Arte DATA:30/04/15 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arte DATA:30/04/15 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES"

Transcrição

1 Are Física Língua Poruguesa PROA DICURIA ALUNO: Terceirão Are Física Quesões Professores: osag Regis Moia Professora: Consuelo Língua Poruguesa Professores: Fagner DATA:3/4/15 LEIA ATENTAMENTE A INTRUÇÕE 1. Ese caderno de avaliação coné as quesões discursivas confore enuerado acia.. erifique se o caderno esá copleo ou se há algua iperfeição gráfica que possa gerar dúvidas. e necessário, peça sua subsiuição anes de iniciar a avaliação. 3. Leia cuidadosaene cada quesão da avaliação e uilize, quando houver, o espaço indicado na avaliação coo rascunho. 4. Durane a realização das respecivas avaliações serão colhidas as assinauras dos alunos. 5. O epo de duração da avaliação será de 3 horas e 3 inuos e o aluno só poderá enregá-la após 1 hora e 3 inuos do seu início. 6. Preencha o caderno de resoluções correaene co o seu noe, série, noe do professor e disciplina. 7. Apenas serão corrigidas quesões oalene respondida a canea azul ou prea. O FICAI NÃO ETÃO AUTORIZADO A FORNECER INFORMAÇÕE ACERCA DETA AALIAÇÃO

2 PROA DE FÍICA Professor osag Quesão 1) A figura abaixo osra o salo de u alea de ginásica olípica, que após ua breve corrida, projea seu quadril co ua velocidade inicial = 1 /s, sob u ângulo Θ = 3 co a horizonal. b) T Desprezando oda as forças de resisência do ar, considere g =1 /s, sen3 =,5 e cos3 =,85, e deerine: A) A coponene verical da velocidade inicial do salo. 1, subida T voo b) sen B) O epo de voo do salo.,5s 5 1 subida voo sen a 1,5 5,5,5 1s,5s a,5,5 1s b) 5 1 T T b) subida voo sen 1,5 5 1, subida voo sen,5s,5s a a,5,5 1s,5,5 1s Quesão ) A figura osra u jogo onde u pássaro é arreessado co ua velocidade inicial de /s forando u ângulo de 6 acia da horizonal e u lançaeno oblíquo. abendo que o pássaro ainge o alvo percorrendo ua rajeória parabólica durane u epo de voo de 1,65 s, despreze odas as forças de ario, use g = 1 /s, sen6 = 3/ e cos6 = 1/ e calcule: A) A coponene horizonal da velocidade inicial do pássaro. x b) D x 1 1 x b) D 11 B) O alcance horizonal D. x 11 b) D D 111,65 18,15 x D 111,65 18,15 x 1 11 D 111,65 18,15

3 Quesão 3) E ua cobrança de fala, u jogador de fuebol chua ua bola, ipriindo a ela, ua velocidade inicial = 144 k/h, sob u ângulo de 45 co a horizonal, confore osra a figura abaixo. endo o ódulo da aceleração graviacional local aproxiadaene 1 /s, use = 1,4 e deerine a alura áxia aingida pela bola. Dado: sen45 = cos45 = / a s s 9,8 1) ( 14 / 14 1,4 1 1 / 3,6 144 v Quesão 4) O canhão da figura abaixo lança u projéil co velocidade inicial = /s forando u ângulo de 3 co a horizonal. A) abendo que cos3 = 3/ e sen3 = 1/, deerine a coponene verical da velocidade inicial da bala que saiu do canhão. a b s a 18 1) ( 1 ) / 1 1 ) B) Desprezando a resisência do ar, e considerando o ódulo da aceleração graviacional g = 1 /s, calcule a alura desa bala e relação ao solo após s de voo. a b s a 1) ( 1 ) / 1 1 ) a b s a 18 1) ( 1 ) / 1 1 )

4 Quesão 5) Nu circo, u hoe-bala, é disparado por u canhão co a velocidade de 4 /s, sob u ângulo de 37 co a horizonal, passando por ua orre no pono ais alo da sua rajeória. A) abendo que sen37 =,8 e cos37 =,6 deerine a coponene verical da velocidade inicial do hoe bala. b) 14 alura 4, , ( 1) 51, 1 3 B) Desprezando a resisência do ar e considerando o ódulo da aceleração graviacional g = 1 /s calcule a alura da orre. PROA DE FÍICA Professor Regis 4,8 3 b) b) 14 51, 5, 4, , ( 1) ( 1) alura 51, 1 5, alura 51, 1 5, Quesão 1) U corpo de assa 5 g e calor específico sensível c =,4 cal/g C recebe ua quanidade de calor de 1. calorias. Deerine: A) A capacidade érica do corpo. C =. c C = 5., 4 C = cal/ C B) A variação de eperaura experienada pelo corpo. Q T =. c. θ 1. = 5., 4. θ θ = 1. θ = 5 C Quesão ) U bloco de cobre de assa 1 kg e calor específico sensível de,5 cal/g enconra-se à eperaura de 8 C, ao ser colocado e u caloríero adiabáico e de capacidade érica desprezível, conendo 6 g de água, cujo calor específico sensível vale 1 cal /g C, que esá e eperaura abiene de C. Qual a eperaura dos corpos após aingido o equilíbrio érico? Usando o princípio das rocas de calor, ereos: Q COBRE + Q ÁGUA =. c. θ COBRE +. c. θ ÁGUA = 1., 5. ( 8) ( ) = 5. ( 8) + 6. ( ) = = = 5. = 47, 7 C

5 Quesão 3) Ua fone érica é uilizada, por iersão, para aquecer g de água, durane u inervalo de epo de 5 in, variando a eperaura da água e 3 o C. e o calor específico da água é de 1 cal/g o C e 1 cal = 4, J, deerine: A) A quanidade de calor cedida à água. Q T =. c. θ Q = Q = 6. cal ou 5. J B) A poência dessa fone e W. Po = Q Po = Po = 84 W Quesão 4) Experienalene, u aluno do Terceirão Planea observou u bloco cuja assa é g, inicialene sólido à eperaura de -1 ºC, passando pelas ransforações de fase osradas no gráfico abaixo. E relação a esse bloco deerine: A) A eperaura de fusão do aerial, jusificando sua resposa. De acordo co o gráfico, a eperaura de fusão do aerial é de 5 C. A jusificaiva é a foração do paaar nesa eperaura, o que indica ua udança de fase do esado sólido para o esado líquido. B) O calor específico laene de fusão do aerial. Q LAT =. L. =. L L = 1 cal/g C) O calor específico sensível do aerial no esado líquido. Q EN LÍQ =. c. θ 1. 5 =. c. 3 c = 15 6 c =, 5 cal / C Quesão 5) Qual a quanidade de calor absorvida para que u bloco de g de gelo à - C vaporize e chegue à eperaura de 13 C? Considere a pressão aosférica coo sendo consane e co valor de 1 a. Dados: Calor específico sensível do gelo: c =,5 cal/g. C Calor específico laene de fusão do gelo: L = 8 cal/g Calor específico sensível da água: c = 1 cal/g. C Calor específico laene de vaporização da água: L = 54 cal/g Calor específico do vapor de água: c =,5 cal/g. C Q T = Q EN. GELO + Q LAT FUÃO + Q EN ÁGUA + Q LAT AP. + Q EN.APOR Q T =. c. θ GELO +. L FUÃO +. c. θ ÁGUA +. L AP. +. c. θ APOR Q T =., , 5. 3 Q T = Q T = 149. cal ou 149 kcal

6 PROA DE FÍICA Professor Moia Quesão 1) Cie rês caracerísicas de u conduor e equilíbrio elerosáico. Cargas e excesso na superfície exerna; capo elérico nulo no inerior; não há diferença de poencial na pare inerna do conduor; a força elérica não aua na pare inerna; o poencial elérico é consane no conduor; ec... Quesão ) egundo definições de elerosáica, responda qual fenôeno explica o experieno ilusrado a seguir. Blindage Elerosáica. Quesão 3) E dias chuvosos é cou a ocorrência de raios. Cie dois efeios dessas descargas eléricas e ua fora de proeção conra as esas. Relâpago e rovão; Para-raios. Quesão 4) Considere u conduor esférico de raio 9 c, e equilíbrio elerosáico, elerizado co carga C e ierso no ar. Deerine o capo elérico e ponos siuados a 3 c, 9 c e c, respecivaene, do cenro da esfera. A) 3 c. B) 9 c. C) c. A) A 3 c: E = N/C. B) A 9 c: E = K.Q/R = /.(9.1 - ) = (1/9).1 1 N/C. C) A c: E = K.Q/d = / (.1 - ) = (9/4).1 8 N/C.

7 Quesão 5) egundo definições de Elerodinâica, escreva o noe do efeio associado à passage de correne elérica, e cada ilusração a seguir: A) B) C) A) Magnéico. B) Fisiológico. C) Quíico. PROA DE ARTE Professora Consuelo Quesão 1) E uias pessoas já é u descaraeno T.W. Adorno Não há sepre sujeio, ou sujeios. (...) Digaos que o sujeio é raro, ão raro quano as verdades. A. Badiou Todos são livres para dançar e para se diverir, do eso odo que, desde a neuralização hisórica da religião, são livres para enrar e qualquer ua das inúeras seias. Mas a liberdade de escolha da ideologia, que reflee sepre a coerção econôica, revela-se e odos os seores coo a liberdade de escolher o que é sepre a esa coisa. T.W.Adorno Após a análise dos exceros acia e da obra de And Warhol Marlin, responda por que And Warhol repeiu a iage de Marlin? Coo relacionar essa caracerísica serial co as afirações de Adorno e de Badiou? A repeição fabril de Marlin a reraa coo celebridade ao eso epo, que pelo processo fabril, a iage dela é desgasada pela repeição ransforando-se nu produo. Quesão ) Explique o que é a Pop Ar e coo ela se relaciona à obra Marlin. A Pop ar propunha que se adiisse a crise da are que assolava o século XX desa aneira preendia deonsrar co suas obras a assificação da culura popular capialisa. Procurava a eséica das assas, enando achar a definição do que seria a culura pop, aproxiando-se do que cosua chaar de kisch. Diz-se que a Pop ar é o arco de passage da odernidadepara a pós-odernidade na culura ocidenal.

8 Texo para responder às quesões 3 e 4. A raição das iagens René Magrie A radução para o poruguês do exo presene no quadro é: Iso não é u cachibo. Acerca do quadro de Magrie, o filósofo Michel Foucaul eceu as seguines considerações: Ora, o que produz a esranheza dessa figura não é a conradição enre a iage e o exo. Por ua boa razão: não poderia haver conradição a não ser enre dois enunciados, ou no inerior de u único e eso enunciado. Ora, vejo be aqui que há apenas u, e que ele não poderia ser conradiório, pois o sujeio da proposição é u siples deonsraivo. Falso, enão, porque seu referene uio visivelene u cachibo não o verifica? Mas que e dirá seriaene que ese conjuno de raços enrecruzados, sobre o exo, é u cachibo? erá preciso dizer: eu Deus, coo udo iso é bobo e siples; ese enunciado é perfeiaene verdadeiro, pois é be evidene que o desenho represenando u cachibo não é, ele próprio, u cachibo? E, enreano, exise u hábio de linguage: o que é ese desenho? É u bezerro, é u quadrado, é ua flor. elho hábio que não é desprovido de fundaeno: pois oda função de u desenho ão esqueáico, ão escolar quano ese é a de se fazer reconhecer, de deixar aparecer se equívoco ne hesiação aquilo que ele represena. (FOUCAULT, Michel. Iso não é u cachibo. Trad. de Jorge Coli, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988, p.19-) Co base no exo de Foucaul, apresene ua razão que jusifique: Quesão 3) Que o exo presene no quadro de Magrie é u enunciado verdadeiro. Ora, o que produz a esranheza dessa figura não é a conradição enre a iage e o exo. Por ua boa razão: não poderia haver conradição a não ser enre dois enunciados, ou no inerior de u único e eso enunciado. Ora, vejo be aqui que há apenas u, e que ele não poderia ser conradiório, pois o sujeio da proposição é u siples deonsraivo. Falso, enão, porque seu referene uio visivelene u cachibo não o verifica? Quesão 4) Que o exo presene no quadro de Magrie é u enunciado falso. Mas que e dirá seriaene que ese conjuno de raços enrecruzados, sobre o exo, é u cachibo? erá preciso dizer: eu Deus, coo udo iso é bobo e siples; ese enunciado é perfeiaene verdadeiro, pois é be evidene que o desenho represenando u cachibo não é, ele próprio, u cachibo? E, enreano, exise u hábio de linguage: o que é ese desenho? É u bezerro, é u quadrado, é ua flor. elho hábio que não é desprovido de fundaeno: pois oda função de u desenho ão esqueáico, ão escolar quano esa é a de se fazer reconhecer, de deixar aparecer se equívoco ne hesiação aquilo que ele represena.

9 Copare a reprodução do quadro de alvador Dalí co o poea de Carlos Druond de Andrade e responda às quesões 5 e 6. O RELÓGIO Carlos Druond de Andrade Nenhu igual àquele. A hora no bolso do colee é furiva, a hora na parede da sala é cala, a hora na incidência da luz é silenciosa. Mas a hora no relógio da Mariz é grave coo a consciência. E repee. Repee. Ipossível dorir, se não a escuo. Ficar acordado, se sua baida. Exisir, se ela eudece. Cada hora é fixada no ar, na ala, coninua soando na surdez. Onde não há ais ningué, ela chega e avisa varando o pedregal da noie. o para ser ouvido no longilonge do epo da vida. Ienso no pulso ese relógio vai coigo. DALÍ, alvador. A persisência da eória (Os relógios ou As horas derreidas) Óleo sobre ela. The Museu of Modern Ar, NY. Anologia poéica. 51.ed. Rio de Janeiro: Record,. p Quesão 5) A figura do relógio é u núcleo de convergência eáica ano no quadro coo no poea. Tendo e visa essa relação, explique o que o relógio siboliza no quadro de Dali e no poea de Druond. Ele osra o epo e a eória, aravés dos relógios, oles e dependurados. Querendo dizer que o epo é aleável, não é rígido e si uável, o epo é relaivo, passado e presene se funde. U hoe se eória é coo u relógio que se derree... A eória é a ene. Por isso, os deseoriados são denoinados se ene. Quando o conhecieno exise, é ene. Quando recorda, é eória.

10 Quesão 6) Apone u eleeno de coposição e écnica que orne a obra de Dali surrealisa. As caracerísicas dese esilo: ua cobinação do represenaivo, do absrao, do irreal e do inconsciene. Enre uias das suas eodologias esão a colage e a escria auoáica. egundo os surrealisas, a are deve liberar-se das exigências da lógica e da razão e ir alé da consciência coidiana, procurando expressar o undo do inconsciene e dos sonhos. Quesão 7) Leia o excero abaixo. Dadá nasce e Zurique, e 1916, [...] a parir da fundação, por pare dos seus ebros, do Cabare olaire, círculo lierário e arísico desiuído de prograa, as decidido a ironizar e desisificar odos os valores consiuídos da culura passada, presene e fuura. O noe Dadá abé e casual, escolhido abrindo-se u dicionário ao acaso. As anifesações do grupo dadaísa são deliberadaene desordenadas, desconceranes, escandalosas[...] (Adapado: ARGAN, G. C. Are Moderna. ão Paulo: Cia das Leras, 199. p. 355.) O que é u read-ade? O read ade noeia a principal esraégia de fazer arísico de Marcel Duchap e é ua fora ainda ais radical da are enconrada (ou obje rouvé, no original francês). Essa esraégia refere-se ao uso de objeos indusrializados âbio da are, desprezando noções couns à are hisórica coo esilo ou anufaura do objeo de are, e referindo sua produção priariaene à ideia. Quesão 8) Relacione o excero apresenado à obra A Fone de Marcel Duchap. Arguene ciando as relações da eséica dadaísa co a obra apresenada abaixo. Por vola de 1915 o dadaíso ganhava u aplo desaque no cenário arísico, causando cero desconforo nos observadores e fazendo odos se quesionare sobre o real conceio da palavra are. Nese período, o arisa Marcel Duchap assue ua aiude aniare e se apropria de objeos já feios. E 1917, ele expõe sua obra iniulada A Fone, no qual se raava de u siples e cou urinol branco inverido. Co esa aiude provocaiva, Duchap acabou esabelecendo u debae enre Are e Conceio, onde dizia que para ser u arisa não era necessário er u do ou habilidade para produzir belíssias pinuras ou esculuras, e si apresenar a odos algo oalene diferene, novo e inesperado.

11 PROA DE LÍNGUA PORTUGUEA Professor Fagner Quesão 1) O exo abaixo foi escrio nua linguage coloquial. Balão 1: Coo é que a gene faz isso hein, Girianildo? Balão : É oleza eu chapa! A ura vai e ajudar! Balão 3: Legal! Para i, fazer u relaório, é ais fácil do que para o Fiipaldi dar ua volinha de fusca! aos lá! A) Reescreva o diálogo do prieiro quadro, uilizando o regisro culo da língua. Coo nós fareos isso, Girianildo? É fácil, eu aigo! Todos irão ajudá-lo! Fazer u relaório é ais fácil para i do que dar ua volinha de Fusca para o Fiipaldi. B) Escreva ua oura versão do exo apresenado, no segundo quadro, desfazendo-se o hipérbao. Meu aigo, é fácil! Todos irão ajudá-lo. Texos para responder às quesões a 4. No dia 1/11 passado, os jornais divulgara a cara ediane a qual o édico Adib Jaene soliciava ao Presidene da República sua deissão do cargo de Minisro da aúde, e a cara do Presidene da República, aceiando a deissão. Dessas caras fora exraídos, respecivaene, os dois rechos abaixo. A UA EXCELÊNCIA, O ENHOR DOUTOR FERNANDO HENRIQUE CARDOO, PREIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIA DO BRAIL. Repio a frase aprendida de ossa Excelência: A políica não é a are do possível. É a are de ornar o possível necessário. Esou ranquilo porque dei inha conribuição co lealdade e no liie de inha capacidade, se rair os ideais dos que lua no seor saúde pela equidade e pela garania de acesso às caadas ais sofridas da população. Ouros copleenarão o rabalho, sob a liderança de ossa Excelência, para que seja possível aender ao necessário que deecaos. Aproveio para anifesar-lhe o eu elhor apreço. Cordialene, Adib Jaene, Minisro da aúde MEU CARO JATENE Exaaene porque acredio que é preciso ornar possível o necessário, apoiei a CPMF e fiz, juno consigo, os esforços para auenar a doação do Minisério da aúde. ó assi foi possível quase dobrar, e dois anos, os recursos do U. Ainda si, eles são insuficienes. O que fazer? Coninuar luando, coo coninuarei: pena que se você, ebora co sua inspiração. Resa agradecer, uio sinceraene, sua colaboração, sua corage para diagnosicar os probleas do inisério e enfrenar as soluções, e o ânio que você infundiu e odos nós. Tenho a cereza de que suas declarações osrando a disposição de coninuar a lua pela saúde não ficarão nas palavras. O Brasil precisa de gene coo você. Co afeuoso abraço. Fernando Henrique Cardoso

12 Quesão ) Os auores das duas caras uiliza regisros linguísicos diferenes, no inerior da variedade cula do poruguês escrio. Apone nos exos essas diferenças de regisros e explique o efeio que cada u deles produz. Denro da variane cula do poruguês escrio, Adib Jaene opou pelo regisro ais foral, enquano FHC fez opção por u regisro enos foral, próxio do coloquial. O regisro pelo qual opou Jaene ransparece: no o foral do cabeçalho e do fecho, e que os noes copleos são seguidos da expressão do cargo ocupado por u e por ouro; no raaeno de Excelência dado ao presidene, referido coo enhor Douor. O efeio produzido por esse regisro é arcar a posura de reverência e cero ressenieno do inisro e relação ao presidene. O regisro pelo qual opou FHC ranparece: no uso do noe se o prenoe, precedido da fórula carinhosa e failiar eu caro ; o raaeno por você ; a ausência da enção ao cargo de cada u. O efeio produzido por esse regisro é sugerir a peranência dos laços de aizade e o desejo de coopar o inisro para aner sua colaboração co o presidene, ebora fora do inisério. Quesão 3) O uso culo de consigo é o que as graáicas exeplifica por eio de frases coo: O veno raz consigo a epesade. Copare esse uso co o que foi feio pelo presidene no prieiro parágrafo de sua cara e explique as diferenças. No uso culo, que se verifica na frase O veno raz consigo a epesade, o pronoe consigo é essencialene reflexivo, ou seja, sepre deve referir-se ao sujeio da oração. Condena-se, porano, seu uso para se referir ao inerlocuor, coo e eu quero falar consigo. Ao raar o inisro por você, FHC faz uso de consigo nua oração e que o sujeio é eu ( apoiei ). O uso culo exigiria aí co você. Quesão 4) Pelo que se lê no prieiro parágrafo das duas caras, Jaene eria aprendido co Fernando Henrique o conceio de políica que procurou aplicar enquano inisro, as ua leiura aena desses parágrafos apona ua grande diferença. Explique essa diferença. Tornar possível o necessário (Fernando Henrique) significa que se deve epreender odo o esforço capaz de ornar realidade aquilo que é necessário, iso é, aquilo cuja exisência faz fala. Tornar o possível necessário (Jaene) significa siular coo obrigaória ua ocorrência puraene possível.

13 Quesão 5) TEXTO I Lugar serão se divulga: é onde os pasos carece de fechos; onde u pode orar dez, quinze léguas, se opar co casa de orador; e onde criinoso vive seu criso-jesus, arredado do arrocho de auoridade. O Urucuia ve dos onões oeses. Mas, hoje, na beira dele udo dá fazendões de fazendas, alarge de vargens de bo render, as vazanes; culuras que vão de aa e aa, adeiras de grossura, aé ainda virgens dessas lá há. O gerais corre e vola. Esses gerais são se aanho. Enfi, cada u o que quer aprova, o senhor sabe: pão ou pães é quesão de opiniães... O serão esá e oda pare. ROA, João Guiarães. Grande serão: veredas. TEXTO II erão é palavra nossa, não e e língua esrangeira. erão é serão. Há que diga que venha de desserão : iolo de nação onde o ao é grande e a população é pouca. O reverso da cidade, o avesso da civilização. Nosso ar inerior, para o anropólogo Darc Ribeiro, área vasa e seca que se esende pelas beiradas do Rio ão Francisco, as nunca enconra o oceano. O serão de Minas é chaado de Capos Gerais os gerais. Coeça acia das cidades de Corino e Curvelo e se alarga pelo Noroese aé se olhar nas águas escuras do rio Carinhanha, aé esbarrar nas serras de Goiás, aé se debruçar sobre as erras da Bahia. Revisa Terra, 9/5, p. 34. Os exos I e II focaliza o serão valendo-se de gêneros exuais diferenes. Apresene ua diferença de linguage que caraceriza os gêneros dos exos e I, exeplificandoa co, pelo enos, ua passage de cada exo. Enquano o prieiro exo eprega u vocabulário e ua esilização de linguage que o aproxia da lieraura regionalisa e das liberdades linguísicas odernisas, o segundo ané-se denro da nora cula escria padrão, cenrado na inforação. Exeplos: Texo I: Os gerais corre e vola. Esses gerais são se aanho. Enfi, cada u o que quer aprova, o senhor sabe: pão ou pães é quesão de opiniões... O serão esá e oda pare. Texo II: O serão de Minas é chaado de Capos Gerais os gerais. Coeça acia das cidades de Corino e Curvelo e se alarga pelo Noroese aé se olhar nas águas escuras do rio Carinhanha, aé esbarrar nas serras de Goiás, aé se debruçar sobre as erras da Bahia. Observação: ouras passagens dos exos e I abé idenifica a diferença de linguage (por exeplo, e relação à ponuação; ao eprego de conoação e denoação; sinaxe de colocação ec). Quesão 6) Conraa-se ulheres de a 35 anos, para confecção de roupas. Apresenar-se a eção de Pessoal, razendo docuenos e prova de habilidade e cosura, enre os dias 1 e dese ês, período da anhã, exceo sábado e doingo. Há, no caraz, duas ransgressões à nora cula. Idenifique os deslizes e reescreva correaene cada u dos segenos e que ocorre. Conraa-se ulheres (concordânci. À eção de Pessoal - crase.

14 Quesão 7) O POBREMA É NOO egundo Eliana Marquez Fonseca Fernandes, professora de Língua Poruguesa da Faculdade de Leras da Universidade Federal de Goiás, e se raando de linguage, não se pode falar e erro ou acero, as desvios à nora padrão. O iporane é esabelecer a counicação. Para isso, usaos a língua e vários níveis, desde o super cuidado ou foral aé o não-cuidado ou não-foral. A graáica radicional diz que, quando se fala nóis vai, nóis foi, isso não é poruguês. Mas é si. E ouro nível. Esudos ais recenes na área dize que ais foras de expressão são correas. Censurar ou debochar de que faz uso delas é discriinação linguísica. Para a professora, o doínio da nora cula não deve ser exigido da população de odo geral, principalene de pessoas que ê baixo grau de escolaridade. Que e obrigação de saber o poruguês foral, falar e escrever de acordo co as regras são os professores, os jornalisas, os acadêicos, diz. (Diário da Manhã, Goiânia, Adapado.) O exo discue a quesão da língua e sua função counicaiva, conrapondo usos ais inforais a usos forais. A) A gene sabe que e gene que escorrega no poruguês. Indique e que nível de linguage esá a frase acia e jusifique a sua resposa. A frase foi redigida se preocupações forais, uilizando a gene e escorrega no poruguês. Observase o eprego de coloquialiso, gírias, repeições, ec. B) Reescreva a frase e duas versões: ua inforal e oura foral. A frase já esá redigida de odo inforal. Poré ua oura opção seria: A gene sabeos que e gene que escorrega no poruguês. E linguage foral: Nós sabeos que há (ou exise) pessoas que coee erros de poruguês. (Há ouras possibilidades). Quesão 8) Leia aenaene os dois exos abaixo e responda. Assisir na língua oderna o verbo assisir é ransiivo direo no senido de ver e de presar assisência. (FOLHA DE. PAULO. Manual geral da redação. ed. ão Paulo: Folha de. Paulo, p. 13) Assisir no senido de esar presene, coparecer, ver pode ser ransiivo direo (uso coloquial) ou indireo (nora cul... (FOLHA DE. PAULO. Novo anual da redação. ão Paulo: Folha de. Paulo, 199. p. 56) A) Qual a diferença de orienação enre os dois anuais? O 1 o anual, daado de 1987, considera o verbo assisir, no senido de ajudar, coo ransiivo direo; já o o, daado de199, considera o, ano no senido de ajudar coo no de ver, ransiivo direo, sendo ese úlio apenas na língua coloquial. B) Qual a iporância de se disinguir o uso coloquial da nora cula? A iporância de se disinguir o uso coloquial da nora cula dá se pela necessidade do jornalisa, ao redigir a aéria, usar os eros correos. Ao redigir ua aéria iporane usa se a nora cula e ao escrever ua crônica ou ouro ipo de arigo, se necessário, uilizar linguage coloquial.

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

M 7 - Função Exponencial

M 7 - Função Exponencial M 7 - Função Eponencial (Furg-RS) O valor da epressão n n n A é: n n a) n n b) 6 ( ) ( ) c) 6 d) 6 e) (Uniube-MG) Se A, enão A é igual a: a) 9 c) b) d) A 9 Θ A 9( ) A 9 9 A 9 A 9 (UAM-SP) Há pouco, Carla

Leia mais

Força de Atrito. Conceito de Atrito. Atrito Estático. Atrito Dinâmico ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) SÉRIE ITA/IME TADEU CARVALHO SEDE FÍSICA

Força de Atrito. Conceito de Atrito. Atrito Estático. Atrito Dinâmico ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) SÉRIE ITA/IME TADEU CARVALHO SEDE FÍSICA SÉRIE IT/IE ESIO RÉ-UIVERSITÁRIO ROESSOR() LUO() TUR TDEU CRVLHO TURO SEDE DT º / / TC ÍSIC Conceio de rio orça de rio rio é u esado de aspereza ou rugosidade enre dois sólidos e conao, que perie a roca

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

MECÂNICA APLICADA - Pilotagem Texto de apoio UNIDADES pag. 1 de 5

MECÂNICA APLICADA - Pilotagem Texto de apoio UNIDADES pag. 1 de 5 MECÂNICA APICADA - Piloage Texo de apoio UNIDADES pag. de 5 BREVE REFERÊNCIA AOS SISTEMAS DE UNIDADES 0 Generalidades U sisea de unidades copora: unidades undaenais unidades derivadas. A ixação das unidades

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DOS MINICURSOS E OFICINAS DO PROJETO BIOTEMAS 2012- ENSINO MÉDIO

CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DOS MINICURSOS E OFICINAS DO PROJETO BIOTEMAS 2012- ENSINO MÉDIO CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DOS MINICURSOS E OFICINAS DO PROJETO BIOTEMAS 2012- ENSINO MÉDIO Legenda Escola Esadual Professora Dulce Sareno Escola Esadual Professor Plinio Ribeiro(Escola Noral) Minicursos/Oficinas

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional COISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA AUO-AVALIAÇÃO INSIUCIONAL DO CEFE-BA PERIODO: 2007/2008 Instrumento A1- AVALIAÇÃO GLOBAL (Discentes) RELAÓRIO ANALÍICO I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a:

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a: PROVA DE MATEMÁTICA - TURMA DO o ANO DO ENINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-A - JUlHO DE. ELAORAÇÃO: PROFEORE ADRIANO CARIÉ E WALTER PORTO. PROFEORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUETÃO Considere os conjunos A { R

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

USO COMBINADO DO SOFTWARE COMERCIAL CFX E TÉCNICAS DE PROBLEMAS INVERSOS EM TRANSFERÊNCIA DE CALOR

USO COMBINADO DO SOFTWARE COMERCIAL CFX E TÉCNICAS DE PROBLEMAS INVERSOS EM TRANSFERÊNCIA DE CALOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE IAJUBÁ INSIUO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DISSERAÇÃO DE MESRADO USO COMBINADO DO SOFWARE COMERCIAL CFX E ÉCNICAS DE PROBLEMAS INVERSOS

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Capítulo 19. 4. (UTFPR) Na figura a seguir, temos r//s e t//u//v. Triângulos. 1. Na figura, AB = AC ead = AE. A medida do ângulo oposto α é:

Capítulo 19. 4. (UTFPR) Na figura a seguir, temos r//s e t//u//v. Triângulos. 1. Na figura, AB = AC ead = AE. A medida do ângulo oposto α é: Maemáica II Ângulos apíulo 19 1. (UNIRI) s reas r 1 e r são paralelas. valor do ângulo, apresenado na figura a seguir, é: r 1 Suponha que um passageiro de nome arlos pegou um avião II, que seguiu a direção

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA www.pascal.com.br MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA EXERCÍCIOS Prof. Edson Osni Ramos (Cebola) 1. (BP - 2006) Analise as senenças a seguir. I. O século XVI foi marcado pela revolução cienífica no esudo

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos

CAL. 6T63 ÍNDICE PORTUGUÊS. Português. n HORA/CALENDÁRIO Ponteiros de 24 horas, horas, minutos e pequeno dos segundos PORTUGUÊS 78 ÍNDICE Página CORO TIPO BLOQUEIO ROSC... 80 CERTO D HOR... 81 CERTO DO DI DO MÊS... 82 CRONÓMETRO... 83 OPERÇÃO DO BOTÃO DE BLOQUEIO DE SEGURNÇ... 85 TQUÍMETRO... 86 TELÉMETRO... 88 SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

Português Resolução 03 c 01 e NÃO Resolução 04 c Resolução 02 a Resolução 05 b (oficial) sugere-se anulação OBJETIVO 1998

Português Resolução 03 c 01 e NÃO Resolução 04 c Resolução 02 a Resolução 05 b (oficial) sugere-se anulação OBJETIVO 1998 Poruguês Texo para as quesões 01 a 04 Deenho-e diane de ua lareira e olho o fogo. É gordo e verelho, coo nas pinuras anigas; reexo as brasas co o ferro, baixo u pouco a apa de eal e enão ele chia co ais

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão

Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão Licenciaura e Gesão Maeáica Financeira e nsruenos de Gesão [] Carlos Francisco Alves 7-8. Núeros Índices. Conceio e Cálculo de Núeros Índices.. Índices Siples Núero Índice: U núero índice é u valor que

Leia mais

VESTIBULAR SIMULADO 22 ABRIL 2015. 1º Bimestre 2015 1º ANO MATEMÁTICA

VESTIBULAR SIMULADO 22 ABRIL 2015. 1º Bimestre 2015 1º ANO MATEMÁTICA º Biesre 05 Série º ANO ura VESIBULAR SIMULADO ABRIL 05 INSRUÇÕES. Confira, abaixo, a série que ocê esuda e preencha sua ura, seu noe e núero.. A inerpreação das quesões é pare do processo de aaliação.

Leia mais

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1 Física aula CIEMÁTICA IV 4. (,s) movimeno progressivo: COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Como x x é a diferença enre as posições dos auomóveis A e A em-se: o insane, os auomóveis A e A esão na mesma posição.

Leia mais

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo Eliana S. de Souza raa Índice Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico... Exercícios... Gabarito... Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico Lançaento horizontal x oiento ertical queda

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

a) Calcule a força medida pelo dinamômetro com a chave aberta, estando o fio rígido em equilíbrio.

a) Calcule a força medida pelo dinamômetro com a chave aberta, estando o fio rígido em equilíbrio. UJ MÓDULO III DO PISM IÊNIO - POA DE ÍSICA PAA O DESENOLIMENO E A ESPOSA DAS QUESÕES, SÓ SEÁ ADMIIDO USA CANEA ESEOGÁICA AZUL OU PEA. Na olução da proa, ue, uando neeário, g = /, = 8 /, e = 9 - kg, π =.

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Aula 4. Inferência para duas populações.

Aula 4. Inferência para duas populações. Aula 4. Inferência para duas populações. Teos duas aostras independentes de duas populações P e P : população P aostra x, x,..., x n população P aostra y, y,..., y Observação: taanho de aostras pode ser

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza raga Índice Cinemáica...1 Exercícios... Gabario...6 Cinemáica (Não se esqueça de adoar uma origem dos espaços, uma origem dos empos e orienar a rajeória) M.R.U. =

Leia mais

Análise da Propagação de Impulsos em Fibras Ópticas

Análise da Propagação de Impulsos em Fibras Ópticas Análise da Propagação de Ipulsos e Fibras Ópicas Arleh Manuela Gonçalves Disseração para obenção do Grau de Mesre e Engenharia Elecroécnica e de Copuadores Júri Presidene: Prof. Dr. José Manuel Bioucas

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

II. Temos uma assimetria muito grande de diferenças entre III.

II. Temos uma assimetria muito grande de diferenças entre III. Aenção: LÍNGUA PORTUGUESA As quesões de números 1 a 3 referem-se aos exos I e II que seguem. Texo I 1. Na hisória em quadrinhos esá implício que a personagem Jon é céica quano a Garfield ornar-se um gao

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS

CIRCUITOS ELÉTRICOS REGIME PERMANENTE SENOIDAL, REPRESENTAÇÃO FASORIAL E POTÊNCIAS ELÉTRICAS CICUIOS EÉICOS EGIME PEMANENE SENOIDA, EPESENAÇÃO FASOIA E As análises de circuitos até o presente, levou e consideração a aplicação de fontes de energia elétrica a u circuito e conseqüente resposta por

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

*Constrangimentos sociais e estratégias individuais: a dinâmica da escolha de um curso superior em uma grande universidade brasileira.

*Constrangimentos sociais e estratégias individuais: a dinâmica da escolha de um curso superior em uma grande universidade brasileira. XXVI Congreso de la Asociación Lainoamericana de Sociología. Asociación Lainoamericana de Sociología, Guadalajara, 2007. *Consrangimenos sociais e esraégias individuais: a dinâmica da escolha de um curso

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA)

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA) (Fuves-SP) (UERJ) No esáio o Morumbi, 0 000 orceores assisem a um jogo. Aravés e caa uma as 6 saías isponíveis, poem passar 000 pessoas por minuo. Qual é o empo mínimo necessário para esvaziar o esáio?

Leia mais

Overdose. Série Matemática na Escola. Objetivos

Overdose. Série Matemática na Escola. Objetivos Overdose Série Maemáica na Escola Objeivos 1. Analisar um problema sobre drogas, modelado maemaicamene por funções exponenciais; 2. Inroduzir o ermo meia-vida e com ele ober a função exponencial que modela

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados Bombas com Variadores de Frequência Ineligenes Inegrados soluion ouline file no: 100.11p dae: january 2013 supersedes: new dae: new máxima performance durane odo o empo 125 a Armsrong desenvolveu o Design

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO AT VIRTUA GEOMETRIA EPACIAL PRIMA 01) A caixa de água de um cero prédio possui o formao de um prisma reo de ase quadrada com 1,6 m de aura e aresa da ase medindo,5 m. Quanos iros de água há nessa caixa

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO IMPULSO E QUNTIDDE DE MOVIMENTO 1. Ua bolinha se choca contra ua superfície plana e lisa co velocidade escalar de 10 /s, refletindo-se e seguida, confore a figura abaixo. Considere que a assa da bolinha

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EPGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EPGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV ESCOLA DE ÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA EGE DURAÇÃO DA VENDA DE IMÓVEIS EM LANÇAMENTO NO BRASIL Disseração submeida à Congregação da Escola de ós Graduação em Economia (EGE-FGV)

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais