SELETIVAS MINEIRAS PARA A LIGA DO DESPORTO UNIVERSITÁRIO 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SELETIVAS MINEIRAS PARA A LIGA DO DESPORTO UNIVERSITÁRIO 2015"

Transcrição

1 SELETIVAS MINEIRAS PARA A LIGA DO DESPORTO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO GERAL-

2 SÚMARIO PRINCIPIOS GERAIS 03 MODALIDADES 03 PODERES 03 COMISSÃO DE HONRA 04 COMITÊ ORGANIZADOR 04 Coordenação Geral 04 Direção Técnica 04 Direção Operacional 05 COMISSÃO DISCIPLINAR 06 RESPONSABILIDADES 07 PARTICIPAÇÃO 08 INSCRIÇÕES 09 CONGRESSO TÉCNICO 10 COMPETIÇÕES 11 CLASSIFICAÇÃO E DESEMPATE 12 UNIFORMES 12 ARBITRAGEM 13 PREMIAÇÃO 13 BOLETIM OFICIAL 13 CESSÃO DE DIREITOS 13 DISPOSIÇÕES GERAIS 14 REGULAMENTO ESPECÍFICO 15 BASQUETEBOL 16 FUTEBOL 20 FUTEBOL 7 SOCIETY 22 FUTSAL 25 HANDEBOL 28 JUDÔ 31 KARATÊ 34 RUGBY SEVEN 37 TAEKWONDO 39 VOLEIBOL 41 XADREZ 44

3 PRINCIPIOS GERAIS Art.1 - As Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 tem por finalidade aumentar a participação em atividades esportivas em todas as Instituições de Ensino Superior, promovendo a ampla mobilização da juventude universitária em torno do esporte, bem como, identificar talentos no cenário esportivo, desenvolver o intercâmbio sociocultural e desportivo entre os estudantes universitários, estimular o congraçamento dos universitários, estimulando a prática do esporte, visando o desenvolvimento da personalidade integral do jovem. Art.2 - Para todos os fins, os participantes das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 serão considerados conhecedores das regras esportivas adotadas pela FUME, deste Regulamento, Normas Especificas e Informes, ficando submetidos a todas as suas disposições e as penalidades que delas possam emanar. Art.3 - Esta competição concede o direito aos primeiros colocados em cada modalidade e naipe a disputarem as fases subsequentes da Liga do Desporto Universitário 2015 (promovidas estas ela CBDU- Confederação Brasileira do Desporto Universitário), ficando estes submetidos ao Regulamento das mesmas. MODALIDADES Art.4 - A Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário 2015 será disputada em 11 (ONZE) modalidades esportivas: Basquetebol (masculino/feminino); Futebol (masculino). Futebol Society (masculino) Futsal (masculino/feminino); Handebol (masculino/feminino); Judô (masculino/feminino); Rugby (masculino) Taekwondo (masculino/feminino); Karatê (masculino/feminino); Voleibol (masculino/feminino); Xadrez (masculino/feminino); PODERES Art.5 - Nas Seletivas Mineiras da Liga do Desporto Universitário 2015, serão reconhecidos os seguintes poderes: a) Comissão de Honra; b) Comitê Organizador; c) Comissão Disciplinar. 3

4 COMISSÃO DE HONRA Art.6 - As Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 será composta das seguintes autoridades: a) Presidente da CBDU; b) Presidente da FUME; c) Reitor/Coordenador da IES sede. COMITÊ ORGANIZADOR Art.7 - O Comitê Organizador das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 será constituído pelos seguintes órgãos: a) Coordenação Geral; b) Direção Técnica; c) Direção Operacional. Parágrafo Único - A Direção Técnica e a Direção Operacional serão subordinadas à Coordenação Geral. Art.8 - O Comitê Organizador deverá preparar em até 30 (trinta) dias após o encerramento da Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 um relatório geral de suas atividades, para ser entregue a FUME. Coordenação Geral Art.9 - A Coordenação Geral será exercida pelo coordenador geral, indicado pela Federação Universitária Mineira de Esportes - FUME. Art.10 - Compete ao Coordenador Geral: a) Supervisionar o plano de execução do projeto das Seletivas Mineiras para Liga do Desporto Universitário 2015; b) Determinar às direções os prazos de apresentação dos seus respectivos planejamentos. c) Propor medidas complementares para o bom desempenho das ações de execução do evento; d) Indicar o responsável pela Secretaria Geral, pela Comissão de Finanças e pela Assessoria de Imprensa do evento. e) Supervisionar a Secretaria Geral, a Comissão de Finanças, a Assessoria de Imprensa e a Comissão de Controle do evento. Direção Técnica Art.11 - A Direção técnica será exercida pelo Diretor Técnico, indicado pela Federação Universitária Mineira de Esportes FUME. 4

5 Art.12 - Compete ao Diretor Técnico: a) Indicar os coordenadores de modalidades, os supervisores de arena e o supervisor geral dos boletins técnicos; b) Elaborar e supervisionar a execução da programação esportiva; c) Proporcionar suporte técnico para a realização das competições; d) Recrutar pessoal capacitado para organização técnica das competições; e) Realizar o congresso técnico e as reuniões técnicas; f) Supervisionar a aplicação das disposições fixadas neste Regulamento; g) Encaminhar, para apreciação e julgamento da Comissão Disciplinar, as faltas disciplinares ocorridas na competição; Direção Operacional Art.13 - A Direção Operacional será exercida pelo Diretor Operacional, indicado pela Federação universitária Mineira de Esportes FUME Art.14 - A Direção Operacional será composta pelas seguintes comissões, subordinadas ao Diretor Operacional: a) Comissão de Cerimônias e Eventos Culturais; b) Comissão Médica. Comissão de Cerimônias e Eventos Culturais Art.15 - A Comissão de Comissão de Cerimônias e Eventos Culturais será responsável por: a) Planejar e executar as cerimônias do evento; b) Planejar e executar os eventos culturais paralelos ao evento esportivo. Comissão Médica Art.16 - A Comissão Médica será responsável por: a) Elaborar e supervisionar a execução do plano médico do evento; b) Coordenar a escala de serviços médicos e fisioterápicos durante o evento; c) Conferir os documentos profissionais dos Médicos, Fisioterapeutas e Massagistas das delegações; d) Apresentar relatório final das ocorrências. Parágrafo Único - O Comitê Organizador das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 não se responsabilizará pelo tratamento médico de acidentes de qualquer natureza, ocorridos com os participantes antes, durante e após as competições. 5

6 COMISSÃO DISCIPLINAR Art.17 - Haverá nas Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 uma Comissão Disciplinar, incumbida de apreciar e julgar as infrações cometidas durante as competições, composta por membros nomeados pelo Tribunal de Justiça Desportiva Universitária TJDU nos termos da Legislação em vigor. Parágrafo Único - A Comissão Disciplinar deverá reunir-se a qualquer hora, sempre que necessária convocada pelo seu Presidente. Art.18 - As decisões da Comissão Disciplinar estão sujeitas à apreciação, em grau de recurso, pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva Universitária STJDU. Art.19 - Todos os participantes das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 poderão sofrer as seguintes sanções disciplinares: a) Advertência escrita; b) Censura escrita; c) Suspensão; d) Exclusão das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário Art.20 - As sanções disciplinares serão aplicadas a critério exclusivo da Comissão Disciplinar, nos termos das disposições deste regulamento e codificação desportiva. Art.21 - As sanções disciplinares terão vigência de acordo com o Código Brasileiro de Justiça Desportiva Universitária CBJDU. Art.22 - Qualquer participante das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 que for expulso ou desqualificado de uma prova e/ou partida estará automaticamente suspenso da próxima prova/partida de acordo com o regulamento específico de cada modalidade, independente de julgamento da Comissão Disciplinar. Art.23 - No caso de algum responsável por equipe impetrar recurso contra alguma equipe, arbitragem ou direção da competição, em função de possível transgressão ao regulamento, este recurso deverá ser entregue, através do responsável da Instituição, à Secretaria Geral, por escrito, até 2 (duas) horas após o término da partida ou prova, para posterior encaminhamento à Comissão Disciplinar. Parágrafo Primeiro A interposição do recurso deverá vir acompanhada do recolhimento da taxa no valor de um salário mínimo por recurso, caso a solicitação seja julgada procedente, este valor será devolvido integralmente. Parágrafo Segundo Ao responsável pelo recurso, cabe o ônus da prova. Art.24 - A Instituição de Ensino Superior - IES que, sem prévia autorização da Comissão Organizadora, retirar-se da competição antes do término de sua participação, ficará obrigada a doar 30 cestas básicas sob pena de não participar da modalidade na próxima competição da mesma. Art.25 - A inscrição de atletas, comissão técnica e dirigentes de forma irregular acarretará a imediata eliminação da equipe. 6

7 RESPONSABILIDADES Art.26 - A Federação universitária Mineira de Esportes - FUME: a) Inspecionar e aprovar, os locais e instalações a serem utilizadas durante as competições. b) Fornecer material esportivo solicitado pela Direção Técnica; c) Fornecer material solicitado pelo Comitê Organizador; d) Fornecer medalhas e troféus em disputa; e) Providenciar o pagamento da equipe de Arbitragem; f) Indicar o Diretor Técnico; g) Propor a inclusão de novas modalidades no programa oficial das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 obedecendo a critérios para homologação das modalidades; h) Elaborar, o regulamento geral das Seletivas Mineiras da Liga do Desporto Universitário 2015; i) Elaborar o regulamento específico das modalidades. Art.27 - As Instituições de Ensino Superior participantes serão responsáveis por: a) Indicar o representante da Instituição nas Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015; b) Contratar seguro de vida e saúde para todos os membros de suas equipes, cujo mesmo deverá ter cobertura do dia de abertura até o dia de enceramento do evento; c) Supervisionar, e responsabilizar-se, pela conduta dos integrantes da IES dentro dos locais de competições e demais ambientes onde comparecerem, durante a realização da respectiva competição. d) Preservar, juntamente com sua delegação, os locais de hospedagem, alimentação e competição. e) Averiguar, e apresentar o autor ao Comitê Organizador, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, de atos que tenham causado qualquer dano a terceiros ou aos locais de hospedagem, alimentação e competições por representantes do seu estado, participantes no evento. Art.28 - O ressarcimento pelo(s) dano(s) causado(s) será de responsabilidade da IES do infrator e deverá ser feito no prazo de até 24 (vinte e quatro) horas após apresentação do orçamento pelo requerente sob pena de sua exclusão da modalidade, desta e de futuras competições organizadas pela FUME e CBDU. Art.29 - A IES que desistir da competição, após ter efetuado a confirmação no congresso técnico, terá como pena o pagamento de 30 (trinta) cestas básicas, além das sanções previstas no CBJD. Parágrafo Único: As despesas de transporte, alimentação e hospedagem serão de inteira responsabilidade dos participantes. 7

8 PARTICIPAÇÃO Art.30 - Somente poderão participar das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015, na qualidade de atleta, o estudante que estiver: a) Devidamente Inscrito no evento no prazo determinado neste Regulamento, pela respectiva IES. b) Matriculado regularmente no ano de 2015 em nível de graduação ou pós-graduação (aperfeiçoamento, especialização, mestrado, doutorado ou pós-doutorado) curso tecnológico ou curso de EAD, em IES reconhecida pelo Ministério da Educação. c) Atender os demais requisitos estabelecidos neste Regulamento. Art.31 - Só poderão participar os atletas que tenham idade mínima de 18 (dezoito) anos completos, até o dia 31 de dezembro de 2015 e no máximo de 28 (vinte e oito) anos completos ou a completar até 31 de dezembro de 2015, nas MODALIDADES INDIVIDUAIS. 1º - Para as MODALIDADES COLETIVAS NÃO HAVERÁ LIMITE MÁXIMO DE IDADE. 2º - Em Caso de Classificação, fica a cargo da IES a responsabilidade por adequar sua equipe aos limites de idades impostos pelo Regulamento Geral da CBDU, na fase subsequente. Art.32 - Nenhum componente da Instituição de Ensino Superior poderá participar das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015, sem que seu nome conste na relação nominal da modalidade, aprovada pela Comissão de Controle. Art.33 - Os atletas, técnicos, assistentes e dirigentes só poderão participar da competição, apresentando à mesa de controle a carteira de identidade ou documento de fé pública com foto original. Art.34 - Os componentes de Comissões Técnicas, só poderão participar da competição, apresentando à Comissão de Credenciamento, comprovação de inscrição no respectivo conselho. Paragrafo Primeiro - Cada equipe deverá apresentar um representante com CREF inscrito regularmente na competição à equipe de arbitragem durante a realização dos jogos/combate e este deve permanecer até o fim dos mesmos. Art.35 - Cada atleta só poderá participar de 01 (uma) modalidade esportiva nas Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário Não podendo este acumular funções na competição, o levando assim a sofrer as sanções disciplinares impostas pela Comissão Disciplinar da Competição. 8

9 INSCRIÇÕES Art.36 - Para que uma Instituição de Ensino Superior IES possa inscrever nas Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 é necessário: a) Retirar o(s) formulário(s) no site: e envio até o dia determinado no quadro abaixo de acordo com o as competições que irá participar. CRONOGRAMA DE INSCRIÇÕES Data de Valor por MODALIDADES Modalidade/ Inscrição Naipe Lutas De 26/02 à 09/03 50,00 Por Atleta Basquetebol/ Futsal/ Handebol/ Voleibol De 09/03 à 15/03 750,00 Xadrez De 09/03 à 15/03 50,00 Por Atleta Futebol/ Futebol Society/ Rugby De 06/04 à 20/ ,00 a) Realizar o pagamento das taxa de inscrição, fazendo depósito identificado na conta da FUME, até o dia limite especificado no quadro acima. OBS.: Em caso de desistência de participação na competição, depois de efetuado o pagamento da taxa de inscrição, os valores pagos NÃO serão devolvidos. d) Enviar para a sede da FUME, situada Rua SESÓSTRIS LEAL PAIXÃO 190, BAIRRO PLANALTO, CEP , Belo Horizonte MG, até o dia indicado no quadro acima de acordo com a competição que ira participar, os seguintes documentos: DOCUMENTOS 1. Ficha de Filiação anexada ao comprovante de pagamento; 2. Ficha de inscrição Institucional; 3. Ficha de Representante Legal da IES perante a FUME; 4. Ficha de Seleção de Modalidades a qual irá participar; 5. Ficha da Modalidade; 6. Ficha de inscrição de Técnicos. 7. Ficha de inscrição individual de atletas (foto 3 x 4); 8. COMPROVANTE de Matricula Regular, expedida no ano de (Este não vale para as Fases subsequentes da LDU). 9. Atestado Médico INDIVIDUAL ORIGINAL (Será de reponsabilidade dos dirigentes o recolhimento dos mesmos após a desclassificação de sua equipe). 10. Xerox do RG de todos os participantes (atletas). No caso dos técnicos o Xerox do CREF. OBS.: A IES deverá enviar cópia da FICHA DAS MODALIDADES e COMPROVANTE DE PAGAMENTO para os seguintes s: a fim de assegurar a confirmação da inscrição no prazo hábil. 9

10 Parágrafo único Só participará da Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário 2015 as 08 (oito) primeiras Instituição de Ensino Superior - IES que confirmarem a sua inscrição junto a FUME. Art.37 - O Representante da Instituição de Ensino será responsável por: a) Representar oficialmente a Instituição de Ensino Superior - IES perante o Comitê Organizador da Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário b) Supervisionar e responsabilizar-se pela conduta e danos causados pelos integrantes da Instituição de Ensino Superior dentro dos locais de competições e demais ambientes onde comparecerem; c) Preservar, juntamente com sua delegação os locais de competições, d) Cumprir e fazer cumprir por todos os integrantes de sua Instituição de Ensino Superior, os dispositivos reguladores da Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário 2015; Art.38 - O número de integrantes de cada modalidade por delegação da Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário 2015 será conforme regulamento de modalidade. Modalidades Quantidade de inscritos por naipe Basquetebol 12 Futebol 20 Futebol Society 12 Futsal 12 Handebol 14 Lutas Livre Rugby 12 Voleibol 12 Xadrez Livre A PARTICIPAÇÃO DA IES SÓ SERÁ DEFERIDA APÓS A CONFIRMAÇÃO DO PAGAMENTO. CONGRESSO TÉCNICO Art.39 - Congresso Técnico será realizado na cidade sede em no dia e local a ser definido no boletim informativo da competição. Art.40 - O Congresso Técnico será dirigido pelo Presidente e o Coordenador Técnico do evento. Art.41 - Participará do congresso, além do representante legal da Instituição, 1 (um) representante por modalidade em disputa na competição, devidamente credenciado pela Instituição. Art.42 - Os objetivos do Congresso Técnico será: a) Tratar de assuntos de interesse geral da competição. 10

11 COMPETIÇÕES Art.43 - A Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário 2015 tem um Regulamento Específico de disputa para cada modalidade esportiva e a elas serão aplicadas as regras adotadas pelas Confederações Brasileiras da modalidade, em tudo que não contrarie este Regulamento. Art.44 - O sistema de disputa será definido de acordo com o número de participantes. Parágrafo primeiro - O chaveamento será realizado de acordo com a Classificação Final da mesma competição em questão no ano anterior, ao que não participaram da mesma, será adotada a ordem de inscrição. Parágrafo Segundo- De acordo com o interesse da competição, a ordem dos jogos, acima estabelecida, poderá ser alterada pela Direção Técnica. Art.45 - As disputas terão seu início no horário fixado pela Direção Técnica, sendo considerada perdedora, por ausência (W x O), a equipe ou atleta que não estiver apto a disputar e dentro do local de competição até 15 (quinze) minutos no máximo após o horário estabelecido. a) Não poderão ser alegados para justificar os atrasos, serviço de alimentação, mal tempo, trânsito engarrafado e dificuldades em localizar o local da competição. b) Os casos de ausência (W x O) serão encaminhados à Comissão Disciplinar e estão passíveis de sanção de acordo com o Código Brasileiro de Justiça Desportiva que se aplica subsidiariamente. Art.46 - Toda equipe ou atleta participante deverá estar no local de competição 30 (trinta) minutos antes do horário previsto e em condições de jogo, quando será requisitada a documentação prevista prevista neste Regulamento. Art.47 - Qualquer competição que venha a ser suspensa ou transferida por motivo de força maior será realizada no máximo até 24 (vinte e quatro) horas após a data anteriormente fixada, desde que nada mais haja que impeça a sua realização normal, obedecendo às regras oficiais de cada modalidade esportiva. Parágrafo Único - A competição será reiniciada com o resultado apresentado no momento da paralisação e com os mesmos atletas que estavam participando da disputa no momento da suspensão, com exceção dos que tiveram sido expulsos durante o jogo ou durante os acontecimentos extras que levaram à suspensão do jogo. Art.48 - As competições poderão ser precedidas de protocolo de competição. Art.49 - Só será permitida a presença dentro dos locais de competições e durante a realização das mesmas (conforme regulamento específico das Modalidades), os atletas uniformizados, técnico, assistente técnico, médico, fisioterapeuta e massagista, desde que todos estejam inscritos regularmente no evento. 11

12 Art.50 - Na hipótese de um jogo ultrapassar o horário de início do jogo seguinte, as equipes aquecerão fora da quadra de jogo, dispondo, no entanto de no máximo cinco minutos para aquecer na quadra de jogo. Art.51 - Todas as equipes das modalidades coletivas em disputas deverão apresentar uma Bola oficial da modalidade em perfeitas condições à arbitragem antes das partidas. CLASSIFICAÇÃO E DESEMPATE Art.52 - Para as modalidades coletivas nas etapas de classificação, será proclamada classificada a(s) equipe(s) que obtiver (em) a maior pontuação no respectivo grupo e, nas etapas eliminatórias, semifinal ou final, a equipe vencedora da partida. Parágrafo Único Para a obtenção dos melhores índices técnicos quando os grupos não tiverem o mesmo número de participantes, serão anulados os resultados dos 1 2 e 3 colocados nos jogos contra o 4 colocado, levando-se em consideração os resultados dos 3 (três) primeiros colocados para os melhores índices técnicos. Art.53 - Para desempate nas etapas de classificação, serão adotados os critérios definidos nos regulamentos específicos de cada modalidade. Art.54 - Nos esportes individuais, caso haja empate na contagem final de pontos, o desempate se fará pelo maior número de primeiros lugares, persistindo o empate, pelo maior número de segundos lugares e assim sucessivamente. Art.55 - Para todas as modalidades, a contagem de pontos deverá constar no Regulamento Específico. Art.56 - No caso de W.O., a equipe sofrerá as punições descritas neste regulamento e os resultados de seus jogos não serão computados para critério de desempate. Art.57 - Na modalidade de Basquetebol, Futsal e Handebol, nas partidas das etapas eliminatórias, semifinal e final, o empate no tempo regulamentar será decidido da forma estabelecida pelo regulamento específico da modalidade. UNIFORMES Art.58 - Os uniformes dos atletas deverão atender as especificações do regulamento específico das modalidades. Parágrafo Único Os membros da Comissão Técnica de uma IES, deverão se apresentar nos jogos, igualmente, uniformizados. É vetado o uso de calçados abertos e bermudas. Art.59 - Cada Instituição de Ensino Superior - IES participante deverá se apresentar nos locais de competição, devidamente uniformizada. Art.60 - Cada Instituição de Ensino Superior - IES participante será responsável pela confecção e manutenção de 2 (dois) uniformes por equipe/ gênero, de cores contrastantes, sendo um com predominância de cores claras e o outro, de cores escuras. 12

13 1º - A Instituição de Ensino Superior - IES que estiver localizada no lado esquerdo da tabela possui o mando de campo e deverá jogar com uniforme de cor predominante escura. Art.61 - Nos uniformes não será permitida a inserção de logomarca de patrocínio que faça alusão ou propaganda de conteúdo, racista, religioso ou filosófico, bem como de logomarcas conflitantes com os parceiros da FUME. ARBITRAGEM Art.62 - Os componentes da equipe de arbitragem da Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário 2015 serão designados pela Direção Técnica. Art.63 - As funções dos componentes da equipe de arbitragem começarão 24 (vinte e quatro) horas antes do início das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 e terminarão 24 (vinte e quatro) horas após o encerramento da modalidade que participam. Art.64 - No caso de não comparecimento de qualquer membro da equipe de arbitragem até 30 (trinta) minutos antes do horário fixado para o início da competição, o Coordenador de Arbitragem da modalidade providenciará a imediata substituição do mesmo. PREMIAÇÃO Art.65 - Nas Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015, os atletas 1, 2 lugares de cada modalidade, receberão medalhas. BOLETIM OFICIAL Art.66 - A Secretaria Geral divulgará, através da internet, o Boletim Oficial, que conterá os dados oficiais relativos à competição, ficando sob a responsabilidade da IES participante, o credenciamento dos representantes, com respectivos s, além da fixação de um exemplar na Secretaria do Evento. 1º - Os boletins serão numerados e datados e as informações neles contidas poderão ser alteradas dia-a-dia, sendo consideradas válidas as informações dos boletins mais atualizados. 2º - Será entregue para cada representante 01(um) boletim oficial. CESSÃO DE DIREITOS Art.67 - Os integrantes das delegações e das instituições de ensino superior - IES assim como todos os competidores, técnicos e quaisquer outros participantes das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015, devidamente representados por quem de direito, através da adesão ao presente regulamento, que se comprova através do preenchimento do termo de inscrição ou da efetiva participação na Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário 2013, autorizam, em caráter universal, gratuito, irrevogável e irretratável, a Federação 13

14 Universitária Mineira de Esportes - FUME, ou terceiros devidamente autorizados, a captar e fixar sua imagem e voz durante todo o período de realização da Seletiva Mineira da Liga do Desporto Universitário 2013, seja durante as competições, seja durante os aquecimentos, os treinamentos, em qualquer suporte existente ou que venha a ser criado, podendo utilizá-los a seu exclusivo critério, a qualquer tempo, no Brasil e/ou no exterior, em número ilimitado de vezes, podendo, inclusive, fixá-los em películas cinematográficas de qualquer bitola, CD ROM, CD-I, "home vídeo", DAT, DVD e suportes de computação gráfica em geral, ou armazená-los em banco de dados, podendo também disseminá-los, transmiti-los, exibi-los e ré exibi-los através de projeção de tela em casas de frequência coletiva ou em locais públicos, via televisão de qualquer espécie, através da internet, satélite, rádio, livros, jornais, revistas, telefonia fixa e móvel, ou por qualquer outra forma, podendo a FUME, ainda, ceder os direitos ora adquiridos a quaisquer terceiros, gratuita ou onerosamente. Parágrafo Único: A FUME, nos mesmos termos dispostos acima, fica expressamente autorizada a utilizar as marcas, insígnias e emblemas de todas as equipes participantes das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário DISPOSIÇÕES GERAIS Art.68 - O Comitê Organizador das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015, não será responsável por qualquer avaria causada pelos componentes das Instituições de Ensino Superiores - IES nos locais de competição. Art.69 - Quaisquer consultas atinentes das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015, sobre matéria não constante neste Regulamento, deverão ser formuladas pelo representante da Instituição de Ensino Superior e ao Comitê Organizador que após o devido exame, apresentará sua solução através de Nota Oficial. Art.70 - As equipes campeãs das Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 estão classificadas para a fase subsequente da LDU, sendo que para a confirmação desta vaga é necessário a realização do pagamento das inscrições no prazo de 10 dias após a final deste certame, caso nesse prazo o pagamento não seja confirmado, a vaga será cedida a 2 colocada na seletiva e assim consecutivamente. Art.71 - Nas Seletivas Mineiras para a Liga do Desporto Universitário 2015 as Instituições de Ensino Superior - IES, componentes das delegações, árbitros, auxiliares e pessoas físicas ou jurídicas que infringirem este Regulamento ou decisões do Comitê Organizador ou cometerem faltas disciplinares no transcurso das competições ou dentro da jurisdição da sede dos jogos, estarão sujeitos às sanções previstas neste Regulamento e no Código Brasileiro de Justiça Desportiva. Art.72 - Compete à Coordenação Geral, interpretar, zelar pela execução e resolver os casos omissos deste Regulamento. 14

15 SELETIVAS MINEIRAS DA LIGA DO DESPORTO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO ESPECÍFICO- 15

16 BASQUETEBOL 1. As competições de Basquetebol serão realizadas de acordo com as Regras Oficiais da FIBA- Federação Internacional de Basketball e os Regulamentos e Normas da FUME. 2. Cada IES poderá inscrever 12 alunos-atletas e 03 membros da Comissão Técnica. 3. Os jogos serão disputados seguindo as normas a seguir: 3.1. Os jogos terão 02 (dois) tempos de 20 (vinte) minutos com intervalo de 05 (cinco) minutos entre ambos, divididos em 04 (quatro) quartos de 10 (dez) minutos cada, com intervalo de 01 (um) minuto entre o 1º e o 2º quarto e entre o 3º e o 4º quarto; 3.2. Em caso de empate, o desempate far-se-á em um período extra de 05 (cinco) minutos, ou quantos forem necessários até que haja um vencedor. 4. Para a classificação das equipes, será observada a seguinte pontuação: Vitória...03 pontos Derrota...01 ponto Derrota por WO...00 ponto 5. As equipes deverão ter 02 (dois) uniformes de jogo (camisa e calção), sendo um de cor clara e outro escuro com a mesma numeração. 6. A equipe com mando de jogo usará sempre o uniforme de cor clara, cabendo ao visitante usar o de cor escura. 7. O uniforme de cada aluno-atleta constará: Camisa numerada na frente e nas costas (conforme regra); Calção; Meias; Tênis. 16

17 8. A numeração dos atletas poderá ser de 4(QUATRO) a 99 (NOVENTA E NOVE). Parágrafo único É obrigatória a colocação dos número tanto na frente quanto nas costas das camisas. 9. Nenhum aluno-atleta poderá participar de jogos fora do uniforme descrito acima. 10. Não será permitido jogar com piercing, brinco, colar, presilha ou qualquer outro objeto que ponha em risco a integridade física dos alunos -atletas. 11. A equipe deverá comparecer ao local do jogo com antecedência e devidamente uniformizada. Para ter condição de participação, antes do início do jogo, todos os componentes da equipe deverão apresentar os documentos citados no Artigo 33 deste regulamento à equipe de arbitragem. 12. Em caso do não comparecimento de uma equipe dentro do horário estipulado para o jogo, após a contagem de 15 minutos será declarada ausente, aplicando-se o WXO em favor da equipe presente, à qual será declarada vencedora pelo placar de 20x Caso nenhuma das duas equipes se faça presentes em tempo hábil, será declarado o duplo não comparecimento, atribuindo-se derrota a ambas as equipes. 14. Durante os jogos, as únicas pessoas autorizadas a permanecer na área dos bancos de reserva são os atletas uniformizados, comissão técnica desde que tenham sido identificados, relacionados na ficha de inscrição e com a certidão de seus respectivos conselhos. 15. A entrada dos alunos-atletas na quadra para o aquecimento será feita tão logo a mesma esteja livre e após a autorização do árbitro. 16. O tempo de aquecimento na quadra dependerá do término do jogo anterior. Entretanto, será garantido o tempo mínimo de 05 (cinco) minutos para as equipes aquecerem na quadra de jogo. 17

18 17. O aquecimento inicial, a critério de cada equipe, poderá ser feito fora da quadra em local determinado pela Coordenação de Basquetebol. 18. Na Fase Classificatória, quando no mesmo grupo 02 (duas) ou mais equipes terminarem empatadas, o desempate far-se-á da seguinte maneira e em ordem sucessiva de eliminação: a) Confronto direto no jogo realizado entre as equipes empatadas na fase (utilizado somente no caso de empate entre 02 (duas) equipes); b) Saldo de cestas; c) Maior coeficiente de cestas (pontos) average apurado nos jogos disputados entre as equipes empatadas; d) Maior coeficiente de cestas (pontos) average apurado em todos os jogos disputados pelas equipes na fase; e) Menor número de cestas (pontos) contra, apurado em todos os jogos disputados pelas equipes na fase; f) Sorteio. Observações: Na hipótese da aplicação do critério de cestas average, dividir-se-á o número de cestas positivas pelas negativas, considerando-se classificada a equipe que obtiver maior resultado; Quando, para cálculo de average, uma equipe não sofrer cestas, é ela a classificada, pois o zero é infinito, o que impossibilita a divisão, assegurando à equipe sem cestas sofridas a classificação pelo sistema average; Quando, para cálculo de average, mais de uma equipe não sofrer cestas, será classificada, a equipe que tiver o maior número de cestas pró, pois tecnicamente seu resultado será maior. 18

19 19. Estará automaticamente suspenso do jogo subsequente na mesma competição, o aluno-atleta e/ou membro da Comissão Técnica que cometer uma falta desqualificante. EXCETO: O aluno-atleta que for desqualificado por cometer 02 (duas) faltas antidesportivas ou; O membro da Comissão Técnica que for desqualificado por cometer faltas técnicas. (Artigo e das Regras Oficias da FIBA 2006). 20. Não se aplica o disposto no item 19, se antes do cumprimento da suspensão, o aluno-atleta e/ou membro da Comissão Técnica for absolvido pelo órgão judicante competente, desde que constante no termo de decisão do respectivo processo disciplinar, o não cumprimento da suspensão automática, nos termos da legislação desportiva vigente. 21. Toda e qualquer solicitação de substituição de atletas inscritos na competição, deverá obedecer ao Regulamento Geral. 22. Os casos omissos serão resolvidos pela Coordenação de Basquetebol, com anuência da Gerência de Competição, não podendo essas resoluções contrariar. 19

20 FUTEBOL 1. A competição de Futebol será realizada de acordo com as Regras Internacionais da FIFA e os Regulamentos, Normas e Informes da FUME. 2. Os jogos serão disputados em 90 (noventa) minutos, divididos em 2 (dois) tempos de 45 (quarenta e cinco) minutos com intervalo de 15 (quinze) minutos. 3. Em qualquer tempo do jogo, cada equipe poderá realizar, até, 05 (cinco) substituições, incluída a do goleiro. 4. Para a classificação das equipes, será observada a seguinte pontuação: Vitoria 03 (três) pontos Empate 01 (um) ponto Derrota 00 (zero) ponto 5. As equipes deverão ter 02 (dois) uniformes de jogo, com numeração, obedecendo ao descrito o Regulamento Geral. 5.1 O uniforme de cada aluno-atleta constará de: a) Camisa numerada na frente e nas costas. b) Calção, numerado na frente. c) Meias de cano longo. d) Caneleiras. e) Chuteiras ou tênis com travas. 5.2 O uniforme dos goleiros será, obrigatoriamente, diferente dos demais atletas. 5.3 Nenhum aluno-atleta poderá participar de jogos fora do uniforme descrito acima durante a competição. 6. Não será permitido jogar com piercing, brinco, colar, presilha ou qualquer outro objeto que ponha em risco a integridade física dos alunos-atletas. 7. Em caso do não comparecimento de uma equipe dentro do horário estipulado para o jogo ou não apresentação do número mínimo de atletas exigido pela regra, após a contagem de 15 minutos a equipe será declarada ausente, aplicando-se o WxO em favor da equipe presente, à qual será declarada vencedora por 3x0. 8. Caso nenhuma das duas equipes se faça presente em tempo hábil, será declarado o duplo não comparecimento, atribuindo-se derrota a ambas as equipes. 9. No banco de reservas só poderão ficar os alunos-atletas e Comissão Técnica, cujos nomes deverão constar da relação de inscrição. 10. Na apresentação as equipes deverão estar uniformizadas, ou seja, todos os alunosatletas deverão estar com os uniformes de jogo. 20

21 11. Na Fase Classificatória, quando no mesmo grupo 02 (duas) ou mais equipes terminarem empatadas, o desempate far-se-á da seguinte maneira e em ordem sucessiva de eliminação: Confronto direto no jogo realizado entre as equipes empatadas na fase (utilizado somente no caso de empate entre 02 (duas) equipes); Saldo de gols em todos os jogos do grupo, na fase Saldo de gols nos jogos entre as equipes empatadas Ataque mais positivo, em todos os jogos do grupo, na fase Defesa menos vazada, em todos os jogos do grupo, na fase Sorteio. 12. Nas Fases Quartas de Finais, Semifinais e Finais, os jogos não poderão terminar empatados. O desempate far-se-á com uma prorrogação de 01 (um) tempo de 15 (quinze) minutos jogados. Persistindo o empate, serão realizadas cobranças de 05 (cinco) tiros livres diretos a gol, executados da marca penal, alternadamente, a serem cobrados pelos atletas que terminaram o jogo. Ainda persistindo o empate, serão cobrados tantos tiros livres diretos a gol quanto necessários, executado da marca penal, alternadamente, por diferentes atletas até que haja um vencedor. 13. Estará automaticamente suspenso do jogo subsequente na mesma modalidade/gênero, o aluno-atleta e/ou membro da Comissão Técnica que for expulso de um jogo ou receber 02(dois) cartões amarelos, consecutivos ou não A contagem de cartões, para fins de suspensão automática é feita separadamente e por tipologia de cartão, não havendo a possibilidade de o cartão vermelho apagar o amarelo já recebido no mesmo jogo A contagem de cartões, para fins de suspensão automática, será feita de forma cumulativa, em todas as fases da competição O controle dos cartões recebidos (e seu consequente cumprimento) independerá de comunicação por parte da coordenação de Competição, sendo de responsabilidade exclusiva das IES disputantes da competição O participante que em determinado momento da competição, simultaneamente, acumular 02 (dois) cartões amarelos e mais 01 (um) cartão vermelho, cumprirá automaticamente a suspensão por 02 (dois) jogos. 14. A participação em um jogo, de aluno-atleta ou integrante da Comissão Técnica, suspenso automaticamente conforme item 13 implicará nos procedimentos adotados abaixo, além de ter relatório encaminhado para a Comissão Disciplinar para as providências cabíveis Em caso de derrota da equipe infratora, o resultado do jogo será mantido; Em caso de vitória da equipe infratora, o resultado do jogo será revertido em favor da equipe adversária. 15. O atleta expulso de campo no transcorrer de um jogo, não poderá permanecer no banco de reservas de sua equipe nem voltar ao mesmo, após trocar de roupa. 16. Os casos omissos serão resolvidos pela Coordenação de Futebol, com anuência da Gerência de Competição, não podendo essas resoluções contrariar regras oficiais e o Regulamento Geral. 21

22 FUTEBOL 7 SOCIETY 1. A competição de Futebol 7 será realizada de acordo com as Regras Internacionais da CBF7 (em vigor a partir de 16/02/2013) e os Regulamentos, Normas e Informes da FUME. 2. Os jogos serão disputados em 50 (cinquenta) minutos, divididos em 2 (dois) tempos de 25 (vinte e cinco) minutos com intervalo de 10 (dez) minutos. 3. Em qualquer tempo do jogo, o número de substituições será ilimitado. 4. Para a classificação das equipes, será observada a seguinte pontuação: Vitoria 03 (três) pontos Empate 01 (um) ponto Derrota 00 (zero) ponto 5. As equipes deverão ter 2 (dois) uniformes de jogo, com a mesma numeração, obedecendo ao descrito no Regulamento Geral. 5.1 O uniforme de cada aluno-atleta constará de: a) Camisa numerada nas costas, de 1 a 99. b) Meias de cano longo. c) Caneleiras. d) Chuteiras ou tênis apropriados para pratica da modalidade. 5.2 O uniforme dos goleiros, será, obrigatoriamente, diferente dos demais atletas Nenhum aluno-atleta poderá participar de jogos fora do uniforme descrito acima ou mudar de numeração de camisa, durante a competição O capitão deve ser identificado com 01 tarja fixada em um dos braços de cor diferente do uniforme, se substituído, deve entregá-la a seu substituto. 6. Não será permitido jogar com piercing, brinco, colar, presilha ou qualquer outro objeto que ponha em risco a integridade física dos alunos-atletas. 7. Em caso do não comparecimento de uma equipe dentro do horário estipulado para o jogo, após a contagem de 15 minutos será declarada ausente, aplicando-se o WxO em favor da equipe presente, à qual será declarada vencedora. Caso nenhuma das duas equipes se faça presente em tempo hábil, será declarado o duplo não comparecimento, atribuindose derrota a ambas as equipes. 8. No banco de reservas só poderão ficar os alunos-atletas e Comissão Técnica, cujos nomes deverão constar da relação de inscrição. 22

23 9. Na apresentação as equipes deverão estar uniformizadas, ou seja, todos os alunosatletas deverão estar com os uniformes de jogo. 10. Um pedido de tempo técnico por período pode ser solicitado pelas equipes, o capitão deve pedir a um dos árbitros e o técnico somente ao representante. 11. A duração do tempo técnico é de 01 minuto sendo concedido na próxima paralisação da partida, que será acrescido ao término do período. 12. Quando do pedido de tempo técnico, as equipes devem se reunir dentro de sua área de meta, sendo permitida somente a entrada em campo do técnico e do massagista, nesta paralisação o árbitro deve informar se solicitado, o tempo de jogo, apenas ao capitão da equipe. 13. Na Fase Classificatória, quando no mesmo grupo 2 (duas) ou mais equipes terminarem empatadas, o desempate far-se-á da seguinte maneira e em ordem sucessiva de eliminação: Confronto direto no jogo realizado entre as equipes empatadas na fase (utilizado somente no caso de empate entre 02 (duas) equipes); Saldo de gols em todos os jogos do grupo, na fase Saldo de gols nos jogos entre as equipes empatadas Ataque mais positivo, em todos os jogos do grupo, na fase Defesa menos vazada, em todos os jogos do grupo, na fase Sorteio. 14. Nas Fases Quartas de Finais, Semifinais e Finais, os jogos não poderão terminar empatados. Ao término do tempo de jogo, serão realizadas cobranças de 05 (cinco) tiros livres diretos a gol, executados da marca penal, alternadamente, a serem cobrados pelos atletas que terminaram o jogo. Ainda persistindo o empate, serão cobrados tantos tiros livres diretos a gol quanto necessários, executado da marca penal, alternadamente, por diferentes atletas até que haja um vencedor. Da marca penal, alternadamente, por diferentes atletas até que haja um vencedor. 15. Estará automaticamente suspenso do jogo subsequente na mesma modalidade/gênero, o aluno-atleta e/ou membro da Comissão Técnica que for expulso de um jogo ou receber 2 (dois) cartões amarelos, consecutivos ou não A contagem de cartões, para fins de suspensão automática é feita separadamente e por tipologia de cartão, não havendo a possibilidade de o cartão vermelho apagar o amarelo já recebido no mesmo jogo A contagem de cartões, para fins de suspensão automática, será feita de forma cumulativa, em todas as fases da competição. 23

24 15.3 O controle dos cartões recebidos (e seu consequente cumprimento) independerá de comunicação por parte da Gerência de Competição, sendo de responsabilidade exclusiva das IES disputantes da competição O participante que em determinado momento da competição, simultaneamente, acumular 3 (três) cartões amarelos e mais 1 (um) cartão vermelho, cumprirá automaticamente a suspensão por 2 (dois) jogos. 16. A participação em um jogo, de aluno-atleta ou integrante da Comissão Técnica, suspenso automaticamente, implicará nos procedimentos adotados abaixo, além de ter relatório encaminhado para a Comissão Disciplinar para as providências cabíveis. a. - Em caso de derrota da equipe infratora, o resultado do jogo será mantido; b. - Em caso de vitória da equipe infratora, o resultado do jogo será revertido em favor da equipe adversária. 17. O atleta expulso de campo no transcorrer de um jogo, não poderá permanecer no banco de reservas de sua equipe nem voltar ao mesmo, após trocar de roupa. 18. Os casos omissos serão resolvidos pela Coordenação de Futebol 7 Society, com anuência da Gerência de Competição, não podendo essas resoluções contrariar regras oficiais e o Regulamento Geral. 24

25 FUTSAL 1. As competições de Futsal serão realizadas de acordo com as Regras Internacionais da FIFA e os Regulamentos e Normas da FUME, salvo o estabelecido neste Regulamento. 2. Cada IES poderá inscrever 12 alunos-atletas e 02 membros da Comissão Técnica. 3. Os jogos serão disputados em 02 (dois) tempos de 20 (vinte) minutos com cronômetro travado quando a bola estiver fora de jogo e com intervalo de 05 (cinco) minutos entre ambos. 4. Para a classificação das equipes, será observada a seguinte pontuação: Vitória pontos Empate...01 ponto Derrota ou WxO...00 ponto 5. As equipes deverão ter 02 (dois) uniformes de jogo (camisa e calção), sendo um de cor clara e outro escuro com a mesma numeração A equipe com mando de jogo usará sempre o uniforme de cor clara, cabendo ao visitante usar o de cor escura. Parágrafo único É obrigatória a colocação do número tanto na frente quanto nas costas das camisas O uniforme de cada aluno-atleta constará: Camisas numeradas na frente e nas costas; Calção; Meias de cano longo; Caneleiras; Tênis sem trava. Coletes de alunos-atletas reservas A numeração das camisas dos alunos-atletas será de 01 (um) a 99 (noventa e nove). O aluno-atleta deverá usar o mesmo número no decorrer de toda a competição O uniforme dos goleiros será obrigatoriamente diferente dos demais alunosatletas Todos os jogadores que estiverem no banco de reservas, deverão obrigatoriamente estar vestindo os coletes de reservas, por cima dos uniformes Nenhum aluno-atleta poderá participar de jogos fora do uniforme descrito acima. 6. Não será permitido jogar com piercing, brinco, colar, presilha ou qualquer outro objeto que ponha em risco a integridade física dos alunos-atletas. 25

26 7. A equipe deverá comparecer ao local do jogo com antecedência e devidamente uniformizada. Para ter condição de participação, antes do início do jogo, todos os componentes da equipe deverão apresentar suas credenciais à equipe de arbitragem. 8. No banco de reservas só poderão ficar os alunos-atletas e Comissão Técnica inscritos: técnico, preparador físico, médico e fisioterapeuta, cujos nomes deverão constar da relação de inscrição. 9. Não é permitido o uso de bermudas e pelos membros da comissão técnica. OBS.: Uso obrigatório de calçado fechado. 10. A entrada dos alunos-atletas na quadra para o aquecimento será feita tão logo a mesma esteja livre e após a autorização do árbitro. 11. O tempo de aquecimento na quadra dependerá do término do jogo anterior. Entretanto, será garantido o tempo mínimo de 05 (cinco) minutos para as equipes aquecerem na quadra de jogo. 12. O aquecimento inicial, a critério de cada equipe, poderá ser feito fora da quadra em local determinado pela Coordenação de Futsal. 13. Na Fase Classificatória, quando no mesmo grupo 02 (duas) ou mais equipes terminarem empatadas, o desempate far-se-á da seguinte maneira e em ordem sucessiva de eliminação: a) Confronto direto no jogo realizado entre as equipes empatadas (utilizado somente no caso de empate entre 02 (duas) equipes); b) Saldo de gols; c) Maior número de gols pró apurado em todos os jogos do grupo na fase; d) Menor número de gols contra apurado em todos os jogos do grupo na fase; e) Maior coeficiente de gols average apurado em todos os jogos do grupo na fase; f) Sorteio. 14. Nas Fases Semifinais e Finais, os jogos deverão ter um vencedor, portanto não poderão terminar empatados. No caso de empate no tempo regulamentar serão adotados os seguintes procedimentos: a) Para o desempate será disputada uma prorrogação de 02 (dois) tempo de 05 (cinco) minutos jogados sem intervalos, com cronômetro travado quando a bola estiver fora de jogo; b) Persistindo o empate ao término da prorrogação, serão realizadas cobranças de 05 (cinco) tiros livres diretos a gol, executados da marca penal, alternadamente, a serem cobrados por todos os alunos-atletas relacionados em súmula, exceto os expulsos; c) Ainda persistindo o empate, serão cobrados tantos tiros livres diretos a gol quanto necessários, executado da marca penal, alternadamente, por diferentes atletas em condição de jogo, até que haja um vencedor. 26

27 15. Estará automaticamente suspenso do jogo subsequente neste certame, o aluno-atleta que for expulso ou receber 02 (dois) cartões amarelos, consecutivos ou não, e o membro da Comissão Técnica que for excluído do jogo e relatado em súmula ou relatório em anexo. a) A contagem de cartões, para fins de suspensão automática é feita separadamente e por tipologia de cartão, não havendo a possibilidade de o cartão vermelho apagar o amarelo já recebido no mesmo jogo. b) Não se aplica o disposto neste item, se antes do cumprimento da suspensão, o aluno-atleta ou membro da Comissão Técnica for absolvido pelo órgão judicante competente, desde que constante no termo de decisão do respectivo processo disciplinar, o não cumprimento da suspensão automática, nos termos da legislação desportiva vigente. c) Para fins do disposto neste item entende-se por jogo seguinte o ocorrente na mesma competição, evento e no ano específico correspondente. d) Quando o jogo não for realizado por não comparecimento de uma das equipes, a suspensão não será considerada cumprida, devendo ser cumprida na partida subsequente, conforme normas da CBFS. e) A contagem de cartões, para fins de suspensão automática, será feita de forma cumulativa. f) O controle dos cartões recebidos, e seu consequente cumprimento, independerão de comunicação por parte da Coordenação de Futsal, sendo de responsabilidade exclusiva das IES disputantes da competição. g) O participante que em determinado momento da competição, simultaneamente, acumular 02 (dois) cartões amarelos e mais 01 (um) cartão vermelho, cumprirá automaticamente a suspensão por 02 (dois) jogos. 16. A participação de aluno-atleta ou integrante da Comissão Técnica, suspenso automaticamente por ter recebido cartões, implicará nos procedimentos adotados abaixo, além de ter relatório encaminhado para a Comissão Disciplinar para as providências cabíveis. a) Em caso de derrota ou vitória da equipe infratora, o resultado do jogo será mantido; b) Em caso de da equipe infratora, o resultado do jogo será revertido em favor da equipe adversária. 17. Toda e qualquer solicitação de substituição de atletas inscritos na competição, deverá obedecer ao Regulamento Geral. 18. Os casos omissos serão resolvidos pela Coordenação de Futsal, com anuência da Gerência de Competição, não podendo essas resoluções contrariar regras oficiais e o Regulamento Geral. 27

28 HANDEBOL 1. As Competições de Handebol serão realizadas de acordo com as regras da CBHB- Confederação Brasileira de Handebol e os regulamentos e normas da FUME. 2. Cada IES poderá inscrever 14 alunos-atletas e 02 membros da Comissão Técnica. 3. O tempo de duração de cada jogo será de 60 (sessenta) minutos cronometrados e divididos em 02 (dois) tempos de 30 (trinta) minutos cada um, com 10 (dez) minutos de intervalo. 4. Para a classificação das equipes, será observada a seguinte pontuação: Vitória...03 pontos Empate...01 ponto Derrota ou WxO...00 ponto 5. As equipes deverão ter 02 (dois) uniformes de jogo (camisa e calção), sendo um de cor clara e outro escuro com a mesma numeração A equipe com mando de jogo usará sempre o uniforme de cor clara, cabendo ao visitante usar o de cor escura. Parágrafo único É obrigatória a colocação do número tanto na frente quanto nas costas das camisas A numeração das camisas dos alunos-atletas será de 01 (um) a 99(noventa e nove). O aluno-atleta deverá usar o mesmo número no decorrer de toda a competição O uniforme dos goleiros será obrigatoriamente diferente dos demais alunos-atletas Não é permitido o uso de bermudas pelos membros da comissão técnica. OBS.: Uso obrigatório de calçado fechado O uniforme de cada aluno-atleta constará: Camisas numeradas na frente e nas costas; Calção; Meias; Tênis O aluno-atleta deverá usar o mesmo número no decorrer de toda a competição Nenhum aluno-atleta poderá participar de jogos fora do uniforme descrito acima. 28

29 6. Não será permitido jogar com piercing, brinco, colar, presilha ou qualquer outro objeto que ponha em risco a integridade física dos alunos-atletas. 7. A equipe deverá comparecer ao local do jogo com antecedência e devidamente uniformizada. Para ter condição de participação, antes do início do jogo, todos os componentes da equipe deverão apresentar suas credenciais à equipe de arbitragem. 8. No banco de reservas só poderão ficar os alunos-atletas e Comissão Técnica inscritos: técnico, preparador físico, médico e fisioterapeuta, cujos nomes deverão constar na relação de inscrição e portando certificados de seus respectivos conselhos. 9. A entrada dos alunos-atletas na quadra para o aquecimento será feita tão logo a mesma esteja livre e após a autorização do árbitro. a) O tempo de aquecimento na quadra dependerá do término do jogo anterior. Entretanto, será garantido o tempo mínimo de 05 (cinco) minutos para as equipes aquecerem na quadra de jogo. b) O aquecimento inicial, a critério de cada equipe, poderá ser feito fora da quadra em local determinado pela Coordenação de Handebol. 10. A apresentação dos alunos-atletas de cada equipe será feita logo após o término do tempo de aquecimento. Os alunos-atletas dirigem-se para fora da quadra de jogo. Aguardam a autorização dos árbitros para a entrada na quadra em coluna por um, quando será feita a apresentação. Paragrafo Único - Na apresentação as equipes deverão estar uniformizadas, ou seja, todos os alunos-atletas deverão estar com os uniformes de jogo. 11. Na Fase Classificatória, quando no mesmo grupo 2 (duas) ou mais equipes terminarem empatadas, o desempate far-se-á da seguinte maneira e em ordem sucessiva de eliminação: Confronto direto (no caso de 2 (duas) equipes empatadas; Maior número de vitorias; Saldo de gols; Menor número de gols contra nos jogos disputados entre as equipes empatadas na fase; Maior número de gols pró nos jogos disputados entre as equipes empatadas na fase; Maior coeficiente de gols average nos jogos disputados entre as equipes empatadas na fase; Sorteio 12. Nas Fases Semifinais e Finais, os jogos não poderão terminar empatados. Caso no tempo normal isto ocorra, serão adotados os seguintes procedimentos: Para o desempate far-se-á uma prorrogação de 02 (dois) tempos de 05 29

30 (cinco) minutos; Persistindo o empate será realizada uma primeira rodada de 03 (três) cobranças de 07 (sete) metros para cada equipe com alunos-atletas diferentes e cobranças alternadas. Cada equipe nomeia 03 (três) alunos-atletas. Não é necessário que as equipes pré-determinem a sequência de seus alunos-atletas. Os goleiros podem ser livremente escolhidos e substituídos entre os alunos-atletas eleitos para participar. Alunos-atletas podem participar no tiro de 07 (sete) metros como ambos, arremessadores e goleiros Persistindo o empate, cada equipe deve, novamente, nomear novos 03 (três) alunos-atletas para uma segunda rodada de 03 (três) cobranças de 07 (sete) metros. Não poderão ser indicados os mesmos alunos-atletas da primeira rodada. Nesta segunda rodada, o vencedor será decidido logo que houver um gol de diferença, após cada equipe ter realizado o mesmo número de arremessos Persistindo o empate serão adotadas cobranças alternadas até que se haja um vencedor. 13. Estará automaticamente suspenso do jogo subsequente na mesma modalidade/naipe, o aluno-atleta e/ou membro da Comissão Técnica que for expulso ou desqualificado, no caso de seguir relatório anexo à súmula Não se aplica o disposto neste artigo, se antes do cumprimento da suspensão, o aluno-atleta e/ou membro da Comissão Técnica for absolvido pelo órgão judicante competente, desde que constante no termo de decisão do respectivo processo disciplinar, o não cumprimento da suspensão automática, nos termos da legislação desportiva vigente. 14. Para fins do disposto neste artigo entende-se por jogo subsequente o ocorrente na mesma competição, evento e no ano específico correspondente. 15. A participação de aluno-atleta ou integrante da Comissão Técnica, suspenso automaticamente conforme item 13 implicará nos procedimentos adotados abaixo, além de ter relatório encaminhado para a Comissão Disciplinar para as providências cabíveis Em caso de derrota da equipe infratora, o resultado do jogo será mantido; Em caso de vitória da equipe infratora, o resultado do jogo será revertido em favor da equipe adversária. 16. Toda e qualquer solicitação de substituição de atletas inscritos na competição, deverá obedecer ao Regulamento Geral. 17. Os casos omissos serão resolvidos pela Coordenação de Handebol, com anuência da Gerência de Competição, não podendo essas resoluções contrariar regras oficiais e o Regulamento Geral. 30

31 JUDÔ 1. A competição de Judô será realizada de acordo com as Regras Internacionais da Federação Internacional de Judô, reconhecidas pela Confederação Brasileira de Judô e com os Regulamentos, Normas e Informes da FUME. 2. Será disputada em 07 (sete) categorias de peso e Absoluto. 3. Não haverá competição por equipes. 4. A competição é aberta à participação de alunos-atletas com graduação mínima estabelecida de ROXO, MARRON E PRETA. 5. O (a) aluno-atleta(a) deverá apresentar antes de cada confronto a documentação exigida de acordo com o regulamento geral, antes de cada confronto. 6. A Reunião Técnica da Modalidade com os representantes das equipe participantes tratará exclusivamente de assuntos ligados à competição, tais como: normas gerais, confirmação de inscrições, sorteios dos combates, através do programa BUSHIKAI, além de outros assuntos correlatos. 7. Para o torneio serão adotados os seguintes procedimentos: 7.1.Cada IES poderá inscrever 02 (dois) alunos(as)-atleta em cada Categoria de Peso Na Categoria Absoluto (masculino e feminino) poderão ser inscritos 03 (dois) alunos (as)-atletas das Categorias de Peso, mas somente 02 (um) aluno(a)-atleta poderá participar da competição O(a) aluno(a)-atleta inscrito em qualquer das Categorias de Peso, que deixar de competir, não poderá participar na Categoria Absoluto Cada aluno-atleta somente poderá estar inscrito em uma Categoria de Peso e na Categoria Absoluto Para que seja realizada a competição, a categoria de peso deverá ter no mínimo 02 (dois) alunos(as)-atletas inscritos. 7.4.O(a) aluno(a)-atleta poderá competir somente na categoria correspondente ao seu peso corporal, exceto na Categoria Absoluto A confirmação da inscrição do(a) aluno(a)-atleta dar-se-á na Reunião Técnica, sendo que confirmação da participação será efetivada na pesagem oficial que será realizada em local e horário definidos pela Coordenação de Judô As Categorias de Pesos obedecerão aos seguintes limites: 31

32 7.7. Para a inscrição definitiva na Categoria Absoluto, o(a) aluno(a)-atleta deverá comparecer no horário e local determinados na Reunião Técnica da modalidade, munido da credencial exigida pelo Regulamento Geral A pesagem será realizada sob a responsabilidade de 02 (duas) comissões estabelecidas na Reunião Técnica da modalidade, que deverá ser composta de, no mínimo, 03 (três) membros, sendo uma específica para o gênero feminino e outra para o masculino Para compor a equipe de pesagem, na Reunião Técnica da modalidade, serão sorteados 03 (três) técnicos para o masculino e 03 (três) técnicas para o feminino, para cada dia de pesagem Em caso de não haver técnicas (femininas) em número suficiente, ficará a cargo de a Federação local disponibilizar pessoas qualificadas para exercer tal função A pesagem será válida para as competições e obedecerá aos seguintes critérios: Caso na pesagem extraoficial, o(a) aluno(a)-atleta estiver dentro dos limites mínimo e máximo de sua categoria de peso sua pesagem será validada O (a) aluno (a)-atleta que na pesagem extraoficial, se apresentar com peso igual ou superior a 1 kg acima do peso da categoria na qual está inscrito, estará automaticamente impedido de participar da competição O(a) aluno-atleta(a) terá direito apenas a uma única pesagem oficial Será eliminado da competição o(a) aluno-atleta(a) que não comparecer a pesagem e/ou não atender os limites, mínimo e máximo, da sua categoria de peso Os(as) alunos(as)-atletas poderão pesar de sunga, enquanto as alunas/atletas poderão pesar de collant O sistema de disputas obedecerá aos seguintes critérios: Nos confrontos com 02 (dois) participantes: melhor de 03 (três) confrontos Nos confrontos com 03 (três) a 05 (cinco) participantes: rodízio Nos confrontos com 06 (seis) ou mais participantes: repescagem olímpica Um único sorteio será realizado na Reunião Técnica, por meio do sistema eletrônico determinado pela FUME e, após a emissão das sumulas, nenhuma alteração posterior será efetuada. 32

33 Quando em uma determinada categoria de peso houver desclassificação de atletas no momento da pesagem, por ausência ou por não atingir o limite de peso, provocando redução do número de atletas na referida categoria, será realizado um novo sorteio. 8. O sistema de apuração para o torneio obedecerá aos seguintes critérios: 8.1. Nos confrontos com 02 (dois) participantes: melhor de 03 (três) confrontos Nos confrontos com 03 (três) a 05 (cinco) participantes: rodízio Nos confrontos com 06 (seis) ou mais participantes: repescagem olímpica. 9. Os alunos-atletas vencedores da repescagem serão considerados terceiros colocados. 10. Todos os(as) alunos(as)-atletas deverão se apresentar uniformizados, tendo os 02 (dois) judoguis, azul e branco Os alunos-atletas que não adequarem seus uniformes ao exigido por este regulamento serão impedidos de participar da competição Obrigatoriamente deverão constar nos uniformes de competições (camisas, camisetas, macaquinhos) o nome da instituição de ensino, cidade e sigla do Estado. 11. O(a) aluno(a)-atleta que não se apresentar quando chamado para competir, será sumariamente desclassificado. 12. Haverá pesagem conforme o programa de competição. Durante a pesagem só poderão permanecer no local especifico os(as) alunos(as)-atletas da categoria a ser pesada, a Comissão de Pesagem e apenas 01 (um) representante de cada FUE (independente da IES). 13. Todas as IES participantes na competição de Judô serão obrigadas a tomar parte no Cerimonial estabelecido pela Coordenação de Judô. 14. Os casos omissos serão resolvidos pelo departamento técnico, com anuência da Gerência de Competição, não podendo essas resoluções contrariar regras oficiais e o Regulamento Geral. 33

34 KARATÊ 1. As regras serão de acordo com o regulamento internacional da World Karate Federation e adotadas pela FISU (Federation Internacionale du Sport Universitárie), devidamente adaptadas para o evento. 2. As competições de karatê se norteiam no desenvolvimento do caráter humano, no autocontrole e na responsabilidade. 3. Ninguém e ou nenhum grupo deverá ter vantagem sobre o outro nas regras. Por isso devem ser imparciais, não discriminatórias e sem nenhuma vantagem artificial. 4. Não haverá competição por equipes. 5. DA PARTICIPAÇÃO DOS ATLETAS 5.1. Atletas que tenham algum problema de origem médica sejam por doença ou contusão, deverão avisar anteriormente o departamento médico sob pena de desclassificação 5.2. Todas as IES deverão entregar seu termo de responsabilidade, sob pena de desclassificação. 6. DOS TÉCNICOS 6.1. O Técnico da IES deverá estar devidamente identificado 6.2. Os protestos deverão ser escritos e encaminhados ao júri de apelação conforme regulamento oficial da WKF Os técnicos poderão dar instruções para seus atletas desde que não firam os códigos de respeito e segurança do evento, e permaneçam em área demarcada como área técnica Os técnicos são responsáveis em controlar seus atletas. Atos de desrespeito, antes, durante e após o evento poderão ocasionar não apenas a desclassificação do atleta, mas também a eliminação da IES, conforme regulamento da WKF. 7. DAS CATEGORIAS 7.1. As categorias serão divididas em categorias principais (2º Kyu e acima) 7.2. Os atletas deverão participar dentro de suas respectivas categorias. 34

35 CATEGORIA E DIVISÃO DE PESOS Kata Individual Masculino Kata Individual Feminino Kumite Individual Masculino (-60kg, -67kg, -75kg, -84kg, +84kg) Kumite Individual Feminino (-50kg, -55kg, -61kg,-68kg, +68kg) Quant. de atletas por IES Até 4 atletas Até 4 atletas Até 4 atletas por peso Até 4 atletas por peso 8. DAS PROVAS DE KATA 8.1. As regras serão de acordo com o regulamento internacional da World Karatê Federation e adotadas pela FISU (Federation Internacionale du Sport Universitárie), devidamente adaptadas para o evento Nas categorias principais os Katas não poderão ser repetidos em nenhuma das fases (Shitei ou Tokui) e o número e o tipo de Kata requerido (Shitei ou Tokui) dependerão da quantidade de competidores inscritos, conforme estabelece a tabela I (abaixo): 35

36 8.3. Os Katas obrigatórios (Shitei) são os da Tabela II (abaixo): 8.4. Nas categorias principais (2º kyu e acima) os Katas opcionais (Tokui) são aqueles relacionados no regulamento oficial da WKF Nas provas de kata por equipe, nas disputas de medalhas, as equipes deverão apresentar o Bunkai. 9. DAS PROVAS DE SHIAI KUMITÊ INDIVIDUAL 9.1. As regras serão de acordo com o regulamento internacional da World Karatê Federation e adotadas pela FISU (Federation Internacionale du Sport Universitárie) O sistema de chaves para as categorias principais (2º kyu e acima) será de eliminatória simples com repescagem para os dois terceiros colocados. 10. DOS UNIFORMES EQUIPAMENTOS OBRIGATÓRIOS Para as provas de Kumite os atletas deverão se apresentar de Kimono Branco - Protetores de Boca - Protetores de Mão, Pé e Canela (azul e vermelho) Faixa Azul e Vermelha Para as provas de kata os atletas deverão se apresentar de Kimono Branco, Faixa Azul e Vermelha. Parágrafo único Os atletas que não se apresentarem conforme determina os artigos 25 e 26, serão desclassificados. 11. FICHAS DE INSCRIÇÃO As fichas especificas da modalidade e termo de consentimento encontram se em anexo no fim deste regulamento. 36

37 RUGBY SEVEN 1. A competição de Rugby será realizada de acordo com as Regras Internacionais da IRB e os Regulamentos, Normas e Informes da FUME. 2. O tempo de duração de cada jogo será de 14 (catorze), minutos e divididos em 2 (dois) tempos de 7 (sete) minutos cada um, sem intervalo No jogo final, a duração do jogo será de 20 (vinte) minutos, divididos em 2 (dois) tempos de 10 (dez) minutos, com 2 (dois) minutos de intervalo. 3. Para a classificação das equipes, será observada a seguinte pontuação: Vitória pontos Empate...01 ponto Derrota ou WxO...00 ponto 4. O uniforme de cada equipe deve atender ao estabelecido nas regras da IRB. 5. A equipe deverá comparecer ao local do jogo com antecedência e devidamente uniformizada. Para ter condição de participação, antes do início do jogo, todos os componentes da equipe deverão apresentar suas credenciais à equipe de arbitragem. 6. No banco de reservas só poderão ficar os alunos-atletas e Comissão Técnica cujos nomes deverão constar da relação de inscrição. 7. A entrada dos alunos-atletas na quadra para o aquecimento será feita tão logo a mesma esteja livre e após a autorização do árbitro. a) O tempo de aquecimento no campo de jogo dependerá do término do jogo anterior. Entretanto, será garantido o tempo mínimo de 5 (cinco) minutos para as equipes aquecerem na quadra de jogo. 8. Nas Fases Quartas de Finais, Semifinais e Finais, os jogos não poderão terminar empatados. Caso no tempo normal isto ocorra, serão adotados os seguintes procedimentos: a) Para o desempate far-se-á uma prorrogação de 2 (dois) tempos de 5 (cinco) minutos, sem intervalo e com troca de lado, através de morte súbita (vence quem anotar qualquer ponto primeiro). Antes do início da prorrogação acontecerá um novo sorteio para determinar quem inicia o jogo 37

38 b) Persistindo o empate na prorrogação haverá a disputa de drop goal, na distância da linha de 22 metros com drops alternados entre as equipes. Havendo uma equipe que não converta e outra que converta, esta será declarada a vencedora. Somente os jogadores que terminaram a partida em campo podem efetuar os chutes de drop, caso persista empate os jogadores que constam da súmula da partida podem efetuar a cobrança. Em caso de persistir empate a cobrança de penais continua alternada até que haja um vencedor, podendo iniciar a repetição dos batedores após todos os jogadores constantes na sumula haverem batido o drop-goal. 9. Na Fase Classificatória, quando no mesmo grupo 2 (duas) ou mais equipes terminarem empatadas, o desempate far-se-á da seguinte maneira e em ordem sucessiva de eliminação: a) Confronto direto (quando de empate entre 2 equipes); b) Menor número de cartões vermelhos; c) Menor número de cartões amarelos; d) Maior número de trys marcados; e) Maior número de pontos marcados; f) Menor número de trys sofridos; g) Maior saldo de pontos; h) Sorteio. 10. Os jogadores expulsos (cartão vermelho) ficarão, definitivamente, excluídos da competição, ficando o Comissário de Arbitragem responsável pela entrega do relatório a Comissão Disciplinar a) Os jogadores que receberem o cartão amarelo deverão cumprir a suspensão de 2 minutos fora de campo ao lado da mesa de arbitragem. Este tempo começa a ser contado quando o jogador chega à mesa dos árbitros, sendo controlado pelo 4º árbitro. 11. Os casos omissos serão resolvidos pelo Departamento Técnico, não podendo essas resoluções contrariar regras oficiais e o Regulamento Geral. 38

39 TAEKWONDO 1. A competição de Takwondo será realizada de acordo com as Regras Internacionais da WTF e com os Regulamentos, Normas e Informes da FUME. 2. O(a) aluno-atleta(a) deverá apresentar antes de cada confronto a documentação exigida no Regulamento Geral das Seletivas Mineiras para a LDU Sem a apresentação da mesma, estará impossibilitado de participar do confronto. 3. Não haverá competição por equipes. 4. Cada IES poderá inscrever um quantitativo livre de alunos-atletas em cada Categoria de Peso. 5. Somente concorrerá a vaga na Etapa Nacional os alunos-atletas de graduação de faixa Vermelha (2º Gub) e acima. corporal. 6. O aluno-atleta poderá competir somente na categoria correspondente ao seu peso 7. A confirmação da inscrição do aluno-atleta dar-se-á na Reunião Técnica, sendo que confirmação da participação será efetivada na pesagem oficial que será realizada em local e horário definidos pela Coordenação de Taekwondo A pesagem dos atletas será realizada conforme informativo divulgado pela Coordenação, podendo o atleta subir na balança 2 (duas) vezes com um limite de 30 minutos após a primeira pesagem A pesagem será realizada no local do congresso técnico. 39

40 8. As Categorias de Pesos obedecerão aos seguintes limites: 9. Será eliminado da competição o(a) aluno-atleta(a) que não comparecer a pesagem e/ou não atender os limites, mínimo e máximo, da sua categoria de peso. 10. O sistema de disputa será por eliminatória simples, sendo definidas as chaves no congresso técnico A duração de cada combate será de três (3) rounds de dois minutos com um minuto de descanso entre os rounds. No caso de empate, após o término do 3º(terceiro) round, um 4º(quarto) round de dois minutos será realizado como tempo extra, utilizando o sistema de morte súbita (golden point). Esse round será realizado um minuto após o término do 3º(terceiro) round. O tempo dos combates pode sofrer alterações de acordo com o número de participantes como segue na regra da Federação Mundial de Taekwondo. 11. O aluno-atleta que não se apresentar quando chamado para competir, será sumariamente desclassificado. 12. Os casos omissos serão resolvidos pelo Departamento Técnico, não podendo essas resoluções contrariar regras oficiais e o Regulamento Geral. 40

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DO DESPORTO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO GERAL TEMPORADA 2015

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DO DESPORTO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO GERAL TEMPORADA 2015 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DO DESPORTO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO GERAL TEMPORADA 2015 SUMÁRIO TÍTULO Princípios Gerais 03 Comitê Organizador 04 Comissão Disciplinar 04 Responsabilidades 06 Participação e

Leia mais

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429

www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 Organização, compromisso e qualidade em prol do esporte universitário paulista www.ndu.net.br Sede Social Rua Luís Góis, 2.187 Mirandópolis São Paulo SP Cep: 04043-400 Fone: (11) 7708-7429 REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE REGULAMENTO ESPECÍFICO DO BASQUETE 1. As competições de basquete serão realizadas de acordo com as regras internacionais da FIBA e os regulamentos e normas do Novo Desporto Universitário 2012 NDU. 2. Cada

Leia mais

CAMPEONATO DE FUTSAL MACEIÓ 200 ANOS REGULAMENTO DE FUTSAL

CAMPEONATO DE FUTSAL MACEIÓ 200 ANOS REGULAMENTO DE FUTSAL CAMPEONATO DE FUTSAL MACEIÓ 200 ANOS REGULAMENTO DE FUTSAL 1. Os jogos de Futsal serão realizados de acordo com as Regras Oficiais, salvo o estabelecido neste Regulamento. 2. Cada equipe poderá inscrever

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DA UNIPAMPA EDIÇÃO 2013

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DA UNIPAMPA EDIÇÃO 2013 REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DA UNIPAMPA EDIÇÃO 2013 REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DA UNIPAMPA EDIÇÃO 2013 Art. 1º- Os Jogos Universitários da UNIPAMPA serão realizados pela

Leia mais

Regulamento Específico. Futsal

Regulamento Específico. Futsal Regulamento Específico Futsal 2015 Art. 1º - A competição de futsal dos Jogos Escolares de Minas Gerais JEMG/2015 obedecerá às Regras Oficiais da FIFA para a modalidade, adotadas pela Confederação Brasileira

Leia mais

Jogos Universitários Mineiros

Jogos Universitários Mineiros Jogos Universitários Mineiros JUMs 2014 Viçosa-MG -Regulamento Geral- SUMÁRIO 1. PRINCIPIOS GERAIS...03 2. MODALIDADES...03 3. PODERES...03 3.1. COMISSÃO DE HONRA...04 3.2. COMITÊ ORGANIZADOR...04 3.3.

Leia mais

REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 FUTEBOL - TAÇA OURO SERIE A CAPÍTULO I

REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 FUTEBOL - TAÇA OURO SERIE A CAPÍTULO I REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 FUTEBOL - TAÇA OURO SERIE A CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º - A Temporada dos Campeões 2014 tem por finalidade promover a integração dos colaboradores das empresas

Leia mais

FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI)

FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI) 8 o CAMPEONATO MUNICIPAL DE FUTSAL MASCULINO/ FUNPEEL Troféu Luiz Carlos Heidrich (LULI) 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO TÉCNICO 1.1. O 8º Campeonato Municipal de Futsal Masculino será promovido e

Leia mais

LIGA DO DESPORTO UNIVERSITARIO REGULAMENTO GERAL

LIGA DO DESPORTO UNIVERSITARIO REGULAMENTO GERAL LIGA DO DESPORTO UNIVERSITARIO REGULAMENTO GERAL 2012 SUMÁRIO Princípios Gerais...01 Comitê Organizador...01 Comissão Disciplinar...01 Responsabilidades...02 Participação...04 Congresso Técnico...06 Jogos...07

Leia mais

TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO

TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO TAÇA CIDADE SÃO JOSÉ DE FUTSAL 2014 REGULAMENTO GERAL I - DA ORGANIZÇÃO E DIREÇÃO Art. 1º - A organização da Taça Cidade São José de Futsal é de inteira responsabilidade da Prefeitura Municipal de São

Leia mais

REGULAMENTO BASQUETE 2009

REGULAMENTO BASQUETE 2009 REGULAMENTO BASQUETE 2009 Organização: Fórum das Associações dos Servidores das Agências Reguladoras Patrocínio: DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO BASQUETE - 2009 Art.01 - Este regulamento é o conjunto

Leia mais

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY

REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY XIII JOGOS AFFEMG Associação dos Funcionários Fiscais de Minas Gerais 1- DO LOCAL REGULAMENTO FUTEBOL SOCIETY 1.1 - Os jogos acontecerão em campos de futebol society de grama sintética ou natural, aprovados

Leia mais

REGULAMENTO da TAÇA PAULO ROBERTO TRIVELLI 2015 SELETIVA FASE ESTADUAL TITULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO da TAÇA PAULO ROBERTO TRIVELLI 2015 SELETIVA FASE ESTADUAL TITULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO da TAÇA PAULO ROBERTO TRIVELLI 2015 SELETIVA FASE ESTADUAL TITULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - A TAÇA PAULO ROBERTO TRIVELLI 2015 é promovida, organizada e dirigida pela FEDERAÇÃO UNIVERSITÁRIA

Leia mais

REGULAMENTO OFICIAL VI COPA DE FUTEBOL 7 UNIGUAÇU

REGULAMENTO OFICIAL VI COPA DE FUTEBOL 7 UNIGUAÇU REGULAMENTO OFICIAL VI COPA DE FUTEBOL 7 UNIGUAÇU CAP. I: AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART.1 - O torneio é uma Promoção do Colegiado do curso de Educação Física da Uniguaçu, apoiado pela Uniguaçu. ART.2

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO FUTSAL

REGULAMENTO TÉCNICO FUTSAL FUTSAL Art. 1º - O campeonato de Futebol de Salão será regido pelas regras oficiais da CBFS - Confederação Brasileira de Futsal, por este Regulamento e conforme o disposto no Regulamento Geral. Art. 2º

Leia mais

CATEGORIA: IDADE LIVRE

CATEGORIA: IDADE LIVRE 15º CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE ADVOGADOS (15ª edição) 2014 CATEGORIA: IDADE LIVRE REGULAMENTO GERAL Art. 1 - Participantes: O 15º Campeonato Brasileiro de Futebol da OAB terá a participação dos

Leia mais

CIRCUITO VERÃO SESC DE ESPORTES 2013/2014

CIRCUITO VERÃO SESC DE ESPORTES 2013/2014 CIRCUITO VERÃO SESC DE ESPORTES 2013/2014 I. DA COMPETIÇÃO II. DA COORDENAÇÃO III. DAS FASES DA COMPETIÇÃO IV. DAS INSCRIÇÕES E PARTICIPAÇÕES V. DA PREMIAÇÃO VI. DA ARBITRAGEM VII. DA IDENTIFICAÇÃO VIII.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO TÉCNICO CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Artigo 1º. Este regulamento é o documento composto conjunto das disposições que regem a Campeonato Brasileiro de Handebol dos Surdos 2015, nas categorias

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA

REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA REGULAMENTO GERAL DO I TORNEIO DE FUTEBOL SOCIETY FACULDADE ESFA Art. 1º O Torneio de Futebol Society tem por finalidade: A congregação dos graduandos, o fortalecimento dos laços de amizade e a camaradagem

Leia mais

REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I REGULAMENTO TEMPORADA DOS CAMPEÕES 2014 MODALIDADE: TÊNIS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º - O Torneio de Tênis tem por finalidade promover a integração dos colaboradores do Grupo FIAT através da atividade

Leia mais

XX Copa PMU/ Futel de Futsal 2015 Regulamento Geral MASCULINO

XX Copa PMU/ Futel de Futsal 2015 Regulamento Geral MASCULINO XX Copa PMU/ Futel de Futsal Regulamento Geral MASCULINO UBERLÂNDIA MG 1 XX COPA PMU/ FUTEL DE FUTSAL MASCULINO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º - A XX COPA PMU/FUTEL DE FUTSAL MASCULINO tem por objetivo

Leia mais

IV CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY DA ASTRIFE 2013 REGULAMENTO GERAL

IV CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY DA ASTRIFE 2013 REGULAMENTO GERAL IV CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY DA ASTRIFE 2013 REGULAMENTO GERAL I. DAS FINALIDADES Artigo 1 O IV CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY, tem por finalidade congregar todas as pessoas que trabalham

Leia mais

LIGA NACIONAL MASCULINA 2013

LIGA NACIONAL MASCULINA 2013 LIGA NACIONAL MASCULINA 2013 REGULAMENTO ESPECÍFICO Capítulo I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1 Este Regulamento tem como finalidade, determinar as condições em que será disputada a LIGA NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO. Os representantes das equipes ficarão responsáveis pela disciplina de seus atletas.

REGULAMENTO. Os representantes das equipes ficarão responsáveis pela disciplina de seus atletas. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: REGULAMENTO Artigo 1 Artigo 2 Artigo 3 Artigo 4 Artigo 5 Fica instituído pela Delegacia Sindical de Brasília o IV Campeonato de Futebol Soçaite. Este regulamento é o conjunto

Leia mais

VII TORNEIO DE FUTSAL MENORES 2015 REGULAMENTO GERAL. OBJETIVO Proporcionar à criança a integração social através do futsal.

VII TORNEIO DE FUTSAL MENORES 2015 REGULAMENTO GERAL. OBJETIVO Proporcionar à criança a integração social através do futsal. VII TORNEIO DE FUTSAL MENORES 2015 REGULAMENTO GERAL OBJETIVO Proporcionar à criança a integração social através do futsal. ORGANIZAÇÃO O torneio será organizado e dirigido por uma Comissão Organizadora

Leia mais

XIII Copa FUTEL de Futebol de Campo 2014 Regulamento

XIII Copa FUTEL de Futebol de Campo 2014 Regulamento XIII Copa FUTEL de Futebol de Campo Regulamento 1 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A XIII COPA FUTEL DE FUTEBOL DE CAMPO tem por objetivo principal o congraçamento geral dos participantes e criar alternativas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA TAÇA SÃO PAULO DE FUTSAL-2015 DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO Art. 1º - A Taça São Paulo de Futsal - 2015 será disputado por equipes com atletas com deficiência intelectual. Art.

Leia mais

Torneio de Futsal 2014 Troféu Rafael Afonso Leite

Torneio de Futsal 2014 Troféu Rafael Afonso Leite Torneio de Futsal 2014 Troféu Rafael Afonso Leite DOS OBJETIVOS: O Einstein Gol é um evento que visa aumentar sociabilizarão e integração entre todos os nossos alunos, funcionários, Corpo Docente e Direção.

Leia mais

REGULAMENTO DE FUTSAL

REGULAMENTO DE FUTSAL REGULAMENTO DE FUTSAL Capítulo I DAS FINALIDADES Art. 1º O campeonato de futsal masculino, é promovido como uma das modalidades dos VI JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA, promovido e organizado pela AMB Associação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL I COPA SOCIETY OAB/MG

REGULAMENTO GERAL I COPA SOCIETY OAB/MG BELO HORIZONTE AGOSTO DE 2014 REGULAMENTO GERAL I COPA SOCIETY OAB/MG REALIZAÇÃO Arte do Esporte www.artedoesporte.com.br I DAS FINALIDADES 3 II DA ORGANIZAÇÃO E EXECUÇÃO 3 III PERÍODO DE INSCRIÇÃO E REALIZAÇÃO

Leia mais

2º CAMPEONATO DE FUTSAL DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICO CULTURAL PAINCO REGULAMENTO GERAL

2º CAMPEONATO DE FUTSAL DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICO CULTURAL PAINCO REGULAMENTO GERAL 1 2º CAMPEONATO DE FUTSAL DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICO CULTURAL PAINCO REGULAMENTO GERAL Disposições Preliminares 1 O Campeonato de Futsal da Associação Atlético Cultural Painco de 2010 será dirigido pelo Departamento

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DA UNIPAMPA EDIÇÃO 2015

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DA UNIPAMPA EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DA UNIPAMPA EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS UNIVERSITÁRIOS DA UNIPAMPA EDIÇÃO 2015 Art. 1- Os Jogos Universitários da UNIPAMPA serão realizados pela Pró-Reitoria

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS

REGULAMENTO GERAL DOS REGULAMENTO GERAL DOS II JOGOS UNIVERSITARIOS UNIBRASIL 2009 I - DOS OBJETIVOS II JOGOS UNIVERSITARIOS UNIBRASIL 2009 Artigo 1º - Os II Jogos Universitários das Faculdades Integradas do Brasil, promovido

Leia mais

3ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS.

3ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS. 3ª COPA QUIOSQUE NATUREZA DE FUTEBOL SUÍÇO INTER-ACADEMIAS. REGULAMENTO OFICIAL CAPÍTULO I OBJETIVOS ART. 1º - A 3ª Copa Quiosque Natureza de Futebol Suíço Inter-Academias, que será realizada no 2º semestre

Leia mais

VI TAÇA CIDADE DE SÃO PAULO DE FUTEBOL FEMININO - 2013

VI TAÇA CIDADE DE SÃO PAULO DE FUTEBOL FEMININO - 2013 VI TAÇA CIDADE DE SÃO PAULO DE FUTEBOL FEMININO - 2013 DAS FINALIDADES Artigo 1º - Visando divulgar, incentivar e revelar novos talentos da prática da modalidade de futebol feminino, a Secretaria de Esportes,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. ARTIGO I: A COPA BIG-ESPORTES DE FUTSAL IJUI/RS, somente poderá participar as instituições com suas equipes convidadas.

REGULAMENTO GERAL. ARTIGO I: A COPA BIG-ESPORTES DE FUTSAL IJUI/RS, somente poderá participar as instituições com suas equipes convidadas. REGULAMENTO GERAL CAPITULO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ARTIGO I: A COPA BIG-ESPORTES DE FUTSAL IJUI/RS, somente poderá participar as instituições com suas equipes convidadas. ARTIGO II: Da Cerimônia de

Leia mais

Federação Paranaense de Futebol 7 VII COPA RIC DE FUTEBOL 7 / 2015 REGULAMENTO OFICIAL

Federação Paranaense de Futebol 7 VII COPA RIC DE FUTEBOL 7 / 2015 REGULAMENTO OFICIAL Federação Paranaense de Futebol 7 VII COPA RIC DE FUTEBOL 7 / 2015 REGULAMENTO OFICIAL CAPÍTULO I - Da Finalidade Art. 01 A VII COPA RIC DE FUTEBOL 7 2015, será organizada pela Federação Paranaense de

Leia mais

Seletiva Estadual Universitária de RUGBY SEVEN

Seletiva Estadual Universitária de RUGBY SEVEN Seletiva Estadual Universitária de RUGBY SEVEN LOCAL/ DATA/ HORÁRIO Local: Campo Federação Paulista de Rugby Parque Esportivo do Trabalhador (Antigo CERET) Rua Canuto de Abreu, s/número - Tatuapé Data:

Leia mais

7º JOGOS REGIONAIS DA SAÚDE REGULAMENTO

7º JOGOS REGIONAIS DA SAÚDE REGULAMENTO 7º JOGOS REGIONAIS DA SAÚDE REGULAMENTO I - DOS OBJETIVOS Art. 01 - A 7º edição dos JOGOS REGIONAIS DA SAÚDE é um evento promovido pelos Servidores da Secretaria de Estado da Saúde SES Art. 02 - O campeonato

Leia mais

O Presidente da Liga Araguarina de Futebol, no uso de suas atribuições, por delegação de poderes, que lhes fora conferido, pelo Estatuto da Entidade:

O Presidente da Liga Araguarina de Futebol, no uso de suas atribuições, por delegação de poderes, que lhes fora conferido, pelo Estatuto da Entidade: LIGA ARAGUARINA DE FUTEBOL DEPARTAMENTO TÉCNICO NOTA OFICIAL Nº 004/2013 - DT DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO, DO CAMPEONATO DA 1ª DIVISÃO DE NÃO PROFISSIONAIS, DA TEMPORADA DE 2013. O Presidente da Liga Araguarina

Leia mais

www.grude6.com.br grude6@yahoo.com.br REGULAMENTO DO V TORNEIO GRUDE6 DE FUTSAL 2013.

www.grude6.com.br grude6@yahoo.com.br REGULAMENTO DO V TORNEIO GRUDE6 DE FUTSAL 2013. REGULAMENTO DO V TORNEIO GRUDE6 DE FUTSAL 2013. I - DOS OBJETIVOS: Art. 1º - O evento visa proporcionar aos servidores do Poder Judiciário Federal e instituições convidadas a integração e socialização

Leia mais

REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO

REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO REGULAMENTO DO FUTSAL MASCULINO E FEMININO I - DOS LOCAIS DOS JOGOS Art. 1º - Os jogos serão realizados nos seguintes locais: Quadras 01,02 e 03 - térreo do Prédio 80 Quadras 01,02 e 03-4º andar do Prédio

Leia mais

16ª Copa Farroupilha de Futebol Amador

16ª Copa Farroupilha de Futebol Amador 16ª Copa Farroupilha de Futebol Amador De Março a Julho de 2013 Organização: Prof. José Medeiros LIGA FARROUPILHA REGULAMENTO GERAL 1) Da fórmula de disputa: a) A competição contará com dezoito (18) equipes;

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS JOGOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO TOCANTINS

REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS JOGOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO TOCANTINS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS JOGOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO TOCANTINS PALMAS - 2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ATLETISMO 1. A Competição de Atletismo será realizada de acordo com as regras oficiais da

Leia mais

REGULAMENTO DELEGACIA SINDICAL DE BRASÍLIA - DF IV CAMPEONATO DE FUTEBOL SOÇAITE DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL / 2011

REGULAMENTO DELEGACIA SINDICAL DE BRASÍLIA - DF IV CAMPEONATO DE FUTEBOL SOÇAITE DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL / 2011 REGULAMENTO DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES: Artigo 1 Artigo 2 Artigo 3 Artigo 4 Artigo 5 Fica instituído pela Delegacia Sindical de Brasília o IV Campeonato de Futebol Soçaite. Este regulamento é o conjunto

Leia mais

LIGA PAULISTANA DE FUTEBOL AMADOR

LIGA PAULISTANA DE FUTEBOL AMADOR COPA LIGA PAULISTANA REGULAMENTO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º - Este Regulamento é o conjunto das disposições que regem a Copa Liga Paulistana. Artigo 2º - A Copa tem por finalidade promover

Leia mais

REGULAMENTO 2010. IV Interperíodos de Futsal Masculino e Feminino da Administração

REGULAMENTO 2010. IV Interperíodos de Futsal Masculino e Feminino da Administração REGULAMENTO 2010 IV Interperíodos de Futsal Masculino e Feminino da Administração CAPÍÍTULO II DASS DIISSPOSSIIÇÕESS PRELIIMIINARESS Art1º Art2º O IV Interperíodos de Futsal Masculino e Feminino, é uma

Leia mais

Do Cerimonial de Abertura OLIMGLOCK Da Identificação

Do Cerimonial de Abertura OLIMGLOCK Da Identificação SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E INOVAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÂO BÁSICA MONSENHOR GREGÓRIO LOCKS Justificativa Olimpíadas Gregório Locks Regulamento Geral Artigo 1º - No seu Projeto Político Pedagógico,

Leia mais

Federação Paulista de Futebol RUA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL, 55 SÃO PAULO - SP Telefone 2189-7000 Fax 2189-7022

Federação Paulista de Futebol RUA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL, 55 SÃO PAULO - SP Telefone 2189-7000 Fax 2189-7022 Federação Paulista de Futebol RUA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL, 55 SÃO PAULO - SP Telefone 2189-7000 Fax 2189-7022 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA 46ª COPA SÃO PAULO DE FUTEBOL JÚNIOR - 2015 I - DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO ATLETISMO

REGULAMENTO TÉCNICO ATLETISMO REGULAMENTO TÉCNICO ATLETISMO 1 A Competição de Atletismo do JIUDESC 2014 será regida pelas Regras Internacionais da IAAF e pelo que dispõe este Regulamento. 2 Cada Centro poderá inscrever, no máximo,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA DO BANCO DO BRASIL VICE-PRESIDÊNCIA DE ESPORTES TORNEIO INTERNO I COPA MUNDO A.A.B.B. DE FUTEBOL DE CAMPO

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA DO BANCO DO BRASIL VICE-PRESIDÊNCIA DE ESPORTES TORNEIO INTERNO I COPA MUNDO A.A.B.B. DE FUTEBOL DE CAMPO TORNEIO INTERNO I COPA MUNDO A.A.B.B. DE FUTEBOL DE CAMPO REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO O Vice-Presidente de Esportes da Associação Atlética do Banco do Brasil de Belo Horizonte, usando de suas atribuições,

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Esportes SESP COPA DE FUTSAL CIDADE DE SÃO BERNARDO 2016 R E G U L A M E N T O. Da Organização e Fins

MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Esportes SESP COPA DE FUTSAL CIDADE DE SÃO BERNARDO 2016 R E G U L A M E N T O. Da Organização e Fins COPA DE FUTSAL CIDADE DE SÃO BERNARDO 2016 Atualizado em 02/02/2016 R E G U L A M E N T O Da Organização e Fins Art. 1º A COPA DE FUTSAL CIDADE DE SÃO BERNARDO 2016, realizada pela Prefeitura, através

Leia mais

FEDERAÇÃO UNIVERSITÁRIA GAÚCHA DE ESPORTES. 35º JOGOS UNIVERSITÁRIOS GAÚCHOS - JUGs 2014. REGULAMENTO GERAL - Esportes Individuais

FEDERAÇÃO UNIVERSITÁRIA GAÚCHA DE ESPORTES. 35º JOGOS UNIVERSITÁRIOS GAÚCHOS - JUGs 2014. REGULAMENTO GERAL - Esportes Individuais 1 35º JOGOS UNIVERSITÁRIOS GAÚCHOS - JUGs 2014 REGULAMENTO GERAL - Esportes Individuais Art. 1º - Os 35º Jogos Universitários Gaúchos - JUGs 2014 - Etapa Esportes Individuais, serão realizados pela Federação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO GERAL. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º A Copa Sesquinho é promovida pelo Serviço Social do Comércio SESC-DF. Os jogos serão regidos pelo presente Regulamento Geral e por decisões

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Copa do Mestre 2007 Raul de Jesus Lustosa Filho Prefeito Municipal de Palmas Danilo de Melo Souza Secretário Municipal da Educação e Cultura Zenóbio Cruz da Silva Arruda Júnior Chefe de Gabinete da Secretaria

Leia mais

IV CAMPEONATO BRASILEIRO ESCOLAR DE FUTSAL - 2015 REGULAMENTO GERAL

IV CAMPEONATO BRASILEIRO ESCOLAR DE FUTSAL - 2015 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - O IV Campeonato Brasileiro Escolar de Futsal é uma competição inter-colegial que tem por objetivo incentivar, no meio estudantil, a prática desportiva, enaltecendo

Leia mais

IV CAMPEONATO BRASILEIRO ESCOLAR DE HANDEBOL - 2014 REGULAMENTO GERAL

IV CAMPEONATO BRASILEIRO ESCOLAR DE HANDEBOL - 2014 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - O IV Campeonato Brasileiro Escolar de Handebol é uma competição intercolegial que tem por objetivo incentivar, no meio estudantil, a prática desportiva, enaltecendo

Leia mais

Federação Paulista de Futebol

Federação Paulista de Futebol Federação Paulista de Futebol RUA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL, 55 SÃO PAULO - SP Telefone 2189-7000 Fax 2189-7022 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO 17º CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL FEMININO - PRIMEIRA DIVISÃO

Leia mais

Federação Paulista de Futebol

Federação Paulista de Futebol Federação Paulista de Futebol RUA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL, 55 SÃO PAULO - SP Telefone 2189-7000 Fax 2189-7044 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA 47ª COPA SÃO PAULO DE FUTEBOL JÚNIOR - 2016 FINALIDADES Art.

Leia mais

REGULAMENTO DO CAMPEONATO MUNICIPAL DE 2012 CATEGORIA PRINCIPAL DIVISÃO ESPECIAL/1ª DIVISÃO/2ª DIVISÃO/3ª DIVISÃO/4ª DIVISÃO

REGULAMENTO DO CAMPEONATO MUNICIPAL DE 2012 CATEGORIA PRINCIPAL DIVISÃO ESPECIAL/1ª DIVISÃO/2ª DIVISÃO/3ª DIVISÃO/4ª DIVISÃO LIGA DE FUTEBOL DE SALÃO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO e-mail ligafutsalsbc@gmail.com ou ligafutsalsbc@uol.com.br - Data de fundação 15/08/1981 site : www.ligafutsalsaobernardo.com.br Telefones: 4122-58-85-4330-95-70

Leia mais

II JOGOS ARQUIDIOCESANOS. REGULAMENTO GERAL Fase Vicarial

II JOGOS ARQUIDIOCESANOS. REGULAMENTO GERAL Fase Vicarial II JOGOS ARQUIDIOCESANOS REGULAMENTO GERAL Fase Vicarial CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO TÍTULO I Art. 1º. Os II JOGOS ARQUIDIOCESANOS têm por finalidade aumentar a participação de atividades esportivas

Leia mais

1 COPA SANTA MÔNICA DE FUTSAL INFANTIL

1 COPA SANTA MÔNICA DE FUTSAL INFANTIL REGULAMENTO 1 COPA SANTA MÔNICA DE FUTSAL INFANTIL 1- DOS OBJETIVOS: A 1 COPA SANTA MÔNICA DE FUTSAL INFANTIL tem como objetivo, a integração dos atletas de Futsal do clube, associados, e demais interessados

Leia mais

O CAMPEONATO SAMBERNARDENSE DE FUTEBOL JUNIORES 2011 R E G U L A M E N T O / TEMPORADA 2011 = = = = = = = = = = = = DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CAMPEONATO SAMBERNARDENSE DE FUTEBOL JUNIORES 2011 R E G U L A M E N T O / TEMPORADA 2011 = = = = = = = = = = = = DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAMPEONATO SAMBERNARDENSE DE FUTEBOL JUNIORES 2011 R E G U L A M E N T O / TEMPORADA 2011 = = = = = = = = = = = = DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ARTIGO 1º O CAMPEONATO SAMBERNARDENSE DE FUTEBOL JUNIORES/2011,

Leia mais

XXIV CIRCUITO ESTADUAL DE VOLEIBOL DE PRAIA 2013 / 2014 R E G U L A M E N T O

XXIV CIRCUITO ESTADUAL DE VOLEIBOL DE PRAIA 2013 / 2014 R E G U L A M E N T O XXIV CIRCUITO ESTADUAL DE VOLEIBOL DE PRAIA 2013 / 2014 R E G U L A M E N T O DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - O XXIV CIRCUITO ESTADUAL DE VOLEIBOL DE PRAIA 2013 / 2014 é uma promoção e realização da Federação

Leia mais

REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES

REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES REGULAMENTO DANONE COPA DAS NAÇÕES Capítulo 1 Da Finalidade Artigo 1º - A DANONE COPA DAS NAÇÕES tem como objetivo incentivar a prática esportiva no meio estudantil e comunitário e promover o intercâmbio,

Leia mais

Troféu Guarulhos de futsal Municipal 2015 Menores 1º Semestre.

Troféu Guarulhos de futsal Municipal 2015 Menores 1º Semestre. Troféu Guarulhos de futsal Municipal 2015 Menores 1º Semestre. Título I Das Disposições Gerais A) Será obrigatório, de acordo com as Regras do Futsal, o uso de caneleiras para todos os atletas. B) Não

Leia mais

REGULAMENTO VII TORNEIO INTER-CARTÓRIOS 2015 DE FUTSAL DE SOROCABA E REGIÃO

REGULAMENTO VII TORNEIO INTER-CARTÓRIOS 2015 DE FUTSAL DE SOROCABA E REGIÃO REGULAMENTO VII TORNEIO INTER-CARTÓRIOS 2015 DE FUTSAL DE SOROCABA E REGIÃO REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART.1 Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as competições do Torneio

Leia mais

3º TORNEIO DE FUTSAL CDL CANOAS

3º TORNEIO DE FUTSAL CDL CANOAS 3º TORNEIO DE FUTSAL CDL CANOAS REGULAMENTO GERAL Capítulo 1 Comissão disciplinar e organizadora: O Evento será coordenado pela CDL e pela CDL Jovem Canoas, com as seguintes atribuições: a) Tomar as providências

Leia mais

DORIVAL ANTONIO DE LIMA

DORIVAL ANTONIO DE LIMA 5ºCOPA FUPESP FEDERAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO 2009 DORIVAL ANTONIO DE LIMA REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º - A

Leia mais

GIOCHI DELLA GIOVENTU -2014

GIOCHI DELLA GIOVENTU -2014 Av.Presidente Antonio Carlos 40-3 Andar Centro Rio De Janeiro Cep 20020-010 Rio de Janeiro Tel.021-22623697 secretaria@conibrasile.org GIOCHI DELLA GIOVENTU -2014 Dando continuidade ao trabalho desenvolvido

Leia mais

LIGA GONÇALENSE DE DESPORTOS BOLETIM OFICIAL Nº 18/2012 - SÃO GONÇALO, 12 DE JUNHO DE 2012 RESOLUÇÕES DA PRESIDÊNCIA

LIGA GONÇALENSE DE DESPORTOS BOLETIM OFICIAL Nº 18/2012 - SÃO GONÇALO, 12 DE JUNHO DE 2012 RESOLUÇÕES DA PRESIDÊNCIA LIGA GONÇALENSE DE DESPORTOS BOLETIM OFICIAL Nº 18/2012 - SÃO GONÇALO, 12 DE JUNHO DE 2012 RESOLUÇÕES DA PRESIDÊNCIA 1 REGULAMENTO CAMPEONATO GONÇALENSE DE FUTEBOL MIRIM CAPÍTULO - I - DA ORGANIZAÇÃO E

Leia mais

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010.

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010. COPA SENAI 2010 REGULAMENTO GERAL SESI SENAI - SP 2010 REGULAMENTO GERAL FASE INTERCLASSES I DOS OBJETIVOS Art. 01 A COPA SENAI 2010, tem por finalidade o bem estar e a integração do aluno perante a sociedade

Leia mais

32 o CAMPEONATO DE FUTEBOL DE CAMPO REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO AB - CURITIBA

32 o CAMPEONATO DE FUTEBOL DE CAMPO REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO AB - CURITIBA 32 o CAMPEONATO DE FUTEBOL DE CAMPO 2015 REGULAMENTO DA COMPETIÇÃO AB - CURITIBA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta competição será coordenada pela Associação Brasil Núcleo Regional

Leia mais

Federação Paulista de Futebol

Federação Paulista de Futebol Federação Paulista de Futebol RUA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL, 55 SÃO PAULO - SP Telefone 2189-7000 Fax 2189-7022 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA 45ª COPA SÃO PAULO HITACHI DE FUTEBOL JÚNIOR - 2014 I - DAS

Leia mais

BRASIL BASQUETE KIDS SÃO CARLOS ENCONTRO NACIONAL DE BASQUETEBOL SUB10/12 2014

BRASIL BASQUETE KIDS SÃO CARLOS ENCONTRO NACIONAL DE BASQUETEBOL SUB10/12 2014 BRASIL BASQUETE KIDS SÃO CARLOS ENCONTRO NACIONAL DE BASQUETEBOL SUB10/12 2014 REGULAMENTO GERAL E TÉCNICO Capítulo Primeiro DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 01º- Este regulamento é o conjunto das disposições que

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL/2016

REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL/2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL/2016 1 Art. 1º - A competição de basquetebol do Programa Minas Esportiva/Jogos Escolares de Minas Gerais - JEMG/2016 obedecerá às regras oficiais da International Basketball

Leia mais

REGULAMENTO COPA BRASIL IMEF 2011

REGULAMENTO COPA BRASIL IMEF 2011 REGULAMENTO COPA BRASIL IMEF 2011 CATEGORIAS: MIRIM(97) SUB 14 PRÉ-MIRIM(98) SUB 13 FRALDINHA (99) SUB 12 DENTINHO(99) SUB 12 1 - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente Regulamento é o conjunto das disposições

Leia mais

REGULAMENTO. Realização: Prefeitura de Betim Promoção: Secretaria Municipal de Esportes. Este regulamento contém 08 páginas

REGULAMENTO. Realização: Prefeitura de Betim Promoção: Secretaria Municipal de Esportes. Este regulamento contém 08 páginas REGULAMENTO Open de Futsal 2007 Realização: Prefeitura de Betim Promoção: Secretaria Municipal de Esportes Leia sempre que tiver dúvidas! Este regulamento contém 08 páginas 1 REGULAMENTO GERAL I Das Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DOS JOGOS DA SAÚDE

REGULAMENTO DOS JOGOS DA SAÚDE REGULAMENTO DOS JOGOS DA SAÚDE 2015 ÍNDICE CAPÍTULO I Da Organização...3; CAPÍTULO II Dos Objetivos...3; CAPÍTULO III Da Coordenação...3; CAPÍTULO IV Data e local...4; CAPÍTULO V Das Inscrições...4; CAPÍTULO

Leia mais

DANONE COPA DAS NAÇÕES 2015

DANONE COPA DAS NAÇÕES 2015 REGULAMENTO DE SÃO PAULO CAPÍTULO 1 DA FINALIDADE Artigo 1º - A DANONE COPA DAS NAÇÕES tem por objetivo, incentivar a prática esportiva no meio estudantil e comunitário, e promover o intercâmbio, a socialização

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO II TORNEIO DA UNIRB

REGULAMENTO GERAL DO II TORNEIO DA UNIRB CURSOS DE LICENCIATURA E BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA REGULAMENTO GERAL DO II TORNEIO DA UNIRB CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1. O II TORNEIO UNIRB tem como finalidade promover a integração

Leia mais

REGULAMENTO GERAL RIO GRANDE DO SUL ETAPA ESTADUAL 12 A 14 ANOS CAMPEONATO ESTUDANTIL. www.fundergs.rs.gov.br

REGULAMENTO GERAL RIO GRANDE DO SUL ETAPA ESTADUAL 12 A 14 ANOS CAMPEONATO ESTUDANTIL. www.fundergs.rs.gov.br REGULAMENTO GERAL CAMPEONATO ESTUDANTIL DO RIO GRANDE DO SUL 2012 ETAPA ESTADUAL 12 A 14 ANOS www.fundergs.rs.gov.br Regulamento Geral ÍNDICE I - DA JUSTIFICATIVA... 3 II - DOS OBJETIVOS... 3 III - DA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL INTRODUÇÃO

REGULAMENTO GERAL INTRODUÇÃO XI JOGOS MACABEUS NACIONAIS DAS ESCOLAS JUDAICAS RIO DE JANEIRO / BRASIL 06 a 09 de setembro de 2012 REGULAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A Macabi Rio, entidade filiada à Macabi Brasil, e organizadora há 19 anos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX ART. 1º - DA FINALIDADE REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS MULTIVIX Os JOGOS MULTIVIX modalidade Beach Soccer fazem parte do CIRCUITO VIDA SAUDÁVEL MULTIVIX, torneio universitário que tem por finalidade integrar

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA JUVENTUDE, ESPORTE E LAZER S E J E L REGULAMENTO GERAL

SECRETARIA DE ESTADO DA JUVENTUDE, ESPORTE E LAZER S E J E L REGULAMENTO GERAL SECRETARIA DE ESTADO DA JUVENTUDE, ESPORTE E LAZER S E J E L REGULAMENTO GERAL 1 Regulamento Geral dos Jogos Escolares e Paraescolares da Paraíba CATEGORIA A - 12 A 14 ANOS CATEGORIA B - 15 A 17 ANOS TÍTULO

Leia mais

I CAMPEONATO DE FUTEBOL DOS ADVOGADOS DO MARANHÃO

I CAMPEONATO DE FUTEBOL DOS ADVOGADOS DO MARANHÃO I CAMPEONATO DE FUTEBOL DOS ADVOGADOS DO MARANHÃO REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE O I CAMPEONATO DE FUTEBOL DOS ADVOGADOS DO MARANHÃO (SOCIETY), visa incrementar a prática de futebol de sete

Leia mais

REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015

REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015 REGULAMENTO GERAL GEACSB 2015 PARTE GERAL Art. 1º - Denomina-se Grêmio de Ex-Alunos do Colégio de São Bento ( GEACSB ) o campeonato de futebol society organizado pela ALUMNI CSB-RJ e realizado anualmente

Leia mais

6º TAÇA SAÚDE REGULAMENTO

6º TAÇA SAÚDE REGULAMENTO 6º TAÇA SAÚDE REGULAMENTO I - DOS OBJETIVOS Art. 01 - A 6º TAÇA SAÚDE DE FUTSAL E VOLEIBOL - SES é um evento promovido pelos Servidores da Secretaria de Estado da Saúde SES Art. 02 - O campeonato tem por

Leia mais

IX Copa de Futebol Society do UniCEUB REGULAMENTO GERAL

IX Copa de Futebol Society do UniCEUB REGULAMENTO GERAL IX Copa de Futebol Society do UniCEUB REGULAMENTO GERAL 2015 REGULAMENTO GERAL TÍTULO I Dos Princípios Gerais Art. 1. A IX Copa de Futebol Society do UniCEUB, competição de caráter lúdico-desportivo, tem

Leia mais

REALIZAÇÃO: NOVE DE JULHO CASA VERDE

REALIZAÇÃO: NOVE DE JULHO CASA VERDE 6ª COPA NOVE DE JULHO DE FUTEBOL AMADOR 2016 REALIZAÇÃO: NOVE DE JULHO CASA VERDE 1 REGULAMENTO DA 6ª COPA NOVE DE JULHO 2016 CAPITULO I Da PARTICIPAÇÃO Esta copa contará com a participação de 48 (quarenta

Leia mais

PRIMEIRA DIVISÃO 2014

PRIMEIRA DIVISÃO 2014 CAMPEONATO SAMBERNARDENSE DE FUTEBOL DA PRIMEIRA DIVISÃO ESPECIAL R E G U L A M E N T O / TEMPORADA 2014 = = = = = = = = = = = = DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1º O CAMPEONATO SAMBERNARDENSE DE FUTEBOL

Leia mais

XVII JAJUCE JOGOS ABERTOS DA JUVENTUDE CRISTÃ EVANGÉLICA DE SÃO CAETANO DO SUL REGULAMENTO GERAL

XVII JAJUCE JOGOS ABERTOS DA JUVENTUDE CRISTÃ EVANGÉLICA DE SÃO CAETANO DO SUL REGULAMENTO GERAL REGULAMENTO GERAL I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1 o ) Este Regulamento é o conjunto das disposições que regem as competições dos XVI JAJUCE. Artigo 2 o ) As igrejas evangélicas que participam

Leia mais

3ª OLIMPÍADA ENTRE EMPRESAS DE DOUTOR PEDRINHO 2014 3ª OLIEMDOPE

3ª OLIMPÍADA ENTRE EMPRESAS DE DOUTOR PEDRINHO 2014 3ª OLIEMDOPE 3ª OLIMPÍADA ENTRE EMPRESAS DE DOUTOR PEDRINHO 2014 3ª OLIEMDOPE 3ª OLIMPÍADA ENTRE EMPRESAS DE DOUTOR PEDRINHO 2015 3ª OLIEMDOPE REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º A Olimpíada Entre

Leia mais

15ª COPA MERCANTIL DO BRASIL DE FUTEBOL SOCIETY REGULAMENTO GERAL

15ª COPA MERCANTIL DO BRASIL DE FUTEBOL SOCIETY REGULAMENTO GERAL 15ª COPA MERCANTIL DO BRASIL DE FUTEBOL SOCIETY REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DO EVENTO Art. 1º - A 15ª Copa MB será realizada em 2014 e tem por finalidade promover ampla mobilização das instituições de

Leia mais

Liga de Rugby do Vale

Liga de Rugby do Vale REGULAMENTO DO TORNEIO Torneio de Rúgbi de Areia 58º Jogos Regionais de Caraguatatuba Liga de Rugby do Vale Capítulo I - Disposições Gerais Art. 1º - O Torneio de Rúgbi de Areia em Caraguatatuba, é um

Leia mais

34 ENCONTRO DE FUTEBOL INFANTIL PAN AMERICANO EFIPAN REGULAMENTO CAPÍTULO I GENERALIDADES

34 ENCONTRO DE FUTEBOL INFANTIL PAN AMERICANO EFIPAN REGULAMENTO CAPÍTULO I GENERALIDADES 34 ENCONTRO DE FUTEBOL INFANTIL PAN AMERICANO EFIPAN REGULAMENTO CAPÍTULO I GENERALIDADES Art. 1º - O ENCONTRO DE FUTEBOL INFANTIL PAN AMERICANO - EFIPAN, organizado pela ESCOLINHA DE FUTEBOL FLAMENGO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL SALVADOR CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY - 2009 REGULAMENTO GERAL - CÓDIGO ESPORTIVO

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL SALVADOR CAMPEONATO INTERNO DE FUTEBOL SOCIETY - 2009 REGULAMENTO GERAL - CÓDIGO ESPORTIVO CAPÍTULO I - DAS COMPETIÇÕES ARTIGO 01 - A finalidade principal da realização dos Campeonatos Internos de Futebol é desenvolver a prática esportiva, fomentando em caráter recreativo e, absolutamente amadorista,

Leia mais

CLUBE BRILHANTE. 2 CAMPEONATO DE FUTEBOL DE SETE CATEGORIA SÊNIOR 2015 Liga dos Campeões Brilhante Danilo Bandeira da Silva

CLUBE BRILHANTE. 2 CAMPEONATO DE FUTEBOL DE SETE CATEGORIA SÊNIOR 2015 Liga dos Campeões Brilhante Danilo Bandeira da Silva REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CAMPEONATO DA DURAÇÃO DO JOGO: Dois (2) tempos de vinte e cinco (25) minutos. DO HORÁRIO e DIA de jogo marcado: Para esta edição do 2 Campeonato de Futebol de Sete Categoria Sênior

Leia mais

Regulamento da. 2ª Copa UniBH de Futsal

Regulamento da. 2ª Copa UniBH de Futsal Regulamento da 2ª Copa UniBH de Futsal FINALIDADE O presente regulamento contêm as normas que regem na 2ª Copa Futsal UniBH, sendo conhecedores de seu conteúdo todos os inscritos que se submetem sem ressalvas

Leia mais