PREÇARIO DA REVISTA. DEPOSlTARIO GERAL Grupo «Amjp de Lisboa» - Rua Gauett, Gg, Tele!. 2 67ll

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREÇARIO DA REVISTA. DEPOSlTARIO GERAL Grupo «Amjp de Lisboa» - Rua Gauett, Gg, 2. 0 - Tele!. 2 67ll"

Transcrição

1

2 ,. / PREÇARIO DA REVISTA Prt'ÇO avulso $GO N~meroa duplos $00 Asslnalum (par cada ame do 4 números) $00 DEPOSlTARIO GERAL Grupo «Amjp de Lisboa» - Rua Gauett, Gg, Tele!. 2 67ll CORRESPONDENCIA Secçio de Propaganda e Turismo da Càmara Muolcipal do Lisboa Rua da Boa VlSta. n. 8 - Tclef. S gi 74

3 REVISTA MUNICIPAL CAPA D 1 R E C Ç Ã O DR. JAIME LOPES DIAS ASSISTENCIA GRAFICA JOSE ESPINHO D E S E N H O S D E BERNARDO MARQUES. JOSI? ESPINHO E CARLOS RIBEIRO DE JOSE ESPINHO

4 OMÁRIO J A 1 M E LOPES DIA ~ J o s i:: E s T E V A M EDUARDO DI:: NO R O N H.\ L U 1 S R I BEIRO VIANNA J. ~- CORDEIRO DE SOUSA JOÃO JARDIM DE VILHENA AFONSO LOPES DE ALMEIDA E.VGESHEIRO AUGUSTO VIEIRA DA SILVA A.VOVA 'l'ereaçao LU J:: X.11.A CAM ARA M u.\' I e I p.. t L D E L l S B o.1 l\~ o T EM p o DO M A G N Â.V I.\1 o o s M A e,, l' E N e o s A s N o V.'I s E s e A D A s M E e Â,v l e A s D o R. s. B. O S "j A C E.V T f: S 11 D.4 S It D E L I S B O A E A SUA f.\"dl/me.vtaria R E C O R D.~ ç O E AS COJIEMOR.tÇôES DO 11>0.º ASJ V E R S tl R 10 DA FREGVESIA DE S. PEDRO E.JI ALC.f\'T.~RA C A N C O,y E R o FRANÇOIS BARADEZ A N T O L O C I A /) li LISBOA S A U D A D é S IJ r.: 1. I S 8 O.1,.4 C I D A D /! D A <; s h.' r E e o L I.\'.1 s... S E C Ç,{ O ]C:RIDICA ORGA.VJZAÇ.iO DOS SERl'JÇOS DAS C.tAIARAS MU.\'IC/P,lfS DE LISBOA E PORTO B 8 L O G R A F * X JRIMESTRE * COMPOSTO E IMPRESSO NAS OPICINAS CRAFICAS DA CAKARA llulilcipal D1! LISBOA

5 OS ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA MUNICIPAL SÃO DA Rl!.SPONSABILIDADR DOS Sl!.US AUTORES *

6 E G E ACGlJSTO N H VIEIRA f. 1 DA R O SILVA stá de luto a Reuisla Mu,,icif>al. Morreu o seu melhor e mais ass!duo colaborador, o saudoso Engenheiro Augusto Vieira da Silva, nosso querido e bond0!10 amigo. Conhcc:emo-nos por O meu mestre Dr. Jos6 Leite de Vasconcelos disse-me num dos domingos em que, apoz a minha vinda para Lisboa, me deu do seu almoço. em sua casa, que o nosso costumado passeio, seria, naquele dia, à biblioteca e museu do Engenheiro Vieira da Silva. grande investigador das coisas de Lisboa e, na sua profissão, técnico dos mais distintos. O meu futuro, estimado e querido amigo esperava-nos no patamar da escada do seu prédio na Rua de S. Domingos (à Lapa), n. 80. Feitas as apresentações e percorridas, durante horas, aquelas perto de duas dezen.as de salas repletas de colecções, exemplarci; raros de gravuras além de outra.. verdadeiras preciosidades, impressionou-me muito o arranjo e a arrumação impecável de tudo, mas mais, e sobretudo, a simplicidade do homem, a bondade, a modéstia transpru-cnte do beneditino investigador e coleccionador. Eu era, ao tempo, adjunto do Oircctor-Geral de Administração Polllica e Civil do Ministério do lnt~rior, a quem a vida e a história de Lisboa interessavam então apenas pela ua importância, pela posição especial de capital do pais. A minha paixão pelo e:.-tudo do povo e das 5uas tradições, lcvou-m~ a encarar as colecções Vieira da Silva especialmente sob este aspecto. Vi e aprendi ~ lguma coisa! O Dr. Leite de Vasconcclo. teve a gentileza de falar dos mctb modcslõ5 apontamentos de Et11ografia da Beira, dos meus Pelourirthos e Forcas e das minhas predilecçõcs regionalistas, e logo o Engenheiro Vieira da Silva, com a ua costumada simplicidade e transparente satisfação, me di...c que sua esposa era bcirõa. natural da vila do Sabugal, que quase confina com a minha 5 aldeia natal.,\ despedida ofereceu-me os seus préstimos, e disse-me que tudo u que dele ou dos seus livro' ~u precisasse para os meus Cllludos, estaria às minhas ordens.

7 Pouco tempo passado eu transitava do Ministério do Interior para a Direcção dos Serviços Centrais e Culturais da Câmara Municipal de Lisboa. O peso e a responsabilidade das minhas / novas funções fizeram ecoar a meus ouvidos as palavras do Engenheiro Vieira da Silva: «tudo o que de mim ou dos meus livros precisar para os seus estudos, está às suas ordens». Eu passava a necessitar de tudo e sobretudo, da colaboração e do conselho do mestre. Aquela riquesa acumulada com tanta devoção e paciência durante mais de meio século, t ra tesouro de rara valia para quem quizesse versar qualquer dos muitos e grandes capltulos da vida de Lisboa. Dei-lhe a noticia da minha nomeação e comuniquei-lhe que, lembrado da sua gentil oferta, chegara a altura de precisar do seu conselho, da sua colaboração e dos seus livros. Conversamos demoradamente e visitei novamente desta vez a seu convite (') as valiosas colecções e a biblioteca do Engenheiro Vieira da Silva. Ficou assente que, não obstante o seu pouco tempo disponível, ele aceitaria fazer parte da Comissão Municipal de Arte e Arqueologia, se o Senhor Presidente da Câmara para tal o viesse a convidar. Efoctivamente, nomeada esta por despacho de 1'7 de Janeiro de 1938, o Engenheiro Vieira da Silva foi, com os seus colegas, empossado como vogal em 14 de Fevereiro do mesmo ano. Jamais, até à data do seu falecimento, deixou de fa1.cr parte da referida Comissão, nunca lhe recusando a sua sempre útil e devotada colaboração. e comparecendo sempre a todas as reuniões com pontualidade exemplar. Aprovado por despacho de 21 de Abril de 1938, pelo saudoso e sempre lembrado Presidente da Càmara, Engenheiro Duarte Pacheco, o plano das publicações municipais, comuniquei-o ao meu estimado amigo Engenheiro Vieira da Silva, e disse-lhe não poder dispensar a sua colaboração para a Revista Jfonicipal. Logo me prometeu um artigo, que cfectivamente foi publicado no n. 1 e que, creio que por entender ser agradável ao meu espirita e pertencer ao capítulo dos meus estudos, intitulou Pelo11rinl1os de Lisb<1a. Instituída a Comissão de Toponímia cm 1943, para ela foi também nomeado, o Sr. Engenheiro Vieira da Silva e nela se corucrvou até à hora da sua morte. Não houve comissão de!estai; ou de interesse citadino da responsabilidade do município de <[UC o Engenheiro Augusto Vieira da Silva não fizesse parte. Assim nas Comemorações Centenárias de Lisboa, nas festas dos Santos Populares e em clivcrsos juris de apreciação de obras culturais. A sua obra, ou melhor todas as obras que pôde escrever nestes quinze anos foram editadas pela Câmara Municipal ou publicadas cm separata do Olisipo, do grupo uamigos de Lisboan. Aqui, na Revista Municipal, publicou Pelourinllos de Lisboa (n.º 2). Restauro do Castelo d$ S. Jorge (Breves noticias) (o. 3.). O Termo de Lisboa (n. 4). Os limites de Lisboa e Prrr biunas lú Toponímia (n. 6). Ligação costeira da Baixa com a parte ocidental da cidade (n.'" 8 e 9). Furnas descobertas no Pote d' Agua {n. 0 10). Acção do Castelo de Lisboa nas guerras e revoluções (n. 11 e 12). Os fortes de San/a tipol6nia e da Cruz da Pedra (n e 12). A evo/u~o paroquial de Lisboa (n. 18 e 14). Noticias históricas tias freguesias de Lisboa (n e 16). Uma estação lusilat10-1'0ma110 no sítio do Poço de Corles (n."' 20 e 21). Nomes da$ pessoas na toponlmia lisboeta (n. 24 e 25). S(t.io e palácio do Marquls de Akgrete (n (') Lisboa 26 de J aneito de u... Sr. - Conquanto me pat<!ça que V. me deu a honra de visitar a minha colecção ollsiponiana (bem que Dão toda) tomo a liberdade de comuni<:at a V. que no próximo dia Sl (segunda-feira, feriado) pelos U horu, reuno em aiinba casa algumu pessoas miadoras de antigu.idades de Lisboa, o que muito praz.ér tmia com a comparência de V., cago tambéld tiv- nisso inte"""'1do. De V. etc... - A. Vieira 1/a Siloa.

8 e 31). Corografia de Lisboa (noticia histórica) (n. 32). Santa Catarina, 3. freg«uia cristã de Lisboa (n. 89). A Sala do Risco (n. 0 42). O Mosteiro da Esperallfa (n."' 45 e 46). Sempre que chegava à Câmara Municipal noticia do aparecimento de objectos ou descoberta de ruínas ou monumentos que pudessem servir de base a estudo arqueológico ou histórico, o Engenheiro Augusto Vieira da Silva figurava sempre no número dos convidados para a visita de estudo e, quase sempre, de boa vontade se prestava a registar e relatar o que merecesse ficar anotado. Destas missões resultaram, entre outros, os valiosos artigos, já referidos. As f"rnas do Po/.e d' Ág«a e Uma Estação Lusitania-Rommsa no sítio do Poço de Cortu. Nem eu nem a Càroara Municipal lhe deviamos nada, dizia muitas vezes. Ele é que me devia e à Câmara tantas atenções e considerações, que não sabia como retribuí-las ('). O Munidpio começou, de facto, a pagar-lhe a sua clfvida de gratidão, com a aprovação. por unanimidade, em 22 de Março de 1934, de uma proposta, apresentada pelo então vogal da Comissão Administrativa e actualmcntc Vice-Presidente da Câmara, Ex."'º Sr. Luls Pastor de lliacedo, que lhe concedeu a medalha de ouro de mérito Municipal. Já foi escrito, mas não fica mal aqui repeti-lo: o Engenheii;o Vieira da Silva, segundo sua própria confissão, entrou na gloriosa confraria dos olisipógrafos porque, tendo lido a obra magistral de Júlio de Castilho, sentiu a necessidade de localizar e pormenorizar monumentos e locais ligados a factos de relevo da vida da Cidade. «Confesso que foram as interessantes publicações deste cronista da cidade (Júlio de Castilho) que me levaram a empreender os estudos sobre Lisboa, porque, como engenheiro e militar, acostumado a pautar os meus trabalhos com a régua e compasso, sentia o desejo de precisar alguns assuntos que aquele autor deixara pouco definidos, e especialmente o de marcar na planta topográfica de Lisboa o traçado das suas obras defensivas, na Idade Média, objecto que primeiramente tive em vista. Dai, como assunto associado, veio o estudo da topografia e da toponlmia das vias públicas da velha Lisboa, iniciado pelas circunvisinhanças das muralhas das suas cercas defensivas, e ainda oulros trabalhos relacionados com a cidade» (2). Os seus primeiros estudos foram o Castelo de S. Jorge (1898) (separata da Revista da Engenharia Militar) e a Cerca Moura de Lisboa (1899), a que se seguiu As Muralhas da Ribeira d6 Lisboa (1900) todos publicados na Revista da Engetrharia Militar de que foram cxtraidas sepa.ratas e já foram publicadas segundas edições. Aprofundava todos os assuntos que tratava e, se tinha que emendar ou conígir afirma ções já feitas por outro ou outros estudiosos. fazia-o com rara elegância. Jamais fe;i; w;o da sua autoridade para apoucar ou diminuir alguém. Amoroso, até nas falas, que nunca saiam do tom normal da conversa, uu nunca ouvi o Engenheiro Vieira da Silva elevar a sua voz. Quando era chamado a emitir opinião, se não concordava, esboçava a sua discordáncia quase com timidez ou remetia-se ao silêncio. O seu último estudo sobre o Mosteiro da Espcra11ça tirara-lhe muito tempo, porque como, era seu uso, levava as investigações até ~ minúcia. { 1 ) Escreveu-me assim numa carta de 26 de Dez mbro de 1911:... «Com respeito à amav~i dedicatória do seu livro. 6 que eu fiquei verdadeinunentc extasindo ao ver que V. se referia às provas de amisade e 7 a1'1 f6u que lhe terei dispell"'1do... Eu é quo pelo contrário, gratíssimo ertou u que do V, tenho recebido. potque, na minha conscifocia, Ollda fiz senão reconhecer e agradecu"" que V. me tem fartameotc diopensado. ( ) Anais das Bibliol cas. Museus, Arquivo Históricos Municipais. n. 13, pág. 84.

9 8 A sua preocupação nos filtimos dias da sua vida era a lconog,ajia de Lisboa, que ele já começara a organizar e desejaria poder concluir. Vinha todos os dias à Câmara Municipal como os devotos vão às igrejas. E nunca vinha que me não procurasse('). A princípio, cerimonioso, mandava anunciar-se e não entrava sem que o continuo levasse a resposta. Produto de mútua compreensão e mercê de uma asstdua convivência, a amisade foi crescendo e a certa altura intimei-o a não mais se anunciar. O meu gabinete era também dele e portanto, estivesse eu ou não estivesse, e estivesse só ou acompanhado, desejava que ele entrasse sempre como em sua casa. E assim passou a f21.er. Se me não encontrava deixava noticia escrita ou recado ao continuo. Quando tinha noticia, recado a dar ou reclamação a fazer, entrava, e feitos os cumprimentos, desdobrava a pasta velhinha que trazia debaixo do braço, e desatava o saco. Terminava sempre com o seu pedido de muitas desculpas por ter vindo perturbar, pois que a sua intensão era sempre a de colaborar. Era excessivamente amável e gentil o Engenheiro Vieira da Silva. Fevereiro de 1951 entrou chuvoso e frio. Veio o Carnaval. Ausentei-me num fim de semana e quando regressei, estranhando não ter noticias, havia alguns dias, do meu querido amigo, perguntei por ele. - Que não vinha à Câmara já havia mais de uma semana. Ninguém o tinha visto e, acrescentava o Soares - Se ele cá tivesse vindo não deixava de vir ao gabinete de V... - Estará doente? - Tem chovido muito, veio o Carnaval, não admirai Confiei na lógica informação, tanto mais que no dia da sua última visita ao meu gabinete, o Engenheiro Vieira da Silva gracejando, como muitas vezes fazia e lho permitia a nossa amisade, dcpoi.~ de cu ter insistido para que se sentasse e, perante a sua recusa, eu lhe dizer que ele estava cada vez mais moço, respondeu-me: - Na verdade, doutor, sinto-me bem! Não sou moço mas estou a passar mwto bem. )fais uma insistência minha para que se sentasse, nova recusa e a seguir as costumadas despedidas afectuosas. Como disse, as incompletas noticias do meu amigo levaram-me a saber da sua saúde. Triste surpresa me esperava: - Entrara em estado pouco menos que desesperado. E ao dia 20 de Fevereiro exalava o último suspiro! Assim se foi, lei da vida, o querido e saudoso amigo, meu, da Câmara Municipal e da cidade de Lisboa. Que a terra lhe seja leve. Jaime E!.opes Çl};as. Publicam-se cm seguida Notas biográficas, Cadastro, Bibliografia e Subsídios bibliográficos, quanto possível exactas, do saudoso amigo. Por elas podem os leitores avaliar da vida exemplar e do trabalho fecundo de tão bom e prestante português e lisboeta. L. D. (') Em carta de 9 de Setembro de 1944, dirigida pare Idanba a Nova, d.izia mo:.por aqui vam " pa&sa.ndo "-cm novidade írf'qu~nta.odo C'll agora pouco a C.\mara. porque wto tenho IA a. V para o ir ma~a.r frequentemente, como em período uonnal.

10 ENGENHE RO AUGUSTO VERA DA SILVA Nu lologro lou qu u pub ocom padem obs.eryat te veres l Hs d ida a mples t' euslere do udo10 1nv~1119edor e colecctonador des couai de Luboe. / V

11 ESCOLA ACADEMICA caugusto V1e1ra da Silva, filho dos Uu1tríS$1mos, Excelen1is.s1mos Senhore.s An1ón10 Marie dn Silvo e Moriane Vieira de Silva. nalutel de- Lisboa morriculou~jc no.jla Escola em 4 de Ou1ubro do 1880, lendo 11 ano de ídode, e hob1l11ou- e nos udo preporolór os poro o o~mruão a E colo Pol lécníco onde enlrou nu oulu do 1. ono em Oulubro de A Ex. Sr. O. Morlone Víeiro do S1lv em leslemunho do dislin' "phc;4çio e bom procedimento deste estudanre, olerece António Florêncio dos Santos, drreclor deslo Escola, ficoodo 1dênlrco fologroflo no golorío escolar> Llsboo 20 de Dezembro de 1886.

12 ENGENHEIRO AUGUSTO VIEIRA OA SILVA

13 A PRESENÇA DO ENG. A. VIEIRA DA SILVA NOS ACTOS OFICIAIS DA CAMARA MUNICIPAL Descerrando e liplde de Cuco funondlne, em londo um conlerénc10 sobre l11boe No m da Pros1dtnc10 de ume 1eaaio solene noa Poços do Concelho.

14 Augusto Vieira da Silva, filho de António Maria Vieira da Silva, natural de Sesimbra e de D. Mariana Guilhermina Reis, natural de Lisboa, na.<eeu em 10 de Setembro de 1869 na Rua da Atalaia, n. 18. em Lisboa. Foi baptizado na Igreja Paroquial da Encarnação, em Lisboa, a 21 de Novembro do mesmo ano tendo por padrinho António 1\faria Gentil, empregado público e por madrinha N. Sr. da Luz. Aos 9 anos fez exame de instrução primária entrando depois para a Escola Académica que frequentou até aos 17 anos, idade com que entrou na Polité<:niea. Em fotografia sua 0-,24 x o,38. que se publica, consta o seguinte: Escola Académica. «Augusto Vieira da Silva, filho dos Tiustr!ssimos, Excclcntlssimos Senhores António Maria da Silva e Mariana Vieira da Silva, natural de Lisboa matriculou-se nesta Escola cm 4 de Outubro de 1880, tendo 11 anos de idade, e habilitou-se nos estudos preparatórios para a admjssão à Escola Politécnica onde entrou nas aulas do 1. 0 ano em Outubro dia À Ex... Sr. D. Mariana Vieira da Silva em testemunho da distinta aplicação e bom procedimento deste estudante, oferece António Florêncio dos Santos, clirector desta Escola, ficando idêntica fotografia na galeria escolar». (Lisboa 20 de Dezembro de 1886). Assentou praça no Regimento de Artilharia 4 aos 19 anos, em 2 de Novembro de 1888, e dois anos depois entrou para a Escola do Exército onde concluiu o Curso de Engenharia :Militar em Em 8 de Novembro desse mesmo ano foi nomeado alferes do Regimento de Engenharia, e em 7 de Novembro de 1895 promovido a Tenente. Por detenninação de S. M. El-Rei passou em 20 de :\[arço de 1000 para o Estado Maior de Engenharia sendo em 3 de Novembro de 1903 promovido a capitão. Em 26 de Maio passou à situação de adido, em 26 de Novembro de 1915 a major graduado, em 16 de Fevereiro de 1918 a Tenente-Coronel e, finalmente, em 21 de Fevereiro de 1920, foi promovido a Coronel. Em Maio de 1936 foi desligado do serviço aguardando a aposentação voluntária até Outubro do mesmo ano. Durante o Curso na Escola do Exército alcançou altas classificações e obteve prémios pecuniários. Durante a carreira militar desempenhou vários cargos públicos. Foi casado em primeiras núpcias com D. Adelaide Avelar Machado Vieira da Silva, falecida em 28 de Novembro de Em Junho de 1906 consorciou-se eom a Ex... Sr. D. Maria Virgtnia de Vasconcelos Melo. Foi Sócio Efectivo da Associação dos Arqueólogos Portugueses e recebeu a medalha de umérito Municipal» concedida pela Câmara l\lunicipal de Li$boa em sessão solene no dia lll de Maio de Foi Sócio Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa, Membro da Academia Portuguesa da História e Sócio Honorário do Grupo «Amigos de Lisboa» e seu primeiro Presidente. Entre outras condecorações possuia a Cruz de Mérito Militar Espanhola concedida pela Rainha Regente, em S. Scbastian, em Setembro de 1\100 a de Cavaleiro da Ordem de S. Bento D'Aviz concedida por El-Rci D. Carlos em Janeiro de 1004.

15 CADA "Tº" Serviu no Regimento de Engcohilria como Alfcrt:S e Tcn~ntc de.de Novembro dt1 H;!l:l até Abril ou Maio de Apresentou-se cm seguida no Comando Geral de Engenhariil e foi colocado na In>p.!tção de Engenharia da 1. Divisão Militar onde serviu até 30 de Julho de Nesta data foi colocado na ln6pecção da.' Fortificações d<' Li'boa como Adjunto da 1. Secção (Ameixoeira) Em Julho de 1900 foi mandado pre:;tar serviço como Adjunto da 4.ª Secção (S. Julião da Bana). Em 21 de Outubro de 1003 foi oomeado Chefe da 4. Secção cargo qu' exerceu desde ~ de Outubro de 1003 até 30 de Maio de Em 1 de Junho de llll 1 apresentou-se na Inspecção Geral de Engenharia, onde l'l'<'ebcu guia para se apresentar no Ministério do fomento. Colocado no Ministério dali Obras Públicas Comércio e Indústria por portaria de I de Julho de llloo foi nomeado Chefe da :.l. Secção da Repartição da Propriedade Industrial. Engenheiro Subalterno de :.!. Cta...c da Secção de Obras Pública.~ do Corpo de Engenharia Civil e de Mi.nas por decreto de :H d<" )larço de l!xr2, foi promov;do a Engenheiro Suba.lteroo de J. CWac poc decreto de 16 d.: Setembro de Exerceu interinamente o lugar d< Chefe de Repartição da Propriedade U.dllJólrial de&de 5 de Setembro de 1911 até 21 de '!aio de 1111:.!. Tr.msfcrido de Chefe da :l. Secção da Repartição da Propriedade Industrial par,. o lugar de Chefe da 1. Secção da Rcpart;ção de Trabalho Industrial no Ministério do Fomento por decreto de 111 de Março de 1913 exerceu o cargo de Chefe interino da Repartição do Trabalho Industrial por força de portaria de 2 1 de Março de 1914 até 28 de Dezembro de 1\JI J. Transferido para o Corpo de Engenharia Industrial do lllirustério do Trabalho e Prcvid!ncia Social, com a categoria de J::ni.:cnheiro Subalterno de 1. Cla:.:.e por decreto ti d Junho de 1!116 foi nomeado Chefe da 1 Repartição (Técnica do Trabalho) da Din...:çio Geral do Trabalho. por decreto de i.. de Julho d 11!16. Foi promovido a Engenheiro Chefe de 2. CI~ por decret<> de 'l9 de Junho de a Eng<"nheiro Chefe d<' 1. Cla.<..,e por decreto do :10 d Julho de lllltl e colocado na -ituaçio de <k'stacado por dc,pacho de :io de Janeiro dt!ul!j. Nomeado adjunto da Direcção Geral do Comércio por dt-cr<:to de :.13 de Outubro dt lllltl de que tomou pos.~ em 1 de Fevereiro de luiu e extinto o lugar pda reforma do MfaiJ>tério do Comércio e Comunicações por decreto de 17 de Outubro de 111'.!0, rcçcb<-u guia para "' aprc-;cntar no Míni>;tério do Trabalho em 1 d11 Julho de 19'21, onde ficou na situação de disponibilidade. Passou l situação de actiy;dade por de&pacho ministerial de ll dl' Junho de 192'2. Colocado na 4.ª Circunscrição Industrial por despacho de 7 de julho de HrJ'2 ali i;e apre:;entou cm li de Julho. Preo.tou serviço na Direcção Geral do Trabalho com guia pas.uda cm 11 de Julho de l!t..?-.!, para estudar as fundações e outras estrutura de betão armado do edifício incendiado da Praça do Comércio. Colocado na :J Circunscrição Industrial por dc:>pacho de :l:l de Fevereiro de llrl.j ali se apresentou a 26 do mesmo mês. Nomeado vogal da Combsão d1 l'onll'!> por despacho de O de Dezembro de lu'.!ri, e da Comissão AdmirW.trativa dali Obra.. de Recorbtrução da ala oriental do Ed.ificío d.1. Praça do Comércio por decreto de 27 de Novembro de 10-25, foi promovido a Engenheiro Jn.,pector Jndu trial por decreto de 30 de Deumbro de 19'25, confirmado por d.."pacho de lll de Julho de \lr.!t>!':omcado, por decreto de 26 de Setembro de 192í, para rcpn--..cntac Portugal na 7. Coo l O ferbcia Geral de Pesos e Medidali que teve lugar cm Paris nos fino de Setembro c princípiô<i de Outubro. (Ficou sem efeito esta "'""eação). Passou em :..?-..! d )faio de à :.ituação de desligado do Serviço aguardando a~ntação, ~m.eguida ao que foi ap<hcdtado voluntàriamcnte. - ( Diáno d<1 Gover110, II série, de 21 de Outubro).

16 l \f : BIBLIOGRAFIA O CA!'.TU.o L>~ S. JORGE 1.' t'd.. ll:lllh, "<'pnrata da Revista de E11ge11liaria A11/itar; :.!. ed.. 10:17, edição da Empresa Nacional de Publicidade. A CFRC\ Mol' RA DE L1seoA - 1.' l"<i.. u,-oo, st>parata Ja Revista de Engenharia M1/il1u; :.!. e<i.. l!l;jll, publicação da CAmara '\!unicipal de Li.,boa. :\,, ~!URALUAS DA RIBEIRA DE 1.1,,00A 1 NI e l'ioi. separa.ta da Rt111sla de /.,11:tnl1t1na.llilitar; :.!. ed., vol. l, 1940 e vol. Jl, 1\141; publicação da Câmara Municipal de LL<boa. '\ CH<eA MouR.\ DE LISBOA F o Esrnm<' DO Tqo ~A BAIXA - 19ll9. Publicação da cn mara \lunicipal de Lisboa. A VELll<\ Lt~BOA - lfl'.27, da Colecção de / Vulgari1.açifo Arle. publicação do jornal Diána de.v ollc1as. As FREGUESl\S DE LISBOA l!l. Publicação da C-'unara :\lunicipal de Li boa. Separata d'" unigos da Revista Municipal, o. 13 e 1 1 de e o. u; de 1943, com os títulos: A tvo/11ção paroquial de Lisboa e.vollcias Hist6ncas das Freguesüls de Lisboa. EPIC.RAFIA D~ OusJPO (SuasfD1os PARA " 1!1STt'IHIA m LISBOA ROMANA) - Hl44. publi cação dn Câmara Municipal de Lisboa. A C~RCA FERNANDINA DE USllOA - Public.1çílo da Cãmara Municipal de Lisboa. Vol. 1, 1!14A e vol. II. HJ 19. PLM'Tl\S TOPOGR.Ú'ICAS DE LiSBOA-Publi cações Comemorativas do Vlll Centen!rio da Tomada de Lisboa aos ~louros. Publicação da Càmara 'luoicipa.1 de Lisboa útudos olisiponianos O :\losn1ro oa EsrERAl'ÇA - 19.''iO. Publicação da Câmara ~lunicipal de Lisboa. Separata tios n....i.; <' 1fi da Revista Municipal. Rr R -ut d E ôd a 0 CASTELO DE '> JORGE - I... ~. pág. 211 (-eparata). A CERCA MOliRA DE Ul>BOA - ltf,19, págs. 29, 7H, 16U, ~. :.!9i e 11.'17 (!leparata). As )ll"ralbas DA RIBEIRA DE LISBOA págs. 60, 105, 1113, 27 1, 313, I05, 445 e r.< , págs. 41, 112, 111:;, 216, 264, 802. a..o. ~o..!,!g!l, 1117 e S.~9 (SC'parata). NoTfCIA H 1sr6RJCA So11R~ o U.l'Al<TA)IE!-,.o DA PLANTA ToPOGRÁHCA m l.1snoa - Tomo XLIV, Ull!l, pág. 2'..!7 (separata). A PoPt.'LAÇÃO or. LISllOA Tomo pag. 1 (separata). "" d Ordem doo E 0 C\sTI::LO DE L!:.BO.\. TRABAt.llOS DE REs TAl.'RAÇÃO REALIZADOS Ell 19:111/ IO - Ano 4.º, n. 0 48, Dezembro de l!l40, pág. 607 (separata). 8nl hm da ri d Ac Loc,us 0:.Dll Fu:;çroi;ou UI LISBOA A UNIn:RSIDADE DOS Esnmos - Vai. XI. - Nowmbro a Abril de 1918, pãi: (separata). A CRJSTL\."IZllÇÃO DE LISBOA - Vol. XIX Outubro a Dezembro de 1947, pág. 1$9 (separata). (') Apoat&mCl>t>oe collgkloe pei. Ex.- Sr.' D. Julieta F errão, Colllervadon. doe M- Municl~. c:oan be.lo na relação publica.da pelo Sr, Eng. Vieira d& Silva na separata dr. Rw ls14 Jl..,.kt/>ol - O Motlllro do &p.ro~ça. M 11

17 12 AcçÃO oo CAsTELO D& S. joage NAS GUEll RAS EX PORTUGAL - 2. ttrie, vol. II, 1949, pág. 238 (separata). Go1u:s DE BRITO, ÚLISll'ÓCRAf0-2. série. vol. 11, 1949, pág. ~1 (separata). 6 CHAFARIZES?dONUIOUo"TAIS lt [t."teressantes DE LisBoA DESAPARECIDOS - N. 21, 2. ~ mestre de 1942, pág. 11 (separata). 0 Aaco E O R.E$ERVATÓKJO DAS i\llorelras - Maio. 1948, pág. 1 (11:parata). ÜMA VISTA b<tditadb LISBOA DO 8. QUARTEL DO SÉCl1LO xvm - Vol. II. 1942, pâg \ IUVO HJ t A CAsA 0:-"DE MORREU Lufs DE CAICÕES - Ano IV, n. 13, Julho a Setembro de 1934, pág. 10. As TERllAS RO.IAA."AS DA RUA DA PRATA b LISBOA-N. 18. Julho a Setembro de Hl34, pág. 19 (separata)..al..'-"da A CAsA ÜNDI! FAUÇEU WlolÕES - Ano V, n. 15. janeiro a Março de 1985, pág. 2"2. DISCURSO PROFIUUOO E!>! S1:.sSÃO SoLE.NE DA CÂàlARA MUN1CIPAL DE LISllOA, EM 18 DE!.Luo DE Hl34, PARA A Et."TRt'GA DAS MEDALHAS DE OIRO E DOS Rl!sPt!CTIVOS Dn>LOMAS DR.MtRITO ll!unicipal A V.úuos Fu1'c10NÁR1os-Ano IV, o. 'IB, Julho a Setembro de 1934, pág. 33. R A Ml.>DKI Os l'el.oukil\uos DE LISBOA-Ano 1, n. :!, 1939, pág. 27. Rl;$TAUR0 DO CASTELO DE S. JORGE - Ano l, n. :l, 1940, pág TERMO DE LISBOA - Ano T, n. 0 t, Hl40, pág. 11 (separata). Os L!lllTES DE LtSBO.\ - Ano I, o. 5, 1940, pág. 3 - o. 6, 1040, pág. 11 (geparataj. PROBLEKAS OB TOPONhllA - Ano I, n. 6, 1940, pág. 29. LIGAÇÃO CoSTIURA DA BAIXA COll A PARTE Ocmli.NTAL DA CmADE - Ano II. o... 8 e!l, 1941, pág. 2. FURNAS DESCOBERTAS NO SITIO DO POTE DE ÁGUA - Ano II, n. 10, 1941, pág. 85. Os FORTES Dll $.TA APOLÓNL\ E DA Cauz DA PEDRA - Ano III, n e 12, 1942, pág. 27. ACÇÃO DO CAsTKLO OE S. jorgb NAS GUER RAS E REVOLUÇÕES EM PORTUGAL - Ano III, n. 11 e 12, 194:2, pág. 13. A E\'OLUÇÃO PAROQUIAL DE LrsBOA - Ano m. n e 14, pág. 3. NOTICIAS HISTÓRICAS DAS FREGUESIAS oe LISBOA - Ano III, n. 15, 194:3, pág. 3. UMA ESTAÇÃO LUSITANO-ROMANO NO SITIO DE Poço DE CORTES - N. 20 e 21, 1944, pág. 37. NOMES DE PESSOAS NA ToPOsf)(JA LrSBOJ,."TA - N e 25, 19-15, pág. 3. Str10 a PAI.Ãcro DO lliarouts DE At.EGRETE - N e 31, 1946, pág. 3. lconogral la DE LISBOA. EsTUDO HtSTÓ RICO - N. :1-2, l!l4.i, pág. 5 (separata). S.TA CATARl1'A, a. FREGUESIA CRISTà Dl! LISBOA? - N. 0 30, 1948, pág. 16. A $ALA DO Risco - N. 0 42, 194.9, pág. 27 (separata). 0 llfostkiro DA ESPl?RANÇA - N. 0 l5, 1950, pág. 11, o. 6, 19/íO, ptlg. li (separata). A Jt'DIARl\ VELHA DE LISBOA-Vol. V, Ul , pág. 305 (6Cparata). A judl\ria NOVA E AS PR!llIT!\ºAS TERCE NAS DE LISBOA - Vol. VI, 1901, pág. 113 (separata). UM Ti;oo DE DtmNAGE.\I ROMANO ENCON TRADO l\n111 ESCAVAÇÃO E1! LtSBOA - Vol. XXV, 19'2\!, ptlg. 180.

18 Arqu<0lop:o o H 16r!.a 1\S MAIS ANTIGAS VtsTAS PA.'IORÂ,llCAS DI. LISBOA - Vol. V, 1!)'20, p5g TORRE D!!: J3EU!M. PROJEC-fO DE REMODELA ÇÃO NO stc. X\"'l - Vol. VI, 111'27, pá.g L1sBOA A.''TICA. AroNTAMFs os PARA A H1s TÓRI\ DAS VIAS P~BI IC\S USBONESSES. Rl :-:ova oo CA!uco,\ MllRAtHA DO CARllO Vol. \'I. 19'28, pág Os BAIRROS DP. 1.1,,BOA \'ol. III, 19'-'n. p.'ig. li!) (separata). ERllllDA DE 5-\sro AMARO Eld LISBOA - Tomo II. 1934, pág. 'i.~. Eiluàd.itlo Nob!Wrq co APOl\'TAJ\IENTOS konogr.{ucos DE Ll::>llOA - VISTAS PANORÂ.\llC.\S -2. vol , pág. ISA. A.Pol\'TAl!ENTOS ICONOGRÁFICOS D!!: LISBOA EMBARQtl!!: DE s. Fiv.sc1sco XAVIER PARA A ts DlA - 2. vol., 19'2!'1, pág. llll.,l.\rcas h'dustrl\is E ColllERCIAls Cosn'DO,.\SSUN'TOS 1.1--HOF.TA:> - 2. vol., l!l'.?11, pág ELEME1'TOS PARA \ lhstórla DE L1S80A. A L!!l\'DA DE VILA NOVA Df GmRALTAR - Vol.. rn20, pág. m. l''lla VISTA PA.'IORÂMICA DE LISBOA DOS FINS no Stc. xvm '29, pág Arma. o T~ PA.'IORAltA DE LISBOA EM Az11LEJOS EXlS flinte NO MUSEU Nl\t'IONAI OF ARTE ASTIGA - Vol. 1, 1939, pág. ao. EPITIÍHOS CllRIOS-OS DE SJ::Pt'l.Tt:RAS DO Ct.\l!TtRIO DOS PR\nRf.S - Ano IV, n. rn pág A Pol\TE n~ AtdsT.\RA H SuAS CrRC:lTNVI ZD.,llL'>Ç.\S - Ano V, n, 0 la, p:lg. li~ (o;eparata). Os PAÇOS DO DUQl.-"E DE BRAGANÇA E)I I.1sooA -Ano V, n. 20, 11\42, pág. 192; ano VI. n.º 21, 194.'J, pág. 3 (separata). (Prtmro ]1ü10 de Castilho, de 1943, do C4mara Municipal de Lisboa). hscrjções LAPIDARES DA PORTA DO FeRRO - Ano VII. n.º 25, 1944, pãg. 3. As SETE CousAs nf L1seoA - Ano vrn. n. 29, l!l4õ, pág. l!ltl. EsTL'DOS 0Lrsoostss~:. '<\ l'xn'ersidadi' ny. Ll,.,BOA -Ano VIII, n. 3"2, 194.5, pág. l'i!l. l.i:.i VESTfGIO DOS CRt:Z.\DOS L'IGLESES DP. 114i NA ToPONbltA DE LISBOA - Ano Ylll, n.!l2, 1045, p4g. 191í. SoBllE A NUMERAÇÃO DAS RUAS DE L!SBOA Ano IX, n. 0 34, 1946, p.1g. 78. As ~l.\lfeitorias NA!'t! D~ T.ISBOA-.\no x. 11. :J!l. H47, pãg A CRISTIAl;JZAÇ.ÃO DE LISBOA - Ano X, n. IO, 1{147, pág. IG7 (~parata). 0 CUAFARJZ 00 l.oreto E A EsT.\rt:A DO CHl\00 -Ano X, n. 0 10, lll-j7, pág FMTASLAS SoBRE A ÜRJG!i.\I DO!\OME DF 1.rseoA - Ano XU. n lll, pág ÜRIGESS E ~IOT!VOS DOS TOPÓS'n.IOS DE LISBOA -Ano XIJ, o. 4í, pág C!ü!CO DE Lt!'.BOA F.X 1&'34 - Ano XII, n. 48, 1949, pág BARC\S DE BANHOS DO TEJO-Ano XIII. n. 0 Ili, 1!)50, pág. 3. do Cirupo Amigos de Luboa CouSAS PASSADAS - Ano l, n.º 1, 1938, pág. 5. ALGUKAS 0ESC0BERT.\S NO CA5TELO DE S. JORGE -Ano III. n , pãg MAIS DESCOBERTAS NO CASTF.LO DE S. jorgt Ano m. n. 0 11, 1!>40. pág. 00. LISBOA ANTES DE D. AFosw líenrlgt:es - :!. "'rie, n. HO, de 26 de Abril de o.sm C...STELO DE S. JORGE - ~. ' 41 e 12. Novembro e Dc:zembro de 1908.

19 A PROPÓSITO DO TEMPLO DE DIANA-Tomo , pág Os CASEBRES DO Lo1u;ro - Tomo 3.. Hl31, pág. 5. SOBRE UMA GRAVURA QUIN!lENTISTA DE L1,; BOA - Tomo 8. 0, 1981, pág A FEIRA DA LADRA-Tomo 6. 0, 198-i, pág. 89 (separata). AlNDA os CAsEllRES DO LORETO - Tomo 6. 0, 1934, pág Jomau: O Sõculo LISBOA A.'."TES DA CoNQt.JlSTA CRJSTÃ - Setembro de Dfano de Not." 2 de A ~:Lus ANTIGA VISTA DE LISBOA - 7 de Julho de A V.,. :\ FROJ\'TARJA DA St DE LISBOA- 10 de Agosto de A AVENIDA MARGINAL DE LISBOA AO SUL DO ARSENAL DA MARL'<RA - NOTICIA HISTÓRICA - 25 de Agosto de DEVANEIOS HtsTÓRICOS SoBRE A St DE LtS BOA - 15 de Novembro de AINDA A PROPÓSITO DO «DE» OU unão DEn- 25 de Junho do A.INDA O u0en OU 11NÃO DEll - 6 de Julho de Cm1 ude» ou SEl1 «Dw---a de Julho de A EsrÁTUA DE D. AFONSO HENRIQUES 1'0 CASTELO DE 5. JORGE DEVIA EsTAR VOLTADA PARA o TEJO - 11 de Julho de lnscrição CoMDIORATIVA DA HERótCA DE fesf\ OE LISBO!\ NO Afio DE de J11lho de Pref~dos e anotaçõu de obrns de outro aucon-i: TRATADO DA MAJl!STADE, GRANOEU. E ABllS TM'ÇA DA CIDADE DE LISBO.\, NA 2. METADE DO SEC. XVI. {EsTATfSTICA DE LISBOA OE 1552) - Autor. João Brandão (de Buarcos) Coligiu os apontamentos deixados por J. ]. Gomes de Brito e organizou o prefdcio a que conservou a subscrição daquele escritor. MONUMENTOS SACROS DE LISBOA ID1 1838, por Luís Gonzaga Pereira Manuscrito n. 215 da Secção dos Reservados da Biblioteca Nacional de Lisboa. Prefaciou a obra, cuja publicação promoveu e dirigiu. Ml:.MÓRIAS CURIOSAS E~! QUE POR ESTES ANOS DE lii8 SE ACBAM AS PRINCIPAIS COUSAS DA CoRTE DE LISBOA, por Fr. António do Sacramento - Hr29. Reprodução de um manuscrito, cuja publicação dirigiu tendo saldo em folhas anexas à FEIRA DA LADRA. LIS80A Al<TIGA - BAIRROS ÜRIENTAIS- 2. ed., por Júlio Castilho. Vol I. 1935, a vol. XII, Revisão, anotação e direcção da publicação. CoNQUIST/\ DE LISBOA AOS MOUROS (1147) narrada pelo cruzado Osbemo, testemunha presencial - Texto latino e sua tradução para português, pelo dr. José Augusto de Oliveira. L ed.. Hl35, e 2. ed., Prefaciou. StnLWO E:lt QUE BREVEMl!..'ffE SE Co1mh1 ALGUMAS CoUS/\S (Assnr E ECLESIÁSTICAS COMO SECULARES) QUE HÃ NA CIDADE DE LISBOA, por Cristóvão Rodrigues de Oliveira Prefaciou. Co1.1!CÇÃO DE GRA\'IJRAS PORTUGUESAS, 2. série - Lisboa - Organizada por João Camacho Pereira Prefaciou. PAÇO REAL DE ALCÂ.'ITARA. SUA LoCALtZAÇÃO. ELIDIENTOS PARA A SUA HISTÓRIA DESDE O DO:ltÍN!O FJLIP!XO-Por Jordão de Freitas. Publicado em Otisipo, ano IX, n. 36, de Outubro de (separata). Escreveu uma introdução e um aditamento.

20 l.t>do\ Oiro stcclos DE HISTÓRIA - Es crewu cm rn 1f! o capítulo sobre LISBOA Rol!ANA, p~g<. l\.'j a 'i5. f P.IRAS I! OVTROs Dn'ERTUJF."'º" PoPt 1 \ Rfs DF: l,1seoa - Por Mário Costa. Lisboa, rn;~1. Prefadou. Cooferrnci., públicas rc.ilizada1 ('C'lo eng. Augwro Vidra ela Silva: 1!llll Na Academia das Ciências de Li;. boa S.,,..,;to c:k 10 de Abril de 1919 sobre A l'opul.aç.\o DE LISBOA. i!l"_'ll - :\a Associação dos Ensrnheiros Ci vis Portngu= - Sessão de?:? de )!aio de 19'.lil sobre QUESTÕES DE BETÃO ARMADO. li!'~() - Na Associação dos Arqu<'óloi;ns Por tugu=-sessão da Assembleia c.. ral d.. 25 de Março de 1926 sobre A TORRE DE B!!I.tK - PROJl!CTOS DI! R.INODELAÇÃO NO Si!c. XVI. 10:!0 Na Associação dos Arqueólogos Por tugn= - SesMo de 26 de Junho do lllllo.,,. bre V»A V1stA li-wita DO :.i.o QUARTl':r DO Stc. xvm EXJSTENTR NO CoNsE'.Ulo D& ARTE F ARQUP.01.C)GIA. 1!1:1\J - ~a Cãmara Municipal de Li boa. - Scs:;ão de 11 de llaio de 193!1 sobre a CERCA Môl!RA DE L1S80A E o EST'EIRO DO TF.JO ~A BAIXA. 10.J.O - Na Academia Portuguesa de História - Sc..&io de 26 de Junho de 19.IO sobre ACÇÃO U<> CASTELO DI! S. jorgi! NAS Gut.RRA'i F.M PORTUGAL No Cn1po Amigos de Lisboa Ses são de \!l de Novembro de sobre C!!AFA RIZRS Mo1<u11v-NTAIS E INTERESSANTES DP. J..ssno~ J.< Dll!>Al'ARECIDOS. 19ta - ~a Academia das Ciência.. de Li > boa - Sas..ão de 28 de Abril de 1943 sobre,\ El'OLUÇÃO PAJ!02CIAL DE LISBOA. lt4ll - ~a Academia Ponuguesa de Hi.tó ria - Se<;sào de =l de Novembro de 1043 sobre ELOGIO DF. Com;s DE BRITo ÜLJSIPÓCRAFO. 19-i!J - :-<a Academia Portuguesa de História Sessão de 15 de Deumbro de l!l-llj sobre UM PASSEIO Pr..LA LISBOA Rol~'IA. l!li4 - Na Academia da.~ C~ias de Lisboa - Sessão de 24 de Fevereiro de 1944 sobre El'OLl!ÇÃO DA EPIGRAFIA Ül.ISTl'L\.'IA. 10-!7 - Xa Academia das Cifocias de Lisboa - Sessão Comemorativa do VIII Centenário da Tomada de Lisboa aos Mouros em 24 de Outubro rle 1947 sobre a CRISTIANIZAÇÃO DE LISllOA. 11H9 - Na Academia Portuguesa de História - Se<são de 6 de Julho de 1(14.U eobrc, PRo POSTA PARA AFIXAÇÃO DUMA l.ápidi! CoM L'IS CRIÇÃO NlllilA DAS TORRl!S DA CERCA F&RNAN DL'IA,!\O REcL'"TO DO Lrc1m Gu. VICENTE. Anigos pubhcadoa pelo V1eua da Sily11 na Rc ta ck Mi1it.ar: 1696/91: Augusto n~ MATERIAL DAS LINHAS J:o'tRRBAS PORTUGDl! SAS Pág~. 119, 142 e Págs. 14, 79, 101, 168, 962, 402 e 458 (separata). 1898: DlllEXsõES, Pesos E MoML-.-ros DE 11.-txc1A DOS CA!uus Acro~ USADOS EK PORTU GAL - Pág CAsTELO DE $. JORGE - Pág. 214 (sepa rata). 1899: A CERCA MOURA DE LISBOA - Págs. 22, 29, 7U, 160, 297 e 857 (9eparat.a). PROCESSOS EXPEDITOS PARA A DIITERJIINA ÇÃO DA VELOCIDADE DOS CollfllOIOS f HICICLE TAS - Pág TRABALHOS DE E."CE.,i!ARL\ MIUTAR EX POR TUGAL!\OS FL"S DO Stc. XIV - Pág : REPARAÇÃO NO Ml.sTRO 01:: BANDEIRA DO REDUTO DE MONTE CINTRA P.M SACAVál - Pág

21 16 J9{)()f l:,-\s llt'ralbas DA RIBURA l>e USBOA - 111<0 - Págs. GO, 105, l:i3, 274, :11:1, 405, 445 e Pá.gs. 41, 82, 133, 216, 264, 30'2, fül, 46ll. 475 e 5!111 {!leflarata) : APLlCAÇÕES DE Cr~!ESTO.-\RMADO - Coss TRUÇÃO DE lla.'igedouras - Pág TRANSPORTE DE ~[UNIÇÕLS l>as OBRAS DE FORTIFICAÇÕES Dll LISBOA - Pág. 2'! : REVESTDfE.,,.0 COM RuBEROIDF. NO FORTE D. CA:RI.os 1 - Pág. 64. APLICAÇÕES DE CnlESTO AR~ - L.wA TÓR1os. TL',AS E 8Ac1"s PANA BANHOS - Pág. 96. FOSSAS AUTOMÁTICAS SISTEMA MOURAS - Pág AllAsTECIMU O DE ÁGUA 1'0 FO!!TE DE D. Cuu.os I - Pág VEDAÇÃO Coll ARAlll! FARPADO - Pág. 26ll. l!hj-1: SEXflNAS DA BATERIA DE ~- GONÇALO - Pág. 3U. 1910: DtsPOSIÇÃO PARA l.a.vac&m DAS PRAÇAS NO;, QUARTtlS DESTINADOS ÀS GUAHNIÇÕF.S DE BA TERIAS DE s. Gosç.uo E DO AlU!ElRO - Pág. 4iS. BolO!llS ExPLOSIVAS E BOCAS DE FOCO EsP.E Cll\L PARA o SF.v ARR!i)(asso - Pág. 1''i.'l. 19Ll: DEP6srro DK BETÃO AlulAoo - Pág. oo. ESGOTOS xos }:ovos QUARTtI:. DAS BATE RIAS DA Gv.ut.,'IÇÃO oo CA11PO ESTRl'1CHEIRAOO DE LISBOA - Pág. 71 (Artigo a.~-inado por N. C.). UMA 1'st.\L.\ÇÃO o l ILTRAÇ.~O DE ÁGUAS so MomE EsTORlt - Pág. 'i"s. As.\FADOIUlS DE Soll PARA ARllAS PoRTÃ TEIS - Pág :?: h.uminaçiio E SoMllRA - Pág : ~ovo PROCESSO GR.<uco PARA FAZER o 8.u...u;ço DOS DEGRAUS DAS Esc:A!>AS-Pág AI.cu:i.t~s FóRMn.As DE REs1srt..'iCIA DE V1cAS E DE LAJES-Págs. 004, 347, 413 e 487 {separata). 1914: CÁLCULO DOS l'ltahes De BETÃO AR:.tADO SEA! CoNTRAVet<rAm.NTo PARA DEP6srros ELE VADOS - Pág. 12 (separata). C..U.Ct:LO DAS VIGAS DE BETÃO ARMADO Co:11 SECÇÃO CIRCULAR CHl!lA ou 0c... - Pág (separata). l:»a Om.t.RVAÇÃO SoeRE AS V1cAS ExCAsllW>A'- - Pág. 87:!. 191,j: SILO DE Bi>TÃO ARJW>O - Pág. 70 (separata). Dois D~P6s1Tos Oh BsrXo AlulADO PAR\ ÁGUA - Pág. toa (separata). C.{LCULO DOS Estf!IBOS DAS VIGAS REcT.\'o DE BETÃO ARMADO - Pág. 179 (separata). 19/ô: Po:-n DP. BET.~o AIUIADO SoBRE o R.o XAR RAYA-Pág. 24. VARA.,DA Dr; Hrn.\o ARJIADO No L'<STITVTO SuPE.R10R oo CoMtRc10 - Pág DRP6snos C111No1tlcos CoM SECÇÃO Ell PTICA - P:\g. 241.

22 SUBSÍDIOS BIBLIOGRÁFICOS Uivcnos trabalhos ck bcuo rmad proj udo e aecurados sob a d rtc a d eng. Augu ta Vic ra d3 Silv~ H/10: Pavimento de um celeiro e tulhas para cc reais - Conde de Moscr - Cbarm~a. no Coo cdho d~ Cascai>. Cobertura do mesmo. Cobcrtum de um tanque - Conde de Rur nay - Horta Navia, em Alcàntara. P.avimcnto - Companhia dos Címcntos de Portugal - Fábrica ele cimento na Rasca. concelho de Sctubal. Tabiques divi ~rios, no mesmo local. Cobertttra de uma vacaria e mani;e<l<>uru - yj,, ond< de 5. João ~epomucl'do - i{ua d.1 P""'ºª cm Lisboa. D1 póe.itos para vinho - Domingos José de ~torai<.\lhaodra (três depósito' eillndrieos). ln. ldlaçào para filtraç;10 d água - Com pa.nhia Geral d'aguas-monte Estoril-Construçiio completamente de betão armado - Ecliíício, tanque-;, leitos de filtração e condutas. l!lll: Varandas - James Gilmao - Monte Este>ril Varamhs - Dr. Alfredo César Brandào _ Casc1í:>. Depósito para água - Carlos Ribeiro Ermid.1 Rua Alexandre Herculano Lisboa. Depósito para água - Condessa de Burnay - Junqueira - Lisboa. Pavimento e divisórias cm prisões_ G<>wmo Civil de Lisboa. Cobertura de garagem - Carlos Ribeiro Ermida Rua AlexaocJn, Herculano _ Lisbo:I / 12: Pavimento - Gilman & Comandita _ Fábrica cl1 louça cm Sacavém - Pavimento &Obre a casa de forno continuo. Cobertura em arco -?ttontepio Geral, na dr ' mesmo ~m Lbboo. Reservatório para água - Coronel Leal de I. ri.. - Estrada de fünfica - Lisboa. Varandas - Coronel l.t-al de Faria - Estrada de Benfica - 1 isboa. ]11.1.igo - FamíliJ. do dr. ACl\cio Pedro Ribeiro de '!elo - Cem1t~rio da Ericeira : Pavímento - Gilman & Ct. - Fábrica de louça cm Saca\-ém..\luro de suporte: de tcrtas - Compaobia dos Telefones - Rua Andrade Corvo - Lisboa. Alt.:amcnto <lc açude Jos6 de Barahona Frdgoso e )lira Alcáçovas. Depósitos para aguardente - José Maria da Fnoseca. Sue. - Auitão. Depósito para águn -.JOE.é Maria da Fon- "-'Ca, Sue. Azcilão. Cobcrtur-d -- Companlifa Fri11orifica Portuguesa - Roa da Fábrica da Pólvom. em Lisboa. O...p6sitos para vinho Manuel Martins Gomes Júnior - Coina. 1913/H: Canalização industrial - M~nuel '.'da.rt:ins Gomes Júnior - Coina. 19H: Pavimentos - Companhia dos Cimentos de Portugal - Fábrica de Cimento na Rasca - Setóbal. Pavimento - Na mesma Companhia, na oficina de tanoaria. Silo para forragens verdes - José de Barahona Fragoso e Mira - Herdade da Ribeira do Freixo, no Alentejo. Dcpó:;ito para água - Companhia dos Cimentos de Portugal - r'ábrica de Cimento, na Rasca, cm Setúbal. l j

23 J.j 16: :\"o'-as oficinas para a Companhia das Águas do lkboa. nos seus terrenos de depósito de água da mesma Companhia, a Campo de Ourique. 1915: Tanques para estudo e limpeza dos torpcdrn. automóveis - Escola de Torpedos e Electriddade - \'ale do Zebro. Pavimentos e cobertura, depósito para água -.\. M. Vieira da Silva - Cascais. Casa forte - Vi:;condessa d<' S. de B. - Liiboa. Dcpó>ito para água - Escola de Guerra - Li.<boa Emba.ainento para a cúpula do observatório astronómico e gcod&.ico da Escola de Guccr... Ponte sobre o Rio Xarmm!l (Viana do Alentejo. Depósito para vinagre-bento José Pereira Júnior - Ginjal fo: :>ilos - Fàbrica de Cimento, na Rasca - Corap.'\nhia dos Cimentos de Portugal. 1916: Pavuncnto na parada do Quartel de Marinheiros - Jlinistério da Marinha. Pa,~ml'nto na fitbrica da Companhia Oriental d" Fiação e Tecidos - Xabrcgas Lisboa. \'aranda no Instituto Superior do Comércio - Lisboa. C.:a.<;a forte na sede da Companhia das Águas dt Lisboa /18: Dois depó:;itos para :\gua na ct rca do extinto Colégio de Campolide adaptado a Hospi tal Militar. Depósito para vinhos - SpraUcy & Comp. - Beato - Lisboa. 1918/ 19: Pavimento no Parque Automóvel Militar - Belém. port 1rabalhos mau m1- a cutad 1 pdo eng. Augusto v~ d.a s n, an~cnu: a lll:l nomcaçao d~ e da 4. Secçio da liupccçao do Stt.-1 o de &ngcnharia no Campo Entrincheirado de Lisboa: Direcção da obra de revestimento com rubcroide no terraplano e parapeito por cima dos quartéis da sola. Dirccç-.i.o da obra d<' ab;lo;tecimcnto de ágna. Primeiro projecto e direcção temporária da obra de a.ta ptnção da- Cl -.as da Pontinha a quartel da Companhia de Sapadores de Praça. No Quarc.I da C.ompanh"' do To Projccto dl.' adaptação do Forte de S. Pedro em Paço d'arcos a quartel da Companhia de Torpedeiro:., obra d<'poi.~ ext'cutada por outro oficial. N rorre Projecto de reforçamento do Forte de S. Lourt>nço ela lhrm e d.'\ montagem de quatro peças de 'i"",6 de eclipse. Obra começada a executar sob a direcção de outro oficial.!<o Porcr do S. JuU!o.U Uun Projecto completo de abastecimento e de distn'buição d1 água. Obra que não chegou a ter execução por falta de verba. De l.i,,boa, entre o :\1urtal (junto da bateria da Parede} até ao sítio do Papel, na Ribeira de 'Barcarcna, na extensão aproximada de 12 quilómetros feito por ocasião da guerra entre a Espanha e os Estados Unidos da América.

24 VISTA DE LISBOA O..... ' K ~ ~ J... N A.a... '-,,,,.,._...,,. e

25 A NOVA VEREAÇÃO DA EX. CÂMARA Ml NICIPAL DE LISBC)A N a sala das reuniões públicas da Câmara l!unicipal tomaram posse, no dia 2 de janeiro, O" novob vereadores eleitos para o quadriénio Presidiu ao acto o sr. tenente-coronel Álvaro Salvação Barreto, Presidente da CAmara, estando presentes além dos srs. Vice-Presidente, Luls Pastor de :.taccdo, direclon:s de serviço, funcion:ilistno superior, " diversos amigos dos empossados. Pre;tado o juramento de honra nos termos do Código Admini,trativo, o sr. tenente-c0roncl Salvação Barreto apresentou cumprimentos à vereação, e disse esptrar que continue a servir Lisboa como as anterion:s a serviram, afirmando que poderia confiar no Presidente como ele, presidente, confia nos novos édis.

26 ~o Pelos novos ereadores usou da. palavra o sr. dr. Artur de Oliveira Ramos qne enalteceu a acção da Câmara e dos o;crvlços prestado,. pelo presidente à :-;ação nos diversos postos que tem ocupado, e pelos vereadores reeleitos o sr engenheiro Alberto Carlos Lima de Sousa Rego que se associou às saudações do Presidente da Câmara. Seguidamente, procedeu se à eleição do Procurador à Junta de Provfncia e fixou-se o dia das rewiiões, tendo sido escolhida a primeira quinta-feira da segunda quinzena de cada mês. Vereadores eleitos para o quadriénio de 1! : EnR.º Alberto Carlos Lima de Sousa Rego, Dr. Américo Cortês Pinto, Américo Simões Serrano, Aníbal David, Major António Augusto Santos, Dr. Artur de Oliveira Ramos, Dr. Emílio Aquiles Montcverde, João Ortigão Ramos, Prof. Dr. Mário Correia Tele<: Araújo e Albuquerque, Pedro Correia Marque!\, Vasco de Albu querque d'orey e Arq. Vasco de lloracs Palmeiro (Regaleira).

27 NO TEMPO DO "' MAGNANIMO r Joana Francisca Antónia Pe~tua de Bragança, filha primogénita do Infante D..Miguel, filho bastardo de D. Pedro II, nasceu a 11 de Novembro de 1716 e foi baptisada, em 25 de Dezembro do mesmo ano, pelo Cardeal da Cunha, capelão-mór, assistido do deão D. José ~1anucl e de outra dignidade e ainda de dois cónegos da Insigne e Real Colegiada de S. Tomé. El-rei D. João V honrou a cerimónia com sua presença, como padrinho, acompanhado dos infantes seus irmãos, D. Francisco e D. António, e do Duque de Cadaval, D. Jaime. cstribeiro-mór do monarca. A neófita foi levada à pia baptismal por seu tio D. José de Ataide, apresentando o salário o filho do Duque de Cadaval, D. Nuno Alvare.; Pereira de Melo, o círio o Conde de Alouguia e a toalha D. Duarte da Cãmara, todos parentes; e pegaram nas tochas os Marqueses de Minas e de Cascais, com os Condes de Assumar e Val dos Reis.

28 Com mui especiais demonstrações de amor e benegnidade, o soberano nobilitou sua sobrinha par afilhada. Deu fim a tão solene acto um Te-Deum, cantado a música por trinta vozes escolhidas, com acompanhamento de instrumentos. Ao retirar-se Sua Majestade, todos os grandes senhores presentes o seguiram e o Infante D. :Miguel dirigiu o cortejo até o coche. A Duquesa D. Luísa Casemira de Sousa, mulher de D. Miguel, que já havia tomado aquele título, conferindo-lhe D. João V a nova prerrogativa de comadre, apesar das instâncias de el-rei seguiu o acompanhamento, com todos os parentes e mais senhores até a sala, em que à entrada recebera Sua Majestade. Prostrando-se então aos pés do monarca, rendeu com expressões de agradecimento a incomparável honra e fineza com que sua casa se havia engrandecido naquele dia. D. João V respondeu com palavras de subida consideração, fazendo-a levantar. A 28 de Abril de 1719, se cumpriu o sacramento de confirmação, pelo Patriarca D. Tomás de Almeida, a D. Miguel e sua esposa. no palácio da residência do infante. O rei apa.drinbou o acto, ao qual assistiu com os infantes seus irmãos; o brindou a duquesa com um fio de pérolas, guarnecido de um grande diamante pingente, e mais dois nos remates, tudo de muitíssima estimação e valor. Eis o que, par outras palavras, se encontra no códice 52-X-5. manuscrito n. 190, da Biblioteca da Ajuda, com a nota à margem de «Muito interessante». o 2' No dia 'ide Janeiro de 1736, amotinou-se o povo no Ros.;io, à porta do Senado da Câmara, por se haver introduzido o ctdireilo de novas licenças». Capitaneru:los por um preto, que brandia uma espada, alguns dos revoltosos subiram a escada do tribunal. Nesse momento, entrou o provedor geral dos contos da cidade, António Leitão de Faria, fidalgo da casa real e professo da Ordem de Cristo, que verificou o perigo cm que estavam os ministros, pois o negro acirrava o povo. para que invadisse a!\ala. O procurador da cidade, António Pereira de Viveiros, levantou-se e pegou na vara, mas os ditos ministros lhe disseram que não safase do seu lugar, porque o risco era grave. Sem lhes dar resposta, Viveiros lançou-se ao prelo, que largou a espada, e com ela trouxe o povo até o Largo do Chafariz. Ali, resgatou das mãos do povoleu o alcaide, Francisco da Cruz Ribeiro, e lhe fez entregar a espada, a vara, a cabeleira e o cbapeu e o levou para a sala do Senado. Como o tumulto continuasse, o juiz do povo, Pedro de Almeida, que ha'~ª entregado os novos mesteres, conseguiu arrastar a multidão até o Terreiro do Paço, mas apanhou tantos apertões e de tal sorte o maguaram, que morreu em breves dias. Depois de o Senado ficar em sossego, os ministros pediram ao procurador Viveiros que fosse dar parte do motim a Sua :Majestade, a quem antes haviam pedido socorro e não chegara a tempo. O procurador aceitou a diligencia e correu ao paço, em companhia do Marquês de Marialv~ e de António Guedes Pereira, Secretário de Estado; e, na varanda, ambos tentaram aquietar os rebeldes, clamando que se retirassem e ao Senado requeressem sua justiça.

29 Como a turbamujta não obedecesse à voz do marqu.:s, nem à do secretário, Viveiros veio abaíxo, com dois 11sugcntos das ordensn; e, assim que chegou à frente dos amotinad<>!ó, os repreendeu e fez <hsalojar, caso presenceado por umuitas mil pessoas», que estavam no Terreiro do Paço. E, do palácio, D. João V observava aquele reboliço, cm que no alarido as mulheres levavam as lampas aos homens. :'\ào era!'<-'co, nem assustadiço. o procurador da cidade de Li~boa. Filho de outro fidalgo da casa real que, além de ter servido no Estado da tndia, fora também procurador da cidade, Ant6nfo Pereira de Viveiros cormçou a exercer o caigo em 19 de Fevereiro de 1714, no qual empregava todo o dcsvclo na dcfc.a das jurisdições do Senado e no aumento de suas roodas, que bastas vezes cresceram, por seus zeloeos cuidados. E, do mesmo modo, foi presente na reedificação das estradas para a vila de )iafra, ao tempo que se principiou o convento. Contava-se ainda como uma da> pessoas que mais se dbtinguíram, cm pompa e luzimento, no dia da entrada da mulher de El-rei D. José e nos baptisados das infantas. A quando do terremoto de 1755, fez erigir e prover os novos.talhos de madeira nas hortas do sitio de S. Jo.é e no Campo do Curral -Campo de Santana -- em que o povo se abasteceu de carnes, talhos que ainda lá se con~rva\'am no ano de 1759; e no dito campo assistiu dois mese. suces-úvos à catástrofe. Mandou demolir algumas casas arruinadas, como as da entrada da Rua do Telhai, fazendo desmontar a frontaria do prédio pertencente ao Doutor Carlos d<' Miranda Duarte Ribeiro e estancar as casas imediatas. Tinha-se por tão meticulo!.o, que não aceitava às partt'i seus de-;do,; t'lllolumentos das vistorias ( ). Na quinta-feira, 5 de Abril de 1742, efectuou-sc uma prisão, que deu que falar em Lisboa. O alferes J~ António de Andrade, filho de um merc<tdor da Rua Nova. que se tratava «com sege à boleru1, foi preso pelo escrivão e pelo akaide do crime do Bairro da Rua ~O\'ll, metido em uma cadeirinha e levado para lugar incerto, impondo-se rigorosas penas noi. dois mariolas, que a conduziam, se revclassem o sucesso. No entanto, a cadeirinha passou 110 Loreto, junto da Botica do Canto, onde o alferes transitou para uma sege e nela foi transportado não se soube para que sitio. Dois dias depoii;, a mãe e a mulher do alfer~ quiseram falar a el-rei, mas negaram-lhe a aud~cia. Noite ~rrada desse dia, três homens rebuçcidos invadiram a resi&ncia do pai do alferes, com uma carta do filho, cm que lhe pedia camisa" lenços e tabaco. Querendo o pai mandar comprar tabaco, os embuçados não consentiram; e sômentc lhe enviou o que tinha na caixa. Também os homens não permitiram luz, para não serem reconhecidos. Embora constas.e que a causa da prisão fora a língua solta do encarcerado, em assunto que lhe não devia importar, o caso alvoraçou Lisboa, pois o alferes casara havia seis dias. E Jogo se suspeitou de que estivesse detido em casa do corregedor Joaquim de Santa Maria, que por ordem de D. João V tinha um cárcere mais apertado que o do Limoeiro. :.:~ LiJboa (') Códiu 6fll, do O a ~41. da Coúcção P<>mbaliM, doe R-rvados da Biblioteca Nocional de

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer Laura Regina Xavier Justificativa Escolhemos o tema Patrimônio, tendo em vista a nossa realidade profissional,

Leia mais

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO DIRECÇÃO DE CULTURA E HISTÓRIA MILITAR ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 2ª DIVISÃO, 8ª SECÇÃO INVENTÁRIO DE DOCUMENTOS Lisboa 2007 FICHA TÉCNICA: Direcção de Cultura e História Militar Arquivo

Leia mais

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PORTUGAL NA GUERRA PENINSULAR (1812 1815) DO CERCO DE CIUDAD RODRIGO AO CONGRESSO DE VIENA O CAMINHO PARA A DERROCADA DO IMPÉRIO NAPOLEÓNICO PROGRAMA XXII Comissão

Leia mais

LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO

LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO O Conselheiro Leonardo Caetano de Araújo, nasceu em Parada de Gatim, Vila Verde (Braga), a 11 de Maio de 1818, quatro anos antes da independência do Brasil, e faleceu com 85

Leia mais

ARQUIVO PARTICULAR DAVID RODRIGUES, 1923 1955 FUNDO 48 CATÁLOGO

ARQUIVO PARTICULAR DAVID RODRIGUES, 1923 1955 FUNDO 48 CATÁLOGO ESTADO MAIOR DO EXÉRCITO ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR ARQUIVO PARTICULAR DAVID RODRIGUES, 1923 1955 FUNDO 48 CATÁLOGO Lisboa 2002, Janeiro 1 FICHA TÉCNICA: Estado Maior do Exército Arquivo Histórico Militar

Leia mais

Escolas participantes no Programa Líderes Inovadores. - 2ª Edição -

Escolas participantes no Programa Líderes Inovadores. - 2ª Edição - Escolas participantes no Programa Líderes Inovadores - 2ª Edição - Agrupamento de Escolas à Beira Douro Agrupamento de Escolas Augusto Moreno Agrupamento de Escolas Campo Aberto de Beiriz Agrupamento de

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------------------ -------- Aos cinco dias do mês de Maio do ano de dois mil e três, reuniu no Salão Nobre dos Paços do Município, a Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, em reunião ordinária para apreciação e deliberação

Leia mais

Imóveis. ID_Imovel NInventario Designacao Distrito. Braga

Imóveis. ID_Imovel NInventario Designacao Distrito. Braga ID_Imovel NInventario Designacao Distrito 4 2298 Paço dos Duques de Bragança 5 2223 Igreja e Mosteiro de S. Martinho de Tibães 6 2051 Mosteiro de S. Paulo de Arouca Braga Braga Aveiro Page 1 of 48 02/01/2016

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Viagem a Dornes e Sertã

Viagem a Dornes e Sertã Viagem a Dornes e Sertã (19 e 20 de Março de 2011) Por: RuckFules 1 No fim de semana, aproveitando os belos dias de Sol com que a chegada da Primavera nos presenteou, decidi dar uma volta pelo interior,

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento

Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento Fonte: anti-corrupcao.150m.com e Correio da Manhã O juiz Pedro Miguel Vieira validou as mais de 16 mil horas de escutas do caso Apito Dourado e decidiu levar

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI RECOMENDA AO GOVERNO A SUSPENSÃO DE TODAS AS ACÇÕES RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA DE MUSEUS E À CRIAÇÃO DE NOVOS MUSEUS NO EIXO AJUDA/BELÉM, ATÉ À ELABORAÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Assessoria para a Comunicação Social

Presidência da República Casa Civil Assessoria para a Comunicação Social Visita de Suas Majestades os Reis de Espanha à Região Autónoma da Madeira 30 de Julho a 1 de Agosto de 2009 PROGRAMA ANOTADO PARA ÓRGÃOS DE INFORMAÇÃO [ Informações úteis para os jornalistas estão indicadas

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Bom dia! Há gestos que nesta altura a quaresma, ganham uma dimensão ainda maior. Enchem-nos. Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas de uma aldeia

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 PRESIDÊNCIA: DR. FRANCISCO RODRIGUES DE ARAÚJO VEREADORES PRESENTES: DR. JOÃO MANUEL DO AMARAL ESTEVES

Leia mais

6.3 Guião de uma visita de estudo a uma unidade do Património Arqueológico-Industrial O Museu do Papel Terras de Santa Maria (exemplo)

6.3 Guião de uma visita de estudo a uma unidade do Património Arqueológico-Industrial O Museu do Papel Terras de Santa Maria (exemplo) 6.3 Guião de uma visita de estudo a uma unidade do Património Arqueológico-Industrial O Museu do Papel Terras de Santa Maria (exemplo) A Objetivos Integrado nas unidades 1 e 4, do Módulo 6, inserimos nesta

Leia mais

ATA NÚMERO CENTO E TRINTA E DOIS

ATA NÚMERO CENTO E TRINTA E DOIS ATA NÚMERO CENTO E TRINTA E DOIS Aos vinte e dois dias de Abril de dois mil e catorze, pelas vinte e uma horas e trinta minutos, reuniram-se em sessão ordinária, os membros da Assembleia de Freguesia de

Leia mais

----- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DESTA CÂMARA MUNICIPAL DE 28 DE JANEIRO DO ANO DE 2011.---------------------------------------------------------------

----- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DESTA CÂMARA MUNICIPAL DE 28 DE JANEIRO DO ANO DE 2011.--------------------------------------------------------------- ACTA Nº 2/2011 ----- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DESTA CÂMARA MUNICIPAL DE 28 DE JANEIRO DO ANO DE 2011.--------------------------------------------------------------- ----- Aos 28 dias do mês de Janeiro

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Visita ao Castelo de Silves

Visita ao Castelo de Silves Sábado, 5 outubro 2013 museu municipal de n.º 101 faro uma ponte para a comunidade m l a as fe s tó com rias Visita ao Castelo de Silves Olá amiguinhos! O Famílias com Estórias está de volta depois de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 20

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 20 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 20 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 17/10/2001 (Contém 6 folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: Hermano Manuel Gonçalves Nunes de Almeida (PSD)

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 19 DE NOVEMBRO DE 2008 ORDEM DO DIA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 19 DE NOVEMBRO DE 2008 ORDEM DO DIA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 19 DE NOVEMBRO DE 2008 ORDEM DO DIA ASSUNTO APRECIADO AO ABRIGO DO ART. 83.º DA LEI N.º 169/99, DE 18 DE SETEMBRO, REPUBLICADA PELA LEI

Leia mais

I Curso Pós-Graduado de Atualização sobre. Direito e Interioridade PROGRAMA

I Curso Pós-Graduado de Atualização sobre. Direito e Interioridade PROGRAMA I Curso Pós-Graduado de Atualização sobre Direito e Interioridade da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa em colaboração com a Câmara Municipal de Bragança 2011-2012 PROGRAMA Abertura (4 Novembro

Leia mais

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011 Presidente - António Fernando Raposo Cordeiro Vereadores - Nina Márcia Pacheco Rodrigues Pinto - Helga Margarida Soares Costa - Rui António Dias Carvalho

Leia mais

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras SEDE Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Rua Conselheiro José Silvestre Ribeiro, 4 1649-007 LISBOA Telefone: 21 7115000 Fax: 21 7161595 Direcções e Delegações Regionais DIRECÇÃO REGIONAL DO CENTRO Director

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Rua de Santa Margarida, n.º 6 4710-306 Braga Tel: 253 204 250 Fx: 253 204 259

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008.

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. Autoria: Poder Legislativo Estabelece normas para as cerimônias públicas e a ordem geral de precedência no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Esta semana iremos tentar aprender a dar. A dar aos que mais precisam. E vamos ver que Dar é BRU TAL!!!! Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 Documento 34 Requerimento do Padre António Correia Pais, sacerdote do habito de São Pedro e morador do termo da vila de Alagoas, ao ouvidor e auditor-geral

Leia mais

PORTUGAL PROGRAMA I Co-financiamento Co-financiamento www.rdtours.com

PORTUGAL PROGRAMA I Co-financiamento Co-financiamento www.rdtours.com Co-financiamento DIA 1 - LISBOA Chegada ao Aeroporto de Lisboa e translado para o hotel. Tempo livre para os primeiros contatos com esta maravilhosa Capital Europeia, conhecida pela sua luminosidade única

Leia mais

MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ALENTEJO. Câmara Municipal

MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ALENTEJO. Câmara Municipal MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ALENTEJO Câmara Municipal Acta nº7/200 /2008 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 26 DE MARÇO DE 2008 * Presenças : - Presidente Aníbal Sousa Reis Coelho da Costa Vereadores : - Francisco José

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPDJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Antiga Estação de Comboios Av. D. João IV Urgeses 4810-534 Guimarães Tel.

Leia mais

D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra. Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor

D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra. Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor O bispo da diocese de Coimbra, D. Virgílio Antunes, procedeu à bênção oficial da

Leia mais

XII CURSO PÓS GRADUADO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO O CÓDIGO DE TRABALHO REVISTO

XII CURSO PÓS GRADUADO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO O CÓDIGO DE TRABALHO REVISTO XII CURSO PÓS GRADUADO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO TRABALHO O CÓDIGO DE TRABALHO REVISTO Organização: Instituto de Direito do Trabalho Coordenação: Prof. Doutor Pedro Romano Martinez Ano lectivo 2010/2011

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

Confraria dos Gastrónomos do Algarve Novimus Quod Manducamus

Confraria dos Gastrónomos do Algarve Novimus Quod Manducamus VI Grande Capítulo a realizar em Tavira A Confraria dos Gastrónomos do Algarve é uma entidade cujo objectivo é promover, defender e valorizar a gastronomia do Algarve, enquanto património cultural colectivo.

Leia mais

MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL

MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL Fls.46 46 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PEDRO DO SUL REALIZADA NO DIA 9 DE MARÇO DE 2012 Aos nove dias do mês de março do ano de dois mil e doze, reuniu ordinariamente na sala de

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª Criação da Freguesia do Pragal, no Concelho de Almada, Distrito de Setúbal A freguesia do Pragal tem 2,27 km² de área e 7.156

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L

C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L ACTA N. º 3/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DO DIA 06 DE FEVEREIRO DE 2009 PRESIDENTE: Manuel Rito Alves VEREADORES: José Santo Freire Manuel Fonseca Corte Luís Manuel

Leia mais

COLOC A Ç ÕES DOS NOSSOS ALUNOS NA 1ª FAS E

COLOC A Ç ÕES DOS NOSSOS ALUNOS NA 1ª FAS E Alexandre Garcia Franco Ana Filipa dos Anjos Soares Ana Filipa Martins Antunes Ana Rita Fragoso Jordão André Daniel Andrade Nunes dos Santos Beatriz Alexandra da Silva Oliveira Beatriz Henriques Xavier

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

Festa da Árvore. Manuel da Fonseca à conversa com crianças do JAM e do GIAM, no Museu Municipal de Santiago do Cacém, Junho de 1986.

Festa da Árvore. Manuel da Fonseca à conversa com crianças do JAM e do GIAM, no Museu Municipal de Santiago do Cacém, Junho de 1986. PUBLICAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM ARQUIVO, N.º 9 2011 EDITORIAL O ARQUIFOLHA deste ano associa-se às comemorações do Centenário do Nascimento do Escritor Manuel da Fonseca, analisando

Leia mais

Identidade. julho. Cultura. Património PERCURSOS. Marcas. agosto. Gentes. História CULTURAIS. Arte. setembro. Caminhos. Memórias

Identidade. julho. Cultura. Património PERCURSOS. Marcas. agosto. Gentes. História CULTURAIS. Arte. setembro. Caminhos. Memórias Identidade julho Cultura Património PERCURSOS Marcas agosto Gentes História CULTURAIS Arte setembro Caminhos Memórias PORTO OITOCENTISTA O século XIX, repleto de instabilidade político- -económica, causada

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

CURRICULUM. . Engenheiro contratado no Laboratório de Ensaios Mecânicos da Direcção Geral dos Combustíveis (desde 1971 até 1973);

CURRICULUM. . Engenheiro contratado no Laboratório de Ensaios Mecânicos da Direcção Geral dos Combustíveis (desde 1971 até 1973); CURRICULUM Nome: António Luís Cansado de Carvalho de Mattos e Silva Data de nascimento: 5/3/1949, Lisboa Estado civil: casado, com três filhos BI: 303357 (Arq. I. Lisboa) Morada: Parque de Miraflores,

Leia mais

ESTADO MAIOR DO EXÉRCITO ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR ARQUIVO PARTICULAR ROMA DU BOCAGE, 1886 1903 FUNDO 46 CATÁLOGO. Lisboa 2001, Julho

ESTADO MAIOR DO EXÉRCITO ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR ARQUIVO PARTICULAR ROMA DU BOCAGE, 1886 1903 FUNDO 46 CATÁLOGO. Lisboa 2001, Julho ESTADO MAIOR DO EXÉRCITO ARQUIVO HISTÓRICO MILITAR ARQUIVO PARTICULAR ROMA DU BOCAGE, 1886 1903 FUNDO 46 CATÁLOGO Lisboa 2001, Julho FICHA TÉCNICA: Estado Maior do Exército Arquivo Histórico Militar Arquivo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA. I - Introdução

PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA. I - Introdução PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA I - Introdução A freguesia de Ançã foi outrora sede do município do mesmo nome, provavelmente desde a segunda metade do século XIV, usufruindo

Leia mais

Junta de Freguesia da Marinha Grande ACTA NÚMERO CINCO

Junta de Freguesia da Marinha Grande ACTA NÚMERO CINCO ACTA NÚMERO CINCO Aos quatro dias do mês de Março de dois mil e dez, pelas vinte e uma horas e quarenta e cinco minutos, deu-se início à reunião ordinária do Executivo da Junta de Freguesia, sob a presidência

Leia mais

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil.

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. FL 46 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. Acta º12 --------Aos vinte e quatro dias do mês

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6 Aos 09 dias do mês de maio do ano dois mil e sete, às 15:18 horas, estando aberta a audiência

Leia mais

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 2 CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 3 CATEQUESE 2 - QUEM SOU EU? Documento 1 CATEQUESE

Leia mais

ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DA CIPA

ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DA CIPA Aos vinte e sete dias do mês de dezembro do ano de dois mil e seis, às quatorze horas e treze minutos, na empresa Associação de Ensino Superior de Nova Iguaçu, sediada na Acidentes, registrada na delegacia

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 21 DE AGOSTO DE 2009 ORDEM DO DIA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 21 DE AGOSTO DE 2009 ORDEM DO DIA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 21 DE AGOSTO DE 2009 ORDEM DO DIA A Câmara deliberou, por unanimidade, justificar a falta do Vereador Senhor Alberto Manuel Gameiro Santos,

Leia mais

Sítios e Achados Arqueológicos em Darque

Sítios e Achados Arqueológicos em Darque Sítios e Achados Arqueológicos em Darque Em Darque, e ao longo dos anos, têm vindo a ser assinalados vários sítios nos quais foram detectados vestígios arqueológicos que, infelizmente, nunca foram alvo

Leia mais

Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde

Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde 1 1545 1563 Concílio de Trento. 2 1567 Fundação da Congregação de S. Bento no reino de Portugal. 3 1569 O Mosteiro beneditino de São Martinho de Tibães torna-se

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

C U R R I C U L U M V I T A E

C U R R I C U L U M V I T A E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Luís Miguel Pereira Araújo da Rocha Rua do Teixeira, nº43, 1º 1200-390 Lisboa Telefone 96 252 74 53 Fax 21 342 97 82 Correio electrónico luisrocha.fotografia@gmail.com

Leia mais

Catarina Bernardina de (...) Cardozo, dos bens que ficaram por falecimento de seu marido e Pai, o Coronel Manuel José Cardozo

Catarina Bernardina de (...) Cardozo, dos bens que ficaram por falecimento de seu marido e Pai, o Coronel Manuel José Cardozo CASA DA BREIA A Casa da Breia situa-se no lugar da Breia, na freguesia de S. Paio de Jolda neste concelho de Arcos de Valdevez. Temos notícias da casa, como propriedade da família, através de um testamento

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências)

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Educação (PRODEP III) Objectivos: Reduzir

Leia mais

HELDER ANTÓNIO GUERRA DE SOUSA SILVA Presidente da Câmara Municipal do Concelho de Mafra

HELDER ANTÓNIO GUERRA DE SOUSA SILVA Presidente da Câmara Municipal do Concelho de Mafra Qualidade devida CÂMARA MUNICIPAL ÉDITAL N. tio /2014 HELDER ANTÓNIO GUERRA DE SOUSA SILVA Presidente da Câmara Municipal do Concelho de Mafra Faz público que, para cumprimento do artigo 91.0 da Leí n.

Leia mais

O Foral e a Organização Municipal Torriense

O Foral e a Organização Municipal Torriense O Foral e a Organização Municipal Torriense Foral Medieval de Torres Vedras, 1250 In O Foral Medieval da vila de Torres Vedras: 15 de Agosto de 1250. VICENTE, António Balcão, [et al.] - O foral medieval

Leia mais

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião ELEIÇÃO PARA OS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA Ata da Quarta Reunião Ao sexto dia do mês de novembro de dois mil

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03

CÂMARA MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 03/02/1999 (Contém 9 folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: Hermano Manuel Gonçalves Nunes de Almeida (PSD)

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 11 de dezembro de 2015. Série. Número 223

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 11 de dezembro de 2015. Série. Número 223 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 11 de dezembro de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 470/2015 Nomeação em regime de substituição do Licenciado João Manuel

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V edilbertodonsantos@gmail.com Vocês já ouviram alguém dizer que polícia é igual criança, quando está perto incomoda e quando está longe faz falta?

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO AO DECRETO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA N.º 60/XII. Reorganização Administrativa de Lisboa

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO AO DECRETO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA N.º 60/XII. Reorganização Administrativa de Lisboa PROPOSTA DE ALTERAÇÃO AO DECRETO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA N.º 60/XII Reorganização Administrativa de Lisboa Considerando que Sua Excelência O Presidente da República decidiu não promulgar o Decreto da

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV

Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV Comissão Nacional do Eleições ATA N. 36/XIV Teve lugar no dia vinte e nove de maio de dois mil e doze, a sessão número trinta e seis da Comissão Nacional de Eleições, na sala de reuniões sita na Av. D.

Leia mais

Uma estrela subiu ao céu

Uma estrela subiu ao céu Compaixão 1 Compaixão Não desprezes aqueles a quem a vida desfavoreceu, mas ajuda-os no que estiver ao teu alcance. Cada pessoa tem em si algo de bom que é preciso fazer desabrochar. Uma estrela subiu

Leia mais

Acta N.º 45/07 Página 1 de 6 Reunião da CMF realizada em 20/12

Acta N.º 45/07 Página 1 de 6 Reunião da CMF realizada em 20/12 -----------------------------ACTA NÚMERO 45/2007----------------------------------- REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DO FUNCHAL, REALIZADA EM VINTE DE DEZEMBRO DO ANO DOIS MIL E SETE.---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica]

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica] AHU, Alagoas Avulsos, Documento 2 (Versão Adaptada) 1 Documento 2 Consulta do Conselho Ultramarino ao rei D. Pedro II sobre o requerimento de D. Maria da Silveira, viúva de Francisco Álvares Camelo, em

Leia mais

Lista Monumentos. Edif. Do centro autárquico e Junta de Freguesia de Quarteira.

Lista Monumentos. Edif. Do centro autárquico e Junta de Freguesia de Quarteira. Cidades Lista Monumentos Faro Largo da Sé; Jardim Manuel Bivar; Arco da Vila; ; Ed. Governo Civil. Loulé Quarteira Edif. Paços do Concelho; Edif. Duarte Pacheco (Assembleia Municipal); Monumento Eng. Duarte

Leia mais

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal na Grande Guerra de 1914-1918 Nuno Lemos Pires o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal participou na Grande Guerra em cinco grandes

Leia mais

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DO ANO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DO ANO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 30.951,63 10.509,00 960.567,00 960.567,00 42.565,00 1.044.592,63 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 30.951,63 10.509,00 960.567,00 960.567,00 42.565,00 1.044.592,63 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

Temos refletido sobre a profissão que gostaríamos de, um dia, ter. O sonho da Ana. A Ana vivia no Porto e tinha sonhos como todas as crianças da sua

Temos refletido sobre a profissão que gostaríamos de, um dia, ter. O sonho da Ana. A Ana vivia no Porto e tinha sonhos como todas as crianças da sua Temos refletido sobre a profissão que gostaríamos de, um dia, ter O sonho da Ana A Ana vivia no Porto e tinha sonhos como todas as crianças da sua idade. Gostava de brincar com as suas bonecas, fazer penteados

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALJUSTREL - ATA N.º 10/2013 -

CÂMARA MUNICIPAL DE ALJUSTREL - ATA N.º 10/2013 - - ATA N.º 10/2013 - ---------- Aos quinze dias do mês de Maio do ano de dois mil e treze, na Sala de Sessões do Edifício dos Paços do Concelho, reuniu ordinariamente a Câmara Municipal de Aljustrel, tendo

Leia mais

08 e 10.02.2014 Entrega de cabazes de produtos alimentares a 26 famílias carenciadas.

08 e 10.02.2014 Entrega de cabazes de produtos alimentares a 26 famílias carenciadas. 03.01.2014- Deslocação ao Banco Alimentar Perafita para levantamento dos 04 e 06.01.2014 Entrega de cabazes de produtos alimentares a 26 famílias 10.01.2014 Presença na tomada de posse dos corpos sociais

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2002

RELATÓRIO E CONTAS 2002 RELATÓRIO E CONTAS 2002 INTRODUÇÃO O facto mais marcante da nossa actividade, do ano que aqui nos reportamos, por muito estranho que pareça, não foi uma iniciativa da nossa colectividade, mas sim, da Junta

Leia mais

Fundador da Comunidade Judaica do Porto

Fundador da Comunidade Judaica do Porto Fundador da Comunidade Judaica do Porto Arthur Carlos de Barros Bastos nasceu a 18 de Dezembro de 1887 em Amarante e faleceu no Porto a 8 de Março de 1961. Foi um militar de carreira, mas também um escritor

Leia mais

Prova Escrita de Português Língua Não Materna

Prova Escrita de Português Língua Não Materna EXAME NACIONAL DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova 28 739 /1.ª Chamada 1.ª Fase / 2008 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março A PREENCHER PELO ESTUDANTE

Leia mais

Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras

Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras Município: Ipaporanga Estado: CE Mobilizador Cultural: Cyria Mayrellys Lima Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras Prática desenvolvida na Europa, durante da Idade Média, estritamente dentro do modelo

Leia mais

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus?

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? 2 Coríntios 5:18-20 Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber,

Leia mais

Relatório Mensal dos Trabalhos Executados

Relatório Mensal dos Trabalhos Executados - Limpeza de Viária: - Av. 9 de Julho: Foi limpo desde o Noval até à Igreja. - Rua do Lusitano: Em toda a sua extensão. - Rua do Alto da Ola: do Largo do calvário à Escola EB 2,3/S do Monte da Ola. - Travessa

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Câmara Municipal do Concelho de Caminha

Câmara Municipal do Concelho de Caminha 1 ACTA NÚMERO 99/05-09 DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA REALIZADA NO DIA QUATRO DE MAIO DO ANO DOIS MIL E NOVE Aos quatro dias do mês de Maio do ano dois mil e nove, na Galeria

Leia mais

Programa e resumos Escola Superior Agrária de Bragança 2 e 3 de dezembro de 2015

Programa e resumos Escola Superior Agrária de Bragança 2 e 3 de dezembro de 2015 I Congresso Nacional das Escolas Superiores Agrárias Programa e resumos de Bragança 2 e 3 de dezembro de 2015 Título: I Congresso Nacional das Escolas Superiores Agrárias: livro de resumos Editor: Albino

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 17 AGOSTO DE 2011

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 17 AGOSTO DE 2011 REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA REALIZADA NO DIA 17 AGOSTO DE 2011 A Câmara deliberou, por unanimidade, justificar a falta do Senhor Presidente e do Vereador Senhor Eng.º Sérgio Manuel

Leia mais

ESCOLAS DE VELA EQUIPAS COMPETIÇÃO REGATAS E EVENTOS. Dossier

ESCOLAS DE VELA EQUIPAS COMPETIÇÃO REGATAS E EVENTOS. Dossier ESCOLAS DE VELA EQUIPAS COMPETIÇÃO REGATAS E EVENTOS Dossier 2014 Vela e Cascais Uma ligação histórica Em terra, uma compacta multidão distribuía-se pelas muralhas da cidadela; no mar grande número de

Leia mais

O CARTAZ Jesus é a Fonte da água viva Significado do Cartaz

O CARTAZ Jesus é a Fonte da água viva Significado do Cartaz O CARTAZ Jesus é a Fonte da água viva Significado do Cartaz Completando a coleção do quadriênio junto com o término do Planejamento IELB 2014, temos as imagens menores que apontam para os cartazes anteriores.

Leia mais

Ponta Delgada Gente de Palmo e Meio Rua de Lisboa, nº 14 Ponta Delgada www.palmoemeio.com

Ponta Delgada Gente de Palmo e Meio Rua de Lisboa, nº 14 Ponta Delgada www.palmoemeio.com Acordos celebrados com instituições com valência de 1º Ciclo do Ensino Básico Lisboa Colégio Alfragide Rua Ribeiro Vasconcelos Alfragide calfragide.grupolusofona.pt Colégio Luso Suiço Rua de Santo Amaro,

Leia mais