Natália Belmonte Demétrio 1. Resumo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Natália Belmonte Demétrio 1. Resumo"

Transcrição

1 REDE URBANA E POPULAÇÃO RURAL EM SÃO PAULO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E A REGIÃO ADMINISTRATIVA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Natália Belmonte Demétrio 1 Resumo Esse trabalho tem a pretensão de analisar a relação entre as dificuldades na apreensão da população rural em São Paulo e os intensos processos de redistribuição da população ocorridos em anos recentes nesse Estado. Apoiado na discussão sobre a ascensão de uma nova ruralidade nos países desenvolvidos, o artigo investiga a emergência desse fenômeno em São Paulo, vis-à-vis a hierarquia de sua rede urbana. De modo a demonstrar a heterogeneidade do rural paulista, os problemas decorrentes dos conceitos oficiais de urbano e rural e também à validade do paradigma sobre o novo rural aplicado ao Estado em seu conjunto, ao final do trabalho expõe-se algumas características da população residente no rural da Região Metropolitana de São Paulo e da Região Administrativa de São José do Rio Preto. Palavras-Chaves: Rede Urbana; Migração; Populações Rurais Introdução Inserido no projeto temático Observatório das Migrações em São Paulo (FAPESP/CNPq), em desenvolvimento no Núcleo de Estudos de População da Universidade Estadual de Campinas (NEPO/UNICAMP), o presente artigo tem a pretensão de problematizar as rígidas definições de urbano e rural adotados pelo governo brasileiro, recorte que tem se mostrado insuficiente à análise dos processos socioespaciais em curso no Estado de São Paulo. Para atender a esse objetivo, apresenta-se, em primeiro lugar, uma discussão em torno do heterogêneo processo de estruturação urbana no Estado, fenômeno marcado por uma vasta gama de condicionantes históricos, cuja consequência é a formação de regiões com características diferenciadas que refletem o caráter contraditório do desenvolvimento no 1 Aluna do Mestrado em Demografia na UNICAMP e bolsista CAPES. Trabalho sob a orientação da Profª Drª Rosana Baeninger. Contato: 1

2 Brasil. Em seguida, discute-se a dinâmica econômica e demográfica em São Paulo a partir da década de 1970, quando os processos de desconcentração produtiva e populacional abriram novas perspectivas aos estudos voltados à distribuição espacial da população. Todos esses fatos sociais sustentaram inéditas articulações à relação campo/cidade, o que, à luz de um aporte teórico construído para a investigação do rural nos países dito desenvolvidos, levou alguns autores brasileiros a chamar a atenção para a emergência de uma nova ruralidade em nosso país, em especial, no Estado de São Paulo. Ao final, o trabalho expõe algumas características da população residente no rural da Região Metropolitana de São Paulo e da Região Administrativa de São José do Rio Preto, na intenção não apenas de exemplificar a heterogeneidade sócio-espacial paulista e os problemas decorrentes dos conceitos oficiais de urbano e rural, mas também de problematizar o paradigma sobre o novo rural aplicado ao Estado em seu conjunto. O processo de urbanização e industrialização em São Paulo: a conformação de um espaço social heterogêneo O sistema urbano trata-se da expressão espacial da divisão social do trabalho. O seu processo de formação tem de ser estudado tendo como pano de fundo o desenvolvimento da sociedade industrial, por ser a indústria o fenômeno responsável por instaurar a clássica divisão entre campo e cidade e aprofundar o movimento de diferenciação das forças produtivas (SINGER, 1973). A análise da indústria no Estado de São Paulo adquire maior relevância apenas nos anos de 1920, quando o estrangulamento do comércio internacional por conta da I Guerra Mundial engendrou, com base nos recursos oriundos do café, um processo de industrialização via substituição das importações. A expansão dessas duas atividades criou condições para uma ocupação capitalista diversificada do território estadual que, longe de sustentar uma crescente homogeneização do espaço, reforçou e estruturou uma complexa heterogeneidade regional, ensaiando uma primeira divisão sócio-espacial do trabalho colada nos três tempos da dinâmica cafeeira de incorporação de terras, que ia continuamente definindo uma velha zona, outra madura e uma nova zona (NEGRI, GONÇALVES e CANO, 1988, p.7). 2

3 Na primeira, onde a já significativa concentração populacional e os antigos recursos da cafeicultura permitira a instalação de uma densa infra-estrutura urbana, despontava-se uma indústria de bens de consumo. Nas zonas de ocupação madura, a crise do café abria portas para a implementação de novas culturas voltadas à produção de matérias-primas para o emergente processo de industrialização. Por fim, nas novas zonas o Oeste Pioneiro a ocupação deu-se de forma débil e desordenada, subordinada ao ordenamento empresarial, com a criação de companhias loteadoras e colonizadoras que dominavam o mercado de terras na região (NEGRI, GONÇALVES e CANO, 1988, p.11). Nesses espaços, são as ferrovias e a especulação imobiliária as grandes definidoras do processo de estruturação urbana, sustentada pela formação de pequenos patrimônios caracterizados pela agricultura de subsistência cujo excedente voltava-se ao abastecimento da população urbana dos centros mais desenvolvidos do Sudeste paulista (RODRIGUES, 2006). Nesse sentido, já em 1920, o processo de ocupação do território paulista foi definindo regiões e organizando uma primeira hierarquia no sistema de cidades do Estado que, desde a sua formação, era marcada pela subordinação às necessidades da capital, ponto de encontro da malha ferroviária, instrumento por meio da qual esse município estendeu sua área de influência por todo o interior do Estado, redefinindo os papéis dos demais centros urbanos (NEGRI, GONÇALVES e CANO, 1988, p.7). Ao contrário da situação da região da Grande São Paulo, que a essa época já registrava o despontar de inúmeras indústrias, o Oeste paulista assistia o germinar de uma modesta atividade produtiva urbana em respaldo à população rural em fase de instalação, construção e mobiliagem de suas casas (NEGRI, GONÇALVES e CANO, 1988, p.16). Disso decorre uma divisão do trabalho entre campo e cidade ainda embrionária, completamente diversa da já existente nas cidades mais desenvolvidas do interior e da capital. Assim, desde o momento em que a estrutura urbana paulista começa a tomar corpo já se esboçava o destino de suas regiões. Como afirmam Negri, Gonçalves e Cano (1988), na década de 1920 já era bastante claro os espaços que dispunham de condições para enfrentar um desenvolvimento alicerçado em bases efetivamente industrial e urbana (NEGRI, GONÇALVEZ e CANO, 1988, p.28-29). O Oeste Pioneiro, de ocupação recente e ainda em andamento, não dispondo de tais condições, ficou praticamente às margens desse processo. 3

4 Até meados de 1960, o desenvolvimento industrial ocorreu, a grosso modo, ocorreu concentrado na cidade de São Paulo e nos municípios de seu entorno imediato. Contudo, os fatores ligados às deseconomias de aglomeração presentes na já formada Região Metropolitana de São Paulo (problemas de desemprego, moradia, violência urbana, etc.), bem como a existência de uma agricultura moderna e de uma bem estruturada rede urbana em alguns pontos do interior do Estado, repercutiu na relativa interiorização da indústria paulista (CAIADO, 1995, p.47). Todavia, os investimentos públicos voltados a esse fim não beneficiaram o interior em seu conjunto. Respeitando as distintas regiões criadas lá em 1920, apenas o eixo Campinas-Ribeirão Preto, além do Vale do Paraíba e da Baixada Santista, foram suportes dessas transformações (NEGRI, GONÇALVEZ e CANO, 1988, p.63). Dessa forma, a imensa maioria das cidades do Oeste não conseguiu se industrializar. O avançar dos processos de modernização agrícola, liberou um contingente maciço de trabalhadores rurais que, ao não serem absorvidos pelo restrito mercado de trabalho da região, se dispersou pelas novas áreas de fronteira agrícola ou pelas regiões industrializadas do Sudeste do Estado. Nas palavras dos autores: ( ) o modo como se deu o desenvolvimento de cada região os recursos existentes e o momento histórico em que ocorreu, pelo contexto internacional e pelo estágio de desenvolvimento das forças produtivas com que se contava definiu para cada uma um certo universo de recursos e de possibilidades, pré-requisitos com que ingressaram no segundo ciclo de crescimento da industrialização pesada (NEGRI, GONÇALVES e CANO, 1988, p.87). Embora o período subsequente tenha criado novos constrangimentos à estruturação da rede urbana, esses condicionantes se formaram a partir das características já colocadas. Assim, os processos a seguir discutidos terão efeitos diferentes na RSMP e na RA de São José do Rio Preto. Enquanto a interiorização do desenvolvimento sustenta uma dispersão da população e da produção ao redor da Grande São Paulo o que leva a um relativo declínio tanto do crescimento demográfico como do valor da transformação industrial na capital, o Oeste paulista assiste a uma concentração de sua população, e também da produção, em suas principais cidades. Do mesmo modo, as possibilidades abertas pela Constituição de 1988 quanto à emancipação, se incentivaram a criação de municípios na região de Rio Preto, não o fizeram na maior metrópole brasileira. 4

5 A criação de municípios nos anos 1990 e os processos de redistribuição espacial da população em São Paulo pós 1970 Os últimos 30 anos do século XX marcaram mudanças significativas no processo de estruturação urbana paulista. Por um lado, a Constituição de 1989 criou novos incentivos ao processo emancipatório (SIQUEIR, 2003). Por outro lado, a emergência dos processos de reestruturação produtiva e desconcentração industrial emprestaram novas características ao processo de urbanização e redistribuição espacial da população no Estado (BAENINGER, 1997). Ambos os fenômenos tiveram repercussões significativas nas relações campo/cidade e acabaram por animar o debate em torno dos problemas de classificação de situação de domicílio resultantes de concepções engessadas de rural e urbano. Contudo, o fizeram de maneira distinta: enquanto o primeiro resulta na subestimação da população rural diante do intenso processo de criação de municípios no Oeste paulista ao longo dos anos 1990; o segundo repercutiu em uma das revelações mais marcantes do Censo de 1991 para São Paulo, a recuperação demográfica de sua população rural próxima à RMSP (CUNHA, 2005; CUNHA E RODRIGUES, 2001 e RODRIGUES, 2001). O primeiro fenômeno mencionado a proliferação de municípios na década de 1990 merece destaque por dificultar a apreensão da população rural no Oeste paulista. Como observa Siqueira (2003), até meados do século XX, as emancipações inseriam-se em um contexto de ocupação territorial, dentro do qual os novos municípios concentravam-se nas áreas de fronteira agrícola, onde os indicadores demográficos são mais elevados e a economia mais dinâmica (SIQUEIRA, 2003, p.55). No entanto, com o fim da ocupação do território estadual nos anos 50, a crise econômica de 1980/90 e a nova legislação de 1989, houve uma alteração na motivação do processo emancipatório, que passou a se adensar em regiões com índices estagnados de crescimento econômico e populacional. Além dos incentivos previstos pela Constituição de 1989 com base nos quais muitas cidades pobres foram estimuladas a desmembrar parte de seu território como forma de cortar gastos e instigar repasses dos governos estadual e federal (SIQUEIRA, 2003, p.4), o Estado de São Paulo contou ainda com leis de desmembramentos flexíveis, responsáveis não só por reduzir o prazo mínimo de existência do distrito de três para dois anos, como também por excluir o critério populacional e encurtar a distância necessária entre o distrito a ser emancipado e o município-sede (SIQUEIRA, p.136). 5

6 Nesse contexto, 73 cidades foram criadas no Estado, nos anos 90, sendo que 50 delas (67% dos casos) não atingiam a marca de habitantes em A despeito dessas emancipações apresentarem-se relativamente espalhadas por todo o território paulista, Siqueira (2003) ressalta a importância da Região Administrativa de São José do Rio Preto, a segunda macrorregião paulista que mais criou municípios no Estado: 15 novas cidades foram criadas nesse período na referida região, sendo que apenas uma delas ultrapassavam a casa de pessoas em 2000 (município de Ouroeste com exatos habitantes). No tocante ao conjunto das cinco microrregiões que compõe a RA de São José do Rio Preto, destaca-se o caso da Região de Governo de Jales, exatamente a última a ser ocupada pela fronteira agrícola (a estruturação urbana desse território data dos anos 1950) e que concentrou quase 50% das emancipações de sua macrorregião (SIQUEIRA, 2003, p.153). Com relação à RMSP, vale consta que apenas um município foi formado na década de 1990, São Lourenço da Serra, cuja população era de habitantes em O boom de municípios dos anos 1990 impôs novas dificuldades teóricas e metodológicas para o estudo da urbanização no Brasil. Por conta da emancipação, territórios antes considerados rurais passam a ser classificados como urbanos. Esse fenômeno incide na diminuição da população rural sem que, de fato, tenha havido migração rural/urbana. Dessa forma, a reclassificação sustenta um êxodo rural fictício, além de distorcer as estimativas de grau de urbanização. Essa é a discussão proposta por José Eli da Veiga (2002), para quem as precárias definições brasileiras de rural e urbano, existentes desde 1938, permitem apreender como espaço urbano municípios de tamanho irrisório, simples aglomerações de agricultores. O autor denomina de cidades imaginárias tais centros urbanos, apontando a falsa verdade que esse recorte produz ao apresentar o território nacional como sendo 81% urbano, de acordo com o Censo de Se os novos municípios paulistas incidiram na subestimação da população rural, os processos de metropolização e formação de aglomerados urbanos, evidentes no Estado de São Paulo principalmente a partir dos anos 1970, sustentam o efeito contrário ao superestimarem a população rural do entorno de grandes centros urbanos. Como já explicitado, a década de 1970 marca uma mudança em termos de tendência e configuração da rede urbana paulista. Os incentivos industriais até então concentrados na capital reorganizaram-se de forma a estimular a relativa desconcentração espacial das 6

7 atividades econômicas a partir da RMSP, fato que desencadeou um reflorescimento industrial e populacional do interior paulista (BAENINGER, 1997, p.464). Os investimentos direcionados a algumas regiões do Estado no setor produtivo (petroquímica e siderurgia), bem como a adoção de uma política econômica de incentivo à agroindústria, suscitou não apenas a criação de pólos econômicos regionais São José dos Campos, Santos, Campinas, Sorocaba, Araraquara, São José do Rio Preto, Bauru e Ribeirão Preto como também aprofundou ainda mais os processos de mecanização do campo e concentração fundiária, repercutindo em um êxodo rural sem precedentes na História paulista. A despeito da persistente centralidade da Região Metropolitana de São Paulo como área de atração populacional, muitos desses centros regionais passaram a absorver os antigos agricultores de suas proximidades, o que definiu uma redistribuição da migração no Estado (BAENINGER, 1997, p.467). À luz desses acontecimentos, nos anos 1980, enquanto a Grande São Paulo registrou queda de seu crescimento demográfico, algumas cidades do interior em especial as mais próximas da metrópole assistiram a um surpreendente incremento de população. Esse contexto marca, portanto, não apenas a formação de importantes áreas metropolitanas no interior (Campinas e Santos), mas também a ascensão de outras formas de aglomerações urbanas (BAENINGER, 1997, p.465). Contudo, é importante ressaltar não ter havido uma tendência de crescimento populacional uniforme no interior paulista. Enquanto as regiões de Campinas, Vales do Paraíba, Sorocaba, Ribeirão Preto, Bauru, Franca, Barretos, Central, Registro e Santos registraram aumento populacional, as RGs de Presidente Prudente, Votuporanga, Dracena, Assis, Fernandópolis, Adamantina, Andradina e Jales tiveram taxas negativas de crescimento nesse período. Desta forma, pode-se afirmar que o Oeste, que já vinha perdendo população em décadas anteriores, continuou como zona de expulsão populacional entre 1970 e 1980 (CAIADO, 1995, p.48). A redução de determinada região no total da população estadual não significa, no entanto, esvaziamento demográfico de suas principais cidades. Pelo contrário, houve, internamente em cada uma das RAs e em praticamente todas as RGs, um processo de concentração populacional nos municípios-sedes, também denominados de capitais regionais (CAIDO, 1995, p.49). Como já colocado, esse não foi o caso dos principais centros industriais do Sudeste do Estado, nos quais o avançado processo de conurbação e metropolização sustentou o crescimento de municípios no entorno das principais sedes regionais, fato 7

8 nomeado por alguns pesquisadores de periferização da população, cuja incidência afeta diretamente a diversificação dos movimentos intra-urbanos, a intensificação dos movimentos migratórios entre áreas periféricas e dos deslocamentos pendulares (BAENINGER, 1997, p.467). Todas essas alterações condicionaram formas inéditas de uso e ocupação dos espaços rurais do entorno metropolitano e de aglomerações urbanas, repercutindo na surpreendente recuperação das taxas de crescimento dessa população para os levantamentos de 1991 e 2000, como mais a frente será exposto. Diante dessa evidência, Rodrigues (2001) propõe-se a investigar se a recuperação demográfica da população rural paulista remete a um simples processo de volta ao campo ou se, ao contrário, trata-se de um problema de classificação de situação de domicílio através do qual áreas consideradas pela legislação municipal como rurais passam a ser ocupadas do ponto de vista urbano. A conclusão da autora é que, dado o caráter extremamente localizado desse crescimento, restrito sobremaneira à RMSP, muito provavelmente essa recuperação demográfica trata-se, em verdade, de uma expansão da zona urbana sobre o perímetro rural (RODRIGUES, 2001, p.37-38). Ao que tudo indica, portanto, esses espaços rurais imersos em contextos metropolitanos e de conurbação urbana encerram áreas de transição, isto é, tratam-se de espacialidades constituídas a partir de uma articulação entre o rural e o urbano, dentro da qual a tradicional relação de dependência rural é substituída pela expansão do setor de serviços e de benfeitorias em termos de infra-estrutura, comunicação e transporte entre os dois espaços (CUNHA e RODRIGUES, 2001, p.2). A fim de melhor captar essas áreas de transição, a partir do Censo de 1991, o IBGE passou a contar com uma maior desagregação sobre a situação de domicílio, possibilitando que a análise dos dados pudesse ir além da simplificada dicotomia ruralurbana (CUNHA, 2005, p.13). Desde então, os setores censitários são classificados em três categorias de urbano e quatro situações de rural. No primeiro caso, as informações censitárias distinguem as áreas urbanas normais, as urbanas não urbanizadas (àquelas definidas legalmente como urbanas, mas ocupadas com atividades agropecuárias) e o urbano isolado (setores urbanos não contíguos ao núcleo do município). Na situação rural, definiram-se os aglomerados rurais extensão urbana (cuja distância deve ser inferior a 1 km do urbano), rural isolado (aglomerados distantes de mais de 1 km do urbano), povoados (aglomerados cujo solo não é de propriedade única), núcleos (o solo vincula-se a um único proprietário), outros aglomerados rurais e, por fim, os setores 8

9 rural-exclusive aglomerados rurais (o rural tradicional) (IBGE, 1988 apud SILVA, 1999, p.65). Sem dúvidas, essas categorias encerraram um grande avanço nos estudos sobre urbanização ao permitirem a visualização de um gradiente entre o rural e o urbano e a melhor percepção da heterogeneidade espacial (CUNHA, 2005, p.13). Todavia, essa inovação não é capaz de desvencilhar as definições de rural e urbano de suas conotações políticas. Por tal classificação ser uma prerrogativa dos municípios, pode não apenas variar de uma região para outra, como também depender de injunções e interesses que, como se sabe, nem sempre obedecem a uma lógica racional ou funcional (CUNHA, 2005, p.13). Dessa forma, investigações pautadas apenas no grau de urbanização oferecido pelo IBGE incidem em equívocos de graves consequências quando tais análises sustentam políticas públicas de planejamento urbano ou desenvolvimento rural. Seja por conta dos problemas de classificação ou não, o fato é que o Estado de São Paulo alcançou o século XXI com elevado grau de urbanização (em torno de 94%) e com taxas de evolução da população rural que apontavam para a recuperação demográfica dessas áreas para algumas regiões. A partir dessa aparente contradição, enquanto alguns autores proclamaram o fim do rural, outros chamaram a atenção para a emergência de uma nova ruralidade. A parte a seguir tem a intenção de avaliar essas duas hipóteses. A emergência de novas ruralidades nos países desenvolvidos Com base em uma extensa bibliografia internacional sobre as relações campo/cidade na modernidade, Wanderley (2000) discute a hipótese segundo a qual o desaparecimento das sociedades rurais trata-se de uma fatalidade inexorável ao processo de desenvolvimento, responsável por fazer da agricultura um mero campo de aplicação do capital (WANDERLEY, 2000, p.89). A autora mostra-se contrária a essa teoria, apontando para a necessidade de apreendermos o rural como um produto histórico que se modifica no tempo e no espaço. Dessa forma, embora o rural tradicional esteja de fato em vias de extinção em algumas sociedades, isso ocorre ao mesmo tempo que uma nova ruralidade se desponta no cenário social, fenômeno este muitas vezes não captado pelas estatísticas oficiais face as dificuldades em se adotar um conceito operacional de urbano e rural (WANDERLEY, 2000, p.109). 9

10 Segundo Wanderley (2000), a emergência de uma nova ruralidade deita raízes no esgotamento do modelo produtivista dos anos 1960, quando uma grave crise social avassala grande parte dos países considerados desenvolvidos. No tocante à sua influência no mundo rural, essa crise alude ao problema do desemprego estrutural decorrente da modernização agrícola e ao uso indiscriminado de insumos químicos na agricultura (WANDERLEY, 2000, p.95-96). Diante da crise, o fim do século XX é marcado pela ascensão de uma série de movimentos sociais que têm nas causas acima descritas sua grande bandeira. O movimento ambientalista, em particular, ganhou a cena pública ao pressionar os Estados a adotarem uma estratégia de desenvolvimento que leve em consideração a preservação e renovação dos recursos naturais (WANDERLEY, 2000, p.96). Também a necessidade de se combater a pobreza levou inúmeros países a guiarem-se por política de desenvolvimento territorial/local dentro das quais o papel dos agricultores e o lugar da agricultura é elevado a um outro patamar (WANDERLEY, 2000, p.113). Esses novos constrangimentos sociais articularam uma reorientação das políticas voltadas para o meio rural, fundamentadas agora no pressuposto de Reconhecimento político da necessidade de integração aos processos gerais do desenvolvimento nacional e macrorregional, dos espaços e das populações, marginalizados ou excluídos, por meio da valorização dos recursos naturais, sócias e culturais de cada território, sejam eles ou não associados às atividades agrícolas. Seus objetivos são definidos em torno de três princípios: aproveitar as oportunidades econômicas, assegurar o bemestar das populações rurais e salvaguardar o patrimônio sociocultural das regiões rurais (WANDERLEY, 2000, p.116). Essa nova abordagem do desenvolvimento rural escamoteia a questão da produtividade para prezar por um território e uma sociedade que devem imperiosamente viver tanto quanto produzir (WANDERLEY, 2000, p.116). Assim, são alvos desses programas os espaços rurais onde, a despeito da baixa produtividade agrícola e da insatisfatória remuneração do agricultor, se identifica a sobrevivência a longo prazo de certas funções ambientais valorizadas pelas sociedades (WANDERLEY, 2000, p.117). A valorização da identidade local funciona, portanto, como alicerce a um novo projeto para o rural. Nesse novo contexto, a autora afirmar ser cada vez mais frequente o desenvolvimento rural se dar por conta da exploração das potencialidades de cada local, oferecendo à clientela produtos cuja qualidade é 10

11 reconhecida e procurada, precisamente, pela vinculação que possui com a própria localidade (WANDERLEY, 2000, p.119). Essas especificidades das políticas voltadas ao meio rural na contemporaneidade têm como corolário uma das principais características do rural nas sociedades modernas: a pluriatividade e a expansão das atividades secundária e terciária no campo (WANDERLEY, 2000, p ). Sem atentar para esses novos significados da agricultura e do agricultor decorrentes das condições históricas atuais, muitos autores veem nesse traço do rural moderno um sintoma da urbanização do campo, caindo no já referido fim do rural (WANDERLEY, 2000, p.124). Embora também ateste o processo de urbanização do campo e a consequente formação de um continuum rural/urbano, a autora não acredita que esse fenômeno repercuta na homogeneização de ambos os espaços. De fato, a expansão das atividades não agrícolas sobre o campo trouxe consigo bens e serviços antes considerados padrão de conforto exclusivo do urbano, como energia elétrica, captação e tratamento de esgoto, transporte, etc. Contudo, essa paridade econômica não significa, por sua vez, fim da própria realidade rural, espacial e socialmente distinta da realidade urbana (WANDERLEY, 2000, p.127). Essa visão urbano-centrada das mudanças em curso são, na interpretação da autora, a-dialéticas por vislumbrarem apenas o polo urbano como fonte de progresso, ao passo que o outro polo (o rural atrasado) tende a reduzir-se sob a influência avassaladora da cidade, em um movimento no qual somente um lado se enche, enquanto que o outro só pode esvaziar-se (WANDERLEY, 2000, p.127). Embora também assuma o fim das formas tradicionais da dicotomia urbano/rural, definidas com base no isolamento e na oposição radical entre campo e cidade, Wanderley (2000) aposta numa relação dialética entre esses dois espaços. A autora apresenta, pois, uma outra leitura das semelhanças e aproximações entre o meio rural e o meio urbano, nas sociedades modernas, que não se traduz pela afirmação do fim do rural (WANDERLEY, 2000, p.128). De acordo com sua interpretação, as mudanças demográficas e econômicas assistidas pelas zonas rurais sustentam a revitalização desses espaços, a recomposição do rural e a emergência de uma nova ruralidade. Trata-se, assim, de uma hipótese que prevê a substituição do enfoque clássico, mas que privilegia os espaços rurais em sua multiplicidade de formas e relações com o mundo urbano e o conjunto da sociedade (WANDERLEY, 2000, p.130). 11

12 Dessa forma, a modernização do campo redefine, sem anular, as questões referentes à relação campo/cidade, ao lugar da agricultura na sociedade, à importância social, cultural e política da sociedade local (WANDERLEY, 2000, p.89). O rural permanece, portanto, como uma categoria do mundo social ( ). Por ela, é possível compreender a sociedade, classificar e distinguir as pessoas e as coisas e construir uma representação do mundo social em torno do espaço e do tempo (WANDERLEY, 2000, p.130). Esse processo de redefinição do rural é reforçado pela crise do modo de vida urbano que, cada vez mais, faz com que o rural seja visto como um bem coletivo, ( ) um lugar de moradia de boa qualidade (WANDERLEY, 2000, p.100). Diante disso, nas sociedades avançadas, verifica-se uma reversão da tendência histórica de esvaziamento econômico e social do meio rural, que deixa de ser o lugar exclusivo da produção, para também se tornar um espaço de consumo, voltado em especial para as atividades relacionadas às funções de residência e de lazer, que vão desde as diversas formas de turismo rural, até a ocupação do campo por meio de residências permanente e secundárias (WANDERLEY, 2000, p.100). À luz desse aporte teórico, é interessante analisar o crescimento demográfico registrado pelo Censo de 1991 para a Região Metropolitana de São Paulo não como resultado de um mero problema de classificação de situação de domicílio. Ainda que essa questão responda por parte do aumento populacional do rural metropolitano, as transformações por que tem passado as relações campo/cidade nos países centrais leva a ponderar se o Brasil em especial o Estado de São Paulo também não assiste a um processo de ressignificação de seus espaços rurais, por meio do qual se verifica uma revitalização do campo. Como será exposto a seguir, a hipótese defendida por Silva (1999) é de que sim. No entanto, deseja-se mostrar que esse processo não ocorre no mesmo ritmo por todo o território, com diferenças significativas entre as regiões do Oeste e do Sudeste paulista, o que resulta em um rural multifacetado, resultado dos desequilíbrios decorrentes do próprio processo de urbanização e industrialização já descrito. O novo rural brasileiro A despeito das mudanças acima observadas serem mais intensas nos países desenvolvidos, também no Brasil a emergência de uma nova ruralidade é perceptível. 12

13 Com base nos dados das PNADs, Graziano da Silva (1999) afirma que desde os anos 1980 já não podemos mais caracterizar a dinâmica do meio rural brasileiro como determinada exclusivamente pelas atividades agropecuárias (SILVA, 1999, p.49). Segundo o autor, as principais ocupações não agrícolas da população rural estão ligadas à prestação de serviços, indústria de transformação, comércio e construção civil que, via de regra, tratam-se de postos de trabalho para os quais se exige baixo nível de qualificação profissional (SILVA, 1999, p.49). Assim, o crescimento da ORNA (Ocupação Rural Não-Agrícola), no Brasil, não está associada apenas à paridade entre os habitantes do urbano e do rural, tal como na Europa (WANDERLEY, 2000). Sua ascensão deve-se, ainda, à demanda da população de baixa renda por terrenos para a autoconstrução de suas moradias em áreas rurais situadas nas cercanias das cidades (SILVA, 1999, p.53). Essa situação remete à questão da expansão urbana sobre as áreas rurais e aos problemas de classificação de situação de domicílio tratados por Cunha (2005), Rodrigues (2001). Também se sabe que, no Brasil, a transferência de atividades urbanas em especial a industrial para o rural ocorreu não apenas em razão da modernização do campo, mas principalmente pelo fato desses espaços contarem com uma mão-de-obra mais barata e não sindicalizada, bem como um menor rigor na fiscalização de crimes ambientais. Em vistas disso, são, em particular, as indústrias ditas tradicionais, sujas ou ainda decadentes as que mais têm procurado refúgio no espaço agrário brasileiro (SILVA, 1999, p.8). Todavia, ainda que o rural no Brasil carregue sobremaneira as marcas da exclusão acima descritas, as relações campo/cidade também têm passado por profundas alterações no país e, em especial no Estado de São Paulo, com a emergência de novas atividades agropecuárias, localizadas em nichos específicos de mercado. Silva (1999) usa o termo novas entre aspas devido ao fato dessas atividades serem, em verdade, seculares no país. No entanto, até há poucos anos, não representavam importância econômica. Eram atividades de fundo de quintal, hobbies pessoais ou pequenos negócios agropecuários intensivos ( ), que foram se tornando em importantes alternativas de emprego e renda no meio rural nos anos mais recentes (SILVA, 1999, p.ix). Dentre tais atividades, o autor destaca a piscicultura, a criação de aves nobres, rãs e outros pequenos animais, a produção de verduras e legumes voltada para as redes de supermercados e fast-food, floricultura e produção de mudas ornamentais, fruticultura de mesa, cultivos de cogumelo, turismo rural (hotéis fazendas, pesqueiros, clubes de 13

14 campos, etc.), complexos hípicos, além de leilões e exposições agropecuárias (SILVA, 1999, p ). Embora essas atividades sejam seculares, até recentemente elas apresentavam apenas valor de uso e não valor de troca. No entanto, a associação entre rural e meio ambiente, a valorização da paisagem e dos costumes locais, criou novos espaços de reprodução do capital no meio rural brasileiro. Nos termos do autor, é como se houvesse uma busca incessante dos capitais no sentido de converter em mercadorias todos os valores de uso, o que leva à criação de novos mercados e de novas necessidades (SILVA, 1999, p.101). Assim, a despeito de antigas, essas atividades Foram recriadas não apenas com roupagem nova, mas também com conteúdo novo: são, no fundo, serviços pessoais e auxiliares da produção que foram agregados às tradicionais cadeias produtivas agroindustriais, criando novo espaço para a emergência de pequenos e grandes empreendimentos no longo do caminho que hoje vai do produtor rural ao consumidor final (SILVA, 1999, p.101). Apenas levando-se em consideração a emergência dessa nova ruralidade é que, segundo o autor, podemos entender a evolução do emprego rural em São Paulo que, a despeito da mecanização agrícola, manteve-se relativamente estável ao longo dos anos 1990 (SILVA, 1999, p.82). Para Silva (1999), o renascer das atividades acima referidas constitui, em muitos casos, a salvação da lavoura face à crise da agricultura brasileira na última década do século XX, período que data o desmanche dos instrumentos de política agrícola (garantia de preços mínimos, estoques reguladores, redução do crédito agropecuário) promovido pelo governo Collor, juntamente com a significativa queda nos recursos (gastos) públicos destinados à agricultura (infra-estrutura, pesquisa agropecuária, assistência técnica, etc.). Além disso, houve uma abrupta abertura comercial, que trouxe sérios problemas para a agricultura nacional, na maioria das vezes, impossibilitada de competir com produtos internacionais fortemente subsidiados nos seus países de origem (SILVA, 1999, p.79-80). A pergunta que o presente trabalho coloca é: será que o Estado de São Paulo, em seu conjunto, teve condições de compensar o mau desempenho das atividades agropecuárias tracionais com a formação de novos nichos de mercado no meio rural? A hipótese aqui defendida é de que não. A emergência das novas atividades rurais citadas refere-se, nos termos do próprio autor, às demandas específicas de grupos de consumidores de média e alta renda dos grandes centros urbanos (SILVA, 1999, p.103). Tais centros concentram-se, em sua maioria, na porção Sudeste do Estado, ao passo que o Oeste chama atenção pela presença de pequenos e micro municípios. 14

15 Diante disso, se a parte mais desenvolvida do Estado encontrou alternativas à crise da agricultura brasileiro dos anos 90, a parte menos desenvolvida ainda tem nas atividades agrícolas tradicionais sua principal fonte de renda. A última parte desse trabalho dedica-se, portanto, à análise dos dados referente à população rural da Região Metropolitana de São Paulo e da Região Administrativa de São José do Rio Preto na intenção de testar essa hipótese. Características gerais da população residente no rural da RMSP e da RA de São José do Rio Preto Em primeiro lugar, a característica que mais salta aos olhos na análise de ambas as regiões refere-se ao volume de municípios da RA de São José do Rio Preto e ao tamanho de sua população (Tabela 1) RSMP RA Rio Preto Tabela 1 Total de municípios e de habitantes RMSP e RA São José do Rio Preto Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico Total de municípios Total de habitantes Das 85 cidades que compõe a RA de São José do Rio Preto, 75 delas tinham menos de 20 mil habitantes em Na situação oposta, a RMSP concentra a maior parte de seus municípios no grupo 100 a 500 mil habitantes, com ainda 5 deles na classe de população superior a 500 mil, algo inexistente na outra região (Tabela 2). O tamanho dos municípios da RA de Rio Preto está intimamente relacionado ao caráter e ao momento de seu processo de estruturação urbana, assentado na formação de pequenos patrimônios de apoio à população rural posterior a Assim, enquanto as suas microrregiões mais próximas do Sudeste (Catanduva e São José do Rio Preto) foram abertas nessa década, a rede urbana da RG de Votuporanga data de 1930, a de Fernandópolis de 1940 e a de Jales de Dessa forma, em especial nas cidades dessas últimas regiões, não houvera tempo e história para articulação de um mercado de trabalho urbano dinâmico e diversificado capaz de sustentar a expansão das atividades industriais dos anos Nas palavras de Negri, Gonçalves e Cano: A ocupação tardia dessa área e o processo peculiar de seu desenvolvimento fez com que apenas em 1960 surgissem ali aglomerações com mais de 50 mil habitantes (1988, p.93). 15

16 Grandes Médios Pequenos Anais da SemanaCS. Volume 1, número 1, Campinas: IFCH/UNICAMP, 2012 Tabela 2 Número de municípios segundo volume de população RMSP e RA São José do Rio Preto Volume de população Até 5 mi hab. De 5 a 10 mil hab. De 10 a 20 mil hab. De 20 a 50 mil hab. De 50 a 100 mil hab. De 100 a 500 mil hab. Mais de 500 mil hab. Total Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico RMSP RA Rio Preto As Tabelas 3 e 4 apresentam a evolução da população urbana e rural das duas regiões e seus respectivos graus de urbanização segundo dois conceitos distintos: o censitário e o que considera como urbano apenas os aglomerados com mais de 20 mil habitantes. Esses dois recortes, embora não incidam em diferenças significativas para a RMSP, são contrastantes no tocante à RA de Rio Preto que, para o ano de 2000, tem se percentual de população vivendo em áreas urbanas de 95% para 54% (Tabela 4). Tabela 3 Evolução da população urbana e rural/ grau de urbanização RMSP e RA São José do Rio Preto - Estado de Saõ Paulo /2010 População total População urbana População rural Mesorregiões RMSP RA S. J. do Rio Preto Fonte: Fundação IBGE. Censos Demográficos 1970, 1980, 1991, 2000 e Sinopse do Censo Demográfico Tabela 4 Grau de urbanição RMSP e RA São José do Rio Preto /2000 Grau de urbanização (%) - se considerado como urbano Grau de urbanização (%) segundo o IBGE Mesorregiões apenas os aglomerados com mais de 20 mil hab RMSP 96,64 96,78 97,85 95,75 98,86 95,55 96,38 97,43 95,57 98,66 RA S. J. do Rio Preto 55,86 73,01 85,31 89,70 92,26 30,18 43,57 52,23 54,40 55,05 Fonte: Fundação IBGE. Censos Demográficos 1970, 1980, 1991, 2000 e Sinopse do Censo Demográfico Quanto às taxas de crescimento populacional (Tabela 5), verifica-se grande variação no caso metropolitano, muito provavelmente devido à expansão urbana nas áreas classificadas como rurais. Dessa forma, a discrepância do crescimento da população rural para a RMSP nas décadas de 1990 e 2000 de 9,61% a.a. no primeiro período, para -11,45% a.a. no intervalo subsequente remete, em grande medida, aos problemas de classificação de situação de domicílio tratados por Rodrigues (2001) e Cunha (2005). 16

17 Tabela 5 Taxa de crescimento da população total, urbana e rural (% a.a.) RMSP, RA São José do Rio Preto e Estado de Saõ Paulo /2010 Mesorregiões População total População urbana População rural 1970/ / / / / / / / / / / /2010 RMSP 4,46 1,88 1,64 0,97 4,47 1,98 1,40 1,29 4,00-1,78 9,61-11,45 RA S. J. do Rio Preto 0,82 1,85 1,70 0,98 3,56 3,30 2,27 1,27-4,02-3,63-2,24-1,86 Estado de São Paulo 3,49 2,13 1,78 1,09 4,51 2,56 1,86 1,36-2,03-2,02 0,78-3,68 Fonte: Fundação IBGE. Censos Demográficos 1970, 1980, 1991, 2000 e Sinopse do Censo Demográfico Com relação à situação da RA de Rio Preto, constata-se uma diminuição constante do ritmo de esvaziamento demográfico rural. Esse declínio tem de ser analisado levando-se em consideração dois fenômenos. O primeiro diz respeito ao intenso processo emancipatório vivenciado por essa região ao longo da década de 1990 (SIQUEIRA, 2003), fato responsável por superestimar o êxodo rural registrado no período. O segundo, por sua vez, alude à redução do estoque populacional no campo por conta do declínio da fecundidade, taxa que para o conjunto da população atinge os mais baixos níveis estimados para o Estado de São Paulo (Mapa 1). RA S. J. Rio Preto RMSP Fonte: Adaptado de SEADE, 2011, p.3. 17

18 As diferenças entre o rural de ambas as regiões são ainda mais evidentes quando analisadas com base nos domicílios servidos por rede geral de água, tipo de esgotamento sanitário e coleta de lixo. Enquanto 74% das residências rurais da RMSP são abastecidas pela rede geral de água, na RA de Rio Preto, esse percentual é de apenas 12,6% (Tabela 6). Tabela 6 Domicílios segundo formas de abastecimento de água e situação de domicílio RA Rio Preto e RMSP RA Rio Preto RMSP Formas de abastecimeto de água Urbano Rural Urbano Rural Volume % Volume % Volume % Volume % 1 - Rede geral , , , , Poço ou nascente(na propriedade) , , , , Outra , , , ,83 Total , , , ,00 Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico Quanto ao tipo de esgotamento sanitário, 47% dos domicílios rurais da RMSP tem acesso à rede geral de esgoto, serviço disponível a apenas 4,97% das residências localizadas no perímetro rural da RA de Rio Preto (Tabela 7). Tabela 7 Domicílios segundo tipo de escoadouro (forma de esgotamento sanitário) por situação de domicílio RA Rio Preto e RMSP RA Rio Preto RMSP Tipo de escoadouro Urbano Rural Urbano Rural Volume % Volume % Volume % Volume % 1- Rede geral de esgoto ou pluvial , , , ,76 2- Fossa séptica , , , ,64 3- Fossa rudimentar , , , ,08 4- Vala 340 0, , , ,51 5- Rio, lago ou mar , , , ,58 6- Outro escoadouro 318 0, , , ,43 Total , , , ,00 Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico Se analisarmos as residências segundo forma de coleta de lixo, o contraste também é claro: se 78% dos domicílios no rural da RMSP tem seu lixo coletado por serviço de limpeza, isso acontece em somente 20% das residências rurais da região de São José do Rio Preto (Tabela 8). 18

19 RA Rio Preto RMSP Forma de coleta de lixo Urbano Rural Urbano Rural Volume % Volume % Volume % Volume % 1- Coletado por serviço de limpeza , , , ,22 2- Colocado em caçamba de serviço de limpeza , , , ,83 3- Queimado(na propriedade) , , , ,46 4- Enterrado(na propriedade) 336 0, , , ,03 5- Jogado em terreno baldio ou logradouro , , , ,12 6- Jogado em rio, lago ou mar 6 0, , , ,44 7- Tem outro destino 339 0, , , ,90 Total , , , ,00 Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico Tabela 8 Domicílios segundo forma de coleta de lixo e situação de domicílio RA Rio Preto e RMSP Exceção à regra está na existência de iluminação elétrica, serviço disponível a 99% dos domicílios rurais tanto da RMSP quanto da RA Rio Preto (Tabela 7). RA Rio Preto RMSP Existência de iluminação elétrica Urbano Rural Urbano Rural Volume % Volume % Volume % Volume % Sim , , , ,01 Não , , , ,99 Total , , , ,00 Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico Tabela 9 Domicílios segundo existência de iluminação elétrica e situação de domicílio RA Rio Preto e RMSP Com base apenas nessas estimativas já se pode afirmar que muito dos serviços acima descritos constituem um privilégio da população urbana. Logo, a paridade material alcançada pelos rurais nos países europeus (WANDERLEY, 2000), ainda está longe de ser vivenciada pela população rural de São Paulo, em especial àquela residente na porção Oeste do Estado. As estimativas referentes à distribuição da população por sexo e idade também apresentam contrastes interessantes para as duas situações. Além da predominância masculina no rural da RA de Rio Preto (Gráfico 3), observa-se também um padrão bem mais jovem para a população classificada como rural na RMSP (Gráfico 2b) Sobre o envelhecimento e a masculinização da população rural brasileira, o artigo de Camarano e Abramovay (1997) tem muito a contribuir. Segundos os autores, tais características são resultados dos diferenciais por idade e sexo da emigração rural/urbana, fenômeno no qual a participação da população jovem-adulta e das 19

20 mulheres é predominante (CAMARANO e ABRAMOVAY, 1997, p.46). A referida pesquisa levanta a hipótese de que o predomínio das moças vincula-se à expansão do setor de serviços no meio urbano, tanto em empresas como nas residências, com destaque aos serviços domésticos. Os autores acreditam ainda que a maior escolaridade das mulheres pode favorecê-las nesse processo (CAMARANO e ABRAMOVAY, 1997, p.57). 80 e mais 70 a a a a a a a 14 0 a 4 Gráfico 1a Pirâmide etária da população urbana RA Rio Preto ,00 4,00 2,00 0,00 2,00 4,00 6,00 Percentual da população Homens Mulheres Fonte: IBGE. Censo Demográfico e mais 70 a a a a a a a 14 0 a 4 Gráfico 1b Pirâmide etária da população rural RA Rio Preto ,00 4,00 2,00 0,00 2,00 4,00 6,00 Percentual da população Homens Mulheres Fonte: IBGE. Censo Demográfico

21 80 e mais 70 a a a a a a a 14 0 a 4 Gráfico 2a Pirâmide etária da população urbana RMSP ,00 4,00 2,00 0,00 2,00 4,00 6,00 Percentual da população Homens Mulheres Fonte: IBGE. Censo Demográfico e mais 70 a a a a a a a 14 0 a 4 Gráfico 2b Pirâmide etária da população rural RMSP ,00 6,00 4,00 2,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 Percentual da população Homens Mulheres Fonte: IBGE. Censo Demográfico

22 160,0 140,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Gráfico 3 Razão de Sexo por idade e situação de domicílio RA Rio Preto e RMSP Fonte: IBGE. Censo Demográfico População urbana - RA Rio Preto População rural - RA Rio PReto População urbana - RMSP População rural - RMSP Fonte: IBGE. Censo Demográfico No tocante à escolaridade, diferenças também são evidentes: enquanto 12% da população rural de 15 anos ou mais da RA de São José do Rio Preto tem um ano ou menos de estudo, para a RMSP, esse percentual cai para 8,7% (Tabela 10). RA Rio Preto RMSP Anos de estudo Urbano Rural Urbano Rural Volume % Volume % Volume % Volume % Sem instruação ou menos de um ano , , , ,74 1 a , , , ,86 4 a , , , ,68 8 a , , , ,23 11 e mais , , , ,05 Não determinado , , , ,36 Alfabetização de adultos , , , ,08 Total , , , ,00 Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico Tabela 10 Populaçãode 15 anos ou mais segundo anos de estudo e situação de domicílio RA Rio Preto e RMSP

23 Como esperado, a proporção da população rural com mais de 10 anos cuja renda é de até um salário mínimo também é maior na RA de São José do Rio Preto(Tabela11). Tabela 11 População de 10 anos e mais por faixa salarial (em Salários Mínimos) e situação de domicílio RA Rio Preto e RMSP Faixa salarial 0 a 1 SM 1 a 2 SM 2 a 4 SM 4 a 7 SM 7 a 10 SM 10 SM e mais Total RA Rio Preto RMSP Urbano Rural Urbano Rural Volume % Volume % Volume % Volume % , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico A Tabela 12 indica, por sua vez, o que o presente trabalho considera uma das principais diferenças entre o rural das duas regiões: a importância dos setores ruralextensão urbana na RSMP. Tais áreas, embora dentro do perímetro classificado como rural pelo município, distam de, no máximo, 1 km dos setores considerados urbanos. A concentração da população rural no entorno imediato do perímetro urbano reforça a hipótese de problemas de classificação de domicílio. Contudo, o fato de 26% da população rural da metrópole paulista residir em setores rural-exclusive aglomerados alude à possibilidade da emergência de uma nova ruralidade nesse espaço, haja vista ser bastante improvável que o rural de uma região metropolitana como a de São Paulo seja ocupado por atividades tradicionais. 23

24 Rural Urbano Anais da SemanaCS. Volume 1, número 1, Campinas: IFCH/UNICAMP, 2012 Urbano urbanizado Urbano não urbanizado Urbano isolado Situação de Setor RA Rio Preto RMSP População % População % , , , , , ,80 Total , , , , , ,97 0 0,00 0 0, , , , ,87 Total , ,00 Rural - extensão urbana Rural - povoado Rural - núcleo Rural - outros aglomerado Rural - exclusive aglomerados Fonte: Fundação IBGE. Censo Demográfico Tabela 12 Distribuição da população segundo situação de setor RA Rio Preto e RMSP - Estado de São Paulo O exame da PEA rural empregada por setor de atividade corrobora essa hipótese. Para a RMSP, o setor terciário é responsável por quase 65% da PEA rural. Na situação oposta, o setor primário não responde por nem 6% da população emprega no rural metropolitano (Gráfico 4b). Embora esses dados refiram-se ao local de residência e não de trabalho, espera que alguma relação esses dois espaços tenham entre si a esse respeito. Gráfico 4a População urbana empregada segundo setor de atividade (em %) RMSP Fonte: IBGE. Censo Demográfico

25 Gráfico 4b População rural empregada segundo setor de atividade (em %) RMSP Fonte: IBGE. Censo Demográfico No tocante à situação da região de Rio Preto, verifica-se que, a despeito da importância dos setores secundário e terciário, o rural ainda responde por mais de 60% da população rural empregada (Gráfico 5b), sendo também responsável por quase 12% da PEA urbana (Gráfico 5a). Esse fato, aliado ao tamanho da maioria dos municípios da RA, reforça a hipótese de que a maior parte dos trabalhadores rurais dessa região não são considerados como pertencentes à população rural pelo IBGE. Gráfico 5a População urbana empregada segundo setor de atividade (em %) RA Rio Preto Fonte: IBGE. Censo Demográfico

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados pelo Fundopem no Período 1989/1998 Antônio Ernani Martins Lima Porto

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO:

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113.

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113. O RURAL E O URBANO 1 - AS DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO 1 Desde o final do século passado, a modernização, a industrialização e informatização, assim como a crescente urbanização, levaram vários pesquisadores

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 7 Novembro 2011 Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Esta edição do SP Demográfico, que complementa

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II A nova Pirâmide Etária do Brasil; Crescimento horizontal devido às migrações; É um tipo de gráfico que representa os dados sobre

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA Panorama dos Territórios UPP FORMIGA 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1.

Leia mais

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial.

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial. PROVA DE GEOGRAFIA QUESTÃO 09 Parcela considerável do desemprego que se verifica, atualmente, no mundo, está associada a mudanças estruturais na economia é o denominado desemprego estrutural. É CORRETO

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR INTERIOR DE SÃO PAULO Flavio Amary Vice-presidente do Interior do Secovi-SP e Diretor Regional em Sorocaba e Região PARTICIPAÇÃO % DO

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS 1- Introdução CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS As demandas por informações georreferenciadas são cada vez mais freqüentes nos projetos em desenvolvimento no IBGE. A Base Territorial como um projeto

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31 CORREÇÃO TAREFAS Aulas 1 4 Pág. 24-31 Paginas 24 e 25 1. a) População absoluta é a população total de um determinado local. b) População relativa é a densidade demográfica, ou seja, média de habitantes

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil

Exercícios Processo de Urbanização no Brasil Exercícios Processo de Urbanização no Brasil 1. Nota intitulada Urbano ou rural? foi destaque na coluna Radar, na revista Veja. Ela apresenta o caso extremo de União da Serra (RS), município de 1900 habitantes,

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

PDR - Critério de classificação de microrregiões

PDR - Critério de classificação de microrregiões PDR - Critério de classificação de microrregiões Na definição deste critério, procurou-se inspiração na metodologia desenvolvida por ocasião da elaboração da Política Nacional de Desenvolvimento Regional

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

QUADRO 1 - COMPOSIÇÃO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA COMPOSIÇÃO ORIGINAL (1) MUNICÍPIOS DESMEMBRADOS INCLUÍDOS POR LEGISLAÇÕES ESTADUAIS (2) Almirante Tamandaré Araucária Balsa Nova Bocaiúva do Sul

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO

OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO OS LIMITES DO DESENVOLVIMENTO LOCAL: ESTUDOS SOBRE PEQUENOS MUNICÍPIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO Tayla Nayara Barbosa 1 RESUMO: O presente estudo científico teve como objetivo estudar mais detalhadamente

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010)

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) Adriana Eliane Casagrande 1 Edson Belo Clemente de Souza 2 Eixo temático: POLITICAS DE ESTADO

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira 1. Veja, 28/6/2006 (com adaptações).27 Com base nessas informações, assinale a opção correta a respeito do pedágio nas cidades mencionadas. a) A preocupação comum entre os países

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Notas metodológicas. Objetivos

Notas metodológicas. Objetivos Notas metodológicas Objetivos Qual é a população de empresa em um determinado ano? Esta é aparentemente uma pergunta simples, entretanto, existem inúmeras questões envolvidas na definição, identificação

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1

Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1 As mulheres sempre participaram intensamente das atividades agropecuárias. Na estrutura

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais