Responsabilidade Social Relatório 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Responsabilidade Social Relatório 2013"

Transcrição

1 Responsabilidade Social Relatório 2013

2 RESPONSABILIDADE SOCIAL NA RL Mensagem do Presidente Área de Actuação Frota Estrutura Visão, Missão, Valores, Políticas e Certificações ÉTICA EMPRESARIAL RELAÇÃO COM COLABORADORES Desenvolvimento Pessoal Responsabilidade Familiar Relacionamento Interpessoal e Valorização da Experiência Crédito de Horas para RS RELAÇÃO COM OUTRAS PARTES INTERESSADAS Entidades Institucionais - Clientes - Ambiente Gisfrot Gestão Integrada de Sistemas de Frota Reciclagem e Redução de Consumos Comunidade Local - Institucional Contrato Local de Segurança Projecto SerSeguro Mobilidade «Pro Bono» COMPROMISSO PARA O FUTURO

3 Mensagem do Presidente O sector dos transportes enfrenta desafios que se constituem também como oportunidades para as empresas que tenham a capacidade de corresponder às novas permitiram oferecer diversos benefícios aos nossos colaboradores, e no fortalecimento das relações com as câmaras municipais e forças de segurança. necessidades da nossa sociedade. A nossa estratégia para o próximo ano está assente em três pilares da sustentabilidade: A agenda da sustentabilidade implica uma nova filosofia de gestão, a incorporação de novas competências e inovação nas soluções de mobilidade. A sustentabilidade - Económico, através da promoção e desenvolvimento do serviço de transporte público, através da melhoria da mobilidade dos nossos clientes; do sector dos transportes e da mobilidade são factores incontornáveis. Para a RL é uma opção estratégica que abraçámos em 2013, pois constitui-se como um factor de competitividade fundamental na nossa actividade. - Ambiental, na continuação do desenvolvimento de projectos que minimizem os impactes que a nossa actividade produz; A ideia de crescimento da empresa assenta na criação de valor para o cliente, desenvolvimento de soluções de mobilidade ajustadas às necessidades das comunidades em que estamos presentes e ao incentivo da utilização do transporte - Social, aprofundando a realização de projectos de valorização dos nossos colaboradores, assentes num ambiente de trabalho seguro e saudável, na comunicação entre todos, na inclusão de todos e na igualdade de oportunidades. público, pelo que a incorporação de práticas sustentáveis e a gestão dos impactes da nossa actividade são essenciais numa visão de longo prazo. Será certamente também um ano de reforço das parcerias já existentes com autarquias, forças de segurança e instituições sociais. As nossas principais actividades este ano centraram-se no aprofundamento das boas práticas ambientais, no encontro de parcerias com diversas entidades, que nos António Corrêa de Sampaio Presidente da RL 01 02

4 Área de Actuação Frota 352 Viaturas em Dezembro de 2013 Distribuição da Frota por Idades 03 04

5 Estrutura Visão, Missão, Valores, Políticas e Certificações 764 Colaboradores em Dezembro de 2013 Visão A Rodoviária de Lisboa assume o compromisso social de se afirmar como um parceiro activo na melhoria da mobilidade urbana, da segurança rodoviária, da qualidade ambiental e da segurança e saúde dos seus trabalhadores. Missão Disponibilizar uma rede sustentável de serviços de transporte rodoviário na Área Metropolitana de Lisboa, satisfazendo necessidades dos clientes, promovendo parcerias para a melhoria contínua do nível do serviço prestado e da qualidade de vida das populações servidas. Valores Confiança, regularidade e segurança no serviço, com vista a obter reconhecimento dos seus clientes, apostando na valorização e coesão dos colaboradores, como forma de acrescentar valor aos accionistas. Política Ambiental, Qualidade e Segurança Assegurar a permanente adequação da oferta dos seus serviços às necessidades (expectativas) dos clientes. Conceber, implementar e manter um Sistema de Gestão, que garanta o cumprimento dos requisitos das normas 05 06

6 aplicáveis à sua actividade empresarial, bem como de normativos, legislação e/ou regulamentares específicos; Avaliar e assegurar, continuamente, a melhoria dos serviços, a satisfação dos clientes e o incremento dos resultados, tendo em conta as metas estabelecidas como referências na actividade e no negócio; Garantir condições de trabalho adequadas, de forma a minimizar os riscos, reduzir os incidentes e evitar os acidentes; Melhorar a gestão energética, através do consumo mais eficiente de gasóleo e, consequentemente, reduzir as emissões gasosas poluentes; Melhorar a gestão dos resíduos, prevenindo, controlando e reduzindo a poluição; Estimular parcerias de negócio, tendo por objectivo melhorar os desempenhos nos domínios Ambiental, da Qualidade e da Segurança da Rodoviária de Lisboa; Divulgar, interna e externamente, os compromissos assumidos nos domínios Ambiental, da Qualidade e da Segurança; Promover a valorização de todos os colaboradores, no sentido de estimular iniciativas, assegurar a motivação interna e envolver os trabalhadores na melhoria dos resultados; Providenciar formação adequada a todos os colaboradores, de forma a desenvolver as suas competências e enriquecer o conhecimento para um desempenho gradualmente mais eficiente e seguro; Promover uma relação estreita com fornecedores e parceiros de negócio, no sentido de assegurar o compromisso das melhorias identificadas. Certificações A Rodoviária de Lisboa é certificada pelas normas: NP EN ISO 9001: 2008 em 10 de Maio de 2009 NP EN ISO 14001: 2004 em 11 de Maio de 2009 OHSAS 18001: 2007 em 8 Julho

7 Ética Empresarial Relação com Colaboradores Tendo como base os valores da empresa, melhoria contínua e ainda o nosso A responsabilidade social na Rodoviária gestão da segurança e saúde no profissionalismo, responsabilidade, empenhamento na minimização dos de Lisboa integra a gestão estratégica trabalho, desenvolvemos, ao longo segurança e ambição a Rodoviária de impactes ambientais da nossa actividade. da empresa. Não nos limitando a do ano, um conjunto de acções nas Lisboa produziu um Código de Ética onde práticas pontuais, a dimensão interna áreas de desenvolvimento pessoal, transmite um conjunto de princípios que das nossas preocupações levou-nos sustentabilidade das famílias, regem a vida da empresa. a certificar a empresa de acordo com valorização da experiência profissional a Norma OSHAS que é o padrão e relacionamento interpessoal. Salientamos a nossa garantia no rigoroso internacionalmente aceite para validar cumprimento da lei, uma actuação Sistemas de Gestão da Segurança e Desenvolvimento Pessoal baseada nos princípios fundamentais Saúde no Trabalho, que foi desenvolvido A motivação, a satisfação e universais da sustentabilidade, uma para ajudar as organizações a im- valorização dos trabalhadores fazem atitude competitiva cooperativa, assente plementar um sistema de gestão de parte dos nossos princípios e são no respeito pelas regras da concorrência riscos, permitindo às organizações um compromisso da Rodoviária de e na criação de sinergias, a valorização gerir riscos operacionais e melhorar Lisboa com os seus colaboradores do potencial dos nossos colaboradores o seu desempenho. valorizamos o potencial dos nossos para que estes possam chegar mais colaboradores para que estes possam longe e conduzir-nos no caminho da Para além dos aspectos ligados à chegar mais longe e conduzir-nos 09 10

8 no caminho da melhoria contínua. para apoio aos colaboradores a igualdade remuneratória em termos conseguir melhores preços para os constituindo simultaneamente um de carreira e de género fazem parte colaboradores e familiares da empresa. Para que este princípio seja uma modo de divulgação da cultura e integrante da nossa cultura. Na área cultural realizamos parcerias realidade, efectuamos mais de 28 valores da empresa. com teatros que permitiram a grande mil horas de formação por ano, Para promover o bem-estar dos número dos nossos trabalhadores envolvendo um conjunto alargado de Entre o que foi desenvolvido para nossos colaboradores desenvolvemos frequentarem espectáculos gratui- acções promovidas por formadores promover um bom ambiente de um conjunto de actuações e de tamente. Destas parcerias de carácter internos e externos. trabalho e uma boa comunicação parcerias visando minimizar o impacte cultural, conseguimos no ano de 2013, entre todos, salientamos o projecto adverso das actuais condições 420 bilhetes p a r a espectáculos Procurando a motivação pessoal, a espaço leitura caracterizado pela económicas sobre a vida dos tra- que foram integralmente utilizados RL privilegia a comunicação interna criação de pequenas bibliotecas em balhadores da empresa. pelos nossos trabalhadores e familiares. todos os estabelecimentos da empresa, com o intuito de fomentar Em situações pontuais de dificuldade o gosto pela leitura. financeira promovemos o adiantamento de remunerações. Responsabilidade Familiar As práticas de recrutamento não Desenvolvemos parcerias com discriminatório, as preocupações ginásios, oftalmologistas, clínicas relativamente à segurança no trabalho, dentárias e farmácias com vista a 11 12

9 Relacionamento interpessoal e valorização da experiência A actividade de transporte de passageiros é maioritariamente desenvolvida por motoristas que desempenham a sua função fora Procurando promover o espírito das instalações da empresa. Com o objectivo de minimizar natalício e contribuir para que todos situações de dificuldade financeira possam usufruir de uma mesa de Através do projecto de Infor- e de degradação social entre os Natal com produto adequados à mação ao Cliente em Tempo Real, colaboradores da Rodoviária de época, distribuímos anualmente ICTR, integramos novas tecnolo- Lisboa, iniciamos um projecto um cabaz de natal a todos os gias que permitem o reforço do Na parceria conseguida com uma designado por Dar e Receber. trabalhadores. sentimento de segurança junto distribuidora de combustíveis, A recolha mensal de alimentos dos nossos motoristas. permitindo aos colaboradores RL permitiu ajudar 219 famílias de adquirir combustível a preços colaboradores da RL no ano de Reduzimos o sentimento de inferiores aos do mercado, foram A participação de toda a isolamento e de incerteza dos já distribuídos 150 cartões de empresa foi fundamental para se motoristas ao permitir o contacto adesão. atingir este objectivo. e ligação permanente 13 14

10 com o centro de controlo. O ICTR A procura da valorização profissional Cedência gratuita de viaturas Em cojunto com técnicos das permitiu integrar câmaras de e social dos colaboradores, para que os colaboradores possam autarquias locais e IPSS localizadas vigilância no interior das viaturas, traduz-se em apoios que permitam ter momentos de lazer com as na nossa área de intervenção temos com impacte positivo na percepção o bem-estar nas suas relações suas famílias e colegas de trabalho. abraçado diversos projectos de da segurança a bordo da viatura. interpessoais tanto na empresa Solidariedade Social. como na sua vida pessoal. Como Valorizar a experiência através Com o intuito de conhecer as já assinalámos procuramos da entrega anual de prémios de No desenvolvimento dessa colabo- preocupações e apoiar estes promover um bom ambiente de antiguidade. ração somos confrontados com colaboradores a Empresa criou um trabalho assim como uma comu- solicitações de apoio associado corpo de trabalhadores designados nicação salutar entre todos. A vasta área geográfica de actuação a voluntariado empresarial, pelo por + solidários. Estes elementos envolve algumas zonas e bairros que a empresa decidiu conceder foram sujeitos a formação Tentando atingir esse objectivo, sensíveis em termos sociais. A a todos os colaboradores 16 específica tendo cada um deles a empresa desenvolve e apoia actual crise económica que está horas anuais para esse objectivo, à sua responsabilidade um grupo um conjunto de acções, nomea- a ocorrer no país reflecte-se utilizados nos projectos apoiados de trabalhadores. A sua actuação damente; num agudizar das condições de pela Rodoviária de Lisboa. procura minimizar ou resolver vida de parte da população. Estes os problemas de carácter profissional Incentivo à prática desportiva factos levaram-nos a sensibilizar Relação com a Sociedade ou pessoal dos trabalhadores a suportando os encargos de aluguer os nossos colaboradores para o O nosso compromisso com a seu cargo. de recintos; tema do voluntariado. comunidade, alicerçado nas 15 16

11 preocupações de coesão social na nossa área de exploração As nossas preocupações explanadas na visão, missão e valores da empresa, Relação com Outras Partes Interessadas levaram-nos a abraçar projectos que assumem estas inquietações. Sendo projectos integradores, são normalmente desenvolvidos a partir ou com as autarquias como elemento preponderante. onde a mobilidade urbana, segurança rodoviária, qualidade ambiental e a disponibilização de uma rede sustentável de serviços de transporte rodoviário na Área Metropolitana de Lisboa traduzem ainda esse compromisso. Entidades Institucionais No âmbito das parcerias estratégicas desenvolvidas destaque para o contributo do COMETLIS da PSP e do Destacamento de Vila Franca de Xira da GNR na promoção do sentimento de segurança a bordo das O relacionamento com as Autarquias de Loures e de Odivelas permitiu o desenvolvimento de serviços seguros, confortáveis e amigos do ambiente, assentes na personalização e proximidade com o cliente final. A adopção do conceito de Linha Azul, viaturas e no reforço da segurança i.e. a possibilidade de entrada e automóvel. saída de passageiros a pedido fora das paragens definidas, em cerca A diminuição da sinistralidade de 50% da extensão dos serviços, automóvel e o reforço do sentimento demonstra o carácter inovador destas de conforto e segurança a bordo apostas. visam generalizar uma condução O envolvimento com o Idmec (Instituto segura confortável e amiga do de Engenharia Mecânica) e o Ineti, ambiente, minimizando os impactes (Instituto Nacional de Engenharia negativos associados à actividade. Tecnologia e Inovação) visam partilhar 17 18

12 quadros de referência, de modo com a Sociedade uma preocupação Clientes Para minimizar o stress sentido a alavancar competências e a desde já com alguns anos, apresentam- Os clientes são o centro da actividade na paragem pelo tempo de espera, desenvolver ferramentas de trabalho -se alguns marcos, que evidenciam da empresa. Os compromissos que desenvolvemos um projecto de que permitam baixar a incidência o caminho efectuado e algumas das temos para com os nossos clientes Informação ao Cliente em Tempo energética da actividade desenvolvida. evoluções registadas no âmbito do passam por assegurar um serviço Real (ICTR) que informa o cliente sistema integrado de qualidade, de qualidade baseado na confiança, do tempo de chegada do seu autocarro. A colaboração com a CCDR LVT, ambiente e segurança, assente regularidade e segurança. (Comissão de Coordenação e num processo de melhoria contínua Para isso procuramos disponibilizar Preocupados com as questões de Desenvolvimento Regional de Lisboa do serviço prestado: uma rede sustentável ajustada às segurança integramos um sistema e Vale do Tejo) no âmbito dos Planos necessidades de mobilidade dos de vídeo vigilância no projecto ICTR de Melhoria da Qualidade do Ar, as Principais Marcos: nossos clientes. que aumenta a percepção de segurança, candidaturas ao Fundo Português de Carbono e ao Fundo de Apoio à I Fase Gisfrot, (Gestão Integrada de Sistemas de Frota) co-financiado pelo IMTT: Junho 04 a Junho 06; Através de Inquéritos à Qualidade mantendo os autocarros em contacto permanente com a central de tráfego. Inovação e os Planos de Racionalização Energética, constituem programas institucionais visando promover a eficiência energética e a diminuição Aprovação do 1º Plano de Racionalização Energética: Setembro 08 Certificação em Qualidade e Ambiente: Maio 09 2ª Candidatura ao Fundo Português de Carbono: Junho 10; do Serviço e da disponibilização de uma ligação com a empresa utilizando o Site, procuramos retorno dos clientes sobre a qualidade do Na mesma linha aumentámos o corpo de fiscalização que também contribui para o sentimento de segurança dos nossos clientes. dos impactos sentidos pelas populações. Adesão à Aliança de Prevenção Rodoviária: Outubro 13 serviço que nos incentive a melhorar e a adequar cada vez melhor o Desenvolvemos um projecto de Sendo o relacionamento da empresa serviço às suas necessidades. monitorização da condução que nos 19 20

13 permite fazer incidir a formação estruturada, de modo a minimizar urbanas servidas e de crescente uma forma segura, confortável e dos nossos motoristas nas áreas os principais impactes, associados consideração, no âmbito das alterações amiga do ambiente. com mais impacto na qualidade do ao desenvolvimento da sua actividade, climáticas. serviço. Este projecto permite ainda junto das populações servidas e O envolvimento com a população informar em tempo real o motorista dos seus colaboradores. O ruído e a sinistralidade automóvel servida, as Autarquias Locais e dos seus comportamentos desviantes fazem parte das externalidades do outras instituições visa alavancar e assim melhorar a condução fornecendo A crescente intensidade energética transporte rodoviário que importa a partilha de competências e garantir ao cliente um serviço de excelência. do transporte rodoviário, assente monitorar garantindo a sua prevenção o contributo de decisores relevantes, no recurso a combustíveis fósseis, e a sensibilização dos mais novos, de modo a garantir interna e e o excessivo recurso ao transporte divulgando práticas que garantam externamente evidências das Ambiente individual apontam para a necessidade a minimização destes impactes junto políticas e das medidas adoptadas A Rodoviária de Lisboa assume de promoção do transporte colectivo, das populações. aos diferentes níveis. uma Visão assente na melhoria como forma de garantir uma mobilidade da mobilidade urbana, da qualidade sustentável em meio urbano. O papel inclusivo do transporte Gisfrot Gestão Integrada ambiental e da segurança e saúde colectivo rodoviário promovendo a de Sistemas de Frota dos seus colaboradores. As emissões de CO2, de partículas e mobilidade, a coesão social e a O impacte ambiental da nossa de gases com efeito de estufa constituem melhoria da qualidade de vida das actividade sempre representou uma Este posicionamento estratégico um factor condicionante da qualidade populações servidas, só será efectivo grande preocupação da empresa. tem sido concretizado de forma do ar das populações e das áreas na medida em que seja realizado de Sabemos que este só poderá ser 21 22

14 minimizado com uma melhoria da na eficiência energética do serviço. eficiência energética e que este objectivo depende de diversos factores dos quais salientamos o comportamental. Os resultados obtidos após a informação proveniente dos aparelhos de monitorização e das acções Esta preocupação levou-nos a de formação daí resultantes, traduzem-se em: desenvolver um projecto que monitoriza o comportamento do motorista em contexto real de trabalho, com vista a sensibilizá-lo para Emissões de CO2: Redução de toneladas entre Janeiro de 05 e Dezembro 13 comportamentos desviantes na sua condução. Comportamentos desviantes dos motoristas: Diminuição em A alteração dos comportamentos 22% entre Julho 11 e Julho 13 desviantes permite melhorar substancialmente a qualidade do serviço prestado ao cliente com consequências muito significativas Acidentes com danos corporais: Diminuição de 47% de Janeiro 05 a Dezembro

15 Consumo de Gasóleo a 2013 (-4,5% litros p/100kms) Reciclagem e redução de consumo Conhecedores das características da nossa actividade ao nível ambiental, da produção de resíduos, dos consumos de água e energia eléctrica e, salientamos uma vez mais, procurando mitigar os impactes no meio, a Rodoviária de Lisboa certificou-se em Ambiente e Qualidade em Maio de 2009, de acordo com as Normas NP EN ISSO 9001 e Naturalmente que esta certificação acentuou as acções já existentes ao nível ambiental, nomeadamente na separação de resíduos, nas reduções dos consumos de energia eléctrica e de água, destacando-se alguns indicadores que salientam essa preocupação: De 40 pontos de recolha de resíduos em 2006, para131 em 2012; De19 resíduos diferentes separados em 2006, para 40 em 2012; Das 264 toneladas de resíduos, 59% foram enviadas para reciclagem; Redução de 17% no consumo de água; Evolução do consumo de energia eléctrica. Salientamos ainda a evolução na produção de resíduos entre 2012 e 2013, que resultou do acentuar do processo de recolha e separação. Acções de sensibilização e formação dos colaboradores, vocacionadas para as áreas da manutenção, permitiram envolver as chefias, alterar comportamentos e alcançar os valores assinalados

16 Comunidade A Rodoviária de Lisboa procurou sempre responder aos problemas da sociedade da nossa área de influência. Loures e um outro que abrange a população escolar do quarto ano do ensino básico do concelho de Odivelas. Respondemos a solicitações «Pró Bono» da sociedade em geral, salientando as Autarquias, escolas, IPSS, etc. Contrato Local de Segurança A Câmara Municipal de Loures com o Contrato Local de Segurança de Loures (CLS) visa promover, em parceria, Integramos projectos desenvolvidos pelas entidades oficiais e particulares. o reforço da coesão social em territórios e áreas sensíveis do concelho. Institucional Neste apoio salientamos dois projectos que consideramos exemplares dado que se caracterizam por atingir uma parte significativa da população de áreas residenciais do concelho de As acções conjuntas de reforço do sentimento de segurança no interior das viaturas, passam pelo aconselhamento e pela presença policial visando o aumento do sentimento de segurança

17 Após a adesão ao projecto assumimos de alunos com necessidades educa- Assim, e a acrescer a todas as outras localizadas em bairros assumidamente um conjunto de apoios à população tivas especiais possibilitando a acções desenvolvidas, realizamos parcerias composto de população de fracos re- local que passam por: uma escola, a prática de aulas de ou apoios directos dos quais salientamos: cursos económicos; equitação terapêutica. Trata-se Transporte gratuito das escolas de um projecto com características Projecto com características únicas Cedemos títulos de transporte a actores locais para eventos no âmbito do CLS; únicas a nível nacional, que permite a nível nacional, permite reconheci- integrantes do Teatro IBISCO, criado como reconhecidamente melhorar a damente melhorar a integração na forma de integração social pelas artes; Reforço de transporte público em integração na comunidade, de comunidade, de jovens com necessidades eventos integrantes do CLS; jovens com necessidades educativas especiais; Apoiamos atletas paralímpicos através especiais. da concessão de títulos de transporte Decoração integral de viatura Integramos anualmente eventos que lhes permitem frequentar os treinos alusiva ao CLS; Mobilidade Pro Bono desenvolvidos pelas autarquias, no- de preparação. A componente de Responsabilidade meadamente no final do ano lectivo, Disponibilização de estágios para Social Pro Bono da Rodoviária de Lisboa realizando transporte Pro Bono de crianças jovens da comunidade local. procura contribuir para minimizar para realização de espectáculos típicos situações de exclusão social de forma desta época; Projecto de Hipoterapia directa ou indirecta, através de apoio Parceria com a autarquia de Odivelas a instituições que têm o mesmo Pontualmente efectuamos transporte que assume o transporte gratuito objectivo. de crianças integradas em escolas 29 30

18 Compromisso para o Futuro Se por um lado, as actuais condições económicas não são as ideais para desenvolvimento de projectos de responsabilidade social pelas empresas, por outro é nestas épocas que mais devemos implementar acções de solidariedade e responsabilidade social tanto a nível interno como integradas no nosso meio social. Neste contexto vamos empenhar-nos em: Manter e incentivar os projectos em curso; Dinamizar o nosso projecto de voluntariado, integrando acções desenvolvidas pelas autarquias da nossa área de influência, e de IPSS que nos solicitem; Procurar novas parcerias que permitam aos trabalhadores a aquisição de bens ou serviços a menores preços; Desenvolver as nossas preocupações de carácter ambiental através da monitorização das externalidades associadas à actividade (consumos de recursos escassos, emissões poluentes, sinistralidade automóvel), desenvolvendo acções que minimizem o seu impacte no meio envolvente; Incentivar os nossos colaboradores e o processo de melhoria contínua para que possamos, em conjunto, superar as expectativas de qualidade dos nossos clientes. Lisboa, 28 de Junho de

19

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Graça Calapez Barreiro, 22 de Outubro de 2010 HISTÓRIA A T.S.T. constitui-se a partir de um dos centros da Rodoviária Nacional. Foi privatizada em Janeiro

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB

A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB, tendo como principal objectivo a redução de 20%, até ao ano de 2020, nas emissões de CO2. Formação em Eco condução, novas tecnologias

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português.

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Identificação da empresa Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Breve Historial da STCP A STCP - Sociedade de Transportes Colectivos

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA Case study 2010 Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA A E.Value S.A. é uma empresa de consultoria e desenvolvimento, com competências nos domínios

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO CONCELHO Aprovado na 3.ª Reunião Ordinária

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES

DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES JUNHO DE 2012 CENTRO ESTUDOS NATÁLIA CORREIA PONTA DELGADA CATARINA BORGES AGRADECIMENTOS SECRETARIA REGIONAL

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

A excelência é o nosso objectivo. E o seu?

A excelência é o nosso objectivo. E o seu? A excelência é o nosso objectivo. E o seu? Quem somos A experiência ao serviço do seu negócio A actuar no mercado desde 1977, a Petrochem Produtos Químicos de Portugal especializou-se no fabrico de soluções

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição.

Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima de tudo, Perfeição. COMMUNICATION ON PROGRESS MARCH 2014 MARCH 2015 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA Na ANCESTRA, acrescentamos novos sinónimos à definição de Qualidade. Para nós, é também Excelência, Flexibilidade, Impacto. Acima

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Apresentação dos seguintes projectos: 1) Câmara de Lobos.

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

APRESENTAÇÃO ACCENDO

APRESENTAÇÃO ACCENDO APRESENTAÇÃO ACCENDO "A Accendo é uma empresa que funciona com uma rede de parceiros e associados, vocacionada para o desempenho de todas as actividades ligadas à formação profissional essencialmente a

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

Luis Natal Marques, Gebalis EEM

Luis Natal Marques, Gebalis EEM Luis Natal Marques, Gebalis EEM TÓPICOS I. Porquê Responsabilidade Social (RS)? II. As Empresas de Serviços de Interesse Geral (SIGs) III. Mais valias da Responsabilidade Social nas Empresas de Serviço

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012

PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012 PAO 2013 Assembleia Geral 13 de Novembro de 2012 PAO 2013 1. NOTA DOS FUNDADORES 2. OBJECTIVOS 2013 a) INTERVENÇÃO SOCIAL b) ANGARIAÇÃO DE FUNDOS c) COMUNICAÇÃO d) VOLUNTÁRIOS ABO e) GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

TRENMO APRESENTAÇÃO. transportes.engenharia.modelação

TRENMO APRESENTAÇÃO. transportes.engenharia.modelação TRENMO APRESENTAÇÃO transportes.engenharia.modelação A NOSSA HISTÓRIA A Trenmo (Transportes, Engenharia e Modelação) é uma empresa recente, criada em 2005, a partir de um spin-off do conhecimento desenvolvido

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis. Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO

A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis. Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO Ana Maria Lopes CONTEÚDO EGEO SIG- nas empresas da EGEO social

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

6. ESTRATÉGIAS DE ACÇÃO Relatório Agenda 21 - CASCAIS 2007 119 A implementação de uma estratégia no âmbito da Agenda Local 21 é apenas alcançável com a colaboração de todos os actores que actuam no Concelho,

Leia mais

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015

OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 OPORTUNIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM IPSS SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS PORTARIA 57-B/2015 ENQUADRAMENTO Para os efeitos previstos na secção 2 da Portaria 57-B/2015,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos.

Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a modernização administrativa com vista à aproximação dos serviços aos cidadãos. OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÂNICAS - 2011 MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE UNIDADE ORGÂNICA: Divisão de Cooperação, Comunicação e Modernização Missão: Melhorar a qualidade de vida dos munícipes e promover a

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais