Uma Metodologia de Planejamento da Expansão da Transmissão Baseada em Trade-Off e Indicador de Mérito Econômico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Metodologia de Planejamento da Expansão da Transmissão Baseada em Trade-Off e Indicador de Mérito Econômico"

Transcrição

1 Universidde Federl de Pernmbuco - UFPE Cenro de Tecnologi e Geociêncis - CTG Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Eléric - PPGEE Um Meodologi de Plnejmeno d Expnsão d Trnsmissão Bsed em Trde-Off e Indicdor de Mério Econômico Disserção Submeid o PPGEE d UFPE como Um dos Requisios à Obenção do Tíulo de Mesre em Engenhri Eléric Por João Ricrdo Pes de Brros Oriendores: Ascendino Flávio Dis d Silv Alber Cordeiro Geber de Melo Recife, 18 de Dezembro de 2000

2 Brros, João Ricrdo Pes de Um meodologi de plnejmeno d expnsão d rnsmissão bsed em rde-off e indicdor de mério econômico / João Ricrdo Pes de Brros. Recife : O Auor, xxxviii, 297 folhs : il., b., gráf., mps. Disserção (mesrdo) Universidde Federl de Pernmbuco. CTG. Engenhri Eléric, Inclui bibliogrfi e nexos. 1. Engenhri eléric Sisems de poênci. 2. Plnejmeno d expnsão de sisems de rnsmissão. 3. Confibilidde e oimizção de sisems de rnsmissão. I. Tíulo CDU (2.ed.) UFPE CDD (21.ed.) BC

3 ii Um Meodologi de Plnejmeno d Expnsão d Trnsmissão Bsed em Trde-off e Indicdor de Mério Econômico Nosso cérebro é o melhor brinquedo já crido: nele se enconrm odos os segredos, inclusive o d felicidde. Chrles Chplin À Fáim por mis es grnde conquis e por sber enender ns vezes o empo dedicdo ese rblho. Aos meus pis, João Reinux (in memorin) e Dlil, pels condições oferecids pr minh formção. Aos meus filhos, Gbriel, Bárbr, Dimiri e Cmil, que comprilhrm comigo imens legri de ver o objeivo dese rblho de disserção ser lcnçdo com sucesso.

4 Agrdecimenos - iii - Um Meodologi de Plnejmeno d Expnsão d Trnsmissão Bsed em Trde-off e Indicdor de Mério Econômico Agrdecimenos Depois de nos meses prece incrível esr escrevendo úlim págin dese rblho disserção. Desde já quero grdecer ods s pessos que me incenivrm e conribuírm de lgum form pr que eu concluísse es obr. Um pequen mosr de que um bo idéi, lid à vonde de relizá-l, pode modificr um siução é es disserção. A presene disserção sineiz um som de esforços, de compreensão e de mizde. Àqueles que mis diremene conribuírm pr es relizção, regisro qui minh gridão: Ü À Deus, cim de udo, por er me permiido erminr ese rblho com súde e bsne moivção. Ü Aos meus oriendores e migos Prof. Dr. Ascendino e Prof. Dr. Alber pel dedicção, imporne poio e excelene orienção o longo dese rblho. Ü Ao professor Frncisco Rmos do mesrdo de economi, que permiiu cursr s disciplins de Microeconomi e Teori dos Jogos, que em muio conribuiu pr relizção des disserção. Ü À coordenção e secreri do mesrdo de engenhri eléric, pelo poio e solução dos râmies burocráicos necessários pr o encminhmeno dese rblho de disserção. Ü À minh espos Mri de Fáim por su pciênci e poio em odos os momenos vividos durne es árdu, mrvilhos e inesquecível experiênci.

5 Agrdecimenos - iv - Ü Aos meus filhos, Gbriel, Bárbr, Dimiri e Cmil, pels sus legres compnhis e pelo enendimeno d minh usênci, necessári àrelizção dese rblho. Ü Ao meu pi pelo incenivo o profundmeno no mundo do conhecimeno e pricipr no mesrdo em engenhri eléric. Ü À engenheir Vilm Andrde pelo poio, incenivo e vlioss conribuições n relizção do esudo de cso. Ü Finlmene, o engenheiro Chefe do DES, Sérgio Murilo, e CHESF Compnhi Hidro Eléric do São Frncisco pel compreensão nos momenos de meu fsmeno, necessários pr relizção dese rblho. Muio Obrigdo!

6 Resumo - v - Um Meodologi de Plnejmeno d Expnsão d Trnsmissão Bsed em Trde-off e Indicdor de Mério Econômico Resumo A indúsri de energi eléric, prir dos nos 80, e mis inensmene n décd de 90, vem pssndo por um processo de reesruurção em diversos píses. De form gerl, ess reforms diferem em rimo e inensidde de cordo com s crcerísics de cd pís. Porém o objeivo básico é lcnçr um mior eficiênci n indúsri de energi eléric rvés d inrodução d concorrênci nos segmenos de produção e comercilizção de energi. Pr iso, fz-se necessário grnir o cesso livre e não discriminório à rede de rnsmissão, qul é considerd como monopólio nurl, endo, porno, os seus cusos reguldos. Como conseqüênci finl de odo o processo, esper-se ingir ão desejd modicidde rifári. Devido às ls xs de crescimeno de mercdo, expnsão dos sisems de gerção e rnsmissão consiui-se em um for de exrem imporânci ser considerdo no novo cenário. Nese senido, foi crido no nosso pís o Comiê Coordendor do Plnejmeno d Expnsão do Sisem Elérico CCPE, com responsbilidde de elborr o plnejmeno indicivo d gerção e deerminivo d rnsmissão. No cso específico d rnsmissão, ressl-se o fo de que, nese novo conexo, o processo de plnejmeno pss er um objeivo dicionl: vibilizr concorrênci nos segmenos de produção e comercilizção de energi, denro de um mbiene descenrlizdo de decisão em invesimenos. Evidenci-se, ssim, o umeno no gru de imporânci e n complexidde d ividde de plnejmeno d rnsmissão impos pel nov indúsri de energi eléric.

7 Resumo - vi - Es disserção em por objeivo, lém d conceiução do problem de plnejmeno d rnsmissão no novo mbiene insiucionl do seor elérico, proposição de um bordgem meodológic pr su solução, com enfoque dedicdo à inclusão dos cusos d inerrupções de fornecimeno de energi eléric nos processos de omds de decisões relivs às dições de reforços de rnsmissão e de seleção ds configurções evoluivs óims. A meodologi propos brnge os diversos horizones de omd de decisão e os grus de delhmeno n represenção do sisem, sendo consiuíd pelos seguines pssos básicos: () elborção d configurção de expnsão de referênci; (b) elborção de configurções lernivs rvés d posergção d d de enrd de circuios; (c) hierrquizção ds configurções prir d definição de um índice de mério econômico; (d) idenificção do conjuno de decisão rvés d eliminção ds configurções dominds; (e) seleção do conjuno óimo de lernivs rvés d nálise benefício-cuso (rde-off), onde o benefício é represendo pel redução no vlor esperdo de energi não suprid equivlene de cd lerniv. A meodologi propos é ilusrd e vlidd rvés de um plicção delhd à expnsão de um configurção de um rede rel: o sisem de rnsmissão d Áre Lese d CHESF. Os resuldos obidos indicm dequcidde d meodologi pr ese sisem e que presen grnde poencil pr ser uilizd em ouros sisems de rnsmissão de grnde pore.

8 Absrc - vii - Um Meodologi de Plnejmeno d Expnsão d Trnsmissão Bsed em Trde-off e Indicdor de Mério Econômico Absrc Since he ls en yers he elecricl indusry hve been experiencing n inensive resrucuring process worldwide. This process vries from counry o counry in ccordnce wih heir chrcerisics. However common objecive hs been idenified: he increse in erms of efficiency hrough he inroducion of compeiion in he energy producion nd rding hus leding o modere riffs o he consumers. A bsic sep owrds his gol is he gurnee he open ccess of he rnsmission sysem o hird pries, i.e., he rnsmission sysem is considered s nurl monopoly nd is coss re reguled. Due o he high lod growh res, he expnsion of he generion nd rnsmission sysems becomes key fcor in his new environmen. For his reson, new eniy ws conceived, he Expnsion Plnning Coordining Council of he Elecric Power Secor CC- PE, which is in chrge of he indicive genering plnning nd deerminive rnsmission plnning. In he cse of he rnsmission sysem, i is imporn o highligh h he plnning civiy hs nd ddiionl objecive: o llow he compeiion in he generion nd rding segmens inside of de-cenrlized invesmen decision mking process. Therefore he degree of impornce nd complexiy of he rnsmission plnning hs been incresed in he new elecricl indusry. Besides describing he conceps reled o he rnsmission plnning problem in he new frmework, his hesis lso describes n pproch o is soluion. The proposed mehodology kes ino ccoun he disinc decision mking horizons nd degrees of sysem represenion s well s he involved uncerinies. I comprises he following mjor seps: () esblishmen of he reference expnsion configurion; (b)

9 Absrc - viii - developmen of lernive expnsion configurions hrough delys in he circui implemenions; (c) rnking of expnsion configurions from he definiion of economic indices of meri; (d) idenificion of he decision se by elimining he domined expnsion configurions; (e) selecion of he opiml se of configurions hrough rde-off (benefi/cos) nlysis, where he benefi is ssocied o he decrese of he equivlen expeced energy no supplied of he configurion. The proposed pproch is illusred hrough deiled cse sudy wih configurion of relisic nework, he Esern re of CHESF sysem. The resuls hs shown h he mehodology is very deque o his sysem nd hs gre poenil o be pplied o o- her sysems.

10 Sumário - ix- Um Meodologi de Plnejmeno d Expnsão d Trnsmissão Bsed em Trde-off e Indicdor de Mério Econômico Sumário Liss de Figurs e Tbels...xvii Liss de breviurs e Símbolos...xxix Cpíulo Inrodução Esruur Emergene no Seor Elérico Novos Desfios do Plnejmeno d Expnsão Abordgem Meodológic Propos Esruur d Disserção...13 Cpíulo Plnejmeno d Expnsão d Trnsmissão (Conceiução e Revisão) Inrodução Conceiução do Problem de Plnejmeno Horizones de Plnejmeno d Trnsmissão Árvore de Plnejmeno d Trnsmissão Revisão Bibliográfic (Esdo d Are) Abordgem Deerminísic Vi o Cminho d APT (Um Eságio de Tempo e Sem Incerez)...2

11 Sumário - x Abordgem Deerminísic Vi o Cminho d APT (Mulieságios de Tempo e Sem Incerez) Abordgem Deerminísic Vi o Cminho d APT (Mulieságios de Tempo e Com Incerez) Abordgem Probbilísic Vi o Cminho d APT (Um Eságio de Tempo e Sem Incerez) Abordgem Probbilísic Vi o Cminho d APT (Mulieságios de Tempo e Sem Incerez) Principis Consções d Revisão Aspecos Meodológicos Aspecos Relivos os Criérios de Adições Aspecos Relivos à Modelgem d Rede Aspecos Relivos os Algorimos de Solução Abordgem Trdicionl X Auomáic Abordgem Deerminísic Trdicionl [CCPE] Abordgem Deerminísic Semi-uomáic Principis Consções d Comprção Aspecos Meodológicos Aspecos Relivos à Modelgem d Rede Aspecos Relivos os Criérios de Adições Aspecos Relivos à Função Cuso Aspecos Relivos à Solução de Menor Cuso...78 Cpíulo Abordgens Meodológics Probbilísics (Conceiução e Revisão Meodológic) Inrodução Árvore de Possibiliddes de Abordgens Conexo ds Avlições de Confibilidde Descrição ds Abordgens Probbilísics Abordgem Bsed em Índices de Confibilidde Abordgem Bsed no Vlor d Confibilidde Principis Consções Aspecos Meodológicos Aspecos Relivos à Modelgem d Rede

12 Sumário - xi Aspecos Relivos os Criérios de Adições Aspecos Relivos à Função Cuso Aspecos Relivos à Solução de Menor Cuso Cpíulo.0 Abordgem Meodológic Bsed em Trde-Off e em Indicdor de Mério Econômico Inrodução Moivção pr Elborção de Nov Abordgem Abordgem Meodológic Propos Algorimo Gerl d Meodologi Propos Dimensionmenos dos Sisems Dimensionmeno do Sisem de Referênci RS S Reserv de Cpcidde do Sisem de Referênci RS S Dimensionmeno dos Sisems..2.1 Reservs de Cpciddes dos Sisems..3 Dimensionmeno do Sisem I S I S RI RT RI..3.1 Reserv de Cpcidde do Sisem de Referênci RT Índices de Confibilidde Equivlenes - ICeq Compormeno ds EENS Dine de Posergções Conceiução d EENS Equivlene - EENSeq Cuso Médio Uniário de Inerrupção - Cuf Obenção dos Vlores ds EENSeq Obenção dos Ouros Índices Equivlenes Expeciv de Poênci Não Suprid Equivlene -EPNS eq Expeciv de Core de Crg Condicionl - XLOL eq Probbilidde de Perd de Crg Equivlene - LOLP eq Freqüênci de Perd de Crg Equivlene - LOLF eq Durção de Perd de Crg Equivlene - LOLD eq Modelo de Perds Aivs Equivlenes Compormeno ds Perds Dine de Posergções Conceiução de Perd Aiv Equivlene - PPAeq Cuso Médio Uniário ds Perds Aivs - Cup... 15

13 Sumário - xii Cuso Uniário d Perd Aiv de Demnd Cuso Uniário d Perd Aiv de Energi Cuso Anul d Poênci de Perd Aiv Obenção ds Perds Aivs Equivlenes - PPAeq Obenção dos Vlores de FPeq For de Perds Equivlene Cusos Incorridos Pelos Consumidores CIC Méodo de Cuseio ds Inerrupções Compormeno dos Cusos ds EENS Cusos Incorridos pelo Sisem - CIS Méodo de Cuseio ds Perds Aivs Compormeno dos Cusos ds Perds Aivs Méodo de Cuseio dos Invesimenos Compormeno dos Cusos de Invesimenos Cusos Tois ds AET - CTOT Méodo de Cuseio ds AET Compormeno dos Cusos Medine q e Modelo de Seleção d AET de Mínimo Cuso Análise de Desempenho e Sínese ds Redes Criério de Prd de Posergção de Reforços - CPPR Ilusrção Gráfic do Conceio do CPPR Modelo de Hierrquizção ds AET Criério de Hierrquizção ds AET Ilusrção Gráfic do Criério de Hierrquizção Inerpreção do Criério de Hierrquizção Conceio de Dominânci e Criério de Pré-seleção Ilusrção Gráfic de AET Dominds Conjuno de Decisão (AET Preo-Óims) Regr de Seleção d AET Óim Principis Consções Aspecos Meodológicos Aspecos Relivos à Modelgem d Rede Aspecos Relivos os Criérios de Adições Aspecos Relivos à Função Cuso Aspecos Relivos à Solução de Menor Cuso

14 Sumário - xiii- Cpíulo Aplicção d Meodologi de Oimizção o Plnejmeno d Áre Lese d CHESF Inrodução Conexo d Aplicção d Meodologi Perfil d CHESF Sisem de Trnsmissão d CHESF Áre Lese d CHESF Definições dos Sisems de Referêncis Obenção do Sisem de Referênci Superior - RS S Adições de Reforços Recomenddos Pr o Sisem RS S Obenção do Sisem de Referênci Inferior RI S Adições de Reforços Recomenddos Pr o Sisem S RI Análise Compriv dos Sisems S RS e Análise de Invesimeno dos Sisems Análise de Confibilidde dos Sisems Compormenos ds EENS dos Sisems Análise de Perds Aivs dos Sisems Compormenos ds PPA dos Sisems 5.. Principis Consções dos Sisems 5.5 Definiçõe dos Sisems Inermediários S RI RS S e RS S e RS S e S RS e S RS e RS S e S RI S RI S RI RI S S RI RI S S I Análise de Confibilidde do Primeiro Ano Evolução do Sisem de Referênci Inferior S RI Evolução do Sisem Evolução do Sisem 1 S S Evolução do Sisem S Evolução do Sisem S 1, Evolução do Sisem S 1, Evolução do Sisem 2,3 S Evolução do Sisem S 1 1,2,

15 Sumário - xiv Principis Consções do Primeiro Ano Análise de Confibilidde do Segundo Ano RI Evolução do Sisem de Referênci Inferior S Evolução do Sisem S Evolução do Sisem Evolução do Sisem 2 S S , Evolução do Sisem S , Evolução do Sisem S , Evolução do Sisem S Evolução do Sisem 1,2,3 S Principis Consções do Segundo Ano Análise de Confibilidde do Terceiro Ano RI Evolução do Sisem de Referênci Inferior S Evolução do Sisem 1 S Evolução do Sisem Evolução do Sisem 2 S ,2 S Principis Consções do Terceiro Ano Análise de Confibilidde do Quro Ano RI Evolução do Sisem de Referênci Inferior S Evolução do Sisem S Principis Consções do Quro Ano Análise de Confibilidde do Quino Ano Evolução do Sisem de Referênci Inferior RI S Principis Consções do Quino Ano Análise de Confibilidde do Sexo Ano Evolução do Sisem de Referênci Inferior RI S Principis Consções do Sexo Ano Análise de Confibilidde do Séimo o Nono Ano Evolução dos Sisems de Referênci Inferior RI S RI Evolução dos Sisems de Referênci Inferior S Evolução dos Sisems de Referênci Inferior RI S Principis Consções do Séimo o Nono Ano

16 Sumário - xv Análise de Confibilidde do Décimo Ano Evolução do Sisem de Referênci Inferior RI EENS Evolução do Sisem S Principis Consções do Décimo Ano Cusosdos Sisems Inermediários S I eq Possibiliddes de Combinções dos Reforços Obenção dos Cusos dos Sisems I S eq Vlores de Ceis Dine de Um Ano de Posergção Ceis Pr o 1 o Ano Dine de Um Ano de Posergção Ceis Pr o 3 o Ano Dine de Um Ano de Posergção Ceis Pr o o Ano Dine de Um Ano de Posergção Ceis Pr o 10 o Ano Dine de Um Ano de Posergção CPPR Dine de Um Ano de Posergção Vlores de Ceis Pr Dois Anos de Posergção Ceis Pr Dois Anos de Posergção Análise de Hierrquizção ds AET Seleção e Análise ds AET Preo-Óims Seleção ds AET Preo-Óims Análise de Cusos ds AET Preo-Óims I Análise Compriv de IME eq ds AET Preo-Óims Análise Compriv de I EENS eq ds AET Preo-Óims Análise Compriv dos Ceis ds AET Preo-Óims Seleção e Análise d AET Óim Seleção d AET Óim Análise dos Cusos d AET Óim Análise ds Ds dos Reforços d AET Óim Análise de Vrição dos Cusos d AET Óim Análise de Confibilidde d AET Óim Análise de Confibilidde Globl d AET Óim Análise de Confibilidde Locl d AET Óim Análise do Ceis d AET Óim Análise de Sensibilidde d AET Óim

17 Sumário - xvi- Cpíulo Conclusões Geris, Vngens ds Análises de Benefícios/Cusos e Sugesões de Trblhos Fuuros Conclusões Geris Sugesões de Trblhos Fuuros Anexo I I.0 Cálculo do Índice de Sensibilidde I.1. Inrodução I.2 Índice de Sensibilidde Anexo II II.0 Ddos Uilizdos e Premisss Adods II.1. Ddos pr Análise de Adequção drede II.1.1 Represenção d Rede de Trnsmissão II.1.2 Projeção do Mercdo de Energi Eléric II.1.3 Limies de Crregmenos de Linhs e Trnsformdores II.1. Limies Pr s Tensões dos Brrmenos II.2. Ddos Pr s Análises de Confibilidde II.2.1 Prâmeros Esocásicos ds Linhs de Trnsmissão II.2.2 Prâmeros Esocásicos dos Trnsformdores e Reor II.2.3 Prâmeros Esocásicos de Equipmeno de Subesção II.2. Prâmeros Esocásicos dos Arrnjos ds Subesções II.3. Ddos pr Modelr Curv de Crg II. Ddos pr Avlição dos Cusos ds AET II..1 Tx de Aulizção e Ano de Referênci II.5 Ddos pr Vlorção ds PPA e EENS ds AET II.5.1 Ddos pr Vlorção ds Perds Aivs ds AET II.5.2 Ddos pr Vlorção ds EENS ds AET

18 Liss de Figurs e Tbels - xvii - Um Meodologi de Plnejmeno d Expnsão d Trnsmissão Bsed em Trde-off e Indicdor de Mério Econômico Liss de Figurs e Tbels Lis de Figurs Cpíulo 1 Figur 1.1: Ambiene Esrégico - Iner-relcionmeno do CCPE com os Agenes...3 Figur 1.2: Ambiene Indicivo - Iner-relcionmeno do CCPE com os Agenes... Figur 1.3: Ambiene Deerminivo - Iner-relcionmeno do CCPE com os Agenes... Cpíulo 2 Figur 2.1: Ilusrção do Iner-relcionmeno enre os Horizones de Esudos do PET Figur 2.2: Ambienes, Visões e Principis Crcerísics do PET n Nov Esruur Figur 2.3: Árvore de Possibiliddes de Abordr o Problem do PET Figur 2.: Abordgens Meodológics Proposs por Décds Figur 2.5: Evolução ds Meodologis Pesquisds ns Úlims Três Décds Figur 2.6: Disribuição Percenul ds Abordgens Meodológics Pesquisds Figur 2.7: Modelo de Seleção d AET de Menor Cuso Medine ABCA Figur 2.8: Compromisso enre Nível de Delhmeno e Número de AETs n ABCA Figur 2.9: Análises pr Obenção d AET de Menor Cuso Medine ABCA... 0

19 Liss de Figurs e Tbels - xviii - Figur 2.10: Mecnismo de Diversificção e Inensificção Vi ABCA... 2 Figur 2.11: Modelo de Seleção d AET de Menor Cuso Vi o Modelo ANASIN... 5 Figur 2.12: Análises pr Obenção d AET de Menor Cuso Medine o ANASIN... 6 Figur 2.13: Curv T{kl} x {kl} dos Modelos Liner e Não Liner... 8 Figur 2.1: Ilusrção Gráfic do Compormeno d Função z*j Figur 2.15: Configurção Inicil SRI Figur 2.16: Configurções SRIR1 ou SRIR Figur 2.17: H1 - Fluxo no Rmo R1 Mior que em R2 (g1 > g2) Figur 2.18: H2 Fluxo no Rmo R2 Mior que em R1 (g2 > g1)... 5 Figur 2.19: Configurção Inicil SRI Figur 2.20: Configurções SRIR1+R2 ou SRIR Figur 2.21: H1 Fluxo em R3 Mior que em R1 e R2 (g3 > g1 > g2) Figur 2.22: H1 Fluxo em R3 Mior que em R1 e R2 (g3 > g2 > g1) Figur 2.23: H2 - Fluxo em R1 e R2 Mior que em R3 (g1 > g2 > g3) Figur 2.2: H2 Fluxo em R1 e R2 Mior que em R3 (g2 > g1 > g3) Figur 2.25: Configurção Inicil SRI Figur 2.26: Configurções SRIR1+2 ou SRIR Figur 2.27: Fluxo em R1 e R2 Mior que em R3 (g1 > g2 > g3) Figur 2.28: Ilusrção Gráfic do Criério de Benefício/Cuso... 6 Figur 2.29: H1 - Fluxo Mior em C1 que em C2 (g1 > g2) Figur 2.30: H2 - Fluxo Mior em C2 que em C1 (g2> g1) Figur 2.31: H1 - Fluxo Mior em C2 que em C1 (g2> g1) Figur 2.32: H1 - Fluxo Mior em C2 que em C1 (g2> g1) Figur 2.33: H2 - Fluxo Mior em C1 que em C2 (g1> g2) Figur 2.3: H2 - Fluxo Mior em C1 que em C2 (g1>g2) Figur 2.35: Fluxo Mior em C1 que em C2 (g1> g2) Cpíulo 3 Figur 3. 1: Árvore de Possibiliddes de Abordr o PET Probbilísico Figur 3. 2: Zons Funcionis Figur 3. 3: Cegoris de Níveis Hierárquicos Figur 3. : Modelo de Mrkov Dois Esdos Figur 3. 5: Modelo de Mrkov Três Esdos Figur 3. 6: Digrm de Trnsição pr Síd Dependene de Dois Circuios Figur 3. 7: Curv de Crg Típic com Três Pmres... 91

20 Liss de Figurs e Tbels - xix - Figur 3. 8: Digrm de Trnsição pr o Ciclo de Crg Figur 3. 9: Modelo Gerl de Seleção d AET de Menor Cuso Medine ABIC Figur 3. 10: Trefs pr Obenção d AET de Menor Cuso Tol Medine ABIC Figur 3. 11: Compromisso enre Nível de Delhmeno e Número de AET n ABIC Figur 3. 12: Modelo Gerl de Seleção d AET de Menor Cuso Tol Medine ABVC Figur 3. 13: Vrição dos EIR ds AET Hipoéics Figur 3. 1: Cuso Uniário n Onrio Hydro Figur 3. 15: Cuso Uniário no Brsil Figur 3. 16: Energi Inerrompid por Clsse Consumidor Figur 3. 17: Trefs pr Obenção d AET de Menor Cuso Tol Medine ABVC Figur 3. 18: Compromisso enre Nível de Delhmeno e Número de AET n ABVC Figur 3. 19: Cusos x Índice EIR Figur 3. 20: Cusos x Índice EENS Figur 3. 21: Ilusrção Gráfic d Eficiênci Econômic de Preo-Óim Figur 3. 22: Evolução dos Cusos e Benefícios em Função d EENS Cpíulo Figur.1: Eniddes Emergenes n Indúsri de Elericidde Brsileir Figur.2: Trefs, Criérios e Produos d Abordgem Meodológic Propos Figur.3: Algorimo Gerl Simplificdo d Abordgem Meodológic Propos Figur.: - Ilusrção Gráfic de RS RT e RS CT pelo Criério N Figur.5: Trefs Necessáris pr Obenção dos Sisems I S e Inferior RI S Figur.6:- Ilusrção Gráfic de Figur.7:- Ilusrção Gráfic de I RT e RI RT e RI I CT Dine de Posergções CT pelo Criério N Figur.8:- Vrição d EENS ds Configurções Dine de Posergções Figur.9:- EENS eq e Vrições Anuis ds EENS ds AET Figur.10: Digrm de Fluxos Finnceiros de CENS Cuf EENS Figur.11: Vrição d PPA ds AET Dine de Posergções Figur.12: Equivlene PPA eq e Vrições ds PPA ds AET Figur.13: Digrm de Fluxos de CPPA Cup PPA Figur.1: Vrição de Figur.15: Vrições de Figur.16: Vrições de Figur.17: Vrições de CENS eq em Função dos Prâmeros e h CENS eq em Função ds EENS eq CPPA eq em Função dos Prâmeros e h CPPA eq em Função ds PPA eq

21 Liss de Figurs e Tbels - xx - Figur.18: Represenção Gráfic d Série Uniforme dos Figur.19: Vrições de Figur.20: Vrições de INV eq CINV eq em Função os prâmeros e h CINV eq em Função dos INV Figur.21: Modelo Gerl de Seleção d AET de Menor Cuso Tol Medine ABTI Figur.22: Análises pr Obenção d AET de Menor Cuso Medine ABTI Figur.23: Ilusrção Gráfic do Criério de Prd de Posergções CPPR Figur.2: Ilusrção Gráfic ds AET Exrems Figur.25: Ilusrção Gráfic do Criério de Hierrquizção de AET Figur.26: Ilusrção Gráfic de AET Dominds Figur.27: Mecnismo de Diversificção/Inensificção Medine ABTI Figur.28: Ilusrção Gráfic d FEE e ds AET Preo-óims Cpíulo 5 Figur 5.1: Rede de Trnsmissão Inicil de Mínimo Cuso d Áre Lese d CHESF Figur 5.2: Rede de Trnsmissão de Mínimo Cuso Plnejd Com o Criério N Figur 5.3: Comprção dos Cusos de Invesimenos dos Sisems S RS e RI S Figur 5.: Evoluções ds EENS dos Sisems de Referêncis S RS e RI S Figur 5.5: Oscilções ds EENS dos Sisems S RS e S RI em Torno d Médi Figur 5.6: Evolução ds PPA dos Sisems de Referêncis S RS e RI S Figur 5.7: Oscilções ds PPA dos Sisems S RS e RI S em Torno d Médi Figur 5.8: Curv de Trde-Off Figur 5.9: Curv de Trde-Off C TOTeq x EENSeq pr os 208 S I eq Pré-seleciondos C TOTeq x EENSeq pr os 10 S I eq Pré-seleciondos Figur 5.10: Curv de Trde-Off Figur 5.11: Curv de Trde-Off Figur 5.12: Curv de Trde-Off C TOTeq x EENSeq pr os 2 S I eq Pré-seleciondos C TOTeq x EENSeq pr os 12 S I eq Pré-seleciondos C TOT eq x EENS eq pr os 9 S I eq Pré-seleciondos Figur 5.13: Índices de Mério Econômico - I IME eq dos 7 S I eq Pré-seleciondos Figur 5.1: Comprção dos Cusos ds See AET Preo-óims Selecionds Figur 5.15: Comprção dos Figur 5.16: Comprção ds Figur 5.17: Comprção dos I IME eq ds See AET Preo-óims Selecionds... 2 I EENS eq ds See AET Preo-óims Selecionds I Ceis eq ds See AET Preo-óims Selecionds... 26

22 Liss de Figurs e Tbels - xxi - Figur 5.18: FEE, os I IME eq ds See AET Preo-Óims e AET Óim Figur 5.19: Comprção ds Prcels de Cusos d AET óim (Sisem Figur 5.20: Comprção com Figur 5.21: Comprções Relivs ds EENS eq d AET óim (sisem S eq ) S eq ) LOLD eq e LOLF eq d AET óim Figur 5.22: Comprção Reliv d LOLP eq d AET óim (sisem S eq ) Figur 5.23: Sensibilidde d AET óim (sisem S eq ) o Aumeno do Cuf Cpíulo 6 Figur 6. 1: Trefs, Criérios e Produos d Abordgem de Cusos Mrginis Figur 6. 2: Trefs, Criérios e Produos d Abordgem Sob Incerezs Exógens Anexo I Anexo II Lis de Tbels Cpíulo 1 Tbel 6.1: Aribuos d Abordgem Meodológic Deerminísic e de Benefício/Cuso. 261 Cpíulo Cpíulo 3 Tbel 3.1: Modelos Compucionis de Simulção e Avlição de Confibilidde... 97

23 Liss de Figurs e Tbels - xxii - Cpíulo Tbel. 1: Efeios em I CINV p, I CENS p, I CT p, e I RT p Devid à Vrição em p Tbel.2: Ilusrção ds Prcels de Cusos Equivlenes ds AET Tbel.3: Efeios nos Cusos Devid às Vrições dos prâmeros q e Tbel.: Vrições dos Cusos CINV - e eq, CPPA - e eq, CENS - e eq, e CMWh -e eq Tbel. 5: Ordenção ds AET e Vrições dos Cusos Incremenis Equivlenes Cpíulo 5 Tbel 5.1: I EENS (MWh/no) do Primeiro Ano do Horizone Decenl de Análise Tbel 5.2: I EENS 2 (MWh/no) do Segundo Ano do Horizone Tbel 5.3: EENS I (MWh/no) do Terceiro Ano do Horizone Decenl Tbel 5.: EENS I (MWh/no) do Quro Ano do Horizone Decenl Tbel 5.5: EENS I 5 (MWh/no) do Quino Ano do Horizone Decenl Tbel 5.6: EENS I (MWh/no) do Sexo Ano do Horizone Decenl Tbel 5.7: EENS I, I 7 EENS e I 8 EENS (MWh/no) do Séimo o Nono Ano do Horizone Tbel 5.8: EENS I (MWh/no) do Décimo Ano do Horizone Decenl Tbel 5.9: Possibiliddes de Combinções: Subáre com 2 Reforços Tbel 5.10: Possibiliddes de Combinções: Subáre com 1 Reforço Tbel 5.11: Ceis Dine d Posergção de Um Adição dos Reforços do 1 o Ano Tbel 5.12: Ceis Dine d Posergção de Dus Adições dos Reforços do 1 o Ano Tbel 5.13: Ceis Dine d Posergção de Três Adições dos Reforços do 1 o Ano Tbel 5. 1: Ceis Dine d Posergção de Quro Adições dos Reforços do 1 o Ano Tbel 5.15: Ceis Dine d Posergção de Um Adição dos Reforços do 3 o Ano Tbel 5.16: Ceis Dine de Posergção de Dus Adições dos Reforços do 3 o Ano Tbel 5.17: Ceis Dine d Posergção de Um Adição dos Reforços do o Ano Tbel 5.18: Ceis Dine d Posergção de Dus Adições dos Reforços do o Ano Tbel 5.19: Ceis Dine d Posergção de Um Adição dos Reforços do 10 o Ano Tbel 5.20:- Vrições dos Cusos (US$1000) dos 2 S I eq Pré-seleciondos Tbel 5.21: Ceis Dine d Posergção de Um Adição Por Dois Anos Tbel 5.22: Ceis Dine d Posergção de Dus Adições Por Dois Anos Tbel 5.23: Ceis Dine d Posergção de Três Adições Por Dois Anos Tbel 5.2: Ds de Adições dos Reforços dos 12 S I eq Pré-seleciondos Tbel 5.25: Ordenção ds AET e Vrições dos Cusos Incremenis Equivlenes

24 Liss de Figurs e Tbels - xxiii - Tbel 5.26: Ds de Adições dos Reforços ds See AET Preo-Óims Tbel 5.27: Vrições dos Cusos (US$1000) dos See S I eq Preo-Óimos Tbel 5.28: Ds de Adições de Reforços dos Sisems Tbel 5.29: Vrições dos Cusos dos Sisems S eq, S eq, RI S eq e RI S eq, RS S eq e PO S eq PO S eq (1000 US$) Tbel 5.30: Índices de Confibilidde Globis nos Dois Primeiros Anos Tbel 5.31: Subesções Afeds nos Sisems S eq, RI S eq e PO S eq Tbel 5.32: Índices de Confibilidde do Consumidor 230 kv Slgem Cpíulo Anexo I Anexo II Tbel II.1 - Ddos Esocásicos ds Linhs de Trnsmissão Tbel II.2 - Txs de Flhs de Trnsformdor, Auornsformdores e Reor Tbel II.3 - Ddos Esocásicos de Equipmenos - Tensão de 500 kv Tbel II. - Ddos Esocásicos de Equipmenos - Tensões de 230 e 138 kv Tbel II.5 - Número de Pmres Anlisdos pr Curv de Crg Tbel II.6 - Impco nos Índices de Confibilidde d Rede de Trnsmissão Tbel II.7 - Modelo de Curv de Crg de Três Pmres Tbel II.8 - Cusos de Vãos e Conexões Tbel II. 9 Cusos Uniários de Reor e de Auornsformdor Tbel II. 10 Cusos Uniários de Linhs de Trnsmissão

Máquinas Eléctricas I Transformadores 14-11-2002. Transformadores

Máquinas Eléctricas I Transformadores 14-11-2002. Transformadores Máquins Elécrics Trnsformdores 4-- Trnsformdores Os rnsformdores são máquins elécrics esáics que elevm ou bixm um deermind ensão lernd.. rincípio de funcionmeno O funcionmeno do rnsformdor bsei-se nos

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DE SISTEMAS DINÂMICOS

MODELAGEM MATEMÁTICA DE SISTEMAS DINÂMICOS Projeo Reenge - Eng. Eléric Aposil de Sisems de Conrole I IV- &$3Ì78/,9 MODELAGEM MATEMÁTICA DE SISTEMAS DINÂMICOS 4.- INTRODUÇÃO Inicilmene é necessário que se defin o que é sisem, sisem dinâmico e sisem

Leia mais

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular

4.2. Veio Cilíndrico de Secção Circular Cpíulo IV Torção de Peçs Lineres 1 CPÍTULO IV TORÇÃO DE PEÇS LINERES.1. Inrodução. sorção ou rnsmissão de esforços de orção: o Veios ou árvores de rnsmissão o Brrs de orção; ols; Esruurs uulres (veículos

Leia mais

PREVISÃO DO PREÇO E DA VOLATILIDADE DE COMMODITIES AGRÍCOLAS, POR MEIO DE MODELOS ARFIMA-GARCH

PREVISÃO DO PREÇO E DA VOLATILIDADE DE COMMODITIES AGRÍCOLAS, POR MEIO DE MODELOS ARFIMA-GARCH UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PREVISÃO DO PREÇO E DA VOLATILIDADE DE COMMODITIES AGRÍCOLAS, POR MEIO DE MODELOS ARFIMA-GARCH

Leia mais

INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO APLICAÇÃO A PERFIS SOLDADOS

INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO APLICAÇÃO A PERFIS SOLDADOS INSTABILIDADE DE CHAPAS INSTABILIDADE DE CHAPAS MÉTODO DAS LARGURAS EFETIVAS APLICAÇÃO A PERFIS FORMADOS A FRIO FLAMBAGEM POR FLEXÃO FLAMBAGEM POR TORÇÃO FLAMBAGEM POR FLEXO-TORÇÃO FLAMBAGEM LATERAL FLAMBAGEM

Leia mais

X Congresso Brasileiro de Engenharia Química Iniciação Científica

X Congresso Brasileiro de Engenharia Química Iniciação Científica Blcher hemicl Engineering Proceedings Dezembro de 2014, Volme 1, Número 1 X ongresso Brsileiro de Engenhri Qímic Inicição ienífic Inflênci d pesqis em Engenhri Qímic no desenvolvimeno ecnológico e indsril

Leia mais

Taxa de Equilíbrio da Previdência Social Brasileira Segundo um Sistema Nacional

Taxa de Equilíbrio da Previdência Social Brasileira Segundo um Sistema Nacional Tx de Equilíbrio d Previdênci Socil Brsileir Segundo um Sisem Ncionl Crlos Spínol Ribeiro Plvrs-chve: Previdênci Socil; Populção; Reforms Previdenciáris; Sisems Nocionis de Conribuição Definid Resumo Nesse

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Fluxo de Caixa, Lucro Contábil e Dividendos: Comparação de Diferentes Enfoques na Avaliação de Empresas Brasileiras

Fluxo de Caixa, Lucro Contábil e Dividendos: Comparação de Diferentes Enfoques na Avaliação de Empresas Brasileiras Fluo de Ci, Lucro Conáil e Dividendos: Comprção de Diferenes Enfoques n Avlição de Empress Brsileirs Auor CÉSA MEDEIOS CUPETINO Universidde Federl de Sn Crin esumo O rigo compr modelos de vlição de empress

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 09

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 09 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sisem de Cons Nionis Brsil Referêni 2010 No Meodológi nº 09 Consumo de Cpil Fixo do Governo e ds Insiuições sem fins de luros serviço ds

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

PESO: 3 GERAL BÁSICO- ESPECÍFICA SEMESTRE: 2º CRÉDITOS: 6 BÁSICA ESPECÍFICA. No fim desta disciplina os estudantes devem ser capazes de:

PESO: 3 GERAL BÁSICO- ESPECÍFICA SEMESTRE: 2º CRÉDITOS: 6 BÁSICA ESPECÍFICA. No fim desta disciplina os estudantes devem ser capazes de: POGM TEMÁTO SO: icenciur em Engenhri nformáic DSPN: nálise de ircuios NO: º DSPN DE FOMÇÃO PESO: GE BÁSO- ESPEÍF x SEMESTE: º ÉDTOS: 6 BÁS ESPEÍF OBJETOS GES: No fim des disciplin os esudnes devem ser

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

CAPITULO 04 CAPACITORES E INDUTORES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 04 CAPACITORES E INDUTORES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES APITUO 4 APAITORES E INDUTORES Prof. SIVIO OBO RODRIGUES 4. INTRODUÇÃO PONTIFÍIA UNIVERSIDADE ATÓIA DO RIO GRANDE DO SU Desin-se o presene cpíulo presenr o compormeno dos induores e cpciores como elemenos

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA Leicia Takahashi DE/ FEM/ UNICAMP Caia Posal: 6122 CEP: 13.083-970 Campinas - SP leicia@fem.unicamp.br Paulo B. Correia

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS Eduardo Marins Viana DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

ALGUMAS PROJECÇÕES DE MORTALIDADE EM PORTUGAL ANA RITA SOUSA CASCÃO PEGUINHO TORRES

ALGUMAS PROJECÇÕES DE MORTALIDADE EM PORTUGAL ANA RITA SOUSA CASCÃO PEGUINHO TORRES Deprmeno de Esísic e Invesigção Opercionl d Fculdde de Ciêncis Universidde de Lisbo ALGUMAS PROJECÇÕES DE MORTALIDADE EM PORTUGAL ANA RITA SOUSA CASCÃO PEGUINHO TORRES Professor Oriendor: João José Ferreir

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE OPERAÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

de derivada é, dada a derivada, vamos encontrar ou determinar uma

de derivada é, dada a derivada, vamos encontrar ou determinar uma Módulo Cálculo Inegrl Função primiiv - de derivd é, dd derivd, vmos enconrr ou deerminr um derivção e s derivds de váris funções, esudds no Cpíulo 5, pr deerminr s primiivs. O que cmos Nes unidde, pssremos

Leia mais

Eric Serrano Ferreira FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS

Eric Serrano Ferreira FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS COMARAÇÃO ENTRE OS MODELOS RESIDUAL INCOME VALUATION (RIV), ABNORMAL ARNINGS GROWTH (AEG) E FLUXO DE CAIXA LIVRE (FCF): UM ESTUDO EMÍRICO NO MERCADO DE CAITAIS BRASILEIRO RESUMO Eri Serrno Ferreir FUNDAÇÃO

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008 Agend Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 2 Deloitte Consultores,

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO ANÁLSE DE UMA EQUAÇÃO DFERENCAL LNEAR QUE CARACTERZA A QUANTDADE DE SAL EM UM RESERATÓRO USANDO DLUÇÃO DE SOLUÇÃO Alessandro de Melo Omena Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2 RESUMO O presene arigo em

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO

SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E AGENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SIMULAÇÃO DE MERCADOS DE ENERGIA UTILIZANDO TEORIA DE JOGOS E ENTES INTELIGENTES ESTUDOS DE CASO SILVA, P S, NEPOMUCENO, L Lbortório de Estudos Econômicos em Sistems de Potênci - LEESP UNESP / FE / DEE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Uma Medida Coerente de Risco como Métrica para o Planejamento Anual da Operação Energética

Uma Medida Coerente de Risco como Métrica para o Planejamento Anual da Operação Energética Uma Medida Coerene de Risco como Mérica para o Planejameno Anual da Operação Energéica Vior L. de Maos, Erlon C. Finardi e Paulo V. Larroyd Resumo Em sisemas de energia com predominância de geração hidrelérica,

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

Determinação da Energia Cinética de Projéteis Disparados por Brinquedos Utilizando Sensores Ópticos

Determinação da Energia Cinética de Projéteis Disparados por Brinquedos Utilizando Sensores Ópticos Deerinção d Energi Cinéic de Projéeis Disprdos por Brinqedos Uilizndo Sensores Ópicos rlo Hoero Ferreir Snos 1, Alex In d Sil Mi, Mrcelo de Mores Seinhgen 1 Fndção Cenro de Análise, Pesqis e Inoção Tecnológic,

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais