UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A INTRANET E A COMUNICAÇÃO INTERNA NA PREVI Por: Renata Sampaio Orientador: Nelsom Magalhães Rio de Janeiro 2010

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A INTRANET E A COMUNICAÇÃO INTERNA NA PREVI Trabalho apresentado à IES A Vez do Mestre, como requisito parcial para aquisição do Grau de Especialista em Comunicação Empresarial. Por: Renata Sampaio

3 Gostaria de agradecer, em primeiro lugar a Deus, à minha família e amigos pelo apoio durante todo o curso.

4 Dedico a todos os meus familiares e Institutos de obras sociais.

5 RESUMO O objetivo deste trabalho é avaliar a importância de se ter um planejamento empresarial adequado dentro de uma empresa que resulte na integração de seus funcionários através de uma comunicação interna eficiente. O foco de análise é a Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil. Serão apresentados aspectos pertinentes à sua cultura organizacional e a forma como é realizada a comunicação com seus funcionários, tendo como maior base canais virtuais de comunicação, como por exemplo a intranet.

6 METODOLOGIA Para elaborar a monografia foram realizadas consultas a livros que abordassem questões pertinentes a planejamento estratégico das empresas, cultura organizacional, comunicação interna e as novas tecnologias. Para tanto ainda foi pertinente a realização de consulta a revistas e sites especializados nas áreas acima citadas. O Site de referência para as questões do estudo de caso foi o site da própria empresa, que possui uma transparência de suas ações disponibilizando as informações à sociedade através de um canal de comunicação virtual pertinente e atualizado.

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...7 CAPÍTULO I SOBRE A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL...9 CAPÍTULO II SOBRE A COMUNICAÇÃO INTERNA...16 CAPÍTULO III SOBRE A PREVI E A INTRANET...24 CONCLUSÃO...34 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...35 ÍNDICE...37 ANEXOS...38

8 INTRODUÇÃO O melhor uso das ferramentas de comunicação é nos dias de hoje diferencial competitivo de mercado. A globalização, o aumento da tecnologia e do número de profissionais implica maior competitividade. Para ter maior destaque, não basta fazer o básico, deve-se pensar além e buscar, acima de tudo, uma comunicação integrada nas empresas, bem como uma maior valoração dos profissionais que dela fazem parte. Adotar um plano estratégico significa buscar uma descrição da situação de uma empresa mediante análise dos agentes envolvidos. Este trabalho tem como objetivo revelar aspectos importantes referentes à intranet para a comunicação interna das empresas, e mais precisamente da PREVI. Busca-se ainda apontar a relevância de se ter uma cultura organizacional apropriada com previsão de espaço para uma boa comunicação entre colaboradores e empresa. Para tanto, faz-se necessário revelar aspectos fundamentais da comunicação interna das empresas. A importância da ferramenta da intranet como forte meio de comunicação empresarial tem sido percebida pelas empresas. Dessa forma, é imprescindível que se tenha um planejamento estratégico adequado para o sucesso empresarial. Este estudo pretende assim averiguar o alcance e a eficácia da intranet para a comunicação interna da PREVI. Identifica-se o mesmo fato, de uma forma geral, para todo o setor. Justifica-se a escolha deste tema por ser a comunicação interna fundamental para a realização do fluxo de informações da empresa. A intranet é um espaço de fácil acesso, democrático e, portanto, um meio de comunicação que merece maior destaque dentro da comunicação interna de uma organização. O tema a ser tratado ainda é baseado em uma escolha pessoal, uma vez que, ao trabalhar dentro da PREVI, percebo a intranet como forte aliada para uma comunicação eficiente no interior da organização. Oferece ainda maior facilitação da relação entre os colaboradores e a empresa, de uma forma geral.

9 O primeiro capítulo desta monografia busca ressaltar aspectos relevantes da Comunicação Empresarial, como forma de promover maior contextualização ao tema aqui proposto. Ainda neste, aponta-se a necessidade de uma cultura organizacional apropriada dentro de uma empresa, que vise uma comunicação ampla e eficiente interna e externamente. A segunda etapa trata de questões relacionadas à comunicação interna das empresas. Busca-se apresentar conceitos essenciais e aspectos relevantes a esta ferramenta organizacional. Analisam-se questões relacionadas ao enquadramento das mensagens, de forma a se oferecer um conteúdo atrativo que chame os funcionários a conhecer naturalmente sua empresa e os profissionais como um todo. A comunicação interna cresce a cada dia no setor empresarial, sendo de suma importância para a garantia de um claro fluxo de informações dentro da empresa. O terceiro capítulo será um estudo de caso que apresentará a Comunicação Interna da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil PREVI. Dados fundamentais sobre a empresa serão mencionados e, principalmente, a intranet como ferramenta essencial para o procedimento da comunicação, entre os funcionários da empresa. Este trabalho será uma pesquisa bibliográfica, tendo como base autores renomados, que tratem da comunicação empresarial das empresas e, ainda, os que abordam a questão da comunicação no interior das mesmas. Para tanto, serão pesquisados livros, apostilas, revistas e sites pertinentes ao tema. Além disso, para o estudo de caso específico, serão analisados materiais da PREVI, tais como revistas, o site oficial e a intranet da empresa. Como complemento, entrevistas com os funcionários da empresa também serão realizadas. Desta forma, este estudo pretende se aliar a tantos outros que pautam esse tema de tanta relevância para o setor empresarial. Empresários, gestores, comunicólogos, docentes, discentes entre outros podem abarcar a leitura que visa oferecer ferramentas úteis para suas práticas profissionais.

10 CAPÍTULO I SOBRE A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 1.1 Aspectos relevantes da Comunicação Empresarial A globalização trouxe novos desafios às empresas para se manterem no mercado. Com a abertura dos mercados a concorrência passou a ser cada vez maior, o que implicou uma luta para o estabelecimento de um diferencial de mercado. A comunicação assumiu maior importância e se tornou fundamental para estabelecer as novas relações nas empresas. Para Baumann (1999), com a globalização aumentou o trânsito de capitais e novas relações financeiras se estabeleceram em âmbito nacional e, principalmente, internacional. As organizações passaram então a repensar suas estratégias, desenvolvendo mudanças pela análise de questões internas, como também a sociedade. Para Camp (2006), o planejamento das empresas passou a ganhar, com a globalização, status de estratégia. Este engloba um planejamento e uma administração estratégica que se paute por uma sistemática análise dos pontos fortes e fracos de uma organização, das oportunidades e ameaças e, além disso, de um projeto que identifique objetivos, estratégias e ações para se conseguir aumento da competitividade organizacional. Os componentes básicos que devem pautar esta gestão são o meio ambiente (oportunidades e ameaças); a empresa (pontos fracos e fortes); e os resultados (objetivos, estratégias e ações). Uma vez que as empresas são compostas por seres humanos e que cada um deles têm seus próprios objetivos, deve-se estabelecer de forma adequada as relações de poder dentro desta empresa, bem como a cultura organizacional que pela qual esta será pautada.

11 Planejamentos Operacionais Planejamento operacional é todo processo que envolve a produção empresarial, compreendendo a formalização das metodologias de desenvolvimento implantadas, ou seja, os planos de ação ou planos operacionais estabelecidos. O planejamento operacional trabalha com a abrangência dos processos envolvidos na produção empresarial Cada um dos planejamentos operacionais deve englobar os recursos necessários à sua realização, os procedimentos básicos a serem adotados, os produtos e resultados finais esperados, os prazos estabelecidos para sua execução, bem como os funcionários e setores responsáveis por sua implementação (ANSOFF, 1998). É importante diferenciar a relação entre planejamento operacional e a totalidade do sistema organizacional que ocorre em termos de abrangência, sabendo que este regula somente as atividades que devem ser executadas a curto prazo. Assim, qualquer dúvida na elaboração desses parâmetros não caracteriza grande impacto ao bom funcionamento da empresa, pois pode ser corrigido com facilidade. As diretrizes deste tipo de planejamento podem ser alteradas com facilidade e com relativa frequência, caso mostrem-se inadequadas aos resultados esperados. Diretamente relacionado ao plano tático, o planejamento operacional especifica partes homogêneas desse segundo planejamento. Ele identifica os recursos e investimentos necessários ao desenvolvimento e implantação do próprio plano, além dos procedimentos básicos a serem adotados, junto com as expectativas em relação aos resultados, prazos e responsáveis por cada etapa de execução. Segundo Ansoff (1998), deve-se ter contato com as diversas áreas da organização. É função dos órgãos administrativos de uma empresa o pleno desenvolvimento de um planejamento tático que inclua o treinamento e supervisão dos funcionários, controle dos estoques, a verificação das tarefas relacionadas de forma geral. Este tipo de planejamento tem o objetivo de coordenar as atividades de

12 uma empresa. A atuação do planejamento tático tem maior alcance que o operacional, uma vez que esta define as ações a serem executadas. As vantagens A vantagem de um planejamento estratégico está em otimizar a relação das empresas com seus elementos por meio de ferramentas organizacionais que estruturem um processo estratégico. Cabe aos maiores níveis de uma empresa formular os objetivos a serem atingidos. As diretrizes da empresa são assim estabelecidas de forma que qualquer alteração necessária acarrete em menor trabalho possível, uma vez que foram planejadas diversas ações, tanto em relação às possibilidades, quanto aos riscos. Ainda conforme Ansoff, em função destas ações estratégicas a empresa compreende seu próprio funcionamento e fica atenta à dinâmica do ambiente externo que a envolve. A partir disso a empresa torna-se mais apta a empreender ações com vistas à concretização de seus objetivos organizacionais. Salienta-se que o benefício último de um planejamento estratégico é o direcionamento dos esforços de todos os funcionários da empresa para pontos de interesse comum. Vale acrescentar que o Planejamento Estratégico, como traduz um conjunto de ações ligadas diretamente aos objetivos da empresa, é extremamente relevante para a organização. Sem este, seria impossível, a qualquer organização, progredir verdadeiramente. 1.2 Contextualização de um Planejamento Estratégico O planejamento estratégico de uma empresa se estabelece pela definição do negócio e da missão estabelecida. Além disso, se insere em sua cultura organizacional. São as estratégicas que são traçadas para se conseguir o fim desejado. Cabe ressaltar que é fundamental que toda empresa adote um planejamento estratégico bem estruturado devido ainda ao alto índice de concorrência do mercado.

13 Todos os níveis gerenciais de uma empresa devem ser levados em conta no momento de implantação deste planejamento. A administração das ações deve ser realizada de forma a harmonizar os objetivos corporativos. Para Vasconcellos Filho (1984), o sucesso da adoção de um planejamento estratégico está em não seguir modelos pré-estabelecidos sem que estes estejam de acordo com a cultura e realidade das empresas. Assim, ele estabelece uma síntese de ações que devem ser seguidas e que atendem às peculiaridades de cada organização. DEFINIÇÃO DA MISSÃO ANÁLISE DO AMBIENTE ELABORAÇÃO DO PLANO CONTINGENCIAL DEFINIÇÃO DA FILOSOFIA DE ATUAÇÃO DEFINIÇÃO DAS POLÍTICAS DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS E METAS FORMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS CHECAGEM DA CONSISTÊNCIA DO PLANO IMPLEMENTAÇÃO Vasconcellos Filho (1984, p. 36) Todos os níveis gerenciais de uma empresa devem ser levados em conta no momento de implantação deste planejamento. A administração das ações deve ser realizada de forma a harmonizar os objetivos corporativos.

14 Oliveira (2001) esclarece ser necessária a definição de aonde a organização se deseja chegar. Para tanto, é necessário que se obtenha previamente um diagnóstico da visão organizacional desta empresa. Por meio desta, busca-se distinguir as oportunidades e ameaças do ambiente no qual se deseja ingressar. Oliveira (2001) complementa a necessidade de ainda se ver os fatores internos da empresa, como estrutura organizacional e estilo de administração, tecnologia e suprimentos, recursos financeiros e humanos, imagem institucional e resultados empresariais, sistema de informações e controle, comercialização e promoção. Uma investigação precisa da concorrência deve também ser executada. Nela busca-se uma colheita de informações minuciosas do mercado para poder assim se estabelecer um diferencial competitivo. Após se nortear as ações da empresa mediante este diagnóstico inicial pode-se começar o planejamento estratégico da empresa propriamente dito. O planejamento estratégico das empresas atualmente se faz mediante a compreensão dos fenômenos que ocorrem no mercado. Segundo Oliveira (2001), hoje se estabelecem conceitos de objetivo e de meta dentro das organizações. O objetivo é o que se pretende atingir, já a meta trata-se do tempo estabelecido para se conseguir atingir o que se deseja. Oportunidades e riscos devem ser estudados para se partir a uma formulação sistemática dos objetivos e ações futuras. Desta forma se destacará no mercado acirrado de hoje aquela instituição que tiver a capacidade de planejar e que não fique apenas agindo de forma improvisada. O rumo deve ser estabelecido de forma planejada, estudada e não apenas quando se deseja sair de uma crise. De acordo com Porter (1991), é necessário avaliar os pontos fortes e fracos de uma empresa para poder qualificar de forma correta a posição da empresa em relação à concorrência. As ameaças e as oportunidades da indústria definem o meio competitivo, com seus riscos conseqüentes e recompensas potenciais. As expectativas da sociedade refletem o impacto, sobre a

15 companhia, de fatores como a política governamental, os interesses sociais e muitos outros. (Porter, 1991, p.18). Conforme se observa pela citação acima, é fundamental se conhecer os riscos e as ameaças pelos quais a empresa possa passar. Para ele, as estratégias competitivas de mercado se fazem pela combinação dos fins que uma empresa deseja alcançar aliado aos meios que ela irá utilizar para fazê-lo. 1.3 A Cultura Organizacional nas Empresas Entende-se como Cultura Organizacional de uma empresa um planejamento estratégico que se paute no registro das pessoas no que concerne a seus valores e cultura, aos quais está atrelada a filosofia organizacional da empresa, bem como as relações de poder nela inseridas. Neste contexto se avalia a história da empresa, o perfil que a empresa procura para compor seu quadro de colaboradores, os processos de trabalho e comunicação adotados. Segundo Tavares (1999), é fundamental que se faça um diagnóstico no intuito de se conhecer qual o conjunto de normas e valores que regem a empresa. Existem determinadas crenças que se identificam neste primeiro estágio de estudo sobre a empresa que se deseja avaliar. A partir daí se constatam aspectos simbólicos e expressivos. Segundo Pettigrew (1989, p.146), a cultura organizacional é um fenômeno que abarca diversos níveis. São os valores e crenças que aferem os negócios de uma empresa e que se percebem em seus sistemas, símbolos e mitos. Para Santos Filho (1999) é relevante se obter um profundo conhecimento de todas as pessoas envolvidas nas atividades da empresa, uma vez que todo aparato de uma empresa é amarrado por determinada filosofia. De forma prática é mediante a busca de informações que se consegue traçar as metas para a tomada de decisões corretas dentro de uma instituição. O autor aponta ainda para a necessidade de se identificar o perfil dos fundadores desta como também os fatores que impulsionaram a criação desta

16 empresa, o que auxilia para o norteamento das ações. É então fundamental que se realize uma socialização planejada. Nisto cabe a apresentação de forma transparente dos líderes da empresa para com seus colaboradores. Desta forma, deve ser conduzido uma espécie de treino para que o funcionário saiba seguir na linha filosófica da empresa. Cada novo empregado terá assim a chance de se sociabilizar na empresa de forma adequada, já que terá o conhecimento das normas que tecem o lugar onde irá trabalhar. O objetivo de uma cultura organizacional é a integração do empregado e da empresa através de uma comunicação clara e transparente. É, dessa maneira, fundamental para qualquer planejamento estratégico e indicador de sucesso nas relações internas e externas.

17 CAPÍTULO II SOBRE A COMUNICAÇÃO INTERNA 2.1 A Comunicação Interna nas Empresas Um plano de comunicação interna deve ser organizado pautando-se inicialmente em quem serão os receptores desta ação. A organização de um plano de comunicação interna se faz pela definição inicial dos públicos-alvo. É imprescindível que se trace o conhecimento de quem são os receptores das mensagens. Cabe ressaltar que em uma organização, nem sempre o gestor será o líder. Muitas vezes, outro funcionário da empresa tem o carisma e as qualidades fundamentais para assumir este papel. Desta forma, é imprescindível que se saiba empregar de forma coerente ferramentas necessárias para se estabelecer uma ação estratégica. O autor cita Houaiss, que avalia ainda que a comunicação interna é aquela que se exerce entre a instituição e o seu público interno e é diferente também da Comunicação Administrativa, conjunto dos meios e procedimentos utilizados em uma organização para transmissão de informações, ordens, solicitações, orientações etc. (HOAUISS apud CLEMEN, 2005, p.16). De acordo com o autor, a comunicação interna é a base de sustentação de qualquer empresa e é responsável pelo sucesso de uma comunicação integrada. No entanto, ele afirma que ainda hoje existe grande dificuldade das empresas em lidarem com a função estratégica da comunicação interna. Isto devido ao fato de que as empresas precisam ter maior percepção do traquejo com as pessoas, ou melhor, com os funcionários de uma empresa. Para o autor acima citado, o resultado de qualquer empresa se alcança pelas pessoas, sendo elas os principais agentes de qualquer processo nas empresas.

18 Falar de organizações nos faz imaginar quais foram as verdadeiras razões que levaram à fundação de diversas empresas. Com certeza, são inúmeros os motivos. Hoje, no entanto, frente à globalização, as alterações climáticas no mundo e ás previsões pessimistas sobre o futuro da humanidade, as organizações não podem ignorar a necessidade de atender e buscar soluções para o próprio homem (CLEMEN, 2005, p.29). Desta forma, é relevante a todo processo de comunicação a constatação de que esta se faz entre os homens e que, por este motivo, carece de maior cuidado. Cada vez mais o olhar da empresa deve estar voltado para a comunicação interna, já que a comunicação para ser eficaz com os clientes deve fluir de forma satisfatória internamente. Para Clemen (2005), existem vários motivos para se implantar a comunicação interna nas empresas: empresas são formadas por pessoas que unidas fazem um grupo; para melhor compreensão dos clientes as empresas necessitam ter diferenciais que levem a resultados; internamente as pessoas interagem e formam a própria cultura organizacional da empresa; através da força de sua cultura as empresas alcançam sucesso empresarial; a imagem de reputação é a conseqüência do sucesso, além de uma marca forte para os clientes. Ainda ressalta o autor a necessidade de se ter um tratamento adequado à mensagem que se deseja transmitir. Para tanto, é fundamental se adotar linguagem concisa, objetiva e ilustrada. Da mesma forma, a linguagem visual, o design necessita agir em consonância ao conteúdo. De acordo com o autor, a área de comunicação interna precisa realizar campanhas de incentivo no intuito de se reduzirem os prazos e aumentar a produtividade. De acordo com Clemen (2005), é fundamental se estabelecer o papel e os benefícios gerados pela Comunicação Interna. Para tanto, os canais de divulgação devem ser dotados por fontes confiáveis de informação. O

19 compromisso com toda a informação divulgada deve ser um cuidado da comunicação interna. Assim, a veracidade das mensagens deve ser preservada através de fontes seguras e oficiais. O que for passado como interesse da empresa deve ser feito de forma ágil para evitar que a mensagem seja distorcida ou que a rádio corredor seja mais rápida, comprometendo o fluxo da informação desejada pelos representantes da empresa. De forma criteriosa deve ser o uso da linguagem, adequando-se ao perfil profissional dos funcionários. O autor aponta que o objetivo da comunicação interna é municiar o presidente, diretores e gerentes com informações que facilitem o contato face a face e as reuniões com a equipe (CLEMEN, 2005, p.61). Segundo Nassar (2003), o discurso apresentado pela empresa deve se sentir na prática. Para ele, desenvolve-se uma comunicação cara-de-pau, uma vez que as pessoas falam uma coisa e praticam outras. Citando as palavras de Gaulia (2003), Para muitos gestores ainda é mais fácil ficar calado, aderir ao Império do Silêncio. Essas pessoas simplesmente não enxergam que o mundo mudou. Vivem no faz-de-conta que ninguém está vendo, ninguém está ouvindo, ninguém está falando. Lembram da história da roupa do novo imperador? Pois, em comunicação, não há como esconder que o rei está nu (GAULIA apud NASSAR, 2003, p.79). Desta forma, percebe-se que a credibilidade é fundamental ao sucesso da comunicação dentro de uma empresa. Uma empresa que vive pautada em uma comunicação clara e verdadeira com seus funcionários tem em seus corredores o real termômetro da credibilidade. O conteúdo na comunicação interna O autor aponta para a necessidade de se prestar atenção às mensagens que são transmitidas na comunicação interna das organizações. É de grande relevância que os funcionários se sintam bem informados a respeito do que

20 acontece em suas empresas. Uma mensagem deslocada pode vir a comprometer a essência da comunicação. Para o autor ocorre que em muitas vezes as mensagens são tratadas apenas como a divulgação de simples acontecimentos sem que se dê a real relevância ao que foi transmitido. Muitas vezes, os detalhes de um fato são a cereja do bolo. Concentrar-se no foco principal da ação, da idéia ou do processo simplesmente descarrega a força inerente que a notícia poderia ter. Uma visão adequada do que poderia ser ressaltado é a melhor maneira de evitar essa pedra no caminho de repórteres e editores de revistas corporativas (CLEMEN, 2005, p.44) Conforme frisa a citação acima é fundamental que se busque o que é de fato mais relevante e que assume assim um caráter de exclusividade. Ainda faz-se necessário que se dê um tom de curiosidade a este foco, o que garantirá a atratividade da notícia empresarial. Além disso, as notícias precisam ter uma conexão maior com a realidade social e pessoal dos leitores. Nassar (2003) cita o esclarecimento de Chinan (2003) como pertinente à análise da importância de se tecer maior cuidado ao conteúdo das mensagens. A comunicação empresarial deveria cuidar para que os temas estratégicos para as campanhas possam ser transformados também em assuntos interessantes para audiência. Afinal, o que atrai torna-se relevante e o relevante acaba sendo assimilado (CHINAN apud NASSAR, 2003, p.43) Desta forma, através de um cuidado específico tornam-se as mensagens atrativas, o que as faz relevantes. A empresa que alia os interesses estratégicos da organização com um maior poder de atração terá maior eficácia em seu processo de comunicação. Ainda Nassar (2003) utiliza as palavras da autora Maria Aparecida de Paula que, sobre a eficácia das mensagens, relata: a eficácia das mensagens na comunicação com o público interno está cada vez mais dependente da consideração efetiva das expectativas das pessoas em relação ao impacto das estratégias de negócio e de gestão da empresa no seu trabalho e na sua vida. A formação do sentido é um fator chave em qualquer processo de comunicação que

21 parece negligenciado em muitos programas de comunicação interna (DE PAULA apud NASSAR, 2003, p.34). Conforme ressaltado, há de se existir um sentido que atrele a mensagem à estratégia realizada pela gestão. Portanto, a comunicação interna deve ser pautada em conteúdos pertinentes, alinhados aos objetivos da gestão. Para Clemen (2005), ainda que se pense em conteúdo, um projeto gráfico de qualidade é imprescindível para não se comprometer a mensagem. Para ele, o uso de títulos, subtítulos e janelas imprimem velocidade à leitura, bem como o uso adequado de fotografias e infografias. Já os boxes aparecem para que se quebrem as grandes massas de texto. A formatação das mensagens organizacionais deve, sobretudo, se pautar nas respostas das seguintes perguntas: a quem comunicar, para que comunicar, em que base, como e de que modo se dará a construção. O autor afirma que a prévia definição destas questões garante o direcionamento adequado às mensagens que se deseja transmitir. De acordo com Nassar (2003), uma pesquisa desenvolvida pelo instituto ABERJE, através de um estudo pautado nos pilares mercado dinâmico, investimentos crescentes e ação multidisciplinar, apontou como se situa a comunicação interna no novo momento empresarial. A atividade da comunicação interna, uma das áreas da comunicação empresarial vem ocupando espaço cada vez mais relevante dentro das empresas. Não se concebe mais que uma organização moderna omita a informação de seus funcionários. A composição do mercado aponta para o crescente número de empresas de prestação de serviços que o diferencial são os recursos humanos (NASSAR, 2003, p. 12). De acordo com o acima citado, o espaço destinado à comunicação interna vem se ampliando ao longo dos anos nas empresas. É vital para as empresas que atualmente apresentem maior empenho do tocante à comunicação interna, estabelecendo planejamento adequado e coerente e, ainda, diferencial de mercado. Atualmente, devido à revolução tecnológica e com uma série de inovações nos segmentos técnico-científico, de informática, robótica,

22 telecomunicações e outros, o relacionamento das pessoas, o desenvolvimento de grupos e a comunicação interna nas organizações passaram a ser essenciais. A comunicação interna na empresa representa uma crescente preocupação dos gestores atuais. Enfatiza-se ser fundamental às pessoas saberem o que seus líderes projetam para a empresa no futuro, o que esperam dos funcionários e o que cada um pode fazer para que as metas sejam alcançadas. 2.2 Endomarketing: principais aspectos e conceitos Segundo Clemen (2005) o ato de comunicar dentro da empresa pode ter várias denominações, tais como comunicação interna, marketing interno, endomarketing, comunicação empresarial e outros. Para este trabalho o termo endomarketing será o utilizado. A partir da década de 1990, houve maior percepção das empresas na necessidade de se desenvolver uma relação mais estreita com o cliente. Assim, surge a essencialidade do uso do marketing nas empresas. Desta maneira, ele passa a se fundir às empresas, através de um entendimento de que o sucesso depende de uma relação adequada com o cliente. De acordo com Brum (2000), o ambiente interno da empresa se constitui de suas áreas funcionais e representa um permanente desafio para o profissional de marketing, pois faz parte do cenário da organização a existência de problemas e até conflitos entre departamentos (BRUM, 2000). Para se obter a harmonia entre os departamentos, é vital a utilização do endomarketing. Através deste, visa-se que toda organização trabalhe internamente com objetivo único de atender as necessidades do mercado. Desta maneira, ele atua de forma a preservar e impulsionar ações determinadas pela empresa. Para Bekin (2004) o marketing interno pauta-se na noção maior de que os empregados são o primeiro mercado das organizações. Assim, uma vez que estejam treinados e orientados adequadamente, eles têm maior

23 capacidade de apostar na estratégia da empresa. O Endomarketing deve atuar em consonância com as aspirações da cultura organizacional que se pretende desenvolver. 2.3 Os canais de Comunicação Interna Os canais de comunicação interna dividem-se em canais de comunicação impressos e canais de comunicação virtuais. Os primeiros são utilizados como divulgadores de informações e promoções internas exclusivas. São eles: Jornal interno, Revista Interna, Boletim gerencial, Jornal Mural, Informativos dirigidos ou especiais. Já os canais virtuais, por seu caráter de agilidade, ganham força entre os canais de comunicação interna. (...) são de grande utilização para fortalecer o fluxo da comunicação Interna, principalmente, com o nível gerencial cada vez mais ocupado com atividades e responsabilidades. Algumas empresas optam por substituir os canais impressos por virtuais (CLEMEN, 2005, p. 64). Conforme mencionado, este tipo de canal tem imprimido maior agilidade à comunicação, motivo pelo qual tem sido preferido em alguns processos de comunicação. São eles: Jornais Digitais, informes virtuais, marketing, banners, pop ups, hot sites especiais e a intranet. Cabe ressaltar ainda que os blogs também passaram a ser considerados canais de comunicação interna. São pertinentes as considerações de Denis de Moraes (2002), que avalia que a web proporcionou novas formas de se comunicar, de forma mais rápida numa interação entre todos e todos. Desta forma, o usuário passa a ser emissor e receptor. Grande parte do sucesso da interface WWW utilizada pela Internet deve-se à utilização do hipertexto e da hipermídia. O hipertexto afigura-se como um texto modular, lido de maneira não seqüencial, composto por fragmentos de informação, que compreendem links vinculados a nós. A pessoa tem a alternativa de saltar de uma fonte a outra, em um itinerário sem começo nem fim. Os textos deslizam pelo monitor, em ritmo seqüencial, numa colagem de interferências individuais e coletivas, que facultam novos gabaritos

24 de intervenção por parte dos leitores. Não existem percursos únicos e definitivos para a navegação. (MORAES, 2002, p.103) Conforme a citação acima, trata-se de um texto multidimensional, onde a estrutura interna do texto é uma dimensão, e as relações entre vários textos são uma segunda dimensão. Outra dimensão é a comunicação entre pessoas através da manipulação de textos. A mesma idéia pode ser aplicada a hipermídia, ou seja, uma mídia multidimensional. Cabe ressaltar ainda a facilidade de comunicação promovida pelos sites. A Internet fortalece a relação existente entre os usuários. Vale notar ainda que as mudanças e dificuldades encontradas na utilização de um site podem ser sanadas pela utilização de um webmaster. Já a intranet se utiliza da força da comunicação promovida pelos sites para direcioná-la para seus funcionários. Conforme já fora ressaltado neste estudo, os funcionários devem ser considerados o primeiro público-alvo para a comunicação. A intranet já é ferramenta em comunicação na maioria das empresas. Segundo Nassar (2003), embora ainda não seja o principal veículo de comunicação interna, apresenta crescimento considerável dentro do composto de comunicação empresarial atual. No próximo capítulo deste trabalho serão feitas considerações sobre a intranet nas empresas e, principalmente, sobre o uso desta no interior da comunicação interna da PREVI.

25 CAPÍTULO III A INTRANET NA COMUNICAÇÃO INTERNA NA PREVI 3.1 Sobre a PREVI Todas as informações apresentadas neste estudo foram retiradas do site oficial da PREVI, o que demonstra que a empresa tem a preocupação em ser transparente com a sociedade de uma forma geral. Qualquer plano de Comunicação só é eficiente se existe um cuidado da empresa com a sociedade em si, com o que esta deseja transmitir. Da mesma forma, os funcionários desta empresa devem ser vistos como seu primeiro mercado. Assim, a comunicação deve começar de dentro e estar alinhada com a sociedade. No site encontram-se informações relacionadas à responsabilidade social desenvolvida pela empresa, o trabalho de assessoria de imprensa, o histórico, bem como seus valores e missão. Desta forma, não apenas a sociedade como aquele que desejar ingressar na empresa pode obter informações seguras sobre ela. Sobre a criação da PREVI Pertinente a este estudo é a apresentação do histórico da PREVI. A PREVI Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil é o maior fundo de pensão da América Latina e 45º do mundo em patrimônio. Trata-se de uma entidade fechada de previdência complementar, sendo os seus participantes funcionários do Banco do Brasil e empregados do quadro próprio da PREVI. O intuito da instituição é de trabalhar e garantir aos seus participantes benefícios previdenciários complementares aos da Previdência Oficial. Busca- Ranking divulgado pelo jornal Pension & Investments, de setembro/2009, com dados referentes a dezembro/2008.

26 se através deste feito promover a garantia da qualidade de vida de seus funcionários e seus possíveis dependentes. Outra questão relevante é que os recursos da PREVI provêm das contribuições pessoais e patronais, como também de outras contribuições especiais previstas no Estatuto ou em instrumento específico. Estes recursos são investidos em ações de empresas, imóveis, títulos etc. É por meio desses investimentos que é garantido o pagamento dos benefícios. Além disso, como investe seus recursos no país, em empresas que tenham sua atuação pautada na responsabilidade social, a PREVI acaba por beneficiar não só os participantes, mas também a sociedade brasileira. Sobre a Gestão Para a implementação de qualquer processo de comunicação empresarial, é necessário que se conheça o funcionamento da filosofia da instituição. Desta maneira, é fundamental se ter conhecimento a respeito de sua gestão. Dentro da PREVI, a gestão e fiscalização se dividem da seguinte forma: Conselho Deliberativo, Diretoria Executiva e Conselho Fiscal. A Diretoria Executiva é composta de seis membros: Presidente, Diretor de Administração, de Investimentos, de Seguridade, de Participações e de Planejamento. Conforme informações retiradas do site da instituição, o Conselho Deliberativo é formado por seis membros titulares e respectivos suplentes. Cabe ressaltar que três são eleitos pelos participantes e assistidos, e outros três indicados pelo Banco do Brasil. O Conselho Fiscal é formado por quatro membros efetivos e respectivos suplentes, dos quais dois são eleitos por participantes e assistidos, e dois indicados pelo Banco do Brasil. Veja o organograma da PREVI e quem compõe essa estrutura:

27 Fonte: Site da PREVI Responsabilidade Social Objetiva-se com a implementação da Política de Responsabilidade Socioambiental (RSA) prover e orientar da PREVI em todas as suas atividades e relações. Isto decorre uma vez que existe um entendimento de que a política pode trazer reflexos positivos. Cabe ressaltar que por meio de uma política de responsabilidade social acertada e compromissada beneficia-se a imagem, as práticas, o desempenho, os resultados de longo prazo e ainda as atitudes diárias da entidade e de seus colaboradores. Frisa-se ainda que tal conceito se alinha mais a estratégias de sustentabilidade das empresas. Desta maneira, as instituições que assumem uma postura pró-responsabilidade social agregam valores, garantindo assim uma melhoria de sua imagem institucional. 3.2 Análise do Canal Expresso: A intranet da PREVI O Expresso nasceu da necessidade de divulgar informações internamente, sem aumentar o volume de material impresso em circulação na Instituição. Essa demanda surgiu no final dos anos O veículo é utilizado

28 para divulgar informações desde o nascimento de filhos de funcionários a normas e procedimentos para ações específicas. As gerências e os funcionários reconhecem o Expresso como veículo de comunicação interna, e têm a iniciativa de solicitar divulgação de informações, cuja publicação é feita pela Gerência de Comunicação e Marketing (Ascom). Em anexo, a entrevista que foi concedida pelo funcionário Rocino Crispim no intuito de contextualizar mais o Canal Expresso dando informações sobre sua origem, funcionamento, a respeito de que setor a desenvolve, o número de funcionários que trabalham, de que forma são feitas as atualizações e qual a relevância das notícias apresentadas, tanto para empresa quanto para os funcionários. Análise das páginas da Intranet A figura abaixo apresenta a primeira página da intranet da PREVI, na qual constam as informações principais e ainda uma série de matérias que informam notícias relevantes da empresa a seus funcionários. Existe ainda, na lateral, a opção de clipping, onde os funcionários têm como saber toda a repercussão da instituição na mídia, e desta forma, podem ter informações contextualizadas, bem como saber como está a imagem da empresa na sociedade. Através do Canal Expresso são passadas novidades e as notícias mais recentes que trafegar na comunicação interna da PREVI. Foram selecionadas as seis páginas mais relevantes da intranet para mostrar aspectos desta ferramenta de comunicação interna utilizada pela instituição. São elas a primeira página, Clipping, Classificados, Aniversariantes do Mês, Informações sobre os funcionários e Agenda. Primeira Página

29 Figura 1 Primeira página da Intranet da PREVI A próxima análise aponta para o clipping da empresa. Esta ferramenta é uma das atividades mais típicas de uma assessoria de imprensa e consiste em identificar as citações sobre a instituição na imprensa e ainda de temas previamente determinados. Através da apresentação de seu clipping, a empresa fornece aos funcionários as informações que estão sendo veiculadas a seu respeito, o que confere uma relação de transparência uma vez que por este meio o funcionário percebe a imagem que a PREVI tem na sociedade. Clipping

30 Figura 2 Clipping A próxima apresentação ressalta os classificados, mostrando um leque de opções oferecidas aos funcionários. Classificados

31 Figura 3 Classificados Também há espaço para o cuidado com os funcionários. Os aniversariantes ganham destaque e aparecem na página da intranet. Esta é uma forma da empresa valorizar as pessoas que integram seu quadro de funcionários. Conforme já foi apresentado neste estudo, muitas foram as mudanças ocorridas nos últimos tempos que passaram a colocar o pessoal como fundamental ao sucesso dos negócios. Os funcionários passaram a serem vistos como o primeiro mercado da empresa, anterior à sociedade e ao mercado. Aniversariante do Mês

32 Figura 4 Página aniversariante do mês Relevante também é a história dos funcionários. Mais uma vez, é comprovado que a PREVI utiliza amplamente esta ferramenta de comunicação interna para, além de transmitir as informações a respeito da empresa, sua história, missão e valores, também para apresentar a história de quem faz parte da empresa. A partir deste cuidado, percebe-se que além da transparência do que de fato pretende e faz a empresa aos seus funcionários, existe uma valoração do que cada um contribui de forma individual. É de fato uma visão corporativa que vem sendo adotada por muitas empresas como diferencial competitivo. Embora o trabalho em equipe seja fortemente adotado, o funcionário passa a ser visto por suas qualificações pessoais.

33 Informações a respeito dos funcionários Figura 5 Página destinada aos funcionários A seguir, a página destinada a conter a agenda da empresa. Através desta pautam-se reuniões, eventos, seminários, congressos e tudo mais pertinente ao dia-a-dia da empresa e dos funcionários. É um meio de organizar a empresa e garantir que todos os funcionários possam se programar para os eventos. Agenda

34 Figura 6 Página da Agenda da PREVI A apresentação das páginas mais relevantes da Intranet da PREVI teve o intuito de oferecer maior subsídio às análises aqui apresentadas. Cabe lembrar que a PREVI, além do site e da intranet, oferece aos seus funcionários uma revista impressa e digital. Desta forma, fica evidenciada a importância que a instituição confere aos canais de comunicação virtuais. Tanto para a comunicação externa quanto para a interna, através destes a instituição busca a transparência de suas ações.

35 CONCLUSÃO Ao término deste trabalho monográfico evidenciou-se a forma como a globalização e ainda o aumento da tecnologia e do número de profissionais trouxe grandes transformações ao mercado. Desta maneira, a elaboração de um plano estratégico pautado no melhor uso das ferramentas de comunicação passa a ser nos dias de hoje diferencial competitivo de mercado. Concluiu-se através deste trabalho importantes aspectos referentes a intranet para a comunicação interna das empresas, e mais precisamente da PREVI. Foi aqui apresentada a relevância de se ter uma cultura organizacional apropriada dentro de uma empresa com previsão de espaço para uma boa comunicação entre colaboradores e empresa e ainda de se ter maior valorização do pessoal em seu interior. Assim, considerações a respeito da comunicação interna das empresas foram apontadas, bem como o alcance e a eficácia da intranet para a comunicação interna da PREVI. O primeiro capítulo desta monografia ressaltou aspectos relevantes da Comunicação Empresarial, bem como a Cultura Organizacional, como forma de promover maior contextualização ao tema aqui proposto. Na segunda etapa as questões relacionadas à comunicação interna das empresas foram aqui ressaltadas. O terceiro capítulo apresentou um estudo de caso sobre a Comunicação Interna da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil. Tendo como base autores renomados, que tratem da comunicação empresarial das empresas e aqueles que abordam a questão da comunicação em seu interior, buscou-se apresentar um conteúdo que permitisse maior elucidação ao tema aqui analisado. Dessa forma, este estudo pretende se aliar a tantos outros que pautam este relevante assunto para o setor empresarial. Objetiva-se que este trabalho auxilie a empresários, gestores, comunicólogos, docentes, discentes entre outros, em suas práticas profissionais.

36 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANSOFF, H.I. Implantando administração estratégica. São Paulo: Atlas, BAUMANN, Zygmunt. Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BEKIN, Saul Faingaus. Endomarketing: como praticá-lo com sucesso. São Paulo: Prentice-Hall, BRUM, Analisa de Medeiros. Respirando Endomartketing. Porto Alegre: L&PM, CAMP, R.C. Benchmarking dos processos de negócios. Rio de Janeiro: Qualitymark, CHAIAVANETO, Idalberto. Gerenciando com as pessoas. Transformando o executivo em um excelente gestor de pessoas: um guia para o executivo aprender a lidar com sua equipe de trabalho. Rio de Janeiro: Elsevier, CLEMEN, Paulo. Como implantar uma área de comunicação interna: nós, as pessoas fazemos a diferença: guia prático e reflexões. Rio de Janeiro: Mauad, MORAES, Denis. O Planeta mídia: Tendências da Comunicação na Era Global. Campo Grande: Letra Livre, NASSAR, Paulo, et al. Comunicação interna: a força das empresas. São Paulo: ABERJE, OLIVEIRA, D.P.R. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, 2001.

37 SANTOS FILHO, Huberto. Cultura Organizacional: uma análise crítica. Memorial das Letras, TAVARES, M.C. Planejamento estratégico. São Paulo: Harbra, VASCONCELOS FILHO, P. Planejamento e controle: uma proposição brasileira. Rio de Janeiro: LTC, 1984.

38 ÍNDICE INTRODUÇÃO...7 CAPÍTULO I SOBRE A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Aspectos relevantes da Comunicação Empresarial Contextualização de um Planejamento Estratégico A Cultura Organizacional nas Empresas CAPÍTULO II SOBRE A COMUNICAÇÃO INTERNA A Comunicação Interna nas Empresas Endomarketing: principais aspectos e conceitos Os canais de Comunicação Interna CAPÍTULO III SOBRE A PREVI E A INTRANET Sobre a PREVI Análise da Intranet da PREVI CONCLUSÃO...34 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...35 ÍNDICE...37 ANEXOS...38

39 ANEXO Entrevista funcionário Rocino Crispim, da Gerência de Comunicação e Marketing (ASCOM). 1 - Quando o Expresso começou a funcionar? A intranet da PREVI começou a funcionar quando a sede ainda era na Praia do Flamengo, no final dos anos noventas. Em 2005, foi efetivada a primeira reformulação do veículo. Posteriormente, em 2008 ocorreu outra mudança. Em 2010, houve outra reformulação, que representa a atual versão da Intranet. 2 - Que setor a desenvolve (além da Ascom)? O desenvolvimento mesmo é só na Ascom. Há áreas que colaboram como fontes de informações prontas, como acontece com a Gerência de Conformidade e Controles Internos Conin (Controles Internos), a Gerência de Administração de Vínculo Associativo e Arrecadação Gevar (Relatórios gerenciais dos Planos 1 e PREVI Futuro), Diretoria de Planejamento Dipla (Planejamento Estratégico, Economia & Estratégia), Gerência de Talentos Humanos e Organização Getho (GDP, Política de Pessoal, divulgação das etapas das seleções, atualização dos normativos internos etc.), Cipa (eleições, atas, integrantes etc.). Há ainda a seção Formulários que traz documentos úteis de áreas como Getho e Gesad Gerência de Suporte Administrativo. Mas a publicação de conteúdo é feita pela Ascom, bem como a apuração de matérias e sua redação final. 3 - Quantas pessoas trabalham com essa ferramenta?

40 Na equipe de Comunicação da Ascom, trabalham com a ferramenta as estagiárias Beatriz e Camila, além do Fraga e da Andréa. O trabalho é acompanhado pela gerência de núcleo. Além disso, o trabalho de reformulação e reestruturação tem sido feito pelo analista II Rocino, quem criou a primeira versão, acompanhou as reformulações seguintes, que contaram inclusive com consultorias externas. A última e atual reestruturação foi idealizada e implementada por Rocino, sem o apoio de consultoria, uma vez que já se acumulou algum conhecimento no uso da ferramenta Oracle Portal utilizada para a publicação do Expresso. 4 - Como e em quanto tempo são feitas as atualizações? As atualizações são feitas pelo publicador do Oracle Portal. Podem ser feitas a qualquer momento. Entretanto, tem-se por meta atualizar as chamadas principais diariamente, o que vem ocorrendo sempre. As várias seções são periodicamente atualizadas. A página de notícias é atualizada uma vez por dia. As informações que vêm prontas de outras áreas seguem a periodicidade do envio. Algumas são mensais (relatórios da Gevar), outras não têm necessariamente periodicidade fixa (informes da Conin, seleções da Getho) e outras se concentram em determinada época do ano (Planejamento Estratégico da Dipla, GDP, da Getho, eleições da Cipa). 5 - Qual a relevância das notícias e fontes? Como veículo de informações, as fontes são fundamentais, já que a maioria das notícias se origina fora da Ascom. O Expresso procura divulgar notícias que sejam de interesse da Administração e do funcionalismo da PREVI para ser um veículo que mantenha o público interno bem informado sobre o que afeta o seu dia a dia na PREVI.

41 Para ilustrar a questão da relevância da fonte, citamos o fato de que, até o momento, as informações provenientes da Diretoria de Administração são pessoalmente aprovadas pelo diretor. Essa dinâmica pode vir a ser alterada, uma vez que se trata de uma decisão pessoal. As demais diretorias não exigem que os conteúdos passem pelo diretor antes de serem publicados na Intranet.

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

AGENDA. Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing. 02 de Julho. Hotel Intercontinental São Paulo/SP 5ª EDIÇÃO.

AGENDA. Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing. 02 de Julho. Hotel Intercontinental São Paulo/SP 5ª EDIÇÃO. AGENDA Interação entre comunicação interna corporativa e endomarketing 5ª EDIÇÃO D 02 de Julho? Hotel Intercontinental São Paulo/SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Bronze Apoio Realização:

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

1 INSTITUIÇÕES E ENTIDADES ENVOLVIDAS NO PROJETO

1 INSTITUIÇÕES E ENTIDADES ENVOLVIDAS NO PROJETO TITULO: Assessoria de Comunicação às Instituições da UFSM no norte gaúcho EJE: Incorporación curricular de la extensión AUTORES: Mariana Cristina Raimondi, Bruna Occhi, Tássia Becker Alexandre. REFERENCIA

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Análise do contexto da organização A Pirelli é a quinta maior empresa do mundo no mercado de

Leia mais

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho # Tantas # Edição 01 # Ano 01 Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho Editorial Missão e Valores

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Relatório de Gestão Setorial 2010

Relatório de Gestão Setorial 2010 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial 2010 Cruz das Almas BA 2010 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES Período: Janeiro

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Manual com normas para solicitação de produção e publicação de material informativo jornalístico no site, lista de

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

ENDOMARKETING COMO ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO EM UMA USINA DE AÇÚCAR E ALCOOL EM CASTILHO/SP

ENDOMARKETING COMO ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO EM UMA USINA DE AÇÚCAR E ALCOOL EM CASTILHO/SP ENDOMARKETING COMO ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO EM UMA USINA DE AÇÚCAR E ALCOOL EM CASTILHO/SP FERNANDA THAMIRES ULISSES BACURAU Discente do Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos das Faculdades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL RECRUTAMENTO E SELEÇÃO: RECURSOS HUMANOS DESENVOLVENDO O CAPITAL HUMANO CONSCRIPTION AND SELECTION: HUMAN RESOURCES DEVELOPING THE HUMAN CAPITAL Fabiana Custódio e Silva * Murilo Sérgio Vieira Silva **

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente.

A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. .a agência A LB Comunica desenvolve estratégias e ações de marketing e comunicação, feitas sob medida para a realidade e as necessidades de cada cliente. Nosso compromisso é auxiliar empresas e organizações

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues Faccat Faculdades Integradas de Taquara Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Disciplina: Planejamento e Assessoria em Comunicação Profª Me. Taís Vieira ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

ENDOMARKETING: FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA AS EMPRESAS RESUMO

ENDOMARKETING: FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA AS EMPRESAS RESUMO ENDOMARKETING: FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA AS EMPRESAS Jovira Maria Sarraceni jô@unisalesiano.edu.br Letícia Lelis Diniz leticia_lelis@hotmail.com Lívia Garcia Alves de Souza liviagasouza@gmail.com

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais