus objetivos privados, descolados de uma unidade pública e voltados exclusivamente para seu mundo pessoal. A crítica a "filosofia de vida que coloca o indivíduo e a sociedade como elementos antagônicos e define o sucesso em termos de expressão pessoal" (11), seria um dos temas centrais do pensamento de Grierson. Novos valores, portanto, deveriam substituir os antigos, numa relação que Grierson estabelece da seguinte forma: Antigos Valores Livre empreendimento e competição Liberdade Felicidade Palavras Passado Novos Valores Estado Deveres Sacrifício Ação Futuro Estes valores seriam acompanhados também de novas palavras-chave: disciplina, unidade, coordenação, esforço total e planejamento. O objetivo maior, do método educacional proposto por Grierson, seria o de formar o cidadão ativo, que tivesse sua ação concebida e corporificada numa comunidade de cidadãos e numa unidade pública. QUAL EDUCAÇÃO? O que Grierson estava propondo para a renovação do processo educacional não se reduzia ao aprendizado que se realizava nos bancos escolares. Pelo contrário, sua proposta para a formação de novos cidadãos, imbuídos de uma responsabilidade social, deveria ser desenvolvida por diversos setores vinculados ao Estado, ou ao menos, sendo este o responsável pelo planejamento central. Os novos métodos educacionais deveriam

5 contar principalmente com a utilização dos meios de comunicação, como o rádio e o cinema. Segundo ele, o processo tradicional de ensino não era mais capaz, sozinho, de realizar esta tarefa, estaria além de suas possibilidades. Segundo ele, a educação precisava extrapolar a sala de aula e atender às necessidades imediatas da sociedade e dos serviços públicos. A nova chave para a educação no mundo moderno seria, portanto, a propaganda, que poderia contribuir para estabelecer a cooperação e uma cidadania ativa. Segundo ele, a propaganda podia ser utilizada como um instrumento pedagógico, de forma positiva. Não necessariamente precisaria ser formulada nos mesmos termos do Estado Nazista ou fascista, pois, sua proposta não pretendia negar os valores defendidos pela democracia. Mesmo porque, para Grierson, a propaganda se ajusta ao tipo de sociedade que a produz, logo, aquela que seria realizada na Inglaterra estaria relacionada aos valores políticos deste país. A propaganda, com objetivos educacionais, seria um novo instrumento que auxiliaria os cidadãos a exercerem a democracia, que os orientaria com respeito às questões relacionadas à sociedade da qual fazem parte. A idéia de Grierson é que a sociedade inglesa vivia uma democracia ilusória, em que se acreditava que milhões de amadores, como ele chamava, pudessem opinar sobre tudo. Era necessário, portanto, dar condições para que estes cidadãos pudessem melhor julgar o que estava a sua volta e, desta forma, poderem interferir nos problemas que envolviam sua comunidade. A propaganda seria, então, este instrumento que possibilitaria os cidadãos se informarem, julgarem, se envolverem com a comunidade e participarem ativamente. Grierson parte das idéias de Walter Lippmann, cujo livro Public Opinion de 1922, trata do distanciamento entre o cidadão e o governo. Segundo Lippmann, o cidadão sentindo que não podia mais obter as informações necessárias para participar do processo decisório, afastou-se do governo. A solução para este problema estaria no processo educacional (12). Esta mesma preocupação com a lacuna estabelecida entre o cidadão, a comunidade e o governo, aparece nos escritos de Grierson. Segundo ele, o novo processo educacional, baseado em métodos dramáticos, como o filme documentário, deveria fornecer elementos para aproximar estes pólos. Sua proposta é de que o filme documentário poderia contribuir para uma melhora da sociedade, promovendo um funcionamento melhor da relação entre Estado e sociedade.

6 Esta melhora deveria acontecer não apenas em termos materiais, mas também espirituais. POR QUE O CINEMA DOCUMENTÁRIO? O que John Grierson admira na propaganda é seu potencial dramático, ou seja, a possibilidade de aproximação do indivíduo à sua realidade não apenas pela razão, mas também pelo sentimento. Segundo ele, o uso do rádio e de filmes, para a educação de jovens e adultos, traz a comunidade para perto do indivíduo. Pessoas da comunidade, segundo exemplo dado por ele, como o bombeiro e o carteiro, podem contar para as crianças suas ações cotidianas de trabalho e despertar nelas os ideais de cidadania. O filme tem esta possibilidade de aproximar o cidadão e sua comunidade. Segundo Grierson, o filme documentário não ensina o novo mundo pela análise do mesmo, ele comunica o novo mundo mostrando-o em sua natureza viva. Neste sentido, o filme documentário é uma proposta educacional para trazer ao cidadão o mundo, para acabar com a separação entre o cidadão e a comunidade a qual ele pertence. Ele considerava que era necessário envolver os cidadãos nas questões relativas ao governo, provocar o engajamento das pessoas nas questões relativas à administração cotidiana da comunidade. A fórmula para isso seria a dramatização dos diversos serviços públicos. Para Grierson, o documentário é uma técnica de observação do mundo cotidiano atual, que pode fornecer às pessoas uma compreensão rápida do conjunto complexo de forças que movimenta a sociedade moderna. É um método de comunicação que transmite um sentido de corporação, podendo constituir uma mobilização nacional em torno dos ideais de cidadania. O cinema de Grierson adquire uma missão social e uma responsabilidade cívica. Os filmes documentários deveriam contribuir para a formação do cidadão, mostrando o mundo em sua natureza viva e incorporada (13). É neste sentido, que ele alia o cinema à educação. As idéias de Grierson sobre o documentário estabeleciam uma oposição à produção hollywoodiana da época. Segundo ele "o material e as histórias extraídas da realidade em seu estado bruto podem ser mais (mais reais no sentido filosófico) que o material interpretado. O gesto espontâneo na tela tem um valor particular. O cinema possui a extraordinária capacidade de valorizar o gesto que a tradição tornou banal. Seu retângulo arbitrário revela especialmente o movimento. Valoriza o movimento no tempo e no espaço.

7 Acrescentemos a isso que o documentário permite atingir um nível de conhecimento imediato que os mecanismos artificiais dos estúdios e as interpretações 'delicadas' dos atores não conseguem igualar" (14). Procurava, então, demonstrar que o cinema podia ter como material a vida cotidiana, e que esta podia ser muito mais interessante em termos sociais e artísticos do que as cenas interpretadas por atores em estúdios. Evidentemente que os filmes de Hollywood não eram ideais para a proposta de cinema formulada por Grierson. Alguns filmes e diretores que estavam fora do circuito dos estúdios americanos é que serviram de inspiração para o filme documentário realizado por ele. Diretores como Serguei Eisenstein na União Soviética e Robert Flaherty nos Estados Unidos realizavam filmes que se aproximavam mais da idéia de Grierson quanto ao uso do cinema na educação dos cidadãos (15). A ALEGORIA DE JOHN GRIERSON Em seus escritos, Grierson, cita mais de uma vez o filósofo grego Platão, coloca a necessidade da sociedade retornar aos ideais platônicos de liberdade para servir a comunidade. Isto é, uma liberdade fundada não nas satisfações individuais, mas no bem comum. Neste sentido, os textos de Grierson sugeriram algumas relações com aquelas encontradas em Platão, mais especificamente, no Livro VII da República, em que o autor narra o mito da caverna. Nesta narrativa, alguns homens se encontram numa caverna, algemados, tendo apenas um fogo, por detrás deles, como iluminação. Conseguiam apenas ver as sombras de homens e objetos que passavam por fora da caverna. Como estavam nesta condição desde a infância, julgavam as sombras que viam como realidade. A saída da caverna, para qualquer um deles, seria penosa, pois depois de tanto tempo acostumados com o escuro seria penoso olhar para a luz. Num primeiro momento, qualquer um que saísse ficaria cego e somente aos poucos poderia enxergar o mundo a sua volta. Na alegoria de Platão, quando um dos prisioneiros abandona a caverna, enfrenta uma série de desafios, passa por um caminho íngreme, tem dificuldades de enxergar por conta da luminosidade, seu corpo fica dolorido por causa dos movimentos. Quando se depara com a realidade, fica deslumbrado, mas ao mesmo tempo o sofrimento lhe traz a

8 vontade de retornar à escuridão. Mas aos poucos vai se acostumando à luz e acaba por regressar a caverna para poder libertar os outros prisioneiros, tarefa esta também penosa. Este prisioneiro que primeiro saiu da caverna e que passa a enxergar a realidade, não aprende a ver, pois isso ele já sabia, mas redireciona seu olhar das sombras para a luz. A alegoria nos fala de uma reeducação do olhar, uma mudança na direção do pensamento, que deixando de olhar as sombras, imagens da realidade, passa a olhar as coisas verdadeiras. A idéia é de que o olho do espírito educado, o olhar intelectual, torna-se capaz de ver a luz das coisas verdadeiras. O prisioneiro quando volta à caverna, o faz em virtude do seu forte compromisso com a libertação daqueles que ainda se encontravam lá. Desse modo, o prisioneiro assume, no plano da alegoria, a mesma função que cabe ao filósofo ao encontrar-se consciente de sua responsabilidade com os destinos da cidade em que vive e, portanto, com a educação dos cidadãos para o bem comum. Segundo Jaeger, este papel de reeducação do olhar e do espírito, para Platão, cabe ao Estado, uma educação que versa sobre a alma do homem, na atitude de modelador de almas. O governante é o produto máximo da educação e a missão que lhe é designada é ser educador supremo de toda a cidade. "O homem perfeito só num tipo de Estado perfeito se pode formar, e vice-versa: a formação deste tipo de Estado é um problema de formação de homens" (16). Da mesma forma, Grierson vê como solução para os problemas sociais de sua época a questão de uma reeducação, que passa por um cultivo do espírito e pelo redirecionamento do olhar. O espírito seria cultivado pela aquisição de novos valores, de novos sentimentos direcionados ao bem comum, proporcionados por uma renovação no processo educacional. O olhar seria convertido pelas imagens fornecidas pelo filme documentário, que mostrariam a realidade vivida pelos cidadãos ingleses, retratando o cotidiano daqueles que trabalham pela comunidade, que sacrificam suas satisfações pessoais em nome do bem comum. Desta forma, libertar-se-iam das sombras formadas por um sistema educacional ultrapassado e pela distância entre Estado e sociedade. As imagens que Grierson propõe para o filme documentário dariam conta de revelar a própria sociedade para os indivíduos, um novo método de observação do mundo, modelando-os para se tornarem cidadãos responsáveis por sua comunidade. Era esta a tarefa que ele colocava nas mãos do Estado e nas novas tecnologias de informação, como o rádio e o cinema. O filme documentário para Grierson teria um papel de

9 libertação, de comprometer os homens com os destinos da sua comunidade, teria, enfim, uma responsabilidade social. DE VOLTA AO BRASIL Na literatura sobre o cinema educativo, no Brasil, entre os anos de 1920 e 1940, encontramos algumas referências a Robert Flaherty, que trabalhou com John Grierson. No entanto, filmes como Moana e O Homem de Aran dirigidos por Flaherty distanciam-se da proposta descrita acima e formulada por Grierson. Os filmes citados mostram as sociedades primitivas e a luta do homem contra a natureza gloriosa, mostram o equilíbrio entre o homem e sua cultura, reconstruindo costumes que já haviam desaparecido. A crítica que os ingleses fizeram aos filmes de Flaherty foi o ocultamento da destruição sofrida por estas sociedades, da exploração sofrida por eles, sendo desprovidos de uma crítica social. Talvez, a ausência de Grierson na literatura brasileira se deva não ao desconhecimento dos filmes documentários realizados por ele, mas a um distanciamento quanto à proposta. Enquanto no Brasil havia justamente a exaltação da natureza, isto é, uma reinvenção do Brasil que passava pela natureza gloriosa, em Grierson há a exaltação da indústria, da cidade e do homem trabalhador. Nos filmes produzidos pelo INCE, "os conflitos humanos não tem lugar(...) o que se desenha é a imagem de um país naturalmente harmônico e equilibrado no cosmos" (17). Já em Grierson, são justamente os conflitos humanos que devem ser expostos, conscientizando os cidadãos de seu papel na sociedade. NOTAS: 1. Ver FIGUEIRA, Cristina Aparecida R. O cinema do povo: um projeto da educação anarquista, São Paulo: PUC-SP Dissertação de Mestrado, Ver MORRONE, Maria Lúcia. Cinema e educação: a participação da "imagem em movimento" nas diretrizes da educação nacional e nas práticas pedagógicas escolares. São Paulo: FE/ USP, dissertação de mestrado, TELES, Ângela Aparecida. Cinema contra cinema: o cinema educativo em São Paulo nas décadas de 1920/1930. São Paulo: PUC, Dissertação de Mestrado, SCHVARZMAN, Sheila. O livro das letras luminosas, Humbeto Mauro e o Instituto Nacional de Cinema Educativo. In: FABRIS, Mariarosaria (org.) Estudos Socine de

10 Cinema, Ano III Porto Alegre: Sulina, p FERRO, Marc. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p Paulo Emílio escreve num artigo de 1958, que "a primeira referência entre nós ao movimento criado por John Grierson encontra-se no n.1 da RASM (Revista Anual do Salão de Maio), editado, por Flávio de Carvalho em Ver, GOMES, Paulo Emílio. Crítica da Cinema no Suplemento Literário - Volume 1, Rio de Janeiro: Paz e Terra, Ver ELLIS, Jack C. The documentary idea. New Jersey: Prentice Hall, p Citado por ALMEIDA, Manuel Faria de. Cinema Documental: História, Estética e Técnica Cinematográfica. Edições Afrontamento, Porto, 1982.p Citado por: ARENDT, Hannah in Homens de Tempos Sombrios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.p Ver GRIERSON, John. Op.cit. 11. Ver GOMES, op.cit, p Ver ELLIS, Jack C. The documentary idea. New Jersey: Prentice Hall, p Grierson, John. Education: a new concept.p John Grierson, primeiros princípios do documentário. Campinas, Cinemais, 1997., p Ver ELLIS, Jack C. Op.cit. 16. JAEGER, Werner. Paidéia, a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, p SCHVARZMAN, Sheila. Op.cit, p. 481 BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, Manuel Faria de. Cinema documental: história, estética e técnica cinematográfica. Porto: Edições Afrontamento, ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das Letras, CHAUÍ, Marilena. Introdução à História da Filosofia: dos pré-socráticos a Aristóteles, volume 1. São Paulo: Companhia das Letras, ELLIS, Jack C. The documentary idea. New Jersey: Pratice Hall, FIGUEIRA, Cristina Aparecida R. O cinema do povo: um projeto da educação anarquista, São Paulo: PUC-SP, Dissertação de Mestrado, FERRO, Marc. Cinema e História. São Paulo: Paz e Terra, GOMES, Paulo Emílo Sales. Crítica de Cinema no Suplemento Literário, volume 1. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GRIERSON, John. First principles of documentary. IN: BARSAM, Richard Meran. Nonfiction film, theory and criticism. New York: A Dutton Papaerback, John Grierson, primeiros princípios do documentário. Campinas, Revista Cinemais, n.8,

11 p.65-66, nov./dez. de 1997 GRIERSON, John. The nature of propaganda. IN: BARSAM, Richard Meran. Nonfiction film, theory and criticism. New York: A Dutton Papaerback, HARDY, Forsyth. Grierson on documentary. London & Boston: Faber and Faber, JAEGER, Werner. Paidéia, a formação do homem grego. São Paulo, Martins Fontes, MORRONE, Maria Lúcia. Cinema e educação: a participação da "imagem em movimento" nas diretrizes da educação nacional e nas práticas pedagógicas escolares. São Paulo: FE/USP, dissertação de mestrado, NICHOLS, Bill. Representing Reality. EUA: Indiana University Press, PLATÃO. A República. São Paulo: Editora Martin Caret, SADOUL, Georges. Histoire du cinéma mondial, des origines a nos jours. Paris: Ed. Flammarion, SADOUL, Georges. Dictionnaire de cineastes. Paris: Microcosme/Éditions du Seuil, SCHVARZMAN, Sheila. O livro das letras luminosas - Humberto Mauro e o Instituto de Cinema Educativo. In: FABRIS, Mariarosaria (org.). Estudos Socine de Cinema, Ano III Porto Alegre: Sulina, SUSSEX, Elizabeth. The rise and fall of British Documentary. Berkeley and Los Angeles, California: University of California Press, TELES, Ângela Aparecida. Cinema contra cinema: o cinema educativo em São Paulo nas décadas de 1920/1930. São Paulo: PUC, Dissertação de Mestrado, 1995.

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

Platão e a Filosofia da Educação Renato José de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro

Platão e a Filosofia da Educação Renato José de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Platão

Leia mais

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO

EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. RESUMO EDUCAÇÃO FISÍCA PARA O CORPO E FILOSOFIA PARA A ALMA. Albertino José da Silva 1 Anderson Alves da Silva 2 Faculdade Mauricio de Nassau 1 Universidade Estadual da Paraíba 2 RESUMO Analisaremos o ensino

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade

COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira. Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade COLÉGIO MARISTA S.LUÍS ENSINO RELIGIOSO PROF.:Francisco Ferreira Evolução histórica das reflexões sobre a Felicidade O Bem Pessoal e o Comunitário O que é o Bem? Bem é a qualidade de excelência ética que

Leia mais

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente;

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; GRÉCIA ANTIGA Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; Diferentes classes sociais; Escravos (produção); Aristocratas (representação mostra de superioridade e desenvolvimento para outros povos artes,

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA

A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA 1 Maria Lindaci Gomes de Souza Universidade Estadual da Paraíba lindaci26@hotmail.com

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

Módulo II - PERSPECTIVAS, TENDÊNCIAS E LEGISLAÇÃO NO BRASIL Unidade I - História da EAD

Módulo II - PERSPECTIVAS, TENDÊNCIAS E LEGISLAÇÃO NO BRASIL Unidade I - História da EAD Módulo II - PERSPECTIVAS, TENDÊNCIAS E LEGISLAÇÃO NO BRASIL Unidade I - História da EAD PRIMÓRDIOS A Grécia foi berço da educação ocidental. A Paidéia, base da educação grega, concebia a formação integral

Leia mais

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 RL: Rodrigo Luna CB: Claudio Bernardes CB Senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à solenidade de entrega do Master Imobiliário. É uma honra poder saudar nossos convidados

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) Assinale a alternativa correta que completa as lacunas da frase a seguir. No sentido geral, a ontologia, cujo termo tem origem na, se ocupa do em geral, ou seja, do ser, na mais ampla acepção da palavra,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE MIDIAS NA EDUCAÇÃO ANGELA CRISTINA NUNES GUEDES HUERTAS ORIENTADOR: PROFESSOR: PAULO GUILHERMETI O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL:

Leia mais

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA O IMPÉRIO ALEXANDRINO A FILOSOFIA ESTOICA PARTE DA SEGUINTE PERGUNTA: COMO DEVO AGIR PARA VIVER BEM? COMO POSSO VIVER BEM E,

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

Cronograma do IV SID

Cronograma do IV SID 06/10 07/10 08/10 De 15h às 17h - Investigando As Expectativas Dos Alunos Da Escola Estadual Evandro Ávila Quanto À Construção De Um Projeto De Educação Ambiental (Biologia) - Ensino De Ciências Para Alunos

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

INTELIGÊNCIA PRODUTIVA

INTELIGÊNCIA PRODUTIVA INTELIGÊNCIA PRODUTIVA SIDINEI MARCELO DOS SANTOS Uniesp - Faculdade Renascença SP RESUMO: Este artigo pretende discutir o homem como ser único, com características e habilidades únicas e por isso temos

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

08/10/14 sala 2. 13h30. 13h45. 14h00. 14h15

08/10/14 sala 2. 13h30. 13h45. 14h00. 14h15 08/10/14 sala 2 FORMAÇÃO INICIAL E O PROCESSO DA ESCRITA EM FRANCÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE LEITURA COMO ASPECTOS CONSTITUTIVOS DA BASE DE CONHECIMENTOS DO PROFESSOR CRENÇAS DE

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA Fabricia Evellyn Araújo Medeiros 1 Email: fabriciaevellyn3@gmail.com Amelia Neta Diniz de Oliveira 2 Email: ameliadiniz.uepb.@gmail.com Daniela Santos

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

PROJETO EDUCACIONAL. Rio de Janeiro 2005

PROJETO EDUCACIONAL. Rio de Janeiro 2005 PROJETO EDUCACIONAL Rio de Janeiro 2005 C:\Documents and Settings\Allan.AMPERJD\Configurações locais\temporary Internet Files\Content.IE5\8LIFGDIN\PROJETO_EDUCACIONALMP.doc 1 ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO 2-

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1

A PRÁTICA DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1 A PRÁTICA DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1 GONÇALVES JUNIOR, Luiz RAMOS, Glauco N.S. Resumo: A dificuldade dos graduandos e profissionais integrarem

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO

6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO 1 6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO A disciplina de Filosofia no Ensino Médio visa desenvolver o senso crítico dos alunos objetivando um cidadão preparado para

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com Gestão Pedagógica capa Por Carolina Mainardes carolina@humanaeditorial.com.br Bom dia, Escolas assumem o desafio de ensinar valores e formar cidadãos completos, em cenário que contempla famílias compenetradas

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFº DANILO BORGES (UFU ) Segundo Jean Paul Sartre, filósofo existencialista contemporâneo, liberdade é I- escolha incondicional que o próprio homem

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

Anjos e carrascos CONCEITOS A EXPLORAR. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. H istória. Identidade social e diversidade. Ideologia.

Anjos e carrascos CONCEITOS A EXPLORAR. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. H istória. Identidade social e diversidade. Ideologia. CONCEITOS A EXPLORAR H istória Identidade social e diversidade Ideologia. Permanências e mudanças históricas. Relações políticas, sociais e de poder. Religião e religiosidade. Semelhanças e diferenças

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO

GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO Preletora: Antônia dos Santos Alves Quem é o Gestor? Ajustar a mente no início do dia. Escola é uma empresa com características próprias O ato de orar antes das

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO (X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A Maçonaria ao encontro da Cidadania

A Maçonaria ao encontro da Cidadania A Maçonaria ao encontro da Cidadania Congresso da GLFP de Setembro de 6013 - Quem vem lá? 1ª Vig.. - Quem vem lá? 2ª Vig.. - Quem vem lá? - Uma mulher livre e de bons costumes. 1ª Vig.. - Uma mulher livre

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PSICOLOGIA ISSN: 1806-0625 Ano VI Número 10 Maio de 2008 Periódicos Semestral RESENHA BIBLIOGRÁFICA COLACITI, Alethéa Kennerly Coordenadora-Adjunta e Psicóloga da C.E.P.P.A.

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

MATEMÁTICA E LITERATURA INFANTIL: UMA NOVA E POSSÍVEL ABORDAGEM

MATEMÁTICA E LITERATURA INFANTIL: UMA NOVA E POSSÍVEL ABORDAGEM MATEMÁTICA E LITERATURA INFANTIL: UMA NOVA E POSSÍVEL ABORDAGEM Cristiane Imperador CES Ms. Vera Lúcia Martins - CES 1. RESUMO O objetivo da nossa oficina é integrar literatura nas aulas de matemática

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS E CORRENTES Talita Cristina de Oliveira Educação ato de educar; ensino; processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício (Ruth

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 1 ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 Cristiano Pinheiro Corra 2 Lorena Carolina Fabri 3 Lucas Garcia 4 Cibélia Aparecida Pereira 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo suscitar

Leia mais

Resumo. 1 - Introdução

Resumo. 1 - Introdução Este artigo, disponível em http://www.nied.unicamp.br/oea/, refere-se ao curso de construção de páginas para a Internet desenvolvida para professores, realizado por pesquisadores da PUCSP em 2000, junto

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE.

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. Mônica Cintrão França Ribeiro Universidade Paulista (UNIP) Comunicação Científica RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COMO AÇÃO SOLIDÁRIA DE INCLUSÃO

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COMO AÇÃO SOLIDÁRIA DE INCLUSÃO EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COMO AÇÃO SOLIDÁRIA DE INCLUSÃO Prof. Dr. Luiz Marconi Fortes Magalhães* *Ph.D. em Ciências do Meio Ambiente - UQAM/Canadá; Diretor do Núcleo Pedagógico Integrado -NPI/UFPA;

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais