Comércio Internacional Importação, Exportação, Mercados Internacionais, Competitividade Internacional. Apresentação com Pôster

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comércio Internacional Importação, Exportação, Mercados Internacionais, Competitividade Internacional. Apresentação com Pôster"

Transcrição

1 A produção de soja no Paraná: um estudo sobre os principais fatores políticos e governamentais que influenciaram o crescente aumento da exportação da soja Márcia Gonçalves Pizaia Universidade Metropolitana de Ensino Paranaense Sc. Ltda. Rodovia Celso Garcia Cid, s/n - KM 376, CEP: , Londrina, PR - Brasil CPF: (43) Rosangela Rodrigues de Jesus Universidade Metropolitana de Ensino Paranaense Sc. Ltda. Rodovia Celso Garcia Cid, s/n - KM 376, CEP: , Londrina, PR - Brasil CPF: (43) Adriane Bayerl Neves Universidade Metropolitana de Ensino Paranaense Sc. Ltda Rodovia Celso Garcia Cid, s/n - KM 376, CEP: , Londrina, PR Brasil CPF: (43) Comércio Internacional Importação, Exportação, Mercados Internacionais, Competitividade Internacional. Apresentação com Pôster 1

2 A produção de soja no Paraná: um estudo sobre os principais fatores políticos e governamentais que influenciaram o crescente aumento da exportação da soja Resumo O presente trabalho pretende identificar os principais fatores políticos e governamentais que influenciaram o crescente aumento da exportação da soja no estado do Paraná. Será analisado o comportamento da produção. Trata-se de estudo relevante, devido aos freqüentes questionamentos existentes acerca dos fatores políticos e governamentais determinantes dos atuais níveis de comercialização da soja paranaense no mercado externo. A partir dos resultados deste trabalho pode-se inferir que a estabilidade macroeconômica duradoura no país e a persistência de políticas de incentivos às exportações, além da manutenção das políticas dirigidas ao setor agro industrial com vistas a sustentação da cadeia produtiva, devem facilitar a consecução de estratégias que visem superar as crises e os choques externos. Porém, as autoridades governantes brasileiras deverão priorizar as reformas estruturais no que tange aos custos da logística que interage nos vários setores econômicos e os custos tributários incidentes na produção que se destina à exportação - custo Brasil, uma vez que atualmente as exportações paranaenses e brasileiras são muito oneradas e consequentemente perdem vantagens comparativas, diante dos competidores internacionais. PALAVRAS-CHAVE: comércio exterior, marketing internacional, barreiras à exportação 2

3 A produção de soja no Paraná: um estudo sobre os principais fatores políticos e governamentais que influenciaram o crescente aumento da exportação da soja 1 INTRODUÇÃO A soja começou a ser cultivada no Rio Grande do Sul, como uma opção de rotação com o trigo, e o cultivo da soja se expandiu para o norte, atingindo o estado de Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Na década de 80, a soja continuava a predominar nos estados, mas teve um ganho bem expressivo no cerrado. No mesmo ano, os quatros estados responderam por cerca de 58% da área total cultivada com a soja (FAEP, 2003). A produção de soja no Brasil, bem como seus derivados semi-industrializados e industrializados, sofrem forte concorrência mundial, com tendência a se acirrar no próximo decênio. As políticas dos países desenvolvidos que procuram restringir o acesso aos seus mercados domésticos, agravados pelos subsídios às exportações; a estabilização do consumo de proteínas de origem animal nos países de alta renda per capita, o surgimento de produtos substitutos dos óleos vegetais e proteínas para ração animal e o aumento de produção dos países competidores, são alguns dos fatores que pressionam a posição brasileira no mercado mundial de soja e seus derivados. Para Gasques e Villa Verde (1998, p. 170), os fatores de aumento da concorrência são as políticas protecionistas e de incentivo às exportações dos EUA e União Européia (EU), entrada dos novos países no comércio mundial e o crescimento da participação dos produtos substitutos, como óleo de palma e canola que, juntamente com a desregulamentação havida em algumas cadeias, alteraram o quadro concorrencial vigente até a década passada, contribuindo para a perda da competitividade do complexo soja. De outra parte, há necessidade de reestruturação do sistema industrial interno para fazer frente à globalização também afeta a cadeia agro-industrial da soja. Essa combinação de competitividade externa, aliada à situação interna, exige crescente busca de vantagens comparativas por parte dos setores e empresas participantes da cadeia da soja, e de políticas públicas que garantam suporte e incentivo para sua capacitação competitiva. Estudando a destinação da soja, Barbosa et al. (2000) constataram que a maior parcela da produção brasileira de soja é destinada ao esmagamento (66,8% em 1998/99) e que a composição do valor das exportações brasileiras do complexo soja vem sendo modificada durante os últimos anos, pois, em 1994, a soja em grão respondeu por 31,9%, passando para 42,8% em No mesmo período o farelo e o óleo (bruto e refinado) tiveram suas participações reduzidas. PENSA (1998, p. 253). Os avanços produtivos podem ser avaliados pelos seguintes indicadores: o complexo agroindustrial e o sistema agroindustrial. O complexo agroindústrial da soja responde por cerca de 16% de todo o sistema agroindústria! do país e gera empregos diretos para aproximadamente 1 milhão de trabalhadores, conseqüências que levam o aumento de divisas internacionais (CACHIA, 2003). Os Estados que mais produzem atualmente são o Paraná, o Mato Grosso e o Rio Grande do Sul. A tendência de produção de soja no Brasil é a de se concentrar no Centro-Oeste, com produções significativas no Nordeste e Norte. A produção da Região Sul tende a manter ou mesmo diminuir a área, embora a produção possa aumentar com o aumento do rendimento. De acordo com a Tabela 1, observamos que durante a primeira metade de 2003, o Brasil exportou nada menos que 17,4 mi.t. de produtos do complexo soja, volume 82% superior ao mesmo período jan/jun de 2002 e 61% do total exportado em todo o ano de Os 3

4 dois principais estados produtores, o MT e o PR, responsáveis por aproximadamente metade da safra brasileira de soja embarcaram 23% e 34% do total de complexo soja exportado pelo Brasil. As exportações de soja nestes primeiros 6 meses do ano já são 104% superiores ao ano passado. Os embarques de farelo são 50% superiores enquanto de óleo de soja são 116% maiores. Tabela 1 Soja Brasil- Exportações por Estado Jan/Jun 2003 Jan/jun 2002 Jan/dez 2002 Jan/dez 2001 SOJA , , , ,7 PR 3.259,2 873, , ,3 MT 2.525, , , ,2 RS 1.515,6 404, , ,2 SP 281,6 314,0 804,6 961,8 GO 1.130,1 260,2 916,1 794,3 MS 98,8 35,0 133,5 452,8 MA 195,4 158,7 467,6 414,5 MG 464,4 58,2 673,2 418,9 BA 47,6 0,0 40,5 77,4 SC 24,0 0,0 2,3 31,8 Outros 877,9 716, , ,5 FARELO 5.894, , , ,2 PR 2.071, , , ,9 RS 633,6 459, , MT 1.235,1 822, , ,4 MS 260,4 223,3 578,4 572,0 GO 335,5 283,3 773,1 776,4 SC ,0 7,5 68,1 SP 514,7 469, ,1 800,5 MG 119,0 128,6 285,2 418,7 BA 317,5 198,4 557,1 590,7 Outros 302,3 264,5 653,8 687,7 ÓLEO 1.060,7 491, , ,7 PR 509,2 220,2 848,6 775,7 RS 166,6 126,4 513,2 486,6 SC 78, ,8 99,8 MT 158,3 69,5 272,7 135,1 MS 38,0 1,5 15,4 4,5 GO 0,0 0,0 14,0 2,0 Outros 110,2 28,8 169,0 148,0 TOTAL , , , ,6 Fonte: SECEX, 2003 (em 1000t.) Segundo informativo da FAEP/SANAR (2003) a supremacia brasileira no mercado internacional do complexo de soja é incontestável. Hoje o Brasil é o principal exportador do setor, assumindo a liderança no mercado mundial, superando até mesmo os Estados Unidos, conforme é observado na Tabela 2 - Exportações Mundiais Complexo Soja (2001/2003) (Milhões de toneladas) Mundo 104,62 110,77 122,22 EUA 34,73 36,86 33,88 Brasil 27,68 28,76 37,04 Argentina 24,23 25,8 32,42 Fonte: USDA ( *) - Projeção USDA maio/2003 4

5 Quanto ao sistema de produção, a soja não possui diferenças significativas no seu sistema de cultivo em todo o território nacional, pois, praticamente em todo o Brasil, utiliza-se o sistema convencional de semeadura e o sistema direto (ABIOVE, 2004). Tabela 3 Soja Quadro Mundial ITENS 1998/ / / / /03* 2003/04** Estoque inicial Produção Importação Esmagamento Consumo total Exportação Estoque final Estoque/consumo Fonte: USDA agosto de 2003 * estimativa; ** previsão É possível observar na Figura 1 que, o Brasil é um país de destaque no que se refere a exportação da soja, mundialmente falando, pois o Brasil obteve o patamar de 30 milhões de toneladas exportadas no ano de Figura 1 - Exportações mundiais do complexo soja (Participação do Brasil) Fonte: FAEP/SENAR Boletim Informativo nº 771, Nota-se na Figura 2, que ocorreu um grande aumento da exportação de soja tanto por parte do Brasil (30 milhões/ton) e da Argentina (28 milhões/toneladas) em comparação com os EUA (25 milhões/toneladas) no ano de 2003, isso ocorreu por causa da instabilidade do clima nos EUA no ano de 2003 (muita seca) (PIFFER, 1999) Milhões de toneladas Mundo EUA Brasil Argentina Figura 2 - Exportações Mundiais (Complexo Soja (*) Fonte: FAEP/SENAR Boletim Informativo nº 771,

6 De acordo com a figura 3, observamos:o cultivo de soja no Brasil ganhou impulso a partir da década de 70 nas regiões sul/sudeste, além do Mato grosso do Sul e Goiás. A partir dos anos 80, o cultivo da soja expandiu-se para o Mato Grosso, Rondônia, Pará, Maranhão, Tocantins e Piauí. Nos últimos 15 anos, houve expressivo crescimento da área cultivada com soja na Região Centro-Oeste do Brasil Em milhõpes de hectares /88 89/90 91/92 93/94 95/96 97/98 99/00 00/01 Sudeste Sul Centro Oeste Figura 3 Principais regiões produtoras de soja no Brasil, últimos 15 anos-safra. Fonte: CONAB, Produtividade Média da Soja nos Estados Produtores Brasileiros Com base na produtividade média obtida pelos estados brasileiros no qüinqüênio de 1994/98, conclui-se que a maior produtividade de soja foi obtida em Mato Grosso, seguindo-se o Paraná, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Goiás e São Paulo, todos esses Estados com mais de kg/ha. Somente os Estados de Tocantins e do Rio Grande do Sul apresentaram rendimentos inferiores a kg/ha, com base em dados do IBGE e IBGE/GCEA de dezembro-1995 a A produção de soja nos principais estados brasileiros no período de 1997 a 1998, teve maior destaque no Estado do Paraná, em relação aos outros estados (ABMR, 2004). Analisando-se as tabelas 4 e 5, é possível verificar que houve um aumento significativo em relação a área de soja plantada no país de 1990 até 2004, onde em 1990 a área era de 9.742,5 mil/hec e agora em 2004 o valor real é de ,7 mil/hec. Sua produtividade em relação a kg/ha em 1990/91 era de e o maior pico ocorreu em 2003, com valor de E a produção nacional em relação a mil/toneladas, ocorreu em 2002/03, com valor total de ,5. Tabela 4 Relação das Safras no Brasil no Período de 1990 a 1996 PRODUTO/SOJA 1990/ / / / / / /97 Área Plantada mil/hec 9.742, , , , , , ,3 Produtividade em Kg/ha Produção//mil ton , , , , , , ,0 Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, Companhia Nacional de Abastecimento- CONAB/

7 Tabela 5 Relação das Safras no Brasil no Período de 1997 a 2004 PRODUTO/SOJA 1997/ / / / / / /04 Área Plantada mil/hec , , , , , , ,7 Produtividade em Kg/ha Produção//mil ton , , , , , , ,6 Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, Companhia Nacional de Abastecimento- CONAB/2004. Tabela 6 Soja-Brasil Exportações do Complexo SOJA EM FARELO DE ÓLEO DE TOTAL ANOS GRÃO SOJA SOJA em Toneladas US$ US$/t. Toneladas US$ US$/t. Toneladas US$ US$/t. US$ , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Fonte: CACEX HISTÓRICO DA PRODUÇÃO DE SOJA NO ESTADO DO PARANÁ Os meios de desenvolvimento da soja no Paraná, se deu devido a necessidade de se criar uma alimentação mais apropriada aos suínos, pois os criadores de suínos na década de 50 já se utilizavam de uma melhoria genética na produção da carne, reduzindo assim, a quantidade de gordura. O produtor assim utilizou a soja, como matéria protéica na alimentação dos suínos. Conforme Bilibio (1995, p. 21), a produção de grãos começou a crescer na região Sudoeste e muitas pessoas, entre eles os criadores de porcos, puderam vender suas produções aos comerciantes que eles mesmos enviavam as indústrias de trituração que começaram a aparecer naquela região, com isso algumas indústrias se instalaram em Ponta Grossa, Maringá, Londrina, Paranavaí e Pato Branco cuidando da trituração dos grãos oleosos de algodão, de girassol, de rícino, entre outros. Essas indústrias apareceram depois de 1960, eram sustentadas pelo estado em termos de financiamento que visava para uma saída da crise cafeeira. O incentivo para o cultivo da soja baseou-se na necessidade de contar com uma cultura cuja produção pudesse ser colocada a bons preços no mercado mundial e que causasse menor malefício ao cafezal em formação (Kaster et al, 1981). A migração gaúcha para o Paraná, década de 60, fez com que houvesse um desenvolvimento da cultura da soja nas regiões Sudoeste e Oeste do Paraná, com o 7

8 propósito perfeitamente definido e dispondo de alto grau de mecanização agrícola, os colonizadores do oeste substituíram florestas por imensas lavouras de soja e trigo. No Norte Paranaense, se instalaram indústrias de trituração de plantas oleaginosas, que estavam voltadas para os esforços da introdução da soja em grão. Uma das empresas a se instalar em Londrina, foi a Anderson Clayton, que tinha interesse nos produtos oleaginosos e triturantes, como o araque e algodão, garantindo assim a compra dos grãos de soja, assim como a exploração do mesmo. O meio de produção da soja utilizada pelos produtores eram da simples foice até o arado puxado por animal. Poucos utilizavam produtos químicos ou biológicos, e a semente era produzida no local pelo próprio produtor. Conforme Bilibio (1995, p. 27), posteriormente a soja foi intensificando a utilização de insumos modernos, a prova disso é que nas microrregiões homogêneas do extremo oeste Paranaense e do sudoeste Paranaense, onde houve relação entre o cultivo de trigo com a soja, estas apresentaram grande concentração, principalmente na década de 70, como conseqüência do investimento em máquinas agrícolas para produção de trigo, ser adequada para a soja no mesmo ano agrícola, aumentando assim a produtividade. De acordo com Obuti (19992, p. 9), o desenvolvimento tecnológico, em relação aos aspectos econômicos da soja, sofreu grandes avanços na década de 70, em função do esforço exigido do setor de pesquisa, dada a importância que o produto passou a apresentar para a economia paranaense e brasileira. A criação do Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, e a conseqüente estruturação de uma equipe de pesquisadores, especialmente em soja, propiciou, a partir de 1974, um novo impulso nesta área, contanto no ano seguinte com o apoio da Organização das Cooperativas do Estado do Paraná OCEPAR. Fatores Conjunturais da Expansão da Soja Á expansão da soja no Paraná se deu sob alguns fatores, os principais foram: a) preço - Sem dúvida este é o maior incentivo para o produtor que pensa em expandir sua área plantada ou substituir determinada cultura. b) mercado - As condições de mercado externo eram favoráveis a produção brasileira, uma vez que o período de entressafra dos Estados Unidos, maior produtor, coincide com o período de safra do Brasil. c) Necessidade de recuperar os cafezais. Este foi o motivo inicial para que a soja fosse plantada no estado do Paraná, d) Surgimento de empresas exportadoras de cereais que com o intuito de estimular a produção de soja, fornecia as sementes, financiava a cultura e realizava contratos de compra da produção. e) Construção de rodovias - em especial a que liga Curitiba a Foz do Iguaçu, pois passou a atrair um fluxo de empresários agrícolas e industriais para aquela região. Durante a década de 60 foi crescente a necessidade de geração de divisas, isso fez com que o governo estimula-se as exportações, nesse contexto a soja se beneficiou sob dois fatores: a) garantia de preços mínimos compensadores ao produtor - que, fixados num limite mínimo, abaixo do qual o produto não poderia ser comercializado, possibilitavam uma margem de lucro ao produtor; b) Financiamento à lavoura pelo Banco do Brasil -que, com juros baixos, no caso das máquinas, ou abaixo da taxa de inflação, no caso dos insumos modernos (adubos, fertilizantes), permitiu às pequenas e médias propriedades a adoção de modernas técnicas de produção. Paralelamente a expansão da soja marcava a transição de uma cultura rudimentar, para outra com um caráter moderno e tecnificado. Outro fato marcante da expansão da soja no início da década de 1970, teve como um dos fatores impulsionadores, a industrialização (agroindustrialização), não só a de óleos vegetais, mas também farelo de soja, que passam a ter no mercado internacional ( 8

9 principalmente europeu) uma demanda em pleno crescimento. Neste período, as indústrias multinacionais que tinham sido instaladas no estado, já tinham condições de observar boa quantidade de matéria prima sendo estes um dos fatores de sustentação do rápido desenvolvimento da soja na década de 1970 (Muller, 1989). Pode-se afirmar que, através do estudo evolutivo da sojicultura, visualiza-se a concretização do processo de modernização da agricultura brasileira, uma vez que ele põe em evidência toda uma série de transformações técnicas, econômicas, sociais e espaciais expressas através de: a) Implantação de modernos equipamentos de infra-estrutura nas áreas produtoras; b) Alterações na base técnica da produção (utilização de máquinas e insumos industriais); c) Processo de concentração fundiária; d) Mudanças nas relações de trabalho (tendência à incorporação crescente do trabalho assalariado); e) Articulação dos produtores rurais com as cooperativas e as agroindústrias, com sistema bancário, com organismos de assistência técnica especializadas, com representantes de industrias de máquinas, implementos, fertilizantes, denfensivos, etc. Na verdade a soja constituiu-se num dos produtos agrícolas que melhor atendeu aos interesses do poder público e das grandes empresas voltadas direta ou indiretamente a agropecuária (BORGES, 2003). A atuação de grandes conglomerados envolvidos no processamento da soja a nível mundial (Cargill, Bung Y Born, continental Orai Co., Sanbra, etc) e a emergência de fortes grupos nacionais (Sadia, Cevai, Olvebra, etc) e a necessidade de ampliar o volume das exportações, para fazer frente ao modelo econômico adotado no país, levaram o Estado a importar e introduzir, em algumas regiões, um verdadeiro pacote tecnológico da soja (BERTRAND, 1989). Fleischfresser (1984, p. 65), ressalta que a maior incorporação tecnológica pela agricultura deu-se nas regiões norte e oeste/sudoeste em relação ao Paraná antigo (Região Sul), salientando que as duas primeiras áreas apresentavam condições favoráveis à ocorrência do processo de modernização, ao final da década de 60. A região Norte apresentava um razoável nível de desenvolvimento das forças produtivas, porque, além de contar com significativo número de produtores capitalistas (cujo processo de acumulação se deu com o ciclo do café), houve a criação de uma infra-estrutura produtiva, no que diz respeito aos meios de transporte; capacidade de armazenamento; instalação de bancos; certa organização política entre produtores; um setor de serviços ligado ao mercado externo (desenvolvido com a exportação do café); e o início de um movimento cooperativista. No Oeste e Sudoeste, mesmo sem ter se formado uma camada de produtores capitalistas encontram-se produtores mercantis, que, apesar de não possuírem grandes recursos para investimento, possuem certa capacidade de endividamento - o que lhes garante a adoção da moderna tecnologia, via acesso ao crédito (FLEISCHFRESSER, 1984, p. 66). Conforme a autora acima, outro aspecto favorável a essas duas regiões (Norte e Oeste/Sudoeste) quanto à responsabilidade de adoção da tecnologia industrial, são características de meio ambiente físico, pois em ambas o grau de fertilidade natural dos solos é elevada e o relevo não apresenta restrições ao desenvolvimento da mecanização (FLEISCHFRESSER, 1984, p. 66). Quanto aos níveis de concentração da produção de soja que se encontravam nas mãos dos médios e grandes proprietários produtores de soja durante a década de 1970, estabilizaram- 9

10 se durante a década de 1980, esta concentração da produção nas mãos dos médios e grandes proprietários produtores ocorre em virtude das próprias características do cultivo da soja, que emprega uma alta tecnologia e que torna esta cultura impraticável aos pequenos produtores rurais que não possuam o capital suficiente para adquiri-la, este processo fica ainda mais acentuado depois que os grandes créditos existentes durante a década de 70 deixam de existir, créditos estes que possibilitaram a expansão da cultura de soja no Paraná, tanto em termos extensivos quanto intensivos (PROCÓPIO FILHO, 1985). Estes são os fatores conjunturais, encontrados na literatura estudada que explicam a expansão da soja, e essa cultura, pela sua própria expansão, tornou-se uma das principais culturas geradoras de divisas para o Brasil. A EXPORTAÇÃO DE SOJA NO PARANÁ A economia paranaense se caracteriza como uma economia agro industrial por ter forte setor produtivo agropecuário gerador de excedente exportável. O setor agropecuário paranaense, na década de 80, passou por profundas transformações pela implantação e modernização do seu complexo agroindustrial. Os reflexos foram sentidos no início da década de 90 pelo aumento significativo das exportações agro industriais. A partir da segunda metade dos anos 90 a economia paranaense passou por nova reestruturação industrial com a implantação do parque industrial automotivo na região metropolitana de Curitiba (RMC). Atualmente, a produção paranaenses do complexo agro industrial representa aproximadamente 23% da produção nacional de grãos, sendo que os produtos soja e milho, respondem por 16,7% desta produção. Como o Paraná não é tradicionalmente exportador de milho, este produto e 30% da soja são estrategicamente utilizados principalmente como insumos por outros complexos agro industriais, como o de carnes (CONAB, 2000). Carnes 10% Café 6% Açúcar 5% Couros e peles 3% Madeira 19% Soja 57% Figura 5 Principais complexos agroindustriais paranaenses para Exportação Fonte: OCEPAR/2004 Nesse contexto, o setor agropecuário tradicionalmente desempenhou o importante papel de gerador de divisas para a economia paranaense. A retomada do crescimento das exportações paranaenses ocorreu somente depois da transformação e adequação do parque agroprocessador à luz da abertura comercial brasileira no início da década de 90.. PONTOS FORTES E FRACOS DENTRO DA CULTURA EXPORTADORA DE SOJA Segundo a OCEPAR (2004), o prejuízo gerado pelo Porto de Paranaguá em conseqüência da decisão do governo paranaense de proibir o embarque de soja transgênica chega a R$ 1,44 bilhão. A estimativa da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) foi 10

11 divulgada na última segunda-feira pelo Senador Osmar Dias (PDT-PR), durante o Seminário Pespectivas da Agricultura, que reuniu mais de mil produtores rurais em Toledo (PR). O senador é autor do substitutivo ao prjeto de Lei de Biossegurança, que deverá ser apreciado no Senado e, posteriormente, na Câmara Federal. (Ocepar, 2004) O alto custo rodoviário para o transporte da carga de soja, dificulta a sua venda, aumentando assim o custo para os produtores. No ano de 2003 ocorreu um congestionamento de caminhões no Porto de Paranaguá, as filas chegaram a 70 Km em dias de pico. Segundo Orsival Francisco, diretor empresarial administrativo dos portos de Paranaguá e Antonina, seria necessário aumentar em 30% a capacitação diária do porto, que hoje recebe 60 mil toneladas por dia. (CAVALCANTI, 2003). De acordo com Landim e Rocha (2003, p.b8), para o Professor Fernando Homem de melo, da Universidade de São Paulo, a área de soja deve crescer, mas a euforia vista nos últimos anos não deve se repetir, já que o cenário mudou. Na safra passada, os preços internacionais estavam em alta e o câmbio desvalorizado. O aumento da produtividade de soja nos últimos anos no Estado do Paraná se deve a investimentos realizados por produtores que estão optando pelo plantio direto para aumentar o rendimento e pela Secretaria de Agricultura e do abastecimento no programa de conservação e manejo do solo. Conforme Oliveira (2001, p.1), a Ocepar considera um bom negócio para o produtor a venda futura porque ele pode complementar o custeio, fugindo dos juros e dos encargos financeiros. Entre 70% e 80% do volume de soja vendida antecipadamente se destina ao mercado externo, fator favorável também à balança comercial brasileira. Em 1996, depois da publicação da lei Kandir, que desonerou as exportações de soja da cobrança de ICMS, houve aumento significativo da área. Segundo o engenheiro agrônomo do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, Otmar Hubner, contribuíram para o crescimento do plantio da soja a cotação do dólar norte-americano e o aumento da área de milho safrinha, em substituição à safra normal. O crescimento, tanto da produção estadual como da nacional de soja, poderia ter sido maior, alerta o engenheiro agrônomo, se não fosse o protecionismo que o governo americano dá aos produtores locais, subsidiando significativamente a sua agricultura. O governo do Mato Grosso criou um programa de incentivos que prevê a devolução de parte do ICMS pago na venda dos grãos. Conforme Tomazela (2003, p. G6), o cálculo leva em conta apenas o incremento na produção, ou seja, aquilo que o produtor plantou a mais em relação à última safra. O interessado deve seguir as recomendações técnicas para a cultura atestadas por um agrônomo. Quem não possui terras deve se inscrever na Bolsa de Parcerias e Arrendamento para ter direito ao benefício. Isso é necessário para que possamos ter o controle das áreas novas ou do aumento na área já cultivada, explica Lázaro. O produtor de soja recebe 50% de retorno para o grão comercializado dentro do Estado e 75% para o produto vendido fora do Estado, incluindo a exportação. Segundo o secretário da Produção e do Turismo do Estado, José Antônio Felício, além de estimular os produtores locais, o programa quer atingir os agricultores paranaenses, catarinenses e gaúchos. Quando esses produtores migraram para o Centro-oeste e Norte do País para desbravar novas fronteiras agrícolas, em décadas passadas, eles pularam Mato Grosso do Sul. Isso aconteceu, talvez, porque aqui era uma região já ocupada pelo gado, diz. O governo sul-mato-grossense quer, agora, recuperar o tempo perdido. Em maio 11

12 deste ano, apresentamos nosso programa de cinco grades cooperativas paranaenses, Hoje, quatro delas já estão aqui. Além dos incentivos fiscais e do valor mais baixo das terras, o Estado oferece como vantagem adicional a melhor infra-estrutura, comparada à do Centro- Oeste. Estamos mais próximos dos dois principais portos do Brasil, o de Santos e o de Paranaguá, e nossas estradas são melhores. De acordo com Sotero (2003, p. b4), A espetacular expansão da produção da soja no Brasil nos últimos anos não resultou de subsídios oficiais, mas foi beneficiada pela desvalorização da moeda e da isenção do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para as exportações. Esta é a principal conclusão de um estudo que o Departamento de Agricultura (USDA) preparou a pedido do presidente da comissão de Finanças do senado, Charles Grassley. Conforme Casado (1999, p. 20), o crescimento da produção é reflexo dos altos preços do grão, obtidos até a safra passada, da desoneração da cobrança de ICMS, da constante liquidez das commodities, entre outros fatores. Também a crise da triticultura favoreceu de modo indireto o crescimento do plantio de soja no Paraná. O sucesso da implantação do grão de soja no país depende cada vez mais da solução dos problemas causados pela redução do investimento público em infra estrutura e portuária e pela definição de uma nova forma de financiar o esforço para reduzir os custos depois do produto ser retirado da lavoura e comercializado. (FAEP, 2003). A necessidade do crédito agrícola para um aumento de produção, mostra claramente que o abastecimento mundial de alimentos depende exclusivamente de um nível de renda adequado, da manutenção das instituições de pesquisa agrícola a nível mundial e da transferência das tecnologias para o produtor rural. Os planos de crédito surgem para minimizar esses entraves, pois através destes os produtores podem encontrar suprimento de recursos para atendimento das despesas normais do ciclo produtivo das suas lavouras de soja; os beneficiários podem obter os recursos diretamente ou por meio de suas cooperativas. Os créditos oferecidos vão desde os mini e pequenos produtores com um financiamento de até 70 % da receita prevista para a lavoura a ser financiada, limitado ao orçamento; e os demais produtores podem financiar até 70 % da receita prevista para a lavoura a ser financiada, limitado ao máximo de 80 % do orçamento. O prazo de pagamento vai depender da possibilidade de ter uma safra com vencimentos na época da obtenção das receitas. Também foi fundamental a política de credito para comercialização implementada pelo Governo, principalmente na década de 80, que permitiu às empresas e aos agricultores arcarem com o custo de transição e adaptação a uma nova região produtora. O avanço tecnológico viabilizou o cultivo da lavoura, assim como os investimentos em infra-estrutura e em transportes, os quais foram muito expressivos na década de 90, no entanto ao longo dos anos, continuaram com altos e baixos, conforme crescia a produção da soja no Brasil. Principais Barreiras na comercialização do produto no Mercado Nacional e Internacional Logística Uma das principais barreiras comerciais, é a logística usada, pois o uso constante de rodovias atrapalha em muito a comercialização da mesma. Conforme Mathias (2004, p. 2), a soja tem a logística como uma das principais travas para o setor deslanchar e expandir ainda mais sua participação no comércio internacional. O transporte rodoviário representa 60% do transporte do grão no território nacional. As rodovias no Brasil são muito distantes, dificultando assim o transporte da carga. 12

13 De acordo com Mathias (2004. p.2), a combinação integrada dos modais rodoviário, ferroviário e hidroviário é considerada uma resposta positiva para o fluxo dos novos corredores de transporte. O uso do sistema rodoviário onde a infra-estrutura é precária, reduz a competitividade da commodity. Sendo uma das principais travas para a expansão da cadeia de produção de soja. Mathias (2004), define que as dificuldades que existem para a evolução das modalidades de transporte elevam os preços dos fretes, afetam o potencial de concorrência e diminuem os ganhos dos agricultores. Existe também uma guerra entre portos no Brasil, na escoação de suja par ao exterior. Um desses portos são o de Santos e o de Paranaguá. O porto de Santos anunciou que pretende ultrapassar Porto de Paranaguá no escoamento da soja em grão e assumir, dentro de dois anos, a liderança nacional na exportação do produto, até 2001 ocupada pelo porto paranaense (ARAGÃO, 2002, p. 18) Conforme a APPA/2002, o Porto de Paranaguá tem feito de tudo para segurar e conquistar novos clientes no que se refere às instalações portuárias. Mas isso não basta se outros estados estão com uma rede de transportes melhor, mais vantajosa para os produtores do centro-oeste. Uma das barreiras também encontradas é o congestionamento de caminhões no porto de Paranaguá, quando a safra de soja chega ao seu ápice. Conforme Nicolau (2003, p.67), o congestionamento no porto de Paranaguá tem ocorrido constantemente durante a colheita desta safra. As filas chegaram a 70 quilômetros, em dias de pico. Em vez de chegar e descarregar, que seria o correto, os caminhoneiros ficam até quatro dias parados, esperando sua vez de deixar o carregamento. O governo do Paraná proibiu o cultivo e comercialização de soja transgênica no estado. O governo federal irá rastrear a produção de soja tanto no estado do Paraná, como em outros estados produtores. Conforme Casado (2003, p.4), o ministério da agricultura vai credenciar empresas nacionais e internacionais para fazer a rastreabilidade da soja, com o objetivo de evitar a exportação de soja transgênica. Será feita uma normatização dos procedimentos para o plantio, armazenagem, comercialização e exportação da soja, por parte do Ministério da Agricultura. Garantindo assim a origem da soja convencional para os mercados que querem comprar soja não transgênica, como China, Japão, e a União Européia. Conforme Casado (2003, p.4), o acompanhamento da soja será feito também durante a armazenagem e comercialização, através de teses de laboratório, que vão atestar a qualidade do produto. A estiagem no Paraná reduz o valor da safra de soja em 8,4%. No começo do ano de 2004, a estiagem atingiu quase 90% do território do Paraná. Conforme Rocher (2004, p.20), a falta de chuva atinge mais de 90% do território do estado. Nos últimos dois meses, só houve chuvas demoradas nas regiões de Guarapuava, Maringá, Curitiba e Litoral. Contabilizando prejuízo de R$ 855 milhões. As dificuldades enfrentadas não param por aí: excesso de chuva no centro-oeste do Brasil e seca no sul, e a ocorrência de ferrugem asiática em todo o país, conseguiram diminuir o valor das estimativas da produção/ colheita de soja no estado do Paraná. De acordo com Rocher (2004, p. 20), os produtores de soja vão arrecadar R$ 740,8 milhões a menos. Parte do milho safrinha nem será plantada. O Paraná não vai bater o recorde de produção de grãos do ano de

14 As exportações do complexo agroindustrial paranaense podem ser caracterizadas por três distintos subperíodos em que se alternam reduções e aumentos de crescimento do valor das exportações, como podem ser observados nos subperíodos de 1989/92 (redução), 1993/96 (aumento) e 1997/99 (redução). A evolução dos índices de vantagens comparativas reveladas (VCR) confirmou esta tendência geral. Os produtos de maior desempenho foram dos complexos soja e café (grãos, farelo, óleo e café solúvel). Os principais produtos com índices de evoluções crescentes foram: soja em grãos, açúcar bruto e refinado, madeira em chapas e suco de laranja. Também, se destacam os óleos de algodão e milho, que a partir de 1996 deixaram de apresentar vantagens comparativas. No primeiro subperíodo analisado (1989/92 a 1993/96) o crescimento do comércio mundial e a competitividade explicaram 1/3 e 2/3 respectivamente do crescimento das exportações. Nesse período, o comércio mundial estava em expansão e mostrou-se receptivo, enquanto internamente a situação era de incerteza por estar em processo de ajustes macroeconômicos (planos Collor e Real), mesmo assim, as condições permitiram o desenvolvimento de formas capazes de ofertar produtos agroindustriais com competitividade ao comércio internacional. O segundo subperíodo de 1993/96 a 1997/99, foi marcado pelas" adversidades internacionais. A retomada do crescimento mundial a partir de 1995, seguida de sucessivas crises financeiras de grandes proporções, que abalaram a credibilidade internacional frearam o processo de crescimento e direcionaram os fluxos dos capitais mundiais. Com isso, o comércio mundial se retraiu e o processo evolutivo das exportações paranaenses passou a ser sustentado pela composição da pauta, ou seja e pela competitividade do complexo agro industrial paranaense. A diversificação da pauta, ou seja, dos produtos como soja, milho, café, etc, e a competitividade foram as principais fontes de crescimento das exportações paranaenses e responsáveis pela superação das adversidades comerciais externas, resultando em efeitos positivos nas exportações para mercados alternativos além dos tradicionais europeus e norte-americanos. O estado do Paraná tem condições para ampliar suas exportações, tanto do, complexo agroindústrial, como dos setores industriais e de serviços. A considerar, as exportações totais paranaenses em relação ao seu Produto Interno Bruto (PIB) em média na década de 90 é de aproximadamente 8%, pode ser considerada baixa, comparada a relação média das brasileiras em torno de 9% e dos Tigres Asiáticos, como a Coréia do Sul de 32% em 1990 (KROGMAN, 2001, p.266). O comportamento das exportações paranaenses é constantemente influenciado por mudanças de políticas internas e alterações de âmbito mundial. Freqüentemente os efeitos dos choques externos são transferidos para as nações exportadoras, que se manifestam no valor das exportações, interferindo no tipo de produto a ser exportado. As exportações do complexo agro industrial paranaense no período compreendido entre 1989 a 2000, conforme Tabela 7, apresentaram inicialmente desaceleração do crescimento por dois anos consecutivos de 1990 a 1992, uma forte reação teve início em 1993 que se estendeu até A partir de então, um outro período de desaceleração que caracterizado por constantes retrações até o ano Os produtos do complexo soja cresceram de importância ao longo dos anos 90, de maneira que, no subperíodo 1989/92 os produtos, farelo de soja e grãos de soja representavam 45,5% das exportações do complexo agro industrial paranaense, passaram a representar 51,5% no subperíodo 97/00. Embora tenha crescido a participação do complexo soja, há de se destacar que houve inversão de participação entre o farelo de soja e soja em grãos. No 14

15 subperíodo 89/92 o farelo de soja representava 42%, passou a representar 26,7% no subperíodo 97/00. Enquanto a soja em grãos evoluiu de 13,5% para 24,8% nos mesmos subperíodos. Essa constatação alerta para o fato de que está crescendo a participação dos produtos básicos nas exportações do complexo agroindustrial em relação aos produtos elaborados por processos industriais. Tabela 7 - Valor das exportações do complexo agro industrial paranaense por agregado básico, semi-manufaturado e manufaturado em US$ mil -FOB de Anos Básicos Semi-manufaturados Manufaturados Total Fonte: SECEX/MIC e IPARDES /2001 Tabela 8 Representação em Exportações no Paraná Períodos 1989/ /2000 Farelo de soja 42% exportações 26,7% Grãos de soja 13,4% 24,8% Total = Farelo + Soja 45,5% 51,5% Fonte: OCEPAR/2000 De maneira geral, as exportações paranaenses do complexo agro industrial apresentam evolução diferenciada para os agregados de produtos básicos, semimanufaturados e manufaturados. Os produtos básicos têm se destacado por representar em média acima de 60% do valores das exportações paranaenses e que tem no complexo soja representados pelos produtos farelo e grãos de soja, com participação de aproximadamente 50% dos valores desse agregado, enquanto os produtos carne de frango e açúcar bruto são responsáveis por 10% de participação no valor exportado, além de apresentarem participação crescente. Em termos de produtividade, o Paraná chegou em torno de kg no período de 2000/02. A produtividade e o custo de produção das fazendas nacionais demonstram que a soja cultivada, principalmente no Paraná, consegue ter uma competitividade superior em relação à norte-americana. A grande maioria de soja exportada do Paraná passa pelo Porto de Paranaguá, com destino à diversos países como EU, China e Rotterdan/HOL, entre outros. No Paraná, os produtores de soja, mesmo utilizando o modo rodoviário para escoar grande parte da sua produção até o Porto de Paranaguá, conseguem obter um custo de transporte baixo, pois, a distancia média entre as fazendas e o porto possibilita uma economia para os produtores. 15

16 Tabela 9 Sustentabilidade das Cadeias dos Estados do Mato Grosso e Paraná Estados Mato Grosso (Sorriso) Paraná (Campo Mourão) Custo de produção Frete ao porto Despesas porto Transporte marítimo Prêmio Custo Total Em US$/t - Valor : US$ 1,00 = r$ 3,00 Fonte: Conab/2003 Conforme Tavares (2003), os produtores do Paraná ganham uma economia no transporte, mas perdem competitividade quando o produto chega ao porto de Paranaguá, pois prêmios negativos estão sendo exercidos, em razão das complicadas operações portuárias relacionadas a: recepção, estocagem, expedição de produtos e atracamento de navios. Com o crescimento da produção de milho e do trigo, e com uma política econômica nacional direcionada ao modelo exportador, verifica-se que há uma tendência forte de um maior deslocamento de produtos agrícolas para os portos de Paranaguá e Santos. Portanto, o próprio avanço das fronteiras agrícolas e a falta de alternativas de roteiros para o escoamento da soja, do milho e agora do trigo, produtos agrícolas plantados em novas áreas do cerrado, levarão maiores quantitativos, principalmente para o porto de Paranaguá (Figura 5), que poderá se tornar um gargalo para as exportações, prejudicando até mesmo os produtores do Paraná, que escoam sua produção tradicionalmente por aquele porto. A falta de infra-estrutura de apoio ao deslocamento dos grãos vai concentrar a movimentação pelo modo rodoviário, congestionando as estradas no período de colheita e de exportação. O problema do transporte das safras, portanto, deve ser entendido como um conjunto de ineficiências sistêmicas que prejudica a competitividade dos produtos brasileiros, premissa esta que vem ganhando ampla aceitação. Figura 6 Mapa do Brasil, localizando o escoamento da produção de soja do Mato Grosso para o porto de Paranaguá/pr Fonte: Tavares (2003) 16

17 De acordo com Tavares (2003), somente com investimentos em infra-estrutura de suporte operacional para a logística dos grãos, principalmente com uma formulação mais viável de privatização, por intermédio da alteração da forma de proporcionar a concessão dos sistemas de transporte (ferroviário, hidroviário e rodoviário), com incentivo à instalação de unidades armazenadoras nas fazendas e com a implementação das vias e dos serviços portuários nas hidrovias do interior do país, será afastado o perigo de um gargalo nos portos, principalmente, de Paranaguá, promovendo maiores ganhos de competitividade à agropecuária paranaense e mato-grossense, onde o complexo soja será o grande beneficiado. A Tabela 10 apresenta Produção e Rendimento da soja. Tabela 10 Soja Brasil e Paraná de Área, Produção e Rendimento BRASIL PARANÁ PRODUÇÃO ANOS ÀREA PROD. REND. ÀREA PROD. REND. PR/BR POSIÇÃO (Ha) (t.) (Kg/Ha) (Ha) (t.) (Kg/Ha) (%) PR/BR ,64 2a ,08 1a ,56 2a ,02 2a ,06 1a ,63 2a ,21 2a ,72 2a ,59 2a ,52 2a ,14 2a ,50 2a ,44 2a ,49 1a ,92 2a ,37 2a ,64 1a ,91 3a ,02 2a ,39 2a ,17 2a ,81 1a ,94 1a ,36 1a ,02 1a ,94 2a ,78 2a ,70 2a ,28 2a ,89 2a * ,76 2a. Fonte: SEAB/DERAL; IBGE; MA/SUPLAN; CONAB, Setembro de 2004 No 1º. Semestre de 2003, as exportações do complexo de soja corresponderam a 37% do total do valor das vendas externas do Paraná, totalizando US$ 1,23 bilhão. 17

18 Conforme o Superintendente da OCEPAR Nelson Costa, apenas 50% da produção foi exportada entre janeiro e julho de 2003, e o restante aguardou melhores preços. O aumento de 10% da produção e a alta do preço, fizeram com que ocorresse um aumento de 344% nas exportações da soja em grão no Estado no ano de Observa-se que a elevação da demanda foi acompanhada pelo incremento da produção mundial, projetada para 194 milhões de toneladas em 2002/03. Desta forma, tem-se um quadro favorável em relação aos preços da soja, pois acompanhando as médias mensais das cotações da soja no estado do Paraná desde mai/01, tem-se a forte valorização das mesmas a partir de mai/02, estando em aproximadamente R$ 41,00/saca em fev/03. Em 2004 o preço médio pago ao produtor do Paraná fechou em R$ 49,00 para saca de 60 kg na região Sudoeste, R$ 50,50 na região Centro-Sul, R$ 50,00 nas regiões oeste e noroeste, conforme Cooperativas do Paraná DERAL SIMA. CONCLUSÃO Durante a década de 60 foi crescente a necessidade de geração de divisas, isso fez com que o governo estimula-se as exportações, nesse contexto a soja se beneficiou-se sob dois fatores, a garantia de preços mínimos compensadores ao produtor e com o financiamento à lavoura pelo Banco do Brasil -que, com juros baixos, no caso das máquinas, ou abaixo da taxa de inflação, no caso dos insumos modernos (adubos, fertilizantes), permitiu às pequenas e médias propriedades a adoção de modernas técnicas de produção. Paralelamente a expansão da soja marcava a transição de uma cultura rudimentar, para outra com um caráter moderno e tecnificado. Outro fato marcante da expansão da soja no início da década de 1970, teve como um dos fatores impulsionadores, a agroindustrialização, não só a de óleos vegetais, mas também farelo de soja, que passam a ter no mercado internacional ( principalmente europeu) uma demanda em pleno crescimento (Muller, 1989). Os produtos do complexo soja cresceram de importância ao longo dos anos 90, de maneira que, no subperíodo 1989/92 os produtos, farelo de soja e grãos de soja representavam 45,5% das exportações do complexo agro industrial paranaense, passaram a representar 51,5% no subperíodo 97/00. Embora tenha crescido a participação do complexo soja, há de se destacar que houve inversão de participação entre o farelo de soja e soja em grãos. No subperíodo 89/92 o farelo de soja representava 42%, passou a representar 26,7% no subperíodo 97/00. Enquanto a soja em grãos evoluiu de 13,5% para 24,8% nos mesmos subperíodos. Essa constatação alerta para o fato de que está crescendo a participação dos produtos básicos nas exportações do complexo agroindustrial em relação aos produtos elaborados por processos industriais. A espetacular expansão da produção da soja no Brasil nos últimos anos (2000 a 2005) não resultou de subsídios oficiais, mas foi beneficiada pela desvalorização da moeda e da isenção do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para as exportações. Esta é a principal conclusão de um estudo que o Departamento de Agricultura (USDA). Já Conforme Casado (1999), o crescimento da produção é reflexo dos altos preços do grão, obtidos até a safra passada, da desoneração da cobrança de ICMS, da constante liquidez das commodities, porém, outros fatores devem ser considerados, como exemplo tem-se que a crise da triticultura favoreceu de modo indireto o crescimento do plantio de soja no país e no estado do Paraná. Observa-se que o sucesso da implantação do grão de soja no país depende cada vez mais da solução dos problemas causados pela redução do investimento público em infraestrutura e portuária e pela definição de uma nova forma de financiar o esforço para reduzir os custos depois do produto ser retirado da lavoura e comercializado (FAEP, 2003). 18

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de extração de óleos I Simpósio Tecnológico PBIO de Extração de Óleos Vegetais Daniel Furlan Amaral Economista Rio de Janeiro - RJ 03 Dezembro 2009 Roteiro

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Tributação na Indústria de Óleos Vegetais

Tributação na Indústria de Óleos Vegetais Câmara Setorial da Soja MAPA Tributação na Indústria de Óleos Vegetais Fabio Trigueirinho Secretário Geral Goiânia GO 12 de agosto de 2011 Estrutura da Apresentação Cadeia de produção da soja e seus derivados

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Potencialidades e desafios do AGRONEGÓCIO PARANAENSE

Potencialidades e desafios do AGRONEGÓCIO PARANAENSE Potencialidades e desafios do AGRONEGÓCIO PARANAENSE NORBERTO ANACLETO ORTIGARA SECRETÁRIO DE ESTADO JOSÉ TARCISO FIALHO ASSESSOR TÉCNICO 03/09/2012 Principal Estado Agrícola do BRASIL 2,3% do território

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais