Secretaria Especial de Saúde Indígena. Ministério da Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria Especial de Saúde Indígena. Ministério da Saúde"

Transcrição

1 Secretaria Especial de Saúde Indígena Ministério da Saúde

2 DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO À SAÚDE DASI 2013

3

4 DISTRITO SANITÁRIO ESPECIAL INDÍGENA - DSEI DISTRITO SANITÁRIO ESPECIAL ÍNDIGENA Seção de Apoio Administrativo SERVIÇO DE RECURSOS LOGÍSTICOS SERVIÇO DE ORÇAMENTO E FINANÇAS SERVIÇO DE RECURSOS HUMANOS SERVIÇO DE EDIFICAÇÕES E SANEAMENTO AMBIENTAL ESCRITÓRIO LOCAL DIVISÃO DE ATENÇÃO À SAÚDE CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO (62)

5 Localização dos 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas - DSEI

6 Organização do DSEI

7 ORGANIZAÇÃO ATUAL DO SUBSISTEMA DE ATENÇÃO À SAÚDE INDÍGENA (SASISUS) o 34 Distritos Sanitários Especial Indígena DSEI; o 04 Escritórios Locais ; o o o o 354 Polos Base; 62 Casa de Saúde Indígena CASAI; 751 Postos de Saúde; profissionais; o AIS (Agente Indígena de Saúde ); o AISAN (Agente Indígena de Saneamento).

8 Situação Demográfica A população indígena é estimada em indivíduos, sendo que mais de 600 mil vivem em terras indígenas regularizadas. De acordo com o IBGE, 2010, há referência a 305 etnias e 274 línguas indígenas. As terras Indígenas Correspondem aproximadamente a 13% do território nacional SIASI/MS, novembro de 2011.

9 INTERCULTURALIDADE o Um exemplo da diversidade cultural está relacionado às diferentes concepções de saúde e de doença entre a população indígena, que desafiam o sistema de saúde a construir estratégias e alternativas que garantam uma atenção diferenciada. o Na concepção de muitos povos indígenas, um certo conjunto de doenças pode não ter qualquer relação com explicações biológicas e sim estar relacionadas a causas mágicas, à ação dos espíritos, e nestes casos, o tratamento a ser adotado pode requerer a atuação de especialistas indígenas (rezadores, pajés, conhecedores de plantas, cantadores, sopradores etc), além dos cuidados dos profissionais de saúde.

10 INTERCULTURALIDADE o Portanto, a interculturalidade se refere a possibilidade de estabelecer diálogos entre diferentes saberes e práticas, a capacidade de escuta dos interlocutores, que pode ser mediada e fortalecida por interpretes indígenas na atenção primária ou no ambiente hospitalar, a destinação de espaço para algumas práticas consideradas fundamentais no processo de cura e outras. o Muitos elementos podem estar implicados nesse processo, começando pela alimentação, a presença de interpretes, acompanhantes e outros. Dependendo de cada etnia mudam as concepções de saúde e doença e conhecer a respeito dessas noções poderá contribuir para a construção do diálogo buscando-se viabilizar os cuidados necessários.

11 Territórios Indígenas na Constituição Federal São reconhecidos aos índios, sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.

12 A GARANTIA DA AUTONOMIA NO CONTEXTO DO RECONHECIMENTO DA DIVERSIDADE ÉTNICA BRASILEIRA A FUNAI, tendo como referência a Constituição de 1988, que define como uma de suas diretrizes: Garantir aos índios e grupos isolados o direito de assim permanecerem, mantendo a integridade de seu território, intervindo apenas quando qualquer fator coloque em risco a sua sobrevivência e organização sócio-cultural (Regimento da FUNAI, de 21 de dezembro de 1993, artigo 2º, item III).

13 Resolução 304/00 Conselho Nacional de Saúde Povos Indígenas povos com organizações e identidades próprias, em virtude da consciência de sua continuidade histórica como sociedades pré colombianas Índio quem se considera pertencente a uma comunidade indígena e é por ela reconhecido como membro. Índios Isolados indivíduos ou grupos que evitam ou não estão em contato com a sociedade envolvente.

14 Povos Indígenas Isolados Os Povos Indígenas Isolados são grupos locais autônomos com uma população numericamente reduzida e que se movimentam constantemente por extensas áreas, vivendo basicamente da caça, pesca e coleta, e alguns têm pequenas roças. (ISA/Buchillet)

15 Povos Indígenas Isolados O conhecimento acumulado sobre povos indígenas contatados nas 3 últimas décadas indica que estes povos passaram por situações esporádicas de contato com segmentos da sociedade nacional, muitas das quais traumáticas. Podem também ter estabelecido contato com outros povos indígenas, inclusive em situações de rivalidade. (ISA/Buchillet)

16 Povos indígenas isolados (ONU 2010) São considerados "isolados" os povos ou segmentos indígenas que não estabeleceram contatos frequentes e/ou intensos com segmentos da sociedade nacional; Os povos isolados são povos ou segmentos de povos indígenas que não mantêm contatos regulares com a população majoritária, e que, além disto, costumam evitar todo tipo de contato com pessoas alheias ao seu grupo; Na sua maior parte, os povos isolados habitam nas matas tropicais ou áreas de difícil acesso, não transitadas, áreas que frequentemente possuem muitos recursos naturais;

17 Povos indígenas isolados (ONU 2010) Para estes povos, o isolamento não tem sido uma opção voluntária e sim uma estratégia de sobrevivência; A FUNAI trabalha com aproximadamente 70 referências de povos indígenas isolados, entre as quais, 23 confirmadas e 47 em estudo, que estão sendo atualizadas.

18 Povos de Recente Contato (ONU 2010) São considerados povos indígenas "Recém Contatados" os povos ou segmentos indígenas que estabeleceram contato recente com segmentos da sociedade nacional OU com reduzido conhecimento dos códigos e valores das sociedades nacionais majoritárias para fazer frente às situações de vulnerabilidade que ameaçam a sua integridade física, social ou psicológica.

19 Povos indígenas isolados (ONU 2010) As referências de povos isolados e de recente contato são classificadas pela FUNAI com base em evidências colecionadas em campo, sendo que na maioria das situações, a área da saúde não foi oficialmente informada a respeito ou desconhece quais são essas referências. A maior parte dessas referências encontra-se em Terras Indígenas já demarcadas ou em processo de regularização fundiária. Foto:

20

21 Povos indígenas isolados e de Recente Contato A FUNAI/CGIIRC opera com doze Frentes de Proteção Etnoambiental: Vale do Javari (AM), Purus (AM), Juruena (AM, PA, MT), Envira (AC), Yanomami (RR), Madeira (AM, RO), Guaporé (RO), Uru-Eu-Wau-Wau (RO), Cuminapanema (PA, AP), Médio Xingu (PA), Madeirinha (MT) e Awa-Guajá (MA)

22 A GARANTIA DA AUTONOMIA NO CONTEXTO DO RECONHECIMENTO DA DIVERSIDADE ÉTNICA BRASILEIRA NÃO CONTATO COMO PREMISSA DE PROTEÇÃO Sistema de Proteção ao Índio Isolado: 1987/88 - Criação do Sistema de Proteção aos Índios Isolados

23 Após 23 anos da nova política de proteção de povos indígenas isolados: (FUNAI) Novos conceitos: Auto determinação Vulnerabilidade Desafios: Aproximação e compartilhamento de territórios, reocupação e pressão territorial CONTATO. Garantias das condições necessárias a reprodução física e cultural. Impactos decorrentes de empreendimento Políticas transfronteiriça.

24 METODOLOGIA PROTEÇÃO DE POVOS INDÍGENAS ISOLADOS (FUNAI) 1. Sistematização de informações sobre a presença de índios isolados 2. Localização de referências confirmação; identificação do território de ocupação Restrição de Uso e GT s. 3. Monitoramento de referências de índios isolados: - Dinâmicas da ocupação territorial conhecimento etnográfico - Identificação das zonas de pressão levantamento e diagnóstico do entorno e ações de difusão da política de Proteção dos povos indígenas isolados junto as populações do entorno. (saúde, zona intangível, avanços de frentes de expansão, entre outros) = situação de vulnerabilidade. 4. Contato: Equipes multidisciplinares para atuar em situação de contato: médicos, linguistas, antropólogos, etc.

25 Elaboração e implementação de políticas para povos indígenas de recente contato (FUNAI). Leitura dos processos históricos das Frentes de Atração Pós contato Coordenar e controlar as políticas públicas que voltadas as populações de recente contato políticas universalizantes. Criação de programas piloto 15 povos

26 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato A Assembleia Geral das Nações Unidas, no seu Programa de Ação para o Segundo Decênio Internacional para as Povoações Indígenas do Mundo, recomendou no âmbito internacional "o estabelecimento de um mecanismo mundial encarregado de supervisionar a situação dos povos indígenas que vivem isolados voluntariamente e correm perigo de extinção". No âmbito nacional se recomendou também a adoção de um marco de proteção especial para os povos indígenas que vivem isolados voluntariamente e que os governos estabeleçam políticas especiais para garantir a proteção e os direitos dos povos indígenas que têm pequenas populações e correm risco de extinção. Primeiro Encontro Internacional sobre Índios Isolados que vivem em países amazônicos e do Gran Chaco Brasil, Peru, Colômbia, Equador, Bolívia e Paraguai, nov/2005http://www.socioambiental.org/nsa/detalhe?id=2150

27 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Historicamente as epidemias assolaram inúmeros povos indígenas brasileiros, sendo que muitos desapareceram sem sequer o Estado ter reconhecido a sua existência. A dificuldade desses povos em desenvolverem, em curto prazo, defesas orgânicas para combater doenças externas e de provavelmente sofrerem de desnutrição, os coloca em uma situação de extrema vulnerabilidade. A condição de debilidade, vulnerabilidade, desproteção e assimetria desses povos frente aos Estados e as sociedades nacionais ameaça e põem em risco os seus direitos. Uma gripe comum dizimava uma comunidade inteira, ou boa parte dela, como ocorria com frequência no passado não muito remoto. Assembleia Geral, ONU "Programa de Ação para o Segundo Decênio Internacional dos Povos Indígenas do Mundo". 7 de fevereiro de 2006.A/60/270 "Projeto do programa de Ação para o Segundo Decênio Internacional dos Povos Indígenas do Mundo".

28 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Mas o que pode ter contribuído de forma determinante para a depopulação destes povos é a ausência das equipes de saúde que realizem as ações necessárias para proteger a saúde dos indivíduos e da coletividade recémcontatada.

29 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Na reunião de Consulta sobre Diretrizes de Proteção para os Povos Indígenas Isolados e em Contato Inicial da Região Amazônica e do Grande Chaco, ocorrida no Brasil em 2010, realizada pela FUNAI e Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, foram elaboradas recomendações para a formulação de diretrizes para a saúde: I. Tratamento de saúde diferenciado, dentro do próprio território dos grupos de recente contato, com disponibilidade de recursos humanos, materiais e de comunicação específicos; II. Promover e tratar a saúde de grupos isolados e de recente contato, levandose em consideração cada cultura de forma particularizada e contextualizada; III. Considerar a conservação ambiental como fator essencial para se promover a saúde destes grupos. Considerar que o meio ambiente preservado e equilibrado presta um serviço valioso e inestimável de manutenção da saúde;

30 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato I. Programa ativo e permanente da promoção de saúde do entorno com articulação interinstitucional, no sentido de controlar fatores epidemiológicos, sociais, ambientais e econômicos que possam trazer danos físicos e/ou mentais; II. Definir políticas públicas específicas de saúde para grupos isolados e recém contatados. Considerar que a manutenção de modos de vida, dieta tradicional e conservação ambiental são fundamentais para a manutenção da saúde desses grupos; III. Cada Estado ou Nação deve criar equipes específicas e qualificadas para trabalhar com a saúde desses grupos, inclusive cuidando da própria saúde da equipe de profissionais, como vacinação prévia e o mínimo de compreensão de antropologia da saúde;

31 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato I. Além da promoção de ações preventivas sistemáticas, cada Estado deve criar um plano de emergência (contingência) caso ocorra um contato, acidental ou não, que traga agravos saúde desses povos, com ameaça de mortalidade em massa iminente (em situação de excepcionalidade: necessidade de agilidade). Para isso, criar também mecanismos mais ageis possíveis para uma ação mais imediata e eficiente, inclusive com agilidade de disponibilidade de recursos; II. Situações de contato são situações de excepcionalidade, quando o Estado tem que agir com urgência.

32 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Um dos desafios que se coloca para o setor saúde organizar uma resposta adequada é a condição dos povos isolados que vivem em áreas de difícil acesso, em regiões onde há problemas de saúde que afetam a população indígena que está em contato com a sociedade nacional de forma frequente, ou seja, em áreas cohabitadas por povos isolados e/ou de recente contato e outros povos indígenas que já estão sob impacto de diferentes endemias. Promover a saúde dos povos de contato mais frequente que habitam essas terras indígenas, contribui para proteção a saúde dos povos isolados e de recente contato. Estas situações demandam a implementação de ações de saúde que tenham eficácia no controle de algumas endemias, tais como as hepatites virais, malária e outras e podem caracterizar forte ameaça a integridade individual e coletiva dos povos isolados e de recente contato.

33 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato A atual política de proteção aos povos indígenas isolados e de recente contato, preconiza que estas áreas devem ser fiscalizadas permanentemente, preservadas nos seus recursos naturais e que não é recomendado o contato pelas equipes de proteção. Considere-se que muitas destas áreas estão em região de fronteira, que tem como uma de suas caraterísticas a existência de redes de saúde menos estruturadas e um enorme leque de fatores que agravam as situações de vulnerabilidades individuais, sociais e programáticas das populações aí residentes. Quantos aos povos indígenas de recente contato, é observado que geralmente estes grupos experimentam situações de sedentarização, o que pode agregar outros desafios para manutenção da saúde, por exemplo, favorecendo a concentração de incidência de algumas doenças que podem acometer um número maior de indivíduos.

34 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Considerando que: I. Cabe à Secretaria Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, coordenar a implementação da Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas mediante gestão democrática e participativa, de forma descentralizada com os Distritos Sanitários Especiais Indígenas, promovendo o acesso da população indígena a todos os meios para preservar e recuperar a saúde; II. III. Estas práticas devem ser permeadas pelo diálogo intercultural, respeitando-se a medicina tradicional indígena; Cabe à FUNAI do Ministério da Justiça, coordenar as ações que visam implementar o Sistema de Proteção para Índios Isolados e de Recente Contato, buscando garantir a proteção dos territórios dos povos indígenas isolados e a integridade física e cultural destes povos;

35 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Considerando que: I. A vulnerabilidade dos povos indígenas isolados e de recente contato exige do serviço de saúde, habilidades específicas para proteger a saúde desta população;. II. O Planejamento adequado das ações de saúde em conjunto com a FUNAI, poderá evitar a tragédia da depopulação em uma situação de contato, com a presença e atuação imediata de equipe de saúde para atuar de acordo com Plano de contingência para situação de emergência definido pela SAÚDE..

36 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Propõe I. A definição dessas diretrizes inclui a participação conjunta tanto da SESAI quanto da FUNAI; II. A Constituição do Grupo de trabalho propicia tanto a elaboração conjunta dessas diretrizes e quanto a criação de uma agenda comum de trabalho, com a escuta de setores da sociedade com experiência no tema e visita conjunta a algumas das áreas de população indígena de recente contato; III. A SESAI avalia que a atenção à saúde aos povos indígenas isolados e de recente contato deve ser uma soma de esforços para uma atenção mais qualificada e permanente, considerando-se a presença do órgão indigenista nestas áreas, que poderá facilitar a implantação dos serviços de saúde para otimizar os recursos técnicos, humanos, organizativos e de infraestrutura da política indigenista e da política de saúde.

37 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Propõe I. A SESAI/MS e a FUNAI/MJ reconhecem a necessidade urgente de estabelecerem conjuntamente sistemas de garantia de proteção dos povos indígenas isolados e de recente contato, que sejam capazes de fazer frente aos contextos de vulnerabilidade que ameacem a saúde destas populações. II. A SESAI/MS e a FUNAI/MJ reconhecem que o direito à autodeterminação desses povos significa o respeito às suas estratégias de sobrevivência física e cultural, segundo seus usos e costumes, que pode compreender o isolamento, bem como contatos e formas seletivas de convívio.

38 Povos indígenas isolados e de Recente Contato ROTEIRO PARA LEVANTAMENTO DE DADOS NOS DSEI COM REFERÊNCIAS PARA POVOS INDÍGENAS ISOLADOS E POVOS INDÍGENAS DE RECENTE CONTATO INFORMADAS PELA FUNAI FORMSUS mapeamento de informações preliminares sobre ações de saúde desenvolvidas pelos DSEI março a junho de 2013

39 Povos indígenas isolados e de Recente Contato - FORMSUS Roteiro: I. Identificação do DSEI (identifica os dados básicos do DSEI) II. Conhecimento do DSEI sobre a presença de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato em sua área de abrangência ( e se tem alguma relação estabelecida com a FUNAI sobre esses povos) III. Organização da Atenção a Saúde (principias problemas de saúde, equipes, vacinas, escalas de trabalho, preparo da equipe, ações realizadas, estrutura dos serviços, referências, ocorrência de surtos, atenção diferenciada e medidas de proteção especial, etc ) IV. Relações estabelecidas pelos Povos Indígenas de Recente Contato (itinerários, fatores de vulnerabilidade e projetos presentes na região- frentes de expansão)

40 Povos indígenas isolados e de Recente Contato - FORMSUS Roteiro: VI. Propostas dos DSEI para construção das diretrizes: i. definir plano de contingência para situação de contato, ii. definir equipe responsável pela ação na área indígena, iii. capacitar equipe responsável em conjunto com a FUNAI, iv. planejar a ação em conjunto com a FUNAI, v. definir os insumos necessários para prestar atendimentos na área indígena (medicamentos, vacinas, equipamentos, insumos para deslocamento), vi. definir período mínimo para observação dos efeitos adversos das vacinas, vii. definir a estrutura mínima necessária em conjunto com a FUNAI para prestar este atendimento, viii. garantir a entrada e permanência da equipe na área para prestar atendimento, ix. definir no plano, estratégia para prestar atendimento de urgência na área indígena, x. definir no plano, estratégia para prestar atendimento de urgência fora da área indígena, xi. definir parcerias estratégicas para apoiar a equipe de saúde em atendimentos de urgência xii. Outros xiii. Identificar as dificuldades apontadas pelos DSEI

41 Povos indígenas isolados e de Recente Contato PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 171, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Institui Grupo de Trabalho com a finalidade de elaborar diretrizes e estratégias de ações em saúde para Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato, bem como Plano de Contingência da Saúde para Situações de Contato com Povos Isolados e Surtos Epidêmicos em Grupos de Recente Contato. ALEXANDRE ROCHA SANTOS PADILHA Ministro de Estado da Saúde JOSÉ EDUARDO CARDOZO Ministro de Estado da Justiça

42 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Outras recomendações para apoiar o GT: I. Sistematizar os dados do FORMSUS; II. Realizar levantamento bibliográfico sobre o tema e sistematização das informações relevantes que possam subsidiar a formulação das diretrizes; III. FUNAI Atualização da definição e referencias dos povos indígenas isolados e de recente contato; IV. Mapeamento dos marcos conceituais adotados por organismos internacionais e por outros países;

43 Saúde e Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato Outras recomendações para apoiar o GT: I. Mapeamento das Politicas, diretrizes e estratégias adotadas por outros países no campo da saúde; II. Mapeamento das evidências científicas que possam embasar a formulação das estratégias em saúde; III. Identificar relação de indivíduos e instituições (serviços de saúde, academia, sociedade civil, outros órgãos governamentais etc) que possam colaborar com o GT na construção das diretrizes; IV. Envolver indivíduos de diferentes etnias no processo de construção das diretrizes; V. Convidar representantes de países vizinhos para compartilhar suas experiências na região amazônica;

44 Grata! Vera Lopes Ministério da Saúde SESAI/DASI

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011 : Um sonho que está se tornando realidade Peru Setembro,2011 DEMOGRAFIA DOS POVOS INDÍGENAS DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO INDÍGENA Estão presentes : em 26 Estados e no DF em 438 municípios: 11% de médio porte

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Subsídios à participação brasileira no evento e considerações

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução

ANEXO XI Saúde Indígena Introdução ANEXO XI Saúde Indígena Introdução A Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas, aprovada na 114ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde (em 8/11/2001) e sancionada pelo Ministro

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Região: Territórios Indígenas da Amazônia Legal Unidade de Medida: unidade Quantidade: 2,00 Descrição:

Região: Territórios Indígenas da Amazônia Legal Unidade de Medida: unidade Quantidade: 2,00 Descrição: OBJETIVO: 0943 Garantir aos povos indígenas a plena ocupação e gestão de suas terras, a partir da consolidação dos espaços e definição dos limites territoriais, por meio de ações de regularização fundiária,

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO E DIVERSIDADE COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Fundação Nacional do Índio Diretoria de Proteção Territorial Coordenação Geral de Monitoramento Territorial Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Mudanças

Leia mais

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB)

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Hospital Universitário de Brasília 1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Práticas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 Ementa: Institui o Comitê de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas do Recife - COMCLIMA e o Grupo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas - GECLIMA e dá outras

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça Termo de Referência Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas 1. Grupo Interministerial

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1. Nota Técnica. O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil

Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1. Nota Técnica. O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil Fórum sobre Violações de Direitos dos Povos Indígenas 1 Nota Técnica O sonho vira pesadelo : sobre as violações do direto à Saúde Indígena no Brasil Descaso na Saúde Indígena: O sonho vira pesadelo são

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina Brasília-DF, 06/08/2014 Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Estrutura

Leia mais

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas 1. Atenção a Saúde da População Indígena no Estado de São Paulo 1 A população Indígena residente no Estado de São Paulo totaliza, segundo Censo do IBGE

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde;

3.1 Planejar, organizar e realizar oficinas de mapeamento participativo utilizando técnicas de educação popular e promoção da saúde; EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 05/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do Termo de Cooperação 78 - Expansão da Estratégia Stop

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Brazil Improvement Plan Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Programme Title: MDGs beyond averages: Promoting Food Security and Nutrition for Indigenous Children in Brazil Rascunho do Plano

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Termo de Referencia. IIª Etapa de Agenda e Planejamento da Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Apyterewa, povo Aweté Parakanã

Termo de Referencia. IIª Etapa de Agenda e Planejamento da Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Apyterewa, povo Aweté Parakanã Termo de Referencia IIª Etapa de Agenda e Planejamento da Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Apyterewa, povo Aweté Parakanã Contratação de Especialista 2 Planejamento de Proteção Territorial

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro 31 de julho de 2014 Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro Decreto Nº 7.602, de 7 de Novembro De 2011 Objetivos I - A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST tem por objetivos

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

3. 1 Executar e monitorar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional, administrativa e financeira.

3. 1 Executar e monitorar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional, administrativa e financeira. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 02/2012 TIPO: MELHOR QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Caminhos para a Participação Popular na Gestão em Saúde de Borba AM

Caminhos para a Participação Popular na Gestão em Saúde de Borba AM Caminhos para a Participação Popular na Gestão em Saúde de Borba AM Seminário Internacional: Inclusão dos Cidadãos nas Políticas Públicas de Saúde. CNS - OPAS Brasília 2011 Prefeitura Municipal de Borba

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE INDÍGENA

4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE INDÍGENA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE INDÍGENA 'DISTRITO SANITÁRIO ESPECIAL INDÍGENA: TERRITÓRIO DE PRODUÇÃO DE SAÚDE, PROTEÇÃO DA VIDA E VALORIZAÇÃO DAS TRADIÇÕES' DOCUMENTO BASE Brasília, outubro de 2005

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento

Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Serviço de Acolhimento para Adultos e Famílias: expansão e reordenamento Brasília, 06/03/2014 Contextualização Em 2008, a Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua apontou que 76,15% da população

Leia mais

CAPITULO I DO OBJETIVO

CAPITULO I DO OBJETIVO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 144, DE 10 DE JULHO DE 2012 (Publicada no D.O.U em 04/09/2012) Estabelece diretrizes para implementação da Política Nacional

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DA MINISTRA PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 419, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta a atuação dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal envolvidos no licenciamento

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais