O IMPACTO DA LEGISLAÇÃO SANITÁRIA NA AQUISIÇÃO, ARMAZENAGEM E COMERCIALIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O IMPACTO DA LEGISLAÇÃO SANITÁRIA NA AQUISIÇÃO, ARMAZENAGEM E COMERCIALIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 O IMPACTO DA LEGISLAÇÃO SANITÁRIA NA AQUISIÇÃO, ARMAZENAGEM E COMERCIALIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS: UM ESTUDO DE CASO Ricardo Ferreira Dornelas (UNINASSAU) Jorge da Silva Correia Neto (UFRPE) Ademir Macedo Nascimento (UFPE) Charlie Silva Lopes (UFPE) Carlos Henrique Michels de Sant Anna (UPE) Resíduos de produtos farmacêuticos, para humanos e animais, mensurados em milhões de toneladas por ano, são descartados inadequadamente, indo parar em sistemas aquáticos e no solo. A literatura mostra que, apesar da preocupação e alguns escassos estudos que apontam para este perigo, a maioria dos países - inclusive o Brasil - não têm uma política ou legislação específica para este problema. Entre as propostas veiculadas se inclui a logística reversa, que devolveria sobras e produtos vencidos ao seu ponto de origem. Neste estudo discute-se não somente o descarte inadequado de fármacos, mas também o sistema de gerenciamento de armazém dentro do qual se enquadra a logística reversa, apontada como um dos remédios viáveis para a mitigação do problema. Por meio de um estudo de caso de natureza qualitativa, num grande distribuidor de medicamentos, os resultados apontam no sentido de que as tecnologias de gerenciamento de armazéns facilitam, mas não solucionam o problema como um todo. São ainda apontadas pesquisas futuras. Palavras-chave: Remédios; Descarte; Meio ambiente; Legislação; WMS.

2 1. Introdução Para a Organização Mundial de Saúde (OMS) (OMS, 2013), o uso racional de medicamentos se dá quando o paciente adquire o medicamento adequado, na posologia e doses necessárias, durante tempo suficiente e com o menor custo para o paciente. Contudo, a facilidade de adquirir medicamentos no Brasil tem gerado consequências arriscadas para a saúde da população. Na maioria das residências brasileiras existe um acúmulo de medicamentos prescritos para tratamentos que não foram concluídos, que foram prescritos em número ou volume maior do que o necessário e que foram usados, em muitos casos, apenas até o desaparecimento dos sintomas. Existem ainda os casos de automedicação, combatidos pelo governo com inúmeras portarias exigindo que muitos medicamentos fossem colocados atrás do balcão, para serem vendidos apenas com prescrição médica, limitando assim as vendas indiscriminadas (ANVISA, 2013). Além disso, uma grande variedade de fontes provoca a geração de sobras de medicamentos, inclusive a ineficiência e certas práticas dos fabricantes, distribuidores, profissionais que os prescrevem, profissionais que vendem ou dispensam e os próprios pacientes. Constata-se que o problema do descarte de remédios não usados, obsoletos e expirados é um problema universal, que ocasiona, tanto no Brasil quanto no exterior, degradação ambiental. Já foram encontrados resíduos de fármacos controlados em peixes e rios (CIM-RS, 2011), já que muitos países ainda não têm políticas claras e definidas sobre a disposição ou descarte de remédios e que a população de modo geral não tem instruções sobre o que fazer quando seus remédios precisam ser descartados. O Brasil é um destes países que não têm uma legislação específica para o descarte de remédios, apesar da sua avançada legislação ambiental, que contém definições claras para o descarte de resíduos sólidos. As principais alternativas são a incineração, a logística reversa (devolução para o fabricante ou para as farmácias), o reuso responsável, a reciclagem e a doação. Neste tema, cabe discutir também sobre a utilização da tecnologia de gestão de armazéns (warehouse management system - WMS), aplicada ao recebimento, armazenamento, movimentação e expedição dos medicamentos, a qual se configura como uma das mais viáveis para a gestão da logística reversa. 2

3 Neste contexto, buscou-se responder à seguinte pergunta de pesquisa: quais são os principais impactos da (in)existência de legislação sanitária sobre os processos de descarte de remédios no Brasil, no contexto das grandes distribuidoras de medicamentos que usam WMS para o gerenciamento e controle de seus estoques de medicamentos controlados? 2. Revisão de literatura 2.1 Ciclo de vida do produto e o descarte de medicamentos A avaliação do ciclo de vida é uma ferramenta usada para avaliar os impactos ambientais e os recursos usados durante o ciclo de vida de um produto, isto é, desde a aquisição da matéria prima à produção e fases de uso até a gestão do seu descarte. O ciclo de vida do produto, conhecido como life cycle assessment (LCA), é uma avaliação compreensiva que considera todos os atributos ou aspectos do ambiente natural, da saúde humana e dos recursos, segundo a norma ISO 14040:2006 (ISO, 2006). A importância de se conhecer o ciclo de vida de um produto e as diversas políticas e legislações relacionadas ao seu descarte vai ao encontro das preocupações ambientais relacionadas a este descarte. Segundo Brandão (2013), um estudo de viabilidade técnica e econômica realizado pela Universidade Estadual de Campinas mostrou que, em 2010, o Brasil ocupava a oitava posição no mundo em vendas da indústria farmacêutica. Essas vendas resultam num descarte inadequado estimado entre 10,3 e 19,8 mil toneladas por ano, já que no Brasil não há uma prática estabelecida de coleta de medicamentos descartados. Estudos mostram que muitas das substâncias existentes nos remédios resistem ao processo de tratamento e permanecem no meio ambiente durante longos períodos, com riscos socioeconômicos e ambientais, inclusive de contaminação dos recursos hídricos, provocando o surgimento de doenças e a extinção de espécies da fauna e da flora local. Brandão (2013) relata ainda realizada entre 2009 e 2010, cujo objetivo foi medir o desperdício de medicamentos nas farmácias caseiras. Foram visitadas 172 residências e foi constatado que entre 25 e 30% dos medicamentos, na sua maioria antibióticos e anti-inflamatórios, eram jogados fora devido ao vencimento da validade e 80% das pessoas que não jogavam fora os medicamentos vencidos, não quiseram entregá-los aos estudantes, mesmo informados dos riscos aos quais estavam se expondo. 3

4 2.2. Logística reversa O gerenciamento dos canais de distribuição reversos pode ser entendido como a gestão das etapas, formas e meios em que uma parcela dos produtos com pouco uso após a venda, com ciclo de vida útil ampliado ou depois de extinta a sua vida útil, volta ao ciclo produtivo ou de negócios, adquirindo novamente valor em mercados secundários pelo reuso ou pela reciclagem de seus materiais constituintes (LEITE, 2003). Por isso mesmo a logística reversa tem crescido de importância. Segundo Krumwiedea e Sheub (2002) apud Santos e Guerreiro (2011), uma cadeia de suprimentos completa envolve a logística direta e a reversa, já que a primeira aumenta as atividades da segunda, aumentando sua importância para o sucesso de uma organização. De acordo com os mesmos autores, as atividades de logística reversa representam, em média, 4% dos custos totais com logística de uma empresa. Nesse contexto, a logística reversa deixa de ser um centro de custos necessários à manutenção de imagem perante a sociedade, para se tornar um aspecto estratégico para a geração de vantagens competitivas frente à concorrência. Na logística reversa a movimentação de materiais e informações se dá de sua destinação final normal para o início do processo, com o propósito de recuperar valor ou propiciar sua destinação ambientalmente segura (ROGER; TIBBEN-LEMBKE, 1998). O processo de logística reversa gera, de uma forma ou de outra, materiais reaproveitados que retornam ao processo tradicional de suprimento, produção e distribuição. Existem variantes com relação ao tipo de uso ou reprocessamento que os materiais podem ter, dependendo das condições em que estes entram no sistema produtivo ou de reciclagem, ou ainda quando são descartados, mas todos dependem de logística reversa. Os materiais podem retornar ao fornecedor quando houver acordos neste sentido; podem ser revendidos se ainda estiverem em condições adequadas de comercialização; podem ser recondicionados, desde que haja justificativa econômica; ou podem ser reciclados se não houver possibilidade de recuperação. Todas estas alternativas geram materiais reaproveitados, que entram de novo no sistema logístico direto. Em último caso, o destino pode ser o seu descarte final (LACERDA 2002). Em 2010, foi aprovada a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), através da Lei /2010 e do Decreto nº /2010, e com este aparato legal o governo tem promovido ações relacionadas a resíduos sólidos, o que inclui remédios em cápsulas e tabletes, para a proteção da saúde da população e do meio ambiente (BRANDÃO, 2013). 4

5 Ainda segundo Brandão (2013), o governo vê a logística reversa como o caminho a ser seguido para o grave problema do descarte de medicamentos ou o que fazer com eles quando não mais forem úteis para os pacientes. Com isto, o governo tem apresentado várias propostas, nos grupos de discussão da PNRS, com as propostas de modelagem da logística reversa de medicamentos, por meio de um acordo setorial visando um contrato entre os atores da cadeia de medicamentos, para a obtenção de uma responsabilidade compartilhada. 2.3 Estocagem de medicamentos e o warehouse management systems Menores estoques com a prática do just-in-time, maior número de expedições e novas técnicas de movimentação e armazenagem tornaram o armazém um local onde modernas tecnologias, melhor fluxo de materiais e alta produtividade resultam em grande valor agregado para as empresas. A estocagem de hoje segue um método científico de planejamento que envolve vários fatores; por isso os projetos devem especificar, quantificar, arranjar e avaliar toda a infraestrutura necessária para as operações a serem realizadas. Assim, para evitar o desperdício, a deterioração da qualidade do produto e a obsolescência, grandes problemas de almoxarifados e armazéns de outrora, locais de armazenagem específicos podem hoje ser definidos para cada tipo de produto a ser armazenado. No caso de armazenagem de medicamentos é necessário armazenagem especial para que não se perca a eficácia nem se prejudique o tratamento de pacientes. Segundo o Ministério da Saúde (BRASIL, 1989), o armazém para a estocagem de medicamentos deve possuir área e localização adequadas para facilitar a manutenção, a limpeza e a operação, além de ser local dedicado a esta finalidade. Os sistemas de gestão de armazéns, ou WMS, fazem a rotação dirigida dos estoques, têm diretivas inteligentes de picking, consolidação automática e cross-docking a fim de otimizar o espaço de armazenagem (BARROS, 2005). O WMS tem sistemas inteligentes e usam tecnologias como Auto ID Data Capture, códigos de barras, dispositivos móveis e redes locais sem fio para monitorar com eficiência o fluxo de produtos. A maioria dos WMS tem interface com sistemas do tipo enterprise resources planning (ERP), planejamento de recursos da empresa (MRP) ou outros tipos de software, permitindo assim, automatizar inventários, processar pedidos, manusear devoluções, emitir 5

6 relatórios e muitas outras funções com um menor volume de mão de obra (SANTOS; GUERREIRO, 2011). Além da complexidade das formas de distribuição, remédios, produtos medicinais e produtos químicos usados na manufatura de remédios devem ser transportados em condições que assegurem a manutenção da sua qualidade. As recomendações do fabricante para o transporte e a estocagem devem ser observadas, uma vez que elas podem envolver o uso de estocagem especializada dentro de certos limites de temperatura, com equipamentos de medição aferidos e verificados em intervalos definidos. Por outro lado, em um armazém, é comum encontrar nos processos logísticos materiais e produtos que são devolvidos por problemas de validade, garantia, avarias e perda de qualidade, devendo ser devolvidos ao fabricante ou enviado a um reprocessador. No caso dos remédios, por exemplo, nenhuma parte ou componente pode ser reaproveitada, sendo comum que eles terminem em lixos ou lixões, com alto risco para seres humanos e animais. Segundo Guarnieri et al. (2006), entre os processos logísticos o que mais poderia se adequar à logística reversa para tratar dos casos de devolução ou retornos é o WMS, já que apresenta funções como controle de estocagem, controle de contêineres, inspeção e controle da qualidade e expedição, que atendem à logística reversa. 3. Procedimentos metodológicos De acordo com Leão (2006), a pesquisa quanto aos fins pode ser exploratória, descritiva ou explicativa. Entende-se por descritiva aquela pesquisa onde se tem por objetivo descrever o ambiente e a situação onde se encontra o problema, classificando, analisando e interpretando os dados, mas não cabendo ao pesquisador fazer qualquer interferência. A pesquisa explicativa tem por objetivo realizar uma análise que tem como método a explicação, isto é, procura-se aprofundar o conhecimento sobre determinado fator em busca do porquê das coisas e estabelecer causalidade. Já a pesquisa exploratória visa identificar maiores detalhes, novos significados e hipóteses, buscando-se identificar novos conhecimentos, familiarizandose com o fenômeno ou encontrando nova compreensão, como na presente pesquisa. Já quanto à forma de abordagem, pode-se descrever de forma prática o procedimento adotado para verificar os fatos e situações em estudo. Pode-se identificar como sendo formas de abordagem a pesquisa bibliográfica, o estudo de caso e a pesquisa experimental. 6

7 A pesquisa bibliográfica tem como objetivo utilizar-se de informações gráficas, sonoras ou tecnológicas para se resolver um problema ou buscar novos conhecimentos com base nesses meios. A pesquisa bibliográfica normalmente é utilizada para fundamentar outros tipos de abordagem, sendo assim uma ferramenta de corroboração ou forma de comparação entre a prática e o conhecimento previamente registrado. A pesquisa experimental consiste no estudo de determinado caso ou objeto de estudo, identificando os comportamentos possíveis diante da variação de fatores que possam influenciar suas características, com a finalidade de analisar as reações e modificações ocorridas, proporcionando assim, novas hipóteses e a determinação de relações de causa e efeito. O estudo de caso, por sua vez, que se utiliza neste estudo, se caracteriza pelo aprofundamento no estudo de determinada situação, tendo como foco uma determinada situação ou caso isolado de forma exaustiva, permitindo assim maior detalhamento do estudo Caso de estudo A distribuidora de medicamentos estudada, aqui nominada simplesmente como Grupo, foi fundada em 1982, em Recife, onde desenvolveu-se rapidamente, tornando-se uma das mais importantes distribuidoras de medicamentos similares e genéricos de Pernambuco. Atualmente o Grupo está presente em 90% dos Estados do Nordeste e é composto por 13 empresas, atendendo em média mais de clientes ativos e um faturamento médio mensal superior a R$ 20 milhões. Há mais de 31 anos no mercado farmacêutico, o Grupo hoje é uma das mais conceituadas empresas do nordeste no segmento de distribuição de medicamentos similares e genéricos. Vanguarda nas suas ações, o Grupo conta com um formato de tripla ação, que consiste na união do setor de compras, marketing e comercial para criação e execução das ações a serem trabalhadas com os clientes e fornecedores, potencializando agilidade e eficácia nas ações propostas. As ações de marketing movimentam o mercado com encartes de promoções e ofertas, campanhas de vendas, ações de PDV, eventos, ações de estreitamento e fidelização de clientes, maleabilidade na negociação com o cliente em foco. Outra ação de impacto é um evento (feira) anual que reúne os 40 maiores fornecedores de medicamentos do país. 7

8 4. Resultados O bom relacionamento entre o Grupo e a indústria farmacêutica se reflete nas negociações comerciais, proporcionando benefícios que podem ser observados no alto desempenho do negócio. Para tanto, construir uma estrutura de armazenagem robusta e com profissionais de logística treinados e munidos de ferramentas de melhoria de produtividade foi um grande diferencial para o negócio. O recebimento consiste na operação de registrar no sistema de gestão e no WMS todo produto que será armazenado e estocado. As principais ocorrências de entradas de mercadorias se dão por compra à indústria, acerto de estoque, entrada por bonificação entrada por transferência e devolução, como apresenta a figura 1. Figura 1 - Fluxo geral do WMS. Fonte: Manual interno (2013). 8

9 O processo de entrada dos dados no sistema é realizado através de um coletor de dados, onde as informações são processadas e o sistema de WMS indica em qual posição palet (endereço físico) o material recebido deverá ser alocado. De posse do inventário de recebimento (ora denominada guia cega), a equipe de recebimento irá contar e checar se os produtos a serem recebidos estão de acordo com os descritos na nota fiscal. A checagem é feita por amostragem e se alguma divergência é identificada, prontamente deverá ser informada ao profissional responsável pelo recebimento da carga. Após a checagem, se não houver quaisquer divergências da carga recebida com a descrita na nota fiscal, o responsável irá liberar o recebimento da carga, que será disponibilizada em docas de armazenagem para a equipe de armazenamento. Em caso de divergência, estas serão notificadas para posterior correção ou ajuste. Em quaisquer das situações de recebimento citadas, o WMS, por meio do coletor de dados, irá direcionar qual o local mais adequado para acondicionar o volume que está sendo informado (processo de cubagem, que é quando o sistema de WMS correlaciona a dimensão do produto, altura, largura, profundidade e peso), com a disponibilidade de espaço para armazenagem. O sistema irá considerar o tipo de produto, o peso, e sua rotatividade em relação à movimentação (Curva A-B-C, etc.) por volume de vendagem e giro no armazém. De posse destas informações, a equipe de estocagem e armazenamento irá conduzir o lote de produtos recebido ao endereçamento indicado pelo sistema de WMS. Os processos de recebimento de medicamentos, como em qualquer produto, são logisticamente idênticos. Contudo, no caso de medicamentos controlados, há uma exigência da ANVISA, onde existe um deposito dentro do depósito, com uma operação logística exclusiva para este fim, na qual os profissionais têm que ser identificados na área de circulação/movimentação (placa visível com o nome e identidade de todos que trabalham nesta área restrita) como responsáveis para tal. O recebimento, apesar de ser em uma área comum, quando identificado que a carga é de medicamentos controlados, automaticamente é acionada a equipe de medicamentos controlados para executar o recebimento da carga Os produtos serão armazenados conforme a sua condição de recebimento, e cada caso receberá uma tratativa diferenciada. Considerando que os produtos tenham dado entrada pelo processo mais comum, que é o de compra da indústria, estes deverão ocupar um local pré- 9

10 definido chamado de pulmão, considerado o local de armazenamento de produtos de alto giro, ou produtos de caixa fechada. Acondicionados desta forma, fica evidente que são produtos que farão um abastecimento de outros endereços, mesmo que sejam vendidos no mesmo formato que foram recebidos. O processo de armazenamento consiste em direcionar os produtos recebidos aos endereços indicados pelo WMS. Todo o processo utilizado pela empresa estudada é um conjunto entre processo manual e recurso do coletor de dados que direciona o endereço indicado para onde deverá ser destinado o produto que foi recebido. De posse das informações indicadas pelo WMS, os profissionais do armazenamento conduzirão o estoque recebido para os endereçamentos indicados. Identificado o endereço, o mesmo deverá coletar (via coletor de dados) o endereço de armazenagem e por fim estocar o lote de produtos. O processo de separação e preparação dos pedidos pode ser definido como a atividade na qual uma pequena fração de produtos é extraída de um sistema de armazenagem (WMS), para atender as solicitações de pedidos de clientes independentes. Depois de feita a coleta sugerida pelo sistema, os produtos são selecionados e em seguida são levados para a finalização. O processo de finalização, ainda no checkout, consiste em embalar os produtos conferidos e etiquetar a embalagem com os dados de endereçamento. O processo logístico interno é finalizado com o faturamento e expedição dos pedidos, onde os produtos já embalados e etiquetados são conduzidos para a área das docas de expedição, onde são arrumados de acordo com a rota que irão seguir, sugerindo assim que estarão dispostos de tal forma que o primeiro produto a ser entregue esteja posicionado como o último a ser embarcado. A tratativa dada aos medicamentos controlados é a mesma dada aos não controlados, o que difere é que para os medicamentos controlados todo o processo se dá em uma área de armazenagem exclusiva dentro do armazém (identificada e regulada pela ANVISA), com acesso restrito a profissionais cadastrados pela empresa e identificados na porta de acesso à área. O processo de devolução consiste em proceder a reentrada de produtos expedidos para uma nova estocagem ou logística reversa. A logística reversa acontece quando o cliente, por qualquer motivo, se recusa a receber a mercadoria que lhe fora enviada. Dentre os motivos de devolução do cliente podem ser citados o atraso na entrega, pedido incorreto, os produtos apresentaram avarias, o pedido seguiu em duplicidade, etc. O recebimento da mercadoria recebida passará pelo mesmo processo logístico de recebimento de mercadoria nova, salvo 10

11 quando a mercadoria estiver avariada. Se este for o caso, então a mercadoria será disponibilizada em uma área denominada área de avarias, para ter seu destino analisado, podendo ser a incineração ou a devolução ao fornecedor. A devolução de mercadoria ao fornecedor poderá acontecer por terem sido identificados produtos avariados ou caixas fechadas que chegaram com conteúdo incompleto. 5. Conclusões Com a pesquisa bibliográfica e com as entrevistas realizadas foi possível ter um quadro geral dos desafios existentes para a aquisição, o transporte, o armazenamento e a disposição dos resíduos sólidos provenientes das sobras de tratamento e dos medicamentos vencidos. Foi possível perceber que o Brasil tem uma legislação ambiental avançada em relação a países em desenvolvimento, mas que ainda não há uma legislação com instruções claras para o descarte de medicamentos ou um programa educacional geral para a população e estabelecimentos sobre a dispensa de remédios. Já existem evidências do perigo do descarte aleatório de remédios através da pia, da descarga e do lixo doméstico comum, mas ainda são escassos os estudos sobre os efeitos em longo prazo deste descarte, não somente para o meio ambiente, mas também para os homens e os animais. Uma visão integrada do ciclo de vida de produtos farmacêuticos inclui não apenas o seu uso pretendido, mas também as suas consequências. O que se sabe até agora é que estudos recentes mostram que os elementos químicos liberados pelos remédios podem interferir no metabolismo e no comportamento de animais aquáticos, com resultante desequilíbrio das suas populações. Quanto a prejudicar o organismo humano, ainda não existem estudos longitudinais, mas o descarte de remédios considerados importantes pelas quantidades consumidas, toxicidade e persistência, como os beta-bloqueadores, analgésicos e antiinflamatórios, esteróides, citostáticos e drogas para o tratamento do câncer e antibióticos, com certeza devem contribuir para algumas disfunções no organismo saudável. A presente pesquisa teve como intenção descobrir o impacto da legislação sanitária nas diversas fases do ciclo de vida dos medicamentos e o processo logístico reverso para captação do produto e seu devido descarte. Contudo, ficou evidente que não há uma legislação específica para o descarte de remédios, nem um processo logístico bem definido e 11

12 regulamentado para o mesmo, fazendo com que os riscos sejam enormes para o meio ambiente e para a saúde humana e animal. A falta de uma legislação e um controle maior sobre os armazéns que estocam medicamentos também ficaram evidenciados. Mesmo contando com sofisticados sistemas de informação, como o WMS existente na distribuidora estudada, o processo como um todo é ainda passível de falha humana. A empresa estudada periodicamente recebe visitas agendadas ou inopinadas dos fiscais da ANVISA, e apesar de aplicar as boas práticas de armazenagem de medicamentos, treinar os profissionais que manipulam os produtos e ter farmacêuticos experientes, é fácil identificar várias notificações do órgão regulador sugerindo alterações, seja no layout da distribuição dos produtos dentro do armazém, seja nas alterações em sua estrutura física. A empresa em questão busca constantemente a assertividade, porém, por vezes é pega por legislações há muito adormecidas e sem aviso prévio colocadas em prática. Neste sentido pode ser citado o exemplo mais recente das adequações dos veículos, que precisam estar preparados com requisitos de acondicionamento adequado para tal transporte, onde diversas empresas ainda este ano tiveram seus veículos apreendidos em barreiras fiscais e rodoviárias pelos fiscais da ANVISA. Foram multados e somente liberados após pagamento de multa e a retirada dos veículos do local da apreensão. Como sugestão de futuros estudos, aponta-se a investigação acerca da aprovação de uma legislação apropriada para as indústrias e distribuidoras de medicamento, assim como a avaliação de ações educativas. REFERÊNCIAS ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 3.916/MS/GM, de 30 de outubro de Disponível em: Acesso em: 25 ago BARROS, Mônica Coutinho. WMS Warehouse Management Systems (WMS): Conceitos teóricos e implementação em um centro de distribuição. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Industrial, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, BRANDÃO, Aloísio. Logística reversa: O Brasil busca soluções para o descarte inadequado de medicamentos. Pharmacia Brasileira, n. 87, jan-fev-mar BRASIL, Ministério da Saúde. Boas práticas para estocagem de medicamentos. Brasília, DF; p. CIM-RS. Centro de Informações sobre Medicamentos do Rio Grande do Sul. Prática profissional: Descarte de medicamentos. n. 2. Maio de

13 GUARNIERI, Patricia et al. WMS Warehouse Management System: Adaptação da proposta para o gerenciamento da logística reversa. Revista da Produção, v. 16, n. 1, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO In: Environmental Management Life Cycle Assessment Principles and Framework. Geneva, Suíça, LACERDA, Leonardo. Logística Reversa, uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais. Centro de Estudos em Logística - COPPEAD - UFRJ LEITE, Paulo Roberto. Logística Reversa - Meio Ambiente e Competitividade. São Paulo: Prentice Hall, LEÃO, Lourdes Meireles. Metodologia da pesquisa aplicada às ciências naturais. Recife: Editora da UFRPE, OMS. Organização Mundial da Saúde. Acesso em: 01 out Disponível em: ROGER, O. S.; TIBBEN-LEMBKE, R. S. Going backwards: reverse logistics trends & practices. Reverse Logistics Executive Council. U. S. A: SANTOS, K. R.; GUERREIRO, É. D. R. Estudo de um sistema público de armazenagem e movimentação de medicamentos. Tékhne & Lógos, v. 1, n. 2, Botucatu, São Paulo, fev

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS CABRAL, Mayara da Nóbrega CHAVES, Antônio Marcos Maia CHAVES, Maria Emília Tiburtino JALES, Silvana Teresa Lacerda MEDEIROS, Leanio Eudes

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.064, DE 2014 (Dos Srs. Alexandre Roso e Paulo Foletto)

PROJETO DE LEI N.º 7.064, DE 2014 (Dos Srs. Alexandre Roso e Paulo Foletto) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.064, DE 2014 (Dos Srs. Alexandre Roso e Paulo Foletto) Dispõe sobre o recolhimento de medicamentos vencidos e a devolução de medicamentos excedentes ainda em validade,

Leia mais

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo Logística Prof: Roberto Macedo Canais de Distribuições Reversos Objetivos Apresentar os conceitos da logística reversa e os canais utilizados; Evidenciar a importância destes canais e as formas corretas

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

LOG SERVICES TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA

LOG SERVICES TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS TELA INICIAL TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS WORKFLOW DOS MÓDULOS

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 3. Contextualização. Principais Atribuições. Controles de Estoque. Plano de Ação. Instrumentalização

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 3. Contextualização. Principais Atribuições. Controles de Estoque. Plano de Ação. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 3 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Controles de Estoque Principais Atribuições Planejamento Controle Gestão de estoques PDCA Sistema de administração

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA WMS PARA OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS EM UMA EMPRESA ATACADISTA

A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA WMS PARA OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS EM UMA EMPRESA ATACADISTA ISSN 1984-9354 A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA WMS PARA OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS EM UMA EMPRESA ATACADISTA Cesar Eduardo Leite, André Francisco Oliveira Carneiro Fachin, Maria Helena Bastos Cunha (Universidade

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

3. Warehouse Management System (WMS)

3. Warehouse Management System (WMS) 3. Warehouse Management System (WMS) A necessidade de aprimorar as operações logísticas fez com que a empresa selecionada para o estudo de caso adotasse em seu Centro de Distribuição um sistema gerenciador

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Os produtos da Royal 4 têm como base as ferramentas PROGRESS, banco de dados e linguagens de quarta geração (4GL), bastante atuais e abertas.

Os produtos da Royal 4 têm como base as ferramentas PROGRESS, banco de dados e linguagens de quarta geração (4GL), bastante atuais e abertas. Nos mais de 16 anos passados desde sua fundação, Royal 4 tem disponibilizado soluções de software empresariais para companhias de médio e grande porte dos segmentos de manufatura, varejo, atacado e distribuição.

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.maissolucoeslogisticas.com.br

APRESENTAÇÃO. www.maissolucoeslogisticas.com.br APRESENTAÇÃO www.maissolucoeslogisticas.com.br Acreditamos que as pequenas e médias empresas de transporte, armazenagem, operadores logísticos e empresas de e-commerce podem ter processos eficientes, uma

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE - SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANIT... PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998

QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE - SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANIT... PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 QUINTA-FEIRA, 31 DE DEZEMBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 1.051, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1998 CONSULTA PÚBLICA O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério

Leia mais

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular 53 O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular José Sérgio Celestino Camargo, Paulo Tadeu Peres Ingracio e Romério de Oliveira

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem

A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem A Tecnologia de Informação na Gestão de Armazenagem Nádia Veríssimo (EESC-USP) nadiaverissimo@hotmail.com Prof. Dr. Marcel Andreotti Musetti (EESC-USP) musetti@prod.eesc.sc.usp.br Resumo Este trabalho

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Distribuição física e armazenagem Objetivo: Atender o cliente, dispondo do produto no lugar certo, no tempo certo e na quantidade desejada. Esta

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB VERIFICADO EM: 23/08/2011 POR: FLAVIA SILVA ASSINATURA:

DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD. TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB VERIFICADO EM: 23/08/2011 POR: FLAVIA SILVA ASSINATURA: PÁGINA: 1/12 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD CÓDIGO POP.066010004/001 TíTULO: LOGÍSTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES FPB ELABORADO EM: 24/06/2011 RESP. PELA UF: LUIZ CARLOS MARTINS ASSINATURA: VERIFICADO EM:

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade Prof. Rogerio Valle Logística Reversa e Sustentabilidade LOGÍSTICA REVERSA, PROCESSO A PROCESSO (ED. ATLAS) Visão sistêmica dos fluxos de recursos e de produtos Evolução na problemática da sustentabilidade

Leia mais

Programa de Devolução Segura de Medicamentos e o Gerenciamento de Resíduos. Vanusa Barbosa Pinto Divisão de Farmácia ICHCFMUSP

Programa de Devolução Segura de Medicamentos e o Gerenciamento de Resíduos. Vanusa Barbosa Pinto Divisão de Farmácia ICHCFMUSP Programa de Devolução Segura de Medicamentos e o Gerenciamento de Resíduos Vanusa Barbosa Pinto Divisão de Farmácia ICHCFMUSP Cenário Preocupação com a segurança do paciente Uso racional do medicamento

Leia mais

Fenícia Automação Comercial

Fenícia Automação Comercial Fenícia Automação Comercial Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto valor agregado

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Marcelo José de Sousa, diretor de logística da TGestiona, fala sobre e-commerce

Marcelo José de Sousa, diretor de logística da TGestiona, fala sobre e-commerce 21 de Julho de 2009 Marcelo José de Sousa, diretor de logística da TGestiona, fala sobre e-commerce A Internet, já há algum tempo, é parte integrante da vida de muitas pessoas, que passam horas conectadas

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível.

Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível. Push-back Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível. Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM

3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM 3. WMS - WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM (SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉNS): UMA PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DA LOGÍSTICA REVERSA EM ARMAZÉNS Patrícia Guarnieri Kazuo Hatakeyama Daniele

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

FARMACÊUTICA. Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC

FARMACÊUTICA. Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC LOGÍSTICA FARMACÊUTICA Sammara Tavares Nunes Coord. Central de Abastecimento Farmacêutico CAF/HUWC Central de Abastecimento Farmacêutico Unidade que tem por finalidade manter e abastecer de modo dinâmico

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais