PROGRAMAÇÃO DA VI SE MANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CEFE-MG PROGRAMAÇÃO DA VI SEMANA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA CEFET-MG. BICJr. PIBICe.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAÇÃO DA VI SE MANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CEFE-MG PROGRAMAÇÃO DA VI SEMANA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA CEFET-MG. BICJr. PIBICe."

Transcrição

1 PROGRAMAÇÃO DA VI SE MANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CEFE-MG PROGRAMAÇÃO DA VI SEMANA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA CEFET-MG BIC Jr. PIBIC PIBITI Optatvos Fquea ten toao daeao hor ár o suapresen taç ão. N ãoc heguea trasa doev tepre ju dcarsuases ão. PIBICe PIBITIapresen tamsecoms l s dg ta s, emsa las au la docampus I. Ver fqueon úmero suasa la. BICJr. apresen tamsecom baner, nosagu ão dopr édo au las docampus I. Ver fqueseupos c onamen tonoca bo aço. Peça ju daosmon tores. Tra ba lhosop ta tvos (t êmapresen taç ão br ga t ór apenasem 201 )seapresen tamemsa las au la. Ver fque. A apresen taç ãona VISemana C &Tn ão dspensapresen taç ão noanoquevem! Casovoc êno tea lgumpro blemanas n formaç õeso breseu tra ba lho, con tac tea DCTpor te le fone ( ). Dase hor ár os foram ds tr bu ídoscon formeou tras tan tas var áve s dasqua s pen to daprogramaç ão. In formese an tes so lc tarmu dançasou cr tcar. Suges t ões ão bemv n das. Haver ámon tores da Semana C &T àsua dspos ç ãopara a ju dare trar dúv das. Esesmon tores tam béms ãoseus co legas. N ãosesqueça pegarseucer t fca do apresen taç ão. E le émpor tan teparacomprovaç ão suasa tv da s aca dêm cas.

2 Mar na Cos ta Fere ra San tos lvana las far S VBoas Sa (Leopo ldna ) hago s TGue San tos da lesan dra Nunes Duar te Mran A élo êa lo (Leopo ldna ) Aur Gouv Me ães mar ly lves Mag Ge s e AGu lho lve (Varg ha ) Dona ta Coe Ora n drosa Renan Junque ra Pe (Varg ha ) ta n Dogo An ton one Cos hayza s TMen Te xe ra na tura la Cam Mar tns San tana len da be lve da GR ro Baros Sra Lacer d Luana Drumon hintervalo SEGUNDA-FEIRA, h sessão 1 campus 1 sala 326 III ENCONTRO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO (PIBITI) SEGUNDA-FEIRA, h sessão 1 campus 1 sala 325 Investgação e construção dferentes tpos antenas para utlzação em aulas laboratóro Avalação da dversda leveduras soladas bromélas endêmcas e caracterzação quanto à produção celulases e fermentação xlose para fns botecnológcos Desenvolvmento um meddor ótco velocda rotação sem contato mecânco Avalação mcrobológca e físco-químca águas coco e refrescos comercalzados em Belo Horzonte, Mnas Geras Sstema vsão computaconal mune à nterferênca da lumnânca e da refletânca do ambente através res neuras recorrentes Análse laboratoral do saguamento lodo resdual estação tratamento água por meo geossntétcos Desenvolvmento um molo utlzando a técnca POKA YOKE para a análse falha para garantr a confablda técncas processos Molagem da dnâmca do banco sementes e estabelecmento plantas nvasoras: alternatvas para o controle e manejo ssas espéces Estudo dos parâmetros operaconas na qualda geométrca e metalúrgcas das juntas soldadas para o processo GMAW Molos hdrodnâmcos para redução mpacto na ctofauna: o estudo do canal fuga na barragem Três Maras Concreto celular autoclavado: avalação das varáves processo produção e matéras-prmas vsando à redução no tempo autoclave Determnação do teor allcna em alho amostras comercas, após processamentos e em - - hintervalo - -

3 ôn An t o Augus to Pare ras Mur ta lez (Leopo ldna ) lr He Cerque ra Gonza la lve La Mon ze Ora San tos be lasco (Leopo ldna ) Jos mar R ro No he lhe dr tman Ro gues Ana Pac da lva (Leopo ldna ) lo Marce Menezes S h17 h17 do lan Bernar AFre tas Duar te (Leopo ldna ) fae lgonca lves Mar tns Ra 17 l(leopo ldna ) fae lmar Ra tns Pre ser Marça 17 lyses lve (Leopo ldna Baros Sra U SEGUNDA-FEIRA, h sessão 2 campus 1 sala 325 SEGUNDA-FEIRA, campus 1 sala 326 APRESENTAÇÕES OPCIONAIS Molagem da qualda da água do córrego Banguelo Projeto estratégas controle em um FPGA para novas topologas conversores estátcos, com comutação suave, para fns qualda da energa Estudo comparatvo entre fécula mandoca hdrolsada e polvlhos azedos comercas Desenvolvmento três ferramentas ddátcas para auxlar o ensno automação em cursos técncos e superores Remoção surfactantes em um sstema tratamento efluentes através reator em batelada Sstema a eventos dscretos, mplementado em vsual basc, para dagnóstco e controle um Planta Foundaton Feldbus Comparação do padrão do escoamento entre as escadas pexes do tpo pscna com vertedor e ranhura vertcal PIDSIM - Ferramenta smulação e controle processos ndustras referencas pela web utlzando abordagem FOSS Plataforma aprendzado, senvolvdo em uma gu-matlab para comuncação va OPC, com uma planta ddátca em tecnola 4-20ma /Hart - - Molagem, smulação e projeto do controle conversores estátcos sobre um motor ndução assíncrono rotor bobnado na geração por ondas marítmas )

4 (Dv ópo ls ) he le Mc Fere ra Far a Cas tro n Alne Slva Maga lhães Soares Mar ns t Suzany Cr s na t h (Dv ópo ls ) ábt ha T Es teves Rosa n Fernan da Ga lo Cos ta (Dv ópo ls ) Ma teus Nunes Cos ta n ) Thago Slve ra da Cos n ópo ls ta br lme lo la (Dv ópo ls ) Pau n Ga e ) Fernan do Ven ânc o Amara ln ópo ls (Dv ópo ls ) ra Franco n lo ên lve Eug o O ópo ls ) n (Dv lpe As s Das Fe Flpe Ave lar Alme TERÇA-FEIRA, sessão 3 campus 1 sala 325 TERÇA-FEIRA, sessão 2 campus 1 sala 326 III ENCONTRO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO (PIBITI) Controle sstemas ncertos no tempo com atrasos nos estados: especfcação sempenho Análse físco-químca falhas em próteses coxo-femoras aço noxdável austenítco ASTM F-138 Establda e controle sstemas com atrasos: uma abordagem frequencal Intfcação vsual objetos movdos por uma estera e separação através um manpulador Avalação espéces vegetas para o emprego na boengenhara em áreas gradadas zonas rpáras Um estudo sobre métodos ntfcação sstemas vbratóros lneares nos domínos do tempo e da frequênca Projeto e construção dos sstemas suspensão, freo, transmssão potênca e chasss um veículo mnbaja (Dv Equações dferencas funconas: aplcação a um sstema aquecmento ar Ânge Estmulador elétrco para extração veneno em aranhas e escorpões (Dv Estudo técncas controle predtvo: Uma abordagem convexa Determnação fenós totas em frações do alcatrão Eucalyptus utlzando o reagente Foln-Cocalteau da

5 1 9 la lves le la Dan e V l br la Ga e Soares Ca ra Bran t éguera lfre do A Lev Jos la Cam Soares Fonseca 1 9 bson Ro Lu z Garc a Cos ta do bas Lu s Fernan tos 1 9 ld da las Fernan VBoas Fusca da lhães lve Fernan Maga Ora h12 h910 lana Po Ruas San tos Suzany Cr s tna Soares Mar tns drosa ún Ja me Ramos Pe J lne lva lhães ASMaga 10 ha do fae lan tunes Mac Ra 10 l ânc Luc mar Ven o Amara Mar ana Fac o Ma tos QUARTA-FEIRA, sessão 4 campus 1 sala 325 QUARTA-FEIRA, h sessão 5 campus 1 sala 325 Caracterzação do rejeto gerado pela produção cabos e fos aço da BMB Belgo-Mnera Bekaert Artefatos Arame, Vespasano/MG Aprendzagem nformal português como língua estrangera: possíves efetos no sempenho canddatos ao Exame Celpe-Bras Caracterzação mecânca e mcroestrutural lgas Pb-Sb para estudo da fratura dúctl Estétca do papel: anda a metáfora do mpresso em ambentes dgtas Intumescmento e gradação em SBF blendas qutosana/pva qumcamente retculadas Memóras e hstóras técncas e tecnologas contadas nos espaços museográfcos do CEFET-MG, em cafés cênca e tecnologa - Análse estrutural falhas em mplantes aço noxdável austenítco ASTM F138 O Progresso em Palavras: cênca, técnca e trabalho no dscurso das eltes mneras da Prmera Repúblca or Dengue: Resolução numérca do molo matemátco para evolução das populações vetores e humanos nfectados em dferentes estratégas controle - Manufatura Ecologcamente Correta: Análse do comportamento da Mínma Quantda Lubrfcante - MQL no processo retfcação clíndrca externa mergulho

6 láu do dra CAn Lma leu ér lva T sa Eto S ún és No Fonseca J or do lfo édos Ro Tom San tos fer Jen Nasc men to do lves Lu z Fernan A ão lva da Fernan Moura Qu n ts be da lena Ma Mar tns Rro á) (Arax dr lker be Aano WRro Lasmar h17 ha Na tas Nogue ra lho ha Roc la Pr scpres Carva 17 Igor Dn z Das Duar te Duse da la Aman Cec San tana 17 dana lves Jor Gonça Fre tas loren Roger Ben to Ftno la lves dos San Mar a Lu za Burgare hintervalo QUARTA-FEIRA, sessão 6 campus 1 sala 325 QUARTA-FEIRA, sessão 7 campus 1 sala 325 Aplcação do formalsmo da teora da nformação quântca em análse semântca Estudo do efeto das dmensões do corpo prova no encruamento do aço lvre nterstcas durante operações conformação mecânca âm Dos oscladores quântcos dsspatvos acoplados: estudo efetos não trvas Mornzação da máquna unversal do laboratóro ensaos strutvos Efeto proteção estados quântcos Projeto Lavoser: gestão resíduos sóldos para a conqusta uma ntda profssonal Síntese e estudo das propredas magnétcas aglomerados spn contendo Cu(II), Co(II) E Fe(II) Papel das órbtas separatrzes clásscas como ndcadores transção fase quântca Estudo do efeto das dmensões do corpo prova no encruamento do cobre eletrolítco durante operações conformação mecânca Uma abordagem evolutva multobjetvo para o problema controle epmas Síntese e estudo das propredas magnétcas sstemas nanoestruturados contendo Cu (II), Co (II) e Fe (II) - Estudo do osclador paramétrco na presença um ambente dsspatvo Representação espacal concetos baseada em ontologas tos - -

7 á) A S A h17 ST R Be A 17 R AO J ts D 17 á) 17 S OS Concepções letura e escrta na engenhara: abordagem dos dscentes sobre a comuncação na vda acadêmca e profssonal ães be la Iza Fere ra Gu mar Letramento acadêmco e usos da Wkpeda lgrac le Raque e Camargo Letramento dgtal estudantes engenhara novatos ães be la Iza F. Gu mar lc ân ka G. A. tara Er Expectatvas estudantes engenhara sobre aulas Português ár bara lva hago C. Souza R. Desenvolvmento curatvos ntelgentes haysa lo Me Lemos Molagem um sstema nformação para recuperação víos por meo metadados textuas ís les Tarc o Das Pere ra és Mo s Henr que Ramos Pere ra - - Resstênca à compressão pares alvenara estrutural blocos cerâmcos 44 cm comprmento lyana da Fernan Re As s Po lmarques do Fernan Amara QUARTA-FEIRA, campus 1 sala 326 APRESENTAÇÕES OPCIONAIS Análse da cavtação em bombas centrífugas com sensoramento por emssão acústca: um estudo caso hares (Arax lexan dre Das Ln WebGraph: Molando sítos web como grafos lva Lu z Henr que Soares Retorno seta para motos ôlo ha do do Bernar As Cr sc Me Mac lex lves dr Resen Ro gues O senho unversal sob a ótca da sustentablda mar lves lve ún ra or ébora lar da lva Gou Apagamento cultural da memóra afro-braslera dos jovens Araxá (Arax lano Max m Ba ts ta Cração uma lnguagem nstrumental em LIBRAS aplcada à construção cvl: construção um glossáro técnco bara da lva Bar Neves lho fae lcoe Tavares Ra Elaboração um manual para o ensno senho arqutetônco para surdos le Gse Nogue ra Jesus íc lve lva Marcos Vn us ra - - hintervalo

8 1 9 br lre bugo Ga e tes Sa dro l Evan Ca ra 1 9 s Vagner Augus to Soares Men ís les Tarc o Das Pere ra és Mo s Henr que Ramos Pere ra 1 9 lgu dro be Lean Rro Kume maraes h12 r dr Fre co Ro gues Lma Souza Pn to h910 be ér ís Rog o Lu Pmen ta Rro lpe s Fe Bernar Lma ls lva Mar ane Raque Gonça da lho Rena to Mran F 10 lho fman do Bom Conse ha Tana Ho hintervalo 101 QUINTA-FEIRA, sessão 8 campus 1 sala 325 QUINTA-FEIRA, sessão 9 campus 1 sala 325 Geração tempo semafórcos em res tráfego urbano com emprego ntelgênca computaconal Molagem um sstema nformação para recuperação víos por meo metadados textuas A Estrutura Captal das MPE s: um estudo nvestgatvo sobre as lmtações das csões raconas dos gestores fnanceros O efeto da lquz sobre a rentablda das ações negocadas no mercado aconáro braslero Projeto e senvolvmento um sstema vsão estéreo para aplcações vsualzação e reconstrução cenas 3D Reconhecmento voz aplcado à nxação e recuperação víos televsvos Determnantes da lquz ações negocadas no mercado aconáro braslero - - Importânca do Planejamento Estratégco para a mplantação do Sstema Gestão Ambental Testes sempenho em memóras Flash Construção topologas reduzdas da Internet por redução do grafo orgnal lves Utlzação técncas robustas para extração característcas e medção smlarda para recuperação magens na web baseada em conteúdo vsual -

9 droso hoz úbo hago TRe s Pe Mun R dr újo Mar na Ro gues Ara ha do Sacramen to Cyn tlopes lves ív L a A More rabre lo Dan Peres No Cr s tane Taroco haves duar do hro dr ERg gues Xav er C lherme Gu Sem no tbraga ) (BH Dego Henr que An tunes Nasc men to h17 láv lzv lve Fo Pace ano ra lgu dro be Lean Rro Kume maraes 17 da lva Rosa S dro Pe Henr que Souza óteo ) lana da lena Ma a Ju Ma lsoares Marce Br lva le lve Enr Orae S hintervalo QUINTA-FEIRA, sessão 10 campus 1 sala 325 QUINTA-FEIRA, sessão 11 campus 1 sala 325 Análse complexda algortmos em sstemas Multcore Otmzação não-lnear aplcada ao projeto sstemas controle robustos, por realmentação dnâmca saída, com molo referênca Arqutetura mult-agente baseada em meta-heurístcas para a solução problemas otmzação combnatóra Planejamento da expansão sstemas dstrbução energa elétrca utlzando algortmos evoluconáros Implementação molos neurônos pulsantes em FPGA G. Sstemas Intelgentes para classfcação padrões e tecção fraus Implementação do método dos elementos fntos para o processamento paralelo em Cluster Beowulf - - Determnantes da lquz ações negocadas no mercado aconáro braslero Implementação do método Tsa calbração câmeras em C++ Estudo do efeto dos ânons Cl-, NO3- e SO42- na corrosão do aço carbono ABNT 1030 Implementação físca um Cluster Beowulf para solução problemas não lneares em elementos fntos va processamento paralelo (Tm S. to -

10 BIC. Jr. SAGUÃO DO CAMPUS I

11 (Varg ha ) dro Pe Augus to Pere ra Franzon n Rena to Mar tns Lemos l (Varg ha ) he fany Mon que Vane n St bosa (Leopo ldna ) br la Ga e Campana Bar (Varg ha ) s bno dra San Cr s tna Men Sa Lopes n dr élu ha An z Roc Das dr Vc tor a Souza Ro gues ún los lber Car A to Nogue ra Jor lme da haves (Varg ha ) n úla Carmona A C J lng lho Lev We ton Resen F (Nepomuceno ) ão duar do be Jo ER ro (Leopo ldna ) len dos Franc sco Ar San tos ) (Nepomuceno lhenr êa lve Samue que Cor Ora (Leopo ldna ) lho Carva Tr co te Resen hála la Na trosa Pau lve Ora Nayara Me ros (Varg ha ) heus Ma tfranc sco Bara Mna dão (Varg ha ) Re s n fae lv le for tcampos Jor Ra dre An Marx Fere ra la dre Cam Pe ra Con dr (Varg ha ) Vc tor a Souza Ro gues n da lva (Varg ha ) láu do CHenr que Sn ra As s lsa les lve Marce O da da lva (Varg ha ) Bren Tarc s o Sn lme da haves (Varg ha ) n úla Carmona AC J le lva e SRe s lve lne hae la da Aparec Duar te SA Graz Rap (Varg ha ) Otav o Augus to Pere ra Fre tas n da (Varg ha n lme dro dy Yur Cougo San Re Lean Lourenço A SEGUNDA-FEIRA, De às 17, campus 1 saguão VI ENCONTRO DE AVALIAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (BIC Jr.) [1] Tratamento água utlzando mcrocontrolador da famíla 8051 na produção ozôno [11] Desenvolvmento básco para construção sstemas supervsóros para automaçãoresncal casa ntelgente [2] Desenvolvmento um protótpo pré-aquecmento água nterlgado a uma planta aquecmento solar para garantr um melhor rendmento térmco [12] Aplcação nteratva tecnologa ndustral-elementos máqunas, materas e fabrcação [3] Uso do mcrocontrolador PIC18F no controle um chuvero eletrônco [13] Um laboratóro físca construído a partr materas do cotdano [4] Construção um Pêndulo Foucault [] Tubolbraço [5] Produção anmações fenômenos ondulatóros bdmensonas a partr smulações computaconas Washngton [] Projeto e mplementação uma fonte chaveada ddátca [6] Estudo e senvolvmento um molo computaconal para avalação Centro gravda, Momento Inérca, Rao gração e Módulo resstênca fguras planas compostas [7] Estudo comparatvo entre softwares lvres mercado e fora mercado [] Espacalzação da área nfluênca do campus VIII do CEFET-MG [17] Desenvolvmento materal ddátco para atvdas estudo e pesqusa sstemas dgtas, utlzando a lnguagem VHDL [8] Laboratóro Vrtual Físca [18] Entenndo e batendo nossa comunda escolar: safos da mplementação da le 10639/03 [9] Programação orçamentos construção cvl utlzando programas formatação e cálculo tabelas [10] Dmensonamento e smulação estrutural trelças mara para telhado construções térreas [19] Implantação do horto plantas medcnas e caracterzação ftoquímca plantas medcnas ) ra, s,

12 dga l Nepomucenoe V fae la Ra da lva he doso Tago Lev SPn ro Car ro lho be Kar ne Coe R la Agar Cam Sara va hála Na tpa s Fere ra la íc Wn us Campos Pau lyana hr Braga Sc er Po lne Caro Franc sca As Cos ta Br an Dn z Amor m lves lta Ta Cr s tana A dora da ão Iza Mar a Conce ç le Dr e Tasar Rosa Pere ra kma heus lve Der c to ra Hans Pe tervan Pu ten ha ís Tunes San tos lve Da ane Ora San tos br la lve Mar ana Ga e Ora ín ko bayas h Cta Yo Ko Hans Pe ter Van Pu ten ábta hála lve TNa to ra l fonso Bna t I Govan Care ra Moren heus da lva da Ma tlopes SMran Lucas Souza Sang s ls Nayara Evange ta Fernan bosa Fonseca Henr que Jonas Bar lva br lpoes Ga e a Re se S los do Leonar Vasconce Souza lter Gua dro Formag n Pe TERÇA-FEIRA, De 9h às 12h, campus 1 saguão VI ENCONTRO DE AVALIAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (BIC Jr.) [20] Impactos no trânsto gerado pelo fluxo pessoas que acessam o CEFET-MG [29] Desenvolvmento bancadas hdráulcas para vsualzação fenômenos físcos em aulas Instalações Hdráulcas e Hdráulca Aplcada [21] Impactos no trânsto gerado pelo fluxo pessoas que acessam o CEFET-MG [30] Hotelara e eventos: um estudo do mpacto da realzação eventos na ocupação hotelera em Belo Horzonte [22] Análse da consttução das prmeras turmas do curso Químca na Escola Técnca Belo Horzonte, atual CEFET-MG 1964/1966 [31] Estudo da dnâmca do banco sementes e germnação espéces nvasoras [23] Recursos ddátcos para o ensno físca morna [24] Clarce Lspector & Octavo Paz: Poesa e erotsmo no contexto da atual crse epstemológca [25] Estudo comparatvo da retextualzação resumos projetos pesqusa [32] Análse expermental da arênca aço-concreto no concreto armado: Subsídos às normas NBR 7480, NBR 7477 e NBR 6118 [33] Bodesel va catálse heterogênea [34] Estudo comparatvo do perfl físco-químco óleos soja comercas submetdos à frturas controladas [26] Aprmoramento expermentos para o laboratóro ddátco Físca [27] Podcasts na educação presencal e não-presencal braslera: possbldas e lmtações [28] Sstema gestão do conhecmento [35] Estudo do potencal bogradação óleo lubrfcante em solos contamnados [36] Perfl fenológco e vablda das sementes espéces representatvas um remanescente florestal da mcrobaca do Banguelo na baca hdrográfca da Pampulha - Contagem [37] Caneta eletrônca sem fo para comandar um computador

13 AO S S O V [38] Tecnologa da nformação: mpactos no setor agêncas vagens han lves lve lva ra Step e he le da lva Mc Ve ra [39] Análse saneantes caseros venddos na Regão Metropoltana BH lve ív an Lou se Soares ra

14 lho blo Pa Roger Campos Fa dro Pe Henr que Souza Jesus (Dv ópo ls ) lor lan do Bueno n Dan e her TMun lves (Dv ópo ls ) ábo Fere ra An lda la lho da lva Gera Mage Bo te S bío la s lva Fa Kar Men S da lva (Dv ópo ls ) Fernan Laura Sn los do Leonar Vasconce Souza dga l Nepomucenoe V fae la Ra (Dv ópo ls ) n Igor Resen Souza Mar na Lu za Nunes Dn z br lga e (Dv ópo ls ) Mar ano Mora to Rec o n Eng Ru taceae hoxy lumr e Zan t Wan a Lu za Nunes Lana (Dv ópo ls ) n dro lva Lean Aano S dro lyses Campos Moraes Pe U los da lva Jean Car S donça da Fernan Cos ta Men (Dv ópo ls ) n lves Gus tavo Vn c us A ha do lha Rcar Mac Carva ép hany dr StRo gues Lopes ls ) l(dv ópo ív Ana La Amara n TERÇA-FEIRA, De h às 17h, campus 1 saguão VI ENCONTRO DE AVALIAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (BIC Jr.) [40] Obtenção molos matemátcos para um processo térmco [48] A frequênca do uso do nglês nas ndústras Vespasano [49] Automação resncal dm [41] Influênca do avanço na rugosda superfcal peças usnadas por torneamento [42] Uma nova topologa amplfcador chaveado snas [50] Desenvolvmento amostras aço e ferro funddo dversas como materal ddátco para as aulas prátcas Macrografa e Mcrografa [43] Smulador fórmulas resstênca materas (nível técnco) utlzando planlhas cálculo [51] Desenvolvmento equpamentos para abertura lnha pesqusa em engenhara reabltação [44] Sstema Web gestão documentos e recuperação da nformação baseado em termos pesqusa [45] Projeto e construção um absorvedor dnâmco das vbrações lateras um rotor um esmerl [52] O orgam arqutetônco como recurso ddátco [53] Relação entre fenologa e presença galhas jovens em ndvíduos ( ), no muncípo Vespasano, MG lanum l. [54] Síntese e caracterzação ferrtas N/Zn [46] Mapeamento da dstrbução espacal do comérco confecção na área central Dvnópols (MG) [55] Sstema nformação geográfca (sg) aplcado aos meos hospedagem Belo Horzonte s [47] Tecendo a hstóra do senvolvmento do setor confecconsta em Dvnópols-MG

15 br la ler (Arax á) Mar a Ga e Va ano (Arax á) Mora s Cos ta Mar na Borges lna lo (Arax á) Ana Caro Lane Me á) (Arax Mar na Souza (Arax á) lara Ana CJeron mo Ven tura lo ésar dure lva Ju C Ma ra S lar (Arax da dro Pe Henr que Cos ta Ave lne ha lva Caro Cun S élca s (Arax á) Mayara Ang Fernan Fuza dro Pe Augus San tos lva (Arax á) da Ta tan Aparec Mar tns S (Arax á) fae la Ra Bar tz Pena á) (Arax Iara Souza Cas tro lo (Arax á) Le tc Mar a Borges Me (Arax á) fer leana da lva Jen I S (Arax á) ber Ro ta Vanesa Bena t QUARTA-FEIRA, De h às 17h, campus 1 saguão VI ENCONTRO DE AVALIAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (BIC Jr.) [56] Influênca do capeamento enxofre nos resultados do ensao resstênca em concretos [57] Resíduos da mneração na produção argamassas e concretos [58] Cnzas bagaço cana--açúcar produzdas em calras [66] Avalação da Tecnologa Assstva dsponível nas escolas ensno fundamental e médo Araxá [67] Impactos ambentas causados pelo scarte ncorreto bateras recarregáves e aparelhos telefones celulares no muncípo Araxá: um estudo caso [68] O mpacto ambental do scarte naquado montores do tpo TRC e LCD em um muncípo localzado na regão do alto Paranaíba: um estudo caso á) [59] Mneralzação do pó serra para utlzação em argamassas [60] Possbldas obtenção crédtos carbono no setor ndustral na regão Araxá: Cnzas bagaço cana--açúcar [61] Lodo estação tratamento esgoto da ndústra batatas [62] Usnagem em materas polmércos [63] Projeto estruturação do laboratóro metrologa do CEFET-MG campus Araxá [64] Desenvolvmento uma metodologa ddátco-pedagógca para execução aulas prátcas no laboratóro usnagem do curso mecânca do CEFET-MG [65] Análse numérca por elementos fntos das varáves execução no comportamento da alvenara estrutural

16 ós Luam Far a lve Mar se Ora Das Ana Lu za Neves Soares Ma tos ha Lucas Ernes to Roc lho lme da Bea tr z Carva A br la Ga e Yur Amor m Dan do lve óteo ) Fernan Cas tro Ora la lon Mar Bruno Vtor Pau dresa lve An Ora Souza doso heus Ma tcore a Car len lve ha Franc e Ora Cun Pere ra íc lho be Pa tr a Carva Rro da ha lho la Marce Cerque ra Roc Carva lpe lva lho Fe SCarva dro lyses Campos Moraes Pe U los da lva Jean Car S bosa la Kr De ton Bar da Aru be la ás Isa Ta San tos lva tos S berg Rosem Sara va San los dr Roane Aane Barce Luz a los da lva Jean Car S do dy ífco be Leonar Kene Pac Rro Moraes dro lyses Campos Pe U bosa la Kr De ton Bar ás To More ra Marques ta da ão Jo Marcos tns Cos ta lve Ora le hlopes Vv an Scar t hn ár bara Marques Banc B hr ha Kv a C s tna Roc Braga QUINTA-FEIRA, De h às 17h, campus 1 saguão VI ENCONTRO DE AVALIAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (BIC Jr.) [77] Revtalzação uma mnestação meteorológca convenconal: perspectvas um ensno ntegrado entre Geografa e Físca Úr [69] Estudo cnétco da adsorção dos íons pb2+, cr3+ e fe3+ em meo aquoso por arglomneras do tpo bentonta [78] Caracterzação mcroestrutural do aço AISI 409 para a sequênca lamnação/tração/tração (Tm [70] Software web customzável para elaboração questonáros econômcos e sococulturas [79] Toxz fármacos va docagem computaconal [71] Desenvolvmento um protótpo dspostvo para automação resdêncas [80] Projeto e senvolvmento síto para dstrbução e manutenção versões bbloteca classes senvolvda no CEFET-MG [72] Os vajantes ngleses e as cêncas geológcas no Brasl do século XIX: o caso JOHN MAWE [73] Síntese dos sômeros do dntrobenzeno e formação complexos com polcíclcos aromátcos [81] Alzhemer [82] Nanopartículas Ferrtas N/Zn: Estudos sedmentação e adsorção [74] Nanopartículas Ferrtas N/Zn: Estudos sedmentação e adsorção [83] Desenvolvmento um software para avalação conformações moleculares a partr dados FTIR [75] Desenvolvmento uma estratéga controle velocda sensorless para aplcação em geradores ndução [84] Projeto e senvolvmento aplcação web para reserva recursos onlne do CEFET-MG Campus VII - Tmóteo MG [76] Projeto e senvolvmento aplcação web para controle patrmonal do CEFET-MG Campus VII - Tmóteo MG [85] Novas estruturas para crstas moleculares

17 SEXTA-FEIRA, h STAND UP COMEDY AUDITÓRIO DO CAMPUS I ENCERRAMENTO E PREMIAÇÃO DOS MELHORES TRABALHOS DE TODAS AS CATEGORIAS DA SEMANA C&T Ou VERIFIQUE PALESTRAS E DEBATES DE COORDENAÇÕES E DEPARTAMENTOS

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

"Dorme enquanto eu velo"

Dorme enquanto eu velo poesia: Fernando Pessoa q = 60 6 "Dorme enquanto eu velo" para voz e piano legato Dor Patrícia Lopes J - me en. quan - to eu ve - lo Dei - xa me -. - so nhar 11. Na - da'em mim é ri - so - nho. 1. Que

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0 1 3 پ0 7 _ پ0 7 _ پ0 7 _ & 4 7 A. ز E 7 1 j j پ0گ7? 4 n #_ n _ L? Mi - nha ca -sa e -ra ve - ha nپ0ٹ0o po - di - a su - por - tar پ0ˆ7. _ eu me 4 پ0 7 پ0 8 & E 7 G 6 /A A _.. nnn_ n پ0ˆ7_ j j j j G j پ0گ7

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE. Hilton A, de f-felld. 1. - Generalidades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle

AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE. Hilton A, de f-felld. 1. - Generalidades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE Hlton A, de f-felld 1. - Generaldades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle A area de Instrumentação é Controle ê de vtal mportânca para.

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Avaliação do método de análise sem padrão por WDXRF e EDXRF em pó de alumínio utilizado no combustível nuclear tipo MTR

Avaliação do método de análise sem padrão por WDXRF e EDXRF em pó de alumínio utilizado no combustível nuclear tipo MTR Avalação do método de análse sem padrão por WDXRF e EDXRF em pó de alumíno utlzado no combustível nuclear tpo MTR Marcos A. Scapn Insttuto de Pesqusas Energétcas e Nucleares IPEN CNEN/SP Combustível MTR

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

ANEXO 5 (RETIFICADO) QUADRO DE OFERTA DE DISCIPLINAS 2015.1

ANEXO 5 (RETIFICADO) QUADRO DE OFERTA DE DISCIPLINAS 2015.1 ANEXO 5 (RETFCADO) QUADRO DE OFERTA DE DSCPLNAS 2015.1 Curso: Licenciatura Plena em Ciências Biológicas Carga Campus/Núcleo Bloco Disciplina Período Vagas Área de Formação de acordo com item 1.2 do Edital

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

O Método de Redes Neurais com Função de Ativação de Base Radial para Classificação em Data Mining

O Método de Redes Neurais com Função de Ativação de Base Radial para Classificação em Data Mining O Método de Redes Neuras com Função de Atvação de Base Radal para Classfcação em Data Mnng Ana Paula Scott 1, Mersandra Côrtes de Matos 2, Prscyla Walesa T. A. Smões 2 1 Acadêmco do Curso de Cênca da Computação

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO I Congresso Baano de Engenhara Santára e Ambental - I COBESA NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO Marcos Vnícus Almeda Narcso (1)

Leia mais

Em 1887 Heinrich Hertz realizou

Em 1887 Heinrich Hertz realizou Marsa Almeda Cavalcante e Crstane R.C. Tavolaro Grupo de Pesqusa em Ensno de Físca da PUC/SP http://mesonp.cat.cbpf.br/marsa E-mal: marsac@pucsp.br Done Fagundes de Souza IFSC/USP/SP João Muznatt PUC/SP

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Eletroforese. Para que uma partícula se mova é necessário que possua carga elétrica livre, isto é, excesso ou diferença de elétrons.

Eletroforese. Para que uma partícula se mova é necessário que possua carga elétrica livre, isto é, excesso ou diferença de elétrons. Eletroforese 1 Eletroforese É um processo que consste na separação dos componentes de um sstema através da aplcação de um campo elétrco. É usado para separar e analsar bomoléculas. Prncípo: Substâncas

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Características das Águas Residuárias

Características das Águas Residuárias Característcas das Águas Resduáras Marco Gomes Barboza Unversdade Federal de Alagoas Centro de Tecnologa e-mal: mbarboza@ctec.ufal.br 1. Introdução Orgem dos esgotos Esgotos doméstcos ou santáros Resdêncas,

Leia mais

ANEXO I A QUE SE REFERE A LEI Nº xxx

ANEXO I A QUE SE REFERE A LEI Nº xxx ANEXO A QUE SE REFERE A LE Nº xxx CARGO CLASSES REFERÊNCA SALARAL REQUSTOS DE NGRESSO E-53 MAS ESPECALZAÇÃO NA ÁREA D-40 AGENT E UNVE RSTÁR O B-14 ENSNO MÉDO A-1 ENSNO FUNDAMENTAL CARGO CLASSES REFERÊNCA

Leia mais

ANEXO III TABELA DE CORRELAÇÃO DAS FUNÇÕES CLASSE III

ANEXO III TABELA DE CORRELAÇÃO DAS FUNÇÕES CLASSE III ANEXO TABELA DE CORRELAÇÃO DAS FUNÇÕES CLASSE FUNÇÃO DA LE 15.050/06 STUAÇÃO PROPOSTA CLASSE REQUSTO PARA NGRESSO AUXLAR OPERACONAL AUXLAR OPERACONAL ENSNO FUNDAMENTAL MARNHERO FLUVAL DE CONVÉS MARNHERO

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Localização. Perspectiva histórica

Localização. Perspectiva histórica Localzação Decsões de localzação envolvem determnar : Quantas facldades (tas como: fábrcas, portos, depóstos, armazéns, centros de servço) deve a companha possur? De que tamanho e onde devem estar elas

Leia mais

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita -

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita - Agosto de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Qu in ta-fe i ra 7 22447 LEGISLAÇÃO CITADA ANEXADA PELA SECRETARIA-GERAL DA MESA LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

ENQUANTO EU VIVER. ? b b b b b. œ œ œ. j œ. & b b b b b. œ œ. œ œ œ œ. œ œ. Œ. œ œ œ. . œ. œ. œ. œ œ œ œ r œ. œ. œ. œ. Alysson Melo. alegre. A b.

ENQUANTO EU VIVER. ? b b b b b. œ œ œ. j œ. & b b b b b. œ œ. œ œ œ œ. œ œ. Œ. œ œ œ. . œ. œ. œ. œ œ œ œ r œ. œ. œ. œ. Alysson Melo. alegre. A b. ENQUNTO EU VIVER lysson Melo alegre 6 6 6 Gb Gb Gb Gb 6 Œ Œ Œ Em quan to Œ - eu vi - ver - lou-va-rei - - Teu no me Œ na da me im Œ r r Copyright 200 de Ministério Jovem UCB 2 ENQUNTO EU VIVER 14 14 pe

Leia mais

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS PNV 292 Atos das mulheres Tea Frigerio São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970 São Leopoldo/RS Fone: (51) 3568-2560 Fax:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA

CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA Cláudo José Martns a, Tago A. Soares b e Alberto Ortgão b a Federal Centre for Technologcal Educaton of Mnas Geras, Department

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2015.2 NOTURNO 2 ºS E M E STRE - NOTURNO - TURMA A

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2015.2 NOTURNO 2 ºS E M E STRE - NOTURNO - TURMA A CURSO DE ARQUTETURA E URBANSMO NOTURNO 2 ºS E M E STRE - NOTURNO - TURMA A PLÁSTCA HSTÓRA TOPOGRAFA 13H30 14H20 PLÁSTCA HSTÓRA TOPOGRAFA 14H20 15H10 DES. ARQ. PLÁSTCA DES. ARQ. NT.COMPUT. 15H20 16H10 ESTUDOS

Leia mais

SE QUE ELE ME CONDUZ. Refrões orantes. Padre Valdecir Ferreira

SE QUE ELE ME CONDUZ. Refrões orantes. Padre Valdecir Ferreira SE QUE ELE ME CONDUZ Refrões orantes Padre Valdecir Ferreira »»»» AMANHECEU Inspirado em Elisabete da Trindade Solo: Pe. Valdecir & # G G 6 8 Œ.. Œ. 5 + B b dim {.. A ma nhe ceu! & # Am Œ.. D Am. D D.

Leia mais

Sistema web para o gerenciamento de escolas de idiomas

Sistema web para o gerenciamento de escolas de idiomas Sistema web para o gerenciamento de escolas de idiomas NTERATVDADE - MOBLDADE - AGLDADE - SEGURANÇA Sistema web para o gerenciamento de escolas de idiomas Controle todos os setores da sua instituição pela

Leia mais

ESTRUTURA DA CARREIRA TÉCNICA UNIVERSITÁRIA ANEXO I DA LEI Nº.????????? CARGO CLASSE REQUISITO MÍNIMO DE ESCOLARIDADE PARA INGRESSO ESPECIALIZAÇÃO

ESTRUTURA DA CARREIRA TÉCNICA UNIVERSITÁRIA ANEXO I DA LEI Nº.????????? CARGO CLASSE REQUISITO MÍNIMO DE ESCOLARIDADE PARA INGRESSO ESPECIALIZAÇÃO ESTRUTURA DA CARRERA TÉCNCA UNVERSTÁRA ANEXO DA LE Nº.????????? REQUSTO MÍNMO DE ESCOLARDADE PARA NGRESSO UNVERSTÁRO DE NÍVEL SUPEROR ESPECALZAÇÃO GRADUAÇÃO UNVERSTÁRO DE NÍVEL MÉDO PROFSSONALZANTE / PÓS

Leia mais

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira RELATÓRION0 /2012 de Projeto Período: / / pág.o/o/ Contrapartda Não-Rnancera Projeto: Sala de stuação para montoramento hdrológco e sstema de prevsão e alerta de cheas com estação lnmétrca para o muncípo

Leia mais

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Capacitores. Prof. Ernesto F. F. Ramírez apactores Prof. Ernesto F. F. Sumáro 1. Introdução 2. apactores 3. lassfcações de capactores 4. Especfcação de capactores 5. Assocação de capactores 6. Exercícos propostos Slde 2 1. Introdução apactor

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Correção da Unicamp ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da Unicamp ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da Unicamp 010 ª fase - Matemática 13.01.010 UNIAMP 010 - MATEMÁTIA 1. Uma confeitaria produz dois tipos de bo los de fes ta. ada quilograma do bolo do tipo A consome 0, kg de açúcar e 0, kg de farinha.

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais