CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, ESPECIALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CEPEA Pós-graduação Lato Sensu em Ciências Sociais e Religião

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, ESPECIALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CEPEA Pós-graduação Lato Sensu em Ciências Sociais e Religião"

Transcrição

1 FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE DUQUE DE CAXIAS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DUQUE DE CAXIAS - FEUDUC Reconhecimento: Decreto Federal nº e Publicado nos D.O.U. de 05/02/75 e 26/02/77 CNPJ / Av. Presidente Kennedy, São Bento - CEP Tel.: (21) / CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, ESPECIALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CEPEA Pós-graduação Lato Sensu em Ciências Sociais e Religião Metodologia da Pesquisa em Ciências Humanas O Curso de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Religião da FEUDUC se constitui de alunos graduados nas diferentes áreas das Ciências Humanas, da Terra e Médicas, tais como História, Teologia, Administração, Pedagogia, Ciências Sociais, Direito, Letras, Psicologia, Serviço Social, Geografia, Enfermagem. Tais profissionais buscam ampliar sua compreensão sobre as atualidades acadêmicas, o pensamento das humanidades no Brasil e a qualificação para o mercado profissional. Assim, iniciaremos o nosso primeiro encontro traçando os propósitos e interfaces do Curso, o cuidado na utilização das fontes históricas e a Metodologia da Pesquisa em Ciências Humanas, com ênfase nas Ciências Sociais e na Ciência das Religiões. PANORAMA DO CURSO A referida especialização foi criada a partir das experiências e pesquisas do coordenador do curso e de alguns professores, e, especialmente, pela ausência de um espaço acadêmico democrático, laico e interessado em desenvolver o diálogo imparcial das áreas de interface da especialização. O curso proporciona um espaço democrático-científico para análise das mudanças que vêm ocorrendo nas sociedades contemporâneas, incluindo temas como: globalização, soberania nacional, identidades sociais, instituições políticas, cidadania, teologia, direito, instituições sociais, subjetividade, religião e configurações culturais. O curso também abordará, de maneira comparativa, os principais indicadores macro-sociais do país, estratégicos para a discussão da democracia brasileira, e que são produzidos em instituições como o IBGE e a FGV. Os referidos institutos de pesquisa, dentre outros, abordam os seguintes temas: pobreza e desigualdade, religião e economia, trabalho e desemprego, exclusão social, crescimento econômico, saúde, violência, educação, dívida interna e externa. A metodologia do curso inclui aulas expositivo-participativas, seminários temáticos e trabalhos de campo; bem como a análise em cada módulo, das principais obras dos autores clássicos e contemporâneos, que se constituem como referencial teórico das linhas de pesquisa do curso. Cada disciplina deverá ter, no mínimo, uma avaliação escrita a ser realizada individualmente ou em grupo, estimulando assim, a pesquisa, a solidariedade e o aperfeiçoamento da argumentação crítica. Além de capacitar o pós-graduando para o mercado de trabalho, que é cada vez mais exigente, plural e dinâmico, o curso possui 05 (cinco) opções de linha de pesquisa com temas circunscritos às Ciências Sociais e afins, e à Ciência das Religiões, e com uma abordagem que implica análise crítica, reflexão e aprofundamento por parte do aluno. Dentre outros objetivos, a temática escolhida pelo aluno ter por alvo o TCC, que tem por finalidade a reflexão sobre um 1

2 tema ou problema específico e resulta de um processo de investigação sistemática com base numa prática psicopedagógica realizada. FONTES HISTÓRICAS Pesquisadores trabalham com fontes, por meio de abordagens específicas, métodos diferentes e técnicas variadas. Antes de se adentrar no tema, salientamos que a história da humanidade pode ser analisada sob o olhar positivista de Augusto Comte, que influenciou o darwinismo social de Herbert Spencer; ou através da visão historicista (formação histórica) de Max Weber, o mais influente sociólogo clássico da religião, e autor de importantes obras sobre as religiões mundiais. Inobstante os desafios teórico-metodológicos existentes nas pesquisas acadêmicas, a fidelidade e credibilidade das fontes de informação é medida que se impõe. Eis as espécies de fontes históricas: documentos, restos arqueológicos, materiais impressos, narrativas orais, biografias e mídias (audiovisuais). Atualmente a Arqueologia está em evidência no Brasil, especialmente por conta de novos empreendimentos que chegam até as periferias dos grandes centros, e a criação de laboratórios de arqueologia em diversas Instituições de Educação Superior. Esta disciplina pode ser definida como ciência autônoma ou o ramo da Antropologia que estuda e analisa os vestígios humanos de maneira a reconstruir um entendimento das culturas passadas, em seu aspecto material, através de diversas fontes. A importância da Arqueologia e da preservação do patrimônio arqueológico está contida na redação do art. 215 e 216 da Carta Magna/88, e na Lei nº 3.924/61. Tal qual ocorre com a História, as Ciências Sociais também reivindicam a própria autonomia. Embora possam estudar a mesma matéria, o cientista social considera o fato como instância, exemplo de lei ou regra geral, que é seu verdadeiro objeto e objetivo; o historiador considera talvez o mesmo fato, mas no seu caráter único, irreproduzível, na sua singularidade absoluta, portanto. Desta forma, enquanto o pensador sócio-político-antropológico integra mais facilmente sua pesquisa empírica com a teorização prévia e posterior, o historiador não pode e não deve fazêlo. Ocorre que essa visão prevaleceu até o início do século XX, e, atualmente, o Historiador também se deixa influenciar pelos acontecimentos em volta do objeto analisado. Atualmente, a formulação de hipóteses orientadoras de pesquisa necessitam considerar o diálogo entre as ciências sociais, as ciências humanas e a ciência das religiões; sendo essa a proposta deste módulo. ÁREAS DE INTERFACE DO CURSO CIÊNCIAS HUMANAS As ciências humanas caracterizam o homem como objeto de estudo. E a partir do século XV ao início do século XX, a investigação do humano realizou-se de três maneiras diferentes: 2

3 a) Período do Humanismo (século XV ao século XVIII) inicia-se com a ideia renascentista da dignidade do homem como centro do Universo, destinado a dominar e controlar a natureza e a sociedade; até surgir a concepção de civilização. O Humanismo é uma doutrina antropocêntrica, ou seja, centrada nos valores humanos, de caráter individualista, independente de comprovações cientificas para este fato. Os seus maiores expoentes foram o italiano Francesco Petrarca e Erasmo de Rotterdam. O humanismo destacou-se pela forma como reformou a educação e deu acesso à religião, à partir da ideia da filosofia escolástica de Santo Tomás de Aquino, dando acesso ao estudo das artes e da cultura nas universidades católicas. O renascimento também fortaleceu o estudo das línguas vernáculas em detrimento do latim, através do surgimento da imprensa. Tal fato contribuiu sobremaneira à implementação da Reforma Protestante de Martinho Lutero, e a teoria calvinista de João Calvino. b) Período do Positivismo (início do séc. XIX até meados de 1880) - Foi Comte que implementou a lei dos três estados (etapas progressivas), segundo a qual a sociedade se constituiu de três estágios (estados) de evolução: Teológico, Metafísico e Positivo (científico). Ademais, os teóricos afirmam que a visão do mundo evoluiu da visão teocentrista (Deus como centro e fundamento de toda a ordem no mundo), para visão antropocentrista (o homem deve ser o centro das ações, da expressão cultural, histórica e filosófica); contudo, com o Positivismo, esse mesmo homem necessita comprovar as suas argumentações cientificamente. Para Émile Durkheim o antropocentrismo é a divinização social, uma vez que o homem jamais deixou de produzir deuses. c) Período do Historicismo (desenvolvido no final do séc. XIX). Foi desenvolvido pelo filósofo e historiador alemão Guillermo Dilthey, que afirma a extrema diferença existente entre as ciências naturais e humanas, esta última nominada de ciências do espírito ou da cultura. Para Dilthey os fatos humanos são históricos, dotados de valor e de sentido, de significação e finalidade. Ele é o primeiro pensador que não faz distinção entre História, Filosofia, Psicologia e Antropologia, haja vista acreditar que o fato humano é histórico ou temporal, uma vez que surge no tempo e se transforma no tempo. Ocorre que o historicismo apresentou dois grandes problemas: o relativismo e a subordinação a uma filosofia da história, na medida em que as ciências humanas pretendiam se separar da Filosofia. Desta forma, segundo o magistério de autores como a filósofa brasileira Marilena Chaui, enumeramos os campos de estudo das humanidades (ciências humanas) e que se entrelaçam com a proposta da nossa pós-graduação: Sociologia, Antropologia, Ciência Política, Psicologia, Serviço Social, Direito, Economia, História, Educação e Psicanálise. Ademais, neste rol exemplificativo não incluímos a Filosofia, por conta dos filósofos afirmarem que esta necessariamente não se constitui numa ciência, apesar de ser considerada como a mãe de todas as ciências. CIÊNCIAS SOCIAIS As Ciências Sociais tratam do estudo dos fenômenos sociais e do desenvolvimento de sociedades no tempo e no espaço. Segundo Chaui a constituição das ciências humanas como ciências específicas consolidou-se na contemporaneidade, a partir das contribuições de três 3

4 correntes de pensamento: fenomenologia, estruturalismo e marxismo. As quais provocaram uma ruptura epistemológica e uma revolução científica especialmente no campo das ciências sociais. Muitos autores consideram como semelhantes os termos Ciências Humanas e Ciências Sociais, assim, mediante o conceito mais amplo, as humanidades se compõe das seguintes áreas principais: História, Teologia, Administração, Pedagogia, Antropologia, Sociologia, Ciência Política, Direito, Letras, Psicologia, Serviço Social, Educação, Ciências Contábeis, Economia, Psicanálise. Para conceituar o termo e as áreas que compõe o currículo mínimo das Ciências Sociais, irei me valer da nomenclatura que as Instituições de Educação Superior adotaram no curso de graduação e aquela apresentada pelos antropólogos Otávio Velho e Mércio Pereira Gomes; eilas: Sociologia, Antropologia e Ciência Política. Essas ciências sociais germinaram na Europa do séc. XIX, mas é no séc. XX, em decorrência das obras de Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber que as ciências sociais se desenvolvem. Sociologia A Sociologia cuida da análise da sociedade, o homem como ser coletivo vivendo em família, em grupos, em cidades, repartido em classes sociais, em castas, em nações; ou problematizado em lutas, conflitos e revoluções. Bem como objetiva fornecer uma visão de conjunto dos vários acontecimentos da vida social, sejam eles relativos à economia, à política ou à esfera simbólica e cultural. A Sociologia surgiu, como visto anteriormente, através de Augusto Comte ( ), considerado o primeiro pensador moderno, que vislumbrou fundar uma física social ou ciência da sociedade. Seguindo-se por 1) Herbert Spencer ( ): Etnocentrismo, Darwinismo Social; obras: Estática social, O indivíduo contra o Estado, Os princípios da Sociologia. 2) Karl Marx ( ): materialismo histórico, luta de classes, mais-valia, revolução; obras: O 18 Brumário de Louis Bonaparte, A Ideologia Alemã, Manifesto do partido Comunista. 3) Émile Durkheim ( ): Fatos Sociais, Solidariedade Social orgânica e mecânica, Anomia Social suicídio anômico, altruísta e egoísta; obras: A divisão do trabalho, O suicídio, As regras do método sociológico, As formas elementares da vida religiosa. 4) George Simmel ( ): sociação, formas da vida social, sociologia formal; obras: A filosofia do dinheiro, Sociologia investigação sobre as formas de sociação. 5) Max Weber ( ): Ação social, Racionalização, Tipos de dominação; obras: A ética protestante e o espírito do capitalismo, Economia e Sociedade, A política como vocação. Antropologia O pensamento antropológico como o conhecemos surgiu durante o Iluminismo como uma especulação sobre o homem, sua natureza, suas transformações e seus potenciais, apesar de encontrarmos concepções antropológicas em pensadores como Heródoto e Xenofonte. A Antropologia é o estudo do homem como ser biológico, social e cultural; abrange várias áreas de estudo (as principais são a sociedade, a cultura e a evolução) para que se possa ter um amplo conhecimento da diversidade cultural e do ser humano. Esta ciência nasceu dentro do campo da Filosofia, como se fosse uma Filosofia da Cultura, especialmente a partir da expansão européia implementada através das grandes navegações. 4

5 A Antropologia se divide em duas grandes áreas: antropologia física (biológica) e antropologia cultural (social), ambas utilizando e mantendo-se interligadas a Arqueologia e a Lingüística. Em algumas universidades a arqueologia e a lingüística são subáreas que compõe diretamente a Antropologia Geral. Depois do advento da teoria da evolução de Charles Darwin ( ), a Antropologia passou a ser pensada como uma ciência que iria contribuir para enquadrar o homem e suas culturas num plano contínuo, ou ao menos paralelo ao plano biológico. Logo, a temática mais importante da Antropologia Biológica é tentar encontrar o lugar do homem na Natureza e ao mesmo tempo conhecer a especificidade de sua natureza, estudando freqüentemente os parentes primatas do homem. A Antropologia Cultural é o ramo do conhecimento que se dedica a compreender os mecanismos da vida humana em sociedade, no aspecto cultural; ou seja, se propõe a confirmar ou rejeitar teorias sobre aspectos da cultura e das culturas na atualidade. É aqui que se desenvolve a antropologia da religião. Um grande expoente da Antropologia Cultural foi Franz Boas, que rejeitou as visões racistas e etnocêntricas dos primeiros antropólogos, inaugurando o relativismo cultural. Boas entendia que as questões antropológicas não devem ser analisadas sob a égide das características biológicas e do meio ambiente, mas sim, através do fenômeno (desenvolvimento) cultural das diversas sociedades, que possuem seu próprio contexto. Na Antropologia temos conceitos/termos diversos, como Etnocentrismo, Darwinismo Social, Relativismo Cultural, Determinismo Geográfico, Aculturação, Determinismo Biológico. Ciência Política Por sua vez, a Ciência Política ou Politicologia tem em nomes como Norberto Bobbio, Jean- Jacques Rousseau, Nicolau Maquiavel, Platão, Montesquieu, Aristóteles, Karl Marx, John Locke, Thomas Hobbes, Max Weber, Michel Foucault, Karl Jaspers e Hannah Arendt, importantes idealizações e contribuições. A Ciência Política tem por objeto de estudo a dimensão do poder que permeia as relações entre os homens, as classes sociais, as instituições, especialmente o Estado, as sociedades e as nações. A Política foi pensada pelos filósofos gregos como um saber e uma arte de equilibrar interesses díspares em prol de um bem comum. Foi considerada por Aristóteles o modo ou a arte mais nobre de convivência. Porém desde Maquiavel, Hobbes e, mais recentemente, Foucault, o poder é visto como uma dimensão da opressão do homem sobre o homem, quase, para falar religiosamente, como o lado mal do ser humano. Pois que, o uso, ou mau uso, do poder sempre se dá em detrimento de alguém. CIÊNCIA DAS RELIGIÕES Inicialmente ressalto que a própria terminologia Ciência(s) da(s) Religião(ões) é controvertida, gerando inúmeros debates semânticos sobre a sua origem e significado; bem como a Ciência das Religiões se diferencia da Teologia. Aqui utilizarei o termo utilizado por Marcelo Camurça, professor pós-doutor da UFJF, Ciência das Religiões, sendo a mais caçula das ciências. 5

6 O estudo da ciência das religiões está intimamente ligado à realidade do homem, através dos tipos de conhecimento. O conhecimento advém das relações do homem com o meio. O conhecimento teológico é explicado pela religião, e se preocupa com verdades absolutas e incontestáveis, verdades que só a fé pode explicar, a qual é fruto da revelação da divindade. A fé pode basear-se em experiências espirituais, históricas, arqueológicas e coletivas que lhe dão sustentação. Tudo parte do religioso e o sagrado é explicado por si só. A ciência das religiões tem uma estrutura multidisciplinar, valendo-se da intersecção de várias áreas das ciências humanas, possuindo inúmeros resultados no campo da antropologia e etnologia. No Brasil tem crescido o número de programas de pós-graduação lato sensu e stricto sensu em Ciência das Religiões, nas Instituições de Educação Superior públicas e privadas; bem como foi criada uma entidade maior em nível de pós-graduação, a ANPTECRE (Associação Nacional de Programas de Pós-graduação e Pesquisa em Teologia e Ciências da Religião). O primeiro ponto a considerar é a dificuldade em desassociar a ciência religiosa das Ciências Sociais, uma vez que, por exemplo, esta estuda o comportamento social e a religião está dentro da sociedade, em menor ou maior escala, enquanto Instituição Social e Cultural. Então, este conflito entre as duas ciências (Sociais e das Religiões) vai ser um parceiro constante, mesmo nos tempos modernos quando eclode Novos Movimentos Religiosos, no Brasil e no mundo, que se originam majoritariamente da cisão de outra tradição religiosa. Esta quase impossibilidade de desassociar as ciências sociais e a ciência das religiões se dá primeiramente por conta de teóricos (antigos, clássicos, contemporâneos) como Marco Cícero, Santo Agostinho, Karl Marx, Jacques Attali, Tomás de Aquino, Averróis, Émile Durkheim, Heródoto, Augusto Comte, Georg Hegel, Max Weber, Marcel Mauss, Sigmund Freud, Mircea Eliade, Ana-Maria Rizzuto, Pierre Bourdieu, Pitirim Sorokin, Carl Jung, dentre outros, que se propuseram por vários motivos a compreender o fenômeno religioso, em todas as épocas e tipos de sociedade. Particularmente em nosso país, o estudo da religião é trabalhoso, pois existe um sincretismo religioso específico, haja vista em algum período de sua existência, cada tradição religiosa no Brasil ter se deixado tocar ou se apropriar de práticas existentes numa outra, o que alguns estudiosos da religião nominam de revanche do sincretismo. Apresento a título de exemplificação, a identificação dos orixás com alguns santos católicos, por parte das religiões afro-brasileiras. Igualmente vimos a Umbanda nascer majoritariamente do Candomblé, mas também se constituir a partir da junção de ritos indígenas, do kardecismo, do catolicismo e de práticas mágicas européias. Da mesma sorte, a corrente evangélica neopentecostal, traz consigo a maioria das tradições protestantes tradicionais e pentecostais, mas alguns elementos e práticas das matrizes afro-brasileiras. Para compreendermos essa nova ciência utilizarei o magistério do citado Marcelo Camurça e do saudoso professor Flávio Pierucci (USP), que se auto-intitulava sociólogo materialista da religião (ou seja, sociólogo não religioso da religião) de corrente weberiana. Na obra intitulada Ciências Sociais e Ciência das Religiões: polêmica e interlocuções, Camurça afirma que a ideia de uma Ciência da Religião, em si, já provoca questionamentos do fenômeno religioso. O nome da disciplina sugeriria que um fenômeno empírico histórico, cultural e espiritual como o é a religião, exigiria uma ciência específica, a despeito das 6

7 humanidades. Assim, conclui-se que a independência da ciência da religião é duradoura, podendo definitivamente se emancipar no futuro. Marcelo Camurça cita os autores Émile Durkheim e Marcel Mauss como os pais-fundadores da ciência das religiões, que afirmaram que a nova ciência possuía a época um caráter pluralista. Ora, toda religião possui o seu credo, rito, cultura, história e um fenômeno específico; bem como é certo que existem milhares de tradições religiosas no mundo, mas o fenômeno estudado é a religião. Ainda no Brasil, apesar de teoricamente polêmico e às vezes incompreendido pelos cientistas sociais, vimos Flávio Pierucci tratar o fenômeno religioso como ninguém, partindo-se da análise crítica da obra de Max Weber A ética protestante e o espírito do capitalismo às reflexões de Cândido Procópio Ferreira de Camargo, autor do livro "Católicos, Protestantes, Espíritas". Pierucci aprofundou e reformulou a reflexão sobre a destradicionalização religiosa a partir do declínio católico apontado no Censo 2000 do IBGE, e a ideologia de diversidade religiosa, observando que excetuando-se os católicos, evangélicos e os sem religião, restavam apenas 3,2% de brasileiros filiados às outras religiões, ou seja, menos de 6 milhões numa população de 170 milhões à época (hoje existem mais de 190 milhões de habitantes segundo os dados do Censo IBGE 2010). Ampliando a teoria religiosa de Cândido Procópio contida na citada obra, Pierucci destaca que o campo religioso brasileiro divide-se em religiões universais (abertas a todos, sem exceção) e religiões étnicas (minoritárias e voltadas especialmente à preservação do patrimônio étnicocultural). Recategorizou a primeira como "religião de conversão", pontuando que ao se converter o fiel passa de um status religioso de origem familiar, para um status adquirido por escolha; bem como ressaltou que as religiões étnicas no Brasil se tornaram universais depois da segunda metade do séc. XX. As religiões também podem ser definidas como éticas e transcendentes, de salvação e de libertação, de interioridade e exterioridade, e ocidentais e orientais, ainda que os dois últimos termos estejam hodiernamente em desuso, por conta da globalização e desterritorialização da religião. Existe no Brasil importantes estudiosos da religião, como: Edison Carneiro, Otávio Velho, Mônica P. Velloso, Leonardo Boff, Beatriz M. de Souza, Luiz Felipe Pondé e Reginaldo Prandi. Ensino Religioso O Ensino Religioso (ER) sempre esteve presente na história, especialmente na Ocidental. No Brasil o ensino religioso foi inaugurado pelos jesuítas em 1549, com o estabelecimento de escolas-missão. A educação confessional era obrigatória, até ser excluída das escolas brasileiras pelo advento da Proclamação da República (1889), Decreto nº 119-A/1890 e Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1891, ocasião que oficializou a separação Igreja-Estado, extinguiu o Regime de Padroado e estabeleceu a Liberdade de Culto. O ensino religioso retornou aos bancos escolares durante a Era Vargas ( ), por ocasião da promulgação da Constituição da República de 1934, que reservou um capítulo especial à Educação. Porém, a matrícula no ensino religioso era de caráter facultativo ao aluno. 7

8 Nos dias atuais o Ensino Religioso se mantém opcional e possui previsão legal no artigo 210 da Constituição Federal de 1988 e no artigo 33 da Lei n 9.394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação). Em alguns Municípios como o Rio de Janeiro, por exemplo, há opções acerca da religião que o educando pretende estudar. Ou seja, o aluno do ensino fundamental pode optar pelas seguintes tradições religiosas: Catolicismo, Protestante/Evangélico, Espiritismo e Religiões Afro, conforme reza a Lei Municipal nº 5.303/2011 e o Edital do 1º concurso para o cargo de Professor de Ensino Religioso, realizado no ano de DIREITOS HUMANOS E POLÍTICAS PÚBLICAS Uma das áreas de estudo das Ciências Jurídicas são os Direitos Humanos. Direitos Humanos (Fundamentais) são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos, não importa quem sejam nem onde vivam. Em 1948 a ONU (Organização das Nações Unidas) proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que deveria ser respeitada mundialmente e principalmente pelos países signatários. Esta Declaração afirma que todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos, dotados de razão e de consciência e devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. Estes direitos são implementados pelo Estado de Bem-estar Social (Estado Providência). Os Direitos Humanos possuem cinco dimensões (gerações), conforme definiu Karel Vasak, que também alcunhou o termo Direitos Humanos : a) 1ª geração - liberdade: Os direitos humanos de primeira geração são resultantes, principalmente, da Declaração Francesa dos direitos do Homem e do Cidadão e da Constituição dos Estados Unidos da América de 1787, que surgiram após o confronto entre governados e governantes. São direitos individuais (civis e políticos) em contraposição ao poder soberano do Estado Absolutista, com caráter negativo por exigirem diretamente uma abstenção do Estado, seu principal destinatário; b) 2ª geração - igualdade: são aqueles que nasceram para proporcionar a todos a igualdade e à liberdade, e são os direitos econômicos, sociais e culturais; cujo sujeito passivo é o Estado, que tem o dever de realizar prestações positivas aos seus titulares, os cidadãos, sejam eles natos ou naturalizados; c) 3ª geração direitos dos povos: definem-se como direitos da solidariedade ou fraternidade, implementados logo após a 2ª guerra mundial; e caracterizam-se, pela sua titularidade coletiva ou difusa, em consonância com internacionalização dos direitos humanos. São eles o direito à paz, à autodeterminação dos povos, ao desenvolvimento, ao meio ambiente e qualidade de vida, à conservação e utilização do patrimônio histórico e cultural e o direito de comunicação; d) 4ª geração novos direitos: foram introduzidos pela globalização política, compreendendo os direitos à democracia, informação e pluralismo. Se identificariam com o direito contra a manipulação genética, direito de morrer com dignidade, direito à mudança de sexo, todos pensados para o solucionamento de conflitos jurídicos inéditos, novos, frutos da sociedade contemporânea; e) 5ª geração são os direitos virtuais: quais sejam, a honra, a paz, a vida, a imagem, ao patrimônio genético, proteção contra o abuso das técnicas de clonagem, ou seja, aqueles que ressaltam o princípio da dignidade da pessoa humana, e que decorrem de uma era nova e contemporânea, advinda com o desenvolvimento globalizado da Internet. Objetivam proteger as pessoas físicas e jurídicas frente ao uso massivo e deliberado dos meios de comunicação eletrônica. No Brasil os Direitos Sociais são efetivados através das políticas públicas e sociais, que para alguns teóricos se constitui num aparelho ideológico do Estado, para outros uma forma de 8

9 dominação. Outros setores entendem que as políticas públicas são uma forma de reparação (compensação) das desigualdades históricas por que passaram algumas etnias. Por sua vez, os órgãos governamentais e inúmeros juristas, afirmam que estas ações proporcionam a universalização dos direitos, principalmente os sociais. Ademais, a implementação e o acompanhamento das políticas sociais são realizados pelo CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) e CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social), especialmente na pessoa dos Assistentes Sociais e Psicólogos, que desempenham um brilhante trabalho. Alguns países como a Índia, onde há um rígido sistema de castas, acreditam que os direitos humanos devem ser conquistados, sendo o resultado de obrigações cumpridas pelo indivíduo. Se existem direitos outorgados a um hindu é porque existem obrigações para esse cidadão hindu. REFERENCIAL TEÓRICO As ciências sociais se diferenciam das artes e das outras áreas das ciências humanas, pela preocupação metodológica. Os métodos das ciências sociais podem ser utilizados nas mais diversas áreas do conhecimento: ciências sociais aplicadas, ciências da terra, ciências agrárias, ciências biomédicas, etc. Embora polêmica, é comum a distinção entre qualitativos e quantitativos. A partir da pós-graduação se exige do aluno, que ao iniciar suas pesquisas e posteriormente para formatar o seu trabalho, que este possa embasar o seu projeto com fulcro num referencial teórico. O teórico é aquele autor clássico ou contemporâneo, que com o passar dos anos a sua corrente teórica não caiu no ostracismo e muitas vezes foi ampliada ou reinterpretada, cujo pensamento/perspectiva ou corrente teórica embasará/fundamentará o trabalho acadêmico. O referencial teórico é utilizado pelo pesquisador para fins de legitimar o trabalho que desenvolve, ou o projeto de pesquisa que formaliza. Atualmente tal requisito é obrigatório para os exames de admissão ao Mestrado e Doutorado. Acreditamos, no entanto, que a atualidade dos clássicos não se justifica apenas pela possibilidade de aplicação de suas teses a quaisquer fatos isolados, mas pelo seu potencial de compreensão do movimento do real. Acreditamos, assim, que encontramos nestes autores clássicos o melhor lugar para procurarmos a superação dessas impressões iniciais. Por exemplo, o objeto de estudo da Sociologia para Émile Durkheim são os fatos sociais: maneiras de agir, pensar e sentir exteriores ao indivíduo, e dotados de um poder coercitivo em virtude do qual se lhe impõem (parte do coletivo para o individual); já para Max Weber a ciência da sociedade se desenvolve através da Ação Social: ação que leva em conta ações ou reações de outros indivíduos e é modificada baseando-se nesses eventos, que pode ser dividida em quatro ações fundamentais: ação social racional com relação a fins, ação social racional com relação a valores, ação social afetiva e ação social tradicional (entende-se partindo do indivíduo para a coletividade). E o alemão Karl Marx compreende a Sociologia através do materialismo histórico, a exploração capitalista e a luta de classes. O pensamento sociológico de Marx inaugurou a filosofia denominada marxismo, que influenciou as teorias do conflito social e muitos brasileiros, como Luiz Carlos Prestes, Florestan Fernandes e Paulo Freire. 9

10 O referencial de Darwin foi um dos grandes divisores de águas nas ciências biológicas e humanas, por conta de suas pesquisas e obras que influenciaram as teorias do determinismo biológico e geográfico. Darwin influenciou outros teóricos clássicos como Herbert Spencer, conhecido como o pai do darwinismo social e do etnocentrismo, teorias que reforçaram o sentimento xenofóbico de superioridade européia. Na Antropologia temos duas grandes vertentes teóricas à partir de Bronislaw Malinowski que inaugurou o método funcionalista, que rompe com o viés colonialista dos estudos antropológicos europeus; e com Franz Boas. Além de inaugurar a subárea Antropologia Cultural, Boas foi um dos primeiros defensores da igualdade racial, implementando, também, o relativismo cultural. Seus escritos influenciaram importantes autores brasileiros, como Gilberto Freyre, autor de obras marcantes sobre a formação social brasileira, como Casa-Grande & Senzala. A Ciência Política possui inúmeros autores clássicos, contudo, os teóricos contemporâneos têm contribuído sobremaneira para entendermos o pensamento e contexto político atual. Dentre estes se destacam a cientista política Judia Hannah Arendt, com suas concepções acerca do totalitarismo, pluralismo político, liberdade e da condição humana, e o filósofo Francês Michel Foucault, com importantes teorias sobre o biopoder, a sexualidade, a biopolítica, o saber, a soberania e o sistema carcerário. CONSIDERAÇÕES FINAIS Conforme visto, os objetivos do Curso de Especialização em Ciências Sociais e Religião têm por fito proporcionar ao aluno a compreensão da nova dimensão da realidade social, política, econômica, jurídica, cultural, educacional, religiosa e antropológica no Brasil e Mundo contemporâneo, valendo-se do festejado campo das ciências humanas. Pelo exposto, dou-lhes boas-vindas em nome da Faculdade NOVA FEUDUC, primeira Instituição de Educação Superior (IES) privada da Baixada Fluminense, que tem por divisa trabalhadores formando trabalhadores, e por missão tríplice atender a determinação da Constituição Federal: desenvolver plenamente a educando, prepará-lo para o exercício da cidadania e qualificá-lo para o mercado de trabalho. Saudações Feuduqueanas! Duque de Caxias RJ, 05 de abril de Prof. TRAJANO Coordenador do Curso Pós-graduação em Ciências Sociais e Religião 10

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Habilidades: Reconhecer que a religião muitas vezes esconde razões políticas, econômicas e sociais de inúmeros conflitos no mundo contemporâneo; Reconhecer que a

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 7 Introdução... 15 SOCIOLOGIA. 2.3.4.1. Primeiro momento da alienação... 43 2.3.4.2. Segundo momento da alienação...

Sumário. Agradecimentos... 7 Introdução... 15 SOCIOLOGIA. 2.3.4.1. Primeiro momento da alienação... 43 2.3.4.2. Segundo momento da alienação... Cód. barras: STJ00095025 (2013) Sumário Agradecimentos... 7 Introdução....................... 15 Parte I SOCIOLOGIA 1. Origens da Sociologia... 27 1.1. As origens históricas e conceituais da Sociologia...

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Conteúdo: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Habilidades: Reconhecer a religião como uma instituição social e objeto de estudo das Ciências Sociais; Conhecimento Teológico A religião

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º AM076- ANTROPOLOGIA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: CS013 CS013- ANTROPOLOGIA CAMPOS DA ANTROPOLOGIA. PROBLEMAS E CONCEITOS BÁSICOS: CULTURA, ETNOCENTRISMO, ALTERIDADE E RELATIVISMO. NOÇÕES DE MÉTODOS/PRÁTICAS

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA ANEXO II - EDITAL Nº. 16/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - ICHLA MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA VAGAS DIA CARGA História da Educação 01

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO Sistema de Ensino CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO UNO Ensino Médio Sociologia 1 Módulo I Nascimento da Sociologia I Do início 1. Da era pré-científica ao Renascimento I. O conhecimento como característica

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade: Desafios para uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Comunicação: instrumento de formação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS 1510A-04 LEITURAS SOCIOLÓGICAS DO BRASIL EMENTAS DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS NÍVEL I Análise da realidade do País na perspectiva sociológica, valendo-se de textos clássicos sobre o Brasil. Discussão de

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 03 E Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação dos slides 3.Tira duvidas 4.Avisos

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

PSVS/UFES 2013 MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO. O domínio da função real dada por 2ª QUESTÃO. Uma equação da reta tangente ao gráfico de no ponto é 3ª QUESTÃO

PSVS/UFES 2013 MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO. O domínio da função real dada por 2ª QUESTÃO. Uma equação da reta tangente ao gráfico de no ponto é 3ª QUESTÃO MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO O domínio da função real dada por 2ª QUESTÃO Uma equação da reta tangente ao gráfico de no ponto 3ª QUESTÃO A assíntota horizontal do gráfico de a reta de equação GRUPO 3 PROVA DE

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é:

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: a capacidade individual ou social para manter uma orientação constante, imutável, qualquer que seja a complexidade de uma situação

Leia mais

Sociologia Organizacional

Sociologia Organizacional Sociologia Organizacional Aula 2 Organização da Aula Aula 2 - a institucionalização da sociologia: o estudo de August Comte e Emile Durkheim Prof. Me. Anna Klamas A perspectiva sociológica da análise social

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 18/2006 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Ciências Sociais, Bacharelado,

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO

RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO CEE 05/06 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 5, DE 9 DE MAIO DE 2006. Dispõe sobre a oferta de ensino religioso nas escolas públicas integrantes do Sistema de Ensino do

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos Unidade 1 A sociedade dos indivíduos Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em sociedade porque necessitamos uns dos outros. Thinkstock/Getty Images Akg-images/Latin Stock Akg-images/Latin Stock Album/akg

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA

HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA HISTÓRICO DA SOCIOLOGIA Curso: Ensino Médio Integrado Prof. MSc. Manoel dos Passos da Silva Costa 1 POSITIVISMO Primeira corrente de pensamento sociológico; Sistematiza cientificamente alguns princípios

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 094/2015-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Altera os Anexos I e II, da Resolução Nº 133/2012- CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, de 23 de novembro de 2012, e aprova o relatório final.

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 61 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.6 CIÊNCIA

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 31 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Explicar a abrangência da Teoria dos valores e sua evolução histórica Analisar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Ciclo de formação política: os clássicos na sala de aula 1.2 Câmpus de Origem:

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo. Marco Milani

Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo. Marco Milani Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo Marco Milani 2013 Dados Gerais Título: A confessionalidade espírita em Instituições de Ensino

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais