ANAIS A CADEIA REVERSA DO CALÇADO: UMA REVISÃO DA LITERATURA COM FOCO NO RESÍDUO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS A CADEIA REVERSA DO CALÇADO: UMA REVISÃO DA LITERATURA COM FOCO NO RESÍDUO"

Transcrição

1 A CADEIA REVERSA DO CALÇADO: UMA REVISÃO DA LITERATURA COM FOCO NO RESÍDUO GABRIELA AMOROZO FRANCISCO ( ) LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE (LASSU) - ESCOLA POLITÉCNICA, UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO SYLMARA LOPES FRANCELINO GONÇALVES DIAS ( ) ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO TEREZA CRISTINA MELO DE BRITO CARVALHO ( ) ESCOLA POLITÉCNICA - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Resumo Este trabalho teve como objetivo a elaboração de um quadro de referência de conceitos da cadeia reversa calçadista com enfoque no resíduo pós-consumo, de modo a identificar lacunas e tendências e fomentar a discussão do tema. Trata-se de um artigo teórico cujo procedimento metodológico adotado foi o desk research em periódicos internacionais disponíveis nos portais eletrônicos SCOPUS, Web of Science e JStor. Foram identificados 55 artigos, apenas 5 deles abordando a temática de interesse. Estes datam a partir de 2007, o que demonstra a atualidade do tema. Reciclagem e gestão foram as principais temáticas encontradas. Palavras-chave: Gestão de resíduo do calçado; resíduo pós-consumo do calçado; calçado; reciclagem de calçado. 1. Introdução A dinâmica de produção e consumo no mundo da moda no formato fast-fashion, com prazos de produção (lead-times) cada vez mais curtos, simultaneidade de coleções e lotes pequenos, propulsionada pela alta competitividade exige grande consumo de recursos e rapidez dos processos produtivos e de distribuição, com consequente diminuição da vida útil dos produtos e aumento do descarte. Por este motivo o engajamento das cadeias têxtil e calçadista (assim como da indústria da moda como um todo) em direção à sustentabilidade é uma questão controversa (STAIKOS; RAHIMIFARD, 2007c; DE BRITO et. al., 2008; TOKATLI; KIZILGÜN, 2009). Tratando-se da cadeia calçadista, encontram-se diversos pontos sensíveis à incorporação da sustentabilidade em diferentes dimensões. São associados a ela uma série de impactos ambientais, especialmente na fase de produção. Por esse motivo, normas regulatórias e iniciativas empresariais têm-se focado principalmente nesta fase, deixando o fim da vida útil desses produtos em segundo plano. O tratamento do resíduo do calçado ao fim da sua vida útil apresenta dificuldades principalmente devido à pluralidade de componentes e à quantidade de adesivos utilizados. Atualmente, a maior parte desse montante tem sido destinada a aterros, representando grande risco de contaminação para lençóis freáticos e corpos d água devido ao lixiviado originado a partir deles (STAIKOS et al., 2006; STAIKOS; RAHIMIFARD, 2007c). O descarte de pós-consumo segue a lógica acelerada da cadeia: com ciclos de vida mais curtos aumentam-se produção, consumo e descarte. O descarte mundial por ano é atualmente estimado em 20 bilhões de pares (STAIKOS; RAHIMIFARD, 2007a) e tende a 1/13

2 crescer proporcionalmente ao consumo. Além disso, há os de uso específico/profissional, que devido à intensidade e ao tipo de uso podem representar uma parcela à parte, como o exemplo das sapatilhas de ballet. Uma bailarina brasileira chega a descartar, em média, 46 pares de sapatilhas por ano (PÉRIGO; BUGLIANI, 2009). Além disso, a tendência à eliminação ou à restrição para aterros sanitários vem se tornando cada vez mais comum em diversos lugares do mundo, existindo atualmente na Europa diretrizes legais que regulamentam essa questão. Dentro desse contexto, torna-se premente a proposição de soluções para a gestão do resíduo pós-consumo do calçado; para tal, existe grande amplitude de possibilidades, podendo distribuir-se em áreas diversas o que demonstra o caráter inter e multidisciplinar da temática. Atualmente, o conhecimento acumulado sobre o tema encontra-se esparso e segmentado. Esse trabalho se propõe, portanto, a sistematizá-lo de modo a criar um quadro de referências e auxiliar pesquisas futuras. O presente trabalho tem como objetivos elaborar um quadro de referência de conceitos da cadeia reversa calçadista com enfoque no resíduo pós-consumo, vislumbrando um panorama da temática no contexto acadêmico internacional. Pretende-se deste modo identificar lacunas e tendências e fornecer subsídios para a discussão no âmbito da gestão de fluxos reversos. Este trabalho está organizado em seis seções, incluindo esta introdução. A próxima seção caracteriza a cadeia produtiva dos e da problemática do resíduo pós-consumo a ela associada. Na terceira seção são descritos os procedimentos metodológicos que foram adotados e na quarta são apresentados e discutidos os resultados obtidos. A seção seguinte é destinada à discussão dos artigos encontrados que tratam especificamente do resíduo pósconsumo do calçado. Finaliza-se com apresentação das considerações finais. 2. A cadeia produtiva calçadista: impactos ambientais e desafios Os principais impactos ambientais associados à cadeia produtiva calçadista ocorrem tanto na produção de componentes quanto no processo de manufatura do calçado e estão ligados ao uso intenso de recursos naturais e de produtos químicos, tais como aqueles destacados por Staikos et al. (2006). Cromo, utilizado no curtimento do couro, substância altamente tóxica e carcinogênica; PVC, que quando queimado a baixas temperaturas pode formar compostos organoclorados, também tóxicos; Solventes e outros compostos orgânicos voláteis (VOC s), os quais contribuem para formação de ozônio próximo à superfície, considerado um poluente. Para fins de sistematização da análise, foi elaborado um esquema simplificado da cadeia calçadista contendo seus principais elos, representado na Figura 1. É importante salientar a grande diversidade que há para cada tipo de material indicado neste esquema. 2/13

3 DESIGN COMPONENTES Couro Petroquímica (plástico, borracha, espumas, adesivos) Têxtil Metais MANUFATURA Botas, sandálias, sapatos, chinelos... CONSUMO Comércio Exportação PÓS- CONSUMO Figura 1: Esquema simplificado da cadeia calçadista Fonte: Elaboração própria No tocante à gestão dos resíduos provenientes do fim da vida útil dos, podese apontar uma série de dificuldades, sendo uma das principais a pluralidade de materiais na sua composição (por volta de 40 materiais diferentes para produzir um único sapato) bem como a quantidade e diversidade de adesivos e costuras utilizados pra uni-los o que dificulta a sua separação; também a diminuição dos ciclos produtivos e da vida útil dos produtos, uma vez que contribuem para o aumento do descarte; e o fetichismo que caminha lado a lado com a indústria da moda e, através da mediação cultural, contribui também para um constante crescimento do consumo. Como desafios para o futuro, Staikos e Rahimifard (2007c) e Jacques e Guimarães (2011) apontam o estabelecimento de uma logística reversa sustentável no setor calçadista para isso, incentivos financeiros podem auxiliar a articulação do processo de devolução voluntária ao fim da vida útil dos produtos. Além disso, os autores colocam a importância de uma nova geração de processos de reciclagem na indústria calçadista mediante avanços técnicos para permitir o retorno de materiais ao ciclo produtivo. Por fim, é citada a criação de uma cadeia de recuperação de valor para pós-consumo a criação de taxas através de legislação pode contribuir para esse processo. Algumas alternativas de gestão de resíduos para são colocadas pela literatura pertinente encontrada em uma busca preliminar. Podem ser divididas em dois grupos: a) as preventivas, que atuam no início do ciclo de vida do produto, com minimização do resíduo como design para desmontagem (em inglês, Design for Disassembly, ou DfD) (JACQUES; GUIMARÃES, 2011), Ecodesign visando eficiência no uso de materiais (STAIKOS; RAHIMIFARD, 2007), prolongamento do ciclo de vida do produto através de melhoria de materiais (PÉRIGO; BUGLIANI, 2011), escolha de materiais que sejam menos impactantes ao fim do ciclo de vida (STAIKOS et al., 2006); e b) as corretivas, que tratam dos resíduos após o fim da vida útil dos produtos, como reuso, reciclagem, recuperação de energia pelo 3/13

4 resíduo e disposição em aterros (STAIKOS et al., 2006). Estas dependem de uma estrutura de logística reversa. Essas alternativas de gestão se encontram representadas no diagrama abaixo. Opções de gestão de resíduos para Minimização do resíduo Gestão ao fim da vida útil Melhorias no design Melhorias nos materiais Reuso Reciclagem Recuperação de energia Disposição Eco design Substituição de materiais Destrutiva Não destrutiva Moagem Retalhamento Inspeção - Inspeção - Reparo - Remodelagem Separação Desmontagem - Incineração - Gaseificação - Pirólise Reprocessamento Reprocessamento Sistema do produto calçado (ciclo fechado) Sistema de outro produto (ciclo aberto) Aterros Figura 2: Framework de gestão de resíduos para Fonte: STAIKOS e RAHIMIFARD (2007) Iniciativas de empresas incorporando alguma das soluções acima citadas em seus processos produtivos ainda são recentes e dispersas, tanto no Brasil como no exterior. A Nike realiza há mais de dez anos um programa de retorno de chamado ReUSE A SHOE, no qual os resíduos são processados e utilizados na pavimentação de quadras esportivas (NIKE). No entanto, é limitado ao tipo de calçado (só são processados alguns tipos do produto) e o material resultante não retorna ao ciclo produtivo de onde veio. A Adidas criou em 2012 um processo relativamente similar no Brasil, chamado Pegada Sustentável, com entrega pelos consumidores dos produtos que chegaram ao fim de sua vida útil em pontos de coleta voluntária. Esses resíduos são processados e encaminhados para incineração em fornos de cimento. Novamente, tais resíduos não retornam ao ciclo produtivo de origem. 3. Procedimentos metodológicos Trata-se de um trabalho de sistematização da literatura, no qual se adotou desk research como procedimento metodológico, baseado em artigos publicados em periódicos internacionais disponíveis nos portais eletrônicos SCOPUS, Web of Science e JStor. 4/13

5 Utilizando como base o arcabouço conceitual desenvolvido por Staikos e Rahimifard (2007), representado na Figura 2, foram utilizadas como palavras-chaves para busca: Palavras-chave utilizadas footwear waste management (gestão de resíduos do calçado) footwear waste minimization (minimização do resíduo do calçado) footwear DfX (DfX para o calçado) footwear ecodesign (ecodesign de ) footwear reuse (reuso de ) footwear disassembly (desmontagem de ) footwear recycling (reciclagem de ) footwear energy recovery (recuperação de energia com ) footwear landfill disposal (disposição de em aterros) Quadro 1: Palavras-chave utilizadas para busca nos portais selecionados Fonte: a partir de Staikos e Rahimifard (2007) Em uma primeira etapa buscou-se essas palavras no título e no resumo de artigos. Para a segunda etapa, foi feita a triagem dos artigos utilizando-se os seguintes critérios de seleção: Estudos publicados em formato de artigo científico; Textos completos; Estudos cuja temática principal tivesse relação com a cadeia do calçado. Por fim, foi realizado um refinamento da busca utilizando-se o termo post-consumer (pós-consumo), para identificar trabalhos que tratassem especificamente da temática dos resíduos pós-consumo do calçado. 4. Resultados e discussão A busca da primeira etapa resultou em um total de 55 artigos; no entanto, após a aplicação dos critérios de seleção, restaram apenas 28 deste montante. Após leitura dos artigos, as temáticas centrais tratadas foram categorizadas conforme a cadeia descrita na Figura 1. A categoria Outros foi adicionada para abarcar os artigos que tratam de uma temática mais abrangente (cadeia produtiva, gestão de resíduos, avaliação de ciclo de vida) e não apenas de um elo específico da cadeia. 5/13

6 Tabela 1 : Frequência de artigos por temática na cadeia calçadista Temáticas na cadeia Artigos % Design de calçado ou de componentes 3 11 Couro Petroquímica (plástico, borracha, espumas, adesivos) 3 11 Têxtil 0 0 Metais 0 0 Manufatura do calçado 0 0 Comércio 0 0 Exportação 0 0 Pós-consumo 6 21 Fonte: Dados da pesquisa Outros 5 18 Total Os resultados evidenciam a concentração de estudos no elo do couro. Por se tratar de um dos principais agentes causadores de impacto da cadeia, grande parte dos estudos tratam do resíduo proveniente do curtimento do couro efluentes ou retalhos do couro após o curtimento. No entanto, pouco é dito sobre a recuperação deste material ao fim da vida útil dos. A partir disto, foi elaborada uma periodização dos estudos encontrados com os principais conceitos envolvidos, de modo a analisar a sua distribuição temporal, representada na tabela 2. A referência mais antiga encontrada data de Os resultados mostram que 71% dos artigos foram publicados a partir de O ano de 2010 aglutinou o maior número de artigos publicados no período analisado, com 25% das publicações. Tais dados demonstram que esta é uma temática ainda recente e pouco explorada. 6/13

7 Tabela 2: Artigos por ano de publicação Ano Total % Total Fonte: Dados da pesquisa A tabela 3 apresenta o número de artigos correspondentes a cada palavra-chave utilizada na busca distribuída no tempo, complementando assim as informações da tabela 2. Dentre os resultados ocorreu certa sobreposição de palavras-chave, uma vez que um mesmo artigo pode trazer mais do que uma das palavras-chave selecionadas, por esse motivo não foi calculado o percentual representativo das frequências aqui representadas. 7/13

8 Tabela 3: Frequência de artigos por palavra-chave por ano Anos de análise Palavras-chave Total Gestão de resíduos do calçado Minimização do resíduo do calçado DfX para o calçado 0 Ecodesign de Reuso de Desmontagem de 0 Reciclagem de Recuperação de energia com Disposição de em aterros total por ano Fonte: dados da pesquisa A produção analisada, de modo geral, abordou apenas 6 dos 9 conceitos pesquisados não foram encontrados resultados para os termos minimização do resíduo do calçado, DfX para o calçado e desmontagem de. A palavra-chave reciclagem de foi a que obteve maior número de resultados na busca (15 correspondências). 5. O resíduo pós-consumo do calçado O refinamento da busca levou a apenas cinco artigos (18% do total encontrado) que abordam a questão central deste trabalho, os quais estão descritos na Tabela 4. Deles, três (os mais antigos) foram publicados em 2007 e os outros dois, em Staikos e Rahimifard (2007a; 2007b) propõem um modelo e uma ferramenta para auxiliar a tomada de decisão no tocante à gestão de resíduos pós-consumo de calçado que avaliam fatores ambientais, econômicos, técnicos e sociais quantitativa e qualitativamente de modo a indicar a solução mais adequada para cada caso. Os autores ressaltam a importância do trabalho dos designers de na promoção de práticas sustentáveis de design na indústria. O outro artigo encontrado desses autores trata da gestão da cadeia reversa do calçado propondo diferentes abordagens e é o mesmo cujo framework serviu de base para este trabalho. Os estudos de Lee e Rahimifard (2012a; 2012b) tratam da reciclagem de pósconsumo utilizando separação de partículas por fluxo de ar. Diferentes métodos foram utilizados: cascata de ar, mesa de ar vibratória e separador por pulso de ar o qual se mostrou 8/13

9 o mais eficiente, apresentando maior taxa de pureza e quantidade de material separado. Essa ferramenta apresenta potencial de aplicação em outros setores, mas ainda carece de mais estudos. Os autores apontam uma taxa mundial de reciclagem ou reuso do resíduo pósconsumo do calçado inferior a 5%, o que evidencia a importância de trabalhos desse tipo. Tabela 4: Referências sobre resíduo pós-consumo de Autores Ano Palavras-chave Tema Staikos, T.; Rahimifard, S Gestão de resíduos do calçado; Reuso de ; Reciclagem de ; Recuperação de energia com Modelo de tomada de decisão para gestão de resíduos pós-consumo do calçado Staikos, T.; Rahimifard, S Gestão de resíduos do calçado; Reciclagem de Ferramenta para otimizar a tomada de decisão para gestão de resíduos pós-consumo do calçado Staikos, T.; Rahimifard, S Gestão de resíduos do calçado Resíduo pós-consumo do calçado (autores apresentam framework para gestão integrada deste bem como tendências) Lee, M.J.; Rahimifard, S Gestão de resíduos do calçado; Reciclagem de ; Disposição de em aterros Sistema de reciclagem de pósconsumo através de separação de grânulos do material por fluxo de ar (cascata de ar e mesa vibratória) Lee, M.J.; Rahimifard, S. Fonte: dados da pesquisa 2012 Reciclagem de Comparação de dois métodos de separação por fluxo de ar para reciclagem de pós-consumo 7. Considerações finais Com a busca exploratória realizada neste trabalho, destaca-se o fato de que a maior quantidade de estudos encontrados (71%) foi publicada nos últimos 5 anos, o que revela a contemporaneidade dos esforços na pesquisa direcionados à discussão da sustentabilidade na 9/13

10 cadeia dos. De um total de 28 artigos pertinentes, apenas 5 (18%) tratam do resíduo pós-consumo uma lacuna que revela necessidade de estudos e aprofundamento para o futuro. No contexto do resíduo pós-consumo do calçado, os estudos são recentes e se concentram nos autores Staikos e Rahimifard. Chama atenção que o pesquisador Rahimifard é co-autor de todos os artigos localizados, sendo a gestão e a reciclagem dos resíduos de as principais vertentes abordadas. Dos resultados obtidos pode-se inferir que o uso do termo pós-consumo para o refinamento da busca excluiu os artigos que tratavam das medidas de abordagem preventiva ao resíduo e de algumas alternativas de gestão pós-consumo (reuso, incineração e disposição em aterros) consideradas no framework de Staikos e Rahimifard (2007c), revelando uma limitação da metodologia utilizada. A ausência de resultados para as buscas utilizando os termos minimização do resíduo do calçado, DfX para o calçado e desmontagem de corrobora esse fato. A diferença entre a quantidade de artigos encontrados na primeira etapa e aqueles realmente pertinentes à cadeia aqui tratada indica que as ferramentas de busca também apresentam limitações. Para estudos futuros, recomenda-se que o mesmo levantamento seja feito em bases nacionais, de modo a elaborar um estudo comparativo com publicações internacionais e brasileiras para fomentar a expansão deste campo de pesquisa. Apesar das lacunas de pesquisa identificadas nessa área, o contexto europeu já mostra oportunidades, tanto teóricas quanto práticas. Além dos projetos da Nike e Adidas, há notícias (ASSINTECAL, 2013; COMISSÃO EUROPEIA, 2013) de um projeto de reciclagem de realizado por um fabricante espanhol com colaboração do Instituto Tecnológico del Calzado y Conexas com financiamento da Comissão Europeia entre 2010 e Neste projeto foram instalados postos de coleta voluntária nas lojas para recolher os produtos para posterior encaminhamento a um sistema de trituração e moagem. O material resultante está sendo analisado e testado para retornar ao ciclo produtivo calçadista na fabricação de solas e palmilhas. Referências ABBOTT, S.G.; DENTON, M.F. "Catalytic combustion of solvent vapours from adhesives". International Journal of Adhesion and Adhesives, v.12, n.3, p , ASHOKKUMAR, M. et al.. "Preparation and characterization of composite sheets from collagenous and chromium-collagen complex wastes using polyvinylpyrrolidone: two problems, one solution". Waste and Biomass Valorization, v.1 n.3, p , ASHOKKUMAR, M.; THANIKAIVELAN, P.; CHANDRASEKARAN, B.. "Modulating chromium containing leather wastes into improved composite sheets using polydimethylsiloxane". Polymers and Polymer Composites, v.19, n.6, p , ASSINTECAL, Projeto Naturalista reutiliza resíduos de calçado para a fabricação de outros produtos, Novo Hamburgo RS, 28/02/2013. Disponível em os_de_calcado_para_a_fabricacao_de_outros_produtos. Acesso em 28/02/2013. BABANAS, K.; TARANTILI, P.A.; ANDREOPOULOS, A.G.. "Plasticized poly(vinyl chloride) filled with waste leather particles". Journal of Elastomers and Plastics, v.33, p.72-85, /13

11 BAHILLO, A. et al.. "Thermal valorization of footwear leather wastes in bubbling fluidized bed combustion". Waste Management, v.24, n.9, p , BORSCHARDT, Miriam et al.. "Reprojeto do contraforte: um caso de aplicação do ecodesign em manufatura calçadista". Produção, v.20, n.3, p , BORCHARDT, Miriam et al.. "Redesign of a component based on ecodesign practices: environmental impact and cost reduction achievements". Journal of Cleaner Production, v.19, n.1, p.49-57, COMISSÃO EUROPEIA, Los productos de calzado reciclados entran en el mercado, s/l, 11/02/2013. Disponível em: Acesso em 01/03/2013. COOPER, M.; GUTTERRES, M.; MARCÍLIO, N. "Environmental developments and researches in Brazilian leather sector". Journal of the Society of Leather Technologies and Chemists, v.95, n.6, p , COT, J. et al.. "Minimization of industrial waste: adding value to collagenic materials procter memorial lecture". Journal of the Society of Leather Technologies and Chemists, v.87, n.3, p.91-97, DE BRITO, Marisa P., CARBONE, Valentina e BLANQUART, Corinne Meunier. Towards a sustainable fashion retail supply chain in Europe: organisation and performance. International Journal of Production Economics, v.114, n.2, p , DETTMER, A. et al.. "Production of basic chromium sulfate by using recovered chromium from ashes of thermally treated leather". Journal of Hazardous Materials, v.176, n.1-3, p , FERREIRA, Maria J.;FREITAS, Fernanda; ALMEIDA, Manuel F.. "The effect of leather fibers on the properties of rubber-leather composites". Journal of Composite Materials, v.44, n.24, p , FERREIRA, Maria J.; ALMEIDA, Manuel F.; FREITAS, Fernanda. "Formulation and characterization of leather and rubber wastes composites". Polymer Engineering and Science, v.51, n.7, p , GODINHO, Marcelo et al.. "Formation of PCDD and PDCF in the thermal treatment of footwear leather wastes". Journal of Hazardous Materials, v.167, n.1-3, p , GRISA, Ana M.C. et al.. "Degradação biológica do PVC em aterro sanitário e avaliação microbiológica". Polímeros, v.21, n.3, p , HERVA, Marta; ÁLVAREZ, Antonio; ROCA, Enrique. "Sustainable and safe design of footwear integrating ecological footprint and risk criteria". Journal of Hazardous Materials, v.192, n.3, p , JACQUES, Jocelise J., GUIMARÃES, Lia B. M. Fim do ciclo de vida e projeto para desmontagem do produto calçado. In: 8 o Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produto, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produto CBGDP, /13

12 LEE, Michael James; RAHIMIFARD, Shahin. "A novel separation process for recycling of post-consumer products". CIRP Annals - Manufacturing Technology, v.61, n.1, p.35-38, 2012a. LEE, Michael James; RAHIMIFARD, Shahin. "An air-based automated material recycling system for postconsumer footwear products". Resources, Conservation and Recycling, v.69, n.2012, p.90-99, 2012b. LIMA, Paulo Roberto Lopes; LEITE, Mônica Batista; SANTIAGO, Ediela Quinteiro Ribeiro. "Recycled lightweight concrete made from footwear industry waste and CDW". Waste Management, v.30, n.6, p , MADERA-SANTANA, Tomás J.; TORRES, Alberto Campos; LUCERO, Alfredo Márquez. "Extrusion and mechanical characterization of PVC-leather fiber composites". Polymer Composites, v.19, n.4, p , MILÀ, L. et al.. "Application of Life Cycle Assessment to Footwear". International Journal of Life Cycle Assessment, v.3, n.4, p , NIKE. Reuse-A-Shoe. s/l, s/d (consulta na internet, endereço em 08/09/2012). PÉRIGO, Ana Maria da Rocha; BUGLIANI, Raquel de Oliveira. Bailarinas e sustentabilidade: tradição e possibilidades de adequação a uma nova ética ambiental. In: Simpósio Brasileiro de Design Sustentável SBDS, 2, São Paulo. Anais... São Paulo: Rede Brasil de Design Sustentável, POPHALI, Girish R.; DHODAPKAR, Rita S. "An overview of sustainability of common effluent treatment plant for clusters of tanneries". Environment, Development and Sustainability, v.13, n.3, p , RAVINDRANATH, E. et al.. "Effect of recirculation rate on anaerobic treatment of fleshing using UASB reactor with recovery of energy". Journal of Scientific & Industrial Research, v.69, n.10, p , RIDGWAY, E.J.; ALLEN, K.D.. "'Grippers' shoes: can they be reused?". Journal of Hospital Infection, v.27, n.1994, p , SMITH, F.G.; DANIELS, E.J.; TEOTIA, A.P.S. "Testing and evaluating commercial applications of new surface-treated rubber technology utilizing waste tires". Resources, Conservation and Recycling, v.15, n.2, p , STAEL, Giovanni Chaves et al.. "Analysis of the mechanical properties and characterization by solid state 13C NMR of recycled EVA copolymer/silica composites". Materials Research, v.8, n.3, p , STAIKOS, Theodoros et al.. End-of-life management of shoes and the role of biodegradable materials. In: 13th CIRP International Conference on Life Cycle Engineering, 13, Leuven. Anais... Leuven: 2006, p STAIKOS, Theodoros; RAHIMIFARD, Shahin. "A decision-making model for waste management in the footwear industry". International Journal of Production Research, v.45, n.18-19, p , 2007a. 12/13

13 STAIKOS, Theodoros; RAHIMIFARD, Shahin. "An end-of-life decision support tool for product recovery considerations in the footwear industry". International Journal of Computer Integrated Manufacturing, v.20, n.6, p , 2007b. STAIKOS, Theodoros; RAHIMIFARD, Shahin. Post-consumer waste management issues in the footwear industry. Proceedings of the Institution of Mechanical Engineers, Part B: Journal of Engineering Manufacture, v.221, n.2, p , 2007c. SUNDARAPANDIYAN, S. et al.. "Electrochemical oxidation and reuse of tannery saline wastewater". Journal of Hazardous Materials, v.180, n.1-3, p , TATÀNO, Fabio et al.. "Shoe manufacturing wastes: characterisation of properties and recovery options". Resources, Conservation and Recycling, v.66, n.2012, p.66-75, TAYLOR, David H. "An application of value stream management to the improvement of a global supply chain: a case study in the footwear industry". International Journal of Logistics: Research and Applications, v.12, n.1, p.45-62, TOKATLI, Nebahat; KIZILGÜN, Ömür. From manufacturing garments for ready-to-wear to designing clothes for fast-fashion: the changing role of suppliers in the clothing industry. Environment and Planning A, v.41, n.1, p , janeiro, WAGNER, J.P.; CARABALLO, S.A.. "Toxic species emissions from controlled combustion of selected rubber and plastic consumer products". Polymer-Plastics Technology and Engineering, v.36, n.2, p , /13

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

CIP-EIP-Eco-Innovation-2009 ECO/09/256025/NATURALISTA. Website: www.eco-naturalista.eu

CIP-EIP-Eco-Innovation-2009 ECO/09/256025/NATURALISTA. Website: www.eco-naturalista.eu CIP-EIP-Eco-Innovation-2009 ECO/09/256025/NATURALISTA Website: www.eco-naturalista.eu Post-used shoes recovery in footwear industry and other applications Reutilização de sapatos usados na indústria de

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.12. COM() 614 final ANNEX 1 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Fechar o ciclo

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS ALVES, Jéssica B. 1 NETO, João B. 1 SOBRAL, Jozias M. 1 SILVA, Kelvin L. S. da 1 PETITTO, Sônia 2 PERRI, Ricardo Alves 3 RESUMO A coleta seletiva é uma forma de

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva

Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Engenharia de Produção Motivação para o emprego do Ecodesign: : um estudo de caso na indústria automotiva Miriam Borchardt Leonel Augusto C. Poltosi Miguel A. Sellitto Giancarlo M. Pereira Introdução Ecodesign:

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR CALÇADISTA E A APLICAÇÃO DA ANÁLISE DE CICLO DE VIDA: UMA ABORDAGEM GERAL

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR CALÇADISTA E A APLICAÇÃO DA ANÁLISE DE CICLO DE VIDA: UMA ABORDAGEM GERAL AVALIAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR CALÇADISTA E A APLICAÇÃO DA ANÁLISE DE CICLO DE VIDA: UMA ABORDAGEM GERAL Adriana Hoenisch da Silva 1 (adrihoenisch@gmail.com), Carlos Alberto Mendes Moraes 1 (cmoraes@unisinos.br),

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP)

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Diogo Aparecido Lopes Silva¹, Diego Rodrigues Iritani¹ Paulo Grael¹ e Aldo Roberto Ometto¹ 1- Universidade de São Paulo, Escola

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira

Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Emprego da Contabilidade de Custos Ecológicos em um Projeto de Produção Enxuta de uma Indústria Automobilística Brasileira Fabiana Giusti Serra 2015 Indústria automobilística brasileira A indústria automobilística

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

RECICLAGEM DOS MATERIAIS

RECICLAGEM DOS MATERIAIS RECICLAGEM DOS MATERIAIS Bibliografia MANO, E. B., PACHECO, E. B.; BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blucher, cap 10, 2005. C-H Leea, C-T Chang, K-Sh Fan, T-C Chang.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE OURO, PRATA E COBRE EM SUCATA DE ORIGEM ELETRO-ELETRÔNICA

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE OURO, PRATA E COBRE EM SUCATA DE ORIGEM ELETRO-ELETRÔNICA DETERMINAÇÃO DO TEOR DE OURO, PRATA E COBRE EM SUCATA DE ORIGEM ELETRO-ELETRÔNICA F. H. S. dos Santos 1, C. E. G. de Souza 1, R. H. C. Peixoto 1 CENTRO DE TECNOLOGIA MINERAL - CETEM Avenida Pedro Calmon,

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

EDITAL. I Prêmio UNIFEG Sustentabilidade e Meio Ambiente. Edição 2009: Prof. Moacyr Costa Ferreira

EDITAL. I Prêmio UNIFEG Sustentabilidade e Meio Ambiente. Edição 2009: Prof. Moacyr Costa Ferreira EDITAL I Prêmio UNIFEG Sustentabilidade e Meio Ambiente Edição 2009: Prof. Moacyr Costa Ferreira I DO CONCURSO: Os cursos de graduação em Ciências Biológicas, Engenharia de Produção e Qualidade e Química

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS 9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) FERNANDO CELSO DE CAMPOS 1. Introdução No

Leia mais

Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade

Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade Módulo teórico Princípios de design para a sustentabilidade Autores: Cristina Rocha David Camocho Com contributos de: Anne Marie Mathiasen Rainer Pamminger Introdução ao módulo Objetivos do módulo Apresentação

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

Logística reversa de pneus, baterias e óleos lubrificantes segundo a legislação ambiental de Brasil, Alemanha e Estados Unidos

Logística reversa de pneus, baterias e óleos lubrificantes segundo a legislação ambiental de Brasil, Alemanha e Estados Unidos Logística reversa de pneus, baterias e óleos lubrificantes segundo a legislação ambiental de Brasil, Alemanha e Estados Unidos Luiz Gustavo de Sousa Tatagiba 1 ; Neimar Freitas Duarte 2 1 Mestrando em

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

Consumo e Produção Sustentável: Atores, políticas e instrumentos para uma economia circular

Consumo e Produção Sustentável: Atores, políticas e instrumentos para uma economia circular Sustentabilidade nas Contratações Públicas João Pessoa, Paraíba, Agosto de 2013 Consumo e Produção Sustentável: Atores, políticas e instrumentos para uma economia circular Thiago Hector Kanashiro UEHARA

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos DISCLAIMER: O conteúdo apresentado neste documento encontra-se em construção pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com o Grupo de Trabalho Temático Resíduos de Equipamentos

Leia mais

Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK

Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK Text-block 1 Meio-ambiente INFORMAÇÕES DA KODAK O Destino e os Efeitos da Prata no Meio-ambiente Os despejos provenientes das instalações de processamento fotográfico são comumente regulamentados através

Leia mais

Manufatura Sustentavel: Estudo e Análise da Adopção Articulada das Tecnicas de Produção Mais Limpa e Produção Enxuta

Manufatura Sustentavel: Estudo e Análise da Adopção Articulada das Tecnicas de Produção Mais Limpa e Produção Enxuta Manufatura Sustentavel: Estudo e Análise da Adopção Articulada das Tecnicas de Produção Mais Limpa e Produção Enxuta G. V. Rizzo a, A. Batocchio b a. Universidade Estadual de Campinas, verarizzo@fem.unicamp.br

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-046 USO DE RESÍDUO DE CURTUME EM PEÇAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Luiza Ferreira Campos Maragno (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Professora Adjunto 1 da Faculdade

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X) TECNOLOGIA GESTÃO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA. UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA DE PERFIL DE ALUMÍNIOS IMPLEMENTATION OF CLEANER PRODUCTION. A CASE STUDY IN AN

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

O NOVO LUXO A MODA E O DESIGN COMO PROTAGONISTAS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOCIOAMBIENTAL DO BRASIL SWU CONFERENCE SAO PAULO 2011

O NOVO LUXO A MODA E O DESIGN COMO PROTAGONISTAS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOCIOAMBIENTAL DO BRASIL SWU CONFERENCE SAO PAULO 2011 O NOVO LUXO A MODA E O DESIGN COMO PROTAGONISTAS NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOCIOAMBIENTAL DO BRASIL SWU CONFERENCE SAO PAULO 2011 O S K A R M E T S AVA H T P r e s i d e n t a n d C r e a t i v e

Leia mais

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas JOSÉ MARTINO

Leia mais

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência e Tecnologia MCT Campinas SP - Brasil Sustentabilidade

Leia mais

Tuesday, April 3, 12

Tuesday, April 3, 12 No começo, era apenas a eco-eficiência Zerar emissões Reduzir, reutilizar, reciclar Minimizar o impacto ecológico Reduzir o consumo Eco produtos Sustentável Neutralizar carbono Eficiência energética No

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa

Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa Gerenciamento de resíduos químicos dos laboratórios de Engenharia Química da UTFPR Ponta Grossa Resumo: Existe uma necessidade evidente de se ter um controle sobre resíduos químicos de toda e qualquer

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

Environmental supply chain management of appliance industries. Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca

Environmental supply chain management of appliance industries. Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca Environmental supply chain management of appliance industries Gestão ambiental da cadeia de suprimentos das empresas de linha branca Tatiane Fernandes Zambrano Brassolatti, Manoel Fernando Martins Departamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS A LOGISTICA REVERSA APLICADA NO ÓLEO LUBRIFICANTE E SEUS RESÍDUOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS A LOGISTICA REVERSA APLICADA NO ÓLEO LUBRIFICANTE E SEUS RESÍDUOS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS A LOGISTICA REVERSA APLICADA NO ÓLEO LUBRIFICANTE E SEUS RESÍDUOS ALINE THAIS MARQUEZIM ELOÁ PLETITSCH FIGUEIREDO JULIÊ GALIPI

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV

Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicator selection in life cycle assessment to enable decision making: issues and solutions. Int J Life Cycle

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO LASSU - LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Por que fazer um MBA LASSU USP? Grande parte do mercado e da sociedade ainda

Leia mais

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail. MÉTODO PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.com

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Guia de tendas sustentáveis

Guia de tendas sustentáveis Guia de tendas sustentáveis JUNHO 2014 1 2 3 4 5 6 Introdução... 4 Contextualização das tendas... 6 Composição da tenda... 8 3.1 Material estrutural... 8 3.1.1 Material estrutural convencional... 8 3.1.2

Leia mais

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria.

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. O envolvimento da sociedade Consórcios A mobilização da indústria de equipamentos

Leia mais

Projetos de Engenharia Ambiental. Reciclagem. Diego Domingos Gilsandro de Oliveira Raquel Pisani Renan Tchechen

Projetos de Engenharia Ambiental. Reciclagem. Diego Domingos Gilsandro de Oliveira Raquel Pisani Renan Tchechen Projetos de Engenharia Ambiental Reciclagem Diego Domingos Gilsandro de Oliveira Raquel Pisani Renan Tchechen O que são os 3R s?:. Reduzir Reutilizar Reciclar Reduzir:. Diminuir significativamente a quantidade

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

ARGAMASSAS MISTAS COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ARGAMASSAS MISTAS COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ARGAMASSAS MISTAS COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Márcio Costa Ferreira Itapeva - São Paulo - Brasil

Leia mais

Mercado de Reuso: Tendências, Barreiras e

Mercado de Reuso: Tendências, Barreiras e Final de Vida dos Produtos, Remanufatura e Mercado de Reuso: Tendências, Barreiras e Desafios em um Estudo de Caso (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Cristina L. Cardozo - crisl.cardoso@hotmail.com Carlos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação GERENCIAMENTO DO LIXO NA CIDADE DE ESPERANÇA PB: UMA QUESTÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Joanilma dos Santos SILVA 1, Gabriele de OLIVEIRA 1, Aline Pereira RODRIGUES¹, Hellen Regina Guimarães da SILVA 1, Mário

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

Parecer Técnico nº 08/2014

Parecer Técnico nº 08/2014 Parecer Técnico nº 08/2014 INTERESSADO: ASSUNTO: ABRANGÊNCIA: Setor Industrial de Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná Plano de Logística Reversa Estadual PROTOCOLO: 13.352.187-9

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

1 Newsletter da Entidade Gestora. Ano 7. Trimestral. nº 26 Outubro*12

1 Newsletter da Entidade Gestora. Ano 7. Trimestral. nº 26 Outubro*12 GESTÃO E PROCESSAMENTO DE GESTÃO E PROCESSAMENTO DE 2 1 Newsletter da Entidade Gestora. Ano 7. Trimestral. nº 26 Outubro*12 CONTEÚDOS PAG 2: SOGILUB PAG 4: Gestão de Óleos Usados em outros países PAG 6:

Leia mais

COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO

COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO SANTOS, A. B. RESUMO O uso das novas tecnologias vem alterando significativamente o cenário das nossas empresas, indústrias, prestação de serviços de diversas áreas, como estamos

Leia mais

GEIA. Grupo de Ecologia Industrial Aplicada FLUXUS. Laboratório de Estudos em Sustentabilidade Socioambiental e Redes Técnicas FEC/UNICAMP.

GEIA. Grupo de Ecologia Industrial Aplicada FLUXUS. Laboratório de Estudos em Sustentabilidade Socioambiental e Redes Técnicas FEC/UNICAMP. São Paulo Brazil May 20th 22nd 2009 Evolução das Abordagens Industriais Ambientais MSc. Juliana C. Fontes Lima, Profa. Dra. Emília W. Rutkowski FEC/UNICAMP GEIA. Grupo de Ecologia. Faculdade Industrial

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS.

ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS. ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS. Seção 3a: Cronograma de Requisitos e Especificações Técnicas CONDIÇÕES

Leia mais

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade Automação de Sistemas Industrias Automação com Qualidade Por que investir em QUALIDADE? Os crescentes números da Balança Comercial, apontam para uma nova e interessante tendência: a EXPORTAÇÃO de produtos.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS AO LONGO DA CADEIA CALÇADISTA: UMA DISCUSSÃO A PARTIR DO MAPEAMENTO DA LITERATURA

GERAÇÃO DE RESÍDUOS AO LONGO DA CADEIA CALÇADISTA: UMA DISCUSSÃO A PARTIR DO MAPEAMENTO DA LITERATURA GERAÇÃO DE RESÍDUOS AO LONGO DA CADEIA CALÇADISTA: UMA DISCUSSÃO A PARTIR DO MAPEAMENTO DA LITERATURA GABRIELA AMOROZO FRANCISCO Universidade de São Paulo gabrielaamorozofrancisco@usp.br SYLMARA LOPES

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

CICLO DE VIDA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CICLO DE VIDA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CICLO DE VIDA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Reciclagem 33.8% Incineração com Produção de Energia (WTE) 11.9% CARACTERÍSTICAS REGIONAIS DISPOSIÇÃO FINAL, 2004 Aterros Sanitários 54.3% Midwest Great Lakes

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais