28 capítulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "28 capítulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimento"

Transcrição

1 28 capíulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimeno

2 capíulo rês Segurança, poder econômico e independência no envelhecimeno Qualquer represenação que se faça do envelhecimeno em um mundo de 7 bilhões erá de ser necessariamene caleidoscópica para refleir os vários imperaivos culurais, faores sociais, níveis de desenvolvimeno e disponibilidade de recursos que definem um país ou uma sociedade. Em uma manhã de primavera em Xi an, na província chinesa de Shaanxi, o ar se enche de música em um imenso condomínio de aparamenos de classe média, parceria do governo provincial com o seor privado Habianes idosos passeiam nas proximidades da aniga muralha da cidade de Xi an, China UNFPA/Guo Tieliu volada para ornar a vida agradável e saudável para seus cidadãos mais velhos. Em um Cenro para Idosos, um coral ensaia o reperório acompanhado por um morador que oca acordeão. Fora, em uma espaçosa praça, disane do ruído das ruas movimenadas, exercícios mainais ai chi com um pouco de dança moderna e aeróbica são execuados ao som de músicas radicionais que vêm de um rádio gravador com ocador de CDs. Os oficiais do UNFPA que rabalham na China consideram que, em comparação com muias ouras províncias, Shaanxi ocupa posição de vanguarda pelo rabalho que realiza com a população da erceira idade. Em ouro local da China, do ouro lado da divisão social enre rural e urbano, onde a vida é muio mais dura, idosas ainda rabalham longas horas nos campos e fazendas. Iso reflee o aumeno da disparidade de renda, observado em alguns dos países de mais rápido desenvolvimeno. Em numerosas cidades agrícolas chinesas, podem-se ver grandes casas novas, consruídas com os ganhos de membros das famílias que migraram para cidades disanes em busca de rabalho. Mas muias vezes essas casas parecem ser habiadas por fanasmas, de ão vazias. Elas são um marco consane nos vilarejos em que a migração de jovens se dá em grande escala, dividindo as radicionais famílias inergeracionais e deixando para rás ninhos vazios. Em ouros lares, avós se ocupam da criação dos neos deixados com eles por famílias ineiras que migram para rabalhar. Na oura meade do mundo, na Finlândia, a equipe de um cenro de úlima geração para idosos abre espaço para um baile animado por uma banda que apresena anigos sucessos musicais finlandeses: seus frequenadores êm saudades dos dias da mocidade. Por oda a vizinhança do cenro, as aividades preenchem dias que, se não RELATÓRIO SOBRE A SITUAÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

3 Sara Topelson Fridman, vice-minisra de desenvolvimeno urbano e erriorial do Minisério de Desenvolvimeno Social do México UNFPA/Ricardo Ramirez Arriola fosse por elas, seriam soliários. Refeições nuriivas manêm em boa forma corpos e espírios. Na Eiópia, meia dúzia de idosas celebra o Dia da Mulher em um pequeno abrigo de Addis Abeba, adminisrado sem nenhuma assisência por uma simpáica filanropa, Sasu Nina Tesfamariam que oferece a elas comida simples, orienação e companhia. Na zona rural do México, onde, como em muios lugares, os idosos já não podem conar sempre com um lar familiar acolhedor, nos seus úlimos dias de vida, o governo insiuiu um sisema de pagameno de um pequeno subsídio aos maiores de 70 anos, para ajudá-los a conribuir para a renda familiar e, alvez, abrandar a ensão inergeracional. É muio bom para os idosos das áreas rurais, porque odos nós sabemos que os filhos começam a ver seus pais sepuagenários como uma carga, diz Sara Topelson Fridman, vice-minisra do Minisério de Desenvolvimeno Social. Pelo fao de receberem um cheque a cada dois meses, deixam de ser uma carga e, no mínimo, êm dinheiro para a comida. Assim, as coisas ficam mais fáceis. Um mundo cada vez mais grisalho Todo país rico ou pobre, indusrial ou ainda em desenvolvimeno apresena uma população que envelhece nesa ou naquela eapa. Como a juvenude de hoje esá siuada na idade populacional mediana ou além, a população em processo de envelhecimeno aumenará mais rápido que qualquer ouro segmeno da população global aé 2050, no mínimo, segundo o relaório Envelhecimeno da População Mundial: , produzido em 2009 pela Divisão de População do Deparameno de Assunos Econômicos e Sociais das Nações Unidas. Isso já é reconhecidamene um grande desafio políico nos países em que a longevidade é ala, e a população jovem esá encolhendo. Da mesma forma, em países de renda média e baixa, os percenuais populacionais nas faixas de 60 anos ou mais, 70 ou mais e mesmo, em alguns casos, de 80 ou mais esão em consane ascensão. Em seis décadas, as mudanças nos perfis demográficos dos países demonsram que, enquano a expecaiva de vida ao nascer elevou-se em 11 anos enre 1950 e 2010 nos mais desenvolvidos, o crescimeno foi muio maior nas regiões menos desenvolvidas, onde a expecaiva de vida aumenou em 26 anos, no mesmo período. Nos países menos desenvolvidos, o aumeno foi de 19,5 anos. Para ser mais preciso, os países mais desenvolvidos pariram de uma expecaiva de vida mais ala, com menos espaço para crescimeno. Mas iso não diminui os enormes ganhos dos países em desenvolvimeno, à medida que mais pessoas começaram a beneficiar-se dos avanços na saúde que salvam e prolongam vidas, especialmene no que se refere a bebês e crianças. As nações diferem significaivamene na forma como elaboram seus planejamenos para as populações em envelhecimeno e nos serviços oferecidos pelos governos. Cada vez mais, organizações não governamenais, comunidades, filanropos e o seor privado são soliciados a complemenar os esforços dos governos no aendimeno aos idosos, aendendo não apenas a suas necessidades maeriais mais básicas, mas ambém as de cunho emocional, psicológico, 30 capíulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimeno

4 social e mesmo ecnológico. Numa era de crescene mobilidade e migração, em que as famílias se dividem e se disanciam, avós esão pedindo lições sobre como uilizar , sies de mídia social, links para vídeos ou Skype que se convereram em suas únicas opções de conao com seus neos. Com frequência, inegranes de organizações não governamenais preenchem a fala de serviços públicos ou razem novos programas para ornar a vida mais ineressane e recompensadora. Muia pesquisa sobre a velhice vem sendo realizada ambém por órgãos não governamenais ou inergovernamenais que rabalham com os governos nacionais e grupos locais não governamenais. Na Eiópia, Tilahun Abebe, 75, esá em missão, armado com os resulados de uma pesquisa de 2010 sobre os idosos da capial, Addis Abeba, realizada pela HelpAge Inernaional em conjuno com a Organização Inernacional para Migração e o Escriório das Nações Unidas para a Coordenação de Assunos Humaniários. O resulado da pesquisa apona que, em um país onde o respeio e a aenção para a erceira idade êm sido radição há séculos, hoje há idosos sem eo e passando fome. A Eiópia, país pobre e periodicamene aingido por secas e ouras calamidades, cona com uma população relaivamene pequena, mas que vem aumenando, de pessoas com 60 anos ou mais 5,2 % de uma população oal de 82,9 milhões. A expecaiva de vida ao nascer mal passa dos 57 anos. Diane desse pano de fundo, as necessidades dos idosos são frequenemene deixadas para rás, diz Tilahun. Funcionário aposenado do governo na área de saúde, ele é vice-presidene da Elderly People and Pensioners Naional Associaion (Associação Nacional de Idosos e Pensionisas) e quer ransformá-la em um lobby efeivo em favor dos idosos. A demanda por algum ipo de segurança financeira na velhice esá no opo da sua lisa. "Somene os funcionários do governo, os miliares e os servidores das polícias civil e miliar recebem aposenadoria," apona. "Não há previdência social." Lares para idosos que não êm onde viver ou que requerem cuidados especiais são oura necessidade, acrescena. Tilahun rabalhou para um projeo americano de conrole da malária anes de se diplomar em saúde preveniva nos Esados Unidos e reornar à Eiópia, onde se ornou adminisrador do Minisério da Saúde. Não se raa apenas de aumenar a quanidade de lares para idosos, diz ele, mas ambém de analisar como funcionam os já exisenes, de forma a assegurar que sejam conduzidos em sua plena capacidade e ofereçam melhores serviços. A campanha que Tilahun vem conduzindo em nome da Associação Nacional para os Idosos em sede na capial e duas agências regionais; no mínimo, mais duas esão em seus planos, ou em seus sonhos. Temos de promover uma nova e melhor maneira de pensar, afirma. Ele propõe mais e menores cenros disribuídos em odo o país, onde residenes ou frequenadores-dia possam ser aendidos e reinados para rabalhar em aividades que Tilahun Abebe, vice-presidene da Associação Nacional para os Idosos e Pensionisas da Eiópia UNFPA/Anonio Fiorenel RELATÓRIO SOBRE A SITUAÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

5 Idosa praica ares marciais chinesas em condomínio moderno em Xi an, China UNFPA/Guo Tieliu gerem renda, ou se maner ocupados em ouras aividades que possam foralecer sua saúde menal. Os resulados da pesquisa de 2010 à qual Tilahun se refere, feia para o Minisério Nacional e secrearias locais do Trabalho e Assunos Sociais, com a ajuda de quaro organizações não governamenais eíopes, demonsram que 88% dos idosos sem eo, e 66% dos que êm residência na capial, não dispõem do suficiene para comer. Novena e rês por ceno da oalidade de idosos não dispunha de banheiro ou chuveiro, 78% apresenavam problemas crônicos de saúde, e 51% declararam não conar com supore familiar. Jiang Xiangqun é geronólogo e professor de população da Universidade de Renmin, em Beijing. Ele e seus colegas esimam que 98% dos idosos chineses permanecem em seus lares, ou esão enando fazê-lo. Muios possivelmene cerca de 70% deles em Beijing, muio menos nas áreas rurais esão naqueles ninhos vazios, porque seus filhos se mudaram para longe para rabalhar ou para começar suas próprias famílias em domicílios unigeracionais. Os demógrafos chineses aponam que a políica do governo é maner as pessoas em casa, na velhice, porque iso é o que elas querem e que iso ambém reduzirá os cusos de consrução de novas acomodações e da presação de serviços adicionais. Em recene rabalho acadêmico que escreveu com Yang Qingfang, que ensina na Escola de Esudos Coninuados da universidade Review and Analysis of China Populaion Ageing and he Siuaion of he Elderly (Revisão e Análise do Envelhecimeno da População Chinesa e a Siuação dos Idosos), o professor Jiang enfaizou a ese de que a China esá envelhecendo anes de ficar rica, diferenemene do que aconece nos países alamene desenvolvidos, onde foi possível dispor de maiores recursos e maior inervalo de empo para se aender à ransição do envelhecimeno da população. Quando os países desenvolvidos enraram em um período de significaivo envelhecimeno da população, argumena Jiang, já dispunham de uma renda per capia muio mais elevada. Em meados do século XXI, quando se aproximar o pico do envelhecimeno populacional, o desenvolvimeno econômico chinês somene poderá alcançar o nível de países moderadamene desenvolvidos, escreveram os auores em seu rabalho. Se um maior número de idosos esiver vivendo sozinho e buscando ajuda fora de suas famílias, iso acarreará em maiores encargos para a previdência, aendimeno médico e serviços sociais para a erceira idade. Na China, o percenual de idosos na população nacional aumena consane e rapidamene. Iso é resulado da combinação enre baixas axas de fecundidade, resulanes da políica de planejameno familiar que limiou a maior pare das famílias a um filho, e uma vida mais saudável e longa que aumenou o número de idosos. Quando a China começou a divulgar os números de seu censo de 2010, em abril de 2011, o governo aponou que o segmeno da população acima de 60 anos inha aumenado em 13,3%, cerca de 3 ponos percenuais a mais que aquele regisrado no censo de capíulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimeno

6 Em reunião informal de especialisas em população realizada na Universidade Renmim, em Beijing, na qual foram discuidos mudanças na demografia, desenvolvimeno e meio ambiene na China, o geronólogo Jiang e ouros afirmaram que sua especialidade repeninamene se ransformou em maéria popular juno aos esudanes, que anes nunca se ineressaram por ela. A geronologia é um campo novo, disse um deles. As pessoas esão presando aenção ao envelhecimeno, mesmo em suas próprias famílias. Sene-se a necessidade de saber mais sobre como cuidar dos idosos, manê-los saudáveis e ensinar-lhes bons hábios de vida. Desafios de saúde comuns e emergenes Em uma sossegada área residencial de Addis Abeba, Sasu Nina Tesfamariam se confrona com uma condição de saúde comum enre idosos: compromeimeno da visão em função da caaraa. Levanando recursos para as operações onde pode, ela oferece abrigo emporário às candidaas à cirurgia. Mais de 100 idosas receberam auxílio para melhorar sua visão aravés desse pequeno refúgio, onde podem se recuperar em camas poráeis com lençóis limpos. E quando deixam o abrigo, nós lhes damos as camas, diz Sasu Nina. Sasu ambém insrui as mulheres sobre Alzheimer e ouros ransornos cogniivos que elas podem vir a enfrenar na erceira idade. Em sociedades onde os idosos êm de se defender por si, a perda da capacidade menal é algo raiçoeiro para mulheres vulneráveis. Em um dos dois abrigos manidos pela organização de caridade de Sasu Nina, chamada Agar, que significa auxiliadora no idioma amárico, uma mulher que sofre de aaques de pânico conou o que a levou para lá. Eu inha umas economias, cona. Tudo foi embora. Se não esivesse aqui, esaria passando fome. Não enho filhos para cuidar de mim. Sasu Nina, que esudou nos Esados Unidos, cona que, quando começou a esudar geronologia, sabia que um dia volaria para a Eiópia. Desde enão, ela resgaou idosas em dois abrigos cujas vidas, ela diz, haviam se ransformado em pesadelo. Nos Esados Unidos, a Rede Nacional de Informação e Prevenção, ligada aos Cenros para Conrole e Prevenção de Doenças, alera que os idosos de países desenvolvidos esão em crescene risco de infecções por HIV. Pelo menos um quino de odas as pessoas infecadas pelo HIV nos Esados Unidos em mais de 50 anos, e a axa pode ser consideravelmene mais ala porque os idosos, nas mais das vezes, não pensam em passar pelo ese. O lado bom é que, em função das drogas anirrerovirais, as pessoas infecadas com o HIV esão vivendo mais. Vários faores conribuem para o aumeno dos riscos para idosos, segundo os Cenros para Conrole e Prevenção de Doenças. Esses faores, que podem ser universais em um ou ouro grau, incluem o quase desconhecimeno sobre o HIV e AIDS porque, diferenemene do que ocorre com a maior pare dos jovens, os idosos não são o público-alvo das campanhas de informação sobre o ema. Pessoas de mais idade podem se senir Residene em um dos abrigos eíopes para idosas de Agar UNFPA/ Anonio Fiorene RELATÓRIO SOBRE A SITUAÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

7 inibidas para falar sobre aividade sexual ou uso de drogas, ou simplesmene supor que a deerioração de sua saúde se deve ao avanço da idade. Na Eiópia e em ouros países em desenvolvimeno, os esudos demonsram que os idosos que cuidam de neos, cujos pais morreram ou de ouros membros da família que vivem com HIV, podem se infecar por fala de informação adequada sobre as precauções que devem ser omadas conra a conaminação acidenal pelo vírus. Presença de idosos nas populações, por país (porcenagem) 60 anos ou mais 65 ou mais 80 ou mais China 12,3 8,2 1,4 Egio 8,0 5,0 0,7 Eiópia 5,2 3,3 0,4 Finlândia 24,8 17,2 4,7 Índia 7,6 4,9 0,7 México 9,0 6,3 1,3 Moçambique 5,1 3,3 0,4 Nigéria 5,0 3,2 1,1 Aniga República Iugoslava da Macedônia 16,7 11,8 2,1 Fone: Divisão de População do Deparameno de Assunos Econômicos e Sociais das Nações Unidas Invesir em idosos No momeno em que há muia discussão informal na China sobre a revisão da políica de planejameno familiar do país, que limiou a maior pare dos casais a er apenas um filho (embora permia exceções), Jiang Xiangqun, da Universidade de Renmin, sugere que elevar a axa de fecundidade como esão defendendo países ão diferenes enre si como Japão e Rússia não basaria no caso da China para compensar a rápida endência ao envelhecimeno observada nese século. No enano, o governo chinês quer aingir a esabilidade populacional. É uma quesão complexa, mas urgene. A forma como for raado o urgene desafio do envelhecimeno da população de alguma forma deerminará a esabilidade e prosperidade da China, conclui Jiang no rabalho acadêmico que escreveu com Yang Qingfang. Com a maior população do mundo (aé que a Índia a ulrapasse, por vola de 2050), as quesões que a China enfrena para o fuuro são ressaladas por um esudo de 2009, realizado pela Divisão de População do Deparameno de Assunos Econômicos e Sociais das Nações Unidas. Nessa pesquisa são enumeradas quaro conclusões globais: o envelhecimeno da população é sem precedenes, difuso, profundo e persisene. Sobre o úlimo pono, o resulado do rabalho da Divisão de População apona que a proporção global de pessoas com mais de 60 anos, que era de 8% em 1950, cresceu para 11% em 2009 e esá projeada para alcançar 22% em Globalmene, a população de idosos esá crescendo a uma axa de 2,6% ao ano, consideravelmene mais rápido que a população como um odo. Esse rápido crescimeno exigirá ajuses econômicos e sociais de longo alcance na maior pare dos países, diz o relaório sobre o envelhecimeno de Na aniga cidade de Xi an, na província chinesa de Shaanxi, a quilômeros a sudese de Beijing, o direor do Comiê de Trabalho sobre o Envelhecimeno da província, Ai Xiangdong, sugeriu um ipo de ajuse políico projeado para o fuuro, como definiu a combinação de iniciaivas do governo e conribuições do seor privado que esão se ornando políica nacional. Ele mencionou primeiramene a demografia: Shaanxi em mais de 5 milhões de pessoas acima dos 60 anos, diz, e uma proporção maior que a média nacional de homens e mulheres com mais de 80 anos. 34 capíulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimeno

8 Não sabemos a razão pela qual as pessoas vivem mais aqui, esclarece, mas nossos serviços de saúde melhoraram para os maiores de 65 anos. Há checkups grauios e a população urbana cona com plano de saúde. A maior pare dos idosos vive com suas famílias, onde comem alimenos que conhecem e apreciam. As insiuições não podem aender ao goso de cada um. Em 2011, Shaanxi começou a fazer conribuições especiais aos idosos mais velhos, além dos subsídios e pensões concedidos após os 60 anos. Para os que êm enre 80 e 89 anos, o pagameno complemenar é de 50 yuans por mês, ou cerca de US$ 7,70; para as faixas eárias de 90 a 99, dobra para 100 yuans e, para os que êm 100 anos ou mais, dobra novamene para 200 yuans. Em Shaanxi, um membro da comissão enrega o dinheiro pessoalmene para os que êm mais de 90 anos. Comiês de rabalho sobre envelhecimeno, com membros de vários minisérios relevanes, foram esabelecidos em nível nacional e provincial da China, alguns mais produivos que ouros. Foram criados, esclarece Ai, para coordenar serviços, proeger os direios e ineresses das pessoas mais velhas e organizar aividades culurais, sociais e esporivas para elas. Os idosos podem senir as mudanças e ver que esamos invesindo neles. Na cidade de Xi an, que vem se redefinindo como um cenro ecnológico, há um rico ambiene culural, e muias arações cívicas que, como confirma Ai, a ornam um bom lugar para cidadãos idosos. Eles podem se exerciar nos parques pela manhã e à arde. Há grupos perfomáicos. Uma universidade da erceira idade oferece cursos de compuação, pinura e caligrafia. Nas áreas rurais, os serviços não esão nesse nível, admie o funcionário, e em um vilarejo não muio disane da cidade houve reclamações por isso. Mas Ai insise que mesmo as áreas rurais dispõem de novos programas. Em Beijing, Wu Yushao, vice-presidene do Comiê Nacional de Trabalho sobre o Envelhecimeno da China, que aua direamene em nível de Conselho de Esado e acima dos minisérios, diz que os minisérios e deparamenos do governo junaram forças, em 2006, para criar uma nova regulamenação de proeção à velhice. Sabendo das diferenças de renda enre cidade e inerior, o governo concederá a odos os idosos das áreas rurais, que são cerca de 100 milhões, pensões oalmene financiadas por fundos esaais aé Espera-se que os pensionisas das áreas rurais ou urbanas, diz Wu, uilizem esses recursos para pagar pelos serviços de melhor qualidade para idosos. Em linha com as endências mundiais, os idosos ambém serão esimulados a adquirir seguros que possam cobrir os gasos da velhice e, caso precisem de crédio, omar emprésimos que sejam garanidos por suas propriedades. Em Xi an, Ai informa que, em um esforço para possibiliar a expansão de programas para idosos, o governo nacional quer priorizar o aumeno da ofera de acomodações para idosos consruídas pelo seor privado, e aperfeiçoar produos que faciliam a vida diária desinados a essa faixa eária. A erceira idade é um segmeno em expansão, apona Ai. Há uma maior aenção Mulher oca insrumeno radicional pero da aniga muralha de Xi an, China UNFPA/Guo Tieliu RELATÓRIO SOBRE A SITUAÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

9 Residenes idosos execuam uma peça de ópera local pero da aniga muralha de Xi an, China UNFPA/Guo Tieliu aos diferenes aspecos do envelhecimeno. As universidades esão realizando pesquisas; o seor de negócios esuda possibilidades. A endência, refleida no úlimo plano quinquenal nacional, esá à visa em Weiyang, disrio de Xi an, onde quase 12% da população em mais de 60 anos. Lá, o complexo residencial Jinyuan Xinshiji é um condomínio fechado consruído pelo seor privado. São aparamenos panorâmicos bem projeados, siuados em edifícios que se alinham ao longo de ruas exclusivas para pedesres. O condomínio abriga cerca de pessoas, 600 das quais acima dos 60 anos e 30 acima dos 80. Todas elas moram com suas famílias. Complexos residenciais como esse foram consruídos recenemene em várias grandes cidades chinesas, embora nem sempre com o leque de serviços oferecidos para os idosos no Jinyuan Xinshiji, denominação que combina os ermos belo jardim e novo século. A China não adoou o sisema de consrução de domicílios familiares com granny flas (aparamenos da vovó), no modelo de Cingapura, onde os aparamenos podem er anexos residenciais menores, com enrada própria, de forma que os idosos podem permanecer juno às suas famílias sem que ambas as gerações deixem de gozar de privacidade e independência. Mas em Jinyuan Xinshiji, grandes (e caros) aparamenos podem acomodar conforavelmene oda uma família inergeracional, informa Yao Naigup, presidene da Associação de Anciãos da comunidade e direor do Cenro de Idosos do complexo consruído para essa faixa eária. No Cenro de Idosos, Yao apresena um cano desinado ao uso do compuador, uma sala de aula onde o coral ensaiava, uma sala para exames médicos, um cenro de ginásica e variadas mesas do popular jogo chinês mah jong, para o enreenimeno da arde. Há ambém uma sala com camas, reservada para os cochilos. Tudo é grauio, exceo o almoço para os que não comem em casa. Os idosos que residem no condomínio recebem carões de descono para o ranspore público, ajuda no preenchimeno de documenos oficiais, preços especiais em lojas da comunidade e enrega grauia das compras. A venda de aresanao pelos moradores ajuda a levanar recursos para as aividades do Cenro. Idosos não precisam apenas de supore em ermos maeriais, apona Yao. Mais imporane é o supore menal. Depois que se aposenam, muias pessoas acham que perdem o objeivo. Agora, que esão em melhor siuação, querem mais, ano em ermos espiriuais quano culurais. O vilarejo de Gengxi, no condado de Zhouzhi, disane cerca de uma hora de carro de Xi an, em uma população de apenas pessoas (179 delas com mais de 60 anos, no início de 2011) e, em razão de seu pequeno amanho, dispõe de poucos locais desinados especialmene para os mais velhos. A associação de idosos local, porém, ena compensar iso. A associação foi fundada em 1997, informam seus direores, depois que se descobriu que algumas famílias inham migrado e deixa- 36 capíulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimeno

10 do seus parenes idosos sozinhos. Gengxi, que fica em uma região monanhosa, era enão um agrupameno de vilarejos muio pobres que enavam sobreviver da produção agrícola como rigo, milho e feijão. Em 2003, esse perfil agrícola foi compleamene ransformado, e seus habianes agora reiram sua renda de pomares e árvores fruíferas e iso os idosos podem fazer. A renda per capia anual aumenou em menos de uma década, dizem eles, de cerca de yuans, ou US$154, para yuans, ou quase US$ Rumo a uma maior independência Na China e na Índia, o ineresse na crescene população de mais de 60 anos esá gerando considerável pesquisa e reexame da visão, há muio exisene, de que as famílias endem nauralmene a omar para si a responsabilidade pelo cuidado dos idosos ou deveriam ser obrigadas por lei a fazê-lo. Novas realidades precisam ser encaradas, afirma K. R.G. Nair, professor pesquisador honorário do Cenro para Pesquisa em Políicas de Nova Déli. Os idosos, por viverem mais, nem sempre desfruam de prosperidade ou erminam seus úlimos dias felizes, escreve Nair em seu ensaio inroduório que resume os rabalhos de especialisas coleados no livro Saus of Ageing in India: Challenges and Opporuniies (Siuação do Envelhecimeno na Índia: Desafios e Oporunidades), de 2009, que ele ambém ediou. Nair cia casos de abuso, abandono e fala de conhecimeno adequado dos problemas de homens idosos. Cia ambém o ônus que a pobreza enrincheirada e disseminada cobra de jovens famílias das quais se espera que cuidem de seus membros mais idosos. A Índia em o maior número de pessoas que vivem com US$1,25 ou menos. Nair alera que a aprovação de leis exigindo que os membros das famílias cuidem dos idosos, em discussão no governo, poderia resular na limiação da responsabilidade do governo de aender os cidadãos na erceira idade. Ele ambém alera que não se deve esquecer do poencial dos jovens idosos, na faixa eária dos 60, que ainda podem conribuir para a economia e para a sociedade. O auor deeca uma reluância em manê-los empregados. As clínicas do governo frequenemene apresenam carência de profissionais nas áreas rurais, onde vive grande proporção de idosos indianos, segundo o Dr. Oomen George, chefe clínico da HelpAge India, que escreve na mesma coleânea. A medicina privada é cara demais para muios deles. Ele apona resulado de pesquisa realizada pelo governo da Índia e pelo escriório indiano da Organização Mundial da Saúde que ambém Idosas aguardam visias no Lar S. Mary s em Nova Déli, Índia Sanji Das/Panos RELATÓRIO SOBRE A SITUAÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

11 responsabilidade da família, que nessa arefa poderia conar com a parceria da comunidade, do governo e do seor privado. A proposa enfaiza que as idosas indianas necessiam de aenção especial. Muias delas, especialmene as viúvas, mal se susenam. Os problemas das idosas são agravados por uma vida ineira de discriminação de gênero, quase sempre gerada por preconceios culurais e sociais profundamene enraizados, afirma o documeno. Ela se compõe de ouras formas de discriminação, baseadas em classe, casa, incapacidade, analfabeismo e esado civil. Shiela Harrison Mahew reira uma Bíblia de sua esane no Lar S. Mary s em Nova Déli, Índia Sanji Das/Panos sugere que a saúde menal e a reabiliação necessiam ser seriamene raadas no planejameno do aendimeno à saúde para os idosos, segundo George. Analisando esaísicas recenes, demógrafos de renome afirmam que, mesmo nos esados mais avançados do sul da Índia, onde os indicadores de desenvolvimeno humano rivalizam com os de países mais desenvolvidos, o crescene número de idosos apresena novos desafios. C. Chandramouli, comissário-geral de Regisro e Censo da Índia, afirma que em Kerala novas quesões se apresenam, denre elas a fala de aendimeno geriárico. Em 2011, a Índia publicou uma nova proposa de políica para o envelhecimeno onde são levadas em cona as úlimas endências nacionais, aponadas como explosão demográfica enre os idosos, economia e ambiene social em mudança, avanço nas pesquisas em saúde, ciência e ecnologia, e alos níveis de desamparo enre os idosos pobres das áreas rurais. Mas nessa Naional Policy for Senior Ciizens 2011 que aguardava aprovação quando ese rabalho foi escrio, reafirma-se que o aendimeno aos cidadãos idosos em de permanecer uma Alcançar os marginalizados Mahew Cherian, presidene execuivo da HelpAge India, fez pare do comiê que elaborou a proposa para uma nova políica sobre o envelhecimeno. Sua organização não governamenal em desempenhado papel aivo em muios aspecos da vida dos idosos. A organização maném uma linha elefônica direa de aendimeno às pessoas que necessiam de assisência, embora Cherian afirme com riseza que seja o que for que fizermos, será ão somene uma goa no oceano. Ele afirma que pagamenos de pequenas somas de pensão previdenciária para os cidadãos mais velhos não resolvem muia coisa na moderna economia indiana, e que as seguradoras privadas de saúde não irão propor políicas para idosos. A longevidade na Índia pode esar aumenando, diz Cherian, mas varia de modo disino enre os vários seores da sociedade. Para os pobres, para os dalis (inocáveis) e para as ribos, a vida é ão dura que eles não vivem muio. Em 2010 o governo, aendendo às crescenes necessidades econômicas e de saúde dos idosos de menor renda, desinou recursos para 100 dos 662 disrios adminisraivos indianos esabelece- 38 capíulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimeno

12 rem aendimeno geriárico especializado, informa Cherian. Oio cenros de saúde regionais ambém foram escolhidos para o esabelecimeno de programas. O Deparameno de Ciência e Tecnologia do governo indiano esá rabalhando com a HelpAge India para desenvolver produos e serviços para idosos, ais como disposiivos aivados por voz, vans para aendimeno fisioerápico móvel e conexões por vídeo para oferecer orienação médica especializada a médicos locais. Preocupada com o abuso de pessoas idosas, a HelpAge India abriu 20 linhas elefônicas direas de aendimeno em cidades, realiza rabalho de mediação para famílias com problemas e, quando necessário, denuncia casos de abuso à polícia. Pesquisa realizada pela organização em quaro grandes áreas meropolianas e quaro cidades menores sobre abusos conra idosos aponou que a violência vem aumenando de modo geral, mas, especialmene, no seio das famílias. O lar familiar ainda é o local onde a maior pare dos idosos vive, apona Cherian. Na Índia não predomina a assisência e os lares para idosos, disse, acrescenando que há somene desses lares no país, dos quais a maioria é paricular ou foi abera por organizações de caridade ou religiosas. Muios deles acolhem enre 20 e 50 idosos, esclarece Cherian. A capacidade oal ainda é muio baixa. deparameno de sociologia, afirma que o envelhecimeno é apenas pare de um complexo conjuno de desafios. As baixas axas de fecundidade persisem, apesar de a Finlândia er assisido a um ligeiro aumeno recenemene, de cerca de 1,7 criança por mulher, no quinquênio , para cerca de 1,8 por mulher, no quinquênio (Globalmene, a axa de reposição de 2,1 esabiliza o crescimeno; abaixo disso, a população começa a diminuir). Mas os números não conam oda a hisória. Houve uma grande mudança nas esruuras familiares europeias, nos vínculos familiares, o que em pare esá relacionado ao declínio das axas de fecundidade alas axas de divórcio, formação de novas famílias, rápido declínio no amanho das moradias, apona o professor. Há uma crescene prevalência de idosos, mas ambém uma crescene prevalência de jovens morando sozinhos, depois de deixar os lares dos pais. As mulheres permanecem no mercado de rabalho por mais empo, reardando o casameno e a geração de filhos ou decidindo-se por não ê- Baile das ardes de quinas-feiras na Casa do Trabalhador de Malmi, Cenro Culural Popular de Helsinque, na Finlândia UNFPA/Sami Sallinen Esruuras familiares em ransformação A Finlândia, al como inúmeras nações europeias, o Japão e a República da Coreia viram sua população envelhecer ão rapidamene resulado de uma fecundidade muio baixa e vidas muio mais longevas que o envelhecimeno ornou- -se a principal quesão socioeconômica da agenda dos ariculadores políicos. Na Universidade de Helsinki, o professor Pekka Marikainen, demógrafo da unidade de pesquisa populacional do RELATÓRIO SOBRE A SITUAÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

13 Hannu e Armi, aposenados finlandeses, em sua casa UNFPA/Sami Sallinen -los. Um grupo de jovens mulheres, reunidas em Helsinque para omar um vinho depois do rabalho, confirmou isso. Todas se dedicavam a rabalhos que julgam ineressanes, e nenhuma delas esava ansiosa para começar uma nova família. Uma delas disse que o casameno não a araía, porque não desejava ficar amarrada. O governo, indica Marikainen, não esimula aberamene a maior gesação de filhos; em vez disso, oferece excelenes serviços sociais, ais como creches que ornam mais fácil sua criação. Mesmo assim, muios jovens ainda preferem esperar, acrediando que os serviços sempre esarão disponíveis. Enquano isso, a população mais idosa coninua a crescer e a envelhecer. Pessoas acima de 60 anos agora formam quase um quaro da população do país, e o percenual daquelas acima de 70 e 80 anos esá aumenando. As axas de moralidade declinaram rapidamene, em paricular enre a população mais velha, indica Marikainen. A quesão que se relaciona a iso é se a funcionalidade dessas pessoas esá melhorando a uma axa similar basicamene, a quesão é se os anos adicionais de vida serão ambém anos saudáveis de vida. As quesões são premenes, porque uma geração de baby boomers esá começando a enrar na idade da aposenadoria, vindo somar-se ao grande número de velhos exisenes, sem um significaivo aumeno na quanidade de jovens. Tal como aconece em ouros países desenvolvidos, a quesão é: de onde virá o dinheiro para se coninuar manendo o bom padrão de vida? Marikainen noa na Finlândia um pouco do mesmo modo de pensar enconrado em países em desenvolvimeno, onde os recursos governamenais são muio menores. Fala-se mais na Finlândia e em ouros lugares sobre a obrigação da família de aender os idosos, diz. Mas ambém pode aconecer que exisa uma pressão para se desviar o cuso do aendimeno aos mais velhos para os indivíduos e famílias, e iso se vincula a quesões de solidariedade inergeracional e supore familiar. Há uma enorme ênfase na Europa para se prover o aendimeno à erceira idade na própria comunidade, de forma que as pessoas poderiam viver em seus domicílios. Mas como se organiza iso, em ermos efeivos? Com as mudanças nas esruuras familiares radicionais, a arefa é formidável. Os Cenros para Idosos na Finlândia são de responsabilidade dos deparamenos de assisência social dos municípios, assim como o são as creches e ouros programas da comunidade. Pessoas acima de 75 anos êm acesso a aividades-dia, auxílio a domicílio e abrigo para várias siuações especiais. O Cenro Riisavuori, em Helsinque, é um exemplo dos amplos serviços que esses órgãos podem oferecer. O Riisavuori cona com uma unidade residencial coleiva para pacienes demenciados e oura para pacienes com ransornos menais. Há ouras unidades para aendimeno a crises ou para reabiliação, 85 aparamenos de um 40 capíulo 3: Segurança, poder econômico e independência no envelhecimeno

14 quaro para vida assisida (projeados com odas as caracerísicas de segurança necessárias) e esúdios e salas para visias da família. Há see saunas, um salão de ginásica e exercícios, um café e resaurane, uma biblioeca, um salão de beleza, espaços para confecção de aresanao e para massagem, serviços de quiropodia e de oseopaia. Quarena e rês écnicos de enfermagem e 21 enfermeiros são empregados pelo Cenro que ambém cona com um corpo de insruores em várias áreas, uma unidade de erapia e uma magnífica sala silenciosa, oda branca, denominada Shangri La. Essa sala foi criada por projeisas e cona com iluminação com dimmer, música clássica e aromaerapia. Imagens de floresas, vida submarina ou paisagens de Helsinque são projeadas silenciosamene sobre uma grande parede. Os que comparecem ao Cenro apenas para passar o dia, ano como os que lá residem, podem uilizar esses serviços um grupo de pessoas bem humoradas se reúne lá oda segunda-feira. O Cenro não é grauio, mas os pagamenos são feios em escala progressiva, dependendo do nível econômico daqueles que o uilizam ou ali vivem aé o limie de cerca de 80% da aposenadoria da pessoa. Kirsi Sanama, consulor social e chefe do Cenro, informou que os ricos podem chegar a pagar aé por mês (cerca de US$ 5.000), enquano a maior pare paga menos de mensalmene (US$1.420), com aendimeno 24 horas. Os clienes do Cenro pagam por sua própria medicação, aé o limie de 600 (US$850) por ano; acima desse valor, os medicamenos são grauios. A Finlândia é um país de ala renda, com uma receia brua anual per capia de mais de US$46.000, e cona com alguns dos mais generosos planos de aposenadoria do mundo, ano do seor público como do privado, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimeno Econômico. Velhice não é doença é a mensagem do Riisavuori, diz Sanama. Mas quano pode durar esse nível de aendimeno quando aumena o número de pessoas que necessiam de auxílio na velhice? Esse ipo de vida na erceira idade, desfruado no mais alo padrão europeu, se ornará uma espécie em exinção em um mundo mais envelhecido, onde as nações ricas já esão senindo pressões e onde os que vivem nos países mais pobres nunca sequer conhecerão odo esse luxo? Os idosos Trechos do Programa de Ação da Conferência Inernacional sobre População e Desenvolvimeno Os aposenados finlandeses Hannu e Armi se diverem esquiando no inverno UNFPA/Sami Sallinen Na maior pare das sociedades, as mulheres, em razão de viverem mais empo que os homens, formam a maioria da população idosa. O consane aumeno de faixas eárias mais alas nas populações dos países, ano em números absoluos como em relação à população com idade para rabalhar, em implicações significaivas para a maioria das nações, paricularmene no que ange à fuura viabilidade das auais modalidades formais e informais de assisência aos idosos. O impaco econômico e social desse envelhecimeno da população é igualmene oporunidade e desafio para odas as sociedades. RELATÓRIO SOBRE A SITUAÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA AUO-AVALIAÇÃO INSIUCIONAL DO CEFE-BA PERIODO: 2007/2008 Instrumento A1- AVALIAÇÃO GLOBAL (Discentes) RELAÓRIO ANALÍICO I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma Tema 2 Tópicos Especiais de Finanças Públicas 2.3 Reforma do Esado: Reforma Adminisraiva e Reforma Previdenciária A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Proposas de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011 Vesibular UFU ª Fase 17 de Janeiro de 011 PRIMEIRA QUESTÃO A realidade mosra que as favelas já fazem pare do cenário urbano de muias cidades brasileiras. Suponha que se deseja realizar uma esimaiva quano

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA)

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA) GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS Insruções para a Ala Direção e o Responsável Ambienal (RA) DIS TR IBU IDO R Adapado de: MANUAL DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CONCESSIONÁRIAS DE

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO Fernanda Brollo Crédio imobiliário e défici de moradias: uma invesigação dos faores econômicos e insiucionais do desenvolvimeno

Leia mais

Dimensionamento dos tempos de entreverdes para veículos

Dimensionamento dos tempos de entreverdes para veículos Dimensionameno dos empos de enreverdes para veículos Luis Vilanova * Imporância do ema O dimensionameno dos empos de enreverdes nos semáforos para veículos é levado a ermo, freqüenemene, aravés de criérios

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Economia Contabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lista de Exercícios I - Gabarito 1 Universidade Federal de Peloas Deparameno de Economia Conabilidade Social Professor Rodrigo Nobre Fernandez Lisa de Exercícios I - Gabario 1. Idenifique na lisa abaixo quais variáveis são e fluxo e quais

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos econsor www.econsor.eu Der Open-Access-Publikaionsserver der ZBW Leibniz-Informaionszenrum Wirscaf Te Open Access Publicaion Server of e ZBW Leibniz Informaion Cenre for Economics Gonçalves, Reinaldo Working

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Jovens no mercado de trabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1

Jovens no mercado de trabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1 Jovens no mercado de rabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1 Luís Abel da Silva Filho 2 Fábio José Ferreira da Silva 3 Silvana Nunes de Queiroz 4 Resumo: Nos anos 1990,

Leia mais

MARLON RODRIGO BRUNETTA

MARLON RODRIGO BRUNETTA MARLON RODRIGO BRUNETTA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA TÉCNICA E DE PRODUTIVIDADE USANDO ANÁLISE POR ENVOLTÓRIA DE DADOS: UM ESTUDO DE CASO APLICADO A PRODUTORES DE LEITE CURITIBA 2004 MARLON RODRIGO BRUNETTA

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 A produção e difusão de informações esaísicas é uma imporane aividade desenvolvida

Leia mais

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insiuo de Ciências Humanas Deparameno de Economia DOUTORADO EM ECONOMIA A Produividade do Capial no Brasil de 1950 a 2002 Aumara Feu Orienador: Prof. Maurício Baraa de Paula Pino

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias **

CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** CHOQUES DE PRODUTIVIDADE E FLUXOS DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA O BRASIL * Prof a Dr a Maria Helena Ambrosio Dias ** Resumo O inuio é invesigar como e em que grau um choque de produividade ocorrido

Leia mais

MODELOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE FLUXO DE CAIXA DESCONTADO, DE DIVIDENDOS E MÚLTIPLOS

MODELOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE FLUXO DE CAIXA DESCONTADO, DE DIVIDENDOS E MÚLTIPLOS MODELOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE FLUXO DE CAIXA DESCONTADO, DE DIVIDENDOS E MÚLTIPLOS Elisson Albero Tavares Araujo (FNH) elisson_albero@yahoo.com.br Leandro Eduardo Vieira Barros

Leia mais

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO Trabalho de Formaura apresenado à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para

Leia mais

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso Avaliação do Fair Value dos Direios de Exploração Mineral de Granio com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Esudo de Caso Resumo Ese esudo invesiga a aplicação da eoria de opções reais em reservas

Leia mais

Boletim Económico Inverno 2006

Boletim Económico Inverno 2006 Boleim Económico Inverno 2006 Volume 12, Número 4 Disponível em www.bporugal.p Publicações BANCO DE PORTUGAL Deparameno de Esudos Económicos Av. Almirane Reis, 71-6.º andar 1150-012 Lisboa Disribuição

Leia mais

Funções de Exportação de Alimentos para o Brasil. Maria Auxiliadora de Carvalho Instituto de Economia Agrícola

Funções de Exportação de Alimentos para o Brasil. Maria Auxiliadora de Carvalho Instituto de Economia Agrícola Funções de Exporação de Alimenos para o Brasil Maria Auxiliadora de Carvalho Insiuo de Economia Agrícola César Robero Leie da Silva PUCSP e Insiuo de Economia Agrícola Resumo: A segurança alimenar é uma

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO MODELO INTEGRADO PARA PREVISÃO DE VENDAS COMO UMA FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE OPERAÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS

BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS BEM-ESTAR ECONÔMICO: APLICAÇÃO DE INDICADOR SINTÉTICO PARA OS ESTADOS BRASILEIROS Cláudia Bueno Rocha Vidigal 1, Ana Lúcia Kassouf 2, Vinícius Gonçalves Vidigal 3 RESUMO Amplamene relacionado à forma com

Leia mais

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma

A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Propostas de Reforma A Previdência Social Brasileira após a Transição Demográfica: Simulações de Proposas de Reforma Bruno Zanoo Vigna Resumo É consenso que a demografia esá por rás da deerioração das conas previdenciárias

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO Nagila Raquel Marins Gomes; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012)

Uma Análise Sobre a Sustentabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-2012) Uma Análise Sobre a Susenabilidade de Médio-Prazo da Dívida Pública Brasileiro Sob Condições de Risco (2008-202) Jaime Ferreira Dias * José Luis Oreiro ** Resumo: Ese arigo em por objeivo analisar a dinâmica

Leia mais

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS VANIA DI ADDARIO GUIMARÃES Tese apresenada à Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz, Universidade de

Leia mais

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará.

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará. Previsão de demanda e moniorameno por sinal de rasreameno do modelo para produo classe A de uma empresa varejisa de Belém do Pará. avi Filipe Vianna Moreira (UEPA) davifilipe@globo.com Jesse Ramon de Azevedo

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Aposentadoria por Tempo de Contribuição do INSS: uma Análise dos Aspectos Distributivos Com o Emprego de Matemática Atuarial

Aposentadoria por Tempo de Contribuição do INSS: uma Análise dos Aspectos Distributivos Com o Emprego de Matemática Atuarial Resumo Aposenadoria por Tempo de Conribuição do INSS: uma Análise dos Aspecos Disribuivos Com o Emprego de Maemáica Auarial Auoria: Daniela de Almeida Lima, Luís Eduardo Afonso O objeivo dese arigo é o

Leia mais

A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas

A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas A Uilização da Ineligência Compeiiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas Maria das Graças Vieira Conadora. Mesre em Adminisração Financeira e Douora em Educação UFPB. Professora da Faculdade Maurício

Leia mais

Desafios para um país que envelhece Louise Plouffe, ILC-Brazil Congresso internacional 2014 ASAP São Paulo, dia 10 de Abril 2014

Desafios para um país que envelhece Louise Plouffe, ILC-Brazil Congresso internacional 2014 ASAP São Paulo, dia 10 de Abril 2014 Desafios para um país que envelhece Louise Plouffe, ILC-Brazil Congresso internacional 2014 ASAP São Paulo, dia 10 de Abril 2014 Tendências demográficas no População (em mil) mundo 2012 2050 MUNDO 809.743

Leia mais

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis Vol. 4, No. 2 Viória-ES, Brasil Mai/ Ago 27 p. 96-3 ISSN 87-734X Avaliação de Empresas com Base em Números Conábeis James A. Ohlson* Arizona Sae Universiy Alexsandro Broedel Lopes** USP- Universidade de

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco

Integração na criação de frangos de corte na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Inegração na criação de frangos de core na microrregião de Viçosa MG: viabilidade econômica e análise de risco Adelson Marins Figueiredo Pedro Anônio dos Sanos Robero Sanolin Brício dos Sanos Reis Resumo:

Leia mais