Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas"

Transcrição

1 A INFLUÊNCIA DO INGLÊS NO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO (EM PORTUGAL E EM MOÇAMBIQUE) Edyta JABLONKA 1 RESUMO O presente estudo tem como objectivo principal a análise da língua portuguesa contemporânea, nomeadamente, a influência do inglês no léxico português actual. Tomaremos em consideração não somente a norma europeia, mas também o português de Moçambique. Com o desenvolvimento muito rápido das novas tecnologias e da informática, com o processo da globalização fica relacionado o processo da integração acelerada dos anglicismos. Na nossa opinião, é preciso investigar em que medida o inglês influenciou o português actual. Moçambique é um país que depois da independência aceitou o português como a língua oficial, mesmo que tivessem aparecido outras possibilidades, como a introdução do inglês. Dos dados encontrados acerca do ensino superior em Moçambique resulta que grande parte das aulas é realizada em inglês. Um dos exemplos constitui a Universidade Católica em que existe o bilinguismo: as aulas realizam-se em português e em inglês. É sobretudo o caso dos cursos tais como gestão, informática e marketing. Os cursos de pós-graduação são realizados em inglês na integridade. O conhecimento desta língua é exigido por razões económicas e políticas. O léxico será analisado a base das páginas da Internet e da imprensa actual. Escolhemos estes meios de comunicação por serem os mais actuais, pois reflectem o estado da língua no momento dado, as mudanças sociais e culturais. Nas análises aproveitaremos as teorias sobre a adaptação dos estrangeirismos e sobre a sua integração no léxico português. Sem dúvida, o inglês tem sido ultimamente a língua estrangeira mais influente, por isso deviase observar quais são os resultados desta influência no português contemporâneo e quais são os novos vocábulos que vão aparecendo em português europeu e moçambicano. PALAVRAS-CHAVE: anglicismo; estrangeirismo; lexicologia; Portugal; Moçambique 1 Universidade Maria Curie Sklodowska, Departamento dos Estudos Portugueses, Instituto de Filologia Românica, Pl. M. Curie-Sklodowskiej 4 a, Lublin, Polónia, 39

2 Ao longo dos últimos anos tem-se falado muito do papel da língua inglesa e até da sua hegemonia. Na imprensa actual repara-se em várias vozes em defesa da língua portuguesa. Como exemplo, podemos citar o artigo "Perigosa" hegemonia do inglês junta hoje em Lisboa Lusofonia, Francofonia e Hispanofonia publicado a 21 de Abril de 2008, 2 que trata do encontro dos membros do grupo Três Espaços Linguísticos (3L), que pretendem coordenar acções de promoção linguística perante o perigo de hegemonia do inglês. Por isso, decidimos ver qual é a influência desta língua no português em Portugal e em Moçambique. O nosso objectivo principal é tentar responder à pergunta se realmente existem razões para se preocupar e tratar o inglês como uma ameaça para a língua portuguesa. Antes de passarmos às descrições mais detalhadas, merece a pena lembrar algumas teorias acerca dos estrangeirismos e da sua integração no léxico da língua receptora. É indiscutível que os estrangeirismos ampliam o léxico de cada língua, é um processo que dura desde que existem as línguas. Como diz Langacker (1972: 185), as línguas vivas nunca ficam estacionárias [...] Em uma sociedade altamente técnica e complexa como a nossa, há uma necessidade constante de novas unidades lexicais. Porém, há defensores das línguas modernas como Aldo Rebelo (2004), para quem o uso de estrangeirismos degrada o idioma nacional e que tentam lutar contra a introdução dos anglicismos. 3 Se se trata da situação em Portugal, nas revistas e na Internet encontrámos as vozes bem críticas quanto ao Estado, que, segundo os jornalistas ou representantes de diferentes organizações, devia defender melhor a 2 3 Cf. Rebelo, Aldo. Projecto de lei n Brasília

3 língua nacional. O português representa 1,39 por cento dos idiomas utilizados em sites e blogues, segundo o estudo das Línguas e Culturas na Web, e o inglês sempre é uma língua dominante. Este estudo analisou a presença do inglês, espanhol, francês, português, italiano, romeno e alemão na Internet e, pela primeira vez, o catalão, e foi o resultado de uma colaboração entre a Organização Intergovernamental União Latina e a Organização Não Governamental Funredes. 4 Segundo este estudo, a língua portuguesa, em 1998, contava 0,82 por cento das línguas mais utilizadas na Internet e ficava na sexta posição. Em 2007, continuava na mesma posição, portanto, com 1,39 por cento. A partir de 2003, a presença da língua portuguesa na Internet diminui constantemente, tal como a presença de outras línguas de origem latina o espanhol e o italiano. A língua inglesa pode ser considerada uma língua global e pertence à categoria de língua de comunicação mundial, é uma língua privilegiada. As pessoas em geral interessam-se pelo que vem dos Estados Unidos e por isso o inglês tem o acesso muito fácil a outras línguas. O grupo que prefere os anglicismos abundantes são com certeza os jovens. As palavras inglesas dominam também nas áreas tais como a economia, a informática, a ciência e a investigação, o jornalismo e a cultura. É conveniente que lembremos os conceitos de empréstimo e expliquemos o termo anglicismo. Podemos dizer que o anglicismo é uma palavra ou expressão proveniente da 4 Por: Redacção /JCS, , 41

4 língua inglesa, mas que é empregada em outras línguas. 5 É possível considerar o anglicismo como o fenómeno do empréstimo, que foi analisado por numerosos linguistas, entre os quais podemos destacar Haugen (1950), Guilbert (1975), Alves (1990, 1996), Lino (1990). Falando dos estrangeirismos, Alves (1990) explica que estas palavras passam por várias etapas até se integrarem à língua receptora e é possível falar da integração completa quando as palavras estrangeiras ficarem adaptadas na grafia, morfologia ou semântica. Pergnier (1989) distingue vários tipos de anglicismos: anglicismos ocasionais (que não são numerosos), anglicismos de uso frequente e habitual integrados no léxico da língua receptora, anglicismos que têm correspondentes na língua receptora e os decalques. 6 Os anglicismos importados para o português sofrem as adaptações fonéticas e ortográficas, integram-se também do ponto de vista semântico. A presença do inglês em vários aspectos é evidente, portanto, temos de reflectir se o seu uso não se tem tornado exagerado. A área típica para o uso do inglês é a linguagem relacionada com as novas tecnologias que se desenvolvem de maneira muito dinâmica. Os termos técnicos e da Internet em todas as línguas provêm da língua inglesa, o que prova que é mais fácil adaptar uma palavra estrangeira do que criar um termo correspondente. Por esta razão, para a primeira parte do nosso estudo escolhemos o artigo publicado numa revista 5 Almeida, Gladis de Barcellos, Os anglicismos e as linguagens de especialidade no português do Brasil, Universidade Federal de São Carlos, p. 2. (www.riterm.net/revista/n_2/barcellos_almeida.pdf) 6 Disponível em 42

5 portuguesa com o título significativo Eu surfo, tu digitas, eles... 7 O artigo trata das novas tecnologias e da posição dos portugueses célebres perante os novos fenómenos tecnológicos. A linguagem do artigo é muito específica e por isso decidimos analisá-lo. Em primeiro lugar, apresentaremos o vocabulário relacionado com os novos objectos. No artigo analisado, os portugueses famosos uma vocalista, os desportistas, os humoristas, uma modelo e uma escritora falam dos objectos técnicos que acompanham o seu dia-a-dia. Quase todas as pessoas mencionadas no texto falam do uso dos computadores, portanto, em geral é preferível a forma inglesa laptop à forma portuguesa computador portátil, ou simplesmente usa-se o nome da marca que substitui o nome do objecto, por isso no texto temos o meu Toshiba. A situação é bem parecida se se trata dos telemóveis porque normalmente foi usado o nome da marca, p.ex. o meu Nokia N95 ou o Nokia E95. Também o iphone se torna cada vez mais comum entre os portugueses famosos. Resumindo, podemos observar a influência das marcas mundialmente conhecidas, cujos nomes se tornaram tão populares que substituem o nome do objecto. Outros objectos relacionados com as novas tecnologias são o ipod Nano, um Blackberry, a Playstation, um LCD, a pen. Estas palavras adaptaram os artigos portugueses guardando a forma inglesa e parece-nos possível tratá-las como anglicismo ocasionais. São as palavras que entraram muito rapidamente no léxico português, mas, na nossa opinião, não são conhecidas por toda a população. As pessoas que não se interessam por novas tecnologias são 7 Revista Máxima, 43

6 capazes de ignorar o que é um ipod Nano ou um Blackberry. Encontrámos também uma expressão que podia provocar algum problema aos leitores que desconhecem a nova terminologia: ouvir música em modo shuffle. Uma pessoa que não costuma ouvir música no MP3 nem tem uma playlist (esta palavra também aparece no texto), é capaz de não perceber esta expressão. Vale a pena mencionar que alguns nomes técnicos podem causar algumas dificuldades também aos leitores não-portugueses. O artigo foi analisado nas aulas de português com duas turmas diferentes como o exemplo de um texto contemporâneo. A turma avançada de estudantes de filologia ibérica não teve dificuldades em compreender o texto, mas desconhecia o termo PDA Neo. A seguir, o artigo foi lido por uma turma composta de estudantes trabalhadores e que têm um conhecimento de inglês e de informática bastante avançado, mas também desconheciam o significado deste termo. 8 Na nossa opinião, o facto de colocar muitas palavras técnicas de proveniência inglesa até pode dificultar a leitura do texto e faz com que o artigo se torna mais monótono. Aqui apresenta-se uma questão: por que razão se usam os termos cujo significado podia ser difícil para o leitor? É antes uma moda e não uma necessidade. Ao ler este artigo nota-se a influência bem forte da língua inglesa. Esta situação é visível também no Brasil, por isso podemos citar Alves (1988) que diz: Qualquer estrangeiro recém-chegado ao Brasil, por exemplo, perceberia claramente nossa condição de colónia cultural dos Estados Unidos. Reparemos que uma situação muito parecida existe na Polónia, onde se nota o emprego excessivo de anglicismos desde há vinte anos. 8 Após a pesquisa na net verificámos que era um tipo de computador, tipo palmtop. 44

7 Na imprensa portuguesa podemos encontrar vozes bem críticas quanto à política do estado português em relação à língua, como p.ex. as palavras de Alcindo Augusto Costa, Presidente do Elos Internacional: E quanto a defesa da cultura e da língua portuguesa nos países da denominada Comunidade de Povos de Língua Portuguesa, especialmente nos africanos, as tarefas que o Estado Português vem desempenhando, são praticamente nulas e ineficazes, sendo de todos conhecida a aceitação que têm as línguas, francesa em Angola e na Guiné e a inglesa em Moçambique, em manifesto detrimento e marginalização da nossa língua e da nossa cultura. 9 A situação em Moçambique parece-nos um pouco diferente. O inglês não vai substituir o português em Portugal ou no Brasil, portanto, a questão linguística em Moçambique apresenta-se da maneira bastante distinta. Moçambique está sempre em contacto com a língua inglesa, através das fronteiras (África do Sul, Swazilândia, Zimbabwe, Tanzânia). Por isso, decidimos ver qual é a situação linguística e a posição do português neste país. A questão linguística é muito importante para os moçambicanos. Desde que foram abertas as minas de Transvaal, as relações entre o Moçambique e a África do Sul tornaram-se prioritárias, o que também se reflectiu na língua 10 os trabalhadores contratados em Moçambique tinham de comunicar em inglês. Os migrantes levaram a língua inglesa para as 9 O ELOS é uma entidade que visa difundir e defender a Língua Portuguesa e promover a integração dos países que a falam. Defendendo artes e cutura, divulgam e incentivam poetas, músicos, pintores, escultores, escritores, cineastas, folcloristas e teatrólogos portugueses (www.elosinternacional.com.br). 10 Bouene, Felizardo, Santos, Maciel, O Modus Vivendi entre Moçambique e o Transvaal ( ). Um caso de imperialismo ferroviário. Disponível em formato electrónico (www.ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id04id1183id2216&sum=sim) 45

8 suas terras. 11 Devemos ter em conta também a política linguística da FRELIMO desde 1962 até A Frente de Libertaçăo de Moçambique, com a excepção de poucos combatentes que tinham um contacto intensivo com a língua inglesa nos países vizinhos, defendia desde o princípio, o português como laço unificador - língua da unidade nacional - para não fazer surgir uma mentalidade tribal. 12 Com a independência política de Moçambique, o objectivo pretendido pela FRELIMO, era a redução do número de analfabetos. Portanto, como a maioria da população vive no campo e a rede escolar não é ainda bem desenvolvida, número de analfabetos entre os adultos é especialmente grande. Segundo a pesquisas de Fátima Helena Azevedo de Oliveira (UFRJ), em Moçambique, de acordo com os dados do Recenseamento Geral da População (1997), as línguas maternas da maior parte da população pertencem à família do grupo banto, sendo praticamente inexistentes os locutores nativos de português. Este é, assim, tipicamente uma língua segunda e constitui a língua primeira apenas para 1,2% dos cerca de 25% de falantes que, segundo a mesma fonte, conhecem o Português Andrade, Manuel Correia de Oliveira, As raízes do separatismo no Brasil, p.29, disponível em +Oliveira,+As+raízes+do+separatismo+no+Brasil&source=bl&ots=J6O9YVKq5w&sig=aQ1JKiHNtlYuM7apYdGLau Lf2XU&hl=ptPT&ei=4ZjySqrjMMuksAaFm8HgAQ&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=7&ved=0CBkQ6AE wbg#v=onepage&q=&f=false Oliveira, Fátima Helena de Azevedo, A terminologia e a fixação da língua portuguesa em Moçambique. Disponível em 46

9 Se se trata do estado actual, no livro Cultura acústica e letramento em Moçambique da autoria de José de Sousa Miguel Lopes podemos ler que os estrangeiros no território moçambicano exigem a documentação tal como relatórios, inquéritos ou informes sempre em inglês. 14 O autor diz também que, segundo José Craveirinha, no Parlamento moçambicano chegou a ser apresentada uma proposta no sentido de que, nas províncias que têm fronteiras com países de língua inglesa, o português fosse substituído pelo inglês. 15 A proposta não foi aceite, mas parece inquietante o facto de esta proposta ter aparecido. Ao contrário, Mia Couto considera a situação não perigosa por o português ser a língua materna para muitos moçambicanos. Para darmos um exemplo, vejamos o caso do blog do sociólogo Carlos Serra da Universidade Eduardo Mondlane em Maputo 16, onde ele faz a pergunta sobre o futuro do país e uma das primeiras questões abordadas por ele é a questão da língua. É interessante o facto de esta pergunta ter suscitado mais interesse e mais emoções do que os assuntos económicos ou culturais mencionados pelo sociólogo, que pergunta: Como será o nosso país daqui a 30 anos? - A língua portuguesa será residual, penumbrada pela língua inglesa, tornada esta língua veicular por excelência nos meios urbanos. A língua portuguesa será especialmente uma 14 Disponível em 15 Ibid. 16 O blogue de Carlos Serra ganhou o prémio do melhor weblog em português (559 concorrentes) em 2007 e em 2008 como um dos 11 melhores (400 concorrentes). Obteve o terceiro lugar em 2007 e o segundo em 2008 na votação do público. 47

10 língua douta, falada em círculos alfarrábicos, amparada por mestiçagens linguísticas docemente malandras em zona savaneira. A proposta de Carlos Serra provocou vários comentários e reacções dos internautas moçambicanos. Uma das primeiras respostas foi: Será que Moçambique precisa da língua portuguesa para avançar? Eis a questão que parece de grande importância. Moçambique, depois de se ter tornado independente aceitou o português como língua oficial, mesmo que houvesse também a possibilidade de escolher o inglês. Portanto, actualmente, por razões económicas, o papel do inglês torna-se cada vez mais importante. Repara-se que nas universidades e nas escolas superiores a metade das aulas é realizada em inglês, sobretudo nos cursos tais como a informática ou a economia. Algumas escolas superiores propõem os cursos de licenciatura e de pós-graduação apenas em inglês. Apresentemos alguns exemplos destes cursos. A Universidade São Tomás de Moçambique (USTM), de 1 a 18 de Abril de 2009, abriu as pré-inscrições para os cursos ministrados em Língua Inglesa: Filosofia, Direito, Gestão, Contabilidade e Auditoria, Tecnologias e Sistemas de Informação, Economia Agrária, Desenvolvimento Rural, Extensão Rural e Sociologia. Na página oficial da Universidade podemos ler a informação seguinte: A USTM, em paralelo com o programa em Português, pretende introduzir cursos em Língua Inglesa que honram o princípio bilingue da Universidade e em resposta a globalização, demanda nacional e regional. O sistema de educação bilingue da USTM vai oferecer oportunidade aos nacionais e residentes de Moçambique o acesso ao Mercado global. À semelhança do actual Curso de Preparação Universitária em Língua Portuguesa, vai oferecer 48

11 também um Curso de Preparação Universitária em Língua Inglesa que decorrerá de Agosto a Novembro do corrente ano. 17 A Universidade Católica de Moçambique oferece os seguintes cursos em português e inglês: Bacharelato em Administração Públicas, Licenciatura em Economia e Gestão Geral, Licenciatura em Administração, Mestrado em Economia e Gestão, Mestrado em Gestão e Administração de Empresa, Licenciatura em Planeamento Regional, Distrital e Urbano, Pós-graduação em Ciências e Sistemas de Informação Geográfica, Bacharelato em Ciências Agrárias, Bacharelato em Tecnologia de Informação, Licenciatura em Tecnologia de Informação. Alguns cursos são realizados na integridade em inglês, como: Mestrado em Planeamento e Desenvolvimento Regional com Enfoque nos Distritos, Bacharelato em Ciências Agrárias e Gestão Florestal, Licenciatura em Ciências Agrárias e Gestão Florestal, Mestrado em Gestão de Turismo, Mestrado em Ciências Agrárias Disponível em formato PDF na página 49

12 Podemos considerar que os estudos realizados em inglês e o conhecimento avançado desta língua permitem aos finalistas dos cursos encontrar emprego mais facilmente. No blogue de Carlos Serra aparecem as vozes em defesa do português tal como as vozes um pouco críticas: É com português que falamos aqui. Ou também: Nada tenho contra a língua portuguesa, pelo contrário, é a língua em que melhor me expresso. Mas sinceramente, tenho sérias dúvidas da sua utilidade prática, olhando para o contexto do nosso país! Depois da leitura das opiniões parece que o inglês se torna importante sobretudo por razões económicas: Carlos Serra diz que era bom saber que havia muitos pontos de vista sobre a questão da língua e propõe o inglês como a segunda língua em Moçambique para o país ficar mais próximo da África do Sul e desenvolver-se mais rapidamente. Outros participantes na discussão também apresentam as suas ideias quanto ao futuro da língua inglesa em Moçambique, e tratam a sua hegemonia como algo natural, sobretudo pela sua dominância na Internet. Dizem que são uma ilha de língua oficial portuguesa num mar de língua oficial inglesa. Assim, vemos a importância da política e da economia, os domínios onde o inglês desempenha um papel de grande importância. Muitos jovens moçambicanos estudam o inglês para obter bolsas ou encontrar emprego mais facilmente, também no estrangeiro. Nas páginas da Internet repara-se no bilinguismo, pois encontrámos vários textos que apresentam uma mistura de inglês e de português. Vejamos o exemplo da página que oferece o MBA em turismo (E-learning / ensino à distância). Logo vemos a informação que se propõe o Mestrado em Tourism Development, com o suporte académico: workshops, por telefone, fax, , Internet, assim como full 50

13 accreditation pela SAQA (South African Qualifications Authority). Parece-nos que mais uma vez podia ser o exemplo de emprego de anglicismos ocasionais (workshops, full accreditation). Como exemplo seguinte vejamos o plano encontrado na página da Universidade São Tomás de Moçambique, preparado em português, mas com a palavra inglesa repetida (hours). No quadro a palavra foi destacada por nós. Cursos Bacharelato (3 anos) Carga Horária em Sala de Aulas Profissionalização (Opcional) Licenciatura (4 anos) Filosofia 1605 hours hours 2085 hours Gestão 1788 hours hours Contabilidade e Auditoria 2160 hours hours Tecnologias e Sistemas de Informação 2016 hours 960 hours 2496 hours Plano Curricular 19 Nas páginas das Universidades encontramos muitas palavras em inglês, por exemplo na oferta para os estudantes aparece a expressão o teu job. Foi interessante também o exemplo seguinte: a frase Clique para baixar (download), onde o verbo português baixar

14 é explicado para as pessoas que conhecem melhor este termo em inglês, então, acompanhado pela palavra inglesa download. Esta frase prova que os termos ingleses são mais populares e mais usadas. Não nos esqueçamos que são informações destinadas para os futuros estudantes, os jovens, que se habituaram à terminologia inglesa no vocabulário relacionado com a informática. Podemos ver então que a língua portuguesa continua sendo uma das línguas mais faladas no mundo, portanto, não se pode ignorar a influência cada vez mais forte do inglês. No mundo contemporâneo, na época da Internet, dos blogues e dos chats, a comunicação é mais rápida e a adaptação das palavras inglesas resulta desta rapidez. Na nossa opinião, o uso dos anglicismos muitas vezes não é necessário. O seu número nas revistas e jornais podia ser mais reduzido. Não se pode evitar o acesso de estrangeirismos, pois enriquecem o léxico da língua receptora e contribuem para o desenvolvimento das línguas. No entanto, parece-nos imprescindível cuidar de todos os idiomas e não negligenciar o papel do inglês. A língua de Camões não desaparacerá, mas no caso de Moçambique, tem um concorrente forte a língua de Shakespeare. 52

15 Referências bibliográficas AGUALUSA, José Eduardo. A Língua Portuguesa e o seu futuro em África. Disponível em ALMEIDA, Gladis de Barcellos. Os anglicismos e as linguagens de especialidade no português do Brasil. Universidade Federal de São Carlos. Disponível em formato pdf (www.riterm.net/revista/n_2/barcellos_almeida.pdf) ALVES, Ieda Maria. Neologismo criação lexical. São Paulo: Ática, ALVES, Ieda Maria. Um projeto de política neológica para o português do Brasil. Revista Internacional de Língua Portuguesa, 15, 1996, p Disponível em ANDRADE, Manuel Correia de Oliveira. As raízes do separatismo no Brasil. Disponível em O9YVKq5w&sig=aQ1JKiHNtlYuM7apYdGLauLf2XU&hl=ptPT&ei=4ZjySqrjMMuksAaF m8hgaq&sa=x&oi=book_result&ct=result&resnum=7&ved=0cbkq6aewbg#v=onepage &q=&f=false BOUENE, Felizardo, SANTOS, Maciel. O Modus Vivendi entre Moçambique e o Transvaal ( ). Um caso de imperialismo ferroviário. Disponível em BRITO, Regina Helena Pires de, MARTINS, Moisés de Lemos. Moçambique e Timor-Leste: onde também se fala o português. Disponível em FIRMINO, Gregório. Processo de transformação do Português no contexto pós - colonial de Moçambique. Disponível em GUILBERT, Louis. La creativité lexicale. Paris: Librairie Larousse, HAUGEN, Einar. The analysis of linguistic borrowing. Language 26, 2, 1950, pp LANGACKER, Ronald W. A linguagem e a sua estrutura. Trad. Gilda Maria Corrêa de Azevedo. Petrópolis: Vozes, LOPES, José de Sousa Miguel. Cultura acústica e letramento em Moçambique. Disponível em NEVES, Maria Helena de Moura. A realidade da incorporação de anglicismos no português do Brasil vista no contexto das atuais contendas sobre o tema. Ilha do Desterro, Florianópolis, n 47, pp PERGNIER, Maurice. Les anglicismes. Paris: PUF, REBELO, Aldo. Projecto de lei n 1676, Brasília Páginas Web

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 Iasmin Araújo Bandeira Mendes Universidade Federal de Campina Grande, email: iasminabmendes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA:

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL ÁGORA Ciência e Sociedade, ciclo de conferências Universidade de Lisboa Auditório do Instituto para a Investigação Interdisciplinar,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

CONSIDERANDO que os estudos apresentados para o desdobramento desse Departamento atendem a política universitária traçada por este Conselho;

CONSIDERANDO que os estudos apresentados para o desdobramento desse Departamento atendem a política universitária traçada por este Conselho; RESOLUÇÃO N o 10/92, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Desdobra, com novas denominações, Departamento do Centro de Ciências Humanas e Artes. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso

Leia mais

Ensino Superior Particular e Cooperativo - Universidades

Ensino Superior Particular e Cooperativo - Universidades Ensino Superior Particular e Cooperativo - Universidades Universidade Atlântica Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões Universidade Fernando Pessoa Universidade Independente Universidade Internacional

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS. OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us.

ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS. OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us. ABREU INTERNATIONAL LEGAL SOLUTIONS OUR INNOVATIVE SOLUTIONS WHEREVER YOU NEED US. our innovative solutions wherever you need us. Constituída em 1993 a AB é uma das maiores Sociedades de Advogados portuguesas

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Introdução à História do Português

Introdução à História do Português Ivo Castro Introdução à História do Português Segunda edição revista e muito ampliada Edições Colibri Índice Síntese Introdutória... 7 Capítulo I TERRITÓRIOS E COMUNIDADES LINGUÍSTICAS 1. Introdução. Conceitos

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Projecto-piloto em desenvolvimento no ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional) com financiamento e apoio

Leia mais

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos Disciplina:francês Aulas por semana: 4 7.º anos Competências: competências comunicativas da receção e produção adequadas ao ano de escolaridade (Falar, Escrever, Ler, Ouvir) domínio das ferramentas linguísticas

Leia mais

ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar o 2º Ano do Doutoramento em Direito Área de Concentração em Direito Público

ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar o 2º Ano do Doutoramento em Direito Área de Concentração em Direito Público CURRICULUM VITAE 1. DADOS BIBLIOGRÁFICOS NOME Gildo Manuel Espada DATA DE NASCIMENTO 19.02.79 NACIONALIDADE Moçambicana 2. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS ISCTEM/UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Actualmente a frequentar

Leia mais

Uma política de língua para o português

Uma política de língua para o português Uma política de língua para o português Maria Helena Mira Mateus Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Instituto de Linguística Teórica e Computacional As várias intervenções sobre política linguística

Leia mais

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa 1 Jornada de Diplomacia Económica ISEG 5.12.2012 Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral Inglês

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

APRENDER ALEMÃO EM PORTUGAL

APRENDER ALEMÃO EM PORTUGAL Goethe-Institut Portugal Goethe-Institut Portugal em Lisboa Campo dos Mártires da Pátria, 37 1169-016 Lisboa Tel.: 218 824 510 Fax: 218 850 003 cursos@lissabon.goethe.org Goethe-Institut Portugal no Porto

Leia mais

9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) 2009-2012 Professora Assistente na Escola de Negócios e Governação, Universidade de Cabo Verde.

9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) 2009-2012 Professora Assistente na Escola de Negócios e Governação, Universidade de Cabo Verde. CURRICULUM VITAE Informação Pessoal Nome Telefone Correio electrónico Nacionalidade Carla Santos de Carvalho 9 12 98 19 (Pessoal). 2 62 27 61 (Trabalho) carla.carvalho29@gmail.com carla.carvalho@docente.unicv.edu.cv

Leia mais

Tecnologia da Linguagem Humana

Tecnologia da Linguagem Humana Tecnologia da Linguagem Humana e o processamento computacional da língua portuguesa António Branco 1 1. Que é a tecnologia da linguagem? 2. Como está 3. Como avançar 2 Tecnologia da linguagem Da forma

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE DISCIPLINAS 2015.1

DISCIPLINAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE DISCIPLINAS 2015.1 O presente quadro Processo de Recuperação 2015.1, indica as disciplinas que serão ofertadas nesse processo. O quadro especifica disciplina, período e o curso que a disciplina pertence. Fundamentos históricos

Leia mais

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning.

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. A internacionalização da língua portuguesa Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. Mário Filipe O ensino de línguas de grande difusão global é hoje servido por várias

Leia mais

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 0 ALIMENTAÇÃO FONTES, CULTURA E SOCIEDADE Alimentos, Medicamentos e Venenos Religiões e Alimentação ARQUEOLOGIA E TERRITÓRIO (escolher apenas uma em cada semestre) Antropologia

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de 2012. ENQUADRAMENTO 2ºs PRÉMIOS DE JORNALISMO CEPSA ESTRADAS

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique. Consolidar o Futuro Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS FERREIRA ROCHA & ASSOCIADOS Em parceria: Portugal Moçambique Consolidar o Futuro Abreu Advogados Ferreira Rocha & Associados 2012 PORTUGAL

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Endereço(s) de correio electrónico Rua Central P-5060-521 Souto Maior - Sabrosa Vila Real (Portugal) Telefone(s) 259939819

Leia mais

Direcção do Registo Académico

Direcção do Registo Académico Direcção do Registo Académico EDITAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES PARA OS INGRESSOS DO ANO LECTIVO DE 2015 1. INTRODUÇÃO 1.1. A Direcção do Registo Académico (DRA) da Universidade Eduardo Mondlane (UEM),

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074

Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074 Recensão Crítica Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação Docente: Prof. Fernanda Botelho Teresa Cardim Nº 070142074 Raquel Mendes Nº 070142032 Setúbal, Outubro de 2009 Referências Bibliográficas

Leia mais

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou os seus representantes, de Angola, Brasil,

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Maria Luísa de Solla Mendes da Fonseca Data de nascimento: 7 de Novembro de 1950 BI nº 6065179 Lisboa Rua Sacadura Cabral, 76, 1ºEsq.- Cruz Quebrada 1495-713 Lisboa Telefone: 965009978

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Formador Profissional / Coordenador Pedagógico / Consultor de Formação Nome POEIRAS, VITOR JOAQUIM GALRITO Naturalidade Sumbe, Quanza Sul, Angola

Leia mais

Excelências Senhoras e Senhores,

Excelências Senhoras e Senhores, Excelência Sr. Blaise Campaoré - Presidente do Burkina Faso, Excelência Sr. Jean Ping, Presidente da Comissão da União Africana, Sr. Soumaila Cissé Presidente da Comissão Económica dos Estados da África

Leia mais

Estrutura da Prova. Classificação Final

Estrutura da Prova. Classificação Final Estrutura da Prova 1. A Prova (P) é constituída por duas componentes: a) Cultura Geral e Expressão Escrita (CG) - esta parte (escrita) da prova é comum a todos os candidatos e vale 30% da classificação

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão de Tomar Curso: 1º Ciclo de Estudos em Gestão Turística e Cultural.

Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão de Tomar Curso: 1º Ciclo de Estudos em Gestão Turística e Cultural. Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão de Tomar Curso: 1º Ciclo de Estudos em Gestão Turística e Cultural Licenciatura Área Científica predominante do Curso: Turismo Estrutura Curricular

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : LETRAS NOVA IGUAÇU - PORT/ESPANHOL/LITERATURAS. CRÉDITOS Obrigatórios: 152 Optativos: 8

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : LETRAS NOVA IGUAÇU - PORT/ESPANHOL/LITERATURAS. CRÉDITOS Obrigatórios: 152 Optativos: 8 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:37:05 Curso : LETRAS NOVA

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE SUL (SUB-PROJECTO 1) Capacidades e competências requeridas nas indústrias da língua e nas profissões relacionadas com as línguas

RELATÓRIO-SÍNTESE SUL (SUB-PROJECTO 1) Capacidades e competências requeridas nas indústrias da língua e nas profissões relacionadas com as línguas RELATÓRIO-SÍNTESE SUL (SUB-PROJECTO 1) Capacidades e competências requeridas nas indústrias da língua e nas profissões relacionadas com as línguas 1. Situação actual no domínio das indústrias e das profissões

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA Catya Marques Agostinho de Araujo Amanda Pérez Montanéz (Orientadora) RESUMO Esta investigação tem por objetivos pesquisar, estudar e

Leia mais

Learning by Ear Aprender de Ouvido Globalização 08 Exito na integração na Alemanha

Learning by Ear Aprender de Ouvido Globalização 08 Exito na integração na Alemanha Learning by Ear Aprender de Ouvido Globalização 08 Exito na integração na Alemanha Reportagem: Konstanze von Kotze Redacção: Sandrine Blanchard 3 vozes: - um locutor 1 Daniel Machava - uma locutora 1 Nádia

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

Relação completa dos cursos do Estude Sem Fronteiras

Relação completa dos cursos do Estude Sem Fronteiras Relação completa dos cursos do Estude Sem Fronteiras Curso Carga horária Área: Direito Direito Coletivo do Trabalho 40 Direito Empresarial 40 Direito Municipal e Urbanístico Direito Tributário Aplicado

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

Utilização da internet: uma prática relativamente recente

Utilização da internet: uma prática relativamente recente 2. PRÁTICAS E MOTIVAÇÕES DE USO DA INTERNET Utilização da internet: uma prática relativamente recente A utilização da internet pelos portugueses é, na maioria dos casos, relativamente recente. Cerca de

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE Elizabete Barbosa Índice Antes de mais, julgo ser importante distinguir informação e jornalismo, dois conceitos que, não raras vezes, são confundidos.

Leia mais

Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes

Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes Iolanda Évora Apresentação do GIS - Grupo Imigração e Saúde / Parte 2: a utilidade do GIS para os imigrantes Apresentado no II Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Viana do Castelo25-26 de Outubro

Leia mais

Claudia Norete Novais Luz

Claudia Norete Novais Luz Claudia Norete Novais Luz Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7788173410265540 Última atualização do currículo em 17/01/2013 Mestra em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM MOÇAMBIQUE. Cristina Martins FARGETTI (UNIMEP)

REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM MOÇAMBIQUE. Cristina Martins FARGETTI (UNIMEP) REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM MOÇAMBIQUE Cristina Martins FARGETTI (UNIMEP) ABSTRACT: In some localities of "Província de Sofala", Moçambique, we could value PASMO literacy classrooms. The program intends

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE

BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE BOLETIM DE SERVIÇO - FIPAR ON LINE ANO II Nº 003 Editado pela Secretaria Geral das FIPAR Faculdades Integradas de Paranaíba FIPAR Paranaíba, 08 de agosto de 2008. AVISO DE PUBLICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE MATRIZ

Leia mais

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário 2014 / 2015 Ano Letivo EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário * Estabelecimento de ensino integrado na rede pública. Financiado pelo Ministério da Educação ao abrigo do

Leia mais

30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011

30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011 30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011 INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA Despacho n.º 9220/2011 Ao abrigo do disposto nos artigos 75.º a 80.º do Decreto -Lei n.º 74/2006, de 24 de

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Director de Curso Escola Contacto Maria de Fátima Reis Faculdade de Letras fatimareis@letras.ulisboa.pt

Director de Curso Escola Contacto Maria de Fátima Reis Faculdade de Letras fatimareis@letras.ulisboa.pt Estudos Gerais Curso organizado conjuntamente pelas Faculdade de Belas Artes, Faculdade de Ciências, Faculdade de Direito, Faculdade de Letras, Faculdade de Motricidade Humana, Faculdade de Psicologia,

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Recife. 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013

FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Recife. 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013 FÓRUM DA GESTÃO DO ENSINO SUPERIOR NOS PAÍSES E REGIÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Recife 4, 5 e 6 de Dezembro de 2013 Irene Mendes Universidade Politécnica (A POLITÉCNICA)

Leia mais

Famílias. Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003. Principais Resultados

Famílias. Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003. Principais Resultados Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 Principais Resultados NOTA METODOLÓGICA (SÍNTESE) O Inquérito à Utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Nuno Miguel Lopes da Silva

Nuno Miguel Lopes da Silva Nuno Miguel Lopes da Silva Data de Nascimento: 08 de Janeiro de 1974 Local de Nascimento: Portimão Nacionalidade: Portuguesa Estado Civil: Divorciado H A B I L I T A Ç Õ E S L I T E R Á R I A S Formação

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

RECONHECIMENTO 13. O que é ECTS? 14. Como se compara ECTS com sistemas de pontos de créditos noutros países? 15. O que é um Suplemento ao Diploma?

RECONHECIMENTO 13. O que é ECTS? 14. Como se compara ECTS com sistemas de pontos de créditos noutros países? 15. O que é um Suplemento ao Diploma? PMFs Perguntas Mais Frequentes Nesta página da web pode encontrar as respostas a todas as perguntas que talvez queira fazer sobre estudos musicais na Europa. Perguntas Mais Frequentes PORQUÊ EU? 1. Porque

Leia mais

CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL:

CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL: CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL: Nome: Sandra Lopes Luís Morada: Rua de Entrecampos n.º 16, 2.º dto, 1000-152 Lisboa Portugal Data de Nascimento: 20. 05. 1979 Nacionalidade: Portuguesa Telefone: +351

Leia mais

Plano Educação. www.planoeducacao.com.br LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO. Área Assunto Titulo

Plano Educação. www.planoeducacao.com.br LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO. Área Assunto Titulo Plano Educação LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO 1 Administração Comércio, Vendas e Negociações Administração de Mercado Exterior Administração Comércio, Vendas e Negociações Atendimento ao cliente

Leia mais

Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa A Universidade de Lisboa está a fazer um estudo que procura saber como é que as crianças e os jovens portugueses utilizam a internet e o que pensam

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Pré-Vestibular Social LETRAS

Pré-Vestibular Social LETRAS Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica LETRAS Quando chegamos ao momento de escolher uma faculdade, começam a pintar diversas dúvidas, por exemplo, se vamos nos sair bem na carreira

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REITORIA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA RELAÇÃO DE CURSOS ATENDIDOS PELO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REITORIA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA RELAÇÃO DE CURSOS ATENDIDOS PELO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REITORIA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA RELAÇÃO DE CURSOS ATENDIDOS PELO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFC Biblioteca Curso de Graduação Curso de Pós-Graduação Biblioteca de Ciências

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

A USC E O ESPAÇO EUROPEU DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

A USC E O ESPAÇO EUROPEU DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A USC E O ESPAÇO EUROPEU DE EDUCAÇÃO SUPERIOR est udos of erecem CALENDÁRIO ACADÉMICO Início do curso: Setembro Primeiro quadrimestre: Setembro a Janeiro Segundo quadrimestre: Fevereiro a Junho 2 Ciências

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

Mestrado em CoMérCio internacional

Mestrado em CoMérCio internacional Mestrado em Comércio FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA Instituto Europeu de

Leia mais

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt

2003-2005. www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Primeiros resultados do projecto desenvolvido pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) em colaboração com a Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (Ministério da

Leia mais

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 167-173, 2009 167 MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Jussara Abraçado Tainá Soares Teixeira

Leia mais

Guia de Curso. Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras. 1º Ciclo 2012-13

Guia de Curso. Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras. 1º Ciclo 2012-13 Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas Variante de Línguas Estrangeiras 1º Ciclo 2012-13 Nota importante: Este curso será suspenso a partir do ano letivo de 2013-14, sendo este ano letivo o seu

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE ANÚNCIO DE CONCURSO O Gabinete do Ordenador Nacional para a Cooperação

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) Senhor Presidente: Requer informações ao Ministro da Educação sobre quais as medidas que estão sendo desenvolvidas pela COLIP (Comissão

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COMUNICAÇÃO E ARTES CCECA. 01 DE Graduação Plena em Pedagogia Pós-Graduação em Educação

CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COMUNICAÇÃO E ARTES CCECA. 01 DE Graduação Plena em Pedagogia Pós-Graduação em Educação CIDADE: Teresina CAMPUS: Torquato Neto Total de Vagas: 36 (20 Vagas Dedicação Exclusiva e 16 Vagas 40 Horas) CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COMUNICAÇÃO E ARTES CCECA CURSO: Licenciatura Plena em Pedagogia

Leia mais

Habilidades de trabalhar com alunos inclusos;

Habilidades de trabalhar com alunos inclusos; ANEXO I MODELO DE CURRICULO Número do edital: Cargo pretendido: DADOS PESSOAIS Nome Completo: Nº de filho: Data de Nascimento: / / Estado Civil: Local de Nascimento: Identidade: Órgão emissor/uf: CPF:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos Hoje, Portugal é uma sociedade onde vivem e convivem muitas culturas e etnias diferentes. Muitos são os imigrantes que aqui vivem, de diversas nacionalidades, e com um papel fundamental

Leia mais

Olá! Como está? ser / ser de ter / em chamar-se; morar (em); falar

Olá! Como está? ser / ser de ter / em chamar-se; morar (em); falar Olá! Como está? 1 Apresentar-se Cumprimentar Despedir-se Dar informações de carácter pessoal Nome Morada Estado civil Nacionalidades Países / Cidades Profissões Números (até 20) Adjetivos Pronomes pessoais

Leia mais

Case Study 3: Subtitlers 2.4.1. Questionnaires to subtitlers working on SDH /RTP 2.4.

Case Study 3: Subtitlers 2.4.1. Questionnaires to subtitlers working on SDH /RTP 2.4. Case Study 3: Subtitlers 2.4.1. Questionnaires to subtitlers working on SDH /RTP 2.4. Este inquérito inscreve-se no âmbito de um estudo académico conducente a Doutoramento na área da Legendagem para deficientes

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Cadê o português que estava aqui?

Cadê o português que estava aqui? Internet ajuda a criar uma nova linguagem "Cadê o português que estava aqui?" é o que diz a capa da edição do VIU de setembro. Milhões de brasileiros e vários de nossos leitores, já acostumados a ter a

Leia mais

A LEI 11.161 E A REALIDADE DO ENSINO DO ESPANHOL NAS ESCOLAS ESTADUAIS EM LONDRINA.

A LEI 11.161 E A REALIDADE DO ENSINO DO ESPANHOL NAS ESCOLAS ESTADUAIS EM LONDRINA. A LEI 11.161 E A REALIDADE DO ENSINO DO ESPANHOL NAS ESCOLAS ESTADUAIS EM LONDRINA. Massao Kawahama 1 Orientadora: Profª. Drª. Amanda Pérez Montañés 2 RESUMO O objetivo principal deste trabalho é mostrar

Leia mais

Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação. Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares

Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação. Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares GRUPO 4 Alunos: Ernesto João Mallen Luziaro Michel Zane

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

CONSIDERANDO a justificativa e fundamentação legal do Centro de Ciências Humanas e Artes constantes do Processo retromencionado;

CONSIDERANDO a justificativa e fundamentação legal do Centro de Ciências Humanas e Artes constantes do Processo retromencionado; RESOLUÇÃO N o 03/92, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Autoriza a criação do Curso de Bacharelado em Letras (Português ou Francês ou Inglês e respectivas literaturas). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

Projeto Linguístico de Francês. Visita de Estudo Cultural

Projeto Linguístico de Francês. Visita de Estudo Cultural Projeto Linguístico de Francês Ano lectivo 2011-12 Visita de Estudo Cultural 1- PORQUÊ ESTUDAR FRANCÊS? A língua francesa é importante para o estudo e pesquisa em várias áreas do conhecimento, incluindo

Leia mais

Castro Ascenção, Cristina Maria

Castro Ascenção, Cristina Maria Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido (s) / Nome (s) próprio (s) Morada Rua Morais Soares, 52 1ºD 1900-348 Lisboa Portugal Telemóvel +351 962 025 642 Correio electrónico cascencao@netcabo.pt Nacionalidade

Leia mais