A CONSTITUCIONALIDADE DA ESCOLHA DA COR DA PELE NO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONSTITUCIONALIDADE DA ESCOLHA DA COR DA PELE NO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO"

Transcrição

1 Organização Sete de Setembro de Cultura em Ensino LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Curso de Bacharelado em Direito TALITA MAYARA CORREIA DE CAMPOS A CONSTITUCIONALIDADE DA ESCOLHA DA COR DA PELE NO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO PAULO AFONSO - BA 2012

2 Prof Nasc TALITA MAYARA CORREIA DE CAMPOS A CONSTITUCIONALIDADE DA ESCOLHA DA COR DA PELE NO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO Monografia apresentada ao Curso de Bacharelado em Direito da Faculdade Sete de Setembro, como requisito para avaliação de trabalho de conclusão de curso. Sob a orientação da Professora Esp. Fabiene Ribeiro Silva Santana Arrais. Professor de TG-II: Prof. Msc. Eloy Nascimento Lago. M Mon Bach de S aval curs Fabi PAULO AFONSO - BA 2012 o n o g r a f i a

3 DEDICATÓRIAS Dedico esse trabalho monográfico á memória da minha querida Vovó Neta. Tenho certeza que ela está vibrando no céu com mais essa conquista, ao lado dos anjos que caminham ao meu lado. Vovó linda, eu nunca te esquecerei. Obrigada por todo o amor que me dedicou enquanto esteve ao meu lado em vida, se fazendo sempre presente em meus pensamentos. Amo-te.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que me deus forças para continuar sempre, aos meus pais que batalharam por esse sonho. Aos meus familiares, a todos aqueles que me subestimaram e acharam que eu não era capaz de chegar tão longe, aqui estou, e aos que sempre me apoiaram e acreditaram em mim, essa vitória também é de vocês. A todos que contribuíram para a minha formação profissional, começando pela Escolinha Vovó Neta, uma época linda, quando eu chorava para ir à escola e não tinha idade para o ensino comum. Passando para todos os professores do ensino fundamental em Inajá- PE que contribuíram para a formação da minha personalidade. Aos professores do ensino médio, no Colégio Sete de Setembro, bem como aos coordenadores da época, Dona Lúcia e Dona Zuleide sempre preocupadas com o meu bem estar, por saberem que eu morava sozinha. Aos amigos que aqui fiz sempre companheiros em todos os momentos. Na faculdade, agradeço aos amigos da 1ª Turma de Direito, da qual fiz parte, que lutaram pela melhoria do curso, que brigaram juntos e se unirão no ultimo minuto de curso, esses com certeza, estarão comigo sempre, graças a eles amadureci, e fui perdendo a timidez, podendo mostrar outra Talita. Aos amigos que hoje estão se formando junto a mim, que com receio fui conquistando aos poucos, mas que me acolheram de braços abertos. Agradeço também a todos os mestres da Fasete, sem a contribuição de todos vocês eu não estaria realizando esse sonho. Obrigada!

5 Adotar é acreditar que a história é amis forte que a hereditariedade, que o amor é mais forte que o destino. ( Lídia Weber)

6 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo demonstrar a morosidade no processo de adoção através do cadastro que, em havendo a possibilidade de escolha da cor da pele do adotando, traz à tona a discriminação racial, o que o torna inconstitucional. Além de distorcer o real valor da adoção que é dar um lar a uma criança e/ou adolescente sem família. Tal cadastro visa tão somente todos os desejos das pessoas que estão por adotar a criança ou o adolescente envolvidos no processo, mas não a necessidade dos adotandos. O trabalho visa também, demonstrar a inconstitucionalidade do Cadastro Nacional de Adoção CNA, e os efeitos drásticos que ele pode vir causar na vida dos envolvidos, através da possibilidade da escolhada cor da pele de quem poderá ser seu filho. Além de colocar em questão os direitos e garantias fundamentais da criança e do adolescente bem como sua proteção, comparando os princípiose a natureza do CNA com os princípios da CF/88, bem como o Estatuto da Criança e do Adolescente, para verificar e demonstrar as contradições existentes em nosso ordenamento jurídico. O presente trabalho mostra o quão importante vem a ser a mistura de raças numa mesma família, situação que o CNA obsta.para a realização do estudo proposto, foi utilizado basicamente o recurso da pesquisa bibliográfica e documental.o trabalho está dividido nos seguintes capítulos: Considerações gerais sobre a adoção; O cadastro nacional de adoção (CNA) e a sua constitucionalidade; Famílias multirraciais, e finalmente concluiu-se com as possíveis propostas de modificações no Cadastro Nacional de Adoção. Palavras-chave : Adoção. Laços de Afeto. Cadastro Nacional de Adoção.

7 ABSTRACT Thiswork aimsto demonstratethe morosenessin the adoption processby registeringthat, upon the choiceofadoptingtheskin color, brings to the fore the racial discrimination, which makes itunconstitutional.besidesdistorting therealvalue ofadoption thatis to give ahome to a childand /or adolescentwithoutfamily.thisregisteris intendedonlyasall desiresof the people whoareto adoptthe childor adolescentinvolved in the process, but notthe needofthem. The workalso aimsto demonstrate theunconstitutionalityof the National RegisterofAdoption-CNA, and thedrastic effectsit cancausein the lives ofcomeinvolved, through the possibilityof choosing thecolorof the skinof those whomay behis son. The workaimsfurthermore, demonstrate theunconstitutionalityof the National RegisterofAdoption-CNA, and thedrastic effectsit cancausein the lives ofcomeinvolvedby being ableto choosethe skin colorof those whomay behis son. In addition toputting in questionthefundamental rights and guaranteesof the childand adolescentandtheir protectionby comparing thenatureandprinciplesof the CNAwith the principles ofcf/88and thestatute of Children andadolescents, to verify and demonstrate thecontradictionsin our legal system. This studyshowshow important itisto beamixture of racesin the samefamily, a situation that precludesthe CNA. To conduct theproposed study was usedbasicallythe recourse ofbibliographic and documentary research. The work was dividedinto the following chapters: General considerationsabout the adoption, theadoptionofa national cadastre(cna) and its constitutionality, multiracialfamilies, and finallyconcludes withpossible modificationsin the National RegisterofAdoption. Keywords: Adoption.Bonds ofaffection.nationalregisterofadoption.

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SÍBOLOS CF/88 Constituição da República Federativa do Brasil CC/22 Código Civil de 2002 CNA Cadastro Nacional de Adoção CNJ Conselho Nacional de Justiça ECA Estatudo da Criança e do Adolescente CP/ 40 Código Penal Brasileiro - Parágrafo

9 Sumário INTRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A ADOÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA DA ADOÇÃO NO BRASIL TIPOS DE ADOÇAO SEGUNDO O ESTATUTO DA CRIANÇA DE DO ADOLESCENTE O PRINCÍPIO DA ISONOMIA A MOROSIDADE, O PROCESSO DE ADOÇÃO NO BRASIL E OS DANOS CAUSADOS PARA OS ENVOLVIDOS O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO (CNA) E A SUA CONSTITUCIONALIDADE ANÁLISES DA LEI 8.069/90 JUNTAMENTE COM PRECEITOS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS POSSÍVEIS CONTRADIÇÕES EXISTENTES NO ORDENAMENTO JURÍDICO A URGÊNCIA DE QUEM PRECISA SER ADOTADO E A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA FAMÍLIAS MULTIRRACIAIS O RACISMO E A ADOÇÃO A CONSTANTE PRESENÇA DO RACISMO NA ADOÇÃO NO BRASIL AÇÕES AFIRMATIVAS A MUDANÇA NO SISTEMA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO... 42

10 10 INTRODUÇÃO O termo adoção (VICTÓRIA&MANFROI, 2011) tem origem do latim, adoptatio, que em nossa língua significa tomar alguém como filho. O instituto da adoção é um ato solene onde pessoa toma como seu filho criança ou adolescente, assumindo total responsabilidade sobre este.tem o nome de parentesco cível, por não ter laços de consanguinidade, sendo essa pessoa estranha a sua família até então. Adoção é a inserção de crianças ou adolescentes no ambiente familiar de forma definitiva, através do vínculo jurídico que compõe a filiação. Os pais dessa criança ou adolescente não puderam ou não quiseram ficar com ela por diversos motivos o que levaram ao abandono. Com relação à natureza jurídica da adoção, também a doutrina em estudo traz posições distintas. Para Andréa Rodrigues Amin (2002), há cinco correntes que tentam explicar a natureza jurídica da adoção. A primeira corrente defende a adoção como uma instituição; a segunda entende a adoção como um ato jurídico; a terceira corrente explica a adoção como um ato de natureza híbrida; a quarta corrente vista na adoção um contrato; a quinta corrente conceitua a adoção como um ato complexo. Andréa Amin vê a adoção como ato complexo, em sendo a corrente que melhor define adoção por sua natureza negocial, por haver manifestação das partes interessadas que afirmam o desejo em adotar e após essa manifestação de vontade, irá verificar se há conveniência, ou não, da adoção. O primeiro momento se dá na fase postulatória da adoção, enquanto que o segundo se dará ao fim da fase instrutória do processo judicial, com a prolação da sentença. Para que se consume e se aperfeiçoe a adoção, far-se-á necessária a manifestação da vontade do adotante, do adotando e do Estado. O cerne do problema consiste na questão da constitucionalidade ou ilegalidade da escolha da cor da pele do adotado pelo adotante, no CNA (Cadastro Nacional de Adoção).Confrontandose aspectos da Lei /2009 (Lei de Adoção), da Lei 8.069/1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente ECA), bem como a análise de diversos doutrinadores, estudiosos a respeito do tema, como Maria Berenice Dias, Martha Toledo Machado, Ana Maria Silveira, dentre outros.

11 11 O presente trabalho discute a constitucionalidade da escolha da cor no Cadastro Nacional de Adoção, colocando em questão os direitos e garantias fundamentais da criança/adolescente e a sua proteção. A escolha por esse tema se deu em demonstrar a possível ilegalidade ou inconstitucionalidade causada pelo CNA onde, uma vez escolhidas as características da criança e do adolescente a ser adotado no CNA, não podem mais ser modificadas, causando um entrave, como dito anteriormente, no processo de adoção, tornando-o lento, e que de certo modo, é uma forma discriminatória, pois se trata de vidas e não de mercadorias expostas em uma vitrine ou numa fila de espera genérica com especificidades delimitadas.o Cadastro Nacional de Adoção acaba por preterir os sujeitos á adoção, contrapondo-se ao seu objetivo, acelerar a possibilidade de agilizar a inserção familiar. Em um país multirracial não pode nos dias atuais, ainda persistir tal comportamento. Segundo diversos doutrinadores vistos nesta pesquisa, tal qual o posicionamento de Maria Berenice Dias, o CNA afronta diretamente a Carta Magna e as leis Extravagantes em vigor a respeito do tema. Deve ser observado também que o CNA não visa o bem estar da criança ou adolescente em questão, este que necessita com urgência estar inserido em um núcleo familiar, caso contrário perde o direito de gozar de diversas fases da vida, ficando presa em um abrigo de acolhimento, na maioria das vezes até completar a maioridade civil. A formação de famílias multirraciais mostra que a sua constituição passa pela convivência, diálogo e amor, sendo o que realmente importa, e não apenas as características físicas dos seus componentes. O ato de adotar tem um valor imensurável para a vida dos envolvidos, vai muito além de conceitos pré-determinados, a relação familiar precisa ser dotada da ética, da cidadania e ao respeito para com os envolvidos. Nas sociedades modernas, a adoção é vista como uma medida de convivência familiar, como um direito de todas as crianças e adolescentes em situação e abandono. Sua realização se torna ainda mais difícil quando é levada em consideração a cor/etnia do menor em questão. A dignidade como direito fundamental da criança e do adolescente presente na Constituição

12 12 Federal e também no Estatuto da Criança e do Adolescente, é um princípio que representa as obrigações constitucionais impostas ao Estado, à sociedade e à família. Observa-se que em relação ao desrespeito à dignidade da população infanto-juvenil identificam-se direitos violados, negligenciados. A discriminação, o preconceito, a falta de cuidado e ausência de afeto, atingem muitas vezes as crianças e adolescentes no momento da adoção. Vale ressaltar, ainda, que é prioridade absoluta a convivência familiar da criança e do adolescente, estando assegurada na Constituição Federal, em seu art. 227, que leva em consideração a condição da pessoa em desenvolvimento, fazendo valer a primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias. Há, sem sombra de dúvidas, uma forma clara de discriminação, por ser o Brasil um país de diversas etnias. Assim, não haveria problema em adotar um menor de raça diferente da do adotante, uma vez que quem procura adotar, procura uma pessoa para tomar como seu filho, indivíduo esse que necessita de afeto e carinho, independentemente de sua raça, cor e etnia. O trabalho desenvolvido tem como objetivo demonstrar a inconstitucionalidade da escolha da cor da pele pelo CNA. Por ter tal escolha no cadastro em questionamento, o torna absurdamente em contradição á Carta Magna por ser uma forma clara de preconceito racial. Para a realização do estudo proposto, utilizou-se basicamente o recurso da pesquisa bibliográfica comparativa e documental, através do método qualitativo, dedutivo. A pesquisa bibliográfica consiste na análise de fontes nacionais de diversos estudiosos, doutrinadores a respeito do tema bem como especialistas em Direito constitucional. No que se refere à pesquisa documental, procedeu na análise de algumas fontes primárias, como as Leis n.º /02 (Código Civil); n.º /09 (Lei da Adoção) e n.º 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente), além de decisões judiciais. Utilizou-se preliminarmente um retrospecto histórico com o objetivo de identificar, na literatura, a trajetória da adoção, além de analisar a Constituição Federal de Sobretudo, por em questão o transtorno causado pelo Cadastro Nacional de Adoção - CNA e a urgência da adoção, as necessidades fundamentais com relação á proteção do bem estar da criança e adolescente em estado de abandono, e por fim, as possíveis modificações no sistema atual de adoção.

13 13 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A ADOÇÃO 1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA DA ADOÇÃO NO BRASIL Segundo as estudiosas sobre o tema da adoção, Andréa Maux e Elza Dutra (2011), a história da adoção tem um percurso extenso no Brasil e se faz presente desde a época da colonização. Em princípio, esteve relacionada com a caridade, em que os mais ricos prestavam assistência aos mais pobres. Comumente havia no interior das casas de famílias abastadas filhos de terceiros, chamados filhos de criação. Era uma forma de exploração de mão de obra gratuita e, ao mesmo tempo, prestaçãoauxílio aos mais necessitados. Não havia interesse algum em cuidar da criança necessitada ou abandonada, sendo esse filho tratado sempre de forma diferenciada, geralmente de forma inferiorizada aos filhos biológicos. Essa forma de adoção ficou conhecida como uma das formas de adoção à brasileira. Crime tipificado no Código Penal em seu artigo 242, sendo que em recente entendimento do STJ não pode e não deve superar o afeto. Art Dar parto alheio como próprio; registrar como seu o filho de outrem; ocultar recém-nascido ou substituí-lo, suprimindo ou alterando direito inerente ao estado civil: (Redação dada pela Lei nº 6.898, de 1981) Pena - reclusão, de dois a seis anos. (Redação dada pela Lei nº 6.898, de 1981) Parágrafo único - Se o crime é praticado por motivo de reconhecida nobreza: (Redação dada pela Lei nº 6.898, de 1981) Pena - detenção, de um a dois anos, podendo o juiz deixar de aplicar a pena. A primeira legislação a trazer a adoção foi em 1828, e pretendia solucionar o problema de casais inférteis. Após mudanças na sociedade e com a Constituição Federal de 1988 que se sobrepõe por ter perfil fraterno e solidário, impulsionou o Estatuto da Criança e do Adolescente (E. C. A.), Lei 8.069, de 13 de julho de 1990, regulamentando de fato a prática da adoção, sofrendo algumas mudanças em 2009 com a Lei /09, a chamada Nova Lei de Adoção, que tem como prioridade a garantia, às crianças e adolescentes, dos seus direitos, dentre os quais a convivência familiar. Garantia que passa da principiologia constitucional à normatização prática regular.

14 14 O Código Civil de1916 contribuiu ao instituto da adoção, de forma relevante. Apesar de a adoção ser permitida apenas para casais sem filhos, poderia ser revogada e o adotando não perderia o vínculo com a família biológica. A Lei 3.133/57 trouxe algumas modificações de forma que as pessoas que já possuíam filhos podiam adotar, mas, o filho adotivo não tinha direito à herança. Com a Lei 4.655/65, além das pessoas casadas, as viúvas e as desquitadas passaram a ter direito em adotar, além da legitimação adotiva, que se caracterizava pela possibilidade de o filho por adoção ter praticamente os mesmos direitos legais dos filhos biológicos, exceto os direitos sucessórios. No entanto, a adoção somente seria irrevogável no caso de crianças abandonadas de até 7 anos de idade ou aquelas cuja identidade dos pais era desconhecida. A Lei 6.697/79 extinguiu a legitimação adotiva, e estabelecia duas formas de adoção: a adoção simples, que tratava da situação de crianças maiores de sete anos até adolescentes menores de 18 anos que estivessem em situação irregular; e a adoção plena, onde a criança de até 7 anos de idade, passava a condição de filho, sendo o ato irrevogável. Foi com a legislação de 1988 que a lei passou a tratar de maneira igualitária todos os filhos, havidos ou não do casamento, ou por adoção. Ampliando os benefícios da adoção plena a todos os menores de 18 anos de idade, garantindo a permanência no seio familiar, rompendo os vínculos de parentesco com a família de origem. A Lei /09 trouxe novas questões que, assim como o Estatuto da Criança e do Adolescente, não há diferenciação legal entre os filhos de um casal, independente de serem eles adotivos ou biológicos menores ou maiores de fato, adolescentes negros, índios, alvos gênios ou comprometidos, meninas ou meninos ruivos... apenas filhos.

15 TIPOS DE ADOÇAO SEGUNDO O ESTATUTO DA CRIANÇA DE DO ADOLESCENTE Inicialmente tratar-se-á da adoção unilateral que surgiu com a necessidade social em virtude de sua evolução. É estabelecido pelo ECA, em seu art. 41, 1º: Art. 41. A adoção atribui a condição de filho ao adotado, com os mesmos direitos e deveres, inclusive sucessórios, desligando-o de qualquer vínculo com pais e parentes, salvo os impedimentos matrimoniais. 1º Se um dos cônjuges ou concubinos adota o filho do outro, mantêm-se os vínculos de filiação entre o adotado e o cônjuge ou concubino do adotante e os respectivos parentes. Para Naiara Trindade Ribeiro (2010) em citação de Eunice Ferreira Rodrigues Granato, em se tratando da adoção por companheiros é necessário que os adotantes sejam casados civilmente ou mantenham união estável, comprovada a estabilidade da família. Surgiu também com a necessidade de adequação do ordenamento jurídico ao crescimento e a alteração da realidade social, admitindo o legislador, que casais que desfrutam da união estável também possam adotar. É estabelecido no Estatuto da Criança e do Adolescente, no 4º do art. 42, da adoção porpessoas divorciadas, judicialmente separadas ou companheiros, conforme descrito abaixo: Art. 42. Podem adotar os maiores de 18 (dezoito) anos, independentemente do estado civil 4 o Os divorciados, os judicialmente separados e osex-companheiros podem adotar conjuntamente, contanto que acordem sobre a guarda e o regime de visitas e desde que o estágio de convivência tenha sido iniciado na constância do período de convivência e que seja comprovada a existência de vínculos de afinidade e afetividade com aquele não detentor da guarda, que justifiquem a excepcionalidade da concessão. O 5º do mesmo artigo, dispõe que: desde que demonstrado efetivo benefício ao adotando, será assegurada a guarda compartilhada. Com relação á adoção póstuma, ordena-se no 6º do art. 42 do ECA, que se anteriormente ao falecimento do adotante, o mesmo tenha manifestado claramente a vontade de que se defira a adoção, então, esta poderá acontecer.

16 16 Art. 42. Podem adotar os maiores de 18 (dezoito) anos, independentemente do estado civil. 6 o A adoção poderá ser deferida ao adotante que, após inequívoca manifestação de vontade, vier a falecer no curso do procedimento, antes de prolatada a sentença. Na adoção por tutor ou curadoralgumas exigências são indispensáveis para o êxito da adoção. Sendo assim, o tutor ou curador deve prestar contas de sua administração e, saldar qualquer compromisso pendente que esteja ao seu alcance, fazendo inventário e pedindo exoneração do munuspúblico. Assim feito, poderá contender judicialmente a adoção do pupilo ou curatelado. Não esquecendo que estes devem ser domiciliados em território brasileiro e que seja constatada a ausência de má-fé e o preenchimento de todos os requisitos necessários a adoção. Tudo para inibir possíveis apropriações indevidas, assegurando a segurança do menor. A adoção realizada por pessoa solteira ou que não viva em união estável, é a chamada adoção monoparental, por se tratar também de uma entidade familiar O PRINCÍPIO DA ISONOMIA O princípio da isonomia constitui o direito que todos têm de ser tratados de forma igual. Dirley da Cunha Jr ( 2011-p. 676), diz que o direito a igualdade divide-se em igualdade formal, ou seja, perante a ordem jurídica, não havendo distinções que não estejam previstas na Constituição Federal, e igualdade material, que se diz perante a oportunidade de acesso aos bens da vida, sendo a lei aplicada igualitariamente para todos. (...) A exigência de igualdade decorre do princípio constitucional da igualdade, que é um postulado básico da democracia, pois significa que todos merecem as mesmas oportunidades, sendo defeso qualquer tipo de privilégios e perseguição. O principio em tela interdita tratamento desigual às pessoas iguais e tratamento igual às pessoas desiguais. Nesse mesmo sentido e na mesma obra(2011-p. 677), o postulado da igualdade constitui o primeiro e mais importante limite à discricionariedade legislativa. Celso Antônio Bandeira de Mello (apud, CUNHA JUNIOR-2011), diz que:

17 17 A Lei não deve ser fonte de privilégios ou perseguições, mas instrumento regulador da vida social que necessita tratarequitativamente todos os cidadãos. Este é o conteúdo político-ideológico absorvido pelo princípio da isonomia e juridicizado pelos textos constitucionais em geral, ou de todo modo assimilado pelos sistemas normativos vigentes. Dirley (2011-p. 681) diz também que: (...) a Constituição preocupou-se a garantir a todos igualdade de oportunidades, abrindo um especial espaço para a adoção de ações afirmativas, que consistem num conjunto de medidas administrativas e legislativas de políticas públicas que visam compensar desigualdades históricas decorrentes da marginalização social. Essas ações afirmativas inserem-se no âmbito de uma política social de discriminação positiva, voltada a corrigir desigualdades históricas. As ações afirmativas especificamente se darão no capítulo final deste trabalho de pesquisa. Para José Afonso da Silva (2005-p. 211), assim como foi explanado anteriormente por Dirley da Cunha Junior, a igualdade constitui o signo fundamental da democracia, não admite privilégios e distinções entre as pessoas.. A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5, declara que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. Já Maria Berenice Dias (2007, p.65) discorre que a maior preocupação da Constituição Federal foi eliminar qualquer tipo de discriminação, outorgando à igualdade e à liberdade peculiar cuidado. Cármen Lúcia Antunes Rocha (apud SILVA, 2005, p. 214) diz que a, (...) Igualdade constitucional é mais que uma expressão de Direito; é um modo justo de se viver em sociedade. Por isso é principio posto como pilar de sustentação e estrela de direção interpretativa das normas jurídicas que compõe o sistema jurídico fundamental. Alexandre de Moraes (2012-p. 35), diz que a Constituição Brasileira de 1888 prevê a igualdade de aptidão, chamando de igualdade de possibilidades virtuais onde todos tem direito á tratamento idêntico pela lei, observados os critério do ordenamento jurídico, vedando as diferenciações arbitrárias e discriminações absurdas. Diz ainda:

18 18 A igualdade se configura como uma eficácia transcendente, de modo que toda situação de desigualdade persistente à entrada em vigor da norma constitucional deve ser considerada não recepcionada, se não demonstrar compatibilidade com os valores que a Constituição, como norma suprema, proclama. (MORAES, p. 35). Celso Antônio Bandeira de Mello (apud, MORAES, p. 36), aponta que, (...) os tratamentos normativos diferenciados são compatíveis com a Constituição Federal quando verificada a existência de uma finalidade razoavelmente proporcional ao fim visado. A Constituição Federal veda discriminações de qualquer natureza, objetivando a promoção do bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, e qualquer outra forma discriminatória por ser o Brasil um país multirracial e multicultural, repudiando tais comportamentos racistas. Pode-se assim dizer, que o Cadastro Nacional de Adoção instiga inconstitucionalidade em sua forma discriminatória, uma vez que dentre os seus requisitos há a escolha da cor da pele pelos adotantes para com a pessoa que possa vir a ser adotado por eles, objeto da presente discussão A MOROSIDADE, O PROCESSO DE ADOÇÃO NO BRASIL E OS DANOS CAUSADOS PARA OS ENVOLVIDOS A opção oferecida pelo Cadastro Nacional de Adoção, em escolher a cor da pele pelo adotante faz com que a adoção passe a ser uma possibilidade de suprimento dos anseios da sociedade, tornando o princípio da proteção integral, com relação ao menor incapaz, ineficaz e desrespeitando os preceitos do instituto da adoção. O princípio da proteção integral sesubmetea uma norma de um direito a prestaçõesfáticas ou normativas, sendo assim, assegura à criança e ao adolescente, o direito de igualdade dos filhos perante a lei, o direito à educação, à cultura, a uma família dentre outros direitos, como expresso na Convenção sobre os Direitos da Criança, o decreto n o , de 21 de novembro de 1990, em seu artigo 3. Artigo 3 :

19 19 1. Todas as decisões relativas a crianças, adoptadas por instituições públicas ou privadas de proteção social, por tribunais, autoridades administrativas ou órgãos legislativos, terão primacialmente em conta o interesse superior da criança. 2. Os Estados Partes comprometem-se a garantir à criança a protecção e os cuidados necessários ao seu bem-estar, tendo em conta os direitos e deveres dos pais, representantes legais ou outras pessoas que a tenham legalmente a seu cargo e, para este efeito, tomam todas as medidas legislativas e administrativas adequadas. 3. Os Estados Partes garantem que o funcionamento de instituições, serviços e estabelecimentos que têm crianças a seu cargo e asseguram que a sua proteção seja conforme às normas fixadas pelas autoridades competentes, nomeadamente nos domínios da segurança e saúde, relativamente ao número e qualificação do seu pessoal, bem como quanto à existência de uma adequada fiscalização. Mesmo com reconhecimento dos direitos das crianças e adolescentes pela CF/88 e pelo ECA, a adoção realizada a partir da possibilidade de escolha de tais critérios passa a servir tão somente aos desejos ou interesses do adotante, sem se considerar os direitos do adotado. O Estado tem obrigação de assegurar a todas as crianças a proteção contra qualquer forma de discriminação, tomando medidas positivas que possam garantir seus direitos sociais. A partir da edição do Estatuto da Criança e do Adolescente, foram implementados, em caráter local ou regional, sistemas de informação que reúnem, de um lado, pretendentes à adoção e, de outro, crianças e adolescentes em condições de serem adotados. Diante da composição e missão que lhe foi conferido pelo artigo 103-B da Constituição Federal, o CNJ desenvolveu um banco de dados, único e nacional, composto de informações sobre crianças e adolescentes aptos a serem adotados e pretendentes habilitados à adoção, denominado Cadastro Nacional de Adoção (CNA). O Cadastro Nacional de Adoção (CNA) consiste em ferramenta criada para auxiliar juízes, com competência em matéria de infância e juventude, a dar agilidade aos processos de adoção, por meio do mapeamento de informações unificadas em todo território nacional. O CNJ trouxe Resolução, n 54/08, com a finalidade de criar e regulamentar o Cadastro Nacional de Adoção, conforme transcrita (na íntegra) abaixo: Resolução nº 54, de 29 de abril de Dispõe sobre a implantação e funcionamento do Cadastro Nacional de Adoção.

20 20 O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições conferidas pela Constituição da República, especialmente o disposto no inciso I, 4º, art. 103-B; CONSIDERANDO a prioridade das políticas de atendimento à infância e juventude, preconizada pelo art. 227 da Carta Constitucional; CONSIDERANDO as normas referentes ao instituto da adoção contidas no Estatuto da Criança e do Adolescente e no Código Civil; CONSIDERANDO que a consolidação em Banco de Dados, único e nacional de informações, sobre crianças e adolescentes a serem adotados e de pretendentes à adoção, viabiliza que se esgotem as buscas de habilitados residentes no Brasil, antes de se deferir a sua adoção por família estrangeira, em atenção ao disposto no artigo 31, da Lei 8.069/90; RESOLVE: Art. 1º. O Conselho Nacional de Justiça implantará o Banco Nacional de Adoção, que tem por finalidade consolidar dados de todas as comarcas das unidades da federação referentes a crianças e adolescentes disponíveis para adoção, após o trânsito em julgado dos respectivos processos, assim como dos pretendentes a adoção domiciliados no Brasil e devidamente habilitados. Art. 2º. O Banco Nacional de Adoção ficará hospedado no Conselho Nacional de Justiça, assegurado o acesso aos dados nele contidos exclusivamente pelos órgãos autorizados. Art. 3º. As Corregedorias dos Tribunais de Justiça funcionarão como administradoras do sistema do respectivo Estado, e terão acesso integral aos cadastrados, com a atribuição de cadastrar e liberar o acesso ao juiz competente de cada uma das comarcas, bem como zelar pela correta alimentação do sistema, que deverá se ultimar no prazo de 180 dias da publicação desta Resolução. Art. 4 º. As Corregedorias Gerais da Justiça e os juízes responsáveis pela alimentação diária do sistema encaminharão os dados por meio eletrônico ao Banco Nacional de Adoção. Art. 5 º. O Conselho Nacional de Justiça prestará o apoio técnico necessário aos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal para alimentar os dados no Banco Nacional de Adoção. Parágrafo único- Os Tribunais poderão manter os atuais sistemas de controle de adoções em utilização, ou substituí-los por outros que entendam mais adequados, desde que assegurada a migração dos dados, por meio eletrônico, contidos nas fichas e formulários que integram os anexos desta Resolução. Art. 6 º. O Conselho Nacional de Justiça, as Comissões Estaduais Judiciárias de Adoção - CEJAS/Cejais e as Corregedorias Gerais da Justiça devem fomentar campanhas incentivando a adoção de crianças e adolescentes em abrigos e sem perspectivas de reinserção na família natural. Parágrafo único- O Conselho Nacional de Justiça celebrará convênio com a Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República - SEDH para troca de dados e consultas ao Banco Nacional de Adoção. Art. 7 º. Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação

21 21 Com a implantação do CNA, havia a expectativa que a realidade dos abrigos abarrotados de crianças começasse a mudar. Com o novo sistema, a busca por pais e filhos adotivos compatíveis ficaria, em tese, mais fácil e rápida. Ou seja, em vez de se fazer múltiplos processos de seleção em várias unidades da federação, uma única habilitação passou a ser válida para todo o país. Nesse cadastro, o pretendente à adoção indica as características físicas, mentais e biológicas do pretendido adotando, assegurando a aqueles o direito de escolha. Deferido o pedido e, respeitada a ordem de inscrição, passa-se a confrontar as expectativas em relação ao adotando apontadas pelo adotante coma descrição das crianças e adolescentes que se encontram disponíveis. Daí as contradições com relação á adoção, que tem como ideia a busca de uma família para a criança ou adolescente disponível, e não o contrario como acaba por apontar o cadastro. Logo, o tempo de espera pelo adotando dependerá as expectativas expostas no cadastro pelo adotante. Em pesquisa realizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros ratificou-se que a busca por características específicas do adotando é a segunda maior causa de delonga no processo de adoção. O direito de escolha assegurado aos adotantes passa por ferir parte dos direitos sociais da criança e do adolescente disponível, o que justifica a discussão quanto à má formulação do Cadastro Nacional de Adoção. A dignidade como direito fundamental da criança e do adolescente presente na Constituição Federal e também no Estatuto da Criança e do Adolescente, é um princípio que representa as obrigações constitucionais impostas ao Estado, à sociedade e à família. A escolha das características físicas do menor em questão implica no surgimento de um perfil idealizado pelos adotantes apoiando suas expectativas de realização pessoal, de outro lado, tem-se o adotando que se não atender a essas expectativas cresce sem fazer parte de uma família, permanecendo no abrigo por longos anos, muitas vezes até completarem a maioridade civil. Todo esse comportamento acarreta drásticas e perigosas consequências, tirando deles o direito de viver de forma digna, tendo a família fundamental importância no seu desenvolvimento e crescimento como ser humano. (ORSELLI&ANASTÁCIO, 2010)

22 22 Diz Carolina Brígido (2011) que, quase metade dos adultos que querem adotar faz questão de escolher a cor da criança. Esse é um dado estarrecedor que mostra a triste confirmada presença do racismo no Brasil. A Adoção passou a ser realizada não como ato de afeto, mas com interesses em preencher lacunas na vida de quem por ventura não conseguiu gerar um filho. Isso gera filas sem fim, de crianças e adolescentes carentes de afeto e ansiosos por uma família que nunca chega. Importante expor também os danos causados para quem deseja adotar. O adotante deve visitar os abrigos de acolhimento ao menos, e nessas visitaspode desenvolver afetos por determinado menor disponível para adoção, se as características desse menor não condizem com as características expostas no cadastro, pelo adotante, este não pode adotar aquele menor por quem tem afinidade, quiçá amor. Isso acarreta em sofrimento imensurável para com os envolvidos no processo adotivo, materializado pelo desgosto e a longa espera de ambos os lados em constituir uma família. Esse sofrimento causa sérios danos psicológicos, muitas vezes irreversíveis, tanto para o adotante, que deseja com toda ânsia ter um filho, como por parte do adotante que necessita com urgência, como já frisado, ser inserido no núcleo familiar. Depreende-se, portanto, que as especificações de pretensão expostas no CNA são mais um motivo para a morosidade do processo de adoção, e precisa ser revisado pelas autoridades competentes para tal. O melhor interesse do menor adotando deve prevalecer sempre.

23 23 2. O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO (CNA) E A SUA CONSTITUCIONALIDADE 2.1. ANÁLISES DA LEI 8.069/90 JUNTAMENTE COM PRECEITOS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS POSSÍVEIS CONTRADIÇÕES EXISTENTES NO ORDENAMENTO JURÍDICO. A Constituição Federal prevê, dentre outros direitos fundamentais, a igualdade, delimitando as relações entre pais e filhos, de maneira a asseguraros mesmos direitos entre filhos biológicos e adotados, vedando quaisquer designações discriminatórias. Assegura também, à criança a ao adolescente, a convivência no seio familiar, bem como, a proteção de qualquer forma de discriminação. O propósito do Estatuto da Criança e do Adolescente é amparar a criança e o adolescente em sua totalidade. Ainda que o Estatuto da Criança e do Adolescente, já dispusesse o direito material, relativo à adoção, no tocante aos procedimentos ficou a desejar. Aose estabelecer paradigmas entre a legislação Pátria e a CF/88, observa-se que direitos fundamentais inerentes à pessoa humana que dizem respeito à origem, sexo, idade, e a cor da pele, são desrespeitados no Cadastro Nacional de Adoção - CNA, uma vez que essas características são critérios de escolha do candidato á adoção. Ferindo também o que diz a Lei 8.069/90-Estatuto da Criança e do Adolescente. Observando alguns artigos da presente lei, tem-se: Artigo 3 - A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral (...), a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade.. Artigo 5, caput - Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de (...) discriminação (...), punindo na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais.. Artigo 15, caput - A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito, à dignidade como pessoa humana em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos covos, humanos e sociais garantidos na Constituição Federal e nas leis.. Artigo 16, inciso V O direito á liberdade compreende (...) participar da vida familiar e comunitária, sem discriminação.

24 24 Imprescindível à análise desses artigos, lembrar que a criança e o adolescente, presentes nos abrigos de acolhimento também têm direitos e deveres fundamentais como qualquer outra pessoa natural que não está sob a tutela direta do Estado. O Cadastro Nacional de Adoção acaba por privar esses direitos. A lei impõe que a adoção é medida excepcional e irrevogável, e somente deve ocorrer quando exauridas todas as possibilidades que mantenham a criança ou adolescente em sua família natural ou extensa. Sendo assim, o legislador passa acontradizer o sentimento de grupos de apoio, programas ou congressos de incentivo à adoção, que veem na adoção a solução para a criança abandonada pela família, à garantia de ser criada e educada em lar tranquilo e adequado para suas necessidades. O CNA acaba por tratar a criança e o adolescente como objeto de desejo devendo esta ser escolhida tão somente por suas características físicas, inobservadoo que atesta a adoção que vem a ser uma medida de convivência familiar para quem deseja com urgência constitui-la, visando o bem estar do menor, possibilitando para esse a oportunidade de crescer e se desenvolver de maneira saudável,psicologicamente. Ignora-se a aviltante vulnerabilidade do menor privado do convívio familiar. Com relação aos requisitos para o requerimentoda adoção, o adotando deve possuir no máximo dezoito anos, conforme dispõe no Estatuto da Criança e do Adolescente em seu art. 40: O adotando deve contar com, no máximo, dezoito anos à data do pedido, salvo se já estiver sob a guarda ou tutela dos adotantes.visto que, no Estatuto da Criança e do Adolescente conforme seu artigo primeiro,... dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente, ainda assim a adoção de maiores é regida a depender do que esteja adequado pelas normas de tal estatuto. Para maiores de 18( dezoito) anos, a adoção será regida pelo Código Civil de 2002, e só será válida com o devido processo legal: Art A adoção de maiores de 18 (dezoito) anos dependerá da assistência efetiva do poder público e de sentença constitutiva, aplicando-se, no que couber, as regras gerais da Lei nº 8.069, de 13 de julho de Estatuto da Criança e do Adolescente.

25 25 Importante se faz também, com relação ao consentimento do adotando se este for maior de 12 anos de idade, assegurando a melhor forma de convivência entre o menor em questãoe a família que possa vir a adotá-lo. Porem essa condição, por estar escrita no ordenamento de forma dúbio, gera entre os diversos doutrinadores estudiosos sobre o tema, que passam a entender que essa condição não seja impreterivelmente essencial, melhor dizendo, não é quesito obrigatório. Com relação ao consentimento dos pais ou do representante legal, dispõe o art. 45 do ECA: Art. 45. A adoção depende do consentimento dos pais ou do representante legal do adotando. 1º. O consentimento será dispensado em relação à criança ou adolescente cujos pais sejam desconhecidos ou tenham sido destituídos do pátrio poder. 2º. Em se tratando de adotando maior de doze anos de idade, será também necessário o seu consentimento. Em decorrência da interrupção dos laços entre adotando e a família biológica, caso essa seja conhecida, salvo com o consentimento para tal decisão dos pais ou representante legal da criança ou do adolescente. Passando a família adotante o poder familiar sobre aquele. Como expresso no art. 45, 1º. O atual Código Civil prevê no art , que os pais podem ter suspenso o poder familiar se, abusando de sua autoridade, faltarem aos deveres a eles inerentes ou arruinando os bens dos filhos. GRANATO (apud RIBEIRO, Naiara Trindade. Araxá 2010). Vislumbrando a idade do adotante, diz o art. 42, 3º: Art. 42. Podem adotar os maiores de 18 (dezoito) anos, independentemente do estado civil. 3º O adotante há de ser, pelo menos, dezesseis anos mais velho do que o adotando. Entretanto analogicamente tem-se que, se o indivíduo é maior de idade, apto a exercer todos os seus direitos civis e analisados todos os requisitos psicossociais, este tem capacidade para

26 26 adotar outra pessoa. Mas importante ter em vista que a doção deve ser o mais próxima da maternidade / paternidade natural, todavia, não há expressado em lei um limite máximo de idade para o adotante obter desfecho no objetivo almejado. A forma como o cadastro em questão foi desenvolvido, afronta diretamente a Constituição Federal bem como o Estatuto da Criança e do Adolescente, instigando a sua inconstitucionalidade, vez que, acaba por descaracterizar toda a intenção do legislador nacional, qual seja, agilizar a possibilidade de dar uma família ao infante depositado em abrigos ou lares transitórios.mister pontuar que por transitório, entende-se (Ferreira, 2001) aquilo que é de pouca duração, passageiro, efêmero, temporário. Adjetivação que não condiz coma realidade processual imposta pelas divergências fáticas entre o CNA e o adotante. Machado (2003, p.170) lembra que: (...) a adoção na sua essência se aplica a qualquer forma de colocação em família substituta, porém, atualmente não mais se admite a busca de filhos para pais que não os tenham e os queiram; a adoção se faz porque uma criança precisa de pais e não os tem. Maria Berenice Dias (2007, p.65) discorre que a maior preocupação da Constituição Federal foi eliminar qualquer tipo de discriminação, outorgando à igualdade e à liberdade peculiar cuidado, inadmissíveis, pois, quaisquer formas mitigatórias, o que corrobora a tese de inconstitucionalidade do CNA. O valor que a adoção representa na vida dos indivíduos envolvidos passa por uma extensa possibilidade de questões, de olhares, de discursos, de informações, de análises. Todo filho, biológico ou não, precisa ser adotado pelos pais. A relação familiar precisa ser dotada de preceitos claros, ligados à ética, à cidadania a ao respeito, comportamentos e sentimentos hodiernos que urgem maior cuidado do poder público.

27 A URGÊNCIA DE QUEM PRECISA SER ADOTADO E A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA É inegável que hoje, no Brasil, há milhares de crianças de diversas idades à espera de adoção espalhados em abrigos em todo o país. A demora causada pela burocracia no processo de adoção pode causar danos irreversíveis a quem aguarda ansiosamente por um lar, ademais, os danos causados em decorrência do abandono dos pais biológicos, por si só, já são cruéis ao extremo. Injusta a obstaculação que o cadastro traz consigo, sendo a cor da pele um dos mais gravosos a todo o processo e seu procedimento. Nesse sentido, destacamos a afirmação de Belmiro Pedro Weltercitado por Maria Berenice Dias a respeito do processo de adoção: Sustenta Belmiro Pedro Welter (apud DIAS, 2005), não sem razão, a inconstitucionalidade do tortuoso, moroso e desacreditado processo deadoção judicial. O autor preconiza a dispensabilidade do cumprimentode todos os requisitos legais (1618 a 1629 e ECA 39 a 52), sob o fundamento de que o reconhecimento do filho afetivo é consensual e voluntário. Argumenta ainda, ser inútil a via judicial, ou quando é dispensável o consentimento dos pais, por se tratar de infante em estado de vulnerabilidade social. Assim, mesmo que haja uma criança a ser adotada e uma família que queira assim o constituir, o processo de adoção é, na grande maioria das vezes, lento e burocrático, quiçá, inconstitucional, trazendo profundo sofrimento para as partes envolvidas. Para a criança, a família representa proteção e, sobretudo, sobrevivência (OLIVEIRA, 2004). Sobrevivência, neste caso, abrange o orgânico e o emocional. Portanto, não se discute a importância da presença da família, seja essa biológica ou não, para o desenvolvimento saudável do menor impúbere. Deve ser respeitado o interesse maior da criança ou adolescente em questão sendo fundamentalmente relevante o papel da família em relação ao processo de constituição enquanto sujeito de uma criança. É a partir da educação dada e recebida, que esta passa a amadurecer mentalmente, apreendendo a questionar e impor seus atos, é analisando às variadas formas de se educar, que se denomina a estrutura familiar, este revestido de afeto.

28 28 Diz Fernanda Otoni (2001): Desta forma, uma criança poderá encontrar a sua família (...), desde que lá, estabeleça uma relação de filiação. O ato de adoção não é um ato garantido pela burocracia, leis, genética ou biologia. A adoção é um ato de amor e responsabilidade. É um encontro, um acontecimento, produzido pelo Dom e não há lei que garanta o Dom do amor. A família é um lugar de amparo primeiro, insuficiente no sentido de abolir para sempre o mal estar do ser humano diante das questões da vida, mas necessário e estrutural. Não há modelo ideal, cada um terá que costurar um tecido que será a sua história, mediante os elementos significantes que a vida vai lhe apresentando. (...)A estrutura familiar é um complexo ordenado de forma singular, é uma estrutura psíquica, alinhavada pelas ideias e afetos que a criança extrairá do seu encontro com o real, num determinado contexto sócio histórico, para além da biologia. Esse encontro deixará marcas, fixando uma certa ordem na sua forma de se alojar no mundo, um ponto de ancoragem para sempre familiar. Sendo assim pode-se afirmar que o parentesco torna-se natural não havendo distinção entre filho natural ou resultante da adoção. Para pesar esse entendimento existe, em quase todo o território brasileiro, Grupos de Apoio à Adoção, constituídos por pais adotivos, família de apoio, pretendentes à adoção e outros membros da comunidade, que realizam trabalho de grande alcance social na colocação de crianças e de adolescentes em família substitutas. Nas palavras de Naiara Trindade Ribeiro (2010), O papel fundamental dos Grupos de Apoio à Adoção é prevenir o abandono e estimular a guarda e adoção, como alternativa à institucionalização de crianças abandonadas. Esses grupos executam o seu trabalho através de orientação para os pretendentes à adoção, a fim de que haja a conscientização e o preparo necessário na decisão de acolher em seus lares, como filho, uma criança ou um adolescente. Sob a orientação do grupo, os pais adotivos se reúnem, mensalmente, para troca de experiências adquiridas na vivencia quotidiana da adoção e para o apoio mútuo nas dificuldades que possam enfrentar. Ademais, é feito o acompanhamento e orientação de gestantes que tenham intenção de encaminhar os seus filhos para adoção, com a finalidade de aconselhamento e auxilio, ocorrendo que, muitas mães, tendo os seus problemas resolvidos, desistem de entregar o filho, conseguindo-se, então, o objetivo de permanecia da criança em sua família de origem. (...)Esse é o trabalho que vem sido desenvolvido pelos Grupos de Apoio à Adoção, a humanização e a integração das pessoas envolvidas em cada caso

29 29 de adoção e, pelos resultados altamente positivos que tem alcançado, já adquiriu o respeito e o reconhecimento da comunidade em que opera. Em suma, esses grupos de apoio nasceram na ideologia de tornar a adoção menos tortuosa para as famílias, e também, menos burocrática possível. Além ajudar as famílias que desejam por seus filhos para adoção, e como já dito anteriormente muitas dessas até desistem de tal procedimento após participarem desses grupos. Talvez esse até seja o desejo do Cadastro Nacional de Adoção, mas infelizmente não acontece de fato. Em observância ao abandono como primeiro fator de causador de danos, pertinente se faz a citação de Telma Sirlei Favaretto (2009): O abandono de uma criança é a concretização da violência social, familiar e afetiva, e reproduz as relações de opressão de uma sociedade, seja esse abandono produzido por uma decisão individual ou oriunda de pressões externas. É uma violência resultante do acúmulo de pequenas violências sofridas pela mulher em seu cotidiano, que impulsionam a prática de tal ato como que justificando o próprio abandono pelo Estado, sociedade e família (...). A mulher que abandona o filho, de alguma maneira, foi rejeitada pela família e, sentindo-se desamparada, com medo, insegura, com relação ao futuro, encontra como solução o abandono do filho. No mesmo diapasão, Raquel Valentim Gonçalves (2002), (...) quando um bebê nasce ele não reconhece a diferença entre o mundo externo e ele próprio. Porém, ele consegue a partir de competências que já possui ao nascer, relacionar-se com o seu mundo. Mundo que será representado pelas pessoas que cuidam dele, que estão à sua volta, ou seja, seus pais. Assim, a família, representada pelos pais é muito importante, nesse estágio inicial da vida da criança, uma vez que é ela que vai dar ao filho o caráter de humanidade, é ela que vai moldar o ser humano. (...) Entretanto, se o bebê for privado de tal convivência, certamente ele terá profundas lacunas em sua personalidade, lacunas que se expressarão através de falhas em seu desenvolvimento. Tais falhas serão representadas através de sensações desagradáveis, como, por exemplo, a de desintegrar-se, de cair em um abismo, de ter em sua mente a constante sensação de ansiedade como experiência constante, ao invés de segurança e tranquilidade. E completa em suas assertivas, no mesmo viés, Essas sensações desagradáveis ficam gravadas em sua mente, em seu sistemaneuro endócrino, e deixarão marcas que se renovarão a cada nova sensação de insegurança. Pode ocorrer que um bebê que tenha sofrido tal experiência, em sua vida adulta seja uma pessoa com tendência a sofrer de

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento PROCESSO DE ADOÇÃO * Ricardo Peixoto Teixeira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo A adoção é tradicionalmente considerada como instituto de direito de família, que tem por finalidades

Leia mais

As alterações da Lei n.12.010/09 ao Estatuto da. Criança e Adolescente.

As alterações da Lei n.12.010/09 ao Estatuto da. Criança e Adolescente. As alterações da Lei n.12.010/09 ao Estatuto da Criança e Adolescente. Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito da Infância Juventude e Idoso Publicação no semestre

Leia mais

Guia do Usuário. Guia do Usuário

Guia do Usuário. Guia do Usuário Guia do Usuário APRESENTAÇÃO...1 I ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES...2 Do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 Do Acesso e utilização do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 II. ESPECIFICAÇÕES GERAIS DO CNA

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO.

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO. Acórdãos ADOÇÃO Processo 599313269 Quarto Grupo de Câmaras Cíveis Relator: Des. Alzir Felippe Shmitz Consentimento 70001166131 Relatora: Desa. Maria Berenice Dias Consentimento 599024858 2ª Câmara de Férias

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 283/2003 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO MÁRIO HERINGER PDT

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 283/2003 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO MÁRIO HERINGER PDT COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 283/2003 Dispõe sobre caso de concessão de visto permanente a estrangeiro residente no Brasil. Autor: Deputada Laura Carneiro Relator: Deputado

Leia mais

A Hermenêutica do Artigo 50, 13, Inciso III, do ECA, Frente à Equidade e aos Princípios Constitucionais da Proteção Integral e da Prioridade Absoluta

A Hermenêutica do Artigo 50, 13, Inciso III, do ECA, Frente à Equidade e aos Princípios Constitucionais da Proteção Integral e da Prioridade Absoluta 238 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 11 Curso de Constitucional - Normatividade Jurídica A Hermenêutica do Artigo 50, 13, Inciso III, do ECA, Frente à Equidade e aos Princípios Constitucionais da Proteção

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

1. Do Cadastro Nacional de Adoção CNA

1. Do Cadastro Nacional de Adoção CNA Guia do Usuário APRESENTAÇÃO A Constituição Federal, art. 227, e a Lei 8.069/90 - Estatuto da Criança e do Adolescente, art. 19, elevaram o direito de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil 1 ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil Ana Flávia Oliva Machado Carvalho 1 RESUMO Este estudo objetivou destrinchar todo o procedimento da adoção. Inicialmente buscamos discorrer sob sua evolução histórica.

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Paulo José Pereira 1 Maria Coleta Ferreira Albino de Oliveira 2 Introdução Pesquisar

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL

APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL José Heitor dos Santos Promotor de Justiça/SP Silvio Carlos Alves dos Santos Advogado/SP A Lei Complementar Paulista nº. 1.062/08, que disciplina a aposentadoria

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DO JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.0 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 USUÁRIOS...4 1. ACESSO AO SISTEMA...5 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...7 3. TELA INICIAL

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro.

A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. Amira Samih Hamed Mohd Houdali 1 Victor Paulo Kloeckner Pires 2 Resumo: A partir de uma abordagem qualitativa e da utilização dos métodos

Leia mais

01 Direito da Criança e do Adolescente

01 Direito da Criança e do Adolescente 01 Direito da Criança e do Adolescente Constitui-se em um direito dos pais ou responsáveis, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a) adentrar no prédio escolar até as salas de aula em qualquer

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

FAMÍLIA, UM DIREITO DE TODA CRIANÇA

FAMÍLIA, UM DIREITO DE TODA CRIANÇA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FAMÍLIA, UM

Leia mais

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal.

PODER DE FAMÍLIA. * Aluna do 3º ano da Faculdade de Direito de Varginha. (2008) ** Professora Titular da Cadeira de Direito Processual Penal. PODER DE FAMÍLIA Gislaine Aparecida Giorgetti da Silva Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A família que era protegida, para não ser desfeita, hoje já não é tão intocável, aquela família

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADOÇÃO

TEORIA GERAL DA ADOÇÃO TEORIA GERAL DA ADOÇÃO Carlos Henrique Fernandes GASQUES RESUMO: O presente trabalho visa abordar sistematicamente a teoria geral da adoção, visando fazer um apanhamento histórico a cerca da adoção destacando

Leia mais

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt PESSOA NATURAL 1. Conceito: é o ser humano, considerado como sujeito de direitos e deveres. Tais direitos e deveres podem ser adquiridos após o início da PERSONALIDADE, ou seja, após o nascimento com vida

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL.

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Sergio Luiz Kreuz Mestre em Direito das Relações Sociais (UFPR), Juiz de Direito da Vara da Infância e da Juventude de Cascavel PR e

Leia mais

A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR

A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR A GUARDA COMPARTILHADA COMO FONTE ASSEGURADORA DO EXERCÍCIO DO PODER FAMILIAR ALINE ESQUARCIO SOBRINHO 1 ROSANA MOREIRA 2 RESUMO: Este trabalho almeja demonstrar uma visão inovadora do instituto da Guarda

Leia mais

Prof. Maurício Ribeiro de Almeida Unisalesiano - mauricio928@uol.com.br

Prof. Maurício Ribeiro de Almeida Unisalesiano - mauricio928@uol.com.br AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO UNIVERSITÁRIA ACERCA DAS NOVAS CONFIGURAÇÕES DE ADOÇÃO THE SOCIAL REPRESENTATIONS IN AN UNIVERSITY INSTITUTION ABOUT THE NEW ADOPTION CONFIGURATIONS Eliseu

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

LEI DA ADOÇÃO N 12.010/09

LEI DA ADOÇÃO N 12.010/09 LEI DA ADOÇÃO N 12.010/09 4 BRUNA BATISTA INTRODUÇÃO Adoção hoje um é instituto na prática defasado em nosso âmbito jurídico, mas que tenta se aprimorar visando o bem da criança ou adolescente não deixando

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

Exercício 03.1 de FIXAÇÃO DIREITO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA (ESTÁGIO) PROFESSOR MARCO ANTONIO LORGA

Exercício 03.1 de FIXAÇÃO DIREITO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA (ESTÁGIO) PROFESSOR MARCO ANTONIO LORGA Exercício 03.1 de FIXAÇÃO DIREITO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA (ESTÁGIO) PROFESSOR MARCO ANTONIO LORGA Questões Capítulo I- Desenvolvimento Histórico 1- (DEFENSORIA-SP) Entre as características da doutrina

Leia mais

MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20.

MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20. MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20. Regulamenta os artigos 60 e 61 da Lei Nº 9.860, de 01 de julho de 2013, que dispõe sobre o processo de eleição direta para a função de Gestão Escolar das Unidades de Ensino

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS 1. Quanto à fonte: a) Alimentos legais: fixados pela lei, fundamentados no direito de família, decorrentes do casamento, ou união estável ou da relação de parentesco

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores Mostra de Projetos 2011 Padrinhos Acolhedores Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ

DIREITO CONSTITUCIONAL. Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ DIREITO CONSTITUCIONAL Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde,

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução Conjunta 002/2013 CMAS/ de 12/06/2013 Dispõe sobre os parâmetros para o funcionamento das Entidades de acolhimento institucional e familiar da Criança e do Adolescente do município de Divinópolis

Leia mais

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Art. 1 - Salvo disposição contrária, a lei começa

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade Fazer um testamento público 1Harmonia O testamento evita brigas de família e disputas patrimoniais entre os herdeiros acerca dos bens deixados pelo falecido. 2Tranquilidade O testamento pode ser utilizado

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE

COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE A Comissão Permanente da Infância e da Juventude - COPEIJ, integrante do Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH, vinculado ao Conselho Nacional dos

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas.

ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas. ADOÇÃO: uma possibilidade de prevenção secundária ao adoecimento de crianças institucionalizadas. Carolina M. M. de Albuquerque Edilene F. Queiroz A iniciativa de adotar pode ser explicada como uma tentativa

Leia mais

OS FILHOS E O DIVÓRCIO

OS FILHOS E O DIVÓRCIO OS FILHOS E O DIVÓRCIO Luís Otávio Sigaud Furquim Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Especialista em Administração; Pós-graduado em Gestão de Serviços Jurídicos, ambas

Leia mais

Todos a favor da agilidade

Todos a favor da agilidade Todos a favor da agilidade Você sabia que agora os inventários, partilhas, separações e divórcios podem ser feitos no cartório? Pois é! Agora os cidadãos tiveram suas vidas facilitadas! Esses atos podem

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 CONSULTA nº 110.469/11 Assunto: paciente menor, genitores separados, fornecimento prontuário Relator: Laide Helena

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DE SERVIDORES DE CORREGEDORIA Versão 1.2 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 4 USUÁRIOS... 5 1. ACESSO AO SISTEMA... 6 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:... 8 2.0

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA RETIRADA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDAS DAS ENTIDADES ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO CAOPCAE/PR

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA RETIRADA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDAS DAS ENTIDADES ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO CAOPCAE/PR PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA RETIRADA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ACOLHIDAS DAS ENTIDADES ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO CAOPCAE/PR 1 - A autorização para que crianças e adolescentes passem as festas de final de

Leia mais

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada LEI Nº..., DE... DE... DE... 1. Dispõe sobre Programa de Guarda Subsidiada para Crianças e Adolescentes em situação de risco social

Leia mais

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário Medidas Protetivas Lei 12.010 de 03/08/2009 Lei Nacional de Adoção Altera

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Casamento Casamento É a união permanente entre o homem e a mulher, de acordo com a lei, a fim de se reproduzirem, de se ajudarem mutuamente e de criarem os seus filhos. Washington de Barros Monteiro Capacidade

Leia mais

Leia o texto a seguir e responda às questões de 01 a 05. Dia Nacional de Combate ao abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Leia o texto a seguir e responda às questões de 01 a 05. Dia Nacional de Combate ao abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Leia o texto a seguir e responda às questões de 01 a 05. Dia Nacional de Combate ao abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Francisco dos Santos Marcos (Presidente do CMDCA de Jaguariaíva)

Leia mais

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea IGUALDADE RACIAL Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB) 1988 Artigo 5 o Caput Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

Guarda. Guarda Compartilhada. Filhos Menores. Interesse do Menor. Aplicação

Guarda. Guarda Compartilhada. Filhos Menores. Interesse do Menor. Aplicação DA GUARDA COMPARTILHADA Rayssa Marques Tavares RESUMO: O tema procura abordar a guarda dos filhos menores de pais separados conjugalmente. Pois, acredita-se que as crianças sofram muito com essa ruptura,

Leia mais

(Apensos os Projetos de Lei nsº 1.917, de 2011 e 6.736, de 2013 )

(Apensos os Projetos de Lei nsº 1.917, de 2011 e 6.736, de 2013 ) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 1.212, DE 2011 (Apensos os Projetos de Lei nsº 1.917, de 2011 e 6.736, de 2013 ) Acrescenta dispositivo à Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990,

Leia mais

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH A CONVENÇÃO SOBRE OS ASPECTOS CIVIS DO SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL Autoridade Central Administrativa Federal/SDH Considerações Gerais A Convenção foi concluída em Haia,

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.962, DE 2012 Altera e inclui dispositivos na Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994, e no Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940,

Leia mais

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 Cria o Fundo de Prevenção, Recuperação e de Combate às Drogas de Abuso, dispõe sobre os Bens Apreendidos e Adquiridos com Produtos de Tráfico Ilícito de Drogas ou

Leia mais

Nota Técnica. Contra a Redução da Maioridade Penal

Nota Técnica. Contra a Redução da Maioridade Penal Nota Técnica Contra a Redução da Maioridade Penal A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, por meio do Núcleo Especializado de Infância e Juventude, diante da missão de exercer a defesa dos interesses

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO

CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO A. PREÂMBULO I CONSIDERANDO que o Brasil é signatário da Declaração dos Direitos da Criança,

Leia mais