Cargill investe R$ 130 milhões e aposta no mercado brasileiro de biodiesel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cargill investe R$ 130 milhões e aposta no mercado brasileiro de biodiesel"

Transcrição

1 REVISTACARGILL Nova fábrica Cargill invst R$ 130 milhõs aposta no mrcado brasiliro d biodisl ANO 32 - SET. OUT. NOV Rvista Cargill indd /12/ :02:53

2 Cnário positivo para 2013 mnsagm 3 s u m á r i o Nova stratégia para o campo ntrvista Fundação Cargill na luta contra a fom rsponsabilidad social 4 6 A N O N º S E T. / O U T. / N O V Nova fábrica d biodisl m Três Lagoas spcial Dsnvolvimnto sustntávl é o caminho artigo Notícias Cargill dstaqus Rvista Cargill é uma publicação trimstral ditada plo Dpartamnto d Assuntos Corporativos dirigida aos clints, forncdors funcionários da Cargill Av. Morumbi, CEP São Paulo Tl.: (11) Coordnação Editorial Jornalista Rsponsávl: Anna Costa (MTB: ) Comitê Editorial: Ana Lúcia Caiasso, César Nrs, Cintia Brnards, Cristian Bordinhon, Cristin Chui, Flávia Pria, Grson Braldo, Lni Jacobuc, Lucian Ris, Natalia Truya, Nusa Duart Sônia Matangrano Colaboração: Bárbara Amorim Vinícius Olivira Projto Gráfico: Oz Dsign - Editoração Dirção d Art: Arco W Comunicação & Dsign Elaboração d Contúdo: Quintal 22 Edição d Txtos: Anna Costa Ltícia Tavars Rportagm: Claudia Cagni, Cristian Giglio, José Ruy Gandra, Rnata Noguira Thatiana Antuns Foto Capa: Arquivo Cargill. A Rvista Cargill não s rsponsabiliza plas opiniõs mitidas m ntrvistas. A Rvista Cargill adota o novo acordo ortográfico da língua portugusa Para comntários ou sugstõs sobr a Rvista, nvi su -mail para ou tlfon para (11)

3 t n d i s o d A rportagm d capa traz a inauguração da nova fábrica d biodisl m Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul uma confirmação d qu stamos atntos às ncssidads d mrcado mais ainda às soluçõs sustntávis qu gram cada vz mnos impacto ao mio ambint. Trazmos também uma ntrvista com Alxandr Mndonça d Barros um xprt m agronomia m cnários tndências dss mrcado. Eu fiqui otimista com o qu li. Espro qu vocês gostm também. p r Estou bastant confiant otimista nssa minha nova tapa profissional. Também acrdito na volução do mrcado no nosso bom dsmpnho para o próximo ano. A nossa mprsa ntnd a importância do Brasil para os sus ngócios globais tnho crtza d qu vai continuar fortalcndo cada vz mais sua prsnça no País. Por falar m ampliar a atuação, nas próximas páginas vocês vão ncontrar vários xmplos qu mostram na prática o crscimnto da Cargill. A minha carrira mostra bm o jito d sr d nossa mprsa. Uma organização qu dá oportunidads qu ntnd o valor das pssoas, sjam las funcionários, clints, forncdors ou parciros. Também é assim o mu jito d fazr ngócios: olhar as ncssidads d todos os públicos com qum nos rlacionamos atuar da mlhor manira para atndê-los. É um grand prazr scrvr st primiro ditorial na Rvista Cargill como prsidnt na mprsa no Brasil. Entndo qu aqui tnho um spaço spcial para m dirigir dirtamnt aos litors da publicação. Quro, primiramnt, aprsntar-m a todos vocês. Há st anos faço part do tim da Cargill atui fortmnt na ára financira até chgar à prsidência do Banco Cargill no Brasil na posição d tsouriro da mprsa para América Latina. Um abraço, 3 Rvista Cargill indd 3 Foto: Arquivo Cargill m n s a g m Luiz Prtti Prsidnt 07/12/ :38:39

4 s r o a t r s a i b v d Foto: Divulgação r Com a soja m alta no mrcado global, dvido à qubra da safra amricana à dmanda dos stors d alimntação, o Brasil tm grands oportunidads, mas não avança por falta d dirtrizs claras para o stor a l x a n d r l. m n d o n ç a t n Brasil prcisa mlhorar sua stratégia para a agricultura Engnhiro agrônomo formado doutorado m Economia Aplicada pla Escola Suprior d Agricultura Luiz d Quiroz, da Univrsidad d São Paulo (Esalq/ USP), Alxandr Lahoz Mndonça d Barros hoj é sócio da MBAgro, consultoria focada nas várias frnts do agrongócio. Em ntrvista xclusiva à Rvista Cargill, l analisa o cnário atual do stor rvla sua procupação com a prda d comptitividad brasilira a ausência d um planjamnto stratégico ftivo, no País, para áras importantíssimas, como as d produção d tanol d biodisl. Existm apnas rmndos, lamnta Mndonça. Alxandr Eu diria qu vivmos a fas dos grãos. O biênio 2012/2013 tm por principal caractrística os prços altíssimos dos grãos. O marco d 2012 foi a grand sca nos Estados Unidos, um fnômno climático qu ocasionou uma qubra imnsa na produção do milho da soja amricanos. S por um lado, porém, os grãos stão nas alturas, por outro, 2012 vm s rvlando um ano problmático para o sgmnto d protína animal (qu o Brasil lidra globalmnt). Quando os grãos sobm, os custos da cadia d produção d carn, particularmnt os d suínos avs, sobm junto. Esss dois sgmntos vivm um ano dificílimo. O Brasil tv uma qubra antrior à amricana, por conta dla, os prços dos grãos da carn já haviam subi- Rvista Cargill Qual o cnário global do agrongócio su impacto no Brasil? 4 Rvista Cargill indd 4 04/12/ :03:09

5 do no mrcado intrno. Agora os prços dvm subir muito no mrcado intrnacional, com isso, nossos xportadors d protína animal dvm rcuprar boa part d sua rntabilidad. não chgam a configurar uma visão um planjamnto lógicos. Por razõs políticas comrciais, o prço da gasolina é o msmo há quatro anos. Há uma quda d produtividad no sgmnto d tanol, por conta das scas do ndividamnto dos produtors. Rvista Cargill Essa tndência sgu inaltrada m 2013? Alxandr Os prços dos grãos vão continuar altos. Não tanto como agora, mas ainda assim m patamars lvados. Provavlmnt a rntabilidad na cadia produtiva d avs suínos dv mlhorar. Rvista Cargill Por qu o Brasil tm dificuldads para mplacar o tanol como uma commodity global? Alxandr Acho qu isso acontc por duas razõs básicas. Qum usaria tanol lá fora obviamnt qur uma crtza d continuidad no suprimnto, hoj m dia, xist crta dsconfiança quanto ao Brasil nss aspcto. Compar a volução da produção. Em 2010 o Brasil produziu 25 bilhõs d litros d tanol. No ano sguint, 2011, foram apnas 20 bilhõs um rcuo d 20%. Est ano o númro não dv passar d 21 bilhõs d litros. Enquanto isso, os Estados Unidos, com todos os problmas d qum usa o milho como matéria-prima, já qu ss é um produto bm mais dmandado plos stors d alimntação, aproxima-s rapidamnt da marca d 50 bilhõs d litros anuais. Nossos programas d álcool stão stagnados. O qu u prcbo é uma dsconfiança gnralizada, tanto ntr produtors quanto consumidors. Não tnho dúvida d qu o stor irá voluir para uma ralidad mais sofisticada produzindo, a partir da matéria-prima agrícola, os msmos produtos xtraídos do ptrólo Rvista Cargill O Brasil corr o risco d s transformar num gigantsco forncdor d commoditis? Alxandr Eu não tnho dúvida d qu o stor irá voluir para uma ralidad mais sofisticada produzindo, a partir da matéria-prima agrícola, os msmos produtos qu são xtraídos do ptrólo (plástico, rsinas tc.). A tndência d industrialização da biomassa é muito fort, por conta dos avanços da tcnologia da infinidad d usos qu squr comçamos a fazr. A tndência é qu, gradualmnt, passmos a tr um stor álcool-químico, como hoj tmos o ptroquímico. Rvista Cargill E o uso dos grãos como matériaprima na produção d biocombustívl? Alxandr O biocombustívl vio para ficar. El é uma rsposta fundamntal diant dos problmas ambintais nfrntados hoj pla humanidad. Além disso, o Brasil smpr xibiu uma tcnologia muito avançada no stor. É, portanto, um produto d grand futuro. Lamntavlmnt, no ntanto, não tmos no Brasil nnhuma visão ou dirtrizs stratégicas ftivas para o produto sim uma séri d rmndos qu Oportunidads para uso do biodisl É nrgia rnovávl pod sr obtida a partir d uma séri d produtos agrícolas. As trras cultivávis podm produzir uma norm varidad d olaginosas como font d matériaprima para o biodisl. Além disso, a obtnção a quima do biodisl, formado por carbono nutro, não contribum para o aumnto das missõs d CO2 na atmosfra. Nnhuma modificação nos atuais motors do tipo ciclo disl é ncssária para qu ls funcionm bm com misturas d biodisl com disl d até 20%. Prcntuais d mistura acima d 20% rqurm avaliaçõs mais laboradas do dsmpnho do motor. 5 Rvista Cargill indd 5 04/12/ :03:19

6 Promovndo a ducação nutricional Foto: Arquivo Cargill r s p o n s a b i l i d a d s o c i a l 6

7 Cargill apoia programas organizaçõs qu incntivam a nutrição a saúd d pssoas qu vivm nas comunidads ond stão as opraçõs da mprsa ao rdor do mundo Apobrza a fom ainda gram númros alarmants s tornaram um grand dsafio às ntidads qu buscam a sua rradicação. As Naçõs Unidas stimam qu crca d 925 milhõs d Solidaridad no Brasil Conhça, a sguir, as principais açõs sociais da Fundação Cargill. d grão m grão Criado m 2004 para promovr dissminar concitos sobr alimntação saudávl, sgura sustntávl, o Programa d grão m grão tm ralizado invstimntos anuais qu favorcram 446 mil alunos, ducadors mrndiras d scolas municipais m qu a Cargill stá prsnt, totalizando a produção d mais d 700 tonladas d hortaliças. Parcria com o Ssi Nutricionistas ministram cursos com concitos práticas para uma culinária saudávl conômica, abordando também tmas como a utilização intgral dos alimntos, prvnção a donças como obsidad, colstrol alto, hiprtnsão diabts. A parcria com o Ssi bnficiou 883 pssoas nos municípios d São Paulo, Porto Frrira, Patrocínio Paulista Rstinga (SP), Ilhéus (BA), Ponta Grossa (PR) Itumbiara (GO). Faznda Exprimntal m Ubrlândia Em parcria com a Emprsa d Psquisa Agropcuária d Minas Grais (Epamig) a Prfitura Municipal d Ubrlândia, apoia a difusão d tcnologia d boas práticas agrícolas para pqunos produtors por mio d trinamnto spcífico da manutnção d um viviro d hortaliças frutas. Parcria com o CAT o Pti O acordo promovu apoio à rforma d cozinha, palstras com a comunidad implantação d horta na Casa d Abrigo Tmporário - CAT. Além disso, foi ralizado o mapamnto do stado nutricional m crca d 600 crianças do Pti (Programa d Erradicação do Trabalho Infantil). pssoas, pouco mais d 15% da população mundial, vivm m complto stado d dsnutrição. Ess prcntual é ainda maior m paíss m dsnvolvimnto na África Subsaariana. Todos os dias morrm crca d 16 mil crianças d causas rlacionadas à fom. Por conta dssa ralidad procupant, a Cargill vm lidrando, nos últimos cinco anos, um movimnto qu tm uma mta ambiciosa: acabar com a fom no mundo. Para atingir su objtivo, até agora a mprsa contribuiu anualmnt com mais d US$ 55 milhõs m açõs m todo o planta, por mio d organizaçõs globais, nacionais locais. Os sforços são concntrados no aprimoramnto d práticas agrícolas d sgurança alimntar, qu ajudam a mlhorar a rnda os mios d subsistência das comunidads bnficiadas. A mprsa atua também na busca d parcrias para ncontrar soluçõs d longo prazo para diminuir a fom mlhorar a nutrição. No Dia Mundial da Alimntação, commorado m 16 d outubro, a Cargill rnovou su compromisso para a rradicação da fom no mundo aprsntou suas iniciativas m divrsos paíss. Na África, por xmplo, a mprsa auxilia 49 mil produtors d cacau d Gana a mlhorar sua prática d plantio su padrão d vida, é parcira d uma instituição qu ajuda 100 mil fazndiros a tornar suas plantaçõs d algodão mais lucrativas. Já na Índia, contribuiu na criação do primiro banco d alimntos do país. Em Honduras, ajudou a construir 27 cozinhas m scolas, mnsalmnt, doa alimntos para 70 instituiçõs. Na Bolívia, fornc rcursos para a produção d mrnda scolar para mais d 30 mil crianças. Para viabilizar as açõs sociais no Brasil, ond o índic d subnutrição gira m torno d 6,9%, a Fundação Cargill passou a apostar st ano m iniciativas focadas m alimntação saudávl, sgura, acssívl sustntávl, dsd a produção no campo até a msa do consumidor. Em 2012, a Fundação Cargill colocou m prática 15 projtos qu bnficiaram pssoas m 20 municípios. Por mio d açõs como ssas, a Cargill s mantém firm m su compromisso, continuando a invstir m novas tcnologias parcrias para alimntar milhars d pssoas m todo o planta. 7

8 s p c i a l Nova frontira Cargill ntra no mrcado brasiliro d biodisl com o início das opraçõs da nova Unidad m Três Lagoas (MS) um invstimnto d R$ 130 milhõs ACargill marcou sua ntrada, no final d agosto passado, no mrcado brasiliro d biodisl. Até aqui a companhia atuava no sgmnto apnas nos Estados Unidos, na Bélgica, na Almanha na Argntina. O marco nacional foi o comço das opraçõs d uma nova Unidad produtiva da commodity no município sul mato-grossns d Três Lagoas. Fruto d um invstimnto d R$ 130 milhõs, a planta, quidistant dos grands cntros produtors d matéria-prima dos principais mrcados consumidors, tm uma capacidad produtiva d 200 mil tonladas/ano (ou 700 mtros cúbicos diários). Mundialmnt poucos stors crscram tanto quanto o biodisl no Brasil, diz Elcio d Anglis, grnt comrcial para Biodisl da Cargill. As prspctivas são d qu l dobr nos próximos cinco ou dz anos. A companhia já atua na comrcialização d grãos, além da produção d farlo, ólos, gorduras ólos industriais lubrificants. A matriz d produção da nova Unidad srá a soja. Não à toa, a fábrica rcém-inaugurada foi instalada junto a uma procssadora d soja do grupo. A atividad trará uma important opção para o scoamnto do ólo ali produzido, prmitindo à Cargill sua ntrada no sgmnto d biodisl, afirma Paulo Sousa, dirtor da Unidad d Ngócio Grãos Procssamnto d Soja. S ainda pod sr considrada rlativamnt tímida m su volum d produção (qu quival a crca d 3% do consumo nacional d biodisl), a Unidad traz inúmras inovaçõs do ponto d vista da construção do ngócio 8

9 m spcial da cadia d forncdors qu, por mio do Programa Cargill d Agricultura Familiar, nvolv crca d pqunos produtors suas famílias. Fotos: Arquivo Cargill Endrço stratégico O município d Três Lagoas ostnta uma localização privilgiada. Está praticamnt cravado ntr as rgiõs Cntro-Ost Sudst. A primira é a maior produtora d soja, sua matéria-prima. A sgunda é o maior cntro consumidor d biodisl da América Latina. Essa vantagm comptitiva prmit qu a nova fábrica da Cargill alongu su potncial para oprar m difrnts modais logísticos (rodoviário, frroviário fluvial). A fábrica, obviamnt, conta com o conhcimnto a xpriência intrnacionais adquiridos pla Cargill na produção d biodisl. A tcnologia utilizada na planta é almã, idêntica, aliás, à das dmais cinco fábricas do grupo, situadas nos Estados Unidos (2), na Argntina, na Bélgica na Almanha. O mrcado d biodisl stá m franca xpansão no Brasil. Em 2006, a produção m scala industrial ra praticamnt inxistnt. Em apnas cinco anos (m 2011) la alcançou um total d mais d 2,5 milhõs d mtros cúbicos. Há, ntr os mprsários xcutivos do stor, um indisfarçávl otimismo quanto às prspctivas do ngócio. Explica-s: tal aumnto xprssivo da última mia década dvu-s à obrigatoridad da adição d 5% d biodisl m todo o ólo disl distribuído no País, acréscimo qu origina um composto conhcido como B5. Hoj muitos órgãos já dfndm a lvação dss prcntual para B10 ou msmo B20, m s tratando 9

10 s p c i a l Foto: Arquivo Cargill No programa d agricultura familiar, a Cargill stablc boa rlação com os produtors, ofrcndo a ls assistência técnica ncssária para um plantio d qualidad das rgiõs mtropolitanas. D todo modo, msmo qu o nívl d mistura obrigatório prmança inaltrado, o consumo d biodisl crsc com o aumnto do consumo do disl, consumo st qu stá dirtamnt ligado ao crscimnto da conomia no Brasil. Além disso, o stor, smpr alvo d fort rgulamntação pla Agência Nacional do Ptrólo (ANP) vai aos poucos s dsburocratizando. Eu não tnho dúvida d qu, m mais alguns anos, srmos um mrcado d livr ngociação, aposta o grnt comrcial Elcio. S quando isso ocorrr, dcrto a Cargill stará bm posicionada apta a dar um novo salto. Ngócios m família Talvz o lmnto qu mlhor simboliz as boas práticas lvadas a cabo pla Cargill na concpção d sua nova Unidad sjam as rlaçõs rsponsávis qu a companhia stablc com os produtors rurais qu adotam o modlo da agricultura familiar, m consonância com os parâmtros normativos do Ministério do Dsnvolvimnto Agrário para o stor. Sm a agricultura familiar, nosso programa d biodisl squr xistiria, xplica Elcio. D fato, m 2012, a mprsa du a largada m um programa d compra d soja d crca d pqunos produtors ofrc a ls toda a assistência técnica, compromisso, rsponsabilidad padrão d qualidad d uma companhia prsnt no agrongócio há mais d 145 anos. A própria mprsa, sclarc Elcio, tv d prparar os sus quadros para mlhor grir ssas rlaçõs com a comunidad. Part da compra d soja stá sndo fita d pqunas propridads agrícolas, basadas na agricultura familiar, o qu prmitiu à Cargill a obtnção da concssão do Slo Combustívl Social. Para isso, foi ncssária a spcialização d funcionários da ára d originação (compra 10

11 d grãos), tanto comrcial quanto administrativa, para ofrcr o suport ncssário com políticas spcíficas d fomnto d produção compra do fluxo da soja produzida por agricultura familiar, xplica o grnt. Ainda sgundo o xcutivo, a Cargill contratou mprsas d assistência técnica para orintar as famílias nas difrnts fass da produção. Os técnicos agrícolas ralizam quatro visitas anuais ao forncdor. Nlas analisam o trrno orintam os agricultors até a colhita, qu chga dirtamnt nos armazéns da Cargill. Ess convívio sistmático com muita frquência dságua m um strito rlacionamnto. Nossos técnicos não ntndm apnas d soja muitas vzs dão conslhos valiosos para os agricultors m outras áras, como granjas, hortifrútis outras criaçõs. Slo Combustívl Social Atualmnt a mprsa adquir soja d Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás, Paraná, Rio Grand do Sul, Minas Grais Santa Catarina. Para o próximo ano, vmos oportunidads para iniciar a atuação m agricultura familiar também no Pará, complmnta Elcio. Os contratos ntr a companhia as famílias são smpr avalizados plos sindicatos rurais d cada rgião. A prsistência o sucsso nssas boas práticas dram à Cargill um valioso rconhcimnto m novmbro: o Slo Combustívl Social. Trata-s d uma idntificação concdida plo MDA (Ministério do Dsnvolvimnto Agrícola) aos produtors d biodisl qu promovm a inclusão social o dsnvolvimnto rgional por mio d gração d mprgo rnda para os agricultors familiars do Pronaf (Programa Nacional d Agricultura Familiar). Com ss slo, o produtor d biodisl tm acsso a alíquotas d PIS/Pasp Cofins com coficints d rdução difrnciados a mlhors condiçõs d financiamntos junto aos agnts financiros. Também pod usar o slo para fins d promoção comrcial, além d parcla xclusiva da dmanda nos lilõs d biodisl para os dtntors do slo. É dssa manira, unindo tcnologia d ponta, stratégia m logística, bom rlacionamnto com os produtors com sus clints, além d rsponsabilidad ambintal, qu a Cargill raliza os sus ngócios no Brasil no mundo. E o biodisl é mais um stor no qual a mprsa irá atuar fortmnt. Unidad m númros A Cargill já participou do primiro lilão organizado pla Ptrobras, ocorrido no final d stmbro, com um volum vndido d m³ para ntrga nos mss d outubro, novmbro dzmbro. O volum vndido rprsntou 52% da capacidad instalada, a fábrica já funciona a plno vapor. Capacidad produtiva: 200 mil tonladas/ano Capacidad d carrgamnto: 700 m³/dia Ilustração: Arquivo Arco W/123-RF 11

12 Dsnvolvimnto sustntávl rsponsabilidad social a r t i g o Foto: Arquivo Cargill mprsarial: um concito m volução Yuri Frs* Açõs dsnvolvidas pla Cargill buscam mlhors práticas m toda a cadia produtiva Odsnvolvimnto sustntávl a rsponsabilidad social são idias qu s msclam stão cada vz mais prsnts m nosso dia a dia, sja no contato com nossos clints, no rlacionamnto com as comunidads m qu atuamos, m nossa vida familiar ou nas nossas dcisõs corporativas. Mas como sss tmas influnciam a manira d fazrmos ngócios? O concito d rsponsabilidad social mprsarial ainda é novo. Apnas nos últimos 20 anos, a socidad passou a discutir sistmaticamnt o papl a importância das mprsas na contribuição para o dsnvolvimnto sustntávl. No âmbito corporativo, ss concito pod sr intrprtado como um modlo d gstão conomicamnt viávl, socialmnt justo cologicamnt corrto. Isso s traduz m uma rlação ética transparnt da mprsa com todos os sus públicos d rlacionamnto m uma atuação rsponsávl, qu impulsiona também o dsnvolvimnto da socidad prsrvando rcursos ambintais culturais. E o qu isso tm a vr com a Cargill? O dsnvolvimnto sustntávl s coloca como um tma stratégico para a Cargill. Dsnvolvmos iniciativas importants qu visam garantir a prnidad dos nossos ngócios contribuir para o dsnvolvimnto social d nosso País, nglobando dsd a origm das matérias-primas qu utilizamos até o pós-vnda d nossos produtos. Por srmos uma das principais mprsas d alimntos no mundo, atuamos m difrnts pontos das mais variadas cadias d valor. Essa atuação pod sr por mio da originação d produtos agrícolas, plo procssa- mnto d insumos industriais ou pla produção d itns para o consumidor final. Além d açõs para rduzir as missõs atmosféricas mlhorar o aprovitamnto dos rcursos naturais m nossas fábricas, tmos bons xmplos d compromissos storiais d iniciativas qu dmonstram o cuidado o compromtimnto da Cargill m todas as tapas das cadias produtivas. Nos ngócios d soja cacau, dsnvolvmos projtos m parcria com a ONG TNC (Th Natur Consrvancy), qu incntiva a adoção d mlhors práticas d produção ajuda agricultors a rgularizar suas propridads por mio do Cadastro Ambintal Rural (CAR). Outro xmplo é o nosso compromisso com o Pacto Nacional pla Erradicação do Trabalho Escravo, ond trabalhamos para garantir qu não ralizamos ngócios com mprgadors qu tnham sido flagrados utilizando práticas d trabalho dgradants. Também invstimos na ducação snsibilização d caminhoniros no qu diz rspito ao combat à xploração sxual d crianças adolscnts nas stradas. Acrditamos qu, atuando com bas nss modlo d ngócio mais sustntávl, podmos potncializar garantir o crscimnto d nossos ngócios ao msmo tmpo m qu contribuímos para a manutnção d um mio ambint quilibrado uma socidad mais justa inclusiva. * Yuri Frs é grnt da ára d Rsponsabilidad Corporativa da Cargill no Brasil 12

13 P R D volta à mídia. Nos mss d agosto a outubro, a Cargill invstiu m açõs d comunicação m tlvisão, intrnt rvista para três das suas principais marcas. A marca Maria stv prsnt nas páginas d st grands publicaçõs nacionais, como Ana Maria Manquim. Além disso, o produto stampou painéis nos mtrôs nas TVs d ônibus conhcimnto no mrcado. Em outubro, a Cargill a Nutron rcbram o prêmio Mlhors do Agrongócio 2012, concdido pla rvista Globo Rural, da Editora Globo. A prmiação basias m dados coltados pla Srasa Exprian rlativos ao xrcício d A Cargill foi rconhcida na catgoria d Mlhor Indústria d Soja Ólos a Nutron, na d Raçõs. Em stmbro, a Cargill também dstacou-s na catgoria Alimntos Agrongócio do prêmio Balanço Anual/Mlhors dos Maiors 2012, organizado pla Associação Comrcial d São Paulo (Acsp) plo jornal Diário do Comércio. Ess prêmio rssalta o spírito d mprnddorismo das mprsas, fator ncssário para o dsnvolvimnto do Brasil. d São Paulo Blo Horizont. Já a marca Liza foi xibida na rvista Caras nos intrvalos dos principais programas dos canais Globo, Rcord Bandirants, m importants cidads do País. Outro dstaqu foi o rtorno da campanha d mídia do xtrato d tomat Elfant, agora como marca da Cargill. O produto foi viculado com um film xclusivo, qu traz à tona os principais bnfícios rndimnto, cor sabor d manira simpática lúdica pla prsnça do prsonagm Jotalhão. Anúncios m rvistas fmininas, mrchandising nos programas Mais Você, com Ana Maria Braga, Hoj m Dia, com Edu Guds, também passaram a msma mnsagm. Todas as açõs fortalcm as marcas da Cargill potncializam a atuação da mprsa na ára d produtos d consumo. d M lhor xpositor. A Cargill rcbu o prêmio d Mlhor xposição d produtos na Abad, na 32ª Convnção Anual do Atacadista Distribuidor, ralizada m agosto, no Rio d Janiro. O stand da mprsa aprsntou o portfólio complto d produtos das áras d Food Srvic d Rtail. Os dstaqus foram os azits Gallo La Española, os atomatados das marcas Pomarola, Tarantlla Elfant, a linha Liza com ólos spciais, molhos para saladas maionss. Já para a linha d Food Srvic a Cargill xpôs, além dos itns xclusivos das marcas Gallo Liza, as gorduras para panificação Al Chf o itm xclusivo Ovomaltin. O difrncial da participação no vnto foi a conctividad ntr as duas áras da mprsa, aprsntando aos clints a gama d produtos comrcializados pla Cargill para o stor atacadista. s t a q u s Fotos: Arquivo Cargill raticidad qualidad. Lançados m outubro m todo o País, Pizza Manjricão são os dois novos sabors da linha Molho Pronto Tarantlla. Além d ajudar a variar o cardápio, os produtos são adquados para as famílias modrnas: basta aqucr srvir. Saborosos, práticos d alta qualidad, chgam para aumntar o volum d vndas da marca, qu já contava com o sabor Tradicional. 13 Rvista Cargill indd 13 04/12/ :03:43

14 B s arbcu: da ntrada ao prato principal. A marca Liza ganhou mais um itm para su portfólio: o molho Liza Barbcu. Para atndr às dmandas crscnts do mrcado por inovação praticidad, a Cargill Food Srvic dsnvolvu um produto d alta qualidad prço acssívl. O novo molho Liza Barbcu acompanha pratos como costlinhas suínas, carns, grlhados, porçõs fritas, fondus também é rsistnt ao procsso d marinar. Além do sabor difrnciado, outra vantagm é a sua validad após abrto, maior do qu a da concorrência. O molho Liza Barbcu já stá disponívl para distribuidors rds atacadistas do País. u C d s t a q acau sustntávl. Em stmbro, a Cargill, a ONG Th Natur Consrvancy (TNC), o Ministério da Agricultura por mio da Comissão Excutiva do Plano d Lavoura Cacauira (Cplac) a Cooprativa Altrnativa dos Pqunos Produtors Rurais Urbanos, d São Félix do Xingu (Cappru), assinaram um acordo d coopração técnica, válido por três anos, para implantação do projto Cacau mais sustntávl na microrrgião d São Félix do Xingu, no Pará. Essa atividad contribuirá para rcuprar a vgtação nativa d áras dgradadas, promovr a produção d cacau grar rnda para ssa população. F N ovo sabor. A Cargill lan lançou, m stmbro, mais um sabor para a linha d molhos para salada Liza: Ervas Finas. A novidad é produzida com rvas spciarias slcionadas contém apnas 20 kcal por porção. Comparando com os principais concorrnts d mrcado, o novo molho aprsnta mnos calorias, mnos gordura mnor tor d sódio. Ervas Finas ntra no mrcado para fortalcr a prsnça da marca, atrair novos consumidors mantr a lidrança d Liza m molhos para salada. I novação m alimntos. Em agosto, na cidad d Foz do Iguaçu (PR), acontcu o 16º Congrsso Mundial d Ciência Tcnologia d Alimntos, ond a Cargill marcou prsnça com a aprsntação da linha d substitutos d gordura ood Srvic m dbat. Plo quinto ano conscutivo, a Cargill patrocinou o Congrsso Intrnacional d Food Srvic da Abia Associação Brasilira das Indústrias da Alimntação, ralizado m São Paulo, m stmbro. O vnto runiu crca d 500 participants, ntr ls fabricants d alimntos insumos ntidads d class. Durant o ncontro, foram aprsntadas psquisas d mrcado tndências, como a mobilidad social na pirâmid d rnda o crscimnto do consumo d produtos industrializados. Os novos dados propiciaram a troca d xpriências ntr os participants dbats sobr oportunidads no stor industrial, sobrtudo para o Food Srvic. SlimTx4, sob o tma Substitutos d gordura: o dsafio d mantr as caractrísticas snsoriais sm compromtr a saúd. O vnto tv como objtivo promovr trocas d informaçõs, discussõs oportunidads d coopração intrnacional ntr spcialistas d alimntos d todo o mundo. Com mais d 3 mil participants d 5 continnts, ssa foi a primira vz qu o congrsso foi ralizado m um país latino-amricano. O ncontro foi patrocinado pla Unidad d Ngócio Amidos & Adoçants da Cargill. 14 Rvista Cargill indd 14 04/12/ :03:44

15 P rimira Colhita. Acabam d chgar ao Brasil a dição limitada do Gallo Azit Novo as Azitonas Novas, qu compõm a linha Prmium Primira Colhita aliam ao sabor único dos produtos Gallo os concitos d inovação sofisticação qu trazm lidrança à marca no stor d azits no País. Para a dição , além d numrada, a garrafa do Gallo Azit Novo tm dsign difrnciado vm m uma caixa transparnt, qu possibilita a visualização do produto. Outra novidad é qu, na compra do produto, os consumidors ganham um pratinho d porclana. Para o lançamnto da linha Primira Colhita, havrá açõs publicitárias m rvistas, intrnt TV a cabo. Gallo stampada m jogos amricanos, galhtiros guarda-sóis nas praias do litoral Nort d São Paulo (SP), Rio d Janiro (RJ), Florianópolis (SC), Balnário Camboriú (SC) Porto d Galinhas (PE). d n u m o l fábricas d procssamnto d ólo d canola no Canadá. Uma dlas stá localizada m Camros, na província d Albrta, dvrá star concluída até Trá capacidad para procssar 850 mil tonladas métricas d canola por ano irá grar 50 mprgos dirtos. A sgunda rfinaria srá uma fábrica com scala mundial com ndrço m Clavt, na província d Saskatchwan. Quando ntrar m opração, m 2014, trá capacidad d procssar mais d 1,5 milhão d tonladas métricas d canola ao ano mprgará mais d 230 funcionários. A inauguração das rfinarias dmonstra a confiança da Cargill no crscimnto na comptitividad do mrcado para o ólo d canola no Canadá. A Cargill lançou o adoçant Truvia no Fotos: Arquivo Cargill V rão com a Cargill. Para incrmntar as vndas nssa época do ano aumntar a visibilidad das marcas, a Cargill invstiu no Plano Vrão 2012/13, uma campanha ralizada d outubro a janiro. Pla primira vz, a ação aprsnta o portfólio d Food Srvic da marca Gallo acompanhado dos molhos para salada, das maionss do lançamnto do molho Barbcu, todos da marca Liza. Os produtos stão prsnts m vários rstaurants, a marca A Cargill anunciou a construção d duas C argill na Fisa. Est ano, a Cargill marcou prsnça na 16ª dição da fira Food Ingrdints South Amrica a maior do sgmnto d ingrdints alimntícios da América do Sul. Na ocasião, aprsntou soluçõs inovadoras para alimntos bbidas, como bolos, sorvts balas, dsnvolvidas pla Cargill no Cntro d Inovação para a América Latina, m Campinas (SP). O vnto ocorru ntr os dias d stmbro, m São Paulo. p to do Conslho Emprsarial Estados Unidos-Costa do Marfim com as Câmaras d Comércio dos EUA da Costa do Marfim também com grands mprsas nortamricanas. O prsidnt da Cargill, Grg Pag, stv prsnt na crimônia, m Nova York. Na ocasião, Grg afirmou qu a troca d conhcimntos, propiciada pla formação do Conslho Emprsarial aliada a invstimntos ao comércio intrnacional d longo prazo, pod mlhorar o sustnto das pssoas stimular o crscimnto conômico. O Conslho atua como um fórum d diálogo fomnto aos sforços da Costa do Marfim para lvar maior prospridad aos sus cidadãos, afirmou o xcutivo. o A companhia participou do lançamn- L ançamnto do C*iCoat. No dia 17 d outubro, a Cargill promovu no Cntro d Inovação, m Campinas (SP), um vnto para o lançamnto do C*iCoat um biopolímro ligant para a indústria d papl rvstido, produzido a partir d fonts naturais rnovávis. O vnto foi prstigiado plos principais clints do stor contou com a participação d Ivo Baumann, spcialista m aplicação d rvstimnto d papl da Cargill Europa, para discutir as tndências movimntaçõs dss mrcado. mrcado vnzulano, utilizando as mídias sociais como part da stratégia d comunicação. Em três mss d campanha, Truvia intragiu com mais d 9 mil pssoas no Facbook, alcançou o númro d 2 mil sguidors do Twittr tv mais d visualizaçõs no blog oficial da marca no canal do YouTub. O lançamnto do adoçant Truvia na América do Sul consolida o mrcado intrnacional da Cargill para ss ngócio. Truvia é um substituto natural do açúcar, sm calorias à bas d xtrato da folha d stévia. D sabor agradávl, o produto também compõ vários ingrdints d alimntos bbidas, incluindo iogurts, barras d crais sucos. 15 Rvista Cargill indd 15 04/12/ :03:47

16 ANÚNCIO

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2013 À 2016

PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2013 À 2016 PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2013 À 2016 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Pé d Vnto foi fundada m junho d 1983, plo trinador médico da quip, o doutor m mdicina ortomolcular, Hnriqu Vianna. Ao longo d sua xistência

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Catya Marqus Agostinho

Leia mais

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra Estado da art do softwar d minração o impacto nas mlhors práticas d planjamnto d lavra Prof. Dr. Giorgio d Tomi Profssor Associado, Dpto. Engnharia d Minas d Ptrólo da EPUSP Dirtor d Opraçõs, Dvx Tcnologia

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Pás de aço para geradores eólicos são 90% mais baratas Site Inovação Tecnologócia 15/05/2015

Pás de aço para geradores eólicos são 90% mais baratas Site Inovação Tecnologócia 15/05/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 15 d maio d 2015 Sxta-Fira - # 1.544 Pás d aço para gradors ólicos são 90% mais baratas

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international Employr Branding José Bancaliro Managing Partnr da Stanton Chas intrnational Num mundo marcado pla globalização, a complxidad a comptitividad no qual o talnto humano s transformou no principal factor d

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL

A PRODUÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL A PRODUÇÃO DE CAFÉ NO BRASIL Alxandr Carlos dos Santos Faria, Fridhild M.K. Manolscu 2 2 Ciências Sociais Aplicadas Univrsidad do Val do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 29 Urbanova CEP: 2244- São José dos

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009 Cartão o d Crédito: Concntraçã ção o Custos Câmara dos Dputados - Comissão d Finanças Tributação 8 d outubro d 2009 Agnda 2 Indústria d cartõs d pagamntos Concntração Infra-strutura Estrutura d custos

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 3º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Atividades desenvolvidas pela secretaria da Agricultura Fomento Agropecuário e Meio Ambiente durante o ano de 2009.

Atividades desenvolvidas pela secretaria da Agricultura Fomento Agropecuário e Meio Ambiente durante o ano de 2009. Ativis snvolvis pla scrtaria Agricultura Fomnto Agropcuário Mio Ambint durant o ano 2009. Locação um imóvl: Com a locação do novo spaço para funcionamnto Scrtaria Agricultura, EPAGRI microbacia, o spaço

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2 MARKETING DIGITAL: MARKETING PARA O NOVO MILÊNIO Cli An Barbosa da Cruz 1, Lângsson Lops da Silva 2 O prsnt artigo busca analisar o markting digital, como um lmnto difusor da intração ntr clints organizaçõs,

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe

A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE. A presença da língua espanhola no Nordeste e o caso de Sergipe Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A IMPLEMENTAÇÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS DE SERGIPE Doris Cristina Vicnt da Silva Matos (UFS) Considraçõs iniciais Chgamos a 2010,

Leia mais

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno Pág. 1 Caractrização Curso: PROEJA-FIC ( Curso d Formação Inicial Continuada m Alimntação Intgrado ao Ensino Fundamntal na Modalidad d EJA) Ano/Smstr ltivo: 2011 Príodo/Séri: 5ª a 8ª séri Turno: ( ) Matutino

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33 Balanço Social Em 31 d dzmbro d 2015 2014 1 - Bas d Cálculo 2015 Valor (Mil rais) 2014 Valor (Mil rais) Rcita líquida (RL) 190.202 292.969 Rsultado opracional (RO) 111.720 (16.955) Rsultado Financiro (29.648)

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL PLANO DE ACÇÃO O Plano acção é um documnto anual ond s idntificam os projctos intrvnçõs prvistas para cada ano, dvidamnt nquadradas nas stratégias dfinidas m Plano d Dsnvolvimnto Social. No sgundo PDS,

Leia mais

AJUSTE FISCAL ESTRUTURAL E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. PROJETO GOVERNO DO ESTADO / PGQP Secretaria da Fazenda

AJUSTE FISCAL ESTRUTURAL E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. PROJETO GOVERNO DO ESTADO / PGQP Secretaria da Fazenda AJUSTE FISCAL ESTRUTURAL E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA PROJETO GOVERNO DO ESTADO / PGQP Scrtaria da Faznda 10 d Março d 2008 AGENDA Estratégia d Govrno 3 Eixos Frnts d Trabalho Govrno/PGQP Rsultados

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone

Confirmação dos dados cadastrais + Alerta de Documentos + Confirmação do telefone Tabla d Prços C PRODUTO Dscritivo Insumos Consultas d Balcão Consulta com imprssão d xtrato simplificado d rgistros, com composição idêntica à Dclaração Consumidor SóChqu Confirm PJ Confirmação dos dados

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária Alunos dos 1 anos participam concurso xposiçõs sobr Inovação Sustntabilida na Agropcuária Na última trçafira, 23 junho, as turmas Curso 1 anos Técnico do m Agropcuária participaram do concurso xposiçõs

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

Gestão de Saúde Empresarial

Gestão de Saúde Empresarial Gstão Saú Emprsarial Uma parcria indispnsávl para a sua tranquilida As soluçõs m Gstão Saú Emprsarial do Imtp foram criadas sob mdida para garantir a saú do su capital humano. Imtp tornou-s rfrência m

Leia mais

Princípios do Equador

Princípios do Equador RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DO BRASIL Princípios do Equador NOVEMBRO DE DE 2006 2006 Histórico 1995 PROTOCOLO VERDE 1998 SELO IBASE 2003 CONCEITO E CARTA DE PRINCÍPIOS DE RSA PACTO GLOBAL

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidad Didáctica: Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. Comprndr qu a vida dos srs vivos assgurada pla ralização d funçõs spcíficas;. Comprndr qu as funçõs vitais rqurm nrgia;. Assumir-s

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ Pdro Valdcir Ribiro UNICENTRO/Irati Ms. Marcla d Fritas Ribiro Lops UNICENTRO/Irati 1.Introdução A língua spanhola

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009 Cartão o d Crédito: Custos das Opraçõ çõs no Brasil Audiência Pública Câmara dos Dputados CFT dzmbro d 2009 Instrumntos d Pagamnto Quantidad d transaçõ çõs Evoluçã ção Milhõs d transaçõ çõs 2 Intrbancários

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europu PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A prnchr plo IEFP, I. P. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Cntro d Emprgo Data d Rcpção - - Númro do Procsso

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Gstão d Riscos Abordagm Prática Igor Rocha Frrira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Agnda Brv Histórico da Gstão d Riscos As Organizaçõs, sus Sgmntos Procssos Maturidad d Gstão d Riscos Transição para a Gstão Intgrada

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

análise das Emissões de GEE no brasil (1990-2012) Setor Agropecuário Documento de Análise Marina Piatto Coordenação Técnica Imaflora

análise das Emissões de GEE no brasil (1990-2012) Setor Agropecuário Documento de Análise Marina Piatto Coordenação Técnica Imaflora Documnto d Anális anális das Emissõs d GEE no brasil (1990-2012) Stor Agropcuário Coordnação Técnica Imaflora Equip Técnica Marina Piatto Rvisão Luis Frnando Guds Pinto Shiguo Watanab Jr Tasso Azvdo Tharic

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE FORMAÇÃO PERMANENTE TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS. Formação.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE FORMAÇÃO PERMANENTE TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS. Formação. TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS Projtos Projtos /contraturno /contraturno para para crianças crianças 0 0 a a 5 5 anos anos TÓPICOS - OCEANOGRAFIA / / Projtos Projtos Planjamnto Planjamnto / / TÓPICIOS - ANTROPOLOGIA

Leia mais

SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP

SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP 2008 PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA EMPREENDEDORISMO 2 Sumário. Introdução 3 2. Justificativa 3 3. Objtivos 5 4. Coordnação do Curso 5 5. Formação dos Coordnadors 5 6. Caractrísticas

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA

UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA Encontro d Ensino, Psquisa Extnsão, Prsidnt Prudnt, 0 a 3 d outubro, 014 0 UMA INTRODUÇÃO A TOPOLOGIA TÍTULO DO TRABALHO EM INGLES Mário Márcio dos Santos Palhars 1, Antonio Carlos Tamarozzi² Univrsidad

Leia mais

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros A Crtificação d Qualidad na Ára d Sgur Importância da difrnciação pla Qualidad do Srviço/ Produto Principal Canal Canal d d Distribuição Tlfon Intrnt Má Má imagm d d Call Call Cntrs Dificuldad m m difrnciar

Leia mais

e n e e A SIPAT Integrada 2012 Teófilo Otoni 07 a 11-05-2012

e n e e A SIPAT Integrada 2012 Teófilo Otoni 07 a 11-05-2012 In a n a m t a rn d Prv n çã o d A SIPAT Intgrada 2012 Tófilo Otoni 07 a 11-05-2012 ci d nt S Fnord Cmig Tófilo Otoni Projcl Engnharia Ltda. Rdl Eltrificaçõs Fundação Educacional Nordst Miniro s Gast tmpo

Leia mais

e e e e e e e e e e e e e e e

e e e e e e e e e e e e e e e DESCRIÇÃO DO PROJETO A Voz das Avós das Quatro Dirçõs do Planta Em outubro d 2011, Brasília srá palco d um ncontro qu irá valorizar a divrsidad cultural spiritual do Brasil do mundo: a Voz das Avós das

Leia mais

HOTELARIA PLANEJAMENTO E GESTÃO

HOTELARIA PLANEJAMENTO E GESTÃO HOTELARIA PLANEJAMENTO E GESTÃO Mario Ptrocchi Capítulo 2 na hotlaria Slids d apoio para o profssor Livro-txto para disciplinas d administração m hotlaria As bass do planjamnto stratégico O planjamnto

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Terminologia em agropecuária: elaboração de glossários no par linguístico português-espanhol, voltados para o ensino da tradução técnica

Terminologia em agropecuária: elaboração de glossários no par linguístico português-espanhol, voltados para o ensino da tradução técnica Trminologia m agropcuária: laboração d glossários no par linguístico português-spanhol, voltados para o nsino da tradução técnica Introdução Francisca Prira da Silva - IFRR A psquisa intitulada Trminologia

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

ÉTICA EMPRESARIAL UM COMPROMISSO SOCIAL QUE PODE MAXIMIZAR RESULTADOS. Fernanda Ribeiro Roda¹, Rafael de Souza Fonseca², Valdevino Krom

ÉTICA EMPRESARIAL UM COMPROMISSO SOCIAL QUE PODE MAXIMIZAR RESULTADOS. Fernanda Ribeiro Roda¹, Rafael de Souza Fonseca², Valdevino Krom ÉTICA EMPRESARIAL UM COMPROMISSO SOCIAL QUE PODE MAXIMIZAR RESULTADOS Frnan Ribiro Ro¹, Rafal d Souza Fonsca², Valdvino Krom 3 1 Aluna Faculd d Administração d Emprsas Ngócios Univrsid do Val do Paraíba.

Leia mais

Revista Brasileira de Agroecologia Rev. Bras. de Agroecologia. 9(2): 3-14 (2014) ISSN: 1980-9735. Panorama dos cursos de agroecologia no Brasil

Revista Brasileira de Agroecologia Rev. Bras. de Agroecologia. 9(2): 3-14 (2014) ISSN: 1980-9735. Panorama dos cursos de agroecologia no Brasil Rvista Brasilira d Agrocologia ISSN: 1980-9735 Panorama dos cursos d agrocologia no Brasil Panorama of agrocology courss in Brazil BALLA, João Vitor Quintas1; MASSUKADO, Luciana Miyoko2; PIMENTEL, Vania

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA PROFESSORES 2015-2016 (2º príodo) Atualizado a 05-01-2016 (http://criatividad.nt) Nota: O prço d

Leia mais

Nova certificadora Opac Cerrado é lançada no Sebrae no DF. Outubro/2013

Nova certificadora Opac Cerrado é lançada no Sebrae no DF. Outubro/2013 90 Vinicius Lours Outubro/2013 Nova crtificadora Opac Crrado é lançada no Sbra no DF Sbra Nacional dfnd altraçõs no Estatuto das Micro Pqunas Emprsas Pág. 3 Parciros_m_Foco_OUT2013.indd 1 1 Nova política

Leia mais