COLÉGIO PRESBITERIANO MACKENZIE-BRASÍLIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLÉGIO PRESBITERIANO MACKENZIE-BRASÍLIA"

Transcrição

1 COLÉGIO PRESBITERIANO MACKENZIE-BRASÍLIA REGIMENTO ESCOLAR COLÉGIO PRESBITERIANO MACKENZIE-BRASÍLIA BRASÍLIA-DF SUMÁRIO

2 2 TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO II DOS FINS E OBJETIVOS CAPÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA SEÇÃO I DA CONSTITUIÇÃO SEÇÃO II DA DIREÇÃO SEÇÃO III DA SECRETARIA SEÇÃO IV DOS SERVIÇOS ESPECIALIZADOS E DE APOIO SUBSEÇÃO I DOS SERVIÇOS TÉCNICO-PEDAGÓGICOS SUBSEÇÃO II DOS SERVIÇOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS E DE APOIO TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA VIDA ESCOLAR CAPÍTULO I DOS NÍVEIS, DAS ETAPAS E MODALIDADES DE ENSINO SEÇÃO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL SEÇÃO II DO ENSINO FUNDAMENTAL SEÇÃO III DO ENSINO MÉDIO CAPÍTULO II DOS FINS E OBJETIVOS DOS NÍVEIS, DAS ETAPAS E MODALIDADES DE

3 3 ENSINO SEÇÃO I DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSEÇÃO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL SUBSEÇÃO II DO ENSINO FUNDAMENTAL SUBSEÇÃO III DO ENSINO MÉDIO CAPÍTULO III DO CURRÍCULO SEÇÃO I DA PROPOSTA PEDAGÓGICA SUBSEÇÃO I DO PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO CAPÍTULO IV DA AVALIAÇÃO E DA VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR E DA PROMOÇÃO SEÇÃO I DA AVALIAÇÃO SUBSEÇÃO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL SUBSEÇÃO II DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO SEÇÃO II DA RECUPERAÇÃO SEÇÃO III DO APROVEITAMENTO E DA ADAPTAÇÃO DE ESTUDOS SUBSEÇÃO I DA PROGREÇÃO PARCIAL SUBSEÇÃO II DO AVANÇO DE ESTUDOS SEÇÃO IV DA SELEÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DELIVROS E OUTROS MATERIAIS DE

4 4 ENSINO TÍTULO III DO REGIME ESCOLAR CAPÍTULO I DO ANO E/OU SEMESTRE LETIVOS E CARGA HORÁRIA CAPÍTULO II DA MATRÍCULA SEÇÃO I DA TRANSFERÊNCIA CAPÍTULO III DA EXPEDIÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS TÍTULO IV DOS PARTICIPANTES DO PROCESSO EDUCATIVO CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO DO CORPO DOCENTE CAPÍTULO II DO CONSELHO COORDENADOR E CONSELHO DE CLASSE CAPÍTULO III DA CONSTITUIÇÃO DO CORPO DISCENTE SEÇÃO I DOS DIREITOS E DEVERES DO ALUNO CAPÍTULO IV DOS PADRÕES DE DESEMPENHO CAPÍTULO V DO REGIME DISCIPLINAR TÍTULO V DA ASSISTÊNCIA AO EDUCANDO TÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS TÍTULO I

5 5 DA ORGANIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º. O Colégio Presbiteriano Mackenzie-Brasília, fundado em 7 de fevereiro de 1996, está localizado no SHI/Sul QI 05 Chácara 74, Brasília-DF. Parágrafo único. O Colégio Presbiteriano Mackenzie-Brasília será denominado, no decorrer deste Regimento, por Colégio. Art. 2º. O Colégio é mantido pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie, fundado em 1870, de finalidade educacional, sem fins lucrativos, com sede na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, à Rua Itambé nº 45, Bairro de Higienópolis, subdistrito de Vila Buarque e foro em São Paulo, registrado sob o nº , página 964 do Livro A-2, em 15 de agosto de 1978, tendo a última alteração do seu Estatuto protocolada e registrada, em 27 de abril de 2000, no 4º Registro de Títulos e Documentos da Comarca de São Paulo, sob o nº do livro A do Registro de Pessoas Jurídicas. CAPÍTULO II DOS FINS E OBJETIVOS Art. 3º. O Colégio, em harmonia com o espírito cristão de seus fundadores, missionários presbiterianos, convictos dos benefícios da educação na melhoria das condições sociais do povo, tem por finalidade manter em ambiente cristão toda a prática pedagógica da Educação Básica que compreende a Educação Infantil, o Ensino Fundamental e Médio e possibilitar, sem distinção de raça, sexo ou crença, às pessoas que o procuram o acesso à instrução, à educação e à cultura. Art. 4º. O Colégio, em consonância com a legislação vigente, tem por objetivo: I. estimular o espírito de cooperação, desprendimento, autodisciplina e civismo necessários à formação integral do ser; II. desenvolver a capacidade de assumir suas responsabilidades e de exercer seus direitos e deveres para a participação consciente na sociedade; III. estimular o conhecimento de suas próprias aptidões, visando às suas possibilidades vocacionais, à orientação e à preparação para o trabalho; IV. promover conhecimentos, habilidades e atitudes necessários tanto ao prosseguimento de estudos como à sua participação atual e futura na sociedade; V. oferecer atividades que desenvolvam a criatividade, o espírito crítico e o senso ético e estético;

6 6 VI. homem; VII. cidadania. estimular o respeito à dignidade e à liberdade fundamental do assegurar base cultural comum e indispensável ao exercício da CAPÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA SEÇÃO I DA CONSTITUIÇÃO I Direção; II Secretaria; III Serviços Técnico-Pedagógicos; IV Serviços Técnico-Administrativos e de Apoio. SEÇÃO II DA DIREÇÃO Art. 5º. A Direção, sob a responsabilidade de um Diretor, profissional habilitado nos termos da legislação vigente, é o órgão técnico responsável pelo planejamento, coordenação e avaliação das atividades didático-pedagógicas e administrativas do Colégio. Parágrafo único. Em caso de impedimento ou ausência, o Diretor é substituído por profissional, legalmente habilitado, indicado aos órgãos competentes pela Entidade Mantenedora. Art. 6º. São atribuições do Diretor: I. cumprir e fazer cumprir as determinações deste Regimento; II. supervisionar os atos escolares referentes ao ensino, aos serviços auxiliares e à ordem disciplinar no Colégio e responder por eles perante a comunidade e as autoridades competentes; III. apresentar relatório anual das atividades do Colégio à Entidade Mantenedora; IV. receber, informar, despachar e assinar documentos, assim como dar a estes o adequado encaminhamento; V. interpretar e assegurar o cumprimento das leis, decretos-lei, decretos, regulamentos, instruções, portarias, circulares e demais atos pertinentes à legislação de ensino em vigor; VI. estimular o aperfeiçoamento dos recursos humanos do Colégio para o aprimoramento do processo ensino-aprendizagem;

7 7 VII. coordenar a elaboração e garantir a execução da Proposta pedagógica; VIII. deferir ou indeferir pedidos de matrícula e transferência de estudantes, conforme legislação pertinente; IX. assinar, com o Secretário Escolar, documentos relativos à vida escolar dos estudantes; X. atribuir classes, turmas, horas-aula aos professores do Colégio; XI. propor à Entidade Mantenedora contratação, substituição ou dispensa de qualquer funcionário do Colégio; XII. convocar e presidir reuniões com os funcionários; XIII. avaliar o desempenho dos funcionários do Colégio; XIV. presidir reuniões para analisar as propostas encaminhadas pelo Conselho de Classe ou pelo Conselho Coordenador, sobre a aplicação de medidas socioeducativas aos estudantes; XV. definir, de acordo com as necessidades do Colégio, o horário de trabalho dos Professores e dos Auxiliares Administrativos para melhor atendimento aos estudantes e pais; XVI. desempenhar outras tarefas afins que estejam dentro de sua área de competência; XVII. elaborar orçamento anual. SEÇÃO III DA SECRETARIA Art. 7º. A Secretaria de Ingresso e Controle, tendo como responsável um Secretário Escolar, profissional legalmente habilitado ou autorizado pelo órgão competente, é o setor encarregado da execução de atividades de expediente, escrituração escolar e arquivo. Parágrafo único. O Secretário Escolar, em sua ausência é substituído por profissional legalmente habilitado indicado pela Direção, ou autorizado pelo órgão competente. Art. 8º. São atribuições do Secretário Escolar: I. cumprir e fazer cumprir as determinações do Diretor; II. proceder e verificar todo o processo de ingresso de estudantes, transferências e cancelamento de matrículas, bem como o registro dos fatos escolares, lavrando e subscrevendo-os em atas; III. redigir, assinar e expedir, juntamente com o Diretor, toda a documentação oficial do Colégio; IV. manter atualizado e organizado o serviço de escrituração escolar e arquivo; V. organizar o arquivo inativo, gerenciando documentos, papéis e livros encerrados, de acordo com a legislação; VI. comunicar ao Diretor qualquer irregularidade verificada nos livros e documentos referentes aos Corpos Docente e Discente;

8 8 VII. preparar relatórios, mapas de freqüência, estatísticas e questionários exigidos pela legislação pertinente e pelo Diretor; VIII. encaminhar aos Coordenadores, no início de cada trimestre, os diários de classe atualizados; IX. encaminhar, ao final de cada trimestre, aos Coordenadores o boletim escolar atualizado; X. instruir as Coordenadorias quanto aos procedimentos que dizem respeito ao controle acadêmico; XI. organizar a distribuição dos estudantes em turmas, segundo os critérios determinados pelo Diretor e preparar as respectivas listas de chamada; XII. responder pela regularidade e autenticidade dos registros da vida escolar dos estudantes; XIII. incinerar, por determinação do Diretor, os documentos escolares, após o devido registro em livro próprio e de acordo com a legislação pertinente; XIV. conhecer, cumprir e fazer cumprir a legislação referente ao ensino, na sua área de atuação; XV. instruir processos sobre assuntos pertinentes à Secretaria de Ingresso e Controle; XVI. apresentar relatório anual das atividades realizadas à Direção; XVII. avaliar o desempenho de seus subordinados; XVIII. elaborar orçamento anual; XIX. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. SEÇÃO IV DOS SERVIÇOS ESPECIALIZADOS E DE APOIO SUBSEÇÃO I DOS SERVIÇOS TÉCNICO-PEDAGÓGICOS Art. 9º. Os Serviços Técnico-Pedagógicos têm por finalidade planejar, orientar, acompanhar e avaliar as atividades didático-pedagógicas e os recursos materiais, a fim de apoiar o Corpo Docente no desempenho de suas funções, para o aprimoramento do processo ensino-aprendizagem. Art. 10. Os Serviços Técnico-Pedagógicos são: I. Serviço de Coordenadoria Pedagógica; II. Serviço de Coordenadoria da Educação Básica; III. Serviço de Coordenadoria de Curso; IV. Serviço de Orientação Educacional; V. Serviço de Coordenadoria de Informática Educacional; VI. Serviço de Biblioteca; VII. Serviço de Capelania; VIII. Serviço do Centro de Apoio Técnico da Cidadania e Cultura; IX. Serviço de Laboratórios.

9 9 Art. 11. O Serviço de Coordenadoria Pedagógica, subordinado a Direção, sob a responsabilidade de um profissional qualificado, tem por objetivo planejar, orientar e avaliar as atividades didático-pedagógicas, visando a unidade e a qualidade do processo ensino-aprendizagem. Art. 12. São atribuições da Coordenadoria Pedagógica: I. cumprir e fazer cumprir as determinações deste Regimento; II. acompanhar o planejamento e execução de atividades e projetos, bem como da Proposta Pedagógica do Colégio, visando sempre à melhoria de qualidade do ensino; III. zelar pela elaboração, aprovação e cumprimento do calendário escolar e dos planos de trabalho do Corpo Docente; IV. acompanhar, junto com os demais Coordenadores, o desempenho escolar e a freqüência dos estudantes; V. sugerir estratégias e prover meios para a melhoria do desempenho acadêmico dos estudantes; VI. atender estudantes, seus pais e/ou responsáveis legais, sempre que necessário e interagir com a comunidade escolar, criando vínculos de integração da sociedade com o Colégio; VII. coordenar a elaboração, a aplicação, a apuração, a análise e a interpretação dos resultados dos instrumentos de avaliação; VIII. planejar e coordenar reuniões pedagógicas sistemáticas com o Corpo Docente; IX. supervisionar as práticas educativas, os eventos e as atividades extraclasse do Colégio; X. auxiliar os Coordenadores de Curso e de áreas específicas, bem como os Professores, no planejamento e na execução das atividades docentes; XI. zelar pelo ambiente de cooperação salutar, de integração e de agradável convivência entre Estudantes, Professores, Coordenadores e Equipe de Apoio, visando sempre à excelência dos serviços prestados pelo Colégio; XII. acompanhar e avaliar materiais didáticos e paradidáticos, listas de materiais e instrumentos de avaliação, para que se ajustem ao Projeto Pedagógico da Instituição; XIII. manter atualizados os estudos comparativos da avaliação escolar, considerando o desempenho dos estudantes; XIV. colaborar com a produção de materiais didáticos e pedagógicos complementares, sempre que necessário; XV. apresentar relatório de suas atividades; XVI. ministrar cursos para a capacitação do Corpo Docente do Colégio; XVII. ministrar aulas, quando necessário, conforme documento que lhe autoriza a função; XVIII. manter vínculo empregatício exclusivo com o Colégio; XIX. participar da elaboração do boletim informativo; XX. participar dos eventos escolares; XXI. acompanhar, no portal do Colégio na internet, os registros realizados pelos Professores, relativos às atividades desenvolvidas e às avaliações aplicadas; XXII. participar da elaboração do boletem informativo;

10 10 XXIII. XXIV. XXV. representar o Colégio, quando solicitado, em solenidades; elaborar orçamento anual; exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 13. As Coordenadorias da Educação Básica, órgãos de suporte da Direção, têm por finalidade acompanhar a execução da Proposta Pedagógica e a aplicabilidade dos serviços técnico-pedagógicos para que haja bom aproveitamento dos recursos materiais nas atividades escolares, conforme as etapas da Educação Básica, a seguir: a) Educação Infantil; b) Ensino Fundamental Séries Iniciais; c) Ensino Fundamental Séries Finais; d) Ensino Médio. Art. 14. São atribuições das Coordenadorias de Cursos da Educação Básica: I. cumprir e fazer cumprir as determinações do Regimento Escolar e dos regulamentos internos do Colégio; II. colaborar na elaboração do horário das aulas; III. acompanhar e incentivar o trabalho dos professores; IV. propiciar aos professores e estudantes boas condições didáticopedagógicas e administrativas de trabalho; V. acompanhar e participar de todas as atividades escolares; VI. fixar datas e horários para as provas; VII. favorecer as relações humanas no Colégio e zelar por um clima de compreensão e boa vontade; VIII. analisar, junto com os Professores, os instrumentos de avaliação; IX. zelar pela ordem disciplinar no Colégio; X. aplicar sanções disciplinares respaldadas pela Direção; XI. zelar pelo patrimônio do Colégio na sua área de responsabilidade; XII. analisar solicitações de revisão de resultados de avaliações; XIII. convocar reuniões com os seus Colaboradores para tratar de assuntos pertinentes à sua área; XIV. registrar a freqüência dos professores; XV. encaminhar ao Diretor as informações necessárias à elaboração das folhas de pagamento dos Professores, bem como as suas alterações; XVI. apresentar relatório das suas atividades; XVII. acompanhar os processos pedagógicos de avaliação e recuperação; XVIII. acompanhar as atividades dos Coordenadores de cada área do conhecimento; XIX. supervisionar o preenchimento dos diários de classe; XX. avaliar o desempenho dos profissionais subordinados ao setor; XXI. participar dos Conselhos de Classes; XXII. ministrar cursos para capacitação do Corpo Docente do Colégio; XXIII. responder pelos materiais, equipamentos e patrimônio do setor; XXIV. promover reuniões de Pais e Educadores; XXV. participar do boletim informativo;

11 11 XXVI. divulgar, no portal do Colégio na internet, a Agenda de Eventos e a Agenda do Estudante; XXVII. manter os murais do Colégio atualizados com as produções dos estudantes; XXVIII. elaborar orçamento anual; XXIX. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 15. O serviço de Coordenadoria de Área tem a finalidade de assistir o Corpo Docente na elaboração das diretrizes básicas quanto à organização curricular do Colégio, assim divididas: Língua Portuguesa, Matemática, Língua Estrangeira, Artes, Ciências e Saúde, Ciências Sociais e Ensino Religioso e Educação Física. Art. 16. São atribuições do Coordenador de Área da Educação Básica: I. analisar o material didático; II. supervisionar a elaboração dos instrumentos de avaliação; III. acompanhar a rotina pedagógica das respectivias equipes; IV. emitir pareceres pedagógicos; V. avaliar o processo educacional; VI. auxiliar as Coordenadorias de Cursos no atendimento às demandas pedagógicas. Art. 17. O Serviço de Orientação Educacional, sob a responsabilidade de um profissional legalmente habilitado, tem por objetivo proporcionar condições para o desenvolvimento integral e harmônico do estudante, promovendo seu ajustamento ao Colégio, à família e à comunidade. Art. 18. São atribuições do Orientador Educacional: I. cumprir e fazer cumprir as determinações deste Regimento; II. elaborar, planejar, implantar e implementar atividades sociais e culturais; III. orientar e coordenar o processo de sondagem de interesses, aptidões e habilidades do educando IV. orientar e coordenar o processo de sondagem de interesses, aptidões e habilidades do educando; V. orientar o Educando, integrando-o ao processo educativo global, para a escolha consciente de seus estudos subseqüentes e da profissão a seguir; VI. proceder a levantamentos e estudos, visando ao desenvolvimento de ações direcionadas aos Estudantes com problemas escolares, e, quando for o caso, encaminhá-los aos serviços especializados; VII. fornecer ao Corpo Docente informações que lhe permitam um melhor conhecimento de seus estudantes, para uma atuação eficiente e eficaz; VIII. participar dos Conselhos de Classe e apresentar subsídios que possibilitem uma interpretação mais precisa do processo de aprendizagem e formação do estudante; IX. realizar cursos, conferências, palestras e reuniões, na sua área de atuação, para Pais, Professores e Estudantes;

12 12 X. oferecer sugestões técnicas à Direção e às Coordenadorias; XI. preparar as turmas para eleição de seus representantes; XII. participar do planejamento e da programação das atividades do Colégio; XIII. acompanhar e assistir os Estudantes, a fim de melhorar a produtividade deste no processo educativo; XIV. apresentar relatório anual das atividades desenvolvidas; XV. realizar trabalhos em sala, para a socialização e adaptação de qualquer Estudante; XVI. acompanhar os Estudantes em atividades extraclasse; XVII. desenvolver projetos de transição; XVIII. realizar atendimentos aos Estudantes e/ou ao Pais; XIX. representar o Colégio em eventos; XX. elaborar o boletim informativo; XXI. manter atualizada a página no portal do Colégio na internet; XXII. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 19. A Informática Educacional, órgão de suporte à Direção, é responsável pela coordenação e pelo acompanhamento das atividades curriculares de cunho didático-pedagógico na utilização dos recursos tecnológicos. Art. 20. São atribuições do Coordenador de Informática Educacional: I. cumprir e fazer cumprir as determinações deste Regimento; II. auxiliar a Diretoria do Colégio no planejamento e na execução de propostas, atividades e projetos relacionados à informática educacional; III. colaborar na capacitação das Equipes Técnicas e dos Professores, para a utilização adequada dos programas e equipamentos de informática como ferramenta pedagógica necessária; IV. participar de reuniões diversas e auxiliar na organização destas; V. analisar planos e projetos pedagógicos dos Professores, adequando-os aos programas e recursos tecnológicos aplicáveis à informática educacional; VI. participar de cursos, seminários, palestras, visando à constante atualização dos programas e equipamentos tecnológicos; VII. participar das reuniões de pais e mestres; VIII. manter e atualizar o portal do Colégio e os serviços a ele relacionados; IX. incentivar a exploração da informática educacional na rotina pedagógica do Colégio e contribuir para que ela ocorra; X. promover exposições de atividades e projetos desenvolvidos; XI. controlar a manutenção dos programas, das máquinas e das instalações utilizadas; XII. gerenciar os horários para a melhor utilização dos equipamentos e laboratórios; XIII. fornecer relatórios periódicos das atividades desenvolvidas; XIV. dar suporte aos Funcionários quando houver necessidade do uso da informática em qualquer evento do Colégio; XV. trabalhar de forma integrada com as demais Coordenações;

13 13 XVI. XVII. XVIII. representar o Colégio em eventos internos e externos; elaborar orçamento anual; exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 21. A Biblioteca Escolar é um órgão de suporte ao desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem, constituindo-se em centro de leitura, orientação e pesquisa acessível a toda a comunidade escolar, sob a responsabilidade de um Bibliotecário devidamente habilitado, com apoio de funcionários auxiliares. Art. 22. São atribuições do Bibliotecário: I. cumprir e fazer cumprir as determinações deste Regimento; II. elaborar e executar a programação das atividades das Bibliotecas, de forma integrada com as Coordenações; III. incentivar e orientar as consultas; IV. zelar pelo acervo bibliográfico, mantendo-o em elevado padrão de organização; V. proporcionar aos usuários um ambiente de tranqüilidade que favoreça sua permanência no recinto; VI. controlar e avaliar as atividades programadas; VII. assegurar a adequada organização e funcionamento da Biblioteca; VIII. propor a aquisição de livros didáticos, culturais, científicos, bem como de periódicos, diversificando o acervo; IX. manter intercâmbio com Bibliotecas e Centros de Documentação para atualização, divulgação e aquisição de acervo bibliográfico; X. divulgar, periodicamente, no âmbito do Colégio, o acervo bibliográfico existente; XI. elaborar o inventário anual do acervo; XII. apresentar relatório anual das atividades desenvolvidas; XIII. planejar e realizar a Feira do Livro do Colégio; XIV. pesquisar oportunidades de inserir nossos estudantes em concursos ou eventos culturais; XV. estimular, orientar e capacitar os auxiliares das bibliotecas; XVI. divulgar e sugerir obras literárias; XVII. elaborar orçamento anual; XVIII. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 23. A Capelania é de responsabilidade de um pastor presbiteriano e visa a prestar assistência espiritual, religiosa e ética aos estudantes, aos funcionários e aos familiares. Art. 24. São atribuições da Capelania: I. cumprir e fazer cumprir as determinações deste Regimento; II. responder, pela Instituição, por todos os assuntos espirituais, religiosos e éticos por meio de pronunciamentos verbais e escritos;

14 14 III. contribuir para a propagação do Evangelho e conhecimento bíblico, por meio da distribuição de Bíblias, da realização de momentos devocionais, da utilização de recursos audiovisuais, cênicos e musicais, de gincanas, de pregação, de oração e de louvores; IV. contribuir com informações e sugestões de assuntos espirituais, religiosos e éticos em reuniões do Conselho Coordenador; V. coordenar as iniciativas de ensino religioso, espirituais e éticas do Colégio e sugerir planos de ação; VI. emitir pareceres para a elucidação de conflitos doutrinários e teológicos das aulas, dos materiais didáticos e da literatura indicada; VII. analisar os temas propostos nas apresentações teatrais, nas aulas e nos debates; VIII. desenvolver projetos sociais em parceria com as Coordenações; IX. auxiliar as Ccoordenações no atendimento ao Clube Bíblico, bem como aos pais e aos estudantes; X. assistir, junto com o Serviço Social, os funcionários da Instituição; XI. participar na elaboração dos projetos pedagógicos para salvaguardar a identidade confessional do Colégio, vetando qualquer atividade ou material que deponha contra a identidade confessional; XII. supervisionar a elaboração da proposta curricular relativa ao componente curricular de Ensino Religioso e Ética e coordenar as ações dos educadores da área; XIII. representar o Colégio em eventos sociais, culturais ou fúnebres; XIV. visitar estudantes ou funcionários afastados por motivo de doenças; XV. supervisionar o Clube Bíblico, cujas atividades são desenvolvidas pelos próprios estudantes, no horário do recreio, e cuja proposta é a reflexão sobre temas pertinentes à realidade do adolescente, visando à formação do caráter baseada nos valores e princípios bíblico-cristãos. XVI. elaborar orçamento anual. Art. 25. O Centro de Apoio Técnico da Cidadania e Cultura, sob a responsabilidade de um funcionário designado e supervisionado pelo Diretor, desenvolve atividades que promovem a integração da comunidade escolar, com ênfase em valores éticos, morais, cívicos, culturais e de cidadania. Art. 26. São atribuições do Centro de Apoio Técnico da Cidadania e Cultura: I. elaborar, planejar e coordenar as atividades comemorativas, em conjunto com as Coordenadorias e a Diretoria; II. estimular, coordenar, supervisionar e orientar as programações culturais, cívicas, esportivas de lazer; III. propor à Diretoria encontros e palestras para os Funcionários; IV. apresentar relatório periódico das atividades desenvolvidas; V. gerenciar a agenda de utilização do auditório; VI. pesquisar eventos culturais e estimular os Coordenadores a inscreverem os Estudantes; VII. planejar, juntamente com as Coordenadorias, eventos culturais; VIII. exercer o papel de cerimonialista nos eventos escolares;

15 15 IX. planejar, juntamente com a Diretoria e as Coordenadorias, os diversos eventos de formatura; X. divulgar o nome do Colégio na cidade; XI. propor à Diretoria intercâmbios culturais; XII. zelar pela conservação dos materiais utilizados nas festividades do Colégio; XIII. elaborar orçamento anual; XIV. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 27. Os laboratórios são espaços voltados para a pesquisa científica, sob a responsabilidade de um profissional devidamente habilitado e indicado pela Direção. Parágrafo único. O responsável técnico pelos laboratórios contará com laboratorista e auxiliares. Art. 28. São atribuições do Laboratorista: I. cumprir e fazer cumprir as determinações deste Regimento; II. inventariar o material existente nos laboratórios; III. manter os instrumentos em condições de uso constante, visando ao seu perfeito funcionamento e ao cumprimento das finalidades educacionais; IV. sugerir a compra de novos instrumentos para a melhoria constante da qualidade dos trabalhos desenvolvidos nos laboratórios; V. solicitar material para a realização de pesquisas e projetos; VI. auxiliar o responsável técnico na elaboração do orçamento anual. VII. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. SUBSEÇÃO II DOS SERVIÇOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS E DE APOIO Art. 29. Os Serviços Técnico-Administrativos têm por finalidade o planejamento, a organização, a execução e o controle das operações econômico-financeiras e de informática, a administração de recursos humanos do Colégio, além da responsabilidade de zelar pela segurança e pela conservação do patrimônio institucional. Art. 30. Os Serviços Técnico-Administrativos e de Apoio são: I. Supervisão Administrativa; II. Departamento Financeiro; III. Departamento de Recursos Humanos; IV. Divisão de Tecnologia da Informação; V. Centro de Radio e Televisão. Art. 31. A Supervisão Administrativa, sob a responsabilidade de profissional qualificado, é responsável pelo acompanhamento das atividades

16 16 administrativas e de suporte ao Colégio, executadas pelos setores de Manutenção, de Segurança e Vigilância, de Recursos Humanos, de Controle Financeiro, de Tecnologia da Informação, de Rádio e Televisão e demais serviços administrativos. Art. 32. São atribuições do Supervisor Administrativo: I. cumprir e fazer cumprir as determinações deste Regimento; II. zelar pela guarda e conservação do patrimônio do Colégio; III. organizar e supervisionar os serviços gerais administrativos; IV. garantir o fluxo adequado do suprimento dos materiais, mediante o acompanhamento e avaliação periódica do comportamento econômico e financeiro do local; V. supervisionar a aquisição de bens e a contratação de serviços, quanto à vigência e à execução, contribuindo para redução dos custos operacionais envolvidos; VI. planejar, organizar e supervisionar os serviços de almoxarifado, transporte, informática, recursos humanos, medicina e segurança do trabalho, segurança patrimonial, limpeza e manutenção; VII. propor programa de treinamento com a área de recursos humanos; VIII. auxiliar nos eventos sociais e pedagógicos; IX. administrar os casos de inadimplência; X. representar a Diretoria do Colégio em eventos diversos; XI. supervisionar as atividades dos funcionários subordinados; XII. supervisionar a cessão de uso e a locação de bens patrimoniais e serviços do Colégio; XIII. elaborar o orçamento anual; XIV. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 33. O Setor Financeiro, subordinado à Supervisão Administrativa, cuida dos fatos econômico-administrativos do Colégio, no que se refere ao gerenciamento das mensalidades e aos pagamentos de serviços prestados. Art. 34. São atribuições do Setor Financeiro: I. assessorar as atividades da tesouraria e contabilidade; II. controlar e executar as atividades contábeis; III. estabelecer diretrizes e normas específicas, de acordo com a legislação vigente; IV. escriturar e manter atualizados os livros fiscais e contábeis exigidos pela legislação pertinente; V. apresentar balancetes, demonstrativos financeiros, balanços patrimoniais e relatórios periódicos; VI. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 35. O Setor de Recursos Humanos, subordinado à Supervisão Administrativa, é encarregado das relações individuais e coletivas de trabalho de todo o pessoal do Colégio. Art. 36. São atribuições do Setor de Recursos Humanos:

17 17 I. realizar e controlar as atividades de contratação e demissão dos funcionários; II. zelar pela aplicação, no que couber, da legislação trabalhista pertinente; III. cumprir as normas internas de funcionamento delegadas pela Entidade Mantenedora; IV. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 37. A Divisão de Tecnologia da Informação, subordinada à Supervisão Administrativa, coordena atividades pertinentes ao processamento de dados. Art. 38. São atribuições do Setor de Divisão de Tecnologia da Informação: I. efetuar levantamento junto à Secretaria de Ingresso e Controle para estabelecer as necessidades de automatização dos serviços; II. desenvolver sistemas para a execução de trabalhos em computador; III. estabelecer rotinas para utilização dos trabalhos automatizados; IV. executar programas referentes a trabalhos automatizados de controle da vida escolar dos estudantes, emissão de documentos e levantamentos estatísticos; V. assessorar a Secretaria de Ingresso e Controle (SIC); VI. prestar assistência técnica às diversas áreas pedagógicas quanto ao desenvolvimento de programas de computadores, como também orientação para a aquisição de equipamentos e sistemas; VII. elaborar gráficos e tabelas; VIII. programar leitura de cartões magnéticos, quando utilizados em avaliações aplicadas aos Estudantes; IX. propor programas que ofereçam melhoria na qualidade dos serviços prestados à comunidade; X. auxiliar o Corpo Docente e o Conselho Coordenador na utilização de recursos de informática nos eventos, reuniões, palestras e festividades; XI. manter o arquivo para correspondência eletrônica do Colégio atualizado; XII. auxiliar nos eventos Sociais e Culturais; XIII. planejar e incrementar programas de treinamento na área; XIV. apresentar relatório anual das atividades desenvolvidas; XV. elaborar orçamento anual; XVI. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 39. O Centro de Rádio e Televisão oferece suporte técnico para a utilização dos serviços eletrônicos de comunicação do Colégio. Art. 40. São atribuições do Centro de Rádio e Televisão: I. prestar assessoria técnica e orientação aos usuários dos equipamentos de áudio e vídeo;

18 18 II. participar e colaborar para a realização dos eventos festivos do Colégio, no que concerne à sua área de atuação; III. zelar pela conservação dos equipamentos; IV. atender o Corpo Docente em suas atividades; V. apresentar relatórios; VI. sugerir a aquisição de equipamentos e materiais; VII. elaborar orçamento anual; VIII. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 41. Os Serviços de Apoio têm por finalidade zelar pela ordem, limpeza, conservação, disciplina e segurança do Colégio e são executados pelos seguintes funcionários: I Segurança Patrimonial; II Vigilante Escolar; III Auxiliar Educacional; IV Auxiliar Administrativo; V Auxiliar de Controle Acadêmico; VI Salva-Vidas. Art. 42. O Serviço de Segurança Patrimonial fica a cargo da Entidade Mantenedora, que pode contratar pessoas ou firmas especializadas, sob a forma de prestação de serviços, para zelar pelo patrimônio institucional. Art. 43. São atribuições do Setor de Segurança Patrimonial: I. utilizar, em serviço, traje adequado à missão, estabelecido pela empresa, com logotipo, visível ou não, dando conhecimento prévio da missão às autoridades policiais estaduais da Unidades da Federação; II. freqüentar bianualmente o curso de reciclagem obrigatória; III. submeter-se anualmente ao exame de saúde física e mental, considerando que a empresa deverá providenciar, às suas expensas, a renovação dos referidos exames; IV. preservar o patrimônio do Colégio, zelando por sua manutenção e segurança; V. controlar a vigilância e segurança do campus, solicitando a identificação das pessoas na portaria; VI. efetuar registros diversos no boletim diário de ocorrência; VII. encaminhar, com educação e serenidade, os estudantes às respectivas Coordenações e informar o motivo do encaminhamento. Art. 44. O Vigilante Escolar é responsável pela segurança da comunidade escolar nas dependências do Colégio, principalmente no que se refere ao controle de acesso a estas e à orientação do trânsito interno. Art. 45. São atribuições do Vigilante Escolar: I. cumprir as determinações do Diretor e dos Coordenadores;

19 19 II. zelar pela ordem disciplinar dos estudantes dentro do Colégio e em áreas adjacentes; III. usar de solicitude, moderação e delicadeza no trato com os Estudantes, dispensando-lhes a necessária assistência; IV. levar ao conhecimento do Coordenador ou Orientador Educacional correspondente, os casos de infração de ordem disciplinar; V. impedir a saída do Colégio de qualquer Estudante sem autorização; VI. controlar o comportamento dos Estudantes nos recreios; VII. acompanhar os Estudantes em eventos; VIII. atender os Professores em aula, quando necessário, nas solicitações de material e equipamento escolar; IX. auxiliar as Coordenadorias na realização das atividades escolares; X. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 46. O Auxiliar Educacional, sob a responsabilidade de um funcionário qualificado, presta assistência aos Corpos Discente e Docente, em todas as dependências do Colégio, à exceção da sala de aula, a não ser quando solicitado. Art. 47. São atribuições do Auxiliar Educacional: I. zelar pelo cumprimento das normas disciplinares e fiscalizar os estudantes, no que diz respeito a comportamento, uso de uniforme, atos de indisciplina, danos ao patrimônio e brigas; II. auxiliar no recolhimento de materiais esquecidos por estudantes, nas dependências do campus, encaminhando-os às Coordenadorias; III. ajudar no controle de entrada e saída de Professores e Estudantes ao início e ao término das aulas. Art. 48. O Auxiliar Administrativo assiste a Direção e as Coordenadorias em atividades de digitação, arquivo e encaminhamento de correspondências internas e externas. Art. 49. São atribuições do Auxiliar Administrativo: I. cumprir e fazer cumprir as determinações do Diretor; II. digitar, encaminhar e arquivar correspondências; III. manter atualizado e organizado o arquivo; IV. recepcionar e encaminhar aos setores competentes, Pais, Estudantes e outras pessoas que procuram o Colégio; V. prestar informações sobre o funcionamento do Colégio; VI. elaborar gráficos e estatísticas; VII. agendar atendimentos; VIII. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 50. O Auxiliar de Controle Acadêmico responde pela digitação e/ou diagramação de todos os instrumentos de avaliação e apostilas, bem como de qualquer material necessário ao serviço do Corpo Docente, das Coordenadorias ou da Direção.

20 20 Art. 51. São atribuições do Auxiliar de Controle Acadêmico: I. digitar os instrumentos de avaliação; II. auxiliar as Coordenadorias na elaboração de materiais didáticos; III. zelar pelo sigilo dos documentos digitados; IV. manter arquivadas com segurança as matrizes de toda a documentação digitada. V. exercer as demais atribuições inerentes à sua função. Art. 52. O Salva-Vidas assiste os Professores nas aulas de natação ou em qualquer atividade que envolva a utilização das piscinas do Colégio, quer seja com estudantes, quer seja funcionários. Art. 53. São atribuições do Salva-Vidas: I. garantir segurança nas áreas das piscinas, localizando, socorrendo e removendo usuários em perigo; II. aplicar método adequado para reanimação e remoção da água absorvida pelo afogado, por meio de massagens especiais e exercícios respiratórios; III. assegurar completa assistência ao afogado, providenciando sua remoção e/ou socorro médico; IV. manter seu superior imediato informado, por meio de relatórios, sobre as atividades e ocorrências diárias do setor; V. manter a forma física, com a prática diária de exercícios de natação e mergulho; VI. manter-se atualizado quanto às técnicas de salvamento, mediante treinamento em cursos específicos; VII. garantir a qualidade do material de salvamento, verificando periodicamente seu estado de conservação e, se necessário, providenciandio o reparo ou a substituição do equipamento; VIII. minimizar o perigo de intoxicação dos usuários, realizando a medição do nível de cloro (gasoso). Art. 54. É vedado a qualquer funcionário: I. envolver o nome do Colégio em manifestações contrárias à sua finalidade educativa; II. fazer proselitismo religioso ou político-partidário; III. comercializar qualquer tipo de mercadoria nas dependências do Colégio ou permitir o acesso de qualquer pessoa com essa finalidade. TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA VIDA ESCOLAR

21 21 CAPÍTULO I DOS NÍVEIS, DAS ETAPAS E MODALIDADES DE ENSINO Art. 55. O Colégio ministra a Educação Básica, em regime anual, nas seguintes etapas: I Educação Infantil; II Ensino Fundamental; III Ensino Médio. SEÇÃO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL Art. 56. A Educação Infantil, sob a responsabilidade de um Coordenador, atende estudantes com a seguinte faixa etária: I - Creche: a) Maternal I 2 anos; b) Maternal II 3 anos. II Pré-Escola: a) Pré-Escola I 4 anos; b) Pré-Escola II 5 anos. SEÇÃO II DO ENSINO FUNDAMENTAL Art. 57. O Ensino Fundamental, sob a responsabilidade de um Coordenador, atende estudantes com a seguinte faixa etária: I Regime anual ministrado em 8 (oito) séries, para estudantes que cursaram a Educação Infantil com 6 anos ou iniciaram a 1ª série do Ensino Fundamental no ano de 2005, distribuídos da seguinte forma: a) Ensino Fundamental I 1ª a 4ª série (séries iniciais); b) Ensino Fundamental II 5ª a 8ª série (séries finais). II Regime anual ministrado em 9 (nove) anos, com implantação gradativa das séries a partir do ano de 2006, para crianças que tenham 6 anos completos até 30 (trinta) de março, distribuídos da seguinte forma: a) Ensino Fundamental I do 1º ao 5º ano (anos iniciais) 6 a 10 anos progressivamente; b) Ensino Fundamental II do 6º ao 9º ano (anos finais) 11 a 14 anos progressivamente.

22 22 Parágrafo único. Do regime de que trata o inciso I será suprimida, a cada ano, subseqüentemente, uma série, até sua completa extinção. SEÇÃO III DO ENSINO MÉDIO Art. 58. O Ensino Médio, sob a responsabilidade de um Coordenador, atende a estudantes com a seguinte faixa etária: a) 1º ano 15 anos; b) 2º ano 16 anos; c) 3º ano 17 anos. CAPÍTULO II DOS FINS E OBJETIVOS DOS NÍVEIS, DAS ETAPAS E MODALIDADES DE ENSINO SEÇÃO I DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSEÇÃO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL Art. 59. São objetivos específicos da Educação Infantil: I. oferecer condições favoráveis ao desenvolvimento integral da Criança; II. proporcionar condições para que a Criança se desenvolva nas áreas do conhecimento, pensamento lógico-matemático, interação social, coordenação visuomotora, orientação espacial e esquema corporal; III. propiciar à Criança um processo de adaptação e de desenvolvimento harmonioso de sua personalidade; IV. atender às necessidades biopsicomotoras da Criança por meio de atividades programadas, estimulando sua integração ao meio ambiente; V. propiciar ao Educando a formação de valores e hábitos que lhe favoreçam a saúde e o bem-estar; VI. promover a aquisição de habilidades e competências nos níveis espiritual, físico, cognitivo, afetivo e psicomotor. SUBSEÇÃO II DO ENSINO FUNDAMENTAL

23 23 Art. 60. O Ensino Fundamental tem por objetivos específicos: I. propiciar ao Educando a aquisição dos conhecimentos fundamentais de sua cultura, visando ao desenvolvimento harmonioso de suas potencialidades nas mais diversas dimensões humanas; II. estimular a integração escola, família, comunidade e meio ambiente; III. desenvolver no Estudante a capacidade de aprender e de adquirir conhecimentos e habilidades; IV. proporcionar ao Educando um ambiente seguro, rico em estímulos que lhe favoreça a formação de conceitos básicos, ampliando gradativamente sua comunicação e integração social; V. ampliar progressivamente as relações afetivas do Estudante, desenvolvendo as habilidades de cooperação, solidariedade e respeito a si e ao outro, bem como estabelecendo vínculos e fortalecendo a auto-estima; VI. propiciar condições de aprendizagem significativa, por meio de material experimental, de modo que o Estudante desenvolva as habilidades de solucionar situações-problemas que envolvam representações numéricas e de comunicar-se de forma oral e escrita; VII. evidenciar o estudo da língua como um processo transformador das relações práticas e sociais; VIII. utilizar a linguagem oral e escrita com eficiência e eficácia, com adequação às diferentes situações de comunicação; IX. desenvolver no Educando as habilidades de criticar, analisar, refletir e questionar as diversas situações; X. desenvolver a competência do Educando no uso idioma para a solução de problemas; XI. possibilitar o acesso à produção cultural da humanidade e a participação plena no mundo letrado. SUBSEÇÃO III DO ENSINO MÉDIO Art. 61. O Ensino Médio tem por objetivos específicos: I. propiciar a formação integral do Adolescente, baseada em princípios éticos, morais e cristãos, oferecendo-lhe uma base de conhecimentos mais aprofundados que lhe permitam o adequado prosseguimento de estudos no ensino superior, em áreas condizentes com seus interesses e aptidões; II. promover a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos, relacionados com a prática; III. estimular a integração de Colégio, família e comunidade; IV. preparar o Estudante para exames vestibulares diversos. CAPÍTULO III DO CURRÍCULO

24 24 Art. 62. O Currículo para a Educação Infantil é apresentado sob a forma de Proposta Pedagógica, prevendo o desenvolvimento das atividades em consonância com as etapas evolutivas da criança. Art. 63. O desenvolvimento da Proposta apresenta-se em dois eixos formação pessoal e social que auxiliam na percepção e reconhecimento da identidade, interação com o outro, com o meio e consigo mesmo, e o conhecimento do mundo que proporciona o contato com as produções simbólicas, científicas e sociais da história da humanidade. Parágrafo único. As atividades educativas e lúdicas proporcionam articulação e integração de diversas áreas do conhecimento, permitindo à Criança expandir suas opções de explorar e ampliar as suas habilidades. Art. 64. Os Currículos dos Ensinos Fundamental e Médio têm uma Base Nacional Comum, complementada por uma Parte Diversificada, com a abordagem dos temas transversais adequados à realidade e aos interesses do Estudante, da Família, da Comunidade e às Áreas do Conhecimento, com tratamento metodológico que evidencie a interdisciplinaridade e a contextualização, sendo desenvolvido sob a forma de componentes curriculares. Art. 65. A Base Nacional Comum tem como objetivo dar ao Estudante a formação básica e conhecimentos gerais, para estudos posteriores em qualquer parte do território nacional. 1º O ensino de Arte é componente obrigatório, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos Estudantes nas seguintes linguagens: Cênicas, Visuais e Música, e permeia toda a Educação Básica. 2º Educação Física, integrada à Proposta Pedagógica do Colégio, é componente curricular da Base Nacional Comum. 3º Ensino Religioso e Ética é componente curricular obrigatório e exige avaliação e freqüência, como os demais componentes curriculares da Matriz Curricular. 4º Os instrumentos de avaliação serão desenvolvidos semanalmente, agregados aos componentes curriculares da Base Nacional Comum e da Parte Diversificada. Art. 66. A Parte Diversificada tem como objetivo ampliar o conhecimento em áreas que estimulam o desenvolvimento das habilidades e das competências dos estudantes. Art. 67. Os conteúdos curriculares da Educação Básica deverão, ainda, difundir os valores fundamentais ao interesse social, tais como direitos e deveres dos cidadãos, respeito ao bem comum e à ordem democrática, orientação para o trabalho, promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não formais.

25 25 Art. 68. O Currículo do Ensino Fundamental e Ensino Médio é oferecido de acordo com a respectiva Matriz Curricular, aprovada pelo órgão competente. SEÇÃO I DA PROPOSTA PEDAGÓGICA Art. 69. A Proposta Pedagógica da Educação Básica, que compreende a Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o Ensino Médio, é elaborada e reformulada, quando necessário, pela Diretoria do Colégio, em conjunto com o Conselho Coordenador, e tem como objetivo nortear a programação das atividades didático-pedagógicas a serem desenvolvidas, sendo submetida à aprovação do órgão próprio do sistema. Art. 70. A participação da comunidade escolar, no processo de reestruturação da Proposta Pedagógica do Colégio, dá-se de forma indireta, por meio dos diversos canais de comunicação com a equipe pedagógica da Instituição sobretudo das reuniões periódicas, em que podem ser manifestadas críticas e/ou sugestões, as quais são submetidas à apreciação da Diretoria do Colégio, juntamente com o Conselho Coordenador. Art. 71. A Proposta Pedagógica do Colégio tem como substrato os preceitos constitucionais e a legislação de ensino, de um lado, e, de outro, a organização escolar, os quais evidenciam seu caráter cristão-evangélico e lhe conferem identidade confessional em todos os níveis da Educação Básica. SUBSEÇÃO I DO PLANEJAMENTO, CONTROLE E AVALIAÇÃO Art. 72. O processo de organização, planejamento, controle e avaliação do processo educacional dar-se-á com a realização de Semana Pedagógica, no início do Ano Letivo e no retorno do recesso escolar, de reuniões de coordenação semanais por equipes, com a elaboração e reelaboração contínua dos documentos pedagógicos de planejamento e o acompanhamento sistemático das ações pedagógicas dos professores. Art. 73. A avaliação do processo educacional acontece com a análise dos dados quantitativos e qualitativos dos estudantes, aferidos ao final de cada trimestre letivo, por meio dos Conselhos de Classe, permitindo às coordenadorias de cursos e de área reoganizar as estratégias de ensino e aprendizagem, em consonância com a proposta pedagógica institucional. CAPÍTULO IV DA AVALIAÇÃO E DA VERIFICAÇÃO DO RENDIMENTO ESCOLAR E DA PROMOÇÃO

COLÉGIO PRESBITERIANO MACKENZIE BRASÍLIA REGIMENTO ESCOLAR BRASÍLIA DF

COLÉGIO PRESBITERIANO MACKENZIE BRASÍLIA REGIMENTO ESCOLAR BRASÍLIA DF COLÉGIO PRESBITERIANO MACKENZIE BRASÍLIA REGIMENTO ESCOLAR COLÉGIO PRESBITERIANO MACKENZIE BRASÍLIA BRASÍLIA DF 2 ÍNDICE TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL 04 CAPÍTULO I: Da Identificação

Leia mais

I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino;

I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino; Compete ao Secretário Escolar: I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino; II. cumprir a legislação em vigor e as instruções normativas emanadas da SEED, que regem o registro

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03

TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03 SUMÁRIO TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03 Seção I - Da Direção...03 Subseção I - Do Diretor Geral...04 Subseção II - Da

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014.

LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014. LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014. ALTERA DISPOSITIVOS CONSTANTES NA LEI Nº 3224/2011, QUE ESTABELECE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL, INSTITUI O RESPECTIVO QUADRO

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Organização Administrativa e Técnica TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA FUNCIONAL Art. 7º A organização administrativa e técnica da

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 APROVA A ALTERAÇÃO DA SIGLA DO NÚCLEO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O SEU REGIMENTO O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a seguinte CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Dispõe sobre a regulamentação e o funcionamento do Sistema de Organização Modular de Ensino SOME, no âmbito da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e dá outras Providências. Lei: A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º O Estágio Obrigatório previsto na Estrutura Curricular do Curso de Letras, Licenciatura Português/Inglês

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014

ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLA DE NEGÓCIOS ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2014 Rev.: 9 18/09/2014 CURITIBA - PR, 2014 SUMÁRIO CAPITULO I DAS ATIVIDADES... 2 CAPITULO II - DO APROVEITAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da Universidade Federal de São João del-rei PROGP- UFSJ.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da Universidade Federal de São João del-rei PROGP- UFSJ. RESOLUÇÃO N o 017, de 7 de maio de 2007. Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas PROGP. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências.

Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 06, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre: Altera disposições do Estatuto do Magistério Municipal e adota outras providências. O PREFEITO CONSTITUCIONAL DO MUNICIPIO DE PICUÍ, Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001 Dispõe sobre a criação do Sistema Integrado de Bibliotecas SIBi e aprovação do seu regulamento. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº PREX- 1785/2001,

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 2012 SGAS 913 Conjunto A - Brasília-DF - CEP: 70390-120 TELEFONE: 3346-2733 FAX: 3346-4118 E-mail: montessori@escolamontessori.com.br REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 2012 ÍNDICE Título I Da Organização

Leia mais

RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT. RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT. Fixa normas para a oferta da Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, em consonância

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 PROJETO DE LEI Nº 023, de 05 de maio de 2015 Dispõe sobre o processo de ingresso à direção das Instituições de Ensino do Municipio, estabelece a estrutura de cargos e salários dos Diretores e Vice Diretores

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS Art. 1º - As Escolas da Rede Municipal de Piraí são mantidas pela Prefeitura Municipal de Piraí e administradas pela Secretaria Municipal de Educação,

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Passo Fundo Secretaria Municipal de Educação

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Passo Fundo Secretaria Municipal de Educação PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL REGIMENTO ESCOLAR PASSO FUNDO, 2006. IDENTIFICAÇÃO Cidade: Passo Fundo SUMÁRIO I Filosofia do Estabelecimento...04

Leia mais

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 98/2012. NAEP. Dispõe sobre a criação do Núcleo de Atendimento Especializado da Rede Municipal de Ensino de Palhoça. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PALHOÇA, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular Supervisionado do da

Leia mais

ESCOLA MARIA MONTESSORI ENSINO FUNDAMENTAL

ESCOLA MARIA MONTESSORI ENSINO FUNDAMENTAL ESCOLA MARIA MONTESSORI ENSINO FUNDAMENTAL REGIMENTO ESCOLAR ESCOLA MARIA MONTESSORI Mantida pela Província Carmelitana de Santo Elias Índice Título I: Da Organização da Instituição Educacional 03 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTEGRAL CAROLINE CAMPELO CRUZ DA SILVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTEGRAL CAROLINE CAMPELO CRUZ DA SILVA 1. DO OBJETO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTEGRAL CAROLINE CAMPELO CRUZ DA SILVA EDITAL DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE PROFISSIONAIS A Secretaria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL REGIMENTO ESCOLAR PASSO FUNDO,

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL REGIMENTO ESCOLAR PASSO FUNDO, 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL REGIMENTO ESCOLAR PASSO FUNDO, 2012. IDENTIFICAÇÃO Entidade Mantenedora: Prefeitura Municipal de Passo Fundo Estabelecimento:

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA HELOÍSA MARINHO LTDA/ME

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA HELOÍSA MARINHO LTDA/ME INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA HELOÍSA MARINHO LTDA/ME SGAN 914 CONJUNTO F MÓDULO C - BRASÍLIA / DF REGIMENTO ESCOLAR BRASÍLIA / DF 2014 SUMÁRIO 2 Título I Da Organização da Instituição Educacional Capítulo

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Anexo 2 COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Salvador, abril de 2009 1 Sumário Capítulo I Das disposições preliminares... 3 Capítulo II Dos objetivos e competências...4 Capítulo

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

:: Organização Pedagógica ::

:: Organização Pedagógica :: 1. DA GESTÃO DA ESCOLA :: Organização Pedagógica :: A gestão da escola é desenvolvida de modo coletivo com a participação de todos os segmentos nas decisões e encaminhamentos, oportunizando alternância

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário.

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. FACULDADE DE PSICOLOGIA Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. Estagiário é todo aluno, regularmente matriculado,

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO LEGAL E DO HISTÓRICO

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO LEGAL E DO HISTÓRICO 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO LEGAL E DO HISTÓRICO Art. 1. O presente Regimento regulamenta a estrutura didático-pedagógica, administrativa e disciplinar da Unidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP Agosto 2007 Sumário TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO... 1 CAPÍTULO I - Da Escola

Leia mais

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO Cursos destinados a pessoas com escolaridade variável, que objetivam desenvolver competências necessárias

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais