Desenvolvimento haciafuerae desenvolvimento haciadentro: erros e acertos da política econômica brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento haciafuerae desenvolvimento haciadentro: erros e acertos da política econômica brasileira"

Transcrição

1 Universidade de Brasília Departamento de Economia Série Textos para Discussão Desenvolvimento haciafuerae desenvolvimento haciadentro: erros e acertos da política econômica brasileira Maria de Lourdes RollembergMollo Adriana Moreira Amado Texto No 334 Brasília, Novembro de 2010 Department of Economics Working Paper 334 University of Brasilia, November

2 Desenvolvimento hacia fuera e desenvolvimento hacia dentro: erros e acertos da política econômica brasileira Maria de Lourdes Rollemberg Mollo e Adriana Moreira Amado 1 RESUMO O artigo discute, a partir das teses cepalinas dos anos 1950 e 1960 sobre as relações entre países centrais e periféricos, a evolução recente das políticas econômicas no Brasil. Destaca alguns acertos que foram considerados, quando de sua concepção, erros, enquanto mostram os equívocos de algumas práticas prescritas pelo mainstream em economia. 1 As autoras são professoras do Departamento de Economia da Universidade de Brasília e pesquisadoras do CNPq. 2

3 1. Introdução Ao longo das três últimas décadas vivemos o processo de liberalização da economia brasileira, processo generalizado no mundo todo, que caracterizou o chamado neoliberalismo econômico. A dominação desse pensamento foi melancolicamente abalada pela crise mundial que hoje vivemos mas, ainda assim, seus adeptos insistem em associar a maior resistência da economia brasileira à crise às suas políticas, que estariam beneficiando ainda aos brasileiros. Esse artigo pretende negar esses argumentos, criticando o que vem sendo considerado acerto de política que, a nosso ver, tornou o país mais vulnerável ao que ocorreu e ocorre no exterior. Discutiremos isso a partir das análises cepalinas dos anos 1950 e 1960 sobre as relações internacionais entre países centrais e periféricos. Mostraremos ainda que, se maior resistência há do Brasil, em face da crise, para isso contribuíram medidas antes criticadas pelos ortodoxos, que se apresentam inclusive como saída para a crise que ora enfrentamos. Para tanto, no primeiro item, destacaremos os aspectos do pensamento da CEPAL que nos interessam analisar para tirar lições sobre o desenvolvimento atual da economia brasileira. No segundo item, mostraremos como, apesar do grande desenvolvimento e das transformações estruturais da nossa economia, temos um novo crescimento hacia fuera, no sentido não somente de abrir-se ao mercado externo, com a liberalização, mas de atender a uma lógica externa, tornando-se dependente da mesma, o que nos deixa vulneráveis ao que ocorre no exterior. Em seguida, no terceiro item, analisaremos algumas políticas econômicas que se impuseram à revelia do pensamento neoliberal e suas conseqüências positivas hoje, diante da crise mundial. Retomaremos então a análise estruturalista de Celso Furtado sobre a evolução da economia brasileira na crise de 1929, de forma a tirar conclusões 3

4 sobre a forma mais adequada de enfrentarmos a crise atual. Ao final faremos algumas considerações conclusivas Economias periféricas, desenvolvimento hacia fuera e incapacidade dos mecanismos de mercado A análise dos problemas de vulnerabilidade da economia brasileira diante da liberalização dos mercados tem muito a ganhar como o pensamento cepalino dos anos 1950 e Ao contrário do que defendia a ortodoxia na época, o sistema de mercado livre não corrigia, na visão da CEPAL, os desequilíbrios, nem beneficiava igualmente economias centrais desenvolvidas e economias periféricas mas, ao contrário, tendia a punir estas últimas. A tese liberal dominante à época, com base na teoria das vantagens comparativas e suas derivações, esperava, como espera até hoje, que a especialização dos países na produção e exportação de produtos primários proporcione aos países produtores as melhores oportunidades para comprar dos países centrais o necessário para impulsionar seus crescimentos. Os preços tendem, segundo eles, a se ajustar de forma a igualar remuneração de fatores e rendas geradas entre os países num sistema de vasos comunicantes estimulado pelo comércio livre que tende a beneficiar a todos igualmente. Ora, era exatamente a especialização em alguns países primário-exportadores e a heterogeneidade - em particular tecnológica - entre setores, dentro dos países 2 Destaque-se especialmente os trabalhos de Prebisch (1962 e 1973). Para discussões e análises mais recentes ver Bielschowsky (2000) e Rodriguez (2009). 4

5 periféricos, e entre estes e os países centrais, que estiveram na base das dificuldades analisadas nas teses da CEPAL para o desenvolvimento da periferia 3. As diferenças estruturais entre o centro e a periferia não se resolvem com o mero jogo das forças de mercado mas se agravam, o que exige uma ação estatal interventora. Por um lado, a especialização inicial da produção conduz a grande dependência de importações. Mesmo quando se busca desenvolver outros setores é preciso importar insumos. Mais que isso, a importação de itens não produzidos internamente tem conteúdo tecnológico mais elevado e padrão tecnológico ditado pelo centro. Isso amplia a heterogeneidade entre setores na estrutura produtiva da periferia, aumentando a dependência por importações de bens intermediários e de capital e de bens tecnologicamente avançados. O progresso tecnológico nas atividades primárias dinâmicas, para os cepalinos, poupava mão de obra que não conseguia ser absorvida pela indústria periférica, pouco dinâmica, aumentando o subemprego e tornando a demanda doméstica insuficiente para dinamizar o setor industrial. Ao mesmo tempo, os termos de troca tendiam a se tornar desfavoráveis aos países periféricos. Por um lado, a demanda de importações do centro era inelástica à renda, uma vez que o progresso técnico tendia a poupar insumos e a substituir insumos naturais por sintéticos. O crescimento da renda, além disso, reduz a proporção de bens 3 Os países periféricos, nestas análises, caracterizam-se por se especializarem na produção e exportação de produtos primários, e pela heterogeneidade das suas estruturas produtivas (níveis diferentes de produtividade, remunerações, desenvolvimento tecnológico e desenvolvimento em geral entre setores), enquanto os países centrais apresentavam produções diversificadas e integradas e homogeneidade em termos de grau de desenvolvimento tecnológico e em geral, e em termos de renda entre setores (RODRIGUEZ, 2009). 5

6 primários consumidos. Tudo isso facilitava a queda dos preços das exportações da periferia. Os países periféricos, por sua vez, têm elasticidade-renda da demanda elevada, uma vez que a especialização, a falta de complementaridade entre setores, a maior demanda de bens intermediários e de capital tecnologicamente avançados ampliava a dependência por importações e seus preços. A estrutura dos mercados dos produtos das pautas de exportações e importações da periferia é outro elemento que favorece a deterioração dos seus termos de troca.os produtos que são normalmente exportados são produtos que têm uma estrutura de mercado mais concorrencial. Por outro lado, pelas características intrínsecas dos mesmos, os produtos importados são produtos que têm mercados em concorrência imperfeita. Esse fato favorece um maior controle dos preços por parte dos países centrais vis a vis os periféricos e, conseqüentemente, a deterioração dos termos de troca na periferia. Também a estrutura do mercado de trabalho, é mais concorrencial na periferia, com pouca qualificação da mão de obra e menor organização dos trabalhadores do que no centro. Isso também favorece o dreno dos ganhos da periferia para o centro, via comércio internacional. Observe-se que o progresso tecnológico é sempre caro, tendendo a se concentrar nas mãos dos que primeiro se beneficiaram dele, o que, por si só, é fonte de desigualdade entre países periféricos e centrais. Embora esse progresso tenda a se realizar nas indústrias do centro, isso, diferentemente do esperado pela ortodoxia, não garantia preços baixos que beneficiassem a periferia, porque a concentração do capital e do progresso tecnológico dava aos centros maior controle da oferta e dos preços, o que impedia a queda destes últimos. 6

7 Tudo isso reforça tanto a deterioração dos termos de intercâmbio quanto a heterogeneidade tecnológica e a desigualdade entre níveis de desenvolvimento entre o centro e a periferia. Assim, ao contrário do que esperavam os liberais, a especialização inicial, a dependência de importações, e as estruturas de mercado diferenciadas estariam na base da deterioração das relações de troca para a periferia. A dependência de importações e a deterioração dos termos de troca, por sua vez, levariam a progresso tecnológico mais lento da periferia, perpetuando sua defasagem com relação ao centro. A especialização e conseqüente dependência de importações, por outro lado, tornavam a periferia vulnerável aos eventos e conjunturas externas. Quando as economias centrais estão em fase de crescimento, cresce a demanda de bens primários provenientes dos países periféricos e os seus preços, e os ganhos destes setores impulsionam outros na periferia, por meio de aumentos de renda e demanda. O inverso ocorre nas fases de contração da demanda de países centrais. Finalmente, a vulnerabilidade dos países periféricos tende a aumentar em vista das tecnologias serem ditadas no centro, perpetuando a dependência de importações com o progresso tecnológico, na ausência de ação estatal interventora que permita saltar etapas e interromper os ciclos viciosos de especialização e dependência de importações analisado. Esse tipo de análise comparativa entre centro e periferia e, em particular, a apreensão dos resultados do intercâmbio entre eles, permite destacar três problemas reforçados pelo sistema de mercado livre que requer intervenção estatal: a tendência ao aumento da desigualdade centro-periferia, em vista da especialização inicial; a dependência estrutural dos países periféricos do exterior, com relação às importações; e 7

8 a dependência com relação aos ciclos de crescimento. Esses mesmos tipos de problemas podem ser analisados com a liberalização atual. Embora as estruturas produtivas na periferia estejam hoje bastante mais complexas e desenvolvidas, o mesmo ocorrendo nos países centrais, as diferenças de níveis de desenvolvimento permanecem, mostrando que o mercado, por si só, é incapaz de resolvê-las. Com a liberalização, em particular dos movimentos de capitais, continuamos vulneráveis às conjunturas econômicas externas e aos humores do mercado. Esse tipo de abertura externa, além disso, vem impondo políticas econômicas e práticas neoliberais alheias às nossas especificidades, constituindo-se, neste sentido, uma outra fase de desenvolvimento hacia fuera, que inibe o nosso crescimento e reverte ganhos estruturais e sociais anteriormente obtidos. É o que analisaremos a seguir. Alguns elementos das políticas econômicas mais recentes, porém, têm melhorado as perspectivas de desenvolvimento hacia dentro, e são elas que, a nosso ver, vêm fornecendo saídas mais seguras para a crise atual. É o que veremos no item A trajetória neoliberal: novo tipo de desenvolvimento hacia fuera Ao conceberem o sistema de preços de mercado como eficiente regulador, os neoliberais consideram o Estado necessário sobretudo para garanti-lo. Assim, embora com gradações diferentes, em todos os casos, o Estado é visto pela ortodoxia neoliberal como um alocador ineficiente de recursos (KRUEGER, 1974), devendo, por isso, respeitar as iniciativas privadas contidas nas ofertas e procuras dos diferentes mercados, razão pela qual pedem a liberdade deles. Nesse sentido, a intervenção estatal é portadora de ineficiências e distorções, precisando ser disciplinada. Destaca-se entre as principais distorções provocadas a inflação. 8

9 Acreditam os neoliberais que o Estado tem um viés inflacionário (KYDLAND e PRESCOTT,1977; BARRO e GORDON, 1983; ROGOFF, 1985; ALESINA e TABELLINI, 1987) 4. O comportamento pró inflação, visto como inerente ao Estado, pelos neoliberais, é problemático, porque distorce o sistema de preços que, para eles, é o melhor regulador econômico, requerendo, por isso, ser evitado a qualquer custo. Evitar tais conseqüências, dentro dessa abordagem, significa disciplinar o governo, impedindo que gaste, ou se endivide, ou crie moeda. Assim, as políticas neoliberais implicam todas em aperto monetário, contenção de gastos do governo e restrição ao poder monetário do Estado. É nesse sentido e com esse intuito que os neoliberais prescrevem a disciplina do mercado sobre os governos, como forma de garantir maior estabilidade econômica. Para isso, é preciso dar força aos mercados, liberalizando-os (OBSTFELD, 1998 e FISHER, 1998). Uma vez liberalizados, acreditam que os governos serão disciplinados porque qualquer tentativa de intervenção exagerada na economia, ou qualquer tentativa de gastos exagerados, aumentando o endividamento ou a emissão monetária, estimularão a fuga de capitais. A fuga de capitais numa economia liberalizada é, pois, a ameaça permanente do mercado e funciona como camisa de força restringindo o poder 4 Essa percepção decorre do fato da inflação, para eles, ter como causa a emissão exagerada de moeda ou gastos governamentais excessivos que se transformam em endividamento público, levando a necessidades futuras de maior emissão monetária. Assim, haveria um excesso de demanda financiado com essa criação exagerada de moeda, que levaria os preços a subir. Nessa concepção, além disso, a quantidade de moeda pode ser e é controlada pelo Estado (moeda exógena), o que o torna responsável pela inflação. Finalmente, os gastos e a renda gerados no processo não estimulam a produção real ou a oferta de forma duradoura (moeda neutra) e, então, dada a demanda ampliada com os gastos do governo, o nível geral dos preços ou a inflação aumenta.. 9

10 de atuação do Estado. Essa é, então, a razão da prescrição neoliberal para a abertura ao movimento de capitais como forma de impor a disciplina de mercado aos governos. A defesa dos mercados livres também aparece nas prescrições de taxas de câmbio flutuantes, que variam conforme o movimento de oferta e procura de divisas, e a meta inflacionária, regra de política econômica que retira poder monetário do Estado. Em todos esses casos, as medidas pressionam e conduzem para taxas de juros altas. Do lado da abertura ao movimento de capitais, para evitar sua fuga. Do lado do câmbio flutuante para, ao evitar a fuga de capitais, reduzir suas flutuações. No que tange ao regime de metas inflacionárias, a taxa de juros tende a ser alta ao operar a regra de Taylor, segundo a qual a taxa de juros precisa subir quando a expectativa de inflação é maior do que a meta ou quando o crescimento do produto efetivo for maior do que o do produto potencial. Essas políticas são criticadas pelos economistas heterodoxos na base de uma concepção de moeda não neutra, inteiramente diferente, e de papel do Estado como melhor regulador do que o mercado. A concepção de moeda não neutra, afetando a produção real, torna a contenção monetária e a redução do poder monetário do Estado portadoras de elevados custos sociais em termos de crescimento e emprego. A sujeição ao mercado e suas flutuações, em particular externas, por outro lado, torna o país mais vulnerável ao que ocorre no exterior, fora do seu controle. Esses foram problemas típicos da era neoliberal no Brasil desde os anos 1990 e são, portanto, razões para a maior vulnerabilidade do país. Quanto à questão inflacionária, o controle monetário que, segundo a ortodoxia, é fundamental para evitar a inflação é desnecessário, na concepção heterodoxa, porque a inflação não é, em regra, como pensam eles, causada por excesso de moeda ou gastos do governo, mas por aumentos de custos. Mas além disso, o controle monetário, em 10

11 condições de moeda não neutra, trava o crescimento do produto e da renda com conseqüências danosas para o emprego tanto a curto quanto a longo prazo. Por outro lado, inviabiliza uma solução mais definitiva da própria inflação a longo prazo, porque dificulta a ampliação da capacidade produtiva da economia. Nesse sentido, a taxa de juros elevada, conforme a regra de Taylor, pode inibir, inclusive, o crescimento do produto potencial, sinalizando aumentos da taxa de juros em situações não inflacionárias. Interessa-nos aqui, em particular, discutir os impactos das políticas neoliberais ortodoxas sobre a nossa vulnerabilidade ao exterior, ampliando-a, problema apontado pelos cepalinos ao tratar das relações entre centro e periferia. A esse respeito, e no que se refere à liberalização do movimento de capitais, ao contrário do que prescreviam seus mentores, não atraíram poupanças externas para financiar maior investimento. Não apenas as entradas de recursos foram em grande parte especulativas, e financiaram, via apreciação da moeda nacional, o consumo de importados (BRESSER-PEREIRA e GALA, 2008), como essas entradas e saídas de capitais se vincularam sobretudo às condições de liquidez externas, e não às diferenças de taxas de juros. Daí porque o nosso crescimento ao longo dos anos ficou sujeito a ciclos reflexos (AMADO e RESENDE, 2007), onde é possível crescer se e quando a liquidez internacional é farta e o otimismo generalizado. Nessas fases, os capitais migram para as economias emergentes como as nossas com mais facilidade. Nesses momentos de euforia afrouxa-se a restrição estrutural de divisas dos países periféricos e estes crescem com mais facilidade. Todavia, seu crescimento se dá com a deterioração de suas balanças comerciais, o que os coloca em posição mais vulnerável aos ciclos de liquidez internacional que obedecem a um padrão minskyano. 11

12 Nos momentos de reversão das expectativas nos mercados financeiros internacionais a restrição de liquidez e a fuga de capitais atinge, em primeiro lugar, e de forma mais intensa, esses mesmos países periféricos, que são percebidos como unidades Ponzi pelo sistema financeiro internacional e seus agentes, em vista da maior incerteza associada ao seu desenvolvimento 5. Contudo, ao se reduzir a liquidez internacional, na fase descendente do ciclo, justamente quando mais se precisa de recursos, porque os déficits na balança comercial tendem a ser maiores, com demanda externa menor, faltam estes recursos para países emergentes, em vista da maior incerteza na periferia (DOW, 1993) e o caráter mais remoto para os investidores externos da situação econômica dos nossos países. Esse problema de vulnerabilidade aos ciclos de liquidez internacional é agravado pelos tamanhos dos mercados financeiros dos países emergentes relativamente aos países desenvolvidos. Como mostra Prates (2005), existem assimetrias no sistema financeiro internacional que punem os países menos desenvolvidos, e tanto mais quanto menos desenvolvido ele for e quanto maior for a abertura do país ao exterior. As razões para tais assimetrias são diversas e cabe-nos aqui destacar a situação das nossas moedas na hierarquia das moedas internacionais. Ocupamos uma posição baixa, nesta hierarquia, em função do grau de liquidez menor das nossas moedas, liquidez relacionada com o grau de poder econômico e político dos nossos países relativamente aos países mais desenvolvidos (BRUNHOFF, 1998). Só essa diferença já requer maior recompensa em termos de juros para atrairmos recursos. Mas mesmo com taxas mais elevadas de juros para refletir a menor liquidez das moedas, sofremos mais revezes 5 A maior incerteza acha-se justificada pelas rendas mais baixas e a conseqüente insegurança sobre a capacidade de vender a produção, e a dependência maior tanto das importações quanto das exportações (AMADO, 1997 ) 12

13 quando disputamos a atração de capitais internacionais, porque eles representam fração significativa dos nossos mercados que, por isso, flutuam muito com suas entradas e saídas. Estas, porém, representam apenas parcela insignificante dos mercados dos países desenvolvidos que, por isso, não sofrem muito com tais flutuações. Assim, somos mais vulneráveis aos ciclos de liquidez e sofremos mais com as flutuações dos mercados de capitais, e tanto mais quanto mais liberalizadas são a economia mundial - porque as flutuações são maiores - e a economia brasileira - porque perdemos o controle do sobre as entradas e saídas de capitais no país. Esse tipo de sujeição da economia ao que ocorre no exterior foi muito agravado pela tônica liberal no mundo todo, porque ela aumentou muito a especulação e a instabilidade. De fato, a concorrência acirrada com as liberalizações pressionou no sentido de obtenção de lucros rápidos o que, aliado à massa enorme de recursos correspondentes aos mercados financeiros ligados no mundo todo, e as desregulamentações generalizadas, bem como os volumosos recursos provenientes das privatizações das previdências, funcionaram no sentido de expandir os fluxos de capitais especulativos, passando a predominar a lógica do rentista sobre a dos investimentos produtivos (CHESNAIS, 1999, 2004; EPSTEIN, 2005). Assim, não somente a liberalização do país tornou-o mais vulnerável, mas isso foi particularmente grave na fase atual de instabilidade enorme dos preços dos ativos monetários e financeiros. Vulneráveis às condições de liquidez e sujeitos aos movimentos instáveis de capitais, dependentes, sobretudo, de agentes e razões externas, os países menos desenvolvidos ou com moedas hierarquicamente inferiores perdem independência de suas políticas monetárias, uma vez que precisam, por vezes, manter taxas elevadas de juros para evitar ou reduzir fugas de capitais, o que os impede de estimular o investimento, o crescimento e o emprego. 13

14 Do ponto de vista interno, por sua vez, a taxa de juros dos títulos públicos muito elevadas estimula a preferência pela liquidez destes títulos, em desfavor dos empréstimos de médio e longo prazo dos poupadores. Isso inibe o desenvolvimento do mercado financeiro doméstico, porque impede a colocação de ativos financeiros diversificados em termos de prazos e rentabilidade, para acomodar as preferências pela liquidez dos poupadores. Ora, esses produtos, além de estimular a aplicação de recursos dos que pouparam, são essenciais para consolidar (fazer o funding) dos investimentos, ao garantir empréstimos compatíveis com os prazos de maturação dos mesmos. Taxas de juros de curto prazo elevadas, uma vez somadas a um prêmio de liquidez para empréstimos de prazo mais longo, aumentam muito as taxas de juros para empréstimos a investidores, inibindo o investimento de maneira geral ou encurtando os prazos dos investimentos decididos (HERMANN, 2003 ). Daí nossas baixas taxas de crescimento no período neoliberal, inferiores à média mundial e nossas taxas de desemprego, cuja média é maior do que a da década dos 1980, considerada a década perdida em termos de crescimento 6. A ausência de independência da política macroeconômica coloca ainda novos obstáculos para a solução de um problema antigo dos países periféricos, na base dos argumentos cepalinos: a dependência tecnológica relativamente ao exterior. Essa dependência tende a se agravar sempre que confiamos ao mercado sua solução, porque os mercados punem necessariamente os ineficientes em termos de custos de produção e, 6 A taxa média de crescimento entre 1990 e 2008 foi de 2,97 %, contra uma taxa de crescimento mundial no mesmo período de 3,62 %. A taxa média de desemprego aberto das principais regiões metropolitanas (IBGE/PME antiga) entre 1990 e 2002, foi de 6,4%, contra um valor menor nos anos 1980, de 5,9%. Em São Paulo, a taxa de desemprego aberto (SEAD/PED) foi de 6,82% entre 1984 e 1989, contra 10,18% entre 1990 e

15 do ponto de vista relativo, temos vantagens em termos de custos em produtos cujo conteúdo tecnológico é menor do que os dos países desenvolvidos. Como já destacavam os pensadores cepalinos, deixadas ao mercado as economia periféricas tendem a ficar cada vez mais dependentes do exterior. A nossa dependência tecnológica mostra-se aumentada na qualidade das nossas importações. Nelas, cresce em especial a participação das de alta e média alta tecnologia. Quanto às nossas exportações, observamos a involução tecnológica da nossa pauta. Caem as exportações da indústria de transformação e, entre elas, cai sobretudo a participação dos itens de alta tecnologia, desde 2000, enquanto cresce a participação dos itens não industriais, onde se destacam as commodities. A julgar, portanto, pelo nosso saldo comercial em termos tecnológicos, ficamos mais dependentes das importações, e contamos, para obtêlas, com exportações cujos preços tendem a se deteriorar em vista das diferenças de elasticidades-renda da demanda e das estruturas de mercado diferenciadas dos produtos do centro e na periferia. Segundo os dados do IEDI (2009), crescem substancialmente os déficits de produtos de alta e média-alta tecnologia, em particular em 2008 e 2009, enquanto cresce o superávit de produtos de baixa tecnologia e cai o superávit de produtos de média-baixa tecnologia. Assim, apesar do nosso progresso estrutural relativamente às análises cepalinas dos anos 1950 e 1960, temos problemas semelhantes de dependência e vulnerabilidade externa. Se no passado as exportações tinham que crescer muito, para compensar as importações, em virtude da deterioração dos termos de intercâmbio, agora isso precisa ocorrer também porque a qualidade tecnológica e, conseqüentemente, o conteúdo de valor adicionado das nossas exportações cai, e o das nossas importações aumenta. Independentemente das razões estruturais que já existiam para nossa dependência tecnológica, os dados de deterioração no tempo do saldo comercial devem- 15

16 se à apreciação cambial com as entradas de capitais especulativos atraídos pelas altas taxas de juros, barateando a importação, desestimulando a produção industrial interna e as exportações, e atrasando ainda mais o desenvolvimento tecnológico. Ou seja, deixado o câmbio livre, as economias periféricas tendem sempre a ter problemas, mostrando que a política cambial deve ser administrada com base nas necessidades estruturais e conjunturais de cada país. Outra questão relevante é que a abertura e as políticas de liberalização da conta de capitais empreendidas na economia brasileira puseram-na numa posição extremamente vulnerável e o impacto maior da crise atual veio novamente da reversão dos fluxos de capitais que ocorreram, como de costume, de forma bastante rápida e intensa e encontraram um ambiente extremamente favorável para se manifestar, da mesma forma que em 1929, o país havia criado o ambiente ideal para a transferência rápida de capitais, tendo que arcar com as conseqüências dessas medidas (FURTADO, 1959). Todos esses efeitos de uma taxa elevada de juros tornaram a economia brasileira mais dependente do exterior e, por isso, mais vulnerável ao que ocorre na economia mundial do que teria sido o caso se, por exemplo, tivéssemos estimulado o desenvolvimento do mercado interno, e providenciado a construção de infra-estrutura mais sólida em termos tecnológicos e financeiros. Enquanto as medidas de liberalização da economia brasileira, em particular as mencionadas acima, deixaram-nos mais vulneráveis relativamente ao que ocorre no exterior, tivemos medidas criticadas pela ortodoxia neoliberal que mostraram já resultados muito positivos e, a julgar pelos problemas que estamos enfrentando hoje com a crise, fornecem o ponto de partida para a saída da mesma. São aquelas que se preocuparam com o desenvolvimento hacia dentro, que trataremos no próximo item. 16

17 3. As potencialidades do crescimento hacia dentro Em seu livro sobre a formação econômica do Brasil, Celso Furtado (1959), dentro do argumento cepalino, buscava as raízes históricas dos problemas estruturais da economia brasileira que decorriam, em parte, de esta se apresentar como uma economia periférica dentro de um modelo centro/periferia, com sua produção centrada em produtos primários com baixa elasticidade renda e preço. Mostrava, assim, a restrição externa de longo prazo que isto poderia representar, bem como os outros elementos que gerariam um dreno estrutural dos ganhos de produtividade da periferia para o centro através dos mecanismos do comércio internacional que geravam uma deterioração de longo prazo dos termos de intercâmbio. Todavia, no que diz respeito à crise de 1929, especificamente, isto deixava a economia relativamente protegida, uma vez que a queda da renda internacional representava uma redução menos que proporcional da demanda por café e, conseqüentemente, os impactos sobre os preços eram relativamente reduzidos. Por essa razão, ele observava os problemas associados ao excesso de oferta do café como os principais determinantes da queda brusca dos preços na crise. Contudo, Furtado, analisando a situação global da economia brasileira, mostrava que o ambiente extremamente favorável do mercado financeiro internacional, no momento que antecede a grande depressão, gerou condições muito favoráveis para o ingresso de capitais na economia brasileira e isto chegou mesmo a permitir a experiência da conversibilidade da moeda brasileira. Uma vez colocada a crise, porém, a fuga de capitais da economia brasileira foi extremamente rápida e violenta, seja pela necessidade de repatriação de capitais para recompor os portfólios em seus países de origem, seja em decorrência do temor da desvalorização da moeda doméstica. Exatamente esse movimento brusco dos capitais 17

18 internacionais, associado à conversibilidade da moeda nacional, levou à desvalorização brusca da moeda doméstica também na crise atual. Na economia brasileira, na crise atual, várias têm sido as observações de ortodoxos neoliberais sobre a vantagem de ter uma pauta de exportações centrada em produtos primários, no mesmo espírito de Furtado. Porém pouca ênfase tem-se dado ao comprometimento do setor externo com os transbordamentos internos e à vulnerabilidade externa que isso representa, do ponto de vista do potencial de crescimento de longo prazo, que no fundo eram o centro das preocupações de Furtado. Ou seja, a reversão da pauta de exportações brasileira com o ganho relativo dos produtos básicos, é vista como algo positivo por ter reduzido os impactos da crise sobre o setor externo brasileiro. Todavia, o comprometimento das perspectivas de crescimento que isto representa são muito pouco salientadas. Por outro lado, não se coloca ao lado desta análise os impactos da política de liberalização da conta de capitais, que no momento de crise teve efeitos bastante danosos sobre a economia brasileira. Retomando o argumento de Furtado, foi exatamente em decorrência das restrições externas associadas a uma política interna de proteção à renda que se permitiu a transição de um modelo agrário exportador, voltado para fora, para um modelo de industrialização por substituição de importações. Nesse sentido, mostra-se que momentos de crise podem ser situações em que se consegue usar o poder de intervenção do Estado para promover algumas transformações estruturais importantes que permitem uma melhor inserção internacional dos países periféricos na economia internacional e, ao mesmo tempo, uma maior independência dos problemas de conjuntura externa. Todavia, isso precisa ser feito dentro de uma perspectiva de inserção ativa e não em 18

19 uma postura liberalizante, e há que se buscar fórmulas de desenvolvimento hacia dentro que tornem o país menos vulnerável aos ciclos de negócios externos. Ao longo dos últimos anos a economia brasileira teve alguns ganhos inegáveis, neste sentido, entre os quais se destacam a redução da desigualdade (BARROS et. al., 2007; FERREIRA, LEITE e LITCHFIELD, ) e a redução da pobreza (SOARES, SOARES, MEDEIROS, e OSÓRIO). Conforme resume ARBACHE (2003), o Brasil partiu para as políticas focalizadas, ou seja, destinadas especificamente aos mais pobres, porque a idéia de crescer para resolver o problema da pobreza, tentada por muito tempo, não resultou em ganhos para os pobres nem reduziu a desigualdade, e as políticas sociais empreendidas também não atenderam os mais necessitados no sentido de garantir a solução dos problemas de pobreza e desigualdade social (BARROS et al.2000 e 2000 b) 7. A focalização da política social é uma proposta de caráter ortodoxo que, atendose à população-foco, pretende economizar recursos gastos com política pública e visa, assim, reduzir a participação do Estado na economia e resolver falhas de mercado. Entretanto, no Brasil o que se fez foi focalizar parte da política social mantendo várias das políticas de caráter universal. Dessa combinação resultaram efeitos bastante favoráveis, como pode ser visto a seguir. Evoluiu-se, ao tratar do assunto, de uma idéia de pobreza podendo ser reduzida pelo mero crescimento econômico, para uma idéia de que sua redução está necessariamente ligada à redução da concentração de renda. De fato, os estudos vêm mostrando, ao longo do tempo, níveis de pobreza mais sensíveis às alterações de grau de desigualdade do que de crescimento econômico (BARROS et al., 2000 C; 7 Para uma discussão sobre o debate políticas focalizadas X políticas universalizadas, ver KERSTERNETZKY (2006). 19

20 MEDEIROS, 2006; FERREIRA et al., 2006). Outros fatores que se relacionam ou definem a pobreza são a falta de ativos como infra-estrutura urbana, qualificação, bens duráveis, propriedades imobiliárias, serviços públicos em geral, ou seja, associações e instituições que lhes possibilitem lutar por melhorias sociais e econômicas em geral (NÉRI, 2000). Observe-se, porém, que se o crescimento econômico pode não garantir redução de pobreza e distribuição mais eqüitativa da renda, existem diferentes razões que conduzem a que o inverso não seja verdadeiro (DEDECCA, 2005), como o desemprego, quando o crescimento cai, a queda dos salários e a queda da arrecadação e do poder de ação das políticas públicas e sociais do governo. Dado o crescimento pequeno que tivemos ao longo dos anos de economia liberalizada, os estudos sobre os programas de transferência de renda mostram que eles foram, de fato, fundamentais para os resultados positivos que vêm sendo divulgados de redução de pobreza e de desigualdade. Soares et. al. (2006) observam que a desigualdade cai e que 28 % da queda do Gini calculado para os programas de transferência de renda são devidos ao Bolsa Família (21%) e ao Beneficio de Prestação Continuada - BPC 8 (7%). Destacam que esta contribuição é significativa em vista da pequena participação destes programas no conjunto da renda total das famílias no Brasil, conforme o IBGE. As aposentadorias superiores a um salário mínimo ampliaram a desigualdade, influindo negativamente na evolução do índice de Gini calculado. Os dois programas (Bolsa Família e BPC) mostraram-se eficientes no sentido de atingirem principalmente os mais pobres. Enquanto as rendas provenientes de juros e 8 Programa criado pela Constituição de 1988 de benefícios contínuos e incondicionais para indivíduos idosos (mais de 65 anos) ou indivíduos muito pobres com alguma deficiência, sem exigência de contribuição prévia ou condicionalidade. 20

21 rendimentos financeiros, pensões e aposentadorias acima do piso de um salário mínimo contribuem para aumentar a desigualdade de renda, os BPC e o Bolsa Família reduziram de forma significativa esta desigualdade. Todos os programas de transferência de renda analisados reduziram a pobreza. No caso do BPC, as pensões e aposentadorias de um salário mínimo são capazes de remover as famílias da extrema pobreza e da pobreza. Os demais programas aliviam, mas não eliminam a pobreza. Este tipo de conclusão mostra que a insistência dos ortodoxos brasileiros em desvincular os pagamentos da previdência do salário mínimo não se justifica quando o objetivo é reduzir a pobreza e a desigualdade. Com relação ao programa Bolsa Família, a grande critica ortodoxa é a de que se trata de um mero programa de assistência social sem perspectivas. Ao contrário, além de, como vimos, reduzir a desigualdade e a pobreza, embora não tenha conseguido eliminar essa última, o Bolsa-Família vem mostrando impactos grandes locais e regionais. Isso porque, como as condições de salários, de renda e educação tendem a ser piores em regiões menos desenvolvidas, são também maiores as proporções de pobres nessas regiões (SAVENDOFF, 1989, BARROS E MENDONÇA, 1995). Assim, esses programas funcionam como uma injeção de renda importante local e regional, estimulando o crescimento, a produção e o emprego e contribuindo para a redução de um outro tipo de desigualdade, o regional. O sucesso deste tipo de programa mostra, em primeiro lugar, os equívocos de não atribuir importância e ver apenas distorções no papel alocativo do Estado. Quanto à preocupação com as contas públicas que tais transferências geram, esquecem-se os liberais que, uma vez ampliada a renda e a demanda, o crescimento do produto e do emprego amplia a arrecadação, como se observou nos últimos anos com a retomada de taxas de crescimento maiores, o que permite baixar a dívida como proporção do PIB 21

22 tanto pela redução do numerador quanto pelo aumento do denominador. Este impacto positivo da demanda interna foi no passado portador de soluções importantes para crises, e pode e deve ser a nossa saída para esta que vivemos no momento. Precisamos, portanto, insistir num modelo de crescimento hacia dentro. 4. Conclusões Esse trabalho procurou analisar fragilidades e potencialidades da economia brasileira a partir de lições obtidas das análises cepalinas. Estas, conforme o próprio Prebisch, se distiguiram das análises ortodoxas da época por admitirem um papel interventor do Estado para resolver problemas estruturais das economias periféricas como a nossa relativamente às centrais. Neste sentido, negavam a idéia de homogeneização estrutural tendencial das economias provocada pelo mecanismo de preços, em termos de níveis de renda, produtividade, tecnologia e desenvolvimento, idéia cara à teoria ortodoxa tanto na sua época como hoje. Para os cepalinos, deixadas ao mercado as economias periféricas não conseguiriam sair do subdesenvolvimento. A dependência à qual estariam sujeitas das importações, em função de sua estrutura produtiva especializada em produtos primários, e das dificuldades para diminuir tal especialização, por falta de dinamismo no mercado interno, não poderiam ser resolvidas, como queriam os ortodoxos, por meio do jogo do comércio. Ao contrário, via deterioração dos termos de troca os problemas de desequilíbrio externo e falta de dinamismo interno tendiam a se manter e até a se agravar. Também hoje, após vinte anos de neoliberalismo, os mercados mostram-se incapazes de manter crescimento equilibrado e redução de desigualdades centroperiferia. Além disso, ampliam, ao invés de reduzir, nossa dependência quanto ao que se 22

23 define e se passa no exterior, e tanto mais quanto mais abertos somos à economia internacional, tornando-nos mais frágeis do ponto de vista macroeconômico. Nos argumentos cepalinos, vimos que as diferenças estruturais da periferia com relação ao centro criam dependência de importações, deterioração dos termos de troca e, com isso, desequilíbrio externo e vulnerabilidade aos ciclos de crescimento dos países centrais. Hoje, com estruturas produtivas mais complexas e integradas, continuamos distantes dos países centrais, sujeitos aos seus ciclos de liquidez, com problemas econômicos ditados por regras relativas à liberalização, sem independência para escolher e implementar as políticas econômicas mais adequadas e vulneráveis à conjuntura e humores do mercado externo. Mais que isso, as práticas ortodoxas neoliberais foram fragilizando nossas possibilidades de crescimento futuro, ao inibir o investimento e o emprego e ao deteriorar o nosso potencial industrial relativamente ao centro, como foi possível constatar pela queda em volume e em qualidade do nosso saldo comercial. A saída é insistir no desenvolvimento hacia dentro com políticas públicas de geração e desconcentração de renda que ampliem a demanda interna e façam dela o elemento dinâmico da nossa economia. Para isso, porém, é preciso atribuir ao Estado um papel ativo, com política fiscal e monetária voltadas para o crescimento e para o aumento do emprego e da renda dos trabalhadores. REFERÊNCIAS ALESINA, A. & TABELLINI, G. (1987) Rules and Discretion with Noncoordinated Monetary and Fiscal Policies, Economic Inquiry, vol. XXV, n. 4, October. 23

24 AMADO, A. M. (1997). Disparate Regional Development in Brazil A Monetary Production Approach, Aldershot/Brookfield USA: Ashgate. AMADO, A. M. E RESENDE, M. F. C. (2007). Liquidez Internacional e ciclo reflexo: algumas observações para a América Latina, Revista de Economia Política, vol. 27 no. 1(105), jan-mar, pp ARBACHE, J. S. Pobreza e Mercados no Brasil, Pobreza e Mercados no Brasil uma análise de iniciativa de políticas públicas, Brasília: CEPAL, BARRO, R. J. & GORDON, D. B. (1983) A Politive Theory of Monetary Policy in a Natural Rate Model. Journal of Political Economy, vol. 91, n. 4, august. BARROS, R. P. E MENDONÇA, R. Os determinantes da desigualdade no Brasil, Texto para Discussão n. 377, IPEA; BARROS, R. P. et al.. Evolução recente da pobreza e da desigualdade: marcos preliminares para a política social no Brasil, Cadernos Adenauer N. 1, Fundação Konrad Adenauer., 2000 a BARROS, R. P., CARVALHO, M.; FRANCO, S. ; MENDONÇA, R. (2007). A queda recente da desigualdade de renda no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA Texto para Discussão. BARROS, R. P. ; CARVALHO, Mirela de ; FRANCO, Samuel ; MENDONÇA, Rosane. A queda recente da desigualdade de renda no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2007 (Texto para Discussão - IPEA). BARROS, R. P. et al. A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. In: R. Henriques (Org.), Desigualdade e Pobreza no Brasil, Rio de Janeiro: IPEA, 2000 b. BARROS, R. P. et al. Education and equitable development, Economia, 1(1), 2000 c. 24

25 BIELSCHOWSKY, Cinquenta Anos de Pensamento na CEPAL Uma Resenha, em CEPAL Op. Cit., BRESSER-PEREIRA, L. C. e GALA, P. (2008). Foreign Savings, Insufficiency of Demand and Low Growth, Journal of Post Keynesian Economics, Vol. 30 n. 3. BRUNHOFF, S. (1999). A instabilidade financira internacional, F. Chesnais (Coord.), A Mundialização Financeira gênese, custos e riscos, São Paulo: Xamã, CHESNAIS, F. (Ed.) (1999). A Mundialização Financeira gênese, custos e riscos, São Paulo: Xamã. CHESNAIS, F. (Ed.) (2004). A Finança Mundializada, São Paulo: Boitempo. DEDECCA, C. S.. Os ricos no Brasil de Marcelo Medeiros: Comentários, Econômica, v. 7, n. 1, junho, DOW, S. (1993). Money and the Economic Process, Aldershot - England/Vermont - USA: Edward Elgar. EPSTEIN, G. A. (Ed.) (2005). Financialization and the World Economy, Cheltenham, K. Northhampton, MA, USA: Edward Elgar. FERREIRA, F. H. G,,LEITE, P. G. E LITCHFIELD, J. A. The Rise and Fall of Bazilian Inequality: , World Bank Policy Research Working Paper 3867, March, FISHER, S. (1998). Capital Account Liberalization and the Role of FMI, S. Fisher et al. Could the IMF pursue capital account liberalization? Essays in International Finance, n. 207, Princeton. FURTADO, C. (1959). Formação Econômica do Brasil, Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura. 25

26 HERMANN, J. (2003). Financiamento de Longo Prazo, J. Sicsú, J. L. Oreiro e L. F. de Paula (Orgs.), Agenda Brasil Políticas econômicas para o crescimento com estabilidade de preços, São Paulo: Manole, IEDI (2009). A Balança Comercial Tecnológica da Indústria de Transformação: O Déficit de Competitividade Anterior à Crise IEDI,dezembro, KERSTENETZKY, C. L. Políticas Sociais: focalização ou universalização?, Revista de Economia Política, Vol. 26, n. 4, October., KYDLAND, F. E. & PRESCOT, E. C. (1977) Rules rather than Discretion: The Inconsistency of Optimal Plans, Journal of Political Economy, vol. 85, n. 3, June. KRUEGER, A. (1974) The Political Economy of the Rent-Seeking society, American Economic Review, vol. 64, KERSTENETZKY, C. L. Políticas Sociais: focalização ou universalização?, Revista de Economia Política, Vol. 26, n. 4, October., NÉRI, M. Políticas estruturais de combate à pobreza no Brasil, In: R. Henriques (Org.), Desigualdade e Pobreza no Brasil, Rio de Janeiro: IPEA, OBSTFELD, M. (1998). The Global Capital Market: Benefactor oar Menace?, paper prepared for Journal of Economic Perspectives. PREBISCH, R. (1962/1949). El desarrollo economico de la América Latina y algunos de sus principales problemas. Boletin Económico de América Latina, vol. 7 n. 1, fevereiro. (1973/1950).(Interpretación del proceso de desarrollo latinoamericano en Serie conmemorativa del vigésimo quinto aniversario de la Cepal. Santiago: CEPAL. 26

27 RODRIGUEZ, O. (2009). O Estruturalismo Latino-Americano, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/CEPAL. ROGOFF, K. (1985). The Optimal Degree of Commitment to an Intermediate Monetary Target, Quarterly Journal of Economic, 110, November. SOARES, F. V., SOARES, S., MEDEIROS, M. E OSÓRIO, R. G.. Cash Transfer Programmes in Brazil: Impacts on Inequality and Poverty, UNDP: International Poverty Centre Working Paper number 21, June,

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Parte III Política Cambial

Parte III Política Cambial Parte III Política Cambial CAPÍTULO 5. A GESTÃO DO REGIME DE CÂMBIO FLUTUANTE NO BRASIL CAPÍTULO 6. A RELAÇÃO ENTRE A TAXA DE CÂMBIO E O DESENVOLVIMENTO Regimes e Política Cambial Apesar da adoção quase

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre temas de conjuntura e não

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

A armadilha dos juros

A armadilha dos juros A armadilha dos juros Luiz Carlos Bresser-Pereira e Yoshiaki Nakano Folha de S.Paulo, 20.02.02 A função principal da taxa de juros alta no Brasil é manter artificialmente sobrevalorizado o câmbio flutuante.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS

A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS A RELEVÂNCIA DA ESTRUTURA PRODUTIVA NA FORMAÇÃO DA TAXA DE JUROS Ney Roberto Ottoni de Brito Ph.D., Stanford University Sócio-Diretor, Ney O. Brito e Associados Foi Professor Titular da UFRJ e Associado

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Associado à Fundação Armando Alvares Penteado Rua Ceará 2 São Paulo, Brasil 01243-010 Fones 3824-9633/826-0103/214-4454 Fax 825-2637/ngall@uol.com.br O Acordo

Leia mais

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud May 12, 2015 O investimento privado vem desacelerando em todos os mercados emergentes desde meados de 2011, e a

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS

COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS Eduardo Fernandez Silva Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional Câmara dos Deputados Praça 3

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Ajuste externo induzido por política cambial Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Mudança na composição dos gastos 1. Enfoque de elasticidade 2. Enfoque de absorção 2. Mudança no

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO Disciplina: D2.1 Economia Brasileira (24h) (Aula 1 Fase desenvolvimentista 1930/80 e os planos de estabilização nos anos 1980 a 1990) Professora: Maria Abadia Alves 23

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil 10º FÓRUM DE ECONOMIA Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil Eliane Araújo São Paulo, 01 de outubro de2013 Objetivos Geral:

Leia mais

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil CRISTINA FRÓES DE BORJA REIS (*) O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil Esse artigo apresenta as relações entre investimento público e desenvolvimento econômico no Brasil entre

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Trabalho e Industrialização no Brasil

Trabalho e Industrialização no Brasil Trabalho e Industrialização no Brasil Ipea-Fundacentro Ministério do Trabalho Brasília, 17 de outubro de 2012 Paulo Rubem Santiago Deputado Federal PDT-PE Desenvolvimento Qual a melhor forma de promover

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS OBJETIVO: ILUSTRAR CONCEITOS TRABALHADOS EM MACROECONOMIA Patricia Bonini - patriciabonini@gmail.com Roteiro

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias

Macroeconomia. Prof. Aquiles Rocha de Farias Macroeconomia Prof. Aquiles Rocha de Farias Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-) No modelo Mundell-Fleming é introduzida ao modelo IS-LM uma nova curva, a curva, que corresponde aos valores de renda e taxa

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 1 Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 2 Taxas Bilaterais Taxas Efectivas 3 4 Bilateral Nominal and Real Exchange Rates: Rand/Meticais

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO Indicadores de fragilidade da era da prosperidade nos Estados Unidos da América Endividamento e falência de muitos agricultores. Estes tinham contraído empréstimos para

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional, Finanças

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais