IPD - Instituto de Promoção do Desenvolvimento. Perfil do mercado orgânico brasileiro como processo de inclusão social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IPD - Instituto de Promoção do Desenvolvimento. Perfil do mercado orgânico brasileiro como processo de inclusão social"

Transcrição

1 IPD - Instituto de Promoção do Desenvolvimento Perfil do mercado orgânico brasileiro como processo de inclusão social Curitiba 2010

2 Realização Inteligência IPD Orgânicos Patrocínio Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) Instituto de Promoção do Desenvolvimento (IPD) Rua Dr. Correa Coelho, 741 Jardim Botânico Curitiba Paraná Brasil Telefone: (41) Apoio Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) Elaboração SOS Comex Importação, Exportação e Assessoria Ltda. Alethéa de Freitas Macena Coordenadora Executiva Equipe Técnica Sidney Thiago dos Santos Colaboradores Alex Bueno Netto Ming Chao Liu

3 APRESENTAÇÃO O presente relatório PERFIL DO MERCADO ORGÂNICO BRASILEIRO COMO PROCESSO DE INCLUSÃO SOCIAL foi elaborado pela Inteligência do Instituto de Promoção do Desenvolvimento (IPD) com base na análise nos dados do Censo Agropecuário 2006 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo teve como objetivo mapear dentre os estados brasileiros o potencial da produção orgânica, identificando suas principais criações e culturas, vislumbrando oportunidades para a inclusão social. A elaboração deste estudo foi viabilizada mediante o convênio número /2010 entre o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e o IPD, e conta com o apoio do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES). O IPD, uma organização privada de fomento, identifica iniciativas inovadoras e desenvolve projetos que possam contribuir para um modelo de desenvolvimento sustentável, baseado no crescimento do indivíduo. O instituto tem vários outros convênios estabelecidos com foco no segmento de orgânicos, sendo eles com: - a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex- Brasil), com o projeto ORGANICS BRASIL (www.organicsbrasil.org); - o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI Nacional), com o projeto PAS ORGÂNICO (www.pas.senai.br); - a Confederação Nacional da Indústria (CNI), por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN-PR) com o projeto CENTRO DE EXCELÊNCIA EM ORGÂNICOS; - o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), com o projeto de Promoção Internacional de Cooperativas de Produtos Orgânicos.

4 Além disso, participa de movimentos como a Iniciativa Pró-Alimento Sustentável (IPAS) (www.ipasbrasil.com.br); dentre outros. O desenvolvimento da marca IPD Orgânicos se deu devido ao número de ações e iniciativas da instituição neste segmento.

5 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 RANKING DOS PRINCIPAIS PAÍSES COM ÁREA ORGÂNICA...7 GRÁFICO 2 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS NO BRASIL...13 GRÁFICO 3 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS POR ESTADO...14 GRÁFICO 4 NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS POR ATIVIDADE NO BRASIL...15 GRÁFICO 5 ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA NO BRASIL...16 GRÁFICO 6 ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA POR ESTADO...17 GRÁFICO 7 ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA POR ATIVIDADE...18 GRÁFICO 8 DIVERSIDADE DAS ATIVIDADES ORGÂNICAS CERTIFICADAS...20 GRÁFICO 9 DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA PERMANENTE, LAVOURA TEMPORÁRIA E HORTICULTURA POR ESTADO...21 GRÁFICO 10 DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA PERMANENTE POR ESTADO...22 GRÁFICO 11 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA TEMPORÁRIA POR ESTADO...23 GRÁFICO 12 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA HORTICULTURA POR ESTADO...24 GRÁFICO 13 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DA BAHIA POR ÁREA...27 GRÁFICO 14 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE MINAS GERAIS POR ÁREA...28 GRÁFICO 15 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO CEARÁ POR ÁREA...29

6 GRÁFICO 16 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO RIO GRANDE DO SUL POR ÁREA...30 GRÁFICO 17 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE SÃO PAULO POR ÁREA...31 GRÁFICO 18 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO PARANÁ POR ÁREA...32 GRÁFICO 19 PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE PERNAMBUCO POR ÁREA...33 GRÁFICO 20 PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE GOIÁS POR ÁREA...34 GRÁFICO 21 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO MATO GROSSO POR ÁREA...35 GRÁFICO 22 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO MATO GROSSO DO SUL POR ÁREA...36 GRÁFICO 23 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE SANTA CATARINA POR ÁREA...37 GRÁFICO 24 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO PIAUÍ POR ÁREA...38 GRÁFICO 25 - ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS - AGRICULTURA FAMILIAR X NÃO FAMILIAR POR ESTADO...39 GRÁFICO 26 - PRINCIPAIS ESTADOS BRASILEIROS COM PRODUÇÃO ORGÂNICA...45

7 1. SUMÁRIO 2. 1 INTRODUÇÃO CONCEITOS UTILIZADOS PELO CENSO AGROPECUÁRIO CONCEITO DA AGRICULTURA ORGÂNICA CONCEITO DA AGRICULTURA FAMILIAR PANORAMA DA AGRICULTURA ORGÂNICA MUNDIAL MAPEAMENTO DA AGRICULTURA ORGÂNICA BRASILEIRA POR REGIÃO 9 5 PRINCIPAIS ESTADOS BRASILEIROS COM PRODUÇÃO ORGÂNICA ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS NO BRASIL ÁREA ORGÂNICA NO BRASIL VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA NO BRASIL ATIVIDADES ORGÂNICAS NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA AGRICULTURA ORGÂNICA COM FOCO NA INCLUSÃO SOCIAL CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 47

8 1 INTRODUÇÃO Pela primeira vez o Censo Agropecuário 2006, elaborado pelo IBGE, investigou informações sobre a agricultura orgânica brasileira. No questionário proposto para os estabelecimentos visitados pelo recenseador, os produtores informaram se utilizaram (ou não) insumos artificiais e se sua produção era (ou não) certificada, sem a comprovação da certificação do estabelecimento. É importante observar o conceito de agricultura orgânica e agricultura familiar utilizado pelo IBGE antes do início da leitura deste estudo para uma melhor compreensão dos resultados e análises obtidas. O trabalho realizado pelo IBGE constituiu um valioso acervo a servir de base para análises sobre esta importante parcela da economia brasileira, além de ser o único levantamento de dados na agricultura orgânica no Brasil realizado com visitas em campo por instituição oficial e legítima. Com relação a legislação vale como fonte de consulta: Lei Federal , de 23 de dezembro de 2003, dispõe sobre a agricultura orgânica (www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l htm); Decreto de 27 de dezembro de 2007 que regulamenta a Lei Federal /2003 (www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2007/decreto/d6323.htm); e Lei , de 16 de junho de 2009, que dispões sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica (www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2009/lei/l11947.htm). 2

9 2 CONCEITOS UTILIZADOS PELO CENSO AGROPECUÁRIO CONCEITO DA AGRICULTURA ORGÂNICA No Censo Agropecuário 2006 não foi questionado se o agricultor atendeu ou não a legislação brasileira de produtos orgânicos e não foi comprovado se o produto era ou não certificado como orgânico. Foram consideradas como agricultura orgânica, as práticas agrícolas que não utilizaram insumos artificiais (adubos químicos, agrotóxicos, organismos geneticamente modificados pelo homem ou outros). Além disso, o produtor para ser enquadrado na categoria orgânico também devia reconhecer e se interessar pelas normas técnicas exigidas pelas instituições e entidades de classes certificadoras, adotando medidas para preservação dos recursos naturais e do meio ambiente. 2.2 CONCEITO DA AGRICULTURA FAMILIAR Em 24 de julho de 2006 foi sancionada a Lei nº , que forneceu o marco legal da agricultura familiar, permitindo a sua inserção nas estatísticas oficiais (BRASIL, 2006). Para delimitar o enquadramento da agricultura familiar foram adotados procedimentos metodológicos pelo IBGE conforme é mencionado no estudo Agricultura Familiar, Primeiros Resultados, Brasil Grandes Regiões e Unidades da Federação 1 que seguem: O estabelecimento agropecuário não foi considerado de agricultura familiar se sua área total fosse maior que quatro módulos fiscais 2 ; 1 Censo Agropecuário 2006, IBGE. 2 O módulo fiscal é uma unidade de medida, expressa em hectare, fixada para cada município, instituída pela Lei nº 6.746, de 10 de dezembro de 1979, que leva em conta: tipo de exploração predominante no município; a renda obtida com a exploração predominante; outras explorações existentes no município que, embora não predominantes, sejam expressivas em função da renda ou da área utilizada; e conceito de propriedade familiar. O tamanho do módulo fiscal, para cada município, está fixado na Instrução Especial Nº 20 (INCRA, 1980). 3

10 Se o estabelecimento pertencia a produtores comunitários, mas estes detinham frações por produtor maiores que quatro módulos fiscais, então o estabelecimento agropecuário não foi considerado de agricultura familiar; Se a unidade de trabalho familiar era menor que a unidade de trabalho contratado, então o estabelecimento agropecuário não foi considerado de agricultura familiar; Se em 2006 o rendimento total do empreendimento foi menor que o quantitativo dos salários obtidos em atividades fora do estabelecimento, então o estabelecimento agropecuário não foi considerado de agricultura familiar; Se quem dirigia o estabelecimento em 2006 era um administrador, uma sociedade anônima (ou por cotas de responsabilidade limitada), uma instituição de utilidade pública, governo (federal, estadual ou municipal), então o estabelecimento agropecuário não foi considerado de agricultura familiar; Se a direção do estabelecimento, em 2006, era feita por um produtor através de um capataz, ou pessoa com laços de parentesco, e contasse com empregados (permanentes, temporários ou empregados parceiros) de 14 anos ou mais de idade, então o estabelecimento agropecuário não foi considerado de agricultura familiar; Também não foram considerados de agricultura familiar se a condição legal do produtor fosse registrada como cooperativa, sociedade anônima (ou por cotas de responsabilidade limitada), instituição de utilidade pública ou governo (federal, estadual ou municipal); Se a classe da atividade econômica desenvolvida no estabelecimento agropecuário foi a aquicultura e a área dos tanques, lagos e açudes era maior que 2 hectares, então o estabelecimento agropecuário não foi considerado de agricultura familiar; 4

11 O estabelecimento agropecuário não foi considerado de agricultura familiar, caso tenha havido venda de produtos da extração vegetal em 2006 e esta venda tenha sido maior que a metade do total da receita da atividade agropecuária, e se: no estabelecimento havia colheitadeiras, ou houve contratação de mãode-obra para colheita ou através de empreiteiro (pessoa física) e o total de dias de empreitada foi maior que 30 dias; ou houve empregado temporário contratado para colheita e o número de diárias pagas foi maior que 30 dias. 5

12 3 PANORAMA DA AGRICULTURA ORGÂNICA MUNDIAL De acordo com o Organic Monitor 3, as vendas mundiais de produtos orgânicos em 2008 foram estimadas em 50,9 bilhões de dólares. Os valores de vendas mundiais alcançadas em 2008 mostram um significativo crescimento da demanda, dobrando o valor de 25 bilhões de dólares estimados em Os principais mercados consumidores de produtos orgânicos estão concentrados na América do Norte e Europa, com 97% do consumo mundial. Os mercados da Ásia, América Latina e Austrália são importantes produtores e exportadores mundiais de produtos orgânicos. Mesmo os países que são considerados como produtores e exportadores vêm apresentando crescimento da demanda local, podendo ser encontrados produtos orgânicos em feiras, lojas especializadas e redes de supermercado. Registros apontados no estudo The World of Organic Agriculture, realizado em 2010 pelo Research Institute of Organic Agriculture (FiBL) e pelo Internatinal Federation of Organic Agriculture Movements (IFOAM), indicam que a agricultura orgânica é realizada em 154 países, sendo que todos eles apresentam crescimento da área orgânica. São 1,4 milhões de produtores ocupando 35 milhões de hectares de cultivo orgânico certificado, com uma média mundial de 25 hectares por produtor. Ainda considerando o referido estudo, o Brasil com 1,8 milhões de hectares posiciona-se como a quarta maior área orgânica do mundo. No entanto, com a divulgação dos dados levantados pelo Censo Agropecuário 2006, a área agrícola orgânica brasileira é mais do que o dobro da área apresentada pelo IFOAM, considerando a área certificada e não certificada. Os 4,9 milhões de hectares identificados pelo Censo Agropecuário 2006 projetam o Brasil como a segunda maior área destinada ao cultivo orgânico do planeta, atrás somente da Austrália (Gráfico 1). 3 Organic Monitor 6

13 GRÁFICO 1 - RANKING DOS PRINCIPAIS PAÍSES COM ÁREA ORGÂNICA Fonte: Brasil, Censo Agropecuário 2006, IBGE. Fonte: Austrália 2007, Uruguai 2006, Dados da Argentina, EUA e Uruguai não incluem área em conversão, IFOAM International Federation of Organic Agriculture Movements, Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. A América do Norte conta com a segunda menor área destinada a agricultura orgânica e apenas 1% do número de produtores orgânicos do mundo. A relação de hectares versus produtores equivale a uma média de 178 hectares por produtor, 712% acima da média mundial. A América Latina e a Europa apresentam tamanho de área agrícola orgânica e número de produtores orgânicos similares, com uma média aproximada de 35 hectares por produtor, 140% acima da média mundial. Juntos estes continentes detém 46% das terras orgânicas certificadas e 35% dos produtores orgânicos mundiais. Os números africanos e asiáticos apontam para uma maior distribuição da área agrícola orgânica por produtor. Os dois continentes somados representam apenas 12% da área 7

14 agrícola orgânica mundial. Em contrapartida, do total de 1,4 milhões de produtores orgânicos no mundo, 870 mil são africanos ou asiáticos, o que equivale a 63%. Esta grande massa de agricultores alocados em uma área de 4,2 milhões de hectares justifica a média mundial de 25 hectares por produtor, já que a média da soma dos dois continentes não chega a 5 hectares por produtor. A Oceania se destaca pelo tamanho da área destinada à agropecuária orgânica, com uma participação de 34%. Contudo, esta grande área é concentrada em 0,6% dos produtores. São 7,7 mil produtores, com uma média de 1,6 mil hectares por produtor, 6 mil vezes maior que a média mundial. O Mapa 1 revela a distribuição continental da área orgânica, o número de produtores e a relação de área por produtor. MAPA 1 - DISTRIBUIÇÃO CONTINENTAL DA ÁREA ORGÂNICA POR PRODUTOR Fonte: FiBL e IFOAM, Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. 8

15 4 MAPEAMENTO DA AGRICULTURA ORGÂNICA BRASILEIRA POR REGIÃO O Brasil é, reconhecidamente, o país do agronegócio. O relatório Agricultural Outlook realizado em conjunto pela Food and Agriculture Organization of the Unides Nations (FAO) e pela Organization for Economic Co-operation and Development (OCDE) projeta que o setor agrícola brasileiro terá o maior crescimento do mundo, com mais de 40% de expansão até O valor financeiro exportado pelo agronegócio em 2010 totalizou cerca de 70 bilhões de dólares, contra importação de aproximadamente 12 bilhões de dólares promovendo um superávit comercial de 58 bilhões de dólares (Agrostat, 2010). Segundo dados do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o Brasil é o principal exportador mundial de café verde, açúcar, etanol e suco de laranja despontando no mercado de carne bovina e de frango (BRASIL, 2010). No setor de orgânicos, o projeto organicsbrasil (IPD/Apex-Brasil) estima que as exportações de produtos orgânicos brasileiros em 2010 girou em torno de 250 milhões de dólares. O crescimento estimado de 20% ao ano das exportações ao longo dos últimos 5 anos proporcionou ao setor um avanço e a consolidação da atividade no Brasil, permitindo que a produção orgânica vivesse um período de plena expansão e ganhasse importância econômica no mercado externo e também interno. No Mapa 2 detalha a agricultura orgânica brasileira por região, relaciona a distribuição do número de estabelecimentos, a área e os valores da produção por região. 9

16 MAPA 2 - DISTRIBUIÇÃO DO SEGMENTO DE ORGÂNICO POR REGIÃO Fonte: Brasil, Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. A média nacional da área agrícola orgânica por estabelecimento é superior a 54 hectares, e representa mais do que o dobro da média mundial. O valor de produção por estabelecimento é superior a R$ 13 mil, e mesmo ocorrendo diferenças de área destinada à agricultura orgânica e número de produtores por região, o valor da produção agrícola orgânica por estabelecimento é similar em todas as regiões brasileiras. A região norte representa a quarta menor área destinada a agricultura orgânica e apenas 7% do número de estabelecimentos orgânicos. A relação de hectares versus número de estabelecimentos equivale a uma média de 101 hectares por estabelecimento, ou seja, 185% acima da média nacional. Nessa região o valor de produção por estabelecimento é acima de R$ 12 mil. 10

17 O nordeste, com valor de produção superior a R$ 14 mil por estabelecimento, apresenta o maior tamanho de área agrícola orgânica, representando 12% da área nacional. Com 46% dos estabelecimentos nacionais lidera esse índice e destaca-se também por ter a segunda melhor distribuição de área orgânica por estabelecimento, com uma média aproximada de 37 hectares, 68% abaixo da média nacional que é de 54,5 hectares. O centro-oeste se destaca pelo tamanho da área destinada à agricultura orgânica, com uma participação de 25% da área orgânica nacional. Contudo, essa grande área é concentrada em apenas 5% dos estabelecimentos. São estabelecimentos, com uma média de 298 hectares cada um, 5 vezes maior que a média nacional de 54,5 hectares. A região tem o maior valor de produção por número de estabelecimento com mais de R$ 18 mil. Com a média de hectares por estabelecimento mais próximo da média nacional tem a região sudeste 51,9 hectares por estabelecimento. Nesta região encontram-se 21% dos estabelecimentos orgânicos e 20% da área orgânica nacional. Região esta com valor de produção orgânica por estabelecimento superior a R$ 14 mil. A menor área destinada para agricultura orgânica fica no sul do país, com 11% do total da área orgânica brasileira. Em contrapartida, apresenta a melhor distribuição da área agrícola orgânica por estabelecimento que é de 28 hectares. O valor de produção é acima de R$ 10 mil por estabelecimento. Para melhor perceber a produção da agricultura orgânica no Brasil, a seguir serão fornecidas informações dos principais estados que adotam o sistema orgânico, analisando-se separadamente o número de estabelecimentos, a área, valores de produção e as principais atividades de produção, distinguindo-se produto orgânico certificado e não certificado. 11

18 5 PRINCIPAIS ESTADOS BRASILEIROS COM PRODUÇÃO ORGÂNICA A agricultura orgânica é encontrada em todos os estados brasileiros. Levando-se em consideração suas peculiaridades e aptidões, os que mais se destacam na agricultura orgânica são: Bahia, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Ceará, Paraná, Piauí e São Paulo. Algumas das variáveis que tornam estes estados importantes para a agricultura orgânica serão analisadas a seguir. 5.1 ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS NO BRASIL Considerando o total de estabelecimentos brasileiros computados pelo Censo Agropecuário 2006 foram apontados estabelecimentos orgânicos no Brasil, ou seja, 1,7% dos estabelecimentos são orgânicos. Destes estabelecimentos, são certificados e ainda não são certificados. Existe ai um enorme potencial para as certificadoras de estabelecimentos orgânicos, já que somente 5,6% são certificados. (Gráfico 2). 12

19 GRÁFICO 2 - NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS NO BRASIL NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS NO BRASIL São estabelecimentos orgânicos, representando 1,7% dos estabelecimentos brasileiros estabelecimentos CERTIFICADOS (5,6%) estabelecimentos NÃO CERTIFICADOS (94,4%) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. Vale ressaltar que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) desenvolveu um sistema de cadastramento obrigando o registro de produtores orgânicos. Como conseqüência, em breve, estarão disponíveis dados mais apurados para o setor. Os principais estados brasileiros em número de estabelecimentos orgânicos são: Bahia, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Pernambuco, Ceará, Piauí, São Paulo e Paraíba. Os mais representativos com 48% destes estabelecimentos são Bahia, Minas Gerais, Rio Grande de Sul e Paraná (Gráfico 3). Em termos de número de estabelecimentos certificados, o Paraná lidera com 909, em seguida encontram-se os estado do Rio Grande do Sul com 662, Minas Gerais com 641, Bahia com 453, São Paulo com 451 e Santa Catarina com

20 GRÁFICO 3 - NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS POR ESTADO NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS POR ESTADO Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPG Orgânicos. É importante mencionar que levando-se em consideração o número de estabelecimentos orgânicos, os cultivos destacam-se frente às criações. Dos cultivos orgânicos, a horticultura é a principal atividade, sendo encontrada em 9% dos estabelecimentos. Vale ainda ressaltar que do total de estabelecimentos que tem como atividade a horticultura, 4,5% destes adotaram a agricultura orgânica, porcentagem acima da nacional que é de 1,7%. Na sequência, predominam os cultivos de mandioca, milho, feijão e café (Gráfico 4). Em se tratando de cultivo, a área orgânica destinada para cada estabelecimento mostrouse melhor distribuída em relação às criações. 14

21 A criação representa 42% do número de estabelecimentos orgânicos, sendo 29% destes destinados às criação de bovinos. GRÁFICO 4 - NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS POR ATIVIDADE NO BRASIL NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS CERTIFICADOS E NÃO CERTIFICADOS POR ATIVIDADE NO BRASIL Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. A atividade criação de bovinos, exceto para corte e leite compreende os produtores com menos de 50 cabeças de bovinos, onde no questionário realizado pelo Censo Agropecuário 2006, para este grupo de produtores, foi resumido e não foi detalhado o destino da criação de bovinos, se para corte, leite ou mesmo trabalho. 15

22 5.2 ÁREA ORGÂNICA NO BRASIL O total de área orgânica no Brasil abrange 4,9 milhões de hectares, o que representa 1,5% da área agropecuária que é de 333,7 milhões de hectares. Do total da área orgânica, 10,5% (517 mil hectares) é certificada e 89,5% (4,4 milhões de hectares) não é certificada (Gráfico 5). GRÁFICO 5 - ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA NO BRASIL ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA NO BRASIL A área orgânica de 4,9 milhões de hectares representa 1,5% da área agropecuária brasileira de 333,7 milhões hectares. A média de hectares por estabelecimento certificado é de 101,2 hectares e não certificado é de 57,7 hectares. Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. Os estados que mais se destacam com relação à área orgânica são Minas Gerais e Bahia, somente trocando de posição em relação ao número de estabelecimentos. Em termos de área orgânica em hectares, Minas Gerais com , Bahia com , Mato Grosso com , Mato Grosso do Sul com e Rio Grande do Sul com hectares representam 53% da área orgânica (Gráfico 6). 16

23 GRÁFICO 6 - ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA POR ESTADO ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA POR ESTADO Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. Analisando-se o Gráfico 6, com relação a área orgânica certificada, o Piauí destaca-se com hectares. Na sequência estão, Minas Gerais com hectares, Mato Grosso com hectares, Ceará com hectares e Bahia com hectares. Juntos eles representam 51% da área orgânica certificada. Levando-se em consideração a área orgânica, as criações destacam-se frente aos cultivos, sendo destinada para criação 65% da área, e destas, 57% são destinadas para criações de bovinos. A área orgânica voltada ao cultivo alcança 1,7 milhões de hectares, sendo as principais atividades o cultivo de milho, mandioca e feijão, que juntos equivalem a um terço da área de cultivo. Da área total destinada para horticultura, 7,6% adota o sistema orgânico, porcentagem acima da média nacional que é de 1,5% (Gráfico 7). 17

24 A criação representa 65% da área orgânica, sendo 53% destes destinados à criação de bovinos (Gráfico 7). GRÁFICO 7 - ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA POR ATIVIDADE ÁREA ORGÂNICA CERTIFICADA E NÃO CERTIFICADA POR ATIVIDADE Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. Considerando somente a área certificada, nota-se que a criação de bovinos e galináceos, apicultura, horticultura, cultivo de feijão, soja, milho, arroz, mandioca, café, leite e frutas como o cacau, laranja, caju e mamão são as atividades que se destacam em vários estados (Mapa 3). 18

25 MAPA 3 - MAPEAMENTO BRASILEIRO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS CERTIFICADAS Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. 19

26 Com relação à diversidade das atividades certificadas, destaca-se o Paraná que concentra o maior número de atividades orgânicas certificadas no país (Gráfico 8). Após o Paraná, seguem-se os estados: Bahia, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Santa Catarina e São Paulo. GRÁFICO 8 - DIVERSIDADE DAS ATIVIDADES ORGÂNICAS CERTIFICADAS Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. 20

27 5.3 VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA NO BRASIL A análise a seguir do valor de produção segue a classificação das atividades econômicas adotados pelo IBGE, que são: lavoura temporária, horticultura e floricultura, lavoura permanente, sementes, mudas e outras formas de propagação vegetal, pecuária e criação de outros animais, produção florestal, floresta plantada e floresta nativa, pesca e aquicultura. O valor de produção orgânica alcança R$ 1,2 bilhões, sendo que a lavoura permanente, a lavoura temporária e a horticultura representam 86% do valor total orgânico no Brasil. A lavoura temporária sozinha representa 40% da produção orgânica. GRÁFICO 9 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA PERMANENTE, LAVOURA TEMPORÁRIA E HORTICULTURA POR ESTADO DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA PERMANENTE, LAVOURA TEMPORÁRIA E HORTICULTURA POR ESTADO Amapá Roraima Acre Sergipe Distrito Federal Mato Grosso do Sul Amazonas Rondonia Piauí Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Maranhão Goiás Espírito Santo Paraíba Tocantins Pará Santa Catarina Mato Grosso Alagoas Pernambuco Rio Grande do Sul Paraná São Paulo Bahia Ceará Minas Gerais Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. Valor - Milhões R$ 21

28 Minas Gerais destaca-se em relação ao valor de produção com 11,1% do valor total da produção orgânica, seguido por Ceará com 10,6%, Bahia com 8,2%, São Paulo com 8% e Paraná com 7,8% (Gráfico 9). Na distribuição do valor de produção orgânica da lavoura permanente, o estado do Ceará representa 22%, Minas Gerais 15%, São Paulo 13%, Bahia 11%, Pernambuco 9% e o Paraná 7% (Gráfico 10). GRÁFICO 10 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA PERMANENTE POR ESTADO Amapá Acre Roraima Tocantins Mato Grosso do Sul Goiás Distrito Federal Sergipe Rio de Janeiro Amazonas Maranhão Mato Grosso Rondonia Santa Catarina Rio Grande do Norte Piauí Rio Grande do Sul Pará Paraíba Espírito Santo Alagoas Paraná Pernambuco Bahia São Paulo Minas Gerais Ceará DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA PERMANENTE POR ESTADO Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. Valor - Milhões R$ A lavoura temporária assume a maior representatividade com relação ao valor de produção orgânica, tendo Minas Gerais uma participação de 12%, Paraná de 10%, Rio Grande do Sul de 9%, Mato Grosso de 9%, Bahia de 8% e Alagoas de 8% (Gráfico 11). 22

29 GRÁFICO 11 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA TEMPORÁRIA POR ESTADO Amapá Roraima Distrito Federal Sergipe Acre Rondonia Mato Grosso do Sul Amazonas Rio de Janeiro Espírito Santo Piauí Paraíba Rio Grande do Norte Goiás Maranhão São Paulo Pernambuco Pará Santa Catarina Tocantins Ceará Alagoas Bahia Mato Grosso Rio Grande do Sul Paraná Minas Gerais DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA LAVOURA TEMPORÁRIA POR ESTADO Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração Inteligência IPD Orgânicos. Valor - Milhões R$ São Paulo concentra 26% do total do valor de produção orgânica de horticultura, seguido pelos estados do Paraná com 15%, Bahia com 14%, Minas Gerais com 12%, Rio Grande do Sul com 10% e Santa Catarina com 8% (Gráfico 12). 23

30 GRÁFICO 12 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA HORTICULTURA POR ESTADO DISTRIBUIÇÃO DO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA DA HORTICULTURA POR ESTADO Amapá Roraima Acre Rondonia Amazonas Piauí Alagoas Rio Grande do Tocantins Mato Grosso Pará Maranhão Mato Grosso do Sul Sergipe Espírito Santo Goiás Distrito Federal Pernambuco Rio de Janeiro Ceará Paraíba Santa Catarina Rio Grande do Sul Minas Gerais Bahia Paraná São Paulo Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Valor - Milhões R$ Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. Na Tabela 1 são discriminados para cada estado brasileiro os valores de produção orgânica da lavoura temporária, lavoura permanente e horticultura. 24

31 TABELA 1 - PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS BRASILEIROS COM RELAÇÃO AO VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA VALOR DE PRODUÇÃO ORGÂNICA (R$) Estado Lavoura Permanente Lavoura Temporária Horticultura Outros Total % Roraima ,1 Acre ,2 Amapá ,0 Tocantins ,3 Piauí ,0 Rio Grande do Norte ,4 Amazonas ,5 Rondônia ,5 Mato Grosso do Sul ,5 Alagoas ,7 Mato Grosso ,7 Maranhão ,6 Sergipe ,4 Pará ,7 Paraíba ,2 Distrito Federal ,4 Espírito Santo ,8 Pernambuco ,2 Ceará ,6 Goiás ,6 Santa Catarina ,0 Bahia ,2 Rio Grande do Sul ,3 Paraná ,8 Rio de Janeiro ,0 Minas Gerais ,1 São Paulo ,0 Outros ,2 Total % 34,0 39,8 12,0 14,2 100,0 Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração Inteligência IPD Orgânicos. 25

32 5.4 ATIVIDADES ORGÂNICAS NO BRASIL Para melhor ilustrar a potencialidade dos 12 principais estados brasileiros com área orgânica, segue análise das 20 principais atividades orgânicas desenvolvidas em cada um, conforme dados levantados pelo Censo Agropecuário Vale lembrar que a atividade criação de bovinos, exceto para corte e leite compreende os produtores com menos de 50 cabeças de bovinos, onde no questionário realizado pelo Censo Agropecuário 2006, para este grupo de produtores, foi resumido e não foi detalhado o destino da criação de bovinos, se para corte, leite ou mesmo trabalho. BAHIA É onde se encontra o maior número de estabelecimentos orgânicos do Brasil. Concomitante, também se destaca em todas as outras variáveis estudadas, número de estabelecimentos orgânicos certificados, área orgânica e área orgânica certificada, diversidade de produtos orgânicos e valor da produção orgânica. A participação da área orgânica no total da área produtiva da Bahia é de 2,32%, porcentagem esta superior a média nacional que é de 1,5%. A maior parte de sua área orgânica é ocupada com a criação de bovinos e galináceos. No cultivo as principais atividades são cacau, milho, mandioca e feijão. Da área total destinada à orgânicos, 33% corresponde à criação de bovinos para corte e 6% ao cultivo do cacau. O cultivo de cacau é uma das principais atividades bahianas, destacando que todo o cultivo de cacau no estado 4% é orgânico. 26

33 GRÁFICO 13 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DA BAHIA POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DA BAHIA POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 27

34 MINAS GERAIS Minas Gerais é o estado onde se encontra a maior área orgânica e o maior valor de produção do país. Além disso, o estado se destaca em todas as outras variáveis estudadas, número de estabelecimentos orgânicos, número de estabelecimentos orgânicos certificados, área orgânica certificada e diversidade de produtos orgânicos. A maior parte de sua área orgânica é ocupada com a criação de bovinos, representando mais de 65% de sua área. O cultivo de café, milho, cana-de-açúcar e a horticultura também são representativos no estado. Merece destaque a apicultura, que tem elevada participação entre as atividades orgânicas desenvolvidas no estado. Do total da área destinada para apicultura no estado 14% tem manejo orgânico, porcentagem interessante comparada com a participação das demais atividades. GRÁFICO 14 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE MINAS GERAIS POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 28

35 CEARÁ O Ceará se destaca no valor de produção, área certificada e número de estabelecimentos. A maior parte de sua área orgânica é ocupada com a criação de bovinos e galináceos. Os cultivos de maior importância são o de caju, milho e feijão. O caju ocupa a segunda maior área orgânica com uma participação de 19%. Além disso, da área destinada ao cultivo de caju no Ceará quase 7% são cultivadas com manejo orgânico, quando comparado ao cultivo convencional. GRÁFICO 15 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO CEARÁ POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DO CEARÁ POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 29

36 RIO GRANDE DO SUL O Rio Grande do Sul destaca-se em cinco das variáveis estudadas, número de estabelecimentos orgânicos certificados e não certificados, área, diversidade de produtos e valor de produção. A criação de bovinos representa mais de 60% da área orgânica. Contudo, outras criações também se destacam como ovinos, galináceos e suínos. Os cultivos de maior importância são milho, mandioca, horticultura e arroz. GRÁFICO 16 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO RIO GRANDE DO SUL POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 30

37 SÃO PAULO Como os demais estados, São Paulo tem a maior área orgânica ocupada com a criação de bovinos, suínos e galináceos. O cultivo de maior importância é a horticultura, com 10% de participação da área orgânica. São Paulo destaca-se em três das variáveis estudadas, estabelecimentos certificados, diversidade de produtos e valor de produção. GRÁFICO 17 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS SÃO PAULO POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 31

38 PARANÁ O Paraná é o principal estado em número de estabelecimentos orgânicos certificados e é onde se encontra a maior diversidade de produtos. Sobressai-se também em número de estabelecimentos orgânicos e valor de produção. A criação de bovinos e galináceos ocupa no estado a maior área orgânica representando 17% e 7% respectivamente. Com relação ao cultivo, as atividades de destaque são: o milho, a horticultura, a soja e o café. Deve-se ressaltar que o milho ocupa 11% do total da área orgânica. O tomate rasteiro ocupa a 34º posição com relação ao tamanho da área orgânica por atividade, todavia 41% da produção provém do manejo orgânico, quando comparado ao manejo convencional. GRÁFICO 18 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO PARANÁ POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DO PARANÁ POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 32

39 PERNAMBUCO Pernambuco destaca-se em número de estabelecimentos orgânicos. A maior parte de sua área orgânica é ocupada com a criação de bovinos, ovinos, galináceos e suínos. Criação de bovinos para corte se destaca com 40% da área orgânica. Os cultivos de maior importância são milho, feijão, horticultura e mandioca. O milho ocupa 14% da área total orgânica no estado. A manga ocupa a 15ª posição no ranking das atividades por área orgânica, contudo de toda sua produção 12% tem manejo orgânico. GRÁFICO 19 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE PERNAMBUCO POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 33

40 GOIÁS A maior parte de sua área orgânica é ocupada com a criação de bovinos e galináceos. Com elevado destaque para a criação de bovinos para corte com 60% da área orgânica. O cultivo de milho e a horticultura também estão em evidência. GRÁFICO 20 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE GOIÁS POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DE GOIÁS POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 34

41 MATO GROSSO O destaque do Mato Grosso são para as variáveis área orgânica certificada e não certificada. A criação de bovinos para corte tem enorme relevância já que ocupa 57% da área orgânica, embora mereçam destaques as atividades como coleta de castanha do Pará, cultivo de milho, apicultura e horticultura. A coleta de castanha do Pará tem grande importância para o estado e 93% de toda coleta é orgânica, quando comparada com o manejo convencional. A apicultura ressalta-se como a quarta atividade orgânica, sendo que 55% da área de produção apícola tem manejo orgânico, quando comparada ao manejo convencional. GRÁFICO 21 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO MATO GROSSO POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DO MATO GROSSO POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 35

42 MATO GROSSO DO SUL O destaque no Mato Grosso do Sul é basicamente a criação de bovinos e a extração de madeira em floresta plantada. O elevado índice de 86% da área total orgânica é destinada para criação de bovinos para corte. GRÁFICO 22 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO MATO GROSSO DO SUL POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 36

43 SANTA CATARINA Os destaques são para as variáveis: número de estabelecimentos certificados e diversidade de produto. A maior área orgânica do estado é destinada para a criação de bovinos. O cultivo de destaque é a mandioca que ocupa 13% da área orgânica, sendo que 15% da produção de mandioca catarinense é orgânica, quando comparada com o convencional. GRÁFICO 23 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DE SANTA CATARINA POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 37

44 PIAUÍ O Piauí tem a maior área orgânica certificada do país. Em se tratando de área orgânica, o feijão é a principal atividade do Piauí. Dos 240 mil hectares orgânicos, 59 mil hectares, ou seja 25%, são ocupados pelo feijão. E dos 708 mil hectares que o estado reserva para o plantio do feijão 8,3% são de cultivo orgânico. Número este três vezes maior que média da participação orgânica por atividade no estado, que é de 2,5%. As criações de bovinos representam 30% da área orgânica e outras atividades representativas são as culturas de caju, arroz, milho e mamão. GRÁFICO 24 - PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO PIAUÍ POR ÁREA PRINCIPAIS ATIVIDADES ORGÂNICAS DO ESTADO DO PIAUÍ POR ÁREA (ha) Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. 38

45 6 OPORTUNIDADES PARA AGRICULTURA ORGÂNICA COM FOCO NA INCLUSÃO SOCIAL A agricultura familiar é o sistema rural da grande maioria dos estabelecimentos brasileiros. São cerca de 5 milhões de estabelecimentos em todo o território nacional, sendo que 84% destes são geridos pela agricultura familiar. Em contrapartida, somente 25% das áreas agrícolas brasileiras estão nas mãos da agricultura familiar (IBGE, 2006). Verificou-se que dos estabelecimentos orgânicos brasileiros 83% são empreendidos pela agricultura familiar, denotando o predomínio e a relevância deste modelo de produção para o país no quesito da garantia da segurança alimentar e do aumento das oportunidades para a inclusão social (Gráfico 25). GRÁFICO 25 - ESTABELECIMENTOS ORGÂNICOS - AGRICULTURA FAMILIAR X NÃO FAMILIAR POR ESTADO Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. 39

46 Os estados que se destacam na agricultura orgânica são: Bahia, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná. O sistema produtivo baseado na agricultura familiar encontra dificuldades que se apresentam principalmente na forma de produção e comercialização. Abaixo são pontuadas algumas dificuldades encontradas na agricultura familiar: Baixa qualidade produto / embalagem Baixa renda Distante do mercado consumidor Maior custo de produção Demanda insuficiente Pouco acesso a informações / promoção do produto PRODUTOR FAMILIAR Baixa oferta de tecnologia Baixo valor agregado Inacessibilidade ao crédito Falta de cooperação entre instituições Baixa escala de produção Elaboração: Inteligência IPD Orgânicos. 40

47 Face a variedade e intensidade destas dificuldades, a agricultura familiar descobre por si própria, formas alternativas de produção e comercialização. A além da forma convencional tem como alternativas: produção orgânica, produção eco social de comércio justo, escambo de produtos agrícolas e economia solidária. A produção orgânica é muito mais do que simplesmente um cultivo sem agrotóxico, como é reconhecido pela maioria dos consumidores brasileiros. É um sistema produtivo que garante a saúde do produtor, de sua família, e também do consumidor, mediante procedimentos que respeitam pessoas e meio ambiente (solo, água, plantas, animais). Acima de tudo, mantém a harmonia e a sustentabilidade do planeta como um todo, gerando cada vez mais oportunidades para a difusão da tecnologia produtiva dos orgânicos, e por conseguinte oportunidades de inclusão social. Os empreendimentos rurais que se utilizam da produção orgânica, necessitam adotar em suas atividades rotineiras tecnologias que melhorem a qualidade da produção. Algumas destas tecnologias agrícolas e sociais, como a compostagem, utilização de biofertilizantes, insumos naturais, etc., permitem ao empreendedor rural elevar seu nível tecnológico para um novo patamar. Ao absorver estas tecnologias o produtor passa a ter um diferencial em função do valor de mercado, agregando renda. O sistema orgânico permite uma produção diferenciada, com maior renda, melhor saúde, em uma combinação de fatores positivos ao meio em que ele vive. Assim, com a tecnologia da produção orgânica temos a inclusão desta parcela da população. Como 83% dos estabelecimentos orgânicos estão nas mãos da agricultura familiar, seu fomento e incentivo promovem uma inserção social relevante para o país. Por outro lado, a produção eco social de comércio justo é um movimento que busca o equilíbrio nas cadeias produtiva e de comercialização, cujas produções respeitem o meio ambiente e favoreçam a inclusão social, sendo remuneradas de forma justa e valorizadas pelo consumidor, assim, tendo como resultado o desenvolvimento sustentável. Descreve-se abaixo exemplos tanto da produção orgânica, quanto da produção e comercialização eco social de comercio justo, envolvendo ações de inúmeros atores que abraçaram a causa do segmento, que apesar de ser recente no Brasil já demonstra, pelos números do Censo Agropecuário 2006, significância. 41

48 Com apoio da União, pelo programa de economia solidária, em vários municípios brasileiros é possível encontrar feiras regionais alavancando oportunidades para produtores orgânicos e aumentando a renda das famílias de agricultores que trabalham com este sistema de produção. No Paraná, o Mercado Municipal de Curitiba tem uma área especializada em produtos orgânicos, onde se encontra não somente alimentos, mas também cosméticos e têxteis, além de restaurantes que oferecem pratos deliciosos e saudáveis (www.mercadomunicipaldecuritiba.com.br). Produtores de varias regiões brasileiras recebem visitantes no chamado turismo rural e alguns oferecem o sistema colha e pague. O Grupo Agropalma é um ótimo exemplo da grande indústria orgânica, com seus funcionários e suas atividades beneficiam indiretamente mais de famílias nos municípios e na circunvizinhança onde atua. No Complexo Agroindustrial, localizado no município de Tailândia/PA, existem 3 agrovilas com 220 casas, 15 alojamentos de grande porte e 10 casas-alojamento, onde residem aproximadamente 2 mil pessoas. Nestas agrovilas existe uma estrutura com 4 clubes recreativos, escola de ensino infantil, fundamental e médio, alfabetização de jovens e adultos, universidade em parceria com a UNAMA, academia, serviço médico com vários especialidades e apoio social (www.agropalma.com.br). A empresa Rio de Una, no Paraná, comercializa vegetais orgânicos e realiza um trabalho muito interessante de inclusão social. Sua rede de fornecedores é composta por quase 40 famílias de pequenos produtores, que recebem assistência técnica e capacitação permanente de primeira qualidade. A Rio de Una garante a compra da produção a preços justos, ajudando a melhorar a renda das famílias que ainda tem acesso a uma vida mais saudável, longe dos agrotóxicos e em harmonia com a natureza. Além disso, na questão da inclusão social de gênero, 75% de seu quadro de funcionários é formado por mulheres, sendo 60% no quadro de chefia, duas vezes maior do que a porcentagem levantada pelo Instituto Ethos nas 500 maiores empresas brasileiras (www.riodeuna.com.br). 42

49 Várias redes de varejo apresentam programas voltados para o comércio justo, dentre elas o Grupo Pão de Açúcar que tem um programa chamado Caras do Brasil, com o objetivo viabilizar a comercialização de produtos feitos por pequenas organizações e comunidades que demonstrem responsabilidade socioambiental, mas que dificilmente teriam acesso a grandes mercados para o escoamento de sua produção. O programa abre um canal de venda para produtos sustentáveis e estimula o consumo consciente, promovendo a inclusão social. É importante ressaltar o trabalho de inclusão social realizado por cooperativas e grupo de produtores, na área eco social de comércio justo, apresentado pela plataforma de entidades e atores Faces do Brasil, cujo site destaca os bons exemplos em todas as regiões brasileiras: O Walmart tem uma vitrine na web para comercializar produtos com foco no comércio justo, conforme link Os esforços destes poucos exemplos acima citados da cadeia produtiva e de comercialização demonstram que mesmo com dificuldades distintas em cada região, há oportunidades no segmento de orgânicos com foco na inclusão social. O aspecto desafiante é fazer de forma sustentável para que todos ganhem, produtores, consumidores, meio ambiente e o planeta. 43

50 7 CONCLUSÃO A consolidação das variáveis analisadas nos estados é a síntese onde se destaca a produção agropecuária orgânica brasileira. São eles os principais estados: Minas Gerais, Bahia, Ceará, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Santa Catarina e Piauí. Comparando os seis principais estados de cada variável, sendo elas: estabelecimentos, estabelecimentos certificados, área, área certificada, diversidade de produtos e valor de produção, verifica-se os estados em destaque com produção orgânica conforme demonstrado no Gráfico 26. Na liderança estão a Bahia como o principal estado em estabelecimentos orgânicos, o Paraná em estabelecimentos orgânicos certificados e diversidade de produtos, Minas Gerais em área orgânica e valor de produção e o Piauí em área orgânica certificada. Bahia e Minas Gerais são os únicos presentes em todas as variáveis aqui levantadas. 44

51 GRÁFICO 26 - PRINCIPAIS ESTADOS BRASILEIROS COM PRODUÇÃO ORGÂNICA PRINCIPAIS ESTADOS BRASILEIROS COM PRODUÇÃO ORGÂNICA Fonte: Censo Agropecuário 2006, IBGE. Elaboração: Inteligência - IPD Orgânicos. As atividades certificadas orgânicas de destaque no Brasil são as criações de bovinos, as criações de galináceos, apicultura, os cultivos de milho, feijão, arroz, mandioca, café, soja, horticultura e frutas como o cacau, a melancia, a laranja, o mamão e o caju. Com mais de 80% da produção orgânica realizada pela agricultura familiar no Brasil observa-se que este modelo é uma boa alternativa de produção para as famílias brasileiras terem uma melhor condição de vida, segurança na produção, na alimentação e também na preservação do meio ambiente. Outra grande importância do modelo produtivo baseado na agricultura familiar para o país é que esta sustenta a biodiversidade no meio rural. 45

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006)

1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006) 1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006) 1.1) Considerações preliminares O Censo Agropecuário de 2006 veio possibilitar o preenchimento de uma importante lacuna

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Comentários. A estrutura produtiva da agricultura familiar

Comentários. A estrutura produtiva da agricultura familiar Comentários texto, a seguir, procura destacar os principais aspectos da agricultura familiar em 2006, e realiza algumas comparações com os estabelecimentos que não se enquadraram nos parâmetros da Lei

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 AGRICULTURA ORGÂNICA Engenheiro Agrônomo Carlos Alberto Salvador

Leia mais

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Data de referência: 31/03/2007 Relatório final Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva Ministro do Desenvolvimento Agrário Guilherme Cassel INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA

REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA PESQUISA TRIMESTRAL DO ABATE DE ANIMAIS AVALIAÇÃO DE CORTES NO UNIVERSO DA PESQUISA 2º versão Octávio Costa de Oliveira 1 AVALIAÇÃO DE CORTES NO UNIVERSO

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Brasil agrário retratado pelo Censo Agropecuário 2006

Brasil agrário retratado pelo Censo Agropecuário 2006 Comentários Brasil agrário retratado pelo Censo Agropecuário 2006 Notas de esclarecimento Os dados do Censo Agropecuário são obtidos através de entrevista direta com o produtor, ou seja: são registros

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros Sumário Executivo Maio de 2015 Este sumário executivo apresenta um panorama nacional

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Indústria de Agregados do Brasil: Avanços rumo à sustentabilidade.

Indústria de Agregados do Brasil: Avanços rumo à sustentabilidade. Hércio Akimoto Indústria de Agregados do Brasil: Avanços rumo à sustentabilidade. Uma outra maneira de pensar. Você sabe o quanto de alimento é necessário para alimentar o mundo? Uma reflexão... Um brasileiro

Leia mais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Dezembro/2013 Pauta 1. Banco da Amazônia enfoque institucional 2. Ações

Leia mais

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Release conjunto L Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Alunos e professores das redes pública e privada de ensino receberão 3.899 livros do Atlas Ambiental Mata Viva, projeto

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás O QUE É Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento 1 QUEM SÃO Total de Pessoas: 12.023.703 84% Rural 16% Urbano Total: 10.091.409 Total:

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Circuito Feicorte NFT

Circuito Feicorte NFT Circuito Feicorte NFT 2012 Perfil da Carne Bovina Brasileira (2010) Rebanho Bovino Brasileiro por Estado (mi cab.) Rebanho Bovino (mi cab.) Var. % Var. % % do Total Estado 1999 (a) 2008 (b) 2009 (c) (b)/(a)

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011)

de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011) Seminário 4 Produção Orgânica: Organização produtiva versus Perspectiva de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011) Objetivo: Oferecer conhecimentos e informações para fortalecer as relações comerciais

Leia mais

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização Política de Desenvolvimento Econômico Aula 2 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Organização da Aula Aspectos conceituais do desenvolvimento regional Mudanças no conceito de região Regionalização brasileira

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA AGRICULTURA

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA AGRICULTURA O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA AGRICULTURA EVARISTO EDUARDO DE MIRANDA CÓDIGO FLORESTAL : O QUE É E ONDE SE APLICA? NÃO SE APLICA ÀS ÁREAS PROTEGIDAS: UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais