O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO GOVERNO DE MINAS GERAIS Plano Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL As crianças, o trabalho e a rua em Minas Gerais

2 CONTRACAPA

3 FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO GOVERNO DE MINAS GERAIS O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL As crianças, o trabalho e a rua em Minas Gerais Belo Horizonte 2008

4 FICHA CATALOGÁFICA

5 INCOMPREENSÃO Estou aqui; Sem saber. Aonde irei dormi? Ainda estou aqui; Fome, sede vivo a sentir. E sem o que vestir. Moro nas ruas do Brasil, Nas calçadas, viadutos, sem ninguém. Agora vou catar latinhas e papelão, Mas há tantas pessoas Sem amor compreensão. - Oh meu Deu! O destino tu me deu, Não tenho família, Pra que possa me ajudar crescer, Estudar, e trabalhar dignamente. Eu preciso De amor estou carente Estou com frio. De sofrimento sou dependente. ( Viclécio L. Santos) Adolescente - Agente Jovem de Januária

6

7 FICHA TÉCNICA Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social Governador Aécio Neves da Cunha Secretário Adjunto de Desenvolvimento Social Juliano Fisicaro Borges Coordenadoria Especial da Política Pró-Criança e Adolescente Fernanda Flaviana de Souza Martins Superintendência de Planos e Projetos Específicos Eliana Benício Siqueira Superintendência de Políticas para a Criança e o Adolescente Ivan Ferreira da Silva Diretoria de Promoção da Criança e do Adolescente Maria Helena Almeida Diretoria de Proteção e Defesa da Criança e do Adolescente Adriane Morais Fam Diretoria de Apoio aos Planos e Projetos Específicos Maria de Fátima Silva Prados Assessoria Técnica Murilo Tadeu Moreira da Silva

8 Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente - Composição Governamental Conselheiros Titulares Governamentais Assembléia Legislativa/MG Deputada Gláucia Brandão DOPCAD/DI/SGPC Polícia Civil/ MG Dagoberto Alves Batista Polícia Militar de Minas Gerais Capitão Cleverson Natal de Oliveira Secretaria de Estado da Educação Rosimery Leite Mattos SEDESE: Sub-Secretaria de Direitos Humanos João Batista de Oliveira Secretaria de Estado da Fazenda Maria da Conceição Barros Rezende Secretaria de Estado da Saúde Odilon Pereira de Andrade Neto SEDESE: Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social Fernanda Flaviana de Souza Martins SEPLAG: Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Maria Cândida R. Jacques Gonçalves SUASE Secretaria de Estado de Defesa Social Ronaldo Araújo Pedron

9 Conselheiros Titulares da Sociedade Civil Conselho Estadual dos Direitos da Criança E Do Adolescente - Composição Sociedade Civil ABA - Associação Beneficente Ágape Hudson Roberto Lino Associação Profissionalizante do Menor - ASSPROM Regina Helena Cunha Mendes Associação Regional dos Portadores de Deficiência - ARPODE Sônia Feres Slaib Ferreira Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - Regional Leste II Maria da Consolação Faria Convenção Batista Mineira Rosilene Estevam Nazar Frente Sul Mineira dos Direitos da Criança e do Adolescente Leila José Veronez Giz Grupo de Instituições Solidárias Obedes Barbosa Soares Inspetoria São João Bosco Raymundo Rabelo Mesquita OAB/MG James Andris Pinheiro Sindicado dos Psicólogos de MG Amaury Costa Inacio da Silva

10 Fundação João Pinheiro Fundação João Pinheiro Ricardo Luís Santiago Centro de Estudos de Políticas Públicas Paulo Camilo de Oliveira Pena Afonso Henriques Borges Ferreira Centro de Estatísticas e Informação Laura Maria Irene de Michelis Mendonça Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho Afonso Henriques Borges Ferreira EQUIPE RESPONSÁVEL PELO DIAGNÓSTICO Coordenação Geral do Projeto Bruno Lazzarotti Diniz Costa Diagnóstico do Trabalho Infantil Em Minas Gerais Nícia Raies Moreira de Souza (coordenação) Bruno Lazzarotti Diniz Costa Lucas Gevisiez (bolsista de mestrado) Diagnóstico da Situação de Rua de Crianças e Adolescentes Frederico Martins Poley (coordenação) Bruno Lazzarotti Diniz Costa Yuri Freitas Reis (bolsista de iniciação científica) Diagramação e Arte Gráfica Kelly dos Santos Gusmão

11 SUMÁRIO Apresentação O Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente e a Erradicação do Trabalho Infantil O DESAFIO DAPESQUISA: o percurso metodológico Perfil e Incidência do Trabalho Infantil em Minas Gerais Trabalho realizado por crianças e adolescentes em Minas Gerais Características das crianças e adolescentes e suas famílias Renda domiciliar Cor e incidência do trabalho infantil Composição familiar Perfil da inserção das crianças e adolescentes no trabalho Setor de atividade Ocupações perigosas Jornada de trabalho Trabalho não remunerado Rendimentos do trabalho Considerações finais Referências Bibliográficas...

12 3. Vida e trabalho nas ruas de Minas Gerais Crianças e adolescentes encontrados Perfil de crianças e adolescentes em situação de rua Situação familiar Relação com a escola Trabalho Participação em programas Saúde e violência Aspecto metropolitano Conclusão Referências Bibliográficas...

13 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico Taxa de ocupação das crianças e adolescentes de cinco a 15 anos por idade e sexo - Minas Gerais, Gráfico Proporção de crianças e adolescentes de cinco a 15 anos que trabalharam por faixa de rendimento per capita... Gráfico Taxa de ocupação das crianças e adolescentes de cinco a 15 anos por cor e idade - Minas Gerais, Gráfico 2.4: Proporção de crianças e adolescentes de cinco a 15 anos ocupadas por número de moradores na família Minas Gerais Gráfico 2.5: Proporção de crianças e adolescentes de cinco a 15 anos que trabalharam, por tipo de família - Minas Gerais Gráfico 3.1: Proporção de crianças e adolescentes em situação de rua em relação ao total de crianças e adolescentes por município pesquisado Minas Gerais Gráfico 3.2: Horário das entrevistas com as crianças e os adolescentes em situação de rua - Minas Gerais Gráfico3. 3: Crianças e adolescentes em situação de rua, segundo local onde dormem - Minas Gerais Gráfico 3.4: Crianças e adolescentes em situação de rua, segundo local de moradia durante a maior parte do tempo - Minas Gerais Gráfico 3.5: Avaliação da escola segundo crianças e adolescentes em situação de rua - Minas Gerais

14 ÍNDICE DE TABELAS Tabela Evolução da ocupação das crianças e adolescentes de cinco a 15 anos por faixa etária e situação censitária - Minas Gerais , Tabela 2.2: Sexo e cor de crianças e adolescentes por condição de atividade - Minas Gerais, Tabela 2.3: Faixa de renda domiciliar per capita por condição de atividade e cor, Minas Gerais, Tabela 2.4: Taxa de ocupação de crianças e adolescentes de 5 a 15 anos, segundo a situação censitária, por tipo de família Minas Gerais Tabela 2.5: Distribuição de crianças e adolescentes de cinco a 15 anos ocupados por setor de atividade econômica Minas Gerais, Tabela 2.6 Estimativa de crianças e adolescentes de 5 a 15 anos ocupadas na atividade agrícola segundo sexo e por idade Minas Gerais Tabela 2.7: Estimativa de crianças e adolescentes de 5 a 15 anos em ocupações perigosas Minas Gerais Tabela 2.8: Estimativa de crianças e adolescentes de 10 a 15 anos ocupados que freqüentavam escola jornada semanal de trabalho Minas Gerais Tabela 2.9 Estimativa de crianças e adolescentes entre cinco e 15 anos segundo faixa de renda domiciliar per capita, por condição econômica e freqüência à escola Minas Gerais Tabela 2.10: Jornada semanal de trabalho de crianças e adolescentes entre cinco e 15 anos por setor de atividade econômica Minas Gerais Tabela 2.11: Proporção de crianças e adolescentes de cinco a 15 anos ocupadas em trabalho não remunerado segundo faixa etária, por atributos pessoais e de mercado - Minas Gerais Tabela 2.12: Distribuição das crianças de cinco a 15 anos ocupadas em trabalho não remunerado por setor de atividade econômica Minas Gerais

15 Tabela 2.13: Distribuição percentual dos ocupados de cinco a 15 anos segundo faixa de renda domiciliar per capita por tipo de trabalho Minas Gerais, Tabela 2.14: Distribuição de crianças e adolescentes de dez a 15 anos ocupados por faixa de renda- Minas Gerais Tabela 2.15: Distribuição de crianças e adolescentes de dez a15 anos ocupados por faixa de contribuição para a renda domiciliar Minas Gerais, Tabela 3.1: Questionários aplicados às crianças e aos adolescentes em situação de rua por município - Minas Gerais Tabela 3.2: Motivo das recusas de crianças e adolescentes em situação de rua em responder ao questionário - Minas Gerais Tabela 3.3: Descrição dos entrevistados - Minas Gerais Tabela 3.4: Crianças e adolescentes em situação de rua por sexo - Minas Gerais Tabela 3. 5: Crianças e adolescentes em situação de rua segundo o sexo por municípios pesquisado - Minas Gerais Tabela 3.6: Crianças e adolescentes em situação de rua segundo faixa etárias por município pesquisado - Minas Gerais Tabela 3. 7: Crianças e adolescentes em situação de rua que têm filhos - Minas Gerais Tabela3. 8: Crianças e adolescentes em situação de rua segundo local onde dormem - Minas Gerais Tabela 3.9: Crianças e adolescentes em situação de rua segundo local de moradia durante a maior parte do tempo - Minas Gerais Tabela 3.10: Crianças e adolescentes em situação de rua segundo estadia em instituições de atendimento - Minas Gerais Tabela 3.11: Distribuição das crianças e adolescentes em situação de rua que pernoitaram em alguma instituição segundo tipo de instituição - Minas

16 Gerais Tabela 3. 12: Crianças e adolescentes em situação de rua que declararam morar só com a mãe, só com o pai, só com os avós por município - Minas Gerais Tabela 3.13: Crianças e adolescentes em situação de rua segundo pessoas com quem moram, por município - Minas Gerais Tabela 3.14: Crianças e adolescentes em situação de rua segundo trabalho nas ruas das mães - Minas Gerais Tabela 3.15: Distribuição das ocupações das mães de crianças e adolescentes em situação de rua que também trabalham nas ruas Minas Gerais Tabela 3.16: Mães das crianças e dos adolescentes em situação de rua que também trabalham na rua, por município - Minas Gerais Tabela 3.17: Crianças e adolescentes em situação de rua segundo horário de trabalho por freqüência à escola- Minas Gerais Tabela 3.18: Crianças e adolescentes em situação de rua, segundo idade, por freqüência à escola Minas Gerais Tabela 3.19: Crianças e adolescentes em situação de rua, por município, segundo freqüência à escola Minas Gerais Tabela 3.20: Avaliação da escola segundo crianças e adolescentes em situação de rua - Minas Gerais Tabela 3. 21: Tipo de atividade desenvolvida para ganhar dinheiro, população infantil de rua, por cidade, Minas Gerais Tabela 3. 22: Freqüência semanal ao trabalho de crianças e adolescentes em situação de rua- Minas Gerais Tabela 3.23: Atividades desenvolvidas por crianças e adolescentes em situação de rua -Minas Gerais Tabela 3.24: Horário de trabalho de crianças e adolescentes em situação de rua - Minas Gerais

17 Tabela 3.25: Horário de trabalho nas ruas, população infantil de rua, municípios pesquisados, Minas Gerais Tabela 3.26: Prioridade dos gastos com o dinheiro que ganha nas ruas, população infantil de rua, Minas Gerais Tabela 3. 27: Recebimento de benefícios sociais ou bolsas pelas famílias de crianças e adolescentes em situação de rua, Minas Gerais Tabela3. 28: Recebimento de benefícios sociais ou bolsas pelas famílias de crianças e adolescentes em situação de rua, por município - Minas Gerais Tabela 3.29: Crianças e adolescentes em situação de rua, segundo recebimento do Bolsa Família e freqüência à escola, por município- Minas Gerais Tabela 3.30: Crianças e adolescentes em situação de rua com algum problema de saúde, Minas Gerais Tabela 3.31: Crianças e adolescentes em situação de rua, segundo problemas de saúde relatados - Minas Gerais Tabela 3.32: Crianças e adolescentes em situação de rua, segundo vitimização na rua, por município- Minas Gerais Tabela 3.33: Crianças e adolescentes em situação de rua vitimizadas na rua, por tipo de acidentes e/ou violência sofridos n- Minas Gerais Tabela 34: Crianças e adolescentes em situação de rua entrevistadas em Belo Horizonte com residência em outros municípios da região metropolitana - Minas Gerais

18

19 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 19 APRESENTAÇÃO O desafio do trabalho infantil em Minas Gerais Apresente Pesquisa representa um esforço do Governo de Minas Gerais e uma resposta ao chamamento de sua ação social para o enfrentamento da situação de crianças e adolescentes nas ruas e em trabalho infantil no Estado. Nesse sentido, a Secretaria de Desenvolvimento Social, por meio da Coordenadoria Especial da Política Pró-Criança e Adolescente realizou um esforço coletivo para quantificar, conhecer a realidade e as condições em que vivem esses jovens cidadãos e suas famílias com seus direitos violados. Para tanto, foi contratada a Fundação João Pinheiro, com experiência incontestável na realização de pesquisas dessa natureza, e a parceria de 21 (vinte e um) municípios de grande e médio porte, que representam 46% da população de Minas Gerais. Prefeitos, gestores municipais, pesquisadores de campo e técnicos foram envolvidos e capacitados para a realização desse diagnóstico sobre crianças e adolescentes em situação de rua e em trabalho

20 20 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES infantil. A Pesquisa acerca dessas circunstâncias busca, sobretudo, qualificar e orientar a política estadual relativa a essa problemática, através do aprofundamento do conhecimento das condições de vida dessa população. Pode-se então apontar as possibilidades de trabalhar a realidade apreendida em cada município e formular um Plano Municipal para enfrentar o problema, a partir do conhecimento da rede socioassistencial local: suas deficiências, possibilidades e necessidades. Assim, com o co-financiamento do Estado, as redes locais serão revitalizadas, construídas e potencializadas, com vistas a restituir os direitos de crianças e adolescentes. O resultado da Pesquisa e dos Planos municipais subsidiou a elaboração do Plano Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil. O conhecimento propiciado por esta pesquisa, acerca da situação de milhares de crianças e adolescentes que fazem das ruas e do seu trabalho espaço de vida e luta pela sobrevivência nos leva a refletir ações urgentes na busca de novas maneiras de entender e agir para que nos possibilite intervir de forma mais conseqüente e efetiva nessa cruel realidade. O Governo de Minas Gerais tem procurado de maneira tenaz cumprir as responsabilidades assumidas diante da Sociedade para combater esse dramático problema, mas precisa do concurso de todos para enfrentálo. Diante de uma pesquisa dessa magnitude, que inquieta a todos, devemos refletir sobre os aspectos políticos, econômicos, éticos, culturais e ideológicos que roubam a preciosa infância de milhares de crianças, ao arrepio de toda a legislação avançada que a Sociedade Brasileira construiu e conquistou e que ao mesmo tempo transgride e desrespeita. Ao retratarmos a infância e a adolescência com contornos que nos envergonham devemos antes, sermos impulsionados a reunir nossos mais

21 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 21 vigorosos esforços e nossas riquezas e potencialidades para superarmos a desigualdade e mudarmos o panorama desenhado por esta análise. Ressalto que essa pesquisa só se viabilizou com a tenacidade e determinação de Custódio Mattos, Secretário de Estado à época da pesquisa, cuja gestão deixou impressa a marca da dimensão humana do seu trabalho e a grande preocupação com os direitos ameaçados de crianças e adolescentes. Cumpre agradecer a todos que participaram desse esforço coletivo, em especial ao Senhor GovernadorAécio Neves, que não poupou recursos e se empenhou pessoalmente para levar adiante o presente projeto. Aos 21 Prefeitos e suas Equipes técnicas, aos companheiros da Sedese, à Fundação João Pinheiro, aos Conselheiros de Direitos Estaduais e Municipais, Tutelares, Ministério Público, Organizações da Sociedade Civil e o Fórum Estadual de Combate ao Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente de Minas Gerais (Fectipa/MG) pela dedicação e apoio imprescindível para o sucesso da ação. Na verdade, esta Pesquisa coloca um desafio para Governantes, Empresários e para a Sociedade de restituir às crianças e adolescentes os direitos que lhes foram confiscados pelo trabalho precoce e desprotegido e pelas condições aviltantes da vida nas ruas. Juliano Fisicaro Borges Secretário Adjunto de Desenvolvimento Social

22 22 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente e a Erradicação do Trabalho Infantil Toda construção social tem muitos atores, e é sempre bom lembrar um pouco da história da construção deste diagnóstico aqui publicado. Ele é conseqüência do investimento de órgãos, movimentos e, sobretudo, do trabalho de pessoas que buscam que a família, a sociedade e o Estado garantam os direitos das crianças e dos adolescentes. Em setembro de 2005, o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA/MG) foi convidado pelo Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador de Minas Gerais (FECTIPA), por meio de sua coordenadora, Elvira Cosendey, a participar de uma reunião do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho infantil ( FNPETI) em Brasília. Essa reunião, na qual estive presente como representante do CEDCA/MG, que então era presidido por James Pinheiro, teve como pauta a discussão e orientação para que todos os estados da Federação

23 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 23 construíssem seu Plano Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador. O Fundo das Nações Unidas Para a Infância (UNICEF) realizou uma oficina na qual abordou a metodologia para a construção do plano, em especial, os aspectos estratégicos e operacionais. Sabíamos o que e como fazer, porém não tínhamos recursos orçamentários e financeiros para realizá-lo. Então, em 2006, conseguimos inserir recursos orçamentários para a realização desse diagnóstico no orçamento. Fizemo-lo por meio da mobilização do CEDCA/MG e de diversos movimentos sociais. Mencionamos, em especial, a Frente de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (FDDCA/MG), representada pelas coordenadoras Marilene Cruz e Cristiane Nazaré e pela secretária executiva Alice da Silva; o Fectipa, representado pela coordenadora Elvira Cosendey, entre outros, em articulação com a Frente Parlamentar da Criança e do Adolescente da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais, na época presidida pelo DeputadoAndré Quintão e assessorada por Gláucia Barros. O conselho então formou um grupo de trabalho integrado inicialmente por representantes do movimento social, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), da Frente Parlamentar da Criança e do Adolescente, entre outros. Convidou universidades e a Fundação João Pinheiro (FJP) para apresentarem a proposta da construção do diagnóstico em Minas. Compareceram a UFMG, a PUC e a FJP, escolhida para elaborar este diagnóstico a partir de dados da Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (PNAD), do Censo Populacional, dos conselhos tutelares e das superintendências regionais de Trabalho e Emprego (SRTE), entre outras fontes. O subsecretário de Direitos

24 24 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Humanos, João Batista de Oliveira, e a então secretária, Maria Coeli Simões Pires, ajudaram nesse momento na liberação da emenda parlamentar. Durante o processo, assume a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social o Deputado Custódio Mattos, que cria a Coordenadoria Especial de Políticas Pró-Criança e Adolescente (CEPCAD), com Fernanda Martins na coordenação. O próprio secretário propõe então a ampliação desse diagnóstico utilizando a pesquisa de campo, incluindo crianças e adolescentes em situação de rua de 21 municípios mineiros de médio e grande porte, alocando recursos para tal. Houve o envolvimento dos gestores e conselhos desses municípios e a elaboração do Plano Municipal de Enfrentamento ao Trabalho Infantil de Crianças e Adolescentes. Na verdade, essas crianças e esses adolescentes encontravam-se excluídos até mesmo das pesquisas. Sob responsabilidade do CEDCA/MG, o Plano Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador teve no diagnóstico uma de suas importantes etapas. A citação de tantas pessoas, tantos órgãos e movimentos sociais visa a que se reconheça o compromisso e trabalho de tais parceiros. Sem a clareza e articulação do conselho, a participação e tenacidade dos movimentos sociais, o empenho do Legislativo e a vontade política do Executivo, não teríamos construído este plano. Esta é uma construção coletiva e precisa ser entendida como tal. Pela necessidade e prioridade, foi até muito lenta. Somente a participação, articulação, integração e o compromisso de todos podem mudar a história de nossas crianças e nossos adolescentes nossa história. Ela precisa ser reinventada urgentemente. Neste momento, mais de 300 mil crianças, só em Minas Gerais,

25 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 25 estão trabalhando. Para a maioria delas, a representação desse trabalho ainda nos remete simbolicamente à origem da palavra trabalho, do latim, tripaliare, que significa torturar com o tripallium (instrumento romano de três pontas). Muitas delas ainda se encontram em situação perigosa, penosa ou insalubre, submetidas à violência física e psicológica. O trabalho pode e deve ser sinônimo de prazer e realização. Para essas crianças, todavia, é uma verdadeira tortura, pois as impede de serem crianças, não permite que desfrutem de uma infância com brincadeiras e estudo. Furta delas o presente e o futuro. Nossa sociedade não tem o direito de fazê-lo. Ao contrário, tem o dever de protegê-las. Todos nós temos essa responsabilidade. Vamos todos ao trabalho, façamos agora a nossa parte na construção de uma realidade mais justa, mais fraterna e mais feliz. Com certeza, ninguém o fará por nós. Regina Helena Cunha Mendes. presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente de Minas Gerais

26 26 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1 O DESAFIO DA PESQUISA: o percurso metodológico Otrabalho infantil e a situação de crianças e adolescentes nas ruas deixaram de ser apenas mais um item na agenda do Governo de Minas Gerais e da Sedese para ser enfrentado na realidade. Para subsidiar a formulação das políticas para esse segmento, foi necessário compreender a realidade da criança e do adolescente em Minas. Nesse sentido, a Coordenadoria Especial da Política Pró-Criança e Adolescente, em parceria com o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, decidiu pela realização de estudos prévios que orientassem a formulação e implementação de tais políticas. A Pesquisa sobre Trabalho Infantil e Crianças e Adolescentes em Situação de Rua, encomendada à Fundação João Pinheiro, foi, portanto, o ponto de partida para uma intervenção sustentada na análise da realidade do estado e dos municípios.

27 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 27 A presença de crianças e adolescentes na paisagem urbana das cidades brasileiras parece haver se incorporado sob as mais diferentes formas de trabalho infantil. Em qualquer uma delas, revela-se aviltante a sistemática violação dos direitos desses cidadãos, em um país com legislação avançada e que vem conhecendo crescente prosperidade econômica. A inaceitável presença desses meninos e meninas nas ruas ganhou maior visibilidade a partir dos anos Desde então, inúmeras iniciativas vêm se sucedendo, e o avanço na reflexão sobre essas experiências poderá nos ajudar a intervir de maneira mais assertiva e com maior impacto para resgatar o futuro dessas crianças e desses adolescentes. Analisando o crescimento das estatísticas sobre trabalho infantil e a demanda pelo acolhimento de crianças e adolescentes com trajetória de vida nas ruas, a Secretaria de Desenvolvimento Social (SEDESE), em parceria com o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA), decidiram pela realização da pesquisa. A Fundação João Pinheiro foi convidada a realizá-la, por sua notória experiência nessa área. Após várias reuniões, decidiu-se pela necessidade de realizar duas pesquisas simultaneamente. Sobre o trabalho infantil, a pesquisa diagnóstica foi realizada a partir dos dados secundários obtidos pela Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (PNAD). Tal diagnóstico incluiu análises específicas das faixas etárias por região e atividade, sobre as condições de vida e de trabalho, freqüência à escola e relações familiares. Outra pesquisa voltou-se especificamente para a situação de rua de crianças e adolescentes, a partir dos dados primários, coletados diretamente dos indivíduos abordados pelos pesquisadores. Nesse aspecto, levou-se em conta os ensinamentos de Rizinni (2000). Eles resumem a intenção do trabalho nesta fase: A situação de rua se apresenta de forma complexa e

28 28 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES heterogênea, sugerindo perfis distintos de crianças e adolescentes nas ruas: trabalhadores, pedintes, moradores, com menor ou maior grau de contato com suas famílias e comunidades, ou até mesmo com tais vínculos rompidos, bem como crianças e adolescentes que se movimentam entre suas casas, as ruas e as instituições, em busca de proteção e de um lugar onde se sintam pertencentes, sendo diversos os fatores de ordem política mais ampla que determinam os processos excludentes que afetam as vidas de cada uma dessas crianças e suas famílias. A partir dessa perspectiva, o objetivo da pesquisa foi quantificar e caracterizar o perfil das crianças, dos adolescentes e de suas famílias nas mais diferentes situações Foi constituído o grupo de trabalho, composto por representantes do Ministério Público do Trabalho, da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Programa Miquilim, Cedca, Comissão de Políticas Públicas e Fectipa, da Fundação João Pinheiro e da Sedese. Esse grupo foi fundamental para a validação dos procedimentos de coleta dados e a elaboração dos instrumentos da pesquisa. Foi fundamental a participação das equipes dos municípios em todas as fases dos trabalhos: desde a coleta dos dados até a proposição de ações para enfrentar a situação pesquisada. Um dos critérios utilizados pelo grupo interinstitucional para escolha dos municípios integrantes da pesquisa foi o número de habitantes. A escolha justificou-se. A presença de crianças e adolescentes é, sobretudo, um problema dos grandes centros urbanos. Com isso, 17 municípios foram escolhidos por serem de médio e grande porte. Os outros quatro, por indicação do Cedca, do Ministério Público do Trabalho e do Fectipa, por apresentarem crianças em situação de rua em número impressionante e com grande visibilidade. Os municípios pesquisados foram: Almenara, Belo Horizonte, Betim, Contagem, Divinópolis, Governador Valadares, Ibirité, Ipatinga,

29 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 29 Janaúba, Januária, Juiz de Fora, Montes Claros, Muriaé, Ouro Preto, Poços de Caldas, Ribeirão das Neves, Sabará, Santa Luzia, Teófilo Otoni, Uberaba e Uberlândia. Após a escolha, os prefeitos, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, foram convidados a participar da pesquisa. A preparação do pessoal técnico e dos gerentes das secretarias municipais deassistência Social foi realizada no período de 23 a 25 de julho de 2007, com a capacitação da equipe na condição de multiplicadores, responsáveis pela preparação dos pesquisadores de campo em seus municípios. A colaboração dos municípios e, principalmente, a dedicação, competência e o compromisso de seus técnicos, foram fundamentais para a obtenção de informações confiáveis. O conhecimento da cidade, dos parceiros locais, da distribuição das crianças e o acesso e a legitimidade frente às meninas e aos meninos permitiram que os dados fossem completos e de boa qualidade. Aos municípios e aos seus técnicos, nosso agradecimento e reconhecimento. A pesquisa foi realizada nos 21 municípios simultaneamente, no período de 20 a 26 de agosto de 2007, nos turnos da manhã, tarde e noite. Contou com a participação de 450 pesquisadores e a participação efetiva dos técnicos e representantes da Secretaria Municipal de Assistência Social, responsável local pela pesquisa, conselhos tutelares, conselhos municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente, entidades da sociedade civil, universidades e a Polícia Militar. Terminada a pesquisa, os municípios enviaram seus questionários e relatórios circunstanciados à Fundação João Pinheiro, que trabalhou os dados e divulgou os resultados preliminares em novembro de De posse dos dados e orientados pelos técnicos da Fundação João Pinheiro e da Sedese, os municípios elaboraram seus planos municipais. As propostas operacionais deste plano foram organizadas em cinco componentes estratégicos articulados entre si. Tais componentes foram

30 30 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES baseados nos mesmos eixos definidos no Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes: 1) rede de atendimento, 2) articulação e participação, 3) mobilização social, 4) políticas para a família e as relações de gênero, e 5) integração com outros municípios. Finalizados os planos, foram encaminhados à Coordenadoria Especial de Política Pró-Criança e Adolescente, onde foram analisados. Em seguida, os secretários de Assistência Social dos Municípios foram comunicados sobre o apoio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social ao plano e a disposição da Sedese de co-financiar as ações destinadas a enfrentar as situações apontadas. Em 20 de maio de 2008, com a presença do secretário de Estado de Desenvolvimento Social, de prefeitos, autoridades municipais e técnicos, foram celebrados convênios de Cooperação Técnica e Financeira. Está prevista a capacitação continuada e a realização de campanhas municipais e estadual para sensibilização da opinião pública. O objetivo é interromper os efeitos causados pelo ciclo perverso perpetuado pela prática de dar esmola e adquirir mercadorias de crianças e adolescentes. Serão ressaltadas as conseqüências deletérias que tais atitudes fomentam e o fato de que perenizam a presença das crianças nas ruas, quase sempre exploradas, em situações de perigo iminente, abusadas, negligenciadas e fora da escola. O grande objetivo dessa mobilização e do esforço conjunto é minimizar a existência de crianças e adolescentes em situação de rua em Minas Gerais, por meio do fortalecimento e desenvolvimento da rede socioassistêncial voltada à intervenção e ao acompanhamento desse segmento, buscando garantir o direito a convivência familiar e comunitária, fortalecendo esses núcleos na perspectiva da inclusão e da promoção social.

31 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 31 Nos próximos capítulos, com base na análise dos pesquisadores, percebe-se a necessidade de intervir nas situações de risco a que são expostas as crianças e os adolescentes em situação de rua e em trabalho infantil. Percebe-se sobretudo a necessidade de promover as famílias como espaço fundamental para a socialização e proteção de crianças e adolescentes. Como nos ensina Rizzini (2000), "a compreensão da dinâmica das relações desenvolvidas no interior das famílias dos meninos e meninas que se encontram em situação de rua é fundamental para se formular políticas que criem ou fortaleçam estratégias de apoio familiar e comunitário no cuidado das crianças". Por trás das crianças de rua e na rua, existem as famílias que também se encontram abandonadas, desprotegidas e de muitas formas agredidas, excluídas do acesso a bens e serviços. Nessa perspectiva, impõe-se-nos um trabalho que vá convergir para as crianças e os adolescentes e suas famílias, ao resgatar-lhes seu protagonismo, seus direitos de sujeitos sociais capazes de proteger seus filhos como previsto no Estatuto da Criança e doadolescente. Se não trabalharmos com as famílias, dando-lhes chances reais de fazer retornar para elas as crianças que estão nas ruas vivendo, trabalhando e sobrevivendo com dificuldade, estaremos roubando-lhes as chances de futuro. As constatações e as lições aqui analisadas confirmam a necessidade de políticas públicas cujos focos sejam a criança, o adolescente e, sobretudo, um olhar especial para a família e a comunidade. Fernanda Flaviana de Souza Martins Coordenadora Especial de Politicas Pró-Crianças e Adolescentes Sedese- MG

32 32 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2. Perfil e Incidência do Trabalho Infantil em Minas Gerais Aredução do trabalho infantil tem sido alvo de diversas políticas nacionais e internacionais. A crescente ênfase na redução da pobreza e na acumulação de capital humano como requisitos para se alcançar desenvolvimento indica que o trabalho infantil é um entrave ao progresso socioeconômico (KASSOUF, 2006). A legislação brasileira¹ é bastante avançada quando se trata de proibir a exploração do trabalho de crianças e adolescentes. A incidência de trabalho infantil em alguns segmentos populacionais, no entanto, merecem estudos mais aprofundados para compreender tanto suas características quanto suas causas. A inserção precoce no mercado de trabalho sofre influência de diversos fatores de ordem econômica, social, demográfica e cultural. Estudos demonstram que o fato de o indivíduo começar a trabalhar cedo reduz seu rendimento e ¹No Brasil, com a aprovação da Emenda Constitucional nº20 em dezembro de 1998, a idade mínima para a entrada no mercado de trabalho é 16 anos, salvo na condição de aprendiz, entre 14 e 16 anos. Somente a partir de 18 anos há permissão legal para trabalhos que possam causar danos à saúde e, especificamente, trabalhos de produção ou manipulação de material pornográfico, divertimento e comércio nas ruas. Há proibição ainda, de trabalhos em minas, estivagem, ou qualquer trabalho subterrâneo para aqueles abaixo de 21 anos.

33 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 33 estado de saúde na fase adulta. Também aumenta a probabilidade de inserções precárias no mercado de trabalho. A trajetória futura no mercado de trabalho depende, em grande medida, das primeiras experiências. O ingresso precário e antecipado pode determinar desfavoravelmente o desempenho profissional futuro (KASSOUF, 2006; POCHMANN, 2000). Assim, o que está em jogo é a integração das novas gerações na sociedade (SANCHIS, 1997). Uma das maiores preocupações com relação ao trabalho infantil se refere a seus efeitos adversos e perversos na escolaridade. Quando não resulta no abandono total da escola, a concorrência entre escola e trabalho compromete a qualidade da escolarização. Há indícios, todavia, de que o trabalho não é o único fator que impede as crianças de estudarem. Este trabalho visa a explorar algumas dessas questões para Minas Gerais comresultados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios de 2006, desenvolvida anualmente pelo IBGE.

34 34 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2.1. TRABALHO REALIZADO POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM MINAS GERAIS Aocupação das crianças e adolescentes em 2006 apresentou elevação de 5,6% em relação ao ano anterior. Assim, estimou-se a existência de mil trabalhadores entre cinco e 15 anos no mercado de trabalho em Minas Gerais. Este aumento deveu-se basicamente à expansão do trabalho em áreas urbanas (17,9%), na medida em que houve retração do emprego infantil em regiões rurais (-14,1%) conforme mostra tabela 2.1. Ataxa de ocupação² é maior para aqueles com mais de nove anos de idade e, proporcionalmente, mais expressiva em áreas rurais: 7,6% dos entre cinco e 15 anos em áreas urbanas tinham uma ocupação, em 2006, contra 20,7% em áreas rurais. Como a população urbana é maior que a rural, a estimativa do número de trabalhadores infantis é maior na primeira, principalmente para aqueles com idade entre dez e 15 anos. Estima-se que havia ² Neste trabalho, a taxa de ocupação é definida como a proporção (como porcentagem) de crianças e adolescentes que trabalharam no ano de referência, em relação ao total de crianças e adolescentes.

35 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 35 crianças trabalhando em áreas urbanas e , em áreas rurais em Vale notar que a estimativa do número de ocupados com menos de dez anos é praticamente a mesma em áreas urbanas e rurais: em torno de 11 mil crianças. Há outro padrão bastante claro de inserção de crianças e adolescentes no mercado de trabalho. Em áreas rurais, é maior a pressão para entrada no mercado de trabalho, que acontece mais cedo: quase um terço das crianças de dez a 15 anos em áreas rurais estavam ocupadas em 2006.Ataxa de ocupação para elas em áreas urbanas foi de 12,8% no mesmo período. Tabela Evolução da ocupação das crianças e adolescentes de cinco a 15 anos por faixa etária e situação censitária - Minas Gerais , 2006 OCUPADOS* TAXA DE OCUPAÇÃO ESPECIFICAÇÃO /2005 (%) TOTAL ,6 7,5 9,6 9,8 SITUAÇÃO CENSITÁRIA Urbano ,9 5,6 6,7 7,6 5a9anos ,8 0,7 0,8 0,8 10a15anos ,3 9,5 11,4 12,8 Rural ,1 17,1 23,2 20,7 5a9anos ,0 3,7 5,9 4,2 10a15anos ,9 27,8 36,4 32,8 Fonte: IBGE, PNAD 2004, 2005 E Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP) - *estimativa O gráfico 2.1 mostra crescente aumento da taxa de ocupação das crianças de acordo com a idade e, ao mesmo tempo, uma clara distinção entre os sexos. Mais de um terço dos meninos de 15 anos trabalhavam em 2006, contra 23,9% das meninas.

36 36 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Para complementar essa análise de idade e sexo, vale notar que já nessa faixa etária há certa preponderância do trabalho produtivo para os meninos, enquanto as meninas assumem um papel maior nas tarefas reprodutivas. Entretanto, apesar de o reprodutivo não ser considerado 'trabalho', é a base da organização da família como unidade de produção. Sem eele, o trabalho produtivo não poderia se realizar. Ao mesmo tempo, cumprir obrigações no lar pode implicar utilização do tempo da criança. Há a concorrência com as atividades escolares, as lúdicas ou o ócio, necessários ao desenvolvimento infantil. Segundo a PNAD, em 2006, 46% das crianças de cinco a 15 anos se dedicaram aos afazeres domésticos. A distribuição entre os sexos indica que as meninas são as que mais se dedicam a eles (63%). Da mesma forma, a intensidade é maior para elas, principalmente a partir de dez anos de idade. Entre cinco e nove anos, tanto meninos quanto meninas se dedicaram quatro horas semanais, em média, aos afazeres domésticos. A partir dos dez anos, os meninos dedicaramsete horas, em média, as meninas, 12 horas semanais. Gráfico Taxa de ocupação das crianças e adolescentes de cinco a 15 anos por idade e sexo - Minas Gerais, 2006 % de ocupados idade masculino feminino Fonte: IBGE, PNAD Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP)

37 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG CARACTERÍSTICAS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES E SUAS FAMÍLIAS Afim de analisar a inserção precoce no mercado de trabalho, pretende-se identificar as características pessoais e das famílias de crianças e adolescentes. Foram selecionadas as variáveis que a literatura mostra serem as mais importantes na determinação do trabalho infanto-juvenil:renda domiciliar, composição familiar, cor e faixa etária RENDADOMICILIAR Há uma percepção generalizada de que o principal determinante do trabalho infantil é econômico. No caso de Minas Gerais, nota-se, de fato, forte vinculação entre rendimento familiar e incidência de trabalho infantil (Gráfico 2.2). Como se vê, a taxa de ocupação de crianças de cinco a 15 anos em famílias de até ¼ de salário mínimo de renda per capita situa-se em 14% e reduz-se progressivamente à medida que a renda familiar aumenta, até chegar a cerca de

38 38 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 5% nas famílias com renda familiar per capita acima de três salários mínimos. Ou seja, nos estratos de renda mais altos, a taxa de ocupação é cerca de um terço da observada nos estratos mais baixos de renda. Gráfico Proporção de crianças e adolescentes de cinco a 15 anos que trabalharam por faixa de rendimento per capita 16 14,1% ,1% 9,7% 8,6% 8 4,7% 5,2% Até ¼ salário mínimo Mais de ¼ até ½ salário Mais de ½ Mais de 1 até 1 salário até 3 salários Mais de 3 até 5 salários Mais de 5 salários Fonte: IBGE, PNAD Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP) Entretanto, esta análise deve ser relativizada. Apesar de se concentrar nas famílias com renda mais baixa, o trabalho infantil tem grande presença em todos os estratos de renda, inclusive nos mais altos. Isso indica que, se a renda é uma influência importante, não é a única. Há outros fatores de ordem estrutural, como sexo da criança, idade (a pressão para trabalhar aumenta com a idade) e a cor, conforme se verá adiante. Há indicações também da influência de fatores de ordem cultural e não diretamente econômica no fenômeno do trabalho infantil em Minas Gerais. Como se demonstrará, grande proporção das crianças que trabalharam não foram pagas(o que indica trabalho com a família, produção para o próprio consumo ou construção para o próprio uso). Além disso, no

39 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 39 caso de crianças e adolescentes remunerados, os rendimentos são, na maioria, muito baixos. Em certos casos, eles contribuem com uma proporção alta da renda familiar. Em outros, sua participação na renda familiar é bem pequena. À medida que os dados forem apresentados, tornar-se-á mais claro que os fatores econômicos parecem ter peso muito importante no trabalho infantil, mas não são o único tipo de determinante COR E INCIDÊNCIADO TRABALHO INFANTIL Como em outras áreas da vida social brasileira, o trabalho infantil não é indiferente à cor das crianças. A taxa de ocupação de negras é bem maior do que a de crianças e adolescentes brancos (gráfico 2.3 e a tabela 2.2). Como se pode perceber, a taxa de ocupação entre crianças brancas é de 8,4%. Já no caso das negras, ela chega a 16%. Entre crianças pardas, de 10%. Tabela 2.2: Sexo e cor de crianças e adolescentes por condição de atividade - Minas Gerais, 2006 CONDIÇÃO DE ATIVIDADE ESPECIFICAÇÃO TRABALHOU NÃO TRABALHOU TOTAL SEXO Masculino 12,3 87,7 100,0 Feminino 7,2 92,8 100,0 COR Branca 8,4 91,6 100,0 Preta 16,0 84,0 100,0 Parda 10,0 90,0 100,0 Fonte: IBGE, PNAD Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP)

40 40 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Amesma tendência pode ser observada no gráfico 2.3: à medida que a idade de crianças e adolescentes aumenta, aumenta também a pressão para o ingresso no mercado de trabalho, principalmente na adolescência.aidade é um fator determinante do ingresso no mercado de trabalho. Gráfico Taxa de ocupação das crianças e adolescentes de cinco a 15 anos por cor e idade - Minas Gerais, 2006 Distribuição percentual das crianças ocupadas por cor Preta Parda Branca Fonte: IBGE, PNAD Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP) O gráfico também mostra que essa pressão se exerce mais sobre as crianças negras do que sobre as brancas. Para as primeira, já aos 12 anos nota-se uma aceleração do crescimento da taxa de ocupação à medida que a idade aumenta. Já no caso das brancas, essa intensificação ocorre somente aos 14 anos. Esse tipo de análise, entretanto, dever ser feito com cautela. Como as famílias com menor renda são as mais vulneráveis ao trabalho infantil e como existem proporcionalmente mais negros entre as famílias pobres,

41 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 41 pode haver uma sobreposição entre as variáveis. A tabela 2.3 avalia essa possibilidade. Tabela 2.3: Faixa de renda domiciliar per capita por condição de atividade e cor, Minas Gerais, 2006 Faixa de renda domiciliar per capita (salários Brancos Preto/pardo minínos) % ocupados estimativa % ocupados estimativa sem rendimento , ate 1/4 10, , mais de 1/4 ate 1/2 10, , mais de 1/2 a 1 8, , maisde1a2 8, , mais de 2 9, , (...) Amostra não comporta desagregação a esse nível Fonte: IBGE, PNAD 2006 Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP) O que pode ser verificado é que, por um lado, nas faixas de renda familiar mais baixas, tanto brancos como negros³ têm uma taxa de ocupação mais alta. A renda é um fator que influencia ambos os grupos. Em praticamente todas as faixas de renda, no entanto, a taxa de ocupação de negros é maior do que a de brancos. Isso reforça a hipótese de que, de fato, as crianças negras são mais vulneráveis ao trabalho infantil do que as brancas independente da renda COMPOSIÇÃO FAMILIAR Finalmente, foi avaliada a taxa de ocupação de crianças e adolescentes, levando-se em conta duas características das famílias: tamanho e composição. Quanto ao tamanho, encontra-se a situação esperada (ainda ³Para que a amostra comporte esta desagregação, consideramos, nesta tabela, pretos e pardos como negros.

42 42 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES que indesejável): quanto mais moradores, maior a taxa de ocupação de crianças e adolescentes. Enquanto nos domicílios com até três moradores a taxa de ocupação é de 7,2%, naqueles com mais de oito moradores, quase 18% das crianças trabalharam em 2006 (gráfico 2.4). Gráfico 2.4? Proporção de crianças e adolescentes de 5 a 15 anos ocupadas por números moradores no domicílio ,8% ,7% ,2% 8,7% 0 2a3 4a5 6a8 maisde8 Fonte: IBGE, PNAD Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP) Já quando se considera a composição da família, o resultado se afasta da percepção do senso comum sobre o problema.ao contrário do que comumente se acredita, a taxa mais alta de ocupação de crianças e adolescentes não está nas famílias ditas monoparentais (gráfico 2.5). De fato, nota-se que é nas famílias compostas por casal e filhos maiores que ela é mais alta (21%). Ao contrário, nas compostas por mãe e filhos maiores, tal taxa situa-se em torno de 14%. Em parte, esse resultado contra-intuitivo talvez possa ser atribuído à maior taxa de ocupação na zona rural, onde as famílias chamadas nucleares são mais freqüentes do que na zona urbana. Como demonstra a tabela 2.4, entretanto, esse não parece ser o

43 O DESAFIO DO TRABALHO INFANTIL AS CRIANÇAS, O TRABALHO E A RUA EM MG 43 caso. Não se percebe um padrão suficientemente claro indicando que a taxa de ocupação de crianças no que se costuma chamar famílias monoparentais femininas é sistematicamente maior do que em outros arranjos familiares, seja na zona urbana, seja na zona rural. Gráfico 2.5: Proporção de crianças e adolescentes de cinco a 15 anos que trabalharam, por tipo de família - Minas Gerais , , , , , , , , Mãe filhos menores Casal com filhos menores Casal sem filhos Mãe com filhos de todas idades Mãe com filhos maiores Outros tipos de família Casal com filhos de todas idades Casal com filhos maiores Fonte: IBGE, PNAD 2004, 2005 E 2006 Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP) Tabela 2.4: Taxa de ocupação de crianças e adolescentes de cinco a 15 anos, segundo a situação censitária, por tipo de família Minas Gerais TIPO DE FAMÍLIA TAXA DE OCUPAÇÃO URBANO RURAL Casal sem filhos 9,4 12,5 Casal com todos os filhos menores de 14 anos 3,2 10,6 Casal com todos os filhos de 14 anos ou mais 17,1 37,0 Casal com filhos menores de 14 anos e de 14 anos ou mais 11,1 27,8 Mãe com todos os filhos menores de 14 anos 3,4 11,8 Mãe com todos os filhos de 14 anos ou mais 13,9 13,0 Mãe com filhos menores de 14 anos e de 14 anos ou mais 10,3 24,6 Outros tipos de família 11,3 31,4 Fonte: IBGE, PNAD Elaboração: Fundação João Pinheiro (FJP)

44 44 DIAGNÓSTICO TRABALHO INFANTIL E SITUAÇÃO DE RUA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Por outro lado, há que se destacar uma regularidade presente em todas as análises feitas até aqui. Trata-se da idade. Mesmo quando consideradas as outras variáveis renda familiar, sexo, cor e composição da família a idade tem aparentemente um peso decisivo sobre a taxa de ocupação.a pressão para o ingresso no mercado de trabalho se exerce com intensidade crescente sobre os adolescentes, a partir dos 12 anos de idade aproximadamente. Há diversas maneiras de considerar esse fator, ainda que de maneira bastante especulativa. Pode-se pensar que, a despeito da proibição legal, a partir da adolescência, as expectativas em determinados grupos quanto à situação ocupacional dos adolescentes começa a se inverter. Se antes se esperava que crianças e adolescentes se dedicassem exclusivamente aos estudos (e aos afazeres domésticos, como se viu), a partir da adolescência, cada vez mais se espera que trabalhem, seja para contribuir com a renda familiar, seja como parte de sua educação. De outro modo, se nas idades menores, a tolerância ao trabalho infantil é pequena, na adolescência tendese a considerá-lo tolerável, ainda que indesejável. Isso pode enfraquecer o que se chama controles primários (a repreensão dos parentes, os comentários da vizinhança, a advertência na reunião da escola etc).eles evitam que se torne necessário recorrer aos controles institucionais. Desse ponto de vista, a interdição legal seria necessária,mas insuficiente para coibir o trabalho precoce. Seriam necessárias intervenções que alterassem essas expectativas e/ou reduzissem tal tolerância, principalmente em relação aos adolescentes. Uma maneira um pouco distinta de pensar o assunto é em termos econômicos. Manter um membro da família estudando sem trabalhar é um investimento. Tem um custo de oportunidade para essa família. Ela abre

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico NOME DA BOLSISTA: Clarice de Sousa Silva ORIENTADOR (A) DO PROJETO: Ana Cristina

Leia mais

Quinta-feira, 26 de março de 2015

Quinta-feira, 26 de março de 2015 Quinta-feira, 26 de março de 2015 TRT-CE e Ministério Público realizam ação contra o trabalho infantil O Tribunal Regional do Trabalho do Ceará, em parceria com o Ministério Público do Trabalho e diversas

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Taller Regional sobre Trabajo Infantil y Adolescente Doméstico

Taller Regional sobre Trabajo Infantil y Adolescente Doméstico Taller Regional sobre Trabajo Infantil y Adolescente Doméstico DNI Defensa de Ninas y Ninos Internacional San José, Costa Rica, 23 a 25 de agosto ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CENTROS DE DEFESA DA CRIANÇA E

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

TRABALHO INFANTIL NO PARÁ

TRABALHO INFANTIL NO PARÁ TRABALHO INFANTIL NO PARÁ Maria de Nazaré Sá de Oliveira- Pedagoga Exercendo a presidência do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e Adolescente do Pará- representando a sociedade civil. A realidade

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola.

2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola. 1 Histórico 2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola. No Brasil - Acesso, permanência, aprendizagem e conclusão da educação básica na idade certa com Campanha Nacional

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA.

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA. 11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA. Luisa de Oliveira Demarchi Costa (apresentadora) 1 Cléia Renata Teixeira Souza (coordenadora)

Leia mais

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos NOTA DE REPÚDIO A presente Nota faz considerações referentes à Proposta de Emenda Constitucional PEC nº 18 de 2011, de autoria do Deputado Federal Dilceu Sperafico e outros, que propõe o seguinte texto

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente :

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente : TRABALHO É toda atividade humana, remunerada ou não, sistemática, obrigatória, que pode ou não exigir conhecimentos específicos sobre determinado tema, arte ou ofício, cujo objetivo é o alcance de uma

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Defesa Social SUBSECRETARIA DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS A Política Estadual sobre Drogas em Minas Gerais Conferencista: Dr. Cloves Eduardo Benevides

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Gênero e Desigualdades

Gênero e Desigualdades 1 Gênero e Desigualdades Leila Linhares Barsted * Analisar as desigualdades de gênero importa em compreender como se constituem as relações entre homens e mulheres face à distribuição de poder. Em grande

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA Relatório das Ações Desenvolvidas pelo Projeto Oficina Escola 1. Apresentação Companheiros (as) da Associação Tremembé estamos concluindo mais um ano missão e com isso somos convidados (as) a socializar

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA

A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA Lysne Nôzenir Camelo de Lima Universidade de Alcalá de Henares-Espanha lysne.lima@gmail.com Resumo: O trabalho infantil expõe as crianças

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO Resumo SANTA CLARA, Cristiane Aparecida Woytichoski de- UEPG-PR cristianesclara@yahoo.com.br PAULA, Ercília Maria

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 4.6.2 PROJETO DE ATENDIMENTO SOCIAL E PSICOLÓGICO DA POPULAÇÃO ATINGIDA Anexo 4.6.2-1 - Proposta de uso do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Juliana Petroceli - Assessora Técnica Departamento de Proteção Social Especial Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

I Fórum Políticas Públicas do Idoso"

I Fórum Políticas Públicas do Idoso I Fórum Políticas Públicas do Idoso" O idoso no mundo Em 2050, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 30% da população mundial será de idosos; 2 bilhões dos habitantes do planeta terão mais de

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010 PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / Eixo Programático nº 01: INTEGRAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DOS DADOS Eixo Programático 01: Integração e Sistematização dos Dados Objetivo específico: Identificar

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010 CAPA Dreamstime 18 Desenvolvimento março/abril de 2010 Como nossos pais? Bruno De Vizia de Brasília Mudança no perfil etário da população, crescimento econômico e melhor acesso à educação ressaltam importância

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Mostra Local de: Londrina Projeto Jovem Aprendiz Irmã Scheilla Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Núcleo Esoirita Irmã Scheilla

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira Fortalecendo as escolas na rede de proteção à criança e ao adolescente

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

CMDCA PROJETOS COOPERAÇÃO CAPELINHA/MG

CMDCA PROJETOS COOPERAÇÃO CAPELINHA/MG PROJETOS COOPERAÇÃO A trajetória da infância e adolescência em Capelinha, ao longo dos anos, teve inúmeras variações, reflexos das diferentes óticas, desde uma perspectiva correcional e repressiva, visando

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

METODOLOGIA & PERFIL

METODOLOGIA & PERFIL Maio2010 JOB 100283 METODOLOGIA & PERFIL Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar um conjunto de informações

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos / / Fique ligado Notícias / Especiais Promenino Fundação Telefônica 10/12/2012 Os desafios da fiscalização do trabalho infantil Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração

Leia mais

COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS

COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS COSTRUINDO FÓRUM SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS: REFLEXÃO E AÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA E QUALIDADE DE VIDA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DO BAIRRO DA IPUTINGA Prof º Geraldo José Marques Pereira ( Coordenador Geral) Prof

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Luis Henrique Paiva Secretário Nacional de Renda de Cidadania Dezembro de 2014 2011-2014: Ciclo de Aperfeiçoamento do PBF e do Cadastro Único

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Juntos somos mais fortes!

Juntos somos mais fortes! Juntos somos mais fortes! Zacharias Jabur Prefeito Municipal Solange Camargo Souza de Oliveira Prado Secretária do Bem Estar Social Caroline Bianchi Dias do Carmo Coordenadora da Casa São Rafael Efren

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS VISÃO Ser referência na região norte na efetivação de políticas sociais que promovam o desenvolvimento regional com inclusão social. MISSÃO Contribuir

Leia mais