COTHN. balanço da campanha pomoideas relatório. Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional. 1. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COTHN. balanço da campanha pomoideas 2009. relatório. Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional. 1. Introdução"

Transcrição

1 pomoideas Introdução O workshop Balanço da Pomoideas 2009, teve lugar, Relatório no dia 2 de Dezembro, pelas 9.45 horas no auditório do Centro de Actividades para a Fruticultura em Alcobaça. A organização do Balanço da campanha esteve a cargo do Centro Operativo Tecnológico (), contando com o apoio da Associação Nacional de Produtores de Pêra Rocha (ANP), da Associação de Produtores de Maçã de Alcobaça (APMA) e da Cooperativa Agrícola de Mangualde. O Balanço da Campanha das Pomoideas 2009 teve como objectivo analisar a campanha de produção de 2008/09, que culminou com a colheita realizada no Verão de 2009.Depois de uma breve exposição sobre a campanha da produção da maça a nível europeu e do Hemisfério Norte e Sul (com referência nos dados disponibilizados pela Prognosfruit) realizado pelo, realizou-se uma breve análise da produção de maça a nível da região Oeste realizada pela Eng.ª Susana Costa da APMA, que fez referencia ao universo dos seus associados e da apresentação realizada pelo Eng.º Frederico Carvalhão da Cooperativa Agrícola de Mangualde, que apresentou os resultados da produção dos seus associados. Relativamente à produção de Pêra foi igualmente realizada uma panorâmica a nível europeu, do Hemisfério Norte e Sul, com base nos dados disponibilizados pelo Prognosfruit (previsões de produção em Maio de 2009), realizada pelo, seguida da apresentação da produção de pêra rocha a nível nacional, pela Eng.ª Joana Arroz da ANP. A moderação do debate com os vários técnicos das organizações de produtores presentes esteve a cargo do Eng.º Rui de Sousa do Centro de Actividades para a Fruticultura do INRB, I.P. 2. Balanço da Campanha da Maça Balanço da Produção de Maçã a Nível Comunitário 2009 Quadro 1 Produção de maçã por país na EU27 Como resumo apresentam-se as principais conclusões relativamente à produção na Comunidade Europeia (quadro 1) A produção de maças na Europa diminuiu em cerca de 7%, relativamente ao ano passado, essencialmente devido à quebra de produção da Polónia; A produção de 2009 foi de Mt, o que significa que comparando com as últimas 3 campanhas, regista-se uma diminuição na ordem dos 4%; Em termos de área geográfica os países do oeste europeu registaram uma quebra de produção na ordem de 1%, enquanto que a Europa de Leste registou uma quebra de 16%; Relativamente às cultivares, apresenta-se no quadro 2 a evolução ocorrida nas últimas campanhas: 1

2 Estrada deleiria, Leiria S/N, Estrada de AlcobaçaAlcobaça Telef: Telef: Quadro 2 Produção de maçã por variedade na Eu27 Relatório 2.2. Balanço da Produção de Maçã a nível do hemisfério Norte e Sul 2009 No Hemisfério Norte registou-se igualmente uma diminuição da produção relativamente ao ano de A China registou um decréscimo na ordem dos 10%, enquanto no EUA o decréscimo foi de 5% (quadro 3). Em outros países como a Rússia, Ucrânia, Suiça, a produção aumentou em 7%, 6% e 9% respectivamente. Quadro 3 Produção de maçã por país (Extra EU) Do quadro destacam-se os seguintes aspectos:? A Golden Delicious continua a ser a variedade com mais representatividade (22% da produção total de maça), no entanto na campanha de 2009 a Golden registou um decréscimo de 4% ( Mt);? A cultivar Gala, que representa actualmente 10% da produção total de maça, registou sensivelmente a mesma produção na ordem dos Mt;? A Jonagold que representa 6% da produção total, registou um decréscimo de 14% ( Mt);? A Red Delicious que representa igualmente 6% do total da produção, registou uma quebra de 11%. No Hemisfério Sul destacam-se os seguintes Países: Quadro 4 Produção de maçã por país (Hemisfério Sul) 2

3 2009 A produção (quadro 4) registou um aumento de 4%, relativamente ao ano de 2008 ( MT). Relatório 2.3. Balanço da Produção de Maça na Região Oeste 2009 Os dados apresentados pela Associação Produtores de Maça de Alcobaça dizem respeito ao universo dos seus associados: Campotec S.A, Casa Agrícola Ribeiros, SAG, Cooperafrutas, CRL, Frubaça, CRL, Frutalvor, CRL, Fruticordeiro, Lda, Frutus, CRL, Granfer, CRL, JDR & Filhos, Lda, Lusofruta, CRL, Narfrutas, CRL, Obirocha, CRL, QM Frutas, SAG. Em termos de produção da campanha de 2009, apresenta-se o gráfico 1: Gráfico 1 Produção de maçã dos associados da APMA por variedade (Ton): Gráfico 2 Produção de maçã dos associados da APMA no ultimo triénio Constata-se pela observação do gráfico 2 que a produção tem sido crescente, nos últimos 3 anos. Relativamente às cultivares, foram apresentados os dados recolhidos nesta campanha, comparando a evolução de cada uma desde 2007 (gráfico 3): Gráfico 3 Evolução da produção de maçã dos associados da APMA por variedade (T) O total da produção foi estimado em Toneladas. Foi apresentado igualmente a evolução da produção no último triénio, gráfico 2: Como conclusão e comparando com a campanha de 2008, destacam-se os seguinte aspectos: - É ligeiramente superior em quantidade ± 10% - A qualidade é boa (devido à colheita ser 3

4 Estrada deleiria, Leiria S/N, Estrada de AlcobaçaAlcobaça Telef: Telef: efectuada maioritariamente sem chuva) Calibre ligeiramente inferior Consistência poderá ser menor (+ fruta = colheita prolongada = Lotes < consistência) Apela-se á monitorização permanente da dureza Relatório dos frutos, à saída das câmaras frigoríficas, de modo a evitar a colocação no mercado de maçã sem consistência, o que poderia afastar os consumidores e optarem pelas maçãs de outras origens. Em termos de comercialização destacase o facto desta ser cada vez mais difícil (inexplicável tendo em conta o pequeno acréscimo na produção (10%), ficando-se numa situação deficitária (Produção Nacional cerca Ton / Consumo Nacional cerca de Ton.) A exigências de qualidade dos clientes (hipermercados) é muito grande, Os preços médios de venda (até ao momento superior a 20%) são inferiores, Os custos de produção e processamento aumentaram. Relativamente aos custo de produção a APMA apresentou a contabilização do custo médio no pomar e na central fruteira sendo respectivamente, 0.25 euros/kg e 0.30 euros/kg. Em forma de conclusão a APMA deixou bem patente a necessidade de se encarar anualmente a exportação como uma prioridade e uma obrigatoriedade dos Produtores e das Organizações, independentemente das condições, de modo a aliviar o mercado nacional e existirem alternativas na forma de escoamento. de 14% relativamente ao ano de 2008, no entanto foi 20% abaixo dos valores de um ano normal (ano de referência 2007). Quadro 5 Maçã recepcionada na CAM nas ultimas três campanhas (Ton) Anos Quantidades (Ton) A floração antecipou cerca de 10 a 15 dias relativamente ao ano de As causas indicadas para a baixa produção foram essencialmente o granizo (fig 1) e a geada (fig 2) Fig 1 - Estragos por granizo 2.4. Balanço da Produção de Maça na Região Centro 2009 Cooperativa Agrícola de Mangualde A Cooperativa Agrícola de Mangualde (CAM), apresentou os dados relativamente ao universo dos seus associados. Assim e em termos de fruta recepcionada, quadro 5 registou-se um aumento Fig 2.- Estrago Geada 4

5 Em termos da qualidade da produção destacase:? Calibres médios (falta de água para rega a partir de finais de Julho);? Relatório Pouca carepa;? Boa coloração nas vermelhas,? Sem problemas fitossanitários. As principais variedades continuam a ser as do Grupo da Golden com 41%, as do Grupo das vermelhas com 27%, a Bravo de Esmolfe com 14% e tendência para aumentar, o Grupo das Galas com 12%, a Reineta e o grupo das Fuji com 3%. Em termos fitossanitários foi um ano normal, no qual não se registaram problemas de pedrado ou mosca, tendo existindo alguns casos de populações anormais de ácaros. Na apresentação realizada pelo Eng.º Frederico Carvalhão foi referido igualmente o projecto, no qual a CAM esteve directamente envolvida relacionado com a caracterização em termos fitoquímicos das variedades regionais de maçãs. Os resultados do estudo do projecto AGRO 930 Fitoquímicos e fibras de maçãs de variedades regionais das Beiras e de cultivares exóticos e seus benefícios para a saúde, foram lançados em livro com o título Maças tradicionais de Eleição: Bravo de Esmolfe Pêro Pipo Malápio da Serra: Fonte de Saúde e de Sabores. Foram apresentados alguns resultados deste estudo e que se resumem na figura 3: Figura 3 Avaliação global do poder antioxidante intracelular de maçãs de variedades tradicionais e exóticasmaçãs Galas afectadas pelas geadas (Fonte:Carvalho, 2009) Workshop da Maçã A participação por parte das entidades representantes da produção foi pouco significativa, à semelhança do que tem ocorrido nos últimos anos, contando apenas com a presença das entidades da região do Ribatejo e Oeste. Assim, as informações que constam do presente são apenas meramente indicativas e caracterizam sobretudo a campanha no Oeste. Quantidades Produzidas: Na Região do Oeste registou-se um aumento da produção na ordem dos 10%, relativamente ao ano de 2008, enquanto que na região de Leiria este aumento rondou os 15%, assim como em Alcobaça. Na região Centro, na zona representada apela Cooperativa de Mangualde o acréscimo, foi como já se mencionou na ordem doa 14%. As causas da variação da produção na região Oeste, Leiria e Alcobaça, foi devido essencialmente às condições favoráveis na altura da floração, e principalmente as temperaturas amenas registadas ao longo do ciclo, que levaram a um crescimento vegetativo mais homogéneo das plantas, sem paragens, não se tendo registado perdas de produção. Na região de Viseu registaram-se algumas situações de geadas e de granizo que levaram a quebras de produção, relativamente ao ano médio de referência (neste caso 2007), na ordem dos 20% e um acréscimo de 14% relativamente ao ano de Qualidade da Produção: Em termos de qualidade da produção na Região Oeste e tendo por base o parâmetro de grau Brix registaram-se valores na ordem dos 13 a 14º Brix nas variedades Royal gala, Golden e Jonagored. Na região de Viseu o teor de açúcares totais rondou os 12 a 13ºBrix. 5

6 Em termos de calibre e na região Oeste no geral, para as variedades do Grupo das galas, não se registaram muitas diferenças relativamente ao ano de 2008, no entanto algumas organizações presentes, Relatório registaram calibres piores relativamente à campanha passada. As razões apontadas para esta situação foram essencialmente as condições meteorológicas. Na região de Viseu o calibre foi médio, tendo sido o factor determinante desta situação, a falta de água em Julho, que limitou o desenvolvimento dos frutos. Quanto a problemas de carepa, registou-se menos incidência nas Goldens, relativamente à campanha passada, devido essencialmente às condições favoráveis em termos de temperaturas amenas no início do desenvolvimento. Outras das causas apontadas para esta situação prendeu-se com o facto de alguns pomares mais velhos terem sido substituídos com variedades do Grupo das Golden com menos carepa, assim como algumas aplicações de boro, cálcio e hormonas, que ajudaram na elasticidade da epiderme dos frutos. Em termos de pomares Regados e de Sequeiro, e tendo em consideração as entidades presentes (principalmente da região do Oeste) a totalidade dos pomares tem sistema de rega, tendo sido estimado uma percentagem na ordem dos 20 a 30% de pomares deficientemente regados. Foi igualmente mencionado o facto da qualidade da água ser cada vez pior, o que transforma muito pomares teoricamente regados em pomares com sequeiro ajudado. Relativamente à Cooperativa de Mangualde a totalidade dos pomares é de regadio, no entanto com limitações de água em alguns. R e l a t i v a m e n t e à s v a r i e d a d e s m a i s representativas na região de Viseu, continua a ser o Grupo das Golden seguido do Grupo das Vermelhas, do Bravo de Esmolfe e do Grupo das Galas. Na região Oeste o Grupo das Galas continua a ser o principal, seguido do Grupo da Golden e do Grupo da Jonagold. Na região de Leiria, o Grupo da Golden continua a ser o principal seguido do Grupo da Gala e do Grupo das Vermelhas. No entanto existe uma tendência para o aumento de importância do Grupo da Gala. A tendência de área de pomar de macieiras, é para aumentar na região de Viseu, sendo essencialmente, impulsionado pelas novas plantações de Bravo de Esmolfe e Fuji. Relativamente à região Oeste a área tende a manter-se, sem se preverem aumentos de áreas. Foi mencionado a reconversão de alguns pomares de Jonagored e Jonagold por pomares de Fuji, devido principalmente, a questões comerciais. Outras entidades mencionaram o facto de se estarem a substituir alguns pomares de Jonagored por Galas precoces (Brookfield), para colocação mais cedo no mercado. Relativamente à escolha de porta-enxertos, na Região do Oeste a tendência é a opção pelos ananicantes. O porta-enxerto M9 EMLA é escolhido essencialmente para árvores que são encomendadas aos viveiristas mais tarde e o M7 para árvores encomendadas com antecedência. Na região de Moimenta da Beira tem se registado uma elevada mortalidade em pomares cujas árvores foram enxertadas em M9 EMLA e Pajam 2. Uma das possíveis causas apontadas, serão as altas temperaturas no Verão e as baixas temperaturas no Inverno conjugadas com o teor de M.O. no solo e a água de rega, assim normalmente é aconselhado o M7. Durante a campanha 2008/09 o impacto de pragas e doenças foi considerado normal. Na região de Viseu, em termos de pragas, registaram-se apenas situações pontuais de desequilíbrios na população de ácaros. Na região do Oeste e em termos de praga destaca-se apenas algumas zonas pontuais com problemas de ácaros, pulgão lagínero e ataques de mineira. A população de Piolho de São José tem vindo a aumentar, especialmente na geração 6

7 próxima da colheita. Relativamente ao Bichado apenas se registaram problemas nas variedades mais tardias (Fuji, Golden e Jonagored). Nesta Relatório campanha a mosca da fruta exerceu uma pressão menor do que na campanha anterior. Em termos de doenças, não se registraram problemas na região de Viseu, sendo de registar no Oeste problemas com:? Rosellinia com um número de incidências semelhante ao ano anterior, principalmente em pomares com maior idade. Esta situação poderá estar relacionada com as árvores que se plantam.? Cancro registaram-se alguns problemas, essencialmente nas variedades do Grupo das Vermelhas e das Galas. Do ponto de vista do mercado foram abordados alguns aspectos, que tem marcado a presente campanha e que se prendem principalmente com a questão dos preços pagos à produção. Na região de Viseu estima-se em média menos 1 a 2 cêntimos relativamente à campanha de O preço média na presente campanha deverá rondar entre os 22 e os 23 cêntimos/kg, no geral das variedades. Na região Oeste para as variedades do Grupo Gala, Fuji e Reinetas, o preço deve rondar os 28 a 30 cêntimos/kg, menos 2 a 3 cêntimos que em 2008). Para as variedades do Grupo Jonagold, o preço rondará os 17 a 20 cêntimos/kg. A APMA mencionou que a partir de 2007 os preços baixaram abaixo dos 25 cêntimos/kg o que fez com que as médias gerais da região do Oeste, que eram sensivelmente melhor que as dos restantes regiões, estão nesta altura muito semelhantes. Relativamente à venda da fruta na campanha de 2008/2009 e em termos de qualidade da fruta à saida das câmaras, tem-se registado alguns problemas de dureza (inferior a 6,5 e 6/kg/cm2), com algum fendilhamento, especialmente nas galas colhidas tardiamente. O problema do fendilhamento da epiderme registou-se igualmente nas reinetas, nos frutos oriundos de pomares jovens. As variedades Granny Smith e Reinetas, foram aquelas onde se registou maior percentagem de quebras na venda. Em termos do ritmo de vendas este é muito variável de organização para organização, no entanto pode-se afirmar que está a ocorrer a um ritmo mais lento no mercado interno e a preços muito mais baixos do que na campanha anterior. Este ano foi considerado um ano dramático por todas as organizações presente, pois o preço de venda da fruta não está a cobrir os custos da central, sendo a exportação a almofada, principalmente as variedades Gala e Fuji. Foi dado o exemplo do Grupo Sonae, que actualmente está a comprar a maçã a 75 cêntimos por 1.5 Kg com mais 20% de rappel, o que dá 40 cêntimos/kg de valor líquido para as maças de melhor qualidade. Assim e perante este cenário é de esperar uma quebra nos preços de venda na ordem dos 40% relativamente ao ano passado. Para fazer face a esta situação, foram apontados alguns caminhos a seguir, dos quais se destacam algumas ideias: - Aumentar a exportação; - Concentrar a Oferta; - Campanhas de promoção da fruta nacional, junto do consumidor no sentido de o levar a exigirem a oferta de fruta nacional nas grandes superfícies; - A sustentabilidade do sector, uma vez que o cenário actual retira o direito à qualidade de vida do produtor agrícola; - Passar a imagem de que o sector contribui de uma forma essencial para manutenção da paisagem e para a qualidade ambiental (pegada de carbono) - Aumentar as parcerias com empresas fornecedoras dos factores de produção, para que 7

8 Estrada deleiria, Leiria S/N, Estrada de AlcobaçaAlcobaça Telef: Telef: estas possam ajudar na promoção do sector; Quadro 7 Produção de pêras por variedade na Eu27 3. Balanço da Campanha da Pêra 3.1 Balanço da Produção de Pêra a nível Europeu, em 2008 Relatório Quadro 6 Produção de pêras por país na EU27 (Ton) Principais conclusões: Registou-se um aumento de 16% da produção na Europa, relativamente ao ano de 2008 (quadro 6); A produção de 2009 rondou as MT enquanto em 2008 a produção foi de MT A campanha de 2009, registou igualmente um aumento de 2% relativamente à média dos últimos 3 anos. A variedade Conference registou o maior aumento, cerca de 36%, chegando às Mt; Esta continua a ser a variedades mais representativa, com cerca de 36% da produção total de pêra na Europa (quadro 7); A William BC, (que representa 12% da produção total de pêras) registou uma diminuição de 3%, chegando às Mt; A Abate Fetel, que representa 11% da produção de pêra, registou um acréscimo de 12% ( Mt) No quadro 7 apresentam-se as principais variedades de pêras na EU 27. A variedade Rocha representa já a 4 variedade mais produzida na Comunidade Europeia Balanço da Produção de Pêra a nível do hemisfério Norte e Sul 2009 Em termos do hemisfério Norte destacam-se os 8

9 seguintes países (quadro 8): Quadro 8 Produção de maçã por país (Extra EU) Relatório A produção do Hemisfério Norte registou igualmente um acréscimo, principalmente nos EUA (8%) e da Turquia (2%). A China registou uma diminuição significativa (- 25%) e a Ucrânia (-5%) Em termos do Hemisfério Sul apresenta-se quadro 9: Quadro 9 Produção de pêras por país (Hemisfério Sul)? Produção de Pêra Rocha - Colheita de 2009 e previsão de calibres - Stock de Pêra Rocha a 31 de Outubro - Evolução do Stock de Pêra Rocha em Principais destinos da Pêra Rocha (31 de Outubro de 2009)? Pêra Rocha do Oeste DOP - Quantidades vendidas na campanha 2008/ Incentivos à certificação DOP - Resultados da plataforma de certificação Relativamente à colheita de 2009, foi apresentado o gráfico 4 com a evolução da Produção de Pêra Rocha, nos últimos 6 anos, assim como a distribuição por classe de calibres: Gráfico 4 Evolução da produção de pêra Rocha nos últimos 6 anos e distribuição por classes de calibre Milhares de toneladas Produção Associados Produção Total Protugal * A produção do Hemisfério Sul registou um aumento de 11%, o que equivale a Mt 3.3. Balanço da Produção de Pêra Rocha 2009 A ANP realizou resumo da campanha de Pêra rocha, relativa aos seus associados. A apresentação foi estruturada da seguinte forma: 4% 10% 2% 11% 2%2% 9% 7% 21% 21% 24% 25% 30% 32% < >75 9

10 Relativamente aos Stock de pêra e fazendo uma comparação com a campanha de 2008, foi apresentado o gráfico 5, no qual se encontra representado as quantidades de pêra em atmosfera Relatório controlada e em atmosfera normal na altura da colheita e a 31 de Outubro. Gráfico 5 Quantidade de pêra Rocha em atmosfera controlada e normal na colheita e a 31 de Outubro nos anos de 2008 e 2009 (Ton) Toneladas Do gráfico 5 destaca-se a maior quantidade de produção ocorrida em 2009, existindo em 31 de Outubro de 2009, quase tanta quantidade de pêra como na altura da colheita do ano passado (2008). Relativamente à previsão de evolução do Stock, a ANP apresentou o gráfico 6: Gráfico 6 Previsão da evolução do stock de pêra Rocha na campanha 2009/2010 (Ton) Milhares de toneladas Colheita Colheita Outubro 15.1 Atm. Controlada Atm. Normal Outubro 2009/ / /10- Previsão Colheita 31 Outubro 31 Dezembro 28 Fevereiro 30 Abril 16.7 Em termos dos mercados de exportação os principais destinos da pêra rocha continuam a ser o reino Unido, Brasil, França, Irlanda, Federação Russa e a Holanda. Relativamente à pêra Rocha do Oeste DOP, e em termos de quantidades vendidas na campanha foi apresentada no gráfico 7 a evolução ocorrida desde 2005: Gráfico 7 Quantidade de pêra Rocha do Oeste DOP vendida de 2005 a 2008) (Ton) Kg Foi apresentado o portal de Adesão à Certificação DOP e IGP, que permitirá manter actualizada uma base de dados com os n.º de produtores, área total, n.º de parcelas, área média da exploração, área média da parcela, densidade de plantação, e área em regime de regadio: 3.4 Workshop da Pêra Como já se referiu no ponto 2.5, as entidades representantes da produção foi pouco significativa, contanto apenas com entidades da região do Ribatejo e Oeste. Desta forma, os dados presentes neste apenas caracterizam a campanha na região Ribatejo e Oeste. Quantidades Produzidas: Em termos das quantidades produzidas, registou-se um aumento na ordem dos 15%, relativamente ao ano passado. As razões deste 10

11 aumento de produção, são devidas, essencialmente às melhores condições meteorológicas, o que levou a uma melhor floração e mais concentrada. Uma Relatório das questões mais debatidas esteve relacionada com as previsões de colheita, pois a campanha de 2009 fica marcada pela quantidade de produção, que não foi prevista previamente. Uma das razões apontadas, foi a questão da monda, que foi, de uma forma geral muito intensa, devido à floração que foi muito concentrada, o que por sua vez, fez variar as expectativas. Outras das razões apontadas para o aumento da produção, que de alguma forma não se esperava, foi o facto de o ano ter sido húmido, o que fez com que os pomares de sequeiro produzissem mais do que se estava à espera. Quanto à qualidade o grau Brix foi muito semelhante ao do ano de 2008, ligeiramente melhores pelo facto da colheita se ter prolongado, os calibres foram piores do que os da campanha de 2007, mas melhores dos que os registado na campanha de Este facto deveu-se às temperaturas mais baixas na altura da multiplicação celular. Quanto às variedades, a rocha é sem dúvida a variedade dominante, estima-se apenas 1% para as restantes variedades. Dentro das restantes variedades a pêra Carapinheira tem aumentando significativamente como polinizadora da Rocha. Relativamente às variações das áreas de pomar, tem-se registado um aumento devido a novas áreas plantadas, e substituição de pomares de macieiras por pereiras. Este facto deve-se essencialmente a razões comerciais e à facilidade de condução do pomar de pereiras, relativamente ao de macieiras. Relativamente aos Pomares de Sequeiro, estes apenas representam, no universo de entidades presentes no encontro, 10%. Nas novas plantações são utilizados essencialmente os porta-enxertos: BA29 (60%), Sydo (30%) e EMA (10%)., no entanto a EMA tem estado a perder expressão para o Sydo e o BA29. Nas novas plantações tem aumentado a utilização de polinizadores (principalmente a variedade Carapinheira). Em termos fitossanitários, a campanha de 2009, não foi muito complicada, tendo-se apenas a registar, em termos de doenças, alguns problemas de Estenfiliose e Rosellinia (com um número de incidências semelhante ao ano anterior, principalmente em pomares com maior idade); Em termos de pragas, foi um ano melhor que o ano de 2008, com menor incidência de mosca da fruta e filoxera, no entanto registou-se um aumento nas populações de Cochonilha de São José, essencialmente devido à saída de produtos do mercado que eram usualmente utilizados no seu controlo. Foram ainda registados, pontualmente, alguns problemas de cecidómia, psila e de ratos. Em termos do mercado, para alem dos aspectos que foram discutidos no Workshop da maçã e que foram subscritos pelas entidades produtoras de pêra presentes, destaca-se o ritmo de vendas, que está sensivelmente semelhante ao do ano de 2008, mas com preços inferiores. Relativamente à qualidade da produção à saída das câmaras frigoríficas, há a destacar uma maior percentagem de fruta madura, devido ao prolongamento da colheita, já referido anteriormente, e ao maior tempo de arrefecimento. Este ano as exigências em termos de qualidade são maiores, comparativamente com a campanha de Em ternos de exportação, os dados apresentados pela ANP reflectem a situação actual deste sector. O agradece a colaboração de todos os técnicos das entidades envolvidas, e em particular à Selectis pelo patrocínio desta iniciativa. 11

Índice. 1. Alguns factos. Competitividade da fileira hortofrutícola. 1. Alguns factos 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações finais

Índice. 1. Alguns factos. Competitividade da fileira hortofrutícola. 1. Alguns factos 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações finais Competitividade da fileira hortofrutícola Desafios da fruta qualificada (DOP/IGP) face às tendências de mercado Viseu 7 Novembro de 2007 Gonçalo Lopes COTHN Índice 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações

Leia mais

Balanço da Campanha da Maçã 2005

Balanço da Campanha da Maçã 2005 Balanço da Campanha da Maçã 25 Relatório Balanço da Campanha da Maçã 25 No passado dia 21 de Outubro, realizou-se a reunião sobre Balanço da Campanha da Maça, organizado pelo Centro Operativo Tecnológico

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

1 - PROJECTO MAÇÃ DE ALCOBAÇA

1 - PROJECTO MAÇÃ DE ALCOBAÇA MAÇÃ DE ALCOBAÇA 1 - PROJECTO MAÇÃ DE ALCOBAÇA - Indicação Geográfica Protegida (IGP) - A Oeste da Serra dos Candeeiros - Alcobaça, Porto Mós, Nazaré, Caldas da Rainha e Óbidos - Marca COLECTIVA Maçã de

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

O Impacto das DOP/IGP na Fileira

O Impacto das DOP/IGP na Fileira O Impacto das DOP/IGP na Fileira DENOMINAÇÃO SOCIAL FELBA Promoção das Frutas e Legumes da Beira Alta, A.C.E. ESTRUTURA JURÍDICA 7 Novembro de 2007 Agrupamento Complementar de Empresas Inicio de actividade:

Leia mais

A produção de castanha tem vindo, nos últimos anos, a aumentar a nível mundial, assim como a área ocupada com castanheiros e a sua produtividade.

A produção de castanha tem vindo, nos últimos anos, a aumentar a nível mundial, assim como a área ocupada com castanheiros e a sua produtividade. SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira da castanha tem como principal objectivo dinamizar a fileira e aumentar o seu valor económico. Este estudo enquadra-se

Leia mais

Relatório do Balanço da Campanha da Maçã 2016

Relatório do Balanço da Campanha da Maçã 2016 Estrada de Leiria, 2460-059 Alcobaça Tel.: 262 507 657 Fax: 262 507 659 Email: geral@cothn.pt Sítio: www.cothn.pt REPORT Realizado a 24 de Janeiro de 2017 Relatório do Teve lugar no passado dia 24 de Janeiro

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

MAÇÃ CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO

MAÇÃ CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO MAÇÃ CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES OU OPORTUNIDADES

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

A CULTURA DA MACIEIRA NO PARANÁ Alessandro Jefferson Sato 1 e Sérgio Ruffo Roberto 1

A CULTURA DA MACIEIRA NO PARANÁ Alessandro Jefferson Sato 1 e Sérgio Ruffo Roberto 1 A CULTURA DA MACIEIRA NO PARANÁ Alessandro Jefferson Sato 1 e Sérgio Ruffo Roberto 1 1. Introdução O cultivo da macieira no mundo teve início há milhares de anos, tendo possivelmente como centro de origem

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas

Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas PREVISÕES AGRÍCOLAS 31 de julho 2015 19 de agosto de 2015 Boas perspetivas em quantidade e qualidade para a campanha vinícola Produção de cereais de Outono/Inverno aquém das expectativas As previsões agrícolas,

Leia mais

ENCONTRO DA LAVOURA DURIENSE RÉGUA 22 DE ABRIL DE 2012. O Douro é a Vinha e o Vinho e, por isso, somos o Douro Vinhateiro, Património Mundial.

ENCONTRO DA LAVOURA DURIENSE RÉGUA 22 DE ABRIL DE 2012. O Douro é a Vinha e o Vinho e, por isso, somos o Douro Vinhateiro, Património Mundial. Avª Ovar Edifício Santa Rita I Sala 6 5050 223 Peso Régua Telef. 254 318 485 / 963929782 e-mail - douroavidouro@gmail.com Associação dos Vitivinicultores Independentes do Douro Filiada: ENCONTRO DA LAVOURA

Leia mais

Um laboratório com 35 hectares!

Um laboratório com 35 hectares! Um laboratório com 35 hectares! Prof. José Oliveira Peça; Prof. Anacleto Cipriano Pinheiro; Prof. António Bento Dias Universidade de Évora, Departamento de Engenharia Rural - ICAM Apartado 94, 7002 554

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

A Diversificação na Agricultura no Oeste

A Diversificação na Agricultura no Oeste www.campotec.pt A Diversificação na Agricultura no Oeste Jorge Soares, Administrador Caldas da Rainha ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES HORTO-FRUTICOLAS Localizada na zona Oeste, tem como objetivos: - Orientar

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

A valorização dos inventários em floricultura

A valorização dos inventários em floricultura Paula Franco 28 de Fevereiro de 2015 Santarém LUSOFLORA 2 Pela especificidade da actividade, empresários e Técnicos Oficiais de Contas tem de caminhar de mãos dadas! A valorização dos inventários depende

Leia mais

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES OU OPORTUNIDADES

Leia mais

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014 verão 2014 Índice Sumário Executivo Perspetivas de evolução da procura para o verão 2014 NUTS II NUTS II por Mercados Perspetivas de evolução da procura para o inverno 2014/15 NUTS II 2 Sumário Executivo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007 BOLETIM ESTATÍSTICO Nº7 - DEZEMBRO 2007 MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO EDITORIAL Com a publicação do número correspondente ao último quadrimestre do ano iniciamos também a edição, no

Leia mais

Rastreabilidade e Gestão de Incidentes: Aplicação Prática

Rastreabilidade e Gestão de Incidentes: Aplicação Prática Apresentação e breve Historial da Empresa Importância da Rastreabilidade na Organização : Recepção, Calibragem e Embalamento de Fruta numa central fruteira História Fundada em 1997, a CPF é uma organização

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores A FRUTICULTURA NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos ao setor da fruticultura no âmbito do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

INTRODUÇÃO. Colóquio Fileira da Pêra Rocha, Alcobaça, 12 fevereiro 2014

INTRODUÇÃO. Colóquio Fileira da Pêra Rocha, Alcobaça, 12 fevereiro 2014 A PODA NA PEREIRA ROCHA Rui Maia de Sousa INIAV, I.P. Pólo de Atividades de Alcobaça Colóquio Fileira da Pêra Rocha Alcobaça, 12 de fevereiro de 2014 INTRODUÇÃO Na Fruticultura atual é fundamental que

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

REUNIÃO COPA, Bruxelas Relatório de reunião de 19/6/2008

REUNIÃO COPA, Bruxelas Relatório de reunião de 19/6/2008 Presidente: Paul Temple (Inglaterra) Representante indicado pela CAP: Bernardo Albino Resumo reunião: 1- Aprovação ordem do dia ok 2- Aprovação de acta de última reunião ok 3- Trabalhos preparatórios de

Leia mais

Promover Competências no Sector Alimentar

Promover Competências no Sector Alimentar Promover Competências no Sector Alimentar José António Rousseau Congresso da Nutrição e Alimentação Porto, 28 e 29 de Maio 2009 Promover Competências no Sector Alimentar Distribuição APED Alguns factos

Leia mais

Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT

Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT ORGANIZAÇÃO O espaço AGRO I&DT, integrado na 1ª edição da feira Portugal Agro 2014, consistiu numa iniciativa conjunta da Rede INOVAR e da Direcção Regional de

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas 3 Síntese

Leia mais

Previsões de produção de Maçã na UE em 2016

Previsões de produção de Maçã na UE em 2016 INFORMAÇÃO AGOSTO 2016 Previsões de produção de Maçã na UE em 2016 Globalmente, a produção de maçã na União Europeia irá diminuir cerca de 3% face a 2015. Em Portugal, essa quebra deverá atingir os 20%.

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço BENCHMARKING 2014 Estudo dos niveis de serviço Objetivo do estudo BENCHMARKING 2014 O objectivo deste estudo é conhecer o nível de serviço oferecido pelos fabricantes do grande consumo aos distribuidores,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal?

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? 10 Outubro 2012 Manuela Nina Jorge Índice 02 1. Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO E MARKETING DE PRODUTOS ALIMENTARES DE QUALIDADE (DOP) QUEIJO SERRA DA ESTRELA

COMERCIALIZAÇÃO E MARKETING DE PRODUTOS ALIMENTARES DE QUALIDADE (DOP) QUEIJO SERRA DA ESTRELA Ovinicultura Actividade Tradicional e de Futuro 1.º Encontro Jovem Produtor de Queijo Serra da Estrela COMERCIALIZAÇÃO E MARKETING DE PRODUTOS ALIMENTARES DE QUALIDADE (DOP) QUEIJO SERRA DA ESTRELA Maria

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL SAÚDE E DEFESA DO CONSUMIDOR Direcção F - Serviço Alimentar e Veterinário DG(SANCO)/9142/2003-RM Final RELATÓRIO FINAL DE UMA MISSÃO REALIZADA EM PORTUGAL DE 2 A 4 DE ABRIL

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a

Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a excepção de 16 dos Concelhos. Em Portugal existem 350

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Índice A RECUPERAÇÃO EM PORTUGAL DE PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR... 3 DADOS GLOBAIS 2011... 4 PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR...

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Guia prático. para os agricultores

Guia prático. para os agricultores Guia prático para os agricultores Introdução Os insectos polinizadores são uma componente essencial para a polinização de muitas culturas. Ao longo dos anos, no entanto, o número de alguns insectos polinizadores

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Produtos florestais certificados pela SCA

Produtos florestais certificados pela SCA Produtos florestais certificados pela SCA PE FC /05-33-132 Promoting Sustainable Forest Management www.pefc.org PORQUE QUE É QUE ME INTERESSA? A certificação florestal estabelece uma verdadeira ligação

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

INFOSELECTIS nº 19 Março 2012. Entrevista APMA Associação de Produtores de Maçã de Alcobaça

INFOSELECTIS nº 19 Março 2012. Entrevista APMA Associação de Produtores de Maçã de Alcobaça INFOSELECTIS nº 19 Março 2012 Pg. 5 Dossier Técnico TRAÇA DA BATATA Entrevista APMA Associação de Produtores de Maçã de Alcobaça Jorge Soares O consumidor manifesta uma aceitação impressionante e um reconhecimento

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009 Centro de Investigação Sobre Economia Portuguesa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA

Leia mais

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A.

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Economia e Gestão - 2000/2001 Trabalho nº1 Análise Económico Financeira

Leia mais

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA.

ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. ADENSAMENTO DE PLANTIO: ESTRATÉGIA PARA A PRODUTIVIDADE E LUCRATIVIDADE NA CITRICULTURA. Eduardo Sanches Stuchi Pesquisador Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Diretor Científico da Estação Experimental

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL JOSÉ M. VAREJÃO Enquadramento Trajectória desfavorável

Leia mais

Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal

Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal Histórico de Medalhas e Modalidades Paralímpicas - Portugal Igualdade, Inclusão & Excelência Desportiva Departamento Técnico, Fevereiro de Índice Introdução... Medalhas... Gráficos de Medalhas... Atletas

Leia mais

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES 2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES Aceleração da execução A execução do QCAIII atingia, no final do 1.º semestre de 2001, uma taxa de execução acumulada de cerca de 29% face ao

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A FRUTICULTURA DE MESA BRASILEIRA Importância: 73% do volume de produção brasileira se destinam

Leia mais

FRUTICULTURA EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO - FRUTOS SECOS E AMEIXA -

FRUTICULTURA EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO - FRUTOS SECOS E AMEIXA - FRUTICULTURA EM MODO DE PRODUÇÃO BIOLÓGICO - FRUTOS SECOS E AMEIXA - I - CARACTERIZAÇÃO DA EXPLORAÇÃO 1 O PRODUTOR O produtor do caso em apreciação é engenheiro agrónomo na situação de aposentado do Ministério

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 1 Estrutura de apresentação Objectivo do Plano Caracterização geral da comercialização agrícola Principais Intervenientes

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais