GRUPO DE TRABALHO 8 CULTURA E SOCIABILIDADES A RELAÇÃO ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE NO CONTEXTO DA FEIRA POPULAR E DOS FREE SHOPS EM RIVERA/UY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO DE TRABALHO 8 CULTURA E SOCIABILIDADES A RELAÇÃO ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE NO CONTEXTO DA FEIRA POPULAR E DOS FREE SHOPS EM RIVERA/UY"

Transcrição

1 GRUPO DE TRABALHO 8 CULTURA E SOCIABILIDADES A RELAÇÃO ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE NO CONTEXTO DA FEIRA POPULAR E DOS FREE SHOPS EM RIVERA/UY Rut Maria Friedrich Marquetto

2 2 A RELAÇÃO ENTRE A TRADIÇÃO E A MODERNIDADE NO CONTEXTO DA FEIRA POPULAR E DOS FREE SHOPS EM RIVERA/UY Rut Maria Friedrich Marquetto 1 Resumo Este artigo é uma discussão sobre o contexto da relação entre o tradicional representado pela tradicional feira popular, e a modernidade - representada pela presença dos free shops, ambos de Rivera/UY. Trata-se de um lugar cosmopolita, marcado pelo transito diário e intenso fluxo de pessoas de diversas etnias e nacionalidades, muitas das quais se deslocam até Rivera motivadas pela zona de livre comércio, especialmente para adquirir produtos importados. A instalação dos free shops constituiu um território mercantilizado, internacionalizado e característico do consumo de massa, através do qual impulsionou a geração de postos de trabalho nos diversos setores de produção, tanto de serviços como de bens, resultantes da oferta e procura por eletrodomésticos, eletrônicos, eletropeças, vestimentas, calçados, artigos de decoração, bebidas alcoólicas, especiarias e condimentos. Essa realidade contrapõe-se com expressões que traduzem os costumes e hábitos tradicionais, campeiros e rurais, característicos da vida fronteiriça. Há uma cultura latente que resguarda as tradições presente na gastronomia, idioma, jeito das pessoas. Por meio da observação simples e registros fotográficos, constatou-se que os riverenses destinaram espaços públicos visando acolher a feira popular atraves da qual são vendidos os produtos das colônias, ferragens, artesanatos, antiguidades. Palavras-chave: Tradição. Modernidade. Rivera/YU. Introdução Este artigo é uma discussão sobre o contexto da relação entre o tradicional representado pela tradicional feira popular, e a modernidade - representada pela presença dos free shops, ambos de Rivera/Uruguai. Trata-se de um lugar cosmopolita, marcado pelo transito diário e intenso fluxo de pessoas de diversas etnias e nacionalidades, como italianos, alemães, árabes, espanhóis, argentinos, chilenos, brasileiros, muitas das quais se deslocam até Rivera motivadas pela zona de livre comércio, especialmente para adquirir produtos importados. A instalação dos free shops constituiu um território mercantilizado, internacionalizado e característico do consumo de massa, através do qual impulsionou a geração de postos de trabalho nos diversos setores de produção, tanto de serviços como de bens, resultantes da oferta e procura por eletrodomésticos, eletrônicos, eletropeças, vestimentas, calçados, artigos de decoração, bebidas alcoólicas, especiarias e condimentos. 1 Turismóloga, docente no Curso em Turismo da UNIFRA; MBA em Gerenciamento de Projetos - FGV-POA; Mestre em Engenharia de Produção área de concentração Gerência da Produção - UFSM; Doutoranda pelo Programa de Pósgraduação em Desenvolvimento Regional - UNISC. Contato:

3 3 Essa realidade contrapõe-se com expressões que traduzem os costumes e hábitos característicos da vida fronteiriça, campeira e rural de da cidade considerada. Há, portanto, uma cultura latente que resguarda tradições e, embora fragmentada, está presente na gastronomia, idioma, jeito e modo de vestir das pessoas. Além disso, por meio da observação simples e registros fotográficos, constatou-se que os riverenses destinaram espaços públicos que abriga uma feira popular itinerante onde estão à venda produtos colônias, hortifrutigrangeiros, ferragens, artesanatos, briques, antiguidades e curiosidades. Numa expressão metafórica, é praticamente um museu a céu aberto por estarem ali expostos artigos que remontam época, muitos dos quais, vendidos para fins decorativos, outros de utilidade. 1. Tradição X modernidade A tradição está vinculada ao tempo, á memória, a inventividade e, embora decorra do passado, é um ato do presente. Sua restituição tem cunho político na medida em que vai filtrando o que pode e o que não pode vir a tona de acordo com os significados no tempo, das imagens convenientes, dos interesses vigentes, seja no âmbito individual ou social. As tradições aparentam ser antigas e baseadas na idéia de um povo original. [...] a tradição é uma orientação para o passado, de tal forma que o passado tem uma pesada influência (...) para o presente (BECK et al., 1997, p. 80). Vinculada ao futuro, as tradições são remodeladas a partir das representações do passado e do presente. Sua preservação e continuidade se dão pelos rituais que, reinventados, reformulado e reincorporado, são entendidos como mecanismos da memória coletiva e das verdades tradicionais. As tradições se fundamentam pelas experiências do cotidiano mediadas pela linguagem, símbolos, mitos e rituais vivenciados no local. No entanto, o global influencia o local e vice-versa. Para Giddens (1991) as tradições são reconfiguradas pelas transformações geradas pela globalização. Com a velocidade da disseminação de informações está se criando novos estilos de vida mundializados. Para Oliven (2006, p. 207), é natural que esse processo também se reflita no âmbito da cultura. Alguns padrões de consumo e de gosto indicam que existe uma série de manifestações culturais que se internacionalizaram, gerando um cruzamento das fronteiras culturais. Ao migrar para outros contextos, a cultura sofre o fenômeno da desterritorialização e recontextualização e, na medida em que ela é adotada noutro contexto cultural e reelaborada, se configura na hibridização cultural.

4 4 2. Turismo Com o surgimento do Turismo Moderno, logo após a II Guerra Mundial, houve uma mudança de paradigma causada pela invasão dos recursos tecnológicos, os quais modificaram o cenário global. Surgiram os aviões a jato, telecomunicações, computadores, trocas de informações instantâneas e a internacionalização dos mercados, os quais se tornaram forte aliados para o sucesso das destinações turísticas. Tais inovações são desafiantes e conduzem os gestores a tomadas de decisões no sentido de romper com sistemas tradicionais e avançar na conquista e domínio de novas tecnologias. Esta realidade impõe novos posicionamentos organizacionais no mercado, nova postura empreendedora e uma cultura diferenciada que inclua competitividade organizacional e crescimento empresarial. O Turismo é um fenômeno social que inclui as atividades de deslocamento e permanência em locais fora de seu ambiente de residência, por um período inferior a um ano consecutivo, por razões de lazer, negócios ou outros propósitos (OMT Organização Mundial do Turismo in GOELDNER, McINTOSH, RITCHIE, 2002, p.24) Turismo de compras Para Moletta (1998, p.9) o Turismo de Compras diz respeito ao deslocamento de pessoas para centros urbanos organizados, que possuem o comércio como atrativo principal. Ele se caracteriza pelos destinos que se preocupam em atrair e receber turistas/visitantes que desejam comprar, utilizar a estrutura turística local, como hotéis, pousadas, restaurantes, lancherias, e outros, e esperam encontrar qualidade, preço, diversidade e comércio organizado. É um segmento geralmente realizado em centros comerciais desenvolvidos onde há fábricas e oferta, tanto pelo atacado como pelo varejo, importados ou nacionais, em diversos estabelecimentos, muitos dos quais especializados em determinados produtos, como por exemplo: móveis, malhas, calçados, bolsas, porcelanas, cristais, cama, mesa, banho, condimentos, bebidas, especiarias. Outro fator que encanta o consumidor são os preços promocionais e/ou liquidações sazonais. O comércio de fronteira sempre provoca curiosidade ao consumidor devido as novidades e principalmente aos preços dos produtos quando o câmbio está favoravel. Ocorre que o intercâmbio de compras pode ser motivador ao consumo entre os países vizinhos, envolvendo o deslocamento de turistas/visitantes dos mais diversos lugares e distâncias. Esse fluxo de pessoas também depende

5 5 da capacidade que o município tem para divulgar sua oferta, a qual está sujeita a gestão e as políticas públicas do local. Entretanto, como a economia capitalista gerou o mercado especulativo e inflacionário o uso do espaço público fica exposto as diferentes e desiguais capacidades de pagamento determinando o grupo social a ocupar e usar um dado lugar da cidade. (MARICATO, 2002). Por isso, vale ressaltar que, entre a diversidade setorial que incide sobre o turismo, inserir os menos favorecidos nos processos turísticos de um determinado destino significa que direitos e deveres sejam exercidos em sua plenitude pelo cidadão-anfitrião, principalmente no que diz respeito ao trabalho e educação. 3. Contextualizando Rivera: free shops X feira popular O município de Rivera/Uruguai faz divisa com a cidade de Sant Ana do Livramento/Brasil, marcada por sucessivas demarcações ao logo da história da colonização. Segundo Martins (2005) Rivera surge por volta do início do século XX que, a pedido dos santanenses ao governo Uruguaio, foi planejada junto a Sant Ana do Livramento visando selar as boas relações entre ambas. As relações entre o Brasil e o Uruguai ocorrem intensamente desde muito antes do processo de globalização atual. Além de histórica, as duas cidades são divididas territorialmente por um obelisco internacional (Figura 1), que simboliza a união das duas pátrias, situado no Parque Internacional. Figura 1: O obelisco: símbolo da união das duas pátrias. Fonte - Arquivo da autora Acordados, Brasil e Uruguai implantaram políticas globalizantes que afetou tanto a vida da sociedade anfitriã como a vida dos turistas/visitantes, estimulando o Turismo de Compras e ignorando os atrativos que reportam a história e identidade presentes no local. A expansão do Turismo de Compras revela o caráter contraditório e conflituoso da produção do espaço cultural, pois paralelo a oferta dos produtos importados e globalizados, está o interesse

6 6 em vender também os produtos locais e nacionais do Uruguai, tais como queijos, doce de leite, pães, doces, gastronomia típica. A atividade primária igualmente poderia ser melhor explorada no sentido de promover visitações no meio rural. Dessa forma os visitantes conheceriam a produção do trinômio bovinocultura de corte, ovinocultura e rizicultura. Outro item interessante reside no aproveitamento do potencial logístico (armazenamento, distribuição e intermediação comercial), de integração com os países vizinhos que pode favorecer a comercialização dos produtos locais. Dependendo da articulação social e da vontade política, podem as expressões tradicionais do local se converterem em atrativo turístico, uma vez que resguardam ícones históricos capazes de estabelecer uma ligação entre o passado e o presente, significando e fornecendo os sentimentos de pertencimento à população residente Free shops A principal atividade comercial de Rivera é a presença dos free shops (Figura 2) que oferecem produtos genuínos, de origem controlada, de qualidade e com severa supervisão por parte das autoridades Uruguaias. Figura 2: Lojas Duty Free Fonte - Arquivos da autora Na Avenida Sarandi há o intenso centro comercial com fluxo de turistas/visitantes impulsionados pela diversidade e facilidades na aquisição de produtos importados, principalmente pela forma de pagamento (cartões ou uma das três moedas: peso, dólar e reais) encontrados nos free shops. Em relação aos postos de trabalho ofertados pelos free shops, uma grande maioria dos trabalhadores exerce funções operacionais e repetitivas (balconistas, empacotadores, caixas etc.) características da produção fordista que limitam o desenvolvimento das capacidades humanas, cognitivas, críticas e de ampliação de seus conhecimentos. Também se caracteriza pela precariedade salarial que fortalece o processo de segregação urbana. Outro aspecto característico da modernidade é com relação ao aumento do deslocamento transfronteiriço das pessoas. É intensa a passagem de turistas pela aduana (porto seco) e que seguem

7 7 viagem adentrando no território brasileiro ou uruguaio, muitos dos quais não interagem com a comunidade local. Geralmente são pessoas que não dispõe de muito tempo, e/ou apenas com interesses individuais voltados ao consumo gastronômico e/ou a compras de produtos importados nos free shops. Ignoram, portanto, os moradores locais bem como de prover um bom papo, com sotaque fronteiriço e ouvir histórias interessantes sobre a história, e a cultura da fronteira. Como estímulo as vendas para os alienígenas, ou seja, aos forasteiros e/ou moradores de outros países, o governo uruguaio reduziu ou eliminou alguns impostos para que brasileiros, argentinos, chilenos, paraguaios tenham livre acesso, a semelhança dos free shops instalados nos aeroportos internacionais. No entanto, grande parte da população local fica excluída dos benefícios sócio-econômicos gerados pelas divisas deixadas nos free shops. Evidenciou-se in loco, a inexistência de programas capazes de dispertar a atenção e a curiosidade nos turistas/visitantes em conhecer melhor a cidade de Rivera. Assim, as políticas públicas acabam por excluir os demais atrativos histórico-culturais, tais como: queserias, patrimônio arquitetônico, expressões culturais, feira itinerante popular, patrimônio religioso, praça pública, monumento e marco divisórios, paisagem pampeana e propriedades rurais. Caso tais atrativos fossem utilizados para fins de visitação turística poderia gerar mais postos de trabalho e renda na localidade. A feira popular é um bom exemplo de autenticidade, pois é composta por trabalhadores que vendem os produtos de sua terra como frutas e verduras. Além disso, as pessoas interagem umas com as outras em meia a uma miscelânea de produtos, entre eles artigos de utilidade e de decoração, muitos dos quais fabricados e utilizados no início do século passado bem como de selaria e outros utilizados na lida campeira. Assim, o contato entre turista e anfitrião poderá ser experienciado de forma construtiva através do exercício da cidadania e da alteridade de forma a gerar ações que respeitem as diferenças culturais. A percepção do turista/visitante poderá converter-se de forma a ampliar suas vivências e experiências culturais e, ao retornar para seu lugar de origem, carregará consigo experiências enriquecedoras e diferentes. Considerações finais A presença dos free shops em Rivera resulta de um processo histórico relacionado às crises econômicas resultantes da oscilação cambial, que hora atraía hora expulsavam os compradores advindos dos países visinhos do Uruguai. Para incrementar as vendas e gerar maior fluxo de capitais, o governo uruguaio incentivou a zona de livre comércio na fronteira desse país. A zona de livre comércio foi um fato social que, somado a outros eventos contraproducentes da modernidade, impactam positiva ou negativamente nessa localidade, com reflexos

8 8 socioeconômicos importantes, também evidenciados pelos comportamentais individualizados dos turistas/visitantes. Esse movimento evidencia conflitos entre o antigo e o moderno através dos quais a população é afetada, principalmente com relação á manutenção das tradições. Quanto a feira popular de Rivera, poucos são os turistas/visitantes que a freqüentam, uns por desconhecimentos; outros por desinteresse. O público circulante são, em sua maioria, moradores locais ou santanenses, que compram frutas e verduras. Alguns adquirem peças de vestimentas de lã, ferramentas para equipamentos e automóveis antigos além de artigos de antiguidades. Tanto a feira como os free shops compõe realidades convergentes e divergentes. Ambos ocupam espaços urbanos muito próximos e se beneficiam de subsídios governamentais como a infra-estrutura física municipal (calçamento, acesso, iluminação pública, policiamento, etc.) e da isenção de impostos. Porém, a feira popular não compartilha de privilégios e concessões para vender com cartão de crédito e, também, ao contrátio dos free shops, não é conhecida pela maior parte dos turistas/visitantes. Neste caso, tanto os aspectos modernizantes como os tradicionais, são fatos sociais e econômicos geradores de conflito e segregação. Entretanto, a presença dos free shops em Rivera deixa muito claro que as manifestações culturais mundializadas não significam que as questões locais estão desaparecendo. Evidencia-se, portanto, que em Rivera, a comunidade rural e urbana mantem-se interessada pelo ingresso dos produtos importados globalizados, porém, valorizam sua cultura tradicional cujas fronteiras simbólicas precisam ser preservadas.

9 9 Bibliografias Consultadas BECK, Ulrich, GIDDENS, Anthony e LASH, Scott. Modernidade reflexiva: trabalho e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp, GIDDENS, Anthony. A terceira via e seus críticos. Rio de Janeiro: Record, GOELDNER, Charles R.; RITCHIE, J. R. Brent; MCINTOSH, Robert Woodrow, Turismo: princípios, práticas e filosofias. 8. ed Porto Alegre: Bookman, MARICATO, E. As idéias fora do lugar e o lugar fora das idéias. In: Arantes, O. B. F.; Maricato, E.; Vainer, C. A cidade do pensamento Único: Desmanchando Consensos. Coleção Zero à Esquerda. Petrópolis: Vozes, MOLETTA, V. F.; GOIDANICH, K. L. Turismo de Compras. Porto Alegre: SEBRAE/RS, OLIVEN, Ruben. A parte e o todo: a diversidade cultural no Brasil-nação. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2006.

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso

Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso Serra Gaúcha Brasil Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso Histórico Religiosidade A religiosidade cultuada pelos imigrantes italianos ainda tem forte presença em Nova Araçá. O município

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918 1 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918 A REGIÃO TURÍSTICA DO ALTO CAFEZAL: DISCUSSÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DA PRÁTICA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil ǀ Minas Gerais. Há mais de 16 anos estreitando laços entre Minas Gerais e Portugal

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil ǀ Minas Gerais. Há mais de 16 anos estreitando laços entre Minas Gerais e Portugal Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil ǀ Minas Gerais Há mais de 16 anos estreitando laços entre Minas Gerais e Portugal A História e o papel da Câmara A Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - Minas

Leia mais

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG Planejamento e estratégia em turismo Antonio Liccardo - UEPG O desenvolvimento do turismo impõe uma permanente articulação entre os diversos setores, públicos e privados, relacionados à atividade, no sentido

Leia mais

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Évora, 22-24 de Setembro de 2005 A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Zoran Roca e José António Oliveira CEGED Centro de Estudos de Geografia e Desenvolvimento Universidade

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Assis do Couto)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Assis do Couto) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Assis do Couto) Cria Área de Livre Comércio no Município de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 desafios e oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 desafios e oportunidades Alentejo no horizonte 2020 desafios e oportunidades Projeto VIVER Atratividade Urbana Programa de Atração de Pessoas Líder: Câmara Municipal de Elvas 1 O Projeto Atratividade Urbana encontra-se estruturado

Leia mais

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4 E X E M P L O S D E I N O V A Ç Ã O 2 0 0 8 2 Exemplos de Inovação Apresentação de alguns exemplos relacionados com os vários tipos de inovação para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

COMO TER SEU PRÓPRIO NEGÓCIO JUV Venha fazer história com a gente!

COMO TER SEU PRÓPRIO NEGÓCIO JUV Venha fazer história com a gente! COMO TER SEU PRÓPRIO NEGÓCIO JUV Venha fazer história com a gente! A MARCA A JUV é uma marca brasileira de Acessórios fundada em janeiro de 2012 A marca buscou inspiração na Venda Direta para trazer uma

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO: UM ESTUDO SOBRE OS BALNEÁRIOS DA BARRA DO CHUÍ E ALVORADA, NO SUL DO BRASIL Taís Natália Cruz Pereira RESUMO: Este estudo realizado nos balneários da Barra do

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

REF: PROJETO EVENTO N.º 02/2011/ CCBPB ENCONTRO EMPRESARIAL DE NEGÓCIOS NA LÍNGUA PORTUGUESA

REF: PROJETO EVENTO N.º 02/2011/ CCBPB ENCONTRO EMPRESARIAL DE NEGÓCIOS NA LÍNGUA PORTUGUESA REF: PROJETO EVENTO N.º 02/2011/ CCBPB ENCONTRO EMPRESARIAL DE NEGÓCIOS NA LÍNGUA PORTUGUESA APRESENTAÇÃO A CÂMARA DE COMÉRCIO BRASIL-PORTUGAL BRASÍLIA, associação civil sem fins lucrativos, foi constituída

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY.

INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY. INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY. Juliana Bessa Martins - Estudante de graduação da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas, juliana.bessa@hotmail.com

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995.

Governança Clínica. As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. Governança Clínica As práticas passaram a ser amplamente utilizadas em cuidados de saúde à partir de 1.995. O Modelo de Gestão Atual foi desenvolvido a 100 anos. Repensar o Modelo de Gestão nos serviços

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

Atuação do Ministério do Turismo na Produção Associada ao Turismo

Atuação do Ministério do Turismo na Produção Associada ao Turismo Atuação do na Produção Associada ao Turismo Atuação do na Produção Associada ao Turismo Produção Associada ao Turismo É qualquer produção artesanal, industrial ou agropecuária que detenha atributos naturais

Leia mais

A MAIOR FEIRA FEMININA DO SUL DO BRASIL!

A MAIOR FEIRA FEMININA DO SUL DO BRASIL! A MAIOR FEIRA FEMININA DO SUL DO BRASIL! A Feira Feminina de Produtos, Serviços e Tendências voltados ao Universo Feminino FEIRA MULHER BRASIL chega a seu 5º ano. E continua sendo única feira do segmento

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO A EVOLUÇÃO HISTÓRICA E O SÉCULO XX 1- A MAIORIDADE DAS CIDADES LIMITES DE EXPANSÃO 2- A OPÇÃO URBANA EM TODOS OS NÍVEIS 3- A CIDADE

Leia mais

REFORMA AGRÁRIA: RENDA E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ARTESANATO

REFORMA AGRÁRIA: RENDA E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ARTESANATO REFORMA AGRÁRIA: RENDA E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO ARTESANATO Cléa Venina Ruas Mendes Guimarães¹ Áurea Maria dos Santos Mundim² Patrícia Beatriz Modesto Freitas³ Eugênia Mara Dias Gonçalves 4 Introdução

Leia mais

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande:

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: HELENA CATÃO H. FERREIRA * Ao mesmo tempo em que podemos observar um refazer constante de resgates de memórias

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva a viagem A preservação

Leia mais

Introdução ao Comércio Internacional

Introdução ao Comércio Internacional Comércio Exterior Introdução ao Comércio Internacional Comércio internacional Comércio exterior é o conjunto das compras e vendas de bens e serviços feitos entre países. Quando um país vende um bem ou

Leia mais

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Coordenador... 5. Docentes... 5. Valores... 6

Convênio... 3. Apresentação... 3 ISCTE / INDEG... 3. Coordenador... 5. Docentes... 5. Valores... 6 MBA Executivo Internacional MBA EXECUTIVO MÓDULO INTERNACIONAL 06 a 13 de Outubro de 2012 Coordenação Acadêmica: Prof. Dr. Marcus Vinícius Rodrigues Convênio..................... 3 Apresentação....................

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Iraci Müller Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul-SC iracimuller@uol.com.br

EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Iraci Müller Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul-SC iracimuller@uol.com.br EDUCAÇÃO FINANCEIRA Iraci Müller Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul-SC iracimuller@uol.com.br Resumo: A Educação Financeira nas escolas torna-se necessária para formar futuros empreendedores que compreendam

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS 1 I - FICHA DE QUALIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO: 1. ESTADO: SANTA CATARINA 2. MUNCÍPIO: FLORIANÓPOLIS 3. ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM 1 COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM Heliana Comin Vargas Publicado no Portal do Estado de São Paulo. www.estadao.com.br/ext/eleicoes/artigos31/08/2000 Desde o início das civilizações, comércio

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA JULHO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A partir da análise da movimentação

Leia mais

AÇÕES DO PLANO NACIONAL DE CULTURA. Número da ação

AÇÕES DO PLANO NACIONAL DE CULTURA. Número da ação Meta Número da ação 1.1.1; 1.1.2; 1.1.3; 1.1.4; 1.1.5; 1.1.7; 1.1.8; 1.1.9; 1.2.3; 1.3.1; 1.4.2; 1.5.1; 1.5.2; 1.6.5; 1.7.1; 1.7.2; 1.7.4; 1.10.1; 1.10.3; 5.1.1; 5.1.4; 5.4.1; 5.4.2; 5.4.3 e 5.4.4 1.1.1

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

A Maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas.

A Maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas. A Maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas. Consumidores Empresas Pesquisar Reclamar Comparar Responder Replicar Resolver O ReclameAQUI é um elo de ligação entre

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA Prof. Marcelo Lisboa Luz Aula 5 Análise do Ambiente Externo VISÃO Aonde a empresa quer chegar Explicitação do que se idealiza Envolve desejos,

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO

Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Ingresso agosto de 2016 Informações: (51) 3218-1355 ernani.neto@espm.br O Curso tem por objetivo capacitar os participantes na utilização de práticas contemporâneas

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL PEC Nordeste - 2015 Evelynne Tabosa dos Santos Gestora Estadual do Programa de Turismo do Ceará TURISMO NO BRASIL - HISTÓRICO Atividade presente na Constituição

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Aula 9 PROCESSOS MIGRATÓRIOS

Aula 9 PROCESSOS MIGRATÓRIOS PROCESSOS MIGRATÓRIOS Aula 9 METAS Inserir o aluno em um dos temas centrais da análise da Geografia da População: a questão migratória; analisar as causas, motivações e conseqüências do deslocamento populacional

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Publicada no D.O.U. nº 217, de 13/11/09 Seção 1 Página 183 e 184 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Aprova o registro profissional

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

O consumidor dos Free Shops: Estudo de caso do perfil do consumidor em Rio Branco / Uruguai.

O consumidor dos Free Shops: Estudo de caso do perfil do consumidor em Rio Branco / Uruguai. PINTO, Andler Kimura (autor) Andler_kimura@hotmail.com acadêmico geografia UFPel PINTO, Vinicius Lacerda (co-autor) Vini_lacerda@msn.com acadêmico geografia UFPel Indicação do estágio da pesquisa: em fase

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META S AO PLN0002 / 2006 - LDO Página: 2355 de 2392 1 de 9 ESPELHO DE S DE AUTOR DA 27 Valorizar a diversidade das expressões culturais nacionais e regionais 1141 Cultura, Educação e Cidadania 5104 Instalação

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais