MARIA DA LUZ FERREIRA XAVIER

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARIA DA LUZ FERREIRA XAVIER"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY COORDENAÇÃO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM MARIA DA LUZ FERREIRA XAVIER COMPARTILHANDO SABERES E PRÁTICAS DE ACOMPANHANTES DE IDOSOS COM OS DA ENFERMEIRA SOBRE A PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS PÓS-CIRÚRGICAS RIO DE JANEIRO 2011

2 1 m MARIA DA LUZ FERREIRA XAVIER COMPARTILHANDO SABERES E PRÁTICAS DE ACOMPANHANTES DE IDOSOS COM OS DA ENFERMEIRA SOBRE A PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS PÓS-CIRÚRGICAS Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação e Pesquisa da Escola de Enfermagem Anna Nery / Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do Título de Mestre em Enfermagem. Orientadora: Prof a Drª Neide Aparecida Titonelli Alvim RIO DE JANEIRO 2011

3 2 m Xavier, Maria da Luz Ferreira. Compartilhando saberes e práticas de acompanhantes de idosos com os da enfermeira sobre a prevenção de complicações respiratórias pós-cirúrgicas / Maria da Luz Ferreira Xavier f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Enfermagem Anna Nery, Rio de Janeiro, 2011 Orientadora: Neide Aparecida Titonelli Alvim 1. Enfermagem. 2. Educação em saúde. 3. Cuidados pré-operatórios. I. Alvim, Neide Aparecida Titonelli. II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola de Enfermagem Anna Nery. Programa de Pós-graduação em Enfermagem. III. Título. CDD

4 3 MARIA DA LUZ FERREIRA XAVIER COMPARTILHANDO SABERES E PRÁTICAS DE ACOMPANHANTES DE IDOSOS COM OS DA ENFERMEIRA SOBRE A PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS PÓS-CIRÚRGICAS Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação e Pesquisa da Escola de Enfermagem Anna Nery / Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do Título de Mestre em Enfermagem. Aprovada em 02 de dezembro de 2011 por: Profª Drª Neide Aparecida Titonelli Alvim Presidente (UFRJ) Profª Drª Fátima Helena do Espírito Santo 1 a examinadora (UFF) Profª Drª Maria Luíza de Oliveira Teixeira 2 a examinadora (UFRJ) Profª Drª Márcia Tereza Luz Lisboa Suplente (UFRJ) Profª Drª Maria Célia de Freitas Suplente (UECE)

5 4 DEDICATÓRIA Este estudo é dedicado: Aos meus filhos, pela cumplicidade durante toda a caminhada. Aos meus netos, como inspiração para suas futuras jornadas acadêmicas. A minha mana preferida, aos meus irmãos e à minha mãe, pela compreensão diante das minhas ausências no decorrer do curso. Aos colegas, enfermeiros assistenciais, como incentivo para que se insiram no campo da pesquisa.

6 5 AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente, ao maravilhoso Deus, por ter me concedido a graça desta conquista. À minha dedicada orientadora Neide Aparecida Titonelli Alvim, pela paciência e generosidade diante das imensas dificuldades que encontrei. As minhas indisfarçáveis timidez e insegurança durante o desenvolvimento do estudo, face à inexperiência no campo da pesquisa, foram superadas por seu estímulo e apoio. A sua preciosa ajuda, em todas as etapas, suavizou a transposição dos obstáculos que se apresentaram. Transpareceu, ao final do processo, a minha aprendizagem e o meu crescimento pessoal e profissional. Ampliei a minha visão a respeito do cuidar em enfermagem. Foi um grande sonho realizado. Obrigada para sempre! À minha amiga-mestra Luiza, que me fez acreditar na possibilidade de realizar uma pesquisa após tantos anos dedicados exclusivamente à prática assistencial. A sua cumplicidade desde os primeiros passos foi imprescindível à viabilização deste estudo. Mais uma vez, muito obrigada! Aos meus filhos Mitchela, Wagner, Max e Mick, pelo companheirismo e colaboração principalmente com a tecnologia. Às professoras componentes da Banca Examinadora, pela disponibilidade e inestimáveis contribuições: Fátima Helena do Espírito Santo, Maria Luíza de Oliveira Teixeira, Márcia Tereza Luz Lisboa e Maria Célia de Freitas.. À Sônia Brazil, pela compreensão e flexibilidade com os meus horários de trabalho, adequando-os as minhas atividades acadêmicas. Aos professores do programa de Pós-graduação e Pesquisa da Escola de Enfermagem Anna Nery, pela acolhida e troca de experiências e conhecimentos. Aos professores Manoel Domingos (Chefe do Serviço de Cirurgia Geral), Homero Soares Fogaça (Diretor Substituto da Divisão Médica) e Oswaldo Saback (Chefe do Serviço de Urologia), do HUCFF/UFRJ, pela contribuição em uma das etapas do estudo.

7 6 À enfermeira Célia do centro cirúrgico, pela solidariedade e ajuda em várias fases do processo. À equipe da secretaria da Pós-graduação da Escola de Enfermagem Anna Nery, especialmente à Sônia Xavier e ao Jorge Anselmo, pela excelência no atendimento. À Suzane, Eliana, Paulo Henrique e Bira, pela preciosa colaboração durante a produção de dados. À Divisão de Enfermagem do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF)/UFRJ, pelo apoio à realização deste estudo. Aos colegas de turma, mestrandos e doutorandos, pelo compartilhamento de ideias, dificuldades e conquistas. Às Equipes de Enfermagem dos setores 9B e 10D do HUCFF/UFRJ, pela receptividade durante a produção de dados. Aos colegas de trabalho, que de diversas formas me ajudaram e me incentivaram durante toda a trajetória. Aos idosos e seus acompanhantes, sem os quais este estudo não teria sentido. Aos amigos queridos, que ao meu lado, ou a quilômetros de distância, acolheramme nos momentos de desânimo, incentivaram-me e torceram por mim. Esse apoio foi fundamental para o enfretamento dos obstáculos.

8 7 O Que É, O Que É E a vida? E a vida o que é, diga lá, meu irmão? Ela é a batida de um coração? Ela é uma doce ilusão? Mas e a vida? Ela é maravilha ou é sofrimento? Ela é alegria ou lamento? O que é, o que é, meu irmão? Há quem fale que a vida da gente É um nada no mundo É uma gota, é um tempo Que nem dá um segundo Há quem fale que é um divino mistério profundo É o sopro do criador numa atitude repleta de amor Você diz que é luta e prazer Ela diz que a vida é viver Ela diz que melhor é morrer Pois amada não é e o verbo é sofrer Eu só sei que confio na moça E na moça eu boto a força da fé Somos nós que fazemos a vida Como der ou puder ou quiser Sempre desejada, por mais que esteja errada Ninguém quer a morte, só saúde e sorte E a pergunta roda e a cabeça agita Fico com a pureza da resposta das crianças É a vida, é bonita e é bonita Viver e não ter a vergonha de ser feliz Cantar e cantar e cantar A beleza de ser um eterno aprendiz Eu sei que a vida devia ser bem melhor e será Mas isto não impede que eu repita É bonita, é bonita e é bonita (Gonzaguinha)

9 8 RESUMO XAVIER, Maria da Luz Ferreira. Compartilhando Saberes e Práticas de Acompanhantes de Idosos com os da Enfermeira sobre a Prevenção de Complicações Respiratórias Pós- Cirúrgicas. Orientadora: Neide Aparecida Titonelli Alvim. Rio de Janeiro: EEAN/UFRJ, Dissertação de Mestrado em Enfermagem. O objeto deste estudo centra-se nos saberes e práticas de acompanhantes sobre a prevenção de complicações respiratórias pós-cirúrgicas no idoso. Os objetivos são: descrever saberes e práticas de acompanhantes voltados à prevenção de complicações respiratórias póscirúrgicas no idoso; construir um plano de cuidados voltado à prevenção de complicações respiratórias pós-cirúrgicas no idoso, a partir da integração de saberes e práticas de acompanhantes com os da enfermeira-pesquisadora no contexto da visita pré-operatória; avaliar a efetividade do plano de cuidados, implementado no pós-operatório. O estudo qualitativo foi norteado pelos conceitos da teoria problematizadora de Paulo Freire, com aplicação do método da pesquisa convergente-assistencial. Os sujeitos foram 14 acompanhantes de clientes idosos na clínica cirúrgica de um hospital universitário do município do Rio de Janeiro. O estudo seguiu o preconizado na Resolução 196/96 do CNS, tendo sido aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do HUCFF/UFRJ sob o nº. 186/10. Utilizou-se para a produção dos dados formulário de identificação das acompanhantes e dos clientes idosos, entrevista semiestruturada e um roteiro de observação participante. As fases de desenvolvimento da pesquisa com os sujeitos constaram de entrevista individual, construção de um plano de cuidados compartilhado, implementação por cada acompanhante do plano de cuidados ao cliente idoso em pós-operatório, observação participante e, na última etapa, avaliação das acompanhantes e pesquisadora sobre todo o processo. Os dados foram analisados e interpretados a partir da triangulação dos achados, à luz da análise de conteúdo temática. A construção do cuidado compartilhado foi viabilizada pela educação em saúde, através do diálogo problematizador estabelecido com as acompanhantes de clientes idosos sobre a prevenção de complicações respiratórias pós-cirúrgicas. Os resultados revelaram que as acompanhantes acumulam saberes advindos de diferentes fontes que podem ser considerados válidos e importantes, acerca de cuidados básicos no pós-operatório, capazes de prevenirem problemas respiratórios. Através da metodologia participativa e problematizadora, construiu-se um plano de cuidados compartilhado a ser realizado com o idoso, resultante da integração de saberes e práticas dos acompanhantes com os da enfermeira-pesquisadora na visita pré-operatória. O cuidado compartilhado proporcionou às acompanhantes reunir condições de desenvolver relativa autonomia no cuidado ao idoso no espaço hospitalar.

10 9 Resultaram em novas ou revisitadas práticas, culminando em um cuidado congruente às reais necessidades dos clientes e seus acompanhantes, tornando-os parceiros no processo de cuidar. Todo o processo foi conduzido com base na visão nova-paradigmática, cuja postura epistemológica se pauta no entendimento da complexidade humana. Pensar o ser humano em sua complexidade é resgatá-lo como sujeito, de ações e interações, com consciência e autonomia. Tais princípios norteiam o pensamento freiriano, sustentado na valorização das relações humanas e no entendimento de que as pessoas têm capacidade para o desenvolvimento da crítica e reflexão sobre os objetos que lhes são dados a pensar. Também se aplicam à PCA, na medida em que se valorizam os saberes e práticas dos sujeitos da pesquisa no emprego de uma metodologia de intervenção, integradora e participativa. PALAVRAS-CHAVE: ENFERMAGEM. EDUCAÇÃO EM SAÚDE. CUIDADOS PRÉ- OPERATÓRIOS.

11 10 ABSTRACT XAVIER, Maria da Luz Ferreira. Sharing Knowledge and Practices of Companions of Aged with the one of the Nurse about the Prevention of Postoperative Respiratory Complications. Advisor: Neide Aparecida Titonelli Alvim. Rio de Janeiro: EEAN/UFRJ, Dissertation of Mater Degree in Nursing. The study object centralizes in the knowledge and practices of the companions about the prevention of respiratory complications in the aged. The objectives are: Describe knowledge and practices of companions directed to the prevention of the postoperative respiratory complications in the aged; construct a care plan directed to the prevention of postoperative respiratory complications in the aged, from the integration of knowledge and practices of companions with the one of the nurse-researcher in the context of the preoperative visit; Evaluate the effective condition of the care plan implemented in the postoperative. The qualitative study was guided by the concepts of the Critical Theory of Paulo Freire, with use of the method of the convergent-assistance research. The subjects were14 companions of aged clients in the surgical clinic of a university hospital of the Rio de Janeiro County. The study followed the recommended in the 196/96 Resolution of the NHC, having been approved by the Research Ethics Committee of the HUCFF/UFRJ under the N. 186/10. Formulary of the companions the aged clients identification, semi-structured interview and an itinerary of participant observation were used for the data production. The phases of the research development with the subjects consisted of individual interview; construction of a shared care plan, implementation by each companion of the care plan to the aged client in postoperative; participant observation and in the last stage, evaluation of the companions and researcher about all the process. The data were analyzed and interpreted from the findings triangulation, in light of the thematic content analysis. The construction of the shared care became possible by the education on health, through the critical dialogue established with the companions of aged clients about the prevention of post surgical respiratory complications. The results revealed that the companions accumulate knowledge resulted from different sources that could be considered valid and important, about the basic care in the postoperative capable of prevent respiratory problems. Through the participative and critical methodology, a shared care plan to be realized with the aged, resultant form the integration of companions knowledge and practices with the one of the nurse-researcher in the preoperative visit was constructed. The care shared provided to the companions gathering conditions of develop any autonomy in the care to the aged in the hospital space. They

12 11 resulted in new or revisited practices, culminating in a congruent care to the effective needs of the clients and theirs companions, becoming partners in the care process. All the process was conduced based on the new-paradigmatic view, which epistemological attitude is based in the understanding of the human complexity. To think about the human being in its complexity is to rescue it as subject, of actions and interactions, with conscience and autonomy. Such principles guide the freiriano thinking, sustained in the human relations valorization and in the understanding that the persons is capable to the critical and reflection development about the objects that are given for them to think; and also apply to the PCA insofar as the knowledge and practices of the research subjects are valorized in the employment of a methodology of intervention, integrating and participative. KEYWORDS: NURSING. EDUCATION IN HEALTH. PREOPERATIVE CARE.

13 12 RESUMEN XAVIER, Maria da Luz Ferreira. Compartiendo Conocimientos y Prácticas de Acompañantes de Ancianos con los de la Enfermera sobre la Prevención de Complicaciones Respiratorias Pos-quirúrgicas. Orientadora: Neide Aparecida Titonelli Alvim. Rio de Janeiro: EEAN/UFRJ, Disertación de Master Grado en Enfermería. El objeto de estudio se centra en los conocimientos y prácticas de acompañantes sobre la prevención de complicaciones respiratorias pos-quirúrgicas en el anciano. Los objetivos son: Describir conocimientos y prácticas de acompañantes dirigidos a la prevención de complicaciones respiratorias pos- quirúrgicas en el anciano; construir un plano de cuidados dirigido a la prevención de complicaciones respiratorias pos-quirúrgicas en el anciano, a partir de la integración de conocimientos y prácticas de acompañantes con los de la enfermera-investigadora en el contexto de la visita pre-operatoria; evaluar la efectividad del plano de cuidados implementado en el pos-operatorio. El estudio cualitativo fue norteado por los conceptos de la Teoría Problematizadora de Paulo Freire, con aplicación del método de la pesquisa convergente-asistencial. Los sujetos fueron 14 acompañantes de clientes ancianos en clínica quirúrgica de un hospital universitario del municipio del Rio de Janeiro. El estudio siguió el preconizado en la Resolución 196/96 del CNS, teniendo sido aprobado por el Comité de Ética en Pesquisa del HUCFF/UFRJ bajo el n. 186/10. Se utilizo para la producción de los datos formulario de identificación de las acompañantes y de los clientes ancianos, entrevista seme-estructurada y un itinerario de observación participante. Las fases de desarrollo de la pesquisa con los sujetos constaron de entrevista individual; construcción de un plano de cuidados compartido; implementación por cada acompañante del plano de cuidados al cliente anciano en pos-operatorio; observación participante; y, en la última etapa, evaluación de las acompañantes y investigadora sobre todo el proceso. Los datos fueron analizados y interpretados a partir de la triangulación de los hallados, a la luce del análisis de contenido temática. La construcción del cuidado compartido fue viabilizada por la educación en salud, a través del diálogo problematizador establecido con las acompañantes de clientes ancianos sobre la prevención de complicaciones respiratorias pos quirúrgicas. Los resultados revelaron que las acompañantes acumulan saber advenido de diferentes fuentes y que pueden ser considerados válidos e importantes, acerca de cuidados básicos en el pos-operatorio, capaces de prevenir problemas respiratorios. A través de la metodología participativa y problematizadora, se construyó un plano de cuidados compartido a ser realizado con el anciano, resultante de la integración de conocimientos y prácticas de los acompañantes con

14 13 los de la enfermera-investigadora en la visita pre-operatoria. El cuidado compartido proporcionó a las acompañantes reunir condiciones de desarrollar relativa autonomía en el cuidado al anciano en el espacio hospitalario. Resultaron en nuevas o nuevamente visitadas prácticas, culminando en un cuidado congruente a las reales necesidades de los clientes y sus acompañantes, tornándolos compañeros en el proceso de cuidar. Todo el proceso fue conducido con base en la visión nueva-paradigmática, cuya postura epistemológica se pauta en el entendimiento de la complejidad humana. Pensar el ser humano en su complejidad es rescatarlo como sujeto, de acciones e interacciones, con consciencia y autonomía. Tales principios guían el pensamiento freiriano, sustentado en la valorización de las relaciones humanas y en el entendimiento de que las personas tienen capacidad para el desarrollo de la crítica y reflexión sobre los objetos que les son presentados a pensar; y también se aplican a la PCA, en la medida en que se valorizan los conocimientos y prácticas de los sujetos de la pesquisa en el empleo de una metodología de intervención, integradora y participativa. PALABRAS CLAVES: ENFERMERÍA. EDUCACIÓN EN SALUD. CUIDADOS PREOPERATORIOS.

15 14 LISTA DE QUADROS Pág. Quadro nº 1: Síntese das etapas de produção de dados da pesquisa Quadro n º 2: Plano de cuidados construído com acompanhantes de idosos na VPO LISTA DE TABELAS Tabela 1: Distribuição das acompanhantes por vínculo com o idoso e das acompanhantes e idosos por sexo, idade, situação conjugal e número de filhos Tabela 2: Distribuição das acompanhantes e idosos por escolaridade, situação ocupacional e ocupação atual Tabela 3: Distribuição das acompanhantes e idosos por renda familiar, número de pessoas por domicílio, número de pessoas que contribuem com a renda familiar e religião 58 Tabela 4: Condições gerais dos idosos LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Pulmão jovem Figura 2: Pulmão idoso Figura 3: Imagem do interior do pulmão + diafragma Figura 4: Bola de soprar/bexiga com adaptador... 98

16 15 SUMÁRIO Pág. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1. Aproximação com a temática A problemática e a construção do objeto de estudo Questões Norteadoras Objetivos Relevância e justificativa do estudo CAPÍTULO I - BASES TEÓRICO-CONCEITUAIS DO ESTUDO 1.1. A pedagogia freiriana aplicada à enfermagem CAPÍTULO II - A TRAJETÓRIA METODOLÓGICA DO ESTUDO 2.1. Tipo de estudo e abordagem metodológica Trajetória da pesquisa convergente-assistencial Aspectos éticos Dificuldades para realização do estudo CAPÍTULO III - ASPECTOS SOCIAIS E DE SAÚDE RELACIONADOS AOS ACOMPANHANTES E IDOSOS E SUA INFLUÊNCIA NO CUIDADO 3.1. Caracterização dos acompanhantes, sujeitos do estudo e dos clientes idosos em pré-operatório CAPÍTULO IV - SABERES E PRÁTICAS DE ACOMPANHANTES DE IDOSOS SOBRE COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS PÓS-CIRÚRGICAS NO IDOSO 4.1. Principais causas de complicações respiratórias no pós-operatório do cliente idoso problematizadas no diálogo com os acompanhantes Fontes de informação e de aprendizagem acerca dos cuidados fundamentais evidenciados pelos acompanhantes de idosos sobre a prevenção de complicações respiratórias pós-cirúrgicas CAPÍTULO V - CONSTRUINDO O PLANO DE CUIDADOS NO DIÁLOGO COM ACOMPANHANTES COM VISTAS À PREVENÇÃO DE COMPLICA- ÇÕES RESPIRATÓRIAS NO PÓS-OPERATÓRIO DE IDOSOS... 87

17 16 CAPÍTULO VI - IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE CUIDADOS COMPARTI- LHADO E SUA EFETIVIDADE CAPÍTULO VII - AVALIAÇÃO DO PLANO DE CUIDADOS COMPARTILHADO 7.1. Avaliação dos acompanhantes sobre o plano de cuidados compartilhado e sua implementação Avaliação da enfermeira-pesquisadora sobre a experiência implementada: os desafios da assistência que se apresentam à equipe de enfermagem no hospital CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE A - INSTRUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO DO ACOMPANHANTE 145 APÊNDICE B - INSTRUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO DO IDOSO APÊNDICE C - ROTEIRO PARA CONDUZIR O DIÁLOGO/REFLEXÃO APÊNDICE D - ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO APÊNDICE E - ROTEIRO PARA CONDUZIR A DISCUSSÃO/AVALIAÇÃO APÊNDICE F - TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICE G - ENCAMINHAMENTO AO CEP/HUCFF APÊNDICE H - AUTORIZAÇÃO DO SERVIÇO DE UROLOGIA/HUCFF APÊNDICE I - AUTORIZAÇÃO DO SERVIÇO DE CIRURGIA GERAL/HUCFF 154 ANEXO A - AUTORIZAÇÃO DA DIVISÃO DE ENFERMAGEM/HUCF ANEXO B - PARECER DO CEP/HUCFF

18 17 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1. Aproximação com a temática Minha trajetória profissional como enfermeira assistencial nos setores de clínica médica e centro cirúrgico teve início em 1981 em um hospital universitário na cidade de João Pessoa/Paraíba e continuou a partir de 1985 na cidade do Rio de Janeiro, também no âmbito de um hospital universitário. Desses 29 anos de atividade profissional, 20 anos foram atuando em enfermarias de clínica médica e 08 anos em centro cirúrgico, exercendo a função de enfermeira líder 1. Nesse intervalo, verifiquei que tais setores são espaços em que se fazem necessárias atividades educativas voltadas não só aos clientes, mas também aos seus acompanhantes 2, principalmente quando se trata de clientes que, por questões inerentes ao declínio de sua autonomia, próprias à idade ou às enfermidades, dependem de outrem para seu cuidado (TEIXEIRA, 2008, p.25), como no caso de clientes idosos 3 clínicos ou cirúrgicos. No setor de clínica médica, os clientes, em sua maioria, apresentavam diferentes doenças, principalmente: cardíacas, endócrinas, neurológicas, respiratórias e gastrointestinais. Nesse setor, devido às características próprias dessas patologias, havia muitos clientes acamados, totalmente ou parcialmente dependentes. Dentre os cuidados de enfermagem a eles prestados, priorizava-se a mobilização ativa e passiva no leito e fora dele, como meio de prevenção às úlceras por pressão (UP), trombose venosa profunda (TVP) e complicações respiratórias. Muitos clientes permaneciam com acompanhante em tempo integral ou parcial. Esses se ocupavam basicamente em atender as necessidades dos clientes como alimentação, hidratação e higiene, além de auxiliar a equipe de enfermagem, alertando sobre o término de infusões venosas e/ou medicamentos, queixas dos clientes, dentre outras próprias do cotidiano da enfermagem hospitalar. 1 Liderança é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem com entusiasmo visando atingir aos objetivos identificados para o bem comum (HUNTER, 2004, p.25). Enfermeiro(a) líder é a terminologia utilizada pela Divisão de Enfermagem (DEN) do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF/UFRJ), para designar o enfermeiro(a) que não exerce cargo de chefia. 2 O acompanhante pode ser pessoa com vínculo sanguíneo ou não que permanece junto ao cliente na hospitalização exercendo a função de cuidador (remunerado ou não), ou ainda, sem esta função específica, estando somente para lhe fazer companhia (TEIXEIRA, op.cit, p.22). 3 Pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos (MS, 2003).

19 18 Muitos acompanhantes, no entanto, mostravam-se atentos aos cuidados prestados pela equipe de enfermagem, para reproduzi-los, quando necessário. Outros, preocupados com a reprodução correta desses cuidados, buscavam informações junto à equipe de enfermagem, que geralmente respondia considerando os conhecimentos técnicos e científicos, distante da vivência dos acompanhantes. Assim, a prática educativa da equipe de enfermagem junto a esses clientes se mostrava, na maioria das vezes, incipiente às necessidades apresentadas pelos acompanhantes. Portanto, enquanto enfermeira do setor de clínica médica de hospitais de grande porte 4, cuidei de clientes em diferentes etapas do ciclo vital, acometidos, quase sempre, por doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) de difícil controle. Essas doenças levavam os clientes a internações frequentes e longas, interferindo na qualidade de vida e causando sofrimento e transtorno aos mesmos e seus familiares. Penso que, muitas vezes, as frequentes reinternações deviam-se, em parte, a não observância dos cuidados necessários ao controle e prevenção das doenças. A título ilustrativo, destaco a situação de clientes acometidos por doenças pulmonares crônicas que não deixavam de fumar e outros por diabetes mellitus que não faziam dieta. Tornava-se evidente, no meu entender, a importância e a necessidade de ações educativas no contexto hospitalar, que favorecessem a esses clientes uma maior conscientização, não só com a própria saúde (cuidar de si), mas também com a saúde dos familiares, como no caso de fumantes, uma vez que as pessoas que convivem com fumantes também estão expostas às doenças provocadas pelo fumo. Na visão de Waldow (2001, p.285): O cuidado humano é aquele que prioriza o eu/self em relação a si próprio como ser existencial, a sua condição de ser relacional que faz parte de um contexto maior. Seres humanos cuidam (ou deveriam cuidar) de si, dos outros e do cosmos, preservando a natureza. É um existir pleno de responsabilidade e não apenas um estar no mundo. Nessa linha de pensamento, acreditava ser outro ponto importante estender as ações educativas aos acompanhantes desses clientes, com o propósito de envolvê-los no processo de cuidados necessários à promoção e manutenção da saúde dos mesmos. Por isso, penso ser difícil para um fumante deixar de fumar, convivendo com outros fumantes, ou uma pessoa diabética fazer dieta, estando próxima a uma geladeira repleta de guloseimas. Afinal, para que haja a tomada de consciência, é preciso situar os sujeitos no processo 4 Hospitais com capacidade instalada de 151 a 500 leitos (MS, 1985).

20 19 do cuidado como ativos participantes, o que só se faz possível quando todos os envolvidos nas ações têm igual direito de expressão e acesso a informações sobre como se cuidar. Em relação à atuação da equipe de enfermagem, verificava que eram priorizadas as ações no campo das intervenções técnico-curativas, deixando em segundo plano as ações de cunho educativo. Isso se dava, por vezes (ou assim justificado), devido ao grande volume de trabalho, reduzindo o tempo destinado ao diálogo, momento que, no meu entendimento, conduz a uma relação de confiança e respeito mútuo contribuindo para uma assistência de enfermagem mais humanizada. Segundo Christóforo e Carvalho (2009), observa-se na prática rotineira dos profissionais da enfermagem envolvidos em seus afazeres, que a reflexão sobre a sua atuação profissional é poucas vezes exercitada. Destaco que, mesmo diante dos limites que se apresentavam à prática profissional, sempre procurei dialogar com os clientes e, especialmente, em se tratando de idosos, também com seus acompanhantes, muitas vezes, a pedido do próprio cliente, que alegava dificuldades para apreender as orientações. Entretanto, o diálogo era conduzido de forma verticalizada, que mais se aproximava de um monólogo, pois, na maioria das vezes, transmitia informações técnico-científicas acumuladas no decorrer de minha vida profissional e acadêmica. À época, desconhecia a importância de trocar e entrelaçar na teia do cuidado os conhecimentos profissionais com os saberes adquiridos pelos clientes e seus acompanhantes, principalmente ao longo da convivência com a doença, a fim de construir, conjuntamente, ações para um cuidado individualizado e dentro da realidade sócio-econômico-cultural de cada cliente. Por diversas vezes, ouvi, desses e/ou de seus acompanhantes, a inviabilidade de continuar o tratamento, a dieta ou outros cuidados necessários à manutenção da saúde, fora do ambiente hospitalar, devido ao baixo poder aquisitivo. Diante desses fatos, constato que as ações de educação em saúde, embora presentes no meu cotidiano de cuidar, eram realizadas de forma unidirecional, prescritiva, caracterizadas pelo modelo tradicional de educação, de natureza depositária, constituindo-se em ações voltadas para o cliente e não com o cliente, inviabilizando o intercâmbio entre os saberes acadêmico e popular e desmotivando os clientes a expressarem suas reais necessidades. Silva e Nakata (2005) afirmam que quando a assistência de enfermagem é automatizada, é normal o cliente considerar que está aborrecendo os profissionais de saúde e para não incomodá-los, muitas vezes, cala-se.

21 20 Nessa vertente, impunham-se as práticas do saber científico do profissional de saúde, resultando em um cuidado dominante, em que o cliente e/ou seu acompanhante, principais interessados nos resultados dessas ações, não eram chamados a opinar e a discutir sobre essas. Nesse sentido, Valla (2000, p.15) comenta que se a referência para o saber advir apenas do profissional, dificulta o acesso ao saber do outro. Os saberes da população são elaborados sobre a experiência concreta, a partir das suas vivências, que são vividas de uma forma distinta daquela vivida pelo profissional. Ainda que minhas ações nem sempre estivessem pautadas em uma abordagem pedagógica de natureza problematizadora, a qual critica a forma autoritária e pouco produtiva da comunicação concebida por extensão (FREIRE, 2001), cujos preceitos ferem a verdadeira dialogicidade, preocupava-me em abordar ações de cunho educativo junto aos clientes e/ou seus acompanhantes, tanto durante a internação, quanto por ocasião da alta hospitalar. Isso porque, sempre acreditei na força do conhecimento como meio eficaz de sensibilização para valorização da saúde e da qualidade de vida. A partir do ano de 2000, passei a atuar no centro cirúrgico. Nos anos de , lecionei nos cursos de técnico e auxiliar de enfermagem do Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de Enfermagem (PROFAE). Nessa oportunidade, aproximei-me da Pedagogia Libertadora/Problematizadora de Paulo Freire e me identifiquei com sua proposta inovadora de educação. Ela traz no seu arcabouço teórico a perspectiva crítico-reflexiva, a valorização das diferentes formas de pensar, dos saberes e práticas, oriundos da cultura popular, e do respeito ao contexto no qual as pessoas estão inseridas. Propõe a coconstrução do conhecimento e a desconstrução do mito do professor que detém todo o saber. Trabalha com a figura do professor mediador, orientador, facilitador na construção de novos saberes. Essa pedagogia levou-me a refletir criticamente sobre a minha prática e a forma como desenvolvia as ações educativas junto à clientela e seus acompanhantes. Plantou em mim a semente da inquietude, da curiosidade e, desde então, o desejo de propor ações voltadas à educação em saúde que pudessem aplicar a pedagogia freiriana. 2. A Problemática e a construção do objeto do estudo Ao passar a desenvolver minhas atividades profissionais no centro cirúrgico (CC), deparei-me com uma realidade de cuidado distinta daquelas até então vivenciadas na clínica médica. Isso porque, enquanto nessa clínica os clientes passam, algumas vezes, por longas

22 21 internações, no CC, eles permanecem apenas por algumas horas, o que tende a restringir seu tempo de contato com a equipe de enfermagem. O pouco tempo de convivência com o cliente no CC, embora não seja o determinante, pode também interferir na construção da relação entre ele e a enfermeira (SILVA; ALVIM, 2010, p.428). Ademais, muitos clientes chegam ao CC sonolentos ou adormecidos, com dificuldade ou sem condições de se comunicarem devido ao efeito da medicação préanestésica, administrada na enfermaria, antes do encaminhamento ao CC. Os clientes adentram ao CC através da sala de recepção pré-operatória (RPO), onde permanecem até serem conduzidos à sala de operação (SO). Na RPO, são prestados os cuidados ao cliente pela equipe de enfermagem que avalia suas necessidades física, emocional e de segurança (...) (SILVA, 2009, p. 40). A entrada do cliente na RPO, por ser um local desconhecido para ele, pode lhe provocar grande impacto e fazer com que se sinta vulnerável, sendo fundamental o apoio efetivo da equipe de enfermagem nesse momento (BIANCHI; TURRINI, 2007). Para aqueles clientes que chegam acordados ao CC, é difícil o tempo de espera para a cirurgia. Sabe-se que o enfrentamento de um ato cirúrgico gera medo e insegurança. Segundo Souza, Souza e Fenili (2005), o cliente cirúrgico apresenta um nível de estresse no período pré-operatório, independente do grau de complexidade da cirurgia. Para Escudeiro (1988 p. 6), toda intervenção cirúrgica representa uma ameaça à integridade da pessoa, portanto, produz certo grau de ansiedade. Tanto o ambiente físico quanto o das relações interpessoais no CC por suas características peculiares podem contribuir para exacerbar estes sentimentos. Cito dentre essas características as vestimentas dos profissionais, próprias desse ambiente (túnica, touca e máscara), que dificultam a relação face a face e podem colaborar para o distanciamento entre cliente e enfermeira (SILVA, 2009), além de contibuir para tornar o ambiente um tanto frio e impessoal. É fato que o ambiente físico influencia na promoção de bem-estar e conforto em qualquer contexto. No CC, fatores como o excesso de ruídos a que os clientes são submetidos - o toque de telefones fixo e celulares, o barulho do sistema de refrigeração, as conversas aleatórias entre os profissionais, podem contribuir para aumentar a angústia e o estresse da espera pelo ato cirúrgico. Nightingale (1989, p. 55) afirma que Ruído desnecessário, de fato, é a mais cruel falta de cuidado que pode ser imposta a um doente ou mesmo a uma pessoa sadia.

23 22 Antes de serem encaminhados ao CC, os clientes recebem cuidados de enfermagem preconizados para o período pré-operatório. Os cuidados de enfermagem mais comuns nessa fase são: tricotomia, banho, colocação de roupa cirúrgica, preparo gastrointestinal, jejum, retirada de jóias, prótese dentária e outras próteses, roupa íntima e esmalte (CHRISTÓFORO; CARVALHO, 2009). Observo que na relação desses cuidados são priorizadas as fases pré e transoperatórias em detrimento daquelas inerentes ao período pós-operatório, incluindo os relacionados às possíveis complicações nesse período. Estudo realizado pelas autoras acima mencionadas revela que sentimentos como constrangimento e indiferença foram manifestados pelos clientes durante a realização dos cuidados pré-operatórios, o que implica na necessidade de avaliação da efetividade desses cuidados. Destacam que alguns cuidados como colocação da roupa cirúrgica (camisola), retirada da roupa íntima e da prótese dentária, podem causar desconforto aos clientes. A remoção da prótese dentária faz com que muitos deles permaneçam com o lençol sobre a boca, enquanto estão na RPO, dificultando a comunicação, inclusive durante a admissão feita pelo enfermeiro. A retirada de aliança de casamento é, também, motivo de estresse para alguns clientes, geralmente idosos. Eles alegam nunca a terem retirado e, com isso, parecem sentirem o matrimônio invadido e ameaçado. Assim, o estresse para o cliente cirúrgico poderá ser causado de acordo com a sua percepção. Além da rotina pré-operatória que pode potencializar os sentimentos de estresse, medo e insegurança comuns a essa fase, os riscos 5 que envolvem todo procedimento cirúrgico é outro fator importante nesse contexto. É comum os clientes perguntarem enquanto estão na RPO: é verdade que ocorrem muitos erros no centro cirúrgico e podemos ser trocados e fazermos a cirurgia errada? ; durante a anestesia a pessoa fica como morta? ; a anestesia na coluna pode deixar aleijado? Por outro lado, existem ainda, situações de conflito externas ao ambiente cirúrgico, como as preocupações de natureza financeira e social. O repouso de dias ou até meses, que em geral requer um procedimento cirúrgico, pode afastar o cliente de suas atividades sociais e laborais. Esse afastamento laboral é mais crítico quando se trata de trabalho autônomo, por não haver possibilidade de licença trabalhista remunerada. Assim, concordo com Cavalcante; Pagliuca e Almeida (2000, p.59) quando destacam que um procedimento cirúrgico não é um acontecimento banal na vida de uma pessoa. Faz-se 5 Risco cirúrgico é toda possibilidade de perigo ou dano que ocorre com um paciente, candidato à cirurgia em decorrência de diferentes fatores que possam afetá-lo no pré, no trans e/ou no pós-operatório. (NIGRO, 1984 apud SILVA; RODRIGUES; CESARETTI, 1997 p.70)

24 23 necessário um preparo prévio desse indivíduo e de seus familiares, que muitas vezes precisam afastar-se de sua vida normal por algum tempo. Além disso, essas pessoas necessitam mobilizar recursos físicos, emocionais e até financeiros para enfrentar esse momento. Por isso, situações de longa dependência decorrentes de cirurgias, geralmente, repercutem de forma expressiva no cotidiano das pessoas. Elas precisam se munir de fé e esperança na recuperação, para que não se desesperem e resultem em estado de depressão. Para alguém que pratica a dança, por exemplo, permanecer durante meses dependente de muletas, devido ao tratamento cirúrgico de uma fratura no tornozelo, vivendo da incerteza, se poderá ou não voltar a dançar, sente grande sensação de impotência e insegurança, que só vai diminuindo com os progressos na recuperação. Por tantas adversidades enfrentadas pelos clientes, penso ser importante o desenvolvimento de ações educativas que contemplem todas as fases do período operatório, em destaque para a visita pré-operatória 6 (VPO), momento em que o enfermeiro poderá conhecer e dirimir eventuais dúvidas, proporcionando ao cliente a possibilidade de diálogo para expor seus medos e outros sentimentos derivados do processo cirúrgico como um todo. Além disso, poderá oportunizar a discussão sobre os aspectos inerentes aos cuidados requeridos nas diferentes fases desse processo, para os quais tanto a participação do cliente, quanto do acompanhante é essencial. Ademais, o enfermeiro poderá captar problemas e atuar como elo entre este e a equipe cirúrgica, com o objetivo de proporcionar uma assistência transoperatória adequada e individualizada (ESCUDEIRO, 1988). Para diminuir o distanciamento e minimizar o impacto ao cliente frente à cirurgia e ao CC, na instituição na qual estou inserida, cenário para o desenvolvimento desta pesquisa, a VPO é realizada no dia anterior ou no último dia útil antes do procedimento cirúrgico. Por questões operacionais, não é realizada a VPO aos clientes que internam no dia da cirurgia. Ela é desenvolvida pelo enfermeiro do CC através de entrevista estruturada, utilizando um instrumento do tipo check list 7, elaborado pelos enfermeiros do referido setor, conjuntamente com a Divisão de Enfermagem (DEN). Através desse instrumento, são coletadas informações sobre: nível de consciência/orientação, condições emocionais em relação ao ato cirúrgico, uso de próteses/cateteres, existência de patologias agudas e/ou crônicas, ou que exijam medidas de precaução/segurança e alergias, tabagismo, alcoolismo, transfusão de sangue, uso de 6 A visita pré-operatória (VPO) consiste na primeira etapa da sistematização da assistência de enfermagem perioperatória (GRITTEN; MÉIR; GAIEVICZ, 2006, p.245). 7 Lista de conferência (WHITLAM; DAVIES; HARLAND, 1997)

25 24 medicamentos, cirurgias anteriores, eliminações fisiológicas, observações relevantes não contempladas pelo roteiro, assinatura do Termo de Responsabilidade 8, dentre outras. Neste estudo, vale ressaltar que meu interesse em compartilhar saberes e práticas com os acompanhantes de idosos no âmbito da VPO, cujo resultado convirja pesquisa e cuidado, está focado especialmente na prevenção ou minimização das complicações pós-operatórias. Esse interesse se justifica pela notória carência e fragilidade das ações educativas voltadas para o cliente cirúrgico, principalmente em se tratando do cliente idoso e seus acompanhantes. Isso porque as pessoas idosas são as mais propensas às complicações pós-operatórias, principalmente as complicações respiratórias, responsáveis por aproximadamente 40% dos óbitos nessa clientela, relacionados aos possíveis comprometimentos pulmonares oriundos dos procedimentos cirúrgicos e da anestesia (FERNANDES; RUIZ NETO, 2002). Zago (1997), ao analisar estudos sobre a atividade educativa do enfermeiro cirúrgico, comenta que os enfermeiros perceberam que as complicações pós-operatórias poderiam ser minimizadas ou evitadas pelo processo educativo do cliente, durante o período perioperatório. 9 Essas complicações são definidas como uma segunda doença, inesperada, que ocorre até trinta dias após o procedimento cirúrgico, ou a exacerbação de uma mesma doença préexistente em decorrência da cirurgia. Embora haja possibilidade de outras complicações, as do trato respiratório são as mais frequentes e contribuem assim para a morbidade e mortalidade perioperatória (JOIA NETO; THOMPSON; CARDOSO, 2005; RODRIGUES; ÉVORA; VICENTE, 2008). Apesar de no momento da VPO serem dadas orientações sobre os cuidados relacionados à rotina pré e pós-operatória, observo que não fazem parte desses cuidados orientações voltadas à prevenção ou minimização de complicações pós-operatórias, em especial, as do tipo respiratório, considerando principalmente sua importância para a pessoa idosa. Sabe-se que o envelhecimento é acompanhado de alterações no sistema respiratório, que constituem fator de risco para complicações respiratórias no pós-operatório, assertiva confirmada por diversos estudos realizados (GAZARIAN, 2006; SAKAI et al, 2007; 8 O Termo de Responsabilidade é um documento que contém informações sobre os riscos que permeiam a cirurgia. Compete ao médico que atende ao cliente, prestar as informações e esclarecimentos sobre o referido termo, que é obrigatório para as cirurgias programadas. O mesmo deve ser assinado pelo cliente ou seu representante legal. 9 Termo que incorpora as três fases do período operatório: pré-operatória (antes), trans-operatória (durante) e pós-operatória (depois) (POMPEO, 2007 p.16).

26 25 CARBO; SMETANA, 2008; RODRIGUES; ÉVORA; VICENTE, 2008; SILVA et al, 2009). Isso porque, com o avançar da idade, ocorre significante diminuição da reserva funcional do sistema respiratório e um grande número de pacientes idosos está sendo submetido a intervenções cada vez mais complexas (FERNANDES; RUIZ NETO, 2002). Segundo Smeltzer e Bare, (2009), as alterações que ocorrem no sistema respiratório, relacionadas à idade, afetam a capacidade e função pulmonares como: calcificação das cartilagens costais e redução da mobilidade das costelas, diminuição da eficiência dos músculos respiratórios, aumento da rigidez pulmonar e diminuição da área alveolar, dentre outras. A capacidade vital do pulmão diminui, afetando a troca gasosa e a capacidade de difusão 10. A diminuição da eficiência da tosse, a menor atividade ciliar e o aumento do espaço morto pulmonar 11 tornam a pessoa idosa mais vulnerável às infecções respiratórias. Considerando as complicações respiratórias em clientes idosos no pós-operatório, alguns autores sugerem que o local da cirurgia (próximo ao diafragma ou parede torácica), doenças pulmonares pré-existentes e a idade são as principais causas de morbimortalidade pós-operatória. Uma explicação para as alterações relacionadas à localização da cirurgia, é a diminuição da excursão respiratória devido à dor ou curativo compressivo, ressaltam Fernandes e Ruiz Neto (2002, p.462). Nesse sentido, Stracieri (2008, p. 465) destaca que a dor no pós-operatório dificulta a mobilização ativa, restringe o esforço para a tosse produtiva, leva à hipoventilação e compromete o estado geral do paciente. Ainda, pode prejudicar a realização de inspirações profundas, afirmam Renault e outros (2009). A imobilidade no pós-operatório é outro fator considerado importante quando se trata de complicações respiratórias, uma vez que provoca distúrbios na mecânica pulmonar, podendo ocasionar doenças graves, tais como atelectasia e pneumonia hipostática. A posição deitada gera um acúmulo de líquido na base dos pulmões, que serve de cultura para a proliferação de bactérias, sustentam Cazeiro e Peres (2010, p.154). A tecnologia avançada, o aumento da longevidade humana e o desenvolvimento técnico-científico, contribuem para que um maior número de idosos busque tratamento cirúrgico (LENARDT et al, 2010). Os progressos nas técnicas de avaliação, de anestesia e as habilidades de monitorização nos procedimentos cirúrgicos, permitem que o cliente idoso tolere bem uma cirurgia eletiva. 10 Processo pelo qual o oxigênio e o dióxido de carbono são permutados na interface ar-sangue (SMELTZER; BARE, op. cit.). 11 Região entre a traquéia e os bronquíolos terminais, que não apresenta a função respiratória, mas somente a função de condução de gases (FEREZ, s. d.).

27 26 Porém, ele tem menos reserva fisiológica 12 do que o paciente jovem, para reagir a um trauma cirúrgico. Entre os critérios para ótimos resultados após uma cirurgia em um cliente idoso, encontram-se o histórico e tratamento pré-operatório criterioso e cuidados pós-operatórios meticulosos e competentes (SMELTZER; BARE, 2009). Desse modo, o aparelho respiratório do idoso exige especial atenção, desde o período pré-operatório até o pós-operatório tardio com o objetivo de diminuir as complicações associadas a esse sistema, motivo pelo qual constituir-se como foco de alguns estudos (FERNANDES; RUIZ NETO, 2002). Dentre as mais frequentes estão: a atelectasia, a pneumonia, a tromboembolia pulmonar e a falência respiratória (RODRIGUES; ÉVORA; VICENTE, 2008, p.469). Conforme ressaltam Lenardt e outros (2010), além de aumentarem a morbidade e a mortalidade no pós-operatório, as complicações são, também, responsáveis pelo aumento no custo do tratamento, no tempo de hospitalização e ainda tornam-se injúrias ao paciente idoso. Faz-se necessário, portanto, o investimento em ações educativas/cuidativas no período pré-operatório, a fim de prevenir ou minimizar as complicações respiratórias pós-cirúrgicas que muitas vezes levam os idosos a grande sofrimento, como ventilação mecânica, longa permanência em unidade de terapia intensiva (UTI) ou até mesmo à morte. Porém, muitas vezes os clientes idosos alegam dificuldades para apreender as orientações e por isso preferem que seus acompanhantes conversem com o enfermeiro durante a VPO. Os acompanhantes, que em sua maioria são familiares e/ou têm envolvimento afetivo com o cliente, sentem o peso dessa responsabilidade. Essa, muitas vezes, é imposta, estejam os acompanhantes preparados ou não para tal missão. Como destaca Pacheco (2004, p. 50), Cuidar é um ato de amor, sem, contudo, cair numa visão romântica ou ingênua de que o cuidador é responsável por tudo, que pode resolver tudo e que esta missão é unicamente sua. Cuidar tem que ser um ato compartilhado. Assim, compete à equipe de enfermagem apoiar esses acompanhantes a fim de diminuir as dificuldades por eles enfrentadas, compartilhando ações de cuidado. Ocorre que a condução da entrevista realizada pela enfermeira no contexto da VPO se dá frequentemente por meio de perguntas padronizadas, o que resulta, muitas vezes, em respostas nessa mesma linha diretiva. Dessa feita, restringe, embora não impeça, uma abordagem dialógica que penso permear as ações do cuidado de cunho relacional, cliente-enfermeira. 12 Capacidade de um órgão de retornar ao normal após um distúrbio em seu equilíbrio (SMELTZER; BARE, op.cit.).

28 27 Nesse sentido, torna-se necessário e importante o diálogo com clientes cirúrgicos e seus acompanhantes a fim de tranquilizá-los e prepará-los para o enfretamento do ato cirúrgico e os cuidados que giram em torno do mesmo, partindo dos saberes e práticas que eles trazem do seu cotidiano de vida comum. No entanto, habitualmente na assistência de enfermagem, o acompanhante é pouco contemplado por nossas ações e quando estas são realizadas, em geral ocorrem de forma prescritiva, verticalizada, autoritária, enfatizando esclarecimentos sobre as rotinas administrativas e sobre a situação do cliente hospitalizado (PRATA, 2006). Assim sendo, tal postura precisa ser repensada, como aponta Coelho (2004), quando afirma que considerar a família como coparticipante do processo de cuidar é fundamental, pois, diante da necessidade de uma internação hospitalar, o profissional assume a responsabilidade na promoção e manutenção da saúde do cliente, por um curto período, quando comparado ao tempo em que a família assume o cuidado junto ao familiar até a sua total recuperação. Vários estudos reforçam a importância da presença do acompanhante do idoso, não só pela companhia em si, mas também pela necessidade de que ele obtenha informações que possam melhor orientá-lo no desempenho do papel de cuidador leigo (TEIXEIRA, 2008, p ). A atividade de cuidar, realizada com a equipe de enfermagem no hospital, torna-o um cliente e um parceiro da enfermagem (PENA; DIOGO, 2005, p.664). Concordo com Teixeira e Ferreira (2009b), quando destacam que a presença do acompanhante do cliente idoso hospitalizado, assegurada pela Lei nº 8842 de 4 de janeiro de 1994, faz com que a enfermagem tenha de fato dois clientes: o próprio idoso e o acompanhante. Assim sendo, a permanência do acompanhante do idoso hospitalizado merece ser aproveitada, a fim de propiciar sua participação ativa no cuidado ao cliente. No espaço educativo problematizador, pela crítica e reflexão das situações que se apresentarem mediante a troca dos saberes e práticas dos acompanhantes com os do enfermeiro, é possível construir um cuidado compartilhado, pelo qual o conhecimento se dá a partir da experiência do sujeito em um processo de significação. Nesta linha de pensamento, Teixeira e Ferreira (2009a, p. 758) ressaltam que ao entendermos que o cuidado pode ser compartilhado, temos aí, inevitavelmente, um processo dialógico permeando tal construção no encontro dos saberes do senso comum e reificado que, por sua vez, envolve o encontro de culturas de conhecimento e prática. Assim, este conceito de cuidado abrange uma dimensão educativa que implica em mobilização de saberes

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER Autores RESUMO LIMA 1, Matheus OCCHIUZZO 2, Anna Rosa Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Psiquiatria

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS

MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS Carolina Soares Debom Cristiane Dias Waischunng Fernanda Jaeger Priscila Moura Serratte Orientadora: Profª Ms. Cláudia Galvão Mazoni

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: DE MAIRIPORÃ Código: 271 Município: MAIRIPORÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM CONTABILIDADE Qualificação:

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO ACADÊMICO Projeto de Funcionamento

NÚCLEO DE APOIO AO ACADÊMICO Projeto de Funcionamento NÚCLEO DE APOIO AO ACADÊMICO Projeto de Funcionamento Responsável: Psic. Juliana Cohen MANAUS/AM APRESENTAÇÃO O Núcleo de Apoio ao Acadêmico (NAA) da Faculdade La Salle/Manaus-AM, em consonância com a

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF)

SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NA ASSISTÊNCIA SOCIAL NA PERSPECTIVA DA SUPERAÇÃO DO CLIENTELISMO/ASSISTENCIALISMO O Serviço de Proteção e Atendimento

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Brasil. 5 O Direito à Convivência Familiar e Comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no

Brasil. 5 O Direito à Convivência Familiar e Comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no Introdução A convivência familiar e comunitária é um dos direitos fundamentais 1 garantidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA, 1990). A lei ainda enfatiza que: Toda criança ou adolescente

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL Trabalho de aproveitamento apresentado à disciplina Estágio Supervisionado I do Curso de Enfermagem da Universidade

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 FATORES QUE INTERFEREM NO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DURANTE A PASSAGEM DE PLANTÃO Samuel Leandro dos Santos 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A comunicação é um processo

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo I- Identificação do Paciente Nome: Nº do prontuário:

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

A FORMQAÇÃO DO PROFISSIONAL ENFERMEIRO E SEU REFLEXO NO MERCADO DE TRABALHO Cláudio Alves Porto

A FORMQAÇÃO DO PROFISSIONAL ENFERMEIRO E SEU REFLEXO NO MERCADO DE TRABALHO Cláudio Alves Porto A FORMQAÇÃO DO PROFISSIONAL ENFERMEIRO E SEU REFLEXO NO MERCADO DE TRABALHO Cláudio Alves Porto O COREN-SP, preocupado com a situação atual relacionada com a Formação Profissional de Enfermagem, vem assumindo

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER

BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER BENEFÍCIOS E DIFICULDADES DO ENVELHECER Kenia Anifled de Oliveira Leite Professora do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande-PB. kaleite@ig.com.br Carla Giullianna Meira

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Escolhas que Brilham

Escolhas que Brilham Projeto para SCFV- Modalidade CCA e CJ Escolhas que Brilham Angeline Peixoto Antonia Diógenes Regina Kelly Cristina Barboza de Oliveira Rosangela Souza Taina de Oliveira São Paulo Julho 2014 ESCOLHAS QUE

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Projeto de Educação Financeira de Adultos Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Relatório Parcial A AEF-Brasil é uma entidade da sociedade civil que promove e executa ações transversais

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista.

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. Jacyara Coy Souza Evangelista 1 Faz algum tempo, que os cuidados com os pacientes, não se concentram mais entre os profissionais de

Leia mais

FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA. Alícia Flores Jardim

FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA. Alícia Flores Jardim FAZENDO SEXO APÓS O CÂNCER DE PRÓSTATA Alícia Flores Jardim Dedicatórias Dedico este trabalho a meu pai que morreu em janeiro de 2013, após um câncer de próstata descoberto tardiamente. Ao meu marido

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 Fátima Regina Nunes de Sousa 2 Yana Talita de Souza 3 Dayane Franco Mangueira 3 Renata

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA MORAIS, Luciane dos Santos Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva LAMARI, Luciano Brunelli Docente da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA

FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA JOÃO PESSOA, 2015 SUMÁRIO 1. Processo de Enfermagem... 3 1ª Etapa Historico de Enfermagem...

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais