OBSERVATÓRIO DE INOVAÇÃO DO TURISMO AREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVATÓRIO DE INOVAÇÃO DO TURISMO AREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 OBSERVATÓRIO DE INOVAÇÃO DO TURISMO AREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Título: A Tecnologia da Informação na indústria do turismo: fatos, perspectivas e uma visão brasileira Textos: Vide Bibliografia Grupo: Claudia Bogado Adonai Teles Data: 07 Abril 2003 Introdução TEXTO PARA DISCUSSÃO Em face à nova realidade que a tecnologia da informação (TI) impõe ao mundo dos negócios e, especificamente, ao mercado de turismo, cabe analisar o uso da TI nas empresas relacionadas ao setor, suas vantagens, desvantagens e como esse uso contribui, efetivamente, para o crescimento do mercado de turismo e gera facilidades e estímulo para todos os envolvidos. Neste cenário, este trabalho tem por objetivo visualizar as influências do uso da TI, e especificamente da Internet, posto que ela é um dos principais catalisadores de transformações no mundo dos negócios, e fazer uma análise comparativa entre aqueles mercados desenvolvidos e a realidade brasileira. Nosso trabalho se divide em três tópicos: 1) Tecnologia de base; 2) Internet e provedores de aplicações; 3) Visão brasileira Nesses tópicos abordamos as tecnologias e produtos que compõe os grupos de interesse na discussão do tema da TI. Sobre as tecnologias de base, falamos dos sistemas e processos que compõe a automação básica dos serviços ao turista desde o seu contato com as agências de viagens, sua viagem e sua recepção, acomodação e despedida das acomodações utilizadas nos destinos visitados. Nesse tópico os sistemas de automação de hotel e de gerenciamento de reservas de acomodações, transporte e veículos são focalizados. O tópico Internet e provedores de aplicações apresenta o impacto desse meio de comunicação e as tecnologias a ele associadas na redefinição de serviços já prestados pelos participantes do setor turístico e utilizados pelos turistas, além de apontar o potencial para desenvolvimento de novos serviços e produtos e do aumento quantitativo e qualitativo da exposição dos negócios que se torna possível aos pequenos na área de turismo. Abordamos o fenômeno da expansão da internet e as facilidades, dificuldades e desafios que ela apresenta para a indústria do turismo. Neste ponto salientamos um tipo de serviço potencialmente útil a essa indústria: os provedores de aplicações pela internet. 1

2 No último tópico - Visão brasileira - discorremos sobre um exemplo prático do potencial da internet como canal de distribuição para o setor hoteleiro, desde o ponto de vista do administrador de uma pequena pousada no estado do Rio de Janeiro, e fazemos algumas considerações sobre qual seja o objetivo a ser perseguido no Brasil em relação à TI no setor de turismo. 1) Tecnologia de base Neste tópico tratamos das tecnologias que permitem aos participantes do mercado de turismo, notadamente os hotéis e hospedarias em geral e agentes de viagens, a administrar seus negócios e a experiência que os turistas terão durante suas viagens. Essas tecnologias podem ser agrupadas da seguinte maneira: - voltadas a aumentar a eficiência e produtividade dos funcionários ; - voltadas a melhorar o serviço ao turista e - geradoras de receitas. No primeiro grupo se incluem os softwares do tipo PMS (Property Management Systems) que permitem o gerenciamento das tarefas típicas do setor hoteleiro como recebimento dos hóspedes, controle de consumo, telefonia, correio eletrônico, saída e faturamento das despesas efetuadas e outros serviços. Algum dos sistemas PMS mais populares no Brasil são o Visual Hotal da CM Soluções e o Fidelio. Estes sistemas podem ligar-se aos GDS de modo a disponibilizar por exemplo o número de vagas disponíveis no hotel. Segundo Rafael Sampaio, gerente de hotelaria do SENAC-RJ, GDSs são sistemas que concentram as informações, ou pelos menos a interação com as bases de dados, necessárias para a composição de uma viagem. Estes são o Amadeus, Worldspan, Sabre, etc. Estes sistemas GDS podem ser acessados diretamente por um agente de viagem para montar o pacote do cliente ou o agente pode usar um programa que faça a interface com o GDS: os chamados CRS. Assim existem duas classes de programas: os GDS que manipulam e processam informações sobre múltiplos meios e o CRS que são uma interface com os GDS que podem ser utilizados pelos agentes ou por clientes diretamente na internet. Você não entra no site do Sabre e acessa o sistema Sabre, mas entra no site da Viajo.com e compra uma passagem através do sistema Sabre. É neste ponto que reside a polêmica: se agora o turista pode fazer por este caminho o agente de viagens perde a "reserva de mercado" que detinha por ser o único com acesso ao sistema. Ainda mais, seria mais fácil para o agente se ele usar um CRS? Neste caso como fica a estrutura de comissionamento? O agente "racha" a comissão dele com a empresa provedora do sistema CRS?. 2

3 Adicionalmente, os GDSs podem prover outras informações úteis aos turistas: verificar condições de tempo no destino, cotações de moedas, informações sobre hábitos e cultura dos destinos, verificar documentações necessárias ou praticamente tudo que pode ser necessário a uma viagem sem atropelos. Conforme o exposto, o GDS é um ponto sensível da cadeia de serviços de turismo e enseja perguntas sobre o futuro dessa cadeia vendas, comissionamentos, desintermediação com a intensificação do uso da internet diretamente por diversos fornecedores isoladamente ou em consórcios ou portais. 2) Internet e provedores de aplicação Dispensável falar sobre os muitos efeitos imaginados, comprovados, não comprovados e imagináveis da internet sobre o mundo dos negócios. Neste trabalho tratamos a internet como canal de distribuição para promoção da indústria do turismo e como veículo para que hotéis, agências de viagens e outros fornecedores automatizem suas atividades através de provedores de aplicações. A internet favorece a comercialização direta de produtos e serviços pelos seus próprios produtores/prestadores. Esse fenômeno, conhecido como desintermediação, propicia o acesso dos consumidores, diretamente, a muitos fornecedores sem que seja necessário recorrer a qualquer intermediário. Muito embora essa realidade totalmente não intermediada não seja uma verdade absoluta, é fato que a intermediação mudou com a internet. Ela, em geral, se tornou menos desfavorável aos consumidores. O modelo que deverá predominar na rede é o de portais temáticos turismo, esporte, eletroeletrônicos que permitem que muitos fornecedores de um mesmo produto/serviço ou de serviços complementares acomodação, passagens, carros para aluguel, seguros de viagem, etc se apresentem para seleção ou pura comodidade dos usuários. Nesse modelo podemos imaginar uma intermediação não predatória favorecendo os consumidores. Isto posto, a indústria do turismo é fortemente afetada por isso com o ciclo consumidor agentes de viagens destinos sendo afetado pelo fenômeno descrito. Os sites dedicados ao turismo (bits) criam uma forte concorrência aos canais tradicionais (átomos) permitindo que os potenciais turistas, a partir de suas casas ou escritórios, selecionem, decidam e contratem todos os componentes de suas viagens. Esta oposição entre bits e átomos remete, conforme elaborou Nicolas Negroponte (1994), ao fenômeno da digitalização do mundo dos negócios. O autor diz que o que flui no mundo dos negócios mais modernos são os bits das transações eletrônicas correio eletrônico, páginas da Internet, informações pessoais, pedidos de compras, transferência eletrônica de fundos e produtos ou serviços digitais como música em formato MP3, livros eletrônicos (e-books) ou informação especializada enquanto tradicionalmente circulam átomos na forma de papel, moeda física e produtos materiais. Pelo lado da administração da atividade turística, salientamos o fenômeno dos provedores de aplicações ou Application Server Providers (ASP) que oferecem diversos serviços de automação das atividades relacionadas ao turismo. Usando esses provedores, hotéis e agências 3

4 de viagens podem usufruir de uma completa estrutura de informática para administrar seus negócios e concentrar-se apenas em suas funções essenciais de atenção ao cliente. 3) Visão brasileira As discussões desse trabalho foram pesquisadas, quase completamente, a partir de trabalhos feitos sobre a realidade norte-americana e européia do turismo. Nesses locais o uso de TI e da internet estão em níveis muito distintos daqueles observáveis na América Latina, para ficarmos em nosso local geográfico no planeta. Segundo uma pesquisa publicada no site NUA.com (www.nua.com), no conjunto EUA/Canadá o percentual de pessoas conectadas é de 60% ou 182 milhões de pessoas. Na Europa chegamos a 29% de conectados à rede ou 190 milhões de internautas. Na América Latina, onde representamos aproximadamente 33% da população, temos apenas 33 milhões ou 6% de pessoas conectadas à internet. Baseados nestes números e na observação cotidiana de nossa realidade e na questão da exclusão digital, reiteradamente destacada na imprensa e na academia, propomos o debate sobre como deve ser analisada a incorporação da TI à realidade do turismo no Brasil. Nossos objetivos de curto, médio e longo prazo devem assemelhar-se aos de norte-americanos e europeus? Como a TI pode efetivamente contribuir para o desenvolvimento do turismo no país? Nossa realidade de capacitação intelectual dos trabalhadores nos permite o uso intensivo de tecnologia no setor? Nesse trabalho são apresentados dois casos práticos que ilustram usos da TI no setor de turismo em quadrantes opostos em uma matriz que cruza recursos financeiros e tecnológicos com capacitação profissional para desenvolvimento de negócios pela Internet. No primeiro caso é exposto um serviço de reservas de unidades habitacionais em hotéis que com suporte técnico-financeiro e um plano de negócios definido oferece qualidade de serviço de primeiro mundo no Brasil. Esta apresentação demonstra a viabilidade de desenvolvimento e manutenção de um serviço desse tipo no país. No entanto, nossa preocupação neste trabalho é grande com a porção menos privilegiada em termos de suporte tecnológico, mercadológico e financeiro de participantes do setor de turismo. Assim, podemos nos perguntar se nosso índices sociais, principalmente relacionados ao nível de educação formal da população e capacidade de assimilação de tecnologias avançadas, nos permite focalizar a adoção de TI como uma questão central na indústria de turismo brasileira. Vamos fazê-lo incorporar TI mas deveremos avaliar estratégias eficazes para fazê-lo de modo a que sua incorporação signifique melhorias aqui e não apenas atendimento a necessidades de venda de consultoria e tecnologia por parte dos produtores mundiais destes insumos (sistemas e equipamentos associados ao setor do turismo). Como é possível levar recursos de infra-estrutura, consultoria e financiamento, aos pequenos negociantes, especificamente pequenos hoteleiros ou pousadeiros, que desejam ingressar no mundo virtual e expandir sua capacidade de negócios. 4

5 Para ilustrar nosso ponto de vista, relatamos, em linhas gerais, o caso prático de um administrador de pousada em Saquarema, estado do Rio de Janeiro, que planeja sua estréia na internet a fim de apresentar-se aos surfistas estrangeiros que buscam as ondas perfeitas daquela cidade. A pousada é pequena, 10 ou 12 quartos, e está dentro da praia de Saquarema. O administrador, que é dono também, está planejando sua associação a um site americano especializado em surfe e, paralelamente, fazer um catálogo de serviços (surfe, mergulho, passeios pelas cidades próximas) para distribuir, na cidade do Rio de Janeiro, nos hotéis que aparecem na categoria mais popular dos principais guias de viagens, muito utilizados pelo seu público alvo, conforme ele mesmo apurou no tempo em que administra a pousada. A internet? Bem, pela internet, um micro simples ligado ao provedor local por uma linha dedicada e razoavelmente rápida, embora não plenamente disponível 24h/dia, ele quer mostrar a pousada, publicar fotos tiradas em várias horas do dia, dar informações sobre as condições que propiciem a prática do surfe e receber pedidos de reservas por correio eletrônico. Simples, não? É assim, mostrando as várias faces de seu uso e da restrição a ele, que discutimos a TI no âmbito do setor turístico brasileiro. Com pés no chão e voltados para que o turismo no Brasil gere bem estar para os brasileiros e conforto e boas experiências para os visitantes. Casos práticos - participação de convidados Hotel Directory Network (www.hdn.com.br) Apresentadores: Sr. Fernando Gélio e Sr. Sérgio Nogueira Em sua participação os convidados descreveram as diretrizes de seu negócio e as características principais dos serviços oferecidos. O HDN é uma empresa que opera comprando diárias em unidades dos hotéis associados ao serviço e oferecendo-as aos seus consumidores. O serviço não demanda confirmação posterior, ou seja, ela é feita no momento da compra. Segundo seus representantes, o HDN faz acordos com seus associados a fim de oferecer a melhor tarifa possível aos seus consumidores. Dessa maneira, nenhum usuário vai conseguir que a tarifa negociada diretamente no balcão do hotel ou através de outros serviços ou agentes de viagens seja menor que a oferecida pelo HDN para a unidade pretendida. No aspecto de divulgação do negócio e atração de internautas que buscam informações sobre destinos turísticos e reservas em hotéis para o site do HDN, os convidados esclareceram que há uma preocupação constante em criar uma malha de endereços e associações com palavraschaves relevantes (hotel, reservas, Rio de Janeiro, São Paulo, turismo, viagem, etc) que favoreçam a chegada do internauta até a página do serviço. Uma equipe de técnicos e de pessoal de marketing pesquisa quais palavras, assuntos e sites são mais procurados pelos internautas a cata de informações sobre turismo e hotéis. Com esta informação são comprados domínios (endereços de páginas eletrônicas) que, quando visitados, passam a remeter para o site do serviço e estabelecidos acordos com ferramentas de busca e sites muito visitados, 5

6 como jornais ou portais genéricos, para incluir o HDN com prioridade em listas que envolvam as palavras-chaves desejadas. Essa participação dos representantes da HDN ilustrou bem o que é o uso do comércio eletrônico no setor de turismo brasileiro com tecnologia e estratégias de negócios que em nada ficam a dever aos similares estabelecidos no primeiro mundo. Pousada Itaúna Inn (www.uol.com.br/camerasurf/itauna-inn) Apresentador: Sr. Otávio Silva Um dos sócios da pousada, o Sr. Otávio, há muito vem tentando implementar sua estratégia de ingresso no mundo virtual a fim de oferecer os serviços da pousada para o público que ele próprio reconhece como sendo aquele que, voluntariamente, procura seu estabelecimento: jovens surfistas estrangeiros com espírito mochileiro. Para isso o empresário contou apenas com sua própria determinação e capacidade de pesquisar os meios para executar seus planos: comunicar-se com os jovens surfistas estrangeiros usando sites estrangeiros especializados em surfe para divulgar seu endereço eletrônico. Nesse endereço ele pretendia incluir um serviço de comunicação por correio eletrônico, uma tabela de preços e promoções, fotos e informações sobre o local, arredores e serviços agregados (passeios, mergulhos, câmara para visão da praia em frente à pousada, etc). O que o empresário não encontrou foi apoio técnico ou uma iniciativa da secretaria de turismo local ou uma associação comercial forte e articulada para apoiá-lo em seu intento. Assim, após ver naufragar o site em que inicialmente hospedou sua agência virtual, ele ficou como que desabrigado no ciberespaço. A cidade não tem um site de promoção que permita a inclusão de seu hotel, não há linhas de crédito para esse tipo de empreitada ou um escritório de fomento ao turismo capaz de apoiá-lo na confecção e implantação de seu projeto. Neste caso o esforço do pequeno empresário brasileiro esbarra em uma crônica falha das nossas estratégias para o fomento ao turismo: elas são como os sites da Internet, apenas virtuais. Conclusão A TI tem sido responsável por uma segunda "revolução industrial": a revolução informacional. Esta revolução gerou um forte impacto sobre o funcionamento dos negócios em todo o mundo nas duas últimas décadas. A indústria do turismo não é exceção na absorção desse impacto. A competitividade entre as empresas de turismo e entre os diversos destinos turísticos em todo o mundo foi diretamente afetada nessa guinada rumo a uma grande velocidade da troca de informações e pela alteração nos canais de distribuição de produtos turísticos. E não se poderia esperar outra coisa dado o fato de que a atividade turística depende fortemente da boa 6

7 disseminação de informações e da distribuição e promoção eficazes do produto. Sem sombra de dúvidas, a TI tem e seguramente continuará tendo, um grande efeito nos métodos de operação da industria turística. Acompanhando a revolução tecnológica dos anos 90, entrando no século XXI, encontramos muitas novas oportunidades e desafios para a atividade turística. Por ser o turismo uma atividade complexa e global, a informação é o seu elemento vital e a tecnologia tornou-se fundamental para que o setor opere de forma eficaz e competitiva. A distribuição de produtos e serviços do setor de turismo entrou em uma fase de mudança radical, impulsionado pelas oportunidades que apresenta a era da informação. O avanço da TI, particularmente através da Internet, está mudando rapidamente a estrutura da indústria do turismo, modificando em todos os setores o gerenciamento de processos internos e externos. As vantagens da Internet e das novas ferramentas utilizadas, como websites e o correio eletrónico, são evidentes e ainda passíveis de muitas melhorias. Elas oferecem maior produtividade e ao mesmo tempo geram maiores expectativas por parte dos clientes. Diante disso, concluímos que a oportunidade de desenvolvimento nesta área, de Tecnologia da Informação, é fundamental para a competitividade da indústria do turismo no Brasil. 7

8 Bibliografia BUHALIS, DIMITRIOS ; PARASKEVAS, ALEXANDROS. Outsourcing IT for Small Hotels. Cornell Hotel and Restaurant Administration Quaterly. April CAMISÓN, CÉSAR. Strategic attitudes and Information Technologies in the Hospitality Business: an empirical analysis. Hospitality Management 19 (2000) p CHU, RAY. What online Hong Kong travellers look for on airline/travel websites?. Hospitality Management 20 (2001) p KIN-NAM, LAU; KAM-HON, LEE; PONG-TUEN, LAM; YING, HO. Web-site Marketing for the Travel and Tourism Industry. Cornell and Hotel Restaurant Administration Quaterly. December MURPHY, JAMIE; HOFACKER, CHARLES F.; BENNETT, MICHELLE. Websitegenerated Market-research Data: Tracing the tracks left behind by visitors. Cornell and Hotel Restaurant Administration Quaterly. February NAMASIVAYAM, KARTHIK; ENZ, A. CATHY; SIGUAW, A. JUDY. How wired are we?. Cornell and Hotel Restaurant Administration Quaterly. December O CONNORS, PETER; FREW, ANDREW J. The Future of Hotel Electronic Distribution: Expert and Industry Perspectives. Cornell and Hotel Restaurant Administration Quaterly. June PICCOLI, GABRIELE; SPALDING, BONNIE R; BLAKE,IVES. A Framework for Improving Customer Service through Information Technology. Cornell and Hotel Restaurant Administration Quaterly. June VICENTIN, IVAN CARLOS; HOPPEN, NORBERTO. Tecnologia da Informação aplicada aos negócios de Turismo no Brasil. Revista Turismo - Visão e Ação - Ano 4 n.11 p Abr/Dec Outras fontes de informações 8

9 Claudia Bogado Pesquisadora do Núcleo de Estudos Avançados em Turismo e Hotelaria (NEATH), vinculado a EBAPE- Escola Brasileira Pública e de Empresas da FGV. MBA em Turismo, Hotelaria e Entretenimento pela Fundação Getulio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro. Bacharel em Turismo pela Universidad del Salvador (USAL), Buenos Aires, Argentina. Experiência profissional na área de pesquisa aplicadas ao setor de turismo e hotelaria, no setor de agências de viagens e na indústria hoteleira. Adonai Teles Mestrando em Gestão Empresarial na Fundação Getulio Vargas (FGV-RJ); Pós-graduado em marketing pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ); Analista de sistemas pelo Centro de Cursos de Extensão da PUC-RJ; Bacharel em Ciências Náuticas pela Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM-RJ). Atua profissionalmente como analista de sistemas com especialização em inteligência de negócios (BI). 9

Amadeus Hotel Web Planning

Amadeus Hotel Web Planning Your technology partner Amadeus Hotel Web Planning Distribuição & Conteúdo 2 Amadeus Hospitality Pensando em como aumentar sua taxa de ocupação e rentabilidade? Gostaria de ampliar sua distribuição e atrair

Leia mais

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Geral Executiva Nome da Hotel Urbano Indústria Turismo Produtos e Serviços Comercialização online de pacotes

Leia mais

Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro

Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro NEWS RELEASE Travelport adquire Hotelzon para liderar crescimento no segmento hoteleiro Langley, Reino Unido, 12 de junho de 2014: A Travelport, empresa líder no segmento de comércio de viagens, que oferece

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO Concurso Público para o Cargo de Professor Adjunto EDITAL 027/2012 Código do Candidato: PROVA ESCRITA - 17.12.2012

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA

SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO NA MODALIDADE ASSOCIADA EDITAL 04/2009 IDÉIA FLUXO CONTÍNUO INCUBADORA MULTI-SETORIAL DE BASE TECNOLÓGICA E INOVAÇÃO Novembro de 2009. PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

ESTUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DOS GDSS PELAS AGÊNCIAS DE VIAGENS DE PORTO ALEGRE-RS

ESTUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DOS GDSS PELAS AGÊNCIAS DE VIAGENS DE PORTO ALEGRE-RS ESTUDO SOBRE A UTILIZAÇÃO DOS GDSS PELAS AGÊNCIAS DE VIAGENS DE PORTO ALEGRE-RS Jessica Borges de Almeida Lucimari Acosta Pereira Morgana Martini Arin RESUMO: O presente trabalho trata-se de uma análise

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO - SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL Vitória, 2011 GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO

Leia mais

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa.

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Economizar é a prioridade e sabemos que é possível ter até 40% de economia se a empresa nunca teve nenhum tipo de controle

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing de serviços: Marketing de agronegócios Área: Marketing e Vendas Competências diagnóstico mercadológico; metodologia de análise e segmentação de mercado

Leia mais

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil CONTACT CENTER Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil Cenário Nos últimos dez anos, o desenvolvimento das tecnologias de informação permitiu um forte crescimento do setor de

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO

FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO FRANQUIA MODALIDADE ESCRITÓRIO SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

7 Referências Bibliográficas

7 Referências Bibliográficas 148 7 Referências Bibliográficas ANDERSON, Scott W.: Online Hotel Sales and Third Parties: A Review and Analysis, High Country Hospitality, 2003 ALBERTIN, Alberto L.: Comércio Eletrônico: Modelo, Aspectos

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS PARA A CRIAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS PARA A CRIAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS REGULAMENTO REGULAMENTO Artigo 1.º - Enquadramento O Concurso de Ideias para a Criação de Empresas Inovadoras é uma iniciativa do BICMINHO no âmbito da execução da operação n.º NORTE-07-0364-FEDER-000006 Apoio à Criação

Leia mais

ACADEMIA DE SD (VENDAS E DISTRIBUIÇÃO)

ACADEMIA DE SD (VENDAS E DISTRIBUIÇÃO) A Academia é o melhor caminho para especialização dentro de um tema no ERP da SAP. Para quem busca uma formação com certificação em vendas e distribuição, o mais indicado é participar da Academia de SD.

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Manual Travelport Rooms and More

Manual Travelport Rooms and More Manual Travelport Rooms and More ÍNDICE Introdução......... 2 Criação da conta Paypal.......... 3 Registo no site............... 4 Fazer o LOGIN.... 5 Fazer o LOGOUT...... 5 Pesquisa de hoteis..... 6 Opções

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE

FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE FRANQUIA MODALIDADE QUIOSQUE SUMÁRIO QUEM SOMOS 02 PREMIAÇÕES 03 ONDE ESTAMOS 04 O MODELO QUIOSQUE 06 NOSSO NEGÓCIO 07 MULTIMARCAS 07 MULTISERVIÇOS 08 PERFIL DO FRANQUEADO 09 VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

Política de Viagem Quatro Estações

Política de Viagem Quatro Estações 1 Gestão De Viagens Corporativas Construindo Uma Política De Viagens Mais Efetiva O documento em questão visa difundir informações, consolidar as práticas de mercado que nós consideramos importantes na

Leia mais

Como viajar mais, gastando menos. FogStock?Thinkstock. 52 KPMG Business Magazine

Como viajar mais, gastando menos. FogStock?Thinkstock. 52 KPMG Business Magazine Como viajar mais, gastando menos FogStock?Thinkstock 52 KPMG Business Magazine Boa gestão propicia redução de custos com viagens corporativas O controle de custos é tema recorrente nas organizações. O

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso.

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. EMPREENDEDOR Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. Introdução O que é a DIVULGGARE A micro franquia DIVULGGARE Como funciona o sistema de micro franquia DIVULGGARE Fórmula para o sucesso Produtos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

FRANQUIA MODALIDADE LOJA

FRANQUIA MODALIDADE LOJA FRANQUIA MODALIDADE LOJA SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Módulo Internacional (Graduação)

Módulo Internacional (Graduação) Módulo Internacional (Graduação) 1 2 CONVÊNIO FGV e a SAINT LEO UNIVERSITY Foi celebrado no ano de 2014, o convênio de interesse comum entre as instituições FGV (Fundação Getulio Vargas) e a Donald R Tapia

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

O CURSO OBJETIVOS PÚBLICO ALVO METODOLOGIA

O CURSO OBJETIVOS PÚBLICO ALVO METODOLOGIA O CURSO Especialização em marketing. Essencialmente prático. Propicia uma reflexão aprofundada sobre as formas de se realizar negócios nos ambientes físico e virtual, utilizando as mais novas ferramentas

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho

Perfil do Curso. O Mercado de Trabalho Perfil do Curso É o gerenciamento dos recursos humanos, materiais e financeiros de uma organização. O administrador é o profissional responsável pelo planejamento das estratégias e pelo gerenciamento do

Leia mais

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet.

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Algumas pesquisa realizada recentemente, revelaram resultados surpreendentes sobre o uso da Internet nas empresas no Brasil. Neste artigo interpreta alguns dados e lhe revela as soluções que podem ajudar

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações 24 de Março de 2011 As exigências de infraestrutura de TIC para a Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil Desafios e Oportunidades na construção do IBC. A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

CLUBE DE VANTAGENS ASSECOR MANUAL DE UTILIZAÇÃO

CLUBE DE VANTAGENS ASSECOR MANUAL DE UTILIZAÇÃO CLUBE DE VANTAGENS ASSECOR MANUAL DE UTILIZAÇÃO Este manual foi criado especialmente para você e sua família conhecerem a ampla rede de vantagens oferecidas pela ASSECOR. Convênios diretos com as fábricas,

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O NOVO PROGRAMA SER PORTOBELLO SHOP

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O NOVO PROGRAMA SER PORTOBELLO SHOP TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O NOVO PROGRAMA SER PORTOBELLO SHOP 2015 O ANO DO NOVO Após uma década reconhecendo diversos Especificadores por todo o Brasil, chegou a hora de inovar e tornar o Programa

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Modelos de e-commerce

Modelos de e-commerce Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br)

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Seleção de Empresas para participação em Missões Empresariais em Mercado Internacional:

Seleção de Empresas para participação em Missões Empresariais em Mercado Internacional: CHAMADA EMPRESARIAL N o 01/2014 Seleção de Empresas para participação em Missões Empresariais em Mercado Internacional: Canton Fair China e Feira SIAL Paris Dando continuidade às ações do Programa de Competitividade

Leia mais

www.vilesoft.com (37) 3213-4855

www.vilesoft.com (37) 3213-4855 - A Empresa A Vilesoft já implantava sistemas, processos e disponibilizava integração eletrônica e em tempo real, muito antes de tudo isto receber o nome de ebusiness. Há mais de duas décadas já trabalha

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos M&M Soluções Web www.mmsolucoesweb.com.br Página 2 de 18 Apresentação Criada oficialmente em 2009, a M&M iniciou suas atividades através

Leia mais

O presente e o futuro da Tecnologia no Turismo

O presente e o futuro da Tecnologia no Turismo O presente e o futuro da Tecnologia no Turismo O que a Agência de Viagens precisa investir em tecnologia para conquistar a eficiência O que o mercado disponibiliza de solução para as agências de viagens

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM

ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA TURISMO PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2006 ANÁLISE DOS RESULTADOS DAS OPERAÇÕES DE VENDA DA AGÊNCIA DE VIAGEM BARROS, Darci K. Y. de Curso de Turismo

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB.

SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB. SUA MAIS NOVA AGÊNCIA ON-LINE. PUBLICIDADE DESIGN WEB. #estratégia #marketingdigital #websites Somos uma agência especializada em MARKETING DIGITAL 2007 +7 anos de experiência A Ramosdesign foi criada

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Para aa Fornecedores Rede de Obras Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Informações de acordo com a sua necessidade Com o objetivo de atender a sua empresa

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Campanha de Mídia Online Dia dos Pais 2011

Campanha de Mídia Online Dia dos Pais 2011 Campanha de Mídia Online Dia dos Pais 2011 Agenda Apresentação da e-bit E-mail Marketing Mídia On-line Condições Comerciais 2 Histórico da e-bit Fundada em Fevereiro de 2000 Pesquisa de satisfação presente

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais