UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PPGDir = Programa de Pós-Graduação em Direito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PPGDir = Programa de Pós-Graduação em Direito"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PPGDir = Programa de Pós-Graduação em Direito PROJETO DE PESQUISA: JUSTIÇA DEMOCRÁTICA DE TRANSIÇÃO Políticas da Memória, Direitos Humanos e Direito Internacional Penal PROPONENTE: Tupinambá Pinto de Azevedo Doutor em Direito do Estado e Teoria do Direito UFRGS Líder do GRUPO DE PESQUISA CIÊNCIA PENAL CONTEMPORÂNEA Porto Alegre (RS) 1

2 Programa de Pós-Graduação em Direito Atuação: Pesquisador de Pós-Graduação desde 01/01/2007 Pesquisador de Graduação desde 10/10/ TÍTULO DA PESQUISA: JUSTIÇA DEMOCRÁTICA DE TRANSIÇÃO Políticas da Memória, Direitos Humanos e Direito Internacional Penal 2. Proponente: Tupinambá Pinto de Azevedo 3. Qualificação do Pesquisador: Professor do PPGDir (Programa de Pós-Graduação em Direito) Líder do GRUPO DE PESQUISA CIÊNCIA PENAL CONTEMPORÂNEA Pesquisador de Pós-Graduação desde 01/01/2007 Pesquisador de Graduação desde 10/10/ Vinculado à Linha de Pesquisa: FUNDAMENTOS DA INTEGRAÇÃO JURÍDICA. Linha pertencente ao Programa de Pós-Graduação em Direito. 5. OBJETO: Essa linha de pesquisa tem por escopo as perspectivas da integração, examinando a institucionalização jurídica dos instrumentos e dos órgãos comunitários; o direito internacional em novas interfaces, com defesa e promoção de direitos nos espaços integrados e nos aspectos transnacionais; em nosso caso específico, o novo direito internacional penal e a proteção internacional dos Direitos Humanos. Após atenta leitura das ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO E LINHAS DE PESQUISA, aperfeiçoamos as disciplinas que tratam do Direito Internacional Penal, no PPGDir, incluindo, desde 2006, ao lado do Direito Penal, a Filosofia, a Teoria Geral da História, da Sociologia, da Economia e da Educação, categorias propostas à vista da trandisciplinaridade presente na chamada Justiça Democrática de Transição. O projeto oferecido, entre novos enfoques, tem por centro a ideia de Justiça Transicional ou de Transição (cujos pontos básicos de discussão se destacam como Anistia, Memória e Verdade, persecução penal de delitos contra direitos humanos ou contra a humanidade, temática integrada na Área e Linha já esboçadas no Programa de Pós-Graduação do Direito, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul), e cujos contornos aparecem 2

3 como aspecto stricto sensu da pesquisa. Pilares a serem enfatizados, nesse âmbito, são (1) o Direito Humanitário (vide proteção de refugiados e deslocados internos), (2) o Totalitarismo, tema sempre pertinente ao estudo do Direito Internacional Penal, (3) o Direito Penal, com discurso argumentativo incidindo sobre normas, em busca de novos paradigmas (nova gramática penal?) 1 para enquadramento do Tribunal Penal Internacional (Estatuto de Roma). Data de Início: 07/ TEMA: Justiça democrática de Transição A ideia de Justiça de Transição pode ser vista, em perspectiva histórica, como algo tão antigo quanto a democracia. 2 Aí a referência aparece na experiência ateniense entre 411 e 403 a.c., quando se tem a passagem da democracia à oligarquia, com posterior volta dos democratas ao poder. Principais mecanismos de justiça, nessa transição, a punição e a reparação. Embora a expressão Justiça de transição não estivesse cunhada, a busca de reconciliações, em 403, já trazia características que, no curso do tempo histórico, iriam se acentuando. Ruti Teitel traz à colação uma ideia transicional mais próxima de nossos contemporâneos, com origem na Primeira Guerra Mundial, mas efetivo aprofundamento na Segunda, com o desenvolvimento dos tribunais de Nuremberg e Tóquio, o desenvolvimento de programas de desnazificação, na Alemanha, e a elaboração de legislação para compensar as vítimas do nazismo, inicialmente sob a orientação dos Aliados e, mais tardes, do Parlamento da própria Alemanha Ocidental, passando a ser entendida como extraordinária e internacional DELIMITAÇÃO DO TEMA: O que entendemos hoje por Justiça de Transição, e chamaremos, nesse trabalho, de Justiça Democrática de Transição, teve seu efetivo momento de (re)instauração no julgamento dos antigos integrantes das Juntas Militares, na Grécia em 1975, e na Argentina, em Diferentes formas de reparação e os esforços na busca pela verdade (sobretudo diante da realidade dos desaparecidos), incentivaram essa nova forma de justiça, menos como justiciamento, que caracterizava os eventos revanchistas de outros tempos, mas como efetiva imposição da verdade, como valor absoluto e irrenunciável. 5 O caso brasileiro, como dos demais casos do cone sul, na segunda metade do século XX, é sucedido pela evolução e consolidação do direito 1 FLETCHER, George P. Gramática del Derecho Penal. B.Aires: Hammurabi, ELSTER, Jon. Closing the books: transitional justice in historical perspective. Cambridge: Cambridge University, 2004, p. 3-4, 21-22, 24, Aut. cit., Transitional justice genealogy. In Harvard Human Rights Journal. Cambridge, v. 16, 2003, p BICKFORD, Louis. Transitional justice. In HORVITZ, Leslie Alan; CATHEFORD, Christopher. Macmillan encyclopedia of genocide and crimes against humanity. Nova Iorque: Facts on File, 2004, p BICKFORD, op. cit. 3

4 internacional dos direitos humanos, de modo que se poderia, nesse aspecto, fixar três pontos: direitos humanos direito humanitário Tribunal Penal Internacional. Eis o tema, com suas variantes, que se pretende desenvolver nesta pesquisa. Palavras-chave: Ditadura e repressão - Memória e Verdade - Desaparições forçadas Castigo Imprescritibilidade - Impunidade Anistia Perdão - Reparação 8. FORMULAÇÃO DO PROBLEMA A ideia de Justiça Democrática de Transição (JDT) propõe diálogo com vários campos do saber, caracterizando uma construção coletiva o trabalho de educadores, o instrumental racionalizador da filosofia (a filosofia política), as ciências penais, a história - e tal transdisciplinariedade leva a especiais dificuldades para estabelecimento de parâmetros de leitura para os pesquisadores, cuja tendência é fixarem-se na área específica de suas disciplinas? Os principais mecanismos de justiça, na transição, são a punição e/ou a reparação? A JDT se realiza via retribuição, ao modelo punitivo criminal, ou comporta novas janelas, como a reparação, restauração, perdão, (re)conciliações? A verdade pode ser vista como valor absoluto e irrenunciável, a ser imposto, e nesse âmbito, justifica o justiciamento, que caracteriza eventos revanchistas? Em quais aspectos a busca pela verdade se diferencia, diante da recordação do que já se consumou e da saga dos desaparecidos, cuja realidade ainda não é conhecida, e portanto, suscetível de investigações? A articulação de testemunhos e discursos do passado conseguirão trazer os fatos como aconteceram, ou memória é sempre redutível a reminiscências? 6 As desaparições forçadas mostram outra face da memória, como misto de passado e presente? A memória trabalhada nas Comissões da Verdade, destacando a importância do luto, exige um percurso sui generis na investigação dos desaparecidos? 6 Walter Benjamin, Sobre o conceito de história, apud CHRISTOFOLETTI, Rogério, O discurso da transição mudança, ruptura e permanência. Itajaí-SC: Univale Ed., 2000, p

5 Autoritarismo não significa, necessariamente, prática de crimes contra a humanidade, mas no interior de regimes autoritários estão presentes violações aos direitos humanos a determinar variações no conceito e aplicação de castigos? É possível e necessário estabelecer diferenças entre transição com ruptura e transição sem ruptura? 7 É possível, reencontradas memória e verdade, mesmo fechado o ciclo histórico em resgate, e então formular discurso de justiça, não se presenciando mais uma espécie de transição em transe? 8 Em havendo transição sem ruptura, o discurso transicional não é trabalhado em tempo definido, como se fosse possível marcar a hora da mudança e tal fato retarda ou simplesmente anistia ou anestesia os fatos merecedores de aprofundamento e condenação? Nisso consiste a ideia de permanência ou de mera passagem? E a simples mudança, sem ruptura, leva naturalmente à conciliação? Apenas na ruptura há transição que possibilita o dissenso, o confronto e o julgamento do passado? No contexto em que se movem memória e crime, qual deve ser o papel do castigo? Deveríamos confiar em teorias criminológicas ou na política criminal, preferencialmente, para elucidar o âmbito e aptidão do direito penal, controlando assim o comportamento social? Existe razoabilidade, realizada uma violação ou ofensa, aplicar ao responsável um malefício, ou seja, provocar um mal pelo fato de que outro mal ocorreu? Qual justificação moral atenderia a essa aritmética moral? 9 A soma de um mal e outro mais, atenderia, como resultado, algo bom, e não, simplesmente, dois males? 10 Se, como Kant escreveu, o primeiro dever político é abandonar o estado de natureza, e submetermo-nos, todos, ao império de um direito razoável e justo, a pena aplicável ao responsável pelas atrocidades na 7 Prefácio de Manoel Luiz Gonçalves Corrêa, in CHRISTOFOLETTI, op. cit., p.15 8 CHRISTOFOLETTI, op. cit., p MARTÍN PEROT, Pablo. Servir al Estado de Derecho persecución penal de delitos contra la humanidad em Argentina. Madri: Dykinson, 2008, p Idem, Idem, p

6 guerra, ou em regimes autoritários/totalitários, representaria um retrocesso, em direção ao estado de natureza? Ou a volta a estado de natureza seria próprio da impunidade no âmbito internacional ou nacional, em havendo violações aos direitos humanos? Se o castigo é ato de justiça, e não a continuidade de hostilidades anteriores, tem lugar o status de vingança? 11 Em busca da justificação moral do castigo (pena), é indispensável uma visão filosófica geral? Diversamente, a finalidade ou função do direito penal não seria questão filosófica, mas empírica? 12 Uma das principais funções da JDT seria o combate à impunidade, só possível por meio da persecução penal e consequente inflição de pena, a começar pela prisão? A JDT afastaria anistia, perdão, restauração, optando pela aplicação de penas, caracterizada essa como ideal por sua dimensão educativa, no meio social? O objetivo educativo dependeria de penas justificadas pelo tipo expiatório e retributivo? No curso de conflitos armados ou de rebeliões frente a regimes ditatoriais, nenhuma medida poderia ser adotada em termos de Justiça de Transição, já que, por definição, esta opera em momentos de passagem, e fundamental aspecto é a memória volta ao passado? A prevenção que se pode buscar, na JDT, seria vinculada às providências posteriores a ditos regimes de força, estados de exceção, deixando de atuar preventivamente, para evitação de tais regimes, em seu início? O perfil da JDT, traçado doutrinariamente, afasta a legítima defesa humanitária, o combate à agressão, ainda indefinida no Estatuto de Roma? Tem natureza de JDT a proteção de refugiados e deslocados internos, como realizada pelo Alto Comissariado das Nações Unidas? A Justiça Internacional Penal fracassa no intento de consagrar a JDT, pela conhecida distância entre a justiça dos vencedores e a Justiça que deve proteger os débeis e povos oprimidos? 11 Vide Hans Kelsen, Will the Judgment in the Nuremberg Trial Constitute a Precedent in International Law?, in The International Law Quarterly, v. 1º, n. 2, 1947, p V. MARTÍN PEROT, op. cit., p

7 JDT seria fiel ao modelo de Nuremberg? Só é possível encontrar respostas aos paradoxos da JDT, por intermédio de estudos de casos? Nem as opções do castigo, com destaque para a imprescritibilidade, ou da impunidade, com ênfase na anistia, são respostas adequadas ao Estado Democrático de Direito? 9. HIPÓTESES A investigação se desenvolverá com plena consciência de que não é tarefa para lidadores do direito, tão-somente, o estudo e aprofundamento da Justiça Democrática de Transição. A necessidade de implementação de construção coletiva, invoca o trabalho de educadores; o instrumental racionalizador da filosofia, com destaque para a filosofia política, também fundamental ao entendimento e aceitação da ideia de JDT (lembremos apenas, aqui, a importância de Paul Ricouer, Giorgio Agamben, Antoine Garapon); 13 como esquecer da história/historiografia, assinalando os marcos da transição que se defende? São razões para dizer que este projeto parte e se expande no cenário do Direito Internacional Penal e dos Direitos Humanos, aberto às demais disciplinas que têm a dignidade humana como estudo e finalidade. O espectro é transdisciplinar. Comissões da Verdade trabalham em torno da memória, inclusive importantes estudos acerca do luto; os desaparecimentos, que suscitam matéria viva e de desdobramentos futuros ainda não imagináveis; o fenômeno do totalitarismo, magistralmente estudado por Hanna Arendt, e suas demais ramificações, como o autoritarismo e formas larvais de ditaduras; por fim, a grande questão proposta, pretendendo responder se a Justiça de Transição se realiza via retribuição, ao modelo punitivo criminal, ou comporta novas janelas, como a reparação, restauração, perdão. Para comprovação das hipóteses, essencial o estudo de casos, pois são tantas as experiências já conhecidas, no tempo e no espaço, que é preciso selecionar as ocorrências emblemáticas, acreditar no contraste entre vivências para ressaltar a ausência de certezas, na matéria em estudo. Mas, também, o estabelecimento já claro de alguns princípios norteadores. A hipótese central reside no questionamento da própria expressão Justiça de Transição, e os problemas elencados no item 8, supra, são manifestações múltiplas da inquietação decorrente desse debate. O fim de um período totalitário, autoritário, repressivo, e o estabelecimento ou restabelecimento de regime fundado no Estado de Direito, não deve 13 Ver bibliografia, ao final. 7

8 propor respostas transicionais, mas permanente vigilância para não repetição do passado, tornando definitivas as Comissões de Verdade. 10. OBJETIVOS: Geral e Específico, voltados a Mestrandos ou Doutorandos. 1. Apoiar ao desenvolvimento da capacidade pessoal: a) de pesquisa, avaliação e seleção relativamente à literatura jurídica pertinente; b) de estabelecer conexões relevantes com os conhecimentos adquiridos em outras disciplinas e cursos. 2. Oportunizar a apreensão dos grandes temas contemporâneos, como o Estado nacional, os entes comunitários, a convencionalidade (Tratados e Convenções), voltados para direitos humanos e a resposta às suas violações; 3. Enfatizar a importância da constitucionalização e convencionalidade, em relação à política criminal e sua normatização, via direito penal. 3. Aprofundar a compreensão do objeto, sentido e alcance de uma Justiça orientada ao Estado democrático e social de direito, integrando nas Constuituições as mais relevantes Declarações de Direitos Humanos, de cidadania. 4. Facilitar aos integrantes de grupos de pesquisa a compreensão dos direitos humanos como aspecto de responsabilidade profissional, ética e social em todos os campos, não só da pesquisa, mas do do estudo e do trabalho. 7. Cooperar na formação de recursos humanos dotados das aptidões necessárias que possibilitem participação nas distintas áreas institucionais, para a organização e execução de políticas públicas em matéria de direitos humanos como para a elaboração de projetos de lei atinentes à matéria. Específico, voltado a graduandos e especializandos: - Objetivos acima enumerados, devidamente adaptados ao nível de capacitação do acadêmicos de graduação e/ou recentemente formados, sobretudo voltados aos cursos de Especialização. 11. REVISÃO PRELIMINAR DA LITERATURA A origem da Justiça de Transição Investigação e ações políticas em práticas da (In)Justiça de Transição 12. METODOLOGIA Há vários métodos, que permitirão a outros pesquisadores o entendimento do percurso do caminho palmilhado pelo pesquisador original. Em relação ao objetivo metodologicamente proposto, esta pesquisa se pretende descritiva/explicativa; a linha de pensamento, zetética, aberta a dúvidas e ao pensamento crítico. Entre as técnicas e metodologias possíveis, opta-se pela busca de respostas em documentos indiretos, ou seja, não produzidos pelo pesquisador, e diretos, materializado o conhecimento através de entrevistas, enquetes, questionários, formulários. Daí, as técnicas 8

9 documental e bibliográfica, além da observação. Quanto à produção de documentação direta, com várias pessoas consultadas, as respostas serão abertas, especificando o universo e a amostra, os instrumentos de coleta de dados, análise de resultados. Partindo das sugestões de Liliane dos Santos Viera (Pesquisa e Monografia Jurídica na Era da Informática, Brasília Jurídica, 2003), pretende-se métodos de procedimento (os meios escolhidos para atingir os objetivos, como, p. ex., o histórico, indispensável em se tratando de labor em torno da memória, reconstrução do passado, evitação do esquecimento, etc.). Também merece atenção a metodologia de abordagem, em relação ao tema tratado. Destaque para a indução e a dedução, o método dialético e o intuitivo. Na abordagem dos julgamentos ou comissões da verdade, importa a metodologia jurídica, onde se insere o que denominamos de metodologia política, já que o discurso é proferido no seio das ciências jurídico-sociais. Por fim, destaca-se a possibilidade de pesquisa no exterior. 13. SUMÁRIO INTRODUÇÃO PARTE I: Origem e evolução da Justiça Democrática de Transição A) Investigação e ações políticas em práticas da (In)Justiça de Transição A1. Estudo de casos: 1. O genocídio armênio 2. Memória da Primeira Guerra Mundial 3. Memória da Segunda Guerra Mundial 3.1. O Holocausto 3.2. Nuremberg e Tóquio 3.3. O processo Eichmann 3.4. O processo Pétain 4. Tribunais Internacionais Penais ad-hoc 5. Franquismo e antifranquismo A2. Formas e (i)legitimação da resistência: (a) França; (b) Itália; (c) Alemanha; (d) (Gueto de) Varsóvia; (e) África do Sul; (f) Cone Sul B) Paz e direitos humanos B1. Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos B2. Refugiados e deslocados internos B3. Períodos de transição e a atividade de Sérgio Vieira de Mello C) Estado de Direito Democrático perante a memória do Autoritarismo e do Totalitarismo C1. Justiça Democrática de transição e a questão da legalidade autoritária. C2. Relações entre o militarismo, o governo dos Juízes, e a relação militares-judiciário 9

10 PARTE II: IMPLEMENTAÇÕES DA JUSTIÇA DEMOCRÁTICA DE TRANSIÇÃO A) Anistia e auto-anistia A1. Jurisprudência argentina A2. Jurisprudência uruguaia A3. Jurisprudência chilena A4. Jurisprudência brasileira B) Comissões da Verdade B1. Punição B2. Reparação no Direito Internacional Penal e nos Direitos Nacionais. B3. Genealogia da reparação no Estatuto de Roma B4. Reparações à vítima no Tribunal Penal Internacional. B5. Responsabilidade de reparação por indivíduos condenados, com destaque para o superior hierárquico. B6. Responsabilidade de reparação pelo Estado sob aspecto subsidiário ou principal. B7. Perdão B7.1. O poder monárquico B7.2 Através do poder executivo B7.3. O modelo da África do Sul 14. CONSIDERAÇÕES FINAIS Serão apresentadas as deduções decorrentes do estudo proposto,com respeito aos objetivos referidos na introdução e hipóteses de trabalho. Útil, em tal espécie de trabalhos, a inserção de conclusões propositivas, desse modo sugerindo pesquisas que prosseguiriam o texto formatado, em ocasião futura. A conclusão deverá cientificar o leitor sobre o que foi efetivamente comprovado, entre as hipóteses jurídicas formuladas inicialmente, mencionando o grau de comprovação ou negando as hipóteses em análise. 15. (a) CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO 15.a.1. Levantamento bibliográfico e obtenção da bibliografia 15.a.2. Revisão da literatura parte teórica e prática 15.a.3. Elaboração da versão preliminar. 15.a.3.1. Incorporação de críticas 15.a.4. Versão final. 15.a.5. Edição final 15.a.5.1. Revisão ortográfica e gramatical Normatização 15.a.6. Divulgação impressa ou via digital 15 (b)cronograma DE ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DA PESQUISA 10

11 MESES I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII ETAPAS \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \ \ \ \ 15.b.1. x x 15.b.2. x x x x x x 15.b.3. x x x 15.b.4. x x x 15.b.5 x 16. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS PRELIMINARES Justiça democrática de transição 1. ALASTUEY DOBÓN, M. Carmen. La reparación a la víctima en el marco de las sanciones penales, Valencia: Tirant lo Blanch, AMBOS, Kai; MALARINO, Ezequiel; ELSNER, Gisela (Eds.). Justicia de Transición con informes de América Latina, Alemania, Italia y España Montevidéu: Konrad Adenauer Stiftung, AMGABEN, Giorgio. Estado de excepción - homo sacer II, 1. Valencia: Pré-Textos, ARAÚJO, Thiago Cássio d'ávila. Terrorismo, direitos fundamentais e os aspectos críticos da teoria da Constituição de Emergência. A&C Revista de Direito Administrativo e Constitucional. Belo Horizonte: Fórum, v.8, n.34, out./dez. 2008, p BURUMA, Ian. El precio de la culpa. Cómo Alemnia y Japón se han enfrentado a su pasado. Barcelona: Duomo Ediciones, CHRISTOFOLETTI, Rogério. Discurso da transição mudança, ruptura e permanência. Itajaí: Ed.Univale, ALBERT, Carlos Alberto; BALCARCE, Fabián. Exclusión y castigo en la sociedade global. Buenos Aires: BdeF, ELSTER, Jon. Closing the books: transitional justice in historical perspective. Cambridge: Cambridge University, FERNÁNDEZ MEIJIDE, Graciela. La historia íntima de los Derechos Humanos en la Argentina. Buenos Aires: Sudamericana, FIGUEIREDO, Lucas. Olho por olho. Os livros secretos da ditadura. RJ: Record, GARAPON, Antoine. Crimes que não se podem punir nem perdoar para uma justiça internacional. Lisboa: Inst. Piaget, GARZÓN, BALTAZAR; ROMERO, Vicente Romero. El alma de los verdugos. Prólogo de SARAMAGO, José. B.aires: Del Nuevo Extremo/RBA, GENRO, Tarso. Direito, Constituição e Transição Democrática no Brasil. Brasília: Francis, GRECO, Heloisa Amélia. Dimensões fundacionais da luta pela anistia.tese de doutorado apresentada a FAFICH UFMG. Belo Horizonte, GROSSER, Alfred. El crímen y la memoria. Buenos Aires: Editorial El Ateneo, JEANGÉNE VILMER, Jean-Baptiste. Réparer l'irréparable. Paris: Pr.Univ.France,

12 17. MARTÍN PALLÍN, José Antonio; ESCUDERO ALDAY, Rafael (Eds). Derecho y memoria histórica. Madri: Trotta, MARTÍN PEROT, Pablo. Servir al Estado de Derecho.Persecución penal de delios contra la humanidad en Argentina. Buenos Aires: Dykinson, MARTYNIUK, Claudio. ESMA (Escuela de Mecánica de La Armada). Fenomenología de la desaparición. Buenos Aires: Prometeo Libros, PELLAUER, David. Compreender Ricoeur. RJ: Vozes, PEREIRA, Anthony W. Ditadura e repressão. O autoritarismo e o estado de direito no Brasil, no Chile e na Argentina. SP: Paz e Terra, POGGIO, Pier Paolo. Nazismo y revisionismo histórico. Madri: Ed. Akal, RICOEUR, Paul. La memória, la historia, el olvido. Madri: Trotta, RIVERA RIBERAS, Iñaki. Política Criminal y Sistema Penal viejas y nuevas racionalidades punitivas. Barcelona: Anthropos, RUIZ, Castor Bartolomé (org.). Justiça e Memória para uma crítica ética da violência. S.Leopoldo: Unisinos, SAN JOSÉ, Daniel Garcia, El Derecho a La Justicia de las víctimas de los crímenes más graves de transcendência para la comunidad internacional. In Revista Española de Derecho Internacional, n. 1, v. LVIII, 2006, PP SARLO, Beatriz. Tempo passado cultura da memória e guinada subjetiva. SP/MG: Cia. Das Letras/Ed. Ufmg, SHALOM, Hector (et.al.). Testimonios para nunca más.de Ana Frank a nuestros días. Buenos Aires: Eudeba, SOARES, Inês Virgínia Prado; KISHI, Sandra Akemi Shimada (coords.). Memória e Verdade a justiça de transição no Estado democrático brasileiro. B.Horizonte: Forum, SUCASAS, Alberto; ZAMORA, José Antonio (coords.). Memoriapolitica-justicia. En diálogo con Reyes Mate. Madri: Trotta, TAMARIT SUMALLA, Josep (coord.). Justicia de transición, justicia penal internacional y justicia universal. Barcelona: Atelier, VATTIMO, Gianni. Adiós a la verdad. Barcelona: Fedisa Ed., VERGARA ANDERSON, Luis. La producción textual del pasado I: Paul Ricouer y su teoria de la historia anterior a La memória, la historia y el olvido. México: Univ. Iberoamericana/ITESO, VINYES, Ricard (ed.). El Estado y la memoria - gobiernos y ciudadanos frente a los traumas de la historia. B.Aires: Del Nuevo Extremo/RBA, Asalto a la memoria Impunidades y reconciliaciones, símbolos y éticas. Barcelona: los libros del lince, ZAFFARONI, Eugénio Raúl. La palabra de los muertos. Buenos Aires: Ed. Ediar, a. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS COMPLEMENTARES Controle de constitucionalidade e de convencionalidade 1. ALBANESE, Susana (coord.). El controle de convencionalidad. Buenos Aires: Ediar,

13 2. BARROS, Suzana de Toledo. O Princípio da Proporcionalidade e o Controle de Constitucionalidade das Leis Restritivas de Direitos Fundamentais. Brasília: Brasília Jurídica, BARROSO, Luís Roberto. Os princípios da Razoabilidade e da Proporcionalidade. Florianópolis: UFSC, Disponível em: Consultor jurídico. Acesso em: < >. 4. BAUMAN, Zygmunt. Legisladores e intérpretes. RJ: Zahar, DENBEAUX, Mark P./HAFETZ, Jonathan. Los abogados de Guantánamo. Barcelona: Sol90Idea, MAZZUOLI, Valerio de Oliveira. O controle jurisdicional da convencionalidade das leis. Col. Direito e Ciências Afins, v. 4. SP: RT, NEVES, Marcelo. Transconstitucionalismo. SP: WMF Martins Fontes, Crimes contra a Humanidade AKÇAM, Taner. Un acto vergonzoso. El genocidio armenio y la cuestión de la responsabilidad turca. Buenos Aires: Colihue, ANDREOZZI, Gabriele (coord.). Juicios por crímenes de lesa humanidad en Argentina. Buenos Aires: Atuel, BRANT, Leonardo Nemer Caldeira (coord.). Terrorismo e Direito: os Impactos do Terrorismo na Comunidade Internacional e no Brasil. Rio de Janeiro: Forense, BURIHAN, Eduardo Arantes. A tortura como crime próprio. SP: Juarez de Oliveira, COLARES, Marcos. Diagnóstico Sobre o Tráfico de Seres Humanos no Brasil: São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Ceará. Brasília: Ministério da Justiça, abril LÓPEZ GOLDARACENA, Oscar. Genocidio, crímenes de guerra, crímenes de lesa humanidad. Cooperación con la Corte Penal Internacional. Montevidéu: Fundación de Cultura Universitária, MATTAROLLO, Rodolfo. Noche y niebla y otros escritos sobre derechos humanos. Buenos Aires: Capital Intelectual, MÜLLER, Ingo. Los juristas del horror. La Justicia de Hitler: el pasado que Alemania no pudede dejar atrás. Bogotá: Alvaro Nora, PÉREZ, Ana (Ed.). El exílio alemán ( ). Madri: Marcial Pons, ZAFFARONI, Eugenio Raúl.Muertes anunciadas. Bogotá: Temis, Direito Humanitário 1. ARAÚJO, Nádia de; ALMEIDA, Guilherme Assis de. (coords.). O Direito Internacional dos Refugiados uma perspectiva brasileira. RJ: Renovar, ARAUJO SANTOS, Thomaz Francisco Silveira de. As reparações às vítimas no Tribunal Penal Internacional. Porto Alegre: Sergio Fabris Ed., KOSKENNIEMI, Martti. El discreto civilizador de naciones. El auge y la caída del Derecho Internacional Buenos Aires/Madri: Ciudad Argentina, MARCOVITCH, Jacques. Vieria de Mello pensamento e memória. SP: Saraiva/EDUSP, Contou com o apoio da Fundação Bunge. 13

14 5. MORIKAWA, Márcia Mieko. Deslocados internos: entre a soberania do Estado e a protecção Internacional dos Direitos do Homem uma crítica ao sistema internacional de protecção dos refugiados. Bol. Fac. Direito. STVDIA IVURIDICA 87. Coimbra: Coimbra Editora, POWER, Samanta. O homem que queria salvar o mundo. SP: Cia. Das Letras, RAIOL, Ivanilson Paulo Corrêa. Ultrapassando fronteiras. A proteção jurídica dos refugiados ambientais. Porto Alegre: Nuria Fabris, TUCCI CARNEIRO, Maria Luiza. Cidadão do mundo o Brasil diante do Holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo ( ). SP: Perspectiva/FAPESP, Totalitarismo 1. ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. Trad. Sonia Orieta Heinrich. SP: Diagrama & Texto, Origens do totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. SP: Cia. Letras, A condição humana. 5.Ed. Trad. Roberto Raposo. RJ: Forense Univ., Compreensão e política e outros ensaios Lisboa: Antropos, GARAPON, Antoine. Des crimes qu on ne peut ni punir ni pardonner. Pour une justice internationale. Paris: Odile Jakob, ; SALAS, Denis (org.). A Justiça e o Mal. Lisboa: Instituto Piaget, HIGINO Neto, Vicente. Hermenêutica jurídica cosmopolista sob a perspectiva Arendtiana Zagrebelskiana. Curitiba: Juruá, MUÑOZ CONDE, Francisco. Edmund Mezger e o Direito Penal de seu Tempo Estudos sobre o Direito Penal no Nacional-Socialismo. RJ: Lumen Juris, MATE, Reyes. Memórias de Auschwitz. Atualidade e política. São Leopoldo-RS: Nova Harmonia, SÉMELIN, Jacques. Purificar e destruir. Usos políticos dos massacres e dos genocídios. RJ: Difel, SOUKI, Nádia. Hannah Arendt e a banalidade do mal. BH: Ed. UFMG,

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Internacional Público. Tema geral: Direito Internacional Penal

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Internacional Público. Tema geral: Direito Internacional Penal I Curso de Doutoramento em Direito Ramo de Direito Público Direito Internacional Público Tema geral: Direito Internacional Penal Prof. Doutor Jorge Bacelar Gouveia Prof. Doutor André Víctor Luanda, 20

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Grupo de Pesquisa Institucional de Acesso à Justiça e Tutela de direitos Proposta de implementação I Objeto: Realização de estudos e pesquisas pela comunidade acadêmica da Faculdade de Direito de Campos

Leia mais

Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação.

Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação. Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação. Maria Guiomar da Cunha Frota Escola de Ciência da Informação da UFMG. Brasil Resumo O artigo

Leia mais

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil IX Salão de Iniciação Científica PUCRS A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil Gabriela Bratkowski Pereira, Elias Grossmann (orientador) Faculdade de Direito,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº 55.754, de 12 de fevereiro de 1965

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Reconhecida pelo Decreto Federal Nº 55.754, de 12 de fevereiro de 1965 DISCIPLINA: Direito Internacional dos Direitos Humanos PROFESSOR: Dr. Antonio Celso Alves Pereira EMENTA: Formação, autonomia e consolidação do Direito Internacional dos Direitos Humanos. A Carta Internacional

Leia mais

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho PROJETO DE PESQUISA INTRODUÇÃO (O QUE É O TEMA?) Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Desenvolver genericamente o tema Anunciar a idéia básica Delimitar o foco da pesquisa

Leia mais

13 QUEIROZ, P. Direito penal: introdução crítica. São Paulo: Saraiva, 2001. 14. Direito penal: parte geral. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2005. p.

13 QUEIROZ, P. Direito penal: introdução crítica. São Paulo: Saraiva, 2001. 14. Direito penal: parte geral. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2005. p. 6 Referências bibliográficas 1 FALCONI, R. Lineamentos de direito penal. 2. ed. São Paulo: Cone, 1997. p. 23-43. 2 MACHADO, H. B. Estudos de direito penal tributário. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 3 MACHADO,

Leia mais

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL CECÍLIA MACDOWELL SANTOS EDSON TELES JANAÍNA DE ALMEIDA TELES ORGANIZADORES Linga-Bibliothek Linga A/906170 desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL VOLUME II EDITORA HUCITEC São Paulo, 2009

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CEFOR - CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO ESPECIALIZAÇÃO EM INSTITUIÇÕES E PROCESSOS POLÍTICOS DO LEGISLATIVO. PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA. Projeto de Pesquisa Aluno:

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIAS SOCIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL I CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 80 h.a. N.º DE CRÉDITOS: 04 PRÉ-REQUISITO:

Leia mais

Kelly Neres da Silva 1

Kelly Neres da Silva 1 A DEFINIÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS E O PAPEL DO DIREITO HUMANITÁRIO INTERNACIONAL PERANTE O DIREITO DE ASILO E A PROTEÇÃO AO REFUGIADO Kelly Neres da Silva 1 RESUMO: A proposta deste

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Regente: Professora Doutora Maria Luísa Duarte Colaboradores: Professora Doutora Ana Gouveia Martins; Mestre Ana Soares Pinto;

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

2.1. Objectivo Geral: Ministrar uma formação especializada sobre matérias de segurança, numa óptica multidisciplinar, mas integrada.

2.1. Objectivo Geral: Ministrar uma formação especializada sobre matérias de segurança, numa óptica multidisciplinar, mas integrada. PROGRAMA DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E SEGURANÇA 1. Apresentação A Fundação Direito e Justiça e o Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais, em parceria, com a Faculdade de Direito da

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/01 DISCIPLINA: DIREITO PENAL II PROFESSOR: THIAGO FABRES DE CARVALHO TURMA: 4 DM/EN TOTAL DE

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas 6 Referências Bibliográficas ALVES, José Augusto Lindgren. Abstencionismo e intervencionismo no sistema de proteção das Nações Unidas aos direitos humanos. São Paulo: Revista Política Externa, v. 3, n.

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz 1. RESUMO Os direitos fundamentais trabalhistas estão inseridos na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz do Direito do Trabalho e dos princípios que orientam o Direito

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

I. Apresentação Geral... 3

I. Apresentação Geral... 3 Programa de Pós- Graduação Lato Sensu Especialização em Direito Constitucional Entrada: 2011 1º Semestre Índice I. Apresentação Geral... 3 II. Especialização em Direito Constitucional... 4 1. Plano de

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direitos do Autor Código

Leia mais

Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO)

Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO) Goiânia, 23 de março de 2010. Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO) Apesar da luta pela promoção e efetivação dos Direitos Humanos em nosso

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-003/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-003/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-003/2011 Objeto da contratação Consultor na área jurídica Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 3 meses Data limite

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO 1 FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL Lucas Hage Chahine Assumpção 1 RESUMO Esse trabalho foi elaborado a partir de uma problemática levantada no livro Curso de Direito Internacional Público, de autoria

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: Direito TURMA: 1º Semestre DISCIPLINA: Antropologia e Sociologia

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

CH Total: 36h SEMESTRE DE ESTUDO: Eletiva TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR 168

CH Total: 36h SEMESTRE DE ESTUDO: Eletiva TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR 168 DISCIPLINA: Direitos Humanos CH Total: 36h SEMESTRE DE ESTUDO: Eletiva TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR 168 1. EMENTA: Origem e evolução histórica dos Direitos Humanos. Dignidade humana e os Direitos

Leia mais

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012 RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS TEORIA 38 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Ricardo S. Pereira Organização e Diagramação: Mariane dos Reis 1ª

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO -UFPE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DIREITO. Luiz Viana Queiroz

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO -UFPE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM DIREITO. Luiz Viana Queiroz LUIZ VIANA QUEIROZ DIREITOS POLÍTICOS COMO DIREITOS HUMANOS: Impacto no Direito Eleitoral Brasileiro da Incorporação da Convenção Americana de Direitos Humanos Recife 2002 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor. Dados da Disciplina Ementa

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor. Dados da Disciplina Ementa FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor Curso: Direito Período: 1º Ano: 2011/02 Disciplina: História e Institutos Jurídicos Carga Horária Semestral:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso

RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FACULDADE DE DIREITO RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso Regulamenta a elaboração e a defesa de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. O Colegiado

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Centro de Extensão / Comissão de Pesquisa Curso de Graduação

Faculdade de Direito Milton Campos Centro de Extensão / Comissão de Pesquisa Curso de Graduação Faculdade de Direito Milton Campos Centro de Extensão / Comissão de Pesquisa Curso de Graduação DIREITO PENAL E TEORIA DA PENA Projeto de pesquisa apresentado como requisito parcial para o desenvolvimento

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo 1 Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo Aluno: RAFAEL ATANAZIO Orientadora: DANIELA BUCCI UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Michael Haradom - www.shalomsalampaz.org - ssp@shalomsalampaz.org tel (11) 3031.0944 - fax (11)

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e

DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA. A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e DECLARAÇÃO DE BRASÍLIA A segunda etapa do I Seminário Luso-brasileiro sobre Tráfico de Pessoas e Imigração Ilegal/Irregular realizado em Brasília, Brasil, entre os dias 27 e 29 de novembro de 2006, reuniu

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA COORDENADOR/A DE CAPACITAÇÃO 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

AQUISIÇÕES FEVEREIRO E MARÇO 2014 Indicação de professores e alunos no 2º semestre de 2013

AQUISIÇÕES FEVEREIRO E MARÇO 2014 Indicação de professores e alunos no 2º semestre de 2013 AQUISIÇÕES FEVEREIRO E MARÇO 2014 Indicação de professores e alunos no 2º semestre de 2013 GRECO, Rogério. Código penal comentado. 8.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014. GRECO, Rogério. Curso de

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Faculdade de Administração Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação. MBA em Propriedade Intelectual e Tecnologia

Faculdade de Administração Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação. MBA em Propriedade Intelectual e Tecnologia Faculdade de Administração Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação MBA em Propriedade Intelectual e Tecnologia Tópicos Especiais Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Estado moderno e Constitucionalismo.

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS E A PENA DE MORTE

OS DIREITOS HUMANOS E A PENA DE MORTE OS DIREITOS HUMANOS E A PENA DE MORTE Ana Flavia JOLO 1 Sérgio Tibiriçá AMARAL 2 RESUMO: A Declaração Universal dos Direitos Humanos deu maior abertura a discussão sobre a Pena de Morte. Veremos o posicionamento

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

Justiça de transição e Criminalidade de Estado

Justiça de transição e Criminalidade de Estado Justiça de transição e Criminalidade de Estado Rio de Janeiro/Brazil, 13 15 Outubre 2010 Dia 13/10: abertura 19 hs. Profa. Dra. Ana Lucia Sabadell Vice-diretora da Faculdade Nacional de Direito da UFRJ.

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar que o aluno tome conhecimento do conceito, das finalidades e da importância do Direito Penal.

2. OBJETIVO GERAL Possibilitar que o aluno tome conhecimento do conceito, das finalidades e da importância do Direito Penal. DISCIPLINA: Direito Penal I SEMESTRE DE ESTUDO: 2º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR112 1. EMENTA: Propedêutica Penal. Relação do Direito Penal com outras ciências: a criminologia

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA.

AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA. GLAUCO ROJAS IVO AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-graduação do Cefor como parte

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO

O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital Érico Lopes Pinheiro de Paula 1 Helena de Ornellas Sivieri-Pereira

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Direito Processual do Trabalho

Direito Processual do Trabalho Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito do Trabalho Direito Processual do Trabalho Carga Horária: 64 h/a 1- Ementa O curso

Leia mais

Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados. Enfam

Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados. Enfam Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Enfam ROTEIRO DE CREDENCIAMENTO 1. Identificação do Requerente Escola: Escola do Poder Judiciário ESJUD Diretor: Desembargador Francisco Djalma

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

PARECER. LEI GERAL DA COPA (Lei nº 12.663/2012) E PL 728/2011

PARECER. LEI GERAL DA COPA (Lei nº 12.663/2012) E PL 728/2011 PARECER LEI GERAL DA COPA (Lei nº 12.663/2012) E PL 728/2011 ANÁLISE DA PARTE CRIMINAL Adriana Filizzola D Urso Advogada criminalista, graduada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 172/CONSUN-CaEn/07

RESOLUÇÃO N.º 172/CONSUN-CaEn/07 RESOLUÇÃO N.º 172/CONSUNCaEn/07 Aprova a alteração da matriz curricular (novo currículo) do Curso de Direito Cejurps, no âmbito da UNIVALI. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN, da Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso DIREITO Disciplina SOCIOLOGIA JURÍDICA (D-09) Ano 2013.1 Área: DIREITO Período: Turno: Matutino/Noturno Carga horária: 72 h Créd-04 Pré-Requisito Sociologia Geral (D-03) Ementa

Leia mais

Faculdade de Direito de Alta Floresta (FADAF) Edinaldo Rosa e Silva DESCRIMINALIZAÇÃO DA POSSE DE DROGAS PARA CONSUMO PESSOAL ÁREA CRIMINAL

Faculdade de Direito de Alta Floresta (FADAF) Edinaldo Rosa e Silva DESCRIMINALIZAÇÃO DA POSSE DE DROGAS PARA CONSUMO PESSOAL ÁREA CRIMINAL 0 Faculdade de Direito de Alta Floresta (FADAF) Edinaldo Rosa e Silva DESCRIMINALIZAÇÃO DA POSSE DE DROGAS PARA CONSUMO PESSOAL ÁREA CRIMINAL Alta Floresta-MT 2011 1 Edinaldo Rosa e Silva DESCRIMINALIZAÇÃO

Leia mais

A CULTURA DA VIOLENCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ESPAÇO DOMÉSTICO

A CULTURA DA VIOLENCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ESPAÇO DOMÉSTICO UNIFLU FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROGRAMA DE MESTRADO A CULTURA DA VIOLENCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO ESPAÇO DOMÉSTICO LUZINARA SCARPE MORGAN CAMPOS DOS GOYTACAZES - RIO DE JANEIRO 2006/2007

Leia mais

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos.

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Rafael Augusto De Conti 1. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Minorias Grau Avançado de desproteção jurídica; 3.

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1. Regiane Moreno Domingues Ribas RESUMO

ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1. Regiane Moreno Domingues Ribas RESUMO ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1 Regiane Moreno Domingues Ribas FAAG Faculdade de Agudos RESUMO O objetivo deste trabalho foi o de realizar um estudo da Legislação

Leia mais

Ementas das disciplinas do 3º período

Ementas das disciplinas do 3º período 1 Disciplina: Direito Empresarial I (Teoria Geral) C/H: 080 H/A Teoria Geral. O Direito Comercial. Evolução Histórica. Fontes. Atividade empresarial. Regime Jurídico da livre iniciativa. Registro de empresa.

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE DIREITO

INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE DIREITO INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE DIREITO EDITAL Nº 01/2013 EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA O PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE DIREITO DA UNESULBAHIA 1. DO PREÂMBULO: O Coordenador do Curso

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA A primeira etapa para a organização do TCC nos cursos de pós-graduação lato sensu a distância consiste na elaboração do projeto de pesquisa,

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais