Ivani Benazzi de Andrade. Gerente Departamental Banco Bradesco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ivani Benazzi de Andrade. Gerente Departamental Banco Bradesco"

Transcrição

1

2 Ivani Benazzi de Andrade Gerente Departamental Banco Bradesco 2

3 3

4 I Abertura Pres. APIMEC: Débora de Souza Morsch Pres. Bradesco: Márcio Artur Laurelli Cypriano II Cenário Econômico Octavio de Barros III Grupo Bradesco Milton Vargas IV Perguntas e Respostas 4

5 5

6 6

7 Márcio Artur Laurelli Cypriano Diretor Presidente Banco Bradesco 7

8 8

9 I Abertura Pres. APIMEC: Débora de Souza Morsch Pres. Bradesco: Márcio Artur Laurelli Cypriano II Cenário Econômico Octavio de Barros III Grupo Bradesco Milton Vargas IV Perguntas e Respostas 9

10 10

11 Qual o Tamanho da Desaceleração Global e qual Será seu Impacto no Brasil? Quem Terá mais Força na Economia Global? DESENVOLVIDOS EMERGENTES 11

12 Luz Própria: Contribuição para o Crescimento Global: Emergentes X Desenvolvidos (%) 79,5 65,0 63,5 68,0 69,5 55,4 61,4 44,6 38,6 35,0 36,5 32,0 30,5 20, * 2008 DESENVOLVIDOS EMERGENTES Fonte: FMI Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 12

13 Participação dos Países Emergentes no PIB Mundial (%) 63,2 63,1 63,6 64,1 64,0 AVANÇADOS 63,4 63,1 62,2 60,5 57,5 56,4 36,9 55,2 36,8 37,0 36,4 36,2 36,6 EMERGENTES 38,5 40,4 42,5 44, * 2008* Fonte: FMI/WEO (*) Preliminar Elaboração: Bradesco - DEPEC 13

14 Índice Agregado de Atividade Econômica (PMI) Emergentes x Desenvolvidos ,8 54,2 Emergentes (BRIC s, Polônia e Rep. Tcheca) 22,8% do PIB mundial e 45,8% do PIB dos Emergentes 53,9 56,8 54,4 54,9 55,7 54,7 52,3 51,9 51,7 Desenvolvidos 50, ,1 mar/06 abr/06 mai/06 jun/06 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 Fonte: Ecowin Elaboração: Bradesco - DEPEC 14

15 Índice Bradesco de Commodities Agrícolas -Grãos (Atualizado 19/Set/ /Set/08) 1980= Média * Fonte: FMI Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 15

16 Índice Bradesco de Commodities Metálicas (Atualizado 19/Set/08) 1980= Média * Fonte: FMI Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 16

17 Preços Médios Anuais do CRB (Índice de Commodities que inclui Petróleo) * * Fonte: Bloomberg Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 17

18 Taxa de Crescimento do PIB do Mundo ,6 4,5 Média no Período 4,7 5,0 4,9 4,4 4,9 3,6 3,5 3,7 3,7 3,6 3,4 3,3 3,7 4,0 3,5 3,6 3,8 3,5 2,8 2,9 2,5 2,7 2,0 2,1 2,0 2,0 2,2 1,4 0, * 2009* Fonte: FMI/WEO Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 18

19 (%) Hipóteses de Projeções de Crescimento Econômico Imputadas pelo DEPEC * 2009* EUA 2,1 1,2 1,0 Alemanha 2,6 1,6 1,2 França 1,9 1,2 1,0 Itália 1,5 0,3 0,4 Espanha 3,8 1,4 0,4 Reino Unido 3,0 1,2 0,6 Japão 2,1 1,3 1,2 China 11,9 9,7 8,5 Índia 9,2 7,5 7,0 Rússia 8,1 7,5 7,0 Indonésia 6,3 5,8 5,5 Arábia Saudita 4,1 5,9 5,4 Brasil 5,4 5,2 3,5 Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 19

20 Crise sistêmica pediu uma solução igualmente sistêmica. A roda deve voltar a girar. 20

21 21

22 US$ Bilhões Perdas dos Bancos com a Crise de Crédito nos EUA e Recomposição do Capital (Atualizado em 19/Set/08) 519,3 Perda Capital 364,9 263,2 232,2 184,2 158,6 23,9 22,1 Mundo America Europa Asia Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 22

23 PROGRAMA DE RESGATE PÓS-LEHMAN BROTHERS Ninguém mais se pergunta qual será a próxima vítima. A roda tende a voltar a girar e os ativos voltarão a ter preços, inclusive imóveis. 23

24 LIÇÕES DA CRISE Em crises de confiança, tratamento caso a caso e escolha discricionária da autoridade reguladora simplesmente não funcionam. 24

25 LIÇÕES DA CRISE Esta é uma crise bancária essencialmente americana (e de poucos bancos não americanos), mas o aperto de crédito é sim global. 25

26 LIÇÕES DA CRISE A inédita intervenção coordenada e massiva dos Bancos Centrais tornou-se crucial na solução das crises. 26

27 LIÇÕES DA CRISE Nova regulação que poderá favorecer uma restruturação societária bancária nos Estados Unidos e eventualmente em outros países maduros. 27

28 LIÇÕES DA CRISE Redução considerável das operações muito alavancadas no sistema financeiro americano. 28

29 LIÇÕES DA CRISE Bancos de investimento passarão a ser regulados em todo mundo, a exemplo do Brasil. 29

30 LIÇÕES DA CRISE Renúncia da sofisticação a favor de maior transparência nas operações. Ou seja, inovação financeira temporariamente desincentivada. 30

31 LIÇÕES DA CRISE Em plena crise, capitais migrando para títulos do Tesouro dos Estados Unidos, revelam uma confiança implícita na capacidade de recuperação da economia americana. 31

32 LIÇÕES DA CRISE Terra firme em mercados financeiros simplesmente não existe. O que é firme e existe realmente são empresas eficientes e fundamentos econômicos robustos. 32

33 Índice Commodities Agrícolas Bradesco Ampliado Nov/05=100 Índice Commodities Agrícolas Ampliado: Soja, Milho, Trigo, Café, Açúcar, Bovinos, Suínos, Algodão, Suco de Laranja e Leite. 223,0 213,5 202,1 205,5 189,2 190,7 187,9 190,3 180,7 169,2 180,8 151,9 162,5 144,0 145,6 129,2 135,7 115,1 109,3 96,2 107,0 3/10/ /10/ /11/ /12/ /1/ /2/2006 8/3/2006 3/4/ /4/ /5/ /6/ /7/ /8/2006 6/9/2006 2/10/ /10/ /11/ /12/ /1/2007 9/2/2007 7/3/2007 2/4/ /4/ /5/ /6/ /7/ /8/2007 5/9/2007 1/10/ /10/ /11/ /12/ /1/2008 8/2/2008 5/3/ /3/ /4/ /5/ /6/ /7/2008 8/8/2008 3/9/ /9/2008 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 33

34 Dez/05=100 Índice Bradesco Commodities Metálicas c/ Aço ,6 227,6 217,8 Índice Bradesco: 209,5 Alumínio, Cobre, Zinco, Estanho, Chumbo, 203,5 194,9 Platina e Aço. 177,2 176,8 174,6 162,2 156,8 164,2 163,2 144,7 148,1 102,6 113,9 133,8 3/10/ /10/ /11/ /12/ /1/ /2/2006 8/3/2006 3/4/ /4/ /5/ /6/ /7/ /8/2006 6/9/2006 2/10/ /10/ /11/ /12/ /1/2007 9/2/2007 7/3/2007 2/4/ /4/ /5/ /6/ /7/ /8/2007 5/9/2007 1/10/ /10/ /11/ /12/ /1/2008 8/2/2008 5/3/ /3/ /4/ /5/ /6/ /7/2008 8/8/2008 3/9/ /9/2008 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 34

35 Evolução do Preço Barril Petróleo Tipo Brent US$ 142,27 134,18 128,79 122,80 115,27 113,19 106,16 102,56 94,70 89,71 95,53 88,29 92,74 19/11/07 19/12/07 19/1/08 19/2/08 19/3/08 19/4/08 19/5/08 19/6/08 19/7/08 19/8/08 19/9/08 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 35

36 Mercados acionários diante das incertezas globais. 36

37 Índice Bradesco da Bolsa de Valores Mundial QUEDA OBSERVADA DESDE O PICO EM 31/10/2007: 31,3% /7/2002 3/9/ /10/2002 8/12/ /1/ /3/2003 1/5/ /6/2003 5/8/ /9/2003 9/11/ /12/ /2/2004 1/4/ /5/2004 6/7/ /8/ /10/ /11/ /1/2005 3/3/ /4/2005 7/6/ /7/ /9/ /10/ /12/2005 2/2/ /3/2006 9/5/ /6/ /8/ /9/ /11/2006 4/1/ /2/ /4/ /5/ /7/2007 1/9/ /10/2007 6/12/ /1/ /3/ /4/ /6/2008 2/8/ /9/2008 Fonte: Bloomberg, FMI Elaboração: Bradesco - DEPEC Obs.: Ponderado pelo PIB PPP FMI. Índices em dólar 37

38 Peso no IBOVESPA - Empresas Relacionadas ao Mercado de Commodities (Última Carteira Teórica 2008) (%) IBOVESPA EX- COMMODITIES 48,5 IBOVESPA COMMODITIES 51,5 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 38

39 Variações Acumuladas do Ibovespa, Ibovespa Commodities e Ex-Commodities desde Jan/06 até 19/Set/ /Set/08 (%) 90,5 58,3 48,2 24,3 IBOVESPA IBOVESPA COMMODITIES IBOVESPA EX- COMMODITIES BANCOS Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 39

40 Variações Acumuladas do Ibovespa, Ibovespa Commodities e Ex-Commodities desde Jan/08 até 19/Set/08 (%) -12,6-15,1-17,0-18,1 IBOVESPA IBOVESPA COMMODITIES IBOVESPA EX- COMMODITIES BANCOS Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 40

41 Brics: Mostrando a mesma tendência e Brasil sofrendo relativamente menos. 41

42 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC Brasil Ibovespa, em Reais, /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/2008 QUEDA DE 20 DE MAIO DE 2008 A 19 DE SETEMBRO DE 2008: 27,8%

43 India BSE 500 (Bombay Stock Exchange), em Rúpias QUEDA DE 9 DE MAIO DE 2008 A 19 DE SETEMBRO DE 2008: 39,9% /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/2008 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 43

44 Rússia, Russian Trade System Index (RTS), em Rublos QUEDA DE 21 DE MAIO DE 2008 A 19 DE SETEMBRO DE 2008: 47,9% /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/2008 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 44

45 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC China, Shangai Stock Exchange, em Yuans /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/2008 QUEDA DE 15 DE OUTUBRO DE 2007 A 19 DE SETEMBRO DE 2008: 65,9%

46 Queda nos Mercados Bursáteis Mundiais em Relação aos seus Específicos Melhores Momentos desde 2007 até 19/Set/08 (%) -14,3-19,6-21,7-25,7-27,8-32,4-31,3-29,3-35,8-39,9-38,9-47,9-65,9 China Irlanda Rússia Polônia Índia Grécia Taiwan Egito Hong Kong Finlândia Portugal Turquia Itália Bélgica Áustria Suécia Japão Nikei Indonésia Malásia Holanda Índice Mundial Bradesco Noruega França Austrália Coréia Argentina Europa 50 Brasil Espanha Suíça África do Sul Alemanha Dinamarca México Reino Unido Nasdaq S&P 500 Dow Jones Ind Average Canadá Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 46

47 Inflação, Política Monetária e Câmbio. 47

48 Evolução do IPCA Anual: 2002 a 2010 (%) 12,53 9,30 7,60 5,69 3,14 4,46 6,50 4,50 4, * * * Fonte: IBGE Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 48

49 Evolução do IGP-M Anual: 2003 a 2010 (%) 12,41 10,60 8,71 7,75 3,83 4,30 4,00 1,21 * * * Fonte: IBGE Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 49

50 14,25 13,75 13,00 12,25 11,25 11,75 Cenário de Taxa de Juros Básica no Brasil 14,75 14,75 14,75 14,25 13,75 50 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 out/08* nov/08* ATUAL dez/08* jan/09* fev/09* mar/09* abr/09* mai/09* jun/09* jul/09* ago/09* set/09* out/09* nov/09* dez/09* (%) Fonte: FGV Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC

51 Evolução da Taxa de Câmbio R$/US$ R$/ US$ Dezembro 2009 R$ 1,85 / US$ 3,194 3,078 Dezembro 2008 R$ 1,75 / US$ 2,862 2,762 2,578 2,487 2,162 2,380 2,352 2,214 2,056 2,221 2,134 1,866 2,053 1,753 Dezembro 2007 R$ 1,77 / US$ Dezembro 2006 R$ 2,14 / US$ Dezembro 2005 R$ 2,34 / US$ ,760 1,830 1,573 19/5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/2008 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 51

52 7,33 Evolução da Taxa Real de Juros (SWAP PRE-DI 360 dias Deflacionado pela expectativa de IPCA 12 m) em 2007 e 2008 (%) 8,89 8,58 8,53 8,03 7,34 7,26 7,15 7,05 17/6/ /7/ /8/ /9/ /10/ /11/ /12/ /1/ /2/ /3/ /4/ /5/ /6/ /7/ /8/ /9/2008 Elaboração: Bradesco - DEPEC 52

53 Taxa de Câmbio Real Efetiva Jan/94 = ,0 Câmbio sugerido: 1, ,5 145,0 123,6 80,8 84,6 107, ,9 99,39 116,0 94,8 106,5 126,1 103,1 93,0 86,9 80,8 64,4 67,5 set/88 set/89 set/90 set/91 set/92 set/93 set/94 set/95 set/96 set/97 set/98 set/99 set/00 set/01 set/02 set/03 set/04 set/05 set/06 set/07 set/08 Fonte: BACEN Elaboração: Bradesco - DEPEC 53

54 Projeção de Balança Comercial US$ MILHÕES * 2009* Fonte: BACEN Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 54

55 104,4 106,5 100,0 109,6 Índice de Preços das Exportações ,9 204,3 184,7 167,4 154,6 122,5 132,3 152,2 55 jan/02 abr/02 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/ =100 Fonte: FUNCEX Elaboração: Bradesco - DEPEC

56 Transações Correntes (%) 1,76 1,59 1,27 0,76 0,13-0,33-1,51-1,67-2,39-2,80-2,68-3,50-3,96-4,32-3,76-4, * 2008 * 2009 Fonte: Banco Central Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 56

57 US$ DÓLAR/EURO 1,293 1,287 1,251 1,185 Fonte: Bloomberg Elaboração: Bradesco - DEPEC 1,334 Evolução Diária da Cotação do Dólar em Relação ao Euro ,599 1,592 1,487 1,538 1,490 1,438 1,383 1,365 1,447 1, /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/ /11/ /1/ /3/ /5/ /7/ /9/2008

58 Atividade e Crédito: Mercado de trabalho é o nome do jogo. 58

59 Evolução do Crescimento do PIB Brasileiro (%) 5,4 7,8 7,5 3,5 Média dos 20 anos anteriores: 2,70% 3,2 4,7 5,3 4,4 2,1 3,4 Média dos 7 anos: 4,52% 4,3 2,7 5,7 3,2 3,8 5,4 5,2 3,5 4,5 1,0 0,0 0,3 1,3 1,1-0,1-0,5-4, * 2009* 2010* Fonte: IBGE Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 59

60 PIB a Preços de Mercado: Crescimento Acumulado em 4 Trimestres (%) 5,72 5,77 5,95 5,42 5,17 5,14 4,79 4,84 3,95 3,75 3,85 3,56 3,40 3,35 3,33 3,16 2,99 2,98 2,14 1,84 1, q q q q q q q q q q q q q q q q q q q q q02 Fonte: IBGE Elaboração: Bradesco - DEPEC 60

61 Média do PIB por Períodos Selecionados (%) 8,67 6,22 4,57 3,31 3,69 2,51 1,67 60's 70's 80's 90's 's * * Fonte: World Bank, IBGE Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 61

62 Crescimento Real da Formação Bruta de Capital Fixo (%) 13,44 14,00 8,73 9,12 9,96 8,76 5,03 3,63 1,50 0,44-0,34-5,23-4,59-8, * 2009* Fonte: IBGE Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 62

63 A cesta de oportunidades de investimentos e negócios no Brasil é uma das maiores do mundo emergente. 63

64 Evolução da Geração Líquida de Emprego Formal Acumulado 12 Meses Em mil postos de Trabalho jan/ 98 abr/ 98 jul/ 98 out/ 98 jan/ 99 abr/ 99 jul/ 99 out/ 99 jan/ 00 abr/ 00 jul/ 00 out/ 00 jan/ 01 abr/ 01 jul/ 01 out/ 01 jan/ 02 abr/ 02 jul/ 02 out/ 02 jan/ 03 abr/ 03 jul/ 03 out/ 03 jan/ 04 abr/ 04 jul/ 04 out/ 04 jan/ 05 abr/ 05 jul/ 05 out/ 05 jan/ 06 abr/ 06 jul/ 06 out/ 06 jan/ 07 abr/ 07 jul/ 07 out/ 07 jan/ 08 abr/ 08 jul/ 08 ago/ 08 Fonte: CAGED Elaboração: Bradesco - DEPEC 64

65 Taxa de Desemprego Dessazonalizada e Tendência Linear (%) jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/ 08 jul/08 Fonte: IBGE (PME) Elaboração: Bradesco - DEPEC 65

66 8,78 8,52 8,32 8,14 8,11 8,05 7,98 7,70 7,40 Índice de Felicidade Futura (IFF) 6,90 6,50 5,31 5,27 5,13 5,04 4,86 4,04 Obs.: A nota varia de 0 a 10, quanto mais próximo do dez maior a felicidade 66 Brasil Venezuela Dinamarca Irlanda Jamaica Canadá Nova Zelândia Estados Unidos Austrália Panamá Israel Bélgica Colômbia Suécia Noruega Nigéria Finlândia Costa Rica Suíça Reino Unido França Argentina México Holanda Chile Espanha Itália Índia Alemanha China Japão Rússia Portugal Turquia Ucrânia Uganda Etiópia Bulgária Haiti Paraguai Camboja Zimbabue Fonte: FGV Elaboração: Bradesco - DEPEC

67 Evolução da Relação Crédito / PIB (%) 43,7 41,0 38,0 34,7 30,8 28,1 24,0 24, * 2009* 2010* Fonte: Bacen Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 67

68 Crédito/PIB Comparação Internacional (Atualizado em Setembro 2008) (%) Países Emergentes Ásia 110,4 Países Desenvolvidos 136,8 América Latina 33,2 Países Emergentes Europa 45,0 Argentina Equador Colômbia México Brasil Chile Turquia Rússia Romênia Eslováquia Polônia Rep. Checa Hungria Bulgária África do Sul Índia Tailândia Malásia China Coréia Itália Japão Alemanha França Suécia Austrália Canadá Nova Zelândia Portugal Reino Unido Espanha EUA Fonte: Banco Central, Ecowin 68

69 Crédito Imobiliário/PIB /PIB Comparação Internacional (Atualizado em setembro 2008) Países Desenvolvidos 55,6 América Latina 6,1 Países Emergentes Europa 6,7 Coréia e Países Emergentes Ásia 17,6 Argentina Brasil Colômbia México Chile Rússia Turquia Bulgária Rep. Checa Polônia Hungria Índia China Tailândia Coréia Hong Kong Itália Japão França Alemanha Canadá Austrália Espanha Portugal EUA Reino Unido Nova Zelândia Fonte: Banco Central, Ecowin Obs.: Brasil, Crédito Habitacional/PIB : 1,8% em julho /

70 Evolução da Relação Crédito Imobiliário / PIB (%) 3,55 3,13 2,66 2,23 1,70 1,84 1,36 1,21 1,31 1, * 2009* 2010* 2011* 2012* Fonte: Bacen Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 70

71 (%) Crescimento Nominal em 12 Meses do Estoque Total de Crédito ,8 21,7 20,7 22,5 19,2 16, * 2009* Fonte: Bacen Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 71

72 Crescimento Nominal em 12 Meses do Estoque de Crédito com Recursos Livres (%) 32,6 24,4 27,0 23,4 25,1 17,0 17, * 2009* 2010* Fonte: Bacen Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 72

73 Crescimento Nominal em 12 Meses do Estoque de Crédito com Recursos Livres Destinado às Pessoas Físicas (%) 37,2 37,7 33,4 24,8 25,0 16, * 2009* * Inclui operações de leasing, cooperativas de crédito, faturas de cartão de crédito pagas na data do vencimento (sem incidência de juros), entre outros Fonte: Bacen Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 73

74 (%) Crescimento Nominal em 12 Meses do Estoque de Crédito com Recursos Livres Pessoa Jurídica ,8 25,2 22,2 16,0 18,7 17, * 2009* Fonte: Bacen Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 74

75 Crescimento Nominal do Estoque de Crédito (%) * 2009* Crédito Total 21,7 20,7 27,8 22,5 16,3 Recursos Livres PF 37,7 24,8 33,4 25,0 16,5 Recursos Livres PJ 18,7 22,2 31,8 25,2 17,5 Recursos Direcionados 12,5 15,2 17,4 16,2 14,4 Inadimplência PF 6,7 7,6 7,0 7,7 8,3 Inadimplência PJ 2,0 2,7 2,0 2,0 2,3 Fonte: Bacen Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 75

76 Cenário Macroeconômico Resumido (%) * 2009* IPCA 4,46 6,50 4,50 IGP-M 7,75 10,60 4,30 PIB 5,40 5,20 3,50 Câmbio 1,77 1,75 1,85 Selic 11,25 14,75 13,75 Fonte: IBGE, Bacen, FGV Elaboração/ (*) Projeções: Bradesco - DEPEC 76

77 Apesar da crise global, não estamos vendo elementos suficientes que minem a confiança dos consumidores e dos empresários. 77

78 E daqui para adiante, o que pode dar errado? China pisando forte no freio faria um estrago grande. 78

79 79

80 I Abertura Pres. APIMEC: Débora de Souza Morsch Pres. Bradesco: Márcio Artur Laurelli Cypriano II Cenário Econômico Octavio de Barros III Grupo Bradesco Milton Vargas IV Perguntas e Respostas 80

81 1 Desempenho 2 Foco no Mercado Doméstico 3 Banco Completo 4 Excelência no Atendimento 5 Gestão de Riscos 6 Guidance 7 Postura Sustentável

82 Valorização das Ações (1) Em R$ 365% 365% 192% Jun08 Valorizações anuais Valorização do período Jun08 (2) Bradesco ON 36% 133% 34% 25% -12% 365% Bradesco PN 35% 118% 33% 33% -11% 365% Ibovespa 18% 28% 33% 44% 2% 192% Fonte: Economática (1) Ajustado pelos Dividendos (2) Valorização nos 6 primeiros meses de

83 Valor de Mercado R$ Milhões Jun08 * Múltiplo P/VP 1,9x 3,3x 3,4x 3,6x 2,8x * Com base na cotação de fechamento do dia

84 Dividendos R$ Milhões 1,07 1,88 2,12 2,38 2,48 DIVIDENDOS DISTRIBUÍDOS: Mais de R$ 9,6 bilhões Dividendos Distribuídos no 1S Dividendos Distribuídos no 2S Lucro Líquido por Ação(R$)* * Acumulado em 12 meses. Para efeito de comparação, este indicador foi ajustado pelos eventos societários ocorridos no período 84

85 Lucro Líquido e Índice de Eficiência R$ Milhões 55,5% 45,6% 42,1% 41,8% 41,3% Lucro Líquido do 1S Lucro Líquido do 2S Índice de Eficiência (Acumulado em 12 meses) 85

86 Ativos Totais e Patrimônio Líquido R$ Milhões 1, ,8 2, , , , ,7 34, ,5 27, Jun04 Jun05 Jun06 Jun07 Jun08 Jun04 Jun05 Jun06 Jun07 Jun08 Ativos Totais ROAA (Lucro Ajustado) (%) Patrimônio Líquido ROAE (Lucro Ajustado) (%) 1 1 Não considerando os efeitos da marcação a mercado dos Títulos Disponíveis para Venda registrada no Patrimônio Líquido 86

87 Origem do Resultado S08 29% 27% 38% 25% 11% 10% 23% 5% 7% 25% Seguros Captações TVM Crédito Serviços 87

88 Margem Financeira Ajustada R$ Milhões 19,8% 16,0% 15,3% 12,0% 12,3% 8,9% 9,5% 10,9% 9,8% 9,2% S04 1S05 1S06 1S07 1S08 Taxa Média: Margem Financeira / Ativos Médios Op.Compromissadas Ativo Permanente Selic média Não Juros Juros 88

89 Margem Financeira de Juros Ajustada 17,3% 16,0% 19,8% 18,2% 15,3% 14,8% 12,0% 14,5% 8,3% 8,6% 9,4% 10,8% 8,6% 12,3% 8,1% R$ Milhões S04 1S05 1S06 1S07 1S08 Taxa Média : Margem de Juros / Ativos Médios Op.Compromissadas Ativo Permanente Margem Financeira de Juros Selic média Taxa pré BM&F (1 ano) 89

90 Receitas de Serviços R$ Milhões 1S04 1S08 % CAGR % Rendas de Cartão ,2 30,2 Conta Corrente ,3 16,2 Operações de Crédito ,3 25,8 Administração de Fundos ,8 16,9 Cobrança/ Arrecadações ,3 10,0 Tarifa Interbancária ,1 7,6 Tar.Adm.Consórcio ,6 43,9 Custódia ,3 31,2 Corretagem ,6 33,1 Outras ,7 12,1 TOTAL ,1 20,0 90

91 Receitas de Serviços R$ Milhões 1S07 1S08 % Rendas de Cartão ,1 Conta Corrente (0,3) Operações de Crédito (0,3) Administração de Fundos ,4 Cobrança/ Arrecadações ,2 Tarifa Interbancária ,0 Tar.Adm.Consórcio ,4 Custódia ,0 Corretagem ,5 Outras (17,9) TOTAL ,9 91

92 Despesas de Pessoal R$ Milhões 1S04 1S08 Proventos/Enc. Sociais (1.744) (2.252) Concentração de Férias Benefícios (375) (548) Previdência (104) (125) TOTAL ESTRUTURAL (2.123) (2.804) Participação nos Lucros (84) (377) Treinamentos (21) (33) Custo-Rescisões (39) (54) Provisão Processos Trabalhistas (144) (184) TOTAL NÃO ESTRUTURAL (288) (648) TOTAL (2.411) (3.452) QTDE. DE FUNCIONÁRIOS % 29,1 21,0 46,1 20,2 32,1 348,8 57,1 38,5 27,8 125,0 43,2 CAGR % 6,6 4,9 9,9 4,7 7,2 45,6 12,0 8,5 6,3 22,5 9,4 92

93 Despesas Administrativas R$ Milhões 1S04 1S08 % CAGR % Serviços de Terceiros Comunicações Serviços Sist. Financeiro Deprec. e Amortização Transporte Propaganda e Publicidade Aluguéis Processamento de Dados Manut. Conserv. de Bens Materiais Segurança e Vigilância Outras (340) (317) (199) (241) (182) (196) (150) (129) (128) (73) (74) (395) (926) (514) (299) (312) (271) (282) (216) (205) (175) (92) (103) (389) 172,4 62,1 50,3 29,5 48,9 43,9 44,0 58,9 36,7 26,0 39,2 (1,5) 28,5 12,8 10,7 6,7 10,5 9,5 9,5 12,3 8,1 6,0 8,6 (0,4) TOTAL (2.424) (3.784) 56,1 11,8 93

94 Indicadores de Desempenho R$ Milhares Lucro Líquido por Funcionário Jun08* Ativos Totais por Funcionário Jun08 * Acumulado em 12 meses 94

95 Índice de Cobertura * R$ Milhões ,7 72,4 79,4 77,8 51,6 1S04 1S05 1S06 1S07 1S08 Desp. Adm + Pessoal (1) Receitas de Serviços (2) Índice de Cobertura % (2/1) * Acumulado em 12 meses 95

96 Ganhos não Realizados (2) R$ Milhões Mar06 Jun Set Dez Mar07 Jun Set Dez Mar08 (1) Jun (1) (1) Inclui a mais valia da participação remanescente detida na Visa Inc. no valor de: R$ 326 milhões em Mar08 e R$ 316 milhões em Jun08. (2) Não inclui participação em empresas ligadas como Visanet e Serasa. 96

97 Ganhos não Realizados R$ Milhões TVM Efeitos no Resultado Jun Operações de Crédito Investimentos + Ações Outros Subtotal Imovéis Subtotal Créditos Tributários não ativados (95) Total

98 1 Desempenho 2 Foco no Mercado Doméstico 3 Banco Completo 4 Excelência no Atendimento 5 Gestão de Riscos 6 Guidance 7 Postura Sustentável 98

99 Estratégia Bradesco Sólido modelo de banco de varejo... Expansão da Base Otimização da Estrutura Foco Comercial o Expansão de Rede o Foco no cliente o Inovação de produtos Eficiência o TI Melhorias o Melhorias nos processos o Reestruturação contínua...com uma forte política de Controle de Riscos. 99

100 Rede de Atendimento Próprios Rede de Agências Postos de Atendimento Filiais Finasa Pontos Externos Máquinas de Auto-Atendimento Jun Jun Terceiros Pontos Assistidos da Rede Banco24Horas Banco Postal Bradesco Expresso Promotora de Vendas BMC (Correspondentes Bancários) Credicerto Promotora de Vendas (Filiais BMC) Total de Equipamentos de Auto-Atendimento Rede Própria Banco24Horas Finasa - Lojas e Revendas Conveniadas BMC - Lojas e Pontos de Vendas

101 Market Share de Agências Norte Norte 21,4% 21,4% Sul Nordeste 19,6% Rede de Atendimento 471 Agências pontos do Banco Postal Máquinas ATM Próprias 384 Máquinas Rede Banco24Horas Centro Oeste 19,3% Sudeste 17,9% Fundação Bradesco* 5 escolas alunos Sul Sul 13,1% 13,1% * Relatório de Atividades Fundação Bradesco 2007 No país: 17,4% 101

102 Base de Clientes Em Milhões Jun08 Contas Correntes 19,8 Contas Poupança 32,5 Grupo Segurador 25,8 Segurados 21,5 Participantes de Previdência 1,9 Clientes de Capitalização 2,4 Finasa 5,0 37,1 milhões de Clientes 102

103 Metas de Expansão 1,750 milhão de novos correntistas em 2008 Metas PABS, PAAS, Agências e Clientes 500 novas agências no triênio ; Meta de PAAs: 2.500; unidades do Banco Postal em 12 meses pontos de Bradesco Expresso até o final de 2008 Principais Indicadores Custo da Abertura da Agência: R$ 800 mil Ponto de Equilíbrio das Agências: 6 a 7 meses Retorno do Investimento: 27 meses; 103

104 1 Desempenho 2 Foco no Mercado Doméstico 3 Banco Completo 4 Excelência no Atendimento 5 Gestão de Riscos 6 Guidance 7 Postura Sustentável 104

105 Participação no Mercado Jun08 S F N RANKING PARTICIPAÇÃO BANCOS PRIVADOS RANKING PARTICIPAÇÃO Ativos Totais (1) 2º - 1º - Carteira de Crédito (2) 2º 13,1% 1º 20,1% Depósitos à Vista (2) 2º 18,4% 1º 33,1% Depósitos de Poupança (2) 3º 13,8% 1º 35,8% Patrimônio Líquido (1) 1º - 1º - Fundos + Carteiras 3º 14,1% 2º 19,3% Prêmios de Seguros (3) 1º 23,8% - - Quantidade de Agências (2) 2º 17,0% 1º 29,5% Fonte: Demonstrações Financeiras Publicadas, Banco Central do Brasil, Anbid, Susep e ANS. (1) Critério Publicação (2) Bacen Conglomerado Financeiro (3) Susep - Data Base: Mai/

106 Segmentação do Atendimento Pessoas Físicas Pessoas Jurídicas Investimentos mínimos de R$ 2 milhões Grupos com faturamento superior a R$ 350 milhões/ano Disponibilidade de renda a partir de R$ 4 mil ou investimentos a partir de R$ 50 mil Empresas com faturamento entre R$ 30 milhões e R$ 350 milhões/ano Atendimento a todas as camadas da população, de modo a alcançar o maior número possível de empresas e pessoas em todas as regiões do País. Ampliação da rede de atendimento e inserção da população de baixa renda aos serviços bancários em praças desassistidas por bancos. Disponibilização de crédito ao consumidor para aquisição de veículos, bens, serviços, operações de leasing e crédito pessoal. Especializado em empréstimos consignados para aposentados e pensionistas do INSS, funcionários públicos e privados e empréstimos com garantia de veículos. 106

Juiz de Fora, 02 de abril de 2009

Juiz de Fora, 02 de abril de 2009 Juiz de Fora, 02 de abril de 2009 1 2 3 4 5 6 7 Cenário Econômico Principais Destaques Estrutura Foco no Acionista Desempenho Perspectivas Sustentabilidade PIB Brasileiro % 5,4 7,8 7,5 Média dos 20 anos

Leia mais

Nova York, 25 de Novembro de 2008. Sr. Milton Vargas. Diretor Vice Presidente e Diretor de Relações com Investidores

Nova York, 25 de Novembro de 2008. Sr. Milton Vargas. Diretor Vice Presidente e Diretor de Relações com Investidores Bradesco Day 2008 Nova York, 25 de Novembro de 2008 Sr. Milton Vargas Diretor Vice Presidente e Diretor de Relações com Investidores 1 1 Desempenho 2 Foco no Mercado Doméstico 3 5 4 Banco Completo Excelência

Leia mais

Rio de Janeiro, 22 de setembro de 2009. Bradesco Relações com o Mercado

Rio de Janeiro, 22 de setembro de 2009. Bradesco Relações com o Mercado Rio de Janeiro, 22 de setembro de 2009 1 1 2 3 4 5 6 Abertura David Navegantes - Vice-Presidente APIMEC RIO Bradesco - Presença no Brasil Luiz Carlos Trabuco Cappi - Dir. Presidente do Bradesco Ambiente

Leia mais

Luiz Carlos Angelotti. Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores

Luiz Carlos Angelotti. Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores 59 Luiz Carlos Angelotti Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores Estratégia de Atuação 60 60 Balanço Patrimonial Tecnologia vs Eficiência operacional Basileia Desempenho Financeiro

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

Lucro Líquido e Índice de Eficiência

Lucro Líquido e Índice de Eficiência 2 Lucro Líquido e Índice de Eficiência R$ Milhões 56,6% 55,5% 45,6% 42,1% 41,8% 5.514 6.363 5.817 2.306 3.060 2003 2004 2005 2006 Set07 * Lucro Líquido Índice de Eficiência (Acumulado últimos 12 meses)

Leia mais

Luiz Carlos Angelotti Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores

Luiz Carlos Angelotti Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores 1 2 Luiz Carlos Angelotti Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores Estratégia de Atuação 33 Balanço Patrimonial Tecnologia vs Eficiência operacional Basileia Desempenho Financeiro

Leia mais

IVANI BENAZZI DE ANDRADE. Gerente Departamental de Relações com o Mercado

IVANI BENAZZI DE ANDRADE. Gerente Departamental de Relações com o Mercado Apimec Bradesco IVANI BENAZZI DE ANDRADE Gerente Departamental de Relações com o Mercado Estratégia de Sustentabilidade Para um maior alinhamento com o mercado e para facilitar a compreensão do tema, as

Leia mais

Agência Bradesco Praça Panamericana

Agência Bradesco Praça Panamericana Agência Bradesco Praça Panamericana Presença em todos os municípios brasileiros A B C D E 03 Crescimento Orgânico dos Canais de Distribuição 4.634 4.650 3.160 3.359 3.454 3.628 2007 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Apresentação Bradesco

Apresentação Bradesco Apresentação Bradesco 1 Perspectivas Econômicas 2013 Bradesco 2014 * Consenso do Mercado ** 2015 * 2014 2015 PIB 2,50% 0,50% 1,50% 0,29% 1,01% Juros(SelicFinal) 10,00% 11,00% 11,00% 11,00% 11,38% Inflação(IPCA)

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011

Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Reunião Pública Apresentação de Resultados 1º Semestre 2011 Rio de Janeiro, 09 de Agosto 2011 1 Informação importante Esta apresentação foi preparada pelo Banco Santander (Brasil) S.A., eventuais declarações

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

10 Anos de Transmissão das Reuniões APIMEC pela Internet

10 Anos de Transmissão das Reuniões APIMEC pela Internet Esta apresentação pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos e as expectativas da direção da companhia. As palavras "antecipa",

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Bancos Públicos e Desenvolvimento

Bancos Públicos e Desenvolvimento Bancos Públicos e Desenvolvimento Ministro Guido Mantega junho 2009 Seminário Valor Econômico e CEF 1 IMPORTÂNCIA DOS BANCOS PÚBLICOS Crise financeira demostrou a bancos públicos. importância dos Economias

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Mercado Segurador e Drivers de Crescimento

Mercado Segurador e Drivers de Crescimento APIMEC BH 2014 Mercado Segurador e Drivers de Crescimento BRASIL: PRINCIPAIS INDICADORES Crescimento da renda real, inflação sob controle e mobilidade social PIB PER CAPITA & DESEMPREGO (US$ milhares/ano)

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Mercado Segurador e Drivers de Crescimento

Mercado Segurador e Drivers de Crescimento Apimec Porto Alegre 2014 Mercado Segurador e Drivers de Crescimento BRASIL: PRINCIPAIS INDICADORES Crescimento da renda real, inflação sob controle e mobilidade social PIB PER CAPITA & DESEMPREGO (US$

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

Mercado Segurador e Drivers de Crescimento

Mercado Segurador e Drivers de Crescimento Apimec Fortaleza 2014 Mercado Segurador e Drivers de Crescimento BRASIL: PRINCIPAIS INDICADORES Crescimento da renda real, inflação sob controle e mobilidade social PIB PER CAPITA & DESEMPREGO INFLAÇÃO

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012

BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012 Informativo para a Imprensa São Paulo (SP), 21 de fevereiro de 2013. BB tem lucro líquido recorde nominal de R$ 12,2 bilhões em 2012 Crédito cresce 25% no ano e atinge participação de mercado histórica

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

13 Rentabilidade... 14 Qualidade da Carteira de Crédito... 15 Crédito Consignado... 16 Canais de Distribuição... 17

13 Rentabilidade... 14 Qualidade da Carteira de Crédito... 15 Crédito Consignado... 16 Canais de Distribuição... 17 Realização: Apoio: Sumário Perfil e trajetória... 3 Grupo JMalucelli..... 4 Contexto Setorial...... 5 Brasil em Foco... 6 Cenário de Crédito... 7 Segmentos de atuação... 12 Lucro Líquido... 13 Rentabilidade...

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 Cenário Internacional: importante piora nas últimas semanas Zona do Euro

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência 1 Brasil Entre as Maiores Economias do Mundo Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência O Mundo do Seguro e Previdência Desafios

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora

Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Retenção de Pessoas na Tokio Marine Seguradora Institucional Tokio Marine Seguradora Tokio Marine no Mundo Grupo Tokio Marine é o um dos líderes entre os grupos seguradores globais. Fundada em1879 Ativos:US$98bilhões

Leia mais

Setor de Incorporadoras no Brasil. Junho, 2012

Setor de Incorporadoras no Brasil. Junho, 2012 Setor de Incorporadoras no Brasil Junho, 2012 Agenda Mercado Imobiliário Brasileiro - 2011 Desempenho das Incorporadoras Listadas Fundamentos do Setor 2 Mercado Imobiliário Brasileiro - 2011 VGV Lançado

Leia mais

2012 2012 2 1 0 2 C E IM P A

2012 2012 2 1 0 2 C E IM P A 3 Resultados do terceiro trimestre de 2012 Itaú Unibanco no Mercado de Capitais Atuação: Brasil e Exterior Itaú Unibanco Holding S.A. Agente de transformação Expectativas 2012 O mundo mudou... O Itaú mudou...

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

sumário executivo Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2013 Análise Gerencial da Operação

sumário executivo Itaú Unibanco Holding S.A. 3º trimestre de 2013 Análise Gerencial da Operação sumário executivo 3º trimestre de 2013 (Esta página foi deixada em branco intencionalmente) 4 Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco). Destaques (exceto onde indicado)

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL APRESENTAÇÃO INSTITUTO DE ECONOMIA DA UNICAMP ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL 1 1 5 de setembro de 2014

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

REUNIÕES APIMEC 2011

REUNIÕES APIMEC 2011 REUNIÕES APIMEC 2011 Í n d i c e RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Concorrentes Sustentabilidade Projeções e Estimativas 1 RS no Brasil Visão Geral do Estado do Rio Grande

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Pq do Ibirapuera, São Paulo/ SP Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Banco Caixa Geral Brasil S.A. /Grupo Caixa Geral de Depósitos Out/2009 A Economia Brasileira 2 A Economia Brasileira SEDE BCG-Brasil:

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

Ciclo Apimec 2014. Itaú Unibanco Holding S.A. Fernando Foz de Macedo Relações com Investidores PF Vitória 25 de setembro de 2014

Ciclo Apimec 2014. Itaú Unibanco Holding S.A. Fernando Foz de Macedo Relações com Investidores PF Vitória 25 de setembro de 2014 1 Ciclo Apimec 2014 Itaú Unibanco Holding S.A. Fernando Foz de Macedo Relações com Investidores PF Vitória 25 de setembro de 2014 Ciclo Ciclo Apimec 2014 2014 Itaú Itaú Unibanco Unibanco Holding Holding

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica Semanal

Conjuntura Macroeconômica Semanal Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal 27 de fevereiro de 2015 Dados de preço e quantum de exportações e importações

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD

Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD PRESS RELEASE Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD Este Press Release pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos

Leia mais

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08 1T11 Disclaimer Todas as informações financeiras aqui apresentadas são consolidadas, abrangendo as demonstrações financeiras do Banco, suas controladas, a JMalucelli Seguradora, a JMalucelli Seguradora

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras BALANÇO PATRIMONIAL - BP Periodo ATIVO Empresa Empresa 2 Empresa Empresa 4 Empresa 5 Empresa 6 Empresa 7 Empresa 8 ATIVO.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88

Leia mais

Ciclo Apimec 2015 Geraldo Soares Superintendente de Relações com Investidores. Santos 18/06/2015

Ciclo Apimec 2015 Geraldo Soares Superintendente de Relações com Investidores. Santos 18/06/2015 Ciclo Apimec 2015 Geraldo Soares Superintendente de Relações com Investidores Santos 18/06/2015 Ciclo Apimec 2015 Itaú Unibanco Holding S.A. A apresentação faz referências e declarações sobre expectativas,

Leia mais

Cisco Systems Incorporation

Cisco Systems Incorporation Cisco Systems Incorporation 1. Principais Características Matriz: Cisco Systems Inc. Localização: São José, Califórnia, Estados Unidos Ano de fundação: 1984 Internet: www.cisco.com Faturamento (2000):

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

As diretrizes de consumo no Brasil

As diretrizes de consumo no Brasil As diretrizes de consumo no Brasil A visão do consumidor Luiz Goes A GS&MD Gouvêa de Souza Consultoria Empresarial Canais de distribuição / Centrais e redes de negócios/ Controladoria e finanças / Crédito

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais