Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 3. Edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 3. Edição"

Transcrição

1

2 Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 3 Edição

3 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Miguel Jorge Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA Superintendente Flávia Skrobot Barbosa Grosso Superintendente Adjunto de Administração (interino) Plínio Ivan Pessoa da Silva Superintendente Adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Regional Elilde Mota de Menezes Superintendente Adjunto de Projetos Oldemar Ianck Superintendente Adjunto de Operações Mauro Guimarães Ferreira Superintendência da Zona Franca de Manaus Rua Ministro Mário Andreazza, n.º Distrito Industrial CEP: Manaus-Amazonas-Brasil

4 Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico Volume 3 Responsável COORDENAÇÃO GERAL DE ESTUDOS ECONÔMICOS E EMPRESARIAIS - COGEC Edição

5 Copyright 2009 Superintendência da Zona Franca de Manaus Organizador Ana Maria Oliveira de Souza Coordenação Editorial Aníbal Turenko Beça Capa e Diagramação Fabiano Barreto J82 Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico (5.: 2009, Manaus, Am) Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico: volume 3. Ana Maria Oliveira de Souza (Org.). _ Manaus: SUFRAMA, p. : il. Conteúdo vol. 3: Turismo Amazônia- Economia Integração Inovação Serviços turísticos ; Parques naturais - Portugal ISBN (vol. 3) 1. Desenvolvimento regional Amazônia I. SUFRAMA II. Souza, Ana Maria Oliveira de (Org.) 332.1(811) Ficha catalográfica elaborada na Biblioteca da SUFRAMA Bibliotecária: Maria Cristina de Gois Ribeiro CRB: 11/582 CDU i, Coordenação de Engenharia de Telecomunicações. III Título. CDD

6 ORGANIZAÇÃO DA V JORNADA DE SEMINÁRIOS INTERNACIONAIS SOBRE DESENVOLVIMENTO AMAZÔNICO Realização SUPERINTENDÊNCIA DA ZONA FRANCA DE MANAUS, através do Núcleo de Promoção Comercial, responsável institucional pela IV Feira Internacional da Amazônia. Coordenação Geral Ana Maria Oliveira de Souza, MSc Coordenação Executiva Érica Rabelo Freire Coordenação de Apoio Ana Cláudia de Azevedo Monteiro Claudino Nogueira, MSc Elane Conceição de Oliveira, MSc Fabiano Barros Barreto Izabela Figueira Beloniel Maria Emília Moura Pieter Jan Pinheiro Zuidgeest, MSc Renato Mendes Freitas José Maria Bichara Júnior Coordenação dos Seminários: Seminário 01: Conjuntura Econômica Conselho Regional de Economia CORECON Erivaldo Lopes do Vale Arlene de Souza Keity Anny Silva Seminário 02: Energia Universidade Federal do Amazonas UFAM Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico CDEAM Rubem Cesar Ropdrigues Souza Márcia Drumond Sardinha Seminário 03: Turismo da Amazônia Banco da Amazônia S. A. Oduval Lobato Neto Lúcia Andréa Sampaio Antônio Carlos Benetti Érica Martinely Palhão Lobato Seminário 04: Comércio Exterior Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA Gracilene Belota Keithy Garcia Débora Brandão Marcelo Motta

7 Sandra Almeida Carlos Simonetti Arnaldo Neto Kátia Pacheco Seminário 05: Aquicultura Secretaria de Estado de Produção Rural - SEPROR Geraldo Bernardino Ana Cristina Leite Menezes Patricia Maciel Oliveira Ivo da Rocha Calado Seminário 06: Biotecnologia Centro de Biotecnologia da Amazônia CBA Imar César de Araújo Rosana Zau Mafra Solange Ugalde de Lima Ariane de Souza Oliveira Seminário 07: Telecomunicações Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Evandro Luiz de Xerez Vieiralves Walter Prado de Souza Guimarães Ademir de Jesus Lourenço Humberto Plínio Ribeiro Filho Seminário 08: Micro e Nanotecnologias no PIM Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA Hernan Valenzuela Sara Valenzuela Seminário 09: 30º AgroEx Seminário do Agronegócio para Exportação - Agricultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Klerysson da Costa Santana Adilson Oliveira Farias Juliana Caetano Jales Seminário 10: A cobertura Jornalística Internacional da Amazônia Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Amazonas - SJPAM César Wanderley Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA Rosângela Alanís Seminário 11: Produção Orgânica e Sustentável na Amazônia Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA Eliany Gomes Syglia Said

8 Seminário 12: Ciência, Inovação e Tecnologia para o desenvolvimento da Amazônia Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia - SECT Marcílio de Freitas José Maurício Rodrigues Seminário 13: Os incentivos fiscais no regime tributário da Zona Franca de Manaus, Amazônia Ocidental e Áreas de Livre Comércio. Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI (Grupo de Trabalho da Renúncia Fiscal) Fernando Folhadela Seminário 14: Dinâmica do carbono da floresta Amazônica / Cooperação Brasil - Japão na área técnico-científica. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia Niro Higuchi Instituito Nacional de Pesquisas Espaciais Dalton de Morisson Valeriano Forestry and Forest Products Research Instituite Moriyoshi Ishizuka The University of Tokyo Haruo Sawada: JICA Brazil Miyamoto Yoshihiro

9 Seminário 3 TURISMO NA AMAZÔNIA: INOVAÇÃO E INTEGRAÇÃO COMO ALTERNATIVAS PARA ESTRUTURAÇÃO DE UM DESTINO COMPETITIVO

10 Seminário 3: Turismo na Amazônia: inovação e integração como alternativas para estruturação de um destino competitivo Instituição Parceira: Banco da Amazônia S/A Objetivo: Apresentar e debater estratégias de integração, inovação e econômicas capazes de fomentar e impulsionar a demanda e oferta turística na Amazônia. Data: 26/11/2009 Quinta-feira PAINEL 01: Moderador: Oduval Lobato Neto, gerente executivo em gestão de programas governamentais do Banco da Amazônia; pós-graduado em meio ambiente, ecoturismo, planejamento e políticas públicas. Possui publicação de trabalhos - Ecoturismo: o exemplo do Amazonas e Turismo Sustentável: fator de desenvolvimento para a Amazônia; idioma: português. Relator: Cristiane Barroncas Maciel Costa Novo, Presidente da Associação Brasileira de Bacharéis em Turismo - ABBTUR, secional Amazonas; e professora da Universidade do Estado do Amazonas / Escola Superior de Artes e Turismo; MBA em Turismo: Planejamento, Gestão e Marketing pela Universidade Católica de Brasília; Turismóloga; idioma: português. Palestra 01 - Ciência, pesquisa e inovações tecnológicas em turismo na Amazônia - Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega, professor, pesquisador e coordenador do curso de turismo: ênfase em ecoturismo do Instituto de Estudos Superiores da Amazônia - IESAM; mestre em cultura e turismo, doutorando do programa de Desenvolvimento Sustentável dos Trópicos Úmidos do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos - NAEA/UFPA, cuja pesquisa versa sobre aspectos relacionados ao planejamento e gestão pública da atividade turística no território nacional, notadamente acerca dos aspectos relacionados à estruturação de destinos competitivos na Amazônia. É membro 10

11 integrante dos grupos de pesquisa em Cultura e Turismo: Políticas e Planejamento da UESC e Turismo, Cultura e Meio Ambiente da UFPA; idioma: português. ANEXO 05 - MODELO DE RELATORIA DOS SEMINÁRIOS 1. SEMINÁRIO: Turismo na Amazônia : Inovação e integração como alternativas para estruturação de um destino competitivo. 2. OBJETIVO: Apresentar e debater estratégias econômicas, de integração e de inovação capazes de fomentar e impulsionar a demanda e oferta turística na Amazônia. 3. PAINEL (título, se houver) Painel 1 4. PALESTRA Ciência, pesquisa e inovações tecnológicas em turismo na Amazônia Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega DATA: 26/11/2009 quinta-feira 6. FOCOS TEMÁTICOS CENTRAIS DA APRESENTAÇÃO: Os objetivos centrais da apresentação foram os seguintes: Identificar o papel da ciência para o desenvolvimento do turismo; Identificar o papel da pesquisa para a conformação e gerenciamento da atividade turística; Entender a importância das inovações tecnológicas para o desenvolvimento do turismo na Amazônia. Para iniciar a discussão o palestrante afirmou que discutir ciência, pesquisa, inovação tecnológica no turismo na Amazônia é incipiente. E que o próprio turismo ainda não é ciência, que ele se apropria do conhecimento científico gerado por outras ciências, e é classificado como ciência social aplicada. 11

12 Falou sobre ciência e como se dá o seu processo. Enfatizou que as pesquisas em turismo têm uma importância fundamental para a consolidação do turismo como ciência (métodos e técnicas). Que a academia é entendida com um conselho consultivo, onde o governo pode ou não utilizar os conhecimentos gerados dentro da academia. É fundamental uma aproximação entre academia, poder público e iniciativa privada. Apresentou um modelo dos componentes da atividade turística: transporte, promoção, atração, serviços, atmosfera, pesquisa e mercado, e por fim gestão. Chamou atenção para a pesquisa de mercado e o cuidado com o método a ser utilizado durante as pesquisas. A pesquisa de mercado no gerenciamento de produtos acontece da seguinte forma: primeiramente o ideal é buscar informações de mercado, buscando dados necessários, como o histórico de demanda do produto. Em seguida define qual será a técnica de análise, por exemplo, regressão, séries temporais e com isso pode-se obter os resultados, como estimativa de demanda futura ou taxa de crescimento do mercado. Disse ainda que exista uma predisposição da Amazônia para trabalhar com o Ecoturismo, isso acontece de fato, mas é possível encontrar outros segmentos para serem explorados de forma responsável, como por exemplo, o turismo de eventos, mas é preciso mais investimentos na área. Outro ponto abordado é a questão da inovação tecnológica, que num primeiro momento remete quase sempre para questões eletrônicas. Mas, primeiramente, ele fala de inovação, inovar está muito ligada à questão do empreendedorismo. O empreendedor deve estar disposto sempre a inovar. E no turismo abre-se um leque muito grande de possibilidades para inovar e, com isso, deve-se investir em capital social. Inovação Desenvolvimento econômico pautado na identificação de canais estruturais; Desenvolvimento Endógeno; Revolução tecnológica (1970) novas formas de relação e organização social; Valorizado a informação e o conhecimento, e com isso reorganiza-se os modelos de acumulação; Recursos e mão-de-obra numa escala planetária. INOVAR É COMBINAR vários elementos para poder inovar. A inovação é um processo de aprendizagem e acontece através da combinação de 4 elementos: seleção de unidades (cultura, padrões de conhecimento), novo padrão, mercado de produtos (qualidade, preço, serviço, 12

13 pós-venda, design, certificação) e adoção de tecnologia (aumento da produção e transferência de tecnologia). Ele apresenta características da inovação tecnológica relacionado ao turismo: Implementação de produtos e processos tecnologicamente novos e/ou aperfeiçoamentos tecnológicos significativos em produtos e processos. O produto ou processo deve ser novo (ou significativamente melhorado) para a empresa. São todos os passos necessários para desenvolver e implementar produtos ou processos tecnologicamente novos ou aperfeiçoados; Torná-los mais atrativos aos consumidores sem mudança em suas características tecnológicas. São exemplos as inovações estéticas ou de estilo (como mudança de cor, um novo corte de tecido, etc.). (MEC, 1998). Afirma que a inovação deve ser mais atrativa para o consumidor, porém diz que a inovação atrelada ao turismo é um pouco mais complexa. A inovação na Amazônia ainda é muito frágil, pois ainda deixa-se muito a desejar em relação às pesquisas. O número de grupos de pesquisa sobre turismo na Amazônia ainda é insignificante: Pará 3, Amazonas 2, Roraima 1, Maranhão 1, Mato Grosso 2. Por isso a importância da pesquisa acadêmica para se aproximar do mercado. Por fim apresentou algumas proposições de planejamento e gestão do turismo: Fortalecer a cooperação interinstitucional; Promover, incentivar e estimular a criação e melhoria de infra-estrutura para melhorias sociais que, de alguma forma, estejam vinculadas à atividade turística; Amazônia apresenta-se como uma região riquíssima e apropriada para o desenvolvimento de diferentes segmentos como ecoturismo, turismo cultural, turismo de aventura e turismo de eventos; Para a concretização de um planejamento integrado do turismo, se faz necessária a sinergia de diferentes aspectos como: Tecnologias apropriadas, assistência técnica, créditos financeiros, parcerias, a cooperação, definição de estratégias de produção e escoamento, implantação do sistema de redes estruturais, e por fim implantação do sistema de redes organizacionais. Por fim, propõe uma reflexão: Eu preciso trabalhar a ciência, a inovação tecnológica, a pesquisa de uma forma integrada e equilibrada para propor produtos turísticos, ou mesmo ações para o poder público ou para a iniciativa privada. Se não houver essa relação da pesquisa científica, há uma grande 13

14 possibilidade desse projeto falhar, sobretudo pelos grandes gargalos que existe na Amazônia. 7. QUESTÕES EMERGENTES DOS DEBATES: Não houve debate. 8. PROPOSTAS DO SEMINÁRIO À SUFRAMA: Não houve. 9. OBSERVAÇÕES DO PARCEIRO TÉCNICO-ACADÊMICO: 9.1 QUANTO AO ATENDIMENTO DOS OBJETIVOS: Os objetivos foram atendidos. 9.2 QUANTO ÀS PROPOSTAS FORMULADAS À SUFRAMA: Não houve. 9.3 QUANTO À ORGANIZAÇÃO DO EVENTO: Excelente. Manaus, 26 de novembro de Tur a. Cristiane Barroncas Maciel Costa Novo Palestra 02 Inovação em gestão de destinos turísticos - Luiz Gonzaga Godoi Trigo, Professor associado do curso de Lazer e Turismo da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo; Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas; graduado em Turismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas; publicou 15 livros e centenas de artigos e capítulos de livros nas áreas de viagens e turismo, educação e entretenimento. Possui experiência na área de Turismo, com ênfase em Turismo, atuando 14

15 principalmente nos seguintes temas: turismo, educação, sociedade, política e entretenimento, sociologia do lazer; idioma: português. ANEXO 5 - MODELO DE RELATORIA DOS SEMINÁRIOS 1. SEMINÁRIO: Turismo na Amazônia: Inovação, integração como alternativas para estruturação de um destino competitivo. 2. OBJETIVO: Apresentar e debater estratégias econômicas, de integração e de inovação capazes de fomentar e impulsionar a demanda e oferta turística na Amazônia. 3. PAINEL (título, se houver) Painel 1 4. PALESTRA (título palestra) Inovação em gestão de destinos turístico Luiz Gonzaga Godói Trigo 5. DATA: 26 de novembro de 2009 quintas-feira 6. FOCO TEMÁTICO CENTRAL DA APRESENTAÇÃO: O foco central da palestra foi serviços, conhecimento e poder. Iniciou a apresentação reforçando que o turismo não é uma ciência e sim uma especialidade da ciência. Iniciou falando que o setor de serviços se torna predominante nas sociedades pós-industriais (60 a 80% do PIB); e que nós precisamos de sistemas mais sofisticados, complexos, competitivos e de alta qualidade e tecnologia. O turismo melhorou, mas ainda tem muito para melhorar. Um aspecto que tem muito a crescer nos destinos turísticos são os sistemas de transportes. As pessoas precisam ter consciência do mundo virtual, quem não entrar no sistema tende a ficar excluído do processo, pois os sistemas de comunicação aproximam as pessoas e disponibilizam os serviços. 15

16 O Professor Trigo abordou também a questão de quem detém o conhecimento, detém o poder, poder de quê? De ser livre, se escolher os seus objetivos e fazer a sua história. Afirmou que nossos problemas são os serviços. Os detalhes nos serviços fazem toda a diferença, e isso implica recursos humanos, tecnologia, processos e padrão. É preciso ter habilidades suficientes para encantar o cliente, e levar em conta: os aspectos culturais: geografia, história, entretenimento, artes, esportes, recreação, folclore, artesanato, gastronomia, religião, política; a comunicação inter-pessoal; idiomas, informática e tecnologia; ações em equipes; globalização e sociedades pósindustriais; relações humanas e relações públicas; humanismo, ética, empatia, segurança, simplicidade. Dentro desse contexto, a leitura é fundamental para a formação de qualquer profissional, não necessariamente por intermédio dos livros, mas a Internet também, e é de graça. O nível cultural é muito baixo em todo o país. Na sociedade globalizada e pós-industrial a questão humana é fundamental. As novas sociedades exigem a experiência, a autenticidade, aventura, meio ambiente/sustentabilidade, conforto, value for money (as experiências precisam valer a pena), nichos de mercado, a sociedade da experiência. Não existe mais turismo de massa, na verdade, existe, mas agora é o mercado da segmentação. Precisamos entender os outros e suas necessidades. Valorizar as populações nativas. Como? Com estudo, reflexão e crítica, com uma mente aberta, entender os novos paradigmas tecnológicos e culturais no contexto das sociedades pós-industriais, como por exemplo, a Bahia. A questão cultural deve ser muito valorizada, precisamos conhecer a profundamente a história do nosso lugar. Outro fator importantíssimo é questão da educação e recursos humanos. A questão dos recursos humanos, capacitação e qualificação profissional, formação, escolas tradicionais, sindicatos, ONGs, empresas, a sociedade civil comprometida com a educação fortalece o segmento. Isso é um fator primordial para a inserção do profissional no mercado. O problema é o serviço, a mão-deobra ainda é precária. Afirmou que a educação é tudo. Sem educação e cultura não há desenvolvimento, higiene, ética, qualidade, competitividade... A sociedade pós-industrial inclui muitas coisas e saberes, o cliente olha todos os detalhes ao seu redor, por isso é preciso combater a ignorância, o preconceito, idéias arcaicas, falta de visão do todo, falta de planejamento de 16

17 estudos, falta de execução (Ran Charan), não ser preconceituoso, racista, machista ou etnocêntrico. E como preparar as pessoas para esse cenário? Fazendo análises de cenários e de situações críticas que envolvem planejamento, implantação de projetos, gestão e operação; com reflexão com conteúdo e crítica; com capacidade de comparar e analisar projetos e situações (cases, cenários, realidades); por fim, é preciso entender o mundo, e entender o mundo perpassa entender os diferentes pontos de vista seja do cliente, do passageiro, do hóspede, do cidadão, do paciente, do fiel, do torcedor, do fornecedor, do colaborador, do concorrente... É preciso apresentar as coisas boas dos destinos, inclusive a cultura alternativa. A Amazônia está disputando com Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa, Pantanal, Patagônia, Cordilheira, Geleiras, Vulcões, Caribe, Antártida e Flórida. E é preciso ter um cuidado com a imagem local. A importância da sustentabilidade e da cidadania. Outros problemas que podem influenciar: a limpeza nas beiras dos rios, da cidade, 260 termelétricas na Amazônia a óleo diesel, as estradas precárias, a falta de esgotos e água potável. Por fim Turismo é... Sustentabilidade (higiene, saúde); Qualidade; Tecnologia (portais interativos trilingues); Experiência; aventura; emoção; Ética; Informação. 7. QUESTÕES EMERGENTES DOS DEBATES: Não houve debate. 8. PROPOSTAS DO SEMINÁRIO À SUFRAMA: Não houve propostas. 9. OBSERVAÇÕES DO PARCEIRO TÉCNICO-ACADÊMICO: 9.1 QUANTO AO ATENDIMENTO DOS OBJETIVOS: Os objetivos foram atendidos. 9.2 QUANTO ÀS PROPOSTAS FORMULADAS À SUFRAMA: Não houve. 17

18 9.3 QUANTO À ORGANIZAÇÃO DO EVENTO: Excelente. Manaus, 26 de novembro de Tur a. Cristiane Barroncas Maciel Costa Novo Palestra 3 - Dinâmica de integração para promoção do destino Amazônia - José Raimundo da Silva Moraes, presidente da Agência de Desenvolvimento do Turismo da macroregião norte (ADETUR AMAZÔNIA); pós-graduado em economia do setor público; atrelado à presidência da ADETUR, exerce também a presidência da ABAV-ACRE e do ACRE CONVENTION & VISITORS BUREAU; idioma: português. ANEXO 05 - MODELO DE RELATORIA DOS SEMINÁRIOS 1. SEMINÁRIO: Turismo na Amazônia: Inovação e integração como alternativas para estruturação de um destino competitivo. 2. OBJETIVO: Apresentar e debater estratégias econômicas, de integração e de inovação capazes de fomentar e impulsionar a demanda e oferta turística na Amazônia. 3. PAINEL (título, se houver) Painel 1 4. PALESTRA (título palestra) Dinâmica de integração para a promoção do destino Amazônia - José Raimundo da Silva Moraes 5. DATA: 26 de novembro de 2009 quinta-feira 18

19 6. FOCOS TEMÁTICOS CENTRAIS DAS APRESENTAÇÕES: O palestrante iniciou seu discurso dizendo que abordaria o turismo, a Amazônia e as fragilidades da mesma e falaria sobre a ADETUR (Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Norte). Iniciou falando que o turismo no Brasil começou a ter um avanço e a se organizar após a criação do Ministério do Turismo. Então, a organização em rede nacional foi importante para a Amazônia que é uma região peculiar, e a partir daí deu-se a criação da ADETUR Amazônia. Dentro do Plano Nacional de Turismo houve uma política de descentralização do turismo, pois antes o processo era mais engessado (decisão em nível federal apenas) e hoje a realidade é outra, como por exemplo: Conselho Nacional de Turismo e o Fornatur; Agências Macrorregionais público e privado; Órgão Estadual e o Fórum Estadual de Turismo. E isso contribuiu para deixar de lado o pensamento individual e sim uma consciência regional. A Amazônia é um destino que deve ser pensada como região e não como Estado. E a ADETUR (Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Norte) veio para gerir a promoção do turismo na Amazônia. A ADETUR Amazônia é uma entidade público-privada, tem sua composição pelo poder público e iniciativa privada. A sua sede é em Brasília- DF. Em seguida, fez uma análise mercadológica da região amazônica. Para trabalhar o turismo é preciso levar em conta as seguintes variáveis que influenciam a demanda do turismo: distância, PIB per capta, número de habitantes. A distância é a influência mais importante para legitimar um destino e configura efeito gravitacional no turismo, ou seja, a distância é redutora da demanda (a distância entre a América do Sul e os países ricos do Hemisfério Norte se transforma em um redutor de demanda para todos os países do continente). É preciso adquirir a capacidade de influenciar a demanda, pois os turistas estão cada vez mais exigentes. E com isso exige a busca de elevados níveis de competitividade por parte dos destinos turísticos. Depois fez uma análise mercadológica do desempenho do Brasil no cenário internacional dizendo que ainda é muito pequena a nossa representação. A riqueza natural está disponível, precisa investir em tecnologia e inovação. 19

20 Afirmou que nós não queremos turismo de massa, mas trabalhar a peculiaridade de cada Estado de forma integrada. Quando se trata de mercado receptivo internacional na Região Norte (motivo lazer), o maior responsável é o Estado do Amazonas. E fala ainda que não existe uma política para trabalhar a região, mas sim os Estados de forma isolada. O mercado interno receptivo das regiões brasileiras (2006) mostra que a região Norte representa apenas 2,5% do total, e que o Sudeste tem 52%. E essas mudanças de elevação podem ser dadas pelas academias, o poder público, é preciso mudar esse cenário. Em relação ao mercado nacional receptivo, o Estado do PA está em 17º e o Amazonas em 20º. Segundo uma pesquisa estruturante realizada pelo Sebrae em Nov 2008, em relação à opinião dos moradores das capitais com atratividade das cidades da região Norte (média de intenção para viajar para região Norte), ficaram: Manaus, Belém, Rio Branco, Porto Velho, Boa Vista, Palmas, Macapá. E em relação à avaliação dos níveis MUITO ALTO de relevância para os atrativos segundo as operadoras nacionais pesquisadas, foram: floresta, hotéis de selva, fauna, rios, pesca, navegação, aventura, culinária e artesanato. Falou da importância da limpeza urbana e da questão da segurança pública tanto na visão do morador quanto do turista. E finalizando os gráficos apresentou a percentagem de operadoras que afirmam não ter NENHUM conhecimento sobre o turismo em Estados da Região Norte: Amazonas - 12,9%, Pará 21,4%, Tocantins 32,3%, Roraima 66,2%, Rondônia 66,7%, Acre 70,4% e por fim Amapá 73,2% (acham que não tem turismo). Apresentou os principais obstáculos à comercialização do turismo na Região Norte: divulgação insuficiente e preços do transporte aéreo. É preciso investir em estratégias de Marketing para mudar esse cenário e promover mudanças significativas. É preciso também trabalhar o turismo interno e regional. Falta-se pacotes integrados dentro da Região. As empresas áreas regionais precisam investir em tecnologia. Falta a cultura de conhecer a nossa própria região. Antes era vergonha ser amazônida, agora é motivo de orgulho. É preciso trabalhar o empreendedorismo na Amazônia, e com isso melhorar a vida dos ribeirinhos. Para que a região Norte tenha um posicionamento competitivo é preciso adotar algumas estratégias de marketing, e iniciamos por 3 perguntas: O que o destino oferece? Para quem? Quais são os diferenciais? Em seguida, fazer uma seleção de mercados e buscar a diferenciação. O Prof. Petrocchi utiliza o 20

21 critério dos círculos concêntricos onde se trabalha primeiro o Destino, depois o Entorno e Estado, em seguida os Estados e países vizinhos, depois o Brasil, e por fim o mercado externo. Não podemos ir fazer captação distante, sem o destino estar consolidado. E por fim, a missão da ADETUR é buscar a integração de todos os Estados da região Norte. Apresentou o projeto integrado regional de marketing, onde fala 1. Mercado da própria Região Norte e de fronteira: Projeto Amazônia viaja Amazônia ; Pacotes dos destinos da região vendidos na própria região e países vizinhos; Coordenação regional de eventos. 2. Mercados distantes, nacionais ou internacionais: Projeto Brasil viaja Amazônia, Articulação conjunta com operadoras; Promoção integrada Pacotes turísticos de múltiplos destinos, Coordenação regional de eventos e congressos. A ADETUR está ajudando na campanha de tornar a Amazônia uma das 7 maravilhas da Natureza. / A OTCA (Organização do Tratado de Cooperação Amazônica está auxiliando na organização dessa campanha. Alianças iniciadas: SEBRAE Geor Estruturante de Turismo da Região Norte, MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Proecotur, BRAZTOA Roteiros Turísticos Integrados na Amazônia, MINISTÉRIO DO TURISMO Convênios Adetur Amazônia e New 7 Wonders of Nature. 7. QUESTÕES EMERGENTES DOS DEBATES: Não houve debate. 8. PROPOSTAS DO SEMINÁRIO À SUFRAMA: Não houve. 9. OBSERVAÇÕES DO PARCEIRO TÉCNICO-ACADÊMICO: 9.1 QUANTO AO ATENDIMENTO DOS OBJETIVOS: Os objetivos foram atendidos. 9.2 QUANTO ÀS PROPOSTAS FORMULADAS À SUFRAMA: Não houve. 21

22 9.3 QUANTO À ORGANIZAÇÃO DO EVENTO: Excelente. Manaus, 26 de novembro de Tur a. Cristiane Barroncas Maciel Costa Novo PAINEL 02: Moderador: Oduval Lobato Neto, gerente executivo em gestão de programas governamentais do Banco da Amazônia; pós-graduado em meio ambiente, ecoturismo, planejamento e políticas públicas. Possui publicação de trabalhos - Ecoturismo: o exemplo do Amazonas e Turismo Sustentável: fator de desenvolvimento para a Amazônia. Relator: Cristiane Barroncas Maciel Costa Novo, Presidente da Associação Brasileira de Bacharéis em Turismo (ABBTUR), secional Amazonas; e professora da Universidade do Estado do Amazonas / Escola Superior de Artes e Turismo; MBA em Turismo: Planejamento, Gestão e Marketing pela Universidade Católica de Brasília; Turismóloga; idioma: português. Palestras 01 - Alternativas sustentáveis e solidárias para o turismo na Amazônia - Fabiano Lopez da Silva; coordenador do programa de alternativas econômicas da Fundação Vitória Amazônica; especialista em gestão ambiental; experiência de 4 anos em projetos de desenvolvimento sócio-econômico na região do rio negro; idioma: português. ANEXO 05 - MODELO DE RELATORIA DOS SEMINÁRIOS 1.SEMINÁRIO: 22

23 Turismo na Amazônia: Inovação e integração como alternativas para estruturação de um destino competitivo 2.OBJETIVO: Apresentar e debater estratégias econômicas, de integração e de inovação capazes de fomentar e impulsionar a demanda e oferta turística na Amazônia. 3. PAINEL (título, se houver) Painel 2 4. PALESTRA Alternativas sustentáveis e solidárias para o turismo na Amazônia Fabiano Lopez da Silva 5. DATA: 26 de novembro de FOCOS TEMÁTICOS CENTRAIS DA APRESENTAÇÃO: O palestrante organizou sua apresentação dentro das seguintes temáticas: A FVA e o Rio Negro; Unidades de Conservação e a Amazônia; Turismo em Unidades de Conservação; Monitoramento de impactos; A FVA e o rio Negro Projetos e Experiências. Apresentou um mapa do Rio Negro e as áreas de atuação da FVA, e falou que a FVA tem uma proposta de pensar o turismo para a região, mesmo não sendo o foco da mesma. Informou ainda que o Rio Negro é talvez uma das bacias hidrográficas mais bem protegidas do mundo por meio de Unidades de Conservação - UCs, e cada uma delas possui características legalmente diferentes, que permitem diferentes tipos de ações. Desde 1994, a FVA trabalha dentro do Parque Nacional do Jaú, no início eram mais com pesquisas científicas, e aos poucos evoluíram para a linha mais social e tentando entender as dinâmicas desses parques. Para entender um pouco mais essa questão das UCs, é interessante falar que um Sistema Nacional de UC, que é uma Lei que rege todos os diferentes tipos de UC, e elas estão agrupadas em dois grandes grupos: as de proteção integral e as de uso sustentável. 23

24 A situação das Unidades de Conservação e a Amazônia, uma evolução histórica de 1960 à As primeiras UC surgem na década de 60 e são de âmbito federal, a partir da década de 60 começa a surgir um misto de UC de proteção integral e uso sustentável e na década de 90 existe um boom de UC de âmbito estadual. Em termos de número, acima de 310 UC na Amazônia Legal (2008), que cobre quase um ¼ da Amazônia Legal Brasileira, sendo 110 de proteção integral e 200 de uso sustentável, e em termos de gestão 50% sob a gestão estadual e 50% sob a gestão federal. O turismo em Unidades de Conservação hoje cabe algumas tendências: um maior nível educacional do turista, envelhecimento da população, novos padrões recreacionais (períodos mais curtos), mais comunicação e informação (fazer pesquisa), proliferação de destinos e pacotes turísticos (competição entre produtos muitos semelhantes), novos limitantes locais (capital para investimento e recursos humanos), segurança, qualidade no serviço e postura sócio-ambiental do pacote. O turismo em Unidades de Conservação possui potencialidades e riscos. Em relação às potencialidades são: alavancar as oportunidades econômicas, valorizar o patrimônio cultural e ambienta da região, elevar a qualidade de vida das comunidades tradicionais envolvidas. E os riscos: custos financeiros e econômicos (valorização imobiliária exacerbada, por exemplo), custos sociais e custos ambientais. Os riscos podem ser evitados se existir um planejamento adequado do turismo na UC. Existe uma certa divisão usual de responsabilidades entre os atores: poder público, iniciativa privada e o terceiro setor. Em linhas gerais cabe ao pode público a infra-estrutura, a informação, a segurança, o monitoramento e a definição de limites aceitáveis de pertubação. A iniciativa privada cabe a promoção e divulgação, elaboração de produtos e outros serviços. E cabe ao terceiro setor, parceiro potencial (FVA se enquadra nesse segmento), o planejamento turístico em UCs, desenvolvimento de pacotes, organização comunitária, capacitação de recursos humanos, informação (técnico-científica) e monitoramento. A etapa de monitoramento é muito importante dentro de UCs, principalmente relacionados aos impactos ambientais (na UC e seu entorno avaliação física e biológica), econômicos (nas comunidades e UCs), sociais e culturais (nas comunidades), gerenciais (nas UCs) e infra-estruturais (nas UCs 24

Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 10. Edição

Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 10. Edição Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 10 Edição Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Leia mais

serviços ç turísticos Luiz Gonzaga Godoi Trigo EACH-USP 26 de Novembro de 2009

serviços ç turísticos Luiz Gonzaga Godoi Trigo EACH-USP 26 de Novembro de 2009 Inovação em gestão de serviços ç turísticos Luiz Gonzaga Godoi Trigo EACH-USP 26 de Novembro de 2009 Manaus - AM Luiz Gonzaga Godoi Trigo Experiência profissional Abreutur São Paulo; PUC-Campinas; Prefeitura

Leia mais

Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 12. Edição

Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 12. Edição Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 12 Edição Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Leia mais

Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 9. Edição

Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 9. Edição Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 9 Edição Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Leia mais

Anais da VI Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico. Volume 3

Anais da VI Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico. Volume 3 Anais da VI Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico Volume 3 Anais da VI Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 3 Edição Presidente da

Leia mais

Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 7. Edição

Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 7. Edição Anais da V Jornada de Seminários Internacionais sobre Desenvolvimento Amazônico VOLUME 7 Edição Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Capacitación en turismo ecológico Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Hospitalidade: Rede de Valores REDE HOTELEIRA PRESTADORES DE SERVIÇOS VINÍCOLAS

Leia mais

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI

ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI ESTUDO DE COMPETITIVIDADE NITERÓI APRESENTAÇÃO Com o intuito de auxiliar destinos turísticos a analisar, conjugar e equilibrar os diversos fatores que, para além da atratividade, contribuem para a evolução

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011)

de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011) Seminário 4 Produção Orgânica: Organização produtiva versus Perspectiva de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011) Objetivo: Oferecer conhecimentos e informações para fortalecer as relações comerciais

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO Rosangela Cabral Rosa Lazarin Coord. Comitê Gestor Destino Indutor & Presidente do COMTUR Cáceres MT Servidora da Unemat VIDEO

Leia mais

Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural. Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa?

Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural. Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa? Seminário Nordestino de Pecuária Turismo no Espaço Rural e Natural Porque capacitar meus funcionários é fundamental para o sucesso da minha empresa? O atual mundo do trabalho ANTIGO Qualifica para o trabalho;

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS SETEMBRO / 2010 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2010 - N 05 Para 58,0%

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS FEVEREIRO / 2009 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2009 - N 02 Para 55,6%

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4007 EDITAL Nº 3/2010 1. Perfil: no. 1 Sol e Praia 3. Qualificação educacional: Pós-graduação em turismo, geografia, educação ambiental, recreação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Houve o consenso que será realizado um novo encontro com a participação de um maior número de lideranças de todas as regiões de Goiás, o que dará a

Houve o consenso que será realizado um novo encontro com a participação de um maior número de lideranças de todas as regiões de Goiás, o que dará a APRESENTAÇÃO Na cidade de Neirópoilis GO foi realizada pelo IDESTUR Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural 1ª. Oficina de Planejamento Estratégico proposta pela diretoria da Associação Goiana de

Leia mais

Especificações Técni n c i a c s a

Especificações Técni n c i a c s a Oportunidade de Investimento em Turismo na Amazônia V FIAM 26/11/2009 Especificações Técnicas Metodologia Técnica e forma de coleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO ACRE Secretaria de Estado de Turismo e Lazer Endereço: Av. Chico Mendes, s/n - Arena da Floresta - Bairro Areal. CEP: 69.906-119 - Rio Branco - AC TEL: (68) 3901-3027/

Leia mais

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho Nacional de Turismo Fóruns Estaduais Câmaras Temáticas Secretaria

Leia mais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Dezembro/2013 Pauta 1. Banco da Amazônia enfoque institucional 2. Ações

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA LEGAL

ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA LEGAL ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL NA AMAZÔNIA LEGAL Manaus Setembro 2008 Equipe Coordenador Geral do Ecoturismo na Amazônia Legal Allan Milhomens Equipe Técnica Sônia Kinker Daniela

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL

PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL Luis Carlos Morente 1 PLANO DE AÇÕES NA REGIÃO DO PANTANAL 1 Gerente de Políticas e Programas de Desenvolvimento do Turismo da Fundação de Turismo, MS - FUNDTUR. Rua desembargador Leão Neto do Carmo, s/nº,

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE CASOS/EXEMPLOS DE SUCESSO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO ROTEIROS DO BRASIL Considerações Gerais Para comemorar os cinco anos do Programa de Regionalização

Leia mais

Secretarias Municipais de Meio Ambiente Lista atualizada em 06/05/2005 por Fernando Tatagiba

Secretarias Municipais de Meio Ambiente Lista atualizada em 06/05/2005 por Fernando Tatagiba Secretarias Municipais de Meio Ambiente Lista atualizada em 06/05/2005 por Fernando Tatagiba ACRE Rio Branco SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO - SEMEIA Arthur César Pinheiro Leite Antônio da Rocha

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Geografia. Departamento de Turismo. Material de Apoio

Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Geografia. Departamento de Turismo. Material de Apoio Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Geografia Departamento de Turismo Material de Apoio Curso de extensão em Comercialização e Gestão do Turismo Solidário RESUMO DO MATERIAL Este material

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais em várias categorias CATEGORIA: REGIÃO SUDESTE PLANEJAMENTO Município de Três Marias MG Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Nova Friburgo RJ Vencedores do 4º

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Assessoria Internacional

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Gabinete do Ministro Assessoria Internacional COORDENADORES REGIONAIS ACRE Josenir de Araújo Calixto Coordenador do Ensino Médio Coordenação de Ensino Médio Secretaria de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907 Aeroporto Velho 69903-420

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TURISMO NA SERRA DA IBIAPABA 1 1. Localização (discriminação): Municípios de Viçosa do Ceará, Ipú, Tianguá, Ubajara, São Benedito, Carnaubal e Guaraciaba do Norte. (Total de

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 O TURISMO DE EVENTOS ENQUANTO MECANISMO DE PRESERVAÇÃO E PROPAGAÇÃO DE IDENTIDADES CULTURAIS

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011)

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Seminário 09 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Objetivo: Em consonância com a Política Externa do Governo Federal de Integração

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Turismo Social no Brasil. Prof. Dr. Marcelo Vilela de Almeida marcelovilela@usp.br

Turismo Social no Brasil. Prof. Dr. Marcelo Vilela de Almeida marcelovilela@usp.br Turismo Social no Brasil Prof. Dr. Marcelo Vilela de Almeida marcelovilela@usp.br 1938 primeiro dispositivo legal sobre turismo no país 1966 primeiras estruturas governamentais em nível nacional: Empresa

Leia mais

REGIÃO TURÍSTICA NORTE DO PARANÁ OFICINA DE PLANEJAMENTO 2015 / 2016. LONDRINA / PR, 2/10/2015. Moderador: José Gabriel Pesce Jr.

REGIÃO TURÍSTICA NORTE DO PARANÁ OFICINA DE PLANEJAMENTO 2015 / 2016. LONDRINA / PR, 2/10/2015. Moderador: José Gabriel Pesce Jr. OFICINA DE PLANEJAMENTO 2015 / 2016 LONDRINA / PR, 2/10/2015. Moderador: José Gabriel Pesce Jr. REGIÃO TURÍSTICA NORTE DO PARANÁ OFICINA DE PLANEJAMENTO 2015 / 2016 LONDRINA, 2 de outubro de 2015. INTRODUÇÃO

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural No período compreendido entre os dias 16 e 19 do mês de setembro de 2004, realizou-se a Primeira Feira Nacional do Turismo Rural - 1º FEIRATUR,

Leia mais

Gestão do Turismo. Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS

Gestão do Turismo. Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS Gestão do Turismo Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS Secretaria Municipal de Turismo Grupo Gestor Destino Indutor Estudo de Competitividade Breve Histórico - Primeira Pesquisa MTUR/FGV 12/01 a 18/01/2008

Leia mais

SOCIAIS NO SETOR PRIVADO

SOCIAIS NO SETOR PRIVADO ] A AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS ] SOCIAIS NO SETOR PRIVADO Um estudo do Instituto Fonte e Fundação Itaú Social para o fortalecimento da avaliação de programas e projetos sociais no Brasil para o desenvolvimento

Leia mais

ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA. Manaus, julho/2012

ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA. Manaus, julho/2012 WORKSHOP BIOMASSA E AGROENERGIA NA ÓTICA DAS AÇÕES DA SUFRAMA Manaus, julho/2012 Tema: Ações Agropecuárias e Florestais do Modelo ZFM no contexto da Economia Verde e Sustentabilidade Palestrante: Paulo

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 Telefone: (91) 3110-5000 E-mail: gesturpara@gmaiil.com Plano Ver-o-Pará Plano Operacional de Desenvolvimento SETUR; Macroprograma

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Funcionamento do mercado MICE e seus principais sub segmentos

Funcionamento do mercado MICE e seus principais sub segmentos Funcionamento do mercado MICE e seus principais sub segmentos Curitiba, 28 de maio de 2015 ARISTIDES DE LA PLATA CURY PESSOA FÍSICA SEGMENTAÇÃO DO TURISMO QUEM DECIDE? Sol e Praia Cultural Arqueologia

Leia mais

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO CARTA DE RIBEIRÃO PRETO O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se no município de Ribeirão Preto nos dias 19 e 20 de Outubro de 2005. O Fórum pode ser considerado

Leia mais

SOCIEDADE INFORMADA APOIO PARA GESTÃO E AÇÕES INDICADORES SOBRE QUALIDADE DE VIDA PESQUISA COM A POPULAÇÃO ACORDO COM A PREFEITURA EDUCAÇÃO CIDADÃ

SOCIEDADE INFORMADA APOIO PARA GESTÃO E AÇÕES INDICADORES SOBRE QUALIDADE DE VIDA PESQUISA COM A POPULAÇÃO ACORDO COM A PREFEITURA EDUCAÇÃO CIDADÃ APOIO PARA GESTÃO E AÇÕES PESQUISA COM A POPULAÇÃO INDICADORES SOBRE QUALIDADE DE VIDA SOCIEDADE INFORMADA EDUCAÇÃO CIDADÃ ACORDO COM A PREFEITURA COMPORTAMENTO CIDADÃO A UNIÃO FZ A FORÇA GOVERNO TRANSPARENTE

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012

Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P0 Síntese do planejamento do Governo Federal para a Copa do Mundo 2014 Brasília, Setembro de 2012 Code-P1 O Brasil recebe os grandes eventos esportivos em um contexto favorável COPA OLIMPÍADAS Brasil

Leia mais

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA

TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA TURISMO DE NEGÓCIOS EM VOLTA REDONDA, RJ: ESTUDO COMPARATIVO DE GESTÃO HOTELEIRA Alexandro Ferreira Reis Carlos Eduardo Brasil Campos Rossana Souza Almeida, Esp. (Orientadora) Este estudo tem como objetivo

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil Fórum Nacional do CONFAP Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil São Paulo, 27 de agosto de 2015 Alavancar os investimentos empresariais em P&D para alcançar o total de 1,5% do PIB em P&D. Em 10

Leia mais

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Belém, Setembro de 2015 Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Agenda global: o desafio do nosso tempo Agenda regional:

Leia mais

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com São Paulo O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios São Paulo Convention & Visitors Bureau Fundação 25 de Janeiro Entidade estadual, mantida pela iniciativa privada. Captação e apoio

Leia mais

A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e

A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e A revista Segue Viagem é uma publicação bimestral, um indicador de tendências em turismo. Recheada de informações úteis, sugestões de locais e hospedagens no Brasil e no mundo, também revela dicas valiosas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL

ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ÍNDICE DE COMPETITIVIDADE DO TURISMO NACIONAL ARMAÇÃO DOS BÚZIOS 2015 2 APRESENTAÇÃO A fim de dar continuidade ao trabalho iniciado em 2008, o Ministério do Turismo (MTur), o Serviço Brasileiro de Apoio

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

Objetivos: Criar uma imagem e uma identidade turística própria, forte e diferenciada.

Objetivos: Criar uma imagem e uma identidade turística própria, forte e diferenciada. Objetivos: Criar uma imagem e uma identidade turística própria, forte e diferenciada. Ampliar a presença de mercado para os produtos turísticos piracicabanos. Captar novos mercados nacionais e internacionais,

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

A competitividade é um fenômeno dinâmico. Um recurso estratégico pode ficar obsoleto com o passar do tempo

A competitividade é um fenômeno dinâmico. Um recurso estratégico pode ficar obsoleto com o passar do tempo A competitividade é um fenômeno dinâmico. Um recurso estratégico pode ficar obsoleto com o passar do tempo Acompanhar o desenvolvimento dos destinos (série histórica) Reunir informações que subsidiem o

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA

MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA INFORMATIVO DEZEMBRO DE 2013 Acesse também: www.mariana.gov.br MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA Promover a criação de um ambiente favorável para valorizar a micro e pequena empresa,

Leia mais

Programas de Apoio à Exportação

Programas de Apoio à Exportação INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Programas de Apoio à Exportação ENCOMEX JARAGUÁ DO SUL Flávio Martins Pimentel Coordenação-Geral de Programas de Apoio à Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Agenda. Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação

Agenda. Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação Agenda Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Mercados - Alvo Cliente Tipo Segmentação Estratégia Proposta De Ação Principais Conclusões Da Fase De Diagnóstico Oportunidades Crescimento da procura

Leia mais