Conhecimentos Específicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conhecimentos Específicos"

Transcrição

1 Conhecimentos Específicos 01. A ausência de dentes é um dos mais graves problemas da saúde bucal no Brasil. Atualmente, 75% dos idosos são desdentados. Entre adultos com idade de 30 a 44 anos esse índice é de 30%%. O Ministério da Saúde registra, ainda, um total de 5 mil adolescentes desdentados sem prótese na boca. Estima-se que oito milhões de pessoa precisam de prótese dentária no País. Com relação ao estabelecido através da Política Nacional de Saúde Bucal para enfrentamento do problema assinale a alternativa correta. A) Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias (LRPDs). B) Equipes de Saúde Bucal Modelo 1. C) Inserção da Odontologia no PSF. D) Incentivo à formação de Dentista Especialista. E) Estabelecimento de tabela diferenciada para confecção e colocação de próteses. 02. Tendo em vista a gama considerável de tipos de prótese dentária e sua importância no restabelecimento da estética facial e da função mastigatória, assinale a alternativa incorreta. A) A prótese dentária pode substituir dentes e gengivas. B) Segundo a capacidade de ser removidas pelo paciente as próteses se classificam em Fixas e Removíveis. C) A prótese removível pode ser Parcial e Mista. D) Depois de instalada a prótese fixa, o paciente não pode removê-la para fazer a higiene. E) As próteses de maneira geral necessitam de cuidados especiais para sua higiene, que deve ser orientada pela equipe de saúde bucal. 03. A Portaria Nº 1570/GM de 29 de junho de 2004 que estabelece critérios, normas e requisitos para a implantação e habilitação de Centros de Especialidades Odontológicas e Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias (LRPD). Quanto aos critérios para a implantação dos LRPD, assinale a alternativa correta. A) Em virtude das suas características, dispensa inscrição no Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde-CNES. B) Ser identificado como Unidade de Saúde de Serviço de Apoio Diagnóstico Terapêutico (SADT). C) Realizar, no mínimo, os serviços de prótese dentária total, prótese parcial removível e prótese para implante. D) Prestar, complementarmente, serviços a Instituições, Órgãos e Pessoas em caráter privado. E) As informações sobre os registros de procedimentos das Unidades LRPD passam a integrar um cadastro exclusivo de Informação, independente do Sistema de Informação Ambulatorial: SIA-SUS. 04. A Portaria 1750/GM /2004 no seu Art. 4º define na forma de anexo, as características e requisitos das modalidades de CEO e LRPD estabelecidas em seu artigo 1º. Sobre o requisito Equipamentos e Materiais, estabelecidos para o LRPD, assinale a alternativa incorreta. A) Forno para confecção de prótese removível. B) Centrífuga, compressor compatível com o serviço. C) Maçarico para gás butano e para oxigênio. D) Equipamento Odontológico, instrumentais compatíveis com o serviço. E) Cortador de gesso, muflas e aparelho de microondas. 05. A Lei de 5 de novembro de 1979 dispõe sobre a profissão de Técnico em Prótese Dentária, em todo território nacional. Assinale a alternativa correta para o que é estabelecido como exigência para o exercício da profissão. A) Habilitação profissional, em nível de 2º grau, no Curso de Prótese Dentária. B) A exigência da habilitação profissional inclusive, aos que à data da publicação da Lei, se encontravam legalmente autorizados ao exercício da profissão. C) Desobriga de inscrição no Conselho Regional de Odontologia, sob cuja jurisdição se encontrar o profissional ou no Conselho Federal. D) Dispor de oficina/laboratório equipado inclusive com equipamento odontológico. E) Ter carta de recomendação/apresentação de uma Entidade Instituição de Ensino Superior (IES) substituindo a Inscrição no Conselho Regional de Odontologia. 06. Quanto ao que é vedado ao Técnico em Prótese Dentária através da Lei 6.710/GM em seu Art. 4º, assinale a alternativa incorreta. A) Prestar, sob qualquer forma, assistência direta a clientes. B) Manter, em sua oficina, instrumental específico de consultório dentário. C) Fazer propaganda de seus serviços ao público em geral. D) Manter, em sua oficina, equipamento específico de consultório dentário. E) Acesso à carteira de identidade profissional emitida pelo Conselho Regional de Odontologia. Página 1/10

2 07. Para o estabelecido na Politica Nacional de Saúde Bucal em suas Diretrizes no que se refere à Ampliação e Qualificação na Atenção Básica, assinale a alternativa incorreta. A) Inclusão da reabilitação protética na Atenção Básica. B) Prevenção e controle do Câncer bucal. C) Inclusão de procedimentos de menor complexidade na Atenção Básica. D) Ampliação do Acesso com atenção a grupos específicos. E) Implantação e aumento da resolutividade do pronto atendimento. 08. A Lei nº 6.710, de 5 de novembro de 1979, que dispõe sobre a profissão de Técnico em Prótese Dentária foi regulamentada pelo Decreto nº /82. Registre I para a afirmativa que corresponde ao já disposto na Lei e II para o que foi regulamentado através do Decreto. ( ) Certificado de habilitação profissional no nível médio, no curso de Prótese Dentária conferido por estabelecimento oficial reconhecido. ( ) Prova de que, em 6 de novembro de 1979, se encontrava legalmente autorizado ao exercício da profissão de Técnico em Prótese Dentária. ( ) Diploma ou certificado devidamente revalidado e registrado no País expedido por instituições estrangeiras de ensino, cujos cursos sejam equivalentes ao estabelecido para os cursos no País. ( ) O Conselho Federal de Odontologia adotará Quadro à parte para inscrição dos profissionais bem como modelo de Carteira Profissional de identidade profissional, constando expressamente a profissão do seu portador. ( ) A Carteira de identidade profissional terá fé pública em todo o território nacional e será expedida, exclusivamente, pelos Conselhos Regionais de Odontologia, cabendo ao Conselho Federal o controle de sua confecção e distribuição. A) I, I, I, I, I. B) I, I, II, II, II. C) II, II, II, II, II. D) I, I, I, II, II. E) I, II, I, II, II. 09. Na Odontologia, o estudo da prótese está voltado para a reabilitação do paciente, o restabelecimento da função e da estética do paciente, planejada sob uma visão global, considerando o tipo da prótese, a raça, a dieta, o biótipo do paciente, a idade, a condição estrutural da boca, etc. Considerando os objetivos de uma Prótese dentária, assinale a alternativa incorreta. A) Restaurar a função mastigatória. B) Restaurar as medidas e contornos independentes da estética. C) Corrigir os defeitos da fonética devido à perda dos dentes. D) Restaurar não produzindo lesões ao paciente. E) Devolver ao paciente sua autoestima. 10. Correlacione os diversos tipos de prótese e suas características com a finalidade de atender os diversos tipos de necessidades, numerando a coluna da direita de acordo com a da esquerda. Tipos de Prótese Características 1) Próteses Totais ( ) Confeccionadas em resina acrílica termo polimerizável, incluindo gengivas e feito com dentes de estoque em acrílico montados sobre uma estrutura metálica 2) Próteses Parciais removíveis a Grampo (PPRG) 3) Prótese Fixa Unitária 4) Prótese Fixa de Múltiplos elementos 5) Próteses sobre implantes chamada Grade. ( ) Peça constituída de várias coroas unidas entre si, sendo, no mínimo, duas delas ocas para serem as capas dos dentes preparados e as demais maciças as quais são chamadas de Pônticos. ( ) Capas protetoras em forma de um dente, confeccionadas em porcelana ou em outros materiais estéticos e que envolvem um dente preparado. ( ) A maioria das Próteses pode ser assim considerada, simplesmente pelo fato de serem fixadas, seja por encaixe, aparafusamento ou colagem (cimentação). ( ) Confeccionadas em resina acrílica termo polimerizável e possuem a forma de um arco dentário completo, incluindo gengivas e feito com dentes de estoque em acrílico. A) 4, 3, 5, 1, 2. B) 3, 5, 1, 2, 4. C) 2, 4, 3, 5, 1. D) 3, 4, 2, 5, 1. E) 5, 1, 2, 4, 3. Página 2/10

3 11. O Técnico em Prótese Dentária (TPD), assim como o Auxiliar de Prótese Dentária (APD) são profissionais de Odontologia e devem seguir o Código de Ética Odontológica, instrumento que normatiza a Profissão. Assinale a alternativa incorreta para os Deveres fundamentais dos profissionais e entidades de Odontologia, estabelecidos no referido Código. A) Zelar e trabalhar pelo perfeito desempenho ético da Odontologia e pelo prestígio e bom nome da profissão. B) Exercer a profissão mantendo comportamento digno. C) Zelar pela saúde e pela dignidade do paciente. D) Guardar segredo profissional. E) Registrar, os procedimentos técnico-laboratoriais efetuados pelos cirurgiões dentistas. 12. O articulador é aparelho destinado à fixação dos modelos, a registrar as relações intermaxilares e a reproduzir os movimentos mandibulares de interesse protético (Tamaki, 1988). Considerando as diversas classificações atribuídas por diversos autores, analise cada uma das sentenças abaixo e assinale V se for verdadeira ou F se for falsa. ( ) Os Condilares são aqueles aparelhos que têm os mecanismos que representam os côndilos (esferas) unidos ao ramo inferior ou ao corpo do articulador, chamados de Arcon. ( ) Os articuladores Não Condilares são aqueles que têm o mecanismo representativo dos côndilos unidos ao ramo superior do articulador, também chamados de não Arcon. ( ) Os articuladores do tipo Oclusor ou estático são representados por aparelhos com limitação de movimentos onde predomina a inter-relação dental em abertura e fechamento. ( ) Os articuladores do tipo Semi-ajustável, são aqueles que permitem alguns ajustes. ( ) Os articuladores totalmente ajustáveis possibilitam todo tipo de ajustes. Contudo, não reproduzem com fidelidade os movimentos executados normalmente pela mandíbula, em função, oferecendo resultados muito melhores, dependendo do tipo de reabilitação. A) F, V, F, V, V. B) V, V, V, V, F. C) F, F, F, V, V. D) F, F, F, F, V. E) V, F, V, F, V. 13. Conceituando a Moldagem como sendo o ato de levar à boca do paciente, uma moldeira cheia de um material amolecido e que tenha a capacidade de copiar as estruturas e, em seguida endurecer. Sendo o produto deste ato, após o endurecimento o Molde, visualizado logo após a remoção da boca. Considerando este processo, assinale a alternativa incorreta. A) Com o molde, o ato seguinte será o preenchimento deste negativo com gesso, chamado de vazamento. B) Após o vazamento de gesso no molde, aguardam-se aproximadamente 40 minutos e obtém-se um Modelo da boca em gesso. C) No Modelo de trabalho, feito em gesso especial ou pedra será confeccionada, no laboratório, a prótese. D) No Modelo de planejamento, feito em gesso comum serve para planejar da prótese. E) Modelo antagônico é aquele modelo, que pode ser feito em gesso comum, reproduzindo a arcada onde vai ser colocada a prótese, para servir de guia. 14. A moldeira é um recipiente do qual nos utilizamos, para levar o material de moldagem aos tecidos bucais e aos dentes e mantê-lo ali, contra eles, até que o material endureça". Considerando as características e função desse instrumento de trabalho com próteses dentárias, analise cada uma das sentenças abaixo e assinale V se for verdadeira ou F se for falsa. ( ) As moldeiras de estoque variam, no seu desenho, de acordo com o tipo de material de moldagem a que se destinam. ( ) As moldeiras para Alginato apresentam bacia perfurada, ou com retenções internas com a finalidade de reter o material de moldagem. ( ) As moldeiras para Godiva apresentam a bacia lisa sem retenções ou perfurações. ( ) As moldeiras para Godiva possuem tamanho único, com apresentação para o arco superior e para o arco Inferior. ( ) As moldeiras podem ser confeccionadas especificamente para um caso, geralmente em Cera Rosa, chamadas moldeiras individuais, muito utilizadas nos casos de prótese total. A) F, F, V, V, V. B) V, V, F, F, V. C) F, F, F, V, V. D) V, V, V, F, F. E) V, V, F, V, V. Página 3/10

4 15. Um dos tipos de moldagem é aquele feito em pacientes desdentados totais, utilizando-se de moldeiras individuais nas quais são feitas vedação periférica com Godiva seguida de moldagem com Pasta Zincoenólica. Durante o endurecimento dos materiais, são realizados movimentos na musculatura facial para copiar as possíveis intervenções funcionais. Esse tipo moldagem é denominado: A) Moldagem corretiva. B) Moldagem funcional. C) Moldagem preliminar. D) Morfo-moldagem. E) Moldagem anatômica. 16. Os Alginatos são materiais para moldagem, apresentados como um pó que é adicionado à água e espatulado até obter-se uma mistura cremosa, que é levada à boca em uma moldeira e mantida em posição até o seu endurecimento. No que diz respeito às suas propriedades e características, assinale a alternativa correta. A) São também designados por Hidrocoloides Reversíveis. B) É um material de moldagem utilizado com pouca frequência em Odontologia. C) Sua manipulação é relativamente fácil de ser feita se for respeitada a regra duas medidas de pó para uma medida de água. D) O seu endurecimento consiste no processo de geleificação. E) Apresenta a desvantagem de possuir pouca elasticidade o que dificulta a retirada das impressões, sobretudo nas arcadas retentivas ou guarnecidas de dentes. 17. Considerando a Godiva suas propriedades como material de moldagem, assinale a alternativa incorreta: A) devido às suas propriedades termoplásticas, permite plastificações sucessivas, remoldagem e reparos. B) atualmente, é muito utilizada apenas para a moldagem periférica, feita para a vedação da moldeira individual. C) possui a vantagem da possibilidade de testarmos o molde durante as diversas fases de sua obtenção. D) possibilita, facilmente, a realização de alterações ou correções. E) não é utilizada com muita frequência pelo seu custo elevado. 19. Para procedimentos em Próteses propostos para CEO / Atenção Básica, no Manual de Especialidades em Saúde Bucal da Secretaria de Atenção Básica do Ministério da Saúde, 2008, assinale a alternativa incorreta. A) Prótese total maxilar, Prótese total mandibular Moldagem, adaptação acompanhamento da prótese. B) Prótese parcial removível maxilar e Mandibular. C) Prótese parcial temporária. D) Reembasamento de prótese. E) Coroas Estéticas. 20. Nas Diretrizes da Politica Nacional de Saúde Bucal propostas para Ampliação da Atenção Básica destaca-se no item 6.4 a inclusão da reabilitação protética. Assinale a alternativa incorreta para as estratégias e ações consideradas. A) Inserir na atenção básica procedimentos relacionados com a fase clínica da instalação de próteses dentárias elementares. B) Avançar na superação do quadro, onde os procedimentos relativos às diferentes próteses dentárias estão inseridos nos serviços especializados. C) A viabilização dessas possibilidades implica suporte financeiro e técnico específico a ser proporcionado pelos Municípios. D) O Ministério contribui para a instalação de equipamentos em laboratórios de prótese dentária, de modo a contemplar as diferentes regiões. E) Os Técnicos em Prótese Dentária (TPD) e Auxiliares de Prótese Dentária (APD) da rede SUS serão capacitados para a implantação desses serviços. 21. Para o polimento de Resinas Acrílicas para base de Prótese total e facetas, assinale a alternativa incorreta para o seu processamento. A) Uma grande quantidade de pedra-pomes deve ser aplicada sobre a superfície para evitar superaquecimento. B) Contornar a peça com brocas de carbureto de tungstênio ou disco de papel. C) Para remover os riscos, utilizar pontas de borracha. D) Aplicar pedra-pomes com roda de pano, roda de feltro, escova de Robbinson ou taças profiláticas. E) Aplicar Trípoli ou uma mistura de giz com água oxigenada em uma roda de pano. 18. Considerando os vários tipos de gesso, identificados pela especificação da ADA, assinale a alternativa incorreta. A) Gesso comum para moldagem. B) Tipo Intermediário. C) Gesso comum para Moldagem. D) Gesso Pedra. E) Gesso pedra de alta resistência.. Página 4/10

5 22. Os dentifrícios disponíveis nas formas de pastas de dente, géis e pós atuam na higiene bucal, contribuindo para o controle e prevenção da cárie e da doença periodontal. Assinale a alternativa incorreta em relação às funções desempenhadas por esses produtos e seus componentes. A) Possuem ação abrasiva e detergente promovendo a remoção eficaz de resíduos de placa e manchas quando comparados com o uso exclusivo da escova. B) Dão polimento nos dentes promovendo aumento da reflexão da luz possibilitando uma melhor aparência estética. C) O autopolimento permite aos dentes resistirem ao acúmulo de micro-organismos e manchas. D) Servem de veículos para agentes terapêuticos como o flúor, dessensibilizantes e remineralizantes erupcionam. E) As Pastas de dentes clareadoras podem conter um agente abrasivo isolado ou combinado com um antibiótico. 23. A Portaria Nº 1570/GM de 29 de julho de 2004, que estabelece critérios, normas e requisitos para a implantação e habilitação de Centros de Especialidades Odontológicas e Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias (LRPD) em seu anexo II quantifica o número de Unidades habilitadas de acordo com a população a ser coberta. Assinale alternativa correta para o número de LRPD que poderão se habilitar por Região de Saúde. A) Um, em regiões de saúde com menos de 300 mil habitantes. B) Dois em regiões com 750 mil habitantes. C) Um a cada grupo de 500 mil habitantes, em regiões de saúde com mais de 500 mil habitantes. D) Poderão habilitar-se até dois LRPD caso este laboratório esteja instalado em um CEO. E) Número suficiente em cada Região para que se estabeleça a relação 1:1.200 habitantes. 24. O câncer de boca é uma doença que pode ser prevenida de forma simples, desde que seja dada ênfase à promoção à saúde, ao aumento do acesso aos serviços de saúde e ao diagnóstico precoce. Dentre os fatores abaixo elencados identifique os fatores de risco para o Câncer de Boca. 1) Tabagismo (uso de cachimbos, hábitos de mascar fumo, dentre outros). 2) Etilismo. 3) Deficiência imunológica (adquirida ou congênita). 4) Fatores culturais e socioeconômicos e higiene bucal adequada. 5) Uso de próteses dentárias mal ajustadas. Estão corretas, apenas: A) 1, 2, 3 e 4. B) 1, 2, 3 e 5. C) 1, 2 e 4. D) 3, 4 e 5. E) 1, 3 e O Manual da Atenção Básica em Saúde Bucal na Referência aos Serviços Especializados de Prótese estabelece para Prótese Total forma de Diagnóstico e Critérios de inclusão. Assinale a alternativa incorreta. A) A necessidade será diagnosticada mediante exame clínico de cirurgião-dentista vinculado à rede SUS. B) Ausência total de elementos dentários em uma ou ambas as arcadas. C) Rebordo alveolar regular ou que possibilite o assentamento de uma prótese. D) Ausência de lesões ósseas da mucosa, gengiva ou dos anexos orais. E) Diagnóstico compartilhado com o Técnico em Prótese Dentária. 26. No que se refere aos critérios de inclusão estabelecidos no Manual da Atenção Básica em Saúde Bucal para Prótese Parcial Removível, assinale a alternativa incorreta. A) Necessidade será diagnosticada mediante exame clínico de cirurgião-dentista vinculado à rede de atenção básica do SUS. B) Comprometimento do usuário em comparecer às consultas de manutenção. C) Rebordo alveolar regular ou que possibilite o assentamento da prótese. D) Necessidades básicas de tratamento odontológico em andamento. E) Presença de elementos dentários compatíveis com a confecção de prótese parcial removível. 27. Em relação aos critérios de exclusão para as necessidades de prótese estabelecidas no Manual da Atenção Básica, assinale a alternativa correta. A) Pacientes com síndrome motora, psiquiátrica ou nervosa severa, que impossibilite tomada de impressão e a consequente confecção e uso da prótese. B) Presença mínima de elementos dentários com problemas a serem sanados por tratamento conservador. C) Pacientes encaminhados sem diagnóstico do Cirurgião Dentista vinculado à rede SUS. D) Pacientes de menor idade sem a presença de responsável. E) Gestante no último trimestre de gravidez. Página 5/10

6 28. O elemento dental é dividido em duas porções distintas: coroa e raiz. O limite divisório entre elas é de fácil visualização e se caracteriza como uma linha contínua, sinuosa e de formato variável que se estende por todos os lados dos dentes chamados de faces. Assinale a alternativa incorreta para os critérios de classificação dessas faces. A) Faces livres: são as faces dos dentes que não mantêm contato com outros dentes da mesma arcada, estando voltadas, respectivamente, para o lábio e bochechas (vestíbulo bucal) e para a língua ou palato. B) Faces proximais são as faces que mantêm contato com os dentes da mesma arcada, estando voltadas, respectivamente, para o plano sagital mediano, e para a porção posterior dos arcos dentais. C) A face distal dos últimos molares não faz contato com dentes vizinhos. D) Face oclusal: é a face dos dentes posteriores voltada para o arco antagonista. E) As faces distais recebem o nome da face do dente com o qual estabelecem interface. 29. Apesar de cada grupo de dentes apresentar detalhes particulares, algumas características podem ser observadas em todos os dentes. Assinale a alternativa incorreta para as características gerais comuns a todos os dentes. A) As faces mesiais são sempre maiores nos dois sentidos (ocluso-cervical e vestíbulo-lingual) e mais planas que as faces distais. B) As faces vestibulares são geralmente mais altas (sentido cérvico-incisal ou cérvico oclusal) e mais largas (sentido mésio-distal) que as faces linguais C) O ângulo formado entre a coroa e a raiz é sempre mais agudo nas faces distais, em virtude de sua maior inclinação. D) Outra característica comum a todos os dentes, em função do tamanho de suas faces, é a divergência entre as mesmas. E) Numa vista oclusal/ incisal as faces vestibular e lingual convergem para distal (sentido mésiodistal). 30. Considerando as estruturas anatômicas comuns a todos os dentes, estabeleça relação entre as colunas, numerando a segunda de acordo com a primeira. Estrutura Anatômica Descrição 1) Linha do colo ( ) São segmentos de reta que delimitam a transição entre faces dentais, levando o nome das faces que delimitam. 2) Bordas ( ) É a linha de maior contorno da coroa dental, que passa portanto, pelas áreas de maior convexidade das faces dentais. 3) Bossas ( ) É uma linha contínua e sinuosa que divide o dente em coroa e raiz. 4) Linha Equatorial ( ) São elevações ou saliências de esmalte que se sobressaem nas faces dentais. 5) Cristas ( ) Saliências de esmalte Marginais de configuração cilindroide. A) 4, 1, 3, 5, 2. B) 1, 3, 5, 2, 4. C) 2, 4, 1, 3, 5. D) 5, 3, 1, 4, 2. E) 3, 5, 4, 1, 2. Página 6/10

7 LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 A coisa A gente pensa uma coisa, acaba escrevendo outra... e, enquanto se passa tudo isso, a coisa propriamente dita começa a desconfiar que não foi propriamente dita. Quintana, Mário. Caderno H.4ed. Porto Alegre: Globo 1983.p Com base na leitura do texto 1, visto em sua globalidade, é correto afirmar que: A) ressalta a importância da leitura e da escrita. B) reforça a ideia de que não é possível escrever o que se pensa. C) apresenta a etapa da comunicação de forma previsível e controlada. D) explica o processo de produção de texto: pensar, escrever, compreender. E) reflete sobre a veracidade das informações. 32. A pontuação é um recurso gráfico responsável pela organização da mensagem escrita. No texto 1, podese afirmar que: A) no lugar do ponto final, poder-se-ia colocar uma exclamação e não ocorreria alteração na mensagem escrita. B) as reticências marcaram uma interrupção na sequência lógica da frase. C) a primeira vírgula tem a função de marcar a mudança de sujeito. D) as reticências poderiam ser substituídas pela vírgula e não provocariam alteração na mensagem, na intenção do autor. E) as vírgulas são utilizadas para marcar o deslocamento de termos. 33. O uso do termo a gente, no texto, tem como objetivo principal: A) valorizar a linguagem padrão. B) inserir uma variante linguística privilegiada. C) aproximar o leitor do texto. D) enfatizar o preconceito linguístico. E) caracterizar o grau de formalidade. TEXTO 2 Adaptado de Angeli. Chiclete com Banana. Folha de São Paulo, São Paulo, 20 abr, Enquanto se passa tudo isso, o termo em destaque apresenta valor semântico de: A) condição B) adversidade C) tempo D) conclusão E) explicação Página 7/10

8 35. O humor da charge recai numa incoerência que é marcada: A) pelo uso da expressão mentira da grossa B) pela referência feita aos telejornais. C) pelo distanciamento existente entre tema e realidade. D) pelo uso de uma linguagem inadequada ao contexto E) pela contraposição dos substantivos: verdade e mentira. 36. A respeito da regência verbal, no texto 2, analise as proposições abaixo. 1) O verbo assistir não exige preposição, logo o a é um artigo que acompanha telejornais. 2) O uso do acento indicativo da crase é facultativo em relação ao verbo assistir. 3) O verbo assistir, no sentido de ver, presenciar, é transitivo indireto e exige a preposição a. 4) O verbo assistir na linguagem informal pode sofrer alterações quanto à regência. Estão corretas apenas: A) 1, 2 e 3. B) 3 e 4. C) 1, 2 e 4. D) 2, 3 e 4. E) 1 e Pode-se justificar a acentuação dos termos VOCÊ e PÚBLICO, porque são, respectivamente: A) paroxítona e proparoxítona B) oxítona e paroxítona C) oxítona e proparoxítona D) dissílaba e trissílaba E) monossílaba e trissílaba TEXTO 3 As reticências são os três primeiros passos do pensamento que continua por conta própria o seu caminho... (Quintana, Mário. Caderno H - Porto Alegre Globo 1983 pag.65) 39. A concordância é justificada de acordo com a norma padrão em: A) O verbo SER concorda com o núcleo do predicado três. B) O verbo SER concorda com o núcleo do sujeito reticências. C) O verbo CONTINUA concorda com a expressão conta própria D) O verbo C0NTINUA concorda com o termo caminho. E) Os verbos SER e CONTINUA concordam com o mesmo termo. 40. Em relação à construção textual, está incorreto o que se afirma na alternativa: A) há duas orações, portanto um período composto. B) há dois verbos, portanto, duas orações e um período. C) há um período composto que é finalizado pelas reticências. D) há uma mensagem de sentido completo. E) há uma oração, portanto, um período simples. 38. Em um texto, alguns elementos têm a função de retomar uma ideia, um termo anteriormente citado. Isso ocorre em: A) Eles mostram só a verdade! B) Não é você ali, numa delegacia... C) sendo indiciado por falcatruas... D) Gosto de assistir a telejornais, E) eles me dão a noção exata da realidade! Página 8/10

9 Conhecimentos Gerais Sistema Único de Saúde / Saúde Coletiva 41. De acordo com o Art. 199 da Constituição Federal Brasileira de 1988, a assistência à saúde é livre a iniciativa privada. Assinale a alternativa incorreta. A) As instituições privadas, que possuam interesse de oferecer serviços ao SUS, poderão participar de forma complementar do sistema único de saúde, segundo diretrizes deste, mediante contrato de direito público ou convênio firmado. B) Havendo mais de uma instituição com interesse de oferecer serviços ao SUS, estas poderão participar de forma complementar do sistema único de saúde, porém haverá preferências de entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos. C) A destinação de recursos públicos para auxílios ou subvenções às instituições privadas com fins lucrativos deverá ser aprovada pelo conselho municipal de saúde. D) A lei disporá sobre as condições e os requisitos que facilitem a remoção de órgãos, tecidos e substâncias humanas para fins de transplante, pesquisa e tratamento, bem como a coleta, processamento e transfusão de sangue e seus derivados, sendo vedado todo o tipo de comercialização. E) É vedada a destinação de recursos públicos para auxílios ou subvenções às instituições privadas com fins lucrativos. 42. De acordo com a Lei 8.142/90, o Conselho de Saúde deve possuir as seguintes características: A) caráter temporário e deliberativo, órgão colegiado composto por representantes dos vereadores, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários. B) caráter permanente e deliberativo, órgão colegiado composto por representantes do governo, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários. C) caráter permanente, mas não deliberativo, colegiado composto por representantes dos vereadores, líderes comunitários, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários. D) caráter permanente e deliberativo, órgão colegiado composto por representantes dos vereadores, representantes dos sindicatos dos profissionais de saúde, líderes comunitários, prestadores de serviço e profissionais de saúde. E) caráter permanente, mas não deliberativo, órgão colegiado composto por representantes dos vereadores, representantes dos administradores de hospitais públicos, representantes dos sindicatos dos profissionais de saúde, líderes comunitários, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários. 43. Relacione as colunas a seguir, numerando a segunda de acordo com a primeira. 1) Promoção 2) Prevenção ( ) Padrão adequado de nutrição e alimentação. ( ) Controle rigoroso de glicemia em diabéticos. ( ) Investimento na formação de cidadãos. ( ) Suplementação de vitaminas em idosos. ( ) Vacinação em Profissionais de Saúde. A) 1, 2, 1, 2, 2. B) 2, 1, 2, 1, 1. C) 1, 2, 2, 1, 2. D) 1, 1, 1, 2, 2. E) 1, 2, 2, 2, Sobre os princípios do Sistema Único de Saúde, assinale a afirmativa incorreta. A) A igualdade consiste em ofertar uma assistência à saúde, sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie. B) A integralidade de assistência é um princípio do SUS que pode ser caracterizado como a continuidade das ações e serviços preventivos e curativos, desenvolvendo maior articulação apenas no nível de maior complexidade do sistema de saúde. C) A equidade consiste na igualdade de assistência à saúde, sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie. D) A divulgação de informações quanto ao potencial dos serviços de saúde e a sua utilização pelo usuário. E) A preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral é um dos princípios do SUS. 45. A Atenção Básica tem como fundamentos e diretrizes todos os abaixo, EXCETO: A) possuir território adstrito permitindo o planejamento e a programação descentralizada. B) acesso universal e contínuo a serviços de saúde de qualidade e resolutivos, caracterizados como a porta de entrada aberta. C) adscrição dos usuários, desenvolvimento de relações de vínculo e responsabilização entre os profissionais de saúde e gestores da saúde. D) estimular a participação dos usuários como forma de ampliar sua autonomia e capacidade na construção do cuidado à sua saúde e das pessoas e coletividades. E) coordenar a integralidade desde a integração de ações programáticas a demanda espontânea. Página 9/10

10 46. Para um usuário ser admitido no Serviço de Atenção Domiciliar tipos 2 e 3 é indispensável a presença de: A) um auxiliar ou técnico de enfermagem no acompanhamento. B) um cuidador identificado. C) um enfermeiro no acompanhamento. D) um auxiliar ou técnico de enfermagem no acompanhamento. E) médico, enfermeiro e auxiliar ou técnico de enfermagem 47. Constituem-se como missão do Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF) todos os abaixo, EXCETO: A) o NASF não é porta de entrada do sistema de saúde. B) o NASF se vincula a um número de equipes de saúde da família em territórios definidos. C) o NASF possui como maior característica ser a porta de entrada do sistema para os usuários com problemas crônicos de saúde. D) a equipe do NASF dialoga com as equipes da saúde da família na gestão do cuidado. E) o NASF atua na responsabilização, gestão compartilhada e apoio à coordenação do cuidado. 48. Com base na Lei 8080/90 é competência do sistema municipal de saúde todos os abaixo, EXCETO: A) participar da execução, controle e avaliação das ações referentes às condições e aos ambientes de trabalho. B) participar do planejamento, programação e organização da rede regionalizada e hierarquizada do Sistema Único de Saúde (SUS), em articulação com sua direção nacional. C) planejar, organizar, controlar e avaliar as ações e os serviços de saúde e gerir e executar os serviços públicos de saúde. D) colaborar na fiscalização das agressões ao meio ambiente que tenham repercussão sobre a saúde humana e atuar, junto aos órgãos municipais, estaduais e federais competentes, para controlálas. E) gerir laboratórios públicos de saúde e hemocentros. 49. Em relação à composição do Conselho de Saúde, as vagas deverão ser distribuídas da seguinte forma: A) 50% de representação de governo; 25% de entidades dos trabalhadores de saúde; 25% de representação de usuários, de prestadores de serviços privados conveniados, ou sem fins lucrativos. B) 50% de entidades de usuários; 25% de entidades dos trabalhadores de saúde; 25% de representação de governo, de prestadores de serviços privados conveniados, ou sem fins lucrativos. C) 50% de entidades de trabalhadores da saúde; 25% de entidades de usuários; 25% de representação de governo, de prestadores de serviços privados conveniados, ou sem fins lucrativos. D) 50% de representação de governo, de prestadores de serviços privados conveniados, ou sem fins lucrativos; 25% de entidades de usuários; 25% de entidades dos trabalhadores de saúde. E) 50% de entidades de usuários e trabalhadores da saúde; 25% dos representantes de sindicatos dos trabalhadores de saúde; 25% de representação de governo, de prestadores de serviços privados conveniados, ou sem fins lucrativos. 50. Já ocorreram no Brasil 14 Conferências Nacionais de Saúde. Estas Conferências devem ser realizadas a cada: A) 2 anos. B) 6 anos. C) 4 anos. D) 3 anos. E) 5 anos. Página 10/10

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Saúde Concurso Público 2012 Cargo: Técnico em Prótese Dentária / Nível Médio LÍNGUA PORTUGUESA

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Saúde Concurso Público 2012 Cargo: Técnico em Prótese Dentária / Nível Médio LÍNGUA PORTUGUESA LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 A coisa A gente pensa uma coisa, acaba escrevendo outra... e, enquanto se passa tudo isso, a coisa propriamente dita começa a desconfiar que não foi propriamente dita. Quintana,

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Saúde Concurso Público 2012 Cargo: Técnico de Segurança do Trabalho / Nível Médio LÍNGUA PORTUGUESA

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Saúde Concurso Público 2012 Cargo: Técnico de Segurança do Trabalho / Nível Médio LÍNGUA PORTUGUESA LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 A coisa A gente pensa uma coisa, acaba escrevendo outra... e, enquanto se passa tudo isso, a coisa propriamente dita começa a desconfiar que não foi propriamente dita. Quintana,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento da produção de próteses dentárias 2015 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

INSERÇÃO DA REABILITAÇÃO PROTÉTICA NA ATENÇÃO BÁSICA

INSERÇÃO DA REABILITAÇÃO PROTÉTICA NA ATENÇÃO BÁSICA INSERÇÃO DA REABILITAÇÃO PROTÉTICA NA ATENÇÃO BÁSICA INSERÇÃO DA REABILITAÇÃO PROTÉTICA NA ATENÇÃO BÁSICA CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS E LABORATÓRIOS DE PROTESE DENTÁRIA Porque reabilitar pelo

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

INSERÇÃO DA REABILITAÇÃO PROTÉTICA NA ATENÇÃO BÁSICA

INSERÇÃO DA REABILITAÇÃO PROTÉTICA NA ATENÇÃO BÁSICA INSERÇÃO DA REABILITAÇÃO PROTÉTICA NA ATENÇÃO BÁSICA INSERÇÃO DA REABILITAÇÃO PROTÉTICA NA ATENÇÃO BÁSICA CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS E LABORATÓRIOS DE PROTESE DENTÁRIA Porque reabilitar pacientes

Leia mais

A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 295/08 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a regionalização dos serviços de saúde no Sistema Único de Saúde conforme PDR/RS; a

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Credenciamento e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS Dr. Alex Antônio Maciel de Oliveira Especialista em Implantodontia Consultor científico do Sistema Friccional de Implantes Kopp Contato: alexamaciel@hotmail.com Nos

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01 RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01 A Associação Beneficente de Saúde ASBESAAN, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, qualificado como Organização Social, através do Decreto

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE IBIPORÃ Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE IBIPORÃ Estado do Paraná A CÂMARA MUNICIPAL DE IBIPORÃ,, aprovou e eu, Prefeito do Município, sanciono a seguinte: L E I Nº 2.299/2009 SÚMULA: Dá nova redação a Lei Municipal n 1989/2006, de 20 de janeiro de 2006, que instituiu

Leia mais

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária Passo a Passo: Monitoramento Laboratório

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Dentários Professora: Patrícia Cé Introdução AULA II Materiais de Moldagem Alginato Polissulfeto Poliéter Silicone de condensação

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE ODONTOLOGIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS ODONTOLÓGICAS Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 Estado de Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE HERVAL D OESTE RETIFICAÇÃO Nº 01 AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E/OU PROVAS E TÍTULOS, PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

Sorriso de criança... Questão de educação!

Sorriso de criança... Questão de educação! Cidade Sorridente Sorriso de criança... Questão de educação! Dados oficiais (Mesmo entre os cidadãos com renda mensal acima de 6 SM) O Brasil é campeão mundial de cárie 60% dos dentes cariados estão sem

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Técnica 1: Faceta I.Dente vital e preparo protético pronto. 1. Medir a altura e a largura do dente homológo do

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003 Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Saúde Bucal - TSB e de Auxiliar em Saúde Bucal ASB.

Leia mais

Prótese Parcial Removível

Prótese Parcial Removível Prótese Parcial Removível Objetivo: Reabilitar arcos parcialmente desdentados, devolvendo as funções estética, fonética e mastigatória, podendo ser removida tanto pelo profissional como pelo paciente,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL ASS: Cadastro e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Anexo II da Resolução nº 146/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO/ANO: 2008 ANO DO CURSO: 3 Curso: Odontologia Modalidade: Profissionalizante

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES

CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 05 QUESTÕES 1. Na perspectiva de superar as dificuldades apontadas, os gestores do SUS assumem o compromisso público da construção do PACTO PELA SAÚDE 2006, que será anualmente revisado,

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção 21. Sobre a participação do setor privado no Sistema Único de, SUS, é incorreto afirmar que: a. As entidades filantrópicas e sem fins lucrativos também recebem remuneração do SUS pelos serviços prestados

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO Fortalecimento do SUS Constituição Federal de 1988, artigos 196 a 200; Lei Federal nº. 8.080, de 19/09/1990 Lei

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005)

Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005) Portaria nº 283 GM de 22 de Fevereiro de 2005 (Republicada em 10 de março de 2005) Antecipa do incentivo financeiro para Centros de Especialidades Odontológicas - CEO em fase de implantação, e dá outras

Leia mais

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO 1. JUSTIFICATICAS Com a Globalização da Economia e a competitividade a cada dia mais presente no mercado

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

MANUAL DE PRÓTESE FIXA

MANUAL DE PRÓTESE FIXA MANUAL DE PRÓTESE FIXA INDICE Materiais e Equipamentos 05 Materiais e Técnicas de Moldagem 07 Vazamento de Modelos 08 Montagem em Articulador 17 Enceramento 20 Preparo de Troquel 23 Inclusão 25 Fundição

Leia mais

SulAmérica Odonto Empresarial

SulAmérica Odonto Empresarial SulAmérica Odonto Empresarial O sorriso dos seus colaboradores está em nossos planos. A partir de 100 vidas sulamerica.com.br Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos, com 116

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos Conhecimentos Específicos As questões 01 e 02 estão relacionadas com o texto abaixo. Uma criança comparece a uma emergência vinda do interior, a genitora informa que a filha quebrou o braço há duas horas.

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria nº 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria nº 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria nº 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: CLÍNICA ODONTOLÓGICA III Código: ODO-041 Pré-requisito: CLÍNICA

Leia mais

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS TÍTULO DA PRÁTICA: REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS CÓDIGO DA PRÁTICA: T66 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Complexo Regulador caracteriza-se

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Guia para um. Sorriso Saudável

Guia para um. Sorriso Saudável Guia para um Sorriso Saudável Fotos meramente ilustrativas. Seja bem-vindo ao serviço odontológico do Sesc Rio! 3 Serviços Nosso serviço está disponível em diversas Unidades Operacionais, exclusivamente

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre o Programa de agendamento de consultas e entrega domiciliar de medicamentos de uso contínuo às pessoas portadoras de necessidades especiais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-156/2015

RESOLUÇÃO CFO-156/2015 DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO SEÇÃO 1, DE 23/03/2015 PÁGINAS: 79 e 80 RESOLUÇÃO CFO-156/2015 Estabelece novos procedimentos para o prêmio Brasil Sorridente, em consonância com a atual conjuntura sanitária nacional.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2.

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2.489, de 2003) Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Higiene

Leia mais

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Companhia Hidro Elétrica do São Francisco DIRETORIA ADMINISTRATIVA Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Número Sistema : RECURSOS HUMANOS Sub-Sistema : Vigência : 01/12/2014 Emissão : 01/12/2014

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 62 2011 Rede de Atenção Psicossocial Altera a portaria GM nº 1.169 de 07 de julho de 2005 que destina incentivo financeiro para municípios que desenvolvem Projetos de Inclusão Social pelo

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais