UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO por Maria de Fátima Henriques Pereira Professora Orientadora: Diva Nereida M.M.Maranhão RIO DE JANEIRO FEVEREIRO/2003

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO Monografia apresentada à Universidade Candido Mendes como requisito parcial à conclusão do curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia sob orientação da professora Diva Nereida M. M. Maranhão por Maria de Fátima Henriques Pereira RIO DE JANEIRO FEVEREIRO/2003

3 AGRADECIMENTOS A Deus, autor e princípio de tudo. Aos meus alunos ao longo de toda a minha carreira, pelo tanto que com eles aprendi. Aos meus amigos, pelo incentivo, especialmente à Dora pela parceria no trabalho e na vida e ao amigo Roger, pelo apoio técnico-operacional. A todos os colegas que colaboraram na troca de experiências verdadeiramente enriquecedoras.

4 DEDICATÓRIA Aos meus pais, sem os quais alguém e algo não existiriam, pelo tudo que fizeram de mim. A você, amor, pelo novo sentido que trouxe à minha vida

5 Ler as folhas das árvores caindo no chão. Tomar uma folha nas mãos. Ler as árvores florindo. Sentir seu perfume. Ler o ninho de passarinho vazio. Ler manga, abacate e morango no pé e na banca de frutas. Ler produtos no bar, na quitanda ou no shopping. Ler traços e pistas, estradas e trilhas. Ler sintomas. Ler sinais luminosos. Ler encontros de astros no céu. Ler rostos e gestos de pessoas. Ler modos e modas. Ler relógio. Ler botão de fogão. Ler o livro amarelecido que a avó deu. Ler a foto da avó. Ler contos de fadas. Ler música. Ler revistinha de montão. Ler a Bíblia. Não ter livro para ler. Ler escondido. Ler Drummond. Ler Oscar Wilde, Jorge Amado. Ler Shakespeare em quadrinhos. Digitar no computador. E ler. Não gostar de ler. Ler a brisa. Ler as idéias dos outros. Ler o outro nos textos. Ler memórias. Não precisar ler escondido. Ler as histórias contadas por muitos. Re-ler... (SMOLKA, 1992, p.27)

6 RESUMO O mundo e a sociedade contemporânea trazem em si exigências que até então passavam despercebidas. Como imaginar o mundo moderno sem computador? No entanto, de que vale tanta tecnologia quando uma parcela significativa da população sequer tem acesso à utilização social básica de leitura e da escrita? Há que se repensar tanto as práticas de ensino/aprendizagem quanto o que se espera daquele que dominou a tecnologia do ler e escrever, bem como quais as implicações sociais, políticas e filosóficas do ato de se alfabetizar. Novos conceitos e concepções de construção de conhecimento avançadas precisam ser implementadas no sentido de minimizar problemas crônicos que vêm afetando a instituição escolar, especialmente a de caráter público. A mudança no olhar sobre as práticas docentes e os mais recentes estudos que mostram de que forma o alfabetizando constrói seu processo pessoal de leitura e escrita apontam para uma nova visão de leitor, aquele que vê para além do escrito, o leitor de mundo. Palavras-chave: letramento, alfabetização, transformação

7 METODOLOGIA O universo deste estudo estende-se da clientela da pré-escola às duas séries iniciais do 1º segmento do Primeiro Grau, por se tratar,em tese, exatamente da fase onde é adquirido o domínio sobre o procedimento de ler e escrever, bem como a incorporação das várias formas de utilização da linguagem escrita. O estudo se fundamenta em pressupostos teóricos de diversos autores, relacionando suas idéias e concepções às experiências práticas cotidianas, através de método analítico das produções e de observações e participações relacionadas ao processo de construção do conhecimento em alfabetização.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 1. LETRAMENTO: CONSIDERAÇÕES GERAIS ALFABETIZAÇÃO: REPENSANDO CONCEITOS E PRÁTICAS ENSINAR A LER E ESCREVER 42 CONCLUSÃO 55 REFERÊNCIAS 58 ANEXOS 62

9 INTRODUÇÃO O sistema escolar brasileiro vem discutindo já há algum tempo os pressupostos teórico-metodológicos que regem seu funcionamento e seu cotidiano político-pedagógico. As mudanças sociais e o avanço no conhecimento em muitas áreas do saber impõem novas questões, além, é claro, das novas tecnologias e de problemas de natureza ética delimitando novas tensões e contradições vividas em nosso espaço de vida, dentro de um determinado contexto histórico. Diante desse quadro, a alfabetização tem-se destacado como área de profunda revisão conceitual. Alguns fatores que merecem destaque: 1. Os elevados índices de analfabetismo da população brasileira, fato relacionado a uma organização social marcada pela má distribuição de bens econômicos e culturais; 2. A qualidade questionável da educação que vem sendo oferecida aos alunos; 3. A grande defasagem idade/série encontrada nas escolas, conseqüência de reprovações consecutivas. Há, sem dúvida, questões de natureza política envolvidas nessa problemática: por quê e para quê alfabetizamos, isto é, que expectativas temos em relação à sociedade que queremos construir, mais igualitária na distribuição dos bens econômicos e sociais.

10 10 Desse modo, a alfabetização é um bem cultural, uma vez que a língua escrita na perspectiva político-cultural que essa linguagem ocupa na sociedade é fator diferencial, bem como a participação social diferenciada daqueles indivíduos que a dominam. Durante muito tempo, a língua escrita foi ensinada como uma tecnologia, ou seja, o funcionamento do código alfabético: juntava-se as consoantes a vogais, misturavam-se as sílabas para formar palavras e assim por diante, considerando que desta forma a criança aprenderia a ler e escrever. Não se mostrava à criança a língua viva, usada em muitos lugares e por variadas pessoas para variados fins: colada ou escrita nas paredes, distribuída em panfletos, transformada em histórias, lendas e poesias nos livros, em notícias de jornais, em receitas de bolos ou bulas de remédios, em anotação do jogo do bicho, em listas de compras, em mensagens no computador. Em suma, ensinava-se a escrita e deixava-se de lado a linguagem escrita. Diante dessa postura didática, o desempenho dos alunos varia: nem todos se saem mal, pois aqueles que já têm um bom contato com a linguagem escrita percebem essa postura apenas como um método, não como linguagem. No entanto, aqueles que têm pouco ou nenhum contato com a linguagem escrita acabam se transformando numa legião de jovens e adultos que, mesmo escolarizados e sendo considerados alfabetizados, mal conseguem escrever o nome e mal lêem um pequeno texto. Eles aprenderam a língua escrita, mas não se apropriaram da linguagem escrita como um saber, como um bem cultural que lhes alargasse o horizonte de conhecimentos e de participação social. Diante de todas essas questões, no capítulo 1 discute o novo conceito incorporado ao vocabulário da Educação e das Ciências Lingüísticas: o Letramento, suas dimensões, implicações e contribuições no processo de aquisição social da escrita.

11 11 O capítulo 2, dando prosseguimento às questões levantadas anteriormente, fala da alfabetização e da necessidade de se compreender como a criança constrói o seu conhecimento numa escala sucessiva de fases, compreender que conhecimentos a criança já tem ao chegar à escola e da necessidade de que os mesmos sejam aproveitados. O capítulo 3 fecha esse estudo repensando as bases para o ensino/aprendizagem da leitura e da escrita, o papel do professor nesse processo e as implicações sócio-político-filosóficas da alfabetização.

12 12 CAPÍTULO 1 LETRAMENTO: CONSIDERAÇÕES GERAIS Novas palavras são criadas quando emergem novos fatos, novas idéias, novas maneiras de compreender os fenômenos. A mudanças nas demandas sociais do uso da leitura e da escrita apontaram para a necessidade do surgimento de uma nova palavra: letramento. Embora já presente em outras línguas há mais tempo, somente em meados dos anos 80 a palavra letramento é incorporada ao vocabulário da Educação e das Ciências Lingüísticas. A palavra letramento ainda não está dicionarizada, porque foi introduzida muito recentemente na língua portuguesa. A criação do termo é decorrência da necessidade que o ser humano tem de nomear as coisas, como se elas não existissem antes de serem nomeadas. Portando o termo letramento surgiu porque apareceu um novo fenômeno ao qual precisava-se dar um nome, um fenômeno que não existia antes, ou, se existia, não tínhamos nome para ele. A palavra letramento é uma tradução para o português da palavra inglesa literacy (traduz-se por a condição de ser letrado ), embora o sentido que lhe vem sendo dado em português venha de literate (do francês, que tem a habilidade de ler e escrever).

13 Conceito O que é o letramento? Letramento não é um gancho Em que se pendura cada som enunciado Não é treinamento repetitivo de uma habilidade Nem um martelo quebrando blocos de gramática. Letramento é diversão, É leitura à luz de vela, ou lá fora à luz dos sol. São notícias sobre o presidente, O tempo, os artistas da TV. E mesmo Mônica e Cebolinha Nos jornais de domingo. É uma receita de biscoito, Uma lista de compras, recados colados na geladeira, Um bilhete de amor, telegramas de parabéns E cartas de velhos amigos. É viajar para países desconhecidos, Sem deixar sua cama, É rir e chorar Com personagens, heróis e grandes amigos. É um Atlas do mundo, Sinais de trânsito, caças ao tesouro, Manuais, instruções, guias e orientações em bulas de remédios Para que você não fique perdido. Letramento é, sobretudo, Um mapa do coração do homem, Um mapa de quem você é E de tudo que você pode ser. (SOARES, 2000, p.41) O letramento ainda não carrega em si uma definição própria e acabada, uma vez que engloba uma vasta gama de conhecimentos, habilidades,

14 14 capacidades, valores, usos e funções sociais. Esse novo domínio da leitura e da escrita precede a decifração do código. O conceito, portanto, de letramento, envolve sutilezas e complexidades difíceis de serem contempladas em uma única definição. Há, no entanto, alguns pressupostos básicos que são consenso entre os estudiosos do assunto: o indivíduo que vive em estado de letramento não é só aquele que sabe ler e escrever, mas aquele que usa socialmente a leitura e a escrita, pratica a leitura e a escrita, responde adequadamente às demandas sociais da leitura e da escrita....ter-se apropriado da escrita é diferente de ter aprendido a ler e escrever: aprender a ler e escrever significa adquirir uma tecnologia, a de decodificar a língua escrita; apropriar-se da escrita é tornar a escrita própria, ou seja, é assumí-la como sua propriedade. (SOARES, 2000, p. 39) Ser letrado é muito mais complexo que simplesmente ser alfabetizado, pois alfabetizado define aquele que apenas aprendeu a ler e a escrever, não aquele que adquiriu o estado ou a condição de quem se apropriou da leitura e da escrita, incorporando as práticas sociais que as demandam, interagindo com diferentes portadores de leitura e escrita, com diferentes gêneros e tipos de leitura e escrita, com as diferentes funções que a leitura e a escrita desempenham em nossa vida. Letramento é, pois, o resultado da ação de ensinar ou de aprender a ler e a escrever: o estado ou condição que adquire um grupo social ou um indivíduo como conseqüência de ter-se apropriado da escrita.

15 15 Social e culturalmente, a pessoa letrada já não é a mesma que era quando analfabeta ou iletrada, passa a ter uma outra condição social e cultural não se trata propriamente de mudar de nível ou de classe social, mas de mudar seu lugar social, seu modo de viver na sociedade, na inserção na cultura, sua relação com os outros, com o contexto, com os bens culturais torna-se diferente. Tornar-se letrado é também tornar-se cognitivamente diferente: a pessoa passa a ter uma forma de pensar diferente. Tornar-se letrado traz, ainda, conseqüências lingüísticas: o letrado fala de forma diferente do iletrado, o convívio com a língua escrita tem como conseqüências mudanças no uso da língua oral, nas estruturas lingüísticas, no vocabulário. 1.2 O letramento e seus reflexos na leitura e na escrita escrita. O letramento envolve dois fenômenos bastante diferentes: a leitura e a Ler é um conjunto de habilidades e comportamentos que se estendem desde simplesmente decodificar sílabas ou palavras até a leitura de obras clássicas. Ou seja, é um conjunto de habilidades, comportamentos e conhecimentos que compõem um longo e complexo processo contínuo. Escrever é também um conjunto de habilidades, comportamentos e conhecimentos que se estendem desde simplesmente escrever o próprio nome até uma tese de doutorado. É também um processo contínuo. Cabe aqui questionar em que ponto desse processo uma pessoa pode ser considerada letrada no que se refere à leitura e à escrita.

16 16 Há, portanto, diferentes tipos e níveis de letramento, dependendo das necessidades, das demandas do indivíduo e de seu meio, do contexto social e cultural. O nível de letramento dos grupos sociais relaciona-se fundamentalmente com suas condições sociais, culturais e econômicas. É preciso que haja, pois, condição para o letramento. Uma primeira condição é que haja escolarização real e efetiva da população a necessidade de letramento só foi percebida quando o acesso à escolaridade se ampliou e tivemos mais pessoas sabendo ler e escrever, passando a aspirar a um pouco mais do que simplesmente aprender a ler e a escrever. Uma segunda condição é que haja disponibilidade de material de leitura. Para que os alfabetizados se tornem realmente letrados é preciso que estejam imersos em um ambiente letrado, ou seja, tenham acesso a livros, revistas, jornais, bibliotecas; é preciso que percebam uma função social para a leitura e tornem-na uma necessidade e uma forma de lazer. Embora a leitura e a escrita sejam vistas freqüentemente como processos espelhados um do outro, há diferenças fundamentais entre as habilidades e conhecimentos empregados no ato de ler e os empregados no ato de escrever, bem como na aprendizagem de um e de outro. No entanto, mesmo sendo constituídas de processos diferentes, a leitura e a escritas são uma única habilidade, realidades coexistentes no processo de letramento.

17 A dimensão individual do letramento Na leitura A leitura, do ponto de vista da dimensão individual de letramento (a leitura como uma tecnologia ), é um conjunto de habilidades lingüísticas e psicológicas. Estende-se da habilidade de traduzir em sons sílabas sem sentido a habilidades cognitivas e metacognitivas; inclui, entre outras: a habilidade de decodificar símbolos escritos; a habilidade de captar significados; a capacidade de interpretar seqüências de idéias ou eventos, analogias comparações, linguagem figurada, relações complexas; e, ainda, a habilidade de fazer previsões iniciais sobre o texto, de construir significado combinando conhecimentos prévios e informação textual, de modificar previsões iniciais quando necessário, de refletir sobre o significado do que foi lido, tirando conclusões e fazendo julgamentos sobre o conteúdo. Essas habilidades de leitura devem ser aplicadas diferenciadamente a diversos tipos de materiais de leitura: literatura, livros didáticos, obra técnicas, dicionários, listas, enciclopédias, quadros de horário, catálogos, jornais, revistas, anúncios, cartas formais e informais, rótulos, cardápios, sinais de trânsito, sinalização urbana, receitas Na escrita A escrita, na perspectiva da dimensão individual de letramento (a escrita como tecnologia) é também um conjunto de habilidades lingüísticas e psicológicas, mas habilidades fundamentalmente diferentes daquelas exigidas pela leitura.

18 18 As habilidades de escrita estendem-se da habilidade de registrar unidades de som até a capacidade de transmitir significado de forma adequada a um leitor potencial. A escrita engloba desde a habilidade de transcrever a fala, via ditado, até habilidades cognitivas e metacognitivas; inclui a habilidade motora (caligrafia), a ortografia, o uso adequado de pontuação, a habilidade de selecionar informações sobre um determinado assunto e de caracterizar o público desejado como leitor, a habilidade de estabelecer metas para a escrita e decidir qual a melhor forma de desenvolvê-la, a habilidade de organizar idéias em um texto escrito, estabelecer relações entre elas; expressá-las adequadamente. As habilidades de leitura devem ser aplicadas diferenciadamente à produção de uma variedade de materiais escritos: da simples assinatura do nome ou elaboração de uma lista de compras até a redação de um ensaio ou uma tese de doutorado. 1.4 A dimensão social do letramento Os estudos que priorizam a dimensão social do fenômeno do letramento argumentam que ele não é um atributo unicamente ou essencialmente pessoal, mas é, sobretudo, uma prática social: letramento é o que as pessoas fazem com as habilidades de leitura e de escrita, em um contexto específico, e como essas habilidades se relacionam com as necessidades, valores e práticas sociais; é o conjunto de práticas sociais ligadas à leitura e à escrita em que os indivíduos se envolvem em seu contexto social. Letramento envolve mais do que meramente ler e escrever. É o uso dessas habilidades para atender às exigências sociais.

19 19 O letramento é considerado como responsável por produzir resultados importantes: desenvolvimento cognitivo e econômico, mobilidade social, progresso profissional, cidadania. Essencialmente, esse conjunto de práticas socialmente construídas que envolvem a leitura e a escrita, geradas por processos sociais mais amplos, é responsável por reforçar ou questionar valores, tradições e formas de distribuição de poder presentes nos contextos sociais. Sua verdadeira natureza depende fundamentalmente das instituições que propõem e exigem essas práticas. O que o letramento é depende fundamentalmente de como a leitura e a escrita são concebidas e praticadas em determinado contexto social; resulta da concepção de o quê, como, quando, onde e por quê ler e escrever. As conseqüências do letramento estão intimamente relacionadas a esses processos sociais mais amplos e, mais do que isso, determinadas por eles. O letramento adequado aumenta o controle das pessoas sobre suas vidas e a capacidade de lidar racionalmente com decisões, porque as torna capazes de identificar, compreender e agir para transformar relações e práticas sociais em que o poder é desigualmente distribuído. 1.5 Os diferentes estágios do letramento Reconhecendo os múltiplo significados de letramento, estudos mostram que pode-se considerar a existência de diversos níveis de letramento O primeiro estágio É a concepção do letramento como um instrumento. Esse estágio se inicia com as primeiras percepções da criança sobre o uso que a família faz da prática da leitura e da escrita.

20 20 Estende-se, ainda, à Educação Infantil formal, quando a criança, estimulada pelo professor que conduz o processo e pelo ambiente, passa a experimentar nas situações vivenciais escolares a função da língua como transmissora de idéias. É nessa fase também que se dão os primeiros experimentos gráficos O segundo estágio escrever. É a aquisição do letramento, a aprendizagem das habilidades de ler e Normalmente, este estágio está associado à entrada da criança na educação formal básica. É preciso, então, criar condições necessárias para que os alunos possam atuar - desde o primeiro dia de aula - como leitores e escritores, isso que dizer, tenham múltiplas oportunidades de entrar em contato com materiais escritos diversos, façam parte de uma comunidade de leitores e escritores, estabelecendo intercâmbio com os mesmos, tenham a oportunidade de produzir textos múltiplos e variados O terceiro estágio É a aplicação prática dessas habilidades em atividades significativas para o aprendiz. Neste estágio se aprimora a formação de usuários competentes, autônomos e críticos da língua escrita. É nele que os cidadãos são incorporados à cultura escrita como intérpretes e produtores eficazes dos diversos escritos produzidos em sociedade, gerando em todos e em cada um uma posição crítica. Cada estágio é dependente e conseqüente do anterior, cada um é um componente necessário ao letramento. No entanto, para se avaliar e medir níveis de letramento é preciso que se estabeleça uma definição geral e amplamente

21 21 aceita. Sem ela, como determinar critérios que estabeleçam a diferença entre letrado e iletrado, entre diferentes níveis de letramento? 1.6 Avaliando e medindo o letramento: critérios desenvolvidos. O letramento é, hoje, um grande problema até mesmo em países De acordo com estatísticas educacionais, tanto em países desenvolvidos quanto em países em desenvolvimento, um número alarmante de crianças não alcança o letramento nos primeiros anos do ensino fundamental O letramento em contextos escolares Na sociedade contemporânea, a instância responsável por promover o letramento é o sistema escolar. O letramento é, pois, tanto o objetivo quanto o produto da escolarização. Para avaliar e medir o nível de letramento dos seus educandos, o sistema escolar enfrenta ao mesmo tempo condições favoráveis e desfavoráveis. As condições favoráveis são determinadas pelo fato de que o letramento é mais um processo que um produto. As escolas podem fazer uso de avaliações e medições em vários pontos do contínuo que é o letramento, avaliando de maneira progressiva a aquisição de habilidades, de conhecimentos, de usos sociais e culturais da leitura e da escrita, evitando, assim, o problema de ter que escolher um único ponto do contínuo para distinguir um aluno letrado de um iletrado, uma criança alfabetizada de uma não-alfabetizada.

22 22 No entanto, há também condições desfavoráveis, pois as escolas são instituições às quais a sociedade delega a responsabilidade de prover às novas gerações as habilidades, conhecimentos e crenças, valores e atitudes considerados essenciais à formação de todo e qualquer cidadão. O sistema escolar estratifica e codifica o conhecimento, selecionando, dividindo em partes o que deve ser aprendido, planejando em quantos períodos e em que seqüência deve se dar esse aprendizado, avaliando, periodicamente, em momentos pré-determinados, se cada parte foi suficientemente aprendida. Dessa forma, as escolas fragmentam e reduzem o múltiplo significado do letramento: algumas habilidades e práticas de leitura e escrita são selecionadas e, então, organizadas em grupos, ordenadas e avaliadas periodicamente, através de um processo de testes e provas tanto padronizados quanto informais. O conceito de letramento torna-se, assim, fundamentalmente determinado pelas habilidades e práticas de leitura adquiridas através de uma escolarização burocraticamente organizada e traduzida nos itens de testes e provas de leitura e escrita. É um conceito reduzido de letramento, o que podemos chamar de letramento escolar. Essa estreita relação entre letramento e escolarização controla mais do que expande o conceito de letramento. O fenômeno complexo e multifacetado do letramento é reduzido àquelas habilidades e usos sociais que os testes avaliam e medem. Mas que garantia há de que as habilidades e usos sociais medidos nesses testes são condizentes com as habilidades de leitura e escrita e as práticas sociais necessárias fora das paredes da escola?

23 Em busca de soluções A falta de concordância em relação ao que deve ser medido em processos de letramento pode ser evidenciada comparando-se os quadros referenciais adotados por dois estudos relativamente recentes: o National Assessment of Educacion Progress (NAEP), de 1990 e o National Household Survey Capability Programme (NHS CP), DE Ambos propõem uma matriz de habilidades de leitura e escrita aplicadas a diferentes tipos de materiais escritos, mas os critérios de seleção das categorias de habilidades e dos materiais de leitura selecionados para compor os instrumentos são bastante diferentes. Vejamos:

24 24 HABILIDADES DE LEITURA E ESCRITA NAEP PROPÓSITO DO ESTUDO Descrever a natureza e a extensão dos problemas de letramento apresentados por jovens e adultos de um país desenvolvido, onde o conceito de letramento é, basicamente, o uso pelo indivíduo de informações impressas e escritas para inserir-se na sociedade, para atingir suas metas pessoais e desenvolver seu conhecimento e potencial. Uso de habilidades de leitura e escrita, ou seja, o tipo de informação que os indivíduos buscam quando lêem e escrevem.. conhecimento. avaliação. informação específica. interação social. aplicação. forma lingüística em que a informação é apresentada CATEGORIAS DE HABILIDADE NHS - CP Orientar programas e políticas de letramento em países em desenvolvimento, onde o letramento ainda é definido como a capacidade elementar de ler e escrever, e o letramento funcional ainda não se configurou como uma categoria distinta. Processos básicos envolvidos na leitura e na escrita. CATEGORIAS DE USO DA LEITURA. decodificação.compreensão. escrita. localização de informações. domínios em que as habilidades de leitura e escrita são utilizadas. signo/rótulo. instruções. memorando/carta. formulário. tabela. gráfico. prosa. índices/referências. notícias. esquema ou diagrama. anúncio. conta/fatura CATEGORIAS DE MATERIAIS. palavras/frases. prosa. documentos É importante observar que essa falta de congruência entre as propostas distintas de fragmentação do letramento em componentes específicos para fins de avaliação explica-se pela exigência a que deve atender qualquer instrumento de avaliação: a necessidade de selecionar, no universo de comportamentos que se

25 25 deseja avaliar e medir, um conjunto de comportamentos de que as questões do instrumento de avaliação devam ser uma amostragem. 1.7 Reflexos e conseqüências do letramento O letramento associa-se a muitos outros indicadores de desenvolvimento social e econômico. Correlacionar índices de letramento com indicadores sócioeconômicos tais como Produto Interno Bruto, índices de mortalidade infantil, de natalidade, de nutrição, de muitos outros, permite identificar e compreender o status econômico, social e cultural de um país ou de uma comunidade, evidenciando, por exemplo, que o analfabetismo e a pobreza andam de mãos dadas, como ocorre nos países de Terceiro Mundo. Medir o nível de letramento da população do país é um passo para a avaliação da eficácia em programas de desenvolvimento e para a obtenção de dados precisos necessários à formulação de programas futuros no campo educacional e social. A estrutura da educação formal e a natureza e qualidade da educação primária influenciam enormemente o conceito de letramento, seu valor social, seus usos e funções, bem como sua avaliação e medição; a interpretação de dados sobre letramento deve sempre levar em conta as características do sistema escolar. Assim, é preciso que se formule um conceito do fenômeno do letramento e, portanto, estabeleçam-se as condições necessárias para avaliá-lo/medi-lo e, a partir daí, construir um quadro preciso de interpretação de dados em função dos fins específicos em um determinado contexto.

26 26 O letramento é, sem dúvida alguma, pelo menos nas sociedades modernas, industrializadas, um direito humano absoluto, independente das condições econômicas e sociais em que um dado grupo humano esteja inserido.

27 27 CAPÍTULO 2 ALFABETIZAÇÃO: REPENSANDO CONCEITOS E PRÁTICAS Por muito tempo, considerou-se que o domínio da base alfabética, ou seja, a compreensão do código alfabético e a possibilidade do codificar letras em sons e vice-versa, marcaria o início do contato com a escrita, além dessa competência ser entendida como condição única e suficiente para garantir a autonomia do sujeito (no caso, o aluno) como leitor e escritor. A partir das considerações da Psicogênese da língua escrita, tanto o momento em que se dá o início do processo de alfabetização como a própria concepção do aprendizado da leitura e da escrita sofrem mudanças profundas: passa-se a reconhecer que, muito antes de qualquer contato com a escolaridade formal, a criança já tem vários conhecimentos relacionados à linguagem escrita, e sua diferenciação da linguagem oral, quanto à forma como essa linguagem deva ser representada. Há crianças que chegam à escola sabendo que a escrita serve para escrever coisas inteligentes, divertidas ou importantes. Essas são as que terminam de alfabetizar-se na escola, mas começaram a alfabetizar-se muito antes, através da possibilidade de entrar em contato, de interagir com a língua escrita. (FERREIRO, 1993, p. 26). Além disso, passa-se a considerar a formação de leitores e escritores como algo mais amplo. A possibilidade de compreender os diversos usos sociais da língua e de poder expressar-se através da escrita (enquanto usuário) implica habilidades muito mais complexas do que a simples possibilidade de transpor para o plano gráfico um conjunto de sons e vice-versa.

28 28 De acordo com essa visão, o trabalho escolar deve levar em consideração o saber já constituído pelas crianças mesmo antes de sua entrada na escola, e ampliar seu papel para contribuir na formação dos alunos como cidadãos letrados. 2.1 O que as crianças sabem Emília Ferreiro e Ana Teberosky (1990) dedicaram-se à pesquisa do pensamento infantil sobre a leitura e a escrita. O extenso trabalho de pesquisa chegou a diversas conclusões, entre elas: A criança não se depara com a linguagem escrita no primeiro dia de escola. Na realidade em que se movimenta, em diferentes graus, há, de qualquer forma, muita escrita. A avaliação feita da criança deve ser não só da linguagem que lhe é ensinada na escola, mas também do que a criança sabe sobre a escrita, independente do que escola ensina. As autoras se situaram numa perspectiva genética, evolutiva, considerando o que se sabe sobre o pensamento infantil, a psicologia da educação, a lingüística e a psicolingüística. Concluíram que o processo pelo qual as crianças constroem seu próprio sistema de leitura e escrita é universal no que se refere a escritas alfabéticas, independentes dos métodos escolares utilizados Sobre a escrita O mundo que rodeia a criança é, também, um mundo gráfico. Elas vêem objetos reais, representações e signos diversos. O modo tradicional de se considerar a escrita infantil consiste em prestar atenção nos aspectos gráficos dessas produções, ignorando os aspectos construtivos.

29 29 Os aspectos gráficos têm a ver com a qualidade do traço, a distribuição espacial das formas, a orientação predominante (da direita para a esquerda, de cima para baixo), a orientação dos caracteres visuais (inversões, rotações, etc.) Os aspectos construtivos têm a ver com o que se quis representar e os meios utilizados para criar diferenciações entre as representações. (FERREIRO, 2001, p. 18) A primeira diferenciação que estabelecerão refere-se à distinção entre os desenhos e outros signos (letras, números). Na realidade, a maioria das crianças, ao chegar à escola, já estabeleceu diferença entre desenhar e escrever, mas não todas. A distinção entre desenhar e escrever é de fundamental importância. Ao se desenhar se está no domínio do icônico; as formas dos grafismos importam porque reproduzem a forma dos objetos. Ao se escrever se está fora do icônico: as formas dos grafismos não reproduzem a forma dos objetos, nem sua ordenação espacial reproduz o contorno dos mesmos. (FERREIRO, 2001, p.20) Etapas de construção da escrita 1. Grafismos primitivos: rabiscos, pseudoletras As primeiras tentativas infantis de escrever produzem alguns signos que já não são desenhos, mas tampouco letras convencionais. São grafias que tentam se parecer com letras, com maior ou menor sucesso.

30 30 A criança logo notará que existem dois tipos de signos gráficos, além dos desenhos: letras e números. No começo, usam-nos indistintamente, mas aos poucos se vai fazendo a diferenciação. (...) a diferenciação entre as marcas gráficas figurativas e as não figurativas, por um lado, e a constituição da escrita como objeto substituto por outro. (FERREIRO, 2001, p.19) A essa altura, a criança já sabe que para escrever são necessários determinados signos, que não são desenhos nem números. Sobre esses signos, ela pode ter determinadas idéias adicionais. Essas idéias podem referir-se à formas das letras mais ou menos convencionais -, ao alinhamento horizontal do que se escreve ou, ainda, à orientação direita-esquerda. Esses aspectos convencionais da escrita vão sendo adquiridos ao escrever, paralelamente à aprendizagem da escrita. São conhecimentos que se aprendem ao escrever. Escrita de listas de palavras por quatro crianças de três e quatro anos.(curto, 2000, p. 29)

31 31 2. Escritas sem controle de qualidade Uma vez que as crianças já sabem que para escrever usam signos especiais, propõem-se o problema de como podem escrever diferentes coisas. As crianças exploram, então, critérios que lhes permitem, às vezes, variações sobre o eixo quantitativo (variar a quantidade de letras de uma escrita para outra, para obter escritas diferentes), e, às vezes, sobre o eixo qualitativo (variar o repertório de letras que se utiliza de uma escrita para a outra; variar a posição das mesmas letras sem modificar a quantidade). (FERREIRO, 2001, p.24) Em algumas crianças não em todas -, aparece um momento evolutivo em que as escritas ocupam toda a largura da página. Escrita dos nomes dos personagens de um conto por uma criança de quatro anos. (CURTO, 2000, p. 30)

32 32 Ou, pelo contrário, utilizam uma só letra por palavra, embora, às vezes, a fúria de escrever leve-as a preencher a linha. Escrita de listas de nomes por uma criança de quatro anos.(curto, 2000, p.30) Nessas duas primeiras etapas, o escrito não está regulado por diferenças ou semelhanças entre os significantes sonoros. 3. Escritas fixas Com esta bagagem, a criança já pode escrever qualquer coisa, ou seja, representar mediante signos específicos os nomes das coisas, das pessoas, etc. Trata-se de uma autêntica escrita, com leis pessoais, não-comunicável, a não ser com a ajuda da palavra. Mas é que nossa escrita também não é significativa para ela: escrevemos alguns signos aos seus olhos incompreensíveis, mas que adquirem significados ao serem lidos para ela. Nestas primeiras tentativas de escrita, pode ser que a criança ainda não tenha percebido a diferenciação que nós, adultos, fazemos entre as palavras: escreve o mesmo conjunto de signos para qualquer coisa. Algumas crianças, por exemplo, utilizam seu próprio nome para tudo, uma espécie de senha universal, que serve para qualquer coisa imaginável.

33 33 Escrita de nomes próprios por uma criança de quatro anos.(curto, 2000, p.31) 3. Escritas diferenciadas As escritas das crianças adquirem rapidamente novas diferenciações: escrevem palavras longas e curtas; letras grandes e pequenas, variando segundo critérios estabelecidos. Inclusive têm idéias muito pessoais e interessantes sobre a gramática do escrito. Podem escrever partindo da idéia de que o número de letras de uma palavra ou o tamanho das letras tem relação com o objeto que representam.

34 34 Escrita de nomes de animais: urso se escreve com mais letras, porque é maior do que uma borboleta (hipótese de uma criança de três anos). (CURTO, 2000, p.32) Ou, então, neste outro exemplo, duas bolas iguais são escritas da mesma maneira. Mas se a bola é maior, merece mais letras. Esta é a lógica de uma criança de três anos).(curto, 2000, p. 32). Ou, ainda, para escrever o plural, utilizam o recurso de repetir a palavra tantas vezes quanto o número de objetos ao qual o objeto plural se refere.

35 35 Escrita de casa e seu plural casas por uma criança de quatro anos. (CURTO, 2000, p.33)) 4. Escritas silábicas Paulatinamente, as crianças vão descobrindo que nossa forma de escrever é regida por um determinado ritmo. Essa inquietação as leva a inventar a escrita silábica: cada letra representa um som. A atenção às propriedades sonoras do significante leva a criança a descobrir que as partes da escrita (suas letras) podem corresponder a outras tantas partes da palavra escrita. Como a unidade de som que se percebe é a silaba, cada sílaba é representada por uma letra ou grafia. Sobre o eixo quantitativo, isso se exprime na descoberta de que a quantidade de letras com que se vai escrever uma palavra pode ter correspondência com a quantidade de partes que se reconhece na emissão oral. Essas partes da palavra são inicialmente as suas sílabas. Inicia-se assim o período silábico, que evolui até chegar a uma exigência rigorosa: uma sílaba por letra, sem omitir sílabas e sem repetir letras. (FERREIRO, 2001, p. 25) No entanto, cada uma no seu ritmo, descobrem que a escrita não deve funcionar assim. Começam então alguns conflitos cognitivos. Eis alguns:

36 36 Como escrever os monossílabos, se, convencionalmente, para escrever uma palavra necessita-se de mais de uma letra? Como se escrever palavras com todas as letras iguais? A A A - batata Como se escrever palavras diferentes com as mesmas letras? B L bola / B L - bala Os nomes próprios dos colegas da sala não são escritos com ausência de algumas letras. Os conflitos mencionados vão desestabilizando progressivamente a hipótese silábica, até que a criança tem coragem suficiente para se comprometer em um novo processo de construção. Escrita silábica (vogais com valor sonoro convencional): casa letra vale por uma sílaba. (FERREIRO, 2001, p.28)

37 37 Escrita silábica (letras de forma convencional mas utilizadas sem seu valor sonoro convencional):cada letra vale por uma sílaba. (FERREIRO, 2001, p. 26) 5. Escritas silábico-alfabéticas Quando se descobre que uma sílaba pode ser escrita com a vogal ou com a consoante, acaba-se por escrever ambas. O período silábico-alfabético marca a transição entre os esquemas prévios em via de serem abandonados e os esquemas futuros em via de serem construídos. (FERREIRO, 2001, p.27) A hipótese silábica uma letra por sílaba é tão potente e satisfatória para as crianças que lhes custa muito renunciar a ela.

38 38 Assim sendo, há um certo período em que se combina o critério silábico com escritas parcialmente alfabéticas. Escrita silábico - alfabética por uma criança de seis anos. (FERREIRO, 2001, p. 29) 6. Escritas alfabéticas escrevemos. É a etapa onde se chega a escrever todas as letras que nós, adultos, No entanto, aparecem novos problemas de escrita: as questões ortográficas, uso de maiúsculas e minúsculas, acentos, separação de palavras e etc.

39 Sobre a leitura Algumas crianças, ao chegar à escola, já são capazes de representar que lêem: pegam o livro, põe-no na posição correta, abrem-no, olham-no atentamente, soltam um discurso num determinado tom de voz diferente do coloquial passando as páginas, etc. O conteúdo do discurso pode ser o mesmo conteúdo do conto, caso o conheçam bem, ou a explicação das ilustrações ou outro qualquer. Supõe-se, diante desse comportamento, que a criança sabe o que é ler, que teve uma experiência direta e repetida, habitual, de ver os adultos lerem em voz alta para ela. Essa criança, provavelmente, será um bom leitor. Cada criança tem um conjunto de idéias sobre o que se pode ler e o que não pode ler. Idéias que são muito interessantes e surpreendentes: há um número mínimo de letras para que uma palavra possa ser lida (geralmente três); números não podem ser lidos porque não são letras, embora se pareçam com elas; letras iguais repetidas não podem ser lidas porque não formam palavra alguma; cartões vazios não podem ser lidos. Também as leituras feitas incidentalmente diante de uma figura com legenda apresentam uma lógica própria. A leitura anterior à decifração do código, para ser viável, requer, naturalmente, certas condições determinadas. A presença, por exemplo, da imagem, permite previsões plausíveis do conteúdo do texto. O contexto e a situação em que se convida a criança a ler devem ser limitados e precisos, por exemplo, procurar seu ou de um colega em meio aos nomes da chamada da classe. Pode-se, ainda, reconhecer ou localizar palavras num texto previamente memorizado pela criança: uma poesia, canção, etc. Outra estratégia é ler em companhia de um leitor experimentado (adulto ou colega) que ofereça a

40 40 informação necessária, estimule o reconhecimento de indicadores, esclareça o conteúdo da palavra, etc. A elaboração de hipóteses plausíveis acerca do escrito, além de ser uma potente ferramenta de reflexão para a criança e um estímulo à aprendizagem das características do escrito, é uma abertura à possibilidade de interpretar, que é, de fato, um procedimento de leitura fundamental que todos nós, adultos, utilizamos. Para a criança, nas primeiras etapas de sua aprendizagem, é muito mais simples escrever do que ler. No entanto, ler serve para controlar e lembrar do que escrevemos. A relação entre leitura e decodificação não é direta nem simples. Decifrar sem compreender é um sintoma de hábitos prejudiciais, em que se separou o mecânico do compreensivo. Para que isso não ocorra, é preciso que a criança tenha contato sempre com textos autênticos, cujo significado seja necessário desvendar com um objetivo claro e explícito. Ler é compreender um texto. Compreender é um ato cognitivo, ou seja, o resultado de uma atividade mental. Não podemos compreender se não lemos de forma ativa: antecipando interpretações, reconhecendo significados, identificando dúvidas, erros e incompreensões no processo de leitura. A decodificação também é necessária, mas como um instrumento a serviço da compreensão.

41 A importância do trabalho com textos Escrita e leitura são instrumentos, ferramentas, para ter-se acesso e produzir a linguagem escrita. Só se adquire o uso específico da linguagem escrita em contato com textos de uso social e refletindo acerca desses textos. Os livros de contos, outros livros infantis, cartas, notas escritas, jornais e revistas, folhetos, cartazes, etc. são modelos autênticos sobre as propriedades da língua escrita. As crianças não têm apenas idéias pessoais sobre o sistema de escrita ou de leitura das palavras. Elas dispõem, também, de uma grande quantidade de informações sobre a estrutura da linguagem escrita, de suas diferenças em relação à linguagem oral, da sintaxe e estrutura textual própria dos diferentes tipos de texto. Este conhecimento depende evidentemente da experiência prévia e das condições pessoais de cada um. Ao chegarem à escola, as crianças não podem ler por si mesmas os textos com os quais não tiveram contato anteriormente, mas podem conhecer suas características pela leitura que o adulto lhes faz. Esse conhecimento é aprofundado e internalizado na situação de escrever textos sociais. Trabalhando com textos de uso social, as crianças aprendem a linguagem escrita verdadeira, tal como é, com todas as suas características, com a sua complexidade léxica, morfológica, sintática e semântica. Em contato com textos corretos e completos, as crianças conhecem, compreendem e aprendem a escrever frases subordinadas complexas, consecutivas, causais; figuras literárias, jogos de palavras, recursos estilísticos, etc. Naturalmente, necessitam de ajuda, e seu grau de compreensão ou capacidade de produção é muito diverso, mas isso também acontece com os adultos.

42 42 CAPÍTULO 3 ENSINAR E LER E A ESCREVER 3.1 Bases Psicopedagógicas As crianças aprendem a falar espontaneamente por mera imersão num universo oral, familiar. Não se requer nenhum método especial de ensino para aprender a falar, com a única condição de que não haja obstáculos auditivos ou físicos. De fato, as crianças, em contato com a linguagem escrita, aprendem, também, muitos elementos fundamentais sobre a leitura e a escrita. No entanto, não se aprende espontaneamente a ler e escrever. Ninguém o faz sem que lhe seja ensinado intencional e explicitamente. Na história da humanidade, por outro lado, o surgimento da linguagem escrita é um acontecimento tardio. Atrás disso há um sujeito cognoscente, alguém que pensa, que constrói interpretações, que age sobre o real para fazê-lo seu. (FERREIRO, 2001, p.41) Uma das funções da língua escrita é, justamente, a função de alfabetizar a população, ou seja, possibilitar o acesso à cultura escrita. Isso significa que o saber espontâneo infantil embora surpreendente não basta. Em primeiro lugar, nem todos os alunos dispõem das mesmas idéias prévias em relação à linguagem escrita. Tais as idéias nascem da reflexão sobre a experiência. Em muitos lares, não se lêem jornais, livros ou revistas; não se escreve. E, de qualquer forma, a cultura escrita requer maior informação do que a que habitualmente é oferecida em casa. Isso cabe à escola oferecer.

43 43 Para ter-se acesso ao uso do sistema alfabético próprio de nosso idioma, necessita-se de ajuda. Muitos conceitos devem ser revisados, discutidos e superados. Por outro lado, a cultura escrita supõe uma grande quantidade de conceitos e conhecimentos que é preciso transmitir à criança, para pô-la ao seu alcance. A criança pode elaborar aproximações acerca do processo de ler e escrever, embora não possa observá-lo, já que é uma atividade interna (mental) do leitor ou escritor. No entanto, requer um ensino de procedimentos de leitura e de escrita, antes e depois de poder decifrar e transcrever, a fim de poder construir os significados culturais que se transmitem pela linguagem e desenvolver as capacidades comunicativas que requer o uso correto da linguagem. Aprender a comunicar-se por meio da linguagem escrita também não é uma necessidade vital, nem intrínseca do ser humano, ou seja, não se adquire com a maturidade. Requer uma motivação e algumas atitudes positivas para com a aprendizagem em geral e, especificamente, para a aprendizagem desta mesma linguagem escrita, que devem ser ensinadas e vividas num contexto especial. Ensinar a ler e a escrever é a tarefa da escola: o que ela vem fazendo ao longo dos séculos. No entanto, o pensamento infantil sobre a escrita, tal como o descrevemos, gera uma grande quantidade de questões sobre os conteúdos escolares e os modos de se ensinar a linguagem escrita. 3.2 Quando a criança não aprende a ler e a escrever Quando a criança não está aprendendo a ler e a escrever, é necessário olhar em diferentes direções. (SOUZA LIMA, 2001, p. 31)

44 44 A escrita é um sistema que revela a capacidade humana de simbolizar. É, pois, um produto da evolução histórico-cultural da humanidade, um sistema organizado. Este é um primeiro ponto a ser considerado quando se pretende entender porque uma criança não aprende a ler e escrever. Outro ponto a ser considerado é que hoje já se sabe que no aspecto biológico há uma grande complexidade na forma como o cérebro processa a linguagem, com áreas de especialização para as diferentes dimensões da linguagem (fonológico-ortográfica, léxica, sintática, semântica, prosódia). A escrita engloba dois tipos de atividades: ler e escrever, ambas envolvem aspectos distintos, tanto que é possível ler uma língua e não ser capaz de escrevê-la. Sabe-se que o indivíduo que fala uma língua não sabe lê-la ou escrevê-la a menos que passe por um processo de aprendizagem específico para cada uma destas atividades: a leitura e a escrita. (SOUZA LIMA, 2002, p. 4) No entanto, na maioria das vezes, responsabiliza-se a criança pela não aprendizagem, ou então a família. Alguns especialistas tendem a culpar a escola na maior parte das vezes quase exclusivamente o professor pelo fracasso. Faz-se, então, necessário examinar a dinâmica interacional educandoeducador, mediada pelo conhecimento, a partir das experiências culturais de ambos. Embora a criança seja sujeito de seu processo de aprendizagem, ela depende igualmente da participação ativa do adulto, principalmente no que se refere à aquisição de determinados conhecimentos, como sistemas simbólicos, conceitos das várias áreas de conhecimento, metodologias de estudo, de pesquisa, atividades de organização de informações.

45 45...ato de conhecimento e ato criador, o processo de alfabetização tem, no alfabetizando, o seu sujeito. O fato de ele necessitar da ajuda do educador, como ocorre em qualquer relação pedagógica, não significa dever a ajuda do educador anular sua criatividade e a sua responsabilidade na construção de sua linguagem escrita e na leitura desta linguagem. (FREIRE, 1988, p.19) As práticas pedagógicas, as dinâmicas intra-escolares, a organização do tempo e do espaço na escola, o contexto macro em que se insere a instituição escolar são alguns dos fatores que podem exercer influência direta sobre o mau desempenho escolar de algumas crianças na alfabetização. É indispensável avaliar sempre. Não é possível praticar sem avaliar a prática. Avaliar a prática é analisar o que se faz, comparando os resultados obtidos com as finalidades que procuramos alcançar com a prática. A avaliação da prática revela acertos, erros e imprecisões. A avaliação corrige e prática, melhora a prática, aumenta nossa eficiência. O trabalho de avaliar a prática jamais deixa de acompanhá-la. (FREIRE, 1988, p.77) Além disso, qualquer ser humano, de qualquer idade, pode desenvolver uma experiência emocional negativa em situação de escrita. Escrever, para estas pessoas, passa a ser uma situação difícil, penosa, que revela para si e para o mundo uma incapacidade pessoal. Sendo assim, o indivíduo procura fugir da situação de escrita. O indivíduo precisa ser ajudado a modificar essa postura diante da escrita, mas isso só se dará por completo quando ele se vir efetivamente realizando o ato de escrever, vivendo experiências onde a escrita emerja com

46 46 outro significado. A auto-estima do aluno se modifica quando ele sente que aprendeu. Ter consciência de que aprendeu algo é o que muda a baixa autoestima de qualquer pessoa. 3.3 O papel do professor Para que a aprendizagem da leitura e da escrita seja, de fato, significativa, é necessário construir o pensamento sobre a linguagem escrita: as idéias das crianças e as idéias do professor sobre o que é aprender e ensinar, e sobre o que é ler e escrever, compreender e produzir a linguagem escrita. Dar oportunidade para que as crianças pensem significa partir de suas idéias, reconhecer sua lógica, para então trazer-lhes informação nova que as ajude a pensar mais e melhor. Para isso, a idéia que cada professor tem sobre como as crianças aprendem é muito importante. Não se trata, pois, de encher um pote vazio, recheá-lo de informações soltas. Não é recepção passiva, mas atividade mental, esforço, reconstrução pessoal, debate, controvérsia, interação. Aprender é ampliar as fronteiras do pensamento. Ensinar não é apenas transmitir informações a um ouvinte. É ajudá-lo a transformar suas idéias. Para isso, é preciso conhecê-lo, escutá-lo atentamente, compreender seu ponto-devista e escolher a ajuda certa de que necessita para avançar, nem mais nem menos. Uma aprendizagem significativa é aquela que se incorpora a um pensamento e o modifica para melhorá-lo. O professor deve trabalhar com as diferentes competências que encontra em classe, propondo situações em que duplas ou grupos de crianças tenham funções diferenciadas, segundo suas

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03 CONCURSO DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE CARGO: PROFESSOR 1 / 2015 A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Ano 02 Unidade 03 ( F

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais "LETRAR É MAIS QUE ALFABETIZAR" Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais Nos dias de hoje, em que as sociedades do mundo inteiro estão cada vez mais centradas na escrita,

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Exemplos de alfabetização simbólica

Exemplos de alfabetização simbólica Exemplos de alfabetização simbólica 1. Conversa geral 2. Falando sobre... 3. Conversação 4. Anotando comunicação 5. Colocando o aprendiz em controle 6. Horários 7. Planejamento em grupo 8. Organização

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais