Na minha terra tem MÚSICA BRASILEIRA PARA CORO JUVENIL. Cezar Elbert e Vavá Rodrigues. texto de Mário Quintana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Na minha terra tem MÚSICA BRASILEIRA PARA CORO JUVENIL. Cezar Elbert e Vavá Rodrigues. texto de Mário Quintana"

Transcrição

1 Na minha terra tem ezar Elert e avá Rodrigues texto de Mário Quintana MÚIA RAILEIRA PARA ORO JUENIL

2 Presidente da Reúlica Luiz Inácio Lula da ilva Ministro da ultura Juca erreira undação Nacional de Arte - UNARE Presidente ergio Mamerti Diretora Executiva Myriam Lewin Diretor do entro da Música acá Machado oordenador de Música Erudita lávio ilva oordenador de omunicação Oswaldo arvalho EQUIPE ÉNIA oordenação Geral lávio ilva e Maria José de Queiroz erreira oordenação écnico-pedagógica Eduardo Lakschevitz Assessoria Administrativa Elizaeth Lima Equie de Aoio Isa Angélica ésar iana José arlos Martins Luiz arlos da ilva extos de Aresentação Elisa Dekaney Programação isual Élvio Hüner Dados écnicos (ii)

3 REPERÓRIO ORAL EM NOA ERÃO As edições unarte de música ara coros assinalam, talvez, a mais imortante realização rasileira no gênero, desde o Guia Prático comosto or illa-loos nos anos 1930 Na década de 1980, nossos serviços lançaram 77 artituras corais, em séries arangendo arranos sore motivos olclóricos e oras originais de comositores rasileiros de várias tendências Esses lançamentos estavam intimamente associados à amla gama de cursos de reve duração realizados em todo o rasil, e que oram recentemente retomados, visando ao aereiçoamento de regentes corais e de coralistas Essa retomada assou a exigir a criação de uma nova leva de artituras corais Num rimeiro momento, reeditamos 27 daqueles 77 títulos, agora em versão digital e com mais inormações envolvendo questões técnicas e estilísticas A rincial inovação, orém, oi a distriuição exclusivamente ela internet, com versão em inglês de cada título Austamo-nos, assim, à rória natureza da internet, que origa à internacionalização na aresentação de conteúdos, de modo a torná-lo acessível em escala lanetária Arimos, agora, uma nova série de oras corais, tamém ara diusão via internet, e voltada ara coros uvenis rasileiros Nessa série, incluímos uma arte instrumental, visando a acilitar seu aroveitamento or coros amadores e escolares Essa arte deve ser vista como ocional, não origatória Ela é, soretudo, um guia ara a deseável elaoração de outras versões utilizando os mais variados instrumentos, multilicando as ossiilidades de realização sonora Dierentemente das séries anteriores, nas oras que agora aresentamos, os textos são, em geral, dos rórios comositores, escolhidos entre regentes de larga rática e aeitos às questões mais elementares com que se deronta o dirigente de coros Aresentação do Proeto (iii)

4 NA MINHA ERRA EM ezar Elert e avá Rodrigues egundo os comositores ezar Elert e avá Rodrigues, Na Minha erra em "aorda um tema comum a quase todo o rasileiro, que se esorça ara se manter, manter uma amília, com salários nem semre suicientes, tendo que se desdorar muito ara dar conta da vida num aís ra lá de aençoado, mas nem semre tão usto com seus ilhos" Elert e Rodrigues cominaram elementos da escrita azzística (rincialmente a harmonia e a textura) com questões rítmicas comuns no sama (síncoes), num rocesso insirado ela métrica e ela rosódia do texto Os adrões melódicos e rítmicos resultantes conerem à eça uma sonoridade que lemra a rodução musical urana contemorânea, o que é requentemente areciado or cantores de coros uvenis A tessitura das quatro vozes () se mostra muito conortável ara cantores ovens, mas que á demonstrem alguma maturidade vocal Aresentação da Música (iv)

5 NA MINHA ERRA EM ezar Elert e avá Rodrigues Na minha terra tem ama, tem agode, em alada e rock n roll em música ra todo mundo ouvir Aqui se recisar a gente sama Pra encher a nossa ança E a eteca não cair Às vezes nossa dança atravessa Pois com toda essa ressa ica ácil de errar Ainda em que no inal das contas A gente segura as ontas Para a música rolar (E o que é que tem) ama tem agode Na minha terra em que saer samar onorme a música Que se or tocar e a música é lenta A gente vai em devagar Mas ara se viver no meu rasil É om saer samar ama, na minha terra tem o sama ama, ainda em que tem o sama lá ama, na minha terra tem o sama ama, ainda em que tem o sama lá Então vamos samar amos samar! Letra da Música (v)

6 Na Minha erra em oro misto a quatro vozes Palmas 4 2 ama wing q»ª música ezar Elert texto ezar Elert / avá Rodrigues 2008 r 4 2 Piano 4 2 com rilho n n 5 9 (add2) E / (add2) 7M animado am a animado am a animado sam a J sam a animado sam a 7M E / Am7 (add2) E / (add2) sama sama sama sama sama J # n # n Am7 r sam a sam a sama sam a J sama am a sama sam a J oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

7 Na Minha erra 14 7M Am7 7( 5) 7M 7M sam a, que coi sa mais lin da am a sam a sam a, que coi sa mais lin da # am a sam a sam a, que n coi sa mais lin da n am a A sam a sam a, que coi sa mais lin da am a sam a # # n A J 19 Am7 Am7 E sus4 Dsus4 # sus4 sus4 sama sama sam a sama sama sama sam a sama sama sama J sam a J sama sama sam a sam a n # n n # n # n 2 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

8 ezar Elert 24 sus4 P Na P Na P J Na P /D /D mi mi - nha ter - - nha ter - mi - nha ter - ra ra ra /D tem tem tem D7( 9) Na mi - nha ter - ra tem P # 29 / sama,tem - agode, - - tem a la daierock`nroll em músicara - - todomundoiou - vir, Aqui - sama,tem - agode, - - tem a la daierock`nroll em músicara - - todomundoiou - vir, ouvir - 7M D7(# 9) sama,tem - agode, - - tem a vir, ouvir - la daierock`nroll músicara todomundoiou 6 # sama,tem - agode, - - tem a la daierock`nroll em músicara - - todomundoiou - vir, Aqui - # # oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil 3

9 33 37 Em7( 5) A7( 9) se re-ci-sar a gente - sam a raien cher a nossaançaie - - a e tecanão - cair Às 'qui se re-ci-sar a gente - sam a raien cher a nossaançaie - - a e tecanão - cair 'qui se re-ci-sar a gente - sam a raien cher a nossaançaie - - a e tecanão - cair há # #o Dm7 r r r # R sam a raien # n # G7( 9 13 ) cher a nossaançaie - - a e tecanão - cair n 7( 9 13 ) A 7( # 11) # vezesnossa - - dança - a-tra - ves - sa, to - da ácil - de errar - A vezesnossa - - dança - a-tra - ves - sa, to - da ácil - de errar - A ve zes há ve zes a tra E7(# 9) 7M Na Minha erra # ves sa ois com ves sa ois com m7 7( 9 13 ) N n to-da es-saressa - i-ca ácil - de errar - A n 7M N to-da es-saressa - i-ca ácil - de errar - A # 4 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

10 41 o cresc # indaem - - que no inaldas - contasa - gen-te se-guraias - ontas - araiamúsica ro cresc # / ezar Elert D7 n G7( 9 13 ) 7 lar indaem - - que no inaldas - contasa - gen-te se-guraias - ontas - araiamúsica ro cresc # lar indaem - - que no inaldas - contasa - gen-te se-guraias - ontas - araiamúsica ro cresc n lar in - da tum tum tum tum tum ontas - araiamúsica ro lar n cresc n n # n n 45 alar com energia D7(# 9) 7( 9 13 ) EIo queié que tem EIo queié que tem EIo queié que tem sam - a - am-a, tem a-go-de, tem a- sam - a n EIo queié que tem em # sam - a tum tum com swing oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil 5

11 Na Minha erra 49 7M D7(# 9) N la daiero ck`nroll la daiero ck`nroll em músicara - - to domundoiou - vir, ouvir - A-qui se recisar - a gente suito músicara to domundoiou 7M suito Asus4 # vir vir A-qui suito # A7( 9) # há # la daiero ck`nroll em músicara - - to domundoiou - vir ouvir A-qui suito há tum tum tum mú si tum ou vir ouvir A-qui há # # suito # n # # n # 53 #o Dm7 sam-a raien cher a nossa - ançaie - ae-tecanãocair - - sam- a raien cher e tecanãoca ir Às vezesnossa - - dança - atra - n sam- a raien cher a nossa - ançaie - ae-tecanãocair - - # sam- a raien cher a nossa - ançaie - ae-tecanãocair - - ó queiàs # n # G7 n # n n # n 7 A 7( # 11) # # Às ve zes ve zes ve 7( 9 13 ) zes tum 6 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

12 ezar Elert 57 E7(# 9) 7M a-traves - - sa, to - da á-cilde er-rar A - indaem - que no inal - das a-traves - - sa, to - da á-cilde er-rar A - indaem - que no inal - das m7 7(# 11) n n to # n 7M A ves - sa, ois com todaes - -sa res-sa ica - á-cilde er-rar A - in A m7( 5) E7(# 9) # da # n - da á-cilde er-rar A - in da tum tum n # # n # n n 61 Am7 D7(# 9) n contas - a gen-te se guraias - ontasaraia - - mú-sicaro - lar Na ter - con con tas tas 7 ontasaraia - - mú-sicaro - lar Na ter - ontasaraia - - mú-sicaro - lar Na mi - nha ter - 6 D7(# 9) ra tem ra tem ra n tum tum tum ontasaraia - - mú-sicaro - lar Na mi - nha tum tum n # # # n n oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil 7

13 Na Minha erra 65 sus4 7M 7M # Asus4 tem que saer - sam ar con - or - meia mú - si-ca tem que saer - sam ar con - or - meia mú - si-ca # # # n tem que saer - sam-aṛ con - or - meia mú - si-ca # tum sa-er sam-ar sa-er sam-ar con - or - meia mú - si tum tum # n # n n n # 69 A7(# 9) música - - que se or to - rit música - - que se or to - rit Dm7 rit Dm7 # m7 car car 7( 9) 7( 9) que se or to-car or to - car to - rit # N car tum se or to-car or to - car to - car # n rit # # 8 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

14 ezar Elert 75 Mais Lento 6 uh uh uh o # len ta len ta o a gen-te 6/ n vai em de va vai em n - eia mú -si - ca é len ta a gen-te vai em de va - n uh len ta n n vai em n n 80 D7( 9) gar va de va gar de va n D7( 9) U # gar U - gar arase - vi-ver no meu ra-sil é om sa-er samar - U U U # - gar mas arase - vi-ver no meu ra-sil é om sa-er samar - A emo r - arase - vi-ver no meu ra-sil é om sa-er samar - arase - vi-ver no meu ra-sil é om sa-er samar - sus4 6 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil 9

15 Na Minha erra 85 D7(# 9) D 7M sus4 7( 13 9 ) alegre 7( 9 13 ) am - a, na mi nha ter-ra tem o alegre am a alegre na mi nha ter-ra tem o # am a alegre sam a ter-ra tem o r # r # # r r am a tum tum tum na ter-ra tem o n 89 m7 sam-a am - a, ainda - - em que tem o sama - sam-a sam - a sam - a ainda - - em que tem o sama - - sam - a sama - sam a E 7 n 7( 9 13 ) sam a 7( 9 13 ) # em que tem o sama - sam-a sam - a sam - a tum tum tum 'da em que tem o n n n 10 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

16 ezar Elert 93 1 m7 sam -a lá sam -a lá sam -a sam -a sam -a lá sam - a sam -a E sus4 # E 7(9) n sam -a lá sam-a sam-a sam -a lá sam-a m7 E 7(9) 2 lá lá lá n n n n 97 1 r 6 lá com rilho n n oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil 11

17 Na Minha erra J às r Às n ve - zes a - tra - ves - sa to - vezesnos - -sadança - a-tra - ves - sa, to - J # às ve - zes ves - sa ois com to - da res sa E7(# 9) 7M(9) A m7 7( 9 13 ) n da da # n às ve - zes a - tra - ves sa, ois com to-da es-sa ressa - i-ca n 105 7M ácilde - er-rar A - indaemque - no inal - das contas - a gen-te se-guraias ontasaraiamú - - -sicaro - ácilde - er-rar A - in da con tas ontasaraiamú - - -sicaro - ácilde - er-rar 'indaemque - no inal - das con tas ontasaraiamú - - -sicaro - m7( 5) E7(# 9) # # n Am7 D7( 9) n ácilde - er-rar A - in da tum tum tum tum tum ontasaraiamú - - -sicaro - sus4 n n n # # 12 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

18 ezar Elert D7(# 9) sus4 7M lar Na ter - ra tem tem que saer - sam-ar lar Na ter - ra tem tem que saer - sam-ar lar Na mi - nha ter - ra tem que saer - sam-ar n lar Na mi - nha tum tum tum sa-er sam- ar, sa-er sam-ar 113 7M # # n n con - or - meia mú - si-ca, mú-si-ca # Asus4 con - or - meia mú - si-ca, mú-si-ca # con - or - meia mú - si-ca, que se or to - car # # n con - or - meia mú - si tum tum tum se or to - car A7(# 9) # n Dm7 rit que rit que rit rit se se # n # n # # n rit # oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil 13

19 Na Minha erra 117 Dm7 or to # or to or to - - m7 car car - car, to - car eia mú-si-ca é 7( 9) # 7( 9) Mais Lento U U U U π 6 π uh π uh π uh or to - car, to - car uh # π 123 o # o 6/ N n Am7 n Am7 n D7( 9) len-ta vai em de va-gar, em de va - len-ta - vai va - a gen te n gar, em de va gar, # gar, len-ta a gen-te vai em de va- n gar, len-ta vai va - gar, em de va - n n n n n gar, # 14 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

20 ezar Elert D7( 9) 129 D7( 9) A emo arase vi ver arase vi ver r sus4 / - - meu ra-sil, mas a- arase - vi-ver no meu ra - sil, mas a- mas arase - vi-ver no meu ra - sil, mas a- - meu ra sil, mas a- 134 Am7 - rasevi-ver meu rasil, - mas a - rasevi-vernomeura-sil éomsa-ersam ar, - rasevi-vernomeura - sil, rasil, - mas a rasevi-vernomeura-sil éomsa-ersam ar, - rasevi-ver meurasil - masa rasevi-vernomeura-sil éomsa-ersam ar, Dsus4 A 7( # 11) Gsus4 n - ra tum tum tum mas a rasevi-vernomeura-sil éomsa-ersam ar, G7 sus4 # n n # n oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil 15

21 Na Minha erra 138 E sus4 sus4 7( 13 9 ) 7( 9 13 ) om sa om sa - er samar - am - a, na mi-nha ter-ra tem o - er samar - am - a, na mi-nha ter-ra tem o # sam-a sam-a ter-ra tem o # n sam - a tum tum tum na ter-ra tem o com swing n 142 m7 sam-a am -a, ainda - - em que tem o sama - sam-a sam - a sam - a ainda - - em que tem o sama - - sam - a sama - sama - sam a E 7 n 7( 9 13 ) 7( 13 9 ) # em que tem o sama - sam-a sam - a sam - a tum tum tum 'da em que tem o n n n 16 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

22 m7 E sus4 E 7(9) m7 E sus4 E 7(9) ezar Elert sam -a lá sam -a lá sam -a sam -a sam -a lá sam - a sam -a # n sam -a lá sama,sama - sam -a 2 lá lá lá lá tem o n n 150 m7 E 7(9) sam a lá tem o # sam a lá sam -a lá sam -a lá en tão va mos samar! - E sus4 sus4 sus4 sam a lá # - sam -a lá en tão va mos samar! - ƒ ƒ ƒ - - en tão va mos samar! - ƒ sam -a lá sam -a lá - n en tão va mos samar! ƒ oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil 17

23 Na Minha erra ) # 7( 9 amossamarsam - R va - mos sam-ar, sam- ar lá, va -mos sam-ar, sam- ar va - mos sam-ar, sam- ar va - mos sam-ar, sam- ar tum tum tum n J r 7( 9 13 ) # ar, vamos samarsam tum tum tum tum n 7( 9 13 ) # ar, va mossamarsam tum tum tum tum n 7( 9 13 ) # ar, vamos samarsam tum tum tum tum n 158 7( 9 13 ) # ar, va mossamarsam lá va-mos sam- ar, sam- ar HEIN! vamossamar! - va- mos sam- ar, sam- ar HEIN! vamossamar! - tum tum tum tum n 7( 9 13 ) # ar, vamossamarsam tum tum tum tum n ar tum em marcado n odos olham esantados ara o ianista E sus4 HEIN! HEIN! # Ï Ï Ï vamossamar! - Ï vamossamar! - Ï sus4 18 oyright UNARE - Música rasileira ara oro Juvenil

É madrugada MÚSICA BRASILEIRA PARA CORO JUVENIL. Stella Junia. texto de Mário Quintana

É madrugada MÚSICA BRASILEIRA PARA CORO JUVENIL. Stella Junia. texto de Mário Quintana É madrugada tella Juia texto de Mário Quitaa MÚIA BRAILEIRA PARA ORO JUVENIL Presidete da Reúlica Luiz Iácio Lula da ilva Miistro da ultura Juca erreira udação Nacioal de Arte UNARTE Presidete ergio Mamerti

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Velha anedota PROJETO MÚSICA CORAL DO BRASIL. H. Dawid Korenchendler ( 1948) texto de Arthur Azevedo

Velha anedota PROJETO MÚSICA CORAL DO BRASIL. H. Dawid Korenchendler ( 1948) texto de Arthur Azevedo Velha anedota H. Daid Korenchendler ( 1948) texto de Arthur Azevedo texto em ortuguês / english text ROJETO MÚSICA CORAL DO BRASIL Obra ublicada originalmente na coleção Música Brasileira ara Coro Inantil

Leia mais

Sambalelê PROJETO MÚSICA CORAL DO BRASIL. arr. David Machado ( 1938-1995) texto de Manuel Bandeira

Sambalelê PROJETO MÚSICA CORAL DO BRASIL. arr. David Machado ( 1938-1995) texto de Manuel Bandeira ambalelê arr. David Machado ( 1938-1995) texto de Manuel andeira texto em português / english text PROEO MÚIC CORL DO RIL Obra publicada originalmente na coleção rranos Corais de Música Folclórica rasileira

Leia mais

Dai-me licença PROJETO MÚSICA CORAL DO BRASIL. arr. Sérgio de Vasconcelos-Corrêa ( 1934) texto de Mário Quintana

Dai-me licença PROJETO MÚSICA CORAL DO BRASIL. arr. Sérgio de Vasconcelos-Corrêa ( 1934) texto de Mário Quintana Dai-me licença arr. érgio de asconcelos-corrêa ( 1934) texto de Mário Quintana texto em português / english text PROEO MÚIC CORL DO RIL Obra publicada originalmente na coleção rranos Corais de Música Folclórica

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS CAMPO HARMÔNICO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É O CAMPO HARMÔNICO... 02 OUTROS CAMPOS MAIORES... 03 HARMONIZAÇÃO PELO C.H E DICA DE COMPOSIÇÃO... 05 O QUE

Leia mais

CONSERVATÓRIO MUSICAL BEETHOVEN www.beethoven.art.br beethoven@beethoven.art.br

CONSERVATÓRIO MUSICAL BEETHOVEN www.beethoven.art.br beethoven@beethoven.art.br Curso de Capacitação em Música para Professores do Ensino Médio, Fundamental 03 horas / semanais e Musicalização Infantil ( com base no PCN Artes ) VAGAS LIMITADAS FAÇA SUA PRÉ-RESERVA 10 meses ( inicio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012 ) No caso específico da disciplina de E. Musical, do 5ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

1 - VERBO - João 1:1-3, 14. Intro - (F, Bb, F, Bb) 2x (F, Bb, Dm7, Bb9) 2x

1 - VERBO - João 1:1-3, 14. Intro - (F, Bb, F, Bb) 2x (F, Bb, Dm7, Bb9) 2x 1 - VERBO - João 1:1-3, 14 Intro - (, Bb,, Bb) 2x (, Bb, Dm7, Bb9) 2x Bb m Bb No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus Bb m Dm E o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus m /A Bb Todas

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo.

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo. CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU MÓDULO 1: ELEMENTOS DA MÚSICA PROF. DARCY ALCANTARA (UFES) CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU DOMINGO - MANHÃ REVISÃO DOS CONCEITOS DE MÚSICA, RITMO E MELODIA

Leia mais

PLANETA ÁGUA. (MPB) Autor: Guilherme Arantes Arranjo: Márcio Mizael

PLANETA ÁGUA. (MPB) Autor: Guilherme Arantes Arranjo: Márcio Mizael (MPB) Autor: Arrano: Márcio Mizael GILHERME ARANTES (São Paulo, 2 de ulho de 193) é um cantor e compositor rasileiro Começou sua carreira como tecladista e vocalista da anda Moto Perpétuo grupo de rock

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

Modelagem Conceitual parte II

Modelagem Conceitual parte II Modelagem Conceitual arte II Vitor Valerio de Souza Camos Objetivos Aresentar o conceito de. Mostrar a cardinalidade de. Aresentar os tios de s. Aresentar o conceito de entidade fraca Aresentar o conceito

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas

COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA. Som da Vila. Cifras e Fichas Técnicas COMUNIDADE DA VILA IGREJA PRESBITERIANA Som da Vila Cifras e Fichas Técnicas Músicas 1. Nosso Louvor... 3 2. És... 4 3. Toda Honra, Glória e Louvor... 5 4. Agora e Sempre... 6 5. Àquele que pode... 7 6.

Leia mais

CANÇÃO DA CHUVA E DO VENTO Murillo Santos, 1981 Text by Mario Quintana

CANÇÃO DA CHUVA E DO VENTO Murillo Santos, 1981 Text by Mario Quintana CANÇÃO DA CHUVA E DO VENTO Murillo Santos, 1981 Text by Mario Quintana Dança Velha Dança Dança [ˈdãsa ˈvɛʎa ˈdãsa ˈdãsa] Põe um é Põe outro é [ˈõ ũ ˈɛ ˈõ ˈowtɾo ˈɛ] Mais deressa Mais deressa [ˈmas deˈɾɛsa

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário).

Valores: R$ 21,00 (comerciário/dependente), R$ 37,00 (conveniado) e R$ 48,00 (usuário). CURSOS DE MÚSICA DO SESC (2º Semestre) MODALIDADE INICIANTE 1) VIOLÃO POPULAR Este curso está direcionado ao estudo da música popular com acompanhamento harmônico. Serão praticadas canções do repertório

Leia mais

BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO

BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO O curso de Composição Musical, no Departamento de Música da ECA/USP, é desenvolvido ao longo de seis anos. É um curso que procura ser abrangente o bastante

Leia mais

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal ara escoamento suersônico e hiersônico de ar sobre cones Guilherme Bertoldo Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) 85601-970, Francisco

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

A história do Natal contada pelas crianças

A história do Natal contada pelas crianças A história do Natal conta pelas crianças Mirian Rocha Pitta ( 1947) texto em português / english text PRJET MÚSICA CRAL D BRASIL ra pulica originalmente na coleção Uma Canção de Natal Patrocínio Realização

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES Sylio Luiz Andreozzi 1 Fláia Aarecida Vieira de Araújo 2 Introdução As uniersidades úblicas brasileiras determinam

Leia mais

NO RANCHO FUNDO (Samba) Autor: Ary Barroso e Lamartine Babo Arranjo: Antonio Limeira

NO RANCHO FUNDO (Samba) Autor: Ary Barroso e Lamartine Babo Arranjo: Antonio Limeira NO RNHO FUNDO (Sama) utor: rrano: ntonio Limeira NO RNHO FUNDO (93) Sama anção Música composta pelo fauloso ry arroso em 93, com versos de J arlos para a peça musical "É do alacoaco", com o nome de "Na

Leia mais

Física B Semiextensivo V. 1

Física B Semiextensivo V. 1 Física Semiextensivo V. Exercícios 0) D luz é uma onda eletromagnética, ois se roaga em todos os meios, inclusive no vácuo. 0) x V. t x 3. 0 8. 3.. 0 7 x 9,6. 0 5 m 03) C I. Falsa. É transarente. II. Falsa.

Leia mais

Maria Manuela Martins Dias da Costa. Fundamentos da Abordagem Pianística. Escalas e Arpejos. Volume II DIREITOS RESERVADOS ALL RIGHTS RESERVED

Maria Manuela Martins Dias da Costa. Fundamentos da Abordagem Pianística. Escalas e Arpejos. Volume II DIREITOS RESERVADOS ALL RIGHTS RESERVED Maria Manuela Martins Dias da Costa Fundamentos da Abordagem Pianística Escalas e Arpejos Volume II DIREITOS RESERVADOS ALL RIGHTS RESERVED AvA MUSICAL EDITIONS Arpejo de dó maior (duas oitavas) Estado

Leia mais

ANEXO I - MATRIZES GERAIS - Anexo I Matrizes Gerais Admissão de Novos Alunos 2015/2016 Página 1 de 7

ANEXO I - MATRIZES GERAIS - Anexo I Matrizes Gerais Admissão de Novos Alunos 2015/2016 Página 1 de 7 ANEXO I - MATRIZES GERAIS - Anexo I Matrizes Gerais Admissão de Novos Alunos 2015/2016 Página 1 de 7 1. ADMISSÕES/AFERIÇÕES I. CURSO BÁSICO DE MÚSICA A. 1.º ANO DE ESCOLARIDADE / PREPARATÓRIO I Alunos

Leia mais

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião Perfil Socioeconômico e Cultural dos Visitantes dos Museus Fluminenses e Paulistas: Uma Análise Comarativa. Camila Pereira Koehler (ENCE); José Matias de Lima (ENCE); Leandro Lins Marino (Fundação Cesgranrio)

Leia mais

1 - Nosso Louvor (Paulo Nazareth) G G/B C Seja o nosso louvor Em Cada dia que vivemos G C Sob a tua direção

1 - Nosso Louvor (Paulo Nazareth) G G/B C Seja o nosso louvor Em Cada dia que vivemos G C Sob a tua direção 1 - Nosso Louvor (Paulo Nazareth) /B Seja o nosso louvor Em ada dia que vivemos Sob a tua direção /B Seja o nosso viver Em Ouvir a tua voz E te obedecer E mesmo quando Am Em Nos sentimos fracos F Tristes

Leia mais

Lundu do tropeiro. Música na escola: exercício 4

Lundu do tropeiro. Música na escola: exercício 4 Lundu do tropeiro Música na escola: exercício 4 Lundu Partituras Melodia, harmonia e letra do tropeiro Autor: Autor desconhecido, canção folclórica Região: Goiás Fonte: 500 Canções Brasileiras, de Ermelinda

Leia mais

Apostila de Ensino Violão (Módulo I)

Apostila de Ensino Violão (Módulo I) Apostila de Ensino Violão (Módulo I) APRESENTAÇÃO Esta apostila reúne uma compilação de estudos embasados nas devidas referências bibliográficas, notações complementares e exercícios práticos criados;

Leia mais

A música surgiu com os sons

A música surgiu com os sons Dó A música surgiu com os sons da natureza, já que seus elementos formais - som e ritmo - fazem parte do Universo e, particularmente da estrutura humana O homem pré-histórico deve ter percebido os sons

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIX Prêmio Expocom 2012 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIX Prêmio Expocom 2012 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Jingle Compartilhe o Bem, doe sangue. 1 Laís MELO 2 Caleb ORTIZ 3 Neuma OLIVEIRA 4 Hugor Felipe IORAS 5 Janaina BRITO 6 Meronilce REIS 7 Railton MARREIRA 8 Rosana ROSA 9 Ilmar JÚNIOR 10 Professor Santiago

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º SF451- FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: SF200 SF200- INTRODUCAO A EDUCACAO INTRODUÇÃO À ANÁLISE E DISCUSSÃO DO FENÔMENO EDUCATUVO, CONSIDERANDO AS RELAÇÕES ENTRE EDUCAÇÃO

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música?

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música por meio

Leia mais

1ª situação: Quando a nota mais alta (aguda) do intervalo pertence à escala de referência:

1ª situação: Quando a nota mais alta (aguda) do intervalo pertence à escala de referência: APRENDA MÚSICA Vol II 1. Intervalos Neste volume do curso de música iremos aprender as tétrades que são acordes formados por quatro notas. Para isso usaremos uma nomenclatura de intervalos que será apresentada

Leia mais

0 7 PRECISO AGRADECER

0 7 PRECISO AGRADECER 1 357 0 7 PREISO REER Letra: M 0 9RIO ORE LIM Mزsica: L 0 9VIO SNTOS Largo h = 54 b b 1 b b P 5 b b b b b b m 0 7 sus 10 10 b b b b b b b Solo otralto: P o - vo di - a vai as - cer 14 14 b b b b b b o

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Expressões e Tecnologias Planificação Anual de Educação Musical 5º ano Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Perfil do aluno no final do 5.º Ano O aluno canta a solo e em grupo, com intencionalidade expressiva, canções em diferentes tonalidades

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

A Bíblia nos diz em Apocalipse 5.11-14:

A Bíblia nos diz em Apocalipse 5.11-14: 22 Workshop de Educação Escolar Cristã Projeto MÚSICA NA ESCOLA: Uma Disciplina Curricular na Educação por Princípios Tiago Mateus Machado Colégio Shalom Blumenau SC REFLEXÃO INICIAL O fato é que a música

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL]

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] 2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] Plano Anual de Expressão Musical Ano Letivo 2012/2013 Introdução: Esta atividade pretende que os alunos fortaleçam o gosto natural pela expressão musical

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

TECLADO. Curso Intensivo Nível Básico. Método: Victor Sousa

TECLADO. Curso Intensivo Nível Básico. Método: Victor Sousa 1 TELADO urso Intensivo Nível Básico Método: Victor Sousa 2 Aula 1 BREVE ONEITO DE MÚSIA: Música é a arte e ciência da combinação dos sons; qualquer conjunto de sons. A música contém três elementos essenciais:

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

QUADRO DE HORÁRIO DISCIPLINA/DOCENTE Estadual de Londrina CARGA HORÁRIA INÍCIO TÉRMINO DOCENTE HORAS AULA

QUADRO DE HORÁRIO DISCIPLINA/DOCENTE Estadual de Londrina CARGA HORÁRIA INÍCIO TÉRMINO DOCENTE HORAS AULA 2º Semestre 1º Semestre Universidade QUADRO DE HORÁRIO DISCIPLINA/DOCENTE Estadual de Londrina Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação REFERENTE AO 1º e 2º SEMESTRE DE 2013 PROGRAMA/CURSO: ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS Sessão n.º 1 1- Apresentação do projeto: objectivos e finalidades; 2- Apresentação dos objetivos e finalidades; 3- Música Timorense (He-le-le);

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical

PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical PLANIFICAÇÕES AEC Expressão Musical 1º Ano Sons do meio ambiente e da natureza / silêncio Sons do corpo (níveis corporais) Sons naturais e artificiais Sons fortes e fracos Sons pianos (p), médios (mf)

Leia mais

Cantando pelo Mundo. II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia.

Cantando pelo Mundo. II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia. Cantando pelo Mundo I - Período do projeto: 2º Bimestre de 2015 II - Disciplinas envolvidas no projeto: Música, Língua Portuguesa, História e Geografia. III Problematização Intercâmbio musical e cultural

Leia mais

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A

GABARITO. Física B 07) 56 08) A 09) E. Nas lentes divergentes as imagens serão sempre virtuais. 10) A Física B Extensivo V. 4 Exercícios 0) V V V V F 0. Verdadeiro. Lentes, disositivos que ormam imagem usando essencialmente as leis da reração. 0. Verdadeiro. Eselhos vértice, oco, centro de curvatura. Lentes:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ESCOLA DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 107/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ESCOLA DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 107/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ESCOLA DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 107/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015. Ementa: Regulamenta a realização de Concurso Público de Provas e Títulos para o Ingresso de Docentes Efetivos

Leia mais

Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto

Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto Estrutura Curricular do curso Música - Bacharelado com Habilitação em Instrumento ou Canto 1º período Canto Coral A 36 Canto I 54 Consciência Corporal em Performance Musical I 36 Contraponto I 36 Fisiologia

Leia mais

COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00)

COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00) PROVA DE APTIDÃO MÚSICA COMPOSIÇÃO Duração Total (03h00:00) 1. ANÁLISE COMPARATIVA (01:00:00) Ouça atentamente os três trechos musicais a serem reproduzidos durante o exame 1.1 Esboce uma representação

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto:

3) Da figura temos: 4) a altura total (h ) do vértice da cúpula até o piso é dada por: 5) Mas f > h e, portanto: Lista de Exercícios de Física II Eselhos Eséricos Pro: Tadeu Turma: Ano do Ensino Médio Data: 08/06/009 ) (ITA) Um objeto linear de altura h está assentado erendicularmente no eixo rincial de um eselho

Leia mais

Ave Maria Sertaneja (Lamento) Autor: Julio Ricardo/O. de Oliveira Canta: Luiz Gonzaga Arr.: Luis Dantas

Ave Maria Sertaneja (Lamento) Autor: Julio Ricardo/O. de Oliveira Canta: Luiz Gonzaga Arr.: Luis Dantas Ave Maria Sertanea () Autor: ulio Ricardo/O. de Oliveira A Secretaria da Cultura do Estado agradece ao maestro Luis Dantas do Estado do Rio Grande do Norte, ela doação desta eça musical que serviu de matriz

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU

INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU INFORMAÇÃO PROVAS GLOBAIS DE FORMAÇÃO MUSICAL 2014/2015 12.º ANO / 8.º GRAU 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova global do ensino secundário da disciplina de Formação

Leia mais

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares 1 Versão Oficial Sueli Costa EF98 E S T Ú D I O F - programa número 98 Á U D I O T E X T O Música-tema entra e fica em BG; Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte Apresentação

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço IGREJA CRISTÃ MARANATA Apostila De Teclado Comissão de ensino Vale do Aço Introdução O Teclado é um dos instrumentos mais utilizados hoje em dia, por sua grande flexibilidade e diversificação. Com um simples

Leia mais

Desenvolvimento Eixo movimento - crianças de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos

Desenvolvimento Eixo movimento - crianças de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos Desenvolvimento Eixo movimento - de 4 a 8 meses. Objetivos Dimensões Atividades Material Indicador. Reconhecimento progressivo de segmentos Papel laminado. Espelho de parede. e elementos do próprio Almofadas.

Leia mais

NÃO DEIXE O SAMBA MORRER (Samba) Autor: Edson G. da Conceição e Aloísio Silva

NÃO DEIXE O SAMBA MORRER (Samba) Autor: Edson G. da Conceição e Aloísio Silva NÃO DEIXE O SAMBA MORRER (Sama) Autor: Edson G da Conceiço e Aloísio Silva EDSON GOMES DA CONCEIÇÃO Edson Gomes da Conceiço nasceu em 18 de março de 197 em Salvador/BA, era Cantor, comositor e letrista

Leia mais

450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula

450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula 450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula Caderno do professor Criado a partir da Cartilha Piano Brasil VII do maestro Ricardo Prado (gentilmente cedida por Cíntia Pereira-Delphos Produções www.delphosproducoes.com)

Leia mais

Departamento de Expressões. Planificação Anual de Educação Musical 2015/2016. 5º Ano

Departamento de Expressões. Planificação Anual de Educação Musical 2015/2016. 5º Ano Departamento de Expressões Planificação Anual de Educação Musical 2015/2016 5º Ano 1º PERÍODO Conceitos Conteúdos Objetivos Meio ambiente, vocal, corporal e Instrumentos de percussão: família das peles,

Leia mais

ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA

ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA ANEXO 4 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS PROVAS DE AFERIÇÃO E EXAMES DOS DIFERENTES INSTRUMENTOS PARA O ENSINO ESPECIALIZADO DE MÚSICA 1 GRUPO DE SOPROS A- Conteúdos programáticos das Provas de Aferição 1.

Leia mais

PROCESSOS EDUCATIVOS NO CUIDADO COM O TERRITÓRIO: SUBSÍDIOS PARA POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO NAS RESERVAS EXTRATIVISTAS DA TERRA DO MEIO

PROCESSOS EDUCATIVOS NO CUIDADO COM O TERRITÓRIO: SUBSÍDIOS PARA POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO NAS RESERVAS EXTRATIVISTAS DA TERRA DO MEIO PROCESSOS EDUCATIVOS NO CUIDADO COM O TERRITÓRIO: SUBSÍDIOS PARA POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO NAS RESERVAS EXTRATIVISTAS DA TERRA DO MEIO Cristiano Tierno de Siqueira Valéria Oliveira Vasconcelos 1. Ponto de

Leia mais

Ave Maria (Música Sacra) Autor: F. Schubert

Ave Maria (Música Sacra) Autor: F. Schubert (Música Sacra) Autor: F Schubert F SCHUBERT Franz eter Schubert (Himmelfortgrund, 1 de aneiro de 1797 Viena, 19 de Novembro de 18) foi um comositor austríaco do fim da era clássica, com um estilo marcante,

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s IX FÓRUM APCER EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s AGENDA Breve Apresentação AIP Projecto Excelência Empresarial Modelo EFQM Associação Industrial Portuguesa Criada em 1837 MISSÃO É uma instituição privada

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE Adaptação para quadrinhos: FRANÇOIS RIVIÈRE & SOLIDOR ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE seguido de MORTE NO NILO 3 ISTAMBUL, INVERNO DE 1932... MEU CARO POIROT, ESTOU ABISMADO. NÃO HÁ MAIS NENHUM LEITO DISPONÍVEL

Leia mais

FORMAÇÃO MUSICAL E MÚSICA NAS AEC Formação musical suposta para cada ano do 1º ciclo. Cursos de Formação de Professores

FORMAÇÃO MUSICAL E MÚSICA NAS AEC Formação musical suposta para cada ano do 1º ciclo. Cursos de Formação de Professores FORMAÇÃO MUSICAL E MÚSICA NAS AEC Formação musical suposta para cada ano do 1º ciclo Cursos de Formação de Professores António José Ferreira 08/03/2008 Com a acção Formação Musical e Música no 1º Ciclo

Leia mais

Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015

Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015 Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015 Unidades Conteúdos Competências Actividades Recursos/Materiais Unidade 1 Unidade 2 Primeira Abordagem lúdica de Sensibilização e exploração do

Leia mais

(PI): 01 - O 01 (A1):

(PI): 01 - O 01 (A1): Tema do Projeto: Composição Musical em Banda Pop/Rock em contexto extracurricular Que aprendizagens e motivações são desenvolvidas no projeto de composição de canções a partir de sequências harmónicas

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO PROVA DE MÚSICA - 3º CICLO 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2013 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

PROJETO: OUVIR CANTAR E DANÇAR OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM. Eixos temáticos: Objetivos: Faixa etária: De um a cinco anos (educação Infantil)

PROJETO: OUVIR CANTAR E DANÇAR OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM. Eixos temáticos: Objetivos: Faixa etária: De um a cinco anos (educação Infantil) PROJETO: OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM OUVIR Eixos temáticos: Diferentes linguagens Artes visuais Movimento CANTAR Linguagem Oral; Natureza e Sociedade Objetivos: E DANÇAR Interagir com músicas e movimentos

Leia mais

PROVA DE EDUCAÇÃO MUSICAL LÍNGUA PORTUGUESA. b) Considerando o alto valor do prédio, 8% significa um bom dinheiro

PROVA DE EDUCAÇÃO MUSICAL LÍNGUA PORTUGUESA. b) Considerando o alto valor do prédio, 8% significa um bom dinheiro PROVA DE EDUCAÇÃO MUSICAL LÍNGUA PORTUGUESA 1. Assinale a alternativa que contém a frase corretamente escrita com relação à concordância verbal. a) Atualmente somos nós que cuida da biblioteca b) Considerando

Leia mais

Profa. Paula Molinari

Profa. Paula Molinari NOSSOS OBJETIVOS A criação do Centro de Estudos Musicais CEM FACCAMP - visa atrair, formar e capacitar aqueles que procuram uma atividade que envolva música, desde a sensiblização musical até a execução

Leia mais

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Popular Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas particulares

Leia mais

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009 Workshop da Micro e Pequena Indústria Licenciamento Ambiental CIEP orocaba 26/maio/2009 O CIEP - Regionais Meio Ambiente CIEP 31 grupos MA formados +9500 Empresas e 43 DRMD s ~ 290 profissionais voluntários

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PIANO 2011

CURSO DE EXTENSÃO EM PIANO 2011 ESCOLA DE MÚSICA DO MARANHÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CURSO DE MÚSICA CURSO DE EXTENSÃO EM PIANO 2011 Relatório Final O Projeto de Extensão intitulado Curso de Extensão em Piano teve seu início

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

4ª - Sim, já instalei o programa em casa e tudo. Vou fazer muitas músicas e gravar-me a cantar nelas também.

4ª - Sim, já instalei o programa em casa e tudo. Vou fazer muitas músicas e gravar-me a cantar nelas também. Entrevistas: Por escrito: A_5: 1ª - É fazer uma música sozinha, como eu gosto, com a ajuda do computador. Abrimos a Ableton Live, criamos as faixas que precisamos, escolhemos a forma e como é que cada

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

1º FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP - FRANCA

1º FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP - FRANCA Regulamento TÍTULO 1 - DA PROMOÇÃO: O 1 FEMASF FESTIVAL DE MUSICA DA ASSOCIAÇÃO SABESP -, promovido pela ASSOCIAÇÃO SABESP Departamento de Franca, através de sua diretoria Cultural, terá apenas uma categoria,

Leia mais

Marcos de Aprendizagem Música. Eixo Competência Conteúdos Habilidades

Marcos de Aprendizagem Música. Eixo Competência Conteúdos Habilidades Apreciação e Percepção Musical Alcance progressivo do desenvolvimento auditivo musical, rítmico, melódico, harmônico e tímbrico e a memória musical nos processos de apreciação e percepção. Som e suas propriedades

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES ENSINO BÁSICO 2º CICLO PLANIFICAÇÃO ANUAL Domínios e Subdomínios Desenvolvimento da Capacidade de Expressão e Comunicação: Interpretação e Comunicação INDICADORES O aluno canta controlando a emissão vocal em termos de afinação e respiração. O

Leia mais

HISTÓRICO DA NOTAÇÃO MUSICAL (DA ANTIGUIDADE ATÉ OS DIAS ATUAIS)

HISTÓRICO DA NOTAÇÃO MUSICAL (DA ANTIGUIDADE ATÉ OS DIAS ATUAIS) HISTÓRICO DA NOTAÇÃO MUSICAL (DA ANTIGUIDADE ATÉ OS DIAS ATUAIS) Faremos a seguir, um pequeno histórico da notação musical desde os seus primeiros registros até os dias atuais, para que se compreenda a

Leia mais