LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto e responda as questões de 1 a 10. TEXTO. Em defesa do serviço civil Ruth de Aquino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto e responda as questões de 1 a 10. TEXTO. Em defesa do serviço civil Ruth de Aquino"

Transcrição

1 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto e responda as questões de 1 a 10. TEXTO Em defesa do serviço civil Ruth de Aquino Se existe algo que deveria morrer de velho no Brasil é o serviço militar obrigatório. Para que fingir que continua a ser necessário forçar rapazes acima de 18 anos a se alistar no Exército? Em vez do serviço militar, rapazes e moças deveriam dedicar um ano de sua vida para servir à comunidade. Os filhos da classe média e da elite aprenderiam mais sobre o Brasil real se entrassem no mundo das crianças que nascem com pouco ou quase nada. Se fossem convocados a ensinar português, matemática, inglês, música ou informática. Pela lei atual, até o brasileiro que mora fora do país é obrigado a se alistar. Claro que há mil jeitinhos para evitar os 12 meses no quartel. Só se alista hoje quem deseja seguir carreira nas Forças Armadas ou quem precisa ganhar um salário mínimo mensal como recruta. Os universitários costumam conseguir dispensa. Muitos se formam sem ter a menor ideia de como se equilibra na linha da pobreza a massa de brasileiros. É impressionante como a sociedade brasileira não oferece oportunidades de convivência entre cidadãos de diferentes camadas socioeconômicas, diz o economista André Urani. A praia é uma ilusão. As pessoas se esbarram apenas. No transporte, há um apartheid social entre os obrigados a usar transporte público e os que dirigem seu próprio carro. Poucos jovens carentes chegam às concorridas universidades públicas e gratuitas e as particulares são proibitivamente caras. Urani foi professor na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) durante 16 anos. A cada ano, ele perguntava de onde vinham seus alunos: Só tive dois que haviam estudado em colégio público municipal, embora a rede municipal do Rio tenha mais de 800 mil alunos. Nas grandes cidades, a cultura dos condomínios cria uma juventude que se apega a privilégios e costuma sentir medo ou desprezo por pobres. Jovens de classe média alta só trabalham como garçons, garçonetes, babás e au pairs (empregadas) quando vão para o exterior fazer intercâmbio. Pais mandam os pimpolhos para os Estados Unidos, Europa, Austrália. Vão estudar idiomas e, muitas vezes, lavar pratos. Faz parte do aprendizado de vida e do amadurecimento. No Brasil, jamais fariam isso não só por vergonha de servir a seus iguais. A mesada tropical é polpuda e o que se ganha aqui nesse tipo de serviço é muito menos do que lá fora. No Brasil, eles têm domésticas que recolhem suas roupas espalhadas no chão. O serviço civil obrigatório seria uma oportunidade de integração, educação, disciplina. Não existe no Brasil nenhuma estratégia que promova um entendimento real entre as classes. Não se treinam o ouvido nem a compaixão, o desprendimento ou a generosidade. Jovens deveriam consagrar um tempo para o bem público. Por lei. Para criar bases e valores, perceber outros olhares. Um estudante de Direito poderia, no primeiro ano da faculdade, dedicar seis horas diárias de trabalho a um balcão de atendimento de pequenas causas em favela. Um estudante de contabilidade montaria pequenos negócios para famílias carentes e empreendedoras. Um estudante de letras incentivaria adolescentes a ler. Outro ensinaria a mexer em computador, a tocar piano ou a falar inglês. São tantos dons aprendidos, financiados pelos pais. Por que não retribuir à sociedade durante um ano? O presidente Lula chegou a propor, em setembro de 2008, o serviço social obrigatório para homens dispensados do serviço militar e para todas as mulheres brasileiras. Eles prestariam à sociedade serviços relacionados a sua formação técnica, profissional ou acadêmica. Foi engavetado. Minha sensação é que se desperdiça o potencial de um exército de jovens inteligentes e criativos. Poderiam ajudar a construir uma sociedade mais justa e menos desigual. Há os que sonham em sair do Brasil sem sequer chegar a entender o país em que nasceram. Nem aprendem a dar bom-dia ou a agradecer por um serviço prestado. Deveríamos acabar com a obrigatoriedade do serviço militar, que já tem um século de vida. É um anacronismo num país sem guerra. O que o Brasil necessita é educar direito seus filhos. 1. A partir das informações presentes no texto, assinale a alternativa CORRETA. A. Morrer de velho (primeiro parágrafo) é uma expressão metafórica que remete ao fato exclusivo de que o serviço militar obrigatório no Brasil já tem um século. B. A autora defende que se implante, em vez de o serviço militar obrigatório, um serviço voluntário em que jovens deveriam dedicar um ano de suas vidas para servirem à comunidade, de acordo com as suas aptidões. C. Na afirmação Se fossem convocados a ensinar português, matemática, inglês, música ou informática (primeiro parágrafo), a autora determina que tipo de serviços os jovens devem oferecer à comunidade, baseada nos péssimos resultados educacionais do Brasil. D. O texto defende a necessidade de buscar meios para evitar o jeitinho brasileiro no que diz respeito à prática de jovens de escapar do serviço militar obrigatório. E. A autora considera o serviço militar obrigatório ineficiente porque não cumpre propósitos cidadãos. 2. No período: É um anacronismo num país sem guerra. (último parágrafo), a palavra destacada define o serviço militar como algo: 1

2 A. Contraditório B. Retrógrado C. Inviável D. Dispensável E. Ineficiente 3. Minha sensação é que se desperdiça o potencial de um exército de jovens inteligentes e criativos (oitavo parágrafo) Sobre a palavra destacada no período acima, é CORRETO afirmar que: A. A autora propõe a criação de um exército de jovens que realmente usem a sua inteligência e criatividade para garantir os poderes constituídos e a soberania do Brasil. B. A palavra utilizada está completamente fora de contexto e o seu uso foi inadequado, uma vez que exército constitui as tropas de uma nação. C. O uso da palavra no contexto é coerente porque a autora se refere aos jovens ingressos no serviço militar que têm o seu potencial desperdiçado. D. A palavra foi bem empregada pela autora que a transpõe, metaforicamente, de um contexto para outro, sugerindo o grande contingente de jovens brasileiros, cuja força, o potencial cognitivo e criativo, é desperdiçada. E. A palavra está empregada no sentido de que não devia se desperdiçar a força de jovens brasileiros inteligentes e criativos. 4. A partir das argumentações do texto, julgue as assertivas abaixo como verdadeiras (V) ou falsas (F). ( )Ruth de Aquino propõe a substituição do serviço militar obrigatório pelo serviço civil voluntário. ( )A autora defende a extinção do serviço militar brasileiro. ( )A autora sugere que o serviço militar não seja indispensável. A sequência CORRETA é: A. V, V e F B. F, V e F C. F, F e V D. F, V e V E. V, F e V 5. Sobre a realidade dos jovens, a autora denuncia, EXCETO. A. A falta de conhecimento e de compromisso dos jovens com as causas sociais. B. A disparidade social no que diz respeito ao acesso de estudantes brasileiros às universidades públicas. C. A omissão dos pais ao enviarem seus filhos para outros países a fim de estudarem e eles precisarem se submeter a trabalhos considerados inferiores aqui no Brasil. D. A cultura dos condomínios, que forma jovens cheios de regalias, de preconceito e de indiferença pelos menos favorecidos. E. A ausência de regras básicas de educação necessárias na convivência humana. 6. Muitos se formam sem ter a menor ideia de como se equilibra na linha da pobreza a massa de brasileiros. (segundo parágrafo) A respeito do período acima, é CORRETO afirmar que: A. Trata-se de um período composto por coordenação. B. Em Muitos se formam, a palavra se marca a indeterminação do sujeito. C. O sujeito do verbo equilibra é linha da pobreza. D. O sujeito do verbo equilibra é a massa de brasileiros. E. O termo da pobreza é complemento nominal da palavra linha. 7. Assinale a opção em que a acentuação de todas as palavras é justificada por uma única regra. A. Condomínios, mínimo e música. B. Salário, média e obrigatório. C. Babás, país e há. D. Babás, lá e há. E. É, há e têm. 8. Assinale a opção INCORRETA com relação ao uso da crase. A. A cultura dos condomínios cria uma juventude que se apega às regalias. B. Jovens de classe média alta só trabalham como garçons, garçonetes, babás e au pairs (empregadas) quando vão à Europa fazer intercâmbio. C. Os filhos da classe média e da elite aprenderiam mais sobre o Brasil real, se fossem convocados à instrução de crianças nas disciplinas de português, matemática, inglês, música ou informática. D. No transporte, há um apartheid social entre os obrigados à utilização de transporte público e os que dirigem seu próprio carro. E. Um estudante de Direito poderia, no primeiro ano da faculdade, dedicar seis horas diárias de trabalho à uma organização não-governamental de atendimento de pequenas causas em favela. 9. No Brasil, jamais fariam isso não só por vergonha de servir a seus iguais. (quinto parágrafo) Assinale a alternativa em que o uso da vírgula NÃO é justificado pela mesma regra que justifica o seu uso no período acima. A. No transporte, há um apartheid social entre os obrigados a usar transporte público e os que dirigem seu próprio carro. (terceiro parágrafo) 2

3 B. Um estudante de Direito poderia, no primeiro ano da faculdade, dedicar seis horas diárias de trabalho a um balcão de atendimento de pequenas causas em favela. (sexto parágrafo) C. A cada ano, ele perguntava de onde vinham seus alunos. (quarto parágrafo) D. Nas grandes cidades, a cultura dos condomínios cria uma juventude que se apega a privilégios e costuma sentir medo ou desprezo por pobres. (quinto parágrafo) E. Deveríamos acabar com a obrigatoriedade do serviço militar, que já tem um século de vida. (último parágrafo) 10. Há os que sonham em sair do Brasil sem sequer chegar a entender o país em que nasceram. Sobre a oração destacada no período, é CORRETO afirmar que: A. É uma oração subordinada substantiva completiva nominal. B. È uma oração subordinada adjetiva restritiva. C. È uma oração subordinada adjetiva explicativa. D. Exerce a função de sujeito da oração anterior. E. É uma oração subordinada adverbial de lugar. CONHECIMENTOS GERAIS 11. Sobre o Carnaval 2010, relacione o Samba enredo à Escola de Samba do Rio de Janeiro. 1. Viradouro 2. Salgueiro 3. Beija-Flor 4. Mocidade Independente ( ) Brilhante ao sol do novo mundo, Brasília do sonho à realidade, a capital da esperança. ( ) Do paraíso de Deus ao paraíso da loucura, cada um sabe o que procura. ( ) México, o Paraíso das Cores, sob o Signo do Sol. ( ) Histórias Sem Fim. A sequência CORRETA é: A. 2, 3, 1 e 4. B. 4, 2, 3 e 1. C. 3, 4, 1 e 2. D. 1, 3, 2 e 4. E. 1, 2, 4 e Os ministros da Corte Especial do STJ se reuniram nesta quinta-feira (11) e decidiram pelo pedido de prisão de José Roberto Arruda, governador do Distrito Federal, feito pela subprocuradora geral da República Raquel Dodge e pelo procurador geral, Roberto Gurgel. (http://g1.globo.com, 11/02/2010) Sobre a prisão de José Roberto Arruda, é FALSO afirmar que: A. A Câmara Legislativa do Distrito Federal recebeu o pedido de afastamento do governador José Roberto Arruda (sem partido, ex-dem) do cargo. B. O pedido, feito pelo próprio governador, foi lido em sessão nesta quinta-feira (11) depois de Arruda ter a prisão preventiva decretada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). C. Em sua ausência, assume o cargo o vice-governador, Durval Barbosa (DEM), que também é investigado no inquérito que apura o suposto esquema de corrupção no governo do Distrito Federal. D. O pedido de prisão de Arruda se baseia na tentativa de suborno ao jornalista Edmilson Edson dos Santos, conhecido como Sombra. E. O jornalista é testemunha do suposto esquema de corrupção no governo do Distrito Federal, que ficou conhecido como mensalão do DEM de Brasília. 13. Quem desembarcou ontem no Haiti foi a estrela de cinema, uma mulher linda e famosa que se dedica a causas humanitárias. Como embaixadora da ONU para refugiados, ela visitou feridos e desabrigados do terremoto. Jantou no refeitório do batalhão brasileiro e passou a noite na base militar. Ela e o marido, o ator Brad Pitt, doaram US$ 1 milhão para a reconstrução do país. (http://g1.globo.com/bomdia, 10/02/2010) A notícia acima faz referência à: A. Julia Robert. B. Sandra Bullock. C. Meryl Streep. D. Kristen Stewart. E. Angelina Jolie. 14. O líder supremo do Irã elogiou nesta sexta-feira o comparecimento em massa nas manifestações organizadas ontem pelo governo para marcar a Revolução Islâmica de 1979, e alertou o Ocidente para "deixar de colocar obstáculos" ao seu país. Ele fez ainda um alerta aos países do Ocidente, dizendo que é hora de "os inimigos estrangeiros abandonar seus esforços inúteis para subjugar o Irã". (da Folha Online, 12/02/2010) O líder supremo do Irã é o aiatolá: A. Ali Khamenei. B. Mahmoud Ahmadinejad. C. Mir Hossein Mousavi. D. Zahra Rahnavard. E. Mahdi Karroubi. 15. Uma declaração provocou protestos e muitas reações em Brasília. Um general indicado para ocupar uma vaga no Superior Tribunal Militar disse que é contra homossexuais ocuparem cargos de comando nas Forças Armadas. A OAB reagiu: 3

4 4 Uma declaração lamentável. A defesa do país tem que ser feita por homens e mulheres independentemente da opção sexual, diz a nota. (http://g1.globo.com/bomdiabrasil, 05/02/2010) As declarações polêmicas foram feitas pelo general: A. Gilberto Figueiredo. B. Nelson Jobim. C. Laci Araújo. D. Raymundo Nonato de Cerqueira Filho. E. Fernando Alcântara de Figueiredo. 16. No Haiti, dez americanos estão presos. Os detidos são voluntários de uma igreja batista com sede no estado americano de Idaho. As crianças que estavam com os americanos foram levadas para um orfanato de Porto Príncipe. (http://g1.globo.com, 01/02/2010) Sobre esse fato, é Incorreto afirmar que os dez americanos detidos: A. Tentavam retirar 33 crianças do Haiti. B. Alegam que foram ao Haiti ajudar jovens abandonados. C. São acusados de tráfico de seres humanos. D. Tinham documento suspeito para provar que as crianças ficaram órfãs depois do terremoto. E. Com eles foram encontradas crianças com idades entre dois meses e 14 anos. 17. África do Sul celebra 20 anos da libertação de Mandela. Um dia de celebração para um país inteiro. Há exatamente 20 anos, Nelson Mandela, herói da luta contra a política de segregação racial, conheceu a liberdade, depois de 27 anos. (http://g1.globo.com/jornalnacional, 11/02/2010) Sobre Mandela é FALSO afirmar que: A. Em 11 de fevereiro de 1990, Nelson Mandela foi libertado e deixou a prisão. B. Em 2004, foi eleito o primeiro presidente negro da África do Sul. C. Recebeu o prêmio Nobel da Paz. Sempre pregou a reconciliação com os brancos e nunca a vingança. D. Mandela não foi à celebração dos 20 anos da sua libertação. Aos 91 anos e, com saúde frágil, só apareceu à noite, no Parlamento. Chegou andando com dificuldade e foi ovacionado. E. O herói nacional só deve voltar a aparecer em público no dia 11 de junho, na abertura do mundial. Vai ser uma celebração do futebol e da liberdade. 18. Sobre a declaração de Imposto de Renda deste ano, as opções abaixo estão corretas, EXCETO: A. A declaração terá que ser entregue entre 1º março e 30 de abril. Quem perder o prazo pagará multa de R$ 165,74 até 20% do imposto devido. B. O contribuinte que tiver que pagar à Receita poderá dividir em até oito parcelas desde que sejam superiores a R$ 50. C. Mesmo sem ter recebido nada no ano passado ou estiver dentro do limite de isenção, quem faz a declaração porque possui bens como imóveis, por exemplo, agora só tem que prestar contas se o valor desses bens passar de R$ 300 mil. Antes, o valor era de R$ 80 mil. D. Quem declara apenas pelo fato de ser sócio de empresa, mesmo inativa, não tem mais que fazer a declaração de pessoa física, a não ser que se enquadre em outros critérios que obriguem a declarar. E. O uso do formulário de papel acabou. Deste ano de 2010 em diante, a declaração será somente pela internet ou em disquete. 19. Empresários e sindicalistas foram ao Congresso, nesta terça-feira. No centro da disputa, está a proposta de emenda constitucional para reduzir a jornada de trabalho. Representantes das centrais sindicais ocuparam os corredores do Congresso para pedir a mudança na constituição. O presidente da Câmara, Michel Temer, propôs uma jornada intermediária. (http://www.tribunadecianorte.com.br, 10/02/2010) A proposta de Michel Temer é reduzir a jornada de trabalho para: A. 40 horas semanais. B. 41 horas semanais. C. 42 horas semanais. D. 43 horas semanais. E. 44 horas semanais. 20. O maior bloco pré-carnavalesco do país arrastou na noite desta quarta-feira (10) uma multidão no Corredor da Folia (Avenida Epitácio Pessoa). A Quarta-Feira de Fogo, realmente foi de alegria para milhares de pessoas que vieram de todas as cidades da Paraíba e de outros estados para brincar o carnaval das Muriçocas de Miramar em João Pessoa. (Jornal Correio, 11/02/2010) O bloco Muriçocas de Miramar, este ano, homenageou a sétima arte com o slogan: A. A alegria é um filme bem contado. B. O Carnaval é coisa pra cinema. C. O Carnaval é cinematográfico. D. A nossa alegria é coisa de cinema. E. A magia do cinema. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 21. Mulher de 40 anos, em controle de Diabetes Mellitus no ambulatório de Especialidade, ao apresentar edema de MMII e amenorréia há quatro meses, foi encaminhada para consulta com ginecologista na Unidade Básica de Saúde X, mais

5 próxima de sua residência. Nessa unidade ela não foi atendida, por possuir um recém-adquirido plano privado de assistência médica. A mulher procurou então o ambulatório da maternidade do município vizinho, distante 47 km de sua residência, onde foi prontamente atendida, diagnosticando-se gestação de sete meses. Na análise dessa situação, constata-se que NÃO foi contemplado o Princípio do SUS da A. Universalidade de acesso. B. Integralidade. C. Regionalização. D. Resolubilidade. E. Descentralização. 22. O Ministério da Saúde definiu, como uma das estratégias da atenção psiquiátrica, a remuneração pelo SUS de procedimentos como a assistência em hospital-dia, em núcleos e centros de atenção psicossocial, as oficinas terapêuticas, entre outros. Essa estratégia reflete o movimento da reforma psiquiátrica, que propõe a reorientação do modelo assistencial, tendo como uma de suas diretrizes a A. Desinstitucionalização dos doentes. B. Internação em hospitais gerais. C. Medicalização preventiva. D. Desobrigação do Estado. E. Retomada da abordagem hospitalocêntrica. 23. A análise dos dados de cadastro das famílias residentes na área de abrangência de uma unidade de PSF revelou alta prevalência de obesidade em adolescentes. A equipe de saúde propôs, além das ações específicas com os adolescentes, elaborar em parceria com as escolas da região um projeto de prevenção da obesidade destinado aos préadolescentes. Dentre as atividades de um projeto com essas características, NÃO cabe: A. Incorporar às atividades didáticas, trabalhos sobre a alimentação e a importância do equilíbrio entre a ingestão de alimentos e o gasto energético. B. Promover ações que melhorem a auto imagem e a segurança relacional do grupo e reorientar o lazer, dedicando menor tempo às atividades sedentárias. C. Ajudar o grupo a estabelecer relações interativas através de atividades físicas e incentivar as recreativas resgatando brincadeiras ao ar livre. D. Organizar gincanas e passeios com caminhadas envolvendo a comunidade local e estabelecer parcerias com instituições sociais para disponibilizar espaços de lazer. E. Estabelecer atividades físicas separadas para os préadolescentes com sobrepeso e realizar, mensalmente, o controle de peso desse grupo. 24. No Brasil, as diretrizes políticas da área da Saúde Mental fundamentam-se em princípios do Sistema Único de Saúde e orientam A. A participação da comunidade em campanhas que esclareçam o público da dificuldade de estabelecer o diagnóstico de transtorno mental e da eficácia do tratamento. Essas campanhas visam impedir a discriminação da pessoa com transtorno mental. B. O estabelecimento de condições que assegurem o acesso igualitário às ações e aos serviços de promoção, assistência e reabilitação, sem excluir do Estado, dos profissionais de saúde, das famílias, das empresas e da sociedade, o dever da assistência. C. A descentralização da assistência aos pacientes com transtorno mental, visando à redução expressiva de gastos pelo Estado, para que as ações de saúde mental e de reabilitação sejam mais eficientes. D. O acesso diferenciado à assistência aos pacientes que são retirados dos hospitais e assistidos em ambulatórios, sem considerá-los portadores de transtorno mental grave, acolhendo-os e incluindoos no convívio social. E. O desenvolvimento de ações predominantemente intra-hospitalares que visam tratar os danos do transtorno mental por meio de programas de humanização. 25. Com o objetivo de desenvolver ações de prevenção das doenças e promoção da saúde de uma comunidade, qual deve ser a primeira atividade a ser realizada pela Unidade de Saúde a fim de estruturar as ações a serem desenvolvidas em nível local? A. Criação do conselho local de saúde. B. Contratação de agentes comunitários de saúde. C. Ampliação dos programas oficiais existentes. D. Ampliação e capacitação da equipe de saúde. E. Territorialização e diagnóstico de saúde da comunidade. 26. A Lei no 8.080/90, que regula no território nacional as ações e serviços de saúde, em seu artigo 3o estabelece que a saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais..., o que expressa uma compreensão de saúde e doença ancorada na concepção da A. Unicausalidade. B. História natural da doença. C. Multicausalidade. D. Determinação social. E. Teoria miasmática. 27. Em relação à participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS), segundo a Lei 8.142, de 28 de dezembro de 1990, assinale a alternativa INCORRETA. A. O Sistema Único de Saúde (SUS) contará, em cada esfera de governo, sem prejuízo das funções do Poder Legislativo, com a Conferência de Saúde e o Conselho de Saúde, que são instâncias colegiadas. 5

6 B. A Conferência de Saúde reunir-se-á a cada quatro anos. C. O Conselho de Saúde tem caráter permanente e deliberativo. D. A representação dos usuários nos Conselhos de Saúde e Conferências será paritária em relação ao conjunto dos demais segmentos. E. O Conselho de Saúde atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde, com exceção dos aspectos econômicos e financeiros. 28. Em relação à Emenda Constitucional 29/2000, assinale a alternativa INCORRETA. A. A EC 29/2000 fixa o percentual mínimo de 15% (das receitas tributárias próprias), a partir de 2004, para os municípios aplicarem em ações e serviços públicos de saúde. B. A EC 29/2000 fixa o percentual mínimo de 12% (das receitas tributárias próprias), a partir de 2004, para os estados aplicarem em ações e serviços públicos de saúde. C. A EC 29/2000 fixa o percentual mínimo de 10% (das receitas tributárias próprias), a partir de 2004, para a União aplicar em ações e serviços públicos de saúde. D. Com relação à União, o orçamento do ano anterior serve de base para um acréscimo correspondente à variação nominal do Produto Interno Bruto (PIB), para se chegar ao orçamento do ano seguinte. E. Encontra-se em fase de regulamentação pelo Congresso Nacional. 29. A participação popular é um dos princípios do Sistema Único de Saúde. A Lei no 8.142/90 prevê essa participação em todas as esferas de governo, nas seguintes instâncias: Conferência de Saúde e Conselhos de Saúde. Sobre o Conselho Municipal de Saúde, assinale a alternativa CORRETA. A. Tem caráter consultivo. Pode contar com a participação de enfermeiras como representantes dos prestadores de serviço público, em número paritário e equivalente ao dos representantes dos usuários e dos serviços privados. B. Tem caráter deliberativo. Atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde no município e é formado por representantes dos usuários em número equivalente ao dos representantes de outros segmentos. C. Deve permitir a democratização da saúde. Tem o secretário municipal de saúde como presidente nato, que não poderá delegar esta função a representantes de usuários. D. É composto, de forma majoritária, por representantes dos usuários que devem reivindicar assistência médica com qualidade a toda comunidade. E. Propicia a co-gestão de serviços entre a população e o governo. Tem contado em sua formação com enfermeiras para desenvolver assessoria técnica de enfermagem aos usuários Uma família composta por uma mulher de 21 anos, desempregada, com três filhos, em idade pré-escolar, de pais diferentes, recebeu visita da equipe do Programa de Saúde da Família (PSF). A equipe discutiu a situação da família e informou à mãe de que seriam encaminhados à sociedade Amigos do Bairro para obtenção de cestas básicas, à creche municipal para matrícula das crianças e à Frente de Trabalho da Prefeitura visando um emprego para ela. Decorridos três meses, a equipe constatou que a mãe não estava levando as crianças à creche, tinha abandonado o emprego e, somente, continuava retirando a cesta básica. A baixa adesão da mulher à assistência implementada pode ser atribuída à A. Falta de avaliação da equipe quanto às condições de moradia e escolaridade da mulher. B. Falta de gratificação pela equipe, às respostas imediatas da mãe à intervenção. C. Intervenção da equipe ter ultrapassado os limites de sua competência. D. Sociedade Amigos do Bairro. E. Forma como a assistência foi construída sem respeitar o usuário como pessoa autônoma. 31. Uma vaca está em decúbito esterno-abdominal há três dias. Existe suspeita de lesão muscular. Que exames bioquímicos podem avaliar a magnitude dessas possíveis alterações? A. AST e ALT. B. CK e ALT. C. GGT e CK. D. GGT e AST. E. AST e CK. 32. De acordo com Código de Ética Médica Veterinária, julgue os itens a seguir: I. Não é lícito utilizar, sem referência ao autor ou sem autorização expressa, quaisquer dados colhidos em fontes particulares ou não publicados. II. O Processo disciplinar será sigiloso durante sua tramitação, sendo apenas divulgadas as decisões irrecorríveis. III. Deve o médico veterinário dar conhecimento fundamentado ao CRMV da sua jurisdição, dos fatos que constituam infração às normas deste Código. IV. As discordâncias em relação às opiniões ou trabalhos devem ter cunho pessoal, sendo a crítica dirigida ao autor. V. O médico veterinário não poderá ser perito de cliente seu, nem funcionar em perícia de que seja parte pessoa de sua família, amigo íntimo ou inimigo e, quando for interessado na questão um colega, deverá por de parte o espírito de classe ou de camaradagem, procurando servir à justiça com imparcialidade e consciência.

7 VI. Não pode exercer a profissão, o médico veterinário afetado de enfermidade mental comprovada ou de doença infecciosa, em fase contagiante. Estão CORRETOS: A. I II III V VI B. I II III IV C. II III V VI D. I III IV VI E. II IV V 33. Tem ótima ação antisséptica, atuando contra microorganismos Gram positivos, Gram-negativos e esporos; tem efeito residual; em altas concentrações, pode apresentar efeito oncogênico; interfere na produção de hormônios da tireoide. Essas propriedades caracterizam o antisséptico: A. Triclosan. B. Clorhexidine. C. Álcool. D. Glicerina. E. Iodo. 34. Assinale a alternativa que indica as regiões da coluna vertebral com maior incidência nas extrusões de disco intervertebral em cães. A. Cervical e lombossacra. B. Toracolombar e lombossacra. C. Torácica e lombar. D. Cervical e toracolombar. E. Cervical e torácica. 35. A presença de uma fístula infraorbital crônica, responsiva e recidivante a tratamento com a associação antibiótica amoxicilina mais clavulanato de potássio em um cão é forte indicativo de abscesso: A. Apical no terceiro incisivo. B. Apical no quarto pré-molar. C. Apical no canino. D. Nas glândulas de Harden. E. Na coroide. 36. A cinomose, quando acomete cães adultos, tem incidência tipicamente na faixa etária: A. Abaixo de 2 anos. B. Entre 10 e 15 anos. C. Entre 4 e 8 anos. D. Acima de 15 anos. E. Entre 2 e 4 anos. 37. Um cão acometido por hepatite infecciosa canina ou após ter sido vacinado contra a doença pode apresentar: A. Uveíte e edema de córnea (blue eye). B. Descolamento de retina. C. Úlcera de córnea. D. Glaucoma. E. Pthisis bulbi. 38. Em cães, a displasia coxofemoral é comum e culmina com doença articular degenerativa (DAD). Para o seu tratamento, são comercializados medicamentos que associam condroitina e glicosaminoglicanas. Assinale a alternativa que justifica a insuficiência dos resultados do tratamento. A. A ação dos fármacos é dependente da via de administração, sendo pobremente metabolizados pelo organismo quando administrados por via oral. B. A biotransformação das moléculas dos medicamentos em seus componentes ativos é insuficiente para se obter níveis séricos satisfatórios. C. O colágeno depositado nas articulações acometidas por DAD deixa de ser o tipo II, passando a ser o tipo IV, em uma transformação irreversível de cartilagem para fibrocartilagem. D. A deposição e ação das moléculas dos medicamentos na articulação afetada é dependente da circulação sanguínea, que está diminuída nos processos degenerativos. E. A ação das moléculas é sinérgica e tem acentuado efeito analgésico articular, promovendo conforto e reduzindo a claudicação. 39. Sobre a Cisticercose Humana, considere V para afirmativa verdadeira e F para falsa. ( ) O homem é o único hospedeiro definitivo da forma adulta da Taenia solium e da Taenia saginata. ( ) O diagnóstico é realizado através de biópsia tecidual, cirurgia cerebral, testes imunológicos no soro e líquido cefalorraquiano ou exames de imagem (RX, tomografia computadorizada e ressonância magnética). ( ) A notificação da teníase/cisticercose poderá fornecer dados epidemiológicos mais precisos sobre a prevalência populacional e permitir o mapeamento geográfico das áreas mais afetadas para melhor direcionamento das medidas de controle. A sequência CORRETA é: A. F F V B. F F F C. V V F D. V F V E. V V V 40. O PRONAF possibilita o fortalecimento da agricultura familiar, com apoio técnico e financeiro, colocado à disposição da pequena produção, fato que vem contribuindo para promoção do desenvolvimento rural sustentável. Sobre esse programa NÃO é correto afirmar que: 7

8 A. Elevar o nível de profissionalização de agricultores de base familiar, proporcionando-lhes novos padrões tecnológicos e gerenciais não comete ao PRONAF. B. O seu objetivo é proporcionar o aumento da produção agrícola, a geração de ocupações produtivas e a melhoria da renda líquida e da qualidade de vida dos agricultores familiares. C. Assentados pelo Programa Nacional de Reforma Agrária, assentados de projetos estaduais e aos programas Cédula da Terra, Banco da Terra ou do Programa Crédito Fundiário e Combate à Pobreza Rural são os beneficiários do grupo A. D. O PRONAF objetiva viabilizar a infra-estrutura rural, a melhoria do desempenho produtivo e da qualidade de vida da população rural. E. Os beneficiários do grupo B são Agricultores Familiares, Pescadores Artesanais, Extrativistas, Aquicultores, índios, Remanescentes de Quilombos e Silvicultores. 8

LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto e responda as questões de 1 a 10. TEXTO. Em defesa do serviço civil Ruth de Aquino

LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto e responda as questões de 1 a 10. TEXTO. Em defesa do serviço civil Ruth de Aquino LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto e responda as questões de 1 a 10. TEXTO Em defesa do serviço civil Ruth de Aquino Se existe algo que deveria morrer de velho no Brasil é o serviço militar obrigatório. Para

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos II Seminário Multiprofissional sobre o Uso Racional de Medicamentos Maceió - 2014 Medicamentos e Uso Racional 1975 28ª Assembleia

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Luis Henrique Paiva Secretário Nacional de Renda de Cidadania Dezembro de 2014 2011-2014: Ciclo de Aperfeiçoamento do PBF e do Cadastro Único

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO Fortalecimento do SUS Constituição Federal de 1988, artigos 196 a 200; Lei Federal nº. 8.080, de 19/09/1990 Lei

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos. II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa

Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos. II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa Edson Pistori Frente Nacional de Prefeitos II Seminario Internazionale di Rosario Sessão II A pesquisa Somos sempre o jovem ou o velho de alguém (Pierre Bourdieu) JUVENTUDE: conceitos e sentidos Uma etapa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência de Pesquisa Mensal PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PME 1.0 QUESTIONÁRIO DE MÃO-DE-OBRA

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

O desafio da educação nas prisões

O desafio da educação nas prisões Fotos: Christian Montagna O desafio da educação nas prisões A educação prisional, mais do que um instrumento de reintegração social, é um direito conferido aos presos pela igualdade sacramentada na Declaração

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei.

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei. Reserva de Vagas PROJETO DE LEI 3627-2004 Institui Sistema Especial de Reserva de Vagas para estudantes egressos de escolas públicas, em especial negros e indígenas, nas instituições públicas federais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios?

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? O que prevê a legislação e qual tem sido a participação estadual, municipal e privada na oferta de educação básica no RJ? Nicholas Davies, prof.

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Destinação de recursos para os Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Destinação de recursos para os Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Destinação de recursos para os Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Fernando Elias Gerente de Projetos Sociais Instituto Telemig Celular 2007 TÓPICOS: Visão geral dos Conselhos e FIA em MG.

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

Pagamento da Renda Mensal Vitalícia por Idade

Pagamento da Renda Mensal Vitalícia por Idade Programa 1282 Proteção Social ao Idoso Objetivo níveis de complexidade e demandas do território, em conformidade com os pressupostos do Sistema Único de Assistência Social, e primando pela convivência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 04/99 Institui a Política de Apoio, Orientação e Assistência Estudantil para a UFBA. O DA, no uso de suas atribuições, RESOLVE: Art. 1º - Instituir a Política de Apoio,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA NOVOS PARÂMETROS DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CONANDA) Carlos Nicodemos DOUTRINA DA INDIFERENÇA Até 1899: Ausência

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

DIRETRIZES PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À CORRUPÇÃO.

DIRETRIZES PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À CORRUPÇÃO. DIRETRIZES PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À CORRUPÇÃO. Proposta 4.1.: Sendo transitado e julgado o servidor público em ato corrupto, o mesmo devolverá aos cofres público todo valor corrigido e ainda deverar

Leia mais

SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade

SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade SUAS e Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN: Desafios e Perspectivas para a Intersetorialiade XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Fortaleza, 22 e 23 de março de 2012 História recente

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ 01.219.807/0001-82 Lei nº 1.591/2010 Altera a Lei Municipal 1.313/205, Cria a Coordenadoria Especial de Políticas para Mulheres, Cria a Coordenadoria Especial de Promoção da Igualdade Racial, e dá outras providências. O

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão?

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão? Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: Formação e Qualificação, há h risco de apagão? Serviços de Atenção Domiciliar Einstein Perfil da Assistência Domiciliar Hoje Aumento das condições crônicas

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais