PARECER MÉDICO LEGAL SOBRE A TORTURA E MORTE DE RAUL AMARO NIN FERREIRA NOS ANOS DE CHUMBO DR. NELSON MASSINI RIO DE JANEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER MÉDICO LEGAL SOBRE A TORTURA E MORTE DE RAUL AMARO NIN FERREIRA NOS ANOS DE CHUMBO DR. NELSON MASSINI RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 PARECER MÉDICO LEGAL SOBRE A TORTURA E MORTE DE RAUL AMARO NIN FERREIRA NOS ANOS DE CHUMBO DR. NELSON MASSINI RIO DE JANEIRO AGOSTO DE 2014

2 PARECER MÉDICO LEGAL SOBRE A TORTURA E MORTE DE RAUL AMARO NIN FERREIRA NOS ANOS DE CHUMBO. I INTRODUÇÃO PARECERISTA: NELSON MASSINI, médico, CRM , Professor Titular de Medicina Legal da Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ e Ex-Professor Associado da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ e Perito Legista Aposentado da Secretaria de Segurança Publica do Distrito Federal. SOLICITANTES: - Os senhores Rodrigo Nin Ferreira e Miguel Nin Ferreira, irmãos de Raul Amaro; - Os senhores Raul Carvalho Nin Ferreira e Felipe Carvalho Nin Ferreira, sobrinhos, e o pesquisador Marcelo Zelic, do Armazém Memória, coautores de Relatório apresentado à Comissão Nacional e Estadual da Verdade com os resultados de pesquisa realizada em arquivos públicos sobre o caso, que contém diversos documentos novos; - A Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro.

3 OBJETIVO: O presente trabalho visa proceder a uma análise dos documentos médicos e outros, relacionados à tortura e morte de Raul Amaro Nin Ferreira durante a Ditadura Militar, a fim de determinar as circunstâncias em que os fatos ocorreram. II HISTÓRICO Raul nasceu em dois de junho de 1944, estudou engenharia mecânica na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, se formando no final de Na universidade, iniciou seu envolvimento com política, tendo participado de diversas atividades do movimento estudantil. No fim de 1970, começou a trabalhar no Ministério da Indústria e do Comércio. No dia 31 de julho 1971, Raul Amaro saiu com um colega de trabalho do Ministério da Indústria e Comércio, Saididin Denne, e sua esposa, Yone da Silva Denne. Na ida para o restaurante, em Copacabana, eles passaram por uma blitz de soldados do exército. Foram parados, identificados, e seguiram viagem. Na saída do restaurante, quando passaram por Laranjeiras, cerca de uma e meia da madrugada do dia primeiro de Agosto, outra blitz do exército os parou. Os três foram levados presos. Com Yone havia um croqui com um mapa que levava para a casa de Raul de Santa Teresa. Havia, ainda, com Raul três croquis com mapas de ruas de São Paulo, que levavam à casa da irmã de Raul. De acordo com os documentos policias, durante a revista constataram uma contradição entre o endereço de residência de Raul Amaro, que dizia morar na casa dos pais na Gávea, enquanto que com Yone havia sido encontrado um mapa que levava para a casa de Raul de Santa Teresa. Com a equipe do DOPS, Raul foi levado para sua casa da Rua Santa Cristina. Seus pais seguiram as viaturas, mas não puderam entrar na casa. Seu apartamento foi revistado pelos agentes na presença de Raul. Os agentes disseram ter encontrado alguns materiais considerados subversivos, dentre os quais um mimeógrafo, transmissores de rádio e alguns panfletos, os quais o DOPS afirmaria pertencer às organizações MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro) e MURD (Movimento Universitário de Resistência à Ditadura). Cerca de 20:00 horas, a equipe do agente Mario Borges (DOPS) saiu da casa, levando Raul algemado. Perguntado pela mãe de Raul para onde ele estava sendo levado, Mário Borges teria dito que isso era assunto de competência do Exército Nacional. Ainda existe uma incerteza sobre os fatos que ocorreram imediatamente após as 20:00 horas, já que Raul é apresentado ao DOPS apenas às 01:30 do dia 20 de agosto. Pode ser que Raul tenha sido levado diretamente ao DOPS e 1

4 fichado horas depois, mas também é possível que neste momento ele tenha sido levado para um local desconhecido, onde passou por seu primeiro interrogatório 1. Raul passou a madrugada no DOPS, sendo transferido no dia seguinte para o DOI- CODI, na sede do I Batalhão de Polícia do Exército, na Rua Barão de Mesquita na Tijuca. Neste dia à tarde, a mãe de Raul, Mariana Lanari, esteve no DOI-CODI e falou com o Coronel Homem de Carvalho, sendo informada que seu filho não se encontrava no local. É também deste dia o registro de seu segundo interrogatório, de acordo com documentos encontrados no Arquivo Nacional 2. No dia seguinte, portanto no dia em que Raul havia sido encaminhado ao DOI-CODI, Mariana Lanari retornou e tentou novamente falar com o coronel e entregar roupas ao filho. Desta vez, porém, não foi atendida e os objetos que levava não foram recebidos. A justificativa era que Raul não figurava na lista de presos. Porém, Raul não só estava lá, como já fora interrogado e fortemente torturado. Relatos da tortura foram feitos pelo soldado Marco Aurélio Magalhães, que testemunhou a passagem de Raul Amaro pelo DOI-CODI em processo movido pela família 3 e comprovados com a condenação da união em decisão definitiva de A tortura teria começado cerca de 18:00 horas da tarde e seguido até o dia seguinte de madrugada, quando um médico que trabalhava no DOI-CODI (não se sabe se Ricardo Fayad ou Amílcar Lobo), viu o estado de Raul e disse que ou ele era levado às pressas para o Hospital Central do Exército (HCE), ou morreria ali mesmo devido aos ferimentos. Com base nos documentos revelados a partir da divulgação do Relatório Raul Amaro, apresentado em dezembro de 2013, novos documentos sobre o período em que Raul esteve internado no HCE tornaram-se públicos e foram utilizados neste parecer. Foi a partir desses documentos que novas suspeitas sobre as circunstâncias e fatos envolvendo a morte de Raul Amaro surgiram. A sua entrada no HCE ocorreu no dia 4 de agosto de Foi registrada na caderneta nº 6400 da 13ª Enfermaria e foi assinada pelo major-médico Wilson Boia 4. Já no dia 11 de agosto, por ordem do comandante do I Exército, Sylvio Frota, no qual são 1 REGISTRO DO PRIMEIRO INTERROGATÓRIO -1971_08_01-DOI-Declaracao_do_Investigado (1), (2), (3) (Arquivo Nacional. Fundo Serviço Nacional de Informações. ACE 41431/71.) Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p REGISTRO DO SEGUNDO INTERROGATÓRIO _08_02-DOI_IEx- Declaracao_do_Interrogado (Arquivo Nacional, Fundo Serviços Nacional d e Informações - SNI, ACE 41431/71) Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p.61 3 AÇÃO DECLARATÓRIA NO /99, 9a Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro, fls. 216) Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p ENTRADA NO HOSPITAL CENTRAL DO EXÉRCITO - caderneta nº 6400 da 13º Enfermaria _08_04-Hospital_Central_do_Exercito-Entrada (1), (2) Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p.71 2

5 apresentados o Comissário Eduardo Rodrigues e o escrivão Jeovah Silva que vão a este hospital, a fim de interrogarem o preso Raul Amaro Nin Ferreira 5. Sobre o dia 11 de agosto, o Relato de Mariana Lanari sobre a visita ao Hospital Central do Exército afirma que Raul "( ) parecia melhorar, quando dois dias antes de piorar, vomitou biles por dois dias. Na quarta feira dia 11, Raul que não podia andar, conforme informação do enfermeiro, foi levado por ele, amparado, ao banheiro pela manhã e, ao voltar começou uma tosse suspeita. ( ) ao entrarem pela manhã na enfermaria, ouviram um ruído de dispnéa e foram logo ver o Raul que disse ao enfermeiro: - Tireme desse horror, Pedro! - Foi levantada a cama e colocado oxigênio. Não houve, portanto assistência alguma à noite. 6 ". No dia 12 de agosto, o general José Antonio Nogueira Belham encaminhou dois documentos ao Comissário Eduardo Rodrigues conforme entendimentos havidos. O primeiro é um relatório do interrogatório ocorrido no dia 11 de agosto contendo um resumo de todas as declarações dadas por Raul. Neste relatório destaca-se o seguinte trecho, que aponta para a morte de Raul durante o interrogatório: "O marginado se declara aliado do MR-8; em nosso entender pelo material encontrado em seu poder e pelos laços que mantém com Eduardo Lessa Peixoto de Azevedo, Raul Amaro é militante da Organização com vida legal. Não houve tempo para inquiri-lo sobre todo o material encontrado em seu poder. 7 " O segundo é um registro de interrogatório sem precisão de data, ocorrido entre os dias 3 e 10 de agosto, o que aponta para a possibilidade de outro interrogatório ter ocorrido no HCE 8. É também no dia 12 de agosto, às 14 horas, que a mãe de Raul recebe um telefonema do diretor do HCE, informando sobre a morte de seu filho. No seu relato sobre a visita ao Hospital Central do Exército ela escreve: "(...) Tanto no dia da morte quanto no dia da visita, o Diretor do HCE, General Ruben, mostrou-se preocupado em fazer sentir que ele não tinha responsabilidade alguma pela morte, que procurara fazer o melhor, que apenas cumpria ordens ao receber internados sem nome e sem indicações do que ocorrera e disse várias vezes que toda a documentação fôra requisitada pelo Comando do 1º Exército, desculpando-se por não ter o que mostrar porque apenas cumpria ordens, 5 OFÍCIO Nº 360/DOI _08_11-Ministerio_do_Exercito-Oficio_nº_360-DOI Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p.75 6 Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p _08_11-SNI-ARJ- Relatorio_de_Analise-DOI (5) - Arquivo Nacional. Fundo Serviço Nacional de Informações - SNI, ACE / 1971_08_11-SNI-ARJ- (5) - Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p _08_11-SNI-ARJ-Relatorio_de_Analise-DOI (1) / 1971_08_11-SNI-ARJ-Realatorio_de_Analise- DOI (6) / 1971_08_11-SNI-ARJ-Realatorio_de_Analise-DOI (7) 3

6 etc." 9. A certidão de óbito de Raul Amaro aponta que o horário de sua morte foi às 15: Alguns dos documentos analisados neste parecer são de caráter médico legal, mas foram produzidos com o principal objetivo de comprovar que a morte de Raul foi consequência dos maus tratos sofridos enquanto estava sob a guarda do exército brasileiro e do DOPS do Rio de Janeiro. Foram elaboradas e apresentadas no âmbito do processo de reparação movido por Mariana Lanari, com a finalidade de responsabilizar a União pela morte de Raul, comprovando que as marcas de violência apontam para a tortura de Raul Amaro antes de sua morte. Neste parecer procura-se elucidar de que forma aconteceram as violências sofridas por Raul Amaro desde o momento de sua prisão até a sua morte, a partir do conjunto de documentos produzidos sobre o caso até o momento. III DESCRIÇÃO Na elaboração deste parecer foram analisados e anexados os seguintes documentos. Alguns foram trabalhados de forma mais pormenorizada, porém todos fizeram parte da pesquisa e terão comentários sobre a sua pertinência: 1 - Laudo Necroscópico do Serviço Médico Legal do Hospital Central do Exercito, expedido em 12/08/1971 e elaborado pelos Peritos: Guilherme Achilles de Faria Mello Capitão Médico e Rubens Pedro Macuco Janini, médico legista civil e auxiliado pelo escrivão Antônio da Costa Pereira de Brito e presente também o Dr. Luiz Perres Mourelle, Major Médico e Chefe do Serviço Médico Legal. 2 Fichas de entrada de Raul Amaro Nin Ferreira elaboradas pelo Serviço Medicam Legal, em 4/8/1971, e assinada pelo Oficial Wilson Boia, Major Médico. 3 Parecer Médico Legal, assinado pelo ex-professor Celso Cezar Papaleo, Titular de Medicina Forense da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 4 Resposta aos quesitos, elaboradas pelo Professor Celso Cezar Papaleo em 07 de agosto de Depoimento sobre a morte de Raul Amaro Nin Ferreira, dado pelo médico e amigo da família Dr. Alexandre Kalache. 9 Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p Relatório Raul Amaro Nin Ferreira p.77 4

7 6 Laudo Pericial elaborado pelo perito do Juízo Dr. Heitor Gomes Leite, tendo como assistente técnico o Dr. Rubens Pedro Macuco Janine e da autora o Dr. Celso Cezar Papaleo e juntado ao processo da autora Mariana Lanari Ferreira. 7 Carta do Dr. Manoel J. Ferreira à Dom Eugênio Salles em 16 de agosto de Ofício de apresentação n 360/DOI do General BDA Bento José Bandeira de Mello, Chefe do EM/I Ex. ao Diretor do Hospital do Exercito. (complementar) 9 - Relatório Sumário da Seção de Análise do DOI/I Ex. resultado do ultimo interrogatório de Raul Amaro Nin Ferreira. 10 Depoimentos de Marco Aurélio Magalhães na Ação Declaratória nº /99, 9a Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro e no jornal Folha de São Paulo, caderno Política, p. 6, 19 de setembro de Ficha Individual DOPS (Chapa nº 12936) 12 Declaração do Investigado - 01/08/ Declaração do Interrogado - 02/08/ Relatório Sumário da Seção de Análise do DOI / I Ex 15 Relato de Mariana Lanari sobre visita ao Hospital Central do Exército IV DISCUSSÃO Antes de iniciar a análise técnica de cada lesão descrita pelos médicos legistas no Laudo Medico Legal expedido pelo Serviço de Medicina Legal do Hospital Central do Exército, temos que fazer algumas considerações sobre a ação dos instrumentos contundentes bem como os tipos de lesões resultantes. Foi selecionado o instrumento contundente, porque todas as testemunhas afirmam e é do conhecimento publico os métodos de tortura utilizados pelas forças de repressão durante a ditadura militar de 1964 onde o instrumento principal era o contundente. COMENTÁRIO TEÓRICO O perito relata ao longo do item descrição do laudo a presença de diversas manchas identificadas por cor e que para a perfeita compreensão do documento tornasse necessária à explicação da etiologia de tais lesões. Essas lesões são chamadas de equimoses e surgem pela ação de instrumento contundente, isto é, aqueles que possuem uma superfície e atingem o corpo humano com força de pressão ou pressão mais deslizamento. 5

8 As manchas equimáticas surgem porque, com a ação contundente sobre os vasos sanguíneos, eles se rompem e o sangue extravasa para fora dos vasos e se infiltra na malha do tecido no ponto atingido. Essas manchas tem um espectro de cores, denominação essa dada por Legrand du Saulle, às sucessivas alterações cromáticas por que passa uma equimose, da periferia da lesão ao centro, durante o processo de evolução do surgimento a restauração a normalidade. Os diferentes matizes apresentam-se em intervalos variáveis de tempo, de conformidade com as dimensões e localização da equimose, bem como segundo a idade e o grau de robustez da vítima. De um modo geral e aproximativamente, porque cada organismo reage diferentemente, a cronologia média e as tonalidades são as seguintes: Com relação à tabela acima queremos salientar que existem tabelas com descrição de cores com palavras diferentes para se descrever a mesma coisa. As mudanças de cor devem-se as alterações químicas por que passa a hemoglobina, a qual, liberada dos glóbulos vermelhos e infiltrada nos tecidos, transforma-se, sucessivamente, a partir do terceiro dia, em hemossiderina, hematoidina e hematina, que conferem, respectivamente, as colorações azuladas, esverdeada, e amarelada à equimose. 6

9 Com isso, podemos dizer a data em que as lesões foram produzidas e se o individuo apresentar manchas de variadas matizes podemos afirmar com certeza um processo de tortura que foi aplicado em momentos diferentes num determinado período avaliado. As equimoses são lesões típicas de instrumento contundente, além delas temos outras como: eritema traumático; o hematoma; a bossa sanguínea; o edema traumático; as feridas contusas; fraturas e luxações; as roturas viscerais. A classificação dos objetos ao nosso redor e que podem ser utilizados para violência e cuja ação se caracteriza como ação contundente é muito ampla porque, para ser enquadrado como tal, basta que o objeto tenha uma superfície e seja sólido. Qualquer sólido, por conseguinte, embora não constitua, especificamente, instrumento contundente, pode ser considerado como tal, desde que, impulsionado contra o corpo, nele haja causado uma contusão ou ferida contusa. Objetos existem, todavia, que por melhor se prestarem a esse uso, ou por estarem mais à mão, ou, ainda, por serem facilmente manejáveis, com maior frequência causam esses tipos de lesões. São, além dos órgãos naturais de defesa e de ataque (mãos, pés ou patas, cabeça, dentes, garras, chifres, etc.) os objetos com exclusiva finalidade agressiva (açoite, cassetete, palmatória, soqueira, etc.) e os que ocasionalmente suprem essa finalidade (pedra, um pedaço de madeira, uma barra de ferro, utensílios vários de uso domésticos ou profissionais, etc.). O calvário de Raul Amaro Nin teve inicio na madrugada do dia 1 de Agosto de 1971 e durou até o dia 11 de agosto de 1971 ou 12 de agosto de 1971 quando ocorreu sua morte no interior do Hospital Central do Exército, portanto aproximadamente 11 dias, período esse menor do que a cura de uma lesão equimótica que se dá depois do décimo segundo dia. Podemos então concluir com absoluta certeza que as lesões encontradas no cadáver de Raul Amaro, e descritas pelos legistas por cores, guardam uma relação fiel com o momento em que foram produzidas e também a sua localização e frequência com a aplicação de sofrimento físico, o que representa ter havido tortura. A seguir será feita a analise do conteúdo de cada documento que serviu de base para a elaboração do presente parecer, seguindo-se a ordem enumerada no capitulo descrição. 1 - Do Laudo Médico Legal emitido pelo Serviço de Medicina Legal do Hospital Central do Exercito, podemos extrair e discutir os seguintes eventos positivos encontrados no exame do cadáver de Raul Amaro: Do exame externo: 7

10 1 - No lábio inferior em sua metade esquerda pequena mancha azulada. ANÁLISE TÉCNICA: lesão acima descrita é citada como de cor azulada, portanto, com 4 a 6 dias de evolução, e por ação de instrumento contundente, e tendo sido produzida entre os dias 6 e 8 de Agosto. 2 - Manchas irregularmente ovalares, de tonalidades azuis esverdeadas, esparsas pela região esternal, região mamária esquerda, região peitoral direita e hipocôndrio direito. ANÁLISE TÉCNCA: Presença de múltiplas equimoses de cor azul esverdeada em regiões do tórax, indicando que quando morreu essa lesão tinha de 6 a 7 dias de evolução, portanto teriam sido provocadas entre os dias 4 e 6 de Agosto. 3 - Manchas azuis esverdeadas e algumas azuladas de forma irregularmente ovalares nas regiões epigástrica, umbilical, flanco esquerdo, flanco direito, região ínguino-abdominal esquerda e na região ínguino-abdominal direita. ANALISE TÉCNICA: O médico legista descreve múltiplas lesões no abdômen, provocadas em momentos diferentes, sendo algumas esverdeadas, portanto com 6 a 7 dias de evolução e outras azuladas com 4 a 6 dias de evolução, portanto podemos dizer que a lesões azuis- esverdeadas foram provocadas entre os dias 4 e 6 de Agosto e as azuladas entre os dias 6 e 8 de Agosto havendo nesse caso uma superposição de lesões. 4 - Ferida punctória com as características das que são feitas por agulhas de injeção, localizada na fossa ilíaca esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: A paracentese abdominal ou punção peritoneal realiza-se para verificar a causa de ascite (acúmulo de líquido, nos espaços, entre os tecidos e órgãos do abdômen), determinada pelo exame físico ou radiografia, ou na avaliação de pacientes vítimas de trauma abdominal, analisando-se a composição química de uma amostra de líquido. Também se faz para verificar sangramento interno. A punção tem um fim de diagnostico e terapia. 5 - Manchas ovalares pequenas de tonalidade azul-esverdeada, localizada no terço médio da face posterior do antebraço esquerdo. ANÁLISE TECNICA: Essas equimoses provocadas no antebraço são denominadas de lesões de defesa, pois surgem num ato reflexo da vitima ao colocar o antebraço como anteparo de agressão. Veja a ilustração. O Professor Zacharias define assim essas lesões; lesão que resulta do gesto ou atitude de quem procura resguardar-se dos golpes desferidos contra sua pessoa. Pela descrição da cor azul-esverdeada ela ocorreu entre o 6º e 7º dias anteriores a sua morte, portanto nos dias 4 e 6 de Agosto. 8

11 6 - Mancha ovalar azul -esverdeada no dorso da mão esquerda a um nível da segunda articulação metacarpo-falangeana do quinto metacarpeano. ANALISE TÉCNICA: Trata-se também de lesão de defesa, sendo que no dorso das mãos e justamente com a anterior na face posterior dos antebraços, vem em resultado ao gesto instintivo de aparar o golpe dirigido contra o rosto ou o peito; aí são também comuns as feridas de qualquer tipo, além das equimoses. As lesões teriam sido provocadas entre o 6º e 7º dias anteriores a sua morte, portanto nos dias 4 e 6 de Agosto. 7 - Infiltrado hemorrágico sub-ungueal, vermelho escuro no quinto quirodáctilo esquerdo. ANÁLISE TÉCNICA: Essa lesão pode ser de origem traumática por instrumento contundente e não podemos descartar o uso de instrumento de tortura por eletricidade. 8 - A um nível da prega do cotovelo esquerdo, duas feridas punctórias com as características das que são feitas digo feridas por agulhas de injeção rodeadas de manchas azuladas. ANÁLISE TÉCNICA: Trata se de lesões produzidas por agulhas de injeção durante o tratamento e rodeado por manchas azuladas devido à hemorragia provocada durante sua aplicação. 9 - Na região deltoidiana esquerda percebe-se feridas punctórias com as características das que são produzidas por agulha de injeção. 9

12 ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se de lesões por agulha de injeção feita durante o tratamento Feridas punctórias com as características das que são produzidas por agulha de injeção localizadas na região deltoideana direita e na dobra do cotovelo direito. ANÁLISE TÉCNICA: Conforme já referido anteriormente trata-se de lesões de injeções durante o tratamento Ferida cirúrgica transversal suturada com dois pontos com fio de algodão preto no bordo externo do punho direito. ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se de flebotomia feita para o tratamento hospitalar Manchas irregularmente ovaladas de tonalidade azul-esverdeada esparsa pela face posterior dos terços médio inferior do antebraço direito; ao nível do bordo interno do punho direito, no dorso da mão ao nível dos segundo, terceiro e quinto metacarpiano e da primeira falange dos terceiro e quarto quirodáctilos direitos. ANÁLISE TÉCNICA: São manchas inespecíficas que se distribuem por todo o antebraço e mão direita, podendo ser resultado de defesa, algemas, aplicação de outros tipos de tortura e que foram produzidas entre o 6º e 7º dias anteriores a sua morte, portanto entre os dias 4 e 6 de Agosto Extensa mancha vermelha azulada que abrange as faces anterior e externa do terço superior da coxa esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se de uma equimose recente produzida entre um e dois dias antes da morte, resultado de ação contunde, ocorrida entre o dia 10 e 11 de agosto, portanto durante sua internação hospitalar Mancha vermelha azulada irregular na face externa do terço médio da coxa esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se também de equimose recente produzida por ação de instrumento contundente, sendo que pela tonalidade vermelha azulada encontra-se no primeiro ou segundo dia de sua evolução, portanto, as lesões foram produzidas entre os dias 10 e 11 de agosto durante a internação no Hospital Central do Exército. 10

13 15 - Manchas azuladas na face anterior e externa do terço inferiores da coxa esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se de equimoses produzidas entre o quarto e o sexto dias anteriores a sua morte, portanto entre os dias 6 e 8 de agosto Manchas violáceas -azuladas pela face posterior da coxa esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se de equimoses produzidas entre o terceiro e quarto dias anteriores a sua morte, portanto lesões recentes e produzidas durante a internação no Hospital Central do Exército entre os dias 8 e 9 de Agosto Mancha azulada na face externa do joelho e face externa do terço superior da perna esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se de equimoses produzidas entre quatro e seis dias anteriores a sua morte, portanto entre os dias 6 e 8 de Agosto Mancha de tonalidade azulada na face anterior dos terços médio da perna esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se de equimoses produzidas entre o quarto e sexto dia anteriores a sua morte, portanto entre os dias 6 e 8 de Agosto Mancha de tonalidade azul esverdeada no terço inferior da perna esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: Trata-se de equimose produzida entre o sexto e sétimo dia de sua morte, portanto nos dias 4 e 6 de Agosto Mancha vermelha azulada pela face posterior da perna esquerda. ANÁLISE TÉCNICA: Equimose recente, produzidas no primeiro ou segundo dia de sua morte, portanto entre o dia 10 e 11 de agosto durante a internação o Hospital Central do Exército Dorso do pé esquerdo percebe-se ferida punctoria com as características das que são feitas por agulha de injeção rodeada de mancha azulada em trajeto venoso. ANÁLISE TÉCNICA: Lesão por agulha de injeção feita durante o tratamento Manchas azuladas e esparsas pela face externa dos terços superior, médio, inferior da coxa, na face ántero-interna dos terços médio e inferior da coxa direita e do joelho direito. ANÁLISE TÉCNICA: Equimoses produzidas a entre o quarto e sexto dia anteriores a sua morte, portanto entre os dias 6 e 8 de Agosto Face externa do terço superior da perna direita mancha ovalada de tonalidade azul esverdeada na face anterior do terço médio da perna direita. ANÁLISE TÉCNICA: Equimose produzida no entre o sexto e sétimo dia anterior a sua morte, portanto entre os dias 4 e 6 de Agosto. 11

14 24 - Manchas azuladas pela face posterior da coxa, joelho e terços superior e médio da perna direita. ANÁLISE TÉCNICA: Equimose produzida no entre quatro e seis dias anteriores a sua morte, portanto entre os dias 6 e 8 de agosto Ferida cirúrgica suturada com dois pontos de algodão preto, localizada na face ántero-interna do tornozelo direito, com as características das que são feitas na prática de flebotomia. ANÁLISE TÉCNICA: Flebotomia durante o tratamento hospitalar O dorso do cadáver mostra pequenas manchas vermelho azuladas na parte externa da região lombar direita. ANÁLISE TÉCNICA: Equimoses recentes produzidas no primeiro e segundo dia anteriores a sua morte, portanto nos dias 10 e 11 de agosto durante a internação no Hospital Central do Exército. Do exame interno: Cavidade craniana: A face profunda do couro cabeludo apresenta áreas de infiltração hemorrágica em sua parte média; ANÁLISE TÉCNICA: Infiltrado devido às lesões por ação de instrumento contundente na cabeça. 2 - Os músculos temporais têm cor parda avermelhada. ANÁLISE TÉCNICA: Infiltrado hemorrágico de tortura recente entre um e dois dias antes da morte, portanto dentro do Hospital Central do Exército. 3- O encéfalo mostra pequeno achatamento das circunvoluções com discreto apagamento dos sulcos e aos cortes mostra aumento de brilho das superfícies; ANALISE TÉCNICA: Evidencias de edema cerebral que tem ralação com trauma crânio devido à ação contundente sobre a cabeça. 4- Os ventrículos encefálicos tem líquido claro. ANÁLISE TÉCNICA: Edema cerebral. 5- Bulbo, cerebelo e protuberância com aumento de brilho aos cortes; ANÁLISE TÉCNICA: Edema cerebral. Cavidade tóraco abdominal. 6- Nota-se fratura das nona e décima costelas direitas sem infiltração hemorrágica; 12

15 ANÁLISE TÉCNICA: Fratura sem infiltração hemorrágico podendo ser de manobra de ressuscitação. 7- As cavidades pleurais contém discreta quantidade de líquido amarelado. ANÁLISE TÉCNICA: edema de pulmão. 8 - Os pulmões têm pleura lisa e brilhante, não revelam lesões, mostram petéquias subpleurais; ANÁLISE TÉCNICA: Edema de pulmão e sinais de sofrimento respiratório. 9 - As pleuras estão pesadas, com superfície de corte vermelho brilhante dando pela expressão saída a grande quantidade de líquido rosado arejado; ANÁLISE TÉCNICA: Edema de pulmão A abertura dos ramos das artérias pulmonares não mostra êmbolos; ANÁLISE TÉCNICA: Negativa para embolia pulmonar O saco pericárdico está integro; contém líquido amarelo citrino em quantidade normal. ANÁLISE TÉCNICA: indicativo de infarto do miocárdio O pericárdio é brilhante; ANÁLISE TÉCNICA: sem anormalidades O coração tem tamanho normal e a secção dos vasos da base dá saída, a sangue líquido e coagulado; 13

16 ANÁLISE TÉCNICA: sem anormalidades Os cortes do coração revelam no miocárdio septo interventricular área de infiltrado hemorrágico vermelho esmaecido; ANÁLISE TÉCNICA: infarto do miocárdio O endocárdio tem aspecto normal, as emergências da aorta e artéria pulmonar vão mostrar placas amarelas na íntima da aorta; ANÁLISE TÉCNICA: arteriosclerose A abertura das auricoletas vem revelar a presença de trombos aderidos e pediculados no interior das mesmas coronárias tem placas de tonalidade amarela na superfície interna ANÁLISE TÉCNICA: indicativa de infarto do miocárdio O fígado tem tamanho normal com duas pequenas zonas azul esverdeada no bordo anterior com parênquima íntegro a este nível, cortes do fígado não mostram alterações do parênquima; ANÁLISE TÉCNICA: lesão traumática do fígado por ação contundente Percebe-se pequena infiltração hemorrágica no mesentério de tonalidade avermelhada, ANÁLISE TÉCNICA: ação traumática recente por instrumento contundente No músculo ilíaco direito nota-se pequeno infiltrado hemorrágico, os órgãos do pescoço não mostram lesões violentas e percebe-se na luz da traqueia líquido claro arejado; ANÁLISE TÉCNICA: lesão traumática por ação contundente. O exame histopatológico de 19/08/1971 tem o seguinte resultado: 20 - Fígado esteatose hepática aguda com necrose e hemorragia centro-lobular. ANÁLISE TÉCNICA: lesão traumática por ação contundente Encéfalo aumento dos sulcos perivasculares e pericelulares. ANÁLISE TÉCNICA: edema cerebral Edema. Pulmão presença de material branco amorfo eosinófilo nos espaços alveolares e inúmeros macrófagos repletos de pigmento acastanhado (células cardíacas). ANÁLISE TÉCNICA: edema cerebral. 14

17 23 - Um dos cortes extensa área de hemorragia intraalveolar e edema com discreta exsudação leucocitária. ANÁLISE TÉCNICA: infarto agudo do miocárdio Os septos alveolares apresentam grau variável de necrose. : - edema: infarto pulmonar recente. ANÁLISE TÉCNICA: edema pulmonar Rim: apresenta na cortical pequena deformação de forma triangular com base na periferia onde há necrose maciça das estruturas tubulares e glomerulares com infiltração hemorrágica e leucocitária do interterstício. ANÁLISE TÉCNICA: lesão traumática Infarto recente Um dos cortes do miocárdio revela extensa área onde há infiltração hemorrágica intersticial e as fibras miocárdicas tem contornos pouco precisos, sem citoplasma é homogêneo, eosinófilo, sem estriação longitudinal e os núcleos estão ausentes ou cariólise. ANÁLISE TÉCNICA: infarto do miocárdio Infarto do miocárdio. ANÁLISE TÉCNICA: Apesar de algumas dúvidas não terem sido esclarecidas pelo laudo, pelos dados apresentados é possível se aceitar como causa da morte o infarto agudo do miocárdio. Respostas dos peritos aos quesitos da forma seguinte: 28 - Ao primeiro e ao segundo, Infarto do Miocárdio edema pulmonar Enfarto Pulmonar Edema Encefálico Estase Hepática aguda (Doença); ANÁLISE TÉCNICA: O primeiro quesito; Houve morte. E o segundo Qual o meio que ocasionou nesta resposta houve a indicação de infarto do miocárdio, o qual não é possível à contestação com os elementos anatomopatológicos indicados no laudo Ao terceiro não ao quarto, como doença, sim; ANÁLISE TÉCNICA: O terceiro quesito pergunta se foi ocasionada por veneno, substancia anestésica ou asfixia. E o médico diz NÃO, tendo sido omitido desse quesito a palavra tortura. E ao quarto quesito que pergunta se a lesão observada por sua natureza e sede, foi causa eficiente da morte responde que sim e afirma como doença numa clara manipulação das respostas tendo em vista que tudo o que foi descrito indica a utilização de violência Aos quinto, sexto, sétimo e oitavo, prejudicado. 15

18 ANÁLISE TÉCNICA: O quinto quesito diz se a constituição ou estado mórbido concorreram para tornar a lesão irremediavelmente mortal. O sexto: se a morte resultou das condições personalíssimas do ofendido. O sétimo: se a morte sobreveio não porque o golpe fosse mortal, mas por ter o ofendido deixado de observar o regime médico e higiênico reclamado pelo seu estado. O oitavo: se a morte foi ocasionada por imprudência, negligência ou imperícia na arte ou profissão do acusado. A todos esses quesitos a resposta foi prejudicado. 2 Fichas de entrada de Raul Amaro Nin Ferreira elaboradas pelo Serviço Medicam Legal, em 4/8/1971, e assinada pelo Oficial Wilson Boia, Major Médico. 1 - Mancha rosada no pavilhão auricular esquerdo. ANÁLISE TÉCNICA: Equimose recente produzida no dia anterior ou no próprio dia da internação entre três e quatro de Agosto. 2 - Manchas róseo-violáceas irregulares na região peitoral esquerda, epigástrica, flancos, região umbilical, braço, antebraço, terceiro, quarto e quinto quirodáctilos direitos. ANÁLISE TÉCNICA: Múltiplas equimoses produzidas entre um e dois dias da data da internação, portanto entre os dias 2 e 3 de agosto. 3 - Pequena tumefação no dorso da mão direita. ANÁLISE TÉCNICA: Edema traumático recente produzido entre os dias 2 e 3 de agosto. 4 - Áreas de manhas róseas violáceas esparsas nas coxas, dorso da mão direita. ANÁLISE TECNICA: Equimoses recentes produzidas entre o primeiro e segundo dia anteriores a internação, ou seja, entre os dias 2 e 3 de agosto. 5 - Áreas de manchas róseas violáceas esparsas nas coxas, joelhos, perna direita e regiões lombares. ANÁLISE TÉCNICA: Equimoses recentes produzidas por instrumento contundente que revelam terem sido produzidas um ou dois dias antes da internação, portanto entre os dias 2 e 3 de agosto. 6 - Movimentos dos quirodáctilos e punhos normais. ANÁLISE TÉCNICA: Sinal de movimento normal apesar de lesão contundente assinalada anteriormente. 7 - Movimentos do membro inferior direito com limitação pela dor. ANÁLISE TÉCNICA: Dor indicando trauma recente. 16

19 3 Parecer Médico Legal, assinado pelo ex-professor Celso Cezar Papaleo, Titular de Medicina Forense da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Trata-se de documento médico legal solicitado pelo advogado Sérgio Bermudes. Nele o professor Papaleo questiona o auto de necropsia, que, em sua opinião, contém informações relevantes sobre as lesões de Raul Amaro, mas silencia sobre aspectos importantes do trabalho pericial: Dão explicação à morte investigada, mas não se pronunciam satisfatoriamente. Houve enfarte comprova-se em vários órgãos, além de edema cerebral. Qual sua etiopatogenia, sua causalidade? Onde os dados clínicos que encaminhariam análise de hipóteses interpretativas, indispensáveis à discussão que possibilitasse total esclarecimento? Ainda uma indagação, que deveriam ter formulado e respondido, para melhor caracterizarem rigor pericial, nunca dispensável, mas, pelo contrário, da maior respeitabilidade: não podem traumatismos físicos e traumas emocionais desencadear tais situações orgânicas? Que houve com RAUL AMARO NIN FERREIRA em seus últimos dias ou derradeiras horas de vida? Por que a respeito emudeceu o hospital? Permanece de pé severa interrogação, que os peritos deveriam ter diligenciado em responder. Cabe, por consequência, admitir, em termos de contestação, que o auto de necrópsia não proporciona plena e rigorosa explicação médico-legal do caso que descreve, pois, em parte relevante, apenas registra fatos, sem, apesar da sua insofismável importância, lhes conferir mesmo elementar explicação pericial.. 4 Resposta aos quesitos, elaboradas pelo Professor Celso Cezar Papaleo em 07 de agosto de O professor Papaleo, no âmbito do processo de reparação movido por Mariana Lanari, também confirma a existência de marcas de violência que apontam para a tortura de Raul Amaro antes de sua morte. Certamente as profusas e numerosas equimoses, devidamente descritas, atestavam no cadáver a ocorrência, quando vivo o autopsiado, de agressões sérias praticadas com instrumentos contundentes. O número, a extensão e a disseminação das lesões todas elas comprovam que o autopsiado, quando vivo, sofreu violências particularmente graves. A diversidade cromática dessas equimoses constituía, com certeza, elemento de prova de sua produção em vida. 5 Depoimento sobre a morte de Raul Amaro Nin Ferreira, dado pelo médico e amigo da família Dr. Alexandre Kalache. O médico Alexandre Kalache, a pedido da família de Raul Amaro, foi uma das primeiras pessoas a ter acesso ao corpo, ainda na mesa onde havia sido realizada a autópsia no Hospital Central do Exército. Os comentários em seu depoimento questionam a morte por infarto do miocárdio de um adulto, principalmente considerando a inexistência de antecedentes pessoais. Afirma também que as equimoses e hematomas observados não poderiam ser explicados por um quadro de insuficiência coronariana aguda. Em sua opinião tais equimoses e hematomas estariam ligadas à morte de Raul, não por infarto do miocárdio, mas pelo desprendimento de um êmbolo que poderia ter levado a um processo trombo-embolítico profundo de localização nos membros inferiores. O desprendimento de um êmbolo assim formado poderia levar a 17

20 um episódio de embolia pulmonar desde que tal êmbolo fosse levado para corrente circulatória até os vasos pulmonares; embolia pulmonar é um processo agudo e frequentemente fatal. Trata-se de um depoimento que atesta que a morte de Raul Amaro é ligada aos maus-tratos sofridos no seu período de prisão, não podendo ser explicadas tão somente pela hipótese de infarto. 6 Laudo Pericial elaborado pelo perito do Juízo Dr. Heitor Gomes Leite, tendo como assistente técnico o Dr. Rubens Pedro Macuco Janine e da autora Mariana Lanari Ferreira juntado ao processo da autora. Trata-se de laudo pericial elaborado pelo Dr. Heitor Gomes Leite no âmbito do Processo , movido pela mãe de Raul, Mariana Lanari Ferreira, em face da União Federal. 7 Carta do Dr. Manoel J. Ferreira à Dom Eugênio Salles em 16 de agosto de O médico Dr. Manoel J. Ferreira, tio-avô de Raul Amaro, presente em parte da necropsia, enviou uma carta a Dom Eugênio Salles em 16 de agosto de 1971 na qual também confirma a existência de indícios de tortura, além de questionar a causa da morte de Raul. Afirma Completando o exame cadavérico foram constatadas extensas áreas de equimose, abrangendo a quase totalidade das faces internas e externas de ambas as coxas especialmente à esquerda em que a vasta equimose se apresentava como a de um hematoma. As pernas eram também abundantemente marcadas por múltiplas equimoses que pela sua extensão e múltiplas localizações não me deixaram a menor duvida de que tinham sido consequência de sevícias e pancadas propositadamente produzidas.. Ao questionar a causa mortis escreve que: não tenho duvida em concluir que a causa mortis foi decorrente de um edema agudo do pulmão, cuja causa determinante não tenho meios de concluir, e que o corpo foi submetido a violências cuja relação com o edema agudo não me é lícito estabelecer porque também não tive acesso à papeleta de tratamento e diagnóstico cujos elementos talvez pudessem prestar algum esclarecimento.. 8 Ofício de apresentação n 360/DOI do General BDA Bento José Bandeira de Mello, Chefe do EM/I Ex. ao Diretor do Hospital do Exercito. O documento tem data de 11 de agosto de Por ordem do comandante do I Exército, Sylvio Frota, o ofício é encaminhado ao diretor do HCE, no qual se apresenta o Comissário Eduardo Rodrigues e o escrivão Jeovah Silva que vão a este hospital, a fim de interrogarem o preso Raul Amaro Nin Ferreira. A utilização da violência pelos dois na condição de interrogadores de Raul justifica os hematomas e equimoses mais recentes observados no Laudo Médico Legal emitido pelo Serviço de Medicina Legal do Hospital Central do Exercito. 9- Relatório Sumário da Seção de Análise do DOI/I Ex. resultado do ultimo interrogatório de Raul Amaro Nin Ferreira. 18

21 A partir deste documento datado de 11 de agosto de 1971 confirma-se que o interrogatório do próprio dia 11 de fato aconteceu. A utilização da violência pelos interrogadores não só explica as lesões mais recentes no Laudo Médico Legal emitido pelo Serviço de Medicina Legal do Hospital Central do Exercito, mas a presença do texto Não houve tempo para inquiri-lo sobre todo o material encontrado em seu poder." Aponta para a piora na saúde de Raul que resultou na sua morte, entre os dias 11 e 12 de agosto de Depoimentos de Marco Aurélio Magalhães na Ação Declaratória nº /99, 9a Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro e no jornal Folha de São Paulo, caderno Política, p. 6, 19 de setembro de Raul Amaro foi visto no I Batalhão da PE, onde funcionava o DOI-CODI, pelo exsoldado Marco Aurélio Magalhães, no dia em que foi transferido ao hospital. Assistiu desde a sua condução para a cela até a sua agonia, de madrugada, e a sua remoção de ambulância para o HCE. No seu depoimento jornal Folha de São Paulo, afirma que O Raul apanhou basicamente de coturno. Levou muito chute, muita pancada., e que já não tinha mais condições de andar e estava enrolado numa manta. Chegou um oficial médico que eu já tentei desesperadamente puxar pela minha memória para me lembrar se foi o Lobo (Amílcar) ou o Fayad, mas não me recordo, e disse que ele tinha de ser levado para o HCE porque estava nas últimas, estava morrendo. São as lesões desse interrogatório sob tortura que podemos evidenciar na análise da Ficha de entrada de Raul Amaro Nin Ferreira elaboradas pelo Serviço Medico Legal, em 4/8/ Ficha Individual DOPS (Chapa nº 12936) Documento da entrada de Raul Amaro no DOPS após prisão. 12 Declaração do Investigado, 01/08/1971 Registro do primeiro interrogatório de Raul Amaro. 13 Declaração interrogado 02/08 Registro do segundo interrogatório de Raul Amaro. 14 Relatório Sumário da Seção de Análise do DOI / I Ex Documento encaminhado pelo general José Antonio Nogueira Belham apresentando dois documentos: um relatório do interrogatório ocorrido no dia 11 de agosto e um registro de interrogatório sem precisão de data, provavelmente ocorrido entre os dias 3 e 10 de agosto. 15 Relatório - Mariana Lanari Ferreira Relatório sobre a visita ao Hospital Central do Exército ocorrida no dia 12 de agosto escrito pela mãe de Raul Amaro. 19

22 20

23 V CONCLUSÕES 1 As lesões corporais encontradas no corpo de Raul Amaro Nin Ferreira são lesões, que classificadas pela coloração de acordo com espectro esquemático de Legrand Du Salle, se concentram em três momentos diferentes: A Entre o dia 2 de Agosto a partir das 18 horas até as primeiras horas do dia 4 de Agosto (DOI-CODI). B Entre os dias 6 e 8 de Agosto. Com a vítima internada no Hospital Central do Exército. C Entre os dias 10 e 11 de Agosto com o paciente internado no Hospital Central do Exército, tendo como consequência a morte de Raul Amaro Nin Ferreira. 2 Existe uma diferença de quantidade e tipos de lesões descritas entre o exame feito na admissão no Hospital Central do Exército e as descritas no exame cadavérico que são em maior número do que as que constam do exame admissional. 3 Podemos afirmar que parte das lesões foi produzida em datas relacionadas ao período de internação no Hospital Central do Exército. 4 - As lesões foram produzidas por instrumento contundente. 5 Por suas características como tipo, frequência e localização, são classificadas como oriundas de um processo de sofrimento físico (TORTURA). 6 Houve clara omissão nas conclusões do laudo cadavérico em relação à tortura e a não vinculação do trauma sofrido com o infarto do miocárdio. Nelson Massini PARECERISTA Médico - CRM Felipe Carvalho Nin Ferreira Colaborador Pedro Antonio Sarno Bomfim Colaborador 21

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

Ref: Tortura e subseqüente morte de Chan Kim Chang, Rio de Janeiro, Brasil

Ref: Tortura e subseqüente morte de Chan Kim Chang, Rio de Janeiro, Brasil Oficio nº JG/RJ 129/03 Rio de Janeiro, 23 de setembro de 2003 Exmo. Sr. Theo C. van Boven Relator Especial da ONU sobre Tortura Centro de Direitos Humanos das Nações Unidas Palácio Wilson Genebra, Suíça

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 7331/2014 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO PERITO E DO AUXILIAR DE NECROPSIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ AJAX NOGUEIRA QUEIROZ

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL. Preâmbulo. Ao primeiro dia do mês de outubro do ano de 2008, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 18ª Vara Cível da Comarca de São

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

DECISÃO DE ARQUIVAMENTO

DECISÃO DE ARQUIVAMENTO PA nº 1.26.000.002268/2007-07 DECISÃO DE ARQUIVAMENTO À DTCC O procedimento administrativo em epígrafe foi instaurado no âmbito desta Procuradoria da República, para apurar notícia de irregularidades no

Leia mais

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS

CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS CAPÍTULO 28 CATÁSTROFES OU ACIDENTES COM MULTIPLAS VÍTIMAS 1. Introdução Pela Organização Mundial de Saúde, catástrofe é um fenômeno ecológico súbito de magnitude suficiente para necessitar de ajuda externa.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MEDIO MARIO QUINTANA REDAÇÃO PROFª ALINE NEUSCHRANK

ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MEDIO MARIO QUINTANA REDAÇÃO PROFª ALINE NEUSCHRANK ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MEDIO MARIO QUINTANA REDAÇÃO PROFª ALINE NEUSCHRANK ÁLBUM DESCRITIVO NOME: TURMA: DATA DE ENTREGA: 02/05/08 INTRODUÇÃO Este trabalho está sendo desenvolvido no Projeto de

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL. Preâmbulo. Aos trinta dias do mês de janeiro do ano de 2009, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 5.ª Vara Cível Regional de Santa

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Marcelo c. m. pessoa

Marcelo c. m. pessoa Marcelo c. m. pessoa CRM 52670502 CIRURGIA PLASTICA INFORMAÇÕES SOBRE TRATAMENTO MÉDICO-ESPECIALIZADO SOLICITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO PARA TRATAMENTO Eu, identidade número expedida por, solicito e autorizo ao

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Quando o sangue forma massas de coágulos dentro dos vasos, essas massas recebem o nome de trombos. Frequentemente os trombos são friáveis, ou seja,

Quando o sangue forma massas de coágulos dentro dos vasos, essas massas recebem o nome de trombos. Frequentemente os trombos são friáveis, ou seja, 1 Prezado paciente Se você está em tratamento com anticoagulante oral, saiba que essa substância é muito eficaz para prevenir a ocorrência de tromboses e embolias, que são complicações sérias resultantes

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis Este caderno de informação foi

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Pedro e Lucas estão sendo tratados com. Profilaxia

Pedro e Lucas estão sendo tratados com. Profilaxia Pedro e Lucas estão sendo tratados com Profilaxia Este livreto foi planejado para crianças com hemofilia que estejam prestes a iniciar profilaxia, ou que estejam considerando iniciá-la no futuro. Esperamos

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

N DO. Bairro Distrito/ Povoado Telefone. mãe pai irmão(ã) outro. chás comprimidos sonda coquetéis injetáveis não sabe

N DO. Bairro Distrito/ Povoado Telefone. mãe pai irmão(ã) outro. chás comprimidos sonda coquetéis injetáveis não sabe MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Formulário 1 Autópsia verbal Criança menor de um ano AV1 Ficha de Investigação de Óbito Infantil Complemento

Leia mais

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Sistema Circulatório I Coração e Circulação Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definição

Leia mais

Como funciona o coração?

Como funciona o coração? Como funciona o coração? O coração é constituído por: um músculo: miocárdio um septo duas aurículas dois ventrículos duas artérias: aorta pulmonar veias cavas: inferior superior veias pulmonares válvulas

Leia mais

NOME. Fichas de Estudo

NOME. Fichas de Estudo NOME Fichas de Estudo O ESQUELETO OS OSSOS Conhecer a constituição dos ossos, como se formam As partes duras que o homem tem no interior do seu corpo chama-se ossos. O conjunto de todos os ossos forma

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL. Preâmbulo. Aos dezesseis dias do mês de setembro do ano 2002, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da X.ª Vara Cível da Comarca de São

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Como administrar Nebido com segurança (ampolas)

Como administrar Nebido com segurança (ampolas) Como administrar Nebido com segurança (ampolas) Informação para profissionais de saúde Este folheto fornece informações sobre certos aspetos da administração de Nebido, a fim de ampliar o seu conhecimento

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO Acórdão 10a Turma RECURSO ORDINÁRIO. DOENÇA PROFISSIONAL. AUSÊNCIA DO NEXO DE CAUSALIDADE. PROVA PERICIAL. Para se reconhecer a doença profissional, o que é possível mesmo após a ruptura do contrato, ainda

Leia mais

Sistema circulatório. Coração e generalidades

Sistema circulatório. Coração e generalidades Sistema circulatório Coração e generalidades Sistema Circulatório Coração propulsão do sangue Vasos centrípetos veias e linfáticos: condução Vasos centífugos artérias: condução Capilares: trocas Função:

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Trauma do Sistema Nervoso Central

Trauma do Sistema Nervoso Central Trauma do Sistema Nervoso Central Técnica WWW.FISIOKINESITERAPIA.BIZ Fraturas A demonstração de uma fratura em imagens do crânio indica que foi aplicada uma força significativa à abóboda boda óssea. Entretanto,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

ANEXO 1. Aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP-UNIFESP)

ANEXO 1. Aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP-UNIFESP) 94 95 96 97 ANEXO 1 Aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP-UNIFESP) 98 99 Anexo 2 Termo de consentimento livre e esclarecido Consentimento informado para realização de Estudo Eletrofisiológico e

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e CREMEPE

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

Criança de quatro anos precisa de doador de medula óssea em Tietê, SP

Criança de quatro anos precisa de doador de medula óssea em Tietê, SP Criança de quatro anos precisa de doador de medula óssea em Tietê, SP Andressa com a filha no colo (Foto:Arquivo pessoal) Uma adolescente de 16 anos, moradora do Jardim América, na Zona Norte do Rio de

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10

Δt 16 2 14 μs 14 10. A distância percorrida (d) nesse intervalo de tempo é igual a duas vezes a espessura (e) da artéria. Assim: v Δt 1500 14 10 Thyaggo Raphaell 1. Baseado nas propriedades ondulatórias de transmissão e reflexão, as ondas de ultrassom podem ser empregadas para medir a espessura de vasos sanguíneos. A figura a seguir representa

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Residência Médica em Medicina Legal

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Residência Médica em Medicina Legal Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Programa de Residência Médica em Medicina Legal 1) Objetivos do programa O principal objetivo da Residência em Medicina Legal é a formação de especialistas

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA., declara(m), para todos os fins legais, que:

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA., declara(m), para todos os fins legais, que: TERMO DE CONSENTIMENTO PARA MIELOGRAMA e/ou BIÓPSIA DE MEDULA ÓSSEA O (a) paciente, declara(m), para todos os fins legais, que:, ou seu responsável 1) Fui informado(a) pelo médico que as avaliações e os

Leia mais

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana A Declaração de Óbito Consa. Maria Madalena de Santana APRESENTAÇÃO CAMPO I IDENTIFICAÇÃO INDISPENSÁVEL! CAMPO II RESIDÊNCIA CAMPO III OCORRÊNCIA CAMPO IV FETAL OU MENOR QUE 1 ANO CAMPO V CONDIÇÕES E

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO

A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Delegacia Regional de Ribeirão Preto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA São Joaquim da Barra, 09/04/2015 Declaração

Leia mais

CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS

CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS UM COMPROMISSO COM A VIDA CARTILHA DO PACIENTE PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS AMBULATÓRIO DE DOENÇA DE CHAGAS UNIDADE DE INSUFICIÊNCIA CARDÍACA UNIDADE DE

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

RESPOSTAS RECEBIDAS PRIMEIRO DESAFIO TORNEIO VIRTUAL DE BIOLOGIA 2015 ORDEM EMBARALHADA. PARA SIMPLES CONFERÊNCIA.

RESPOSTAS RECEBIDAS PRIMEIRO DESAFIO TORNEIO VIRTUAL DE BIOLOGIA 2015 ORDEM EMBARALHADA. PARA SIMPLES CONFERÊNCIA. RESPOSTAS RECEBIDAS PRIMEIRO DESAFIO TORNEIO VIRTUAL DE BIOLOGIA 2015 ORDEM EMBARALHADA. PARA SIMPLES CONFERÊNCIA. Tendo em vista as características apresentadas, o motociclista pode ter sido vítima de

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 1) O que é a Resolução Normativa - RN 259/268? A RN 259, alterada pela RN 268, com vigência a partir do

Leia mais