ECO História Econômica I. Estado e Economia: A Experiência Histórica Brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECO 2141 - História Econômica I. Estado e Economia: A Experiência Histórica Brasileira"

Transcrição

1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Versão 1 Departamento de Economia ECO História Econômica I. Estado e Economia: A Experiência Histórica Brasileira Prof. Marcelo de Paiva Abreu 1o. Semestre de 2005 A disciplina tem por objetivo apresentar, analisar e discutir os principais determinantes e consequências da política econômica republicana. O curso será organizado na forma de seminários definidos em bases cronológicas. O material será apresentado esquematicamente pelo professor que proporá questões para discussão com base na literatura recomendada para o seminário específico. É essencial, portanto, que os alunos leiam o material recomendado antes da realização do seminário relevante. Embora material específico não conste da lista de leitura será feito algum esforço para colocar a análise da economia brasileira no contexto econômico internacional contemporâneo relevante. Aos alunos interessados em leituras sobre este tema recomenda-se a consulta à lista de leituras referente à disciplina História Econômica III: História da Economia Internacional, que pode ser encontrada na página do professor na internet. A avaliação do desempenho dos alunos terá por base três elementos de igual peso: o desempenho nos seminários e em duas provas parciais. Caso o aluno não obtenha média seis de acordo com este critério, ser-lhe-á oferecida a oportunidade de realizar uma prova final. Neste caso, a nota final será a média aritmética da média a que se referiu anteriormente e da nota da prova final. Em seguida são apresentadas as ementas e bibliografias referentes a cada tópico. A distribuição cronológica destes seminários está esboçada tentativamente ao final desta lista de leituras. As leituras obrigatórias estão indicadas. Em seguida são recomendadas leituras complementares. É recomendável a leitura da introdução de M. de P. Abreu (org.), A Ordem do Progresso. Cem Anos de Política Econômica , Rio de Janeiro, 1990, para uma indicação sobre a orientação do curso. M. de P. Abreu, The Brazilian Economy, , Texto para Discussão 433, Departamento de Economia, PUC-Rio, 2000, é uma tentativa de sumariar o material relevante para o período O período pré-1889: visão geral. Especialização internacional do trabalho e expansão da economia cafeeira no século XIX. Inserção do Brasil na economia mundial: comércio e fluxos financeiros. Problemas centrais da economia cafeeira: oferta de terras e de mão de obra. A.K. Manchester, Preeminência Inglesa no Brasil, São Paulo, Brasiliense, 1973, capítulo 12 e sumário. A tradução é muito ruim [publicado originalmente como British

2 2 Preëminence in Brazil. Its Rise and Decline. A Study in European Expansion, University of North Carolina Press, Chapel Hill, 1933]. L.A.C. do Lago, O Surgimento da Escravidão e a Transição para o Trabalho Livre no Brasil: um Modelo Teórico Simples e uma Visão de Longo Prazo, Texto para Discussão 89, Departamento de Economia, PUC, Rio de Janeiro, E. Reis e E. Reis, As Elites Agrárias e a Abolição da Escravidão no Brasil, Dados, 31 (3), W. Dean, The Brazilian Economy, in L. Bethell (org.), CHLA, volume V, c to 1930, Cambridge, Cambridge University Press, M. de P. Abreu e Luiz Corrêa do Lago, Property rights and the fiscal and financial systems in Brazil: Colonial heritage and the Imperial period, in M. Bordo e R. Cortés- Conde (orgs.), Transferring Wealth and Power from the Old to the New World, Cambridge, Cambridge University Press, República Velha, a. Café e política econômica, Política monetária e crise financeira no final dos anos 80 e nos anos 90. Consolidação do pacto oligárquico. O programa Murtinho e suas consequências. Auge e declínio da borracha no Brasil. Desequilíbrio no mercado cafeeiro. Valorização do café e estabilização cambial. Crise no imediato pré-guerra. Furtado, Formação, caps. 27 a 30. W. Fritsch, External Constraints on Economic Policy in Brazil, , Londres, Macmillan, 1988, caps. 1 e 2. M.L.C. Prado e M.H.R. Capelato, A Borracha na Economia Brasileira na Primeira República in Boris Fausto (org.), HGCB, tomo III, vol. 1. F.H. Cardoso, Dos Governos Militares a Prudente-Campos Sales in Boris Fausto (org.), HGCB, tomo III, vol. 1. b. Café e política econômica, O impacto da Primeira Guerra Mundial. O "boom" e a recessão do pós-guerra. A política econômica no governo Epitácio Pessoa. Políticas econômicas no governo Bernardes e recessão. A recuperação da economia mundial e o retorno brasileiro ao padrão ouro. As políticas de valorização do café na década de 20. O Brasil na economia mundial pré Fritsch in Abreu (org), Ordem, pp Fritsch, External Constraints, caps. 3, 4, 5, 6* e 7*. M. de P. Abreu, O Brasil e a Economia Mundial, , Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1999, cap.2. M. de P. Abreu e A. S. Bevilaqua, 'Brazil as an Export Economy, ' in E. Cárdenas, J.A. Ocampo e R.Thorp (orgs.), An Economic History of Twentieth-Century Latin America. Volume 1. The Export Age: The Latin American Economies in the Late Nineteenth and Early Twentieth Centuries, Palgrave, Basingstoke, 2000.

3 3 c. O processo de industrialização antes da "grande depressão". A industrialização pré-1914 e os interesses agrários e industriais. A indústria na Primeira Guerra Mundial. A industrialização nos anos 20: controvérsias. A política comercial brasileira. A. Fishlow, Origins and Consequences of Import Substitution in Brazil in L.E. Di Marco (ed.), International Economics and Development. Essays in Honor of Raul Prebisch, Nova Iorque, Wiley, 1972, pp A.A. Villela, Política Comercial e Importações na Primeira República: , tese de mestrado, Departamento de Economia, PUC, Rio de Janeiro, 1993, capítulo 1. M. de P. Abreu, Contrasting Histories in the Political Economy of Protectionism: Argentina and Brazil, , EconomiA, 1(1), janeiro de M. de P. Abreu, A. S. Bevilaqua e D.M. Pinho, 'Import Substitution and Growth in Brazil, 1890s-1970s in E. Cárdenas, J.A. Ocampo e R.Thorp (orgs.), An Economic History of Twentieth-Century Latin America. Volume 3. Industrialization and the State in Latin America: The Postwar Years, Palgrave, Basingstoke, A "grande depressão" e o primeiro período Vargas, a : a crise econômica pós-1928, a política econômica do Governo Provisório e a recuperação. A crise econômica no Brasil e a economia mundial. A revolução de As políticas econômicas do Governo Provisório e suas consequências: controvérsias. Furtado, Formação, caps. 31 e 32. M. de P. Abreu, Crise, Crescimento e Modernização Autoritária in Abreu (org.), Ordem, pp Fishlow, Origins, pp B. Eichengreen, Globalizing Capital. A History of the International Monetary System, Princeton, Princeton University Press, 1996, cap. 3. b : boom, crise de 1937 e impacto da Segunda Guerra Mundial. As políticas de ajustamento até 1937: café, câmbio, dívida externa e comércio. O Brasil na economia mundial. O desempenho dos diferentes setores da economia. A crise norteamericana de 1937, o Estado Novo e a reorientação da política econômica. Novos papéis do Estado. Impacto da guerra: estagnação e ajustamento. Balanço de pagamentos e gastos públicos. Recuperação pós-1942 e aceleração inflacionária. O processo de redemocratização. Abreu in Abreu (org.), Ordem, pp M. de P. Abreu, Argentina e Brasil na Década de 30: o Impacto das Políticas Internacionais da Grã Bretanha e dos EUA, Revista Brasileira de Economia, outubro de M. de P. Abreu, Brazil as a Debtor, , mimeo, Departamento de Economia, PUC-Rio, M.C.C. de Souza, Estados e Partidos Políticos no Brasil, São Paulo, 1976, caps. 3 e 4.

4 4 4. O Estado populista e a modernização da economia, a. O governo Dutra, Política cambial: do liberalismo ao controle de importações. Balanço de pagamentos, liquidez de reservas e preços do café. Política anti-inflacionária e sua reversão em Cooperação com os EUA: Abbink e Comissão Mista Brasil-EUA. S.B. Vianna, Política Econômica Externa e Industrializacão: in Abreu (org.), Ordem. Fishlow, Origins, pp M. de P. Abreu, Brazil as a Creditor: Sterling Balances, , Economic History Review, XLIII (3), agosto de M. do C.C. de Souza, Estados, cap. 5. b. O segundo governo Vargas e o governo Café Filho, Crise e reforma do sistema cambial. Contradições na condução das políticas monetária e fiscal ortodoxas. Tratamento do capital estrangeiro e papel do setor público. Auge e colapso dos preços de exportação. A mudança de atitude do governo dos EUA. A Instrução 113 da SUMOC. As políticas econômicas de Gudin e Whitaker: gastos públicos, câmbio e café. S.B. Vianna, Duas Tentativas de Estabilização: in Abreu (org.), Ordem. L. Gordon e E.L. Grommers, United States Manufacturing Investment in Brasil, , Cambridge, Harvard UP, 1962, pp F. Weffort, O Populismo na Política Brasileira, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1978, cap. 1. D.M. Pinho Netto, O Interregno Café Filho in Abreu (org.), Ordem. c. O governo JK, Desenvolvimento versus estabilidade econômica. Programa de Metas e Brasília. Investimento direto estrangeiro e setor produtivo estatal. Política cafeeira.. Reforma cambial e lei de tarifas de Deterioração do balanço de pagamentos e aceleração inflacionária. O fracasso do Programa de Estabilização de Lucas Lopes. Ruptura com o FMI. M. de P. Abreu, : Crescimento Rápido e Limites do Modelo Autárquico in B. Lamounier, D.D. Carneiro e M. de P. Abreu, 50 Anos de Brasil. 50 Anos de Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1994, pp L. Orenstein e A.C. Sochaczewski, Democracia com Desenvolvimento: in Abreu (org.), Ordem. M.A. Leopoldi, Crescendo em Meio à Incerteza: a Política Econômica do Governo JK ( ) in A. de C. Gomes (org.), O Brasil de JK, Rio de Janeiro, FGV, Malan, Relações, pp d. Os governos Jânio Quadros e João Goulart e a crise, A Instrução 204 da SUMOC. Dificuldades externas, descontrole fiscal e pressões inflacionárias. A recessão a partir de 62-63: controvérsia sobre suas causas. O Plano Trienal e seu fracasso.

5 5 M. de P. Abreu, Estagnação, Inflação e Ruptura: in Abreu (org.), Ordem. J.Wells, Growth and Fluctuations in the Brazilian Economy, tese de doutoramento, Universidade de Cambridge, 1976, pp F.Lopes, Teoria e Política da Inflação Brasileira: uma Revisão Crítica da Literatura in J.Sayad (orgs.), Resenhas de Economia Brasileira, São Paulo, Saraiva, ANPEC, 1979, pp Malan, Relações, pp O Estado autoritário e a redemocratização, a O Programa de Ação Econômica do Governo. As políticas de estabilização: gastos públicos, crédito e salários. As reformas institucionais. O setor externo: capital estrangeiro, câmbio e tarifa. Reorientação do modelo autárquico. Reforma do Estado. A.L. Resende, Estabilização e Reforma: in Abreu (org.), Ordem. M.H.Simonsen e R.O.Campos, A Nova Economia Brasileira, Rio de Janeiro, José Olympio, 1979, caps. I, IV, V, *VI e X. Fishlow, Algumas reflexões sobre a política econômica brasileira após 1964, Estudos CEBRAP 7, janeiro-março 1974, seções I e II. b. O "milagre" de O novo diagnóstico inflacionário e as novas políticas econômicas. A política de estímulo às exportações e a reversão da abertura comercial. Endividamento externo. Crescimento acelerado e remontagem do Estado cartorial. Custos sociais do crescimento acelerado. O choque externo em 1973 e os desequilíbrios internos. L.A.C. do Lago, A Retomada do Crescimento e as Distorções do "Milagre": in Abreu (org.), Ordem. R.Bonelli e P.Malan, Os Limites do Possível: Notas sobre Balanço de Pagamentos e Indústria nos Anos 70, Pesquisa e Planejamento Econômico, vol. 6, no. 2, agosto Abreu, , pp Fishlow, Reflexões, seção III. c. O primeiro choque do petróleo e o ajuste da economia brasileira, Política econômica externa e correção do desequilíbrio de balanço de pagamentos. Políticas monetária e fiscal em um quadro de aumento de pressões inflacionárias. O programa de investimentos substitutivos de importações e o papel do Estado. Choque externo e impacto sobre o setor público. D.D.Carneiro, Crise e Esperança: in Abreu (org.), Ordem. R.Werneck, Public Sector Adjustment to External Shocks and Domestic Pressures in Brazil in Felipe Larraín e Marcel Selowsky (orgs.), The Public Sector and the Latin American Crisis, São Francisco, IC Press, 1991, pp

6 6 Banco Mundial, Política Industrial e Exportação de Manufaturados do Brasil, Rio de Janeiro, FGV, 1983,caps. III, IV, VI e VII. d. A recessão pós-segundo choque do petróleo e a recuperação em novo patamar inflacionário, Inflação alta e estagnação, Os novos choques de balanço de pagamentos: petróleo e juros.. O fracasso da política de pré-fixação de inflação e câmbio. Crescimento a qualquer custo, aceleração inflacionária e esgotamento do ajuste via endividamento. A política recessiva autóctone e suas consequências. Recessão com FMI depois da crise mexicana de A recuperação em 1984 e suas causas. Da restrição de balanço de pagamentos à restrição fiscal. Fracassos sucessivos de planos de estabilização. M. de P. Abreu, The Brazilian Economy, , Texto para Discussão 492, PUC-Rio, D.D. Carneiro e E.M. Modiano, Ajuste Externo e Desequilíbrio Interno: in Abreu (org.), Ordem. A.L. Resende e F.Lopes, Sobre as Causas da Recente Aceleração Inflacionária, Pesquisa e Planejamento Econômico, dezembro Werneck, Public Sector Adjustment, pp e. Dificuldades da estabilização, Crise do Estado e reformas estruturais nos anos O Plano Real: implementação e dificuldades, Política econômica na transição, M. de P. Abreu, The Brazilian Economy, , Texto para Discussão 492, PUC-Rio, M. de P. Abreu e R. L. F. Werneck, The Brazilian Economy, , mimeo, PUC-Rio, 2005.

7 7 Leituras adicionais 1. O período pré-1889: visão geral C. Furtado, Formação Econômica do Brasil, Rio de Janeiro, Forense, 1959, capítulos 17 a 26 (exclusive 23). E.V. da Costa, Da Senzala à Colônia, São Paulo, DIFEL, 1966, 1a. parte. S. Stein, Vassouras. Um Município Brasileiro do Café, , Rio de Janeiro, Nova Fronteira, T.S. Petrone, Imigração Assalariada in S.B. de Holanda (org.), História Geral da Civilização Brasileira (HGCB), Tomo II, vol. 3, São Paulo, DIFEL, A.P. Canabrava, A Grande Lavoura in S.B. Holanda (org.), HGCB, tomo II, vol. 4, São Paulo, DIFEL, W. Dean, Latifundia and Land Policy in Nineteenth-Century Brazil in Hispanic American Historical Review, Novembro E. V. da Costa, O Escravo na Grande Lavoura, in S.B. Holanda (org.), HGCB, tomo II, vol. 3. J.M. Carvalho, A Política de Terras no Império: uma Não-Decisão, IUPERJ, Rio de Janeiro, mimeo, S. Sideri, Trade and Power: Informal Capitalism in Anglo-Portuguese Relations, Rotterdam, Rotterdam University Press,1970, especialmente cap. 3. L. Bethell e J.M. de Carvalho, Brazil from Independence to the Middle of the Nineteenth Century in L. Bethell (org.), The Cambrige History of Latin America (CHLA), volume III, From Independence to c. 1870, Cambridge, R. Graham, From the Middle of the Nineteenth Century to the Paraguayan War in L. Bethell (org.), CHLA, volume III, Cambridge, Cambridge University Press, E.V. da Costa, Brazil: the Age of Reform, in L. Bethell (org.), CHLA, volume V, Cambridge, Cambridge University Press, R. Graham, Patronage and Politics in Nineteeth Century Brazil, Palo Alto, Stanford University Press, República Velha, a. Café e política econômica, C. Furtado, Formação, caps. 27 a 30. W. Fritsch, Aspectos da Política Econômica no Brasil, in P. Neuhaus (org.), Economia Brasileira: uma Visão Histórica, Rio de Janeiro, Campus, W. Fritsch, Apogeu e Crise na Primeira República: in Abreu (org.), Ordem. G.H.B. Franco, Reforma Monetária e Instabilidade durante a Transição Republicana, Rio de Janeiro, BNDES, G.B. Franco, A Primeira Década Republicana in Abreu (org.),ordem. A. Delfim Netto, O Problema do Café no Brasil, Rio de Janeiro, FGV, 1979, pp P. Neuhaus, História Monetária do Brasil, , Rio de Janeiro, IBMEC, 1975, pp Dean, Brazilian Economy.

8 8 B. Fausto, Expansão do Café e Política Cafeeira in Boris Fausto (org.), HGCB, tomo III, vol. 1. B. Fausto, Brazil: the Social and Political Structure of the First Republic in L. Bethell (org.), CHLA, volume V, Cambridge, Cambridge University Press, M.C.C. de Souza, O Processo Político-Partidário na República Velha in C.G. Mota (org.), Brasil em Perspectiva, São Paulo, DIFEL, A. Villela e W. Suzigan, Política do Governo e Crescimento da Economia Brasileira , Rio de Janeiro, IPEA, 1973, cap. 3. B. Weistein, The Amazon Rubber Boom, , Stanford, Stanford University Press, b. Café e política econômica, A. Delfim Netto, Café, pp A. Villela e W. Suzigan, Política, caps 4 e 5. P. Neuhaus, História, pp c. O processo de industrialização antes da "grande depressão N.V. Luz, A Luta pela Industrialização no Brasil (1808 a 1930), São Paulo, DIFEL, W. Cano, Raízes da Concentração Industrial em São Paulo, São Paulo, DIFEL, R. C. Simonsen, A Evolução Industrial do Brasil in Evolução Industrial do Brasil e Outros Estudos, São Paulo, Cia. Editora Nacional, 1973, pp S. Stein, Origens e Evolução da Indústria Têxtil no Brasil , Rio de Janeiro, Campus, W. Dean, A Industrialização de São Paulo ( ), São Paulo, DIFEL, 1971, 2a. parte. A. Villela, Surto Industrial Durante a Guerra de in Ensaios Econômicos: Homenagens a Octávio Gouveia de Bulhões, Rio de Janeiro, APEC, L.A.C. Lago, F.L. de Almeida e B.M.F. de Lima, A Indústria Brasileira de Bens de Capital: Origens, Situação Recente e Perspectivas, Rio de Janeiro, FGV, 1979, pp F. Versiani e M.T. Versiani, A Industrialização Brasileira antes de 1930: uma contribuição in F. Versiani e J.R.M. de Barros (orgs.), Formação Econômica do Brasil. A Experiência da Industrialização, São Paulo, Saraiva, F. Versiani, Industrial Investment in an "Export" Economy: the Brazilian Experience before 1914, University of London, Institute of Latin American Studies, Working Paper 2, s.d. F. Versiani, Industrialização: a Década de 20 e a Depressão, Pesquisa e Planejamento Econômico, vol. 14, no. 1, abril de W. Fritsch, Instabilidade Macroeconômica e Desempenho da Indústria no Brasil, , Rio de Janeiro, mimeo, s.d. J.M.C. de Mello, O Capitalismo Tardio, São Paulo, Brasiliense, 1983, pp L. Aureliano, No Limiar da Industrialização, São Paulo, Brasiliense, 1981, pp ,

9 9 S. Silva, Expansão Cafeeira e Origem da Indústria no Brasil, São Paulo, Brasiliense, W. Suzigan, Indústria Brasileira. Origem e Desenvolvimento, São Paulo, A "grande depressão" e o primeiro período Vargas, a : a crise econômica pós-1928, a política econômica do Governo Provisório e a recuperação M. de P. Abreu, O Brasil e a Economia Mundial, , Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1999, caps C. M. Pelaez, A Balança Comercial, a Grande Depressão e a Industrialização Brasileira, Revista Brasileira de Economia, março de M. de P. Abreu, A Missão Niemeyer, Revista de Administração de Empresas, julho 1974, pp (e notas correspondentes). S. Silber, Análise da Política Econômica e Comportamento da Economia Brasileira durante o período de 1929/1939 in Versiani e Barros, Formação. E. Gudin, Câmbio e Café , in C.M. Pelaez (org.), Ensaios sobre Café e Desenvolvimento Econômico, IBC, Rio de Janeiro, Delfim Netto, Café, pp Neuhaus, História, pp C. Pelaez, Análise Econômica do Programa Brasileiro de Sustentação do Café : Teoria, Política e Medição in C.M. Pelaez (org.), Ensaios, pp B. Fausto, A Revolução de História e Historiografia, São Paulo, Brasiliense, 1970, pp , C.P Kindleberger, The World in Depression, , edição revista, Berkeley, University of California Press, 1986, capítulo 7. b : boom, crise de 1937 e impacto da Segunda Guerra Mundial Furtado, Formação, caps. 32 e 33. Pelaez, Análise Econômica, pp Abreu, Brasil e a Economia Mundial, caps. 1 e M. de P. Abreu, A Dívida Pública Externa do Brasil, , Pesquisa e Planejamento Econômico, 5 (1), junho de Neuhaus, História, pp S. Hilton, O Brasil e as Grandes Potências, , Rio de Janeiro, Paz e Terra, L. Martins, Pouvoir et développemenr économique: formation et évolution des structures politiques au Brésil, Paris, Anthropos, Dean, Industrialização, caps. 10 e 11. Villela e Suzigan, Política, cap. 6. P. Malan, R. Bonelli, M. de P. Abreu e J.E. de C. Pereira, Política Externa e Industrialização no Brasil ( ), Rio de Janeiro, IPEA, 1977, pp Fishlow, Origins, pp

10 10 Aureliano, Limiar, cap. 3. Mello, Capitalismo, pp M. da C. de A. Tavares, Acumulação de Capital e Industrialização no Brasil, tese de livre docência, FEA/UFRJ, Rio de Janeiro, 1974, pp M. de P. Abreu, A Economia Brasileira e a Segunda Guerra Mundial: O Setor Externo in Neuhaus (org.), Economia Brasileira. C.M. Pelaez, O Acordo Inter-Americano do Café e o Café Brasileiro durante a II Guerra Mundial in Pelaez (org.), Ensaios, Rio de Janeiro, E. Gudin, Ensaios sobre Problemas Econômicos da Atualidade, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, O Estado populista e a modernização da economia, a. O governo Dutra, Furtado, Formação, caps. 34 a 36. Malan, Bonelli, Abreu e Pereira, Política, pp , , , e O.G. de Bulhões, À Margem de um Relatório, Rio de Janeiro, Edições Financeiras, D. Huddle, Balanço de Pagamentos e Controle de Câmbio no Brasil. Diretrizes Políticas e História, in Versiani e Barros (eds.), Formação. R. de Almeida, Experiência Brasileira de Planejamento, Orientação e Controle da Economia, Estudos Econômicos, Ano I, no. 2, junho P. Malan, Relações Econômicas Internacionais do Brasil ( ) in Boris Fausto (org.), HGCB, vol. 11, pp T. Skidmore, Brasil: de Getúlio Vargas a Castelo Branco ( ), Rio de Janeiro, Saga, b. O segundo governo Vargas e o governo Café Filho, A. Kafka, The Brazilian Exchange Auction System, Review of Economics and Statistics, Agosto A. S. Rio e H.C. Gomes, Sistema Cambial: Bonificações e Ágios in Versiani e Barros (eds.), Formação. M.H. Simonsen, Os Controles de Preços na Economia Brasileira, Rio de Janeiro, Consultec, Vianna, Política Econômica no Segundo Governo Vargas ( ), capítulos 2 a 4, BNDES, Rio de Janeiro, C. Lessa e J.L. Fiori, Relendo a Política Econômica: as Falácias do Nacionalismo Popular do Segundo Vargas, Texto para Discussão 30, IEI/UFRJ, Malan, Relações, pp Fishlow, Origins, pp M.C.S. d'araújo, O Segundo Governo Vargas, Democracia, Partidos e Crise Política, Rio de Janeiro, Zahar, 1982.

11 11 A.C. Sochaczewski, Desenvolvimento Econômico e Financeiro do Brasil, , Trajetória Cultural, 1993, caps. 3 e 4. M. Lima, Petróleo, Energia Elétrica, Siderurgia e a Luta pela Emancipação, Rio de Janeiro, Paz e Terra, G. Vargas, A Política Nacionalista do Petróleo no Brasil, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, M. Victor, A Batalha do Petróleo Brasileiro, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, O. Aranha, Política Econômica e Financeira, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, S. Draibe, Rumos e Metamorfoses. Estado e Industrialização no Brasil , Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1985, cap. 3. G.A.D. Soares, Sociedade e Política no Brasil, São Paulo, Difel, 1973, pp R. Boschi, Elites Industriais e Democracia, Rio de Janeiro, 1979, pp Comissão Mista Brasil-EUA para o Desenvolvimento Econômico, Relatório Geral, Rio de Janeiro, 1954, caps. 1 a 4. J.M. Whitaker, O Milagre de Minha Vida, São Paulo, Hucitec, 1978, sexta parte. International Bank for Reconstruction and Development, Current Economic Conditions and Prospects of Brazil, Abril c. O governo JK, C. Lafer, O Planejamento no Brasil: Observação sobre o Plano de Metas in B.M. Lafer (org.), Planejamento no Brasil, São Paulo, Perspectiva, Ministério da Fazenda, Programa de Estabilização Monetária para o Período de Setembro de 1958 a Dezembro de 1959, Rio de Janeiro, Grupo Misto CEPAL-BNDE, Análise e Projeções do Desenvolvimento Econômico, Rio de Janeiro, BNDE, 1957, parte II. M. da C. Tavares, Auge e Declínio do Processo de Substituição de Importações no Brasil in M. da C. Tavares, Da Substituição de Importações ao Capitalismo Financeiro. Ensaios sobre Economia Brasileira, Rio de Janeiro, Zahar, C. Lessa, Quinze Anos de Política Econômica, São Paulo, Brasiliense, E. Bacha, O Papel do Café na Economia Brasileira: do Pós-Guerra a Meados dos Anos 60 in E. Bacha, Os Mitos de uma Década (Ensaios de Economia Brasileira), Rio de Janeiro, Paz e Terra, F. de Oliveira, Economia da Dependência Imperfeita, Rio de Janeiro, Graal, 1977, cap. 3. R.O.Campos, Duas Opiniões sobre a Inflação na América Latina in A.Hirschman (org.), Monetarismo e Estruturalismo: um Estudo sobre a América Latina, Rio de Janeiro, Lidador,1967. D. Felix, Uma Alternativa para a Controvérsia entre Monetarismo e Estruturalismo, in A.Hirschman (org.), Monetarismo. d. Os governos Jânio Quadros e João Goulart e a crise,

12 12 A Situação Financeira do País e a Instrução no Exposição do Ministro da Fazenda Dr. Clemente Mariani Bittencourt à Câmara dos Deputados, Rio de Janeiro, Presidência da República. Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social , Rio de Janeiro, R.Macedo, Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social in Lafer (ed.), Planejamento. M.da C.Tavares, Acumulação de Capital e Industrialização no Brasil, tese de concurso, FEA/UFRJ, Rio de Janeiro, 1976, pp A.Fishlow, Algumas Reflexões sobre a Política Brasileira após 1964, Estudos CEBRAP 6, Jan-Mar A.Candal, A Industrialização Brasileira. Diagnóstico e Perspectivas in Versiani e Barros (orgs.), Formação. N.Leff, Economic Policy Making and Development in Brazil: , Nova Iorque, Wiley, M.Alves e P.Singer, Análise do Plano Trienal, Rio de Janeiro, M. Mesquita, : A Política Econômica sob Quadros e Goulart, dissertação de mestrado, Departamento de Economia, PUC-Rio, R.O.Campos, Economia, Planejamento e Nacionalismo, Rio de Janeiro, E.Gudin, Análise de Problemas Brasileiros (Coletânea de Artigos ), Rio de Janeiro, Agir, A.L.Resende, A Política Brasileira de Estabilização: , Pesquisa e Planejamento Econômico, vol. 12, no. 3, Dezembro de I.Rangel, A Inflação Brasileira, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, J.Serra, Ciclos e Mudanças Estruturais na Economia Brasileira do Pós-Guerra, in L.G.M. Belluzzo e R.Coutinho (orgs.), Desenvolvimento Capitalista no Brasil. Ensaios sobre a Crise, São Paulo, Brasiliense, 1981, pp O Estado autoritário e a redemocratização, a Abreu, , pp Resende, Política. Ministério do Planejamento e Coordenação Econômica. Programa de Ação Econômica do Governo, , Rio de Janeiro, A.Dias Leite, Caminhos do Desenvolvimento: Contribuição para um Projeto Brasileiro, Rio de Janeiro, Zahar, M.H.Simonsen, A Experiência Inflacionária do Brasil, Rio de Janeiro, IPES, C.Martone, Análise do Plano de Ação Econômica do Governo (PAEG) ( ) in B.Lafer, Planejamento. C.Furtado, Subdesenvolvimento e Estagnação na América Latina, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1966, caps. 3 e 4. Escritório CEPAL/ILPES no Brasil. A Evolução Recente da Economia Brasileira, Rio de Janeiro, mimeo, C.Furtado, Um Projeto para o Brasil, Rio de Janeiro, Saga, 1968.

13 13 J.Bergsman, Brazil. Industrialization and Trade Policies, Londres, Sochaczewski, Desenvolvimento, caps. 5 e 6. T. Skidmore, The Politics of Military Rule in Brazil, , Oxford, Oxford University Press, b. O "milagre" de A. Delfim Netto, Análise do Comportamento Recente da Economia Brasileira: Diagnóstico, São Paulo, mimeo, A. Delfim Netto, 1967/1968 Política Econômica e Financeira do Governo, São Paulo, M.H.Simonsen, Brasil 2001, Rio de Janeiro, Apec, M.H.Simonsen, Brasil 2002, Rio de Janeiro, Apec/Bloch, M.H.Simonsen, Inflação: Gradualismo x Tratamento de Choque, Rio de Janeiro, Apec, J.R.Wells, Eurodolares, Dívida Externa e o Milagre Brasileiro, Estudos CEBRAP, no. 6, J.E.de C.Pereira, Financiamento Externo e Crescimento Econômico no Brasil: , Rio de Janeiro, IPEA, D.O.Alves e J.Sayad, O Plano Estratégico de Governo ( ) in B.Lafer, Planejamento. C.Doellinger, H.B. de C.Faria e L.C.Cavalcanti, A Política Brasileira de Comércio Exterior e seus Efeitos 1967/73, Rio de Janeiro, IPEA, C.G.Langoni, Distribuição de Renda e Desenvolvimento Econômico do Brasil, Rio de Janeiro, Expressão e Cultura, A.Fishlow, A Distribuição de Renda no Brasil in R.Tolipan e A.C.Tinelli (orgs.), A Controvérsia sobre Distribuição de Renda e Desenvolvimento, Rio de Janeiro, Zahar, J.Wells, Distribuição de Rendimento, Crescimento e Estrutura de Demanda no Brasil na década de 60 in R.Tolipan e A.C.Tinelli (orgs.), Controvérsia. Ministério do Planejamento e Coordenação Geral. Diretrizes de Governo. Programa Estratégico de Desenvolvimento, Rio de Janeiro, Ministério do Planejamento e Coordenação Geral. Programa Estratégico de Desenvolvimento, Estratégia de Desenvolvimento e Estrutura Geral, Rio de Janeiro, Presidência da República. Metas e Bases para a Ação de Governo, Brasília, C.Furtado, Análise do Modelo Brasileiro, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, P.Schmitter, The Portugalization of Brazil in A.Stepan (org.), Authoritarian Brazil. J.Serra e M.da C.Tavares, Além da Estagnação in Tavares, Substituição. H.Jaguaribe, O Modelo Político e a Estrutura Econômico-Social Brasileira in Encontros com a Civilização Brasileira, no. 4, 1978, pp A.F.Montoro, Moeda e Sistema Financeiro no Brasil, Rio de Janeiro, IPEA, 1972, cap. IV. J.R.Wells, Growth, pp M.da C.Tavares, Acumulação, cap. III, esp. pp

14 14 República Federativa do Brasil, II Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), , Brasília, Issues and Evidence on Recent Brazilian Economic Growth, World Development, vol. 5, no. 1/2, R.Bonelli e D.Werneck, Desempenho Industrial: Auge e Desaceleração nos Anos 70 in Suzigan (org.), Indústria: Política, Instituições e Desenvolvimento, Rio de Janeiro, IPEA, c. O primeiro choque do petróleo e o ajuste da economia brasileira, D.D.Carneiro, Introdução: Dificuldades no Reajuste do Modelo in D.D.Carneiro (org.), Brasil: Dilemas de Política Econômica, Rio de Janeiro, Campus, D.D. Carneiro, : os desafios da estabilização postergada in B. Lamounier, D.D. Carneiro e M. de P. Abreu, 50 Anos de Brasil. 50 Anos de Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, FGV, 1994, pp M.C. D Araujo e C.Castro, Ernesto Geisel, Rio de Janeiro, FGV, Bonelli e Malan, Limites. Bacha, Issues. A.L. Baumgarten e L.R.A. Cunha, Política Industrial e o Desenvolvimento do Setor na Última Década ( ): da recuperação à recessão? in D.D.Carneiro (org.), Brasil: Dilemas de Política Econômica, Rio de Janeiro, Campus, L. A. C. do Lago, F.L. Almeida e B.M.F. Lima, A Indústria Brasileira de Bens de Capital: origens, situação recente e perspectivas, Rio de Janeiro, FGV, et al A.B.de Castro e F.E.P. de Souza, A Economia Brasileira em Marcha Forçada, Rio de Janeiro, Paz e Terra, J.C.Batista, Brazil's Second National Development Plan and its Growth-Cum-Debt Strategy, IEI/UFRJ, Texto para Discussão 93, C.R. Contador, A Exogeneidade da Oferta de Moeda no Brasil, Pesquisa e Planejamento Econômico, 8 (2), agosto de L. Carvalho, Políticas Salariais Brasileiras no Período , Revista Brasileira de Economia, 36 (1), janeiro de R. Werneck, Empresas Estatais e Política Macroeconômica, Rio de Janeiro, Campus, Thomas J. Trebat, Brazil s State-owned Enterprises: A Case Study of the State as Entrepreneur, New York, Cambridge University Press, L. Martins, Estado Capitalista e Burocracia no Brasil pós-1964, Rio de Janeiro, Paz e Terra, W. Fritsch e G. Franco, Foreign Direct Investment in Brazil: Its Impact on Industrial Reconstructing, Paris, OECD, R.Velloso, O Setor Externo e o Desenvolvimento Econômico Recente do Brasil: Crescimento com Escassez de Divisas, , Brasília, 1982, mimeo. d. A recessão pós-segundo choque do petróleo e a recuperação em novo patamar inflacionário,

15 D.D. Carneiro, Stabilization and Adjustment Policies and Programmes: Brazil, Helsinque, [1987], pp D.D. Carneiro, Desafios, pp P.Arida (org.), Dívida Externa, Recessão e Ajuste Estrutural. O Brasil Diante da Crise, Rio de Janeiro, Paz e Terra, F.Lopes, Inflação Inercial, Hiperinflação e Desinflação: Notas e Conjecturas, Revista da ANPEC, ano VII no. 8, novembro E.Modiano, Salários, Preços e Câmbio: os Multiplicadores dos Choques numa Economia Indexada, Pesquisa e Planejamento Econômico, abril E.Bacha, Choques Externos e Perspectivas de Crescimento: o Caso do Brasil, Pesquisa e Planejamento Econômico, dezembro de M.de P.Abreu e W.Fritsch, Latin American and Caribbean Countries in the World Trade System: Past Problems and Future Prospects, Texto para Discussão 107, PUC/RJ, R.Werneck, Poupança Estatal, Dívida Externa e Crise Financeira do Setor Público, Pesquisa e Planejamento Econômico, dezembro L.Carvalho, Políticas Salariais Brasileiras no Período , Revista Brasileira de Economia, janeiro H.Jaguaribe, W.G. dos Santos, M. de P.Abreu, W.Fritsch e F.B. Ávila, Brasil 2000: Por um Novo Pacto Social, Rio de Janeiro, Paz e Terra, L. Sá, Restrições ao Crescimento da Economia Brasileira: exercícios com modelos de 3 hiatos, tese de mestrado, Departamento de Economia, PUC, Rio de Janeiro,

16 16 Cronograma tentativo Data Assunto Introdução Seminário Seminário 2.a Seminário 2.b Seminário 2.c Seminário 3.a Seminário 3.b Primeira prova Seminário 4.a Seminário 4.b Seminário 4.c Seminário 4.d Seminário 5.a Seminário 5.b Seminário 5.c Seminário 5.d Seminário 5.e Segunda prova Prova final

PUC-Rio Departamento de Economia 2010.1 ECO 1404: Economia Brasileira Contemporânea I Prof. Marcelo de Paiva Abreu

PUC-Rio Departamento de Economia 2010.1 ECO 1404: Economia Brasileira Contemporânea I Prof. Marcelo de Paiva Abreu 1 PUC-Rio Departamento de Economia 2010.1 ECO 1404: Economia Brasileira Contemporânea I Prof. Marcelo de Paiva Abreu O curso está organizado cronologicamente da seguinte forma: I. Introdução: A economia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC Economia Brasileira Ementa: Antecedentes. O governo Vargas e a construção do capitalismo; o papel do Estado na construção do capitalismo; o contexto internacional e a política econômica no período 1945-1955;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Relações Internacionais (IRI/USP) Disciplina: História Econômica e Social do Brasil no século XX Professor Responsável: Felipe Pereira Loureiro (felipeloureiro@usp.br)

Leia mais

Unidade: Semestre: 2011-2 Pré-Requisitos: Formação Econômica do Brasil e Macroeconomia I Horário: Segundas e terças das 18:45 às 20:15hs

Unidade: Semestre: 2011-2 Pré-Requisitos: Formação Econômica do Brasil e Macroeconomia I Horário: Segundas e terças das 18:45 às 20:15hs MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PLANO DE ENSINO Disciplina: Economia Brasileira Contemporânea

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Disciplina: História da Administração Pública no Brasil Professor(es): Wallace Moraes Período: 2013/2 Horário: 3 e 5 feiras,

Leia mais

Programa de Pós- graduação em Economia CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO EM ECONOMIA PROBLEMAS CONTEMPORÂNEOS DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO

Programa de Pós- graduação em Economia CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO EM ECONOMIA PROBLEMAS CONTEMPORÂNEOS DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO Programa de Pós- graduação em Economia CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO EM ECONOMIA PROBLEMAS CONTEMPORÂNEOS DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO 1 º Semestre/2015 PROFESSORES: NIEMEYER ALMEIDA FILHO Conteúdo Programático

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

NOTAS METODOLÓGICAS. 1. Exportações (FOB), Importações (CIF), Saldo comercial e Taxa de câmbio implícita: 1901-1939

NOTAS METODOLÓGICAS. 1. Exportações (FOB), Importações (CIF), Saldo comercial e Taxa de câmbio implícita: 1901-1939 NOTAS METODOLÓGICAS O conjunto de tabelas e gráficos que compõe esse anexo estatístico, embora restrito ao século XX, atualiza e complementa as séries publicadas em IBGE (1990), capítulo 11. Tabelas: 1.

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

História do planejamento no Brasil

História do planejamento no Brasil História do planejamento no Brasil 1. Um marco iniciador: o Plano de Metas de JK 2. Alguns antecedentes de 1909 a 1947-54 3. O contexto dos anos 1950 que implicava numa maior intervenção do Estado na economia

Leia mais

PROGRAMA FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL REFERÊNCIAS

PROGRAMA FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL REFERÊNCIAS PROGRAMA FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL 1. Formação, desenvolvimento e crise da economia colonial 2. Transição para o trabalho assalariado 4. Gestação, expansão e dinâmica da economia cafeeira 5. Deslocamento

Leia mais

CEAV Exercícios de Economia Brasileira. Prof. Antonio Carlos Assumpção

CEAV Exercícios de Economia Brasileira. Prof. Antonio Carlos Assumpção CEAV Exercícios de Economia Brasileira Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-51 No Brasil, vem ocorrendo uma mudança demográfica que poderá causar dificuldades financeiras consideráveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA. Prática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA. Prática Disciplina: MICROECONOMIA III: ECONOMIA INDUSTRIAL Código: CSA Teórica l Ementa: Teoria dos Jogos. Modelos Locacionais. O paradigma estruturaconduta-desempenho: significado e críticas. Teoria dos Mercados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA Disciplina: Estrutura e Evolução da Indústria no Brasil Profs.: Silvio A. F. Cario Trajetória do desenvolvimento

Leia mais

Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil

Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil A. Planos de desenvolvimento e de infra-estrutura (1949-1979) 1. Plano Salte (Governo Dutra, 1946-1950, desenhado em 1948, implementado a partir do

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

Capítulo 15: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Da Crise ao Milagre

Capítulo 15: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Da Crise ao Milagre Capítulo 15: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Da Crise ao Milagre Início dos anos 60 forte reversão da situação econômica com: queda dos investimentos, queda da taxa de crescimento da renda aceleração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

TESES E DISSERTAÇÕES PREMIADAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA PUC-RIO

TESES E DISSERTAÇÕES PREMIADAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA PUC-RIO TESES E DISSERTAÇÕES PREMIADAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA PUC-RIO MARTA PINHEIRO CASTELLO BRANCO. O dilema da política cambial no Brasil: origens e debate no início dos anos 80. Orientador:

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

POR QUE O JURO É TÃO ALTO E O CRESCIMENTO TÃO BAIXO? Notas para um colóquio no CBPF 27 de maio 2008. Edmar L. Bacha IEPE/CdG

POR QUE O JURO É TÃO ALTO E O CRESCIMENTO TÃO BAIXO? Notas para um colóquio no CBPF 27 de maio 2008. Edmar L. Bacha IEPE/CdG POR QUE O JURO É TÃO ALTO E O CRESCIMENTO TÃO BAIXO? Notas para um colóquio no CBPF 27 de maio 2008 Edmar L. Bacha IEPE/CdG Juro alto e crescimento baixo são dois temas interrelacionados. Vamos começar

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PLANO DE ENSINO. ADM 227 Orçamento e Finanças Públicas Dr. Reginaldo Souza Santos CRÉDITOS: 40 CARGA HORÁRIA: 60

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PLANO DE ENSINO. ADM 227 Orçamento e Finanças Públicas Dr. Reginaldo Souza Santos CRÉDITOS: 40 CARGA HORÁRIA: 60 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE FINANÇAS E POLÍTICAS PÚBLICAS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROFESSOR: ADM 227 Orçamento e Finanças Públicas Dr. Reginaldo Souza Santos

Leia mais

1TOMO DIREITO E ECONOMIA. série GVlaw DIREITOGV ESCOLA DE DIREITO DE SAO PAULO. Maria Lúcia L. M. Padua Lima Coordenadora

1TOMO DIREITO E ECONOMIA. série GVlaw DIREITOGV ESCOLA DE DIREITO DE SAO PAULO. Maria Lúcia L. M. Padua Lima Coordenadora série GVlaw Maria Lúcia L. M. Padua Lima Coordenadora DIREITO E ECONOMIA 30 AN< & BRASIL 1TOMO Ada Pellegrini Grinover Ana Lúcia Pinto Silva António Delfim Netto Amoldo Wald Ary Oswaldo Mattos Filho Bernardo

Leia mais

I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO

I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO Departamento de Economia Programa de Economia Monetária e Financeira Docente: 1304284 - Fabiano Abranches Silva Dalto PROGRAMA 2015 I. ASPECTOS METODOLÓGICOS E CONCEITUAIS SOBRE A MOEDA E O SISTEMA MONETÁRIO

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica A Política Econômica Externa do Governo Castelo Branco

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO POLÍTICO E ECONÔMICO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO POLÍTICO E ECONÔMICO ESTADO E DESENVOLVIMENTO Estuda, de forma mais aprofundada, algumas das estruturas políticas e jurídico-institucionais do Estado Desenvolvimentista brasileiro, sua formação histórica, potencialidades e

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA. CRÉDITOS: 04 (T-04 P-0 ) Cada Crédito corresponde a 15h/ aula

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA. CRÉDITOS: 04 (T-04 P-0 ) Cada Crédito corresponde a 15h/ aula UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IH

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos PPGEST Título da Disciplina:

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

PLANO DE CURSO. *Obs: alguns textos podem ser alterados durante o curso.

PLANO DE CURSO. *Obs: alguns textos podem ser alterados durante o curso. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, HUMANS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DISCIPLINA OPTATIVA: Tópicos Especiais em História Política: Trabalho, Política e Região

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA Disciplina: ESPE 119 - Capitalismo Concorrencial, Estado e Regulação Professor: Ricardo Dathein

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Maria Roselene B. Costa Capital Estrangeiro e Desenvolvimento Econômico: cinco décadas do investimento direto estrangeiro no Brasil MESTRADO EM ECONOMIA

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

INTERPRETAÇÕES SOBRE O BRASIL

INTERPRETAÇÕES SOBRE O BRASIL Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas Departamento: Economia (PAE) Curso: Graduação em Administração de Empresas Disciplina: Seminário de Economia (3 créditos) Professores:

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

1. Ementa completa e atualizada: Unidade de Aprendizagem 2 Saúde Global e Política Externa Brasileira: Uma Perspectiva Histórica.

1. Ementa completa e atualizada: Unidade de Aprendizagem 2 Saúde Global e Política Externa Brasileira: Uma Perspectiva Histórica. Relatório Final da Coordenação da Unidade de Aprendizagem 2 Curso de Especialização em Saúde Global e Diplomacia da Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Fiocruz 1. Ementa completa e atualizada:

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Instituições Políticas Brasileiras

Instituições Políticas Brasileiras Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Departamento de Ciência Política - Primeiro Semestre de 2011 Programa da Disciplina Prof. Dr. Paulo Sérgio Peres Aulas: Sextas, 18:30-21:30, Prédio 43324,

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia II ADM 051. 72h 3º EMENTA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Bibliografia complementar Para narrativa diversa: FAUSTO, Boris. ( ), História do Brasil (várias edições). São Paulo, Edusp (cap. 8).

Bibliografia complementar Para narrativa diversa: FAUSTO, Boris. ( ), História do Brasil (várias edições). São Paulo, Edusp (cap. 8). Política Brasileira (3 créditos) Prof. Fabiano Santos (coord.) Horário: Quarta-feira, das 16 às 19 horas Consultas: A combinar com os professores O curso tem por objetivo apresentar um panorama da política

Leia mais

NSTITUTO DE ILOSOFIA & IÊNCIAS UMANAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - 16

NSTITUTO DE ILOSOFIA & IÊNCIAS UMANAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - 16 NSTITUTO DE ILOSOFIA & IÊNCIAS UMANAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - 16 2 o. Semestre de 2006 DISCIPLINA CÓDIGO / TURMA HZ942/A NOME Relações Internacionais PRÉ-REQUISITOS HZ341/ AA200 CARGA

Leia mais

Banco Central e Sistema Financeiro: O Caso Brasileiro. Pós-Plano Real e Implicações sobre Fiscalização Bancária.

Banco Central e Sistema Financeiro: O Caso Brasileiro. Pós-Plano Real e Implicações sobre Fiscalização Bancária. Tiago Couto Berriel Banco Central e Sistema Financeiro: O Caso Brasileiro Pós-Plano Real e Implicações sobre Fiscalização Bancária. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros. Zeina Latif

Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros. Zeina Latif Fórum Estadão Brasil Competitivo Comércio Exterior Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros Zeina Latif 15 de Outubro de 2013 Economia

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA BRASILEIRA. Lista de Exercícios n.º 6

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA BRASILEIRA. Lista de Exercícios n.º 6 1 Prof. Pedro Cezar Dutra Fonseca EXERCÍCIOS DE ECONOMIA BRASILEIRA Lista de Exercícios n.º 6 QUESTÕES REFERENTES À DÉCADA DE1980 A) Questões Discursivas: 1. ANPEC 1994 Qual a fundamentação teórica dos

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

A Teoria Econômica da CEPAL: Industrialização e Concentração de Renda No Vale do Paraíba Paulista

A Teoria Econômica da CEPAL: Industrialização e Concentração de Renda No Vale do Paraíba Paulista A Teoria Econômica da CEPAL: Industrialização e Concentração de Renda No Vale do Paraíba Paulista Edson Trajano Vieira 1 Fábio Ricci 2 Moacir José dos Santos 3 Monica Franchi Carniello 4 Resumo: O presente

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso: Departamento: Centro: SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGÜE (SET) ECONOMIA (DCO) CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (CSA) COMPONENTE

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro O que podem os países africanos aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAMPUS VARGINHA. Juliano Francisco Vital. A Taxa de Câmbio e a Indústria Brasileira, 1947-1961.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAMPUS VARGINHA. Juliano Francisco Vital. A Taxa de Câmbio e a Indústria Brasileira, 1947-1961. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAMPUS VARGINHA Juliano Francisco Vital A Taxa de Câmbio e a Indústria Brasileira, 1947-1961. Varginha 2014 2 A Taxa de Câmbio e a Indústria Brasileira, 1947-1961 Trabalho

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DO BRASIL:

INTERNACIONALIZAÇÃO DO BRASIL: Eveline Barbosa Silva Carvalho Paulo Avelino Barbosa Silva INTERNACIONALIZAÇÃO DO BRASIL: Dinâmica do Comércio e da Política Internacional 63 4 SOBRE OS AUTORES Eveline Barbosa Silva Carvalho Graduada

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA ECONOMIA MONETÁRIA PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO EMENTA: Keynes

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO 1 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome Curso HISTÓRIA DO DIREITO DIREITO Código DIR

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS. Ementa (constante no PPP vigente)

PLANO DE ENSINO. Disciplina Código Denominação Carga horária AT 1 AP 2 APS. Ementa (constante no PPP vigente) PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO: 2009 ANO DO CURSO: 3º Curso: Ciências Econômicas - Modalidade: Bacharelado - Turno: Noturno Centro: Ciências Sociais Aplicadas Campus: Cascavel Disciplina Código Denominação

Leia mais

HISTÓRIA DA EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS NO BRASIL

HISTÓRIA DA EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS NO BRASIL HISTÓRIA DA EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS NO BRASIL PERÍODO COLONIAL (1500-1822) A economia colonial brasileira é integrada ao processo mundial de expansão do capitalismo mercantil. Baseada no monopólio colonial

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III)

A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III) www.brasil-economia-governo.org.br A desigualdade de renda parou de cair? (Parte III) Marcos Mendes 1 O texto da semana passada mostrou como o mercado de trabalho atuou no sentido de reduzir a desigualdade

Leia mais

Reinaldo Gonçalves. Cem anos de história económica e propostas para mudar o Brasil. Garamond

Reinaldo Gonçalves. Cem anos de história económica e propostas para mudar o Brasil. Garamond Cem anos de história económica e propostas para mudar o Brasil Garamond Sumário Introdução 11 Capítulo 1 - Cem anos de economia brasileira 1. Evolução das variáveis macrdeconômicas ; 17 2. índice de desempenho

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE/2013 CP019-A ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS PROF. CRISTIANO MORINI 2º SEMESTRE/2013 EMENTA: Classificação das organizações internacionais por natureza, abrangência e funções. Processo decisório. Organizações de

Leia mais

Financiamento de Longo Prazo no Brasil e o BNDES: Perspectiva Histórica. Anne Hanley Renato Leite Marcondes Julio Manoel Pires

Financiamento de Longo Prazo no Brasil e o BNDES: Perspectiva Histórica. Anne Hanley Renato Leite Marcondes Julio Manoel Pires Financiamento de Longo Prazo no Brasil e o BNDES: Perspectiva Histórica Anne Hanley Renato Leite Marcondes Julio Manoel Pires 1 -Banco de desenvolvimento no contexto internacional Origens no século XIX

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

A ECONOMIA NO PERÍODO MILITAR (1964-1984): CRESCIMENTO COM ENDIVIDAMENTO

A ECONOMIA NO PERÍODO MILITAR (1964-1984): CRESCIMENTO COM ENDIVIDAMENTO A ECONOMIA NO PERÍODO MILITAR (1964-1984): CRESCIMENTO COM ENDIVIDAMENTO Julio Cesar Bellingieri (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: O artigo é uma descrição das políticas econômicas adotadas pelos

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL DISCIPLINA: Fundamentos históricos e teórico-metodológicos do Serviço Social II e III ANO: 2006 LOCALIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Centro de Estudos Gerais. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Departamento de Ciência Política

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Centro de Estudos Gerais. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Departamento de Ciência Política UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Curso de Mestrado Título

Leia mais