UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ OLÍVIA DUQUIA GIUMELLI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ OLÍVIA DUQUIA GIUMELLI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ OLÍVIA DUQUIA GIUMELLI ANÁLISE DA SELEÇÃO DE INDICADORES DE TURISMO RESPONSÁVEL COM FOCO NOS MUNICÍPIOS LITORÂNEOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - BRASIL Balneário Camboriú 2008

2 2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ OLÍVIA DUQUIA GIUMELLI ANÁLISE DA SELEÇÃO DE INDICADORES DE TURISMO RESPONSÁVEL COM FOCO NOS MUNICÍPIOS LITORÂNEOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - BRASIL Dissertação apresentada como requisito para obtenção do título de Mestre em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI (SC). Orientador: Prof. Dr. Marcus Polette Balneário Camboriú 2008

3 3 RESUMO A zona litorânea de Santa Catarina possui 36 municípios e vêm apresentando diversos problemas devido ao seu crescimento acelerado nas últimas décadas. O turismo foi um dos propulsores desse crescimento que ocorreu de forma insustentável e não planejada. Aliando a questão da responsabilidade com a atividade turística nesta região, propõe-se neste estudo, analisar indicadores de turismo responsável, selecionados com foco nos municípios litorâneos do Estado de Santa Catarina Brasil. Este trabalho se caracteriza como uma pesquisa aplicada de cunho exploratório, que pretende discutir metodologias de seleção de indicadores, e averiguar como sua utilização pode ocorrer no setor turístico com foco no desenvolvimento do turismo responsável, frente às peculiaridades de cada território. O trabalho foi realizado primeiramente levantando-se trabalhos que propunham metodologias de seleção de indicadores para o turismo responsável e sustentável e com isto foi estruturada a metodologia de estudo. Os indicadores condizentes com esta pesquisa foram selecionados; após isso construiu-se a fundamentação teórica, com ênfase nas definições de turismo sustentável, turismo responsável e indicadores. A última parte incluiu a proposta do método de seleção dos indicadores por meio da análise de indicadores (já selecionados pela autora), de acordo com as características citadas por Januzzi (2005), ao mesmo tempo em que especialistas da área de Turismo e áreas afins, conhecedores da realidade do litoral de Santa Catarina, respondiam a questionários (quanto à importância e facilidade de obtenção dos indicadores pré-selecionados). A análise dos foi realizada com base em uma escala de cinco cores que qualificava os indicadores como aprovados (A) ou eliminados (E). Os principais resultados dos questionários demonstram que muitos indicadores que obtiveram a avaliação da nota máxima quanto à sua importância, tiveram que ser eliminados quando possuíam um grau médio ou pequeno quanto à facilidade de sua obtenção. Ao final foram selecionados 24 indicadores conforme a opinião de especialistas e 46 de acordo com a metodologia de Januzzi (2005). Na análise comparativa das duas etapas citadas acima, encontraram-se 22 indicadores semelhantes. Para descrever os indicadores selecionados, a metodologia do CEROI (Cities Environments Reports on the Internet) foi utilizada como base. As conclusões a que se chegou nessa pesquisa foram de que é necessário antes de utilizar indicadores em pesquisas, saber da disponibilidade dos dados e da facilidade em encontrá-los conforme a realidade estudada, para que eles possam, efetivamente, ser aplicados no intuito de gerar informações e proporcionar o acompanhamento do desenvolvimento do turismo responsável, sendo instrumentos na busca por melhorias contínuas da atividade turística. Palavras-chaves: Turismo Responsável; Sustentabilidade; Indicadores; Litoral do Estado de Santa Catarina (Brasil).

4 4 ABSTRACT The coastal area of the State of Santa Catarina, in Brazil, has 36 cities that are experiencing various problems due to their accelerated growth in recent decades. Tourism is one of the factors that has motivated this growth, which has occurred in an unplanned and unsustainable way. Relating the issue of responsibility to tourism, this study proposes to analyze responsible tourism indicators, selected with focus on the coastal cities of the State of Santa Catarina, Brasil. This work is characterized as an applied study with an exploratory approach, which aims to discuss methods used in the selection of indicators, and how they can be used in the tourism sector, focusing on the development of responsible tourism and taking into consideration the specific characteristics of each region. The work was carried out as follows: first, a bibliographic review was carried out, to find works which propose methods of selection of indicators for responsible and sustainable tourism. The results were used to structure the methodology used in this study. The most appropriate indicators for this research were selected; next, the theoretical foundation was constructed, emphasizing the definitions of sustainable tourism, responsible tourism, and indicators. The last section proposes a method for the selection of indicators in two stages: at the beginning, through the analysis of indicators (pre-selected by the author), according to the characteristics cited by Januzzi (2005), while at the same time, specialists of the area of Tourism and related areas knowledgeable about the coastal area of Santa Catarina responded to questionnaires (focusing on the importance and ease of obtaining pre-selected indicators). The analysis of the results of these two "filters" (Januzzi and specialists) was carried out in different ways, based on a scale with five colors which qualified the indicators as approved (A) or eliminated (E). The main results of the questionnaires demonstrate that many indicators that obtained the maximum score in terms of evaluation of their importance had to be eliminated when they had a medium or small score for ease of attainment. At the end, 24 indicators were selected, according to the specialists' opinion, and 46 in accordance with the methodology of Januzzi (2005). In the comparative analysis of the two above-mentioned stages, 22 similar indicators were found. To describe the selected indicators, the CEROI (Cities Environments Reports on the Internet) methodology was used as a base. The conclusions arrived at through this research indicated that before using research indicators, it is necessary to have knowledge of the availability of the data and the ease with which they can be found, according to the reality studied, so that they can be effectively applied in order to generate information and enable the development of responsible tourism, as instruments in the search for continual improvement of tourism. Keywords: Responsible Tourism; Sustainability; Indicators; Coastal Area of Santa Catarina State (Brazil).

5 5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES I - LISTA DE QUADROS Quadro 1: Modelo para descrição dos indicadores selecionados com a pesquisa 22 Quadro 2: Quadro da adaptação feita para o estudo com base em CEROI (2008) 22 Quadro 3: Quadro modelo de análise das características dos indicadores conforme Januzzi (2005) Quadro 4: Universidades relacionadas ao público alvo da etapa da pesquisa com especialistas Quadro 5: Modelo de quadro para questionário enviado aos especialistas 28 Quadro 6: Modelo para avaliar o peso de cada dimensão conforme a opinião dos respondentes 30 Quadro 7: Padrões de crescimento 36 Quadro 8: Tipologias de sustentabilidade 39 Quadro 9: O alcance do turismo sustentável 53 Quadro 10: A distribuição de responsabilidades para a realização de um turismo sustentável 57 Quadro 11: Definições de terminologias 76 Quadro 12: Indicadores-chave do turismo sustentável 88 Quadro 13: Indicadores para a zona costeira 89 Quadro 14: Indicadores dos pólos de ecoturismo 90 Quadro 15: Indicadores do Modelo Territorial Turístico 95 Quadro 16: Indicadores de pressão 95 Quadro 17: Indicadores de estado/qualidade 96 Quadro 18: Indicadores de resposta política e social 96

6 6 Quadro 19: Indicadores mais citados, separados conforme sua dimensão 103 Quadro 20: Indicadores para o desenvolvimento turístico sustentável 105 Quadro 21: Sistema de indicadores de turismo sustentável em Cozumel 107 Quadro 22: Indicadores de gestão do turismo responsável 109 Quadro 23: Indicadores de dimensão social 117 Quadro 24: Indicadores de dimensão econômica 121 Quadro 25: Indicadores de dimensão ambiental 125 Quadro 26: Indicadores de dimensão cultural 126 Quadro 27: Indicadores de dimensão espacial 127 Quadro 28: Indicadores de dimensão institucional 128 Quadro 29: Análise dos indicadores selecionados para o estudo 132 Quadro 30: Quadro para classificação dos indicadores selecionados para o estudo Quadro 31: Legenda para análise da facilidade de obtenção dos indicadores com relação à importância dos mesmos Quadro 32: Comparação das análises feitas com base em Januzzi (2005) e especialistas respondentes II - LISTA DE FIGURAS Figura 1: Procedimentos Metodológicos do Estudo 19 Figura 2: Escala utilizada para análise de indicadores Figura 3: Evolução do conceito de turismo sustentável Figura 4: Terminologias utilizadas na definição de turismo sustentável 51 Figura 5: Relação do turismo sustentável com os setores do turismo 52 Figura 6: Esquema desenvolvido para análise dos indicadores conforme as 131 características propostas por Januzzi (2005) Figura 7: Escala adaptada para análise dos resultados dos questionários 137

7 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problemática Dos propósitos do estudo 16 2 OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos 18 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Levantamento de dados de natureza social, econômica, ambiental, 19 cultural, espacial e institucional Levantamento bibliográfico Busca de dados em instituições Construção de uma base de indicadores de responsabilidade turística para 21 o litoral do Estado de Santa Catarina 3.2 Agrupamento dos dados e análise da significância dos mesmos para a 23 composição dos indicadores Análise dos indicadores pela metodologia de Januzzi (2005) Aplicação de questionários e análise dos resultados Januzzi X Especialistas Análise sobre os indicadores utilizados e sugestões de outros 30 indicadores 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Premissas sobre Desenvolvimento Desenvolvimento sustentável Desenvolvimento local e o turismo O Turismo em âmbito global e a atividade no Brasil 44

8 8 4.3 O Turismo Sustentável O Turismo Responsável Turismo Responsável X Turismo Sustentável O Turismo litorâneo e os problemas conseqüentes da urbanização de 60 zonas costeiras 4.7 O Turismo no Estado de Santa Catarina O litoral de Santa Catarina e o Turismo: construção do cenário para a 71 seleção de indicadores 4.8 A utilização de indicadores em pesquisas Indicadores de desenvolvimento sustentável Indicadores do turismo sustentável Indicadores do turismo responsável Critérios para a seleção de indicadores RESULTADOS Análise dos indicadores A classificação dos indicadores Questionários: análise dos resultados da pesquisa com especialistas A importância dos indicadores para o turismo responsável A facilidade de obtenção dos indicadores A importância das dimensões Januzzi X Especialistas Análise sobre os indicadores utilizados e sugestões de outros 145 indicadores 6 CONCLUSÃO 155 REFERÊNCIAS 162 APÊNDICES 170 APÊNDICE A: Questionários para Seleção e Análise de Indicadores de Turismo 170 Responsável Etapa Especialistas

9 9 1 INTRODUÇÃO 1.1 Problemática Nos últimos anos, uma nova terminologia tem sido cada vez mais utilizada nos assuntos que envolvem a preservação do meio ambiente natural e cultural em âmbito global: a responsabilidade. Ser responsável conforme Ferreira (1993) implica em responder pelos seus próprios atos ou pelos de outrem ou ainda ser o causador de algo. Entende-se por turismo responsável aquele no qual há uma ligação entre os atores inseridos no processo, com equilíbrio amplo e irrestrito de benefícios e responsabilidades, gerando uma atmosfera favorável às parcerias e a participação da comunidade no desenvolvimento turístico (OLIVEIRA E FONTANA, 2006). A conceituação de turismo responsável, entretanto, possui um estreito relacionamento com o termo turismo sustentável. Dentre os vários conceitos aqui apresentados, em especial o de turismo sustentável e toda a discussão ao seu redor, serão enfatizados, pois sua análise é um dos pontos centrais deste trabalho. O esclarecimento quanto às visões dos autores a seu respeito vão auxiliar na comparação e futuro entendimento do que compreende o turismo responsável, termo utilizado com ênfase neste estudo. O turismo é sustentável, conforme a OMT (1999), quando relaciona as necessidades dos turistas e das regiões receptoras, protegendo e fortalecendo oportunidades futuras. Além disso, quando contempla a gestão dos recursos econômicos, sociais e necessidades estéticas, mantendo a integridade cultural, os processos ecológicos essenciais, a diversidade biológica e os sistemas que suportam a vida. Comparando os dois termos, de acordo com Oliveira e Fontana (2006), o que muda quando há utilização de termo responsável substituído por sustentável é o fato de que para o primeiro, considera-se principalmente, as especificidades de cada realidade, em especial a dos países em desenvolvimento. Para os autores o Turismo Responsável tem como característica principal o enfoque na participação efetiva do

10 10 turismo nas comunidades envolvidas, quaisquer que sejam as suas características sócio-culturais ou localização geográfica (OLIVEIRA e FONTANA, 2006, p.5). Assim, deve-se discutir e não simplesmente substituir o conceito de turismo sustentável pelo de turismo responsável sem considerar a realidade atual. Desta forma, neste trabalho, objetivou-se esclarecer a questão dessas diferenciações. O estudo dessas terminologias vem de encontro com a região foco da pesquisa, caracterizada por grandes transformações urbanísticas sobre a qual a atividade turística foi um dos principais agentes propulsores. Portanto, cabe entender a dinâmica do crescimento do litoral de Santa Catarina, bem como os desafios e responsabilidades existentes, a fim de tornar esta região apta a um turismo qualitativo de longo prazo. Os 36 municípios costeiros do Estado de Santa Catarina vêm sofrendo nas últimas décadas diversos impactos de grande amplitude tanto no âmbito sociocultural quanto no ambiental. A falta de planejamento por parte dos gestores locais ocasionou um povoamento acelerado desta região de uma forma desorganizada, e um dos causadores desses impactos foi o intenso processo de urbanização, que ocorreu e ocorre principalmente em áreas mais frágeis. A atividade turística, quando não estruturada, pode influir de forma negativa em todo esse contexto, principalmente nos períodos de alta temporada, neste caso no verão, no qual uma intensa demanda turística procura por municípios como Garopaba, Florianópolis e Balneário Camboriú (SANTUR, 2007). Quando não há um planejamento local, a qualidade do produto turístico fica comprometida, é o caso, por exemplo, da poluição nas praias devido ao esgoto não tratado de forma correta. Outros problemas que podem ocorrer são a falta de energia e água, engarrafamentos no trânsito, segurança, etc. Frente a esta realidade de transformação acelerada nos municípios litorâneos de Santa Catarina, cada vez mais, indicadores têm sido utilizados por diversos órgãos de pesquisa - em nível nacional e internacional - como forma de detectar e monitorar essas transformações. Os indicadores possuem um papel fundamental quando se pretende realizar o Turismo de uma forma responsável, pois eles podem auxiliar no monitoramento de transformações em diversos aspectos ambientais, sociais, econômicos, culturais,

11 11 espaciais e institucionais - e assim, indicar em quais desses, são necessárias as ações mais urgentes para amenizar e resolver os problemas que surgem em face da atividade turística, fazendo com que esta, possa trazer maiores benefícios ao local e à comunidade na qual está inserido. Frente a rapidez do processo de transformação da atividade do turismo, dificilmente esta poderá ter como base um desenvolvimento em que possa legar à população melhores condições de qualidade ambiental e manutenção de sua cultura e do seu bem-estar econômico. Porém, toda essa mutabilidade pode ser freada e amenizada com ações diretas e práticas, visando resolver os principais problemas levantados em cada localidade. Segundo a WWF-Brasil (2004) há, no Brasil, uma grande lacuna por parte dos gestores públicos, no sentido de entender que em todos os níveis governamentais há um papel central no desenvolvimento sustentado do turismo. Além disso, existe um consenso entre especialistas de que o desenvolvimento do turismo que almeja ser sustentável necessita fortalecer seus órgãos e criar instrumentos adequados em termos de política pública, como é o caso de um programa de monitoramento, de um relatório de qualidade de turismo, entre outros. Entretanto, é necessário avaliar situações particularizadas, e para isso surgem os indicadores que conforme afirma Mousinho (2001), são instrumentos propostos como forma de representação da informação, que permitem organizar, sintetizar e utilizar dados úteis ao planejamento, ao estabelecimento de metas e ao controle do desempenho, viabilizando assim, a análise de decisões estratégicas e a tomada de decisão. Conforme a WWF-Brasil (2004) os indicadores devem ser fáceis de manipular para que sejam entendidos de forma clara, e aceitos pelo conjunto dos interessados em utilizá-los. Devem possuir uma forma simples de verificação, por meio de parâmetros conhecidos e cujos dados sejam de fácil obtenção. Além disso, se os indicadores forem debatidos e decididos de forma participativa sua validação e implementação serão facilitados. Alguns trabalhos sobre indicadores de turismo sustentável que foram desenvolvidos em diversos países, segundo a OMT (1997, p. 10), caracterizam uma

12 12 evidência crescente da necessidade de indicadores que possam captar os efeitos da atividade econômica, incluindo o turismo, sobre o entorno natural e cultural (TRENTIN, 2007). Esses indicadores tornam-se necessários, pois são capazes de gerar informações e refletir uma determinada situação e sua relação com o desenvolvimento sustentável. Conforme Trentin (2007) os mesmos têm sido denominados indicadores de desenvolvimento sustentável e englobam as dimensões econômicas, sociais, ambientais e institucionais. A Comissão para o Desenvolvimento Sustentável-CDS buscou indicadores que fossem capazes de aferir o processo de desenvolvimento sustentável e publicou em 1996 o documento denominado Indicadores de desarollo sostenible: marco y metodologías, conhecido como Livro Azul, que apresentou um conjunto de 134 indicadores, que no ano 2000, foram reduzidos para 50 (TRENTIN, 2007). No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE utilizando como fonte o documento apresentado pela CDS elaborou o material Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil 2002, onde foram apresentados 50 indicadores englobando as dimensões social, ambiental, econômica e institucional. Em 2004 uma nova versão revisada, ampliada e atualizada foi publicada e com esse novo material os indicadores passaram a ser 59, distribuídos nas quatro dimensões (TRENTIN, 2007). De acordo com o IBGE (2002, p.10) os indicadores são as ferramentas constituídas por uma ou mais variáveis que, associadas através de diversas formas, revelam significados mais amplos sobre os fenômenos a que se referem. Considerando o uso de indicadores em outras áreas e atividades, a Organização Mundial do Turismo OMT realizou algumas ações, como a publicação do livro intitulado Lo que todo gestor turístico debe saber: guía practico para el desarrollo y uso de indicadores de turismo sostenible, cujo objetivo foi o de facilitar o desenvolvimento de indicadores de cunho prático na gestão sustentável dos destinos turísticos, além de orientar os gestores e administradores no uso dos indicadores em suas decisões relacionadas ao turismo e ao meio ambiente (TRENTIN, 2007). No entanto, esses indicadores, são generalizados e muitas vezes não expressam ou retratam as especificidades e realidades de determinadas regiões.

13 13 Percebeu-se ainda, que os indicadores importantes devem estar relacionados com o compromisso de um turismo responsável e por isso é fundamental uma maior participação dos atores locais nas tomadas de decisões. Assim, a sociedade em geral também deve ser participativa na seleção de indicadores para detectar a situação de seu município com relação ao turismo. Focando na realidade aqui abordada e verificando a necessidade de pesquisas relacionadas ao tema sustentabilidade e responsabilidade turística, buscaram-se os dados existentes com relação aos municípios litorâneos de Santa Catarina, para que a partir destes fossem selecionados indicadores ideais para entender a situação com relação ao turismo responsável no litoral catarinense. Os indicadores escolhidos neste estudo buscam simplificar e substituir dados extensos e textos descritivos por medidas estabelecidas de comum acordo, além de possibilitar a visualização das tendências através dos tempos (RAMOS, 1997). A atividade turística iniciou-se na região do litoral de Santa Catarina há algumas décadas, quando a zona costeira passou a ser ocupada por casas de segundaresidência, utilizadas nas épocas do veraneio. Junto ao interesse pelo lazer voltado ao banho de mar, cresceu o interesse por essas áreas que passaram a ser visadas como local de residência fixa. Assim, surgiu a especulação imobiliária e criou-se alguma infra-estrutura para atender a demanda cada vez mais crescente. A área litorânea tornou-se o alvo de grandes empresas hoteleiras e construtoras com objetivos de lucrar com a exploração do local. Além disso, a ausência de uma fiscalização séria com requisitos para construção e preservação ambiental fizeram com que essas localidades se transformassem em áreas urbanas de uma forma muito agressiva (POLETTE, 2006). O cenário atual do litoral de Santa Catarina, conforme Polette (2006), apresentase, de uma forma geral, da seguinte maneira: Litoral Norte existência de conflitos entre a proteção e o crescimento urbano; discussão da criação de uma Unidade de Conservação na Baía da Babitonga; grandes empresas metal-mecânicas instaladas próximo ao mar; movimentação marítima de cargas no Porto de São Francisco do Sul e apresentação de projetos para receber cruzeiros turísticos futuramente;

14 14 Litoral Centro-Norte: a alta densidade na época de veraneio com saturação das localidades que não possuem infra-estrutura adequada para absorver este fluxo o que gera problemas de saneamento básico, trânsito, segurança etc.; é localização do Parque Beto Carreiro World no município de Penha, um dos maiores centros de entretenimento da América Latina; o Balneário Piçarras, apresenta uma das praias mais limpas da costa catarinense, apesar do quadro geral da região; o município de Itapema é caracterizado pelo grande número de veranistas assim como Balneário Camboriú, município de cerca de 90 mil habitantes, que em períodos de picos da alta temporada recebe até 1 milhão de pessoas; movimentação de cargas e recepção de cruzeiros no Porto de Itajaí; o município de Porto Belo onde está o empreendimento Ilha de Porto Belo possui diversas atrações e é principal ponto de parada de cruzeiros turísticos no Estado; Bombinhas apresenta praias ideais à prática de mergulho, etc. Litoral Centro e Ilha de Santa Catarina: possui os mesmos problemas do litoral centronorte porém é uma região com diversas áreas protegidas na região de Florianópolis como. Cerca de 45% do território da Ilha é composto por UC das quais se destacam: Reserva Marinha do Arvoredo, Anhatomirim, Carijós, Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, dentre outras; o controle dessas áreas, no entanto, tem se caracterizado como um problema, pois são visíveis as invasões de residências ilegais em locais de preservação e além disso, há discussões entre o setor privado e o público para a liberação de áreas protegidas para a expansão da infra-estrutura (como por exemplo, áreas de manguezais); Litoral Centro-Sul existência da APA (Área de Proteção Ambiental) da baleia Franca e onde turismo tende a se expandir principalmente após a finalização das obras de duplicação da BR 101 trecho sul; Garopaba é um dos principais destinos de praia de Santa Catarina com destaque para a prática de atividades como o surfe; Litoral Sul Área em expansão com público vindo principalmente do Rio Grande do Sul; Laguna é uma cidade histórica que está nessa região, que apresenta também além de diversas praias,um carnaval típico difundido no Estado. Horn Filho (2006) afirma que as zonas litorâneas e costeiras têm sido ocupadas indiscriminadamente nos últimos anos sem critérios de ordenamento de uso da terra.

15 15 Porém esta ocupação se agrava quando o local possui uma paisagem exuberante e vocação turística. Assim, buscar-se-á neste trabalho realizar a seleção de indicadores de natureza econômica, cultural, ambiental, social, territorial e institucional para possibilitar a avaliação do desenvolvimento turístico responsável no litoral do Estado de Santa Catarina. Baseado no que se deseja investigar, foi proposta a metodologia para a execução deste estudo que consiste numa Pesquisa Aplicada de cunho exploratório, cujos indicadores serão sugeridos e selecionados com base em estudos bibliográficos e documentais de origem primária e secundária e questionários enviados para especialistas da área de turismo e áreas afins. Assim, o estudo foi realizado da seguinte forma: primeiramente uma pesquisa ocorreu com o intuito de levantar alguns trabalhos que propunham metodologias de seleção de indicadores para o turismo responsável e sustentável e com isto foi estruturada a metodologia de estudo; logo após, construiu-se uma fundamentação teórica para embasar todo o assunto que é tratado na pesquisa, com ênfase nas definições de turismo sustentável, turismo responsável e indicadores. Após a seleção dos indicadores, com base nas pesquisas de trabalhos já realizados e de informações disponibilizadas por diversos órgãos, realizou-se a última fase. Essa incluiu a análise dos indicadores por meio de duas etapas, tendo como base a aplicação de questionários com especialistas para auxiliar na seleção de indicadores de turismo responsável ao mesmo tempo em que os indicadores eram analisados pela pesquisadora conforme critérios de características de indicadores, propostos por Januzzi (2005). Pretendeu-se após isso, fazer uma análise comparativa das duas etapas e chegar a uma conclusão quanto aos indicadores de turismo responsável mais adequados da realidade local estudada. O foco dessa dissertação, além da análise de indicadores, está no método que apresenta, testando-o e buscando um modelo de seleção de indicadores, que envolva diferentes atores da realidade do turismo e de setores afins, assim como a sociedade civil organizada, setor privado e organizações municipais, estaduais e federais.

16 16 Procurou-se demonstrar como a utilização de indicadores pode ocorrer no setor turístico para visualizar as problemáticas existentes na região onde os mesmos são analisados, de forma que haja uma mobilização no sentido de instigar instituições públicas, privadas e o terceiro setor para agir na promoção de um desenvolvimento turístico responsável. Com essa estruturação, este trabalho realizou-se a fim de promover uma reflexão sobre conscientização e apoio ao desenvolvimento turístico responsável em Santa Catarina, frente aos aspectos positivos e negativos do desenvolvimento do turismo no Estado. A contribuição, ainda, está no processo de levantamento de dados, metodologias de formulação e tratamento de indicadores, além da consistência da análise de indicadores de acordo com a opinião de especialistas que atuam direta ou indiretamente com a atividade turística. 1.2 Dos propósitos do estudo O tema aqui proposto surgiu da verificação da necessidade de criar técnicas de mensuração do desenvolvimento responsável para a atividade turística, bem como da possibilidade de buscar uma avaliação contínua deste setor econômico. Além disso, o estudo da utilização de indicadores apresenta-se como meio para propor um modelo de turismo mais ordenado. Neste contexto, optou-se por trabalhar com a zona costeira devido a essa sofrer um grande impacto, pois é um amplo espaço de interações localizado entre o mar, a terra e a atmosfera. Nessa região ocorre uma transição, o que incide nas condições principalmente ambientais, influenciadas pelo homem como agente de transformação (POLETTE, 1997). A questão principal desta pesquisa foi Como os indicadores de natureza econômica, cultural, ambiental, social, espacial e institucional podem ser selecionados de acordo com a realidade do litoral do Estado de Santa Catarina com foco em seu desenvolvimento turístico responsável?.

17 17 Desta forma, as perguntas de pesquisa que surgiram frente ao objeto estudado foram: Descritivas 1. Quais são os dados existentes na base de dados das instituições catarinenses capazes de entender aspectos de natureza econômica, cultural, ambiental, social, espacial e institucional? 2. Quais são as informações existentes que podem auxiliar na seleção de uma série de indicadores para avaliar as dimensões de sustentabilidade relacionadas ao turismo responsável? Explicativas 1. Por que a seleção de indicadores, utilizando trabalhos já elaborados, e a opinião de especialistas do turismo e de áreas afins, pode estar mais próximo da configuração da realidade do desenvolvimento turístico responsável dos municípios litorâneos de Santa Catarina? 2. Por que o setor turístico pode utilizar as dimensões de sustentabilidade para a promoção do desenvolvimento local? Interpretativas 1. Como a seleção de indicadores pode ser um instrumento de partida para a análise dos diferentes estágios de desenvolvimento turístico da região? 2. Como as instituições públicas, privadas e o terceiro setor podem utilizar os indicadores ou a metodologia de seleção destes, para agir na promoção do desenvolvimento turístico responsável? A partir das questões acima, elaboraram-se os objetivos deste estudo.

18 18 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Analisar um conjunto de indicadores de natureza econômica, cultural, ambiental, social, espacial e institucional com foco no desenvolvimento do Turismo Responsável no litoral do Estado de Santa Catarina Brasil. 2.2 Objetivos Específicos 1. Levantar dados do litoral de Santa Catarina quanto aos aspectos de natureza econômica, cultural, ambiental, social, espacial e institucional; 2. Selecionar indicadores capazes de analisar o turismo responsável para o litoral de Santa Catarina, tendo como base autores que trabalharam na seleção de indicadores de turismo responsável ou sustentável e, sob a ótica de estudiosos da área de indicadores do turismo e áreas afins; 3. Analisar os benefícios e as dificuldades da seleção de indicadores do turismo responsável para a região litorânea de Santa Catarina.

19 19 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A metodologia para o desenvolvimento desta pesquisa ocorreu em várias etapas, sendo essas demonstradas no esquema a seguir (Figura 1) e explicadas de forma detalhada conforme os objetivos específicos planejados. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3.1 Levantamento de dados de natureza econômica, cultural, ambiental, social, territorial e institucional 3.2 Agrupamento dos dados e análise da significância dos mesmos para a seleção dos indicadores 3.3 Análise sobre os indicadores utilizados e sugestões de outros indicadores Levantamento Bibliográfico Busca de dados em instituições Construção de uma base de indicadores de responsabilidade turística para o litoral do Estado de Santa Catarina por meio de informações disponibilizadas por organizações públicas, privadas e nãogovernamentais Análise de indicadores pela metodologia de Januzzi (2005) Aplicação de questionários e análise dos resultados Januzzi X Especialistas ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA SELEÇÃO DE INDICADORES DE TURISMO RESPONSÁVEL COM FOCO NOS MUNICÍPIOS LITORÂNEOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - BRASIL Figura 1: Procedimentos Metodológicos do Estudo 3.1 Levantamento de dados de natureza social, econômica, ambiental, cultural, espacial e institucional Levantamento bibliográfico Para a realização deste estudo, será utilizada a pesquisa de caráter exploratório para aprimorar idéias ou descobrir intuições - (DENCKER, 1998), por meio de pesquisa bibliográfica, além de utilizar-se da pesquisa com abordagem qualitativa para o levantamento e análise de dados.

20 20 A pesquisa documental com fontes de origem primária e secundária será utilizada para embasar e esclarecer os métodos de seleção dos indicadores. A pesquisa exploratória procura aprimorar idéias ou descobrir intuições (DENCKER, 1998) e a pesquisa bibliográfica é aquela que ocorre em materiais que possuem dados já analisados e publicados por meios escritos e/ou eletrônicos (livros, artigos científicos, páginas na Web) (SANTOS, 2007). Para a obtenção dos dados e metodologias relevantes, e construir a fundamentação teórica para embasar o trabalho, foi necessária a busca destes por meio de pesquisa bibliográfica no que diz respeito a: Premissas sobre Desenvolvimento; Desenvolvimento Sustentável; Desenvolvimento Local e o Turismo; O Turismo em âmbito local e a atividade no Brasil; O Turismo Sustentável; O Turismo Responsável; Turismo Responsável X Turismo Sustentável; O Turismo no litoral e os problemas conseqüentes de sua urbanização; O Turismo no Estado de Santa Catarina; O litoral de Santa Catarina e o Turismo; A utilização de indicadores em pesquisas; Indicadores do Turismo Sustentável; Indicadores do Turismo Responsável; e Critérios para seleção de indicadores. Na construção da metodologia a ser aplicada nesta pesquisa, buscou-se por meio de uma pesquisa exploratória on-line, verificar existência de trabalhos relacionados a indicadores de sustentabilidade ou responsabilidade turísticas, já formulados em outras localidades. Listaram-se alguns autores para serem utilizados como base na seleção de indicadores e discussão sobre os mesmos. Dentre esses estão: Baidal et al. (2001); Van Bellen (2005); Blackstock et al. (2007); Choi e Sirakaya (2006); DCMS (2007); Farsari e Prastacos (2007); IBGE (2002); Januzzi (2005); Magalhães (2001); Martínez, López e Santos (2007); OMT (1997); Rossetto, Orth, Rossetto e Flores (2004); Saarinen (2006) e WWF-Brasil (2004). Assim, coube verificar as semelhanças entre os modelos propostos por alguns dos autores citados acima, e fazer a primeira seleção de indicadores. O quadro que demonstra a origem dos indicadores selecionados encontra-se no item 5 deste trabalho.

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA.

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. RESUMO: O Centro de Desenvolvimento Industrial de Guarapuava foi criado

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE LUIS ALVES Janeiro 2013 UNIVERSIDADE DO VALE

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR

ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGEM EM SANTA VITÓRIA DO PALMAR Bruna Leston Letícia Indart Franzen Mônica Favaretto Watanabe RESUMO: O setor de turismo é um dos que mais crescem no mundo, com isso o

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 GEOPROCESSAMENTO E FOTOINTERPRETAÇÃO APLICADOS À ANÁLISE DAS TRANSFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS E ESPACIAIS PROVOCADAS PELO TURISMO NAS COMUNIDADES MASSAGUEIRA/RUA NOVA, MARECHAL DEODORO, ALAGOAS ARAUJO, L.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

TÉCNICAS DE PESQUISA. Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira

TÉCNICAS DE PESQUISA. Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira TÉCNICAS DE PESQUISA Profa. Esp. Tiago S. de Oliveira TÉCNICAS DE PESQUISA Existem algumas técnicas de pesquisa que podem ser utilizadas pelo pesquisador no desenvolvimento do trabalho científico. Estas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Bianca Snaiderman A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas 5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas O capitulo anterior descreveu as facilidades de acesso às informações estatíticas e este capítulo descreve, exemplifica e mostra a usabilidade destas informações

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO

16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO 16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO 16.1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA A LDBEN Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996 delega à União as seguintes competências: a) Coletar, analisar e

Leia mais

Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro

Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro Análise do Sistema de Indicador do Turismo da Macaronésia e sua Aplicabilidade nas Áreas Litorâneas do Nordeste Brasileiro Cícero de Souza Lacerda Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Mestre em

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010

ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 ESTUDO DAS MUDANÇAS NAS PIRÂMIDES ETÁRIAS DE MONTES CLAROS E BELO HORIZONTE, NO PERÍODO DE 2000 E 2010 BOTELHO, Nayara Thyelly Rodrigues Maia 1 OLIVEIRA, Cinthya Rodrigues 2 RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco 349 PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE INFRAESTRUTURA DOS CURSOS DE PSICOLOGIA: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO ENADE-2006 Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal

Leia mais

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO

FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 4 JANEIRO DE 2006 FONTES PARA O ESTUDO DO TURISMO GUARALDO, Tamara de S. Brandão ACEG Faculdade de Ciências Humanas docente

Leia mais

Autor(a): CAROLINA BARBOSA MONTENEGRO 1. Resumo. Abstract

Autor(a): CAROLINA BARBOSA MONTENEGRO 1. Resumo. Abstract Da Teoria à Prática: Projeto Pré-Consultores, Um Estudo Sobre a Perspectiva de Prática Profissional na Formação Acadêmica From Theory to Practice: Pre-Project Consultants, A Study about the Professional

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo Renato das Chagas Benevenuto Restrições intrapessoais para o lazer em turismo por idosos no Rio de Janeiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração

Leia mais

7. Reuniões de Elaboração do PDITS

7. Reuniões de Elaboração do PDITS PRODETUR NE-II PDITS Salvador e Entorno 7. Reuniões de Elaboração do PDITS 675 7. Reuniões de Elaboração do PDITS Introdução A participação das comunidades na elaboração do PDITS oferece oportunidades

Leia mais

20 de junho de 2013.)

20 de junho de 2013.) 20 de junho de 2013.) Tecnologias Educacionais (G.E.N.T.E.) _ 2 _ > Rio de Janeiro 20 de junho de 2013 Proposta elaborada pelo IETS _Contextualização O projeto Ginásio Experimental de Novas Tecnologias

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS

ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS Maria Inês Pedrosa Nahas Pesquisadora do IDHS/PUC Minas No período entre janeiro a agosto de 2005, organizamos para o Ministério das Cidades

Leia mais

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Iris Campos Martins Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS

O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS MÁRCIA APARECIDA DOS SANTOS SOLANGE RODRIGUES DE ALMEIDA BERNACHI ACADEMICAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL 2012 ASSOCIAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS Procedimentos para utilização na disciplina de Prática Profissional I Este documento é parte integrante das Normas Técnicas para Elaboração de Trabalhos

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS Núcleo Docente Estruturante Prof. Álvaro Antônio Dal Molin Flores Prof. Carlos André Junqueira Prof. Cilane da Rosa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL 2.º CURSO SOBRE GESTÃO E MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS DANIELE GIDSICKI FLONA DE IPANEMA, 16 DE AGOSTO DE 2012 Fotos: Daniele Gidsicki

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL

HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL HOTEL FAZENDA: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO AMBIENTAL Protasio Ferreira e Castro (UFF ) pfcastro@oi.com.br Monique Barbosa Paiva (UFF ) paiva.nit@gmail.com Os sistemas de mensuração do desempenho ambiental

Leia mais

O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES

O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES ARAÚJO. Inaê Adorno de. UNIMEP/ inaearaujo@hotmail.com TOMAZELLO, Maria Guiomar C. UNIMEP

Leia mais

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável Diretoria de Geociências CREN/CGEO/Assessoria Indicadores de Desenvolvimento Sustentável Denise Kronemberger Seminário Contas Econômicas Ambientais da Água Rio de Janeiro, Nov./14 Contexto Histórico 7912

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM TURISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (RJ) 1

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM TURISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (RJ) 1 A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM TURISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (RJ) 1 Maria da Penha Lacerda de Santana 2 Teresa Cristina Viveiros Catramby 3 IM/UFRRJ Resumo: Este trabalho tem como objetivo levantar

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Estratégia de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Estratégia de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Estratégia de pesquisa Toda atividade racional e sistemática exige que as ações desenvolvidas ao longo do tempo sejam efetivamente planejadas, com a pesquisa não é diferente. Para Creswell

Leia mais

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER

Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Elaboração de Projetos PROJETO DE PESQUISA FERNANDO DOMINGO ZINGER Metodologia Científica Projeto de Pesquisa Orientações Gerais Projeto de pesquisa Questões a responder o que fazer? formulação do problema,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Movimento Movimento Nacional de Proteção à de Proteção à Vida Vida MMA / PNEA MMA / IBAMA /Est. RJ / Prefeituras RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Agosto/2000 a Agosto/2001 APRESENTAÇÃO O Projeto de Educação

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

POLÍTICAS E PLANEJAMENTO TURÍSTICO: Ferramentas para a Sustentabilidade. Case Ubatuba

POLÍTICAS E PLANEJAMENTO TURÍSTICO: Ferramentas para a Sustentabilidade. Case Ubatuba POLÍTICAS E PLANEJAMENTO TURÍSTICO: Ferramentas para a Sustentabilidade. Case Ubatuba POLITICS AND TOURIST PLANNING: Tools for the Support. Case Ubatuba Claudia Regina Paschoal 1 Patrícia Ortiz Monteiro

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE GESTÃO INOVADORA AO NÍVEL DA MANUTENÇÃO DOS ESPAÇOS VERDES DA CIDADE DE VILA DO CONDE

EXPERIÊNCIA DE GESTÃO INOVADORA AO NÍVEL DA MANUTENÇÃO DOS ESPAÇOS VERDES DA CIDADE DE VILA DO CONDE EXPERIÊNCIA DE GESTÃO INOVADORA AO NÍVEL DA MANUTENÇÃO DOS ESPAÇOS VERDES DA CIDADE DE VILA DO CONDE Author: Fernanda Órfão¹ Affiliation: 1 - Câmara Municipal de Vila do Conde Keywords: Espaços verdes,

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias Referência: CPA-002-2006 Versão: 2.0 Status: Ativo Data: 24/maio/2006 Natureza: Aberto Número de páginas: 26 Origem: Revisado por: Aprovado por: GEOPI Grupo Gestor xxx Título: Orientações gerais aos Grupos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO, NA PRAIA DOS INGLESES, ILHA DE SANTA CATARINA, DE OBRAS PÚBLICAS

IMPLANTAÇÃO, NA PRAIA DOS INGLESES, ILHA DE SANTA CATARINA, DE OBRAS PÚBLICAS IMPLANTAÇÃO, NA PRAIA DOS INGLESES, ILHA DE SANTA CATARINA, DE OBRAS PÚBLICAS Marilú Angela Campagner May * Antônio Galvão Novaes ** Nas últimas décadas, a Praia dos Ingleses vem apresentando um dos mais

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS

PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES DE VIAGENS Angelica Meireles de Oliveira Antônio Nélson Rodrigues da Silva PLANEJAMENTO DA MOBILIDADE COM FOCO EM GRANDES POLOS GERADORES

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

4. Estudos, Planos e Projetos Correlacionados

4. Estudos, Planos e Projetos Correlacionados 4. Estudos, Planos e Projetos Correlacionados O segundo produto do Termo de Referência Nº 171 identificou um número de planos, estudos e projetos relativos à orla dos municípios em questão. Tais documentos

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Tendências e desafios do planejamento urbano: Sinop MT

Tendências e desafios do planejamento urbano: Sinop MT Tendências e desafios do planejamento urbano: Sinop MT Valdiney Vieira da Silva 1 Prof. Dr. Cornélio S. Vilarinho Neto 2 Resumo O presente texto analisa o planejamento urbano da cidade de Sinop-MT, que

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Planos de Gestão Integrada das Orlas Marítimas: PROJETO ORLA em SANTA CATARINA

Planos de Gestão Integrada das Orlas Marítimas: PROJETO ORLA em SANTA CATARINA Ministério do Planejamento Superintendência do Patrimônio da União em Santa Catarina Planos de Gestão Integrada das Orlas Marítimas: PROJETO ORLA em SANTA CATARINA O QUE É O PROJETO ORLA É uma ação conjunta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Oficina de Planejamento Participativo da APA Ponta do Araçá

Oficina de Planejamento Participativo da APA Ponta do Araçá Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental Municipal da Ponta do Araçá PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO BELO Oficina de Planejamento Participativo da APA Ponta do Araçá Execução: Participação: Porto Belo

Leia mais

Modelo de gestão de portfolio em projetos operacionais para uma instituição pública.

Modelo de gestão de portfolio em projetos operacionais para uma instituição pública. Modelo de gestão de portfolio em projetos operacionais para uma instituição pública. Daniela Quirico Peron; Rogério da Silva Marcelino Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo S/A EMTU/SP

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS Cláudio Alexandre de Souza José Manoel Gonçalves Gândara Katleen Nairene Rolan Biavatti

Leia mais

Apresentação de projetos na Bahiatursa

Apresentação de projetos na Bahiatursa Apresentação de projetos na Bahiatursa - Orientações - janeiro/2012 Apresentação A Bahiatursa, empresa oficial de turismo do Estado da Bahia, é vinculada à Secretaria de Turismo do Estado e tem como finalidade

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1 ES R O D A C I D N I 2 O X E N A EDUCACIONAIS 1 ANEXO 2 1 APRESENTAÇÃO A utilização de indicadores, nas últimas décadas, na área da educação, tem sido importante instrumento de gestão, pois possibilita

Leia mais

Crescimento Demográfico no Estado da Bahia, 2000 A 2010:Uma Contribuição Estatístico-Cartográfica

Crescimento Demográfico no Estado da Bahia, 2000 A 2010:Uma Contribuição Estatístico-Cartográfica Barbara-Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL e do Programa de Pós-graduação em Geografia/UFBA. Pesquisadora/CNPq Grupo

Leia mais

4. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

4. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO 4. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO O Programa de Desenvolvimento Humano inclui a formação e o treinamento de profissionais do Gaia Village, valorizando o potencial e as habilidades da equipe interna.

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

Métodos qualitativos: Estudo de Caso

Métodos qualitativos: Estudo de Caso Métodos AULA 10 qualitativos: Estudo de Caso Por que o estudo de caso? Ele vem sendo considerado um dos mais importantes métodos de pesquisa na gestão de operações, particularmente no desenvolvimento de

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

2. DIAGNÓSTICO 3. PROPOSIÇÕES 3.1. Objetivos das pesquisas 3.2. Questionamentos das pesquisas

2. DIAGNÓSTICO 3. PROPOSIÇÕES 3.1. Objetivos das pesquisas 3.2. Questionamentos das pesquisas PESQUISAS DE OPINIÃO PÚBLICA APLICADAS NA CIDADE DE CAMPINAS COM O OBJETIVO DE IDENTIFICAR EXPECTATIVAS E GRAU DE SATISFAÇÃO DOS MUNÍCIPES COM A IMPLANTAÇÃO DA NOVA RODOVIÁRIA. Marcelo José Vieira Oliveira

Leia mais