Feed-in Tariffs: Experiência Internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Feed-in Tariffs: Experiência Internacional"

Transcrição

1 Feed-in Tariffs: Experiência Internacional Rodrigo Sousa Coordenação regulatória internacional Geração Distribuída e Tarifas Feed-In Universidade de Brasília 04/07/2013

2 Sistemas de apoio para a promoção das renováveis Controle de preços Leilões Controle de quantidades Feed-in-tariff preço fixo Mercado + prêmios Modalidades múltiplas Mercado certificados verdes (Renewable Obligation) Bonificação fiscal investimento/produção (Production Tax Credit Investment Tax Credit) Renewable Portfólio Standard (RPS) Outros elementos de apoio Vantagens fiscais específicas Tratamento dos desvios Acesso prioritário conexão redes / despacho 2

3 Principais Vantagens inconvenientes dos sistemas de apoio para a promoção das renováveis Em teoria. FiTs Instrumentação relativamente simples Certeza para o investidor Não efetivo no caso de níveis baixos; bolha, se elevados Leilões Certificados verdes Controle teórico preços e quantidades Instrumentação simples Sem garantia de implementação final dos investimentos Sistema baseado na lógica do mercado Instrumentação complexa Não há controle de preços! Na prática países desenvolveram FiTs Todos os sistemas implantados tiveram várias alterações Condicionantes políticas e econômicas (crise) externas interferiram na evolução regulatória dos sistemas de apoio para a promoção das renováveis 3

4 Sistemas de apoio para as energias renováveis na UE Promover as energias renováveis faz parte dos objetivos da UE O mecanismo FITs é o mais usado na UE A própria Comissão Europeia manifestou seu apoio de forma muito favorável a este mecanismo. 4

5 Espanha: evolução da potência instalada renovável MW Evolução histórica da potência instalada Divisão da potência por tecnologias Termosolar Solar FV Hidráulica RE Eólica Biomassa CCGT 25% Solar FV 3% Termosolar 1% Eólica 17% Carvão 20% Nuclear 8% Hidráulica RO 6% Hidráulica RE 1% Biomassa CHP 2% 14% Source: CNE and REE Source: REE. O sistema FiT explica o crescimento constante da potência renovável. 5

6 Evolução da legislação das energias renováveis na Espanha PFER* PER* PER* Lei 54/1997 RD 436/2004 RD 661/2007 RD 1578/2008 RD 6/2009 RD 1614/2010 RDL RD 1565/20101/2012 RDL 14/2013 RDL 2/2013 Determinação bases Sem retroatividade Controle Preço Controle quantidade Moratória renovável Nova remuneração renovável Fase I: Começo Fase II: Objetivos moderados (efetividade) Fase III: Objetivos ambiciosos (eficiência) Fase IV: Incerteza?? Objetivos renováveis que variam no tempo PFER 1999 (MW) PER Goal 2010 (MW) PER Goal 2020 (MW) Solar PV Solar CSP Eólica onshore 750 offshore Mini hidro Biomassa Biogás Outros Total Porém, ocorreram várias mudanças regulamentares de consideração. *PFER: Plano para a promoção de renováveis *PER: Plano Energias Renováveis 6

7 Desenvolvimento das energias renováveis na Espanha M O desenvolvimento das renováveis pode ser dividido em duas fases Evolução dos prêmios anuais na Espanha CSP SPV Biomass Wind FASE II: SPV+ CSP. Desenvolvimento solar descontrolado. Sem análise de custos Hydro SR FASE I: EÓLICA Moratória Renováveis Suspensão de todos os incentivos, Fonte:CNE Efetiva + Desenvolvimento eficiente Desenvolvimento solar descontrolado Primeira fase: baseada no desenvolvimento sustentável da energia eólica Segunda fase: caracterizada pela bolha solar 7

8 MW MW Erros regulamentares levaram a "bolhas"solares... Evolução da capacidade FV instalada (MW). FiT FV tipo II ( / MWh) 3000 RD 661/2007 expira /MWh (RD 661/2007) Objetivo /MWh MW instalados em 2010, dez vezes o objetivo criado em PER (400 MW) Bolha de FV representa um custo extra de 2.700M/ano em Tarifa de electricidade Source: CNE Retribution for the new power photovoltaic 3000 Evolução da capacidade solar CSP instalada (MW) origem da bolha pela CSP : a criação do registro pré-instalação em Target 2010 Registro préinstalação (RD 6/2009) Preço que se estabeleceu em 2007, mas o atual custo significativamente reduzido Falta de incentivos para reduzir custos ou investimentos em I + D + I Bolha de CSP representa um custo extra de M/ano em Tarifa de electricidade 8

9 Renováveis em Espanha: custo por tecnologia vs. produção Participação das diferentes tecnologias renováveis no total dos subsídios às renováveis e à energia % 12% 5% 6% 6% Solar FV Termosolar Hidráulica Biomassa 16% 3% 6% 70% Eólica 33% Custo Energia Fuente: estimaciones propias A diferença de custos entre as diferentes tecnologias é evidente 9

10 Perspectivas do custo de geração FV Fonte: Energy Technology Perspectives Agência Internacional da Energia Diferença de custo que corresponde à posição relativa de cada tecnologia na curva de aprendizagem e ao potencial de redução de cada uma delas. 10

11 Custo global das políticas de incentivo das renováveis E provoca uma situação de apoio desigual às renováveis à escala internacional. FONTE: Renewable Energy Support in Europe. Martin Crouch, On behalf of CEER Sustainable Development TF. 20th Florence Forum. 24 May 2011 National Regulatory Authorities (plus Danish Energy Agency) CEER: Council of European energy regulators 11

12 Mudanças no contexto regulatório em uma situação de crise e peso do custo das renováveis Moratória desenvolvimento Redução retributiva Em vários casos retroativas! A pressão dos custos provocou uma revisão generalizada das políticas. Fonte: Ecofys based on Ragwitz et al. (2012). RE-Shaping Ecofys et al. (2012). RE progress and biofuels sustainability. 12

13 Algumas conclusões sobre a experiência das FiTs O desenvolvimento das renováveis é determinante na luta contra a Mudança Climática e uma opção cada vez mais eficiente em termos de mercado para determinadas tecnologias. A aplicação de sistemas de apoio baseados nas FiT permitiu um rápido desenvolvimento de tecnologias em um grau de maturidade suficiente, permitindo uma integração eficiente na produção elétrica (eólica terrestre). Um apoio excessivo a tecnologias solares (primeiro FV, CSP depois) em fases prematuras da curva de aprendizagem propiciou o aparecimento de bolhas e aumentos do custo de fornecimento que em um contexto de crise na Europa derivou em revisões dos sistemas de apoio. Como exemplo de novo sistema FiT, as propostas britânicas do seu modelo em revisão abrangem objetivos orçamentários multianuais e procedimento de revisão dos níveis de apoio. Lições para o desenvolvimento de modelos de geração distribuída? 13

14 Dois elementos impulsores da geração distribuída Evolução tecnológica O foco está em algumas tecnologias Mais rápida que a evolução regulatória Evolução custos de fornecimento Custos fornecimento afetados pelo impacto das bolhas tecnológicas Impõem novos elementos a serem considerados nos modelos regulatórios Um desenvolvimento massivo da geração distribuída significa novos requisitos de investimento e uma mudança relevante de modelo 14

15 Custos acesso Autoconsumo eficiente quando o custo de produção é inferior aos custos que o sistema está poupando Custos Redes Transporte Distribuição Quais destes custos são poupados ao sistema elétrico como um todo no caso do autoconsumo? Poupa-se Não se poupa Custos política Prêmios para as renováveis e outros Custos Energia geração eletricidade Custos energia: Geração de eletricidade pelo sistema que se substitui por geração própria. Perdas, mas NÃO em todos os casos Custos do desenvolvimento de redes?? Custos variáveis Custos de redes: Seguem sendo necessárias porque o autoconsumidor segue precisando do fornecimento do sistema. Custos das políticas energéticas Custos fixos Custos do sistema elétrico Que novos custos devem ser enfrentados? Na Espanha > 50% dos custos do sistema são fixos, não imputáveis ao comportamento de cada cliente e, portanto, não suscetíveis de serem evitados pelo autoconsumo. 15

16 Conclusões Na prática o impacto de um sistema de apoio depende da gestão dele e da sua adaptação à tecnologia que se destina a promover: A FIT é uma ferramenta adequada para tecnologias maduras (vento) Tecnologias imaturas (solares) exigem combinando uma adaptação progressiva do ajuste com o gerenciamento de cotas O desenvolvimento da geração distribuída deve ser feito com ordem e eficiência. O financiamento de políticas de apoio não devem produzir distorções indesejadas. 16

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Impacto da Integração das Fontes Renováveis Alternativas de Energia no Sistema

Impacto da Integração das Fontes Renováveis Alternativas de Energia no Sistema Impacto da Integração das Fontes Renováveis Alternativas de Energia no Sistema O SIN do Futuro Rio+20 Dalton O. C. Brasil Rio, 21/06/2012 Conteúdo Introdução Fontes de Energia Renovável Perspectiva de

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Segundo Fórum Canal Energia/COGEN - Julho de 2013 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar Fonte: The German

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais Energia Offshore Jorge Cruz Morais factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução do consumo mundial de energia primária, 1970-2009 Mtep 11.164

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte Palestrante: Profa Dra Eliane Amaral Fadigas Instituição: USP - Universidade de São Paulo Escola Politécnica

Leia mais

Modelos de negócios para a energia fotovoltaica na Europa

Modelos de negócios para a energia fotovoltaica na Europa Modelos de negócios para a energia fotovoltaica na Europa Natascha Trennepohl, Gerente de Projetos, eclareon GmbH Representante da Associação de Indústrias Fotovoltaicas da Alemanha (BSW) Seminário Energia+Limpa,

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente

Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente Energia Elétrica: A importância de um operador de mercado eficiente Simpósio Brasileiro para Gestão de Estratégias de Comercialização de Energia e Eficiência Energética PUC-RJ Alexandre Viana Gerência

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2010. Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Apresentamos nossas considerações acerca dos questionamentos apresentados na Nota Técnica nº043/2010-srd/aneel,

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

A Fonte Eólica foi a que mais cresceu no mundo nas últimas décadas, segundo a International Energy Agency (1971-2003)

A Fonte Eólica foi a que mais cresceu no mundo nas últimas décadas, segundo a International Energy Agency (1971-2003) Energia Eólica Offshore Carlos Leandro da Silva Júnior M.Sc. Oceanógrafo Diretor da AMBIPETRO FÓRUM NACIONAL EÓLICO Natal - Junho/2009 Contexto Mundial da Energia Eólica A Fonte Eólica foi a que mais cresceu

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 14 de Maio de 2009 Politica Nacional sobre Mudança do Clima Plano Nacional Mudança do Clima Fundo de Mudança Climática (funded by a share of oil royalties)? Fundo

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Recomendações de políticas Portugal RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICAS 2013 - PORTUGAL

Recomendações de políticas Portugal RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICAS 2013 - PORTUGAL 2013 Recomendações de políticas Portugal 1 KEEP ON TRACK! O progresso no sentido de atingir os objectivos para 2020 deve ser cuidadosamente monitorizado para garantir que o real desenvolvimento acompanha

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

Energia Solar. Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015

Energia Solar. Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015 Energia Solar Márcio Trannin Brasília, 28 de maio de 2015 A Apine Perfil dos sócios geradores privados e concessionárias de geração PCHs e UHEs de médio e grande porte UTEs a biomassa, gás, carvão mineral

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

AGRENER GD 2008 FORTALEZA (CE) 25/09/08

AGRENER GD 2008 FORTALEZA (CE) 25/09/08 AGRENER GD 2008 FORTALEZA (CE) 25/09/08 SISTEMAS FOTOVOLTAICOS CONECTADOS À REDE ELÉTRICA (SFCR) COMO GERADORES DISTRIBUÍDOS: A SITUAÇÃO RECENTE NO PVPS-IEA E NO CENÁRIO BRASILEIRO Renato Brito Quaglia

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Seminário de Micro e Minigeração Distribuída ANEEL - Abril de 2014 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar

Leia mais

Plano Decenal de Expansão de Energia 2019 Impacto no Desenvolvimento do Nordeste. Energia Solar. Gilberto Schaefer Recife, 19 de novembro de 2010

Plano Decenal de Expansão de Energia 2019 Impacto no Desenvolvimento do Nordeste. Energia Solar. Gilberto Schaefer Recife, 19 de novembro de 2010 Plano Decenal de Expansão de Energia 2019 Impacto no Desenvolvimento do Nordeste Energia Solar Gilberto Schaefer Recife, 19 de novembro de 2010 Page 1 Page 2 Radiação A Energia para a Geração Solar Page

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Energia Eólica. Desarrollo de servicios e industria nacionales en el nuevo mercado de generación eólica: El caso de Brasil

Energia Eólica. Desarrollo de servicios e industria nacionales en el nuevo mercado de generación eólica: El caso de Brasil Energia Eólica Desarrollo de servicios e industria nacionales en el nuevo mercado de generación eólica: El caso de Brasil Afonso Carlos B. Aguilar Vice Presidente da ABEEólica Montevideo, 21 de março de

Leia mais

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen Análise de projetos utilizando o software RETScreen Apresentação Grupo SAGE Serviço de Apoio à Gestão Empresarial Fundação: Maio de 1997 Sede: Rio de Janeiro Filiais: Brasília e Quito/Equador Mercado:

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

Inserção de novas fontes renováveis no Planejamento Energético Nacional 2º. Seminário - COPPE. Mecanismos de Promoção de Fontes Renováveis

Inserção de novas fontes renováveis no Planejamento Energético Nacional 2º. Seminário - COPPE. Mecanismos de Promoção de Fontes Renováveis Inserção de novas fontes renováveis no Planejamento Energético Nacional 2º. Seminário - COPPE Mecanismos de Promoção de Fontes Renováveis Osvaldo Soliano Pereira, Ph.D. Rio de Janeiro Abril, 2014 Conteúdo

Leia mais

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net WEG Depto Negócios em Energia Solar Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net Autoprodução Solar: Vale a pena? Visão mundial Visão Brasil Evolução Mercado Energia Solar Europa Potencial

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

Importância do. e a Importância do Planejamento

Importância do. e a Importância do Planejamento Importância do Planejamento. Mercado de Energia Elétrica: a Crise e a Importância do Planejamento SINERCONSULT Fernando Amaral de Almeida Prado Jr. Sinerconsult Consultoria Treinamento e Participações

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

Sessão de Discussão Pública Compromisso para o Crescimento Verde

Sessão de Discussão Pública Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de Discussão Pública Compromisso para o Crescimento Verde Fundação de Serralves, Porto, 2 de Dezembro de 2014 Cláudio Monteiro (FEUP) cdm@fe.up.pt Objetivos Com a capacidade instalada renovável

Leia mais

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só

Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Autoconsumo, na perspetiva de consumidores industriais, e não só Cláudio Monteiro (FEUP / SYSTEC) cdm@fe.up.pt Índice Complemento sobre enquadramento do novo regime de produção distribuída (autoconsumo).

Leia mais

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014 DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES Abril/2014 Dificuldades no Processo de Implantação dos Empreendimentos de Transmissão

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica Geração Distribuída Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo 8º Smart Grid Fórum São Paulo (SP) 17/11/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Focos Principais Representar e promover o setor

Leia mais

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Jurandir Picanço

MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Jurandir Picanço MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Jurandir Picanço Novembro/2015 Cenários de Longo Prazo União Européia 2050 100% Renovável para eletricidade Consumo em TWh Fonte: WEC Word Energy Council

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis

Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis Histórico de apoio do BNDES ao setor de infraestrutura Evolução dos Desembolsos BNDES (R$ bilhões) 92,2 137,4 168,4 139,7 155,9 190,4 7% 8% 10% 12% 12% 13%

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

Evolución de la reglamentación y del mercado de los sistemas fotovoltaicos conectados a la red en Alemania

Evolución de la reglamentación y del mercado de los sistemas fotovoltaicos conectados a la red en Alemania Evolución de la reglamentación y del mercado de los sistemas fotovoltaicos conectados a la red en Alemania Trajano Viana Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Florianópolis, Brasil Taller Internacional

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015.

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015. Geração de Energia Elétrica por Meio de Fonte Eólica: Simulação do desempenho de dois aerogeradores de pequeno porte com perfis aerodinâmicos diferentes Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil São

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Seminário Anual WavEC Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Direção-Geral de Energia e Geologia Pedro Cabral Potencial renovável marinho

Leia mais

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda

Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português Coimbra, 3 de Julho 2008 Energia e Ambiente: duas faces da mesma moeda Guilherme Machado Conteúdo 1. Energia e Ambiente: Duas faces da mesma

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS Wilson Pereira BARBOSA Filho 1 (wilson.filho@meioambiente.mg.gov.br) Abílio César Soares de AZEVEDO 2 1 Mestre em Gestão Ambiental. Fundação Estadual do meio

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

PV Net Metering project and Self Consumption Framework

PV Net Metering project and Self Consumption Framework PV Net Metering project and Self Consumption Framework 24 março UALg 2014 RELATÓRIO e CONTAS QUEM SOMOS»»» A AREAL é uma associação sem fins lucrativos composta por diversas entidades locais e nacionais;

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN termosolar fotovoltaica SOL Maior fonte de energia da Terra A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN 17/09/2014 Relatório GT COGEN SOLAR

Leia mais

SOLAR FOTOVOLTAICA FUNCIONAMENTO E SOLUÇÕES PARA A CADEIA DO FRIO. Niels Kleer, Diretor Comercial da EBES

SOLAR FOTOVOLTAICA FUNCIONAMENTO E SOLUÇÕES PARA A CADEIA DO FRIO. Niels Kleer, Diretor Comercial da EBES SOLAR FOTOVOLTAICA FUNCIONAMENTO E SOLUÇÕES PARA A CADEIA DO FRIO Niels Kleer, Diretor Comercial da EBES BEM VINDO!! QUEM JÁ TEM UM GERADOR SOLAR FOTOVOLTAICO NA SUA CASA OU EMPRESA? GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

V Conferência Anual da RELOP

V Conferência Anual da RELOP V Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis em Portugal António Sá da Costa 1 Junho 2012 Distribuição do Consumo e da Produção de Electricidade entre as várias fontes existentes Valores para Portugal

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

TERRA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ 13.320.290/0001-00

TERRA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ 13.320.290/0001-00 TERRA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ 13.320.290/0001-00 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR 1º SEMESTRE/2015 1 SUMÁRIO I. DESCRIÇÃO DOS NEGÓCIOS REALIZADOS NO SEMESTRE... 3 II. PROGRAMA DE INVESTIMENTOS

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO

O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO O PLANEJAMENTO NO SETOR ELÉTRICO Mario Veiga mario@psr-inc.com Seminário FBDS - Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Rio, 01 de Abril de 2005 1 Temário Visão geral do sistema elétrico Perspectivas

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE BIOGÁS DE ATERROS SANITÁRIOS LMOP Treinamento de Operação de Aterros Ribeirao Preto, 17 de Setembro de 2010 Custos de Projeto que podem se beneficiar

Leia mais

Seminário ABRAEX/UDF 2015. Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro

Seminário ABRAEX/UDF 2015. Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro Seminário ABRAEX/UDF 2015 Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro Apoio Evento oficial dos 120 Anos de Amizade Japão-Brasil Seminário ABRAEX/UDF

Leia mais

Geração Distribuída e Tarifas Feed-In

Geração Distribuída e Tarifas Feed-In Geração Distribuída e Tarifas Feed-In Osvaldo Soliano Pereira, Ph.D. Brasília Julho, 2013 Fontes Renováveis e GD Por que? Status Incentivos às Renováveis Net metering FiT Geração Distribuída GD Micro e

Leia mais

Ahistória dos países considerados desenvolvidos floresceu a partir de um

Ahistória dos países considerados desenvolvidos floresceu a partir de um KA Cad 2012.1 06.07.12 12:44 Page 71 Energias renováveis redução de emissões e economia global 71 M ARIO M ONZONI Ahistória dos países considerados desenvolvidos floresceu a partir de um modelo em que

Leia mais

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Comemoração do Dia nacional da Água 1 de outubro de 2014 2 A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL PROGRAMA 10:30 10:50 Sessão

Leia mais

Maria da Graça a de Carvalho. Repensar a Energia. XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias Universidade Lusíada

Maria da Graça a de Carvalho. Repensar a Energia. XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias Universidade Lusíada A Investigação Científica e Tecnológica na Área da Energia Maria da Graça a de Carvalho Repensar a Energia Políticas e Inovação Tecnológica XI Jornadas de Engenharia Faculdade de Engenharia e Tecnologias

Leia mais