A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA"

Transcrição

1 A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Introdução Gabriela Fontana Abs da Cruz 1 Teoria e prática de ensino parecem estar muito distantes uma da outra, principalmente quando se fala em levar teoria para o sistema regular de ensino (os Ensinos Fundamental e Médio). Embora se acredite nessa distância, trabalha-se, em geral, nas escolas, com a gramática normativa, que nada mais é que uma teoria, que entende a língua de uma determinada maneira e a analisa conforme seu olhar. O problema é que a gramática normativa não tem por objetivo verificar as construções linguísticas em um contexto, em um texto, por exemplo. Trabalha-se, em geral, com a análise de palavras isoladas ou sintagmas contidos em uma estrutura maior que é a frase. A partir dos PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais, 1998), há direcionamento com relação aos objetivos do ensino. Na parte de língua portuguesa, considera-se a sua prática constitutiva de exercícios discursivos de constante escuta e leitura. O professor deve permitir, por meio da análise e da reflexão sobre os múltiplos aspectos envolvidos, a expansão e construção de instrumentos que permitam ao aluno, progressivamente, ampliar sua competência lingüística. (PCNs; 1998, p.27) Ampliar a competência linguística é estabelecer relações, é entender como se constrói o sentido no discurso; portanto, a maneira de se atingir melhor este objetivo, seria a partir da leitura. Uma vez que trabalhar com a leitura é uma tarefa difícil para o professor, já que o modelo geral que se tem é o trabalho a partir da gramática normativa, é mais difícil ainda pensar em levar uma teoria linguística para sala de aula. Acredito que seja possível levar uma teoria para sala de aula, no entanto, não seria possível apresentá-la do jeito que estudamos na Pós-Graduação e até mesmo na Graduação. É preciso que se construam atividades de leitura que tenham como objetivo discutir ou trabalhar com determinado conceito da teoria. É extremamente pertinente, assim, a seleção dos conceitos mais importantes e indispensáveis, pois é a partir deles que as atividades serão criadas. Neste trabalho, pretende-se fazer uma proposta de plano de aula, relacionado ao trabalho com a leitura, por meio de atividades contemplando conceitos apresentados por Ducrot em sua Teoria da Argumentação na Língua. Para tanto, o presente artigo foi organizado da seguinte maneira: na seção Teoria da Argumentação na Língua, será apresentada a teoria, com foco nos conceitos com que se quer trabalhar; na seção seguinte, será mostrado o plano de aula, em que se explicitam, além dos conceitos a serem utilizados, a previsão de atividades a serem desenvolvidas. Por fim, há o fechamento do trabalho com a apresentação de algumas conclusões acerca do que foi discutido. 1 Graduada em Letras Português/Inglês (UFRGS), graduanda em Letras Português/Italiano (UFRGS), mestranda em Linguística Aplicada (PUCRS/CNPq)

2 Teoria da Argumentação na Língua A Teoria da Argumentação da Língua proposta por Oswald Ducrot tem como seus alicerces a teoria de Saussure e a teoria de Benveniste. Na teoria saussureana, Ducrot busca as noções de língua, fala e valor. Saussure criou a linguística a partir dos conceitos de linguagem, língua e fala. A linguagem, para ele, está no âmbito antropológico, ou seja, seria a capacidade do ser humano de se comunicar; nela, estaria a língua e a fala. Língua, para Saussure (2000; 2004), é uma instituição social, uma convenção, um sistema compartilhado por todos; a fala é o uso da língua, considerada individual. Assim, Saussure, que precisava ter um objeto de estudo definido e bem delimitado para conseguir tentar fundar sua ciência, elegeu como seu objeto de estudo a língua (o que não o faz descartar a fala). Por valor (linguístico), entende-se o sentido que deriva das relações entre as palavras, isto é, relações associativas e sintagmáticas. Os valores correspondem a conceitos puramente diferenciais, os quais são definidos negativamente por suas relações. Isso significa que uma coisa só é por sua negatividade, ou seja, que uma coisa só é o que outra não é. Com relação à teoria proposta por Benveniste, dois conceitos importantes para Ducrot são o locutor e o interlocutor, representados pelo eu e o tu. Para Benveniste (1989), não há possibilidade de haver um discurso sem a presença de um eu e de um tu, já que o sentido só é criado pela participação dos dois. Além disso, o locutor sempre aparece no enunciado, visto que é o centro de referência interno, isto é, do sentido, e deixa marcas linguísticas em sua fala. No entanto, esse locutor não traz somente marcas referentes ao eu, mas também traz referentes ao tu, a quem direciona sua fala. Outra noção importante envolvendo essas duas pessoas do discurso é a reversibilidade, pois toda vez que alguém toma a palavra, este se transforma em um eu e a quem se dirige um tu; porém, quando um tu toma a palavra, deixa de ser tu e passa a ser um eu (são os turnos conversacionais). A Teoria da Argumentação na Língua, com a proposta atual da Teoria dos Blocos Semânticos, propõe, antes de tudo, a noção de que o discurso é o único portador de sentido 2, sendo este organizado pelos encadeamentos argumentativos, estabelecendo entre eles relações semânticas. A ideia central é a de que o sentido próprio de uma expressão seja dado pelos discursos argumentativos que podem ser encadeados a partir dessa expressão. A argumentação seria, portanto, o que constitui o sentido, não o que se agrega ao sentido. Esses encadeamentos de que se fala são constituídos por uma sequência de proposições, as quais podem, de modo geral, ser formalizadas por A CON B, em que A e B são segmentos do encadeamento, acompanhados ou não por uma negação, e CON refere-se ao conector. Os conectores prototípicos, isto é, que representam todas as conjunções possíveis, são de dois tipos, DC (donc), que significa portanto, e PT (pourtant), no entanto. Assim, formam-se sequências como A DC B (A portanto B) e A PT B (A no entanto B), denominadas normativa e transgressiva, respectivamente. Embora sejam 2 Essa noção de discurso não leva em consideração o extra-linguístico, o que diferencia essa proposta da Teoria dos Topoi, também criada por Ducrot. No entanto, Ducrot (2005a) apresenta a ideia de que é possível recorrer ao extra-linguístico, o contextual, para construir o sentido, sendo o enunciado o ponto de partida para a busca do sentido fora da língua. A estrutura linguística não pode ser ignorada, uma vez que é ela que indica o que deve ser e como deve ser procurado no contexto quando se deseja interpretar um enunciado. Assim, o sentido se constrói por empréstimo do contexto, mas essa construção pragmática do sentido é dirigido pelo valor propriamente lingüístico das palavras que se devem interpretar (p.11). 176

3 somente dois conectores, é possível criar oito conjuntos de encadeamentos (referentes A e B) a partir da alternância dos segmentos, além da utilização da negação. Esses conjuntos dividem-se em dois blocos, denominados quadrados argumentativos, os quais possuem, cada um, quatro encadeamentos (ou também chamados de aspectos argumentativos). Assim, os dois blocos poderiam ser exemplificados com os encadeamentos abaixo: BLOCO 1 Exemplo BLOCO 2 Exemplo A DC B Estudar DC aprender A DC NEG-B Estudar DC neg-aprender A PT NEG-B Estudar PT neg-aprender A PT B Estudar PT aprender NEG-A DC NEG-B Neg-estudar DC negaprender NEG-A DC B Neg-estudar DC aprender NEG-A PT B Neg-estudar PT aprender NEG-A PT NEG-B Neg-estudar PT negaprender Quadro 01 A partir desse primeiro bloco, tem-se como aspectos recíprocos os pares A DC B / NEG-A DC NEG-B e NEG-A PT B / A PT NEG-B; como conversos os A DC B / A PT NEG-B e NEG-A DC NEG-B; e, por último, como transpostos A DC B / NEG-A PT B E NEG-A DC NEG-B / A PT NEG-B. Como exemplificação do esquema apresentado anteriormente, temos os segmentos A e B como sendo estudar e aprender, respectivamente. No segundo bloco, por sua vez, teremos os pares recíprocos A DC NEG-B / NEG-A DC B e NEG-A PT NEG-B / A PT B; conversos A DC NEG-B / A PT B e NEG-A PT NEG-B / NEG-A DC B; e, por fim, os transpostos A DC NEG-B / NEG-A PT NEG-B e NEG-A DC B / A PT B. Além disso, Ducrot (2005b) traz os conceitos de argumentação externa (AE) e argumentação interna (AI). A argumentação externa de uma entidade linguística (denominada pelo autor de e), seja ela uma palavra ou um sintagma, refere-se aos encadeamentos em que essa entidade linguística pode ser a origem ou o término (à esquerda ou à direita). Na AE, a entidade linguística e deve estar presente no encadeamento. Como exemplo, Ducrot cita a palavra prudente e duas possibilidades de AE. Pedro é prudente DC não terá acidentes (AE à esquerda) e Tem medo DC é prudente (AE à direita). Já a argumentação interna de uma entidade linguística e referese aos aspectos aos quais os encadeamentos pertencem e que parafraseiam essa entidade. A AI pode ser de dois tipos, estrutural ou contextual. A AI estrutural diz respeito aos encadeamentos que fazem parte da significação linguística de uma entidade. É uma paráfrase que busca a definição da palavra e assim, por ser uma paráfrase, não deve conter e no encadeamento. A AI contextual, por sua vez, refere-se à situação discursiva (isto é, ocorre dentro do texto) à qual a entidade está vinculada. Por fim, Ducrot afirma que toda a entidade linguística tem duas argumentações, uma interna e uma externa. Plano de aula Para a elaboração das atividades, optou-se, como público alvo, pela 2ª série do Ensino Médio e conceitos referentes a essa teoria. Conceitos visados: Visto que o objetivo deste trabalho é criar um plano de aula que envolva a aplicação da Teoria da Argumentação na Língua no ensino, é preciso selecionar os conceitos que se quer abordar. Desse modo, viu-se a importância de se 177

4 abordar conceitos como o de locutor, alocutário, a noção de relação, os encadeamentos, a exclusão do extra-linguístico 3 e as noções de significado e sentido. O texto escolhido: Para a seleção do texto a ser analisado em sala de aula, é preciso conhecer um pouco a turma, saber que tipo de gênero textual será mais bem aceito para o trabalho e mais fácil para a elaboração das atividades, além de saber qual o assunto será de interesse deles. O gênero textual escolhido para este trabalho é a tira, visto ser familiar para alunos dessa faixa etária. Análise do texto segundo a teoria (TBS): Primeiramente, antes da proposta das atividades, será feita a análise do texto escolhido, uma tirinha de Calvin, a partir da TBS: Figura 1: Tira de Calvin Fonte: depositodocalvin.blogspot.com Nos quadrinhos 1-3, Calvin (aqui o locutor) escreve uma carta para o Papai Noel (alocutário) referente à sua lista de presentes para aquele ano. Assim, podemos obter como primeiro aspecto lista de presentes do ano passado PT não receber uma série de itens, seguido de no ano passado não receber uma série de itens da lista DC agrupá-los na pág 12 da carta deste ano. Esses aspectos foram criados para sustentar o encadeamento normativo itens agrupados na pág 12 DC mandar junto com os presentes 3 Somente será admitido o extra-linguístico para a determinação do locutor e o alocutário, visto que precisa da imagem para sua definição. (Ducrot admite a construção do sentido do enunciado buscando elementos no contexto em seu trabalho publicado em Algumas explicações sobre esse trabalho são apresentadas na nota 1). 178

5 deste ano. No quarto quadrinho, o locutor continua sendo Calvin, porém, o alocutário não é mais o Papai Noel, mas sim Haroldo, o tigre. Calvin, então, tenta justificar o não envio de vários presentes que estavam na lista do ano anterior, dizendo que o Papai Noel ficou desleixado devido à falta de concorrência. Assim, é possível obter os encadeamentos falta de concorrência DC desleixado; desleixado DC não mandou uma série de itens da lista do ano passado; não mandou uma série de itens da lista do ano passado DC problema; desleixado DC problema. Nos quadrinhos 5-7, há uma mudança de locutor e alocutário, visto que o primeiro agora é a emissora de rádio e o último Calvin. Obtém-se nesse intervalo, uma definição de Papai Noel, a partir do anúncio no rádio, e suas justificativas, conforme os encadeamentos: Sabe quando você vai dormir DC ele é o tal; sabe quando você acordou DC ele é o tal; ele sabe se você foi bom ou mau DC ele é o tal. Como uma advertência é possível obter o encadeamento ele sabe se você foi bom ou mau DC seja bom. Desse modo, relacionando a fala do sétimo quadrinho com os primeiros, poderíamos dizer ser bom DC ganhar presentes. O quadrinho 8, no entanto, nos traz uma pergunta, se o Papai Noel seria um velhinho bondoso ou uma agente da CIA, a qual pode suscitar os seguintes encadeamentos: agente da CIA DC sabe quando você vai dormir; agente da CIA DC sabe quando você acordou; agente da CIA DC sabe se você foi bom ou mau. E com relação a velhinho bondoso, teríamos mandar presentes DC ser velhinho bondoso. Neste quadrinho, o locutor e o alocutário, assim como nos demais, precisam do extralinguístico, no caso a imagem, para serem identificado. Aqui, o locutor é Calvin, no entanto, não há um alocutário aparente. Duas hipóteses poderiam ser levantadas: uma de que Calvin está falando com o leitor da tira e outra que ele está falando consigo mesmo. Entretanto, quando a imagem é analisada, podemos descartar a primeira opção, visto que Calvin não está posicionado de maneira adequada para que o alocutário seja o leitor; a cabeça e os pés do menino estão inclinadas, como se não houvesse interação com o leitor. O alocutário, então, seria o próprio Calvin; o locutor se indaga sobre a identidade do Papai Noel. Com relação aos quadrinhos 9-11, pode-se observar que, novamente, o locutor dos enunciados é o Calvin e o alocutário é o Haroldo. Nesses três quadrinhos, Calvin traz outros tipos de argumentos, todos eles relacionados a julgamento, como é mostrado pelos encadeamentos: Papai Noel como júri e juiz DC me incomoda. Calvin, nos quadrinhos 10 e 11, não argumenta explicitamente, mas por meio de perguntas, as quais ajudarão a construir o sentido da tirinha. Essas perguntas nos levam aos encadeamentos: juiz DC imparcial; determinação de bom ou mau DC julgamento; determinação de bom ou mau DC critérios; julgamento PT regras atenuantes; e julgamento DC necessidade de advogado. As perguntas, portanto, ajudam a construir o sentido da tira, já que estão ligadas à conclusão da mesma. Assim, temos os encadeamentos: Papai Noel como júri e juiz DC direito de advogado às crianças; incidente da salamandra DC julgamento; incidente da salamandra DC mau; incidente da salamandra DC possibilidade de não ganhar presentes este ano. Para conseguir um encadeamento como incidente as salamandra PT possibilidade de ganhar presentes, Calvin justifica-se com a insanidade temporária. Assim, é possível obter os encadeamentos: Insanidade temporária DC incidente da salamandra; insanidade temporária DC regras atenuantes; e regras atenuantes DC possibilidade de ganhar presentes este ano. Nesse último quadrinho há 179

6 dois turnos de fala, o primeiro em que Haroldo é o locutor e Calvin o alocutário, e o segundo em que há a inversão dos papéis. É importante também observar como Calvin se refere ao Papai Noel ao longo da tira. Vê-se que, nessa tirinha, existem três momentos e que existem locutores, mas, principalmente, alocutários diferentes. Calvin nos três primeiros quadrinhos escreve ao Papai Noel uma carta, em que a forma de tratamento é querido Papai Noel. No entanto, no quarto quadrinho, quando muda o alocutário (agora Haroldo), a forma como o menino se refere a Papai Noel é diferente: Sabe qual é o problema desse cara? Ele ficou desleixado com a concorrência. Há também diferença quanto à adequação de fala, nos primeiros quadrinhos, Calvin se comunica com Papai Noel em uma linguagem um pouco mais formal (principalmente por ser em língua escrita), enquanto nos demais, mas com mais evidência no quarto quadrinho, o menino utiliza-se da linguagem coloquial (uso da palavra cara ). Atividades: Para a melhor organização das atividades, dividiu-se o plano de aula em préleitura, leitura e pós-leitura. Na pré-leitura, há uma atividade introdutória, que deve ser feita antes da leitura do texto e que começa a preparar o leitor para o texto. Na leitura, além do ato de ler, há atividades de compreensão do texto; e, por fim, na pós-leitura, há a criação de um novo texto. Pré-leitura: Atividade: Os alunos, em pequenos grupos, discutem e definem o que é Papai Noel. Logo após, um representante de cada grupo escreve a definição no quadro para que, posteriormente, todos os alunos discutam os conceitos criados e formulem a definição da turma. Justificativa: Embora esta atividade seja um trabalho com a palavra isolada, fora de um contexto, ela se justifica pela relação que tem com a primeira atividade de leitura, em há o questionamento do sentido da palavra Papai Noel na tira em comparação à definição da mesma produzida nesta atividade introdutória. Leitura: Atividade 1: Após a leitura do texto, os alunos, nos mesmos grupos da atividade anterior, discutem a diferença entre o conceito de Papai Noel criado pela turma e o conceito construído ao longo da tira. Logo após, é feita uma discussão com o grande grupo, para que as respostas sejam compartilhadas e analisadas. Justificativa: Como havia sido explicado anteriormente, esta atividade é uma continuação da apresentada na pré-leitura e trabalha com a noção de construção de sentido através da relação entre as palavras no uso, ou seja, na enunciação (diferentemente da primeira atividade, em que se trabalha com a palavra fora de contexto). Atividade 2: São distribuídas perguntas referentes ao texto para serem, além de respondidas, discutidas nos pequenos grupos já formados. Questão 1: Por que Calvin escreve a carta para o Papai Noel? Justificativa: Embora esta seja uma pergunta muito simples, ela agrupa, na resposta, os encadeamentos referentes aos três primeiros quadrinhos. A informação desses quadrinhos é importante para o desenvolvimento da argumentação da personagem. Questão 2: Explique a relação entre o quadrinho 4 e os anteriores. Justificativa: Esta questão aborda, principalmente, as idéias de desleixado e problema relacionados ao fato do Papai Noel não enviar diversos itens da lista de presentes a Calvin. Questão 3: Por que Calvin tenta definir o Papai Noel como velhinho bondoso ou como agente da CIA? Justificativa: Esta questão tenta fazer com que os alunos façam 180

7 relações entre o que o está sendo dito pelo menino no quadrinho 8 e o que está sendo dito nos quadrinhos anteriores. O elemento inusitado da fala de Calvin é o agente da CIA, o qual pode ser justificado pela fala nos quadrinhos 5 e 6, em que se fala sobre todas as virtudes do Papai Noel. Questão 4: Por que a ideia do Papai Noel ser júri e juiz incomoda Calvin? Questão 5: Nos quadrinhos 9 a 11, Calvin compara o trabalho do Papai Noel a um julgamento. Enumere as evidências no texto que comprovem esta ideia. Justificativa: As questões 4 e 5 trabalham com os argumentos que ajudam a sustentar, a construir o sentido do último quadrinho. Questão 6: Qual a relação entre incidente da salamandra e o fato de Papai Noel ser júri e juiz? Questão 7: Que relação é possível estabelecer entre incidente da salamandra e os quadrinhos 5 e 6? Questão 8: É possível fazer alguma relação entre incidente da salamandra e os primeiros quadrinhos? Questão 9: Que efeito insanidade temporária traz para a tirinha? Qual sua relação com os outros quadrinhos? Justificativa: As questões 6, 7, 8 e 9 são importantes, pois fazem com que os alunos pensem no texto, pensem nas relações que as palavras/sintagmas estabelecem entre si e de que maneira essas relações ajudam a construir o sentido. Atividade 3: São distribuídos alguns envelopes para os grupos. O primeiro a ser distribuído refere-se aos quatro primeiros quadrinhos da tira. O segundo, aos quatro seguintes e o terceiro, aos restantes. Cada envelope contém o início de encadeamentos seguidos de uma conjunção, para que sejam completados. Os alunos devem completálos com as fichas correspondentes que sejam coerentes com a idéia do texto. A título de exemplo, seguem as fichas abaixo : 1) Fiz uma lista de presentes no ano passado, no entanto... 2) Não recebi uma série de itens no ano passado, portanto... Quadro 02 Não recebi uma série de itens Agrupei-os na página 12 da lista deste ano. Justificativa: Essa atividade seria uma proposta (ou um desafio para os alunos) para complementar e, até mesmo, formalizar as relações que podem ser estabelecidas no texto. Isso faz com que o aluno pense nos/sobre os sentidos produzidos pela relação dos argumentos, tente compreender e associá-los às ideias que o texto lido quer expressar. Além disso, há a possibilidade de os alunos criarem outras relações não previstas na atividade ou até mesmo questionarem as que forem apresentas. Essa é uma proposta (ou melhor, uma tentativa de levar para a sala de aula a noção de relação por meio da combinação de argumentos com um articulador/ conector), entretanto, deveria ser testada em sala de aula para saber se é viável ou não. Como foi dito anteriormente, estas são sugestões de atividades para o ensino; porém ainda não foram testadas para saber se trazem, realmente, resultados efetivos. Atividade 4: Definição do locutor e alocutário de cada quadrinho. Discussão e elaboração da resposta em grupos, seguidas de discussão com todos os alunos. Outra questão a ser discutida é a forma como Calvin trata o Papai Noel como seu alocutário na carta e Haroldo, na conversa. Justificativa: Esta atividade visa fixar os conceitos de 181

8 locutor e alocutário (pressupõe-se que em outra aula os alunos já tivessem sido apresentados a esses conceitos) e fazer com que os alunos reflitam sobre as marcas do eu com relação ao tu. Pós-leitura: Atividade: Os alunos devem criar uma tirinha em que o Papai Noel responde a carta de Calvin. Salientar a importância de se pensar no locutor e no alocutário (ou seja, como será a maneira que o Papai Noel se dirigirá a Calvin, como será o seu tipo de fala) e também na argumentação. Conclusão O presente trabalho propôs-se a aproximar teoria linguística e ensino, para tentar atenuar o distanciamento que atualmente tem sido apresentado entre ambos, o que não deixa de refletir o distanciamento entre os programas de pós-graduação e o sistema regular de ensino. Para tentar essa aproximação proposta, tomou-se como teoria a ser aplicada a Teoria da Argumentação na Língua, com base, principalmente, na Teoria dos Blocos Semânticos. Foram retomados conceitos importantes dessa teoria, alguns já presentes em Saussure (2000 e 2004) e em Benveniste (1989), e que são base para a elaboração das atividades referentes ao texto. Optou-se, como gênero textual a ser trabalhado, pela tira, uma vez que é familiar para a maioria dos alunos dessa faixa etária, se não todos. Fez-se, então, a análise do texto escolhido, a partir da argumentação externa dos enunciados, e, assim, partiu-se para a criação de um plano de aula. Tentouse trabalhar, explícita ou implicitamente, os conceitos mais importantes da teoria (como, por exemplo, a noção de relação, locutor e alocutário, significado e sentido etc.) em atividades que envolvessem a discussão em grupos pequenos e em grande grupo e que possibilitassem aos alunos pensar na construção do sentido a partir do linguístico (embora as noções de locutor e alocutário dependessem do contexto (imagem). Como já foi explicitado anteriormente, este trabalho é uma tentativa de trazer a teoria para o ensino de língua portuguesa; portanto, deveria ser aplicada em sala de aula para ver se funcionam de fato, para serem aprimoradas e abrirem possibilidade para a criação de novas atividades. Referências BENVENISTE, E. O aparelho formal da enunciação. In: Problemas de lingüística geral. Campinas: Pontes, DUCROT, O. A pragmática e o estudo semântico da língua. Letras de Hoje, v.40, n.1, p.9-21, março, 2005a. DUCROT, O. Conferências 1, 2, 3 e 4. In: CAREL, M.; DUCROT, O. La Semántica Argumentativa. Buenos Aires: Colihue, 2005b. MEC/SEF. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 1999, 360p. SAUSSURE, F. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, SAUSSURE, F. Escritos de lingüística geral. São Paulo: Cultrix,

O PAPEL DOS ENUNCIADORES EM SITUAÇÕES DIALÓGICAS

O PAPEL DOS ENUNCIADORES EM SITUAÇÕES DIALÓGICAS Introdução O PAPEL DOS ENUNCIADORES EM SITUAÇÕES DIALÓGICAS Daisy Batista Pail 1 Segundo a Teoria da Argumentação na Língua, de Oswald Ducrot, um enunciado é polifônico por possuir pelo menos três vozes:

Leia mais

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis Análise de sentido em provas de proficiência em Língua Inglesa para a seleção de cursos de mestrado e doutorado na UniRitter: Uma abordagem semântico-argumentativa. Marlon Machado Oliveira Rio Mestrando

Leia mais

O USO DO CONECTOR PORTANTO EM TEXTOS DE PAULO SANT ANA E MARTHA MEDEIROS

O USO DO CONECTOR PORTANTO EM TEXTOS DE PAULO SANT ANA E MARTHA MEDEIROS Introdução O USO DO CONECTOR PORTANTO EM TEXTOS DE PAULO SANT ANA E MARTHA MEDEIROS Fernanda Knecht 1 O presente trabalho tem como base a Teoria da Argumentação na Língua (doravante TAL), desenvolvida

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

A COMPREENSÃO E A INTERPRETAÇÃO DO DISCURSO NA PERSPECTIVA SEMÂNTICO ARGUMENTATIVA

A COMPREENSÃO E A INTERPRETAÇÃO DO DISCURSO NA PERSPECTIVA SEMÂNTICO ARGUMENTATIVA 2243 A COMPREENSÃO E A INTERPRETAÇÃO DO DISCURSO NA PERSPECTIVA SEMÂNTICO ARGUMENTATIVA Leci Borges Barbisan PUCRS/CNPq 1 Cristina Rörig PUCRS/CNPq 2 O objetivo deste texto é apresentar uma reflexão que

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS O que é ensinado nas escolas prepara os alunos para concretizarem seus projetos na vida adulta? Para achar a resposta, entrevistamos jovens egressos

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO 2686 COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO Contexto da Pesquisa Nagely Beatriz Hütner - ESAP O presente artigo versa sobre o relato de uma pesquisa de mestrado que teve como

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE

BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE Elizabeth Pastor Garnier SEE/RJ Pedro Carlos Pereira - FAETEC Projeto Fundão IM/UFRJ Os Parâmetros Curriculares Nacionais propõem a introdução do tópico Tratamento

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Ensino Fundamental I. Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos?

Ensino Fundamental I. Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos? Ensino Fundamental I Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos? 2015 Objetivo da reunião Este encontro tem o objetivo de comunicar mais claramente as ações desenvolvidas pela escola e favorecer

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

uma representação sintética do texto que será resumido

uma representação sintética do texto que será resumido Resumo e Resenha Resumo Ao pesquisar sobre as práticas de linguagem nos gêneros escolares, Schneuwly e Dolz (1999: 14), voltando seus estudos para o nível fundamental de ensino, revelam que a cultura do

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE 1 PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE Prof. Dr. Flávio Villaça Professor Titular de Planejamento Urbano da FAU-USP Versão de 20/12/04 Flavila@uol.com.br INTRODUÇÀO Este texto foi elaborando

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Semântica Argumentativa

Semântica Argumentativa Semântica Argumentativa Leci Borges Barbisan O que é Semântica Argumentativa? Para encontramos uma resposta a essa pergunta, é necessária a explicitação da origem filosófica da teoria. A Semântica Argumentativa

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo : 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo Habilidades: Perceber como se organizam os parágrafos de um texto dissertativo-argumentativo. Texto dissertativo O texto dissertativo é um tipo de texto

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci ELABORAÇÃO DE TEXTOS II

Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci ELABORAÇÃO DE TEXTOS II Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci ELABORAÇÃO DE TEXTOS II RESUMO, RESENHA, SINOPSE E SÍNTESE Uma dúvida muito frequente que incomoda principalmente os alunos, em qualquer estágio de aprendizagem é a diferença

Leia mais

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática

Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Language descriptors in Portuguese Portuguese listening - Descritores para a Compreensão do Oral em História e Matemática Compreender informação factual e explicações Compreender instruções e orientações

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Bacharelado em Sistemas de Informação Trabalho de Diplomação

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Bacharelado em Sistemas de Informação Trabalho de Diplomação Caros alunos e orientadores de conteúdo e acadêmico, Este documento ilustra quais capítulos devemos possuir na monografia de (no mínimo), e o que cada um contempla. O formato deverá ser o utilizado pela

Leia mais

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS?

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS? SEMINÁRIO DE PESQUISA OBJETIVO DEBATER E PROBLEMATIZAR QUESTÕES RELACIONADAS ÀS PRÁTICAS DOCENTES NA EDUCAÇÃO INAFANTIL, BEM COMO ESTABELECER DIÁLOGO COM TEÓRICOS DA PEDAGOGIA, DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DAS

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

DISCURSOS SOBRE A POLÍTICA POR MEIO DE GÊNEROS VARIADOS

DISCURSOS SOBRE A POLÍTICA POR MEIO DE GÊNEROS VARIADOS CAMPUS BAGÉ CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PIBID LETRAS DISCURSOS SOBRE A POLÍTICA POR MEIO DE GÊNEROS VARIADOS Bolsista: Flávia Azambuja Alves Coordenadora: Professora Drª Fabiana Giovani Supervisora:

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES Ao organizar um trabalho escolar é necessário que algumas normas sejam observadas pelo aluno. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) encarrega-se

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

Movimento da Lua. Atividade de Aprendizagem 22. Eixo(s) temático(s) Terra e Universo. Tema. Sistema Solar

Movimento da Lua. Atividade de Aprendizagem 22. Eixo(s) temático(s) Terra e Universo. Tema. Sistema Solar Movimento da Lua Eixo(s) temático(s) Terra e Universo Tema Sistema Solar Conteúdos Movimentos da Terra e da Lua / movimento aparente dos corpos celestes / referencial Usos / objetivos Ampliação e avaliação

Leia mais

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Projeto: Filhotes Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Justificativa: A escolha da temática FILHOTES para o infantil I se deve ao fato de que os animais em geral provocam

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

Apresentação de Seminário

Apresentação de Seminário UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Departamento de Ciência da Informação Apresentação de Seminário Profa. Marta Valentim Marília 2012 Introdução O seminário

Leia mais

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS

ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS ATIVIDADES COM MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.com Universidade Federal da Paraíba UFPB VIRTUAL RESUMO: Este minicurso tem como

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA Tais Pires de Oliveira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Geografia tais_piresoliveira@hotmail.com

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA. Palavras-chave: Poesia. Aprendizagem. Teoria Literária

A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA. Palavras-chave: Poesia. Aprendizagem. Teoria Literária Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 110 114 A POESIA DE CADA DIA : TEORIA DA POESIA E SUA APLICAÇÃO DIDÁTICA COSTA, Rafael Ramiro Monteiro 1 SANTOS, Marcelo 2 Palavras-chave: Poesia.

Leia mais

Disciplina: Alfabetização

Disciplina: Alfabetização Título do artigo: As intervenções didáticas no processo de alfabetização inicial Disciplina: Alfabetização Selecionador: Beatriz Gouveia 1 Categoria: Professor 1 Coordenadora de projetos do Instituto Avisa

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA Luciane de Oliveira Machado 1 INTRODUÇÃO Este artigo apresenta o projeto de educação para o

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais