ESTUDO DA CADEIA DE VALOR DO TURISMO DA CIDADE DE MAPUTO: Recomendações para o Turismo Pro-pobre. Resumo Executivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA CADEIA DE VALOR DO TURISMO DA CIDADE DE MAPUTO: Recomendações para o Turismo Pro-pobre. Resumo Executivo"

Transcrição

1 ESTUDO DA CADEIA DE VALOR DO TURISMO DA CIDADE DE MAPUTO: Recomendações para o Turismo Pro-pobre Resumo Executivo Novembro de 2009

2 INICIATIVA: Ministério do Turismo Governo da Cidade de Maputo DTCM Município de Maputo SNV Netherlands Development Organization Ana Comoane David Cangoa João Munguambe Quirin Laumans PARCEIRO EXECUTIVO: SNV Netherlands Development Organization Coordenador do Estudo Assessoria Técnica Federico Vignati Luis Sarmento Vignati, Federico. Estudo da Cadeia de Valor do Turismo na Cidade de Maputo: recomendações para o turismo pro-pobre. SNV- Netherlands Development Organization. SNV : Maputo,

3 Colaboração Técnica Pesquisa do Setor Hoteleiro Pesquisa do Setor de Artesanato Pesquisa do Setor de Agencias de Viagens Pesquisa da Demanda Mapeamento de Zonas Turísticas Prioritárias Cidade de Maputo Tânia Barbero (AHSM) Abel Dabula (CEDARTE) Estevão Machado (CEDARTE) Carlos Vignolo (ICC) Paulo Ribeiro (ICC) Gilberto Ricardo (Univ. Politécnica) Amiel Gonçalves David Cangoa Estevão Machado Fernando Conta Gisela Malauene João Munguambe Lizy Matos Lorraine Johnson Maria dos Anjos Rosário Maxwell Namitete Mieke Oldenburg Natalie Tenzer-Silva Tomé Muluana Remigio Magumbe Ricardo Combomune Zacarias Sumbana 3

4 Grupo Consultivo: Ministério do Turismo Instituto Nacional de Turismo INATUR Governo da Cidade de Maputo DTCM Município da Cidade de Maputo (DMAE e DMPUA) Associação de Hotéis do Sul de Moçambique - AHSM CEDARTE Centro de Estudos e Desenvolvimento do Artesanato SNV Netherlands Development Organization Nações Unidas UN Programa Integrado de Cultura e Industrias Criativas Lizy Matos Maxwell Namitete Ricardo Combomune Tomé Muluana Zacarias Sumbana Bernardo Dramos Jeremias Manussa David Cangoa Amiel Gonçalves Remigio Magumbe Atanásio Jordão João Munguambe Ossemane Narcy Fernando Conta João Carlos da Costa Allen Rodrigues Quessania Matsombe José Luis Gomes de Souza Evaristo Madime Abel Dabula Estevão Machado Federico Vignati Lorraine Johnson (UNESCO) Paulo Mondlane (ITC) Rotafina Donco (ILO) 4

5 Sumário 1. INTRODUÇÃO IMPORTANCIA e OBJETIVOS METODOLOGIA F1. ESTUDO DE CAMPO & DIAGNÓSTICO a) Formação de Grupo Consultivo: b) Elaboração do Mapa de Pólos Turísticos da Cidade de Maputo: c) Pesquisa de Campo: RESULTADOS Relevância Econômica do Turismo em Moçambique Impacto do Turismo na Economia da Cidade de Maputo Mapeamento dos Pólos Turísticos da Cidade de Maputo Impacto do turismo nos Elos da Cadeia devalor Recomendações ANEXO

6 6

7 1. INTRODUÇÃO 7

8 O presente estudo resulta de uma iniciativa da SNV e de uma ampla coordenação e colaboração do Ministério do Turismo (Mitur), Governo da Cidade, Município, Associação de Hotéis do Sul de Moçambique- AHSM, CEDARTE, ICC, e do Programa de Indústrias Criativas das Nações Unidas. Neste documento, titulado de Estudo da Cadeia de Valor da Cidade de Maputo, se apresenta uma analise das atividades econômicas que integram a cadeia de valor do turismo na cidade de Maputo, e mais especificamente, se revela como o total das receitas derivadas desta atividade se distribuem na economia local, contribuindo para o desenvolvimento do setor privado e conseqüentemente com a geração de oportunidades de trabalho, rendimento beneficiando varias camadas da sociedade e em particular aos mais pobres. Como cadeia de valor aqui entendemos ao conjunto de atividades que são necessárias para atrair pessoas até um destino e garantir que todas suas necessidades sejam atendidas (acomodação, alimentação, compras, atividades de lazer, etc). Para fins desta investigação, especial ênfase foi dada as atividades econômicas que tem maior incidência ou impacto no destino turístico de Maputo, quer dizer a aquelas atividades da cadeia de valor que acontecem no âmbito deste território e que por tal motivo, tem maior capacidade de gerar trabalho e rendimento na cidade. A realização deste estudo decorre de uma visão compartilhada entre os parceiros que lideram esta iniciativa. É consenso que a atividade turística é uma importante dinamizadora econômica, mas é preciso reconhecer o seu verdadeiro impacto na economia local, e como as diversas atividades produtivas contribuem com a geração de trabalho e rendimento na cidade, sobre tudo no âmbito das camadas mais pobres da população. Neste sentido, resultados deste estudo, poderão servir de subsídio para a consolidação de um modelo de negócios inclusivos na cidade de Maputo. Este modelo deverá resultar de uma melhor integração vertical nas diversas cadeias de suprimentos, assim como da ampliação da cooperação horizontal entre empresas de um mesmo setor ou localizadas em um mesmo pólo dentro da cidade. Tudo isto evidentemente beneficiando a competitividade e o desenvolvimento sustentável do destino turístico de Maputo. 8

9 Tendo como referencia os resultados de este estudo, o Estado, Empresários, ONG s e Doadores poderão ainda encontrar sinergias e trabalhar de maneira mais efetiva no desenho e seleção de políticas publicas, programas e demais incentivos que venham contribuir com o desenvolvimento de um setor privado cada vez mais competitivo e comprometido com a inclusão econômica dos mais pobres. Outra motivação que justifica a importância deste estudo está baseada no compromisso da SNV para com a melhoria geral das condições de qualidade de vida e desenvolvimento social e econômico das comunidades pobres de Moçambique. Aqui se busca, pela via da investigação técnico-científica, fundamentos sólidos para ampliar a inserção social dos mais pobres na economia do turismo, neste caso em particular na cadeia de valor do turismo da cidade de Maputo. A terceira motivação está pautada na convicção, cada vez mais difundida, de que a preocupação com a sustentabilidade social e econômica do turismo se apóia na conexão entre a inserção social qualificada e o maneio e valorização de relações de confiança e de respeito entre empreendimentos privados, o turista e as comunidades num cenário de regulamentação e monitoria do sector público. Neste sentido, este estudo vem estimular maior consciência neste sentido e oferecer subsídios para materializar relações cada vez mais sustentáveis. A SNV-Moçambique com o presente projeto busca articular as motivações identificadas neste âmbito de intervenção, cidade de Maputo, com outros estudos da cadeia de valor que também estão sem andamento nos destinos de Nampula e Inhambane, visando com isto realizar uma contribuição mais significativa ao estudo da cadeia de valor do turismo em Moçambique, possibilitando uma reflexão mais amplia e estruturada sobre como o turismo contribui com o desenvolvimento econômico do país, e sobre tudo, como esta atividade econômica poderia alavancar milhares de oportunidades de emprego e renda para os mais pobres. Essas reflexões, estão no centro da construção do presente projeto, denominado Estudo da Cadeia de Valor do Turismo na Cidade de Maputo, cujo desafio é contribuir de forma decisiva para que investimentos públicos e privados tenham condições de melhorar tanto de um ponto de vista quantitativo como qualitativo as condições de vida dos mais pobres, 9

10 aproveitando seu potencial e capacidade humana para a promoção do crescimento econômico e do desenvolvimento social. 2. IMPORTANCIA e OBJETIVOS 10

11 O Estudo da Cadeia de Valor do Turismo se insere no contexto do conjunto de investigações de economia aplicada ao turismo, a onde se busca reconhecer o impacto do turismo a economia das comunidades receptivas. O esforço de reconhecer o impacto do turismo, utilizando como referencia o modelo de análise da Cadeia de Valor, se justifica em diversos motivos, podendo destacar: Oferece uma imagem atualizada e consistente sobre as transações que ocorrem no âmbito do destino turístico em análise, oferecendo informações fundamentais para melhorar a eficiência econômica e estimular a competitividade; Permite uma compreensão detalhada entre as ligações dos elementos produtivos com os elementos do mercado sinalizando constrangimentos e oportunidades; Possibilita o mapeamento efetivo dos elementos que dificultam a competitividade da atividade econômica, principalmente no âmbito das cadeias de suprimento em análise; Permite uma identificação objetiva da inserção dos pobres na cadeia de valor do turismo, favorecendo ao desenho de políticas que estimulem a sua inserção social e econômica no âmbito da atividade turística. Neste âmbito de estudo, é possível compreender a Cadeia de Valor do Turismo -CVT como ao conjunto de cadeias de suprimento que compõem o produto(s) turístico(s) de um determinado destino, tendo neste caso em particular especial destaque aqueles que agregam valor a experiência do turista, possibilitando sua hospedagem, alimentação, mobilidade, entre outros elementos chave. 11

12 Embora seja possível reconhecer a CVT desde diversos pontos de vista e perspectivas, como por exemplo, a CVT da Economia da Experiência, ilustrada pela figura a seguir: Para fins de este estudo, a CVT estará integrada por todas aqueles segmentos e/ou cadeias de suprimento do turismo receptivo local da Cidade de Maputo, quer dizer aquelas atividades estruturantes do turismo receptivo do destino. São estas: O critério estabelecido para esta delimitação resulta dos dados levantados na etapa exploratória e do consenso em torno a relevância econômica de estas 5 atividades. Pudendo, a partir do conhecimento profundo de cada um destes segmentos, identificar entraves e oportunidades de intervenção para estimular em cada um dos elos e no conjunto 12

13 da cadeia de valor, eficiência econômica que se desdobre em maiores oportunidade de trabalho e rendimento para as comunidades receptivas. Neste contexto, e tendo como referencia a importância de reconhecer à contribuição econômica do turismo a cidade de Maputo, se prossegue com o detalhamento do Objetivo Geral e dos Objetivos Específicos. Objetivo Geral Realizar estudo da cadeia de valor do turismo na cidade de Maputo, integrando os principais elos do turismo receptivo, através de um conjunto de pesquisas estruturadas de natureza quantitativa que permitam a identificação consistente do fluxos econômicos no mercado local, e com isto identificar os elos da cadeia com potencial para melhorar a participação e inclusão dos pobres, para alem de identificar e propor a exploração das cadeias de produção local e fornecimento de produtos e serviços com maior potencial de oportunidades para os pobres. Objetivos Específicos Identificar os elos da cadeia de valor que apresentam (no momento) maior retenção do total de fluxo econômico derivado do gasto turístico na cidade de Maputo; Identificar quanto do dinheiro produzido nos elos fica retido na economia local; Identificar quanto deste dinheiro impacta direta ou indiretamente na economia produtiva local resultante da atividade econômica da população de baixa renda (salários, fornecimentos, serviços); Analisar à luz das evidencias levantadas, as possibilidades de intervenção da SNV e dos seus parceiros em ações eficazes de turismo responsável, inclusivo, pro-pobre e definitivamente sustentável, no âmbito do destino Maputo. 13

14 3. METODOLOGIA 14

15 Para alcançar os objetivos definidos neste trabalho, a SNV veio aplicar uma proposta metodológica de trabalho própria, estruturada em 4 Fases. Considerando as limitações intrínsecas a qualquer processo de pesquisa social, e tendo como referência o objetivo central deste trabalho, foi preciso delimitar o território objeto da pesquisa a Cidade de Maputo. Neste contexto, o trabalho de campo foi executado tendo como referencia dois parâmetros, o primeiro vinculada as cadeias de suprimento incorporadas ao estudo, e o segundo vinculado a identificação de aglomerações de empresas de turismo ou de pólos turísticos na cidade de Maputo. Tendo como referencia ambos critérios se prossegui com a execução da Fase 1 Estudo de Campo & Diagnóstico. 15

16 F1. ESTUDO DE CAMPO & DIAGNÓSTICO A Fase 1 resulta de uma combinação de ações complementares e sinérgicas que permitam estabelecer o clima necessário para garantir a adesão dos principais atores do turismo da cidade de Maputo. Assim mesmo, a metodologia executada, permitiu criar entre todos os envolvidos o senso de oportunidade necessário para garantir uma eficiente e ativa agenda de trabalho interinstitucional. Foram ao todo 78 instituições envolvidas na realização de este estudo, representando os diversos segmentos econômicos, a sociedade civil, doadores internacionais e instituições públicas do governo (nacional e município). A seguir se realiza breve descrição de cada um dos componentes que integrara a Fase 1, permitindo assim uma melhor compreensão da metodologia aplicada. a) Formação de Grupo Consultivo: Considerando a natureza transversal da atividade turística e no sentido de garantir a qualidade na coleta de informações, foi preciso iniciar o trabalho, estimulando a formação de um grupo de trabalho interinstitucional, que assumisse para se um papel ativo na realização do estudo. Neste sentido, foram realizadas inicialmente reuniões de trabalho independentes, que tinham como fim a sensibilização de cada uma das instituições diante dos objetivos do estudo, para logo culminar com reuniões de trabalho conjuntas, que semeariam a base para a formação de um Grupo Consultivo. Vale ressaltar que para a SNV a formação de este Grupo Consultivo é vista como fundamental, não apenas para a realização deste trabalho em particular, porém para a instalação de uma melhor articulação interinstitucional. Sendo assim, espera-se que o Grupo possa continuar suas atividades de maneira permanente. 16

17 b) Elaboração do Mapa de Pólos Turísticos da Cidade de Maputo: No sentido de complementar a analise da economia do turismo na cidade de Maputo e permitir uma leitura mais objetivo sobre a dinâmica de desenvolvimento local que apresenta a cidade, foi percebido por bem, a incorporado a este estudo da análise de pólos ou clusters turísticos. Esta incorporação veio se materializar com a elaboração do Mapa de Pólos Turísticos da Cidade de Maputo. Este mapa resulta do trabalho colaborativo dos membros do Grupo Consultivo e outros parceiros do setor privado, totalizando 16 pessoas do setor público, privado, sociedade civil e da UN que vieram unir esforços na realização deste trabalho. Para manter o alinhamento técnico dos colaboradores envolvidos na elaboração do Mapa, a SNV preparou 2.Concept Papers titulados Aproximação ao Conceito de Clusters Turísticos e Modelo para Análise de Clusters Turísticos, ambos documentos amplamente distribuídos entre os participantes. Vale lembrar que esta base de conhecimento técnico, permitiu a todos, maior objetividade durante a realização dos trabalhos de análise territorial. ( Ver Anexo 1) c) Pesquisa de Campo: O componente pesquisa de campo foi estruturado em três atividades complementares: 1ª. Pesquisa da Demanda; 2ª. Pesquisa dos segmentos que integram a Cadeia de Valor do Turismo. 17

18 1ª. Pesquisa da Demanda: Para a realização da pesquisa da demanda de turismo da cidade de Maputo, foi realizada uma parceria com a Universidade Politécnica, particularmente com a Coordenação do Curso de Turismo. A coordenação foi responsável pela mobilização e sensibilização de 12 alunos da faculdade, assim como da sistematização dos dados. Todas estas tarefas realizadas com excelência. A pesquisa foi realizada no período de 7 a 11 de setembro nas instalações do Aeroporto Internacional de Maputo,. É importante reconhecer e agradecer a esta instituição pela facilitação do acesso da equipe de pesquisa. Foram ao todo entrevistados 230 turistas (domésticos e internacionais). O resultado da pesquisa forneceu valiosas informações que vieram por um lado a enriquecer nossa compreensão sobre o desenvolvimento da atividade turística no destino de Maputo, assim como permitiu que seja realizada a validação de parte dos dados coletados nas etapas subseqüentes. 2ª. Pesquisa dos Segmentos que Integram a Cadeia de Valor do Turismo: Neste momento é que se realiza a pesquisa que se pode caracterizar propriamente como o estudo da Cadeia de Valor. Para este fim, foram primeiramente identificados aqueles segmentos ou cadeias de suprimento que tem maior representatividade no âmbito da atividade econômica do turismo na cidade de Maputo, podendo destacar: Meios de Hospedagem; 18

19 Agencias & Operadoras de Turismo; Bares & Restaurantes Produtores e Comerciantes de Artesanato ; Transportes; e Comercio em geral. Realizada a identificação dos principais segmentos, foram articuladas reuniões de mobilização e sensibilização com os respectivos grupos representativos, quando possível. Este foi o caso da Associação de Hotéis do Sul de Moçambique e da Associação de Agentes de Viagens e Operadores Turísticos de Moçambique AVITUM. Neste momento, cabe também o reconhecimento da capacidade mobilizadora e engajamento de ambas organizações. Aqui vale destacar ainda a colaboração fundamental da consultoria ICC. Esta empresa nacional se prontificou a participar deste estudo, assumindo para sim a responsabilidade de coletar os dados junto ao segmento das Agencias e Operadoras do Turismo. O trabalho foi desempenhado de maneira excelente, e sua contribuição foi de fato fundamental para consumar o estudo dentro do prazo previsto. No âmbito da pesquisa junto ao segmento de Bares & Restaurantes foi necessário tratar diretamente como cada um dos empreendedores do setor. Isto por que no momento, não existe nenhuma organização representativa deste segmento, evidentemente isto dificulto bastante o trabalho, e evidentemente não permitirá uma boa capitalização dos resultados por este segmento, embora seja um dos principais elos da cadeia de valor. Embora o segmento de produção e comercio artesanal não conte no momento com uma associação representativa, a CEDARTE, teve um papel fundamental na coleta de dados deste segmento. Foi graças a execução do Programa Integrado das Nações Unidas de Industrias Criativas e Turismo Cultural, que a CEDARTE foi mobilizada para realizar um importante estudo de âmbito nacional sobre a Cadeia de Valor do Artesanato. Graças ao entendimento conjunto 19

20 entre a ITC, UNESCO, ILO, CEDARTE e SNV, foi decidido que atuaríamos em colaboração e sinergia buscando a otimização dos esforços no âmbito de ambas pesquisa o ECV do Turismo e o ECV do Artesanato. Meios de Hospedagem: De acordo com dados do MTur, na cidade de Maputo existe no momento 106 unidades hoteleiras. Este conjunto esta assim mesmo agrupado em pelo menos 6 categorias incluindo aqui ao conjunto de pousadas e albergues. Neste sentido, e tendo como referencia a necessidade de definir uma amostragem representativa não apenas do segmento, mas ainda representativa da tipologia de turismo que prima na cidade de Maputo (negócios & lazer) foi possível identificar 20 meios de hospedagem que absorveriam 80% do total do gasto em hospedagem na cidade de Maputo. Deste total (detalhado na tabela a seguir), foram coletados dados junto a 10 empreendimentos obtendo uma amostragem satisfatória para a realização de extrapolações e acima do previsto inicialmente. Meios de Hospedagem Empresa Categoria 1 Sundown Guest House 0 2 Hotel Santa Cruz 1 3 Hotel Tamariz 2 4 Hotel Africa I 3 5 Hotel Africa Hotel Hoyohoyo 3 7 Hotel Monte Carlo 3 8 Hotel Terminus 3 9 Hotel Tivoli 3 10 Hotel Turismo 3 11 Hotel Vila das Mangas 3 12 Hotel das Arabias 3 13 Hotel Moçambicano 3 14 Hotel Cardoso 4 15 Hotel Girasol 4 16 Hotel Indi Village 4 17 Hotel Rovuma Carlton 4 18 Hotel Southern Sun 4 19 Hotel Avenida 5 20 Hotel Polana 5 20

21 b) Bares e Restaurantes: De acordo com dados do Governo da Cidade de Maputo, o segmento de A&B de Maputo esta constituído por 980 empreendimentos, em sua maioria micro e pequenos negócios. Considerando os objetivos de esta investigação, e no sentido de definir uma amostragem representativa, os empreendimentos foram categorizados pela sua localização, isto por que se parte do principio que tem certas zonas da cidade, a onde existe maior presença e portanto maior demanda de turistas. Neste sentido foram priorizadas as seguintes zonas: Baixa, Margina e Polana Tendo como referencia esta estratificação amostral, foram mapeados um conjunto de restaurantes que se apresentam inclinados a atender a demanda turística doméstica e internacional. Foi a partir de esta base referencial que se identificaram 21 restaurantes. Deste total, 10 participaram da amostragem. 21

22 c) Agencias de Viagens e Operadores Turísticos: De acordo com dados do Governo da Cidade, o segmento de agencias de viagens e de operadores turísticos da cidade de Maputo, estaria constituído por 38 empreendimentos legalmente cadastrados e autorizados para funcionamento. Entretanto, considerando que este estudo tem por objetivo identificar o impacto da atividade turística na Cidade de Maputo, foi preciso reconhecer e mapear inicialmente aquelas empresas que comercializam produtos e serviços de turismo receptivo. Neste contexto, e graças a colaboração da Associação de Agentes de Viagens e Operadores Turísticos de Moçambique foi possível identificar 20 agencias e operadoras que teriam operação de turismo receptivo na cidade. Deste total 10 empresas foram escolhidas e participaram da amostragem. Empresa 1 Luso Globo 2 Tropical 3 Mozambique Welcome 4 Dana Tours 5 Simara Travel 6 Novo Mundo 7 Intertur 8 Aquarium Grupo 9 Cotur Travel Tours 10 Golden Travel 11 Mozaic Travel 12 Orient Travel & Tours 13 Agência de Viagens Cotur 14 JF Travel & Serviços 15 Mayra Tours Mozambique 16 talk travel solutions Dana Agency Moçambique, 17 Lda 18 Agência de Viagens Aquarium 19 Golden Travel 20 Bismillah Travel Agency 22

23 d) Produtores e Comerciantes de Artesanato: Tendo como ponto referencia que este publico alvo se apresenta como um dos segmentos com incidência pro-pobre, foram conduzidas duas pesquisas complementares, a primeira dirigidas aos produtores de artesanato, e a segunda aos comerciantes. No âmbito de investigação dos produtores os resultados foram apurados pela CEDARTE no âmbito do Estudo da Cadeia de Valor do Artesanato solicitado pelo Programa Integrado das Nações Unidas. O trabalho de pesquisa integrou o levantamento de dados quantitativos e qualitativos e permitiu uma visão amplia e completa da situação dos produtores na Cidade de Maputo. Para fins de esta investigação, apresentaremos os indicadores mais relevantes, entretanto para saber mais sobre este segmento, recomendação uma leitura profunda do Relatório produzido pela CEDARTE. Já no âmbito de investigação dos comerciantes, foram realizadas pesquisas qualitativas em com um conjunto de 15 comerciantes. Para esta pesquisa foram selecionados os seguintes pontos de venda: Mercado do Hotel Polana e do Polana Shopping. O cruzamento dos dados quantitativos e qualitativos, permitiram uma leitura atual, consistente do segmento, entretanto, no momento este segmento, se encontra em verdadeira transformação, no sentido em que alguns dos pontos informais de venda deverão ser removidos e os comerciantes alocados a um mercado próprio para o comercio do artesanato. 23

24 e) Transporte e Comercio em Geral: No âmbito de esta pesquisa, o segmento de transportes foi apurado tendo como base dois critérios. O primeiro vinculado aos resultados da pesquisa da demanda, a onde se sinaliza o principal meio de transporte utilizado pelo turista assim como, o gasto médio neste segmento. Assim mesmo e a modo complementar, foi realizado o cruzamento de dados levantados no segmento de Agencias e Operadoras de Viagens. Aqui as empresas revelam parte dos seus custos em locação de transporte, permitindo a realização de extrapolações para o conjunto do segmento. Para o levantamento do impacto do turismo no segmento de comércio em geral, também foi utilizado como referencia os resultados da pesquisa da demanda. Isto por que desde a perspectiva da oferta, resultaria difícil apurar o total do gasto realizado pelo turista em farmácias, lojas de conveniência, centros comerciais etc. Assim mesmo, utilizou-se como critério para a definição do gasto em comércio, a análise residual. Quer dizer, alocou-se ao comércio a diferença entre o total do impacto econômico do turismo e o total absorvido por cada um dos segmentos que integram a cadeia de valor. Tabela Síntese da Amostragem Segmento Obs. Meios de Hospedagem 15 Bares & Restaurantes 10 Operadoras de Turismo 10 Produtores de Artesanato 73 Comerciantes de Artesanato 15 Transporte Cruzamento e Pesquisa de Demanda Comercio em geral Pesquisa de Demanda e Análise Residual Turistas

25 4. RESULTADOS 25

26 4.1. Relevância Econômica do Turismo em Moçambique. No contexto nacional, graças as dinâmicas do Ministério do Turismo e do sector privado, a atividade turística em Moçambique vem apresentando uma importante vitalidade, demonstrando capacidade de contribuir de forma efetiva para o PIB (6%), gerando milhares de oportunidades de empregos diretos e contribuindo com a distribuição da renda para a valorização do capitais humano, cultural e ambiental do país. Analisando dados do MITUR, pode verificar-se que estamos diante de uma atividade econômica que apresenta um crescimento médio da ordem dos 10% ao ano, que emprega aproximadamente pessoas e que rende ao País receitas da ordem de US$ 185 milhões por ano. Neste sentido o turismo vem conquistando, graças à melhoria das condições do ambiente institucional e do mercado, uma posição cada vez mais relevante na agenda econômica e na política nacional. Indicadores Destino Moçambique Número de Turistas Permanencia Media (dias) 1.8 Gasto Medio p/ dia US$ Receitas Totais do Turismo US$ Fonte: Março de INE Embora a atividade turística em Moçambique venha apresentando importante capacidade para alavancar a aconomia nacional, ainda existe uma serie de desafios importantes a superar, sobretudo no que diz respeito ao desenvolvimento da oferta turística nacional. Isto se evidencia nos indicadores de permanência média 1.8 dias e de gasto turístico US$ 100, por dia. Em ambos os casos, estes indicadores apresentam-se bastante aquém que outros destinos que integram a região de ESA, a onde por exemplo Kenya tem permanência de 8 dias e gasto de US$ 260 por dia. 26

27 Mesmo assim Moçambique conquistou e hoje apresenta condições excepcionais e fundamentais para seu desenvolvimento turístico, podendo destacar-se a estabilidade social e política, o progresso significativo nos indicadores de desenvolvimento econômico ( crescimento sustentado de 8% ao ano entre 1997 e 2003), para além de uma importante base de recursos e atrativos naturais e culturais de alta qualidade que detém, com destaque para a hospitalidade do povo Moçambicano Impacto do Turismo na Economia da Cidade de Maputo. Considerando que em Moçambique não existe no momento um sistema de indicadores de contas satélite consolidado, resulta difícil apurar com exatidão o numero total de turistas que visita a cidade de Maputo. Mesmo assim, é possível estimar que o numero total de turistas que visitou a cidade de Maputo em 2008, esteja próximo dos turistas. Neste sentido e de acordo com dados estadísticos do INE, o mercado de turistas da cidade de Maputo em 2008, estaria distribuído em dois grandes grupos, o primeiro formado pelo conjunto de turistas nacionais (domésticos) e o segundo pelo turista estrangeiros, assim distribuidos: turistas domésticos; turistas estrangeiros Sendo assim e buscando a coerência e consistência nesta investigação, utilizaremos como referencia para a análise da cadeia de valor do turismo na cidade de Maputo, o total de turistas. Realizadas estas identificações no campo e depois de concluído o estudo, foi possível medir o impacto econômico da atividade turística na cidade de Maputo, estimada aqui em US$ ou 52% do total do ingresso turístico nacional. 27

28 A seguir se apresentam alguns dos highlights levantados pelo do estudo: Maior volume ($) (V) de turismo em Moçambique - ( US$95m / 333k.) 81% do business vinculado ao Turismo de Negócios & Eventos; 70% dos turistas já visitaram a cidade pelo menos 2 x s 75% fica na cidade mais de 3 dias 44% do mercado é doméstico; ( 148. k) Turismo gera 4000 postos de trabalho diretos; 35% dos trabalhadores são mulheres; 71% vem de famílias pobres; 7 pólos turísticos em franca expansão; Principais fornecedores locais: artesãos, ovos e frango, peixe pessoas beneficiadas indiretamente; 28

29 Mapeamento dos Pólos Turísticos da Cidade de Maputo. 29

30 Impacto do turismo nos Elos da Cadeia devalor. US$ 95 milhões / ano Hospedagem Restaurantes & Catering Produção Cultual & Artesanato Agencias & Operadoras de Viagens Transportes Shopping 80% da atividade econômica vinculada ao turismo em Maputo 30

31 Produção Artesanal 1.3% US$ 1.2 milhões (Receitas Bruta) 730 ( 73 produtores e 657 vendedores) Empregos sazonais 20% ou 146 são mulheres 90% ou 657 vem de famílias pobres 90% ganham até 2 salários mínimos Não tem organização representativa; Deverão se beneficiar de um Mercado formal Papel chave dos mercados informais, embora precisem de ser melhorados Tem dificuldades de crédito; Vendas afetadas por corrupção e falta de clareza da legislação ( -20%); pessoas beneficiadas (família de 5) 60% de custos operacionais ( 40% de margem) 31

32 32

33 33

34 Recomendações. 34

35 Priorities for Intervention Gap Based Increase of Pro-poor Impactos High Impact, low speed 1. Upgrade Fish Market work conditions and cultural tourism product 2. Dev & Promotion of Baixa Historica 3. Work in CSR program for private sector beverages suppliers for VOSD 4. Develop a VOSD fund for a First Job Hospitality Program (Young man and woman) 5. Integrate F&V direct supplies to hotels via Hotel Ass. 6. Minimize corruption impact in wood crafts sellers. Medium Impact, low speed 1. Provide Advisory for Implementing the Maputo Tourism Strategic Plan 2. Strenght Institutional Capacity for VOSD delivery 3. Improve hand craft social capital ( associação) High Impact, high speed 1. Dev & Promotion of Mafalala Cultural Destination 2. Dev & Promotion of Municipal Market Cultural Destination 3. Training in Receptive Cultural Tourism for Travel Agencies and Operators 4. Consolidate Grupo Consultivo (collaboration platform) Medium Impact, high speed 1. Partnership & Fund development for Maputo Market Intelligence initiative (Observatorio do Turismo) 2. Collaborate in a strategic sites sensibilization program in hospitality ( airports, cultural destinations, police,etc) Speed and likelihood of impact Perspectives for 2011 after SNV DM Approach Shopping 35% US$11,5 + US$ 3million in extra income for the poor Transporte Agencias de Viagens Produção Artesanal Restaurantes 70% US$5,75 40% US$ 5,5 90% US$ 2 35% new jobs created people benefited + Better governance and conditions for investment US$22 Hoteis 35% US$ Income US$ Millions Pro-poor impact 35

36 Perspectives for 2011 after SNV DM Approach Maputo Tourism Arrivals Arrivals ( total) Arrivals ( Dom)) Arrivals ( Int.) Example VOSD FUND Development US$ 3 milhões de compra de bebidas nacionais & US$ de gasto em formação (hotéis e restaurantes) Programa de Primeiro Emprego e/ou Aperfeiçoamento Profissional; Financiamento via RSC: Ass.Hoteis, CDM, Parmalat; Pepsi; Coca Cola, Donors; Articulação com Município, Província e Ministérios ( estímulos fiscais); Parceiros Chave: Mtur, Município, Escola Andalucia, Setor Privado Projeto de RSC articulado por diversos Stakeholders para estimular o Primeiro Emprego e Aperfeiçoamento Profissional de Jovens, Mulheres e Trabalhadores. 36

37 5. ANEXO 37

38 Esta pesquisa surge no sentido de atender necessidades de informação levantadas no processo do Estudo da Cadeia de Valor do Turismo executado pela SNV. A demanda por informações desta natureza, foram apontadas em Reunião do Grupo Consultivo do Turismo da Cidade de Maputo. Os resultados apresentados resultam da pesquisa de demanda executada pelo Prof. Gilberto Ricardo da Universidade Politécnica no período de 10 a 25de Setembro de A amostragem foi composta por 230 turistas distribuídos em diversos pontos da cidade de Maputo, visando assim uma coleta de dados consistente e equilibrada e representativa. Os resultados apresentam uma importante contribuição para uma melhor compreensão do perfil da demanda de turistas (domésticos e internacionais). 38

39 39

40 40

41 Permanência em Maputo ( días) 1% 4% 19% Menos de um dia Entre um a tres dias Mais de tres dias Sem informacao 75% 41

42 42

43 43

44 Concept Paper. Análise de Clusters Turísticos. Autor: Federico Vignati ISBN Contents. Objetivos. Error! Bookmark not defined. Introdução. 44 I. Como realizar a análise de clusters turísticos 45 II. Metodologia para o desenvolvimento de clusters de turismo 52 Conclusões 55 Leituras recomendadas 56 Introdução. 44

45 Neste concept paper se apresenta um instrumento para a análise de clusters e microclusters de turismo. A proposta de análise de clusters turísticos, parte do principio que existem cinco condicionantes fundamentais para o desenvolvimento de um cluster turístico: a) mercado; b) território; c) estrutura social; d) estrutura privada; e e) estrutura pública. Quando todos os condicionantes estão presentes em quantidade e qualidade necessárias, o cluster torna-se mais dinâmico. Esse modelo retrata e ilustra visualmente a relação entre os condicionantes e com o cluster turístico. I. Como realizar a análise de clusters turísticos O cluster desenvolve-se com base em cinco condicionantes determinantes: mercado, território, estrutura pública, privada e social. Além disso, cada um desses fatores está relacionado entre si, com base em interesses bilaterais. De um lado, temos a necessidade de apoiar a estrutura do cluster que irá atrair e comercializar serviços para o mercado; de outro, os benefícios socioeconômicos que o mercado pode trazer para todos os indivíduos e as empresas que integram o cluster. 45

46 Figura 1 Modelo Mercotur para análise competitiva de clusters turísticos Nesse sentido, como aponta a Mercotur, a principal vantagem na utilização do modelo é facilitar a análise da estrutura competitiva de um cluster turístico. O modelo Mercotur ordena as estruturas de desenvolvimento que constituem um cluster e as classifica com base em dois critérios práticos: 1 o estrutura estratégica do cluster; e 2 o estrutura funcional do cluster. 1. Estrutura estratégica do cluster Agrupa aspectos vinculados ao mercado e ao território, dois fatores estratégicos para o desenvolvimento turístico. Portanto, estão na base e na ponta do modelo. Este ilustra claramente que a base de desenvolvimento do cluster turístico é uma unidade territorial determinada. Toda a estrutura pública, social e empresarial deve desenvolver-se nesse território de forma integrada, para atender às necessidades e expectativas do mercado. A) Território O território possui atrativos tangíveis, como as riquezas naturais, minerais, geográficas, paisagísticas, climáticas e biológicas. Possui também atrativos intangíveis ou imateriais, como identidade, cultura e memória social das populações que habitam determinado território. Porém, como qualquer estrutura orgânica, o território tem suas limitações. 46

47 Portanto, este deve ser organizado de forma que potencialize suas qualidades, evitando seu desgaste estético, ambiental e sociocultural. O território tem sido utilizado, tradicionalmente, de maneira ecoineficiente e insustentável. Alguns exemplos nacionais e internacionais ilustram a utilização do território de forma exaustiva, sobretudo nas regiões que apresentam grande potencial para o desenvolvimento imobiliário. Com base nessas análises, fica evidente que o território requer uma política própria que garanta a racionalidade do uso, sua acessibilidade à população e sua utilização ecoeficiente. Por essa razão, é necessário realizar, no âmbito municipal, o planejamento e o ordenamento do território. Todas as estruturas públicas, privadas e sociais devem ser pensadas com base em sua influência na valorização, qualidade e na sustentabilidade do território. A decadência do território e sua exploração predatória e especulativa pressupõem, em última instância, uma perda de competitividade do cluster turístico e das empresas que o integram. O território, portanto, é a estrutura central de um cluster turístico. Alguns autores até afirmam que o território representa o principal recurso ou a core competence 1 do cluster turístico, o que me parece adequado. Para a gestão turística do território, é necessário realizar estudos de sustentabilidade, como os que analisamos em capítulos anteriores. O desenvolvimento sustentável servirá como filtro para a gestão territorial do cluster turístico. Vale a pena lembrar que, se um projeto de investimentos em estruturas não estiver alinhado aos interesses de curto, médio e longo prazos do território, então, não deve ser levado adiante, porque não é estratégico. O desafio da sustentabilidade do território turístico pode ser resumido nestas palavras: o desenvolvimento turístico do território deve ser biológica e socialmente aceitável, economicamente possível e institucionalmente viável. Aspectos biológicos: incluem a fragilidade dos ecossistemas, a gestão ecoeficiente dos resíduos e a recuperação e valorização ambiental do território pelo turismo; Aspectos sociais: relacionam-se ao nível de participação das comunidades locais, à valorização da cultura da identidade e da memória local e à gestão dos impactos negativos do turismo sobre essas comunidades; Aspectos econômicos: avaliam a viabilidade econômica dos empreendimentos e a capacidade de gerar efeitos multiplicadores, tanto para a iniciativa privada como 47

48 para a população receptora, considerando que os benefícios econômicos devem ser compartilhados direta e indiretamente pelas empresas e a população que integram o cluster. B) Mercado 2 Uma vez atendidos aspectos da sustentabilidade territorial, todas as estruturas turísticas devem ser pensadas para satisfazer a necessidade de grupos de interesse claramente definidos dentro do mercado, isto é, a demanda. Não existe o melhor destino turístico do mundo, mas infra-estruturas turísticas bem direcionadas para segmentos específicos do mercado. Lembre-se: as mesmas estruturas que atendem de forma excelente um grupo de turistas adolescentes não necessariamente atenderão as necessidades de turistas da terceira idade. Portanto, antes de pensar sobre as estruturas necessárias, o valor a ser cobrado, como comunicar e por meio de que canais comercializar a oferta do cluster turístico, deve-se, primeiro, realizar um diagnóstico estratégico do mercado para identificar os segmentos mais rentáveis e que se podem atender com excelência. Gestores e especialistas em marketing turístico devem ser realistas e aceitar que é impossível satisfazer, com a mesma eficácia, a todos os segmentos do mercado. É necessário, por essa razão, concentrar-se nos segmentos prioritários e mais sensíveis aos atrativos do território e na oferta turística que seu destino oferece. Assim, a experiência para o turista será gratificante e o cluster terá cumprido seu objetivo mais importante: satisfazer à demanda. Chega-se à conclusão de que um cluster turístico orientado para o mercado tem um marketing mix (produto, preço, promoção e praça) ajustado às necessidades e à percepção de qualidade de segmentos específicos do mercado. Esse é o caminho da competitividade. 2. Estrutura funcional do cluster. Neste item, agrupam-se estruturas públicas, privadas e sociais que devem atender direta e indiretamente às necessidades dos turistas. Segundo o modelo Mercotur, essas estruturas devem articular-se entre si, no intuito de agir como um tripé que apóia o desenvolvimento do cluster turístico. Sem uma participação qualitativa e integral de cada uma das três estruturas, haverá, necessariamente, deficiência na dinâmica de 48

49 desenvolvimento turístico. A seguir, apresento as principais características desse tripé. A) Estrutura pública Seu objetivo é estimular o desenvolvimento socioeconômico, a qualidade de vida e a vida em sociedade. Podemos dividir a estrutura pública em duas subcategorias: a) Estrutura pública soft não é física, porém age como instrumento de organização social. Ex.: constituição, legislação turística, ambiental, territorial, trabalhista, plano diretor, plano de turismo, plano urbanístico, lei dos solos, plano de turismo, ordenamentos territoriais, licenças e concessões de uso, políticas de incentivo fiscal, tributário e outras políticas públicas. b) Estrutura pública hard inclui toda a oferta de serviços públicos e suas estruturas de apoio. Ex.: sistemas de transporte, educação, saúde, segurança, saneamento, coleta de lixo, informações, sinalização, entre outros. Por exemplo, o Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), financiado, em parte, pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pelo Banco do Nordeste, concentrou seus investimentos em infra-estruturas públicas para criar o cenário adequado aos investimentos privados e à conservação dos valores e recursos socioculturais e ambientais. O mêsmo aconteceu com o Programa Ancora do Mtur e do IFC em Moçambique. A gestão de destinos turísticos está cada vez mais descentralizada para os municípios. Por essa razão, espera-se que os governos locais proponham, implementem e controlem investimentos em estruturas públicas que contribuam direta e indiretamente para o desenvolvimento de clusters turísticos. B) Estrutura social É formada pelo nível de qualificação de determinada localidade e ainda pelos valores e conhecimentos, tangíveis e intangíveis, que a população detém. 49

50 A estrutura social é um elemento-chave para o desenvolvimento sustentável de qualquer destino turístico. São as pessoas locais que, por seu envolvimento e participação, têm a força necessária para proporcionar ao turista uma experiência única de prazer ou o completamente oposto. A verdadeira inovação e a pulsação de um destino turístico vêm da sua estrutura social. É um grande equívoco concentrar os esforços do desenvolvimento em políticas e investimentos que não coloquem a estrutura social como um fator crítico para o sucesso. A estrutura social não precisa ser transformada; esse é outro equívoco. Precisa ser entendida e potencializada, para que as pessoas que de fato são as donas desse espaço possam revelar todas as suas qualidades, competências e até procurar realizar-se pela oportunidade que o turismo ofereça. Essa é talvez uma das questões centrais deste livro. É o que diferencia abraçar um modelo turístico neoliberal e estritamente capitalista, ou um outro modelo que, na verdade, precisa ser construído, caso a caso, e em âmbito local. Outro elemento que deve ser contemplado é o capital social, que se constitui pela capacidade organizacional e mobilizadora de determinada população no exercício de seus deveres e direitos. Pode ser medido pela quantidade de organizações da sociedade civil existentes em uma localidade, pela quantidade de pessoas que participam dessas organizações, assim como pela eficácia operacional de suas ações. Alguns exemplos de organizações da sociedade civil que servem como indicadores de capital social são: associações e os mais diversos sindicatos; organizações da sociedade civil, sem fins lucrativos; e partidos políticos consolidados. Estudos realizados por Robert Putnam, em seu livro Democracia moderna, apontam que, nas sociedades mais desenvolvidas, a sociedade civil apresenta níveis avançados de organização cívica. Quanto mais presentes os valores cívicos e maior o número de organizações da sociedade civil, maior a participação social nos problemas públicos, melhor a democracia e maior o desenvolvimento socioeconômico. Quanto maior e mais desenvolvida a estrutura social, melhor a distribuição de renda e mais eficazes as políticas públicas. 50

51 Dessa forma, o gestor de destinos turísticos deve apoiar a organização e a mobilização comunitárias, de modo que a sociedade civil local participe ativamente do desenvolvimento do cluster turístico, seja nos processos de planejamento, seja como empreendedor, ou, ainda, como recursos humanos para as empresas de turismo. Estamos ansiosos para ver uma gestão eficaz e profissional. Foi-se o tempo em que a sociedade se conformava com gestões públicas amadoras. C) Estrutura privada A estrutura privada é formada pelo conjunto de empresas turísticas e de empresas auxiliares que fornecem capital, matérias-primas, recursos humanos e produtos e serviços em geral para operação do cluster turístico. Estudos realizados sobre a indústria turística espanhola, em 2007, indicam que 97% de todas as empresas turísticas são pequenas e médias. A estrutura privada brasileira ainda não foi analisada com esse rigor, mas tudo indica que o turismo é um setor com baixas barreiras tecnológicas e capital reduzido. Trata-se, portanto, de um campo atrativo para as pequenas e médias empresas. De maneira geral, as empresas que formam a estrutura privada ainda são classificadas segundo sua relação com o turista. Nesse sentido temos empresas que atendem diretamente ao turista e outras que indiretamente ampliam seus lucros. Um estudo realizado pela World Travel & Tourism Council (WTTC) revela que o setor turístico vincula-se a aproximadamente 15 setores industriais diferentes. Se de um lado isso ilustra a importância econômica dessa atividade, de outro revela a importância que a estrutura privada tem, direta e indiretamente, no desenvolvimento de um cluster turístico. A estrutura privada é a grande empregadora do cluster. Muitas vezes é percebida como a estrutura mais importante. Porém, no caso do turismo, não é bem assim: a competitividade vincula-se a questões que escapam do poder de micro e pequenas empresas. É o caso dos condicionantes macroeconômicos. É importante reconhecer as limitações do setor privado. Um hotel numa área sem legislação apropriada e sem pessoas qualificadas para trabalhar na prestação de serviços certamente corre risco de falir. Esse exemplo confirma que a estrutura privada é dependente das outras estruturas. Portanto, a articulação do tripé constituído pelo setor público, o privado e a sociedade civil é essencial. Vale ainda lembrar que a estrutura privada deve ter oferta variada e preços justos, com qualidade necessária para propiciar ao turista uma experiência satisfatória. 51

52 II. Metodologia para o desenvolvimento de clusters de turismo 1. Identificação e seleção dos clusters turísticos. Essa atividade busca identificar a formação espontânea de clusters turísticos em um território determinado, com o objetivo de subsidiar ações estratégicas de incentivo a sua organização e seu desenvolvimento formal. A identificação dos potenciais clusters turísticos será realizada com base nas seguintes orientações: mapeamento de projetos, locais de desenvolvimento e investimentos em implementação; análise da concentração geográfica e setorial de empresas e atrativos turísticos (hotéis, agências, restaurantes etc.); levantamento e análise de trabalhos, pesquisas e projetos setoriais no território; Número de parceiros e qualidade da organização local; e Importância relativa do turismo na economia local. Ao fim do processo de identificação, o gestor terá informações necessárias para realizar uma primeira análise do cluster.. 2. Mobilização dos agentes locais e análise dos clusters. Essa atividade visa criar o senso de oportunidade para que os atores locais dos clusters se engajem no desenvolvimento local. Pela participação dos atores locais, é possível realizar análises realistas e consistentes. A capacidade de organização local, o interesse, o engajamento e as possíveis contrapartidas oferecidas também são fatores críticos para o sucesso na avaliação global do cluster. A) Ações vinculadas ao processo de mobilização. Essas ações compõem o conjunto das ações de mobilização, que visa desencadear o processo de envolvimento entre os atores locais, construir relacionamentos e nivelar conceitos relacionados ao desenvolvimento de clusters de turismo. As ações de mobilização permitem, além do engajamento dos atores locais, a análise de três importantes dimensões do cluster: capacidade de governança local, força da identidade territorial, capacidade de interação e cooperação. 52

53 Governança local pretende levantar informações sobre o ambiente institucional do cluster, sobre a capacidade de os atores locais influírem de forma política e organizada na gestão do território. Identidade territorial busca identificar elementos tangíveis e intangíveis do território. Tem duplo objetivo: mobilizar os atores em torno de uma visão compartilhada e oferecer subsídios para definir estratégias de marketing, como a elaboração de marca e slogan do cluster. Interação e cooperação nesse item serão avaliados aspectos qualitativos referentes à capacidade de interação e cooperação horizontal entre os agentes locais, o engajamento, a capacidade de assumir compromisso e o interesse pelo compartilhamento de atribuições, responsabilidades e recursos. A estratégia de mobilização poderá ser executada mediante duas ações complementares: visitas técnicas aos clusters e distribuição de material informativo. O processo de mobilização deve ser concluído com uma proposta para criar um conselho gestor ou estância de governança local. Esse conselho deve ser formado por representantes locais de diversos setores. Essa instituição cumprirá um papel central na gestão desse destino turístico, influindo na política municipal, com o intuito de criar condições para o benefício de toda a comunidade que integra o cluster. B) Ações vinculadas à análise dos clusters turísticos Para desenvolver clusters sustentáveis, os atores locais devem perceber o crescimento do cluster como um projeto próprio, e não apenas como iniciativa que vem de fora. Com base nessa experiência, Mercotur desenvolveu uma metodologia de análise participativa que permite a coleta e a análise dos dados, seguindo a lógica da democracia, do consenso e do comprometimento. Para cada cluster, planeja-se a realização de duas reuniões de análise participativa: Primeira reunião tem como objetivo coletar informações e realizar análises coletivas. Segunda reunião visa apresentar os resultados da análise anterior para eventuais ajustes e para dar legitimidade política ao trabalho. A metodologia participativa tem sofrido críticas, sobretudo em virtude do excessivo 53

Objetivos...2. Introdução...2. I. Como realizar a análise de clusters turísticos...3 II. Metodologia para o desenvolvimento de clusters de turismo...

Objetivos...2. Introdução...2. I. Como realizar a análise de clusters turísticos...3 II. Metodologia para o desenvolvimento de clusters de turismo... Concept Paper. Análise de Clusters Turísticos. Autor: Federico Vignati ISBN 978-85-87864-72-7 Contents. Objetivos....2 Introdução...2 I. Como realizar a análise de clusters turísticos...3 II. Metodologia

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO O título do projeto deve delimitar a área de abrangência onde as ações serão executadas. Setembro, 2014 1 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01

Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 Edital 03.2014 TERMO DE REFERÊNCIA 01 ELABORAÇÃO DE PLANOS DE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA PARA EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS ORGANIZADOS EM REDES DE COOPERAÇÃO NOS TERRITÓRIOS DA MATA SUL/PE, MATA

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

Por que temos um Estudo de Competitividade?

Por que temos um Estudo de Competitividade? Por que temos um Estudo de Competitividade? Criação de índices nos ajuda a conhecer as dificuldades do destino turístico. O estudo proporciona informações para a elaboração de planos de ação mais objetivos.

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 2 CAPÍTULO II Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Capítulo II Sumário As características especiais do Marketing em Hotelaria e Turismo O ambiente

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS

PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS AGOSTO, 2009 PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS TURÍSTICOS Meios de Transportes Atrativo Turístico Necessidades do Turista Turista O turista compra direto com a rede de prestadores de serviços turísticos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos Fortaleza 2040 Processos Gestão do Plano Fortaleza 2040 Integração de planos setoriais DIRETORIA DO OBSERVATÓRIO DA GOVERNANÇA DIOBS Produtos Sala Situacional Rede de Salas de Situação Processos Monitoramento Agenda Estratégica Observatório da Governança DIRETORIA DE PLANEJAMENTO DIPLA Produtos

Leia mais

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo 2013 ESTRUTURA DO PLANO DE AÇÃO CULTURAL Diagnóstico cultural; Desafios e oportunidades;

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG Planejamento e estratégia em turismo Antonio Liccardo - UEPG O desenvolvimento do turismo impõe uma permanente articulação entre os diversos setores, públicos e privados, relacionados à atividade, no sentido

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP Estratégias para a Inovação e Empreendedorismo Ecossistemas Regionais de Inovação, por meio do Empreendedorismo de Base Tecnológica e empresas Startups de Classe Mundial Visão de Futuro (2022), Competitividade

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Programa de Estudos e Pesquisas 2009

Programa de Estudos e Pesquisas 2009 Programa de Estudos e Pesquisas 2009 DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Ana Paula Vitali Janes Vescovi Rodrigo Lorena Redirecionamento Estratégico IJSN Missão "Prover conhecimento social, econômico e territorial

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012 Estudos de Fundamentação do Parecer de Iniciativa Competitividade das Cidades, Coesão Social e Ordenamento do Território Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais