ANAIS 2010 ISSN AS CONSEQUÊNCIAS CAUSADAS PELA MONOCULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR E DO CAFÉ NA REGIÃO NORTE PIONEIRO DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 AS CONSEQUÊNCIAS CAUSADAS PELA MONOCULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR E DO CAFÉ NA REGIÃO NORTE PIONEIRO DO PARANÁ"

Transcrição

1 AS CONSEQUÊNCIAS CAUSADAS PELA MONOCULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR E DO CAFÉ NA REGIÃO NORTE PIONEIRO DO PARANÁ Andreza Cristina dos Santos Flores. Damirelis Gomes da Silva Lenita Aparecida dos Santos (Gs-USF-CCHE-UENP/CJ) Juarez Assis SOARES (Orientador-CCHE-UENP/CJ) RESUMO A falta de cumprimento das leis ambientais e o avanço da monocultura vêm causando vários impactos ambientais no Norte Pioneiro do Paraná, isto exige um repensar no que diz respeito à aplicabilidade das leis ambientais vigentes e um olhar mais profundo sobre os impactos socioambientais causados pela monocultura que vem se instituindo no Paraná desde o processo de colonização do Estado. Este artigo tem o objetivo de apresentar as transformações ocorridas nas paisagens do norte paranaense desde o início do período de colonização da região que se deu com a introdução da prática de monocultura de café e que se perpetua até os dias de hoje com a monocultura de canade-açúcar. Com a colonização houve um grande aumento do desmatamento que vem ocorrendo até os dias atuais, tudo isso decorrente do avanço da agricultura econômica sobre a vegetação restante de mata nativa. A monocultura é uma prática que traz sérios impactos ambientais ao meio ambiente dentre eles a perda da biodiversidade bem como a fragmentação dos biomas. O cultivo da monocultura, dentre eles o da cana-de-açúcar e do café, causam sérios impactos ao meio ambiente, o presente artigo apresenta o estado atual em que se encontram as matas nativas restantes da região do norte pioneiro através de levantamento bibliográfico e cartográfico da realidade encontrada. Palavra Chave: Impacto ambiental. Monocultura. Norte pioneiro do Paraná. INTRODUÇÃO Com a fiscalização ambiental ineficiente e o avanço da monocultura, sérios impactos ambientais vem sendo causado na região do Norte Pioneiro do Paraná, isso exige repensar no que diz respeito às leis ambientais e um olhar mais profundo sobre os 225

2 impactos socioambientais causados pela monocultura que vem se instituindo no Paraná desde o processo de colonização do Estado. Diante desse contexto a fiscalização ambiental se depara com um grande desafio, criar e aplicar leis de forma mais rígida que possam estar voltadas para o monitoramento do avanço das monoculturas sobre o restante da mata nativa do Norte do Paraná. Assim presente artigo discute de que forma ocorreu e como vem ocorrendo à degradação das florestas nativas do Norte do Paraná. Por isso o tema é de extrema importância por envolver questões relevantes às florestas nativas existentes na região. Ao mesmo tempo em que possibilita tornar-se claro, que os impactos ambientais ainda ocorrem mesmo com a legislação existente. Portanto pretende-se com este artigo analisar o quanto à prática de qualquer tipo de monocultura, dentre elas salienta-se a da cana de açúcar, que se configura na região do Norte Pioneiro de maneira expansível, causando impactos relevantes ao meio ambiente, além de compreender porque essa técnica tornou-se tão destrutiva ao meio. Para tanto foram feitas leituras sistematizadas, usando do conceito de gestão ambiental fazendo uma reflexão de como era a região do Norte Pioneiro antes do período de colonização do Estado até a instituição da monocultura. Em seguida foi realizada uma pesquisa de campo no instituto ambiental do Paraná de Jacarezinho, além de levantamento cartográfico da realidade encontrada. Nesse sentido, espera-se que este artigo seja de utilidade para o conhecimento da questão de como a monocultura, apesar do desenvolvimento que tem propiciado a região, vem causando sérios impactos ao meio ambiente. Possibilitando dessa maneira o entendimento de quanto é de extrema importância um trabalho de gestão ambiental. A MONOCULTURA E A QUESTÃO DO DESMATAMENTO NO NORTE DO PARANÁ O estudo que prosseguiremos apresenta a realidade ocorrida em nossa região, onde as florestas nativas foram invadidas pela monocultura, a fauna e a flora estão cada vez mais comprometidas, alto índice de êxodo rural, leis ambientais sem serem cumpridas, fiscalização escassa. Diversos são os impactos ambientais no Norte do Paraná, dentre eles a drástica derrubada das florestas, reduzindo as áreas de vegetação nativas contínuas e transformando-as em fragmentos florestais isolados. De acordo com a Resolução CONAMA: 226

3 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 48 do Decreto nº , de 1º de junho de 1983, para efetivo exercício das responsabilidades que lhe são atribuídas pelo artigo 18 do mesmo decreto, e Considerando a necessidade de se estabelecerem as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente, RESOLVE: Artigo 1º - Para efeito desta Resolução, considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam: I - a saúde, a segurança e o bem-estar da população; II - as atividades sociais e econômicas; III - a biota; IV - as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente; V - a qualidade dos recursos ambientais. Impacto Ambiental são alterações no ecossistema, tanto no meio biótico quanto no abiótico, causados por ações humanas ou naturais. Estas alterações podem ser positivas ou negativas, grandes ou pequenas. Segundo Carvalho (2008, p. 83): O crescimento das cidades nas últimas décadas tem sido responsável pelo aumento da pressão das atividades antrópicas sobre os recursos naturais. Em todo o planeta, praticamente não existe um ecossistema que não tenha sofrido influência direta e/ou indiretamente do homem, resultando na diminuição da diversidade de habitats e a perda da biodiversidade. O Estado do Paraná foi uma das regiões mais ricas em mata do Brasil, onde a devastação foi decorrente da monocultura, exploração da madeira e a pecuária que se instalou no Estado desde o período da colonização até os dias atuais (PITARELLI et al., 2005, p.1). 227

4 Segundo Arruda (apud CARVALHO, 2008, P. 14) A colonização foi um processo de transformação da paisagem de grande parte do território do norte paranaense e outras regiões, eliminando a memória e a representação daqueles espaços. Entre 1930 e 1955 foram desmatados 58,5% da cobertura original. Em 1963 o Estado contava apenas com ha de florestas remanescentes. Entre 1963 e 1975 o desmatamento atingiu proporções alarmantes, reduzindo a superfície florestal a apenas ha (11,83%). Em 1990 restavam apenas ha de florestas, ou seja, 7,59% da cobertura florestal original (SOS MATA ATLÂNTICA apud MUCHAILH, 2007, p.20). Foi nesse período do século XIX que a devastação obteve seu clímax, devido à colonização do Norte do Paraná pelos fazendeiros paulistas e mineiros que tinham o intuito de desbravar novas terras para dar lugar às agriculturas cafeeiras. Com isso várias ferrovias foram construídas no lugar das matas para servir com escoadouro de café para os outros estados (SAGO et al., 2004, p. 57). Todo esse processo de colonização se deu em virtude da terra roxa fértil, propícia para o desenvolvimento da monocultura cafeeira que se instalou na região durante o processo de colonizador. Sobre isto Filho (2009, p.12) diz que: Todo o recurso natural inestimável do Estado do Paraná foi quase todo dizimado, em conseqüência da desenfreada destruição das matas desde A causa desse desmatamento foi para implementação da monocultura e aproveitamento comercial da madeira. A constante mudança das áreas para novas plantações e a expansão da cultura cafeeira pelo norte do estado e, mais recentemente, a cultura da soja, principalmente na região oeste do estado, são os principais fatores do rápido desaparecimento da mata subtropical do Paraná. A devastação das matas no Norte do Paraná foram a favor do desenvolvimento da agricultura cafeeira, esta foi em primeira instância provocada pelas companhias colonizadoras de terras presentes no estado que organizaram um processo de povoamento, de proporções nunca vistas anteriormente em terras paranaenses. Além das companhias o governo do estado também resolveu vender as terras que faziam parte de seu patrimônio. Com isso verificou-se na década de 20 a troca das matas pelas estradas, da floresta pelos cafezais, dos animais silvestres pela pecuária comercial, com o intuito de promover o desenvolvimento econômico (FOGARI, 2009, p.11). 228

5 Figura 1: Uso da terra em 1980 Fonte: IPARDES, Figura 2: Uso da terra Fonte: IPARDES, Foi necessário desaparecer a mata para que se pudesse observar o mar de plantações que se apresentariam então, nestas tão conhecidas e valorizadas terras roxas do norte do Estado do Paraná. A decisão do Estado valorizou a escolha do desenvolvimento econômico sacrificando o meio-ambiente. O modelo de ocupação capitalista resultou em uma grande devastação nas áreas cobertas pela floresta (FOGARI, 2009, p. 12). 229

6 Figura 3: Cobertura vegetal original do Estado do Paraná. Fonte: IPARDES, Figura 4: Cobertura vegetal original em Fonte: IPARDES, O Norte do Paraná é subdividido em três áreas: o norte velho que foi colonizado entre os anos de 1860 e 1925, o norte novo colonizados entre 1920 e 1950; e o Norte Novíssimo, colonizado desde 1940 até 1960 (TOMAZI apud CAMOLEZI, 2005, p.3). A região do norte pioneiro está localizada na região nordeste do estado, sua ocupação de iniciou-se a partir do século XIX e firmou-se a partir do século XX. A região como o nome já diz foi a primeira a ser desbravada no Norte do Estado e se desenvolveu em decorrência do tropeirismo e da produção de café. A princípio, o café invadiu o Norte 230

7 Pioneiro (Velho), mais precisamente a região de Wenceslau Braz e Jacarezinho (OLIVEIRA, 2009, p. 2). A cafeicultura se instalou no norte pioneiro devido a grande variedade de tipos de solos que se destacam pela sua fertilidade original, dentre eles o solo de terra roxa (MORENO, 2007, p.7). O café foi importante para o desenvolvimento da região, durante muito tempo, foi fonte de riqueza para o norte pioneiro e consequentemente para o norte do estado. Sobre este particular Caravalheiro (2009, p.7) corroba que: A cultura do café exigia uma combinação conveniente de solos e climas. Se os solos do norte paranaense, em grande parte constituídos de terras roxas, de excelente qualidade não ofereciam a princípio barreiras ao cultivo do café, o mesmo não se dava com o clima nem sempre favorável (a região cafeeira está sujeita a riscos de geadas), mesmo assim as terras beneficiaram a produção dessa cultura. Devido à desenfreada implantação da monocultura cafeeira, diversos desequilíbrios ambientais foram causados, pois a cultura de café esgota rapidamente os nutrientes do solo, exaurindo as terras por onde passa. Além disso, causou a redução das florestas estacionais semi-deciduais para ceder lugar às plantações, provocando com isso à extinção de espécies e alteração na comunidade faunística. A crise do café na década de 70 fez com que seu cultivo perdesse de forma considerável sua importância, devido a isto outras monoculturas foram desenvolvidas dentre elas a de trigo, soja e atualmente a cana-de-açúcar que vem tomando conta da região do norte pioneiro de forma imensurável. Perante este particular Caravalheiro (2009, p.12) afirma que: Na década de 60, o excesso de oferta de café no mercado mundial provocou forte queda de preço, que, somada às geadas ocorridas nessa época, desencadeou profunda crise na cafeicultura nacional, levando o governo federal a adotar uma política de erradicação de 2 bilhões de cafeeiros e conduzir a renovação e racionalização da cafeicultura brasileira. No Paraná foram erradicados cerca de 470 milhões de cafeeiros, que liberaram 627 mil hectares, reconvertidos principalmente em pastagens, e em menor escala em milho, arroz, algodão, feijão, cana-de-açúcar, entre outros. Um dos desestímulos para a agricultura cafeeira foi sem dúvida a geada de 1975 não só na região como em praticamente todo Estado. Devido a isto os produtores resolveram de uma vez por todas substituir o café por outra cultura mais resistente a eventuais geadas. Algumas das alternativas encontradas foram a cultura mecanizada da soja e trigo, o algodão, o milho, pastagens e a cana-de-açúcar (CAMOLEZI, 2005, p. 7). 231

8 A Revolução Verde, junto com o rápido processo de industrialização provocou efeitos na própria agricultura, sendo responsável por mudanças profundas nas relações entre a agricultura e os demais setores da economia, com a ampliação e busca de novas técnicas. As sucessivas apropriações de parcelas do processo de trabalho rural, consolidaram as bases do nascente setor de maquinário agrícola. Houve a modernização da agricultura baseada no tripé- mecanização- adubação química- sementes melhoradas (GOODMAN et al., apud CARAVALHEIRO, 2009 p. 5). Atualmente a cana é uma das monoculturas predominantes da região e os impactos causados nos lugares aonde ela vai se instituindo são imensos, causando grandes desequilíbrios e destruindo as florestas que sobreviveram ao processo e colonização da região. O Norte do Paraná tinha uma cultura de cana-de-açúcar voltada para a subexistência, o açúcar produzido era destinado somente ao consumo, sendo comum à importação do produto. A expansão canavieira na região se deu a partir do lançamento do Programa Nacional do Álcool PROÁLCOOL (SHIKIDA apud CARAVALHEIRO et al., 2005, p.1). O programa Proálcool surgiu em decorrência da crise do petróleo decorrente da guerra do Irã e Iraque, o governo federal brasileiro tentando amenizar os efeitos da crise, criou o Proálcool, um programa de incentivo da cultura de cana-de-açúcar para produção de álcool, que veio como uma alternativa de combustível em meio ao cenário da crise (BARBOSA, 2006, p.16). O Estado do Paraná, foi o pioneiro na implantação de destilarias autônomas por parte das cooperativas, tendo uma significativa participação, ocupando áreas para substituir cafezais devastados pela geada ou áreas em que não poderiam ser mecanizadas pois conduziria a erosão (SZMRECSÁNYI apud CARAVALHEIRO, 2009, p. 25). A partir daí várias indústrias canavieiras se instalaram na região norte paranaense, devido às condições de clima e solo favoráveis para o cultivo da cana. Sobre isto Szmrecsányi (apud CARAVALHEIRO et al., 2005, p.1) argumenta que: A cultura canavieira encontrou no Paraná, principalmente em sua região norte, condição relativamente favorável para sua expansão. Salvo condições climáticas adversas decorrentes de esporádicas geadas e chuvas pesadas, e salientando o relativo custo de suas terras, essa região paranaense, trata-se de uma das áreas do país que melhores potencialidades oferecem à lavoura canavieira - 232

9 devido à fertilidade de seus solos, às dimensões e ao nível tecnológico de seus estabelecimentos agropecuários. O clima considerado ideal é aquele que apresenta duas estações distintas, um quente e outra úmida, comumente encontrada na região do norte pioneiro, facilitando a germinação e o desenvolvimento vegetativo da cana-de-açúcar. Os solos também se mostraram bem favoráveis em detrimento de serem profundos e férteis e com boa capacidade de retenção ideais para o cultivo da cana-de-açúcar (CARAVALHEIRO et al, 2005, p.3) Os canaviais se encontram em intensa expansão na região do norte pioneiro, ocupando diversos espaços agrícolas, principalmente depois da instalação das usinas de açúcar em Bandeirantes, central do Paraná e Jacarezinho. Inúmeras propriedades onde o uso predominante eram pastagens ou agricultura estão sendo ocupadas com o plantio de cana. O Estado do Paraná depois de São Paulo possui a maior área ocupada por cana. No norte pioneiro a cana vem se concentrando em poucos municípios, como é o caso da cidade de Cambará onde a cana assumiu 66% da área do município, outro município preocupante é o de Jacarezinho, onde a cana avança rapidamente com duas usinas instaladas na cidade, somando 44 % das terras ocupadas pela cultura (MARTINS apud RIBEIRO, 2007, p.7). Nesses municípios a concentração de lavouras canavieiras pode ser maléfica, pois o desenvolvimento dessa monocultura contribui muito para o processo de degradação do meio ambiente, apesar de todos os avanços no setor econômico a canade-açúcar continua sendo apontada como responsável pelos problemas ambientais e sociais nas regiões onde se instala. Como qualquer cultura intensiva, causa problemas ambientais, como contaminação dos solos e dos cursos de água, a degradação ambiental em função do desmatamento, a poluição do ar, além do crescimento rápido da cana que acaba exigindo muito do solo e causando empobrecimento deste (BARBOSA, 2006, p.25). A poluição do ar se dá principalmente pela queima da cana-de-açúcar, processo que antecede a colheita, lançando grande quantidade de cinzas sobre as cidades próximas as lavouras, além do mais as queimadas liberam CO2, mas esse gás emitido da queima da cana não é responsável como muitos pensam pelo agravamento do efeito estufa, mas a fuligem liberada durante o processo de queima dos compostos carbônicos é um material de alta potencialidade danosa à saúde humana provocando graves problemas respiratórios. Devido a isto várias leis estão sendo implantadas para que haja a queima da cana verde diminuindo os possíveis impactos a saúde de humana. 233

10 [...] Para o agricultor, a queimada tem a vantagem de facilitar e baratear o corte manual e de reduzir os custos de carregamento e de transporte. Além disso, protege o trabalhador rural pois permite um melhor acesso e segurança no canavial e, na usina, aumenta a eficiência das moendas que não precisam interromper seu funcionamento para a limpeza da palha (CARAVALHEIRO, 2009, p. 6). A queima não prejudica só a saúde do ser humano, mas também contribui para a destruição da fauna, pois grandes números de animais da fauna silvestre encontram abrigo e alimento no meio do canavial formando ali um nicho ecológico (LANGOWSKI, 2007, p.12) As indústrias canavieiras além da poluição do ar são responsáveis na maioria dos casos pela degradação dos cursos dos rios, pois os herbicidas e o vinhoto (resíduo obtido através da destilação do álcool nas usinas açucareiras) são constantemente usados para fertilizar os solos dos canaviais. Muitas vezes também lançado nos rios ou confinados em lagoas, sem a preocupação quanto aos aspetos da poluição das águas, prejudicando dessa maneira a vida aquática e a reciclagem de produtos (SENA; KIEHL, apud SIMÕES et al., 2004, p.1). Além do mais o vinhoto armazenado em tanques de decantação por longos períodos, podendo se infiltrar no solo causando a contaminação do lençol freático (FRAGA et al., apud SIMÕES et al., 2004, p.1). Nota-se que os problemas ambientais relacionadas à monocultura canavieira são imensos, mais um dos mais preocupantes é o avanço dos canaviais sobre as reservas legais existentes de florestas conservadas, não respeitando nenhuma lei. Isso faz com que ocorra cada vez mais a fragmentação dos biomas existentes nas regiões onde a cultura é preponderante, contribuindo de maneira drástica para a perda da biodiversidade. Segundo Viana (1998, p.25): Um fragmento florestal é qualquer área de vegetação natural contínua, interrompida por barreiras antrópicas (estradas, cidades, culturas agrícolas, pastagens etc.) ou naturais (montanhas, lagos, outras formações vegetacionais etc.), capazes de diminuir significativamente o fluxo de animais, pólen e/ou sementes. É, portanto, produto de uma ação natural ou antrópicas. A fragmentação causa sérios danos aos ecossistemas, diminuindo a biodiversidade biológica, é responsável pelo distúrbio nos regimes hidrológicos da bacia hidrográfica, mudanças no clima, inundações, assoreamento dos rios e ainda favorece o estabelecimento de espécies invasoras (OLIVEIRA et al. apud RODRIGUES, 2002, p.230). No norte pioneiro ou norte velho são abundantes as áreas compostas por fragmentos florestais constituindo um total de 64,83% um dos causadores principais dessa fragmentação foi à colonização da região e a instituição de diversas monoculturas (OLIVEIRA et al. apud RODRIGUES, 2002, p.230). Hoje existem poucas áreas 234

11 preservadas e essas estão instituídas dentro de parques estaduais. E as áreas não monitoradas estão sendo alvos da prática da monocultura principalmente da cana-deaçúcar. Devido a isto é necessário tornar-se mais eficaz a fiscalização e criar leis mais rígidas para que o pouco de área restante preservada não seja destruído. Mas somente a existência da legislação ambiental, não é satisfatória. Há necessidade de que ela seja cumprida pela a sociedade, estado e empresas. Somente a existência da legislação ambiental, não é satisfatória. Há necessidade de que ela seja cumprida pela sociedade, estado e empresas. Perante o exposto o artigo visou contribuir para uma efetiva produção de conhecimento no que se diz respeito à destruição da mata nativa da região do Norte do Paraná e as principais causas e conseqüências do avanço desenfreado da monocultura nas mesmas. Esclarecer a respeito das leis relacionadas ao meio ambiente a fim de tornar nítido os direitos e deveres de toda a sociedade a qual tem sido extremamente prejudicadas, por consequências do avanço da monocultura sobre as áreas de fragmentos florestais ainda existentes. DISCUSSÃO E CONCLUSÃO Diante dos dados identificados a partir do desenvolvimento da pesquisa realizada, pôde-se perceber a contínua destruição das matas nativas da região do Norte do Paraná nas últimas décadas para inserção da agricultura e da agropecuária; porém o problema identificado como maior causador dessa destruição em massa da mata nativa é a introdução abusiva da monocultura que vem ocorrendo em nossa região, onde salientase que as consequências não estão restritas a flora e a fauna desse ambiente mas também interferindo de maneira drástica no equilíbrio natural do meio e consequentemente na qualidade de vida. As terras da região estudada eram consideradas extremamente produtivas, nelas eram desenvolvidas várias culturas, tendo como foco os pequenos agricultores. Porém o crescente avanço da monocultura de café e cana-de-açúcar vem contribuindo para a escassez dos nutrientes do solo e tornando-o cada vez menos produtivo. Além dos problemas ambientais citados temos os de ordens sociais, dentre eles o êxodo rural que vem contribuindo pra crescente urbanização, aumentando o índice de subemprego. Pôde-se notar ainda que as leis ambientais são desrespeitadas com frequência, na maioria das vezes essas leis tem ficado só no papel, a vigência da mesma não tem sido tão eficaz como ela exige e a cobrança pelo seu cumprimento não tem sido fiscalizado de forma assídua. Apresenta-se então a necessidade identificada de normas mais rígidas e de uma cobrança ativa dos órgãos responsáveis pela fiscalização do 235

12 cumprimento dessas leis para que consiga diminuir o desmatamento abusivo que vem ocorrendo na nossa região, preservando dessa maneira os fragmentos de mata nativa que ainda restam. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANJOS, Luiz. Conseqüências biológicas da fragmentação no Norte do Paraná. SÉRIE TÉCNICA IPEF. v.12, n.32, p.87-94, dez Disponível em: <www.ipef.br/publicacoes/stecnica/nr32/cap07.pdf>.acesso em: 26 Julho 2009 ás 16h: 25 min. BARBOSA, Maria Aparecida Lopes Vasconcelos. Os impactos ambientais causados pela monocultura de cana de açúcar no município de Americano do Brasil. Monografia (graduação em geografia) - Faculdade de Educação e Ciências Humanas de Anicuns/Goiás, 2006, p.30. Disponível em: <http://faculdadeanicuns.edu.br/acad_monografias/geografia/geografia_200603_mariaa parecida.pdf>.acesso em: 9 Setembro de 2009 ás 17h: 55min. CAMOLESI, Bruno Aurélio et al. A substituição de culturas e a dinâmica populacional no norte paranaense entre do Encuentro de Geografos de America Latina, 2009, p.13. Disponível em: <http://egal2009.easyplanners.info/area06/6046_camolezi_bruno_aurelio.pdf.>acesso em : 25 Agosto de 2009 ás 21h:21min. CARAVALHEIRO, Elisângela Mara; SCHALLENBERGER, Erneldo. As contribuições da agroindústria canavieira para o processo de desenvolvimento da mesorregião Norte Central no Estado do Paraná. Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/6/418.pdf >Acesso em: 27 agosto 2009 às 12h: 30 min. CARVALHO, Fábio Luiz Quintal. Ecologia e os Impactos Ambientais. IVAIPORÃ. Editora: ESAP p. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE Capítulo IV do meio ambiente. Disponível:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. > Acesso em: 27 julho 2009 às 10h: 23 min. FILHO, Arthur Santos. As principais conseqüências do desmatamento e uso do solo no Estado do Paraná. Revista Floresta. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/floresta/article/viewfile/6260/4471>.acesso em: 22Julho de 2009 ás 20h: 55 min. FOGARI, Edna Regina Gomes et al. NORTE DO PARANÁ: Um estudo dos movimentos de ocupação e sua recente história. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PDE. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/258-2.pdf>acesso em: 25 Julho de 2009 ás 21h: 12 min. GOOGLE MAPS. Disponível em: <http://maps.google.com.br/> Acesso em: 3 Setembro de 2009 às 17h: 48 min. 236

13 INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ. Disponível em: < >. Acesso em: 5 Agosto de 2009 às 19h: 15 min. INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Disponível em: <http://www.ipardes.gov.br/index.php> Acesso em: 5 Agosto de 2009 às 21h: 35 min. KIEHL, E.J. Fertilizantes orgânicos. In: SIMÕES, Cristine Lisboa do Nascimento. Estudo da viabilidade econômico da concentração de vinhoto através de osmose inversa. XXIV Encontro Nac. de Engenheiro de Produção- Florianópolis,SC,Brasil,03a05denov.de2004.Disponívelem:<http://www.abepro.org.br/bib lioteca/enegep2004_enegep1004_1360.pdf >Acesso em: 6 Agosto de 2009 ás 18h: 25 min. LANGOWSKI, Eleutério. Queima da cana - Uma prática ousada e abusada. Disponível em: <http://homologa.ambiente.sp.gov.br/etanolverde/saibamais/artigos/impactosambientai s/efeitosdaqueimadecana.pdf.>acesso em: 15 Setembro de 2009 ás 22h: 45min. MARTINS, Marcos. Municípios do Norte Pioneiro querem limitar o cultivo de cana. In: RIBEIRO, Vitor Hugo. O setor sucro-alcooleiro do Paraná dos engenhos ás usinas.disponível em:<http://www.dge.uem.br/semana/eixo4/trabalho_24.pdf>.acesso em: 25 Setembro de 2009ás 18h:35min. MORENO, Cyntia Oliveti. O fim da cafeicultura no Norte Pioneiro estudo de caso: Joaquim Távora. Programa de Desenvolvimento Educacional PDE SEED/PR, 2007, p.20. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/584-4.pdf>.acesso em: 14 Agosto de 2009ás19h: 25min. MUCHAILH, Mariese Cargnin. Análise da paisagem visando á formação de corredores de biodiversidade. Estudo de caso da porção superior da bacia do rio São Francisco Falso Paraná. 2007, 130p. Tese (Mestrado em Engenharia Florestal)- Universidade Estadual do Paraná, Curitiba, Disponível em: <www.floresta.ufpr.br/pos-graduacao/defesas/.../d474_0676-m.pdf>.acesso em: 18 Setembro de 2009 ás 22h: 45 min. OLIVEIRA, Semí Cavalcante. A economia cafeeira no Paraná até a década de1970. Revista Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.2, n.4, junho Disponível em: <http://www2.fae.edu/galeria/getimage/45/ pdf>. Acesso em: 5 Agosto de 2009 ás 20h: 42min. OLIVEIRA, L. M. T. et al. Diagnóstico de fragmentos florestais nativos, em nível de paisagem, EUNÁPOLIS-BA. In: RODRIGUES, Efraim et. al. Degradação da paisagem norte-paranaense:um estudo dos fragmentos florestais. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 23, n. 2, p , jul./dez Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/viewarticle/2101>.acess o em: 28setembro de 2009ás 21h: 48 min. PITARELLI, Augusto et. al. Aves de fragmentos florestais em área de cultivo de cana-de-açúcar no sudeste do Brasil. Disponível em :<http://www.scielo.br/pdf/isz/v95n2/a13v95n2.pdf>.acesso em: 23 Agosto de 2009 às 9h:30min. SENA, M.E.R. (1998) - Aproveitamento do Vinhoto como fertilizante e na geração de biogás através da combinação de processos com membranas e fermentação anaeróbica. In: SIMÕES, Cristine Lisboa do Nascimento. Estudo da viabilidade 237

14 econômico da concentração de vinhoto através de osmose inversa. XXIV Encontro Nac. de Engenheiro de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov. de Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2004_enegep1004_1360.pdf >Acesso em: 6 Agosto de 2009 ás 18h: 25min SHIKIDA, P. F. A. A evolução diferenciada da agroindústria canavieira no Brasil de 1975 a In: CARAVALHEIRO, Elisângela Mara; SCHALLENBERGER, Erneldo. As contribuições da agroindústria canavieira para o processo de desenvolvimento da mesorregião Norte Central no Estado do Paraná. Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/6/418.pdf >.Acesso em: 27 Agosto de 2009 às 12h: 30 min. SZMRECSÁNYI, T. O planejamento da agroindústria canavieira do Brasil ( ). In: CARAVALHEIRO, Elisângela Mara; SCHALLENBERGER, Erneldo. As contribuições da agroindústria canavieira para o processo de desenvolvimento da mesorregião Norte Central no Estado do Paraná. Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/6/418.pdf >Acesso em: 27 Agosto de 2009 às 12h: 30 min. TOMAZI, N.D. Norte do Paraná história e fantasmagorias. In: CAMOLESI, Bruno Aurélio et. al. A substituição de culturas e a dinâmica populacional no norte paranaense entre do Encuentro de Geografos de America Latina, p.13.disponível em: <http://egal2009.easyplanners.info/area06/6046_camolezi_bruno_aurelio.pdf.>acesso em : 25 Agosto de 2009 ás 21h:21min. VIANA, Virgílio M. et al. Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais. ESALQ/USP. SÉRIE TÉCNICA IPEF. V. 12, n. 32, p , dez Disponível em: <http://www.ipef.br/publicacoes/stecnica/nr32/cap03.pdf>.acesso em : 25 Junho de 2009 ás 18h:47min. ZAGO, Analígia Antonia et al. NORTE DO PARANÁ: Uma leitura do eldorado do café. Disponível em: <www.unicuritiba.edu.br/principal/home/?sistema...pdf&id...>acesso em: 4 Agosto de 2009 ás 21h:50min. Para citar este artigo: FLORES, Andreza Cristina dos Santos; SILVA, Damirelis Gomes da; SANTOS, Lenita Aparecida dos. As consequências causadas pela monocultura da cana-de-açúcar e do café na região norte pioneiro do Paraná. In: X CONGRESSO DE EDUCAÇÃO DO NORTE PIONEIRO Jacarezinho Anais...UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná Centro de Ciências Humanas e da Educação e Centro de Letras Comunicação e Artes. Jacarezinho, ISSN p

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é:

A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é: 16. (Unifesp) Observe o mapa: A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é: (A) Floresta Eequatorial, Caatinga, Cerrado e Mangue. (B) Mata Aatlântica, Mata dos Cocais, Caatinga e

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof.Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Faculdade de Engenharia de Sorocaba Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

O homem transforma o ambiente

O homem transforma o ambiente Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O homem transforma o ambiente Vimos até agora que não dá para falar em ambiente sem considerar a ação do homem. Nesta aula estudaremos de que modo as atividades humanas

Leia mais

GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 27/10/2010 PROVA GRUPO GRUPO X 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário Resposta: 01 + 02 = 03 01. Correta. 04. Incorreta. O número de trabalhadores no setor primário, principalmente na agropecuária, continuou diminuindo devido à automação. O aumento ocorreu no setor de serviço.

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA

INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DO AMBIENTE PARA ENGENHARIA Selma Maria

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL

MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA RURAL Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás MPGO tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e

Leia mais

etanol questões para a sustentabilidade

etanol questões para a sustentabilidade etanol questões para a sustentabilidade Ocupação de biomas ameaçados Áreas de atenção especial Monocultura Impactos sobre biodiversidade (positivos se deslocar pastos e grãos) Deslocamento de outras culturas

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio

Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Conteúdos Referenciais Para o Ensino Médio Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia Ementa Possibilitar a compreensão do conceito, do histórico e contextualização da Geografia.

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais COMUNICAÇÃO TÉCNICA 170786 Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais Caroline Almeida Souza Maria Lucia Solera Trabalho apresentado no Workshop

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN

MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN MATA DAS ARAUCÁRIAS BRUNA F. N. DE SOUZA LUCAS UENO SUGANUMA SHEILA GORSKI YASMIN MARTINELLI CHIN LOCALIZAÇÃO Pequena porção do Estado de São Paulo e Região Sul (principalmente Paraná e Santa Catarina)

Leia mais

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo

As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo As Principais Fontes De Energia Presentes No Mundo INTRODUÇÃO: Desde a pré-história o homem vem se utilizando de diversas fortes e formas de energia, para suprir suas necessidades energéticas, por isso,

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof.Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Faculdade de Engenharia de Sorocaba Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

A NOCIVIDADE DOS DESMATAMENTOS E QUEIMADAS

A NOCIVIDADE DOS DESMATAMENTOS E QUEIMADAS A NOCIVIDADE DOS DESMATAMENTOS E QUEIMADAS Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás MPGO tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático

Leia mais

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento agropecuário Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa os trabalhadores

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Um Mergulho na Biologia (Ecologia) Alana Bavaro Nogueira Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO O biólogo é um profissional que atua nos diversos campos da Biologia, ou seja, em todas as áreas

Leia mais

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS.

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR: SEBASTIÃO ABICEU / PROFESSORA: JANILDA FRÓES Poluição das Águas A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema A questão

Leia mais

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional 1. Justificativa A inovação e a transformação começam pelo processo educacional, que vai além do aprendizado formal

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Sumário Executivo: WWF-Brasil

Sumário Executivo: WWF-Brasil Sumário Executivo: O Impacto do mercado mundial de biocombustíveis na expansão da agricultura brasileira e suas consequências para as mudanças climáticas WWF-Brasil Um dos assuntos atualmente mais discutidos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS VALORAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Deputado Arnaldo Jardim Brasília Março de 2013 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA Política Nacional

Leia mais