A Invisibilidade das Mulheres em Carreiras Tecnológicas: Os Desafios da Engenharia Civil no Mundo do Trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Invisibilidade das Mulheres em Carreiras Tecnológicas: Os Desafios da Engenharia Civil no Mundo do Trabalho"

Transcrição

1 A Invisibilidade das Mulheres em Carreiras Tecnológicas: Os Desafios da Engenharia Civil no Mundo do Trabalho Tânia Rosa F. Cascaes 1 Maria Aparecida Fleury Costa Spanger 2 Marília Gomes de Carvalho 3 Nanci Stancki Silva 4 Resumo As carreiras tecnológicas no Brasil têm apresentado nas últimas décadas, uma nova conformação, devido a um maior percentual de ingresso de mulheres, especialmente nas engenharias. Busca-se nesta pesquisa, ressaltar, as expressões desta inserção feminina, evidenciando, por um lado, tanto os mecanismos que têm servido para excluir as mulheres, quanto as estratégias que contribuem para sua inserção na engenharia civil. Optou-se pela metodologia qualitativa de cunho interpretativo, com a técnica de entrevistas semi-estruturadas, complementadas por questionário fechado. Os resultados apontam para a discriminação nos editais de seleção de estágio/emprego, ambiente de trabalho androcêntrico, corporativismo masculino, família e maternidade como fatores impeditivos da ascensão da mulher na engenharia civil. Maternidade tardia, sobrecarga de trabalho, docilidade e invisibilidade no trabalho, constituem-se, em contrapartida, em estratégias de inserção das mulheres nesta carreira. Palavras-chave: Gênero na Engenharia Civil, Carreira Tecnológica, Mulheres Engenheiras. 1 Mestre em Tecnologia, Socióloga, Especialista em Magistério Superior. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Relações de Gênero e Tecnologia GeTec da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR. 2 Mestre em Tecnologia e doutoranda em Tecnologia pela UTFPR. Bolsista da Capes. Pesquisadora do GeTec UTFPR Economista, Administradora e professora de ensino superior. 3 Doutora em antropologia social pela USP e pós doutora em Multiculturalismo pela Universidade Tecnológica de Compiègne da França. Professora do Programa de Pós-graduação em tecnologia da UTFPR. Pesquisadora e coordenadora do GeTec. 4 Doutora em Política Científica e Tecnológica pela UNICAMP. Professora do PPGTE e do Departamento Acadêmico de Matemática da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR. Pesquisadora do GeTec. 1

2 Introdução O advento da era moderna, e da ordem social capitalista nos levam a enxergar o mundo sob a perspectiva da razão e do progresso humano, em que o conhecimento científico passou a exercer influência direta nos processos sociais e históricos, tornando-se fonte legítima de poder. A organização racional da sociedade capitalista moderna se apoiou no que existia de mais verdadeiro, mais universal, demonstrada claramente nos discursos científicos, que definiam o ser humano segundo uma natureza biológica inexorável. O contexto atual de globalização econômica, se por um lado tem produzido grandes riquezas, como nunca dantes, por outro tem também aprofundado as desigualdades nas relações sociais, incluindo as relações de trabalho (SAGASTI, 1995; HIRATA, 2002). A partir desta constatação é que se reforça a necessidade e a importância de estudos e pesquisas que analisem como essas desigualdades têm se manifestado em diferentes ambientes produtivos, e busquem compreender a atual heterogeneidade do mundo do trabalho. No Brasil, as reestruturações produtivas das empresas, acompanhadas pela inserção de novas tecnologias produtivas e de novos métodos e técnicas de organização e gestão do trabalho, têm contribuído para alterar o perfil da força de trabalho, o padrão de remuneração e as exigências de qualificação para a obtenção de um emprego. (BRUSCHINI, 2000). Neste cenário, observa-se um processo de exclusão, com a precarização dos laços empregatícios (desemprego prolongado, emprego precário, flexibilidade do uso da mão de obra, terceirização, quarterização) que comumente tem envolvido o trabalho feminino (POSTHUMA, 1998). Nesta mesma linha, pesquisas de Abramo (1994, 1997) constatam que a modernização empresarial, a reestruturação produtiva e a inovação tecnológica não têm reduzido de forma significativa a segregação de gênero no mundo do trabalho. Nas últimas décadas, um número crescente de mulheres tem ingressado no mercado de trabalho ou procuram por emprego, fato que se expressa na elevação da participação feminina na população economicamente ativa (PEA) que, entre 1985 a 2003, passou de 33,5% a 42,7% (IBGE, 2003). Essa ampliação, no entanto, não tem sido acompanhada por um processo de igualdade com o trabalho masculino, sendo, ao invés disso, caracterizada por vários tipos de exclusão - segregação setorial e ocupacional, condições precárias de trabalho, menor remuneração e baixa mobilidade ocupacional (BRUSCHINI e LOMBARDI, 2000; HIRATA, 1998; POSTHUMA, 1998; VELHO e LEON, 1998). A segregação de gênero tem afetado mulheres, independente da sua escolaridade, e tem contribuído para tornar os laços empregatícios mais precários, não só no trabalho feminino, mas também no masculino. Em nossa realidade local, Curitiba, é perceptível a existência de profissionais liberais que se dispõem a trabalhar sem o amparo dos direitos trabalhistas. Esta precariedade das situações de trabalho tem acirrado ainda mais as relações de poder no mercado de trabalho (HIRATA, 2002; KERGOAT, 2000; DEDECCA, 1996). 2

3 Poder muitas vezes que se exerce de forma sutil, velada, remetendo a uma naturalização das diferenças de gênero, a uma maior cobrança da mulher quanto ao seu importante papel na família, na reprodução e criação de filhos. As discussões de gênero, em que pese sua importância para a desmistificação das naturalizações impostas por uma sociedade androcêntrica, são ainda pouco difundidas no ambiente acadêmico e profissional, não ocupando o centro das preocupações da engenheira civil, por exemplo. Mas nem por isso se deve negligenciar o peso político desta categoria de análise que traz em si as relações de poder da sociedade. Segundo Scott (1995, p.92), O gênero é uma das referências recorrentes pelas quais o poder político tem sido concebido, legitimado e criticado. Ele não apenas faz referência ao significado da oposição entre homem e mulher; ele também o estabelece. Para proteger o poder político, a referência deve parecer certa e fixa, fora de toda construção humana, parte da ordem natural ou divina. Na área tecnológica, tem ocorrido um crescimento da participação feminina, constatada, tanto no número crescente de mulheres estudantes em cursos superiores dessa área, quanto pela expansão da ocupação feminina em profissões tecnológicas de nível superior, áreas que em décadas anteriores eram consideradas masculinas, como é o caso das engenharias. As mulheres nessa área passam a assumir responsabilidades profissionais que exigem conhecimento tecnológico de ponta. (HIRATA, 2004, INEP, 2004; TABAK, 2002; VELHO e LEON, 1998). Mais de 60 anos depois da filósofa francesa Simone de Beauvoir ter cunhado a expressão "liberação feminina", no ensaio O Segundo Sexo, publicado em 1949, as mulheres ainda são minoria na maior parte das carreiras científicas no Brasil. Essa é uma situação que aos poucos, no entanto, começa a mudar. Conforme dados de 2004 do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), havia naquele ano pesquisadores e pesquisadoras. E, de lá para cá, apesar das muitas e variadas dificuldades enfrentadas, as mulheres vêm ocupando espaços e aumentando sua participação no universo da ciência no país. Apesar disso, nestas áreas as mulheres vêm ocupando posições secundárias no universo tecnológico, contribuindo para a invisibilidade de seu trabalho o que tem levado a interpretações errôneas, e reforçado a idéia de que elas não têm a mesma competência dos homens para a área científica e tecnológica. Pesquisas ainda apontam para a persistência das diferenças de gênero, em relação à remuneração da profissão, sendo comuns diferenças salariais que favorecem os homens, não obstante o fato das mulheres apresentarem desempenho superior aos homens nos cursos de graduação (BRUSCHINI e LOMBARDI, 2000; HARAWAY, 2000; SCHIENBINGER, 2001; TABAK, 2002; STANCKI SILVA, 2000 e 2005). Na área de ciências exatas, especificamente na engenharia civil, setor onde ainda se encontra segregada, a mulher tem conquistado alguns espaços, muito embora pagando um alto preço por isso. Para além de uma conquista quantitativa, a pesquisa de base deste artigo se pautou por uma investigação sobre as formas como esse processo está ocorrendo. Interessou-nos conhecer qualitativamente como tem se dado a participação da mulher na engenharia civil. Para tanto buscouse conhecer o percurso que a engenheira civil tem percorrido, suas dificuldades, especificidades, sacrifícios, barreiras e conquistas. Vários questionamentos foram feitos: Como a mulher tem exercido a engenharia civil em Curitiba? A engenheira tem suscitado mudanças no exercício de sua profissão? 3

4 Quais? Há espaço para a engenheira civil exercer sua profissão sem abdicar de suas especificidades femininas? Que desafios a mulher teve de transpor para conquistar esta carreira? Que preconceitos enfrentou? O que foi sacrificado nesta trajetória? Qual o preço desta carreira para a mulher? E para a sociedade? A mulher tem de arcar sozinha com este preço? O artigo está organizado em quatro partes distintas. A primeira traz uma introdução ao tema. Na segunda parte ressalta-se a opção metodológica da pesquisa de campo. A terceira parte, composta de seis subtópicos, apresenta a discussão dos dados da pesquisa teórica e empírica. A quarta parte traz as considerações finais, após o que se apresentam as referências do artigo. Metodologia da Pesquisa de Campo Utilizou-se a metodologia de abordagem qualitativa, com a técnica de entrevistas semi - estruturadas, aliada a questionário fechado, aplicado junto a engenheiros e engenheiras civis que atuam profissionalmente na área pesquisada, buscando dados referentes à sua inserção e atuação no mercado de trabalho. Buscou-se além de fatos concretos, também as opiniões, representações e percepções, baseadas nas experiências vividas pelas pessoas entrevistadas. Foi adotada a pesquisa de caráter interpretativista, baseada na análise do discurso. Foram entrevistadas oito engenheiras e uma profissional de RH de uma das empresas de engenharia e 04 engenheiros. A faixa etária da maioria dos entrevistados está entre 30 a 40 anos, com experiência entre 7 a 15 anos na profissão. Exceção se coloca para um engenheiro recém formado com 1 ano na profissão e um engenheiro com 51 anos de idade. A proporcionalidade maior de mulheres engenheiras justifica-se pelos objetivos da pesquisa, que busca identificar preconceitos, estereótipos, desigualdades de gênero na carreira da engenharia civil. Como se sabe por pesquisas na área que o maior grau de discriminação e desigualdade é vivenciado pelas engenheiras, houve a necessidade de um número maior de entrevistas com estas profissionais. Foram visitadas 4 empresas, de grande, médio e pequeno porte na área de engenharia civil, que atuam tanto em obras públicas quanto privadas, envolvendo os diversos setores de uma empresa de engenharia civil. Também foram entrevistados engenheiras e engenheiros civis atuando no conselho regional de engenharia e arquitetura do Paraná. Para fins deste trabalho identificaremos as empresas visitadas por alfa, beta, gama e delta. Os próximos tópicos apresentam uma discussão sobre os dados levantados nas entrevistas, interpretados à luz de um marco teórico, que privilegia autores que direcionam seus estudos na área de tecnologia e gênero, e que foram escolhidos como interlocutores neste artigo. 4

5 A Trajetória Profissional das Engenheiras Civis de Curitiba A Escolha da Profissão Muitos são os motivos que direcionam a escolha de uma profissão. No caso da engenharia civil, ainda considerada no Brasil como um reduto masculino, as mulheres estão conquistando seu espaço. Em todas as entrevistas feitas, a aptidão na área de exatas, mais especificamente a matemática foi a principal motivação apontada para a escolha desta carreira, independente de gênero. Observou-se também em alguns casos, a influência de ascendentes, principalmente homens da família na mesma profissão, avós e pais. Chama atenção um caso raro na empresa Delta, em que um engenheiro relatou a ocorrência de três gerações de engenheiros na família, e inclusive cônjuges mulheres dos irmãos, influenciando até a quarta geração.na escolha da profissão. Uma das engenheiras da empresa Delta assim definiu a sua motivação: Para ser bem honesta mesmo foi pela parte romântica da profissão. Vendo aquelas grandes obras, pontes como obras de arte. Tinha uma visão da engenharia como uma coisa grandiosa. Entrando na Área Desejada As mulheres vêm conquistando espaço nesta área tecnológica, mas não sem dificuldades. Na pesquisa realizada constatou-se que na maioria dos casos o estágio foi a porta de entrada para as empresas, tanto para homens quanto para mulheres, na maior parte das vezes por indicação de algum professor, colega ou parente. Em algumas áreas, como a de engenharia de obras, foi relatado pelas entrevistadas grande dificuldade já nos editais de seleção, que apontam a preferência pelo sexo masculino. A saída para quem desejava atuar nesta área era aceitar o estágio em outra área para, uma vez na empresa, lutar por uma chance no canteiro de obras. Conforme relatou uma engenheira de obras: Normalmente quando a mulher entra na empresa é para assumir cargos de orçamentista, administração de pessoal e treinamento. Quando há necessidade, como acredito que foi o meu caso, temos chance de mostrar nossa competência em canteiro de obras. Mulher em canteiro de obras, pelo que se percebeu se dá mais por força das circunstâncias do que pela oferta de estágios na área. Nos editais de estágio e emprego ainda se pode notar a discriminação velada ou mesmo explícita contra a mulher em determinadas áreas. Quando confrontadas, as empresas oferecem as mais variadas desculpas, conforme relato de uma entrevistada. Elas dizem que não têm acomodações adequadas, o ambiente é inóspito, a cidade não tem hotel para camuflar a sua preferência pelo sexo masculino no canteiro de obras. Apesar deste comportamento da empresa, evitando a presença da engenheira em obra, pelo visto elas se dão muito bem nesta área. A engenheira de obras da empresa de grande porte -Alfa, de construção de residências individuais e coletivas, por exemplo, tem a seguinte fala: 5

6 Por incrível que pareça eu não tenho problema com empregados de obra. Fui a primeira mulher a ir pra obra eles ficaram um pouco com o pé atrás.. Mas depois de um ano e pouquinho se acostumaram comigo. Eu não gosto de mandar, mas sim de pedir pra se fazer o trabalho isso faz toda a diferença. As vezes eu perco a paciência e eu tenho de rodar a baiana e mandar... Neste caso a empresa conta com o serviço da engenheira e de um engenheiro, cada um com suas obras. No entanto o desempenho no trabalho não é o mesmo, na fala da engenheira. A função é a mesma. Eu tenho minhas obras e ele as dele. Eu tenho uma diferença bem grande de tratamento. Sou mais atenciosa, vou 2 vezes por dia em cada obra, coisa que ele não faz...e eles se queixam muito do engenheiro comigo. Eles não chegam a me elogiar, mas se queixam do outro.dizem que ele não aparece na obra não resolve nada... Quando perguntada a respeito do desempenho na função, se há diferença na execução entre engenheiras e engenheiros, a engenheira de obras da empresa Beta assim respondeu: Sim, primeiro quando eu começo o treinamento dos peões na obra uma mulher tem uma abordagem diferente do engenheiro homem, porque quando eu tenho de explicar eu chamo o peão e explico com jeito, o engenheiro começa com patadas, isto é, a mulher tem uma abordagem diferente deste papel. E por isso eu acredito que a mulher consegue mais rapidamente os objetivos com os peões do que o profissional masculino. Pelo jeito de explicar. O melhor desempenho na função, no caso do canteiro de obras ainda está relacionado à experiência e competência e não à diferença de gênero. Lidar com os peões é uma tarefa difícil para ambos os sexos e a diferença vai ser dada mesmo pela competência técnica e até pelo equilíbrio emocional do profissional. Esta é a percepção de uma engenheira de obras da empresa Beta. Quando a gente ganha experiência, a coisa flui...tudo fica melhor...o tratamento, pois o pessoal de obra não é fácil de trabalhar, a gente vai aprendendo a ter um jogo de cintura...são muito pouco esclarecidos, tem uma cultura mais machista... A pesquisa demonstrou que, uma vez na empresa, vencido o período normal do estágio, a maioria dos entrevistados permaneceu e foi contratado como profissional, sendo o estágio ainda a grande porta de entrada nesta área. As empresas pesquisadas adotam a prática de formação de sua própria mão de obra, contratando fora do circuito da cidade apenas o profissional com requisitos especiais, para trabalhos específicos e nenhuma delas possui plano de carreira para engenheiras (os). Função/Remuneração Diferenciada por Gênero Na engenharia civil, profissão considerada socialmente como reduto masculino, pode-se perceber ainda grandes dificuldades para as mulheres na conquista de certas funções, como é o caso do já citado trabalho em canteiro de obras. Geralmente quando a empresa contrata a engenheira, ela entra para assumir cargos de orçamentista, planejamento, administração de pessoal e treinamento, ou seja, funções desempenhadas dentro da empresa, com pouca mobilidade física. Já os engenheiros, solteiros ou casados, estão mais disponíveis para assumir qualquer tipo de trabalho que envolva deslocamentos, viagens, mudanças temporárias. Nestes casos eles contam com o apoio de suas esposas para sustentar as atividades domésticas, enquanto eles se deslocam. O contrário nem sempre é verdadeiro, o que dificulta a mobilidade das engenheiras. Elas ainda não conseguiram se organizar de tal forma a se desvencilhar das atividades domésticas e o que é mais 6

7 forte, da sensação de culpa por desejar uma ascensão, às custas do sacrifício da família. Algumas entrevistadas chegaram mesmo a dizer que a questão do cuidado está no sangue da mulher, assumindo uma visão essencialista de sua própria condição feminina. Quanto à remuneração percebeu-se, nesta pesquisa, que o salário de engenheiros e engenheiras está muito próximo do piso salarial da categoria, muito embora a engenheira demore um tempo maior para ultrapassar o piso. Constatou-se que as engenheiras com mais de 10 anos de empresa conquistaram uma faixa salarial além do piso da categoria, chegando a 15 salários mínimos e uma chegando mesmo a sócia da empresa. Por outro lado uma engenheira de obra, com 7 anos de experiência, em uma grande empresa de construção civil de Curitiba, recebe um salário inferior a um engenheiro com menos tempo de serviço e na mesma função na mesma empresa. Competência Profissional/Relações Interpessoais na Empresa Na Engenharia Civil leva algum tempo para que o colega separe a mulher da profissional. Uma amiga, que se formou comigo na Federal de Santa Catarina, veio trabalhar e não agüentou a pressão, pois para se equiparar a um profissional engenheiro civil homem sempre temos que trabalhar o dobro da nossa capacidade, relata uma engenheira de obras da empresa Beta. Estas engenheiras precisam matar dois leões por dia para demonstrar sua competência. A engenheira que deseja se firmar na profissão, além de trabalhar dobrado ainda tem de assumir uma postura moral firme, não ceder a nenhuma cantada. Caso contrário sua competência e dignidade são discutidas e a profissional passa a ser considerada como a vadia, confidenciou uma das engenheiras de obras. As expectativas da empresa em relação às engenheiras e aos engenheiros, são também diferenciadas, comenta uma entrevistada. Segundo ela, a empresa espera uma coisa do profissional homem e outra da profissional mulher. Ela, a mulher, se intimida mais, é da educação, com os homens é um pouco diferente. Esta postura da empresa que conta com a anuência das mulheres,reflete a dominação maior sofrida pelas engenheiras, ainda submissas e pouco competitivas em relação aos colegas homens. Muitas são as dificuldades no desempenho da profissão para a engenheira civil e que se multiplicam quando se trata do canteiro de obras. No relato de uma delas, depreende-se um pouco da situação enfrentada: eu, como engenheira de segurança, quando vou para o canteiro sinto dificuldades no alojamento, nos banheiros e na vestimenta, pois a empresa não oferece acomodações diferenciadas para as engenheiras. Pela pesquisa realizada não se pode afirmar que exista um forma feminina de se atuar na engenharia civil. O que existem são atitudes esparsas, tomadas por algumas profissionais, que não chegam a configurar uma transformação significativa da categoria profissional. Nos dizeres de uma entrevistada estas mudanças estão longe de ocorrerem, pelo próprio posicionamento de algumas mulheres. Segundo a entrevistada, enquanto tiver mulheres que ainda pensem que têm que ter um homem que as sustente, estas mudanças serão demoradas. 7

8 Isso fica muito claro quando se percebe o inexpressivo espírito corporativista das engenheiras no desempenho de sua profissão. Enquanto os engenheiros estão sempre se reunindo após o trabalho, as engenheiras estão voltando para casa para assumir sua segunda jornada de trabalho. Engenheiras casadas, quando não são excluídas pelos chefes ou colegas, se auto excluem das relações sociais fora da empresa, do tipo happy hour, por exemplo. O relacionamento das engenheiras, conforme esta pesquisa se dá mais com mulheres de outras profissões e ocupações na empresa ou fora dela, definindo-se mais por sexo e não por função ou formação. Já as relações entre colegas são de excessivo respeito, o que na verdade acaba denotando mais um aspecto da discriminação de gênero e refletindo a posição da engenheira na empresa o fato de ser mulher vem em primeiro lugar e o ser engenheira em segundo. Com os peões não é diferente. A primeira coisa que fazem quando a engenheira se aproxima é abotoar a camisa, em sinal de respeito à mulher, não à engenheira. Mobilidade na Carreira Quando se pensa na mobilidade na engenharia civil, fica logo claro que as situações se diferenciam para homens e mulheres. As engenheiras entrevistadas, entre 6 a 15 anos de carreira ainda estavam no seu primeiro emprego, conquistado, na maioria dos casos, através de estágio na empresa. Já os engenheiros demonstraram ter maior mobilidade, tendo passado, alguns deles por vários empregos. Nenhum dos engenheiros entrevistados sequer comentou sobre empecilhos a seus deslocamentos para fins de trabalho. Não referenciam atividades domésticas, nem tampouco seu papel na família. Esta total disponibilidade é mais requerida dos homens, sendo também um fator que contribui para sua ascensão mais rápida na carreira e acabam por dificultar a ascensão feminina. De um modo geral, as engenheiras se sentem valorizadas em seu trabalho, mas reclamam de uma remuneração inadequada e injusta, se comparada aos colegas na mesma função. A Maternidade Tardia ou Negada Quando o sistema social não valoriza as atividades domésticas da mulher, mas confere valor às atividades masculinas ele está emitindo uma sinalização dúbia para as mulheres: seja doméstica para garantir a sobrevivência da família e tenha poder e valor trabalhando fora, gerando grandes conflitos para a maioria das mulheres, que vivem se questionando se estão tomando a melhor decisão para suas vidas. (OLIVEIRA, 1999). Muitas são as conseqüências desta dubiedade em que são circunscritas estas mulheres. As que optam pela carreira estão sempre carregando o peso de não serem perfeitas mães, ou esposas ou donas de casa. No caso desta pesquisa os dados revelaram essa dubiedade vivida pela engenheira, que se desloca constantemente entre a constituição de uma família e a consolidação de 8

9 uma carreira. Do exposto percebeu-se uma tendência nesta pesquisa. As mulheres em sua maioria se formam cedo, assim como os homens, e se casam também cedo, conciliando profissão e vida conjugal. No entanto elas apresentam uma maternidade tardia, após os 35 anos. De acordo com os relatos, a maioria das entrevistadas afirma que primeiro precisa consolidar a carreira para depois se dedicar à maternidade, uma vez que o companheiro ou esposo, também profissional, não assume parte do trabalho doméstico, sobrecarregando-as, e até impedindo algumas decisões necessárias para a ascensão delas na carreira, como por exemplo, deslocamentos de cidade em função do trabalho. A ascensão na carreira destas engenheiras está intimamente vinculada ao retardamento da maternidade, colocando a reprodução como uma responsabilidade exclusiva da família e da mulher. Uma das entrevistadas, sócia da empresa e grávida por ocasião da entrevista, se declarou preocupada como iria fazer para trabalhar e cuidar do filho. Em nenhuma das empresas nas quais trabalham as entrevistadas existe creche ou qualquer outro tipo de auxílio para cuidados de filhos, ou políticas de incentivo ou de aceitação da maternidade de engenheiras. Esta situação vivida pelas engenheiras ratifica o que já dizia Bourdieu a respeito da violência simbólica sofrida pelas mulheres, embora nem sempre por elas visibilizada. (BOURDIEU,1999). A maternidade tardia ou negada é o alto preço cobrado das engenheiras que pretendem ascender na carreira, resultante da violência simbólica de uma sociedade androcêntrica, violência suave, insensível, invisível às suas próprias vítimas, e que se exerce essencialmente pelas vias puramente simbólicas da comunicação e do conhecimento, ou melhor, do desconhecimento, do reconhecimento ou, em última instância, do sentimento. (BOURDIEU, 1999). Muitas mulheres nem chegam a perceber que suas ações e reações são respostas a esta imposição cultural masculina, pelo fato dela estar tão incorporada e naturalizada na sociedade. A dominação masculina referenciada em Bourdieu, que constitui as mulheres como objetos simbólicos, cujo ser é um ser percebido, tem por efeito colocá-las em permanente estado de insegurança corporal, ou melhor, de dependência simbólica: elas existem primeiro pelo, e para, o olhar dos outros, ou seja, enquanto objetos receptivos, atraentes, disponíveis. Delas se espera que sejam femininas, isto é, sorridentes, simpáticas, atenciosas, submissas, discretas, contidas ou até mesmo apagadas. E a pretensa feminilidade muitas vezes não é mais que uma forma de aquiescência em relação a expectativas masculinas, reais ou supostas, principalmente em termos de engrandecimento do ego. Em conseqüência, aponta o autor, a dependência em relação aos outros (e não só aos homens) tende a se tornar constitutiva de seu ser. (BOURDIEU, 1999) A feminilidade da engenheira é outro dilema que ela tenta equacionar, nem sempre com sucesso. Para ser apreciada como mulher ela tem de explorar sua feminilidade, mas se quer o respeito na profissão ela tem de ocultá-la, como demonstraram as entrevistadas. Vestuário e linguagem que compatibilizem sua condição feminina e sua posição de engenheira nem sempre estão em sintonia. Como já afirmavam Rosaldo e Lamphere, (1979) no aprendizado de ser mulher, em nossa própria sociedade, aceitamos e interiorizamos uma imagem freqüentemente depreciativa e 9

10 constrangedora de nós mesmas. E neste sentido, ao que parece, ser engenheira muitas vezes significa abdicar da condição de ser mulher. Isso se percebe muito no vestuário. No caso desta pesquisa, todas as engenheiras entrevistadas usavam calças compridas ou terninho. Na fala de uma entrevistada: Quanto aos superiores a gente tem que estar provando o tempo todo que é uma profissional séria e exercer nossas funções iguais ao profissional homem. Um dia eu vim de saia e bem arrumadinha, meu chefe já disse na hora: aaah, hoje você veio vestida de mulher! e eu me senti extremamente mal com este comentário e voltei a me vestir como anteriormente. Outra entrevistada comentou que passou a se arrumar melhor só quando outras mulheres entraram para a empresa e elas em conjunto puderam se firmar em sua condição feminina. Muito comentado também foi o tipo de linguagem usada no ambiente da empresa: muita piadinha, pouco respeito à mulher e à sua condição. Neste ponto percebeu-se que as conquistas das engenheiras quanto à maior liberdade de vestuário e adequação de linguagem se dá na medida em que outras mulheres, engenheiras ou não, entram para a empresa, possibilitando uma sintonia de interesses e um espírito de apoio mútuo. No imaginário masculino, as mulheres ocupam o lugar da metade perigosa da sociedade, sendo vistas como ameaça à supremacia masculina. Segundo Oliveira, (1999), as mulheres, ao passarem a fronteira do mundo dos homens, o fizeram escamoteando o lado feminino da vida, para corresponder ao novo perfil exigido pela sociedade. A mensagem recebida foi: para ser respeitada, pense e aja e trabalhe como um homem; para ser amada continue sendo mulher. Neste sentido a sociedade cobrou ao mesmo tempo, dois papéis das mulheres: ser homem e ser mulher, gerando grandes crises de identidade, sobretudo para aquelas que pretenderam trabalhar fora sem abdicar da família. A ambigüidade vivida pelas mulheres, resultante deste tipo de cobrança da sociedade, faz com que elas se desloquem de um desejo a outro, de uma existência a outra, de uma personalidade a outra, num esforço desesperado para não perder nada, para ser tudo ao mesmo tempo. Conforme Oliveira, a fragmentação da personalidade feminina faz dela um caleidoscópio de personagens, e é nesse caleidoscópio que se multifaceta e se dissolve a existência feminina. No entendimento de Oliveira, o domínio da palavra e do saber são pré-requisitos essenciais para que as mulheres possam efetuar uma travessia bem sucedida no espaço público, muito embora o tão desejado êxito seja ao mesmo tempo tão temido, tão procurado quanto sabotado. Apontando caminhos para se tentar sair desta ambigüidade, Oliveira ressalta a importância da exteriorização, pelas mulheres, das contradições a que estão submetidas, do sim e do não, das tensões que decorrem desse sim e desse não, da paralisia que se instaura entre eles. Ao exteriorizar sua angústia, as mulheres estariam retirando de si a culpa, depositando-a nos ombros da sociedade, deixando de lado a pretensão de resolver tudo sozinhas. (OLIVEIRA, 1999). A dominação masculina referenciada em Bourdieu, que constitui as mulheres como objetos simbólicos, cujo ser é um ser percebido, tem por efeito colocá-las em permanente estado de insegurança corporal, ou melhor, de dependência simbólica: elas existem primeiro pelo, e para, o olhar dos outros, ou seja, enquanto objetos receptivos, atraentes, disponíveis. Delas se espera que 10

11 sejam femininas, isto é, sorridentes, simpáticas, atenciosas, submissas, discretas, contidas ou até mesmo apagadas. E a pretensa feminilidade muitas vezes não é mais que uma forma de aquiescência em relação a expectativas masculinas, reais ou supostas, principalmente em termos de engrandecimento do ego. Em conseqüência, aponta Bourdieu, a dependência em relação aos outros (e não só aos homens) tende a se tornar constitutiva de seu ser. Por outro lado, aos olhos dos homens, as mulheres que rompem a relação tácita de disponibilidade, reapropriam-se de certa forma de sua imagem corporal, são vistas como não femininas, o que se dá também com as mulheres intelectuais e também com as engenheiras, conforme relato das entrevistadas. Uma engenheira de obras relatou que em viagem de trabalho com vários colegas engenheiros ela ouviu o seguinte comentário entre os homens: e aí, faturou? Comentou também que um de seus colegas sempre tinha de explicar para a esposa que faria uma viagem de trabalho com uma engenheira, o que era sempre visto com desconfiança pela esposa. O acesso ao poder, seja ele qual for, coloca as mulheres em situação de double-bind: se atuam como homens, elas se expõem a perder os atributos obrigatórios da feminilidade e põem em questão o direito natural dos homens às posições de poder: Se elas agem como mulheres, parecem incapazes e inadaptadas à situação. Considerações Finais A maioria das/os entrevistados nesta pesquisa afirma que no trabalho, ser um homem engenheiro civil ou uma mulher engenheira civil são coisas muito diferentes. Há áreas de trabalho em que a questão sexual é barreira, como por exemplo, um canteiro de obras, cuja estrutura, na visão das empresas, não foi preparada para atender mulheres, junto à peões e também junto à colegas engenheiros. Eles não enxergam a engenheira como profissional, mas primeiramente como mulher. A compatibilização entre a vida familiar e as escolhas profissionais acaba por marcar os limites da ascensão das engenheiras na carreira. Adiar a maternidade ou optar pela vida celibatária passou a ser visto naturalmente pelas engenheiras, que agindo assim só fazem reforçar os estereótipos de gênero disseminados em nossa sociedade androcêntrica, em nada contribuindo para uma transformação significativa no estilo de vida de sua categoria profissional. A engenheira, em sua maioria continua exercendo dupla jornada, o que não ocorre com o engenheiro, que possui um suporte da esposa para as atividades domésticas. Esta tendência foi observada na análise das entrevistas, como resultado da assimilação pelas mulheres de seu papel já desempenhado no lar como normal. Isto as predispõe a uma aceitação das atitudes preconceituosas em relação a elas como práticas normais, por serem práticas já internalizadas, sem nenhuma crítica. Parece que vem impresso na testa da engenheira que ela é uma reprodutora em potencial e que, portanto, não pode e não deve assumir certas funções, que segundo a empresa são 11

12 incompatíveis com a maternidade. Mais uma vez vemos a questão da maternidade sendo despejada sobre os ombros das mulheres, que por sua vez ainda insistem em assumir a responsabilidade total pela reprodução, isentando os parceiros e a própria empresa de sua parcela de contribuição. Neste sentido as engenheiras ainda têm um longo caminho a percorrer na luta pela compatibilização da maternidade com a ascensão na carreira. Elas próprias, sem perceber, estão reforçando os padrões androcêntricos da sociedade ao invés de tentar mudá-los. Conquistar o respeito profissional na engenharia civil tem sido um fardo ainda pesado para as mulheres que não têm exercitado uma reflexão maior de gênero, que fundamente suas lutas e proporcione transformações profundas no exercício de sua profissão e de seu modo de estar no mundo. Quanto ao ambiente das empresas visitadas, pode-se dizer que nada ali denuncia a presença de mulheres. O que vem demonstrar que as engenheiras ainda não estão conseguindo atuar na engenharia civil segundo sua condição feminina, mas estão se adaptando, a um alto preço, às exigências do modelo marcadamente masculino deste ramo profissional. Na opinião de Sherry Ortner (1979), os esforços dirigidos unicamente na mudança das instituições sociais, por exemplo, através do estabelecimento de quotas salariais, ou através da aprovação das leis de igualdade de trabalho e salário, não podem ter efeitos de longo alcance se a linguagem e as figuras culturais continuam a fornecer uma imagem relativamente desvalorizada da mulher. Por outro lado, continua Ortner, esforços dirigidos apenas às mudanças de pretensões culturais, por exemplo, através de surgimento da consciência de grupos masculinos e femininos, ou através de revisões de materiais educacionais e de imagens de mídia, não podem ser bemsucedidos a menos que a base institucional da sociedade mude para a manutenção e o reforço da visão cultural modificada. Para Ortner, tanto homens quanto mulheres podem e devem ser envolvidos em projetos de criatividade e transcendência. A conquista de uma carreira tecnológica como a engenharia civil pelas mulheres, apresenta um custo social que não é considerado coletivamente, sendo analisado como um preço pessoal que está sendo pago pela mulher. Está ocorrendo uma mudança significativa na estrutura da família no aspecto da maternidade tardia, com implicações diversas no padrão de reprodução e formação das futuras gerações. Pode-se afirmar que nas interfaces da vida das/os profissionais da engenharia civil, a posição das mulheres nesta área do conhecimento e de trabalho permanece ainda sem grandes transformações. A pesquisa aponta que o padrão de inserção das mulheres neste segmento da engenharia civil é ainda atualmente marcado por segregação horizontal (áreas de trabalho) e vertical (ascensão hierárquica). Vale aqui ressaltar que os estudos de gênero, através da inserção de cadeiras nos mais diversos cursos de áreas tecnológicas são de extrema importância para que as futuras gerações de formandos, cidadãos e cidadãs possam ser sensibilizadas/os a problematizar estas questões, no intuito de conquistarem posições mais justas e equânimes no exercício de suas profissões. 12

13 Referências ABRAMO, Laís. GITAHY, Leda (Orgs.). Inovação tecnológica e segmentação por gênero no mercado de trabalho: Restruturación productiva, trabajo y educación en América Latina. Campinas: Buenos Aires: Red CIID - CENEP, ABRAMO, Laís. Cambio tecnológico y el trabajo de las mujeres. : Revista Estudos Feministas, v.5, n. 01, Rio de Janeiro, BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo. V. I e II. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, BOURDIEU, Pierre. Tradução de Maria Helena Kühner. A Dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BRUSCHINI, Cristina. Gênero e trabalho no Brasil: novas conquistas ou persistência da discriminação? (Brasil, 1985/95). In: ROCHA, Maria Isabel Baltar da (Org). Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios. São Paulo: Ed. 34, DEDECCA, Cláudio Salvadori. Racionalização econômica e heterogeneidade nas relações e nos mercados de trabalho no capitalismo avançado. In: OLIVEIRA, Anselmo Luis dos. Crise e trabalho no Brasil: modernidade ou volta ao passado? São Paulo: Scritta, INEP, Aumenta participação feminina em cursos de engenharia. Disponível em Acesso em: 08 de março de HARAWAY, Donna J. Manifesto Ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In SILVA, Tomaz Tadeu da Antropologia do Ciborgue. Belo Horizonte: Autêntica, HIRATA, Helena. Reestruturação Produtiva, trabalho e relações de gênero. Revista Latino- Americana de Estudos de Trabalho Gênero. Tecnologia e Trabalho. Ano 4 no. 7, Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Editora Boitempo, KERGOAT, Danielle. Division sexuelle du travail et rapports sociaux de sexe. In: HIRATA et al (orgs). Dictionnaire critique du fèminisme. Collection Politique d aujourd hui, PUF, Paris, França, OLIVEIRA, Rosiska Darcy. Elogio da Diferença. O feminino emergente. São Paulo: Brasiliense,1999. POSTHUMA, Anne Caroline. Mercado de trabalho e exclusão social da força de trabalho feminina. In: ABRAMO, Laís Abreu; PAIVA, Alice R. de (Orgs.). Gênero e trabalho na sociologia latinoamericana. São Paulo, Rio de Janeiro: Alast, ROSALDO, Michelle Zimbalist & LAMPHERE Louise A. (Coords). A Mulher, a cultura e a sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, SAGASTI, Francisco R. Knowledge and development in a fractured global order. Futures, v. 27, n. 06, SCHIENBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? São Paulo: EDUSC, SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, p , jul./dez

14 ORTNER, Sherry B. Está a Mulher para o Homem assim como a Natureza para a Cultura? In ROSALDO ZIMBALIST, M. & LAMPHERE, L. (Cords). A Mulher, a Cultura e a Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, STANCKI SILVA, Nanci e CARVALHO, Marília Gomes de. A tecnologia e a divisão sexual do trabalho. In: CARVALHO, Marília Gomes. Relações de gênero e tecnologia. Coletânea "Educação e Tecnologia". Curitiba/PR: Editora CEFET-PR, STANCKI SILVA, Nanci. Gênero e trabalho feminino: estudo sobre as representações de alunos (as) dos cursos técnicos de Desenho Industrial e Mecânica do CEFET-PR. Curitiba: Dissertação de mestrado em Tecnologia apresentada ao Programa de Pós-graduação em Tecnologia do CEFETPR, TABAK, Fanny. O laboratório de Pandora: estudos sobre a ciência no feminino. Rio de Janeiro: Garamond, VELHO, Lea e LEÓN, Elena. A construção social da produção científica por mulheres. In: CADERNOS PAGU. Gênero, Tecnologia e Ciência. Núcleo de Estudos de Gênero/Unicamp, Campinas, 1998 (10). 14

GRUPO DE TRABALHO 1 GÊNERO, CORPO, SEXUALIDADE E SAÚDE.

GRUPO DE TRABALHO 1 GÊNERO, CORPO, SEXUALIDADE E SAÚDE. GRUPO DE TRABALHO 1 GÊNERO, CORPO, SEXUALIDADE E SAÚDE. A EMERGÊNCIA DAS PRÁTICAS DE GÊNERO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL : DO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO AO MUNDO DO TRABALHO Tânia Rosa Ferreira Cascaes Marília

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO

RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO RELAÇÕES DE GÊNERO NO TRABALHO DOMÉSTICO Conceição Garcia Martins 1 Nanci Stancki da Luz 2 Marília Gomes de Carvalho 3 1 Introdução Na tradicional divisão sexual do trabalho, às mulheres sempre coube a

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

O Papel da Mulher na Gestão Pública

O Papel da Mulher na Gestão Pública O Papel da Mulher na Gestão Pública A linha divisória entre o mundo particular da família onde ficavam as mulheres, e o mundo público do trabalho e sucesso profissional, onde estavam os homens, está cada

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

O TRABALHO DO WEB DESIGNER NA REVOLUÇÃO INFORMACIONAL

O TRABALHO DO WEB DESIGNER NA REVOLUÇÃO INFORMACIONAL VII CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS DO TRABALHO. O TRABALHO NO SÉCULO XXI - MUDANÇAS, IMPACTOS E PERSPECTIVAS. GT 13 - TRABALHO IMATERIAL E SUAS CONFIGURAÇÕES NA NOVA ECONOMIA O TRABALHO DO WEB DESIGNER

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução O SER MULHER, MÃE E TRABALHADORA: a maternidade sob a ótica da mulher atual Márcia Marrocos Aristides Barbiero Orientadora: Katia Fernanda Alves Moreira RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo estudar

Leia mais

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO

difusão de idéias UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 UM MERCADO DE TRABALHO CADA VEZ MAIS FEMININO Maria Rosa Lombardi: Em geral, essa discriminação não é explícita, o que torna mais difícil

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS.

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. Silva, Ligia M. da (1) ; Marchi, Maria Eugenia V. (1) ; Granja, Rafael C. (1) ; Waisman, J. (2) Escola Politécnica da USP, Av. Prof. Almeida Prado Travessa

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

DESAFIOS DA MULHER EXECUTIVA EMPREENDEDORA

DESAFIOS DA MULHER EXECUTIVA EMPREENDEDORA DESAFIOS DA MULHER EXECUTIVA EMPREENDEDORA Profa. Dra. Marlene Catarina de Oliveira Lopes Melo Diretora Geral da Faculdade Novos Horizontes Mestrado em Administração da Faculdade Novos Horizontes Coordenadora

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

As relações de gênero entre os trabalhadores da área da saúde. Introdução

As relações de gênero entre os trabalhadores da área da saúde. Introdução A presença da mulher nos cuidados em saúde ST. 27 Elenice Pastore Luisa Dalla Rosa Universidade de Passo Fundo Palavras-Chave: Relações de gênero flexibilização do trabalho saúde As relações de gênero

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA.

ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. ADOÇÃO NO CONTEXTO DA HOMOPARENTALIDADE: SIGNIFICAÇÕES DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA. Mayara Martins Alves; mayaram.alves@hotmail.com Shayanne Rodrigues Diniz; shayannediniz@icloud.com Tatiana Cristina Vasconcelos;

Leia mais

Assunto Investimentos femininos

Assunto Investimentos femininos Assunto Investimentos femininos SOPHIA MIND A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, impactos e perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, impactos e perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, impactos e perspectivas. GT 03 - Gênero, trabalho, profissões e políticas sociais na América Latina, na atualidade:

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 Qual a importância da discussão de gênero no mercado de trabalho? O campo de atuação profissional

Leia mais

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS

A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Introdução A EAD NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO TOCANTINS Ângela Noleto da Silva angelanoleto@uft.edu.br Darlene Araújo Gomes lenegomes20@yahoo.com.br Kátia Cristina Custódio Ferreira Brito katiacristina@uft.edu.br

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA BEZERRA, Nanci Candido, Faculdade Santa Maria, nanci.candido26@gmail.com. SILVA, Evandro Dantas, Faculdade Santa Maria.

Leia mais

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero Michelle Rabelo de Souza * Mirella Cristina Xavier Gomes da Silva Lauschner Resumo:

Leia mais

TRABALHO E ESTUDO: UMA CONCILIAÇÃO DESAFIANTE

TRABALHO E ESTUDO: UMA CONCILIAÇÃO DESAFIANTE TRABALHO E ESTUDO: UMA CONCILIAÇÃO DESAFIANTE Autora: Nyedja Nara Furtado de Abrantes Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: naraabrantes@hotmail.com Resumo Partindo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

ENGENHARIA E DOCÊNCIA: A PROBLEMÁTICA DAS RELAÇÕES DE GÊNERO

ENGENHARIA E DOCÊNCIA: A PROBLEMÁTICA DAS RELAÇÕES DE GÊNERO ENGENHARIA E DOCÊNCIA: A PROBLEMÁTICA DAS RELAÇÕES DE GÊNERO Sileide France Turan Salvador 1 Marília Gomes de Carvalho 2 INTRODUÇÃO A engenharia é uma área de atividade que interage com a sociedade, a

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s).

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Dayanne Marcelo Zupo Leme Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail:

Leia mais

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos 65 5. A pesquisa As dificuldades envolvidas na conciliação da maternidade com a vida profissional têm levado muitas mulheres a abandonar até mesmo carreiras bem-sucedidas, frutos de anos de dedicação e

Leia mais

Um olhar de gênero sobre as Engenharias e Licenciaturas da UTFPR e da UFBA

Um olhar de gênero sobre as Engenharias e Licenciaturas da UTFPR e da UFBA Um olhar de gênero sobre as Engenharias e Licenciaturas da UTFPR e da UFBA Resumo Lindamir Salete Casagrande 1 Ângela Maria Freire de Lima e Souza 2 O objetivo deste artigo é apresentar uma parcela dos

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO Watfa Abou Chami Pereira PPGTE-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Nilson Marcos Dias Garcia PPGTE/DAFIS-Universidade

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

INTRODUÇÃO. elevada ao patamar de Entidade Pública.

INTRODUÇÃO. elevada ao patamar de Entidade Pública. MULHERES: UM ESTUDO SOBRE OS PERCURSOS EDUCACIONAIS DE ARTISTAS PLÁSTICAS E PROFESSORAS DE ARTES FIAMONCINI, Rosina Salete de Franceschi FURB rosinafr@terra.com.br Eixo: Educação e Arte /n. 16 Agência

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Débora de Fina Gonzalez Introdução A consolidação da participação feminina no mercado de trabalho coloca em pauta

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

MERCADO DE AÇÕES MULHERES

MERCADO DE AÇÕES MULHERES MULHERES NA BOLSA 32 REVISTA RI Março 2011 Está ficando para trás o tempo em que a Bolsa de Valores era um reduto identificado com o gênero masculino. Hoje esse espaço também já é ocupado pelas mulheres

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

S E M A N A D O COACHING

S E M A N A D O COACHING Para que você perceba todas as possibilidades que o mercado oferece, precisa conhecer as 3 leis fundamentais para o sucesso no mercado de coaching: 1 É muito mais fácil vender para empresas do que pra

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

FERREIRA, Maria da Luz Alves. Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES. mariadaluz@oi.com.br. Resumo

FERREIRA, Maria da Luz Alves. Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES. mariadaluz@oi.com.br. Resumo Mulheres no lugar de homens? Impactos da inserção de mulheres em ocupações consideradas masculinas: frentistas e policiais femininas de Montes Claros MG Resumo FERREIRA, Maria da Luz Alves. Universidade

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ Luciana L. Brandli brandli@detec.unijui.tche.br Cristina E. Pozzobon pozzobon@unijui.tche.br Universidade Regional

Leia mais

Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação

Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação Carmine Taralli Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do autor, não refletindo necessariamente as

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás Irene TOURINHO irenetourinho@yahoo.es Faculdade de Artes Visuais

Leia mais

SPECIAL SECTION. Você é mulher em um campo dominado por homens? Entrevistas com Márcia Regina Barros da Silva e Léa Maria Leme Strini Velho

SPECIAL SECTION. Você é mulher em um campo dominado por homens? Entrevistas com Márcia Regina Barros da Silva e Léa Maria Leme Strini Velho Critical Reviews on Latin American Research 78 SPECIAL SECTION Você é mulher em um campo dominado por homens? Entrevistas com Márcia Regina Barros da Silva e Léa Maria Leme Strini Velho Entrevista realizada

Leia mais

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012.

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012. A DUPLA JORNADA DE TRABALHO: REFLEXÃO SOBRE O VÍNCULO DA MULHER COM O TRABALHO DOMÉSTICO EM CONTEXTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE SOCIOLOGIA PARA O NÍVEL MÉDIO 1 Natalia Taiza Schmidt 2 RESUMO: O presente

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais