REGIMENTO INTERNO VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR APROVADO NA 41º REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DA VISÃO PREV, DE Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 1/19

2 ÍNDICE GERAL PÁGINA I. DA FINALIDADE 03 II. DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DO SEU FUNCIONAMENTO 03 III. DO CONSELHO DELIBERATIVO 03 IV. DO CONSELHO FISCAL 06 V. DA DIRETORIA EXECUTIVA 07 VI. DAS ATRIBUIÇÕES DA PRESIDENCIA 08 VII. DAS ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA ADMINISTRATIVA E CONTROLE 09 VIII. DA DIRETORIA DE INVESTIMENTOS 09 IX. DA DIRETORIA DE PREVIDENCIA 10 X. DO COMITÊ DE INVESTIMENTO 11 XI. DOS DOCUMENTOS NORMATIVOS E DECISÕES 12 XII. DOS MEMBROS DOS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL 13 XIII. DO PROCESSO ELEITORAL 15 XIV. DA COMISSÃO ELEITORAL 15 XV. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 17 Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 2/19

3 I - DA FINALIDADE: ARTIGO 1º Este Regimento trata da organização empresarial da VISÃO PREV, naquilo que é fundamental para a administração e a operação da Entidade, tendo como base o Estatuto e podendo ser complementado por documentos normativos subsequentes. II - DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DO SEU FUNCIONAMENTO: ARTIGO 2º De acordo com o estabelecido no Artigo 11 do Estatuto da VISÃO PREV, faz parte da sua Estrutura Organizacional, os seguintes órgãos: a) Conselho Deliberativo e Diretoria Executiva, como órgãos de administração. b) Conselho Fiscal, como órgão de fiscalização da Entidade. Parágrafo Único Para os fins deste Regimento Interno ficam definidos os seguintes termos: a) Participantes: empregados e os administradores das patrocinadoras que tenham ingressado em um dos planos administrados pela Visão Prev, exempregados que recebem benefício de aposentadoria ou invalidez (assistidos) ou que continuam filiados a um dos planos de benefícios administrados pela Visão Prev na forma estabelecida pelos Regulamentos dos Planos de Benefícios (autopatrocinados ou diferidos). b) Beneficiários: são dependentes dos Participantes na forma estabelecida pelos Regulamentos dos Planos de Benefícios. III - DO CONSELHO DELIBERATIVO: ARTIGO 3º A competência e a composição do Conselho Deliberativo estão definidos nos artigos 14 a 17 do Estatuto Social da VISÃO PREV, nos seguintes termos: Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 3/19

4 Composição Convocação Forma de Convocação No mínimo 06 e no máximo 09 membros, sendo 01 Presidente do Conselho e os demais, conselheiros, cada qual com direito a 01 (um) voto Presidente do Conselho Deliberativo. Reunião Ordinária: no mínimo 10 (dez) dias úteis, antes da Reunião Extraordinária: no mínimo 03 (três) dias úteis, antes da reunião. Em ambos os casos, a comunicação deverá ser feita através de envio de aos membros do Conselho, com as seguintes informações: data, hora e local de realização, bem como descrição da ordem do dia. Quórum de Instalação Quórum de deliberação Mandato Maioria dos seus membros. Maioria simples de votos. 03 anos, permitida a recondução. I nomear e exonerar os membros da Diretoria Executiva e Auditoria Interna; II aprovar a organização funcional e estrutural da Diretoria Executiva e Auditoria Interna; III aprovar as diretrizes de organização, operação e administração da Entidade; IV - aprovar os cálculos atuariais dos planos de custeio e dos planos de benefícios previdenciários administrados pela entidade; V aceitar doações, com ou sem encargos; Competência VI aprovar a política de investimentos; VII aprovar a aquisição, alienação ou constituição de gravame sobre bens imóveis e imobilização de recursos à Entidade; VIII aprovar as demonstrações contábeis, após apreciação dos auditores independentes; IX aprovar adesão de pessoas jurídicas à Entidade como Patrocinadoras ou retirada de Patrocinadoras, observada a legislação vigente; X determinar a exclusão de Patrocinadoras, observada a legislação vigente; XI aprovar a transferência de patrocínio, de grupo de participantes, de planos ou de reservas Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 4/19

5 Reuniões Voto de qualidade da Entidade, observada a legislação vigente; XII reformar o Estatuto, sujeita à homologação pelas Patrocinadoras e aprovação do órgão fiscalizador; XIII aprovar e alterar os Regulamentos dos Planos de benefícios previdenciários administrados pela Entidade, sujeita à homologação pelas respectivas Patrocinadoras e aprovação do órgão fiscalizador; XIV alterar o Regimento Interno da Entidade, respeitado o artigo 38 do Estatuto Social; XV aprovar a liquidação da Entidade ou de qualquer de seus planos de benefícios previdenciários e destinação do patrimônio correspondente, sujeitos à homologação pelas Patrocinadoras, à aprovação do órgão fiscalizador e observada a legislação vigente; XVI decidir recursos interpostos em face de decisões tomadas pela Diretoria Executiva; XVII determinar inspeções, auditorias ou tomadas de conta, sendo-lhe facultado confiá-la a terceiros não pertencentes ao quadro de pessoal da Entidade; XVIII decidir os casos omissos do Estatuto, do Regimento Interno, dos Regulamentos do Plano, bem como dos Normativos internos da Entidade. Ordinárias, a cada trimestre. sempre que necessário. Presidente do Conselho Deliberativo. Extraordinárias, Parágrafo Único: Funcionalmente, para atender necessidades administrativas e operacionais, a Auditoria Interna subordina-se ao Presidente. ARTIGO 4º Das reuniões do Conselho Deliberativo serão lavradas ATAS, na forma sumária, contendo: a) data da reunião (dia, mês e ano) e hora de início; b) indicação nominal dos Conselheiros presentes; c) indicação de quem secretariou os trabalhos; d) transcrição da pauta de matérias submetidas à deliberação; e) resultado das deliberações tomadas, com indicação de quórum em caso de decisão não unânime; Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 5/19

6 f) encerramento da reunião. Parágrafo Primeiro: Os conselheiros presentes às reuniões assinarão a lista de presença, que será anexa à Ata, juntamente com a carta de convocação para registro em Cartório, após aprovação dos membros do Conselho. ARTIGO 5º Compete ao Presidente do Conselho Deliberativo: a) convocar e presidir as reuniões; b) propor ao Conselho Deliberativo as diretrizes básicas e a orientação geral dos negócios da VISÃO PREV, conforme as propostas apresentadas pela Diretoria Executiva; c) conduzir os trabalhos das reuniões, impedindo que sejam proferidas palavras injuriosas, invocações abusivas ou com fins que não estão afetos à administração da VISÃO PREV; d) proferir voto de qualidade, quando empatadas as deliberações; e) presidir a mesa de trabalhos; f) observar e fazer cumprir o quorum de deliberação. Parágrafo Único: Na ausência ou vacância do cargo de Presidente do Conselho Deliberativo, a Patrocinadora que o indicou, indicará um conselheiro dentre os membros do mesmo Conselho para exercer o voto de qualidade, sem prejuízo da presença do correspondente suplente do Presidente, permitindo-se, extraordinariamente que tal conselheiro tenha seu voto computado em dobro. IV - DO CONSELHO FISCAL ARTIGO 6º A competência e a composição do Conselho Fiscal estão definidas nos artigos 23 a 27 do Estatuto Social da VISÃO PREV, nos seguintes termos: Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 6/19

7 Composição Convocação Forma de Convocação No mínimo 06 e no máximo 09 membros, sendo 01 Presidente do Conselho e os demais, conselheiros, cada qual com direito a 01 (um) voto. Presidente do Conselho Fiscal. Reunião Ordinária: no mínimo 10 (dez) dias úteis, antes da reunião. Reunião Extraordinária: no mínimo 03 (três) dias úteis, antes da reunião. Em ambos os casos, a comunicação deverá ser feita através de envio de aos membros do Conselho, com as seguintes informações: data, hora e local de realização, bem como descrição da ordem do dia. Quórum de Instalação Quórum de deliberação Mandato Maioria dos seus membros. Maioria simples dos membros. 03 (três) anos, permitida a recondução. I - examinar as demonstrações financeiras, os livros e os documentos da Entidade, bem como as contas e os demais aspectos econômico-financeiros e atuariais; Competência II apresentar ao Conselho Deliberativo parecer sobre os negócios e operações do exercício, tomando por base os exames procedidos. III examinar os demonstrativos de resultados atuariais dos planos de benefícios previdenciários da Entidade IV apontar irregularidades eventualmente verificadas, sugerindo medidas saneadoras. Reuniões Ordinárias: a cada trimestre. Extraordinárias: sempre que for necessário. ARTIGO 7º Das reuniões do Conselho Fiscal serão lavradas ATAS, na forma sumária, devendo conter as mesmas informações descritas no art. 4º deste Regimento e, após assinatura de todos os membros, ficarão arquivadas na sede da VISÃO PREV. Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 7/19

8 Parágrafo Único Na ausência ou vacância do cargo de Presidente do Conselho Fiscal, a Patrocinadora que o indicou, indicará um conselheiro dentre os membros do mesmo Conselho para exercer o voto de qualidade, sem prejuízo da presença do correspondente suplente do Presidente, permitindo-se, extraordinariamente que tal conselheiro tenha seu voto computado em dobro. V - DA DIRETORIA EXECUTIVA: ARTIGO 8º A Diretoria Executiva é o órgão responsável pela gestão da Entidade, agindo sempre em conformidade com a política de administração e as normas gerais fixadas pelo Conselho Deliberativo, sendo suas atribuições macro elencadas no Estatuto Social, parte integrante deste Regimento Interno. Parágrafo Primeiro: A Diretoria Executiva será composta por 1 Presidente e 3 Diretores Executivos. Parágrafo Segundo: A composição das áreas subordinadas à Presidência e às Diretorias são as descritas no Organograma de Cargos da Entidade. Parágrafo Terceiro: A Diretoria Executiva será indicada, em conformidade com critérios expressos no artigo 18 do Estatuto Social da Visão Prev. VI DAS ATRIBUIÇÕES DO PRESIDENTE: ARTIGO 9º: Compete ao Presidente da VISÃO PREV: a) Assegurar que o Fundo de Pensão dos funcionários contratados pelas empresas do grupo econômico da Telefônica esteja entre os melhores Fundos de Pensão do mercado brasileiro quanto a sua gestão e excelência em qualidade e desempenho (rentabilidade, longevidade, equilíbrio entre passivos e ativos, atendimento à legislação e metas das patrocinadoras), propiciando para as empresas do grupo a utilização de uma eficiente ferramenta de incentivo e retenção de talentos. b) Identificar as melhores alternativas de mercado com relação à gestão dos investimentos, impactando na rentabilidade individual dos Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 8/19

9 participantes e assistidos, no equilíbrio atuarial e financeiro dos planos, evitando-se a geração de passivos significativos para as patrocinadoras, e também na sua utilização como mecanismo de Recursos Humanos da companhia, auxiliando no clima organizacional e os objetivos das patrocinadoras. c) Desenvolver mecanismos eficientes na cobrança, recebimento e trâmite de informações para evitar descumprimento nos prazos estabelecidos nos regulamentos dos planos com relação aos pagamentos de benefícios e resgates de contribuições. d) Estar constantemente atualizado com a legislação, pois o seu descumprimento ou tratamento inadequado poderá levar à aplicação de multas, bem como outras sanções estabelecidas em lei. e) Acompanhar as atividades desenvolvidas pela Diretoria de Previdência, Diretoria de Investimentos, Diretoria Administrativa e Controle, Gerencia Jurídica, Ouvidoria, e funcionalmente, a Auditoria Interna. VII DAS ATRIBUÇÕES DA DIRETORIA ADMINISTRATIVA E CONTROLE: ARTIGO 10: São atribuições da Diretoria Administrativa e Controle: a) Promover a gestão das atividades desenvolvidas pelas áreas: Administrativa, Comunicação, Contabilidade, Recursos Humanos, TI e Controles Internos b) Acompanhar o fechamento Contábil da Entidade, seguindo os parâmetros e normas da legislação vigente. c) Fazer a gestão do contrato de terceirização de sistemas, com o objetivo de melhorar o alinhamento, foco e suporte à gestão do negócio. d) Gerenciar e acompanhar todo o processo de novas aquisições/compras, por meio da liderança do Comitê de Despesas ou pela criação de processos de compra e) Gerenciar o plano de remuneração e de cargos, treinamentos e desenvolvimento dos profissionais da Entidade. f) Responder pelo processo de comunicação (interna e externa). Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 9/19

10 g) Responder pela elaboração e acompanhamento do orçamento h) Coordenar o Planejamento Estratégico i) Responder pelo Plano de Continuidade de Negócios PCN e pelos aspectos de segurança da informação, incluindo as questões relativas ao arquivamento lógico j) Acompanhar, por meio de indicadores e planos de ação, os resultados das áreas, reportando os principais resultados ao Comitê de Direção da Visão Prev VIII DA DIRETORIA DE INVESTIMENTOS: ARTIGO 11: São atribuições da Diretoria de Investimentos: a) Promover a gestão das atividades desenvolvidas pelas áreas: Investimentos, Empréstimos, Tesouraria e Riscos Financeiros. b) Planejar, desenvolver e implantar procedimentos e instrumentos direcionados para a análise técnica do comportamento do mercado, visando orientar e subsidiar as decisões de Investimento da Entidade. c) Acompanhar os indicadores econômicos, financeiros e índices de rentabilidade das empresas e setores da economia. d) Coordenar e acompanhar a realização de estimativas/projeções de indicadores relacionados aos investimentos ou aos riscos financeiros. e) Responder pela área de Empréstimos da Entidade, definindo estratégias dos programas de forma a garantir que as operações estejam dentro das normas e procedimentos da Entidade, bem como atendam a legislação vigente. f) Zelar pela área de Tesouraria, acompanhando o fluxo de pagamentos e recebimentos da Entidade, dentro das normas e procedimentos estabelecidos. g) Acompanhar a execução da Política de Investimentos aprovada pelo Conselho Deliberativo, em acordo com a legislação vigente, assim como acompanhar as estratégias dos Gestores de Investimentos para cumprimento do mandato estabelecido. Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 10/19

11 VIX DA DIRETORIA DE PREVIDÊNCIA: ARTIGO 12: São atribuições da Diretoria de Previdência a) Responder pelo processo final de folha de pagamento dos assistidos, de resgates e de portabilidades, pela gestão de contratos de terceirização de atividades de apoio (cadastro, folha de pagamento, benefícios e estudos atuariais). b) Elaborar pareceres atuariais de processos que não envolvam avaliações atuariais, para aprovação junto ao Órgão Regulador (PREVIC), utilizando o registro legal de atuário (MIBA). c) Responder pelo cadastro e gestão documental de todos os participantes. d) Responder tecnicamente pelo processo de avaliação atuarial anual dos planos de benefícios previdenciários da Visão Prev, incluindo o acompanhamento e aprovação dos laudos atuariais elaborados pela assessoria atuarial externa, bem como prestação de informações e esclarecimentos sobre os resultados superavitários ou deficitários apurados nos planos de benefícios previdenciários para as patrocinadoras e demais áreas da Visão Prev. e) Atuar como Interlocutor junto às patrocinadoras para as questões técnicas envolvendo os laudos de contabilidade internacional (IFRS, USGAAP e Regras Contábeis Brasileiras) dos planos de benefícios previdenciários da Visão Prev e modelagem de planos de benefícios previdenciários em geral. f) Prover apoio técnico à Gerencia Jurídica da Visão Prev nas alterações de regulamento, elaboração de convênios de adesão, entre outros assuntos de caráter previdenciário. g) Responder por todo processo de arrecadação de recursos das patrocinadoras e conciliação dos valores com as regras dos respectivos planos. Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 11/19

12 h) Responder pelo processo de Relacionamento com Participantes por meio do call center, s, chat, atendimento presencial etc. X - DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS: ARTIGO 13º: O Comitê de Investimentos será integrado por 5 membros. Parágrafo Primeiro: O Presidente do Conselho Deliberativo da VISÃO PREV indicará os membros do Comitê de Investimentos, sendo sua competência, atribuições e organização descritas em Regimento próprio aprovado pelo Conselho Deliberativo. Parágrafo Segundo: Os membros do Comitê de Investimentos poderão ser remunerados conforme critérios e valores aprovados pelo Conselho Deliberativo XI - DOS DOCUMENTOS NORMATIVOS E DECISÕES: ARTIGO 14º: Todos os funcionários deverão ter conhecimento e observar os termos contidos neste Regimento Interno, bem como nos Manuais de Procedimentos e Normas Gerais da VISÃO PREV, que deverão ser previamente aprovados pela Diretoria Executiva. XII - DOS MEMBROS DOS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL: ARTIGO 15º: Os membros dos Conselhos serão indicados pelas patrocinadoras, e participantes, de acordo com os critérios estabelecidos no artigo 14 do Estatuto Social da VISÃO PREV, de forma a conferir representatividade às patrocinadoras e aos participantes. ARTIGO 16º: Caberá às patrocinadoras formalizar a nomeação ou a destituição dos Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 12/19

13 membros dos Conselhos, que lhe couber, após escolhidos ou destituídos. ARTIGO 17º: A posse dos membros será efetivada mediante a assinatura do termo de posse em até 30 (trinta) dias após o ato de designação. Parágrafo Primeiro - Quando ocorrer o afastamento definitivo de membros dos Conselhos, serão empossados novos, para cumprimento do restante do mandato. ARTIGO 18º: A vacância em qualquer dos Conselhos se dará a pedido, por término de mandato, por destituição ou quando o membro deixar de ser participante da VISÃO PREV, se for o caso. Parágrafo Primeiro - A vacância, a pedido do interessado, se processará através de correspondência dirigida ao Presidente do Conselho Deliberativo, e no caso deste ao representante da Patrocinadora que o indicou com cópia ao Conselho a que pertence. Parágrafo Segundo - A destituição dos membros representantes das Patrocinadoras se dará a qualquer tempo, pelas Patrocinadoras, bem como nos casos de perda de vínculo empregatício ou estatutário com a Patrocinadora, concessão de algum benefício previdenciário pela Entidade, ou de ausência injustificada em 3 (três) reuniões consecutivas do Conselho Deliberativo, conforme exposto no artigo 15, parágrafo 1º do Estatuto Social da VISÃO PREV. ARTIGO 19º: A indicação dos membros do Conselho Deliberativo, representantes das patrocinadoras, se dará conforme critérios específicos estabelecidos no artigo 14 do Estatuto Social da VISÃO PREV. ARTIGO 20º: - A escolha dos representantes dos Participantes no Conselho Deliberativo e Fiscal se dará através de eleição direta, realizada através de Processo Eleitoral, que será instaurado previamente à eleição. Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 13/19

14 Parágrafo Único: Os representantes dos Participantes, se destituídos serão substituídos por seus primeiros suplentes. ARTIGO 21º: Os membros do Conselho Deliberativo e Fiscal poderão ser remunerados, conforme disposto no Estatuto da VISÃO PREV. ARTIGO 22º: A indicação dos membros do Conselho Fiscal, representantes das Patrocinadoras, se dará conforme critérios específicos estabelecidos no artigo 24 parágrafo 1º do Estatuto da VISÃO PREV. ARTIGO 23º: Para efeito de contagem do tempo de participação no plano será considerado o período anterior à constituição da VISÃO PREV, quando os planos eram administrados pela Fundação Sistel de Seguridade Social SISTEL. ARTIGO 24º: São deveres inerentes às funções de Conselheiros: a) zelar pelo nome da Entidade e do Conselho, do qual é membro; b) empregar no exercício de suas funções, o cuidado e diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração de seus próprios negócios; c) exercer suas funções e competências sempre dentro dos limites legais e estatutários, atendendo o interesse da Entidade, tendo em vista os objetivos desta e nunca no interesse próprio ou de Patrocinadores ou Participantes responsáveis por sua indicação ou eleição no cargo; d) cumprir com os compromissos de freqüência e pontualidade às reuniões dos Órgãos Estatutários convocadas formalmente, assinando listas de presença e as atas decorrentes das decisões tomadas nas reuniões, ou justificar adequadamente quando da impossibilidade de comparecimento; e) respeitar a privacidade, individualidade e dignidade das pessoas, agindo com urbanidade e educação em todas as situações; Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 14/19

15 f) manter sigilo sobre informações da Entidade a que tiver acesso no exercício do seu cargo, enquanto não tornadas públicas; g) preparar-se antecipadamente para avaliar e discutir qualquer questão na qual deliberará, jamais assumindo posição sem estar plenamente cônscio quanto aos reflexos que esta poderá trazer para o futuro da Entidade, dos Participantes e Patrocinadores. ARTIGO 25º: É vedado no exercício das funções de Conselheiro: a) fazer uso das oportunidades que apareçam no exercício do cargo, utilizando informação privilegiada, com ou sem prejuízo financeiro à Entidade, seja em benefício próprio ou de terceiro; b) omitir-se em tomar as medidas cabíveis no exercício do cargo ou para proteção dos direitos da Entidade quando tiver conhecimento do fato de alguém deixar de aproveitar oportunidades de interesse da Entidade, por negligência, imperícia, imprudência ou dolosamente, na intenção de obter vantagens, pessoais ou para terceiros; c) utilizar informações relevantes ainda não divulgadas, por qualquer pessoa que a ela tenha tido acesso, com a finalidade de auferir vantagem, para si ou para outrem ou denegrir a imagem da Entidade ou de membros de seus órgãos de administração e fiscalização. XIII - DO PROCESSO ELEITORAL: ARTIGO 26º: Compete à Diretoria Executiva da VISÃO PREV a convocação de eleições diretas de forma a garantir a representatividade nos Conselhos Deliberativo e Fiscal de 1/3 (um terço), conforme previsto em Lei e em consonância com o estabelecido no Estatuto da Entidade, em seus artigos 14 Parágrafo 1º, II e 24, parágrafo 1º, inciso II, bem como no Regulamento, o qual deverá ser aprovado previamente pelo Conselho Deliberativo. Parágrafo Primeiro As eleições terão cronograma e datas estabelecidos pela Diretoria Executiva, com aprovação das Patrocinadoras. Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 15/19

16 ARTIGO 27º: Será criada uma Comissão Eleitoral para coordenar e executar a realização das eleições. Parágrafo Primeiro - Os membros da Comissão Eleitoral não poderão ser funcionários da VISÃO PREV. Parágrafo Segundo - Os membros da Comissão Eleitoral não poderão concorrer aos assentos nos Conselhos Deliberativo e Fiscal. XIV - DA COMISSÃO ELEITORAL: ARTIGO 28º: A Comissão Eleitoral será composta por número par de componentes, sendo no mínimo 06 (seis), distribuídos na proporção de 50% representantes dos Participantes e 50% representantes dos Assistidos, cabendo à Patrocinadora com maior participação no patrimônio da VISÃO PREV a indicação do Presidente da Comissão Eleitoral. Parágrafo Primeiro - Deverão ser indicados participantes do plano, exceto participantes inadimplentes por mais de 03 (três) meses, sendo vedada a participação de membros em exercício nos Conselhos da VISÃO PREV, de acordo com o estabelecido no Regulamento do Processo Eleitoral. ARTIGO 29º: Compete à Diretoria Executiva divulgar aos Participantes a constituição e composição da Comissão Eleitoral, a qual não será remunerada. ARTIGO 30º: A Comissão Eleitoral se reunirá ordinariamente com periodicidade quinzenal e, extraordinariamente, quando necessário, conforme previsto no regulamento do Processo Eleitoral. ARTIGO 31º: Compete à Comissão Eleitoral: a) eleger, em sua primeira reunião, um Secretário; b) coordenar e executar o processo eleitoral, na forma estabelecida no Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 16/19

17 Regulamento do Processo Eleitoral e neste Regimento; c) elaborar e divulgar aos Participantes e Assistidos, cronograma referente ao processo eleitoral, que deverão conter no mínimo os seguintes pontos: início do Processo (Edital), período de inscrições, divulgação das candidaturas inscritas, validação de candidaturas, divulgação das candidaturas homologadas, período de propaganda dos candidatos, reunião para lacração, período de votação, apuração dos votos, divulgação dos resultados, posse dos conselheiros; d) receber e examinar o requerimento de inscrição de candidatura e documentação complementar pertinente; e) em relação aos candidatos que tiverem vínculo empregatício com uma das Patrocinadoras da VISÃO PREV na data da inscrição da candidatura, consultar a Patrocinadora sobre eventual situação do Participante que seja incompatível com o exercício do cargo ao qual está se candidatando; f) homologar a inscrição da candidatura que tenha atendido todos os requisitos e exigências contidas no Regulamento do Processo Eleitoral; g) comunicar formalmente os candidatos, de acordo com o cronograma, sobre as candidaturas cujas inscrições foram, ou não, homologadas; h) informar aos candidatos a data e local da realização do sorteio para atribuição de número de ordem às candidaturas; i) promover sorteio, na sede da VISÃO PREV, para atribuição de número de ordem às candidaturas; j) comunicar aos participantes ativos e assistidos e à Diretoria Executiva os nomes dos Candidatos, os respectivos números e ordem atribuídos a cada qual na cédula de eleição; k) após a apuração final dos votos, homologar o resultado final da eleição e divulgar aos Candidatos, aos Participantes, à Diretoria Executiva da VISÃO PREV, o referido resultado com a descrição do nome de cada candidato eleito, o percentual de votação, o total de votos, os votos nulos e brancos, classificação final, bem como os conselheiros eleitos e respectivos suplentes. l) manter a Diretoria Executiva da VISÃO PREV ciente do andamento da Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 17/19

18 eleição; m) propor, caso seja necessário, à Diretoria Executiva, a substituição de qualquer um de seus componentes; n) a Comissão Eleitoral dissolver-se-á automaticamente com a posse dos eleitos; ARTIGO 32º: Caberá à VISÃO PREV contratar Auditoria para certificar a correção e lisura do Processo Eleitoral e do seu procedimento; ARTIGO 33º: O candidato que tenha sido eleito para Conselheiro da VISÃO PREV, somente poderá concorrer à reeleição uma vez, devendo se desligar do cargo com até 30 (trinta) dias de antecedência da data de eleição, assumindo neste caso, o seu suplente; ARTIGO 34º: Os candidatos só poderão se inscrever para concorrer a apenas 01 (uma) vaga em um dos Conselhos, sendo que a definição sobre membro efetivo ou suplente dar-se-á pelo número de votos obtidos, mediante a classificação final no processo eletivo. ARTIGO 35º: Na eventual ocorrência de empate entre os candidatos deverá ser observado o disposto no Regulamento do Processo Eleitoral. ARTIGO 36º A relação definitiva dos candidatos eleitos será amplamente divulgada através dos principais meios de comunicação, definidos previamente no Regulamento do Processo Eleitoral. XV - DISPOSIÇÕES FINAIS: ARTIGO 37º: Este Regimento deve ser interpretado conjuntamente com as disposições constantes do Estatuto Social e com os demais regulamentos e normas Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 18/19

19 estabelecidas para a administração da VISÃO PREV. Havendo conflito entre as disposições constantes neste regimento, prevalecerão aquelas fixadas no Estatuto Social da VISÃO PREV. ARTIGO 38º: Os casos omissos neste Regimento serão resolvidos pelo Conselho Deliberativo, mediante proposta formalizada pela Diretoria Executiva. ARTIGO 39º: As alterações feitas neste Regimento foram aprovadas na 41º Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo da Visão Prev, realizada em e entrará em vigor a partir desta data. Qualquer alteração deverá ser submetida novamente ao Conselho, conforme estabelecido no Estatuto Social da Visão Prev. Regimento Interno da Visão Prev Sociedade de Previdência Complementar 19/19

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B (Aprovado pela Portaria PREVIC n o 372/2015, publicada no D.O.U. de 10/7/2015.) CAPÍTULO I DA CRIAÇÃO,

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

Previdenciária Du Pont do Brasil

Previdenciária Du Pont do Brasil Estatuto da Sociedade Previdenciária Du Pont do Brasil Julho de 2014 Estatuto Duprev 1 Julho 2014 Estatuto Duprev Estatuto da sociedade PrEvidEnciária du Pont do Brasil Julho de 2014 Estatuto duprev 3

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

Estatuto Social 0 8 0 0 7 2 9 1 1 1 2 w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r

Estatuto Social 0 8 0 0 7 2 9 1 1 1 2 w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r 0 8 0 0 7 2 9 1 1 1 2 w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r da BB Previdência Estatuto Social da BB Previdência contendo alterações devidamente aprovadas pela SPC em 30/12/2010. Índice CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - O Comitê de Pessoas ( Comitê ) de Lojas Renner S.A. ( Companhia ), órgão estatutário, de caráter consultivo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Auditoria

Regimento Interno do Comitê de Auditoria 01. FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Auditoria (Coaud) rege-se pela legislação aplicável, pelo Estatuto Social do Banco do Brasil, por seu Regimento Interno e por decisões do Conselho de Administração. Art.

Leia mais

COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DOS CONSELHOS E DIRETORIA

COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DOS CONSELHOS E DIRETORIA 1. Introdução As Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC), conhecidas também como Fundos de Pensão, são instituições sem fins lucrativos que mantêm planos de previdência coletivos. Os planos

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1. O CMT, órgão consultivo e deliberativo, instituído pela Lei nº 433/L.O., de 14 de junho de 1995, alterada

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

OABPrev-SC FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESTATUTO

OABPrev-SC FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESTATUTO OABPrev-SC FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESTATUTO 3 ESTATUTO DO FUNDO DE PENSÃO DO OABPrev-SC CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO Aprovado na 3ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da EMBRAPII, realizada em 25 de fevereiro de 2014 ÍNDICE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ACADÊMICO DE ENSINO TÉCNICO

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Das finalidades: Art. 1º O presente Regimento Interno contém as normas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º Artigo 2º Artigo 3º I II COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET, é uma sociedade por ações, de economia mista, que se regerá

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev ESTATUTO SOCIAL FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev Setembro/2015 ÍNDICE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Sete Lagoas 2012 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SUMÁRIO TÍTULO PÁGINA

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012.

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo da Reserva Biológica Mata Paludosa. A SECRETÁRIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO OUTUBRO/2006 ÍNDICE Documento de Referência 03 Histórico 04 Objetivo da FUNASA 05 Conceitos 06 e 07 Objetivos do Manual de Organização: De Informação 07 De Racionalização Estrutural e Funcional 07 e 08

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

CAPOF REGIMENTO INTERNO APROVADO PELO CONSELHO DELIBERATIVO, NA 208ª REUNIÃO EXTRAORDINARIA, EM 08/01/2014.

CAPOF REGIMENTO INTERNO APROVADO PELO CONSELHO DELIBERATIVO, NA 208ª REUNIÃO EXTRAORDINARIA, EM 08/01/2014. REGIMENTO INTERNO CAPOF Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão APROVADO PELO CONSELHO DELIBERATIVO, NA 208ª REUNIÃO EXTRAORDINARIA, EM 08/01/2014. ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011. Dispõe sobre a normativa de organização e funcionamento

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA APAC

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA APAC ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA APAC CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de Associação Pinacoteca Arte e Cultura APAC, fica constituída uma associação

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE SEÇÃO I Da Instituição: Art. 1º - O presente Regimento Interno, regula as atividades e as atribuições do Conselho Gestor na Unidade de Saúde, conforme

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS Art. 1 - O Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado do Tocantins COEMA, órgão colegiado

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

Regimento Interno do Conselho de Administração

Regimento Interno do Conselho de Administração Regimento Interno do Conselho de Administração 1 Capítulo I. OBJETO DO REGIMENTO INTERNO II. MISSÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO III. COMPOSIÇÂO E INVESTIDURA NO CARGO IV. MANDATO, VACÂNCIA e LICENÇA V.

Leia mais

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS O presente Regimento (versão aprovada em reunião plenária de 24 de maio de 2011) disciplina os critérios de composição, eleição

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I - CONCEITO E FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Administração é o órgão de orientação geral dos negócios e serviços da Caixa Econômica Federal, responsável

Leia mais

Manual de Diretrizes e Práticas

Manual de Diretrizes e Práticas Governança Corporativa Manual de Diretrizes e Práticas Fundação Índice Nossa Missão...03 Nossas Diretrizes...04 Nossa Gestão...06 Nossos Procedimentos...12 Nossa Comunicação...16 Nossos Controles...20

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Adequado conforme Estatuto Social aprovado pela AGE de 28/03/2011 2 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais