RASTREAMENTO DE QUELÔNIOS POR TELEMETRIA NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE JIRAU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RASTREAMENTO DE QUELÔNIOS POR TELEMETRIA NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE JIRAU"

Transcrição

1 COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXX SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS FOZ DO IGUAÇU PR 11 A 13 DE MAIO DE 2015 RASTREAMENTO DE QUELÔNIOS POR TELEMETRIA NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE JIRAU Érica Cristina Padovani HALLER Coordenadora de Projetos ARCADIS Logos S.A. Noraly Shawen Liou GUIMARÃES Analista Ambiental ARCADIS Logos S.A. Sandra Elisa Favorito RAIMO Diretora executiva ARCADIS Logos S.A. RESUMO Para verificar o deslocamento de quelônios aquáticos durante a implantação da UHE Jirau foi aplicado o monitoramento por biotelemetria de nove indivíduos de tracajá ( ) e um de tartaruga-da-amazônia (P. expansa). Foi registrado o deslocamento desses indivíduos e as amplitudes variaram entre e m, mas a maioria dos indivíduos não realizou grandes deslocamentos a partir das áreas de captura, não excedendo 10 km de distância. Pôde-se observar que a média dos deslocamentos registrados foi maior na estação chuvosa, quando comparado com a estação seca. A eficiência dessa metodologia pode ser considerada extremamente baixa, já que somente 4,72% dos dados obtidos puderam ser utilizados. Além disso, com os erros associados não é possível afirmar com exatidão a taxa de deslocamento diário dos animais. Não há referências bibliográficas sobre biotelemetria de quelônios para avaliação de impacto, fato este, impossibilita a comparação dos dados obtidos pelo monitoramento ora realizado. No Brasil, há pouca literatura sobre análises de deslocamentos de e P. expansa. ABSTRACT To check the displacement of aquatic turtles during deployment of HPP Jirau was applied monitoring by biotelemetry nine individuals of tracajá ( ) and a tartaruga-da-amazônia (P. expansa). Displacement was recorded for these individuals and amplitudes ranging between 3,000 and 110,000 m, but most individuals did not realize large displacements from the area of capture, not to exceed 10 km away. It was observed that the average of the recorded displacement was higher in the rainy season compared to the dry season. The efficiency of this method can be considered very low, only 4.72% of the obtained data could be used. In addition, with the associated errors is not possible to say exactly the rate of daily movement of animals. There aren t references on biotelemetry turtles to impact assessment, and this fact makes it impossible to compare the data obtained by monitoring now done. In Brazil, there is few literature of displacement analysis of e P. expansa. 1

2 1. INTRODUÇÃO Entre os vertebrados que habitam os sistemas aquáticos, os quelônios são um grupo cujo comportamento semi-aquático faz deles especialmente importantes para a compreensão da relação entre os ambientes terrestres e aquáticos. Além disso, estudos demonstram que quelônios aquáticos selecionam alguns tipos de habitats e microhabitats específicos em sistemas aquáticos [1] [2] [3] [4] [5]. Apesar de ser diverso e comum em tais ambientes, são raros os estudos envolvendo quelônios e a influência em larga escala das modificações desses sistemas em sua ecologia. Gore e Petts [6] relatam que a maioria dos efeitos ecológicos de manipulação antrópica de rios são: modificação do regime de escoamento, regime e qualidade da água, introdução de barreiras, isolamento de rios de sua planície aluvial, perda de áreas de superfície lótica e introdução de espécies exóticas. Além disso, tradicionalmente, muitas populações de quelônios sofrem contínuas pressões de caça e coleta de ovos para consumo humano [7] [8]. As espécies de quelônios aquáticos habitam tipicamente tanto ambientes lênticos quanto lóticos com hidroperíodos, geralmente, estáveis [1]. Esses ambientes aquáticos são utilizados para alimentação, acasalamento, proteção contra predadores e termorregulação [9]. Assim, a maior parte da movimentação de um animal na paisagem relaciona-se à distribuição espaço-temporal de seus recursos, especialmente alimentares [10]. Tradicionalmente exploradas para o consumo humano, expansa (tartaruga-da-amazônia) e em menor escala (tracajá), são alvo de programas de conservação há 36 anos [11]. P. encontra-se como vulnerável e P. expansa como pouco preocupante na lista de espécies ameaçadas da IUCN. Em função desses status e da alta abundância na área de influência da UHE Jirau, P. foi a espécie indicada para esse estudo, sendo amplamente distribuída pela bacia do rio Amazonas [12] [13] [14]. Os programas de conservação e manejo baseiam-se em informações incompletas, principalmente no que diz respeito ao padrão de deslocamento/dispersão dessas espécies. Os tracajás são principalmente diurnos e grupos dessa espécie podem ser vistos sob o sol, no meio da manhã ou no meio da tarde, em troncos ou pedras no meio do rio ou nas praias. A época reprodutiva ocorre entre os meses de agosto a outubro. Após a eclosão dos ovos, os jovens começam a procurar alimentos como frutos e moluscos. Nesse período correm grande risco de predação. Assim como P., P. expansa coloca seus ovos no início da vazão do rio. Após a eclosão dos ovos, os jovens saem para se alimentar. Biotelemetria tem se tornado uma ferramenta importante para o estudo de migração, dispersão, área de vida, uso de habitat, fisiologia e a eficácia do esforço de restabelecimento em quelônios [15]. Cabe ressaltar que o sistema de telemetria via satélite permite rastrear indivíduos que efetuam grandes deslocamentos em espaços de tempo curtos, sendo provavelmente o caso de P. expansa e de P. [16] [17] [18]. Além disso, esse tipo de metodologia permite analisar as diferenças no uso de habitats entre os sexos já que são potencialmente diferentes em muitos quelônios aquáticos [19] [20] [21]. Assim, o objetivo desse trabalho foi apresentar dados informativos sobre deslocamento/dispersão e uso de habitat dos exemplares monitorados de P. no rio Madeira, durante o período de vida útil dos transmissores. Também são apresentados dados de dispersão de um indivíduo de P. expansa. 2

3 2. METODOLOGIA UTILIZADA Esse estudo foi previsto no Programa de Conservação da Fauna Silvestre, parte do Plano Básico Ambiental da UHE Jirau. Para obter resultados do deslocamento/dispersão dos indivíduos, foi realizada a captura de 09 (nove) exemplares de tracajá (P. ), sendo 07 (sete) machos e 02 (duas) fêmeas, e um (01) exemplar de tartaruga-da-amazônia (P. expansa, fêmea), com redes de arrasto e malhadeiras simples. Nestes foram acoplados os equipamentos da SirTrack (Kiwisat 202, modelo K2G271B) nas carapaças com a antena se estendendo caudalmente. Para a fixação dos equipamentos nos indivíduos, foi utilizado epóxi Tubolit (Figura 1). FIGURA 1 Exemplar com Transmissor Acoplado à Carapaça. Autores recomendam que os transmissores não excedam 7% de peso corpóreo do quelônio [22] [23]. Desta forma, os equipamentos acoplados variaram de 2 a 7% do peso dos indivíduos monitorados. Dentre os indivíduos monitorados, o de menor peso foi um macho de P. (nº ), com peso de 1,5 kg, e o de maior peso foi uma fêmea de P., com 6,8 kg. Nessa fêmea foi registrado também o maior comprimento e largura de carapaça e maior comprimento de plastrão. Após o acoplamento dos equipamentos, os indivíduos foram soltos no mesmo local de 1 a 3 dias após a captura, e começaram a ser monitorados via satélite pela ARGOS. As localizações de cada animal foram analisadas através do programa ArcView versão 9.0 e foram calculados os deslocamentos ao longo do período de monitoramento. Este cálculo foi feito somando-se as distâncias, em linha reta, encontradas entre cada ponto de localização. Os erros de localização dos indivíduos causados pela cobertura vegetal, tempo de submersão do animal na água, ocorrência de chuva, proximidade de paredes ou relevo muito acidentado, podem afetar negativamente a desempenho do sistema ARGOS, reduzindo o número de localizações obtidas em relação ao número máximo 3

4 possível, e diminuindo a acurácia da localização [24]. Assim, os dados que apresentaram erros maiores que m e os pontos que se localizaram em ambiente terrestre foram excluídos das análises. Com os erros associados não é possível afirmar com exatidão a taxa de deslocamento diário. Para a análise dos dados, foi feito uma regressão linear simples para verificar a relação da amplitude máxima de deslocamento de cada indivíduo com comprimento da carapaça e com o peso. Para verificar diferença nos deslocamentos dos indivíduos entre a estação chuvosa e a estação seca, no deslocamento máximo de cada indivíduo entre as estações, e verificar se houve diferença no deslocamento entre machos e fêmeas, foram realizadas análises utilizando o teste t. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os indivíduos foram rastreados entre 28 de agosto de 2011 e 31 de julho de Entretanto as datas inicial e final do rastreamento variaram entre os indivíduos, como mostra a Tabela 1. TABELA 1 Dados dos Indivíduos Rastreados na Área de Influência da UHE Jirau ID Espécie Sexo Início do Rastreamento Final do Rastreamento Total de Dias Monitorados Total de Pontos de Localização Amplitude Máxima de Deslocamento macho 28/09/ /07/ macho 22/08/ /07/ macho 28/09/ /07/ macho 02/09/ /05/ fêmea 05/10/ /07/ macho 07/11/ /07/ macho 03/10/ /07/ fêmea 28/09/ /12/ expansa fêmea 07/11/ /06/ macho 21/09/ /07/ As amplitudes de deslocamento ficaram entre e m. A maioria dos indivíduos monitorados não realizou grandes deslocamentos a partir das áreas de captura/soltura, não excedendo 10 km de distância (Figura 2). 4

5 FIGURA 2 Pontos de Deslocamento do Indivíduo de na Área de Influência da UHE Jirau Apenas 04 (quatro) indivíduos superaram esta distância (10 km): 03 (três) indivíduos de P. (02 (dois) com amplitude de aproximadamente 16 e 19 km, e 01 (um) 5

6 com mais de 109 km); e o único indivíduo monitorado de P. expansa, que se deslocou por uma distância de aproximadamente 24 km. Apesar da exclusão dos pontos com erros maiores que m e os que se localizaram em ambiente terrestre, cabe ressaltar que esses dados de deslocamento podem ter erros associados, conforme exposto acima. O indivíduo que obteve menor amplitude de deslocamento foi o macho de P. (nº ) e o que obteve maior amplitude de deslocamento foi o macho de P. (nº ). Para verificar se houve relação entre a amplitude máxima de deslocamento com o peso e o comprimento da carapaça de P., foi feita uma regressão linear simples (F = 0,18; p = 0,68; r 2 = 0,02 e; F = 0,38; p = 0,55; r 2 = 0,05, respectivamente). Esse resultado mostra que as distâncias alcançadas pelos indivíduos dessa população não estão relacionadas com o peso nem com o comprimento. Com relação ao deslocamento de cada indivíduo de P. entre a estação chuvosa (dezembro a maio) e a seca (junho a novembro), o teste t indica que a média dos deslocamentos dos indivíduos na estação chuvosa é maior quando comparado com a média na estação seca (N = 9; µ chuvosa = 2125; µ seca = 1574; t = 0,03). Para verificar se houve diferença no deslocamento entre machos e fêmeas foi feito o teste t (µ macho = 1958; µ fêmea = 1211; t = 0,015). Este resultado indica que a média de deslocamento alcançada pelos machos é maior do que a média alcançada pelas fêmeas. Porém esse resultado pode refletir a diferença entre o número de machos e fêmeas analisados. 4. CONCLUSÕES Independente da época de cheia ou seca, os indivíduos de P. apresentaram alguma preferência pela região da Cachoeira do Paredão e não se deslocaram por grandes distâncias, permanecendo na mesma região de captura. Neste estudo foram registradas amplitudes entre e m. Dentre esses, apenas um indivíduo de P. (equipamento nº ) obteve uma amplitude máxima de deslocamento bem diferente dos outros indivíduos, com m de deslocamento a jusante. O indivíduo com equipamento nº também apresentou deslocamento diferenciado dos demais. A amplitude máxima de deslocamento desse indivíduo foi m de distância, mostrando que além de permanecer por algum tempo no rio Madeira, na região da Cachoeira do Paredão, se deslocou por um igarapé, utilizando como micro habitat também a floresta inundada. O único indivíduo monitorado de P. expansa se deslocou por uma distância de 23 km aproximadamente. No rio Trombetas, fêmeas de P. expansa se deslocaram 45 km em dois dias a favor da correnteza, permanecendo na floresta inundada (igapós) ou em lagos próximos se alimentando, entre janeiro e agosto [25]. P. expansa monitoradas na Reserva Biológica de Abufari através de marcação e recaptura, em julho de 2007, também se deslocaram 50 km em dois dias, mas este movimento ocorreu no sentido contrário ao fluxo da correnteza [26]. Conforme Lima e colaboradores (2012), este resultado corrobora o conhecimento tradicional em relação às rotas migratórias e a velocidade de deslocamento destes animais na várzea amazônica. sextuberculata, monitoradas com rádio telemetria convencional e marcação-recaptura na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, apresentou área de vida média de 29,8 km2 (13,2 40,5) e movimento sazonal de 18,0 km (12,0 26) [18]. Alguns autores discutem que o tamanho da área de vida está diretamente relacionado com o tamanho do corpo do animal, pois animais grandes requerem maior quantidade 6

7 de alimento. Entretanto essa relação não foi encontrada neste trabalho. Além disso, o tamanho da área de vida e o deslocamento podem variar entre os indivíduos da mesma espécie, com a sazonalidade, época do ano, sexo, qualidade do hábitat e padrão de atividade. Entre os indivíduos de P. monitorados, pode-se observar que a média dos deslocamentos registrados foi maior na estação chuvosa, quando comparado com a estação seca. A maior disponibilidade de alimentos pode ser um dos fatores que provavelmente refletiu nesses resultados. No período de 28/08/2011 a 31/07/2012 foram obtidos pelo sistema ARGOS, registros referente aos 10 equipamentos PTTs monitorados. Destes, somente 442 foram utilizados sendo os demais excluídos das análises, pois apresentaram erros maiores que m, além de pontos que se localizaram em ambiente terrestre. Neste sentido, a eficiência dessa metodologia pode ser considerada extremamente baixa, já que somente 4,72% dos dados obtidos puderam ser utilizados. Além disso, com os erros associados não é possível afirmar com exatidão a taxa de deslocamento diário dos animais. Cabe ressaltar que o uso de telemetria em quelônios para a avaliação de impacto é um esforço experimental com resultados pouco elucidativos pelo fato de não existirem dados na literatura para comparação entre áreas intactas e áreas sob impacto. 5. AGRADECIMENTOS Agradecemos a Energia Sustentável do Brasil por proporcionar este estudo e a ARCADIS Logos S.A. pelo apoio e pelo incentivo na publicação deste manuscrito. Aos auxiliares de campo e barqueiros pela ajuda durante a captura dos indivíduos. 6. PALAVRAS-CHAVE Quelônios, Rastreamento, Deslocamento, Avaliação de Impacto. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] BODIE, J.R. e SEMLITSCH, R.D. (2000) Spatial and Temporal Use of Floodplain Habitats by Lentic and Lotic Species of Aquatic Turtles, Oecologia, v.122, n.1, p ; [2] CARTER, S.L. (1997) Movements, Home range, and Habitat Preference Assessment of Bog Turtles (Clemmys muhlenbergii) in Southwestern Virginia, Blacksburg, 78p, Dissertação (M. S.) - Faculty of the Virginia Polytechnic Institute and State University; [3] CHESSMAN, B.C. (1998) Habitat Preferences of Freshwater Turtles in the Murray Valley, Victoria and New South Wales, Australian Wildlife Research, v.15, p ; [4] JOYAL, L.A., MCCOLLOUGH, M. e HUNTER JR., M.L. (2001) Landscape Ecology Approaches to Wetland Species Conservation: a Case Study of Two Turtle Species in Southern Maine, Conservation Biology, v.15, n.6, p ; 7

8 [5] MORROW, J.L., HOWARD, J.H., SMITH, S.A. e POPPEL, D.K. (2001) Habitat Selection and Habitat Use By The Bog Turtle (Clemmys muhlenbergii) in Maryland, Journal of Herpetology, v.35, n.4, p ; [6] GORE, J.A. e PETTS, G.E. (1989) Alternatives in Regulated River Management, Boca Raton: CRC Press, 360p; [7] FACHÍN-TERÁN, A., AYLLON, M. C. e TORRES, G.T. (1996) Consumo de Tortugas de La Reserva Nacional Pacaya-Samiria, Loreto, Peru, Vida Silvestre Neotropical 5: ; [8] KEMENES, A. e PEZZUTI, J.C.B. (2007) Estimate of Trade Traffic of (Testudines, Podocnemididae) from the Middle Purus River, Amazonas, Brazil, Chelonian Conservation and Biology 6: ; [9] ERNST, C.H., LOVICH, J.E. e BARBOUR, R.W. (1994) Turtles of the United States and Canada, Washington, DC: Smithsonian Institution Press, 682p; [10] POUGH, F.H., ANDREWS, R.M., CADLE, J.E., CRUMP, M.L., SAVITZKY, A.H. e WELLS, K.D. (1998) Herpetology, New Jersey: Prentice-Hall, 577p; [11] FACHÍN-TERÁN, A., VOGT, R. C. e THORBJARNARSON, J. B. (2004) Patterns of Use and Hunting of Turtles in the Mamirauá Sustainable Development Reserve, Amazonas, Brazil, In Kirsten M. Silvius, Richard E. Bodmer and Jose M. V. Fragoso (eds.), People in Nature: Wildlife Conservation in South and Central America, Pp , Columbia University Press; [12] MITTERMEIER, R. A. (1977) South America s River Turtles: Saving Them By Use, Oryx, 14: ; [13] PRITCHARD, P. C. H. (1979) Encyclopedia of turtles, T. F. H. Publications, Inc.,Jersey City, 895p; [14] PRITCHARD, P.C.H. e TREBBAU, P. (1984) The Turtles of Venezuela, Athens, Ohio: Society for Study of Amphibians and Reptiles, p ; [15] BOARDMAN, W.I., GOODLETT, T., GOODLETT, G. e HAMILTON, P. (1998) - Review of Radio Transmitter Attachment Techniques for Turtle Research and Recommendations for Improvement, Herpetological Review, v.29, n.1, p.26-33; [16] INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA (1989) Projeto Quelônios da Amazônia 10 anos, Brasília: IBAMA, 119p; [17] VALENZUELA, N. (2001) Genetic Differentiation Among Nesting Beaches in the Highly Migratory Giant River Turtle ( expansa) from Colombia, Herpetologica, v.57, n.1, p.48-57; [18] FACHÍN-TERÁN, A, VOGT, R. C. e THORBJARNARSON, J. B. (2006) Seasonal Movements of sextuberculata (Testudines: Podocnemididae) in the Mamirauá Sustainable Development Reserve, 8

9 Amazonas, Brazil, Chelonian Conservation and Biology: Vol. 5, No. 1, pp ; [19] Moll, E.O. e Legler, J.M. (1971) The Life History of a Neotropical Slider Turtle, Pseudemys scripta (Schoepff), in Panamá, Bull. Los Angeles Co. Mus. Natur. Hist. Sci. 11: 1-102; [20] VOGT, R.C. (1980) Natural History of the Map Turtles Graptemys pseudogeographica and G. ouachitensis in Wisconsin, Tulane Studies in Zoology and Botany, v.22, p.17-48; [21] PLUTO, T.G. e BELLIS, E.D. (1988) Seasonal and Annual Movements of Riverine Map Turtles, Graptemys geographica, Journal of Herpetology, v.22, p ; [22] ECKLER, J.T., BREISCH, A.R. E BEHLER, J.L. (1990) Radio Telemetry Techniques Applied to the Bog Turtle (Clemmys muhlenbergii Schoepff 1801), In: SHEVIAK, C.J.; MITCHELL, R.S.; LEOPOLD, D.J. (Ed.) Ecosystem management: rare species and significant habitats. Albany: New York State Museum Bulletin 471, p.69-70; [23] SCHUBAUER, J.P. (1981) A Reliable Radio-Telemetry Tracking System Suitable for Studies of Chelonians, Journal of Herpetology, v.15, p ; [24] MANTOVANI, J.E, SANTOS, J. E. e PIRES, J. S. R. (2003) Rastreamento Via Satélite de Animais: Performance do Sistema ARGOS em Diferentes Situações, Anais XI SBSR, Belo Horizonte, INPE, pp ; [25] VOGT, R.C. (2008) Tartarugas da Amazônia, 1 ed. Lima: Biblos, 104p; [26] LIMA, J., BRAGA, T. M., SILVA, D. F., PEZZUTI, J. C. e REBELO, G. H. (2012) Mapeamento Participativo do Uso dos Recursos Naturais e Conhecimento Tradicional sobre Ecologia de Quelônios na Várzea do Rio Purus, Brasil, Paper do NAEA

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL Alice M. Grimm Grupo de Meteorologia - Departamento de Física - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Anexo 14.1 26 Mapa elaborado pelo Programa de Supervisão Ambiental utilizando as coordenadas geográficas do projeto de monitoramento da ictiofauna.

Anexo 14.1 26 Mapa elaborado pelo Programa de Supervisão Ambiental utilizando as coordenadas geográficas do projeto de monitoramento da ictiofauna. CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA Anexo 14.1 26 Mapa elaborado pelo Programa de Supervisão Ambiental utilizando as coordenadas geográficas do projeto de monitoramento

Leia mais

Torezani1, E.; Baptistotte1, C.; Coelho1, B. B.; Santos2, M.R.D.; Bussotti2, U.G.; Fadini2, L.S.; Thomé1, J.C.A.; Almeida1, A.P.

Torezani1, E.; Baptistotte1, C.; Coelho1, B. B.; Santos2, M.R.D.; Bussotti2, U.G.; Fadini2, L.S.; Thomé1, J.C.A.; Almeida1, A.P. ABUNDÂNCIA, TAMANHO E CONDIÇÃO CORPORAL EM CHELONIA MYDAS (LINNAEUS 1758) NA ÁREA DO EFLUENTE DA CST (COMPANHIA SIDERÚRGICA DE TUBARÃO), ESPÍRITO SANTO BRASIL, 2000-2004. Torezani1, E.; Baptistotte1, C.;

Leia mais

HISTÓRICO DA RÁDIO-TELEMETRIA NO ESTUDO DE FELINOS NO BRASIL

HISTÓRICO DA RÁDIO-TELEMETRIA NO ESTUDO DE FELINOS NO BRASIL HISTÓRICO DA RÁDIO-TELEMETRIA NO ESTUDO DE FELINOS NO BRASIL Peter G. Crawshaw Jr. Floresta Nacional de São Francisco de Paula, RS IBAMA A rádio-telemetria em felinos foi usada pela primeira vez no Brasil

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE RESUMO

ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE RESUMO ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE Victor Azevedo Godoi 1, André Felipe de Matos Lopes 1, Audálio Rebelo Torres Jr. 1, Caroline R. Mazzoli da Rocha 2, Mariana Palagano

Leia mais

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO Anete S. Fernandes Instituto Astronômico e Geofísico - USP anete@model.iag.usp.br Mário T.L. Barros Escola Politécnica - PHD

Leia mais

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL B. P. H. G. Cardoso 1 ; F. F de. Araújo 2 RESUMO: Este trabalho objetivou possibilitar um levantamento estatístico das vazões e cotas de

Leia mais

Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA

Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Reserva de Desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus Purus : Gestão, Biodiversidade e Conservação Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Instituto Piagaçu - IPi Os caminhos

Leia mais

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Tiago Garcia PEREIRA 1 ; Eriks Tobias VARGAS 2 Cássia Maria Silva Noronha 2 Sylmara Silva

Leia mais

Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas. Supervisão de Unidade de Conservação APA Ilha do Bananal/Cantão RELATÓRIO:

Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas. Supervisão de Unidade de Conservação APA Ilha do Bananal/Cantão RELATÓRIO: RELATÓRIO: IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE LOCAIS DE DESOVA DE Podocnemis expansa e Podocnemis unifilis, NO RIO ARAGUAIA, MUNICÍPIO DE ARAGUACEMA, TOCANTINS - ATIVIDADES INTEGRANTES DO PROJETO QUELÔNIOS

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS VIRGINIA PICCININI SILVEIRA e-mail : virginia@ufpel.tche.br CLAUDIA GUIMARÃES CAMARGO e-mail : camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO AMAZONAS NO PERÍODO DE 2008 A 2015.

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO AMAZONAS NO PERÍODO DE 2008 A 2015. 1 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS ACIDENTES OFÍDICOS NO AMAZONAS NO PERÍODO DE 2008 A 2015. EPIDEMIOLOGICAL PROFILE OF SNAKEBITES IN THE AMAZON FROM 2008 TO 2015. RAQUEL TOMÉ DA SILVA¹ e ANA PAULA MIRANDA MUNDIM

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

MINERAÇÃO MORRO VELHO: 150 ANOS DE REGISTROS PLUVIOMÉTRICOS MORRO VELHO MINING: 150 YEARS OF RAINFALL RECORDS

MINERAÇÃO MORRO VELHO: 150 ANOS DE REGISTROS PLUVIOMÉTRICOS MORRO VELHO MINING: 150 YEARS OF RAINFALL RECORDS MINERAÇÃO MORRO VELHO: 150 ANOS DE REGISTROS PLUVIOMÉTRICOS Ruibran Januário dos Reis 1 ; Daniel Pereira Guimarães 2 ; Elena Charlotte Landau 3 Resumo Este trabalho analisou a série histórica mensal das

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA: ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE QUELÔNIOS AMAZÔNICOS E SEU USO EM CONTEÚDOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA: ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE QUELÔNIOS AMAZÔNICOS E SEU USO EM CONTEÚDOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS 61 TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA: ARTIGOS CIENTÍFICOS SOBRE QUELÔNIOS AMAZÔNICOS E SEU USO EM CONTEÚDOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Elieder Bonet ABENSUR Augusto Fachín TERÁN Universidade do Estado do

Leia mais

Sumário Executivo do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Quelônios Amazônicos

Sumário Executivo do Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Quelônios Amazônicos Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Quelônios Amazônicos Matriz de Planejamento do PAN Quelônios Amazônicos Nº AÇÃO Custo estimado Objetivo Específico 1. Adequação dos marcos legais relacionados

Leia mais

MONITORAMENTO E TRANSLOCAÇÃO DE NINHOS DE AVES NO ÂMBITO DE ATIVIDADES DE RESGATE DE FAUNA EM EMPREENDIMENTO HIDRELÉTRICO

MONITORAMENTO E TRANSLOCAÇÃO DE NINHOS DE AVES NO ÂMBITO DE ATIVIDADES DE RESGATE DE FAUNA EM EMPREENDIMENTO HIDRELÉTRICO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXX SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS FOZ DO IGUAÇU PR 11 A 13 DE MAIO DE 2015 MONITORAMENTO E TRANSLOCAÇÃO DE NINHOS DE AVES NO ÂMBITO DE ATIVIDADES DE RESGATE DE

Leia mais

INFLUÊNCIA DE EVENTOS ENOS NA PRECIPITAÇÃO DE CAMPINAS, SP Leônidas Mantovani Malvesti 1 e Dr. Jonas Teixeira Nery 2

INFLUÊNCIA DE EVENTOS ENOS NA PRECIPITAÇÃO DE CAMPINAS, SP Leônidas Mantovani Malvesti 1 e Dr. Jonas Teixeira Nery 2 INFLUÊNCIA DE EVENTOS ENOS NA PRECIPITAÇÃO DE CAMPINAS, SP Leônidas Mantovani Malvesti e Dr. Jonas Teixeira Nery RESUMO O objetivo desse trabalho foi analisar a variabilidade interanual e a influência

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Biometria de neonatos de tartaruga-da-amazônia Podocnemis expansa (Schweigger, 1812) (Testudines, Podocnemididae) oriundos de ninhos translocados

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

PROJETO QUELÔNIOS SAMA - (PQS) Cilene Bastos de Paula, Coordenadora de Programas Sociais e Sustentabilidade cbpaula@sama.com.br

PROJETO QUELÔNIOS SAMA - (PQS) Cilene Bastos de Paula, Coordenadora de Programas Sociais e Sustentabilidade cbpaula@sama.com.br PROJETO QUELÔNIOS SAMA - (PQS) Cilene Bastos de Paula, Coordenadora de Programas Sociais e Sustentabilidade cbpaula@sama.com.br RESUMO O Projeto Quelônios SAMA - PQS nasceu de uma das diretrizes da mineradora

Leia mais

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades PROJETO MORRO DO PILAR Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas Belo Horizonte / MG Junho/2014 EMPRESA RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Maria I. G. Braz, Daniel P. Munari, Paulo S.D. da Silva, Thaíse

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014. Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU)

XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014. Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU) 1 XVIII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias SNBU 2014 Eixo Temático: Gestão de bibliotecas universitárias (GBU) MODELO DE INDICADORES PARA A BIBLIOTECA FCA/UNICAMP Modalidade da apresentação:

Leia mais

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Sérgio Rodrigo Quadros dos Santos 1, Maria Isabel Vitorino² e Ana Y. Harada 3 Aluno de graduação em Meteorologia

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas Disciplina: Manejo de Fauna e Flora Professores: Adriano Oliveira e Ronei Baldissera MANEJO DE FAUNA Prof. Dr. Ronei

Leia mais

MATERIAIS E METODOLOGIA

MATERIAIS E METODOLOGIA QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E A RELAÇÃO COM A PRESSÃO ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE CULTIVO DE MANGA NO MUNICÍPIO DE CUIARANA-PA SILVA, F. M. 1 ; TORRES, C.S.C. 2 ; SOUSA, A. M. L. 3 ; NUNES, H. G. G. C.

Leia mais

BOLETIM PRESENÇA ANO II, nº 03, 1995

BOLETIM PRESENÇA ANO II, nº 03, 1995 BOLETIM PRESENÇA ANO II, nº 03, 1995 UNIR COLONIZAÇÃO, SENSO COMUM E O CLIMA DE RONDÔNIA MARCOS CORTES COSTA * Resumo A variação das precipitações o grande diferenciador das estações climáticas de Rondônia.

Leia mais

Rev. Colombiana cienc. Anim. 5(1):4-23,2013

Rev. Colombiana cienc. Anim. 5(1):4-23,2013 MONITORAMENTO PARTICIPATIVO DA CAÇA DE QUELÔNIOS (PODOCNEMIDIDAE) POR COMUNITÁRIOS RIBEIRINHOS NO BAIXO RIO PURUS E PROTEÇÃO DE SÍTIOS DE DESOVA NA RDS PIAGAÇU-PURUS, BRASIL. PARTICIPATORY MONITORING OF

Leia mais

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil:

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: dificuldades e necessidades do usuário Alexandre Godinho Centro de Transposição de Peixes (CTPeixes) UFMG agodinho@ufmg.br Sumário da Apresentação Espécies

Leia mais

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1.

Diante dos diversos furtos de equipamentos ocorridos, não foi possível monitorar a zoopassagem 1. 4.- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4..1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

Documento para discussão no GT

Documento para discussão no GT Quanto ainda resta da Caatinga? Uma estimativa preliminar Carlos Henrique Madeiros Casteleti José Maria Cardoso da Silva Marcelo Tabarelli André Maurício Melo Santos Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Um Mergulho na Biologia (Ecologia) Alana Bavaro Nogueira Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO O biólogo é um profissional que atua nos diversos campos da Biologia, ou seja, em todas as áreas

Leia mais

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS De Fonseca da Silva e José Ivaldo B. Brito 2 RESUMO A intensidade e direção do vento são variáveis de grande interesse

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL Ana Valéria Freire Allemão Bertolino Departamento de Geografia/FFP - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS Introdução A BR-262 atravessa o estado do Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, a partir do município de Três Lagoas (divisa com estado de São Paulo), passando pela capital, Campo Grande, até o município

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

[ meio ambiente ] 68 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo. Por: Oswaldo Faustino

[ meio ambiente ] 68 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo. Por: Oswaldo Faustino [ meio ambiente ] Ameaçado de extinção, o Pirarucu, o maior peixe de escamas de nossas águas, ganhou programa de manejo e seus exemplares voltam a atingir número e tamanhos que permitem anualmente sua

Leia mais

Pablo Oliveira, Otávio Acevedo, Osvaldo Moraes. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Pablo Oliveira, Otávio Acevedo, Osvaldo Moraes. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS COMPARAÇÃO ENTRE OBSERVAÇÕES DE TEMPERATURA E UMIDADE DE UMA REDE DE ESTAÇÕES EM SUPERFÍCIE E DADOS DE REANÁLISE NA REGIÃO DE CONFLUÊNCIA DOS RIOS TAPAJÓS E AMAZONAS Pablo Oliveira, Otávio Acevedo, Osvaldo

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES

RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES RELAÇÃO ENTRE ECOMORFOLOGIA E LOCOMOÇÃO DE SERPENTES Adriana Mohr, Ana Cristina Silva, Danilo Fortunato, Keila Nunes Purificação, Leonardo Gonçalves Tedeschi, Suelem Leão, Renan Janke e David Cannatella

Leia mais

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da FAP Faculdade de Apucarana, Paraná;

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da FAP Faculdade de Apucarana, Paraná; LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Troglodytidae musculus, Zonotrichia capensis, Passer domesticus E Molothrus bonarienses EM ÁREAS URBANA: NA CIDADE DE APUCARANA, PR SILVA, E. B. 1 ; VILELA, V. L. D. 2 1 Graduanda

Leia mais

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA Valores eternos. TD Recuperação MATÉRIA Geografia ANO/TURMA SEMESTRE DATA 6º 2º Dez/13 ALUNO(A) PROFESSOR(A) Tiago Bastos TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS NOTA VISTO DOS PAIS/RESPONSÁVEIS 1. Analise e

Leia mais

BANCO DE DADOS E MAPAS ATUALIZADOS SOBRE POPULAÇÕES DE PRIMATAS BRASILEIROS CRITICAMENTE EM PERIGO DE EXTINÇÃO

BANCO DE DADOS E MAPAS ATUALIZADOS SOBRE POPULAÇÕES DE PRIMATAS BRASILEIROS CRITICAMENTE EM PERIGO DE EXTINÇÃO BANCO DE DADOS E MAPAS ATUALIZADOS SOBRE POPULAÇÕES DE PRIMATAS BRASILEIROS CRITICAMENTE EM PERIGO DE EXTINÇÃO LIMA, A. B. de 1 ; ALFONSO-SILVA, S. P. 2 ; ASSIS, A. B. de 3 & JERUSALINSKY, L. 4 RESUMO:

Leia mais

AMAZON ECO: Macacos-de-cheiro são resgatados na Reserva Mamirauá no Ama...

AMAZON ECO: Macacos-de-cheiro são resgatados na Reserva Mamirauá no Ama... Página 1 de 5 AMAZON ECO quinta-feira, 29 de novembro de 2012 Macacos-de-cheiro são resgatados na Reserva Mamirauá no Amazonas O projeto Nosso Debate é Necessário O projeto AMAZON ECO, um weblog totalmente

Leia mais

PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS

PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS (Guaruba guarouba, GMERLIN 1788) EM CATIVEIRO NO PARQUE ZOOBOTÂNICO ORQUIDÁRIO MUNICIPAL DE SANTOS.

Leia mais

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO 1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO Mobilização inicial até 30 de janeiro 2009 CAÇU E SÃO SIMÃO JANEIRO DE 2009 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO... 3 2.1. EMPREENDEDOR...

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

SUBPROGRAMA 7.3 - MONITORAMENTO E CONTROLE DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS

SUBPROGRAMA 7.3 - MONITORAMENTO E CONTROLE DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS SUBPROGRAMA 7.3 - MONITORAMENTO E CONTROLE DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS EMPRESA CONTRATADA Ecossis Soluções Ambientais CONTEXTUALIZAÇÃO Em ambientes aquáticos construídos, como açudes e reservatórios de usinas

Leia mais

Projetos selecionados no segundo edital de 2013

Projetos selecionados no segundo edital de 2013 Projetos selecionados no segundo edital de 2013 No segundo edital de Apoio a Projetos de 2013, 16 iniciativas foram selecionadas para receberem apoio da totalizando um investimento de cerca de R$ 538 mil.

Leia mais

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional)

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) A dinâmica populacional crescimento e regulação do tamanho populacional Quando se menciona um aumento do tamanho populacional,

Leia mais

VITOR HUGO CANTARELLI 1,ADRIANA MALVASIO 2,

VITOR HUGO CANTARELLI 1,ADRIANA MALVASIO 2, 124 CHELONIAN CONSERVATION AND BIOLOGY, Volume 13, Number 1 2014 Chelonian Conservation and Biology, 2014, 13(1): 124 128 g 2014 Chelonian Research Foundation Brazil s Podocnemis expansa Conservation Program:

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

Capítulo 10 CONSERVANDO AS TARTARUGAS NA BACIA DO RIO NEGRO

Capítulo 10 CONSERVANDO AS TARTARUGAS NA BACIA DO RIO NEGRO Capítulo 10 CONSERVANDO AS TARTARUGAS NA BACIA DO RIO NEGRO 199 CAPÍTULO 10 CONSERVANDO AS TARTARUGAS NA BACIA DO RIO NEGRO Larissa Schneider¹, ², Camila R. Ferrara¹, Richard C. Vogt¹, Joanna Burger³

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas AQUECIMENTO GLOBAL Respostas da fauna às mudanças climáticas O exemplo dos anfíbios. Em princípio,

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

Projeto Básico Ambiental Versão Final Set/2011

Projeto Básico Ambiental Versão Final Set/2011 VOLUME VI Plano de Conservação dos Ecossistemas Aquáticos Plano de Gerenciamento Integrado da Volta Grande Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno dos Reservatório (PACUERA) Conclusão Equipe Técnica

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

Subtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Alegre Alegre/ES

Subtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Alegre Alegre/ES ubtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do io Alegre Alegre/E Kennedy ibeiro da ilva 1 Daiani Bernardo Pirovani 1 Larice Nogueira de Andrade Alexandre osa

Leia mais

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA Bolsista Apresentador: Diego Leonardo Bertol Moraes. Coordenador: Airton Cabral de Andrade Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM UHE SANTO ANTÔNIO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A QUALIDADE DE ÁGUA NO IGARAPÉ CEARÁ DURANTE A ESTABILIZAÇÃO DO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO E SOLICITAÇÕES ENVIADAS POR EMAIL MARÇO/2012 INDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

2. OBJETIVOS 3. ÁREA DE INTERESSE

2. OBJETIVOS 3. ÁREA DE INTERESSE TERMO DE REFERÊNCIA Impactos ambientais potenciais e áreas terrestres e aquáticas vulneráveis e críticas para a conservação na área de influência do terminal portuário de Miritituba (Itaituba, PA) e na

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE SÃO MANOEL Programa de Transposição da Ictiofauna CONTROLE DE REVISÃO CÓDIGO REVISÃO DATA P00.SM-025/14 00 30/01/2014 P00.SM-025/14 01 30/04/2014 P00.SM-025/14 02 08/10/2014

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico Revisão 00 NOV/2013 Coordenador da Equipe Carlos Eduardo Alencar Carvalho CRBio 37538/4-D

Leia mais

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA José Nivaldo da Silva¹, Danilo Barbosa de Aguiar², Hermes Alves de Almeida³. ¹ Estudante de Geografia (UEPB) e bolsista de IC/CNPq, e-mail: jnivaldo_silva@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO JOSÉ - ITUIUTABA.

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO JOSÉ - ITUIUTABA. ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO Pereira, L. 1 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Email:lucasbpgeo@yahoo.com.br; RESUMO: Este trabalho apresenta uma análise do solo do cemitério

Leia mais

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA Prefeitura Porto Acre Fluviométrica 13610000 Curso d água Bacia Hidrográfica Área de Drenagem REFERÊNCIA CARTOGRÁFICA Carta Folha Escala Ano Latitude Longitude

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL OLIVEIRA, Maria Antônia Falcão de; VASCONCELOS, Mônica

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV. XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014)

NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) 1 NOTA TÉCNICA N.º 3/2014/IOC-FIOCRUZ/DIRETORIA (versão 1, 22 de maio de 2014) Assunto: Avaliação de armadilhas para a vigilância entomológica de Aedes aegypti com vistas à elaboração de novos índices

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais