FACULDADE DOM BOSCO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009 CURITIBA MARÇO 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DOM BOSCO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009 CURITIBA MARÇO 2010"

Transcrição

1 1 FACULDADE DOM BOSCO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009 CURITIBA MARÇO 2010

2 2 Guilherme Stival - Presidente da CPA. Professor Cristiano Dionísio - representante do corpo docente. Professora Vera Fontoura Egg - representante do corpo docente. Maureen Louise de Oliveira - representante do corpo discente. Mariane de Souza Cardoso - representante do corpo técnico-administrativo. Lina Harumi Nozima - representante do corpo técnico-administrativo. Marcela Lima Cardoso Selow - representante da sociedade civil. RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2009 MARÇO 2010

3 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO Dimensão 1: A Missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional Dimensão 2: A política para o ensino (graduação e pós-graduação), a pesquisa, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, para as bolsas de pesquisa, de monitoria e demais modalidades Dimensão 3: A responsabilidade social da instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural Dimensão 4: Comunicação com a sociedade Dimensão 5: As políticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e corpo técnico administrativo, seu aperfeiçoamento, seu desenvolvimento profissional e suas condições de trabalho Dimensão 6: Organização e gestão da instituição, especialmente o funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independência e autonomia na relação com a mantenedora, e a participação dos segmentos da comunidade universitária nos processos decisórios Dimensão 7: Infra-estrutura física, especialmente a de ensino e de pesquisa, biblioteca, recursos de informação e comunicação Dimensão 8: Planejamento e avaliação, especialmente em relação aos processos, resultados e eficácia da auto-avaliação institucional Dimensão 9: Políticas de atendimento aos discentes Dimensão 10: Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social da continuidade dos compromissos na oferta da educação superior CONCLUSÕES... 82

4 4 1. INTRODUÇÃO Para ilustrar como foi o ano de 2009, faremos um breve resumo de como se deram as ações e foram planejadas as ações para o ano em questão. Os trabalhos iniciaram com a confecção e postagem do Relatório de Auto- Avaliação Institucional de 2008, que conforme nota técnica postada no site do INEP, mencionava que as IES deveriam postar seus relatórios até o último dia do mês de Março dos anos subseqüentes. Finalizado o documento e devidamente postados houve uma reorganização da CPA. Seus documentos norteadores, regimento e Regulamento, sofreram pequenas modificações no que tange aos seus membros. Com a nova equipe formada, foram realizadas reuniões subseqüentes, mensais inicialmente para estabelecimento do calendário das atividades da CPA. Em seguida, os trabalhos de criação e modulação das questões foram realizadas para que pudéssemos avaliar determinados setores ou ações com a possibilidade de reavaliar no segundo semestre. Com o questionário validado e devidamente formulado, iniciaram as reuniões quinzenais para a postagem das questões em ambiente institucional e os trabalhos para divulgação da campanha. Para esse ano, fizemos cartazes com os resultados obtidos por cada curso especificamente, facilitando a compreensão dos acadêmicos das fragilidades e potencialidades encontradas em seu curso. Com a conclusão da divulgação tivemos início ao processo de preenchimento e logo em seguida os levantamentos preliminares. Encerrada a primeira etapa, os trabalhos foram voltados para a visita da Comissão Externa de Avaliação prevista inicialmente para o mês de Julho. No ano em questão, a Instituição recebeu a visita da Comissão Externa de Avaliação para o Recredenciamento Institucional. A visita se deu nos dias 3, 4 e 5 de Agosto do referido ano. O saldo da visita foi satisfatório do ponto de vista que a IES foi recredenciada para continuar os seus trabalhos junto à sociedade com conceito 3. Mas para a CPA a visita representou muito mais do que tal situação. Recebemos, por meio das reuniões, direcionamentos e comentários sobre os trabalhos que são desenvolvidos ao longo destes cinco anos de atividades. Passada a visita, os trabalhos foram retomados para a avaliação do segundo semestre onde pudemos verificar se as ações de curto e médio prazo foram estabelecidas ou precisariam de melhorias.

5 5 No mês de Novembro, a CPA foi representada na cidade de Florianópolis no evento realizado pelo INEP. O encontro Regional entre CPAs foi muito produtivo ao ponto que, mais uma vez, pudemos avaliar os trabalhos como estavam sendo executados e aprimorar cada vez mais as técnicas de Avaliação. A troca e contatos realizados, onde acima de tudo exaltamos o Relatório apresentado no evento concernente à qualidade dos materiais produzidos, alertou-nos de algumas situações que precisavam de uma revisão. Hoje, consolidamos os trabalhos realizados no ano de 2009 através deste Relatório e que antes de ser finalizado, foi avaliado item a item pela comissão e confrontado com o PDI para se planejar as ações e metas para o ano de 2010.

6 6 2. METODOLOGIA Cada dimensão prevista nos documentos cedidos pelo INEP foram avaliadas por métodos distintos. Entendemos que para avaliar ações ou situações diferentes, é preciso criar mecanismos visto que por serem naturalmente diferentes, precisam olhares distintos. Em outros anos as avaliações semestrais foram utilizadas e percebemos um sucesso e cultura já instalada em nossa IES. Decidimos manter os moldes que eram aplicados onde são feitas duas consultas anuais, uma no primeiro e outra no segundo semestre, aplicadas para docentes e discentes para avaliar as condições gerais de aprendizado. Por meio dessa consulta, algumas dimensões se engendram nas perguntas tornando a avaliação dos resultados um momento de muita reflexão e discussão. Portanto, em uma mesma resposta, poderemos encontrar subsídios para apontar falhas ou potencialidades em mais de uma dimensão. 2.1 Consulta aos acadêmicos e docentes Conforme mencionado acima, o processo de consulta aos acadêmicos e docentes se deu em duas etapas distintas e com a permanência do mesmo questionário para a visualização da evolução dos assuntos tratados na avaliação. Em consonância com a efetividade e facilidade para elaboração dos resultados, a escala de Likert foi mantida como base para as respostas. A escala foi proposta no ano de 2008 e por decisão unânime a metodologia aplicada em 2008 foi aplicada no ano de A única diferença é que no ano de 2008 a forma como estavam expressas as respostas causaram certa confusão com os acadêmicos. Para esse ano, modulamos em conceitos de 1 a 4 cada resposta onde 1 representava totalmente insatisfeito, 2 representava insatisfeito, 3 representava satisfeito e 4 representava totalmente satisfeito. Ainda foi colocada uma possibilidade de resposta para aqueles que não tinham opinião sobre determinado assunto avaliado. Essa alternativa teve que ser

7 7 colocada já que muitos acadêmicos não utilizam todos os recursos disponíveis na IES. Abaixo, demonstramos o questionário aplicado aos acadêmicos. Grupo de Questão: Professores Neste grupo, as perguntas são relacionadas por disciplinas e apresentadas para cada disciplina. 1- O professor apresenta o plano de ensino (cronograma, conteúdos e critérios de avaliação) no início do semestre 2- O professor demonstra conhecimento do conteúdo. 3- O professor é claro na exposição dos conteúdos. 4- O professor relaciona a disciplina com outras do curso. 5- O professor relaciona a disciplina com conteúdos da atualidade. 6- O professor incentiva a busca por conhecimentos complementares. 7- A prática utilizada pelo professor favorece a aprendizagem. 8- A avaliação é compatível com a prática utilizada pelo professor. 9- O professor discute o resultado da avaliação em classe. 10- O professor mantém um ambiente próprio para a aprendizagem. Grupo de Questão: Serviços de Apoio Nesta categoria, estão as perguntas referentes aos serviços fornecidos pela IES no que se refere à sua vida acadêmica A coordenação do curso é acessível A coordenação do curso oportuniza por meio de ações diversas a ampliação da formação acadêmica São perceptíveis as ações da coordenação do curso em relação aos dados apontados pela avaliação institucional São perceptíveis as ações da direção da Faculdade em relação aos dados apontados pela avaliação institucional As atividades executadas pela Biblioteca são satisfatórias O acervo bibliográfico atende às necessidades do curso As atividades executadas pela Secretaria de Curso são satisfatórias As atividades executadas pela Secretaria Geral são satisfatórias.

8 As atividades executadas pelo Registro Acadêmico são satisfatórias As atividades executadas pelo Setor Financeiro são satisfatórias As atividades executadas pela inspetoria são satisfatórias. Grupo de Questões: Serviços Adicionais Nesta categoria, são apresentadas as questões ligadas a serviços terceirizados dentro da IES O Serviço de fotocópias é satisfatório Os funcionários do serviço de fotocópias atendem de forma satisfatória A limpeza dos espaços da cantina é satisfatória. Grupo de Questões: Estruturas e Instalações Nesta categoria, são avaliadas as condições para as salas de aula e outros ambientes importantes para a formação acadêmica A limpeza dos espaços de sala de aula é satisfatória A manutenção dos equipamentos das salas de aula é satisfatória A manutenção dos equipamentos da biblioteca é satisfatória. 28 A limpeza dos espaços da biblioteca é satisfatória A limpeza dos espaços dos laboratórios de informática é satisfatória A manutenção dos equipamentos dos laboratórios de informática é satisfatória. Ainda, diferentemente para cada curso, avaliamos a postura e condutas dos Professores supervisores de Estágio. O processo é igual das perguntas acima. Nas questões citadas acima, os acadêmicos contemplam diversas dimensões em suas respostas. Deixamos na avaliação duas questões abertas onde ele possui um campo para digitar a sua resposta. Nessas questões, são trazidas questões que gostariam que fossem avaliadas e seus anseios perante a IES. Apresentaremos agora o questionário aplicado aos docentes. A proposta segue a mesma metodologia aplicada aos acadêmicos. Grupo de Questões: Institucional 1 - Os títulos indicados anualmente pelo docente são adquiridos pela instituição.

9 9 2 - O laboratório de informática atende as necessidades da disciplina. 3- O COMUT e BIREME são utilizados para as atividades docentes de pesquisa e extensão. 4 - As salas de aulas atendem satisfatoriamente as necessidades do professor. 5 - A limpeza da sala de aula é satisfatória. 6 - A manutenção dos equipamentos de sala de aula é satisfatória. 7 - A qualidade das fotocópias produzidas pela Secretaria atende as necessidades da disciplina. 8 - A cantina atende as necessidades. Grupo de Questões: Gestão e Serviços de Apoio Neste grupo, são avaliados os setores da IES. 9 - São perceptíveis as ações da direção da Faculdade em relação aos dados apontados pela Avaliação Institucional As atividades executadas pela Secretaria Geral são satisfatórias As atividades executadas pela Secretaria de Curso são satisfatórias As atividades executadas pela inspetoria são satisfatórias A limpeza dos espaços é satisfatória As atividades executadas pelo Registro Acadêmico são satisfatórias. Em uma última questão, é deixada uma caixa para digitação da resposta por alguma possibilidade não avaliada. É mencionado texto para expressar a sua opinião sobre o trabalho do Coordenador do curso ou outras situações pertinentes. Para uma análise mais minuciosa do PDI, a equipe da CPA dividiu-se em subgrupos para analisarmos as dez dimensões compreendidas pelo SINAES. Cada uma das dimensões teve um processo de análise que estão descritos abaixo. 2.2 Dimensão 1: A Missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional Para avaliar a Dimensão 1, todas as ações previstas no PDI para o ano de 2008 foram listadas, verificadas se ocorrerão ou foram implantadas, além da descrição da situação atual.

10 Dimensão 2: A política para o ensino (graduação e pós graduação), a pesquisa, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, para as bolsas de pesquisa, de monitoria e demais modalidades. Foram realizadas entrevistas estruturadas com coordenadores de curso, assessoria pedagógica, e demais coordenações envolvidas na graduação, pós graduação e extensão. 2.4 Dimensão 3: A responsabilidade social da instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural. A partir de analise dos registros dos eventos, foram analisados o Projeto de Responsabilidade Social e todas as ações sócias realizadas pela Faculdade Dom Bosco. 2.5 Dimensão 4: A comunicação com a sociedade. A comunicação com a sociedade foi avaliada através de analise dos eventos (de extensão ou não) e dos meios disponibilizados pela IES para divulgação ou informação da comunidade. 2.6 Dimensão 5: As políticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e corpo técnico administrativo, seu aperfeiçoamento, seu desenvolvimento profissional e suas condições de trabalho. A partir da analise de documentos institucionais e registros de eventos de capacitação, foram verificadas a aplicação das políticas institucionais. 2.7 Dimensão 6: Organização e gestão da instituição, especialmente o funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independência e autonomia na relação com a mantenedora, e a participação dos segmentos da comunidade universitária nos processos decisórios. Para o levantamento dos dados da referida dimensão, foi aplicado questionário aos colegiados de curso. Foram verificadas as outras formas de colegiados previstos no Regimento Interno da IES. 2.8 Dimensão 7: Infra-estrutura física, especialmente a de ensino e de pesquisa, biblioteca, recursos de informação e comunicação. Dimensão avaliada através de consulta aos docentes e discentes (conforme descrito anteriormente), além de tomar por bases relatórios do setor Administrativo (engenharia) e do banco de dados do Sistema Pergamun.

11 Dimensão 8: Planejamento e avaliação, especialmente em relação aos processos, resultados e eficácia da auto-avaliação institucional. Dimensão avaliada com base na análise dos documentos institucionais a cerca dos processos avaliativos institucionais. Processo reflexivo da atuação da CPA Dimensão 9: Políticas de atendimento aos discentes. Foram analisadas as possibilidades de participação nas tomadas de decisões e comunicação das políticas desempenhadas pela IES e suas efetivações ao longo do processo Dimensão 10: Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social da continuidade dos compromissos na oferta da educação superior. Foram analisados os resultados do departamento financeiro, demonstrando capacidade financeira da IES.

12 12 3 RESULTADOS E DISCUSSÕES Para alcançarmos os resultados obtidos através das consultas semestrais, possuímos a avaliação aplicada de forma on line o que auxilia muito no momento da análise das respostas. O sistema, para as questões fechadas, faz todos os tratamentos básicos estatísticos necessários para a verificação das respostas. Em forma de planilhas ou tabelas os resultados são discutidos entre os membros da CPA. Após a conferência de todas as respostas separadas por cursos e unidades, iniciam os trabalhos de discussão a cerca das respostas obtidas. Destacamos que o processo de preenchimento não é obrigatório. Assim, os acadêmicos que participam do processo estão engajados em auxiliar no processo de formação e crescimento da instituição. Obviamente não podemos generalizar ao ponto de afirmarmos que isso ocorra mas em discussões realizadas, verificou-se em outras IES que a Avaliação Institucional quando aplicada com obrigatoriedade, é um canal de protesto sobre as condições e qualidade de serviços ofertados pela IES. Abaixo, demonstramos como são apresentados os resultados aos membros da CPA já com dados da participação em primeiro e segundo semestre de acadêmicos e docentes. Tabela 1: participação dos acadêmicos na consulta do primeiro semestre de Curso Total de Alunos Preenchimentos Finalizados Preenchimentos Parciais Preenchimentos não iniciados Administração 786 (100,00%) 181 (23,03%) 43 (5,47%) 562 (71,50%) Educação Física 763 (100,00%) 131 (17,17%) 98 (12,84%) 534 (69,99%) Direito 747 (100,00%) 172 (23,03%) 35 (4,69%) 540 (72,29%) Fisioterapia 418 (100,00%) 113 (27,03%) 46 (11,00%) 259 (61,96%) Psicologia 240 (100,00%) 64 (26,67%) 33 (13,75%) 143 (59,58%) Total 2954 (100,00%) 661 (22,38%) 255 (8,63%) 2038 (68,99%) Tabela 2: participação dos docentes na consulta do primeiro semestre de Curso Total de Professores Preenchimentos Finalizados Preenchimentos Parciais Preenchimentos não iniciados 161 (100,00%) 76 (47,20%) 0 (0,00%) 85 (52,80%) Total 161 (100,00%) 76 (47,20%) 0 (0,00%) 85 (52,80%) Abaixo, nas tabelas 3 e 4, são apresentados os dados referentes à segundo semestre. Tabela 3: participação dos acadêmicos na consulta do segundo semestre de Curso Total de Alunos Preenchimentos Finalizados Preenchimentos Parciais Preenchimentos não iniciados Administração 654 (100,00%) 155 (23,70%) 66 (10,09%) 433 (66,21%)

13 13 Educação Física 714 (100,00%) 164 (22,97%) 119 (16,67%) 431 (60,36%) Direito 702 (100,00%) 183 (26,07%) 94 (13,39%) 425 (60,54%) Psicologia 238 (100,00%) 83 (34,87%) 41 (17,23%) 114 (47,90%) Fisioterapia 407 (100,00%) 111 (27,27%) 63 (15,48%) 233 (57,25%) Total 2715 (100,00%) 696 (25,64%) 383 (14,11%) 1636 (60,26% Tabela 4: participação dos docentes na consulta do segundo semestre de Curso Total de Professores Preenchimentos Finalizados Preenchimentos Parciais Preenchimentos não iniciados 150 (100,00%) 80 (53,33%) 1 (0,67%) 69 (46,00%) Total 150 (100,00%) 80 (53,33%) 1 (0,67%) 69 (46,00%) Nas comparações dos resultados, percebemos que os cursos com menor número de acadêmicos possuem uma participação mais efetiva. Isso é demonstrado que os processos de sensibilização atingem mais do que nos cursos com número elevado de acadêmicos. No que se refere a participação geral, cremos que o impacto se deu na mudança de campanha ao meio do ano. Para a consulta do primeiro semestre foram utilizados gráficos de cada curso e visitas em sala de aula além da divulgação de cartazes por toda a IES. Para o segundo semestre foi publicada uma carta destinada aos acadêmicos explicando a importância da CPA no ambiente institucional e a participação dos mesmo nesse processo como sendo responsáveis no processo de desenvolvimento. Além disso, a carta trazia as melhorias implantadas na IES a curto prazo. As melhorias eram reflexos obtidos nos dados apontados na consulta já do primeiro semestre. Cremos que isso garantiu a credibilidade no processo refletindo na consulta do segundo semestre. O que preocupa a CPA já há alguns anos, é a falta de adesão dos professores ao processo. No ano de 2009, esperávamos obter uma média de participação em primeiro e segundo semestre superior a 60%, fato que não se concretizou em nenhuma das aplicações. Como cada disciplina foi avaliada em vários quesitos, cada professor foi chamado juntamente ao seu coordenador e os resultados foram apresentados. A meta é que o professor tenha conhecimento dos pontos que está pecando e aprimore para andamento dos trabalhos no semestre subseqüente.

14 14 A seguir, demonstramos um exemplo de como os dados são apresentados. Curso: XXXXX - Noite - X Periodo - Total de matriculados 30 (40,00% avaliaram) (NOME DA DISCIPLINA) - Noite - Professor (NOME DO PROFESSOR) 1 O professor apresenta o plano de ensino (cronograma, conteúdos e critérios de avaliação) no início do semestre 2 O professor demonstra conhecimento do conteúdo. 3 O professor é claro na exposição dos conteúdos. 4 O professor relaciona a disciplina com outras do curso. 5 O professor relaciona a disciplina com conteúdos da atualidade. 6 O professor incentiva a busca por conhecimentos complementares. 7 A prática utilizada pelo professor favorece a aprendizagem. 8 A avaliação é compatível com a prática utilizada pelo professor. 9 O professor discute o resultado da avaliação em classe. 10 O professor mantém um ambiente próprio para a aprendizagem Não tenho opinião Total Média , , , , , , , , , ,91 Média Geral 9,16 É possível verificar que fica claro pelo relatório emitido saber com clareza qual foi a participação de cada turma no processo de avaliação. No cabeçalho, no exemplo tomado, tivemos adesão de 40% dos alunos em uma turma que estavam matriculados 30 alunos. Dados para identificar a planilha também são demonstradas no cabeçalho para se fazer a verificação da disciplina avaliada em questão, o professor que rege as aulas e qual turno corresponde. Esses resultados identificam as potencialidades e dificuldades enfrentadas por cada professor da IES no que concerne às questões pedagógicas. Pontos específicos do processo ensino-aprendizagem são tensionados a partir da avaliação e dado um feed-back ao professor da sua prática. Percebemos ao longo dos anos que os docentes aguardam esse retorno dado pela CPA para avaliarem seus conhecimentos e métodos podendo assim ampliar as possibilidades didáticas utilizadas em sala de aula. A partir destes resultados, é feito um trabalho estatístico para verificar qual das questões avaliadas repete-se com freqüência em todas as avaliações feitas aos docentes. A partir disso, o Núcleo Pedagógico juntamente com o

15 15 Núcleo de Apoio ao Docente realizaram um levantamento das médias das notas obtidas pelos acadêmicos em cada disciplina dos cinco cursos. Em contra partida a CPA incluiu os dados de cada professor e o seu desempenho com as turmas. Inicialmente pegamos uma linha de corte das médias e confrontamos com os dados da CPA. Os resultados criaram o curso denominado Avaliando a Avaliação para os docentes. Verificou-se que vários professores eram claros em suas exposições em aula mas tinham dificuldades de realizar as avaliações e utilizá-las como processo de aprendizagem. A meta da CPA no ano de 2010 é utilizar-se desses resultados para ampliar ainda mais a possibilidade de avaliar professores, funcionários, instalações e acadêmicos buscando o crescimento institucional baseado nos mais severos critérios de qualidade. A seguir, apresentaremos os resultados das 10 dimensões do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior avaliadas pela CPA no ano de É importante ressaltar uma informação: o PDI em vigência está representado nos anos de e portanto são as ações a serem executadas neste período. As ações tomadas por base e avaliadas nesse relatório são as ações previstas para o ano vigente de 2009 ou ações que tinham outras previsões e já foram realizadas. A forma de divulgação das dimensões estão representadas em forma de tabelas em sua maior parte conforme sugestão do Roteiro do Relatório de Auto-Avaliação elaborado pelo INEP e aprovado pelo CONAES em 17 de setembro de 2005 para atendimento ao Artigo 6º da Portaria nº821 de 24 de Agosto de 2009.

16 Dimensão 1: A Missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional. Descrição das atividades desenvolvidas, planejadas ou em desenvolvimento pela IES concernente a Dimensão 1. Ações programadas Para as estratégias relacionadas com financiamento do projeto planejado para o período de ( ) Ações realizadas Resultados alcançados Observações Redução das taxas de inadimplência em 3 pontos percentuais (índice de final de semestre) Redução das taxas de evasão em 5 pontos percentuais Potencialidades Média evasão 2008=8,7% Média evasão 2009=6,95% Redução de 1,75% Fragilidades Média inadimplência 2008= 14,19% Média inadimplência 2009= 15,57% Aumento de 1,38% A possível causa para a média de inadimplência aumentar ao invés da diminuição prevista está relacionada com a forte crise mundial que abateu o mercado no ano de Em contrapartida ao que foi apresentado, tivemos uma queda significativa das taxas de evasão de alunos. Considerando a meta estabelecida, percebemos que 5% em 8,7% que tinhamos é um valor considerado alto. Realizar estudo de racionalização operacional dos custos de todas as matrizes curriculares nos cursos de graduação Atividade não realizada no ano de 2009.

17 17 Desenvolver novas atividades que resultem em incremento de receita Oferta de cursos em EAD na condição de Pólo. Autorização do curso de Enfermagem (200 vagas); ampliação do curso de Psicologia para 150 vagas anuais; ampliação do curso de Direito para 250 vagas anuais; autorização do curso de Psicologia para o noturno. Para as estratégias relacionadas com financiamento do projeto planejado para o período de ( ) Aumentar a oferta de cursos na graduação presencial, extensão (impossível projetar com absoluta precisão) e pós-graduação Aumentar a oferta de cursos na graduação presencial, extensão (impossível projetar com absoluta precisão) e pós-graduação Pós-graduação em Gestão de Pessoas e Metodologia do Treinamento Desportivo concluiram turmas em 2009; Fisioterapia Manual e Controle da Dor e Psicanálise - Teoria e Prática abriram turmas em Não abertura de turmas no curso de Enfermagem pelo pouco tempo entre a autorização e o processo seletivo. Global Business Administration, Gestão em Negócios Internacionais, Gestão em Tecnologia da Informação, Gestão Estartégica Sócio- Ambiental e Psicologia Educacional não abriram turmas. Através da Portaria 40/2008, as vagas do curso puderam ser gerenciadas pela IES nos diversos turnos. Para o vestibular de verão 2010 foi aberto turma para Psicologia noturno, sendo a mesma efetivada com a matricula de 33 alunos

18 18 flexibilização dos currículos, de forma a proporcionar ao aluno a maior autonomia possível na sua formação acadêmica Atividade desenvolvida com a quebra de prérequisitos para o curso de Administração. Estudos para viabilizar nos demais cursos. Como essa ação demanda estudos sobre a matriz curricular de cada curso, ficam a encargos das Coordenações flexibilizar conforme as condições possíveis e pertinentes ao curso. Quanto às políticas de ensino para a Faculdade Dom Bosco atualização permanente dos projetos pedagógicos, levando-se em consideração as Diretrizes Curriculares e as demandas socioeconômico-culturais da macro-região onde a Faculdade Dom Bosco está inserida Os cinco cursos revisaram os PPCs. As discussões se realizaram em reuniões com grande parte dos docentes dos respectivos cursos e analisado pelos colegiados. Os cursos já implantaram no ano de 2010 as mudanças estabelecidas com exceção ao curso de Psicologia que já havia revisado seu PPC anteriormente e colocado em vigência no ano de incentivo à produção técnico-científica e didática do corpo docente A IES apoia a participação dos docentes em congressos ou publicações nacionais e internacionais e afins. Limitação em uma participação anual subsidiada.

19 19 Quanto às políticas de ensino para a Faculdade Dom Bosco qualificação permanente do corpo social, em termos de titulação acadêmica e de competências didático-pedagógicas ampliação do número de docentes com mestrado e doutorado aprimoramento do processo de ensinoaprendizagem aprimoramento contínuo do processo de avaliação institucional Aumento no número de doutores no quadro de docentes; oferta de curso gratuito de Produção Acadêmica; oferta de curso gratuito denominado Avaliando a Avaliação. Aumento significativo demonstrado para Doutores. Em 2008 haviam 10 doutores e atualmente possuímos 17. Promoção de dois encontros anuais do Fórum de Metodologia e Pesquisa do Ensino Superior. Oferta dos cursos supracitados. Baixa procura dos cursos. Diminuição de um Mestre em relação ao ano de De 104 para 103. Ambos os cursos foram necessidades apontadas nos resultados do Núcleo Pedagógico juntamente com a CPA. Os temas abordados refletem um trabalho conjunto do Núcleo de Apoio ao Docente com a CPA. Ver dimensão 8 que trata exclusivamente sobre a Avaliação Institucional.

20 20 Quanto às políticas de ensino para a Faculdade Dom Bosco ampliação da oferta de estágio, expandindo e diversificando convênios e parcerias com instituições públicas e privadas ampliação da oferta de cursos de graduação, nas modalidades presencial e a distância criação de cursos superiores de tecnologia ampliação do acervo da biblioteca e das redes de informação Implantação de novas parcerias com empresas fornecendo vantagens a seus colaboradores; oferta de estágios aos acadêmicos com as empresas parceiras. Abertura do curso presencial de Enfermagem; planejamento para abertura dos cursos de Tecnologia da Informação e Ciências Contábeis na modalidade presencial; oferta de 5 cursos a distância na condição de Pólo. O número de bolsas teve queda de 1,95%, não proporcional à perda de alunos que foi de 10,67%. No ano de 2009 foram concretizados 50 convênios e alocados 146 estagiários remunerados nas empresas parceiras. Tabela demonstrativa de número de bolsas por curso e número de acadêmicos abaixo. A abertura do Pólo se concretizou no final de Planilha com a previsão dos cursos presenciais para abertura e número de vagas encontra-se abaixo. Previsão para o ano de Ver dimensão 7 que trata verticalmente sobre as questões de infraestrutura.

21 21 ampliação e modernização dos laboratórios e seus equipamentos e adequação do quadro de funcionários à expansão da Instituição Não houve nenhum tipo de ampliação ou modernização nestes itens. Não houve expansão no número de cursos e houve retração no número de alunos matriculados (3045 para 2720), não justificando aumento no quadro de funcionários. Declínio de 10,67%. Quanto às políticas de pesquisa para a Faculdade Dom Bosco a criação do programa de bolsas de iniciação científica, como estratégia de apoio financeiro aos alunos vinculados a projetos de docentes que tenham o propósito de se tornarem futuros pesquisadores Atividade não desenvolvida. consolidação do Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica, regulamentado por Regimento específico; Implantado no ano de 2009 com atuação plena e com regulamentação específica. Criação no Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica (NIPIC) Consolidação do Núcleo de Práticas Políticas como primeiro projeto de Iniciação Cientifica básica e início das atividades da ICC

22 22 a realização de seminários, encontros e debates, a serem desenvolvildos pelo Núcleo de Pesquisa e Iniciação Cientifíca Com o inícios dos trabalhos do NIPIC em 2009, as ações voltaram mais à Iniciação Científica do que a realização de seminários, encontros ou debates. Quanto às políticas de pesquisa para a Faculdade Dom Bosco consolidação de publicações científicoacadêmicas (Revista Jurídica EOS, Revista Em Perspectiva e Revista Eletrônica Psicodom), nas versões impressa e eletrônica As citadas encontramse implantadas e com fluxo contínuo de trabalhos. Não abrangência em todos os cursos. estimular a mobilização de competências docentes e a ampliação do regime de trabalho A IES reestruturou no ano de 2009 as condições de regime de trabalho. Os docentes comparados em 2008/2009 são: Dedicação Integral de 8,7% para 20,9%; Dedicação parcial de 22,3% para 11,9%; Horistas de 69% para 67,2%.

23 23 Quanto às políticas de pesquisa para a Faculdade Dom Bosco Ampliação da hora-aula Implantação do EAD Atualização do Plano Estratégico Anual Ação implementada com IC ou atividades extraclasse. Implementação da EAD nas condições de Pólo. Projeto em análise para efetivação. Os docentes foram instruídos a ampliarem as atividades extraclasses com registro em plano de ensino. A inserção do processo de ICC é uma das formas de complementação de atividade educacional, complementando a horaaula. A IES optou para adquirir a experiência necessária para credenciamento, tornarse pólo da Faculdade Interativa COC, instalando 4 tele-salas e ofertando os 5 cursos de graduação da FIC Atividade não realizada no ano de Quanto a Organização Administrativa da Faculdade Dom Bosco Reformulação dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC s), com base no relatório de reconhecimento do curso e nos dados obtidos pela Avaliação Institucional Atividade realizada conforme mencionada acima.

24 24 Quanto a Organização Administrativa da Faculdade Dom Bosco Capacitação estratégica para os coordenadores de curso em suas funções acadêmica, gerencial, política e institucional Atividade não realizada no ano de Institucionalização de procedimentos avaliativos para viabilizar a melhoria da qualidade. Ver dimensão 8 que trata exclusivamente sobre a Avaliação Institucional. Quanto aos Projetos de Sustentabilidade Aplicação e previsão de projetos de sustentabilidade Apesar de haver 7 projetos previstos no PDI , nenhum dos projetos foram iniciados ou aplicados no ano de Devido a reordenamento da mantenedora, o projeto de sustentabilidade não teve continuidade no ano As atividades deverão ser retomadas em 2010

25 Tabela demonstrativa do acompanhamento da abertura de novos cursos e quantidade de oferta. Curso Natureza Modalidade Vagas Turno Enfermagem Bacharel Presencial 50 M Ciências Contábeis Bacharel Presencial 50 M Ciências Contábeis Bacharel Presencial 50 N Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Tecnólogo Presencial Tecnólogo Presencial 50 - M 50 - N Tabela demonstrativa do número de bolsas ofertadas por curso e o índice de aprovação. Curso 1º Semestre 2º Semestre Administração Direito Educação Física Fisioterapia Psicologia Total Índice de Aprovação 90,64% 91,30% Na tabela acima, notamos uma diminuição de oferta de bolsas em 1,95% das quantidades de bolsas oferecidas no mesmo período em Ressaltamos que por sermos uma IES privada e com os adventos da crise no ano em questão, tivemos uma perda de 10,67% do número total de alunos. Nesses dados percebemos que os alunos bolsistas permaneceram matriculados não sentido os efeitos da crise mundial. É destaque nessa tabela o desempenho acadêmico dos alunos bolsistas. O índice de aprovação ultrapassa 90% caracterizando acadêmicos dedicados em seus estudos Acompanhamento do cronograma de expansão do corpo docente Abaixo, são apresentados os números de professores Especialistas, Mestres e Doutores que tínhamos no ano de 2008 e ao lado os valores consolidados no ano de 2009.

26 26 Titulação Graduação 3 4 Especialista Mestre Doutor Total Na tabela, é possível perceber que no número total de professores a IES permanece inalterada quantitativamente. Nota-se que houve um considerável aumento no número de Doutores contratados pela IES reduzindo em um professor com Mestrado e 7 professores com Especialização. Notamos que a exigência do MEC para uma Faculdade é de 30% do corpo docente constituído de Mestres e Doutores. A Instituição conta atualmente com 71% de Mestres e Doutores valor que vai muito além das exigências presentes nas legislações. Esses resultados demonstram o compromisso constante da IES quanto a manutenção do seu quadro de professores. Apesar da abertura do curso de Enfermagem e autorização no ano de 2009, não houveram turmas ingressantes fato este que leva a manutenção do número de professores entre os anos comparados Tabela demonstrativa referente a dedicação dos docentes Apresentamos abaixo a tabela que apresenta a situação contratual dos docentes e suas respectivas cargas horárias. Titulação RTI RTP H Total Doutor Mestre Especialista Graduado Total

27 27 Por meio desta tabela é perceptível que 20,95% dos professores atualmente possuem dedicação Integral na IES, 11,97% são de dedicação Parcial e a grande maioria são Horistas somando 67,05% dos professores.

28 Dimensão 2: A política para o ensino (graduação e pós-graduação), a pesquisa, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, para as bolsas de pesquisa, de monitoria e demais modalidades Políticas para o Ensino Os cursos de Direito e Psicologia conquistaram seus respectivos reconhecimentos conforme portaria nº 653, de 07 de maio de 2009 e portaria nº. 281 de 06 de março de 2009, respectivamente, ambas publicadas no Diário Oficial da União. O Curso de Psicologia, ao seu tempo, atualizou seu PPC com vistas ao planejamento para abertura de turmas no período noturno. Destaca-se, ainda, a conclusão dos trâmites acadêmicos internos para a efetiva oferta do Curso de Enfermagem para o primeiro semestre de Educação Física, Fisioterapia e Enfermagem concretizaram as adequações necessárias em seus respectivos PPC s para a viabilização de núcleo comum de disciplinas da Saúde. Ação que favorece a dupla diplomação, por facilitar o reaproveitamento de tais cursos. Percebe-se um incremento na qualidade de ambos os cursos e a ampliação do universo formativo dos acadêmicos. Esta ação também visa favorecer o tempo de integralização de curso, já que acadêmicos desperiodizados poderão cursas as disciplinas do tronco comum em outro curso no contra turno ou no mesmo curso, se não houver conflito de horários. Em consonância com a política institucional descrita no PDI, para o período , destaca-se que no ano de 2009 houve a adequação de PPC s de todos os cursos para a inserção da disciplina de Produção Acadêmica programada para iniciar em 2010; com exceção do Curso de Psicologia que já possuía em seu projeto a disciplina de Gêneros Acadêmicos, a qual é equivalente àquela. Observa-se, ainda, que os diversos cursos tiveram liberdade para decidir, de acordo com seus atributos específicos, o momento mais adequado para a inserção desta disciplina de Produção Acadêmica, razão pela qual o Curso de Administração, por exemplo, prevê em seu PPC, a inserção daquela para acadêmicos a partir do sexto período, na modalidade eletiva.

29 29 Em 2009 teve-se o início dos estudos acadêmicos, por meio dos colegiados de curso, das melhores estratégias de implantação, em futuro próximo, de atividades acadêmicas por meio de EAD para os cursos presenciais; obedecidos os critérios norteadores presentes no PDI, quais sejam: implantação de EAD para determinadas disciplinas curriculares, ou ainda, para complementação curricular de até 20% da carga horária dos cursos superiores presenciais. Os cursos realizaram em 2009 as adequações de suas respectivas matrizes curriculares para os novos tempos de integralização; considerando-se não mais o critério de hora/aula, mas sim de hora/relógio Políticas de pós-graduação e extensão Todas as atividades de extensão e pós-graduação encontram-se articuladas institucionalmente no Núcleo de Pós-graduação e Extensão. A institucionalização de tais procedimentos, a partir de 2009, permitiu a uniformalização de prazos e métodos para proposição de atividades extensionistas e de pós-graduação. Considerando-se a necessária integração das dimensões do ensino, da pesquisa e da extensão para o processo de aprendizagem discente, teve-se, já em 2009, o início da vinculação das propostas apresentadas ao referido núcleo com as linhas de pesquisa eleitas pelo Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica, quais sejam: Direitos Humanos e Cidadania e Vida Urbana. A IES atua na pós-graduação no âmbito do lato senso, oferecendo anualmente cursos nas áreas de suas graduações. A IES ainda não se encontra preparada para atuar no stricto senso, atividade esta que deverá constar no aditamento do PDI A Extensão está sendo fortalecida através do Projeto de Responsabilidade Social que visa integrar as atividades desenvolvidas nos cursos de graduação ofertados pela IES, em uma mesma dinâmica institucional. Reconhecendo a aprendizagem discente como ponto central de seu processo acadêmico, teve-se o início dos trabalhos para que os projetos de Responsabilidade Social, desenvolvidos nos diversos cursos, estivessem devidamente articulados com as disciplinas curriculares.

30 30 Algumas atividades encontraram-se prejudicadas no segundo semestre de 2009, em face dos desdobramentos acadêmicos do surto de Gripe A (H1N1). Tal ocorrência implicou em nova programação do calendário acadêmico e, por consequência, na alteração das datas de atividades extensionistas. Destaca-se, por fim, que o Projeto Rondon, do qual a IES tem relevante histórico de participações bem desenvolvidas, foi mais uma vez abraçado por esta comunidade acadêmica. Obtendo, inclusive, grande participação dos discentes Políticas de Pesquisa A IES em 2009 estruturou normativamente a implementação de suas políticas institucionais de pesquisa. Tais políticas estão comprometidas com a aprendizagem discente e estão devidamente articuladas com os PPC s de cada Curso, bem como com seus respectivos conteúdos programáticos e ementas disciplinares. As referidas políticas encontram-se sedimentadas nos seguintes valores estruturantes: institucionalidade, multidisciplinariedade e reforço do processo de aprendizagem. A IES, com isso, em 2009, regulamentou e deu início ao processo de efetivação do Programa Básico de Iniciação Científica (PBIC) e o Programa de Iniciação Científica Curricular (PICC). O primeiro vinculado às linhas de pesquisa institucionais, e o segundo vinculado às disciplinas curriculares. No Programa Básico de Iniciação Científica (PBIC) fomenta-se a participação discente por meio de bolsas de iniciação científica financiadas pela própria IES, por meio do seu projeto Arquimedes. Projeto esse que foi criado no ano de 2000, com objetivo de oferecer oportunidades para que estudantes de grande potencial, mas sem condições financeiras de arcar com os encargos educacionais pudessem desenvolver suas potencialidades acadêmicas. Na hipótese do discente já ser contemplado com o projeto Arquimedes, mesmo antes de ingressar no PBIC, suas atividades de pesquisa são validadas, também, como atividades complementares diante do seu curso. As linhas de pesquisa eleitas em 2009 foram: Direitos Humanos e Cidadania e Vida Urbana; conforme deliberação do Núcleo de Pesquisa e

31 31 Iniciação Científica, composto pelo Colégio de Doutores e pela Coordenadora daquele.

32 Dimensão 3: A responsabilidade social da instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural. Ações Programadas Ações Realizadas Fragilidades Resultados Alcançados Potencialidades Observações Projeto Jeitinho Brasileiro Há, ainda, dificuldades de rupturas de conceitos e atitudes permissivas do povo brasileiro. Há, ainda, dificuldades de rupturas de conceitos e atitudes permissivas do povo brasileiro. Este projeto tem alta adesão entre os universitários e a população jovem. O curso de Psicologia da Faculdade Dom Bosco coordena este projeto. Gincana de Morretes Realização da IV Gincana Histórico-Cultural e Ecológica da Cidade de Morretes, no Paraná. Houve participação da comunidade local, das Escolas Municipais e do Colégio Estadual Rocha Pombo. Adesão positiva e significativa da comunidade local e dos deiscentes da Faculdade Dom Bosco. Sendo relevante destacar que o evento promoveu a ritualização da identidade cultural do povo paranaense, resgatando também questões históricas e ecológicas. A Prefeitura firmou Convênio para contribuir com a realização deste evento. Participaram do evento, aproximadamente, 1100 pessoas. Radio Rock FM 91.3: Uma mudança de Desde 2004 esta ação está sendo desenvolvida de maneira contínua e sistemática, às quartas-feiras, no O programa é um importante momento de comunicação com a Este projeto é coordenado pelo Curso de Psicologia

33 33 atitude Elo Agência de Apoio Sócio-Ambiental Materiais Reciclados Agenda 21 Universitária Clínica Escola de Fisioterapia horário das sete as oito horas na rádio (FM 91.3) com o objetivo de levar ao senso comum conhecimentos e saberes referentes às questões polêmicas da sociedade para que assim possam construir suas respostas e concepções. Reciclagem de lixo. Utilização de papel reciclado em todo o âmbito administrativo da Faculdade Dom Bosco. O Grupo Dom Bosco é membro do Fórum Paranaense da Agenda 21 Paraná. Atendimento e tratamento fisioterápicos gratuitos à comunidade em geral. Ainda há dificuldades e resistência da comunidade em geral no que diz respeito a reciclagem e aos processos envolvidos nesta. sociedade. Os ouvintes participam e trazem questões relevantes a partir daí o conhecimento científico é introduzido à prática do cotidiano. Atividade proposta dentro do Projeto de Responsabilidade Social, é uma ação de reciclagem em conjunto com a ONG ELO da Faculdade Dom Bosco. Atividade mantida em Pouca conscientização dos colaboradores. Muitas discussões e poucas ações e posicionamentos. É uma atividade prevista no PPC, podendo não ser considerada de Responsabilidade Social. É uma oportunidade de associação com o Estado e, simultaneamente, seus projetos referentes as atividades ambientais. Facilidade para agendar os horários e custo baixíssimo para a população. Atividade coordenada e supervisionada pelo Curso de Fisioterapia.

34 34 Núcleo de práticas jurídicas (NPJ) Atendimento e aconselhamento jurídico gratuito à comunidade em geral. É uma atividade prevista no PPC, podendo não ser considerada de Responsabilidade Social. Em 2009 foram atendidas 160 famílias, sendo que 500 pessoas foram encaminhadas ao Serviço Social da Faculdade Dom Bosco. O Serviço Social da Faculdade Dom Bosco fornece acompanhamento social e não jurídico.

35 Dimensão 4: Comunicação com a sociedade. Ações Programadas Ações Realizadas Fragilidades Resultados Alcançados Potencialidades Observações Site da Faculdade Dom Bosco Divulgação de notícias, projetos, artigos dos colunistas e acesso para verificação de cursos ofertados pela IES Pouca interatividade voltado mais para a informação. Divulgação de todas as ações previstas; abrangência pelo fato de ser via internet. Publicações de Revistas Os cursos de Psicologia e Direito tem suas publicações online. O curso de Administração possui as publicações impressas. Falta de engajamento dos demais cursos com suas revistas. Relevante canal de comunicação e informação das pesquisas realizadas para a comunidade interna e externa. O curso de Fisioterapia já possui o nome para a sua revista faltando apenas o lançamento da primeira publicação. O curso de Educação Física encontra-se me fase de implantação. Gincana Histórico- Cultural e Ecológica de Morretes Projeto que visa desenvolver e promover as ações culturais e históricas da sociedade (comunidade) paranaense, promovendo um intercâmbio através de dinâmicas de grupo (gincanas, atividades físicas...). O Convênio com o SEBRAE foi extremamente relevante para a operacionalização de cursos que capacitem os jovens moradores da região a atender às demandas referentes ao turismo nesta área. Convênio com o SEBRAE e a Prefeitura Municipal de Curitiba.

36 36 Operacionalizou-se, também, cursos de língua estrangeira, hotelaria, garçom, história do Paraná e artesanato. Ação Social SESI e RPC Cancelado o evento em função da gripe H1N1 Ação a ser desenvolvida sob a supervisão do SESI e Instituto da Rede Paranaense de Comunicação (IRPC). 1º. Simpósio Integrado de Negócios Cancelado o evento em função da gripe H1N1 Iriam participar deste evento a comunidade externa e interna envolvida com Comércio Exterior, Administração, entre outros. Palestra da Psicologia da Delinquência Palestra que objetivou a discussão sobre a psicologia da delinquência, assim como troca de experiências entre profissionais de diferentes áreas e contextos. Alta adesão, principalmente de público externo. Houve a participação de 100 pessoas da comunidade. A palestra teve duas horas de duração. Curso de Redação Este curso objetivou desenvolver maiores habilidades a acadêmicos (de todos os cursos) e também a comunidade externa no que diz Houve maior procura da O curso teve duração de trinta horas e contou

37 37 Avançado respeito a Língua Portuguesa, especialmente escrita. comunidade acadêmica. com a participação de 30 pessoas. Palestra de Aconselhamento Genético Esta palestra proporcionou a discussão de um tema extremamente relevante e atual, mas que, infelizmente, não lhe é dado o devido respeito por parte da comunidade como um todo. Houve grande adesão, especialmente da comunidade externa (100 pessoas) A palestra teve duração de duas horas. 9ª. Corrida da Graciosa Evento que proporcionou um aprendizado, por parte dos acadêmicos de fisioterapia, assim como o bem-estar dos atletas que realizaram as atividades (exercícios) propostos. Houve grande interesse por parte dos acadêmicos de fisioterapia da Faculdade Dom Bosco, pois estes centraram seus trabalhos no atendimento aos atletas. Esta atividade teve a duração de cinco horas e contou com a participação de dois docentes, 40 deiscentes e 300 atletas da comunidade. Jogos da Juventude Durante o evento houve grande troca de experiências e saberes. Participaram do evento comunidade externa (200 atletas) e comunidade acadêmica de Educação Física da Faculdade Dom Bosco. O evento teve carga horária de 60 horas. Maratona de Curitiba e Taça Paraná. A maratona possibilitou um maior entrosamento dos acadêmicos aos problemas inerentes ao público alvo, ações específicas em educação Na maratona houve a participação de 300 atletas, um docente e 80 deiscentes e na Taça Paraná houve a participação de dois O evento de maratona teve oito horas de duração e contou com a participação da comunidade geral. A Taça Paraná teve a

38 38 física. docentes, 52 discentes e 300 atletas. carga horária de 75 horas. Palestra de Dopping no Esporte Tema extremamente relevante e polêmico. Houve a participação de três docentes e 141 participantes da comunidade geral interessada. A duração do evento foi de duas horas. Palestra: O Mundo Feminino Palestra que objetivou o debate e maior conhecimento a respeito do mundo feminino. A palestra teve a participação de 32 participantes. Este evento teve a carga horária de duas horas. Campanha Natal Solidário Houve participação da comunidade geral através de uma campanha para arrecadação de roupas e material de higiene à Escola Especial 29 de Março. Adesão dos funcionários da Faculdade Dom Bosco. Projeto Santos Dumont Foi um projeto que envolveu a comunidade externa, assim como acadêmicos, docentes e funcionários da Faculdade Dom Bosco rumo à prestação se serviços tais como: pintura, consertos elétricos, entre outros, na Escola Estadual Santos Dumont. Baixa adesão por parte dos acadêmicos e docentes da Faculdade Dom Bosco. Houve a participação de 15 acadêmicos, dois docentes, três funcionários e 100 alunos da Escola Estadual Santos Dumont. A carga horária do projeto foi de 80 horas. Participação nos Congressos Brasileiro A participação da Faculdade Dom Bosco nestes eventos veio a corroborar a importância da Houve apresentação de trabalhos e contou com o envolvimento de docentes

39 39 e Nacional de Extensão Universitária construção e reconstrução dos conhecimentos nos mais diversificados nichos do meio acadêmico interno e externo. e deiscentes da Faculdade Dom Bosco, assim como da comunidade acadêmica externa. Projeto Bugio Os acadêmicos da Faculdade Dom Bosco em conjunto com os acadêmicos dos EUA realizam atividades no litoral paranaense e discussões a respeito das diferenças existentes entre as culturas americanas. Baixa adesão por parte dos acadêmicos brasileiros. Houve a participação de acadêmicos de todos os cursos da Faculdade Dom Bosco, sendo importante ressaltar o intercâmbio cultural de acadêmicos dos Estados Unidos (Universidade de Logan) que vêm para desenvolverem, em parceria, este projeto. Este projeto teve carga horária de 40 horas. Seminário de Negócios I Seminário focalizado em questões comerciais (negócios) e administrativas. Houve a participação de acadêmicos de graduação, pósgraduação, assim como egressos e docentes do Curso de Administração de todas as faculdades de Curitiba (400 participantes). O evento teve carga horária de 20 horas. Houve a participação de 190 pessoas, sendo estes A carga horária total foi

40 40 Curso de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) Curso aberto à comunidade interna e externa haja visto a grande necessidade de inclusão social deste grupo. acadêmicos de todos os cursos da Faculdade Dom Bosco, colaboradores do grupo e comunidade externa. de 40 horas e durante o ano de 2009 abriu-se 5 turmas deste mesmo curso. Projeto Rondon Operação Centro Norte Objetivou-se a capacitação de funcionários e comunidade em três municípios: Agudo/RS, Divinópolis do Tocantins/TO e Baixa Grande/BA, contribuindo com isso a uma melhor qualidade de vida desta população. Houve a participação de dois docentes e seis deiscentes da Faculdade Dom Bosco, assim como, também, 46 participantes da comunidade externa local (Anamã/AM). A comunidade atingida foi de: - Agudo/RS: 857 pessoas - Divinópolis/TO: 1679 pessoas Baixa Grande/BA: 553 pessoas A seguir serão descritas as atividades realizadas no Projeto Rondon do ano de 2009: Projeto Rondon Oficina de Dependência Química: O que eu tenho com isso? (8 horas). Oficina de Incentivo a Cultura (8 horas). Curso de Cidadania Legal (4 horas) Como lidar com a depressão (4 horas). Avaliação físico funcional dos idosos (4 horas). Palestra: Esporte e Inclusão Grande adesão por parte da comunidade externa local. Houve a participação total de 553 pessoas.

41 41 Social (4 horas). Palestra: Drogas no Esporte (2 horas) Oficina: Ser Educador (4 horas). Oficina: Ser Aluno (4 horas). Oficina de incentivo ao esporte (8 horas). Oficina de incentivo a cultura local no Abrigo Transitório (4 horas) e pinturas no Abrigo Transitório (12 horas). Avaliação Pulmonar na Unidade de Saúde. Encontro de merendeiras (4 horas). Psicomotricidade para crianças. Álcool e drogas (4 horas) Álcool, drogas, saúde sexual e reprodutiva (4 horas). Saúde bucal (4 horas). Como trabalhar as ferramentas tecnológicas. Criação de blog educacional. Atividades práticas de psicomotricidade na creche. Curso de LIBRAS Semana de Formação: - Prevenção da prostituição infantil

42 42 Projeto Rondon e violência; - Incentivo ao esporte e lazer; - Distúrbios de aprendizagem e psicomotricidade; Grande adesão por parte da comunidade externa local. Houve a participação total de 553 pessoas. - Avaliação do processo de aprendizagem; - Agravos ambientais. Inclusão digital à comunidade. Criação de artesanato com recicláveis. Educação ambiental e coleta seletiva do lixo. Oficina de Cooperativismo e Associativismo. Agroecologia enquanto alternativa de produção. Semana Nacional de Conciliação É uma ação do Conselho Nacional de Justiça, ação esta que a Faculdade Dom Bosco está apoiando e participando. Visa agilizar, dar velocidade as decisões do Poder Judiciário. Desta ação participaram 18 acadêmicos do Curso de Direito da Faculdade Dom Bosco, três docentes da mesma IES, sendo realizados 3000 atendimentos. Participam deste evento dez acadêmicos e dois professores da Faculdade Dom Bosco,

43 43 Ação Global Realizada pela emissora Globo que contou com a participação da Faculdade Dom Bosco. Ações pontuais e isoladas, sem continuidade no decorrer do ano. Grande engajamento da comunidade acadêmica e geral. sendo relevante destacar o atendimento de 200 pessoas em um período de tempo relativamente pequeno em função da presente ação ser pontual. Clínica de Psicologia Atendimento e acompanhamento psicológico gratuito à comunidade em geral. Atividade prevista em PPC, podendo não ser considerada uma ação de Responsabilidade Social. Alta participação da comunidade em geral a baixos custos. Estas ações são coordenadas e supervisionadas pelo Curso de Psicologia da Faculdade Dom Bosco. Programas de Qualidade de Vida Diversas ações dentro do Programa de Qualidade de Vida, desenvolvidas pelos acadêmicos da Faculdade Dom Bosco à comunidade em geral. Atividade prevista em PPC, podendo não ser considerada uma ação de Responsabilidade Social. Alta adesão da comunidade. Não há como gerar um número preciso de participantes. Ações coordenadas e supervisionadas pelo Curso de Educação Física da Faculdade Dom Bosco.

44 Dimensão 5: As políticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e corpo técnico administrativo, seu aperfeiçoamento, seu desenvolvimento profissional e suas condições de trabalho. Ações programadas na proposta Plano de carreira docente Técnico administrativo Ações realizadas Plano protocolado junto ao Ministério do Trabalho. Capacitação Técnico administrativo A qualificação de servidores técnico administrativos é e sempre foi uma preocupação da gestão da Faculdade e os resultados já aparecem nos Relatórios de Auto-Avaliação Institucional apresentados pela Comissão Própria de Avaliação Resultados Alcançados Fragilidades Potencialidades Ocorreram recomendações do MT que foram prontamente atendidas. Falta protocolar Plano de Carreira dos técnicos administrativos. Aperfeiçoamento através da Universidade Corporativa, que em 2009 iniciou suas atividades através do Plano de Desenvolvimento Gerencial, além dos cursos Sala de Matricula para técnicos e gestores. Outros cursos: _ ENADE 2009 _ Secretaria Digital (CONSAE) Observação Ver Plano após tabela Plano de Carreira Docente A Carreira Acadêmica do DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA tem como estrutura de classificação, promoção e remuneração de professores, compreende a docência e atividades correlatas, a pesquisa, a extensão e a administração acadêmica. Comporá o quadro pessoal da Instituição: professores com regime de tempo integral; regime de tempo parcial e professores horistas; professores colaboradores, professores visitantes, tutores on-line ou interativos (a distância). Considera-se professor regime de tempo integral, regime de tempo parcial aquele que, contratado por tempo indeterminado, ministra aulas e/ou

45 45 realiza atividades de pesquisa, extensão, prestação de serviços e administração acadêmica. Considera-se professor colaborador aquele que, contratado de forma especial, ministra palestras e conferências, para atender às exigências da especialidade e especificidade dos cursos ou áreas acadêmicas. Considera-se professor visitante aquele que, convidado Docente do DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA, devido ao seu notório saber técnico e científico, ou recebido por força de convênio ou acordo estabelecido com outras instituições, congêneres ou não, colabora nas atividades de docência, pesquisa ou extensão. Considera-se professor horista aquele que, contratado por tempo determinado, atende às necessidades transitórias na docência, pesquisa e extensão, nos mesmos níveis da Carreira Acadêmica, embora sem possibilidades de promoção. Considera-se tutor on-line ou interativo (a distância) aquele que realiza a tutoria eletrônica (atendimento em plantões on-line) de disciplinas e/ou módulos, responde às mensagens enviadas pelos alunos, por meio do portal acadêmico, realiza a correção das avaliações e atividades propostas O Regime de Trabalho A carreira acadêmica compreende os regimes de trabalho: tempo integral, quando a jornada de trabalho corresponder a 40 horas semanais, com limite máximo de 20 horas semanais, na docência. Tempo parcial, quando a jornada de trabalho for exclusiva em atividade docente ou atividade docente e disponibilidade, pagas por hora/aula ou por turmas de alunos quando cursos da modalidade a distância. O enquadramento do professor no regime de trabalho será realizado pela Diretoria Geral do DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA, por meio de contrato de trabalho que aponte as atividades, o tempo de dedicação à Instituição e a forma de remuneração.

46 46 O contrato do professor de tempo parcial deverá ser celebrado por hora/aula, firmando-se, quando for o caso, contratos suplementares para outras atividades. O contrato de professores em tempo integral deverá ser celebrado mediante solicitação do professor, por meio de apresentação de projeto ou a convite do Diretor Geral, e será autorizado, em caráter renovável, mediante remuneração mensal, composta por contrato de hora/aula e outros suplementares para as demais atividades. O contrato do tutor on-line ou interativo, destinado a Educação a Distancia, deverá ser realizado mediante autorização da Direção Geral do DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA, firmando-se, quando for o caso, contratos suplementares para outras atividades. O contrato de tutores em tempo integral deverá ser celebrado mediante solicitação do tutor, por meio de apresentação de projeto ou a convite do Diretor Geral do DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA, e será autorizado, em caráter renovável, mediante remuneração mensal, composta por contrato de hora/aula e outros suplementares para as demais atividades. É obrigatória a atividade docente para todo professor e de tutoria para todo tutor que pertencer à carreira, com exceção dos professores e tutores que exercem administração acadêmica ou supervisão de tutoria, respectivamente. É prevista a possibilidade de concessão de bolsas para atividades de pesquisa e extensão, em caráter probatório, pelo período de dois anos, renovável uma vez, para professores e tutores, para futuro enquadramento em tempo integral. Ficam fora da carreira e do acesso às bolsas de pesquisa, extensão e qualificação docente os professores e tutores contratados por tempo determinado, para a docência ou tutoria, sendo possível, no entanto, a contratação de professores e tutores para projetos específicos e com duração determinada, mesmo que não exerçam a docência ou tutoria do DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA. Todo administrador ou supervisor acadêmico deverá ser contratado como professor efetivo, de acordo com sua qualificação, recebendo gratificação, quando prevista, para o desenvolvimento das atividades de gestão. O administrador e o supervisor acadêmico poderá manter atividade

47 47 didática, desde que compatível com suas atribuições de gestão, dependendo de parecer favorável do Diretor Acadêmico de regulamentação sobre sua remuneração; a qualificação pela titulação será incentivada por meio de bolsas auxílio, para professores e tutores que pertençam ao DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA, podendo ser computadas horas de atividade em pesquisa, para efeito de organização do tempo de dedicação do corpo docente A Progressão A progressão do professor ou tutor, em decorrência da avaliação, dependerá da existência de recursos, na previsão orçamentária. As normas para progressão serão elaboradas pela Direção Acadêmica, aprovadas pela Direção Geral e autorizadas pelo CAEPE e, será efetivada a partir da reclassificação do professor ou tutor, de acordo com o número de níveis proposto e aprovado pela Direção Geral, sendo que a incorporação ao salário se dará no início do ano letivo seguinte ao processo de progressão. O professor ou tutor enviará a solicitação de progressão à Comissão de Avaliação de Desempenho Docente COADD, para apreciação. A COADD, que se reúne a cada dois anos, produzirá uma ATA que será encaminhada ao CAEPE, para aprovação. Esta Comissão é composta pelo Diretor Geral, Diretor Acadêmico, Gerente do Departamento Pessoal e um representante dos Coordenadores de Curso A Classificação A Carreira Acadêmica possuirá 16 níveis salariais, em ordem crescente, do número um ao número 16. Os valores bases nível um de hora/aula ou nível um de salário mensal de tempo integral serão referenciais para a aplicação dos fatores percentuais, entre níveis sucessivos, em intervalos iguais.

48 48 A classificação dos professores ou tutores, por ocasião da contratação, será realizada, dependendo da disponibilidade orçamentária, considerando o título com agregação de sua experiência, sendo necessária, no entanto, a verificação de sua atualização e de seu desempenho didático pelos responsáveis pela contratação. Remuneração por níveis de classificação TITULAÇÃO 1ª FAIXA 2ª FAIXA 3ª FAIXA 4ª FAIXA GRADUADO 18,00 18,98 20,02 21,12 ESPECIALISTA 22,27 23,49 24,77 26,13 MESTRE 27,56 29,06 30,65 32,33 DOUTOR 34,10 35,96 37,93 40,00 Para a admissão e a progressão, vertical e/ou horizontal, na carreira docente, é observado, quando da candidatura do docente, o preenchimento da ficha a seguir indicada, devidamente documentada A Admissão Os professores ou tutores serão selecionados a partir do recrutamento aberto de currículos ou de processo de seleção específico com composição de banca de avaliação, que ficarão à disposição do Diretor Acadêmico e dos Coordenadores de Curso.

49 49 A contratação do professor ou tutor será autorizada pela Direção Geral, por solicitação da Direção Acadêmica, a quem compete às providências administrativas e legais pertinentes, não podendo o profissional iniciar suas atividades antes de sua efetiva contratação. Na admissão do professor ou tutor devem ser observados os seguintes critérios: identidade com os objetivos do DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA, sendo considerados seus títulos acadêmicos, científicos, didáticos e profissionais, relacionados com a área a ser lecionada/tutorada e/ou atividade a ser exercida, avaliado, inclusive, pela Tabela 3 Enquadramento Inicial de Docentes para sua classificação dentro da estrutura docente da Faculdade; e constitui requisito básico o diploma de graduação ou de pós-graduação, correspondente ao curso que inclua, em nível não inferior de complexidade, área idêntica ou afim àquela a ser lecionada Critérios para classificação docente e progressão funcional (Enquadramento e reenquadramento de docentes) Critérios para Classificação de Docente Recém-admitido Após aprovado em seleção, o Departamento Pessoal, providenciará o enquadramento do docente de acordo com o formulário de avaliação, que contém critérios aprovados pelos órgãos superiores do DOM BOSCO ENSINO SUPERIOR LTDA Reenquadramento Docente - Dados para Reclassificação Docente - Professores e Tutores (o professor deverá preencher e anexar documentos comprobatórios numerando-os na ordem dos itens a que se referem) Docente (a):

50 50 Tempo de serviço na Instituição: anos Data do último reenquadramento: Tempo de serviço na categoria: [ ]1 ano [ ]2 anos [ ]3 anos (menos de 2 anos (eliminatório)). anos [ ]4 anos [ ]5 anos [ ]mais de 5 Concluiu curso de mestrado após a última progressão funcional? [ ] Não [ ] Sim Conclui curso de doutorado após a última progressão funcional? [ ]Não [ ] Sim Obs.: CRITÉRIOS PARA PROGRESSÃO FUNCIONAL Em qualquer situação, a progressão poderá ser requerida e, concedida, após parecer da Comissão de Avaliação de Desempenho Docente - COADD E, POSTERIORMENTE AO CAEPE O docente deverá requerer nova classificação ao Departamento Pessoal, através do formulário SOLICITAÇÃO DE REENQUADRAMENTO DOCENTE, preenchendo todos os seus requisitos e encaminhando-o junto

51 51 com documentos comprobatórios devidamente identificados, por meio da coordenadoria de curso Serão considerados os documentos com data de emissão posterior à data de solicitação do último reenquadramento Os pontos excedentes de um reenquadramento não poderão ser contabilizados para outro reenquadramento O reenquadramento, caso seja deferido, proporcionará ao professor ou tutor a elevação de um nível na tabela de classificação No caso de conclusão do primeiro curso de mestrado, o professor ou tutor, independentemente da pontuação alcançada, será reenquadrado com elevação de um nível. O curso de mestrado deverá ser reconhecido pelo MEC No caso de conclusão do primeiro curso de doutorado, o professor ou tutor, independentemente da pontuação alcançada, será reenquadrado com elevação de um nível. O curso de doutorado deverá ser reconhecido pelo MEC A solicitação de novo reenquadramento só poderá ser feita decorrido o prazo regulamentar de dois anos. 3.6 Percepção dos docentes quanto às condições de trabalho Para verificar junto ao corpo docente as condições de trabalho, diversas questões sobre o tema foram apresentadas na consulta semestral (conforme apresentado no item Metodologia). A seguir, serão apresentados os resultados desta consulta. Todos os gráficos apresentam duas colunas para cada afirmação, a primeira coluna refere-se ao primeiro semestre e a segunda ao segundo semestre do ano de 2008.

52 52 São perceptíveis as ações da direção da Faculdade em relação aos dados apontados pela Avaliação Institucional No que se refere às questões ligadas à percepção dos professores em relação às tomadas de decisões iniciadas pela Direção concernente aos dados oferecidos pela Avaliação institucional, vemos um acréscimo significativo no conceito 3 (satisfeitos) em relação ao primeiro semestre. Porém, vemos um decréscimo naqueles de conceito 4 (totalmente satisfeitos) com as ações iniciadas pela Direção. Não houveram mudanças no período que justifiquem os votos. A Direção sempre, desde a criação da CPA pela IES, captou os resultados advindos da Avaliação Institucional como ferramenta gestora dos processos a serem criados ou melhorados da instituição. Pelo gráfico, fica clara essa afirmação visto que a grande maioria dos professores observa medidas iniciadas pela Direção no que diz respeito aos resultados apontados pela CPA. As salas de aulas atendem satisfatoriamente as necessidades do professor

53 53 Verifica-se neste gráfico que não existem diferenças significativas entre os dados apontados entre primeiro e segundo semestre. O que pode verificar é que, na grande maioria, as salas de aula dos professores atendem de forma satisfatória as condições oferecidas à eles. Em cada sala é possível verificar os seguintes equipamentos: sistema multimídia com projetor e equipamentos de som, amplificador, computador conectado ao sistema multimídia e acesso à internet, lousas brancas e em algumas salas de cada sede a implementação da lousa eletrônica já descrita em outros relatórios. Com essas características, esses equipamentos precisam de reparos e manutenções. Os dados encontram-se no gráfico abaixo. A manutenção dos equipamentos de sala de aula é satisfatória A CPA constatou que não estavam sendo dadas as devidas atenções às questões de manutenção dos equipamentos de sala de aula. Juntamente com os técnicos de informática diagnosticou-se que as máquinas estavam obsoletas e necessitando substituição. A Direção imediatamente solicitou a troca de todos os computadores de sala de aula para que as aulas pudessem desenvolver com os recursos necessários. Vemos um impacto no conceito 4 (totalmente satisfeito) em relação ao primeiro semestre. Na média estabelecida no gráfico, notamos que a curva de satisfação é maior daqueles insatisfeitos.

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIME - União Metropolitana para o Desenvolvimento da UF: BA Educação e Cultura ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO INTEGRAL CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág.. Portaria n 712, publicada no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág. 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE DIREITO - CAMPUS VN PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX

INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX INSTITUTO METODISTA IZABELA HENDRIX CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA CAMPUS PL PERÍODO 2014 1 INSTITUTO METODISTA

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2013 DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE 1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO (Síntese dos resultados) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO

PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO PORTO VELHO 2009 PROJETO DA RECOMPOSIÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA INTRODUÇÃO A avaliação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OFERTA PARA FINS DE RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS EM ENSINO EM MEDICINA VETERINÁRIA VERIFICAÇÃO

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS TUTORES DE POLO DE APOIO PRESENCIAL

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS TUTORES DE POLO DE APOIO PRESENCIAL RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS TUTORES DE POLO DE APOIO PRESENCIAL ENSINO A DISTÂNCIA 2º SEMESTRE - 2014 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem UF: BA Departamento Regional da Bahia SENAI-DR/BA ASSUNTO: Recredenciamento da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 886, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 46. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO Nº 6/2014 O Diretor da Faculdade de Direito no uso de suas atribuições, altera a resolução 13/2005 que passará a ter a seguinte redação: TÍTULO I: DOS OBJETIVOS Art. 1º. A avaliação institucional

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020

Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020 Profa. Dra. Sissi Kawai Marcos Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020 Introdução Esta proposta de programação e ações para a Reitoria, mandato 2016-2020, procura respeitar o contexto atual

Leia mais

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade Norte Capixaba de São

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação Professor, Apresentamos um modelo do Formulário Eletrônico a ser preenchido pelo coordenador do curso durante o processo de autorização ou reconhecimento de cursos. Colocamos na última coluna sugestão

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/1/2005 (*) Portaria/MEC nº 174, publicada no Diário Oficial da União de 20/1/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel

Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte. Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel Reitor Prof. Dr. Reinaldo Centoducatte Vice-Reitora Profª. Drª. Ethel Leonor Noia Maciel PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos.

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. CLAUDIA MAFFINI GRIBOSKI Directora de Evaluación del INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquizas Educacionais Ainísio Teixeria

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III SIC 38/10* Belo Horizonte, 3 de dezembro de 2010. MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III O MEC publicou a Portaria nº 1326, de 18/11/2010 (ver íntegra do texto abaixo). É preciso ser mágico

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert UF:SP Einstein ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Arujá - SP 2011 2 SUMÁRIO Dados da Instituição... 3 Considerações iniciais... 4 Desenvolvimento da Avaliação... 4 Dimensões da Autoavaliação...

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 Normatiza a oferta de cursos a distância, em nível de graduação, sequenciais, tecnólogos, pós-graduação e extensão universitária ofertados pela Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA Suzana Schwerz Funghetto Coordenadora-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior/DAES/INEP A EVOLUÇÃO E OS DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais