PALAVRAS-CHAVE: Movimentos Sociais Urbanos, Democracia, Produção Social do Habitat.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALAVRAS-CHAVE: Movimentos Sociais Urbanos, Democracia, Produção Social do Habitat."

Transcrição

1 A INSERÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA QUESTÃO URBANA: A PRODUÇÃO SOCIAL DO HABITAT Anna Karina Borges de Alencar 1 Este artigo busca refletir sobre a inserção dos movimentos sociais na construção da política nacional de desenvolvimento urbano, com foco na política nacional de habitação. Buscaremos identificar o alcance dos movimentos urbanos de luta por moradia apontando alguns progressos e entraves através dos espaços institucionais de participação e sua difusão na gestão das políticas de habitação. Nossa análise se dará em torno de três elementos referenciais: o processo brasileiro de avanço da democratização e participação social tendo os movimentos sociais urbanos como sujeitos coletivos desse processo; a influência dos movimentos de luta por moradia como sujeitos políticos na interlocução com o Estado e a sociedade em geral e do Fórum Nacional de Reforma Urbana - FNRU nas políticas urbanas. E por fim, sobre as mudanças ocorridas recentemente nas políticas de habitação e de desenvolvimento urbano ao longo desta década ( ) que demonstram o ensejo de enfrentar o quadro de desigualdades sócio-territoriais como a criação do Estatuto da Cidade (2001) o Conselho das Cidades(2003) e de programas voltados para a habitação de interesse social. PALAVRAS-CHAVE: Movimentos Sociais Urbanos, Democracia, Produção Social do Habitat. Partimos da questão habitacional como aspecto central no processo histórico de exclusão territorial urbana. Nesse âmbito percebemos um discurso disseminado de que os problemas urbanos são resultados da falta de planejamento, no entanto, concordamos com alguns autores como Maricato (2000), de que não se trata da falta de planejamento, mas sim 1 UFPE MDU Observatório de Pernambuco de Políticas Públicas. 1

2 da presença de um planejamento excludente praticado durante décadas, desarticulado da realidade da maioria da população que vive nas grandes cidades. Perante a imensa desigualdade de renda e desta política hegemônica que permite a especulação sobre a terra urbana, a população de baixa renda tem tomado como principal solução de moradia as favelas, através de produção informal de suas habitações em assentamentos irregulares. Diante deste planejamento excludente, os movimentos sociais urbanos têm lutado pela reversão deste quadro de desigualdade e exclusão social, tentando se inserir nas gestões das políticas públicas com o anseio de que este planejamento contemple a realidade da população de baixa renda historicamente excluída. A luta pelo direito à moradia tem buscado ir além da produção de habitações populares, busca-se pelo direito à cidade, que implica na articulação do acesso à casa, a distribuição justa do acesso à terra, ao saneamento ambiental, ao transporte, à mobilidade e mais recentemente, a fundos permanentes para habitação como já foi conquistado para saúde e educação. Podemos afirmar que no Brasil, os movimentos sociais urbanos têm protagonizado uma resistência às políticas centralizadoras, autoritárias, clientelistas e ultimamente neoliberais. Desde as ocupações de terras na década de 1980 os movimentos de luta por moradia perceberam a necessidade de ter uma intervenção organizada com propostas e agenda de luta que avançassem na organização superando o caráter reinvidicatório. Com a elaboração da nova Constituição de 1988 configurou-se o início de um processo de descentralização e impulso à participação social na gestão das políticas públicas. Vale ressaltar, que desde o início do governo Lula (2003), houve uma intensificação desse processo com a criação do Mistério das Cidades e do Conselho das Cidades, proporcionando a participação dos movimentos nos conselhos e conferências apoiados pelo Fórum Nacional de Reforma Urbana - FNRU no debate sobre as políticas urbanas. Além desta participação, os movimentos de luta por moradia na busca de alternativas para o acesso à moradia digna, tem adotado novas formas de produção, que tem sido chamada de Produção Social da Moradia ou do Habitat, com a principal característica de que se realiza a partir do protagonismo da própria população, para a produção de sua moradia e do espaço 2

3 urbano. A população de forma organizada assume a gestão do processo de produção do seu habitat contando com o apoio das três esferas de governo, de outras instituições e do mercado imobiliário. Este artigo tem o objetivo de fazer uma análise da incidência dos movimentos de moradia através do FNRU no desenho e implementação da política de habitação, no intuito de considerar em que medida os espaços de participação vêm incorporando as propostas dos movimentos de moradia e a nova Política Nacional de Habitação PNH incorpora a participação da sociedade civil através da Produção Social do Habitat. MOVIMENTOS SOCIAIS URBANOS: SUJEITOS DO PROCESSO DE DEMOCRACIA O processo histórico de democratização do Brasil é acompanhado pelos movimentos sociais, que a partir da organização de setores socialmente excluídos do crescimento e da vida econômica, entram na cena pública reivindicando direitos sociais e melhores condições de vida. Os movimentos sociais urbanos de luta por moradia são entendidos aqui como ações coletivas organizadas pela população pobre na busca pelo direito à cidade, através do acesso ao solo urbano, à moradia e aos serviços e equipamentos coletivos. A luta pelo direito à cidade tem como marco de referência o início dos anos 1960, nesse período, surgiram no Brasil vários movimentos sociais em favor das chamadas reforma de base : Estes movimentos provocaram uma forte pressão social, que foi interrompida pelo golpe de A ação repressiva do governo provocou o corte dos direitos individuais e coletivos, criando um vazio político de mecanismos de representação na sociedade. Diante deste ambiente repressivo provocado pelo golpe militar, deu-se início o trabalho das igrejas, das Comunidades Eclesiais de Base - CEBs - e de outros agentes pastorais. Este trabalho serviu como alternativa para criação de espaço de participação popular com o objetivo de discutir os problemas dos bairros e das condições de trabalho da população. 3

4 A rearticulação da sociedade civil só aconteceu em maiores proporções na segunda metade da década de 1970, vinculada a descentralização e o redirecionamento parcial das políticas de desenvolvimento urbano e habitacional, com a criação de programas alternativos, caracterizados por intervenções de urbanização e legalização de posse nos assentamentos precários das comunidades de baixa renda. Esta rearticulação da sociedade civil ganha impulso nos anos 1980 em meio a uma conjuntura econômica recessiva que apresentava a redução das taxas de crescimento da economia, inflação acelerada e alto índice de desemprego. O processo de distensão política passa a ser chamado de "abertura política". A partir disto, crescem as lutas por anistia política e democratização, além das diversas lutas sindicais e urbanas por melhores condições de vida. São dessa época os movimentos de ocupação de terras. A demanda por terra e por moradia, nas últimas três décadas, fizeram surgir além de favelas, dos cortiços e dos assentamentos irregulares os movimentos populares que se organizaram na luta pelo direito à cidade. A estratégia popular de obtenção da casa através da autoconstrução nos assentamentos irregulares ou com iniciativas individuais estava cada vez mais difícil com o aumento do custo da terra e dos materiais. Com a legislação cada vez mais rigorosa contra os loteamentos irregulares, o inchaço das favelas com áreas livres escassas e com a tendência de estarem cada vez mais distantes do centro das cidades levaram a população pobre a se organizar coletivamente para realizar as ocupações de terra, que trazia embutida a luta pelo acesso à cidade. Assim, a forma que os movimentos encontraram para incidir sobre a questão habitacional passava primeiramente pela questão da distribuição de terra urbana, que denota o processo de exclusão social, pois como aponta Maricato (2010, p13), a desigualdade no Brasil passa essencialmente pela questão fundiária. A luta pelo acesso à moradia envolveu um grande número de famílias em várias metrópoles brasileiras, que adotaram práticas de infração à regulação do mercado, através das invasões de terras urbanas. Cabe ressaltar a importância do trabalho de aglutinação, organização e conscientização das famílias que participavam das ocupações. Podemos analisar de forma geral, que as ocupações organizadas obtiveram um resultado mais efetivo 4

5 em relação às ocupações espontâneas, pois através de ações individuais as ocupações não ganhavam tamanha proporção em relação as organizadas. A atuação destas ocupações organizadas passa a ser estratégia central da demanda dos movimentos de moradia e repercute como pauta das políticas de habitação popular nos anos de Destacamos também outras conseqüências desta atuação dos movimentos de luta por moradia como a criação de instituições assessoras e em políticas de reforma agrária. A conjuntura política a partir de 1982 foi marcada por intensas lutas democráticas. Uma das maiores mobilizações da história do país foi a campanha pelas Diretas Já, para presidente, em Foi a partir dela que se estabeleceu um calendário de lutas políticas que culminou com a Constituinte e as eleições presidenciais. Em meio a forte crise financeira que o país passava, que gerou uma imensa massa de desempregados excluídos dos direitos sociais, o Sistema Financeiro de Habitação que atuava através do Banco Nacional de Habitação estava sendo extinto e com isto se criava um vazio nas políticas habitacionais. No intento de uma reestruturação do governo federal, o mesmo passa por um processo de descentralização da política, quando repassa para municípios e estados a condução das políticas habitacionais. Este processo de descentralização brasileira trouxe à tona ações coletivas da sociedade civil relacionadas com o Estado. Direitos sociais, cidadania, participação e parceria passam a ser reivindicados por diversos setores sociais e também incorporados pelo Estado. Podemos citar como exemplo de um processo de redemocratização a institucionalização das ZEIS no Recife e AEIS em Belo Horizonte, em 1983, com a reestruturação dos modelos de gestão pública em áreas de interesse social. A concepção por lei de um instrumento normativo e da gestão democrática das ZEIS originou o PREZEIS que foi resultado de um projeto de entidades e organizações da sociedade civil com o apoio do Estado. Estes mecanismos anteciparam os instrumentos que foram posteriormente aprovados na Constituição Federal de A promulgação da Constituição de 1988 representou a aprovação dos direitos civis e de um novo momento no processo democrático. Para as esferas populares viabilizou-se a participação e o acesso à gestão das políticas públicas com aprovação da criação de conselhos em várias áreas da política social. No entanto, a descentralização das políticas sociais 5

6 efetivamente avançou apenas em algumas áreas saúde, educação, assistência social (ARRECTHE, 2000 apud Santos Junior, 2009) enquanto que a promoção de saneamento ambiental e habitação permaneciam centralizados pelo Estado. Esta breve retrospectiva sobre a democratização acompanhada pelos movimentos sociais urbanos tem o objetivo de recuperar os períodos atravessados e demonstrar a importância do papel dos movimentos na busca da democracia que em diversos momentos mudaram as estratégias de lutas. Identificamos a atuação dos movimentos na década de 70 como de resistência e enfrentamento ao regime militar. Já nos anos 80, percebemos que a visão e a própria relação com o Estado começaram a mudar, com as lutas pela democratização tornaram-se comum a agregação de movimentos sociais ou de lideranças, avançando para o estabelecimento de mecanismos de participação e de negociação com o Estado. Segundo Gohn (1995), os anos 80 foi a era da participação, ponto de pauta da agenda política dos movimentos sociais e também das classes dominantes, seja pela crise de governabilidade do Estado provocada pela ditadura, seja pela pressão dos movimentos sociais. A partir da década de 1990, o papel do Estado foi se transformando pela pressão da economia internacional com a globalização. A visão neoliberal vigente que acompanhou este processo provocou a redução do Estado, a privatizações de várias empresas e serviços públicos e a abertura da economia brasileira ao capital internacional. Neste momento foram criados pelo governo alguns programas habitacionais destinas à população de baixa renda que contavam com recursos internacionais, por falta de recursos internos, mas estes programas obtiveram impactos discretos. Perante o cenário de globalização os movimentos sociais precisaram mudar de estratégia novamente, Segundo Gohn (1995) a agenda política das elites dominantes se modifica em função de problemas internos e das alterações que a globalização e as novas políticas internacionais passam a impor ao mundo capitalista. Os canais de participação se transformaram em estratégia do governo, como forma de assimilar as demandas dos movimentos como ocorreu nos orçamentos participativos. Mesmo diante das várias transformações que os movimentos tiveram que passar, destacamos mais uma vez Gonh (2003, p14), que reafirma a análise de Touraine de que os 6

7 movimentos são o coração, o pulsar da sociedade. Desta forma, queremos enfatizar aqui que a participação popular, enquanto reconstrução de espaços de organização é componente imprescindível para a construção e concretização da democracia, na qual os movimentos sociais se destacam como sujeitos políticos na interlocução com o Estado, objetivando a implementação de políticas públicas, mesmo que tenham que passar por diversas mudanças nas relações que estabelecem entre indivíduos, na sociedade em geral e com o Estado. PRODUÇÃO SOCIAL DO HABITAT, PARTICIPAÇÃO POPULAR E AUTOGESTÃO: BASE A CONSTRUÇÃO DE UMA POLÍTICA HABITACIONAL DE INTERESSE SOCIAL A Produção Social do Habitat - PSH é aqui entendida como processos de autogestão incitados e conduzidos por grupos sociais, que de forma organizada, gerem experiências inovadoras para atender suas necessidades de moradia e de direito à cidade. Esta gestão implica em manejar de forma integrada os processos políticos, construtivos, culturais e de convivência entre o grupo e com outros importantes atores externos. Para compreendermos como funciona a PSH se faz necessário que entendamos o significado de três conceitos: a participação, a autogestão e a ajuda mútua. Segundo De La Mora (2007) a participação é entendida como processo através da qual as pessoas identificam problemas, propõem e negociam soluções, no entendimento que cada problema pode ser resolvido de diversas maneiras, e que cada alternativa poderá atender melhor ou pior os interesses dos diversos participantes. Os processos de participação podem ser consultivos e deliberativos. Segundo Bonduki (1992), autogestão implica na criação de uma alternativa de gestão e organização popular, sendo as decisões tomadas autonomamente pela associação que congrega os participantes, a qual gerencia todo o processo de construção. A autogestão tem sido uma bandeira de luta, na qual os movimentos reivindicam a condução e a gestão dos processos habitacionais pelas próprias comunidades. É um processo politizador que além de construir a casa, constrói o cidadão que nela vai morar e fortalece os laços comunitários para novas lutas. 7

8 O conceito de ajuda mútua, mais conhecido como mutirão, é quando um grupo se junta de forma organizada para construir um determinado equipamento social ou casas. A construção de moradia em regime de mutirão foi uma importante experiência iniciada em São Paulo no inicio dos anos 1980 e a partir de 1990 esta experiência ganha não só grande visibilidade, como também se tornou um dos principais instrumento dos movimentos populares para conquista da Moradia digna. Inicialmente, como foi descrito acima, as lutas dos movimentos eram por terra, casa e lotes urbanizados. No Brasil, uma referencia importante do avanço na relação política entre governo local e movimentos sociais, foi em São Paulo, no governo de Luiza Erundina ( ) do PT, onde a administração municipal apoiou os movimentos de moradia incorporando as propostas de mutirão e autogestão como um conteúdo inovador de política habitacional. O grande destaque desta experiência foram os mutirões com autogestão, desenvolvidos através do programa conhecido como FUNAPS 2. Estas experiências precursoras dos movimentos de luta por moradia de São Paulo tiveram como modelo o cooperativismo uruguaio, importante referencia de cooperativismo habitacional, cuja forma de construção por ajuda mútua e autogestão passou a ser alternativa para os setores da população organizados em sindicatos de trabalhadores. Esta experiência de São Paulo foi tão importante no fortalecimento da luta dos movimentos de moradia, que incitou os mesmos para a elaboração do projeto de lei do Fundo Nacional de Habitação Popular, com mais de um milhão de assinaturas. Estes três conceitos (participação, autogestão e ajuda mútua) e a influência da experiência uruguaia influenciaram os técnicos no apoio dos movimentos para o desenvolvimento de metodologias para construção e organização comunitária. Assim, os movimentos de moradia organizados em entidades, vêm estabelecendo relações de interlocução e convivência com outros movimentos sociais, igreja e partidos políticos, ONGs e assessorias técnicas e finalmente com o Estado, em todo Brasil, compartilhando processos participativos com o objetivo de consolidar a produção social do habitat. 2 Fundo de Atendimento à População Moradora em Habitação Subnormal ou FUNACOM que viabilizou o estabelecimento de convênios com grupos organizados de famílias em associações de moradores de construção por mutirão e autogestão. 8

9 Vale destacar a participação dos movimentos de moradia na Secretaria Latino Americana de Vivienda Popular SELVIP, entidade articuladora dos movimentos de moradia da América Latina, criada em 1991, que defende a autogestão como uma alternativa de política habitacional. Esta articulação se faz importante porque possibilita a construção de uma rede de movimentos de moradia que intercambiam experiências e conhecimentos. A INCIDÊNCIA DO FNRU Com o debate da questão urbana inserido na pauta dos movimentos sociais em meados da década de 1980, diversos movimentos uniram-se com a expectativa de influenciar o processo de elaboração da nova Constituição Federal (1988) trazendo o princípio da função social da propriedade e o instrumento do usucapião urbano para fins de moradia. De acordo com Rolnik (1995), as resistências enfrentadas no Congresso Nacional para aprovação da Constituição foram diversas, como resultado da luta dos movimentos terminou que na Carta Constitucional foram incorporadas algumas demandas populares ao sistema urbanístico, reforçando o papel do Estado e de suas diferentes instâncias, na condução da política urbana. Nesse sentido, no capítulo Da Política Urbana, da Constituição Brasileira, apenas dois artigos foram incluídos, (182 e 183) e mesmo assim, ainda dependiam de regulamentação legislativa. Apenas em 2000, a emenda constitucional foi aprovada, incluindo a moradia como um direito social fundamental (sendo equiparada à saúde e educação). Importante destacar o papel exercido pelos movimentos sociais no processo de construção da política nacional de desenvolvimento urbano, e o FNRU como principal expressão dos movimentos sociais em torno da mobilização para implementar leis, programas e projetos que promovam a reforma urbana, a gestão democrática e a promoção do direito à cidade. Com atuação nacional, estas entidades vêm construindo alternativas e lutando pela participação em diversos níveis de atuação. Assim, desde 1988, pouco a pouco os movimentos sociais urbanos e o FNRU, envolvem-se nos processos de proposição de alternativas de políticas públicas e de legislação que contemplem os interesses populares. De forma a cada vez mais conquistar espaços e instrumentos de participação institucional, adquirindo o reconhecimento como sujeito político que intervém e negociam com outras forças sociais. 9

10 A LUTA PELA CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA POLÍTICA DE HABITAÇÃO POPULAR Com base nas experiências de mutirão que estavam em curso em São Paulo, no período de , o programa FUNAPS, contando com as influências do sistema uruguaio e com a necessidade de ampliar o programa de habitação por autogestão, os movimentos de moradia assumiram uma nova postura com o governo. A cada reivindicação começavam a propor diretrizes, programas e projetos alternativos implementados pelos órgãos governamentais. Como conseqüência desta nova postura, os movimentos formularam o Projeto de Lei de Iniciativa Popular do Fundo Nacional de Moradia Popular. Destacamos aqui, esta iniciativa como uma das principais experiências geridas pelos movimentos de moradia, como uma alternativa à política oficial. Desde a promulgação da Constituição, a iniciativa popular virou um instrumento que viabilizou a participação direta da sociedade, no sentido de apresentação de propostas de interesse da população, aperfeiçoando os mecanismos de representação política. Ao apresentar o primeiro Projeto de Lei de Iniciativa Popular, o conjunto dos movimentos de moradia com o FNRU fez emergir o tema da habitação popular como uma questão nacional, que atinge a grande maioria dos moradores das cidades. A proposta tinha em vista a criação de um Fundo com recursos onerosos e subsidiados, que apontava o atendimento à população de baixa renda e seria gerido por um Conselho com participação popular. O projeto foi apoiado por inúmeras lideranças políticas, porém este projeto teve uma forte reação da equipe econômica do governo e só foi aprovada 14 anos depois. Durante todo esse período, os movimentos acompanharam sua tramitação e pressionaram a Câmara por sua aprovação. A partir de 2003 com o início da gestão de Lula, retomaram-se as negociações com o Governo e com o Congresso Nacional, a qual ainda encontravam obstáculos para a sua aprovação do projeto de lei e só então em 2005, com a Lei / 05 foi sancionado o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social, que tem por objetivo implementar políticas e programas que promovam o acesso à moradia digna para a população de baixa renda. Através deste Sistema foi instituído o Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social 10

11 e só então instalado em julho de Entretanto as associações e cooperativas só puderam se submeter a avaliação para acessar este fundo a partir da aprovação da Lei /07 em Podemos afirmar que desde o início do governo Lula (2003), este novo modelo de gestão participativa ganhou corpo, baseado na mobilização de conferências e na institucionalização de conselhos de políticas setoriais. A criação do Ministério das Cidades, em 2003, fruto de reivindicação histórica dos movimentos sociais, veio em direção da superação da lacuna de articulação governamental e para superar a fragmentação das políticas de desenvolvimento urbano. Apesar de ainda atuar de maneira bastante setorial, há iniciativas de construção de políticas de maneira mais integrada. O Ministério das Cidades, na área de habitação, atuou em dois eixos principais, um em curto prazo, revendo os programas existentes e ampliando os recursos investidos e em longo prazo está modificando a regulamentação do setor. Outras iniciativas que apontam para o caminho de uma política mais integrada são as Conferências das Cidades, em 2003, 2005, 2007 e a ultima agora em junho de A 1ª Conferência Nacional das Cidades, realizado em 2003, num amplo processo de mobilização social, consolidou as bases da atuação do governo e propôs a criação e composição do Conselho Nacional de Habitação, instalado em 2004 e ainda da Campanha Nacional do Plano Diretor Participativo. Com isto, deu-se início ao processo de construção da política nacional de desenvolvimento urbano com a adoção de estruturas participativas de acordo com os princípios defendidos pelos movimentos sociais urbanos em torno do FNRU. Na segunda edição, a Conferência Nacional das Cidades centrou-se em aspetos da política de desenvolvimento urbano, como financiamento, questão federativa, desenvolvimento regional e controle social. A terceira edição por sua vez, tratou da intervenção urbana contando com a integração de políticas, o controle social, os recursos e o Sistema Nacional de Desenvolvimento Urbano (SNDU), inserindo em seus debates a prevenção e mediação de conflitos urbanos. Por último, a quarta edição, que aconteceu agora em junho de 2010, tratou sobre os Avanços, Dificuldades e Desafios na Implementação da Política de Desenvolvimento Urbano. O Conselho das Cidades é a primeira grande experiência de participação institucional em nível nacional na área do desenvolvimento urbano. Um conselho com uma composição 11

12 inovadora com maioria dos participantes da sociedade civil, onde cerca de 42% de seus membros são do poder público federal, estadual e municipal e os outros 57% de diversos segmentos da sociedade civil. Destes, o segmento com maior representação é o movimento popular. Participam ainda, empresários e trabalhadores da área, ongs e entidades acadêmicas e profissionais. Pouco a pouco, com o apoio e luta dos movimentos de reforma urbana representados no ConCidades, foram se incorporando novos elementos para a implantação da PNH 3. Resultado das pressões dos movimentos sociais, o Ministério das Cidades criou em 2004 o Programa Crédito Solidário voltado para cooperativas e associações de fins habitacionais para o atendimento da população de baixa renda prevendo a concessão de financiamento diretamente ao beneficiário a juros zero com recursos do Fundo de Desenvolvimento Social. No entanto, o Programa Crédito Solidário, encontrou diversas dificuldade para se efetivar, em especial nas exigências burocráticas e na falta de cultura do governo federal para tratar com organizações sociais e com a autogestão. Foi também criada em 2004, a Resolução 460 do Conselho Curador do FGTS, que começou a dar resultados em 2005, enfim possibilitando a ampliação dos subsídios habitacionais com recursos desse fundo, resultando na ampliação do atendimento à população de renda mais baixa. Mas, para acessar os recursos desta resolução os movimentos precisam estabelecer parcerias com municípios, estados ou ONGs, pois a mesma condiciona a concessão dos financiamentos à oferta de garantias na forma de cauções que podem ser mensuradas em dinheiro, em terreno ou em bens e serviços, no caso de poder público esta garantia pode ser também o comprometimento do orçamento em lei municipal. Apenas em 2007, na 3 Conferencia Nacional das Cidades a bandeira dos movimentos enfim foi reconhecida após longa jornada de ocupações. A Lei 578/2007 foi sancionada, alterando a Lei /2005, viabilizando o acesso direto dos movimentos, através de associações e cooperativas aos recursos do FNHIS. Finalmente, em 2008, após muita 3 A Política Nacional de Habitação foi elaborada pela Secretaria Nacional da Habitação do Ministério das Cidades entre 2003 e 2004, com a consultoria do Instituto Via Pública. Foi aprovada em dezembro de 2004 pelo ConCidades. 12

13 negociação, foi aprovado no Conselho Gestor do FNHIS o Programa de Habitação de Interesse Social Ação de Apoio à Produção Social da Moradia 4. Apesar dos avanços ocorridos com a abertura de espaços de participação social e da criação de uma nova política de habitação, com a crise econômica o governo Lula decidiu aplicar os recursos públicos para dinamizar a construção civil e isto acabou atropelando o processo de construção do PlanHab 5, que seria divulgado no início de 2009, mas em seu lugar foi lançado o Programa Habitacional de Governo Minha Casa Minha Vida. Do subsídio disponibilizado por este programa, com recursos da União e do FGTS, 97% são destinados à oferta e à produção direta por construtoras privadas, enquanto somente 3%, restrita à faixa de 0 a 3 salários mínimos, esta faixa de renda é a que menos interessa às empresas privadas, poderão ser acessados por entidades sem fins lucrativos, cooperativas e movimentos sociais, através do programa MCMV Entidades, para a produção de habitação urbana e rural por autogestão. Vale destacar que este programa MCMV - Entidades veio como uma resposta do governo aos movimentos, já que o programa Crédito Solidário com seu excesso de burocracia inviabilizou o atendimento à população de baixa renda e o Programa Ação de Apoio à Produção Social da Moradia, ainda está em fase muito inicial para demonstrar algum resultado. Respaldado com a justificativa da dificuldade, burocracia e lentidão dos poderes públicos e de que os movimentos com seus mutirões não teriam capacidade de responder a uma demanda tão alta, (1 milhão de moradias) o governo lançou o pacote apostando na iniciativa privada, dirigindo o mercado imobiliário à demanda de baixa renda e para que o mercado incorpore os setores antes não alcançados disponibilizou fundos públicos para produção via mercado. 4 O Programa de Habitação de Interesse Social Ação de Apoio à Produção Social da Moradia foi construído a partir de proposta elaborada pelo FNRU, pela União Nacional de Moradia Popular (UNMP), pela Central de Movimentos Populares (CMP), pela Conferencia Nacional das Associações de Moradores (CONAM), e pelo Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM). 5 O PlanHab foi elaborado entre julho de 2007 e janeiro de Tem por objetivo planejar as ações públicas e privadas, em médio e longo prazo, para equacionar as necessidades habitacionais em âmbito nacional, definir as prioridades regionais de intervenção e os critérios para a distribuição regional dos recursos de acordo com o perfil do déficit habitacional. A formulação deste plano passou por um processo participativo, que envolveu todos os segmentos da sociedade civil. 13

14 Diante deste atual cenário nos remetemos aqui a concepção de Estado ampliado de GRAMSCI, apud CARNOY (1986):...por Estado deve-se entender, além do aparelho governamental, também o aparelho privado de hegemonia ou sociedade civil...na noção de Estado entram elementos que também são comuns à noção de sociedade civil... neste sentido, poder-se-ia dizer que o Estado = sociedade política + sociedade civil, isto é hegemonia revestida de coerção. Amparados sobre esta concepção de estado ampliado, concluímos que se por um lado o governo deseja que os subsídios favoreçam o deslocamento do mercado imobiliário para produção de habitação da população pobre, no intuito de se legitimar, por outro o mercado quer aproveitar os subsídios para obter maiores ganhos econômicos. O governo se apropriou da ideologia da população sobre a casa própria, ao obter a adesão das classes populares, dirigindo suas atenções para a conquista da propriedade privada, através da hegemonia que se expressa pela ideologia da elite dominante, desviando a atenção sobre as lutas sociais e dificultando a realização de uma mudança mais profunda, como uma reforma urbana. A criação deste programa enfraqueceu mais uma vez a luta dos movimentos, que com recursos limitados, podem entrar numa grande disputa entre si. Ainda que os movimentos estejam inseridos nos conselhos de habitação e das cidades, acabam funcionando de forma dispersa à política pública, assumindo apenas o papel de entidades organizadoras de só uma parcela da política pública, diga-se, de uma política de governo, que distorce toda uma construção de uma política que permitiria a diminuição da desigualdade social. CONSIDERAÇÕES FINAIS A democratização no Brasil ainda está em curso, da transição política à Constituição de 1988, à eleição presidencial em 1989, à criação do Estatuto das Cidades em 2001, à criação do Ministério e Conselho das Cidades em 2003, muitos passos foram dados no sentido da conquista e consolidação dos instrumentos democráticos. Novas relações se estabelecem entre 14

15 os sujeitos da sociedade civil e desses com o Estado, especialmente regionalmente, onde se observa várias experiências inovadoras de implantação de políticas públicas com participação da sociedade. Todavia, diante de tantos avanços, nos deparamos com uma política de governo que provoca um enfraquecimento do processo participativo, a elaboração do programa Minha Casa Minha Vida, que segundo relatos de vários autores,contou apenas com a participação do governo federal e de grupos empresariais, nesta elaboração não foram consultados o Conselho das Cidades, nem o Conselho do FNHIS. O FNHIS que deveria concentrar todos os recursos da política de habitação de modo a uniformizar os critérios de acesso a habitação de baixa renda foi desfavorecido. Na análise sobre a inserção dos movimentos sociais urbanos através do FNRU nas políticas de habitação, apesar dos grandes avanços da participação do FNRU na criação de vários instrumentos da política urbana, os interesse privados na busca pelo crescimento econômico mantém a hegemonia sobre as decisões nos recursos públicos e as políticas sociais, findando que a grande maioria de programas e projetos são ainda estabelecidos, via de regra, sem a participação dos beneficiários e dos diversos setores sociais. O fortalecimento de atores políticos se faz imperativo, através de um processo educativo de construção de um modo de vida coletiva, achamos que é pertinente a incidência dos movimentos com o apoio do FNRU nos espaços institucionais para que se concretize de forma institucional a mudança estrutural das políticas públicas e dos mecanismos de gestão. Para que esta mudança estrutural aconteça acreditamos que é necessária também a participação da sociedade civil através da Produção Social do Habitat como estratégia da sociedade civil para buscar maior autonomia e incidência no cenário político e assim provocar as mudanças necessárias para um modelo de sociedade mais justa. 15

16 REFERÊNCIAS: BONDUKI, Nabil. Construindo Territórios de Utopia. Rio de Janeiro. FASE Do Projeto Moradia ao Programa Minha Casa Minha Vida. Site: CARNOY, Martin. O Estado e Teoria Política. Campinas: Papirus, DE LA MORA, L. et al. Produção Social do Habitat. Recife. Habitat para a Humanidade GOHN, Maria da Glória Movimentos, ongs e lutas sociais no Brasil dos anos 90. XIX Encontro Anual da Anpocs. GT Cidadania, Conflitos e Transformações Urbanas. Caxambú Movimentos sociais na atualidade: manifestações e categorias analíticas In GOHN, Maria da Glória (org.) Movimentos Sociais no início do século XXI. Antigos e novos atores. Petrópolis, Vozes, MARICATO, Ermínia. As idéias fora do lugar e o lugar fora das idéias. In: ARANTES, Otília; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópoles. Vozes Globalização e política urbana na periferia do capitalismo. In: RIBEIRO, L. C. Queiroz; SANTOS JUNIOR, Orlando Alves dos (Orgs.). As metrópoles e a questão social brasileira. Rio de Janeiro. Revan-FASE, p & SANTOS JUNIOR, Orlando Alves dos Construindo a Política Urbana: Participação democrática e o direito à cidade. In: RIBEIRO, L. C. Queiroz; SANTOS JUNIOR, Orlando Alves dos (Orgs.). As metrópoles e a questão social brasileira. Rio de Janeiro. Revan-FASE, Especulação de terra inviabiliza moradia popular. In: Caros Amigos. Ano XVI, número 158, maio RODRIGUES, E. et al. Produção Social da Moradia: desafios da política de habitação. Proposta, Revista Trimestral de Debate da Fase. Rio de Janeiro. Ano 32 n116, p21-25, abr/jun ROLNIK, Raquel e PAZ, Rosangela. El Rol Asignado a la Gestión popular en Las Políticas de Vivenda en Brasil- 1976/1994. In Hacia Habitat II: El Rol Asignado a la Participacion Popular en las Politicas de Vivenda en America Latina. CYTED. El Salvador SANTOS JUNIOR, Orlando Alves dos. Democracia e Governo Local: dilemas da reforma municipal no Brasil. Rio de Janeiro: Revan; FASE,

17 O Fórum Nacional de Reforma Urbana: incidência e exigibilidade pelo direito à cidade. In: Cadernos do FNRU 1. Rio de Janeiro, FASE,

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR 4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR CIDADE PARA TODOS E TODAS COM GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPATIVA E CONTROLE SOCIAL Avanços, Dificuldades e Deságios na Implementação

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 estrutura da apresentação Trabalho Social? O trabalho social tornou-se componente obrigatório nos programas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

TAREFA 1: Propostas de Emendas ao texto base nacional

TAREFA 1: Propostas de Emendas ao texto base nacional TAREFA 1: Propostas de Emendas ao texto base nacional PROPOSTA 01: (EMENDA ADITIVA) As quatro Conferências das Cidades realizadas tiveram em sua pauta o Sistema de Desenvolvimento Urbano (SNDU) pensado

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

UNMP. Painel Balanço do Minha Casa, Minha Vida

UNMP. Painel Balanço do Minha Casa, Minha Vida UNMP 13o. Encontro Nacional de Moradia Popular, Belem - PA Painel Balanço do Minha Casa, Minha Vida Francisco Comaru Francisco.comaru@ufabc.edu.br 3 Problemas centrais (realacionados entre si) dos diagnosticos

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA?

TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA? TODO MUNDO TEM DIREITO A ARQUITETURA? SEMINÁRIO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA - RS PORTO ALEGRE 08 DE NOVEMBRO DE 2012 Federação Nacional de Arquitetos e Urbanistas Sindicado dos Arquitetos do Rio Grande

Leia mais

GESTÃO SOCIAL NA LÓGICA DA SOCIEDADE CIVIL. Profa. Sandra Silveira

GESTÃO SOCIAL NA LÓGICA DA SOCIEDADE CIVIL. Profa. Sandra Silveira GESTÃO SOCIAL NA LÓGICA DA SOCIEDADE CIVIL Profa. Sandra Silveira Conceitos - chaves Sociedade Civil Para Gramsc (1978), é constituída pelo conjunto de organizações responsáveis pela elaboração/difusão

Leia mais

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT

NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT NÚCLEO DE ASSESSORIA TÉCNICA PSICOSSOCIAL - NAT O desenvolvimento do Vale do Ribeira: Dando continuidade aos trabalhos já realizados pelo Núcleo de Assessoria Técnica Psicossocial NAT e, em atendimento

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013

RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013 RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL 1. Dados Iniciais Estado: Goiás Município: Aparecida de Goiânia APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013 2. Dados da pessoa responsável pelo preenchimento

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 Dispõe sobre o financiamento e desenvolvimento de programas habitacionais sociais, destinados à população de baixa renda e dá outras

Leia mais

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS INTRODUÇÃO Marcelo Machado Sassi 1 Indiara Sartori Dalmolin 2 Priscila de Oliveira Rodrigues 3 Fabiane

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com

Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com Ana Carolina Canabarra, curso de Direito PUC-Campinas. anacarolinac2@hotmail.com PLANO DIRETOR E POLÍTICAS PÚBLICAS NA EFETIVAÇÃO DO PRINCÍPIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS: Planos Habitacionais

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES SECRETARIA DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LATUS CONSULTORIA II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES Ijuí - Julho 2010 O MARCO JURÍDICO-INSTITUCIONAL

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Não é verdade que a esquerda apenas critica e não sabe o que propor. A história da luta por moradia

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ALESSANDRA D AVILA Diretora do Departamento de Urbanização de Assentamentos Precários Rio de Janeiro/RJ, 03 de Setembro de 2015 AVANÇOS

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural Universidade Federal da Paraíba - UFPB / Centro de Ciências Agrárias - CCA / Campus II Areia, Paraíba - 27 a 30 de outubro de 2014. Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR)

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR) Nosso déficit não é de casas, é de cidade Raquel Rolnik defende que atualmente não há políticas para moradia, apenas políticas focadas no setor imobiliário e financeiro 22/10/2012 Pedro Carrano e Thiago

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA 1 Conferência Internacional de Crédito Imobiliário do Banco Central do Brasil Experiência Internacional

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos.

Nas revistas nas quais as publicações são distribuídas em sessões (informes, entrevistas, etc.) foi pesquisada somente a sessão artigos. PESQUISA SOBRE ARTIGOS ACERCA DA TEMÁTICA MOVIMENTOS SOCIAIS, MOBILIZAÇÃO SOCIAL E/OU PARTICIPAÇÃO POLÍTICA PUBLICADOS NA REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE ENTRE 1994 E 2011 (EDIÇÕES 45 A 108) Autor:

Leia mais