EMPREENDIMENTO ECONOMICO SOLIDÁRIO: CONCEPÇÃO, PRINCÍPIOS E VALORES DA EMPRESA ART FINAL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS PLANEJADOS LTDA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPREENDIMENTO ECONOMICO SOLIDÁRIO: CONCEPÇÃO, PRINCÍPIOS E VALORES DA EMPRESA ART FINAL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS PLANEJADOS LTDA."

Transcrição

1 EMPREENDIMENTO ECONOMICO SOLIDÁRIO: CONCEPÇÃO, PRINCÍPIOS E VALORES DA EMPRESA ART FINAL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÓVEIS PLANEJADOS LTDA. Juliano Branco de Moura Uniplac 1 Geraldo Augusto Locks Uniplac 2 ÁREA TEMÁTICA: 6. Desenvolvimento Social, Economia Solidária e Políticas Públicas RESUMO Este artigo analisa características e desenvolvimento do empreendimento econômico solidário Art Final Indústria e Comércio de Móveis Planejados, localizado no bairro São Miguel, cidade de Lages, SC. Para alcançar este objetivo realiza-se uma pesquisa de caráter qualitativo e bibliográfica. A técnica do estudo de caso com a realização de entrevistas com participantes do empreendimento foi o caminho para se obter a coleta de dados. Os principais referenciais teóricos utilizados para fundamentar e analisar os dados foram Singer, Gonter, Mance, Mészaros e Boaventura. Do ponto dos resultados obtidos, constatou-se que o empreendimento Art Final emergiu de uma empresa dissolvida no início dos anos O empresário com a declaração de falência gerada pela situação de insolvência repassou judicialmente a razão social da empresa e os equipamentos aos seis trabalhadores contratados como forma de ressarcir os direitos trabalhistas e salários atrasados. Os seis trabalhadores assumiram as dívidas com terceiros e as saldaram com o trabalho de fabricação de móveis sob medida, concomitantemente, passaram a garantir o seu sustento e de suas famílias. Depois de sete anos de funcionamento da empresa, os trabalhadores tiveram conhecimento de que seu empreendimento continha valores que configuravam a economia solidária, pois a administração se caracterizava pelos princípios da autogestão, participação efetiva dos sócios, solidariedade e a distribuição equitativa do excedente social resultante do trabalho associado. Atualmente o empreendimento Art Final, está inscrito no cadastro nacional dos empreendimentos econômicos solidários (CADSOL) no portal da Secretaria Nacional de Economia Solidária/Ministério do Trabalho e Emprego. Está vinculada e acompanhada pela Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Universidade do Planalto Catarinense (ITCP/UNIPLAC). Trata-se uma empresa recuperada da lógica empresarial individual transitando para a lógica do empreendimento econômico social. Atualmente o desafio reside em conquistar um 1 Graduado em Administração pela FACVEST, Especialista em Gestão Empresarial e Gestão Logística Empresarial. Mestrando do PPGE Mestrado Acadêmico em Educação, Uniplac. 2 Graduado em Ciências Sociais pela UNIPLAC, Mestre e Doutor em Antropologia pela UFSC, Pós-Doc em Educação pela UFSC. Professor do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação da Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC). E mail:

2 terreno urbano para construir sede própria e desta forma liberta-se do aluguel, passo estratégico para sua consolidação. Palavras-chave: Economia Solidária. Art Final Indústria e Comércio de Móveis Planejados Ltda. Empreendimento Econômico Recuperado. INTRODUÇÃO Este artigo analisa características e desenvolvimento do empreendimento econômico solidário Art Final Indústria e Comércio de Móveis Planejados, localizado no bairro São Miguel, cidade de Lages, SC. Trata-se de uma empresa recuperada, pois sua histórica demonstra que transitou da condição de um empreendimento econômico individual para um empreendimento social. Para a realização deste trabalho, utilizou-se a pesquisa qualitativa onde o ambiente é a fonte de bases dos dados, pesquisa de campo sob a forma de questionário semiestruturado o qual visava obter informações a respeito do empreendimento. Entre os seis trabalhadores que compõem o empreendimento, dois foram entrevistados, um deles envolvido com a produção interna e outro ocupado com a comercialização, combinado com os primeiros planejamentos e montagem dos móveis. Ou seja, os dois entrevistados situam-se no início e final da cadeia produtiva. A exclusão dos demais se deu pela redundância das informações. Realizou-se uma pesquisa bibliográfica com o intuito de dialogar com autores que já estudaram ou se encontram engajados no tema e na política pública da economia solidária. Foi útil também para a análise dos dados recolhidos em campo. A análise está referenciada em dados históricos apresentados pelos entrevistados e tem caráter comparativo na medida em que problematiza o modo de produção capitalista hegemônico na sociedade confrontado com outro modo de organizar a economia, a chamada outra economia, porque se fundamenta nos valores e princípios da economia solidária: autogestão, participação, solidariedade, repartição equitativa do resultado do trabalho associado, cuidado com o meio ambiente e responsabilidade com o entorno social e econômico no qual se situa o empreendimento. Na sequência realiza-se uma análise histórica do Art Final, a percepção dos entrevistados sobre características e desenvolvimento do empreendimento.

3 ANÁLISE HISTÓRICA A empresa Art Final Indústria e Comércio de Móveis Planejados Ltda., fundou-se em meados do ano de 2008, na cidade de Lages/SC, através da absorção onde o exproprietário utilizou da realização de um processo de transferência da empresa, onde a mesma estava em fase de falência devido a sua insolvência e não tendo condições de realizar o acerto dos funcionários, foi concretizada através de um repasse judicial para a consecução e acertos das dívidas trabalhistas para com os funcionários, restando algumas dívidas com terceiros onde às mesmas foram acertadas com o pagamento em forma de fabricação de móveis, iniciando então o empreendimento de economia solidária. A antiga empresa estava a cerca de quatro anos no mercado. Para Gonter (2011, p. 164): O fechamento ou a falência das empresas vai se delineando no decorrer de sua gestão, que pode estar motivado por: Resultados baixos: podem não expressar o retorno esperado pelos donos do capital, não alcançando a TMA (taxa mínima de atratividade) do negócio. Insolvência: tem dificuldade de liquidez, de transformar seus ativos em caixa. A partir deste momento, pode-se agravar a situação, partindo-se para resultados negativos. Resultados Negativos: a empresa não tem como se manter ao longo do tempo com resultados negativos, vai aumentando o seu prejuízo e alcança níveis nos quais não tem mais credibilidade ou, ainda, seu ativo não cobre o passivo. Para retratar o estudo Singer apud Moraes (2011, p. 68) a economia solidária é caracterizada como fruto do anseio de construir uma sociedade melhor do que a atual. E por esse motivo a economia solidária adapta-se aos princípios e valores de quem a aplica. O empreendimento atua no segmento de móveis planejados, trabalhando nas linhas comerciais e residenciais. A empresa já conta com uma organização em escala de lideranças, mas opera pelo sistema informal para a tomada de decisões de modo coletivo, conta com sua unidade fabril alugada, esta que retira boa parte de seus dividendos. Atua em sua parte financeira com o apoio de um contador dando suporte aos processos burocráticos contábeis para a empresa, realizando as folhas de pagamentos dos mesmos através de pró-labore. Atualmente a empresa é composta pelos seis sócios iniciais, sendo que cinco trabalham na produção dos móveis e um trabalha com a venda e montagem e já conta com a participação de mais dois associados, uma trabalhando como auxiliar administrativo, onde a mesma realiza os projetos em programa específicos e também a

4 parte burocrática financeira do empreendimento solidário. O último realiza os trabalhos externos na parte de montagem. Alinham seus horários de trabalho através do sistema de cartão ponto manual. O sistema organizacional de produção é a de ordem de entrega dos pedidos, para alinhamento de seu sistema produtivo. A compra ainda é realizada através do mercado regional pela quantidade encomendada e agilidade nas entregas. Inicialmente o grupo de trabalhadores teve grande dificuldade, devida a nenhum de seus sócios trabalharem com a parte comercial, ocasionando a falta de serviço. Para suprir esta demanda, o grupo passou neste período a prestar serviços de fabricação e montagem para consumidores mais conhecidos, iniciando assim um ciclo de clientela e indicações dando origem a propulsão para e engrandecimento desta empresa que já é reconhecida no cenário local e regional. Atualmente a Art Final atende clientes localizados no litoral de Santa Catarina. Para o futuro o empreendimento Art Final busca a melhoria no maquinário em vista de melhor qualidade e desenvolvimento de seus produtos. Tem também em sua visão a importância da aquisição de uma sede própria, pois o que se utiliza é locado, reduzindo assim seus resultados líquidos. Também neste caminho, busca-se a melhoria nos equipamentos automotores. Hoje conta com uma pequena camionete de pequeno porte, e uma moto para o deslocamento rápido dos funcionários. O caminho para a negociação de sede própria já começou no diálogo com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento. Tudo indica, sendo os entrevistados, que as dificuldades de ordem burocrática e de vontade política serão grandes. Isto porque, até então, no município de Lages, não existia explicitamente o reconhecimento por parte da gestão pública da economia solidária. Somente em dezembro de 2014 é que, por pressão do Fórum Regional de Economia Solidária, Entidades Apoiadoras e Representantes de Órgãos Públicos conseguiu-se sensibilizar a Câmara de Vereadores para aprovar a Lei Municipal de Economia Solidária. A ECONOMIA SOLIDÁRIA NA ÓTICA DOS EMPREENDEDORES Para a realização do estudo foram disponibilizados aos empreendedores dois questionários semiestruturados, onde nestes continham perguntas referentes à economia solidária, seus conhecimentos sobre o assunto, e necessidades encontradas pelos

5 mesmos para a realização e normatização de suas atividades. Para os trabalhadores entrevistados denominados de Empreendedor Solidário 1 (ES1) e Empreendedor Solidário 2 (ES2). A pesquisa foi realizada com quatro questões, sendo elas, 1. A empresa iniciou com vistas ao empreendedorismo solidário? Quais seus conhecimentos sobre economia solidária? 2. O empreendimento recebe algum tipo de apoio? Se sim, favor descrever quais entidades ou instâncias governamentais que o apoiam, discriminando a forma de apoio: 3. Os empreendedores conhecem alguma rede de economia solidária? Se sim, a empresa Art Final faz parte de alguma rede solidária? 4. Na visão dos empreendedores o crescimento do empreendimento gera benefício e é vantajoso para todos? Como são divididos os ganhos da empresa? Todos participam na gestão e decisões organizacionais? De que forma? 5. Quais as dificuldades iniciais e atuais para o crescimento do empreendimento? Em primeira instância os pesquisados ficaram surpresos com o interesse pela pesquisa, pois até então, não tinham conhecimento que seu empreendimento poderia ser objeto de estudo científico, mas posteriormente foram se soltando e retratando seus conhecimentos e experiências de forma generosa. Para o primeiro questionamento se a empresa iniciou com vistas ao empreendedorismo solidário? Quais seus conhecimentos sobre economia solidária? As respostas foram semelhantes e permitiram ter uma visão sobre a experiência dos mesmos com a economia solidária. Para ES1 e ES2, a princípio a formação da empresa foi uma questão de necessidade, onde os pensamentos dos sócios visavam como se sustentar no caso de não receberem seus acertos e sim uma empresa para a realização de um trabalho para a obtenção de lucro e sustento da família. Gem, (2007), reflete que o Brasil é cercado por sua desigualdade social, embora percebida melhoras, ainda é uma das mais distanciadas no mundo. Para Santos (2007, p. 4): O empreender por necessidade como uma necessidade de segurança ou ainda de sobrevivência. Portanto, empreendedores por necessidade consistem naqueles que iniciam negócios motivados pela falta de alternativa satisfatória de ocupação e renda. Já os empreendedores por oportunidade, são motivados pela percepção de um nicho de mercado em potencial. A respeito de seus conhecimentos sobre a economia solidária, ambos relataram que souberam desta modalidade há pouco tempo, e nem se davam conta de que a mesma

6 existia. O princípio que orientava a iniciativa, as ações e a geração de renda no empreendimento, segundo os entrevistados, tinha a finalidade de manutenção familiar. Esta constatação demonstra que os trabalhadores do Art Final já desenvolviam princípios da economia solidária desde sua origem, pois eles buscavam a sustentação familiar baseada no próprio trabalho associado, não coexistindo com a lógica da exploração do homem sobre o homem ou do capital sobre o trabalho. Para a segunda pergunta foi verificado se o empreendimento recebe algum tipo de apoio do Governo? Em caso positivo, referir à forma de apoio. O entrevistado ES1 relatou que houve a aproximação e um início de trabalho com Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) para o qual os empreendedores solidários não deram continuidade, devido aos investimentos necessários para a realização dos cursos que lhes foram oferecidos. Para Dornelas (2008) o SEBRAE é a principal entidade de apoio aos empreendedores brasileiros. Presta serviços de consultoria aos empresários, incluindo a abertura de um negócio, e toda sua estruturação perante sua estrutura de gestão empresarial. A outra oportunidade de busca de apoio, segundo os entrevistados foi à integração junto ao Fórum Regional de Economia Solidária (FRESOL). Neste espaço o empreendimento encontrou outros grupos que praticam a economia solidária. Entrou para a rede dos empreendimentos em âmbito local, regional e nacional. O apoio caracterizou-se pelo estímulo e encorajamento do Art Final na continuidade de seu desenvolvimento. Disto resultou seu mapeamento no CADSOL, posteriormente na integração aos empreendimentos econômicos solidários incubados pela ITCP/UNIPLAC. No questionamento, Os empreendedores conhecem alguma rede solidária? Se sim, a iniciativa faz parte de alguma rede solidária? O ES1 relata que desconhece o sistema de redes solidárias, mas imagina que esta pode ser benéfica pelo sistema de distribuição de renda e melhora nas condições de vida dos empreendedores solidários que o cercam. Mance (2002, p. 83) afirma que redes solidárias têm como objetivo: O objetivo principal é gerar trabalho e renda para as pessoas que estão desempregadas e marginalizadas, melhorar o padrão de consumo de todos os que dela participam proteger o meio ambiente e construir uma nova sociedade em que não haja a exploração das pessoas ou a degradação do equilíbrio ecológico. Um dos itens que mais chamou a atenção dos entrevistados, devido a sua extensão e complexidade foi: Na visão dos empreendedores o crescimento da organização gera benefício e vantagem para todos? Como são divididos os ganhos da

7 empresa? Todos participam na gestão e decisões organizacionais? Conforme o entrevistado ES2 Sim, pois certifica o alicerce da empresa e renova as esperanças de melhores ganhos. Os ganhos são recebidos via pró-labore todos com salários fixos, folha ponto assinada e descontos legais. Para ES1 a empresa organiza suas decisões de forma coletiva, onde todos participam e opinam no sistema de gestão. Spers (2009, p. 38) alinha a temática em verificar que: A cultura pode ser vista com uma forma de tradução e compreensão da realidade organizacional, pois ela se sustenta em normas e costumes seguidos por todos. A aplicação de uma regra deve ser precedida pela interpretação da cultura na qual a incidirá, como também pela situação específica que se traduz pelo contexto. O sistema cultural tem grande influência no sistema organizacional, neste não é diferente, pois os mesmos trabalham há vários anos numa sistemática constante por eles organizada. É sabido que predomina a cultura do modo de produção capitalista da vida na sociedade brasileira, onde as relações de dominação e exploração produzem as contradições e contraste presentes na sociedade. Em contraposição, pode ser identificada a cultura da solidariedade com seus valores ancestrais, presentes nos grupos étnicos indígenas, afrodescendentes, mesmo em comunidades tradicionais. As formas de troca de dia, mutirões ou puxirões estão presentes em experiências, vivências comunitárias, particularmente no meio rural brasileiro e na região do Planalto Catarinense. (LOCKS, 1998). Portanto, pode-se contar com um substrato cultural a ser trabalhado como suporte no desenvolvimento da economia solidária. Diante da pergunta verificando quais foram às dificuldades iniciais e atuais para o crescimento do empreendimento? Nesta resposta os entrevistados abordaram a indagação de forma correlata, evidenciando inicialmente que seus problemas estavam na falta de experiência na área comercial, pois todos os empreendedores solidários desta empresa tinham experiência somente na área produtiva, levando um bom tempo para a aderência no mercado devido a este quesito. Outro relata foi o de arcar com algumas dívidas para com a absorção da empresa, atrasando o tempo de reação da empresa recém-adquirida pelos mesmos. Para a atualidade, a visão de crescimento é na melhoria de equipamentos, em vista da realização dos trabalhos e aumento da produtividade, reduzindo a margem de erro; outro aspecto é a necessidade de aquisição de uma sede própria, que segundo os entrevistados, seria a melhor forma de estabilização e organização financeira, e também na estrutura dos veículos para melhoria nos transportes e na imagem da empresa. Para Slack et al (2009) as funções dentro da

8 empresa são primordiais para o sucesso da organização, este vê e divide os setores por funções centrais, conforme se correlata com o exposto acima, a função comercial tem função plena para a ligação da empresa com o mercado, pois faz a conexão entre as necessidades de mercado e a realização dos pedidos. Já a função produção, tem por objetivo satisfazer as solicitações dos clientes por meio da produção e entrega das solicitações. Ainda insere não menos importantes as funções de apoio como a contábilfinanceira, recursos humanos e informação/tecnologia. A ECONOMIA SOLIDÁRIA: ALTERNATIVA AO CAPITALISMO A temática do capitalismo, atualmente o principal sistema econômico mundial, tem como características a propriedade privada dos meios de produção, o trabalho assalariado e a liberdade dos agentes econômicos (empresas, famílias, mercado, estado e resto do mundo). Neste Singer (1987, p. 8) insere que: O que move o capitalismo é o capital constituído em empresa. [...] O que caracteriza acima de tudo é a unidade de proposto: o lucro. O capital é valor que se valoriza, valor que engendra mais valor. A empresa se apresenta como entidade a serviço dos seus consumidores e dos seus empregadores (chamados de colaboradores ). Mas esta aparência é enganadora. A empresa capitalista está a serviço dos seus possuidores, isto é, dos que nela mandam. Para o socialismo estatal as propriedades produtivas estariam nas mãos do governo. Para tanto Singer (2006, p. 183) retrata o socialismo como: A luta pelo socialismo almeja, hoje em dia, não tanto a abolição da propriedade privada dos meios de produção que, no capitalismo monopólico, se tornou um pouco mais que uma ficção jurídica (os donos das grandes empresas são incontáveis acionistas, com quase nenhum poder de decisão), mas a eliminação da hierarquia de mando nas unidades de produção e distribuição. Formando então conforme Singer (2006) novas forças produtivas contingentes, sem a existência da separação do emprego manual do emprego intelectual, fazendo com que estes atuem em consonância. ECONOMIA SOLIDÁRIA A proposta da economia solidária se inicia no século XVIII através de grandes projetos do socialismo idealizados por Robert Owen que alicerça o olhar em querer alterar a visão global de que o sistema é incorrigível, onde o efeito de remediar

9 situações de inconsistência de mercado ainda é a questão do poder do capital. A ideia foi de uma mudança radical, através de todos os meios disponíveis, forçando o rompimento da lógica nesta sociedade implantada. Sendo as cooperativas as formas mais clássicas de economia solidária. Para tanto Singer (2005, p. 83) coloca que: A economia solidária foi inventada por operários, nos primórdios do capitalismo industrial, como resposta à pobreza e ao desemprego resultantes da difusão desregulamentada das máquinas-ferramenta e do motor a vapor no início do século XIX, as cooperativas eram tentativas por parte de trabalhadores de recuperar trabalho e autonomia econômica, aproveitando as novas forças produtivas. Sua estruturação obedecia aos valores básicos do movimento operário de igualdade e democracia sintetizado na ideologia do socialismo. Na perspectiva do socialismo, Singer (2006) coloca que Marx no século XIX lançou uma hipótese que a sociedade socialista se tornará necessária quando o conhecimento sobre a natureza chegar a um ponto de ser a única forma de satisfazer as sociedades humanas. Para Mészaros (2005), o sistema atual existente insere um formato de classes sociais com grande disparidade, onde quem é rico é bem rico e quem divide a carteira dos mais e menos abastado ainda é a classe média bem distante das realidades dos sujeitos acima citados, e também da grande maioria da população de classe inferior onde nem a honestidade e integralidade do trabalho são mais respeitadas devido à diferença nos sistemas regidos na atualidade, estes que são a força motriz da máquina capitalista. Economia Solidária traz a perspectiva de uma sociedade fundada na visão da igualdade democrática, social e econômica, como proposta estrutural, a economia solidária. Neste Morais (2011) disserta que na atualidade existem duas discussões que permeiam as estratégias da economia solidária, uma no sentido da organização politica dos trabalhadores empregados e a outra de proporcionar uma forma de trabalho não capitalista, para os excluídos economicamente. Ainda nesta sistemática precisa-se lutar contra a fome, contra as diferenças, contra a miséria, redistribuição de renda e a democratização das oportunidades, isto faz com que a economia solidária afixe como item importante para o desenvolvimento. Para isso a mesma é uma maneira de organizar as atividades econômicas produção, distribuição e consumo, tornando os empreendimentos dos trabalhadores inseridos em um sistema no

10 qual não haja patrão, e os mesmos não sejam tratados como empregados, e que todos possam gerir de forma mútua. A aproximação com a economia solidária, segundo portal Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) se dá pelos moldes que a cercam como a cooperação sensibilizadas pela existência de interesses e objetivos comuns. Da autogestão em que todos participam das execuções e definições estratégicas onde atuam. Da dimensão econômica que visa desenvolvimento através de esforços para a geração de renda. E por último a solidariedade disponibilizada na distribuição igualitária dos rendimentos, melhorias nas condições de vida, questões de sustentabilidade entre outros. E que também existem fontes de fomento a estes empreendedores como é o caso das cooperativas de crédito, bancos comunitários ou fundos rotativos solidários. Para tanto a economia solidária se apresenta de forma a abraçar as práticas sociais, em padrões mais amplos sem a existência das divisões de classes como parâmetro e também sem as estruturas geridas por um único proprietário como se apresenta o modo de produção econômico capitalista. CONSIDERAÇÕES FINAIS A empresa estudada Art Final teve sua origem através da recuperação orientada pelos princípios do empreendimento econômico solidário. Como se viu, os trabalhadores não detinham consciência desta situação. Os dados recolhidos em campo demonstram a economia solidária realmente funciona, é eficaz e neste caso traz benefícios a seis famílias que trabalham no empreendimento, pois retiram dele retiram renda garantido à vida digna e de qualidade para suas famílias. Revelam também, a capacidade de autogestão, cooperação e solidariedade, prática de justiça social entre os trabalhadores. O estudo mostra como a economia solidária se dá de forma benéfica para com os sujeitos que dela participam. O processo de tratamento e desenvolvimento igualitário fortalece o cuidado o meio ambiente, ao mesmo tempo, resgata valores culturais ancestrais que sedimentam a economia solidária no Planalto Catarinense. Observa-se que o trabalho associado, garante uma perspectiva de melhoria e geração de renda de forma mais ampla, pois as práticas e valores aplicados respondem

11 de forma mais abrangente as necessidade dos trabalhadores organizados. Reside aí a estratégia de erradicação da pobreza, do exercício da cidadania e da autonomia dos sujeitos. Indiscutivelmente, a economia solidária tendo base este estudo, se mostra uma alternativa ao sistema capitalista contemporâneo. As dificuldades existem, mas os trabalhadores da empresa Art Final Indústria e Comércio de Móveis Planejados Ltda, demonstram que este outro caminho trilhado pelos princípios e valores da economia solidária, apontam para outro mundo possível já em realização. REFERÊNCIAS DORNELAS, José Carlos de Assis. Empreendedorismo. Transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR (GEM), Swiss Executive Report 2007, site Acesso em 04/07/2014. GONTER, Bartel. Gestão Financeira. 2ª ed. Indaial: Uniasselvi, ITCP/ UNIPLAC. Chamada MCTI/SECIS/TEM/SENAES/CNPq Nº 89/2013 LOCKS, Geraldo Augusto. A identidade dos Agricultores Familiares de São José do Cerrito. Dissertação de Mestrado. Departamento de Antropologia. UFSC MANCE, Euclides André (ORG). Como organizar redes solidárias. Rio de Janeiro: DP&A, MÉSZAROS, Istvan. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo: PORTAL MTE. Economia Solidária. Disponível em: Acesso em 06/07/2014. SANTOS, P.C.F; MINUZZI, J; GARCIA, J. R; LENAZA, A. G. R. Empreender por oportunidade versus necessidade: Um estudo com empreendedores Catarinenses. XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Foz do Iguaçu: 09 a 11 de outubro de SINGER, Paul. A recente ressurreição da economia Solidária no Brasil. In: SANTOS, Boaventura Souza (org.). Produzir para viver: Os caminhos da produção não capitalista. Reinventar a emancipação social: para novos manifestos; 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, SINGER, Paul. Aprender economia. 24 ed. São Paulo: Contexto, SINGER, Paul. O capitalismo: sua evolução, sua lógica e sua dinâmica. São Paulo: Moderna, 1987.

12 SLACK, Nigel. et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores.

PALAVRAS-CHAVE Economia Solidária. Alfabetização. Associação de Recicladores. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESCREVENDO SUA PRÓPRIA HISTÓRIA: UM RELATO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento *

Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento * 1 Desafios para o Desenvolvimento da Região Sul e Tecnologias Sociais para seu Enfrentamento * Introdução Euclides André Mance Brasília, Abril, 2009 Respondendo ao convite realizado pela coordenação da

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão

Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão Os meios da Universidade em projetos com financiamento externo: um olhar da Extensão REUNI VII SEMINÁRIO NACIONAL A UNIVERSIDADE E SUAS RELAÇÕES COM O MEIO EXTERNO Profa. Dra. Eunice Sueli Nodari Universidade

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK.

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK. PMBOK NA GESTÃO DE RH EM STARTUPS AUTORES Elaine Cristhina Castela Oyamada Henrique Spyra Gubert Juliana da Costa e Silva Juliana Theodoro de Carvalho Leitão Ricardo Takeshita ORIENTADOR Fábio Judice CURSO

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

1ª Rodada Global de Negócios Solidários

1ª Rodada Global de Negócios Solidários 1ª Rodada Global de Negócios Solidários V Fórum Social Mundial(26-31/01/2005 Porto Alegre/RS/Brasil (Sábado, 29 de Janeiro de 2005 Espaço Temático 6) Promoção: Rede Brasileira de Sócio-Economia Solidária

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Visão & Valores. Código de Sustentabilidade Corporativa

Visão & Valores. Código de Sustentabilidade Corporativa Visão & Valores Código de Sustentabilidade Corporativa 1 Somos dedicados a promover a sustentabilidade e a responsabilidade social Nós reconhecemos a necessidade de harmonizar entre si os objetivos econômicos,

Leia mais

Empreendimento Popular Solidário Uma alternativa para melhoria do meio ambiente e para geração de renda

Empreendimento Popular Solidário Uma alternativa para melhoria do meio ambiente e para geração de renda Empreendimento Popular Solidário Uma alternativa para melhoria do meio ambiente e para geração de renda Sandra Márcia Cortez Ribeiro INTECOOP/UNIFEI, Brasil - sandramcr@msn.com RESUMO: O presente trabalho

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR

DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR ARTIGO 1 o - O Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis - MNCR, trabalha pela auto-gestão e organização 1 dos catadores através da constituição

Leia mais

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas Relatório final Realização: Dezembro - 1999 Estudo da Mortalidade

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Liderança. Economia Solidária. Psicologia.

PALAVRAS-CHAVE Liderança. Economia Solidária. Psicologia. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PSICOLOGIA E A ECONOMIA SOLIDÁRIA: AUTONOMIA COLETIVA X

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Sustentabilidade e Compras Públicas. Vitória Ferrari LACIS/FAU/CDS/FGA - UnB

Sustentabilidade e Compras Públicas. Vitória Ferrari LACIS/FAU/CDS/FGA - UnB Sustentabilidade e Compras Públicas Vitória Ferrari LACIS/FAU/CDS/FGA - UnB Olhares e percepções qual é a visão compartilhada sobre compras públicas sustentáveis? O que é Desenvolvimento Nacional Sustentável

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social.

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Prof. Dr. Cleber Carvalho de Castro Universidade Federal de Lavras clebercastro@ufla.br Andréia

Leia mais

Lauro Vinicius Ramalho de Araújo Carlos Roberto Medeiros Filho João Paulo Morais de Medeiros

Lauro Vinicius Ramalho de Araújo Carlos Roberto Medeiros Filho João Paulo Morais de Medeiros Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Centro de Ensino Superior do Seridó - CERES Curso de Graduação em Ciências Contábeis Campus de Caicó Lauro Vinicius Ramalho de Araújo Carlos Roberto Medeiros

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Fontes de Financiamento para Capital de Giro

Fontes de Financiamento para Capital de Giro Fontes de Financiamento para Capital de Giro Camila Diniz Paulo Victor Alan Jivago OBJETIVOS APRESENTAR CONCEITUALMENTE AS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO Das atividades operacionais da

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Curso Iniciação ao Cooperativismo

Curso Iniciação ao Cooperativismo Seja bem Vindo! Curso Iniciação ao Cooperativismo CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 01. Introdução 02. As sociedades cooperativas 03. As Cooperativas 04. Competividade 05.

Leia mais

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Pedro II, faz saber que o Poder Legislativo aprovou e este Poder sanciona a seguinte Lei: Projeto de Lei- 978 de 13 novembro de 2007, Política Municipal de Fomento à Economia Popular Solidária e a criação do conselho municipal de fomento á economia solidária de Pedro II, com a sigla ( CMPES

Leia mais

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1 A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA: UMA DAS NECESSIDADES PARA O FORTALECIMENTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E DA UNIVERSIDADE 1 Benedito Anselmo Martins de Oliveira 2 O movimento de economia solidária

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs

CONSIDERAÇÕES INICIAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs CONSIDERAÇÕES INICIAIS CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs REDES DE COOPERAÇÃO: EMPRESARIAL O QUE ISTO SIGNIFICA? Uma nova forma de organização de pequenas e médias empresas Grupo de empresas em uma entidade única

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO. Da concepção a concertação

POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO. Da concepção a concertação POLITICAS PUBLICAS DE QUALIFICAÇÃO Da concepção a concertação 1 Cenário da qualificação nos países em desenvolvimento constatação 1. Desarticulação das políticas de emprego, desenvolvimento e educação:

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ENSINO : Profissional DISCIPLINA : Gestão TURMA : 10º H ANO LETIVO : 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ENSINO : Profissional DISCIPLINA : Gestão TURMA : 10º H ANO LETIVO : 2011/2012 ENSINO : Profissional DISCIPLINA : Gestão TURMA : 10º H ANO : 2011/2012 Analisar a evolução do conceito de organização Enumerar algumas finalidades de caráter económico e social das organizações Reconhecer

Leia mais

PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO

PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO E N A PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO CURSO DE FORMAÇÃO GERAL TEMA 3: CRISE FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO D E CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E DIREITO 1 O FUTURO DA DEMOCRACIA Boaventura de Souza Santos

Leia mais

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL

ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL ANÁLISE DE UM PROJETO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL VOLTADO À INCLUSÃO SOCIAL GIL, Thais Nogueira UFMG - thaisgil@terra.com.br- GT: Trabalho e Educação/ 09 Agência Financiadora: FUNADESP Este texto apresenta

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS.

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. Ana Lícia de Santana Stopilha Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia Campus XV Doutoranda em Difusão do Conhecimento

Leia mais