Síndrome de Hipotensão Liquórica: Avaliação por RM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síndrome de Hipotensão Liquórica: Avaliação por RM"

Transcrição

1 Síndrome de Hipotensão Liquórica: Avaliação por RM Almeida JRM 1, Ferreira NF 2, Amaral LLF 2, McPhee HL 1, Cartaxo OQ 1, Mendonça RA 2, Lima SS 3 1 Médico Estagiário do Setor de Ressonância Magnética do Serviço de Radiologia da Med Imagem - Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo; 2 Médico Neuroradiologista da Med Imagem; 3 Chefe do Serviço de Radiologia da Med Imagem Introdução: A síndrome de hipotensão liquórica é caracterizada por baixa pressão do líquido cefaloraquidiano (LCR) associada à cefaléia postural, náuseas, vômitos, distúrbios visuais e outros sintomas menos freqüentes1,2,3. Esta entidade foi descrita pela primeira vez por Schaltenbrand, em 1938, e inicialmente denominada de aliquorréia 1,4. Na maioria das vezes, é possível identificar fatores causais diretos, tais como punções lombares ou traumas que provoquem rupturas do revestimento meníngeo do encéfalo ou da medula espinhal, com conseqüente vazamento do líquor4,5,6. No entanto, existem casos nos quais, apesar da cuidadosa investigação, não é possível apontar fatores etiológicos. Dessa maneira, a hipotensão é considerada como espontânea ou idiopática1,2,6. A avaliação diagnóstica dos pacientes com história clínica sugestiva desta condição pode ser feita através de medições diretas da pressão do LCR -nas quais são obtidos valores abaixo de mm H2O-, assim como por estudos não invasivos por métodos de imagem1,2,6,7. Os avanços técnicos recentes aumentaram a acurácia da investigação imaginológica, a qual, quando bem correlacionada com a história clínica, deve ser suficiente para diagnosticar com precisão a síndrome de hipotensão liquórica (SHL). Entre as opções disponíveis, estão: a cisternografia com injeção de radionuclídeos (111In-DTPA), que é capaz de identificar pontos específicos de vazamento do LCR; a mielografia por tomografia computadorizada (mielo-tc), técnica que pode ser associada às reconstruções tridimensionais para melhorar a acurácia diagnóstica e; finalmente, o estudo por RM2,3,5,6. Ainda que a RM não seja considerada como um bom método para visualização direta do local de vazamento do líquor, ela é capaz de demonstrar algumas alterações tidas como características nos casos suspeitos, são elas: realce meníngeo pelo meio de contraste (fig.1), retificação da face anterior da ponte (fig.2), aumento de volume da hipófise (fig.3), hematomas e efusões subdurais (fig.4), rebaixamento das tonsilas cerebelares (fig.5), fechamento da cisterna interpeduncular (fig.6), localização do iter (ponto de comunicação entre o 3o ventrículo e o aqueduto de Sylvius) abaixo da linha entre o processo clinóide anterior e a veia de Galeno (fig.7), além de outras alterações observadas na coluna vertebral - principalmente ingurgitamento venoso, efusões/coleções epidurais (figs.8 e 9)1,2,3,4,8. Apesar de tais achados já terem sido consistentemente descritos na literatura científica contemporânea, freqüentemente o diagnóstico não é realizado pelo médico radiologista, pois esta síndrome é incomun e pode ser confundida com meningites, alterações pós-traumáticas, tumores hipofisários, entre outras1,2,3,5,8. No presente trabalho, os autores procuram demonstrar imagens obtidas por RM que sejam ilustrativas da SHL.

2 Figura 1. Imagens coronais ponderadas em T1 após infusão intravenosa do meio de contraste (Gd-DTPA) mostram realce meníngeo liso e regular (setas). Figura 2. Imagens sagitais ponderadas em T1 demonstram a retificação da face anterior da ponte (setas) em dois pacientes. Figura 3. Imagens sagitais ponderadas em T1. A- Aumento volumétrico da hipófise (seta). B- Estudo realizado após tratamento conservador (repouso e hidratação) revelou normalização das dimensões da glândula (seta).

3 Figura 4. Imagens axiais ponderadas em T2 e FLAIR demonstram a evolução de hematomas subdurais bilaterais (setas em A e C), que se resolveram com o tratamento (B e D). Figura 5. Imagens sagitais ponderadas em T1. A- Tonsilas cerebelares de posição baixa (seta). B- Retorno à posição habitual das tonsilas cerebelares após tratamento (seta). Figura 6. Imagens axiais ponderadas em T2. O fechamento da cisterna interpeduncular (seta) é demonstrado em A, quando comparado com indivíduo sem alterações (B).

4 Figura 7. Imagens sagitais ponderadas em T1. A- O iter -ponto de encontro entre o terceiro ventrículo e o aqueduto de Sylvius- (seta) encontra-se abaixo da linha traçada entre a apófise clinóide anterior e a emergência da veia de Galeno. B- Em paciente utilizado como controle, observa-se o iter (seta) em posição habitual. Figura 8. Imagens axiais (A) e sagitais (B) ponderadas em T1 pós gadolínio evidenciam ingurgitamento venoso na coluna cervical (setas). Figura 9. Imagens axiais (A) e sagitais (B) ponderadas em T2 demonstram coleção epidural com sinal semelhante ao do líquor (setas). Material e Métodos: Análise retrospectiva de cinco casos do arquivo didático da Med Imagem foi realizada. O grupo estudado era composto por três mulheres e dois homens, com idades entre 30 e 48 anos (idade média de 40 anos). Todas as imagens foram obtidas em aparelhos de RM de 1,5T da GE Medical Systemsreg., em exames para avaliação

5 específica do encefálo, durante o período compreendido entre setembro de 1997 e dezembro de A investigação da coluna vertebral foi realizada em dois pacientes. Os casos foram revisados por, pelo menos, dois neuroradiologistas, sendo que os critérios imaginológicos baseados em mensurações foram os seguintes: o iter foi considerado como rebaixado, quando se encontrava inferiormente à linha traçada entre o processo clinóide anterior e a emergência da veia de Galeno; as tonsilas cerebelares foram avaliadas como de posição baixa, quando se insinuavam sob o forame magno; a hipófise foi tida como aumentada, levando-se em consideração o tamanho esperado para o sexo e a faixa etária do paciente, além de abaulamento da sua face superior. Os demais critérios basearam-se apenas na visualização direta das alterações descritas. Os pacientes tiveram confirmação diagnóstica durante o acompanhamento clínico e por imagens. Resultados: Todos os pacientes apresentaram realce meníngeo após a infusão de gadolíneo, sendo que três mostravam concomitante aumento volumétrico da hipófise e rebaixamento do iter. Dois tinham retificação da ponte e hematomas subdurais, e em um dos casos foi observado fechamento da cisterna interpeduncular e rebaixamento das tonsilas cerebelares. Nenhum dos indivíduos era portador de efusões subdurais intracranianas. Nas duas ocasiões em que a coluna vertebral foi estudada, havia ingurgitamento venoso e, em uma delas, notou-se efusão/coleção epidural cervical. (Vide Tabela). X = achado presente

6 Discussão: O LCR é produzido principalmente pelo plexo coróide, que é responsável por 80% do seu volume, ficando os 20% restantes a cargo do epêndima e do próprio parênquima cerebral1,9,10. A produção diária total gira em torno de 500 ml e, em condições fisiológicas, tem um padrão circulatório monótono (simplificadamente, observa-se fluxo à partir do sistema ventricular para o espaço subaracnóide e canal central da medula, sendo que a absorção é realizada pelas granulações aracnóides)1,9. É fundamental observar que a pressão e volume do LCR não são determinados somente por forças hidrostáticas relacionadas à produção e absorção do mesmo1,10. A elasticidade dural e mudança do calibre das veias cerebrais têm um papel importante, que é bem estabelecido pela regra de Monro-Kellie, a qual parte dos seguintes pressupostos: 1) o cérebro está contido por um compartimento ósseo rígido; 2) a massa cerebral é praticamente não compressível; 3) o volume de sangue no interior da cavidade craniana é virtualmente constante; 4) o fluxo venoso deve ser contínuo para permitir o acesso do sangue arterial ao cérebro1,9. A regra original não levava em consideração o papel do LCR, o qual foi posteriormente introduzido na equação por Burrows em Assim, didaticamente, pode-se considerar que deve haver equilíbrio entre o volume de sangue e LCR circulando no sistema nervoso central em todos os momentos. Os sinais de hipotensão liquórica observados pela RM baseiam-se neste postulado1,3,4,8,9,10. O realce meníngeo é o achado mais freqüentemente descrito1,2, fato que está em concordância com o observado pelos autores. Tal realce deve ser do tipo liso, contínuo, e se deve ao ingurgitamento venoso paquimeníngeo, já que, ao contrário do que ocorre nas leptomeninges, nesse nível não há barreira hemato-encefálica1,2,10. O aumento de volume da hipófise também é ocasionado por alterações vasculares (ingurgitamento das veias do sistema porta-hipofisário). Além de se hipertrofiar, a glândula passa a apresentar convexidade superior, achado que não deve ser confundido com lesões tumorais. Interessantemente, nota-se que a regressão do quadro hipofisário após o tratamento precede o desaparecimento do realce meníngeo1,2,8. As efusões e hematomas subdurais estão mais claramente relacionados à redução do espaço subaracnóide. No primeiro caso, há perda do equilíbrio hidrostático e colóide-osmótico, com formação de coleções normalmente compostas por transudato. Apenas ocasionalmente, as coleções mostram sinal diferente ao do líquor (hipersinal em T1), que pode ser explicado por exsudação ou pequenos sangramentos3,4,5,7. Os hematomas formam-se com o ingurgitamento venoso e laceração das veias de ligação promovendo sangramento subaracnóide1,5. O outro mecanismo fisiopatológico envolvido na SHL é secundário à diminuição volumétrica (e não necessariamente pressórica) do líquor. Em trabalho recentemente publicado10, Miyazawa e colaboradores observaram que alguns dos pacientes com história clínica e achados de imagem compatíveis com hipotensão liquórica não apresentavam baixa pressão intracraniana. Conseqüentemente, aventaram a possibilidade de que, quando há uma redução volumétrica do LCR associada a uma redução compensatória do espaço subaracnóide, a pressão é mantida. Dessa forma, o paciente pode apresentar sinais e sintomas da síndrome de hipotensão liquórica, mesmo com quadro pressórico normal10. Achados como retificação da face anterior da ponte, fechamento da cisterna interpeduncular, rebaixamento do iter e das tonsilas cerebelares estariam diretamente relacionados a tal mecanismo 10.

7 Conclusão: Em suma, o radiologista deve saber quando e como suspeitar de hipotensão liquórica. Assim, sempre que o paciente tiver história clínica de cefaléia postural, associada ou não a punções liquóricas, e apresentar os seguintes achados ao estudo por RM: realce meníngeo regular e contínuo, retificação da face anterior da ponte, aumento de volume da hipófise, hematomas e efusões subdurais, rebaixamento das tonsilas cerebelares, fechamento da cisterna interpeduncular, posição baixa do iter (ponto de comunicação entre o 3o ventrículo e o aqueduto de Sylvius), além de alterações na coluna vertebral -sobretudo sinais de ingurgitamento venoso e efusões/coleções epidurais-, a possibilidade de síndrome de hipotensão liquórica deve ser fortemente considerada. Referências Bibliográficas: 1- Christoforidis GA, Mehta BA, Landi JL, et al. Spontaneous intracranial hypotension: report of four cases and review of the literature. Neuroradiol 1998; 40: Spelle L, Boulin A, Tainturier C, et al. Neuroimaging features of spontaneous intracranial hypotension. Neuroradiol 2000; 43: Rabin BM, Roychowdhury S, Meyer JR, et al. Spontaneous intracranial hypotension: spinal MR findings. Am J Neuroradiol 1998; 19: Yousry I, Förderreuther S, Moriggl B, et al.cervical MR imaging in postural headache: MR signs and pathophysiological implications. Am J Neuroradiol 2001; 22: Raymackers JM, Duprez T, Jeanjean A, et al. Discrepant time course of cranial and spinal subdural collections in a case of SIH treated by EBP. Eur Radiol 2001; 11: Fujimaki H, Saito N, Tosaka M, et al. Cerebrospinal fluid leak demonstrated by three-dimensional computed tomographic myelography in patients with spontaneous intracranial hypotension. Surg Neurol 2002; 58: Chen CJ, Lee TH, Hsu HL, et al. Spinal MR findings in spontaneous intracranial hypotension. Neuroradiol 2002; 44: Alvarez-Linera J, Escribano J, Benito-Léon J, et al. Pituitary enlargement in patients with intracranial hypotension syndrome. Neurology 2000; 55: Mokri B. The Monro-Kellie hypothesis. Aplications in CSF volume depletion. Neurology 2001; 56: Miyazawa K, Shiga Y, Hasegawa T, et al. CSF hypovolemia vs intracranial hypotension in spontaneous intracranial hypotension syndrome. Neurology 2003; 60:

Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica

Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Envoltórios do SNC e Circulação Liquórica Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS

NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) É importante lembrar que os métodos de imagem estudam a anatomia e, por isto, são melhores para investigar as doenças que alteram

Leia mais

Trauma do Sistema Nervoso Central

Trauma do Sistema Nervoso Central Trauma do Sistema Nervoso Central Técnica WWW.FISIOKINESITERAPIA.BIZ Fraturas A demonstração de uma fratura em imagens do crânio indica que foi aplicada uma força significativa à abóboda boda óssea. Entretanto,

Leia mais

Introdução à Neuroimagem

Introdução à Neuroimagem FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Introdução à Neuroimagem Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Neuroimagem Técnicas de Imagem

Leia mais

ANATOMIA DO SISTEMA VENTRICULAR VISÃO ISOMÉTRICA

ANATOMIA DO SISTEMA VENTRICULAR VISÃO ISOMÉTRICA HIDROCEFALIA DEFINIÇÃO É o aumento do volume de líquido céfalo-raquidiano (LCR) no compartimento intracraniano, causando dilatação do sistema ventricular. Obstrutivas ou não comunicantes: decorrem da obstrução

Leia mais

Hipertensão intracraniana Hidrocefalia

Hipertensão intracraniana Hidrocefalia Hipertensão intracraniana Hidrocefalia M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe

Leia mais

CEFALÉIAS NA SALA DE. Sergio Novis - 2010

CEFALÉIAS NA SALA DE. Sergio Novis - 2010 CEFALÉIAS NA SALA DE EMERGÊNCIA Sergio Novis - 2010 CEFALÉIAS HIPÓCRATES DESCREVEU A ENXAQUECA HÁ 2500 ANOS 76% DAS MULHERES E 57% DOS HOMENS TÊM ALGUM TIPO DE CEFALÉIA 10% DA POPULAÇÃO SOFRE DE ENXAQUECA

Leia mais

NEUROANATOMIA. Meninges, Líquido Cerebroespinal, Barreiras Encefálicas Vascularização do Sistema Nervoso Central. Luiza da Silva Lopes

NEUROANATOMIA. Meninges, Líquido Cerebroespinal, Barreiras Encefálicas Vascularização do Sistema Nervoso Central. Luiza da Silva Lopes NEUROANATOMIA Meninges, Líquido Cerebroespinal, Barreiras Encefálicas Vascularização do Sistema Nervoso Central Luiza da Silva Lopes Meninges Membranas conjuntivas Envolvem o SNC dura-máter = paquimeninge

Leia mais

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza Patologia por tomografia Profº Claudio Souza Patologia Patologia derivado do grego pathos, sofrimento, doença, e logia, ciência, estudo) é o estudo das doenças em geral Conhecimento Dentro da tomografia

Leia mais

AULA TEÓRICA (NEURORRADIOLOGIA I)

AULA TEÓRICA (NEURORRADIOLOGIA I) AULA TEÓRICA (NEURORRADIOLOGIA I) Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) ANATOMIA DO ENCÉFALO O encéfalo é dividido, basicamente, em hemisférios cerebrais, tronco e cerebelo (figura 1). FIGURA 1: CORTE

Leia mais

18º Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada de Crânio

18º Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada de Crânio 18º Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada de Crânio Enunciado Paciente masculino, 78 anos, hipertenso, com fibrilação atrial, admitido no PA com queixa de dificuldade para deambular e confusão mental

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens

Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens Prof. Dr. Emerson L. Gasparetto Professor Adjunto de Radiologia da UFRJ Dr. Diogo Goulart Correa Mestrando em Radiologia pela UFRJ Julho, 2014 Conhecendo o Cavernoma

Leia mais

HIDROCEFALIA ASSOCIADA À CISTO ARACNÓIDE DA CISTERNA QUADRIGEMINAL EM CÃO RELATO DE CASO

HIDROCEFALIA ASSOCIADA À CISTO ARACNÓIDE DA CISTERNA QUADRIGEMINAL EM CÃO RELATO DE CASO 1 HIDROCEFALIA ASSOCIADA À CISTO ARACNÓIDE DA CISTERNA QUADRIGEMINAL EM CÃO RELATO DE CASO KAREN CRISTINA DE OLIVEIRA BASTOS 1, ADILSON DONIZETI DAMASCENO¹. 1 Programa de Pós-graduação em Ciência Animal

Leia mais

IRM na Esclerose Múltipla

IRM na Esclerose Múltipla IRM na Esclerose Múltipla Índice Autor: Dr. David Araújo Neurorradiologista do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e do Instituto de Diagnóstico por Imagem da Santa Casa

Leia mais

Neuroanatomia. Antes de começar. Veja essa cena...

Neuroanatomia. Antes de começar. Veja essa cena... Neuroanatomia Antes de começar. Veja essa cena... Essa é uma das muitas cenas que se vê em esportes de contato. Geralmente o sujeito fica desorientado após levar um soco, isso quando não perde a consciência.

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Tomografia computadorizada encefálica obtida logo após admissão do paciente Figura 2: Tomografia computadorizada encefálica obtida logo após

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA A cintilografia tomográfica da perfusão cerebral (SPECT) detecta alterações da perfusão sanguínea cerebral inclusive na ausência

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE)

AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) 1- TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO TCE é o principal motivo de morte na população jovem, cujas causas mais frequentes compreendem acidentes automobilísticos e agressões interpessoais.

Leia mais

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro TUMORES CEREBRAIS Maria da Conceição Muniz Ribeiro Tumor Cerebral é uma lesão localizada que ocupa o espaço intracerebral e tende a acusar um aumento de PIC. Em adulto, a maior parte dos tumores se origina

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti Dr Gustavo Jardim Dalle Grave Março 2013 CASO CLINICO - 1 Paciente sexo feminino, 52 anos, HIV +, com dor intensa em região lombar, dificuldade para

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA Divisões do Sistema Nervoso Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula Espinhal Sistema Nervoso Periférico Nervos Espinhais Nervos Cranianos Gânglios Periféricos 1 Os órgãos do SNC são protegidos

Leia mais

Introdução Os meningeomas estão entre os tumores cerebrais mais comuns, respondendo por um quarto a um terço de todas as neoplasias intracranianas primárias. Podem ser divididos em três tipos, típicos,

Leia mais

Acidente Vascular Encefálico Hemorrágico

Acidente Vascular Encefálico Hemorrágico Acidente Vascular Encefálico Hemorrágico Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Carlos Caron Acidente Vascular Hemorrágico Classificação: Hemorragia epidural Hemorragia subdural Hemorragia subaracnóidea Hemorragia

Leia mais

Aparelho de Inervação: Sistema Nervoso Central

Aparelho de Inervação: Sistema Nervoso Central Dura-máter Aracnóideia Pia-máter Meninges Meninges Veias diplóicas Artérias intracraneanas Dura-máter removida Falx cerebri Seios venosos Tentorium cerebelli Seios venosos Corte para-frontal Cérebro Lobos

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das Meningite M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA QUESTÃO 21 Crises convulsivas, hemiplegias, afasia e hemianopsias como sinais isolados ou em associação, sugerem patologia neurológica de topografia:

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR TRAUMA DE COLUNA

Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR TRAUMA DE COLUNA Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR TRAUMA DE COLUNA Painel de Especialistas em Imagem Neurológica: Robert E. Anderson, Médico 1 ; Burton P. Drayer, Médico 2 ; Bruce Braffman

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

PRINCIPAIS PROBLEMAS EM NEUROLOGIA QUE PODEM EXIGIR INVESTIGAÇÃO POR IMAGEM

PRINCIPAIS PROBLEMAS EM NEUROLOGIA QUE PODEM EXIGIR INVESTIGAÇÃO POR IMAGEM PRINCIPAIS PROBLEMAS EM NEUROLOGIA QUE PODEM EXIGIR INVESTIGAÇÃO POR IMAGEM A maioria dos médicos sente-se pouco confortável diante das doenças neurológicas, pois existe a crença generalizada que neurologia

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face, não estamos falando apenas de duas peças ou região anatômica, temos: glândulas, cavidades e uma

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face não se tratam apenas de duas peças ou regiões anatômicas temos glândulas, cavidades e uma imensa

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Março - 2009 1. Conceito, Etiologia e Epidemiologia 1. Trauma raquimedular é a lesão da medula espinhal que provoca

Leia mais

MENINGES, LÍQUOR E SISTEMA VENTRICULAR MENINGES. Prof. João M. Bernardes

MENINGES, LÍQUOR E SISTEMA VENTRICULAR MENINGES. Prof. João M. Bernardes MENINGES, LÍQUOR E SISTEMA VENTRICULAR Prof. João M. Bernardes MENINGES O SNC é envolvido por três membranas denominadas meninges; As meninges estão compostas, de fora para dentro, pela dura-máter, aracnóide

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

EXPERIÊNCIA COM O EFEITO DINÂMICO DA COMPRESSÃO AXIAL NO CANAL ESPINHAL LOMBAR

EXPERIÊNCIA COM O EFEITO DINÂMICO DA COMPRESSÃO AXIAL NO CANAL ESPINHAL LOMBAR EXPERIÊNCIA COM O EFEITO DINÂMICO DA COMPRESSÃO AXIAL NO CANAL ESPINHAL LOMBAR Enio Cesar Vieira Pereira Med Imagem - Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo INTRODUÇÃO. A dor e os sintomas neurológicos

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

19-11-2008. AnatomoFisiologia. Sistema Nervoso Central. Encéfalo/Cerebro. Espinal Medula

19-11-2008. AnatomoFisiologia. Sistema Nervoso Central. Encéfalo/Cerebro. Espinal Medula Intervenções de Enfermagem à Pessoa com Distúrbios Neurocirúrgicos Intervenções de Enfermagem à Pessoa com Distúrbios Neurocirúrgicos AnatomoFisiologia Divide-se em: Sistema Nervoso Central. Encéfalo/Cerebro.

Leia mais

Síndromes Neurológicos

Síndromes Neurológicos Síndromes Neurológicos Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron O Monstro Neurológico... Os 4 Passos do Diagnós?co Neurológico Elicitação dos fatos clínicos Anamnese Exame Clínico Diagnóstico Síndrômico

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES

NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES NEURORRADIOLOGIA DAS INFECÇÕES ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) As infecções mais importantes (do adulto) em nosso meio são: neurocisticercose, abscessos, meningites e a AIDS. Nas crianças, as

Leia mais

Controla funções orgânicas e é responsável pela interação do animal com o meio ambiente.

Controla funções orgânicas e é responsável pela interação do animal com o meio ambiente. Sistema Nervoso Controla funções orgânicas e é responsável pela interação do animal com o meio ambiente. Muitas funções dependem da vontade e muitas são inconscientes. Divisão Sistema Nervoso Central constituído

Leia mais

FISIOTERAPIA VESTIBULAR E TONTURAS NO ESPORTE

FISIOTERAPIA VESTIBULAR E TONTURAS NO ESPORTE FISIOTERAPIA VESTIBULAR E TONTURAS NO ESPORTE André Luís dos Santos Silva, D.Sc. Doutor em Fisioterapia Universidad de Buenos Aires/UFRJ Diretor do Instituto Brasileiro de Fisioterapia Vestibular e Equilíbrio

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna

12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna 12º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Coluna Enunciado Paciente do sexo feminino, 34 anos, G1P1A0, hígida, está no terceiro mês pós-parto vaginal sob analgesia peridural, que transcorreu sem intercorrências.

Leia mais

23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio

23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio 23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio Enunciado Paciente do sexo feminino, 86 anos, previamente hígida, há 4 meses com queixas de problemas de memória, déficit de atenção, lentificação

Leia mais

20º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Crânio

20º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Crânio 20º Imagem da Semana: Ressonância Magnética de Crânio Enunciado Paciente de 77 anos, sexo feminino, que iniciou quadro de febre (39º C) associado à confusão mental. Apresentou exame de urina rotina com

Leia mais

RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA

RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA ABERTURA 70 CM + TIM SUPER ALTO CAMPO - ALTA RESOLUÇÃO MAIOR VELOCIDADE - MAIOR COMODIDADE PREZADO COLEGA Com grande

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

PORTARIA N 9, DE 6 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA N 9, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA N 9, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Inclui na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde (SUS) procedimento Sequencial em Neurocirurgia.

Leia mais

Neuroanatomia 2008/2009

Neuroanatomia 2008/2009 Neuroanatomia 2008/2009 Aula nº 4 Meninges Raquidianas 07 Outubro 2008 Sem qualquer tipo de suporte, o Sistema Nervoso Central seria incapaz de manter a sua forma, particularmente em alturas de movimento

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

ANÁLISE DO LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO EM PEQUENOS ANIMAIS

ANÁLISE DO LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO EM PEQUENOS ANIMAIS ANÁLISE DO LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO EM PEQUENOS ANIMAIS LUCAS, Regina Aparecida Pacheco GODOY, Rita de Cássia Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FAMED Garça SACCO, Soraya Regina

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Subespecialidade: Tórax / Tipo de trabalho: Relato de caso SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Autores: Baptista RM, Nogueira HA, Nothaft MA, Coelho FH Apresentador: Dr. Rodrigo

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, exame de líquor e EEG

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, exame de líquor e EEG Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, exame de líquor e EEG Figura 1: Tomografia computadorizada de crânio, sem contraste, corte axial ao nível da ponte Figura 2: Exame do líquido cefalorraquidiano

Leia mais

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES- ESTUDO DO LCR TÓPICOS A SEREM ABORDADOS : FASE PRÉ ANALÍTICA PROCESSAMENTO

Leia mais

Resolução CNRM Nº 17/2004, de 20 de Dezembro de 2004

Resolução CNRM Nº 17/2004, de 20 de Dezembro de 2004 Resolução CNRM Nº 17/2004, de 20 de Dezembro de 2004 Dispõe sobre a duração e conteúdo do Programa de Residência Médica de Neurocirurgia. O Presidente da Comissão Nacional de Residência Médica no uso das

Leia mais

21 de Setembro de 2007. Professor Ewerton. Hemorragias intracranianas. Hemorragia intracerebral Hemorragia subaracnóide.

21 de Setembro de 2007. Professor Ewerton. Hemorragias intracranianas. Hemorragia intracerebral Hemorragia subaracnóide. 21 de Setembro de 2007. Professor Ewerton. Hemorragias intracranianas Hemorragia subaracnóide. Hemorragia subaracnóide A principal causa não traumática é a rotura de aneurisma. Outras causas: MAVs, cavernomas,

Leia mais

Médico Neurocirurgia da Coluna

Médico Neurocirurgia da Coluna Médico Neurocirurgia da Coluna Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Um homem de 55 anos de idade foi internado. Tinha histórico de câncer de pulmão operado, vinha apresentando uma dor constante

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

...E QUANDO NADA RESOLVE?????

...E QUANDO NADA RESOLVE????? ...E QUANDO NADA RESOLVE????? Talvez vc seja um daqueles pacientes já tratados para dor na coluna e que nada parece... ter surtido efeito. Se vc já tomou vários anti-inflamatórios, analgésicos, já fez

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Caio Abner Leite UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Caio Abner Leite Letra legível História resumida Queixa e duração, antecedentes pessoais relacionados ao caso ou às contra-indicações.

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Mapeamento do córtex motor

Mapeamento do córtex motor Motricidade Mapeamento do córtex motor 1. Principal região controladora para início dos movimentos voluntários: Área motora primária- Giro pré-central 2.Área somatossensorial primária (giro pós central)

Leia mais

TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM

TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM FABIANO LADISLAU Técnico em Radiologia Grad. Tecnólogo em Radiologia Esp. RD, TC, RM e Neurorradiologia Membro da SBPR e ISRRT Diretor Adm do Clube Tecnológico da Imagem

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

II Congresso Internacional de Neuro-Oncologia. Tema: Tratamento da doença Leptomeníngea

II Congresso Internacional de Neuro-Oncologia. Tema: Tratamento da doença Leptomeníngea II Congresso Internacional de Neuro-Oncologia Módulo: Doença Metastática para Sistema Nervoso central Bloco: Manejo das Lesões Múltiplas Tema: Tratamento da doença Leptomeníngea Aknar Calabrich Oncologia

Leia mais

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Kely Cristina Silva Oliveira Técnica de Enfermagem CTI Pediátrico

Leia mais

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V UNIC UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V Roteiro de aula prática de Anatomia Veterinária Prof a. Juliana

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC);

- As Alterações dos Desvios do Eixo da Coluna Vertebral (ADEC); PROGRAMA DO CURSO * ESPONDILOTERAPIA Trata-se de um protocolo para avaliação, interpretação e orientação aplicado a coluna vertebral e/ou seus comprometimentos, desenvolvida e registrada pela ESCOLA SOS

Leia mais

LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA VERTEBRAL LESÃO MEDULAR (CHOQUE MEDULAR)

LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA VERTEBRAL LESÃO MEDULAR (CHOQUE MEDULAR) LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA VERTEBRAL E LESÃO MEDULAR (CHOQUE MEDULAR) Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch SUMÁRIO I Avaliação inicial e tratamento de emergência 1- Incidência, Etiologia e Demografia 2- Anatomia

Leia mais

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ Técnica da ablação Ao final do período, 66% dos pacientes tratados com ablação permaneceram livres dos sintomas, contra 16%

Leia mais

Boletim Informativo 4-2008

Boletim Informativo 4-2008 PPEETT IMAGEEM I DDI IAGNÓSSTTI ICOSS VVEETTEERRI INÁRRI IOSS AANNI IIVVEERRSSÁÁRRI IIO PPEETT IIMAAGEEM I Neste mês que passou, mais precisamente dia 12 de abril, completamos 2 anos de funcionamento.

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância Magnética

Imagem da Semana: Ressonância Magnética Imagem da Semana: Ressonância Magnética Imagem 01. Ressonância magnética da coluna lombossacral, corte sagital, ponderada em T2. Imagem 02. Ressonância magnética da coluna lombossacral, corte axial, ponderada

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Tomografia computadorizada, Ressonância nuclear magnética Figura 1: Tomografia Computadorizada (TC) de crânio em corte axial Figura 2: Ressonância Nuclear Magnética (RNM) de crânio em

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente Sistema Nervoso Funções - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente Estímulo do meio ambiente Interpretação Desencadeamento de resposta adequada NEURÔNIOS Divisão Anatômica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato

ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM. Prof. Dante L. Escuissato ANATOMIA DO TÓRAX POR IMAGEM Prof. Dante L. Escuissato Figura 1. O tórax é composto por um conjunto de estruturas que pode ser dividido em parede torácica, espaços pleurais, pulmões, hilos pulmonares e

Leia mais

SISTEMA NERVOSO MOTOR

SISTEMA NERVOSO MOTOR SISTEMA NERVOSO MOTOR CÓRTEX MOTOR O cérebro é o órgão que move os músculos. sculos. Neil R. Carlson 1 CÓRTEX MOTOR ORGANIZAÇÃO DO CÓRTEX MOTOR Córtex motor primário: principal região controladora para

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais