EDUCAÇÃO EM SAÚDE, INTERDISCIPLINARIDADE E SAÚDE DO IDOSO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EM MANAUS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO EM SAÚDE, INTERDISCIPLINARIDADE E SAÚDE DO IDOSO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EM MANAUS."

Transcrição

1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE, INTERDISCIPLINARIDADE E SAÚDE DO IDOSO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EM MANAUS. Danielle Bezerra Maia 1 Nathalie Santana Melo 2 Ellen Thais Graiss de Souza 3 Lilian Augusta Rosa Machado Maciel 4 Yoshiko Sassaki 5 1 Mestranda do Curso de Pós-graduação em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas. 2 Mestre em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas. 3 Mestranda do Curso de Pós-graduação em Saúde Pública pela Universidade Estadual da Paraíba em Campina Grande. 4 Mestranda do Curso de Pós-graduação em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas. 5 Professora Doutora da Universidade Federal do Amazonas e orientadora no Curso de Pós-graduação em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia.

2 EDUCAÇÃO EM SAÚDE, INTERDISCIPLINARIDADE E SAÚDE DO IDOSO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA EM MANAUS. AN EXPERIENCE REPORT OF HEALTH EDUCATION, MULTIPROFESSIONAL RESIDENCE IN PRIMARY CARE - MANAUS. Titulo Reduzido: EDUCAÇÃO EM SAÚDE, INTERDISCIPLINARIDADE E SAÚDE DO IDOSO. RESUMO - O objetivo deste trabalho é analisar a inserção da Residência Multiprofissional em Saúde na atenção básica visando à construção de ações interdisciplinares na busca de novas formas de assistência em saúde no nível primário. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo sobre a experiência e as atividades desenvolvidas por residentes multiprofissionais da Universidade Federal do Amazonas nos meses de junho a dezembro de A equipe era formada por seis profissionais das áreas de enfermagem, educação física, fisioterapia, farmácia e serviço social. Foram realizadas atividades educativas e práticas em grupo, debate, palestras com recursos audiovisuais, voltadas a um grupo de idosas com monitoramento de glicemia e de hipertensão, além da atenção farmacêutica, atividade física, de lazer e acompanhamento fisioterapêutico. A inserção da equipe de residentes multiprofissionais em uma Unidade Básica de Saúde indicou a possibilidade e a necessidade da construção de ações interdisciplinares na busca de novas formas de assistência em saúde no nível primário. Essas ações mostraram-se coerentes com os princípios do Sistema Único de Saúde, através de práticas que estimularam a interação entre várias disciplinas, resultando na troca de saberes, criando a possibilidade de um trabalho interdisciplinar, humanizado e com integralidade. Sendo assim, a interdisciplinaridade estimulada no decorrer da atuação dos residentes mostrou-se de grande contribuição para alcançar o objetivo principal das práticas de saúde, que é a saúde integral do indivíduo. Palavras-chave: Educação em Saúde; Relações Interprofissionais; Atenção Primária à Saúde. INTRODUÇÃO Nas sociedades contemporâneas velhice é intimamente relacionada ao aparecimento de enfermidades e debilidades. De fato, a incidência de doenças é bastante expressiva entre os idosos, por isso é fundamental compreender que respostas o Estado vem dando a essa problemática em Manaus, uma vez que em tempos neoliberais há um desmonte das políticas sociais, principalmente as de saúde. Desse modo, é importante vislumbrar se os serviços de saúde oferecidos aos usuários envelhecidos são eficazes para o enfrentamento dessas doenças no nível da atenção básica. O envelhecimento populacional tornou-se uma questão social sujeito de intervenções do Estado e, apesar dos avanços das políticas públicas de atenção ao segmento idoso, há ainda muitos desafios para sua viabilização. Da parte do Estado, decorre do número reduzido de Instituições com estrutura adequada para responder as demandas de idosos, principalmente

3 pela falta de recursos humanos qualificados, habilitados e comprometidos com as expressões da questão social que envolve a velhice e o envelhecimento no país. Como o Brasil está passando por um momento de transição demográfica, onde está configurado o aumento da população idosa, essa mudança no perfil etário indica grandes despesas no setor de saúde, uma vez que as doenças que acometem os idosos são crônicas e consequentemente duradouras, exigindo a busca constante pelo Sistema Único de Saúde. Importa saber se os serviços respondem satisfatoriamente às demandas trazidas pelos idosos e quais são essas demandas. A proposta do presente trabalho é fomentar a reflexão dos limites e possibilidades na construção de ações integrais na atenção à saúde do idoso no nível de atenção básica a partir da experiência vivida por um grupo de residentes multiprofissionais em saúde na cidade de Manaus. O recorte que fizemos foi de um grupo de idosas usuárias de uma Unidade Básica de Saúde UBS. Partindo do pressuposto que esse estrato populacional se torna prioridade no Sistema Único de Saúde SUS, a partir de 2006, com Pacto pela Vida do Ministério da Saúde, compreendendo que a promoção, prevenção e tratamento deste grupo devem ser feito por meio de ações estratégicas com ênfase na atenção primaria de saúde. Cabe mencionar que o trabalho em equipe interdisciplinar, torna-se estratégia central na busca da integralidade da atenção aos indivíduos. Pois, promove a compreensão junto à equipe da importância de um planejamento e execução de ações de forma interdisciplinar. Segundo a Política de Atenção Básica de 2011, este nível se caracteriza por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que busca a atenção integral, sempre visando à promoção em saúde, à prevenção e tratamento de doenças e, à redução de danos ou de sofrimentos, através de ações integrais de interdisciplinares. Imerso nesta temática está o Sistema Único de Saúde, que nos últimos vinte anos sofreu avanços quanto à universalização do acesso e à construção de uma rede assistencial.

4 Contudo, ainda permanecem desafios no que se refere às mudanças efetivas na forma de realizar a atenção em saúde. Assim sendo, a qualificação dos trabalhadores do SUS implica em um processo amplo de mudanças no trabalho em saúde, o que exige estratégias em direções distintas, primeiramente mudanças no campo da assistência da gestão dos serviços bem como no plano da formação em saúde. Para o alcance desses objetivos destaca-se a importância da ampliação das políticas de Recursos Humanos em Saúde, dentre as quais se situa a Residência Multiprofissional em Saúde, como uma modalidade de formação que compartilha possibilidades de contribuições para a consolidação do SUS (CLOSS, 2010). A Residência Multiprofissional em Saúde - RMS, foi instituída no Brasil por meio da Portaria Interministerial nº 1.077, de 12 de novembro de 2009, sendo uma modalidade em ensino de pós-graduação lato sensu, que propõe a integração entre diferentes profissões, proporcionando um espaço para atuação interdisciplinar nos diversos cenários da saúde. Segundo Vargas e Bellini (2010) as políticas de educação para o SUS propõe a educação permanente, na expectativa da busca da transformação das práticas das equipes de saúde. A Residência Multiprofissional propõe a integração entre trabalho e formação ao situar as necessidades de saúde da população usuária como eixo norteador de suas ações, tomando o cotidiano dos serviços do SUS como lócus de ensino e aprendizagem. Além de procurar superar a fragmentação e a especialização em áreas, congregando diferentes profissões numa formação pautada pelo trabalho em equipes multiprofissionais. A conformação da RMS como política publica é recente, o que aponta para a necessidade de serem ampliados os debates e as pesquisas sobre os seus impactos, tendo em vista sua ampliação e consolidação nos serviços públicos. JUSTIFICATIVA

5 Pesquisas apontam que a população mundial com mais de 60 anos aumentou nas últimas três décadas como nunca antes registrado na história por consequência de avanços tecnológicos, científicos e a visível diminuição da taxa de natalidade. A conjuntura em que a maioria dos idosos brasileiros encontra-se, com destaque para os da camada popular baixa, não é muito animadora. O aumento desse estrato atinge todas as classes sociais. O que antes se restringia a esfera privada e familiar, hoje com o aumento do envelhecimento, tornou-se uma questão de política pública. Excluídos do mercado de trabalho por sua idade, expropriados de sua vitalidade, passam a viver a mercê de políticas públicas assim como da seguridade social que mais parece dissolver-se no mar de desigualdades que a lógica capitalista impõe à esfera do trabalho e da sociedade. O custo com a saúde do idoso é muito elevado. De acordo com Veras (2003) um fator é preponderante: eles consomem mais os serviços de saúde que as outras faixas etárias. Pois, a presença de doenças crônico-degenerativas é bastante expressiva para essa população, implicando assim, internações continuas, recuperação mais lenta e permanência maior no leito sobrecarregando o nível terciário do Sistema Único de Saúde (SUS) e uso de tecnologia de alta complexidade. Segundo a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa (2006), cabe à atenção básica, por meio da Estratégia Saúde da Família, atuar como porta de entrada ao Sistema Único de Saúde para os idosos. Será que de fato a atenção básica tem sido o primeiro contato dos idosos com o SUS? Diante de tantos avanços e recuos das políticas de saúde e das condições sociais e econômicas em que muitos idosos se encontram, surge o questionamento: saúde e velhice é uma equação possível? Os serviços oferecidos aos idosos no nível primário de saúde estão de fato desenvolvendo ações que abrangem a promoção, a prevenção e recuperação em saúde?

6 Este estudo é relevante na medida em que propõe o debate do tema, ao relacionar as categorias educação em saúde, saúde do idoso e residência multiprofissional. Para tanto, primeiramente voltamos nossa análise para o que está preconizado nas políticas públicas de saúde. Em seguida será descrito e analisado as ações desenvolvidas pela equipe de residentes no período em que estiveram inseridos na atenção básica. Este trabalho é fruto das experiências vivenciadas pela primeira turma de residentes do Amazonas no ano de OBJETIVO Analisar a inserção da Residência Multiprofissional em Saúde na atenção básica visando à construção de ações interdisciplinares de educação em saúde na busca de novas formas de assistência em saúde ao idoso no nível primário. REFERENCIAL TEÓRICO O Ministério da Saúde (2006) afirma que a atenção primária desenvolvida nas Unidades Básicas de Saúde deveria resolver 85% dos agravos. Se a atenção básica possuísse uma real cobertura à atenção a saúde preventiva evitaria a concentração nos níveis mais onerosos do sistema, onde exames ambulatoriais e cirurgias de alto custo são realizados. Schraiber e Mendes-Gonçalves (2000) afirmam que a variedade de demandas, definidas como necessidades básicas, requer um conjunto de ações que na qualidade de atuação médica e sanitária envolve um complexo trabalho: requisitos assistenciais de alta capacidade resolutiva e sensibilidade diagnóstica para atuar corretamente nas demandas reprimidas e propor encaminhamentos adequados no interior do sistema e intersetoriais (Assistência social, educação, esporte, lazer e habitação). Assim, em termos de sua competência resolutiva esse serviço define-se como captador de demandas de menor custo, mas com poder de desonerar os demais níveis do sistema.

7 Todavia, o que se vê é que essa sensibilidade diagnóstica gira em torno apenas da visão biomédica onde o foco é a relação saúde/doença desconsiderando os fatores biopsicossociais da totalidade humana, colocando o médico como personagem principal na resolução dos problemas de saúde (VICINI, 2002). Se o caráter preventivo da atenção básica fosse efetivado, profissionais como psicólogos, nutricionistas, farmacêuticos, e educador físico também fariam parte da equipe básica de saúde na atenção básica. Prova disso são as demandas trazidas pelas idosas, que foram pesquisadas, como hipertensão, diabetes, colesterol, reumatismo, problemas articulares e vasculares (demandas para médicos e enfermeiros); baixo peso e sobrepeso (demanda para nutricionistas); depressão, inúmeros são os fatores que desencadeiam a depressão na velhice, tais como as perdas que podem ser físicas, de status e identidade bem como problemas sociais como conflitos familiares, muitos idosos revelaram ter problemas com filhos e netos viciados em álcool ou drogas (demandas para assistentes sociais e psicólogos). Foi verificado na presente pesquisa que nenhuma UBS em Manaus possuía estrutura física e recurso humano para oferecer atividade física entendida como um importante meio de prevenção e promoção a saúde dos idosos (demanda de educador físico). Como os idosos são os grandes usuários dos serviços de saúde, é imprescindível que os profissionais compreendam que a velhice é um fenômeno complexo, constituído de inúmeras dimensões. De acordo com Beauvoir (1990), velhice é um fenômeno biossociocultural, isto é, como uma totalidade que não pode ser entendida por uma simples descrição de seus aspectos biológicos. Percepção essa, corriqueira na área da saúde. Por este fenômeno ultrapassar a esfera estritamente biológica é necessário compreender sua totalidade levando em conta suas outras dimensões, tanto sociais, como econômicas, políticas e culturais. Não há como negar que houve um avanço na área da saúde, entretanto, muito ainda precisa ser feito. As políticas estão formuladas, mas não são colocadas em prática. Nesse

8 sentido, se saúde equivale à junção de determinantes fisicos, sociais e econômicos, e ela determina a organização social e econômica de um país, a situação do Brasil é lastimável. É necessário, portanto, a criação de alternativas viáveis para a reversão do atual quadro das políticas de saúde no país, de modo que supere seu histórico padrão excludente e ineficaz, principalmente no que concerne a saúde do idoso. A única política pública que é universal e preconiza como direito de todo cidadão e dever do Estado é a saúde. Entretanto, em decorrência das necessidades do capitalismo, as políticas sociais, percebidas como instrumento de concretização dos direitos de cidadania, são responsabilizadas pelo esvaziamento dos cofres públicos. Como o ideário neoliberal visa à redução dos gastos sociais do Estado, a crise fiscal é uma forma de justificar a impossibilidade de financiar as políticas sociais universais. Esse processo de retirada do Estado de sua responsabilidade, com o argumento de estar inserido numa profunda crise, acaba por aprofundar as desigualdades sociais da sociedade capitalista brasileira. A Política Nacional de Atenção Básica preconiza a promoção e a proteção a saúde como sendo norteadoras para as ações no nível primário por meio do desenvolvimento de ações interdisciplinares em uma equipe multiprofissional no oferecimento de um diagnóstico multidimensional no atendimento à população resultando em uma visão integral do usuário e do sistema. Essa organização pressupõe o deslocamento do processo de trabalho centrado em procedimentos profissionais, para um processo centrado no usuário, onde o cuidado do usuário é o imperativo ético-político que organiza a intervenção técnico-científica; e dessa forma estimular a participação dos usuários ampliando sua autonomia no cuidado à saúde, além de organizar e orientar os serviços a partir de lógicas mais centradas no usuário. Para uma melhor compreensão sobre o trabalho interdisciplinar que deve ser desenvolvido nas unidades básicas de saúde nos embasamos em Saupe (2005) que aponta a

9 característica da interdisciplinaridade como uma intensa troca entre especialistas que buscam a integração das disciplinas em um mesmo projeto, veiculando a ideia de reciprocidade, de mutualidade, reforçando uma produção de sentidos co-compartilhada. A interação produz terreno fértil ao diálogo entre os envolvidos. Ainda nas linhas do autor, a interdisciplinaridade depende, assim, de uma mudança de atitude em relação ao conhecimento e a troca de uma concepção fragmentada por uma concepção de unidade nas pessoas e em seus fazeres. Essas trocas entre diferentes saberes geram uma nova configuração interna, que, se ouvida e entendida, cria a possibilidade de atitudes interdisciplinares. Isso quer dizer que a atitude interdisciplinar não se dá porque duas ou mais profissões vão habitar o mesmo espaço, mas porque se produz um ambiente no qual os profissionais interagem, se comunicam, trocam e unem informações e conhecimentos. Portanto, para haver interdisciplinaridade, são necessárias duas ou mais pessoas com seus diferentes saberes querendo interagir e comunicar seu conhecimento. A pessoa que busca trabalhar na área da saúde deve ter em mente o perfil que esta atividade exige, que envolve trocas, sendo este um fator presente na quase totalidade de funções de outros setores: público ou privado. (SAUPE, 2005). Dentro desse cenário a Residência Multiprofissional busca promover a transformação dos serviços de saúde onde estiver inserida instigando a crítica sobre a prática interdisciplinar e as possibilidades e limites de transformação da realidade. (BRASIL 2009) A intrínseca característica da interdisciplinaridade confere caráter inovador aos programas de Residência Multiprofissional em Saúde, demonstrado principalmente por meio da inclusão das catorze categorias profissionais da saúde (Resolução CNS nº 287/ 1998). Este modo de operar a formação 'inter-categorias' visa à formação coletiva inserida no mesmo 'campo' de trabalho sem deixar de priorizar e respeitar os 'núcleos' específicos de saberes de cada profissão (BRASIL, 2009).

10 Ao passar por linhas gerais dos conceitos de Atenção básica, Interdisciplinaridade e Residência Multiprofissional é possível perceber que o desenvolvimento deste tipo de assistência integrada, pode esbarrar em vários percalços do sistema de saúde e das realidades locais das UBS e as ESF, como também na visão biomédica onde o foco é a relação saúdedoença, desconsiderando os fatores biopsicossociais da totalidade humana, colocando o médico como personagem central na resolução dos problemas de saúde (SAUPE, 2005). Tais fatores podem gerar dificuldades na efetivação de um trabalho interdisciplinar. Contudo, como será exposto a seguir, desenvolver um trabalho em equipe interdisciplinar se torna a melhor estratégia na atenção primária para efetivação da Política de Atenção Básica no Brasil. MATERIAIS E MÉTODOS Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo que objetiva relatar as atividades desenvolvidas por um grupo de residentes multiprofissionais da Universidade Federal do Amazonas, em uma Unidade Básica de Saúde de uma zona periférica da cidade Manaus-AM, no período de junho a dezembro de 2010, somando 72 dias, 432 horas entre planejamento e execução das atividades, envolvia as profissões de: Enfermagem, Educação Física, Fisioterapia, Farmácia e Serviço Social, Após o reconhecimento da estrutura, rotina e serviços oferecidos na Unidade e a compreensão epidemiologia e socioeconômica dos usuários da UBS, a equipe multiprofissional de residentes planejou suas ações objetivando que fossem oferecidas atividades de forma Interdisciplinar e que envolvessem a Educação em Saúde voltada ao coletivo. Partindo desse pressuposto foram escolhidos programas da UBS que possuíssem um público de frequência regular a unidade. Foram implantadas, dentre outras atividades, ações educativas interdisciplinares com um grupo de Idosas, devido a já unidade possuir um grupo

11 de idosas que frequentavam o espaço do centro de convivência do idoso que era um anexado a UBS. A estratégia utilizada pela equipe foi a prevenção e promoção à saúde por meio de atividades práticas e no repasse de informações que envolvessem de forma interdisciplinar todos os âmbitos da saúde. A metodologia foi embasada no tripé Informação/Participação/Interação. A Informação é o veículo pelo qual se pode conhecer e resolver questões que envolvam a saúde do individuo, assim como permite ao paciente e seus familiares fazerem parte no processo saúde-doença. Além de ser o meio para o empoderamento da população usuária dos serviços de saúde. Em todas as ações voltadas para esse âmbito, as informações eram transmitidas por meio de atividades coletivas ou individuais que abordassem aspectos biopsicossociais sempre utilizando recursos audiovisuais, como vídeos e slides, matérias didáticos impressos do Mistério da Saúde ou confeccionados pelos residentes de forma personalizada, levando sempre em consideração o nível de escolaridade das participantes. A Participação é a ação e o feito de participar, ou seja, o indivíduo toma parte no processo de Educação em Saúde e na construção de seu saber e autocuidado. Haja vista a valorização do usuário nas atividades desenvolvidas por meio dos espaços abertos coletivos e individuais na comunicação e esclarecimento de dúvidas. Foi constatado ao termino das atividades a melhora em qualidade de vida e controle dos agravos. Além disso, havia a participação em atividades práticas como as atividades físicas, de lazer e relaxamento. A Interação é o processo de integração do conhecimento adquirido e sua aplicação nos cuidados à saúde. O objetivo era fazer com que as idosas além de aplicar na prática as informações recebidas levassem adiante o conhecimento adquirido, as pessoas que estão ao seu redor, tornando-se um agente multiplicador de informações. Esse ponto foi muito

12 ressaltado em todas as ações do residente ao mostrar a importância da informação e de seu uso para o ganho na qualidade de vida e prevenção em saúde. A pesquisa buscou obter dados descritivos, obtidos no contato direto com a realidade estudada enfatizando mais o processo que o produto e preocupando-se em retratar a perspectiva de todos os participantes envolvidos. Por ser qualitativa a pesquisa trabalhou mais o universo de significados, valores e atitudes. (MINAYO, 1998). Além dos dados qualitativos ao término das ações, pode-se obter dados quantitativos por meio das anotações nos registros de campo dos residentes e das fichas cadastrais. RESULTADOS Tendo em vista que em Manaus os serviços nas Unidades Básicas de Saúde restringem-se a atendimentos rotineiros que fragmentam o atendimento ao usuário através de encaminhamentos entre os profissionais sem haver a troca de informação dentro da equipe, criando falsamente a impressão da existência de um trabalho interdisciplinar (SASSAKI et al, 2009), a experiência de inserção dos residentes multiprofissionais na atenção básica e o desenvolvimento de ações interdisciplinares educativas voltadas para promoção e prevenção em saúde se mostrou adequado com o que preconiza a política de atenção básica no Brasil no que concerne ao trabalho interdisciplinar como estratégia na promoção, prevenção e tratamento em saúde. A seguir pontuaremos um breve perfil das idosas e em seguida os ganhos que o grupo obteve após as intervenções interdisciplinares. A faixa etária que se destacou foi de anos (39%), e de anos (25%). A maior parte é casada com 40%. Caracterizam-se por possuírem uma baixa escolaridade sendo 40% analfabeto funcional, e 23% analfabeto, e 22% possuem o ensino primário completo. Quanto à renda 62,5% é aposentada; 7,5% pensionista; 25% não possuía renda e 5% diz

13 trabalhar. A maioria das idosas 52,5% diz não depender financeiramente de nenhum familiar. 40% dependem dos filhos para sua manutenção de vida. Quando se pergunta como é o relacionamento com filhos e netos 87,5% dizem ter um bom relacionamento. Quanto aos remédios 52,5% afirmaram buscar na unidade de saúde, e 27,5% busca parte na unidade e parte compra em drogarias, elas justificam esse fato devido nem sempre encontrarem os remédios na unidade ou não ser fornecido pela rede do SUS. E uma pequena parcela, 7,5% afirma não tomar remédios. Cinco são os fatores recomendados para que o idoso tenha saúde: independência, casa, ocupação, afeição e comunicação. Isso é confirmado na pesquisa, pois quando se questionava se sentiam velhas a maioria 47,5% afirmou que não, associando sempre o fato de ainda poderem fazer coisas em casa, como arrumar e limpar, vir à feira, poder caminhar sozinha, lavar louça etc. Cerca 17,5% associou se sentir velho por não poder trabalhar devido às limitações físicas. De fato, a pesquisa apontou que 88% das idosas manifestavam mais de uma doença crônica. Essas doenças são reflexos das precárias condições de vida confirmada por meio do perfil socioeconômico das idosas entrevistadas que demonstrou o baixo nível de renda devido à baixa escolaridade e a inserção no mercado informal, o que dificultou o acesso à alimentação saudável e ao saneamento básico. Quanto à avaliação feita sobre a melhora de saúde das idosas após usar os serviços oferecidos pela unidade 98% das idosas disseram ter sentido melhora em sua condição de saúde e na qualidade de vida, afirmando terem uma maior disposição, diminuição das dores articulares, e um convívio social muito agradável. No quadro a baixo é possível visualizar os ganhos que o grupo de idosas obteve após as intervenções interdisciplinares.

14 Antes das intervenções Depois das intervenções interdisciplinares. 88% possuíam algum tipo de agravo 98% obtiveram melhora no aspecto geral de saúde 43% possuíam hipertensão e diabetes 46% obtiveram controle da glicemia e pressão arterial 30% possuíam sobre peso 50% obtiveram redução do peso da massa corporal 90% possuíam pouca flexibilidade equilíbrio, coordenação e força. Pouco conhecimento sobre rede sócio assistencial voltado ao idoso em Manaus Quadro comparativo do antes e depois das intervenções interdisciplinares. Fonte: Residência Multiprofissional em Saúde, % obtiveram maior flexibilidade, equilíbrio, coordenação e força, além da diminuição da fadiga. Maior conhecimento e acesso a rede sócio assistencial voltada aos idosos em Manaus. DISCUSSÃO De acordo com Veras (2003), envelhecer com alguma debilidade é quase uma regra, uma vez que a maioria das doenças crônicas que acometem os idosos tem na própria idade seu principal fator de risco. Schraiber e Mendes (2000) apontam que os principais fatores de risco envolvidos no aparecimento de doenças crônicas estão relacionados ao estilo de vida das populações urbanas. A pesquisa verificou que cerca de 88% das participantes possuíam algum tipo de agravo com destaque para a hipertensão arterial com 43%. O acompanhamento e orientação da enfermeira e da farmacêutica associados à atividade física e ao processo de educação em saúde que envolvia todos os profissionais, resultou na redução do peso da massa corporal em mais de 50% das participantes, assim como a redução e controle da glicemia e pressão arterial em 46%. Melhoras nas capacidades físicas básicas mais de 80% passaram a ter maior flexibilidade, equilíbrio, coordenação e força, além da diminuição da fadiga. Associado a melhora com cuidado em saúde foi viabilizado o conhecimento e o acesso à rede sócioassistencial voltado para o idoso em Manaus. As falas das idosas demonstram a importância de um espaço como este: Ajuda e como ajuda. Eu me sinto bem, os exercícios me fizeram melhorar de saúde (79 anos). Ter as nossas amigas me ajudou muito a melhorar. Ter aquela convivência, ter aquela brincadeira. A gente se sente nova de novo, como uma criança (68 anos).

15 Melhorou minha saúde, aqui a gente vem, faz ginástica, ai a gente melhora muito, quando eu estou fazendo eu não sinto nada, se eu parar uma semana, ai ataca os ossos, quando eu venho para cá passa (69 anos). Acredita-se que o espaço para integração social e atividade física ou de lazer, possua enorme influência sobre a qualidade de vida, pois contribuem para o atendimento das necessidades primárias do ser humano como afeto, sentir parte de uma sociedade, segurança de não estar só, assim como o apoio prático, o que para uma pessoa idosa é de suma importância (DOLL, 1999). Esta experiência permitiu compreender o processo de envelhecimento em sua totalidade e complexidade. Geralmente quando se fala de envelhecimento populacional recorre-se a dados e estatísticas. Tratá-los como mera estatística é homogeneizá-los, uma vez que não se leva em conta as diferentes dimensões envolvidas nesse processo, que são: diferenças de classe, gênero, cor, educação, renda, e outros. É necessário entender essas dimensões do processo de envelhecimento para saber quais são suas reais demandas e necessidades na busca de um envelhecimento digno e saudável. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em termos de saúde o Brasil parece ter formulado uma política democrática e cidadã no que diz respeito ao público idoso. Entretanto, existe um fosso entre legislação e realidade, como foi possível observar a partir da análise dos dados coletados. A formação interdisciplinar proposta pela Residência Multiprofissional mostrou-se de suma importância para a atuação profissional dos residentes. Pois, através desta competência os profissionais estarão interligados para que o objetivo principal das práticas de saúde seja alcançado, ou seja, a saúde integral do indivíduo. Além disso, esta experiência trouxe aos residentes a possibilidade da troca entre os saberes através de atividades planejadas e

16 executadas em equipe, promovendo a interdisciplinaridade, a integralidade e humanização na assistência à saúde do idoso proporcionando a melhora nas condições de vida e saúde. Em suma, através dessa experiência demonstrou-se que os benefícios e a qualidade nos serviços na atenção básica voltadas aos idosos podem ser efetivados por meio de iniciativas como as descritas, concretizando assim a política de atenção básica e a de saúde do idoso, propondo mudanças nos modelos assistencialistas e reconstruindo as relações de poder dentro da equipe de saúde onde todos sejam atores responsáveis pelo desenvolvimento na construção de uma assistência interdisciplinar voltada para a prevenção e educação em saúde da população idosa. REFERÊNCIAS BRASIL. Portaria n , de outubro de Dispõe sobre a Política de Atenção Básica. Brasília: Diário Oficial da União, Poder Executivo; BRASIL. Portaria Interministerial n , de 12 de novembro de Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde e institui o Programa Nacional de Bolsas para Residências Multiprofissionais e em Área Profissional da Saúde e a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Brasília: Diário Oficial da União, Poder Executivo; BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde; CLOSS, Thaísa Teixeira. O Serviço Social nas Residências Multiprofissionais em Saúde na Atenção Básica: formação para integralidade? Porto Alegre, setembro Dissertação (para obtenção do titulo de mestre em Serviço Social). Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul. DOLL J. Satisfação de vida de homens e mulheres no Brasil e na Alemanha. Cadernos Pagu 1999; 13: MINAYO, Cecilia. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5ª ed. São Paulo: Hucitec; SASSAKY, Yoshiko. et al. Política de saúde na atenção básica voltada ao idoso em Manaus. In: Anais da IV Jornada Internacional de Políticas Públicas. Universidade Federal do Maranhão. São Luís: p.1-10.

17 SCHRAIBER, Lilia Blima; MENDES-GONÇALVES, Ricardo Bruno. Necessidade de Saúde e Atenção Primaria. In Saúde do Adulto: Programas e Ação na Unidade Básica. 2º ed. São Paulo, Editora Hucitec, VARGAS, Tatiane Moreira. BELLINI, Maria Isabel Barros. O Serviço Social no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde. V Mostra de Pesquisa de Pós-graduação. Pontifica Universidade Católica do Rio Grande de Sul - PUCRS, Rio Grande do Sul, VERAS, Renato. A longevidade da população: Desafios e conquistas. In: Revista Serviço social e sociedade, velhice e envelhecimento. Ano 24, n. 75. Cortez; A longevidade da população: Desafios e conquistas. In: Revista Serviço Social e Sociedade, Velhice e Envelhecimento. Ano XXIV N 75, Editora: Cortez, VICINI, Giulio. Saúde integral para a velhice uma visão holística e sua manifestação em grupos de idosos. Revista Kairós, São Paulo, 5 (2), dezembro P SAUPE, Rosita et al. Competência dos profissionais da saúde para o trabalho interdisciplinar. Interface, v. 9, n.18, p , set./dez, 2005.

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE: O PAPEL DO ENFERMEIRO 1

IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE: O PAPEL DO ENFERMEIRO 1 IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE NA ATENÇÃO EM SAÚDE: O PAPEL DO ENFERMEIRO 1 BRUM, Jane Lilian Ribeiro 2 ; GABATZ, Ruth Irmgard Bärtschi 3 ; ALMEIDA, Anelise Schell 4 RESUMO Trata-se de um relato de experiência

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA 1363 PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA Laís Ramos Queiroz¹; Erenilde Marques de Cerqueira² 1. Bolsista PROBIC, Graduanda em

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE Profª Drª: Jussara Maria Rosa Mendes Professora do Curso de Serviço

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH DIRETRIZES PEDAGÓGICAS DO PROGRAMA ESTÃO BASEADAS NAS AÇÕES QUE COMPORTAM ATIVIDADES Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade:

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS

OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS Ana Paula de S. Oliveira - Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Sociedade e Cultura na Amazônia Universidade Federal do Amazonas. E-mail:

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF): VISÃO DOS PROFISSIONAIS

TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF): VISÃO DOS PROFISSIONAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF):

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Alves Oliveira, Naiana; Ferreira Gomes, Sabrina Reseña de "A equipe multiprofissional

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios Alcindo Antônio Ferla Adelina Giacomelli Prochnow Ana Cristina

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4:

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS POR QUE UM MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003.

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003. Missão Desenvolver ações de promoção, proteção e reabilitação da saúde em nível ambulatorial, com equipe multiprofissional e interdisciplinar, propondo e implementando políticas de saúde articuladas em

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL DAS

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Ana Rita Marinho Machado. UFG/ Campus Goiânia. anaritamachado.doutorado@yahoo.com.br Denize Bouttelet MUNARI.

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Eveline de Oliveira Barros (UFPB). evinhabarros@gmail.com Fabiana Medeiros de Brito (UFPB). fabianabrito_@hotmail.com

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMEDUC SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SMS PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMEDUC SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SMS PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Caxias-MA 2015 EDITAL DE DIVULGAÇÃO III MOSTRA CIENTIFICA DO PROGRAMA SAUDE NA ESCOLA- PSE CAXIAS - MA Fortalecer e integrar redes para a promoção da saúde e educação 1-APRESENTAÇÃO O Programa Saúde na

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores

Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, a mediação pedagógica na educação a distância no acompanhamento virtual dos tutores Caracterização do problema: No ano de 2006, o Ministério da Saúde e as Secretarias

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento Mostra de Projetos 2011 Terceira Idade e Movimento Mostra Local de: Campina Grande do Sul Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais