(MINUTA DO REGULAMENTO MODELO) 1 - A NUMERAÇÃO DOS ARTIGOS DESTA MINUTA É APENAS COMO REFERÊNCIA;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(MINUTA DO REGULAMENTO MODELO) 1 - A NUMERAÇÃO DOS ARTIGOS DESTA MINUTA É APENAS COMO REFERÊNCIA;"

Transcrição

1 (MINUTA DO REGULAMENTO MODELO) 1 - A NUMERAÇÃO DOS ARTIGOS DESTA MINUTA É APENAS COMO REFERÊNCIA; 2 - A SEQUÊNCIA DOS ASSUNTOS DEVE SER SEGUIDA; 3 - A REDAÇÃO É UMA SUGESTÃO DOS TÓPICOS CONSIDERADOS COMUNS A TODOS OS EE; E 4 - EM CASO DE DÚVIDA CONSULTE O R-126 E O REGULAMENTO DA LEI DE ENSINO DO EXÉRCITO. REGULAMENTO DO(A)... EB10-R ÍNDICE DOS ASSUNTOS Art. CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES... 1º/2º CAPÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO... 3º/5º CAPÍTULO III - DA COMPETÊNCIA Seção I - Da Direção de Ensino... 6º Seção II - Do Conselho de Ensino... 7º Seção III - Da Divisão de Ensino... 8º Seção IV - Do Corpo de Alunos (se for o caso)... 9º Seção V - Da Divisão Administrativa Seção VI - Da Divisão de Serviços Técnicos Seção VII - Da Divisão Patrimonial Seção VIII - Do Batalhão (Cia) de Comando e Serviços Seção IX - Da Ajudância-Geral (se for o caso) Seção X Do Seção XI - Da Assessoria Jurídica (se for o caso) CAPÍTULO IV - DAS ATRIBUIÇÕES Seção I - Do Comandante e Diretor de Ensino Seção II - Do Subcomandante e Subdiretor de Ensino Seção III - Do Chefe da Divisão de Ensino Seção IV - Do Comandante do Corpo de Alunos (se for o caso) Seção V - Dos Professores... 21

2 Seção VI - Dos Instrutores Seção VII - Dos Monitores Seção VIII Do Chefe da Seção Técnica de Ensino Seção IX Do Chefe da Seção Psicopedagógica Seção X - Do Chefe da Divisão Administrativa (se for o caso) Seção XI - Do Chefe da Divisão de Serviços Técnicos Seção XII - Do Chefe da Divisão Patrimonial Seção XIII - Do Comandante do Batalhão (Cia) de Comando e Serviços Seção XIV - Do Ajudante-Geral (se for o caso) Seção XV - Do Chefe da Assessoria Jurídica (se for o caso) CAPÍTULO V - DA ESTRUTURA DO ENSINO Seção I - Do Ensino e seus Objetivos... 32/39 Seção II - Da Frequência... 40/43 Seção III - Da Avaliação do Ensino e da Aprendizagem... 44/45 Seção IV - Da Habilitação Escolar... 46/49 Seção V Dos Cursos de Pós-Graduação... 50/51 Seção VI - Da Classificação, da Distribuição e da Escolha de Cursos (se for o caso) Seção VII - Da Declaração de Aspirante-a-Oficial (AMAN)... 54/55 CAPÍTULO VI - DA INCLUSÃO, DA EXCLUSÃO E DO DESLIGAMENTO Seção I - Das Vagas, da Seleção e da Matrícula... 56/60 Seção II - Do Trancamento, do Adiamento e da Rematrícula... 61/64 Seção III - Da Exclusão e do Desligamento... 65/67 CAPÍTULO VII - DO CORPO DOCENTE CAPÍTULO VIII - DO CORPO DISCENTE Seção I - Da Constituição... 69/72 Seção II - Da Situação Hierárquica (para escolas de formação) Seção III - Dos Deveres e Direitos... 74/75 Seção IV - Do Regime Disciplinar... 76/79 Seção V - Das Agremiações Internas... 80/81 Seção VI - Do Diploma e da Denominação da Turma... 82/83 CAPÍTULO IX - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS

3 Seção I - Das Disposições Finais... 84/88 Seção II - Das Disposições Transitórias... 89/90 ANEXO - ORGANOGRAMA DO Estb Ens

4 REGULAMENTO DO(A)... EB10-R CAPÍTULO I DAS FINALIDADES EB10-R Art. 1º Este Regulamento tem por finalidade estabelecer preceitos aplicáveis ao pessoal e aos diversos setores integrantes da... Art. 2º A... é um estabelecimento de ensino (Superior, Médio ou Técnico, Fundamental) de... (formação, graduação, aperfeiçoamento, altos estudo militares, Política, Estratégia e Alta Administração - verificar o 1º do art 9º do RLEE, para os cursos de preparação, especialização e extensão e a Port Cmt Ex nº 614, de 13 NOV 00) da linha do Ensino Militar Bélico, diretamente subordinado à... destinado a: I - formar (preparar, especializar, estender conhecimentos, aperfeiçoar...) (oficiais ou sargentos), habilitando-os para exercício dos cargos, estabelecidos nos quadros de organização (QO), em tempo de guerra ou de paz; II graduar...(existindo outro curso)...; III - contribuir para o desenvolvimento da doutrina militar na área de sua competência; (exceto CM e EsPCEx), e IV - realizar pesquisas na área de sua competência, inclusive, se necessário, com a participação de instituições congêneres. CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º A organização da... é a seguinte: I Direção de Ensino: a) Comandante (também Diretor de Ensino); e b) Subcomandante (também Subdiretor de Ensino). Comentário: o R-126 não obriga que o SCmt exerça a função de Subdiretor de Ensino. A critério do Estb Ens. II - Estado-Maior Pessoal (se for o caso); III - Estado-Maior Geral (se for o caso); IV - Ajudância-Geral (se for o caso); V -...(outros de acordo com a organização da escola); VI -...; 4/31

5 VII -...; VIII - Divisão Administrativa (se for o caso); IX - Divisão de Ensino; X - Divisão Patrimonial (se for o caso); XI -...(outros de acordo com a organização da escola). Parágrafo único. O Comandante (Diretor de Ensino) dispõe de um órgão de assessoramento - Conselho de Ensino (CE / nome do Estb Ens) - de caráter exclusivamente técnico - consultivo para assuntos pertinentes ao ensino e assim constituído: Comentário: A definição não é impositiva. I - Subcomandante (Subdiretor de Ensino); II - Chefe da Divisão de Ensino; III - Comandante do Corpo de Alunos; e IV - outros, a critério do Diretor de Ensino. Art. 4º O Organograma da...(estb Ens)... é o constante do Anexo "A". Art. 5º A organização pormenorizada será tratada no Regimento Interno. CAPÍTULO III DA COMPETÊNCIA Seção I Da Direção de Ensino Art. 6º Compete à Direção de Ensino: Comentário: A redação não é impositiva, sendo que as competências são redigidas com verbos no infinitivo. I - planejar, administrar e avaliar o ensino e a aprendizagem, fornecendo informações aos escalões superiores sobre a execução do processo com o objetivo de aperfeiçoá-lo constantemente; II - dar cumprimento ao determinado pela documentação básica do Sistema de Ensino do Exército (relacionada no art. 35 do R-126); 5/31

6 III - promover a elaboração e atualização dos documentos básicos de ensino sob sua responsabilidade, quando necessária ou determinada, submetendo-as à consideração do escalão superior; IV - incentivar e propiciar a realização do aperfeiçoamento do corpo docente, seguindo normas do órgão gestor da linha de ensino, sem prejuízo das funções escolares; e V apreciar e decidir sobre os pareceres emitidos pelos Conselhos (ou Conselho de Ensino). Seção II Do Conselho de Ensino Art. 7º Compete ao Conselho de Ensino assessorar o Diretor de Ensino a: I - planejar e organizar as atividades ligadas ao ensino; II avaliar o rendimento escolar dos alunos para a habilitação escolar, quando for o caso; III aprimorar o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem em todos os aspectos; e IV avaliar a aptidão moral e as condições técnico-profissionais e disciplinares dos alunos, para o exercício dos cargos a que se propõe o(s) curso(s) da (nome da Escola). Comentário: As NAE tratam de forma bem clara sobre o Conselho de Ensino. Verificar antes de modificar a redação. 1º O parecer deste Conselho formalizar-se-á por ata, que relatará os assuntos debatidos e deverá ser assinada por todos os participantes. 2º A decisão do Diretor de Ensino quanto aos pareceres emitidos pelo Conselho, bem como sua convocação, serão publicadas em boletim interno da...(estb Ens)..., com o grau de sigilo julgado conveniente. 3º O Conselho irá se valer de documentos previstos na legislação vigente e de opiniões de especialistas para subsidiar seu parecer; 4º Poderá realizar mais de uma reunião para chegar a um parecer final, quando necessário e independente de nova convocação. 5º Sua função no processo educacional do ensino militar está detalhado no CAPÍTULO V, Seção IV Da Habilitação Escolar do Regulamento e nas Normas de Avaliação Educacional (NAE), aprovadas pela Port nº 026-DEP, de 3 ABR 03. 6/31

7 Comentário: uma das principais modificações introduzidas na atual regulamentação do Sistema de Ensino Militar. Ele possui quatro funções, a saber: avaliação do rendimento escolar, a aptidão moral, a técnico-profissional e disciplinar, emitindo um parecer que será ou não homologado pelo Diretor de Ensino. Seção III Da Divisão de Ensino Art. 8º À Divisão de Ensino compete: I - assistir ao Diretor de Ensino nas atividades de planejamento, programação, coordenação, execução, controle e avaliação do ensino e da aprendizagem, assim como na seleção e orientação educacional ou profissional dos alunos; e de Ensino; II - coordenar as atividades das Seções Técnica de Ensino, Psicopedagógica III - exercer sobre os alunos ação educacional permanente; IV - supervisionar os trabalhos de avaliação educacional sob sua responsabilidade; e V - participar dos trabalhos de atualização das instruções e normas baixadas pelo Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx) ou da Diretoria de..., fornecendo os subsídios necessários à elaboração desses documentos. Parágrafo único. A organização da Divisão de Ensino compreende, entre outras, a Seção Técnica de Ensino (STE), a Seção Psicopedagógica (SPscPed) e as Seções de Ensino (Seç Ens), todas com atribuições específicas estabelecidas no Regimento Interno. Comentário: a SPscPed é de existência obrigatória em todos os Estb Ens, considerando a necessidade de apoio ao aluno no desenvolvimento e na avaliação da área afetiva, como componente da educação integral. Seção IV Do Corpo de Alunos (se for o caso) Art. 9º Ao Corpo de Alunos compete: I - assistir o Diretor de Ensino no planejamento, programação, controle e avaliação das atividades de ensino, no âmbito do Corpo de Alunos; II - assegurar o enquadramento e a vivência militar dos alunos; III - exercer ação educacional permanente sobre os alunos; e 7/31

8 IV - executar as atividades de ensino que lhe forem determinadas. Comentário: ver as Atribuições. Competência de ações sobre ensino, enquadramento, ação educacional e execução de atividades de ensino, sob coordenação da Divisão de Ensino. Seção V Da Divisão Administrativa (se for o caso) Art. 10. À Divisão Administrativa compete planejar, executar e fiscalizar os serviços administrativos e financeiros, de forma a assegurar o apoio prioritário aos órgãos de ensino. Seção VI Da Divisão de Serviços Técnicos (se for o caso) Art. 11. À Divisão de Serviços Técnicos (DST) compete planejar, executar e fiscalizar as atividades dos diferentes serviços que lhe são subordinados, de modo a assegurar o apoio prioritário aos órgãos de ensino. Seção VII Da Divisão Patrimonial (se for o caso) Art. 12. À Divisão Patrimonial compete: I - planejar, executar e fiscalizar as atividades relacionadas ao patrimônio; e II - conservar, manter e fiscalizar os bens imóveis jurisdicionados ao Comando do Exército, sob a responsabilidade da... Seção VIII Do Batalhão (Cia, Esqd, Bia) de Comando e Serviços Art. 13. Ao...de Comando e Serviços compete: I - prover pessoal aos diferentes órgãos do estabelecimento de ensino, de acordo com o QCP; II - apoiar as atividades de ensino; III - executar a segurança na área da...(ee)...; 8/31

9 IV - executar as ações de defesa interna na área sob responsabilidade da...(ee, se for o caso); V - executar os encargos de mobilização atribuídos à...(ee, se for o caso); VI - organizar, acompanhar e encaminhar os processos de deserção e insubmissão de praças subordinadas; e VII - sob a coordenação da Ajudância-Geral (Subcmt), planejar, controlar e executar as atividades de administração do seu pessoal militar. Seção IX Da Ajudância-Geral (se for o caso) Art. 14. À Ajudância-Geral compete: I - planejar, controlar e executar as atividades de administração do pessoal militar e civil; II - encarregar-se do serviço postal e da correspondência; e III - executar os serviços de secretaria e arquivo-geral. Art. 15. Ao... compete: I - ; II III Seção X Do... Seção XI Da Assessoria Jurídica (se for caso, como último órgão a listar) Art. 16. À Assessoria Jurídica compete: I - assessorar o comando em questões relativas à justiça militar ou comum, bem como nos processos administrativos em geral; II - orientar os encarregados de IPM e sindicância; 9/31

10 III - analisar os autos e apresentar ao Comando propostas de solução de IPM e sindicâncias; IV - confeccionar e controlar as escalas para realização de IPM e Sindicâncias; V - preparar os expedientes relativos às comunicações ao escalão superior sobre IPM, sindicâncias, deprecatas e outros assuntos relacionados com a Justiça; VI - elaborar as portarias de nomeação de encarregados de IPM e sindicâncias; VII - manter atualizado arquivo com toda a legislação, regulamentos, normas gerais e particulares do Exército e da...(estb Ens)..., pertinentes aos assuntos de justiça; VIII - analisar minutas de editais, contratos e convênios de interesse; interesse; IX - emitir, por determinação do comando, pareceres sobre assuntos de X - analisar, propor a composição e orientar juridicamente os trabalhos dos Conselhos de Justificação, de Disciplina e Avaliador; XI - acompanhar, com o devido registro documental, os processos em curso na justiça comum ou especializada e que sejam do interesse da administração militar; XII - proporcionar apoio e assessoramento ao (Cia, Esqd, Bia) Btl CSv nos processos de insubmissão e deserção de praças; e XIII ligar-se com a Assessoria Jurídica do DECEx, mantendo-a informada de toda a documentação e do acompanhamento dos processos judiciais em curso na sua área. CAPÍTULO IV DAS ATRIBUIÇÕES Seção I Do Comandante e Diretor de Ensino Art. 17. São atribuições do Comandante e Diretor de Ensino, além das conferidas pela legislação vigente aos comandantes de (grande unidade, se for o caso) unidade, no que for aplicável, e das indicadas no Regulamento de Preceitos Comuns aos Estabelecimentos de Ensino do Exército (R-126), as seguintes: I zelar pelo cumprimento dos regulamentos, diretrizes, normas, instruções, planos e programas oriundos dos escalões superiores; 10/31

11 II dirigir, coordenar e controlar as atividades do Ensino; Ensino; III executar as decisões contidas na documentação básica do Sistema de IV orientar a elaboração da proposta do Plano Geral de Ensino (PGE) para o ano subsequente, encaminhando-a para aprovação do Diretor de... ; V - elaborar e atualizar os documentos básicos de ensino exigidos, submetendo-os à consideração da Diretoria de..., para aprovação; VI convocar o Conselho de Ensino; VII decidir sobre os pareceres emitidos pelo Conselho de Ensino; VIII matricular o candidato selecionado e sua inclusão no Corpo de Alunos; IX - excluir, desligar e rematricular os alunos, de acordo com o prescrito neste Regulamento; X - conceder o trancamento e adiamento de matrícula, de acordo com o prescrito neste Regulamento; XI - propor os recompletamentos necessários, de acordo com o quadro de cargos previstos (QCP) fixado; XII - promover ao ano seguinte os alunos que tenham concluído o ano letivo com aproveitamento, de acordo com as condições estipuladas nas Normas de Avaliação Educacional (NAE/DECEx); Comentário: somente para cursos com mais de um ano de duração. XIII - informar ao Comandante do Exército os cadetes que tiverem concluído o 4º ano e estão aptos a serem declarados aspirantes; (somente para AMAN); XIV - certificar e registrar os Diplomas de Conclusão do Curso da...; Comentário: previsto no RLE. XV conceder titulações e graus universitários ou superiores, observadas as disposições do art. 23 do Regulamento da Lei de Ensino no Exército; XVI - emitir as diretrizes anuais para execução das diversas fases do concurso de admissão; Comentário: somente para Estb Ens com este encargo. XVII orientar a elaboração das propostas orçamentárias anual e plurianual, submetendo-as à apreciação do Diretor de...; 11/31

12 Parágrafo único. O Diretor de Ensino poderá delegar atribuições ao Subdiretor de Ensino. Seção II Do Subcomandante e Subdiretor de Ensino Comentário: quando a função de Subdiretor for atribuída ao cargo de SCmt, caso negativo, separar as atribuições. Art. 18. São atribuições do Subcomandante e Subdiretor de Ensino: I - substituir o Comandante e Diretor de Ensino em seus impedimentos legais e execução das atribuições inerentes a este, que lhe forem delegadas; II - executar as atribuições previstas na legislação vigente aos chefes de Estado-Maior das Grandes Unidades (Unidades), no que for aplicável; e III - supervisionar as atividades de ensino, administrativas e disciplinares. Seção III Do Chefe da Divisão de Ensino Comentário: normalmente é o Subdiretor de Ensino, quando não for o SCmt. Neste caso observar as atribuições. Art. 19. São atribuições do Chefe da Divisão de Ensino: I - assessorar tecnicamente ao Diretor de Ensino, nos assuntos relativos ao ensino/aprendizagem, assim como na orientação educacional, psicopedagógica, profissional e vocacional (se for o caso) aos alunos; Comentário: a vocacional provavelmente será para os CM, EsPCEx e Escolas de Formação. II - assessorar ao Diretor de Ensino nas atividades de planejamento, programação, coordenação, execução e avaliação do Ensino; e III - providenciar as atividades relativas à: a) avaliação do ensino e da aprendizagem; b) recuperação da aprendizagem do aluno, propondo à Direção de Ensino período, local, orientador/docente, dias, horários, módulos de ensino, data de realização da nova prova e publicação em BI; c) orientação educacional e psicopedagógica; d) planejamento e execução do ensino; 12/31

13 e) coordenação das reuniões pedagógicas; f) coordenação da elaboração e atualização de projetos de manuais; g) orientação aos docentes e discentes sobre as Normas para Elaboração do Conceito Escolar (NECE) e Normas para Avaliação Educacional (NAE); h) avaliação e orientação dos docentes nas atividades de ensino; e i) coordenação das atividades de elaboração e revisão curricular. sobre. Comentário: são duas atividades distintas, a de assessoria e de providências Seção IV Do Comandante do Corpo de Alunos (quando existir na organização) Art. 20. São atribuições do Comandante do Corpo de Alunos: I - assessorar ao Diretor de Ensino nas atividades de planejamento, programação, execução, avaliação e controle do ensino, no âmbito do Corpo de Alunos; II aplicar os princípios de justiça e disciplina, em acordo com o Regulamento Disciplinar do Exército (RDE) ou Regulamento Disciplinar Interno; III - planejar, orientar e controlar as atividades administrativas do Corpo de Alunos, assegurando a coordenação e a integração com as atividades de ensino nos seus cursos e seções. Seção V Dos Professores (se for o caso) Comentários: estas atribuições podem ser também dos instrutores. Art. 21. São atribuições dos Professores: I executar o ensino da disciplina sob sua responsabilidade, conforme as leis, as diretrizes e as normas específicas do ensino; II - participar do planejamento anual do ensino da disciplina a seu encargo; III elaborar estudos didático-pedagógicos, quando instruído a fazê-lo ou por iniciativa própria, visando ao aperfeiçoamento do processo ensino-aprendizagem, submetendo-o à coordenação, para apreciação; 13/31

14 IV - executar as atividades de administração escolar que lhe sejam afetas ou lhe sejam determinadas pela Direção de Ensino; V - cumprir as disposições regulamentares, instruções, diretrizes, normas e ordens que regem a administração escolar; VI - controlar a execução da programação do ensino; VII - colaborar com a Direção de Ensino na preparação de material didático, elaboração e revisão curricular da disciplina sob sua responsabilidade e de projetos que visem ao aperfeiçoamento do processo ensino-aprendizagem; VIII sugerir medidas que julgar necessárias à maior eficiência do ensino sob sua responsabilidade; IX - utilizar corretamente a linguagem, observando a correção gramatical e evitando o uso de termos vulgares; X - planejar e orientar o estudo dirigido da disciplina que lhe cabe ministrar; XI - participar das atividades extra-classe, cerimônias e solenidades cívicomilitares, quando programado ou determinado, de acordo com o regime de trabalho ao qual estiver sujeito; convocado; XII - comparecer às reuniões de interesse do ensino, para as quais estiver XIII montar, corrigir e fiscalizar as provas formais; XIV - acompanhar efetiva e continuamente o rendimento escolar do aluno, visando a detectar eventuais deficiências no processo ensino-aprendizagem; XV - ligar com a Seção Psicopedagógica (SPscPed), para cooperar na atuação sobre o aluno que necessita de acompanhamento especial; XVI - empenhar-se em seu auto-aperfeiçoamento profissional, visando a maior eficiência no desempenho de suas tarefas; XVII - executar as avaliações diagnósticas, formativas e somativas, como previsto nas Normas de Avaliação Educacional (NAE), para desenvolvimento das áreas cognitivas, afetivas e psicomotoras, visando a educação integral dos alunos; e XVIII - participar da elaboração e da execução do projeto interdisciplinar (PI), orientando os alunos e incluindo os pontos de controle, bem como realizar sua avaliação. Comentário: outras atribuições listadas na IG /31

15 Seção VI Dos Instrutores Art. 22. São atribuições dos Instrutores, além daquelas previstas para os Professores: I - escolher a metodologia de ensino adequada, coerente com os objetivos educacionais previstos para a disciplina, de acordo com o Manual do Instrutor; II - planejar a instrução considerando a necessidade da aplicação prática dos conhecimentos transmitidos; III executar perfeitamente os conhecimentos transmitidos; IV destacar-se pelo exemplo. Comentário: outras atribuições listadas na IG Seção VII Dos Monitores Art. 23. São atribuições dos Monitores: I auxiliar o instrutor no planejamento e preparação da sessão de instrução; instruendos; instrução; II - cooperar com o instrutor no controle e observação do desempenho dos III - preparar o local (arrumação, ventilação e iluminação) de realização da IV - reunir, preparar e operar os meios auxiliares de instrução; V - substituir o instrutor quando necessário; e instrutor. VI executar corretamente as "demonstrações" quando acionado pelo Comentário: outras atribuições listadas na IG Seção VIII Do Chefe da Seção Técnica de Ensino Art. 24. O Chefe da Seção Técnica de Ensino é assessor do Chefe da Divisão de Ensino e suas atribuições, além das previstas nas Normas de Avaliação Educacional, são as seguintes: 15/31

16 I planejar, coordenar, controlar e avaliar as atividades de ensino e de aprendizagem, através da aplicação e atualização dos instrumentos necessários; II controlar a execução do PGE, Currículos e Planos de Disciplina (PLADIS) e dos demais documentos de ensino sob responsabilidade da Escola; III difundir as notas de provas e da classificação dos alunos, após aprovação do Diretor de Ensino; IV manter o sigilo nos assuntos referentes a provas; V emitir parecer técnico quanto às propostas de provas e pedidos de revisão, antes da apreciação pelo Chefe da Divisão de Ensino; e VI realizar pesquisas educacionais. Seção IX Do Chefe da Seção Psicopedagógica Art. 25. O Chefe da Seção Psicopedagógica é o assessor do Chefe da Divisão de Ensino nos assuntos pertinentes ao desenvolvimento dos atributos da área afetiva e suas atribuições, além das previstas nas Normas de Avaliação Educacional (NAE), são as seguintes: I integrar os diversos segmentos da organização do Estb Ens, que concorrem para o desenvolvimento psicopedagógico do aluno, principalmente com a Seção Técnica de Ensino; II acompanhar os alunos com avaliação regular e insuficiente nos testes de aptidão, de interesse, de personalidade ou sociométricos, utilizados para apoiar o desenvolvimento educacional e, em especial, aqueles com baixo rendimento escolar; III acompanhar eficientemente os alunos, de forma a auxiliá-los na compreensão de suas possibilidades e limitações; IV entrevistar os alunos que solicitarem desligamento, emitindo parecer sobre os motivos e consequências da decisão tomada; e V participar de projetos e pesquisas ligados à área afetiva do processo educacional. Comentários: é importante salientar que as chefias das duas seções trabalhem integradas. 16/31

17 Seção X Do Chefe da Divisão Administrativa (se for o caso) Art. 26. São atribuições do Chefe da Divisão Administrativa assessorar o Comandante nos assuntos referentes a planejamento, execução e fiscalização das atividades administrativas. Seção XI Do Chefe da Divisão de Serviços Técnicos (se for o caso) Art. 27. São atribuições do Chefe da Divisão de Serviços Técnicos assessorar o Comandante nos assuntos referentes a planejamento, execução e fiscalização dos serviços técnicos sob a sua responsabilidade. Seção XII Do Chefe da Divisão Patrimonial (se for o caso) Art. 28. São atribuições do Chefe da Divisão Patrimonial assessorar o Comandante nos assuntos referentes à coordenação, ao controle, à fiscalização, à conservação e à manutenção dos bens imóveis jurisdicionados ao Comando do Exército e sob a responsabilidade da...(estb Ens)... Seção XIII Do Comandante do Batalhão (Cia, Esqd, Bia) de Comando e Serviços Art. 29. São atribuições do Comandante do Batalhão de Comando e Serviços (Cia, Esqd,...): aplicável; I - desempenhar as funções de Comandante de Unidade, naquilo que for II - exercer a Chefia de Polícia da (se for o caso)...; III - planejar, controlar e coordenar as atividades das Subunidades que lhe são subordinadas; IV - planejar e conduzir as medidas de Defesa Interna sob a responsabilidade do Batalhão; e V - planejar, executar e fiscalizar as medidas de segurança na área da...(estb Ens). 17/31

18 Seção XIV Do Ajudante-Geral (se for o caso) Art. 30. São atribuições do Ajudante-Geral aquelas previstas na legislação vigente para o Ajudante-Geral das (Grandes) Unidades, no que for aplicável. Seção XV Do Chefe da Assessoria Jurídica (se for o caso) Art. 31. São atribuições do Chefe da Assessoria Jurídica, além das previstas na legislação e normas vigentes: I - propor ao comando a instauração de IPM e sindicâncias; II - acompanhar, controlar e orientar os IPM e sindicâncias em andamento; III - analisar os autos conclusivos de IPM e sindicâncias, bem como propor ao Comando as respectivas soluções; militar; IV - analisar os editais, contratos e convênios de interesse da administração V - controlar e organizar os subsídios necessários à Advocacia da União nas ações de interesse da União e ligadas, direta ou indiretamente, ao...(estb Ens)...; de ensino; e VI registrar e acompanhar os processos de interesse do estabelecimento VII - ligação técnica com a Assessoria Jurídica do DECEx. CAPÍTULO V DA ESTRUTURA DO ENSINO Seção I Do Ensino e seus Objetivos Art. 32. O Ensino na... é ministrado em consonância com a legislação que regula o ensino de grau (fundamental, médio ou superior) no País e conforme o prescrito (no art. 17 do Regulamento da Lei de Ensino do Exército) (somente para Estb Ens de ensino superior) ou (nos art. 1, 2 e 3 do Regulamento da Lei de Ensino no Exército). 18/31

19 Art. 33. Os Documentos de Currículo da...(estb Ens)... estabelecerão os planos de disciplinas, que constituirão o conjunto de conhecimentos relativos (ao ensino preparatório e assistencial ou às modalidades militares propriamente ditas), necessárias à (formação, especialização...) do...(função a ser desempenhada pelo concludente). Parágrafo único. Os Planos de Disciplinas devem conter os objetivos educacionais a serem alcançados, os assuntos, as cargas horárias previstas e as práticas didáticas recomendadas. Art. 34. O regime adotado é de (internato ou externato). Art. 35. As datas de início e término dos diferentes cursos e estágios são fixadas pela Chefia do DECEx, por proposta do estabelecimento de ensino e sob a coordenação da...(dir)... Art. 36. Funciona(m) na...(estb Ens)... os seguintes cursos: I - ; II - ; III. Art. 37. O curso I tem por objetivo a (formação, especialização, aperfeiçoamento) do..., com a aquisição de conhecimentos, habilitando-o ao exercício do cargo de... Art. 38. O curso II, tem por objetivo complementar a (extensão) do..., iniciada no curso de..., dando continuidade à aquisição de conhecimentos comuns, habilitando-o ao exercício do cargo de... Art. 39. A duração dos cursos é de... (transcrever a duração constante dos Documentos de Currículos), (sendo mais de um curso, listar) admitindo-se a tolerância de mais um período letivo, nos casos amparados por este Regulamento. Seção II Da Frequência Art. 40. A frequência aos trabalhos escolares é obrigatória. Art. 41. O limite máximo de pontos perdidos, para efeito de exclusão, é fixado anualmente no Plano Geral de Ensino (PGE) e não poderá exceder a 25% do número total de tempos de aula, instruções ou trabalhos escolares, previstos para o curso no correspondente ano letivo. Comentário: fixado anualmente no PGE 19/31

20 Art 42. O aluno perde 1 (um) ponto por tempo de aula, de instrução ou de atividades escolares que deixar de assistir, ou a que não assistir integralmente, se sua falta for justificada e 3 (três) pontos se não for justificada. Parágrafo único. O aluno perde um máximo de 10 (dez) pontos se deixar de comparecer ou se assistir parcialmente a uma atividade escolar de duração superior a 8 (oito) horas, quando sua falta for justificada, e o triplo de pontos se não justificada. Art. 43. As condições, as responsabilidades e os procedimentos relativos à apuração da frequência às atividades de ensino são as seguintes: Comentário: a redação procurou os itens comuns, portanto não é impositiva. I - salvo motivo imperioso, justificado por escrito, nenhum professor ou instrutor poderá dispensar qualquer aluno de aulas ou instrução; II - o aluno que chegar atrasado ingressará na atividade (aula ou instrução) e, mesmo assim, poderá ser considerado faltoso, perdendo pontos ou não, caso o motivo do atraso for ou não justificado; Comentário: definir o critério para o atraso ser considerado falta no EE. III - a responsabilidade pela classificação das faltas justificadas (J), não justificadas (NJ) ou que não acarretam perda de pontos, será do (Comandante de Subunidade ou Corpo de Alunos sugestão), de acordo com a relação de motivos abaixo: faltas. Comentário: É um procedimento da escola, a definição de quem classifica as A relação de motivos de justificativa pode variar de acordo com as características do EE, portanto a redação não é impositiva. a) terá a falta justificada e perderá 1 (um) ponto por tempo de atividade, o aluno que estiver em uma das seguintes situações: 1. visita médica em caso de urgência ou devidamente autorizado; 2. dispensa por prescrição médica (de esforços físicos, da instrução, repouso, convalescença, etc.); 3. ausente da aula, instrução ou formatura, por motivo de doença; 4. em organização de saúde civil, encaminhado pelo médico da OM; 5. baixado a hospital; 6. doente em casa, fato comprovado por médico; maior; 7. em gozo de dispensa especial, concedida pelo Cmt, por motivo de força 20/31

21 8. estiver escalado em serviço; 9. em serviço extraordinário, escalado ou não em BI, 10. a serviço da Justiça; 11. dispensado para doação de sangue, solicitada por médico da OM; 12. dispensado por motivo de luto; 13. em realização de prova formal em 2ª chamada; 14. entrevistado na Seção Psicotécnica; 15. à disposição do Estb Ens, realizando treinamento ou participando de competições; ou 16. outros motivos de força maior, decidido pelo Comandante, mediante proposta do (Cmt Corpo de Alunos ou Cmt SU, conforme o caso do Estb Ens); b) não terá a falta justificada e perderá 3 (três) pontos por cada tempo de atividade, o aluno que ausentar-se das atividades escolares sem justo motivo. IV - a perda de pontos por faltas às atividades não exclui a aplicação da sanção disciplinar cabível. Seção III Da Avaliação do Ensino e da Aprendizagem Art. 44. A avaliação do ensino é realizada de acordo com o estabelecido nas normas e instruções baixadas pelo DECEx. Art. 45. A avaliação da aprendizagem é procedida de acordo com o estabelecido nas normas setoriais baixadas pelo DECEx, reguladas detalhadamente pelas Normas de Avaliação Educacional (NAE), Normas para Elaboração dos Instrumentos da Avaliação Educacional (NEIAE) e as Normas para Elaboração do Conceito Escolar (NECE). Seção IV Da Habilitação Escolar Art. 46. A habilitação escolar é reconhecida levando-se em consideração seu rendimento escolar integral: cognitivo, afetivo, psicomotor e sua aptidão moral. Parágrafo único. É considerado aprovado o aluno que obtiver nota final igual ou superior a 5,0 (cinco vírgula zero) em todas as disciplinas. 21/31

22 Art. 47. O aluno que não atingir a nota mínima prevista nas provas formais ou ao final da disciplina, será submetido à recuperação da aprendizagem. Comentário: ver as NAE 1º Após concluída a recuperação da aprendizagem o aluno será submetido à nova prova; sendo que, se na avaliação haver demonstrado que recuperou o conteúdo, receberá a nota 5,0 ( cinco vírgula zero ), que substituirá a anterior. 2º O Aluno que, mesmo após haver sido submetido à recuperação da aprendizagem, não tenha obtido a nota igual ou superior a 5,0 (cinco vírgula zero), estará reprovado. Contudo, esta situação poderá ser analisada pelo Conselho de Ensino (ou de Classe, no caso dos CM), tendo em vista a formulação de parecer sobre a sua aprovação ou não, que subsidiará a decisão do Diretor de Ensino. 3º A recuperação não consumirá carga horária de qualquer disciplina e deverá ser publicada em BI. Comentário: A critério do Estb Ens. Art. 48. Durante o curso, o aluno é submetido a observações que conduzem à elaboração de seu Conceito Escolar, síntese da avaliação qualitativa dos atributos de sua personalidade, realizada por métodos padronizados. Parágrafo único. O Conceito Escolar é elaborado de acordo com as normas e instruções setoriais baixadas pelo DECEx e compõe a Nota Anual do aluno, conforme critérios especificados nas Normas para Elaboração de Conceito Escolar (NECE/DECEx) e nas Normas de Avaliação Educacional (NAE/DECEx). Art. 49. O Conceito Escolar emitido ao final do curso constará das alterações do concludente. Seção V Dos Cursos de Pós-Graduação (se for o caso) Art. 50. Os cursos de pós-graduação do Sistema de Ensino do Exército têm por objetivo ampliar os conhecimentos iniciados nos cursos de graduação, em áreas de interesse da Força. 1 A pós-graduação latu sensu abrange os cursos de Especialização e Aperfeiçoamento e destina-se ao treinamento técnico-profissional em determinada área de conhecimento da profissão militar. 2 A pós-graduação stricto sensu inclui os programas de Mestrado e Doutorado e objetiva o desenvolvimento da pesquisa que produza novos conhecimentos em áreas de interesse do Exército. 22/31

23 Art. 51. Os programas de mestrado devem atender, para fins de concessão da Titulação de Mestre, aos seguintes requisitos: I - período mínimo de 1 (um) ano; e II - execução do programa dentro ou fora da sede do curso, desde que o aluno seja orientado por oficial possuidor do título correspondente. Parágrafo único. Para iniciar o programa de mestrado, o aluno deve ter sido aprovado ou habilitado em processo seletivo, a cargo do Estb Ens. Art. 52. Os programas de doutorado devem atender, para fins de concessão da Titulação de Doutor, aos seguintes requisitos: I - período mínimo de 2 (dois) anos; e II - execução do programa dentro ou fora da sede do curso, desde que o aluno seja orientado por oficial possuidor do título correspondente. 1º Para iniciar o programa de doutorado, o aluno deve ter sido aprovado ou habilitado em processo seletivo, a cargo do Estb Ens. 2º Para obter o Título de Doutor, o aluno deve estar habilitado em idioma estrangeiro moderno. Seção VI Da Classificação Art. 53. Ao final de cada ano letivo os alunos serão classificados por ordem decrescente de rendimento escolar. CAPÍTULO VI DA INCLUSÃO, DA EXCLUSÃO E DO DESLIGAMENTO Seção I Das Vagas, da Seleção e da Matrícula Art. 56. As vagas para a matrícula na...(estb Ens)...destinam-se aos (universo de seleção). Exército. Art. 57. O número de vagas será fixado anualmente pelo Estado-Maior do Art. 58. O processo seletivo para a matrícula de que trata o art. 56 será realizada pela(o)...(estb Ens ou órgão encarregado). 23/31

24 Art. 59. As matrículas são concedidas pelo Comandante aos candidatos selecionados, mediante publicação em Boletim Interno (e homologação do concurso em Diário Oficial da União se for o caso), na data fixada para o início do curso. Art. 60. A autorização para matrícula de militares oriundos de Nações Amigas é concedida por ato de autoridade competente do Comando do Exército e obedece à legislação específica. Seção II Do Adiamento, do Trancamento e da Segunda Matrícula Art. 61. Em casos excepcionais, os candidatos selecionados podem obter, uma única vez, mediante requerimento ao Comandante, adiamento de matrícula por necessidade particular ou por motivo de saúde própria, devidamente comprovados por sindicância ou Junta de Inspeção de Saúde, respectivamente. Parágrafo único. O candidato selecionado que se utilizar dos benefícios deste artigo poderá/não poderá usufruir do trancamento de matrícula previsto no art. 63. Comentário: As causas do adiamento podem ser diferentes daquelas que serão motivos para o trancamento. Este item não está definido no R-126, ficando a critério do Estb Ens. Art. 62. O candidato selecionado, cuja matrícula tenha sido adiada, só poderá ser matriculado: I - no início do ano letivo ou do curso seguinte ao do adiamento; e II - se atender às condições especificadas nos incisos II, III (verificar se existe limite de idade para conclusão do curso), IV e VI do art. 64 para a segunda matrícula. Art. 63. O trancamento da matrícula do aluno é concedido a pedido, ou aplicado ex-officio, somente uma vez. Parágrafo único. São motivos para concessão de trancamento de matrícula: I - necessidade do serviço; II - necessidade de tratamento de saúde própria, devidamente comprovada em inspeção de saúde; III - necessidade de tratamento de saúde de pessoa da família, se comprovado ser indispensável à assistência permanente por parte do aluno. Comentário: Existem cursos de formação que não permitem a existência de dependentes. 24/31

25 IV - necessidade particular do aluno considerada justa pelo Comandante; e V quando a aluna em inspeção de saúde tenha sido considerada apta, porém contra indicada temporariamente, em face de constatação de gravidez. (se for o caso) Art. 64. O Comandante pode conceder uma segunda matrícula, por uma única vez ao aluno excluído, desde que: I - tenha sido excluído por trancamento de matrícula; II - seja considerado apto em inspeção de saúde e exame físico; III - possa concluir o curso até o ano em que completar... anos de idade;(se for o caso) IV - adquira condições para que a segunda matrícula seja efetivada até o (prazo a ser fixado pelo Regulamento do Estb Ens parágrafo único do art. 32, do R- 126); V tenha sido excluído por falta de aproveitamento técnico (para cursos de especialização e extensão parágrafo único do art. 33, do R-126); e VI - atenda às demais condições exigidas no Regulamento. 1º O aluno rematriculado deverá participar de todas as atividades previstas no PGE do ano em que for rematriculado, independentemente de já ter sido aprovado em alguma(s) disciplina(s) no ano em que efetuou o trancamento de matrícula. Comentário: O Estb Ens deverá definir a participação do aluno rematriculado nas disciplinas nas quais foi aprovado anteriormente, ficando o texto acima como sugestão. Deve ser observado a diferença necessária de critérios para cursos de formação ou de especialização/extensão e para aqueles com predominância na área psicomotora ou na área cognitiva. 2º (sugestão complementar) Das atividades acima, será(ão) excluídas a(s) avaliação(ões) somativa(s) referente(s) à(s) disciplina(s) em que o aluno já tenha sido aprovado no ano em que teve sua matrícula trancada, prevalecendo, neste caso, a(s) nota(s) obtida(s) anteriormente. Seção III Da Exclusão e do Desligamento Art. 65. É excluído, permanecendo adido ao Estabelecimento de Ensino, o aluno que tenha sua matrícula trancada por: I - necessidade do serviço; ou II - necessidade de tratamento de saúde própria ou de pessoa da família. 25/31

26 Art. 66. É excluído e desligado o aluno que: I - concluir o curso com aproveitamento; II - for reprovado por não atender ao prescrito no art. 48 (nesta minuta- "habilitação escolar"); curso; III - tiver deferido pelo Comandante seu requerimento de desligamento do IV - tiver sua matrícula trancada por necessidade particular considerada justa pelo Comandante; V - ingressar no comportamento "Mau", sendo praça; VI - for licenciado à bem da disciplina; VII - for considerado em inspeção de saúde definitivamente incapaz para o serviço do Exército ou para o prosseguimento do curso; VIII - estando na situação de adido por trancamento de matrícula, tiver esgotado o prazo para a segunda matrícula previsto no inciso... do art ; (art. 64 inciso IV prazo fixado pelo Estb Ens) IX - não puder concluir o curso no prazo fixado pelo art ou não atender à condição prevista para segunda matrícula no art ; curso; X - ultrapassar o limite de pontos perdidos permitido para o ano letivo ou XI - for considerado inapto para a carreira militar (ou oficialato), por revelar conduta moral que o incompatibilize com o serviço do Exército ou o prosseguimento do curso, conforme o caso; XII - utilizar de meios ilícitos na realização de qualquer trabalho escolar; caso); ou XIII - contrair matrimônio, qualquer que seja a razão invocada (se for o XIV - falecer. 1º As hipóteses previstas nos incisos II, V, VI, IX, X, XI e XII (conferir) serão apreciadas pelo Conselho Ensino, sendo este parecer, peça para a abertura da sindicância prevista na EB10-IG , a fim de oferecer ao aluno o processo legal e assegurar a ampla defesa e o princípio do contraditório, preconizados no art. 5º, inciso LV, da CF/88. 2º O aluno que tiver deferido seu requerimento de desligamento do curso está sujeito ao pagamento de indenização, na forma da legislação vigente. 26/31

27 Art. 67. O aluno desligado, exceto por motivo de falecimento, ingressa em uma das seguintes situações perante o serviço militar (escolas de formação definir a situação militar do ex-aluno). I - ; II -; III -. CAPÍTULO VII DO CORPO DOCENTE Art. 68. O Corpo Docente é composto pelo Comandante, Subcomandante, professores, instrutores e monitores (integrantes da Divisão de Ensino e do Corpo de Alunos). Parágrafo único. O Corpo Docente será submetido anualmente aos Estágios de Atualização Pedagógica. CAPÍTULO VIII DO CORPO DISCENTE Seção I Da Constituição Art. 69. O Corpo Discente é constituído pelos alunos matriculados nos cursos ou estágios da (nome do EE). Art. 70. A inclusão no Corpo de Alunos faz-se na mesma data em que é publicada a matrícula, nas condições do art deste Regulamento (para Estb Ens que possuam Corpo de Alunos). Parágrafo único. A partir dessa data o matriculado perde automaticamente a situação hierárquica anterior (para cursos de formação). Art. 72. A exclusão e o desligamento ou a adição do aluno são efetuados simultaneamente com a exclusão e o desligamento do Corpo de Alunos (para EE que possuam Corpo de Alunos). 27/31

28 Seção II Da Situação Hierárquica Comentário: Para cursos de formação. Art. 73. Entre os alunos, a precedência hierárquica obedece ao prescrito no Estatuto dos Militares. Militares): Ou - obedece às seguintes regras (quando não couberem os Estatutos Seção III Dos Deveres e Direitos Art. 74 São deveres dos alunos: curso; I - assistir integralmente a todas as aulas e instruções previstas para seu II - dedicar-se ao seu próprio aperfeiçoamento intelectual, físico e moral; III - contribuir para o prestígio da Escola; IV - conduzir-se com probidade em todas as atividades desenvolvidas; V - cooperar para a conservação do material da...(estb Ens)...; VI - participar de todas as atividades escolares; VII - observar rigorosamente os ditames impostos pelas leis vigentes, pela ética militar e normas de moral e bons costumes; e VIII - cumprir as normas regulamentares e determinações superiores. Art. 75. São direitos dos alunos: I - ser submetido à recuperação da aprendizagem, caso não tenha obtido a nota mínima em provas formais; II - solicitar revisão de prova, de acordo com as normas em vigor; III - reunir-se com outros alunos para organizar, no âmbito da...(estb Ens)..., agremiações de cunho cultural, cívico, recreativo ou desportivo, nas condições aprovadas pelo Comandante; IV - recorrer, quando se julgar prejudicado, à autoridade competente, conforme estabelecido neste Regulamento; 28/31

29 e V - ter acesso à Seção Psicopedagógica para fins de orientação específica; VI - solicitar trancamento de matrícula ou desligamento do curso. Seção IV Do Regime Disciplinar Art. 76. Ao ingressar no...(estb Ens)..., todo aluno é classificado no comportamento... (escolas de formação). Art. 77. O aluno está sujeito ao Código Penal Militar e ao Regulamento Disciplinar do Exército, consideradas as limitações impostas pelas peculiaridades da vida escolar, no que se refere às transgressões disciplinares. Parágrafo único. As Normas para Aplicação de Penas Disciplinares (NAPD) (se houver) elaboradas pela...(estb Ens)... e aprovadas pelo DECEx, orientam o enquadramento das transgressões previstas no RDE. Art. 78. Os alunos que cometerem transgressões disciplinares que atentem contra a honra pessoal, o pundonor militar e o decoro da classe, de acordo com as condições contidas no RDE, observado o disposto no art. 66 parágrafo 1º (direito de defesa) do Regulamento, terão sua matrícula trancada ex-offício, até o resultado final de um dos seguintes procedimentos: I Conselho de Justificação para oficiais alunos; ou II Conselho de Disciplina para praças estabilizadas. Comentário: é uma situação proposta, ficando a critério do Estb Ens. Art. 79. Além das recompensas previstas no RDE, são conferidos prêmios aos alunos, de acordo com o estabelecido em normas do DECEx e no Regimento Interno. Seção V Das Agremiações Internas Art é a agremiação de cunho cultural, cívico e recreativo organizada pelos alunos da... Parágrafo único. A...(agremiação)...é regida por estatuto aprovado pelo Comandante da... Art. 81. Outras agremiações internas de alunos poderão funcionar, desde que regidas por estatutos próprios, autorizadas pelo Comandante. Parágrafo único. As agremiações de caráter religioso não podem interferir em assuntos estranhos à sua área de ação. 29/31

30 Seção VI Do Diploma e da Denominação da Turma Art. 82. Compete ao Comandante/Diretor do estabelecimento de ensino a concessão e o registro dos diplomas aos concludentes de seus cursos Art. 83. A denominação das turmas de formação é escolhida (transcrever o art. 52 do R-126)... CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Seção I Das Disposições Finais Art. 84. Este Regulamento é complementado pelo Regimento Interno, no qual são fixadas as prescrições relativas aos detalhes de organização, atribuições e de funcionamento do Estb Ens. Art. 85. O Subcomandante e os Chefes de Seções de Ensino (se for o caso) exercerão as atribuições do Comandante que lhes forem delegadas. Art. 87. Os casos omissos neste Regulamento serão submetidos à apreciação do Chefe do DECEx, por intermédio da Diretoria, com base na legislação específica. Art. 88. O Comandante estabelecerá a função de Decano de Professores, cujas atribuições e subordinação serão reguladas no Regimento Interno (se for o caso). Seção II Das Disposições Transitórias Art. 89. O...(Estb Ens)... apresentará à...diretoria..., no prazo de 120 dias a contar da data da publicação deste Regulamento, a proposta de Regimento Interno. Art 90. Este Regulamento entrará em vigor a partir de... 30/31

31 ANEXO AO REGULAMENTO DA EB10-R ORGANOGRAMA DA(O) (MODELO) 31/31

PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011.

PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011. PORTARIA Nº 99-DECEx, DE 19 DE AGOSTO DE 2011. Aprova as Instruções Reguladoras para a Organização, Funcionamento e Matrícula no Curso de Pós-Graduação em Direito Militar (IROFM/Dirt Mil - IR 60-49). O

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

PORTARIA Nº 042, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2008

PORTARIA Nº 042, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2008 PORTARIA Nº 042, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2008 Aprova o Regulamento dos Colégios Militares (R-69) e dá outras providências. O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 4º da Lei

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR

REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR REEF POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO MANUAL POLICIAL MILITAR Regulamento da Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo, e dá outras providencias Setor Gráfico do CSM/M Int.

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares POLÍCIA MILITAR CENTRO DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 0001/2013-CEPM ESTABELECE NORMAS PARA FUNCIONAMENTO DO CURSO DE HABILITAÇÃO DE SARGENTOS POLICIAIS MILITARES (CHS/PM), COM BASE NO DECRETO ESTADUAL Nº 23.287/2002,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO DA MONOGRAFIA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO DA MONOGRAFIA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO DA MONOGRAFIA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO ÍNDICE TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO CAPÍTULO I - DA COORDENAÇÃO CAPÍTULO II -

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº PRPPG-036/2006, aprovou e eu

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO (Insp G Ens Ex / 1937)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO (Insp G Ens Ex / 1937) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO (Insp G Ens Ex / 1937) INSTRUÇÕES REGULADORAS DA ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E MATRÍCULA PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO,

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL

REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL A Secretaria Geral é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) NORMAS PARTICULARES PARA GESTÃO ESCOLAR NO ÂMBITO DA DIRETORIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG REGIMENTO DA FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG

FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG REGIMENTO DA FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG REGIMENTO DA FACULDADE DE DIREITO DE GARANHUNS FDG CAPÍTULO I DA FACULDADE DE DIREITO E DE SEUS FINS Art. 1º. A Faculdade de Direito de Garanhuns FDG é uma instituição de ensino superior, mantida pela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

Gen Ex IVAN DE MENDONÇA BASTOS Chefe do DEP

Gen Ex IVAN DE MENDONÇA BASTOS Chefe do DEP MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA (Insp G Ens Ex/1937) PORTARIA N o 117-DEP, DE 6 DE SETEMBRO DE 2006 Aprova as Normas de Controle do Ensino e Orientação Técnico-Pedagógica

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO - FAD MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP Agosto 2007 Sumário TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO... 1 CAPÍTULO I - Da Escola

Leia mais

LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014.

LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014. LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014. ALTERA DISPOSITIVOS CONSTANTES NA LEI Nº 3224/2011, QUE ESTABELECE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL, INSTITUI O RESPECTIVO QUADRO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES

REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES REGULAMENTAÇÃO DA CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE E SUAS ATIVIDADES Artigo 1.º - O corpo docente da PUCPR é constituído pelo pessoal de nível superior que exerce atividades de ensino, pesquisa

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP.

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. RESOLUÇÃO UNESP Nº 30, DE 17 DE JUNHO DE 2010. Texto consolidado Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO PPGPPD TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art.1º - O Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Desenvolvimento (PPGPPD),

Leia mais

GABINETE DO COMANDANTE DO EXÉRCITO

GABINETE DO COMANDANTE DO EXÉRCITO GABINETE DO COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nr 291, DE 5 DE MAIO DE 2005. Aprova as Instruções Gerais para o Ingresso e a Carreira do Pessoal Docente Civil do Exército incluso no Plano Único de Classificação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL

SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATO DO COMANDANTE-GERAL PORTARIA N 199, 18 DE FEVEREIRO DE 2002. Aprova o Regulamento da Escola Superior de Comando

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica PORTARIA Nº 01, de 15 de janeiro de 2007. Estabelece critérios visando à convocação para contratação de pessoal, por excepcional interesse público, na composição do Quadro de Pessoal das Unidades Municipais

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011.

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA PORTARIA DEPENS Nº 298/DE-1, DE 13 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova a Instrução que estabelece as Normas Reguladoras para a

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º O Estágio Obrigatório previsto na Estrutura Curricular do Curso de Letras, Licenciatura Português/Inglês

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL REGIMENTO. I Da Proposta do Curso e seus Objetivos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL REGIMENTO. I Da Proposta do Curso e seus Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL REGIMENTO I Da Proposta do Curso e seus Objetivos Art. 1. O Curso de Pós-Graduação latu sensu Especialização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TÍTULO I. Introdução TÍTULO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (Revisão Aprovada pelo Conselho Departamental do CCA/UFES em 27/02/2014) TÍTULO I Introdução Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

INSTRUÇÕES REGULADORAS DA ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E MATRÍCULA, DO CURSO DE IDIOMAS VIRTUAL (IROFM/CIV IR 60-55). Seção I Da Finalidade

INSTRUÇÕES REGULADORAS DA ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E MATRÍCULA, DO CURSO DE IDIOMAS VIRTUAL (IROFM/CIV IR 60-55). Seção I Da Finalidade INSTRUÇÕES REGULADORAS DA ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E MATRÍCULA, DO CURSO DE IDIOMAS VIRTUAL (IROFM/CIV IR 60-55). (Documento aprovado pela Portaria Nº 079 - DECEx, de de 2011) Seção I Da Finalidade Art.

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL PROGRAD Nº 18/2008, DE 22 DE JULHO DE 2008 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DO PROGRAMA PRÓ-ESTÁGIO UFGD 2008 O PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, no uso

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento rege as atividades

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

Proposta de Resolução Ementa:

Proposta de Resolução Ementa: Proposta de Resolução Ementa: Dispõe sobre a regulamentação de Título de Especialista e de Especialista Profissional Farmacêutico e sobre normas e procedimentos para seu registro O Conselho Federal de

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais