ANÁLISE DA INCLUSÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA NO MERCADO DE GÁS NATURAL. Juliana Hissae Tanaka* Miguel Edgar Morales Udaeta RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA INCLUSÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA NO MERCADO DE GÁS NATURAL. Juliana Hissae Tanaka* Miguel Edgar Morales Udaeta RESUMO"

Transcrição

1 ANÁLISE DA INCLUSÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA NO MERCADO DE GÁS NATURAL Juliana Hissae Tanaka* Miguel Edgar Morales Udaeta RESUMO O objetivo deste trabalho é analisar a possibilidade do desenvolvimento do mercado de gás natural com a inclusão de uma nova tecnologia de uso deste energético, a célula a combustível. Para isso a metodologia utilizada analisa o mercado atual de gás natural em conjunto a um exemplo prático de difusão de uso de um combustível (PROÁLCOOL) e da teoria microeconômica relativa a algumas falhas de mercado. Como resultado, verificando-se a presença de externalidade e do caráter de bem público e de meritório no processo de desenvolvimento de novas tecnologias, evidenciando a necessidade da atuação do Estado nesta iniciativa de massificar o uso do gás natural neste caso da célula combustível. Conclui-se que para o desenvolvimento do mercado consumidor de gás natural via introdução da tecnologia de célula a combustível implica numa política de caráter não só estratégico, mas também uma política desenvolvimentista e ambiental. Palavras-chaves: gás natural, célula combustível, energia, nova tecnologia, Política de Estado. ABSTRACT This article aims to analyse the possibility of developing the market of natural gas through the introduction of a new technology of the use of this input, the fuel cell. For this, the methodology analyses the current natural gas market with practical example of a fuel spread ( PROÁLCOOL ) and the microeconomic theory related to some cases that the market is inefficient. As a result, it will show the presence of the external fact and the character of public and merit goods of the process of developing new technologies. For developing the market of natural gas through the introduction of a new technology, it is necessary a strategic, developmental and environmental politic. Key Words: natural gas, fuel cell, energy, new technology, state policy. *IEE Instituto de Eletrotécnica e Energia, Universidade de São Paulo. Programa de Recursos Humanos, PRH-04/ANP

2 1. CONTEXTO A contínua descoberta de reservas de gás natural no território brasileiro amplia de forma significativa a oferta deste bem, somando-se ainda ao gás importado via Gasbol (e mais recentemente via GNL), a disponibilidade deste energético à população brasileira apresenta forte tendência positiva, como pode ser visto no Gráfico 1 (dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, ANP), que mostra a ascensão da importação de gás, e no Gráfico 2 (dados do Balanço Energético Nacional de 2008, BEN 2008), que mostra a evolução das reservas brasileiras de gás natural. Gráfico 1: Importação de Gás Natural no Brasil durante a primeira década deste 2000 Gráfico 2: Tendência das Reservas Provadas de Gás Natural no Brasil

3 Grandes montantes de investimentos são vitais para a descoberta destas reservas, e a fim de continuar o trabalho de exploração, é imprescindível a recuperação destes investimentos, portanto, é plausível a expectativa da monetização das reservas, ou seja, da venda aos consumidores do gás natural já descoberto. Para tanto, há a necessidade do desenvolvimento do mercador consumidor para tal produto, não esquecendo de que se trata de um produto não-renovável, este desenvolvimento seria de forma responsável, ou seja, considerando o médio e o longo prazo. Uma alternativa para difusão do uso do gás natural de forma responsável é via desenvolvimento da célula a combustível (uma nova tecnologia) usando o gás como insumo de primeira instância. Isto porque a célula combustível trabalha a energia de forma eficiente e limpa (já tendo impacto positivo num primeiro momento), e sua evolução de desenvolvimento tende ao uso de insumos mais sustentáveis ainda, como o álcool e a água, alcançando, deste modo, o viés de responsabilidade de médio e longo prazo. Como há observância de experiência válida de caso de introdução de uma nova tecnologia no mercado brasileiro de combustíveis automotivos, este setor terá mais enfoque no presente trabalho. 2. CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL, CONTEXTO ATUAL Através dos gráficos 4 e 5 extraídos do BEN 2008, pode-se analisar a matriz energética mundial e brasileira em dois momentos, em 1973 e num período mais recente. Nota-se a precocidade internacional na utilização do gás natural que ocupa o terceiro lugar na matriz. Mas também se observa a evolução da utilização do gás no Brasil que sai da última posição em 1973 para a quarta em Gráfico 4: A Matriz Energética Brasileira há Mais de Três Décadas

4 Gráfico 5: Matriz Energética Brasileira na Atualidade Essa evolução do uso do gás natural no Brasil resulta principalmente da política de maior utilização deste produto advindo da importação predominantemente boliviana através do Gasbol (o gasoduto Brasil-Bolívia, que começou a ser construído em 1997 e iniciou sua operacionalização comercial em 1999). A evolução das importações do gás natural pode ser observada no gráfico 6 (dados da ANP). Gráfico 6: A Importação de Gás Natural no Brasil na Última Década. O gráfico 7 a seguir, extraído do BEN 2008, mostra o aumento do consumo de gás em diferentes setores.

5 Gráfico 7: Uso Final do Gás Natural desde 1970 Unidade tep 1 No setor de transportes, mais especificamente no rodoviário (uma vez que não se observa consumo exprecivo em ferrovias e na aviação), também se observa uma evolução no consumo e na importância do produto em questão, como pode ser visto no gráfico 3. Gráfico 3: Evolução da Estrutura de Consumo dos Combustíveis no Transporte Rodoviário Brasileiro. 1 Unidade tep: Tonelada Equivalente de Petróleo, unidade de medida de consumo de energia equivalente a 7,4 barris equivalentes de petróleo ou Mcal.

6 3. ANÁLISE PROÁLCOOL COMO VETOR DO ÁLCOOL COMBUSTÍVEL Atualmente, o álcool combustível possui uma participação de mais de 16% no consumo de energia no setor de transportes rodoviário (como visto no gráfico 8, extraído do BEN 2008), antes de 1975 este energético não tinha participação expressiva (o que pode ser constato no gráfico 3). Gráfico 8: Distribuição do Consumo de Combustíveis no Setor Transportes O consumo de álcool combustível tem seus primórdios no Programa Nacional do Álcool (Proálcool), sendo este programa o responsável pela massificação deste insumo no setor de transportes. A difusão do uso do álcool foi principalmente através de uma nova tecnologia, a de combustão de somente álcool em carros leves. O principal objetivo do PROÁLCOOL era atenuar os problemas ocasionados pelos choques do petróleo, uma vez que a matriz energética brasileira em torno de 1970 tinha grande participação do petróleo e seus derivados, principalmente no setor de transportes (como visto nos gráficos 4 e 3). Com isso, houve a intervenção do Estado no sentido de diversificar a matriz energética brasileira na direção de não dependência externa com relação ao petróleo. O programa foi extremamente amplo, uma vez que não se restringiu em resolver o problema da balança comercial e de estratégia de não dependência externa de petróleo, mas também colocou em prática políticas de desenvolvimento tecnológico e ambientais, uma vez que auxiliou a introdução da nova tecnologia no mercado (o carro a álcool) e ajudou a massificar um combustível não fóssil e menos poluente, o álcool tanto o anidro 2 como o etílico 3. Na primeira fase do programa, em 1975, passou-se a usar o álcool anidro misturado na gasolina comum (na proporção de 20% de álcool na gasolina), sem que houvesse necessidade de alteração nos motores dos veículos. 2 O álcool anidro (sem água) é miscível com a gasolina em qualquer proporção. 3 O álcool etílico hidratado possui 96% de pureza e 4% de água (96 GL).

7 Somente na segunda fase, em 1979, o carro movido a álcool entrou em cena, com o uso do álcool etílico, o álcool hidratado carburante 4, exigindo adaptações na linha de produção do setor automobilístico, na rede de distribuição e no comportamento dos consumidores, que passaram a aceitar um produto novo, ainda em fase de desenvolvimento. 4. ARCABOUÇO ECONÔMICO ANALÍTICO 4.1. MICROECONÔMICO A representação de um mercado é obtida com a junção da curva de demanda (que representa as preferências e restrições orçamentárias do consumidor frente às variações de preço e de quantidade do bem analisado) e da curva de oferta (que representa o nível ótimo de produção pela firma considerando a maximização do lucro, a minimização dos custos e as considerações de tempo curto ou longo prazo). Geralmente, o equilíbrio deste mercado, quando este é considerado competitivo, é obtido via sinalização de preços, sendo um ponto ótimo de Pareto 5. Mas existe situações em que o governo pode aumentar o bem estar da população interferindo no mercado, nas chamadas falhas de mercado, duas delas são: a presença de bens públicos e quando há externalidades Bens Públicos e Semipúblicos Os bens públicos e semipúblicos (também chamados de meritórios), devido a suas características diferenciadas dos bens privados acabam que seus preços não conseguem sinalizar adequadamente aos consumidores e aos produtores no mercado (dado como competitivo), com isso aparece a ineficiência de mercado. Nos dois tipos de bens, o público e o semipúblico, o mercado geralmente produz uma quantidade menor do que a quantidade socialmente ótima. Os bens públicos possuem duas características importantes que os difere dos bens privados: a não-rivalidade e a não-exclusividade. A primeira característica relaciona-se ao custo marginal 6 igual a zero, o que permite o uso do bem por um indivíduo sem impedir ou reduzir seu uso simultâneo por outro indivíduo. A segunda característica se relaciona a impossibilidade de impedir o consumo do bem por qualquer indivíduo, ou seja, há a impossibilidade de exclusão do consumo deste bem, com isso o bem pode ser usufruído sem a necessidade de pagamento direto, dificultando a sinalização via mercado. Um exemplo de bem público é um programa que visa combater a poluição ambiental. Os bens semipúblicos ou meritórios caracterizam-se pela certa não-rivalidade e por serem parcialmente excludentes. Geralmente são produzidos publicamente devido à importância que a sociedade atribui a sua produção, que normalmente não é a quantidade socialmente desejada. Um exemplo de bem semipúblico ou meritório é o desenvolvimento de novas tecnologias, uma vez que o sistema autoral e de patentes não garante aos inventores o direito de cobrar pelo uso de sua invenção para sempre, passado algum tempo, a nova tecnologia é considerada como um conhecimento/tecnologia de domínio público. 4 Posteriormente, para evitar o uso indevido do álcool, foi iniciada a mistura de 3% de gasolina no álcool hidratado. 5 Situação que não pode ser melhorada sem degradar a situação de outro agente econômico. 6 Custo de uso/aquisição de um bem a mais por um consumidor.

8 Externalidades Quando os preços de mercado não refletem as atividades dos produtores ou consumidores, outra possível causa para este problema pode ser a existência de uma externalidade. Uma externalidade acontece quando alguma atividade de produção ou de consumo possui um efeito indireto sobre as atividades de consumo ou produção que não estejam diretamente refletidas nos preços de mercado. Ou seja, externalidades são efeitos realizado por um agente econômico e que atinge outros agentes, sem que estes tenham oportunidade de impedi-lo ou a obrigação de pagá-los. Existem externalidades negativa (quando a ação de uma das partes impõe custos sobre a outra) e externalidades positivas (quando a ação de uma das partes beneficia a outra). Um exemplo de externalidade positiva é o caso de uma nova tecnologia, também chamada de externalidade tecnológica, pois embora haja o sistema de patentes, este é temporário, o que faz com que outras pessoas ou empresas adquiram gratuitamente o conhecimento não criado por eles. Ocorre desta forma, certo desincentivo à produção tecnológica, podendo ocorrer uma produção tecnológica menor do que seria a quantidade ótima. Outro exemplo de externalidade positiva, observado no setor de gás, é o caso dos consumidores que converteram seus carros para utilizar gás natural, observa-se que quanto maior o número de conversões, ou seja, quanto maior o número de consumidores, mais postos de distribuição deste combustível tornam-se economicamente viáveis, ocorrendo a disseminação pelos centros urbanos de novos postos de distribuição de gás, o que por sua vez leva outros consumidores a converterem seus carros, já que estes não observam só o preço mas também a facilidade do abastecimento, fator positivo que não é captado pelo preço de mercado do gás natural. Este tipo de externalidade é denominada externalidade de rede, a demanda exercida por uma pessoa é influenciada pelo número de outros consumidores que já tenha adquirido a mesma mercadoria. Um exemplo de externalidade negativa é a poluição do ar produzida por uma usina ou mesma por carros, isto ocorre porque a usina ou os motoristas dos carros (responsáveis pelos carros poluidores) não têm nenhum incentivo para responder adequadamente aos custos externos que eles estão impondo a outros cidadãos. Há, neste caso, uma diferença entre o custo marginal privado e custo marginal social. Uma medida para correção desta diferença é a imposição de um ônus ou imposto pelo Estado, encarado como um tributo corretivo. Este tributo é considerado um instrumento pigouviano podendo ser representado genericamente na figura 1. Figura1: Representação genérica de instrumento pigouviano Fonte própria

9 No caso de concorrência perfeita e sem externalidades tem-se a curva de oferta considerando tão somente o custo marginal privado, com equilíbrio em A (figura 1), onde se observa o ótimo de Pareto. Entretanto, na presença de uma externalidade negativa, t = BF por unidade produzida, há saída do ponto ótimo, pois agora não há mais igualdade entre preço e custo marginal, agora há a necessidade de considerar também o custo marginal da sociedade. Diante disso, o Estado, através da autoridade ambiental, impõe um tributo (por unidade produzida) igual ao valor da externalidade. Neste momento a curva de custo marginal é corrigida e tem-se uma nova curva de oferta que reflete os custos marginais privados (CMP) mais o custo marginal social (CMS). Mas devido à dificuldade em saber o valor exato da externalidade, esse instrumento pigouviano tem pouca aplicação prática. Esta dificuldade envolve principalmente o problema de se dar valores a bens que não são transacionáveis (por exemplo, o ar poluído e a água poluída). Outra medida que pode ser tomada para correção da ineficiência de mercado, ou mesmo da diferença entre custo marginal privado e custo marginal social, é o uso de instrumentos de Second- Best. Esses instrumentos de controle, aplicado a uma externalidade causada pela poluição, por exemplo, não necessariamente conduziriam ao nível ótimo de Pareto, mas são eficientes para resolução do problema, uma vez que se alcança um menor custo social da emissão de poluentes. Uma das principais vantagens dessas políticas, o que permite sua aplicabilidade prática, é que se elimina a necessidade de se conhecer as funções de custo ambiental e, conseqüentemente, de valoração monetária da qualidade ambiental. Taxas, subsídios, direitos de poluição e Comand and Control (controle direto de poluição por meio da especificação da tecnologia e/ou da quantidade permitida de emissão em cada fonte) são alguns exemplos instrumentos de políticas de Second Best ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS No século passado, a diminuição da importância dos recursos naturais na análise econômica foi justificada pela relativa abundância da maioria dos recursos naturais, sendo assim considerados economicamente gratuitos e mesmo bens públicos. Foi a partir dos anos 70 do século XX que os recursos naturais foram novamente reintroduzidos no escopo principal da teoria econômica, através do famoso Clube de Roma e outros fóruns que debateram intensamente sobre os limites do crescimento econômico. Os recursos naturais podem ser classificados em renováveis (ou reprodutíveis) ou em nãorenováveis (também chamados de exauríveis, esgotáveis ou não-reprodutíveis), sendo a capacidade de recomposição de um recurso no horizonte de tempo humano o principal critério para a classificação dos recursos naturais. Os solos, o ar, as águas, as florestas, a fauna e a flora são considerados recursos naturais renováveis, já que seus ciclos de recomposição são compatíveis com o horizonte de vida do ser humano. Os minérios em geral e os combustíveis fósseis (petróleo e gás natural) são considerados como não-renováveis, uma vez que são necessárias eras geológicas para sua formação. A existência dos recursos não-renováveis já demonstra a necessidade de introduzir uma dimensão intemporal na análise econômica, uma vez que aquilo que é extraído hoje não estará disponível amanhã. Sendo que decisões intertemporais implicam opções feitas no presente, mas que apresentam conseqüências no futuro. No caso de recursos exauríveis, também envolvem decisões sobre a época adequada de sua exploração. Devido o esgotamento de um recurso finito, a dimensão

10 intertemporal implica em um custo de uso, que representa o valor que as gerações presentes devem pagar, ou reduzir de sua renda, de forma a compensar as gerações futuras pelo esgotamento desses recursos. Com isso, o desenvolvimento do mercado consumidor do gás natural, que se trata de um recurso-não renovável, deve ser planejado de forma responsável antevendo a futura substituição deste energético por outra fonte de energia mais sustentável. Deste modo, se evidencia o arcabouço analítico econômico energético visando uma nova tecnologia, a célula combustível no caso, que poderá ser primeiramente desenvolvida usando o gás natural e mais tarde, num médio e longo prazo, utilizar outras fontes de energia mais sustentáveis. 5. CÉLULAS COMBUSTÍVEIS MAIS UMA OPÇÃO DE USO DO GÁS NATURAL Célula combustível (Fuel Cells) é uma tecnologia que gera eletricidade por meio de reações químicas. A importância da célula está na sua alta eficiência (não há relação com o ciclo de Carnot 7 ), na ausência de emissão de poluentes (pois utiliza o hidrogênio puro) e por ser silenciosa. Um sistema de célula de combustível pode usar o hidrogênio contido em qualquer combustível hidrocarboneto como o gás natural, a gasolina e o álcool. Já que a célula a combustível depende da química e não da combustão, as emissões de um sistema deste tipo são muito menores que os processos de combustão de combustíveis. Há diversos usos para as células de combustível. Elas podem fornecer energia para ônibus, barcos, trens, aviões, scooters e também bicicletas. Atualmente, grandes empresas fabricantes de automóveis estão trabalhando para comercializar um automóvel com células a combustível. Em menor tamanho, células podem ser usadas em telefones celulares, laptops e equipamentos eletrônicos portáteis e em maior tamanho podem fornecer energia para instalações hospitalares e bancos. Plantas de tratamento de águas residuais e aterros sanitários, também podem usá-las, bastando converter o gás metano que produzem, e assim gerar eletricidade. A célula a combustível apresenta um maior grau de eficiência do que os motores à combustão interna. Deste modo, o uso de células a combustível significa uma maior economia de recursos e uma maior eficiência energética quando comparada a motores de combustão interna. O uso de veículos a células de combustível também dará um grande auxílio à defesa do meio ambiente uma vez que diminuirão as emissões de gases poluentes e principalmente de gases de efeito estufa. Lembrando que os gases de efeito estufa estão diretamente ligados ao Aquecimento Global, causa fundamental nas Mudanças Climáticas Globais que são foco evidente dos sistemas econômicos modernos. Como os veículos com células a combustível funcionam com motores elétricos, os quais têm poucas partes móveis (somente bombas e ventiladores necessárias para fornecer combustível e a refrigeração), as vibrações no veículo e o barulho serão reduzidos na maior parte e a manutenção de rotina (troca de óleo, substituição das velas do motor) serão desnecessários. Observa-se, deste modo, que a adoção da célula a combustível deve ser analisada como uma real alternativa para implementação, uma vez que o uso do gás natural seria otimizado e sua 7 ciclo termodinâmico, utilizado em motores de combustão interna com ignição por faísca, usado na maioria dos automóveis de passeio

11 introdução ampliaria os horizontes de obtenção de energia não só via gás natural, como também, futuramente, via álcool e outros hidrocarbonetos (e até mesmo da água). 6. A CÉLULA COMBUSTÍVEL E AS CONSIDERAÇÕES POLÍTICO ECONÔMICAS A introdução da célula a combustível contemplaria não só a eficiência energética como também a necessidade do desenvolvimento do mercado de gás de forma responsável, uma vez que inicialmente as células teriam como insumo o gás natural, que é um combustível mais limpo que os atualmente usados (a gasolina e o óleo diesel, por exemplo). Sendo que futuramente, com o avanço técnico e consolidação de mercados, fontes mais sustentáveis, tais como álcool e água, serão opções na obtenção do hidrogênio, como combustível desta nova tecnologia. Não seria a primeira vez que no Brasil o uso de uma nova tecnologia incentivaria e ampliaria o uso de um combustível, um exemplo é a introdução do carro movido exclusivamente a álcool pelo Programa Nacional do Álcool PROÁLCOOL, que teve papel fundamental para a massificação deste combustível no mercado automotivo brasileiro. A intervenção do Estado parece inevitável, já que há a presença de duas fontes de desvio de eficiência do mercado: a externalidade e a presença de bem público e semipúblico. A externalidade a ser corrigida é a negativa advinda da poluição dos automóveis, por exemplo, que utilizam combustíveis mais ofensivos ao meio ambiente (gasolina e óleo diesel, por exemplo). Uma conseqüência, que apareceria com a atuação do Estado no sentido de introduzir a nova tecnologia, seria outra externalidade, mas esta seria uma positiva, a externalidade tecnológica. O bem meritório, que necessitaria da atuação do Estado para garantir sua oferta ótima, é o processo de desenvolvimento da nova tecnologia. E o bem público seria o próprio programa, que visaria combater a poluição ambiental. Essa intervenção do Estado seria com o uso de instrumentos de Second-Best, que alcançam um menor custo social da externalidade negativa causada pela poluição. Exemplos desta política seriam os subsídios e outros procedimentos de proteção e incentivo ao desenvolvimento da nova tecnologia. Um programa como o utilizado para desenvolver o mercado consumidor de álcool combustível, o PROÁLCOOL, seria uma maneira de desenvolver o mercado de gás natural via célula a combustível. 7. CONCLUSÃO As possibilidades para um mercado de gás natural maduro incluem estudo e avaliação, dentro da economia da energia, da inclusão de uma nova tecnologia de uso deste combustível, que no caso deste trabalho trata-se da célula a combustível. Nesse sentido, assumi-se a percepção pragmática de difusão de uso do álcool combustível através do PROÁLCOOL, permitindo a constatação do caráter benéfico do desenvolvimento de novas tecnologias num caso brasileiro. A identificação ao longo do trabalho das externalidades e das características específicas de certos bens define a necessidade da atuação do Estado no empreendimento de massificar o uso do gás natural no caso específico da célula combustível. Evidencia que o amadurecimento do mercado consumidor de gás natural via introdução da tecnologia de célula a combustível implica numa política de caráter não só estratégico mas também uma política desenvolvimentista e ambiental.

12 Uma política que apoiasse o desenvolvimento do mercado consumidor de gás natural via introdução da tecnologia de célula a combustível se configuraria em uma política de caráter não só estratégico, aproveitando a oferta abundante de um insumo energético e diversificando a matriz energética (conferindo maior segurança energética ao país), como também uma política desenvolvimentista (por introduzir uma nova tecnologia no mercado) e ambiental (por adotar uma tecnologia mais limpa). Com isso, este trabalho contribui por oferecer informações e auxílio para a discussão sobre a relevância do gás natural como uma fonte energética útil e pertinente para diversificação de nossa matriz energética, com vantagens nos aspectos de eficiência, segurança e redução da poluição ambiental. Este trabalho serve, portanto para estudiosos no tema e para formuladores de políticas públicas como substrato para pesquisa e tomada de decisões referentes a incentivos no setor energético. 8. AGADECIMENTO Os autores Agradecem ao PRH-ANP/MCT/MME (Programa de Recursos Humanos da Agencia Nacional de Petróleo) e a FINEP pela concessão da bolsa de Iniciação Científica que possibilitou o desenvolvimento deste trabalho (através do PRH-ANP/04). 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Varian, H. R. Microeconomia - 6ª Edição. Rio de Janeiro: Elsevier, [2] Pindick, R. S.; Rubinfield, D. L. Microeconomia - Quinta Edição. São Paulo: Predice Hall, [3] Eaton, B. C.; Eaton, D. F. Microeconomia - 3ª Edição. São Paulo: Saraiva, [4] Rezende, F. Finanças Públicas - 2ª Edição. São Paulo: Atlas, [5] Pelaez, V.; Szmrecsányi, T. (Organizadores). Economia da Inovação Tecnológica. São Paulo: Hucitec: Ordem dos Economistas do Brasil, [6] Torres, M. O. Políticas Ambientais de Second Best: Alternativas às Políticas Pareto Ótimas de Internalização de Externalidades. Dissertação de Mestrado FEA USP em Economia. São Paulo, [7] May, P. H.; Lustosa, M. C.; Vinha, V. (Organizadores). Economia do Meio Ambiente: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Elsevier [8] Tanaka, H. J.Oferta e Demanda de Gás Natural e a Introdução de Uma Tecnologia nesse Mercado. Trabalho de Conclusão de Graduação FEA USP em Economia. São Paulo, [9] Grimoni, J. A. B.; Galvão, L. C. R.; Udaeta, M. E. M. (Organizadores). Iniciação a Conceitos de Sistemas Energéticos para o Desenvolvimento Limpo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, [10] Santos, E. M.; Zamalloa, G. C.; Villanueva, L. D., Fagá, M. T. W. Gás Natural: Estratégias para uma energia nova no Brasil. [11] Proálcool: Fundamentos e Perspectivas - 1ª Edição. São Paulo: Assessoria de Comunicação da Copersucar, [12] Balanço Energético Nacional 2007 e Disponível em <www.mme.gov.br>. Acesso em abril e novembro de [13] Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Disponível em <www.anp.gov.br>. Acesso em novembro de [14] Wendt, H.; Gotz, M.; Linardi, M. Tecnologia de Células a Combustível. Disponível em Acesso em abril de 2008.

13 [15] Camacho, J. R.; Costa, R. A. Célula Combustível de Membrana Polimérica em Regime Estático e Dinâmico de Carga. Disponível em <http://www.camacho.prof.ufu.br/cba2004- rodolfo.pdf>. Acesso em agosto de [16] Pamplona, E. O.; Avila, P. L.; Ricci, M. T. Avaliação econômica e de risco do uso do GNV(Gás Natural Veicular) em Frotas de ônibus urbano [17] Maculan, B. D.; Duarte, A. M.; Costa, H. H. L. M.O mercado de Gás Natural veicular: avaliação dos entraves para sua expansão. [18] Lacerda, A. G. A.; Maruyama, F. M. Geração de energia elétrica a partir das células de combustível no contexto do médio Paranapanema. Projeto de Formaruta, EPUSP, São Paulo, [19] Full Cell Disponível em <http://worldwide.fuelcells.org/po_base.cgim>. Acesso em abril de [20] Células a Combustível: Energia do Futuro. Disponível em <http://celulasdecombustivel.planetaclix.pt/index.html>. Acesso em abril de [21] Célula Combustível. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/c%c3%a9lula_combust%c3%advel >. Acesso em abril de [22] Portal H 2. Disponível em < Acesso em abril e novembro de 2008.

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 FETRANSPOR Sindicatos filiados: 10 Empresas de ônibus: 208 Frota: 20.300 Passageiros/mês: 240 milhões Viagens/mês: 4,5 milhões Empregos diretos: 100.000 Idade média:

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

Ciências Econômicas. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Ciências Econômicas. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Ciências Econômicas Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Estudo de Caso MCDonald s Autores: Alexandre Formigoni Enio Fernandes Rodrigues Viviane Alves Belo Tatiane Neves Lopes Marcelo Rabelo Henrique

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE Como pode cair no enem? (ENEM) No mundo contemporâneo, as reservas energéticas tornam-se estratégicas para muitos países no cenário internacional. Os

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE ENSINO Curso: ECONOMIA Ano: 2005/2 Disciplina: Microeconomia III Código: 3276 Créditos: 04 Carga Horária: 60 H/A EMENTA Abordar,

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

Administração. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Administração. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Administração Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo que

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia Seminário DCA-BR - Fontes Renováveis de Energia na Aviação São José dos Campos 10 de junho de 2010 Cmte Miguel Dau Vice-Presidente Técnico-Operacional

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

CST Processos Gerenciais

CST Processos Gerenciais CST Processos Gerenciais Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Fundamentos de competição Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Objetivo Conhecer os principais conceitos envolvidos na regulação econômica: Oferta e demanda Teoremas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais 1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos 3. Economia dos Recursos Naturais 4. Métodos de Valoração Econômica Ambiental 5. Indicadores e Contabilidade

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

CST Marketing. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

CST Marketing. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: CST Marketing Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo que

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Como obter produção e consumo sustentáveis?

Como obter produção e consumo sustentáveis? Como obter produção e consumo sustentáveis? Meiriane Nunes Amaro 1 O conceito de produção e consumo sustentáveis (PCS) 2 vem sendo construído há duas décadas, embora resulte de um processo evolutivo iniciado

Leia mais

capitalização Prof. Marcus V. Americano da Costa F o Departamento de Engenharia Química Universidade Federal da Bahia

capitalização Prof. Marcus V. Americano da Costa F o Departamento de Engenharia Química Universidade Federal da Bahia Prof. Marcus V. Americano da Costa F o Departamento de Química Universidade Federal da Bahia Salvador-BA, 3 de setembro de 2014 Sumário estudo que compreende os métodos, as técnicas e os princípios necessários

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos.

TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. TP043 Microeconomia 01/12/2009 AULA 24 Bibliografia: PINDYCK capítulo 18 Externalidades e Bens Públicos. EXTERNALIDADE: São é conseqüência de algo que um agente realiza e afeta outro. Pode ser positiva

Leia mais

Direito. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Direito. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Direito Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo que atende

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

Ciências Contábeis. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Ciências Contábeis. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Ciências Contábeis Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis O sistema de licenças negociáveis é um tipo especifico de direito de propriedade. O direito de propriedade consiste em uma licença por meio da qual os agentes

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim SUSTENTÁVEL Unidade Senac: Santa Cecília Data: 24/08/2015 Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim Imagem retirada de Debate de Bolso, em http://debatedebolso.com. Creative Commons BY-NC-ND 3.0 Plataforma

Leia mais

CST Recursos Humanos

CST Recursos Humanos CST Recursos Humanos Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico de Macaé

Parque Científico e Tecnológico de Macaé Parque Científico e Tecnológico de Macaé Carlos Eduardo Lopes da Silva¹ Ramon Baptista Narcizo² Joelson Tavares Rodrigues³ Resumo Este artigo apresenta os principais conceitos e estratégias que apóiam

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

RMS Sistema de gestão de energias renováveis. Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real

RMS Sistema de gestão de energias renováveis. Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real Solução de mobilidade para análise de desempenho de operações em tempo real RMS Sistema de gestão de energias renováveis Uma plataforma para monitorar e controlar, em tempo real e de forma eficiente, todo

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Régis Rathmann e Maurício Francisco Henriques Jr. Identificação do Projeto Agência implementadora: PNUMA Financiamento: Doação

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ

CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ CONSULTA SOBRE O PLANO CONJUNTO BNDES/FINEP PARA DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA QUÍMICA PADIQ I - Objetivos do PADIQ O Plano Conjunto BNDES-FINEP de Apoio à Diversificação e Inovação da Indústria

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais